Amílcar Cabral - o poeta da liberdade


Amílcar Cabral

Amílcar Lopes Cabral (poeta, político, e agrônomo). nasceu em 12 de setembro de 1924 em Bafatá, na Guiné, filho de Juvenal Lopes Cabral e de Iva Pinhel Évora. Aos 12 anos de idade junta-se ao pai, que nessa altura já havia regressado a Cabo Verde, e efetua os seus estudos primários na Rua Serpa Pinto, na Praia. Seguidamente inscreve-se em São Vicente no liceu Infante D. Henrique onde termina os estudos liceais em 1944, classificado como o melhor aluno. Ainda na sua juventude, Cabral evidenciava já uma especial avidez pela percepção do mundo que o rodeava, fato que se espelhava nos seus dotes de poeta e de escritor. Os seus sentimentos nacionalistas eram vistos com reprovação pelas autoridades coloniais.
Em 1945, Cabral é um dos primeiros jovens das colônias portuguesas a ser contemplado com uma bolsa para freqüentar os estabelecimentos de ensino superior em Portugal e matricula-se no Instituto Superior de Agronomia em Lisboa. A vida de estudante constituiu uma oportunidade para aprofundar o seu sentimento progressista anti-colonial, participando ativamente nas atividades estudantis clandestinas que se desenvolviam à volta da Casa dos Estudantes do Império e da Casa de África; foi aí que veio a conhecer Marcelino dos Santos, Vasco Cabral, Agostinho Neto, Eduardo Mondlane e outros estudantes que viriam a ser futuros líderes dos movimentos de libertação.
Estando de férias em Cabo Verde, em 1949, Cabral participa na Rádio-Clube elaborando um conjunto de programas de índole cultural que logo são interditados pelas autoridades, devido à sua mensagem nacionalista que era bem acolhida sobretudo no seio dos jovens.
Regressando a Lisboa para continuar os estudos, Cabral retoma as suas atividades políticas, com os estudantes africanos, não obstante a vigilância cerrada e as ameaças cada vez mais insinuantes da polícia política portuguesa, a PIDE (Polícia Internacional e de Defesa do Estado).
Em 1952 Cabral terminou o curso e casou-se com Maria Helena Atalaide Vilhena Rodrigues.
No início de 1953 Cabral é colocado como engenheiro agrônomo na Guiné-Bissau, para trabalhar na estação agrária experimental de Pessubé. Ele aproveita-se então da sua atividade profissional para percorrer a Guiné de ponta a ponta e adquirir um bom conhecimento do terreno bem como da constituição social das suas populações; é Cabral quem realiza o primeiro recenseamento agrícola dessa colônia portuguesa.
Amílcar Cabral
Depois de ter militado durante cerca de um ano no MING (Movimento de Libertação Nacional da Guiné), Amílcar Cabral decide fundar o PAIGC (Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde), a 19 de setembro de 1956.
Um ano mais tarde, Amílcar Cabral foi trabalhar em Angola e aí participou também na criação do MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola) em Luanda, tendo desenvolvido uma intensa atividade na mobilização de jovens angolanos para a luta contra a dominação colonial.
Em dezembro de 1957, Cabral viaja para Paris onde se encontra com Marcelino dos Santos, da FRELIMO (Frente de Libertação de Moçambique), e com Lúcio Lara, Mário de Andrade e Viriato da Cruz, do MPLA. Juntos resolvem então realizar a primeira reunião de concertação entre os movimentos de libertação das colônias portuguesas, na qual decidem cooperar em atividades conjuntas no campo internacional e criar em Lisboa um centro que coordenaria as ações entre esses movimentos. Na seqüência dessa reunião, Cabral ao regressar de Paris passa por Lisboa onde mobiliza os estudantes nacionalistas africanos para criarem o MAC (Movimento Anti Colonialista), primeira organização clandestina formada em Portugal por estudantes oriundos das colônias portuguesas.
Cabral desenvolve nessa altura uma série de contctos visando buscar apoios externos para a luta contra a dominação colonial.
Depois do massacre de Pidjiguiti realizado em Bissau pelas forças coloniais de repressão, a 3 de agosto de 1959, ele resolve regressar à Guiné-Bissau onde reúne a direção do PAIGC para analisar a situação da luta no país. Fica então decidido que o PAIGC deveria dar atenção prioritária à mobilização das populações rurais, com vista à preparação de condições para a passagem à luta armada, já que a repressão colonial havia demonstrado não admitir nenhuma veleidade de contestação legal ao sistema.
Em 1960, Cabral decide fugir com os seus companheiros para a Guiné-Conakry onde passaria a ficar instalada a sede do PAIGC. A partir desse país ele trabalha ativamente nos preparativos para o reforço do PAIGC e o arranque da luta armada de libertação nacional.
Em abril de 1960, em Casablanca, ele participa na criação da Conferência das Organizações Nacionalistas das colônias Portuguesas - CONCP.
Durante cerca de três anos Amílcar Cabral desenvolve uma intensa atividade de mobilização das populações no interior da Guiné, ao mesmo tempo que, no campo internacional desenvolve contatos para a obtenção dos apoios indispensáveis para a passagem a uma nova fase de luta.
A 23 de janeiro de 1963 inicia-se a luta armada na Guiné-Bissau.
Revelando-se um homem de grande capacidade intelectual e dotado de uma firme convicção na luta pela liberdade e a justiça social, Amílcar Cabral dedicou todos os seus esforços em prol da independência dos povos da Guiné e de Cabo Verde. De forma genial ele conseguiu conjugar os sucessos que se iam alcançando no terreno da luta militar na Guiné e no da luta política clandestina em Cabo Verde, com o desenvolvimento de uma ação diplomática que ele pessoalmente conduziu da forma mais eficaz.
Vários acontecimentos cruciais durante os anos da luta de libertação nacional constituem hoje datas marcantes da história de Cabo Verde cuja ocorrência se deve fundamentalmente à ação incansável de Amílcar Cabral. De entre eles podemos destacar:
• a elaboração em 1965 das "Palavras de Ordem" do PAIGC destinadas aos combatentes;
• o juramento de fidelidade realizado a 15 de janeiro de 1967, pelo primeiro grupo de 30 cabo-verdianos que receberam formação militar, com vista à preparação para a luta em Cabo Verde;
• a realização do Seminário de Quadros do PAIGC, em 1969;
• o reconhecimento do PAIGC pelas mais altas instâncias internacionais;
• o encontro do Papa em Roma, com os dirigentes dos movimentos de libertação das colônias portuguesas, em 1972;
• a preparação da independência da Guiné-Bissau.
Devido ao sucesso inquestionável que a sua ação vinha conseguindo, fazendo com que o sistema colonial português se sentisse cada vez mais desesperado no plano interno e mais isolado no plano internacional, Amílcar Cabral foi barbaramente assassinado a 20 de janeiro de 1973, por agentes a soldo do colonialismo.
:: Fonte: Gazeta do Racionalismo Cristão (Colaboração de Manuel ROCHA, fevereiro de 2007. Dados extraídos do livro Liberdade, ainda e sempre ..., de autoria da Associação dos Combatentes da Liberdade da Pátria (ACOLP), editado em julho de 1997). Disponível no link. (acessado em 5.7.2015).
:: Apontamentos para uma biografia, em Fundação Amilcar Cabral
(acessado em 5.7.2015).


