Pepetela - identidade e resistência

Pepetela - foto: © (...)

“os raios de sol sempre descobrem as faces escondidas do diamante, mesmo se enterrado na areia. É só preciso saber ver.” 
- Pepetela, em "A geração da utopia". Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2000, p.101

Pepetela(Artur Carlos Maurício Pestana dos Santos) nasceu em Benguela, Angola, em 29 de outubro de 1941, onde cursou o Ensino Secundário. Partiu para frequentar a Universidade, em Lisboa, em 1958. Por razões políticas, em 1962, saiu de Portugal para Paris e seis meses depois para a Argélia, onde se licenciou em Sociologia, ao mesmo tempo que trabalhava na representação do MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola) e no Centro de Estudos Angolanos, que ajudou a criar.
Em 1969 foi chamado a participar na luta de libertação angolana, em Cabinda, tendo então adotado o nome de guerra de Pepetela, que mais tarde viria a utilizar como pseudónimo literário. Em Cabinda foi simultaneamente guerrilheiro e responsável do sector da educação.
Em 1972 foi transferido para a Frente Leste de Angola, onde desempenhou a mesma actividade até ao acordo de paz de 1974 com o Governo português.
Pepetela - foto: © (...)
Em Novembro de 1974 integrou a primeira delegação do MPLA que se fixou em Luanda, desempenhando os cargos de Director do Departamento de Educação e Cultura e do Departamento de Orientação Política.
Em 1975, até à data da independência de Angola, foi membro do Estado-Maior da Frente Centro. No mesmo ano, participou na fundação da União de Escritores Angolanos.
De 1976 a 1982, foi vice-ministro da Educação, passando posteriormente a leccionar Sociologia na Universidade de Luanda. Tem desempenhado cargos directivos na União de Escritores Angolanos. Actualmente é Presidente da Assembleia-Geral da Associação Cultural “Chá de Caxinde” e da Sociedade de Sociólogos Angolanos.
Em 1997 foi galardoado com o Prémio Camões, considerado o mais importante prémio literário para autores de língua portuguesa.
As suas obras publicadas são: "As aventuras de Ngunga" (1973), "Muana Puó" (1978), "A revolta da casa dos Ídolos" (1979), "Mayombe" (1980), "Yaka" (1985), "O cão e os calús" (1985), "Lueji" (1989), "Luandando" (1990), "A geração da utopia" (1992), "O desejo da Kianda" (1995), "Parábola do cágado velho" (1996); "A gloriosa família" (1997); "A montanha da água lilás" (2000), "Jaime Bunda, agente secreto" (2001), "Jaime Bunda e a morte do americano" (2003), "Predadores" (2005), "O terrorista de Berkeley, Califórnia" (2007), "O quase fim do mundo" (2008), "O planalto e a estepe" (2009), "A sul. O sombreiro" (2011), "O tímido e as mulheres" (2013).

* Pepetela em Kimbundu significa Pestana.

"Quando regresso a Benguela, tenho sempre a sensação de entrar no ventre materno. Começa pelo ar. Cada terra tem o seu ar, com consistência própria e sobretudo cheiros particulares. Sinto isso ao chegar, sendo mais acentuado se a viagem é feita de avião, em que não há etapas de transição para adaptação dos sentidos às mudanças... Depois há a cidade e as gentes." 
- Pepetela, sobre a sua cidade natal. in: UEA-Bio-quem: Pepetela.
-------
Fonte: Edições Nelson Matos/UEA/Bio. (editada e atualizada pelos editores deste site)


Pepetela - foto: © (...)

"Talvez, talvez de velho de kimbo (de aldeia), de sekulo. Esses velhos que desprezamos, imbuídos da nossa cultura citadina judaico-cristã, têm muito a ensinar sobre a gestão do tempo, sobre os ritmos da vida. Beberam isso na fonte da sabedoria. Transmitem esses ensinamentos através de fábulas, de poemas orais, de adivinhas. Apesar de aparecerem em livros, não os sabemos ler. O que eles nos dizem, com as suas palavras, e que não entendemos, é que a natureza tem os seus próprios ritmos com os quais nós devemos conciliar para modificar a natureza. Ora, o que fazemos nós os crioulos de híbridos de duas civilizações? Impomos apenas a componente da industrialização e do desenvolvimento exógeno, quer sejamos socialistas quer capitalista, o que implica outros ritmos. E depois admiramo-nos porque a natureza não os segue, nos prega partida a todos os instantes. Eles sabem isso, e dizem-nos, mas como são analfabetos, o nosso preconceito emudece-os ao nosso entendimento. Nós temos o conhecimento sagrado do marxismo-leninismo ou do ultra-liberalismo do FMI, estudamos nas melhores universidades, como nos vamos rebaixar, perder tempo, a tentar perceber porque nos ensinam? (…) nunca vermos nossa própria cegueira.” 
- Pepetela, em "A geração da utopia". Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000, p.262-263.


PRÉMIOS E HOMENAGENS
Pepetela, por Fabiana Miraz de Freitas Grecco
1980 - Prémio Nacional de Literatura de Angola, da União de Escritores de Angola, pelo romance 'Mayombe';
1985 - Prémio Nacional de Literatura de Angola, da União de Escritores de Angola, pelo romance 'Yaka';
1993 - Prémio especial dos Críticos de São Paulo (Brasil), pelo romance 'A geração da utopia';
1997Prémio Camões, pelo conjunto de sua obra;
1999 - Prémio Prinz Claus (Holanda), pelo conjunto da obra;
2002 - Prémio Nacional de Cultura e Artes, pelo conjunto da obra;
2007 - Prémio Escritor galego universal 2007, atribuído pela Associação de Escritores de Língua galega, AELGpelo conjunto da obra;
2014 - Prémio Rosália de Castro do Centro PEN Galiza (Espanha), pelo conjunto da obra;
2014 Personalidade do Ano na categoria escritor pelo semanário "Angolense".


"Factos enterrados no esquecimento do tempo, talvez incómodos para os narradores da tradição oral e por isso apagados da História em momentos diferentes de afirmações de poderes, mas que ela fazia renascer para que o mito tivesse corpo e não apenas um esqueleto, deixando assim de ser mito para se tornar realidade presente que a amparasse, a alimentasse dessa fome de certezas no seu mundo de hesitações e dúvidas..."
- Pepetela, em "Lueji, o nascimento de um império". 5ª ed., Lisboa: Dom Quixote, 2008, p. 210. 

Livros de Pepetela 

OBRA DE PEPETELA - PRIMEIRAS EDIÇÕES
Romance
:: As aventuras de NgungaLisboa: Edições 70, 1973.
:: Muana PuóLisboa: Edições 70, 1978.
:: MayombeLisboa: Edições 70, 1980; 2ª ed., 1982.
:: A revolta da casa dos ídolos. (Colecção Autores Angolanos). Lisboa: Edições 70, 1980.
:: O cão e os caluandasLisboa: Dom Quixote, 1985.
Pepetela - foto: ©Jorge Nogueira/Divulgação
:: YakaLisboa: Dom Quixote, 1985.
:: Lueji: o nascimento de um impérioLisboa: Dom Quixote, 1990.
:: A geração da utopiaLisboa: Dom Quixote, 1992; 2ª ed., 1993.
:: O desejo de Kianda. Lisboa: Dom Quixote, 1995.
:: Parábola do cágado velho: romanceLisboa: Dom Quixote, 1996.
:: A gloriosa família: o tempo dos flamengosLisboa: Dom Quixote, 1997.
:: A montanha da água lilás: fábula para todas as idadesLisboa: Dom Quixote, 2000.
:: Jaime Bunda, agente secretoLisboa: Dom Quixote, 2001
:: Jaime Bunda e a morte do americanoLisboa: Dom Quixote, 2003.
:: PredadoresLisboa: Dom Quixote, 2005.
:: O terrorista de Berkeley, CalifórniaLisboa: Dom Quixote, 2007.
:: O quase fim do mundoLisboa: Dom Quixote, 2008.
:: O planalto e a estepe. Lisboa: Dom Quixote, 2009.
:: A sul. O sombreiroLisboa: Dom Quixote, 2011.
:: O tímido e as mulheres. Lisboa: Dom Quixote, 2013.
:: Se o passado não tivesse asas. Luanda: Texto Editores; Lisboa: Dom Quixote, 2016.

Contos
:: Contos de morte. Lisboa: Edições Nelson de Matos, 2008.

Crónica
:: Crónicas com Fundo de Guerra. [As crónicas que compõem o livro foram publicadas no jornal “Público” de 1992 a 1995 e tinham por título genérico “Da Terra dos Mitos”].. (Coleção Mil Horas de Leitura, 14). Lisboa: Edições Nelson de Matos, 2011, 216p.

Peças de teatro
:: A corda. Luanda: União dos Escritores Angolanos, 1978.
:: A revolta da casa dos ídolos. Lisboa: Dom Quixote, 1979.

Antologias [participação]
:: Estórias além do tempo [antologia de contos de autores angolanos: Pepetela, José Eduardo Agualusa, Ondjaki, Arnaldo Santos, Carmo Neto, Dario de Melo, Fragata de Morais, Henrique Abranches, Henrique Guerra, Isaquiel Cori, João Melo, João Tala, Marta Santos, Luís Fernando, Sónia Gomes, Roderick Nehone e José Samwila].. (Organização Domingas de Almeida sob orientação de Adriano Botelho de Vasconcelos). Luanda: União dos Escritores Angolanos; Lisboa: Editora Leya, 2014.