Amílcar Cabral
OBRA DE AMÍLCAR CABRAL
Livros
:: P.A.I.G.C. – Manual político. Porto: Afrontamento, 1974.
:: Guiné-Bissau: nação africana forjada na luta. Lisboa: Nova Aurora, 1974.
:: Obras escolhidas de Amílcar Cabral - Unidade e luta I: A arma da teoria[textos coordenados por Mário Pinto de Andrade]. Lisboa: Seara Nova, 1978.
:: Obras escolhidas de Amílcar Cabral - Unidade e luta II: A prática revolucionária. [textos coordenados por Mário Pinto de Andrade]. Lisboa: Seara Nova, 1977.
:: Análise de alguns tipos de resistência. Guiné-Bissau: Imprensa Nacional, 1979.
:: Estudos agrários de Amílcar Cabral. Lisboa: IICT, 1988.
:: Nacionalismo e Cultura. Galiza: Edicións Laiovento, 1999.
:: As mulheres na frente da nossa vida e da nossa luta. Arquivo Amílcar Cabral, Fundação Mário Soares, documento 07060.027.027.

Artigos
CABRAL, Amílcar. A propósito da educação. Boletim de propaganda e Informação, 1947, n.º21 p. 24-25. 
_______ , Amílcar. Algumas considerações acerca das Chuvas. Boletim de Propaganda e Informação, 1949, n.º 1, p. 5-7. 
_______, Amílcar. Em defesa da terra. Boletim de Propaganda e Informação, 1949-1951, n.º 1 a 24.
_______ , Amílcar. A Cultura e o combate pela independência. Seara Nova, 1974, n.º 1544. 
_______ , Amílcar. Apontamentos sobre a poesia caboverdiana. Revista de Cultura Vozes, N. 1 / 1976 / Ano 70 p. 15 a 21.

Obra poética de Amílcar Cabral
:: Emergência da poesia em Amílcar Cabral (30 poemas de Amílcar Cabral).. [recolhidos e organizados por Oswaldo Osório]. Colecção Dragoeiro. Praia: Edição Grafedito, 1983. 


"Era natural (...) que com a morte do famoso estadista e intelectual africano, biógrafos e outros investigariam todas as facetas pertinentes da vida pública e particular de Amílcar Cabral. Deste modo, a revelação mais ampla de Cabral o poeta, além de ser uma homenagem ao herói martirizado, faz parte da restituição da história de Cabo Verde (...) na inter- secção das três esferas. A projecção da poesia de Cabral é uma incorporação, consciente ou inconsciente, de um modo quase esquecido e de uma visão retros- pectiva deste momento."
- Russel G. Hamilton in Literatura Africana Literatura Necessária- II. (fonte: FMSoares).


Amílcar Cabral
POEMAS ESCOLHIDOS DE AMÍLCAR CABRAL

A minha poesia sou eu
... Não, Poesia:
Não te escondas nas grutas de meu ser, 
não fujas à Vida.
Quebra as grades invisíveis da minha prisão, 
abre de par em par as portas do meu ser
— sai...
Sai para a luta (a vida é luta)
os homens lá fora chamam por ti, 
e tu, Poesia és também um Homem. 
Ama as Poesias de todo o Mundo,
— ama os Homens
Solta teus poemas para todas as raças,
para todas as coisas.
Confunde-te comigo...
Vai, Poesia:
Toma os meus braços para abraçares o Mundo,
dá-me os teus braços para que abrace a Vida. 
A minha Poesia sou eu.
- Amílcar Cabral, em "revista Seara Nova". 1946.


Eu sou tudo e sou nada...
Eu sou tudo e sou nada,
Mas busco-me incessantemente,
- Não me encontro!

Oh farrapos de nuvens, passarões não alados,
levai-me convosco!
Já não quero esta vida,
quero ir nos espaços
para onde não sei.
- Amílcar Cabral, em "Emergência da poesia em Amílcar Cabral" (30 poemas).. [recolhidos e organizados por Oswaldo Osório]. Colecção Dragoeiro. Praia: Edição Grafedito, 1983.


Ilha
Tu vives — mãe adormecida —  
nua e esquecida,
 seca,
fustigada pelos ventos,
ao som de músicas sem música
das águas que nos prendem…  

Ilha:  
teus montes e teus vales  
não sentiram passar os tempos  
e ficaram no mundo dos teus sonhos  
— os sonhos dos teus filhos —  
a clamar aos ventos que passam,  
e às aves que voam, livres,  
as tuas ânsias!  

Ilha:  
colina sem fim de terra vermelha  
— terra dura —  
rochas escarpadas tapando os horizontes,  
mas aos quatro ventos prendendo as nossas ânsias!
- Amílcar Cabral (Praia, Cabo Verde, 1945).


Naus sem rumo
Dispersas,
emersas,
sozinhas sôbre o Oceano …
Sequiosas,
rochosas,
pedaços do Africano,
do negro continente,
as engeitadas filhas,
nossas ilhas,
navegam tristemente …

Qual naus da antiguidade,
qual naus
do velho Portugal,
aquelas que as entradas
do imenso mar abriram …
As naus
que as nossas descobriram.

Ao vento, à tempestade,
navegam
de Cabo Verde as ilhas,
as filhas
do ingente
e negro continente …

São dez as caravelas
em busca do Infinito …
São dez as caravelas,
sem velas,
em busca do Infinito …
A tempestade e ao vento,
caminham …
navegam mansamente
as ilhas,
as filhas
do negro continente …

- Onde ides naus da Fome,
da Morna,
do Sonho,
e da Desgraça? …

- Onde ides? …

Sem rumo e sem ter fito,
Sozinhas,
dispersas,
emersas,
nós vamos,
sonhando,
sofrendo,
em busca do Infinito! …
- Amílcar Cabral, em "Emergência da poesia em Amílcar Cabral" (30 poemas).. [recolhidos e organizados por Oswaldo Osório]. Colecção Dragoeiro. Praia: Edição Grafedito, 1983.


No fundo de mim mesmo...
No fundo de mim mesmo
eu sinto qualquer coisa que fere minha carne,
que me dilacera e tortura …

… qualquer coisa estranha (talvez seja ilusão),
qualquer coisa estranha que eu tenho não sei onde
que faz sangrar meu corpo,
que faz sangrar também
a Humanidade inteira!

Sangue.

Sangue escaldante pingando gota a gota
no íntimo de mim mesmo,
na taça inesgotável das minhas esperanças!
Luta tremenda, esta luta do Homem:
E beberei de novo – sempre, sempre, sempre -
este sangue não sangue, que escorre do meu corpo,

este sangue invisível – que é talvez a Vida!
- Amílcar Cabral, em "Emergência da poesia em Amílcar Cabral" (30 poemas).. [recolhidos e organizados por Oswaldo Osório]. Colecção Dragoeiro. Praia: Edição Grafedito, 1983.


(Poemas da juventude)
Eu lembro-me ainda dos tempos antigos, 
Dos tempos sem nome, só teus e só teus …
Em que eras um homem de poucos amigos,
Metido contigo, contigo e com Deus …

Outro homem és hoje – e outro serás,
Bem forte na luta, em prol dos Humanos.
Na luta da vida – eu sei – vencerás,
Num Mundo de todos, sem Mal e sem danos.
- Amílcar Cabral, em "Emergência da poesia em Amílcar Cabral" (30 poemas).. [recolhidos e organizados por Oswaldo Osório]. Colecção Dragoeiro. Praia: Edição Grafedito, 1983.


Regresso
Mamãe Velha, venha ouvir comigo
o bater da chuva lá no seu portão.
É um bater de amigo
que vibra dentro do meu coração.

A chuva amiga, Mamãe Velha, a chuva,
que há tanto tempo não batia assim...
Ouvi dizer que a Cidade-Velha,
— a ilha toda —
Em poucos dias já virou jardim...
Dizem que o campo se cobriu de verde,
da cor mais bela, porque é a cor da esp´rança.
Que a terra, agora, é mesmo Cabo Verde.
— É a tempestade que virou bonança...

Venha comigo, Mamãe Velha, venha,
recobre a força e chegue-se ao portão.
A chuva amiga já falou mantenha
e bate dentro do meu coração!
- Amílcar Cabral, em "Emergência da poesia em Amílcar Cabral" (30 poemas).. [recolhidos e organizados por Oswaldo Osório]. Colecção Dragoeiro. Praia: Edição Grafedito, 1983.


Sim quero-te...
Quero-te quando solitário cismo
na nossa vida,
nossa triste vida …
e optimista, esperançoso eu vejo
o meu futuro,
o teu futuro,
e uma vida melhor …

Quero-te quando a nossa melodia,
a nossa morna,
cantas docemente …
… e eu sonho, eu vivo, e eu subo a escada mágica
da tua voz serena,
e eu vou viver contigo!

Quero-te quando contemplo o nosso mundo,
um mundo de misérias,
de dor,
e de ilusões …
… e penso, e creio e tenho
a máxima Certeza
de que o romper da aurora
do “dia para todos”
não tarda … e vem já perto …

… E o mundo de misérias
será um mundo de Homens …

Eu quero-te! Eu quero-te!
Como o dia de amanhã! …
- Amílcar Cabral, em "Emergência da poesia em Amílcar Cabral" (30 poemas).. [recolhidos e organizados por Oswaldo Osório]. Colecção Dragoeiro. Praia: Edição Grafedito, 1983.


Poema
Quem é que não se lembra
Daquele grito que parecia trovão?!
– É que ontem
Soltei meu grito de revolta.
Meu grito de revolta ecoou pelos vales mais longínquos da Terra,
Atravessou os mares e os oceanos,
Transpôs os Himalaias de todo o Mundo,
Não respeitou fronteiras
E fez vibrar meu peito...