"A ideia de angolanidade está presente em toda a sua obra mas de forma natural que não a condiciona do ponto de vista literário. Pepetela está a escrever não sobre Angola. Ele está escrevendo Angola, essa que há mas que ainda não existe, a sonhada e a geradora de sonhos."
- Mia Couto, em epígrafe a 'Contos de Morte' de Pepetela.



Capa do livro "Lueja..", Pepetela
PUBLICAÇÕES DE PEPETELA EM ANGOLA
:: As aventuras de Ngunga. (Colecção 2K, de Kabinda ao Kunene). 3ª ed., Luanda: UEA, 1977.
:: Mayombe. (Edição de bolso). 2ª ed., Luanda: União dos Escritores Angolanos, 1980.
:: Yaka. Luanda: União dos Escritores de Angola, 1988.
:: Lueji – o nascimento de um império. Luanda: União dos Escritores Angolanos, 1989.
:: Luandando. Luanda: Elf Aquitaine, 1990.
:: Mayombe. Luanda: Edições Maianga, 2004.
:: Contos de Morte. Luanda: Chá de Caxinde, 2008.
:: O tímido e as mulheres. Luanda: União dos Escritores Angolanos, 2013.


“O povo é como tronco de árvore. Todos se apoiam a ele, sobem por ele, para apanhar os frutos que estão lá em cima. Não é o povo que lhes interessa. Só os frutos.”
- Pepetela, em "A geração da utopia". São Paulo: Editora LeYa Brasil, 2013, p. 212.


PUBLICAÇÕES DE PEPETELA NO BRASIL
Pepetela - foto: © (...)
:: Mayombe. (Coleção Autores Africanos, 14). São Paulo: Ática, 1982.
:: As aventuras de Ngunga. 3ª ed., São Paulo: Ática, 1983.
:: Yaka. (Coleção Autores Africanos, 23). São Paulo: Ática, 1984.
:: A gloriosa família: o tempo dos flamengos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.
:: A geração da utopia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.
:: Jaime Bunda - agente secreto. Rio de Janeiro: Record, 2003; 2ª ed., 2010.
:: Mayombe. São Paulo: Livraria Martins Fontes, 2004.
:: Parábola do cágado velho. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005.
:: Predadores. Rio de Janeiro: Língua Geral, 2005.
:: A geração da utopia. São Paulo: Editora Leya Brasil, 2013.
:: O tímido e as mulheres. São Paulo: Leya Brasil, 2014.

"[...] Costumo pensar que a nossa geração se devia chamar a geração da utopia. [...] éramos puros e queríamos fazer uma coisa diferente. Pensávamos que íamos construir uma sociedade justa, sem diferenças, sem privilégios, sem perseguições, uma comunidade de interesses e pensamentos, o Paraíso dos Cristãos, em suma. A um momento dado, mesmo que muito breve nalguns casos, fomos puros, desinteressados,
só pensando no povo e lutando por ele. E depois... tudo se adulterou, tudo apodreceu, muito antes de se chegar ao poder. Cada um começou a preparar as bases de lançamento para esse poder, a defender posições particulares, egoístas. A utopia morreu. E hoje cheira mal, como qualquer corpo em putrefacção. Dela só resta um discurso vazio."
- Pepetela, em "A geração da utopia". 2ª ed., Lisboa: Dom Quixote, 1993, p. 202.


"Evidentemente, eu penso que a nossa literatura precisa de ir à tradição- e eu, sempre que posso, tento ir, procurar raízes. Isto é uma sociedade com muitas fontes – não só fontes propriamente africanas, mas que são diversas conforme as regiões, conforme as culturas e etnias; mas, depois toda a influência europeia, quer de Portugal, quer do resto da Europa, quer do próprio Brasil etc. Há um caldear de culturas, aqui, e nós temos de ir procurando raízes daquilo que faz uma certa identidade. E aí, sim, aí é uma busca consciente de ir buscar certos valores, certos referenciais à cultura tradicional."
- Pepetela, apud LABAN, Michel. Angola: Encontro com Escritores In: CHAVES, Rita; MACÊDO, Tania (Orgs.). Portanto... Pepetela. São Paulo: Ateliê, 2009. p. 35.

Pepetela - foto © Luísa Barragon

"Uma montanha os separava. Que importava?
Uma montanha é pouco contra a fantasia"
- Pepetela, em "Muana Puó". Lisboa: Edições 70, 1978, p. 24.