Meu grito de revolta fez vibrar os peitos de todos os Homens,
Confraternizou todos os Homens
E transformou a Vida...

... Ah! O meu grito de revolta que percorreu o Mundo,
Que não transpôs o Mundo,
O Mundo que sou eu!

Ah! O meu grito de revolta que feneceu lá longe,
Muito longe,
Na minha garganta!


Na garganta de todos os Homens
- Amílcar Cabral, em "Emergência da poesia em Amílcar Cabral" (30 poemas).. [recolhidos e organizados por Oswaldo Osório]. Colecção Dragoeiro. Praia: Edição Grafedito, 1983.


Que fazer?!...
Eu não compreendo o Amor,
eu não compreendo a Vida
Mistérios insondáveis,
Formidáveis,
Mistérios que o Homem enfrenta
Mistérios de um mistério
Que é a alma humana …

Eu não compreendo a Vida:
Há luta entre os humanos,
Há guerra,
Há fome, e há injustiça imensa:
H á pobres seculares,
Aspirações que morrem …
Enquanto os fortes gastam
Em gastos não precisos
Aquilo que outros querem …

Eu não compreendo o amor:
Amamos quem sabemos impossível
Sentir por nós aquilo
Que tanto cobiçamos …

A Vida não me entende,
Eu não compreendo a Vida.
Quero entender o Amor,

E o amor não me compreende!
- Amílcar Cabral, em "Emergência da poesia em Amílcar Cabral" (30 poemas).. [recolhidos e organizados por Oswaldo Osório]. Colecção Dragoeiro. Praia: Edição Grafedito, 1983.

Amilcar Cabral
FORTUNA CRÍTICA DE AMÍLCAR CABRAL
AMADO, Leopoldo. Guerra colonial & guerra de libertação nacional, 1950-1974: o caso da Guiné-Bissau. Lisboa: Instituto Português de Apoio ao Desenvolvimento, 2011.
ARAUJO, Bohumila Sampaio de.. Ideário de Amílcar Cabral (1924-1973), baseado na leitura das suas obras.. In: Guido Araujo. (Org.). Trocas culturais afro luso brasileiras. 1ª ed., Salvador: Contraste, 2005, v. 1, p. 52-61.
ANDRADE, Mário Pinto de.. Amílcar Cabral e a reafricanização dos espíritos: um depoimento de Mário Pinto de Andrade. Nô Pintcha. Bissau, ano II, nº 225, 12 de setembro de 1076, p. 8-9.
ANDRADE, Mário Pinto de.. A geração de Cabral/ Palestra feita na Escola Piloto em 8 de Fevereiro de 1973. PAIGC: Instituto Amizade, 1973.
ANDRADE, Mário Pinto de.. Amílcar Cabral: ensaio de biografia política. Lisboa: Sá da Costa, 1981.
BRAGANÇA, Aquino de.. Amílcar Cabral. Pontos de Vista, 1976.
BUALA. Quem foi a mãe de Amílcar Cabral?. in: Buala. Disponível no link. (acessado em 11.9.2015).
CABRAL, Luís. Crónica da libertação. Lisboa: edição O Jornal, 1984. 
CASSAMÁ, Daniel Júlio Lopes Soares. Amílcar Cabral e a Independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde. (Dissertação Mestrado em Sociologia). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, 2014. Disponível no link. (acessado em 11.9.2015).
CASTANHEIRA, José Pedro. Quem mandou matar Amílcar Cabral?. Lisboa: Relógio de água, 1995.
CHABAL, Patrick. Amílcar Cabral: revolutinary leadership and people’s war. London: Hurst & Company, 2002.
COMITINI, Carlos. Amilcar Cabral: A arma da teoria. Rio de Janeiro: Codecri, 1980.
DAVIDSON, Basil. O fardo do homem negro: os efeitos do Estado-Nação em África. Porto: Campo das Letras, 2000.
DAVIDSON, Basil. A libertação da Guiné: Aspectos de uma revolução africana. Lisboa: Sá da Costa, 1975. 
DUARTE SILVA, Antonio E.. Amílcar Cabral: Documentário (textos políticos e culturais). Lisboa edições Cotovia, Lda 2008.
DUARTE SILVA, Antonio E..  A independência da Guiné-Bissau e a descolonização portuguesa. Porto, Edições Afrontamento, 1997.
FRANCO, Paulo Fernando Campbell. Amílcar Cabral: a palavra falada e a palavra vivida. (Dissertação Mestrado em História Social). Universidade de São Paulo, USP, 2009.
FREIRE, Paulo. Cartas à Guiné-Bissau: registros de uma experiência em progresso. [1977] 4ª ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.
FUNDAÇÃO MARIO SOARES. Amílcar Cabral: sou um simples africano... Lisboa: Fundação Mario Soares, 2000. 
GADOTTI, Moacir; ROMAO, J. E.. Paulo Freire e Amílcar Cabral: a descolonização das mentes. 1ª ed., São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2012. v. 1. 121p .
GOMES, Paula Godinho. Os fundamentos de uma nova sociedade. O PAIGC e a luta armada na Guiné-Bissau (1963-1973). Torino, L’Harmattan , Italia, 2010. 
GOMES, Simone Caputo. A presença de Amílcar Cabral na Literatura Africana de Língua Portuguesa e Crioula. In: I Encontro de Professores de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa, 1995, Niterói. Repensando a Africanidade: I Encontro de Professores de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa. Niterói: Imprensa Universitária da UFF, 1995. v. 1. p. 361-370. 