FORTUNA CRÍTICA DE PEPETELA
[Estudos acadêmicos - teses, dissertações, ensaios, artigos e livros]
AA.VV.. Homenagem a Pepetela: janeiro de 1999. 1ª ed., Luanda: Instituto Camões – Centro Cultural Português, 2002. 60p. 
ABDALA JUNIOR, Benjamin. Notas sobre a Utopia, em Pepetela. In: CHAVES, Rita: MACEDO, Tania. (Org.). Portanto... Pepetela. 2ª ed., São Paulo: Ateliê Editorial, 2009, v. 1, p. 171-178.
ABDALA JUNIOR, Benjamin. Notas sobre a utopia, em Pepetela. In: Chaves, R.; Macedo, T. C.. (Org.). Portanto... Pepetela. Luanda: Chá de Caxinde, 2003, v. , p. 197-204.
ABLAS, Maria de Nazaré Ordonez de Souza. Conflito de identidades em O esplendor de Portugal e A geração da utopia. (Tese Doutorado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 2003.
ABLAS, Maria de Nazaré Ordonez de Souza. História e histórias: um estudo comparatvo entre os romances Memorial do Convento, de José Saramgo e Yaka, de Pepetela. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 1998.
ABLAS, Maria de Nazaré Ordonez de Souza. Memorial do Convento e Yaka: A história (re)visitada. Revista do Centro de Estudos Portugueses (USP), S[ao Paulo, v. 1, n.2, p. 135-143, 2000.
ABLAS, Maria de Nazaré Ordonez de Souza. A geração da utopia (resenha). Via Atlântica (USP), São Paulo, v. 2, n.1, p. 258-262, 1999.
ADOLFO, Sérgio Paulo. A ficção de Pepetela e a formação a angolanidade. (Tese Doutorado em Letras). Faculdade de Ciências e Letras Campus de Assis, 1993.
Pepetela - foto: © (...)
ADOLFO, Sérgio Paulo. Literatura e Reconstrução: um caso exemplar: Lueji de Pepetela. Signum Estudos Literários, Londrina, v. 1, n.1, p. 5-16, 1998.
AGAZZI, Giselle Larizzatti. O romance em Angola: ficção e história em Pepetela. Imaginario v.12 n.13 São Paulo dez. 2006. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
AGUIAR, Marcio Mucedula. O uso da literatura infanto-juvenil de pepetela para consciência e superação do colonialismo e racismo. Revista Espaço Acadêmico (UEM), v. 126, p. 13-20, 2011.
ALMEIDA, Luciene Araujo de. Por uma outra história: os romances Viva o povo brasileiro, de João Ubaldo Ribeiro, e A gloriosa família, de Pepetela. (Dissertação Mestrado em Letras e Linguística). Universidade Federal de Goiás, UFG, 2012.
AMORIM, Claudia Maria de Souza. Visões da guerra em Lobo Antunes e Pepetela. In: Geraldo Pontes Jr.; Cláudia Almeida. (Org.). Relações literárias internacionais: lusofonia e francofonia. Niterói: EdUFF, 2007, v. 1, p. 145-158.
ALMEIDA, Domingas Econgo de (Org.). Como se viver fosse assim. Luanda: Editora Sete Egos (UEA), 2009.
ALMEIDA, Luciene Araujo de; RAMOS, Marilúcia Mendes. A formação da identidade nacional brasileira em Viva o povo brasileiro, de João Ubaldo Ribeiro, e o (re)contar da história Angolana na Gloriosa Família, de Pepetela. In: VIII Seminário de Pós-Graduação da UFG, 2011, Goiania. Anais/Resumos da 63ª Reunião Anual da SBPC. Goiania: UFG, 2011.
AMORIM, Claudia Maria de Souza. Estilhaços da guerra na obra de Lobo Antunes e de Pepetela. O Marrare (Impresso), v. 7, p. 1-8, 2006.
AMORIM, Claudia Maria de Souza. Estilhaços da guerra na obra de Lobo Antunes e de Pepetela. (Tese Doutorado em Literatura Comparada). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UFRGs, 2006. 
ASSIS, Maria Isabel Azevedo. Incidente em Antares e O cão e os caluandas na perspectiva da sátira menipeia. (Dissertação Mestrado em Estudos Lusófonos). Universidade de Évora, UE, Portugal, 2009.
ASSIS, Roberta Guimarães Franco Faria de. Memórias em trânsito: deslocamentos distópicos em três romances pós-coloniais. (Tese Doutorado em Literatura Comparada). Universidade Federal Fluminense, UFF, 2013.
ASSIS, Roberta Guimarães Franco Faria de. Descortinando a inocência - infância e violência em três obras da literatura angolana. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal Fluminense, UFF, 2008.
ASSIS, Roberta Guimarães Franco Faria de. O não lugar de António Oliveira de Cadornega na literatura angolana e a sua recriação no romance de Pepetela.. In: FRANCO, Roberta Guimarães; MELONI, Otavio Henrique; KANO, Ivan Takashi.. (Org.). A mesma palavra outra: ensaios sobre literatura portuguesa e literaturas africanas de língua portuguesa.. Niterói: Vício de leitura, 2011, v. , p. 189-206.
ASSIS, Roberta Guimarães Franco Faria de. Quatro décadas de luta: da fomentação da independência à guerra civil, a infância em Angola.. In: Angelo Adriano Faria de Assis; João Henrique dos Santos; Ronaldo Sávio Paes Alves. (Org.). Tessituras da memória. Niterói: Vício de Leitura, 2011, v. , p. 100-121.
ASSIS, Roberta Guimarães Franco Faria de (Org.); MELONI, Otavio (Org.); KANO, Ivan Takashi (Org.). A mesma palavra outra: ensaios sobre literatura portuguesa e literaturas africanas de língua portuguesa.. Niterói: Vício de leitura, 2011. 222p.
AYOH'OMIDIRE, Félix. Une analyse synthétique de la trilogie des Romans de guerre de Pepetela à la lumière de la théorie littéraire de Frantz Fanon. (Dissertação Mestrado em masters in Foreign Languages - Comparative Literatur). Obafemi Awolowo University, Ile-Ife, 1999.
AYOH'OMIDIRE, Félix. (Re)constructing Feminism: A Feminist (Re)reading of Sembène Ousmane s Les bouts de bois de Dieu and Pepetela s A Revolta na casa dos Ídolos.. NFLV African Literature Series, Badagry, v. 2, p. 119-131, 2002.
AYOH'OMIDIRE, Félix. (R)evolução feminista na obra de Pepetela - Muana Puó, Ngunga e Mayombé. In: 3rd Annual Conference of NUFTA, 2003, Awka. Annals of the 3rd NUFTA Conference. Jos, Nigeria: NUFTA editors, 2001. v. 2. p. 437-452.
AZEVEDO, Claudineia Barboza de. Liberdade e identidade: projeções da utopia de um escritor angolano em suas personagens femininas. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 2001.
BACCEGA, Maria Aparecida. Mayombe: ficção e história (uma leitura em movimento).. (Tese Doutorado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 1985.
BATALHA, Maria Cristina. Ecos da cidade grande: Juan Rulfo, Graciliano Ramos e Pepetela. In: SANTOS, Ana Cristina dos; ALMEIDA, Claudia Maria Pereira; AMORIM, Claudia; BATALHA, Maria Cristina. (Org.). Identidades fora de foco. Rio de Janeiro: de Letras, 2009, v. 1, p. 137-152.
BATALHA, Maria Cristina. Histórias de guerra, sonhos de paz: A Angola de Manuel Rui e Pepetela. Ipotesi (UFJF. Impresso), v. 14, p. 179-187, 2010.
BATALHA, Maria Cristina. O mito revisitado na ficção de Angola: Pepetela. In: Revisitar o mito, 2012, Lisboa. Cadernos de Resumos - Colóquio Internacional Revisitar o Mito. Lisboa: Editora da Universidade de Lisboa, 2012. v. 1. p. 91-92.
BAYER, Adriana Elisabete. Pepetela e Ondjaki: com a juventude, a palavra faz o sonho. (Dissertação Mestrado em Letras). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, 2008. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
BAYER, Adriana Elisabete. Entre gesto e palavra, o percurso de um pioneiro: As aventuras de Ngunga, de Pepetela. Signos (Lajeado), v. 1, p. 83-100, 2008.
BERGAMOEdvaldo Aparecido; OLIVEIRA, Maria Aparecida Cruz de. A visão dessacralizante do narrador-editor em Pepetela: aproximações e distanciamentos do romance histórico lukácsciano em A sul. O sombreiro. Contexto - Revista semestral do Programa de Pós-graduação em Letras - UFES, v. 26, p. 108-127, 2014.
BERGAMO, Edvaldo Aparecido. Fazendo História nos dois lados do Atlântico: Ana Miranda e Pepetela. In: Selma Pantoja; Edvaldo Aparecido Bergamo; Ana Cláudia da Silva. (Org.). África contemporânea em cena: perspectivas interdisciplinares. 1ª ed., São Paulo: Intermeios, 2015, v. 1, p. 1-.
BERGAMO, Edvaldo Aparecido. Ficção literária e história atlântica: A gloriosa família, de Pepetela. In: XVI Congresso Internacional de Humanidades, 2013, Brasília/DF. Palavra e cultura na América Latina: heranças e desafios. O poder da comunicação em contextos latino-americanos. Brasília/DF: Editora do Instituto de Letras/UnB, 2013. v. 1. p. 147-148.
BERGAMO, Edvaldo Aparecido. Fazendo história dos dois lados do Atlântico: Ana Miranda e Pepetela. In: AFROLIC 2013 - V Encontro de Professores de Literaturas Africanas, 2013, Porto Alegre/RS. Caderno de Resumos AFROLIC 2013. Porto Alegre: Gráfica do Instituto de Letras da UFRGS, 2013. v. 1. p. 10-11.
BIO- QUEM. Pepetela. União dos Escritores Angolanos. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
BOZ, Sidnei. O teatro político de Chico Buarque, Ruy Guerra e Pepetela: Calabar e A corda. (Dissertação Mestrado em Estudos Literários). Universidade do Estado de Mato Grosso, UNEMAT, 2013.
BOZ, Sidnei. O distanciamento entre arte, história e militância no teatro político angolano: A Corda e A Revolta na Casa dos Ídolos de Pepetela. Revista Ecos, v. 17, p. 170-176, 2014.
BOZ, Sidnei. A Corda e o nacionalismo em Angola. In: Agnaldo Rodrigues da Silva; Marinês da Rosa. (Org.). Trilhos e desvios da linguagem: saberes em conexão. 1ª ed., Tangará da Serra - MT: Gráfica e Editora Diário da Serra Ltda, 2012, v. único, p. 175-189.