IGNÁTIEV, Oleg. Amílcar Cabral. Moscovo: Edições Progresso, 1984. 
KAPITANGO-A-SAMBA, Kilwangy kya. Amílcar Cabral e a Prática Sociopolítica: considerações sobre alguns princípios. (Monografia Graduação em Filosofia). Centro Universitário Assunção, UNIFAI, 2002.
Amílcar Cabral
LARANJEIRO, Catarina. Amílcar Cabral: o que foi e o que dele faremos. Mestres do Mundo Trabalho final do Seminário Conhecimentos, Sustentabilidade e Justiça Cognitiva, Fev, 2014. Disponível no link. (acessado em 5.7.2015).
LIMA, Kelly Mendes. Cinema guineense: referências a Amílcar Cabral. BUALA - Cultura Contemporânea Africana, 2011. Disponível no link. (acessado em 11.9.2015).
LIVRO. Amílcar Cabral. in: Amílcar Cabral.org. Disponível no link. (acessado em 11.9.2015).
LOPES, Carlos (org.). Desafios contemporâneos da África: o legado de Amílcar Cabral. São Paulo: Editora Unesp, 2012. 
LOPES, Carlos. O Legado de Amílcar Cabral face aos desafios da ética contemporânea. In: Cabral no cruzamento de épocas: Comunicações e Discursos produzidos no II Simpósio Internacional Amílcar Cabral. Praia: Alfa Comunicações, 2005. 
LOPES, Carlos. Amilcar Cabral: uma inspiração para os dias de hoje. In: LOPES, Carlos (org.). Desafios contemporâneos da África: o legado de Amilcar Cabral. São Paulo: Editora Unesp, 2012.
MARCHESI, Reinaldo de Souza. Amílcar Cabral o educador da revolução. Jornal Matadalan, Díli (Timor-Leste), , v. Edição 85, p. 9 - 9, 1 abr. 2015.
MATOS, Nailton Santos de.. A dimensão revolucionária da literatura de Amílcar Cabral e Lucien Goldmann. Anais do IV Encontro de pesquisa discente do programa de pós-graduação em educação da UNINOVE. Disponível no link. (acessado em 11.9.2015).
MENDY, Peter. Amílcar Cabral e a libertação da Guiné-Bissau: contexto, desafios e lições para uma liderança africana efetiva. In: LOPES, Carlos (org.). Desafios contemporâneos da África: o legado de Amilcar Cabral. São Paulo: Editora Unesp, 2012.
MONIZ, Lino Vaz. Amílcar Cabral e Paulo Freire na Era da Tecnologia Digital. (Dissertação Mestrado em Educação). Universidade de Brasília, UNB, 2004.
MONIZ, Lino Vaz; MORAES, Raquel de Almeida. Amílcar Cabral e Paulo Freire na Era da Tecnologia Digital. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores(as) Negros(as) - ABPN, v. 5, p. 108-124, 2013.
MONTEIRO, Mateus. Amílcar Cabral e a Poesia. in: garcote blog. Disponível no link. (acessado em 11.9.2015).
MONTEIRO, Tiago Francisco. Descolonização e imprensa brasileira: o caso do assassinato de Amílcar Cabral nos jornais Folha de São Paulo e Jornal do Brasil (1973).. In: 3º Encontro Regional Sudeste de História da Mídia, 2014, Rio de Janeiro. Anais do 3º Encontro Regional Sudeste de História da Mídia, 2014.
MILANI, Ada. Imperialismo, cultura e liberazione nazionale: l'attualità del pensiero anticolonialista di Amilcar Cabral. (Dissertação Mestrado em Lingue e Letterature Europee ed Extraeuropee). Università degli Studi di Milano, UNIMI, Itália, 2012.
MILANI, Ada. Profilo biografico di Amílcar Cabral. Scritture migranti, v. 5, p. 219, 2012.