BOZ, Sidnei. A arte e a militância em Calabar e A corda. In: Agnaldo Rodrigues da Silva. (Org.). Escritos culturais: literatura, arte e movimento. Cáceres: Ed. UNEMAT; Editora de Liz, 2011, v. , p. 247-260.
BRANDILEONE, Ana Paula Franco Nobile. 'A gloriosa família', de Pepetela: o outro lado da história. Scripta UNIANDRADE, v. 11, p. 42-53, 2013.
BROSE, Elizabeth Robin Zenkner. A máscara de múltiplas faces - narrativas de Pepetela. (Tese Doutorado em Lingüística e Letras). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, 2005.
BROSE, Elizabeth Robin Zenkner. A máscara das múltiplas faces - narrativas de Pepetela.., 2007. v. 1.
BROSE, Elizabeth Robin Zenkner. A gloriosa família - o tempo dos flamengos, uma perspectiva biográfica. Anais XVIII Encontro da ABRAPLIP (2001), UFSM, v. I, p. 129-134, 2002.
CAETANO, Marcelo José. Margens da história, limites da utopia: uma análise de Muana Puó, As aventuras de Ngugna e A geração da utopia, de Pepetela. (Tese Doutorado em Letras). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC Minas, 2004.
CAETANO, Marcelo José. Imagens, mensagens históricas e projeções utópicas em obras de Pepetela. (Dissertação Mestrado em Letras). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC Minas, 2001.
CAETANO, Marcelo José. Geração Trágicabsurda: uma análise da obra literária de Pepetela. In: Caderno de Resumos II Encontro de Professores de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa. São Paulo: Centro de Estudos Portugueses - USP, 2003. v. 1. p. 68-69.
CAMPOS, Maria do Carmo Sepúlveda. Estórias de Angola: no espelho ficcional, a dupla face da pedagogia. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidadade Federal Fluminense, UFF, 1997.
CAPUANO, Cláudio de Sá. Exílios e viagens em "A geração da Utopia", de Pepetela. In: III Encontro de Professores de Literaturas Africanas - Pensando África: Crítica, Ensino e Pesquisa, 2007, Rio de Janeiro. Pensando África: Crítica, Ensino e Pesquisa. Rio de Janeiro: Leo Christiano Editorial, 2007.
CARVALHO, Elair de. A intersecção entre a ficção e a história nos romances Yaka, de Pepetela e O ano da morte de Ricardo Reis, de José Saramago.. Revista Ecos-Estudos Portugueses e Africanos, Sujeito e Ensino de Línguas, Cáceres-MT, , v. 3, p. 28 - 39, 12 set. 2003.
CARVALHO FILHO, Silvio de Almeida. Pepetela: fragmentos de uma trajetória. Revista Tempo Presente, nº 9, setembro 2013. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
CARVALHO, Ruy Duarte de. Ana a manda, os filhos da rede. Lisboa: Instituto de Investigação Científica e Tropical. 1989.  
CARVALHO FILHO, Silvio de Almeida. Angola: nação e literatura (1975-1985).. (Tese Doutorado em História Econômica). Universidade de São Paulo, USP, 1994.
CARVALHO FILHO, Silvio de Almeida. Pepetela e o imaginário sobre a nação socialista em Angola. Synthesis, Rio de Janeiro, v. 1, n.2, p. 63-70, 1997.
CARVALHO FILHO, Silvio de Almeida. Um cão flanando em Luanda: A cidade, o cotidiano e o poder na literatura de Pepetela. In: II Congresso Internacional UFES/ Université de Paris-Est - Programa e Resumos. Vitória: Gráfica Universitária, 2009. v. 1. p. 197-198.
CASTRO, Fernanda Gonçalves de.. Utopia e distopia. Testemunhar o mundo em Pepetela (Estórias de Cães, Montanhas e Predadores).. (Dissertação Mestrado em Letras). CLEPUL, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 2014. Disponível no link e link. (acessado em 9.5.2015).
CHAVES, Rita de Cássia Natal. Entre intenção e gestos - a formação do romance angolano. (Tese Doutorado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 1993.
CHAVES, Rita de Cássia Natal. Mayombe. a reinvenção de Ogum, o Prometeu Africano. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal Fluminense, UFF, 1984.
CHAVES, Rita de Cássia Natal. Mayombe - a reinvenção de Ogum, o Prometeu africano. (Monografia Graduação em Letras). Universidade Federal Fluminense, UFF, 1978.
CHAVESRita de Cássia Natal; MACEDO, Tania Celestino de (orgs.). Portanto...Pepetela. São Paulo: Ateliê, 2009.
CHAVESRita de Cássia Natal; MACEDO, Tania Celestino de (orgs.). Portanto...Pepetela. Luanda: Chá de Caxinde, 2002. v. 01. 336p.
CHAVESRita de Cássia Natal; MACEDO, Tania Celestino de (orgs.). A montanha mágica de Pepetela. 1ª ed., São Paulo: Ateliê Editorial, 2010, v. 1, p. -.
CHAVES, Rita de Cássia Natal. Pepetela: romance e utopia na História de Angola. Via Atlântica. São Paulo. nº 2, jul.p. 216-232, 1999. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
CIONE, Vinicius Melleu. 2012. A luta anticolonial angolana em Luandino e Pepetela. Sankofa. Revista de História da África e de Estudos da Diáspora Africana. Ano 5, n. 9, Julho/2012.
CONTE, Daniel. Calados por Deus ou de como a África foi arrasada pela História: os tons do silêncio no processo de construção da identidade angolana e sua representação na ficção de Pepetela. (Tese Doutorado em Literatura Brasileira, Portuguesa e Luso-africana). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, 2008. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
CONTE, Daniel. Espaços Possíveis: a representação espacial nas obras de Pepetela e Lobo Antunes. (Dissertação Mestrado em Literatura Comparada). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, 2001.
Pepetela - foto: © (...)
CONTE, Daniel. Dos discursos e dos silêncios em 'O Cão e os Caluandas' e n' 'O desejo de Kianda', de Pepetela.. In: Daniel Conte; Jane Fraga Tutikian. (Org.). Palavra Nação. 1ª ed., Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2012, v. 1, p. 21-39.
CONTE, Daniel. [Oposições Constituidoras] o Silêncio e a Perturbação Verbal na Formação da Identidade Angolana em Yaka de Pepetela. In: Daniel Conte; Lovani Volmer; Rosi Ana Grégis. (Org.). Espaços de encontro: literatura, cinema, linguagem, ensino. Novo Hamburgo: Feevale, 2009, v. , p. 243-266.
CONTE, Daniel. Viva voz: Arthur Mauríco Pestana dos Santos Pepetela. Porto & Vírgula, Porto Alegre, , v. 40, p. 12 - 18, 1 jan. 2001.
CORREIA, Wesley Barbosa. Representações histórico-ficcionais de Angola: uma leitura de A gloriosa família de Pepetela e Nação Crioula de José Eduardo Agualusa. (Tese Doutorado em Estudos Comparatistas). Universidade de Lisboa, UL, Portugal, 2014.
COSTA, Lila Léa Cardoso Chaves. Memórias e identidades em Mayombe de Pepetela. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal do Piauí, UFPI, 2014.
COSTA, Maria Gabriela Cardoso Fernandes da. O Concerto das vozes em Mayombe, de Pepetela.. Littera (UFMA), v. 1, p. 215-226, 2002.
COSTA, Maria Gabriela Cardoso Fernandes da. Memória e identidade em Viva o povo brasileiro e Lueji- O nascimento dum império. (Tese Doutorado em Letras). Universidade Federal da Paraíba, UFPB, 2006.
DEUS, Lílian Paula Serra e.. Língua é minha pátria: hibridação e expressão de identidades nas Literaturas Africanas de Língua Portuguesa. (Dissertação Mestrado em Letras). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC Minas, 2012.
DIAS, Mariana Sousa. O Kukano à Estátua Yaka: um estudo das transposições metafóricas em Pepetela. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal Fluminense, UFF, 2013.
DIAS, Mariana Sousa. História, ficção e papéis da memória em Yaka, de Pepetela. Memento (Três Corações), v. 3, p. 50-72, 2012.
DIAS, Valdeire Verneque. As aventuras das vidas secas em Graciliano Ramos e Pepetela. Revista Athena, v. 3, p. Expediente, 2013.
DIAS, Valdeire Verneque. Entre palavras, pó e pólvora: meninos da seca e da guerra. (Dissertação Mestrado em Estudos Literários). Universidade do Estado de Mato Grosso, UNEMAT, 2014.
DRNDARSKA, Dea; MALANDA, Ange-Séverin. Pepetela et L’écriture du mythe et de l’histoire. Paris: L'Harmattan, 2000, 180p.
DUTRA, Robson Lacerda. Pepetela e a elipse do herói. (Tese Doutorado em Letras). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 2006. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
DUTRA, Robson Lacerda. O Espelho Refratário das águas: Uma leitura das relações entre história, ficção e mito em narrativas de Pepetela. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 2001.
DUTRA, Robson Lacerda. Pepetela e a elipse do herói. 1ª ed., Luanda: União dos Escritores Angolanos, 2009. v. 1. 220p.
DUTRA, Robson Lacerda. Quem tem medo da história? Os romances de Pepetela e a cartografia de Angola. In: Adriana Pereira Campos & Gilvan Ventura da Silva,. (Org.). Da África ao Brasil: itinerários históricos da cultura negra. 1ª ed., Vitória: Flor&cultura, 2008, v. 1, p. 275-291.
DUTRA, Robson Lacerda. Literatura e nação Pepetela e a história de Angola. Revista de história comparada (UFRJ), v. 5-1: p. 149-178, 2011. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
DUTRA, Robson Lacerda. Épica e discursividade em Sousândrade e Pepetela. Literatura em debate (URI), v. 5, p. 1-15, 2011.