MILANI, Ada. Amílcar Cabral, Fondamenti e obiettivi della liberazione nazionale in rapporto alla struttura sociale. Scritture Migranti, v. 5, p. 189, 2012.
NDJAI, Tcherno. O pensamento político de Amílcar Cabral, suas contradições na libertação da Guiné Bissau. 1ª ed., Saarbrücken: Novas Edições Acadêmicas, 2013. v. 1. 260p.
NDJAI, Tcherno. O Pensamento Político de Amilcar Cabral: teoria e prática em momentos decisivos na libertação da Guiné-Bissau(1959-1969).. (Dissertação Mestrado em História). Universidade Federal do Espírito Santo, UFES, 2012.
NEVES, José. Marxismo, Anticolonialismo e Nacionalismo: Amílcar Cabral, A Imaginação A Partir de Baixo. 4º Congresso Marx/Engels. Campinas: CEMARX/ UNICAMP, 2005.
ORAMAS, Oscar. Amílcar Cabral, para além do seu tempo. Lisboa: Hugin, 1998.
Amílcar Cabral, por Fabiana Miraz de Freitas Grecco
PEREIRA, Amauri Mendes. Falar de Amilcar Cabral é falar das lutas dos povos. Revista Espaço Acadêmico (UEM), v. 12, p. 120-129, 2012.
PEREIRA, Amauri Mendes (Org.). Falar de Amilcar Cabral é falar da luta do povo. Rio de Janeiro: Cooperativa Mista de Comunicação e da Imprensa Alternativa, 1982. 45p.
PEREIRA, Amilcar Araujo; VITTORIA, Paolo. A luta pela descolonização e as experiências de alfabetização na Guiné-Bissau: Amilcar Cabral e Paulo Freire. Estudos Históricos (Rio de Janeiro),  vol.25 no.50 Rio de Janeiro July/Dec. 2012. Disponível no link. (acessado em 11.9.2015).
PEREIRA, Aristides. Guiné-Bissau e Cabo Verde. Uma luta, um Partido, dois países. Lisboa: Editorial Noticias, 2002. 
SANTOS, J. H. F.; SORRISO, R.; DIONISIO, Dejair. Amílcar Cabral na poética crioula de Eneida Nelly. In: Ricardo Sorriso; José Henrique de Freitas Santos. (Org.). Afro-Rizomas na Diáspora Negra: as Literaturas Africanas na Encruzilhada Brasileira. 1ª ed., Rio de Janeiro: Editora Kitabu, 2013, v. 1, p. 263-274.
SOUSA, Julião Soares de.. Vida e morte de um revolucionário africano. Assírio Bacelar, 2011.
SOUSA CORDEIRO, Roberto. La problemática democratización de Guinea Bissau: el papel distorsionador de los partidos políticos y de los militares en el proceso electoral y democrático. (Dissertação Mestrado em Democracia y Buen Gobierno). Universidade de Salamanca, Espanha, 2013.  
SPAREMBERGER, Alfeu. A singularidade da literatura guineense no contexto das literaturas de língua portuguesa. (Tese Doutorado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 2004.
SPAREMBERGER, Alfeu. A reafricanização dos espíritos na obra de Amílcar Cabral: sobre um depoimento de Mário Pinto de Andrade. Revista África e Africanidades, ano II, nº 12, fev, 2011. Disponível no link. (acessado em 11.9.2015).
TOMÁS, António. O fazedor de Utopias: Uma autobiografia de Amílcar Cabral. Lisboa: Tinta-da-China, 2007.
VILLEN, Patrícia. L'ideologia coloniale portoghese e la critica di Amílcar Cabral. (Dissertação Mestrado em Filosofia Pratica e Relazioni Umane). Università Ca' Foscari di Venezia, UNIVE, Itália, 2008.
VILLEN, Patrícia. Amílcar Cabral e a crítica ao colonialismo. 1ª ed., São Paulo: Expressão Popular, 2013.
VILLEN, Patrícia. Cultura, resistência e transformação na teoria de Amílcar Cabral. Capoeira. Revista de Humanidades e Letras, v. 1, p. 30-44, 2014. 



Amílcar Cabral
"(...) sentimento de protesto, nascido da inadequação dos valores culturais próprios às situações de opressão e discriminação (...). conduziu à emergência da revolta que se afirmaria como traço distintivo da sua personalidade e factor de formação do revolucionário consequente em que se tornou. Ainda na juventude, estes valores e este espírito traduziram-se em formas de expressão que vão de incursões no campo da literatura à intensa actividade de divulgação cultural! É uma produção literária, quer em verso quer no domínio da ficção, a traduzir um engajamento com a realidade circundante, é a preocupação do estudante de agronomia a debruçar-se na área da sua especialidade, sobre o fenómeno da erosão, problema candente na luta pela sobrevivência do povo caboboverdiano, e a animação cultural através de programas radiofónicos de forte penetração popular que, alertada, a autoridade colonial suspende."
- Aristides Pereira. O perfil de Cabral e a actualidade do seu pensamento, In CONTINUAR CABRAL (Simpósio Internacional Amílcar Cabral).. (fonte: FMSoares).


DOCUMENTÁRIOS E EPISÓDIOS

Filme da Guiné Bissau / Amilcar Cabral O Pai Da Nação Guineense



Cabralista - part 1: Amilcar Cabral



PAIGC/Guiné _ Tite Primeiros Tiros Luta Armada 1963



Assassinato de Amilcar Cabral (1973)


AFRICA EM PAUTA 
Amílcar Cabral, por (...)
:: África em Pauta - memória, história, arte  


ESCRITORES AFRICANOS NESTE SITE
:: Alda Espírito Santo (São Tomé e Príncipe)
:: Amélia Dalomba (Angola)
:: Amílcar Cabral (Guiné-Bissau)
:: Ana Paula Tavares (Angola)
:: António Agostinho Neto (Angola)
:: António Mendes Cardoso (Angola)
:: Fernando Costa Andrade (Angola)
:: Fernando Leite Couto (Moçambique)
:: João Maimona (Angola)
:: José Craveirinha (Moçambique)
:: José Eduardo Agualusa (Angola)
:: José Luandino Vieira (Angola)
:: Mia Couto /+ fortuna crítica+  Poemas (Moçambique)
:: Noémia de Sousa (Moçambique)
:: Ondjaki (Angola)
:: Orlanda Amarílis (Cabo Verde)
:: Paulina Chiziane (Moçambique)
:: Pepetela (Angola)

:: Raúl Alves Calane da Silva (Moçambique)
:: Ruy Duarte de Carvalho (Angola) 



Amílcar Cabral, por  Jaílson Delgado (Jan.2013)
REFERÊNCIAS E OUTRAS FONTES DE PESQUISA
:: Cesar Schofield Cardoso
:: CIDAC
:: Fundação Amílcar Cabral
:: Fundação Mário Soares
:: Vida e Obra de Amílcar Cabral (notícias sapo)


© Direitos reservados ao autor/ou aos seus herdeiros

© Pesquisa, seleção e organização: Elfi Kürten Fenske

=== === ===
Trabalhos sobre o autor:
Caso, você tenha algum trabalho não citado e queira que ele seja incluído - exemplo: livro, tese, dissertação, ensaio, artigo - envie os dados para o nosso "e-mail de contato", para que possamos incluir as referências do seu trabalho nesta pagina. 

Conteúdo, textos, fotos, caricaturas, charges, imagens e afins
:: Sem identificação: nos ajude a identificar o autor, fontes e afins.
:: Autor(a): caso não concorde com a utilização do seu trabalho entre em contato.

Como citar:
FENSKE, Elfi Kürten (pesquisa, seleção e organização). Amílcar Cabral - o poeta da liberdade. Templo Cultural Delfos, setembro/2015. Disponível no link. (acessado em .../.../...).
____
** Página atualizada em 11.9.2015.



Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2016 Templo Cultural Delfos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!