DUTRA, Robson Lacerda. Pepetela: entre a carnavalização e a denúncia de um tempo sem heróis. Portuguese Literary & Cultural Studies, v. 15/16, p. 231-250, 2010.
DUTRA, Robson Lacerda. Castro Soromenho, Pepetela e a agonia da terra. Revista e-scrita: revista do curso de etras da UNIABEU, v. 4, p. 26-37, 2010.
DUTRA, Robson Lacerda. Pepetela,. O Marrare, v. 9, p. 2-4, 2008.
EBOLI, Luciana Morteo. Da memória social ao imaginário coletivo: Angola e o mito da unificação nacional em 'Yaka', de Pepetela. In: Cleusa Maria Gomes Graebin; Nádia Maria Weber Santos. (Org.). Memória social: questões teóricas e metodológicas. 1ª ed., Canoas, RS: Unilasalle, 2013, v. 1, p. 225-238.
EBOLI, Luciana Morteo. O planalto e a estepe, de Pepetela. Navegações, v. 3, p. 105-107, 2010.
ENTREVISTA. As esperanças de Pepetela. ZH Blogs - Mundo do livro. 26 de fevereiro de 2013. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
ENTREVISTA. “Não se festeja a morte de ninguém”, entrevista a Pepetela. [entrevista concedida por Pepetela a Rita Silva Freire]. in: Buala/originalmente publicada na Revista Caju, no dia 30 de Dezembro de 2011. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
ENTREVISTA. "Falhamos na criação de um país mais justo". [entrevista de Pepetela concedida a Geralda Embaló]. in: Nova Gazeta, n. 7016. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
FARIAS, Vera Elizabeth Prola. Registro de identidade e Representação da História em Quarup, de Antonio Callado e A Geração da Utopia, de Pepetela. (Tese Doutorado em Letras). Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, 2007. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
FAZZINI, Luca. Storia e utopia nei romanzi di Pepetela. (Monografia Graduação em Lettere Moderne). Università degli Studi di Siena, UNISI, Itália, 2012. 
FAZZINI, Luca. Representar a violência: ostranenie e memória em Pepetela. Revista Literatura em Debate, v. 7, p. 63-82, 2013. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
FAZZINI, Luca. Identidade e Resistência: a desterritorialização da língua portuguesa em Pepetela. In: Congreso Internacional La Lengua Portuguesa, 2014, Salamanca. La Lengua Portuguesa: Estudios sobre Literatura y Cultura de Expresión Portuguesa.. Salamanca: Ediciones Universidad Salamanca, 2014. p. 585-593.
FERREIRA, Claudia Cristina. Relendo Pepetela e Jorge Amado - cenários lusófonos enviesados pelo Realismo Mágico: uma estrutura mítica pautada na vertente culturológica. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Estadual de Londrina, UEL, 2002.
FERREIRA, Claudia Cristina. Realismo mágico em Lueji de Pepetela. In: XV Seminário do CELLIP, 2002, Curitiba. XV Seminário do CELLIP. Curitiba - PR: Mídia Curitibana, 2001. v. 01.
FERREIRA, Derneval Andrade. Colonialismo e/ou anticolonilaismo em Mayombe de Pepetela. Anais da ... Semana de História Política, ... Seminário Nacional de História (Cd-Rom), v. I, p. 1-1044/1053, 2013.
FERREIRA, Tailze Melo. História e ficção em O desejo de Kianda de Pepetela. Cadernos Cespuc de pesquisa. Série Ensaios., Belo Horizonte, v. 1, n.11, p. 179-188, 2003.
FONTES, Maria Helena Sansão Fontes. A metaficção historiográfica na obra de Pepetela. Ciências Humanas e Sociais em Revista Seropédica, v. 33, n. 1, janeiro/junho, p. 127-139. 2011. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
FIGUEIREDO, Fabio Baqueiro. A Construção nacional em África: noções sobre tribo e nação na literatura de Pepetela. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal da Bahia, UFBA, 2007. 
FONTES, Maria Helena Sansão. Pepetela em três tempos: Revisitando a história angolana. Matraga (Rio de Janeiro), v. 19, p. 232-244, 2012.
FONTES, Maria Helena Sansão. Ficção e história em Saramago e Pepetela. In: Peter Pretov; Pedro Quintino de Sousa; Roberto López-Iglésia Samartim; Elias J. torres Feijó. (Org.). Avanços em Literatura e Cultura Portuguesas. Século XX. Vol.I. 1ª ed., Santiago de Compostela - Faro: Através Editora, 2012, v. I, p. 259-277.
FORNOS, José Luís Giovanoni. Nacionalismo, revolução e pós-colonialismo em Mayombe, de Pepetela. Letras de Hoje, v. 41, p. 47-56, 2006.
GÓES, Eliane Rosa de. Parábola do Cágado Velho: entre ficção e história, (dis) utopias. (Dissertação Mestrado em Literatura e Crítica Literária). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 2011.
GONDA, Gumercinda Nascimento. Pepetela: A permanência da Utopia. In: Carmen Lúcia Tindó R. Secco. (Org.). Africanas 10!. Rio de Janeiro: , 2005, v. 1, p. -.
GONDA, Gumercinda Nascimento. Pepetela - a permanência da utopia. Teia Literária, v. 5, p. 19-36, 2011.
GOULART, Audemaro Taranto. O mito e o confronto cultural n'A gloriosa família de Pepetela. Via Atlântica (USP), São Paulo, v. 7, p. 23-38, 2004.
GOULART, Audemaro Taranto. A gloriosa identidade: a afirmação da literatura africana num romance de Pepetela. In: Rita Chaves; Tania Macêdo; Rejane Vecchia. (Org.). A kinda e a misanga. 1ª ed., São Paulo; Luanda: Cultura Acadêmica; Nzila, 2007, v. 1, p. 137-147.
GUARIENTI, Franciele Rodrigues. Tecendo Angola: A Representação da História nas Narrativas Estação das Chuvas de José Eduardo Agualusa e Yaka de Pepetela. (Dissertação Mestrado em Literatura). Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 2015.
HILDEBRANDO, Antonio Barreto. A revolta da casa dos ídolos: a nação em cena. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal Fluminense, UFF, 1996.
HILDEBRANDO, Antonio Barreto. Pepetela. "A parábola do cágado velho: construindo pontes.. In: Maria do Carmo Sepúlveda; Maria Teresa Salgado. (Org.). Africa e Brasil: Letras em laços. 1ª ed., São Paulo: Atlântica, 2000, v. 1, p. 303-319.
HILDEBRANDO, Antonio Barreto. A revolta da casa dos ídolos: renovação e tradição. In: Rita Chaves; Tânia Macedo. (Org.). Portanto... Pepetela. 1ª ed., Luanda: Edições Chá de Caxinde, 2002, v. 1, p. 287-291.
LACERDA, Wanilda Lima Vidal de. O Olhar de Pepetela sobre Angola. (Tese Doutorado em Letras). Universidade Federal da Paraíba, UFPB, 2007. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
LACERDA, Wanilda Lima Vidal de. Olhar de Pepetela sobre Angola. Santa Barbara Portuguese Studies, v. 10, p. 155-162, 2009.
LARANJEIRA, José Luís Pires. A negritude africana de língua portuguesa. (Tese Doutorado em Literaturas Africanas). Universidade de Coimbra, UC, Portugal, 1994. 
LARANJEIRA, José Luís Pires. O Reino do Kongo e A revolta da Casa dos Ídolos, de Pepetela . Finisterra (Lisboa), v. 18-19, p. 173-185, 1995.
LAURITI, Thiago. Violências singulares, textos plurais: um diálogo entre Sapato de salto de Lygia Bojunga e As aventuras de Ngunga de Pepetela. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 2011.
LAURITI, Thiago. As aventuras de Ngunga de Pepetela: para muito além da cartilha. Via Atlântica (USP), v. 14, p. 211-216, 2009.
LIBERATO, Carlos; PAIVA, Felipe. A ideologia da escrita: Pepetela, uma entrevista [entrevista realizada com Pepetela em 11 de maio de 2011]. Revista Mulemba, 31 de outubro de 2011. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
LIMA, Kelly Mendes. África, axis mundi: uma leitura d'O quase fim do mundo de Pepetela. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 2012.
LIMA, Kelly Mendes. Uma leitura de O quase fim do mundo, de Pepetela. Cadernos CESPUC de Pesquisa, v. 20, p. 204-215, 2010.
LIMA, Kelly Mendes. A (re)escrita da história e do cânone: Camões e Pepetela. Cadernos Imbondeiro, v. 3, p. 1, 2014.
LIMA, Kelly Mendes. Radicalismo religioso como valor disfórico em Pepetela. In: XII Encontro de Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa, 2013, São Paulo. Literatura e comparativismo contemporâneo, 2013. p. 160-164.
LIMA, Márcio. Andanças de um cavaleiro rumo ao sul. (Dissertação Mestrado em Estudos de Literatura). Universidade Federal Fluminense, UFF, 2014.
LIMA, Priscila Henriques. Práticas e discursos em uma literatura de guerrilha: Mayombe e As Aventuras de Ngunga de Pepetela (1960-1970).. (Dissertação Mestrado em História). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, 2013.
LIMA, Priscila Henriques. Análise da obra literária Mayombe no contexto da guerra de libertação Angolana. Revista Litteris – ISSN: 19837429 n. 8 - setembro 2011. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
LOPES, Fernando de Oliveira. Uma leitura de Yaka, de Pepetela. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, UFMS, 2004.
Pepetela - foto: © José Sérgio
LOPES, Isabel Cristina Gonçalves. Pepetela sob o signo da criação (Lueji, o nascimento de um império).. (Dissertação Mestrado em Literatura). Universidade Fernando Pessoa, Porto, 2007. Disponível no link. (acessado em 8.5.2015).
LOPES, Sebastião Alves Teixeira; SANTOS, R. M.. O exílio em Yaka de Pepetela. In: Anais Eletrônico do Encontro Internacional Literaturas Historias e Culturas Afro- Brasileiras e Africanas: Narrativas e Construção de Identidades. Teresina: UESPI, 2013. p. 1-8.
LUGARINHO, Mário César. Investigações pós-coloniais: Pepetela e Francisco José Viegas. Scripta (PUCMG), v. 13, p. 157-162, 2009.
LUGARINHO, Mário César. Investigações pós-coloniais: Pepetela e Francisco José Viegas. In: Roberta Franco; Otavio Meloni; Ivan Takashi Kano. (Org.). A mesma palavra outra: ensaios sobre literatura portuguesa e literaturas africanas de língua portuguesa. 1ª ed., Niterói: Vicio de leitura, 2011, v. 1, p. 67-74.
LUGARINHO, Mário César. Quem deve comer lagostas? reflexões sobre os estudos pós-coloniais a partir de alguma ficção de Pepetela e Agualusa. In: Rita Chaves; Tania Macedo; Rejane Vecchia. (Org.). A kinda e a missanga: encontros brasileiros com a literatura angolna. 1ª ed., São Paulo; Luanda: Cultura Acadêmica; Nizila, 2007, v. , p. 293-303.
LUGARINHO,Mário César. Muana Puó: uma pequena leitura da máscara. In: Rita Chaves; Tânia Macedo. (Org.). Portanto... Pepetela. Luanda: Chá de Caxinde, 2002, v. , p. 269-272.
MACEDO, Tania Celestino de. Da fronteira do asfalto aos caminhos da liberdade(imagens de Luanda na literatura angolana contemporânea).. (Tese Doutorado em Letras - Literatura Portuguesa). Universidade de São Paulo, USP, 1990.
MACEDO, Tania Celestino de. Luanda, cidade e literatura. 1ª ed., São Paulo; Luanda: Editora da UNESP; Nzila, 2008. v. 1.
MACEDO, Tania Celestino de. O romance em Angola: ficção e história em Pepetela. In: Maria Luiza Ritzel Remédios; Regina da Costa da Silveira. (Org.). Redes & Capulanas: identidade, cultura e história nas literaturas lusófonas. 1ª ed., Porto Alegre: Editora UniRitter, 2009, v. 1, p. 277-285.
MAGALHAES, Alessandra Cristina Moreira de. Um olhar a partir da margem: leitura dos romances Os papéis do inglês, A casa velha das margens e A sul. O sombreiro. (Tese Doutorado em Literatura Comparada). Universidade Federal Fluminense, UFF, 2014.
MAGALHAES, Alessandra Cristina Moreira de. Literaturas em diálogo com a história e a política: Breve sobrevoo pelo percurso literário de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe. In: Jonuel Gonçalves. (Org.). África no mundo contemporâneo. 1ª ed., Rio de Janeiro: Garamond, 2014, v. , p. 415-458.
MANTOLVANI, Rosângela Manhas. Das invasões às fogueiras: os discursos ex-cêntricos em Saramago e Pepetela. (Tese Doutorado em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa). Universidade de São Paulo, USP, 2010.
MANTOLVANI, Rosângela Manhas. Guerrilheiros, heróis, angolanos: as personagens de Pepetela. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, 2005.
MANTOLVANI, Rosângela Manhas. Saramago e Pepetela: as representações dos espaços em Memorial do convento e A gloriosa família. Revista Crioula (USP), São Paulo - FFLCH - USP, p. 1 - 9, 19 maio 2007. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
MANTOLVANI, Rosângela Manhas. Jaime Bunda, agente secreto: a paródia do mito. In: CHAVES, Rita; MACEDO, Tania.. (Org.). Portanto...Pepetela. 1ª ed., São Paulo: Ateliê Editorial, 2009, v. 1, p. 329-337.
MANTOLVANI, Rosângela Manhas. Jaime Bunda, agente secreto: a paródia do detetive e do romance policial. II Encontro de Professores de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa, v. Único, p. 01-06, 2005.
MARCON, Frank Nilton. Leituras transatlânticas: Diálogos sobre identidade e o romance de Pepetela. (Tese Doutorado em Antropologia Social). Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 2005. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
MARCON, Frank Nilton. Os romances de Pepetela e a imaginação da nação em Angola. História Revista (Online), v. 16, p. 31-51, 2011.
MARCOS, Eidson Miguel da Silva; BEZERRA, Rosilda Alves. Literatura africana nos espaços públicos e institucionais da modernidade: os jovens nos romances de Luis Romano e Pepetela. In: Anais do V Colóquio Internacional Cidadania Cultural: Jovens nos espaços públicos e institutucionais da modernidade. Campina Grande/PB: Editora EDUEPB, 2011. v. 1. p. 1-6.
MARCOS, Eidson Miguel da Silva. Representações da Infância nas Literaturas Africanas de Língua Portuguesa: A Criança no Romance Angolano 'As Aventuras de Ngunga', de Pepetela. In: III SINALGE, 2012, Campina Grande/PB. Linguagens, Gêneros e Discursos. João Pessoa/PB: Ideia, 2012. p. 536-547.
MARINANGELO, Célia Regina. Literatura no compasso da história: Angola e Brasil. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 2002.
MARQUES NETO, Sebastião. Uma representação da família mestiça na ficção de Pepetela. (Dissertação Mestrado em Família na Sociedade Contemporãnea). Universidade Católica do Salvador, UCSAL, 2009.
MARQUES NETO, Sebastião. Narrador silencioso? Uma leitura de Pepetela sob a óptica do discurso de Michel Foucault. A Cor das Letras (UEFS), v. 8, p. 17-27, 2007.
MARQUES NETO, Sebastião. O escravo narrador na ficção de Pepetela. In: Encontro de São Lázaro, 2010, Salvador. Encontro de São Lázaro. Salvador: Quarteto Editora, 2010. v. 1. p. 246-247.
MARQUES NETO, Sebastião. O escravo narrador na ficção de Pepetela. In: Veredas da História, Ano IV - Ed. 2 - 2011, p. 170-184. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
MARTIN, Vima Lia de Rossi. Trajetórias do discurso utópico - uma leitura comparativa entre Yaka, de Pepetela, e Levantado do chão, de José Saramago. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 1998.
MARTIN, Vima Lia de Rossi. Yaka: a construção do discurso utópico. In: CHAVES, Rita; MACEDO, Tania. (Org.). Portanto... Pepetela. 1ª ed., São Paulo: Ateliê Editorial, 2009, v. 1, p. 261-266.
MARTIN, Vima Lia de Rossi. Formulações utópicas em Yaka, de Pepetela, e Levantado do chão, de José Saramago. In: CHAVES, R.; MACÊDO, T.; VECCHIA, R.. (Org.). A kinda e a misanga: encontros brasileiros com a literatura angolana. 1ª ed., São Paulo: Cultura Acadêmica, 2007, v. 1, p. 395-406.
MARTIN, Vima Lia de Rossi. Yaka: a construção do discurso utópico. In: Rita Chaves; Tania Macêdo. (Org.). Portanto...Pepetela. Luanda: Chá de Caxinde, 2002, v. , p. 293-298.
MARTINS, Izabel Cristina Oliveira. O processo de ficcionalização histórica da Angola seiscentista em A sul. O sombreiro. (Dissertação em Literatura e Interculturalidade) Universidade Estadual da Paraíba, UFPB, 2014. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
MATA, Inocência. Ficção e História na Literatura Angolana – o caso de Pepetela. [prefácio Laura Cavalcante Padilha]. Lisboa: Edições Colibri, 2012, 386p.
MATAInocência; PADILHA, L. C.; FONSECA, M. N. S.; BROSE, Elizabeth Robin Zenkner. A máscara do texto - duas obras de Pepetela. Gragoatá (UFF), v. 19, p. 65-78, 2005.
MATA, Inocência. Pepetela e as (novas) margens da nação angolana. VI Congresso Internacional da Associação Internacional de Lusitanistas. Rio de Janeiro, 1999.
MATA, Inocência. Entrevista a Pepetela. Camões. Revista de Letras e Culturas Lusófonas. Lisboa: Instituto Camões, nº 6: 1999, p. 113-116.
MATTOS, Marcelo Brandão. Quase lenda: o desvio literário de Pepetela. Mulemba, v. 1, p. 119-131, 2013. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
MATTOS, Marcelo Brandão. Estranhos deuses em concílio: uma leitura do conto Estranhos pássaros de asas abertas, de Pepetela. Abril (Niterói), v. 4, p. 57-64, 2011. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
MATTOS, Tatiane Reghini de. As vozes narrativas de Pepetela: A geração da utopia e predadores. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 2014.
MEDEIROS, Constantino Luz de. A ironia romântica de Friedrich Schlegel no romance 'Mayombe', de Pepetela. Terra Roxa e Outras Terras, v. 27, p. 38-49, 2014.
MELO, Márcio Araújo de. Macunaíma e Ngunga - Um caso de identidade nacional. (Dissertação Mestrado em Letras e Linguística). Universidade Federal de Goiás, UFG, 1997.
MELLO, Cláudio José de Almeida. Discurso social, história e política no romance histórico contemporâneo de língua portuguesa: Leminski, Lobo Antunes e Pepetela. (Doutorado em Letras). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, 2005. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
MENDES, Ana Claudia Duarte. A ancestralidade no centro da narrativa, em Lueji de Pepetela. (Tese Doutorado em Letras). Universidade Estadual de Londrina, UEL, 2011.
MENDES, Ana Claudia Duarte. Mito, memória coletiva e ancestralidade em Lueji, de Pepetela. Página de Debate: Questões de Lingüística e de Linguagem, v. 14, p. 1-11, 2011. Disponível no link. (acessado em 9.5.2015).
MENDES, Ana Claudia Duarte. A ancestralidade no centro da narrativa em Lueji, de Pepetela. 1ª ed., Dourados: Nicanor Coelho Editor, 2012. v. 500. 181p.
MENNA, Ligia Regina Maximo Cavalari. A denúncia da exploração humana através da carnavalização: O reizinho mandão de Ruth Rocha; As aventuras maravilhosas de João Sem Medo de José Gomes Ferreira e a Montanha da água lilás de Pepetela. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 2003.
MIRANDA, Maria Geralda de. Yaka, ou um texto tecendo a nação. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal Fluminense, UFF, 1995.
MIRANDA, Maria Geralda de. Reinterpretando o vivido, ou histórias entrelaçadas. (Tese Doutorado em Letras). Universidade Federal Fluminense, UFF, 2005.
MIRANDA, Maria Geralda de; FRIEDE, R.; AVELAR, K. E.. A dualidade alegórica da catástrofe em o quase fim do mundo, do escritor angolano Pepetela. Abril (Niterói), v. 7, p. 119-127, 2015.
MIRANDA, Maria Geralda de. A política da utopia em Pepetela. Diadorim (Rio de Janeiro), v. 13, p. 349-357, 2013.
MIRANDA, Maria Geralda de. Vozes da história e da ficção: um convite à roda de Pepetela. Veredas. Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, v. 14, p. 34-43, 2011.
MIRANDA, Maria Geralda de. O fim do colonialismo em Angola e a tessitura da narrativanação, sob o olhar de Pepetela. Abril (Niterói), v. 4, p. 45-56, 2011.
MIRANDA, Maria Geralda de. A linguagem dos mitos: intertextualidade entre Pepetela e Homero. O Marrare (Online) (Rio de Janeiro), v. 1, p. 52-61, 2008.
Pepetela - foto: © José Falso
MIRANDA, Maria Geralda de. A recriação da oralidade em Pepetela. Semioses (Rio de Janeiro), v. 4, p. 15-26, 2008.
MIRANDA, Maria Geralda de. Utopia, poesia e Reflexão política. Uma leitura do romance A geração da utopia, de Pepetela. Casepel. Cadernos do Seminário Permanente de Estudos Literários, v. 2, p. 43-58, 2006.
MIRANDA, Maria Geralda de. Brasil, Africa e Portugal: Laços históricos e tramas culturais. 3ª ed., Curitiba: APPRIS, 2012. v. 1000. 208p.
MISTRO, Célia Regina. Imaginário e resistência nas literaturas infantis de Angola e Portugal; Pepetela e José Gomes Ferreira. (Dissertação Mestrado em Letras - Teoria Literária e Literatura Comparada). Universidade de São Paulo, USP, 2003.
NASCIMENTO, José Ferreira do. Um estudo comparado nas obras Mayombe, de Pepetela e Em Câmara Lenta, de Renato Tapajós. (Dissertação Mestrado em Letras - Teoria Literária e Literatura Comparada). Universidade de São Paulo, USP, 2001.
OLIVEIRA, Ana Maria Dantas Cunha de Miranda. Yaka de Pepetela: uma estética da representação. Letras (Campinas), Instituto de Letras da PUCCAMP, v. 11, n.1-2, p. 306-323, 1992.
OLIVEIRA FILHO, Jesiel Ferreira de. Raça e poder em textos e contextos luso-angolo-brasileiros: articulações estratégicas. (Tese Doutorado em Letras e Lingüística). Universidade Federal da Bahia, UFBA, 2008.
OLIVEIRA FILHO, Jesiel Ferreira de. O sexo da raça: identidade, escravidão e patriarcalismo em A gloriosa família, de Pepetela. Ipotesi (Juiz de Fora. Online), v. 14, p. 143-157, 2011. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
OLIVEIRA FILHO, Jesiel Ferreira de. O intelectual negro em busca do povo: leituras e cruzamentos de trajetos em 'A Geração da Utopia', de Pepetela, e 'Tenda dos Milagres', de Jorge Amado. In: Maria Nazareth Soares Fonseca; Maria Zilda Ferreira Cury. (Org.). África: dinâmicas culturais e literárias. 1ª ed., Belo Horizonte: PUC Minas, 2012, v. 1, p. 251-272.
OLIVEIRA FILHO, Jesiel Ferreira de. Faces e contrafaces do civilizador erótico : colonialidade, sexualidade e transculturação em 'Yaka', de Pepetela, e em 'A república dos sonhos', de Nélida Piñon. In: XII Congresso Internacional da ABRALIC: 'Centro, Centros Ética, Estética', 2011, Curitiba. Programação Completa. Curitiba: Abralic, 2011. v. 1. p. 34-35.
OLIVEIRA FILHO, Jesiel Ferreira de. A dupla consciência tropical na Angola colonial: leituras de Yaka. In: XXII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Professores de Literatura Portuguesa, 2011, Salvador. Anais do XXII Congresso Internacional da ABRAPLIP. Salvador: Abraplip, 2009. v. 1. p. 526-541.
OLIVEIRA FILHO, José Antonio Pires de. Do sonho à desconstrução: A nação em Mayombe e Predadores de Pepetela. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 2012.
OLIVEIRA, Jurema José de. O romance em Angola: ficção e história em Pepetela. In: XXVII Simpósio Nacional de História - Conhecimento Histórico e Diálogo Sociall, 2013, Natal. SNH2013 - XXVII Simpósio Nacional de História - Conhecimento histórico e diálogo social. Natal: UFRN, 2013. p. 1-11.
OLIVEIRA, Maura Eustáquia de. Pepetela: humor e sonho na vida de um contador de histórias. In: Ângela Vaz Leão. (Org.). Contatos e ressonâncias. 1ª ed., Belo Horizonte: Editora PUCMINAS, 2003, v. 1, p. 363-372.
OLIVEIRA, Patrícia Simões. Guilhermina e Lueji – corpos que executam, argila prévia do som. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 2004.
OLIVEIRA, Wálney da Costa. Angola que quero ser: identidade, inclusão e conflitos na construção da nacionalidade (Mayombe - Pepetela). In: LARANJEIRAS, Pires; SIMÕES, Maria João; e XAVIER, Lola Geraldes. (Org.). Cinco Povos, Cinco Nações - Estudos de Literaturas Africanas. Lisboa: Novo Imbondeiro Editores, 2007, v. , p. -.
ORTIGÃO, Duarte R. (et al.) Homenagem a Pepetela: janeiro de 1999. Lisboa: Ministério dos Negócios Estrangeiros – Instituto Camões, 2002.  
PADILHA, Laura Cavalcante. Entre voz e letra: o lugar da ancestralidade na ficção angolana do século XX. (Tese Doutorado em Letras). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 1988.
PADILHA, Laura Cavalcante. Lugares assinalados ou algumas imagens espaciais na ficção de Pepetela.. In: LEÃO, Ângela Vaz. (Org.). Contatos e ressonâncias: literaturas africanas de língua portuguesa. 1ª ed., Belo Horizonte: PUC Minas, 2003, v. 1, p. 311-334.
PADILHA, Laura Cavalcante. Pepetela e a sedução da montagem cinematográfica: breves recortes. Mulemba, v. 1, p. 104-118, 2013.
PADILHA, Laura Cavalcante. Pepetela e a sedução da montagem cinematográfica: breves recortes. In: CHAVES, Rita; MACEDO, Tânia. (Org.). Portanto...Pepetela. 1ª ed., Luanda: Chá de Caxinde, 2002, v. 1, p. 237-253.
PAVÃO, Suzana. A África e suas Jornadas: A utopia de duas nações. (Tese Doutorado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 2002.
PAVÃO, Suzana. 25 de abril, o momento da ruptura: visto em Jornada de África de Manuel Alegre e A Geração da Utopia de Pepetela. Revista do Centro de Estudos Portugueses. USP, São Paulo, n. 2, p. 107-112, 1999.  
PEPETELA. Guerra sem fim. Época, Rio de Janeiro, p. 83-85, 24 jan. 2000.  
PEREIRA, Ana Luisa Ventura Vieira; CHAVESRita de Cássia Natal; MACEDO, TaniaA montanha mágica de Pepetela. In: Tânia Macedo; Rita Chaves. (Org.). A montanha mágica de Pepetela. 1ª ed., São Paulo: Ateliê Editorial, 2010, v. 1, p. -.
PEREIRA, Érica Antunes. Luandando: uma cidade no gerúndio. In: Rita Chaves; Tania Macêdo. (Org.). Portanto... Pepetela. 1ª ed., São Paulo: Ateliê Editorial, 2009, v. , p. 279-288.
PEREIRA, Érica Antunes. Resenha da obra 'Parábola do cágado velho' de Pepetela. Scripta (PUCMG), v. 10, p. 275-278, 2006.
PEREIRA, Fernanda Alencar. Literatura e política: a representação das elites pós-coloniais africanas em Chinua Achebe e Pepetela. (Tese Doutorado em Estudos Literários). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2012.
PEREIRA, Fernanda Alencar. Language Contact in Novels by Chinua Achebe and Pepetela. In: Sabine Gorovitz; Isabella Mozzillo. (Org.). Language Contact in Novels by Chinua Achebe and Pepetela. 1ª ed., Cambridge: Cambridge Scholars, 2015, v. , p. 74-.
PEREIRA, Ianá Souza. A geração da utopia de Pepetela: representação da mulher e o princípio esperança.. Revista África e Africanidades, p. 1-6, 5 fev. 2011.
PINHEIRO, Vanessa Neves Riambau; ARAÚJO, Arturo Gouveia. A literatura angolana em perspectiva: de Pepetela a Ondjaki. Os riscos do efêmero: ensaios sobre literatura e sociedade de língua portuguesa. 1ª ed., João Pessoa: Editora da UFPB, 2015, v. , p. 146-160.
PIRES, Elmita Simonetti. Pepetela e A geração da utopia. Entrelinhas (UEL), v. 1, p. 151-163, 2000.
PIRES, Rosane de Almeida. Narrativas Quilombolas: Negros em Contos, de Cuti e Mayombe, de Pepetela. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 1998.
PORTUGAL, Francisco Salinas. A escrita da angolanidade na narrativa de Pepetela: aproximação a uma mitocrítica do Maymbe. (Tese de doutoramento). Universidade de Santiago de Compostela, 1992.
PRADO, Patrícia Martins Alves do. A historicidade do discurso identitário de Pepetela na obra: “A Gloriosa Família". Revista África e Africanidades – Ano 2 - n. 6 - Agosto. 2009. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
PRZYBYLSKI, Mauren Pavão; ALMEIDA, B. B.. Identidade, tradição e oralidade na literatura angolana: uma análise de A parábola do Cágdo velho e predadores, de Pepetela,. In: V Encontro de Professores de Literaturas Africanas, I Encontro da Afrolic, 2013, Porto Alegre. Identidades africanas e comunitarismo supranacional: aproximações, tensões, fricções, 2013. p. 20-31.
QUINTALE NETO, Flavio. Pepetela e a crítica literária. Mulemba - n.8, UFRJ, Rio de Janeiro - junho, 2013. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
QUINTILHANO, Silvana Rodrigues. As personagens femininas nas obras de Pepetela. 1ª ed., Florianópolis: Bookess, 2014. v. 1. 173p.
QUINTILHANO, Silvana Rodrigues. Uma releitura da mulher angolana em "Lueji", "A gloriosa família" e "Mayombe", de Pepetela: diálogo pós-colonial e feminista. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Estadual de Londrina, UEL, 2007. 
QUINTILHANO, Silvana Rodrigues; REGISTRO, Eliane Segatti Rios; BRANDILEONEAna PaulaHERNANDES, L. C.; OLIVEIRA, M. M.; OLIVEIRAVanderleia da Silva; VIEIRA, M. H. B.; ALEIXO, S. E.. Tradição e modernidade em Lueji, o nascimento dum império, de Pepetela. In: Ana Paula Brandileone e Vanderleia da Silva Oliveira. (Org.). Desafios contemporâneos: a escrita do agora. 1ª ed., São Paulo: Annablume, 2013, v. , p. 103-134.
RABECCHI, Ana Lúcia Gomes da Silva. O fio das travessias: A perspectiva histórica em Os Tambores de São Luís, de Josué Montello e A Gloriosa Família - o tempo dos flamengos, de Pepetela. (Tese Doutorado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 2009.
RABECCHI, Ana Lúcia Gomes da Silva. Quando a História se relê: A Gloriosa Família - o tempo dos flamengos, de Pepetela. In: SILVA, Agnaldo Rodrigues da. (Org.). Diálogos Literários: Literatura, Literatura, comparativismo e Ensino (crítica literária). 1ª ed., Cotia: Ateliê Editorial, 2009, v. 1, p. 335-346.
RABECCHI, Ana Lúcia Gomes da Silva. Miopia e Utopia em Os Tambores de São Luís e A Gloriosa Família. Revista Ecos (Cáceres), v. 1, p. 1-254, 2010.
RAMOS JÚNIOR, Dernival Venâncio; MELO, Márcio Araújo de. Nação e narrativa em Pepetela. Locus (UFJF), v. 17, p. 174-188, 2011.
RAMOS JÚNIOR, Dernival Venâncio; MELO, Márcio Araújo deEducação e revolução em Angola: "As aventuras de Ngunga" de Pepetela. In: Dernival Venâncio Ramos Junior; Karylleila dos S. Andrade; Maria José de Pinho. (Org.). Ensino de língua e literatura: reflexões e perspectivas interdisciplinares. 1ª ed., São Paulo: Mercado de Letras, 2011, v. único, p. 105-118.
Pepetela - foto: © José Sérgio
RAMOS JÚNIOR, Dernival Venâncio; MENDES, Neilson Silva. Em busca da nação: intelectuais, identidade e memória em Pepetela. Revista de Estudos do Norte Goiano, v. 1, p. 147-175, 2008. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
RIBEIRO, Maria de Fatima Maia. Discursos sobre a África e fantasmagorias coloniais em obras de Mia Couto e Pepetela. In: Rita Chaves; Tania Macêdo; Rejane Vecchia. (Org.). A kinda e a missanga; encontros brasileiros com a literatura angolana. São Paulo; Luanda: Cultura Acadêmica; Nzila, 2007, v. 1, p. 241-257.
ROCHA, Denise. Infância e relações étnico-raciais em uma narrativa sobre Angola no séculi XVII (Pepetela). In: CRUZ, Ana Cristina J. da; MORUZZI, Andrea B.; ABRAMOVICZ, Anete et alii. (Org.). Perspectivas sobere Infância e Educação Infantil: Diferença, Sociologia da Infância e Relações Étnico-Raciais. 1ª ed., São Carlos: Compacta Gráfica e Editora, 2014, v. 1, p. 356-366.
ROCHA, Denise. Geografia e literatura: Memórias afetivas de Pungo Andongo, a terra dos pedregulhos negros (Pepetela). In: Anais do V Seminário Nacional de Literatura e Cultura (SENALIC). São Cristóvão-SE: -, 2014. v. 1. p. 1-8.
ROCHA, Denise. Violência sexual em Angola no século XVII: Relações assimétricas entre brancos, mestiços e escravas (o romance de Pepetela). In: Anais Eletrônicos do II Seminário Internacional de Etnia, Diversidade e Formação, UNIOESTE, campus de Cascavel-PR. -: -, 2014. p. 1-15.
ROCHA, Denise. Kimbundu em uma sanzala africana (Pepetela). In: Anais do Seminário Internacional Acolhendo as línguas africanas (SIALA): Línguas e culturas afrobrasileiras e as novas tecnologias,, UNEB, 2014. v. 5. p. 1-16.
ROCHA, Denise. Um narrador anônimo da ocupação de Angola pelos holandeses, portugueses e brasileiros no século XVII (Pepetela).. In: Semana de Estudos Linguísticos e Literários, 2013, Cornélio Procópio-PR. Anais do SELLITCON. Londrina-PR: Editora da UEL, 2013. v. 1. p. 358-376.
ROCHA, Denise. Crime de sangue na lagoa do Kinaxixi (Pepetela). In: Seminário Nacional Literatura e Cultura, 2009, São Cristóvão. Anais do Seminário nacional Literatura e Cultura, 2009. v. 1. p. 1-13.
ROCHA, Iraci Simões da. Utopia e práxis: esperança e ação em Saramago e Pepetela. Recôncavos, Revista do Centro de Artes, Humanidades e Letras v. 3, p. 5-15, 2009.  Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
RODRIGUES, Jussara Oliveira. Amarílis e Pepetela: entre a saudade e a utopia. (Monografia Graduação em Letras).Centro Universitário São Camilo, São Camilo SP, 2005.
RODRIGUES, Sara Viola. O tema da decadência em “Absalão! Absalão!” e “Yaka”. (Tese Doutorado em Letras). USP, 1996.
RUIVO, Marina Silva. Literatura e resistência: estudo comparado de Viagem à luta armada, de Carlos Eugênio Paz, e A geração da utopia, de Pepetela. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 2005.
RUIVO, Marina Silva. Viagem à Luta Armada: entre a ficção e a história. Via Atlântica (USP), São Paulo, n.5, p. 190-196, 2002.
RUIVO, Marina Silva. Aníbal e Clamart - uma leitura das obras através das personagens. A geração da utopia, de Pepetela e Viagem à Luta Armada, de Carlos Eugênio Paz. Cadernos CESPUC de Pesquisa - PUC Minas, Belo Horizonte, n.11, p. 90-105, 2003.
RUIVO, Marina Silva. Mayombe: Angola entre passado e futuro. In: CHAVES, Rita; MACÊDO, Tania. (Org.). Portanto... Pepetela. 1ª ed., Luanda/ Porto: Editora e Livraria Caxinde/ Campo das Letras, 2002, v. , p. 273-280.
SALGUEIRO, Wilberth. Alegoria e testemunho em Muana Puó (1969), romance de Pepetela. Revista do Núcleo de Estudos de Literatura Portuguesa e Africana da UFF, Vol. 5, n° 11, Novembro de 2013. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
SANTILLI, Maria Aparecida de Campos Brando. Yaka, de Pepetela - História, Mito e Símbolo. In: Tânia Celestino Macêdo; Rita Natal Chaves. (Org.). Portanto Pepetela. Luanda: União dos Escritores Angolanos, 2002, v. 1, p. -.
SANTOS, Alexandra Dias. Nação, guerra e utopia em Pepetela (1971- 1996).. (Dissertação Doutoramento em Ciências Sociais). Universidade de Lisboa, Portugal, 2011. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
SANTOS, Donizeth Aparecido dos. Sagas familiares e narrativas de fundação engajadas de Erico Verissimo e Pepetela. (Tese Doutorado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 2013. 
SANTOS, Donizeth Aparecido dos. O conceito de Mãe-África na literatura angolana. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Estadual de Londrina, UEL, 2005.
SANTOS, Donizeth Aparecido dos. O projeto literário de Pepetela. Lusorama, v. 99-100, p. 29-67, 2014.
SANTOS, Donizeth Aparecido dos. Yaka, de Pepetela: uma saga familiar e uma releitura da história de Angola. Organon (UFRGS), v. 29, p. 135-156, 2014.
SANTOS, Donizeth Aparecido dos. Contos de morte, de Pepetela (resenha). Conexão Letras, v. 7, p. 101-104, 2012.
SANTOS, Donizeth Aparecido dos. Lueji, o nascimento dum império: um romance alegórico e político. Mulemba, v. 1, p. 35-45, 2014.
SANTOS, Donizeth Aparecido dos. A revolta da casa dos ídolos: o passado como alegoria do presente. Revista de Literatura, História e Memória (Impresso), v. 9, p. 25-38, 2013.
SANTOS, Donizeth Aparecido dos. O quase fim do mundo, de Pepetela: um alerta para a humanidade (resenha). Acta Scientiarum. Language and Culture (Impresso), v. 33, p. 151-152, 2011.
SANTOS, Donizeth Aparecido dos. O terrorista de Berkeley, Califórnia: o início de um novo ciclo na carreira literária de Pepetela (resenha). Revista Trama (Cascavel. Impresso), v. 7, p. 153-156, 2011.
SANTOS, Donizeth Aparecido dos. Reflexões sobre O planalto e a estepe, de Pepetela. Miscelânea (Assis. Online), v. 9, p. 31-41, 2011.
SANTOS, Donizeth Aparecido dos. Pepetela: O planalto e a estepe (resenha). Lusorama, v. 83-84, p. 242-246, 2010.
SANTOS, Donizeth Aparecido dos. O tempo e o vento, de Erico Verissimo, e Yaka, de Pepetela: a história da escrita de duas grandes histórias. Línguas & Letras (UNIOESTE), v. 10, p. 1-13, 2009.
SANTOS, Donizeth Aparecido dos. Resenha do romance "Predadores" de Pepetela. Temas & Matizes, v. 1, p. 125-130, 2009.
SANTOS, Donizeth Aparecido dos. Da ruptura à consolidação: um esboço do percurso literário angolano de 1948 a 1975. Publicatio UEPG. Ciências Humanas, Ciências Socias Aplicadas, Linguística, Letras e Artes (Online), v. 1, p. 31-42, 2007.
SANTOS, Fernanda Cristina da Encarnação dos. A Emergência de um Cânone Ocidental nas obras de Pepetela e Manuel Rui. In: Petar Petrov; Marcelo G. Oliveira. (Org.). A Primazia do Texto: Ensaios em Homenagem a Maria Lúcia Lepecki. 1ed.Lisboa: Esfera do Caos, 2011, v. 1, p. 301-313.
SANTOS, Francisca Maria dos. 'Quarup' e 'A geração da utopia': história – ficção e utopia. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade de São Paulo, FFLCH/USP, 2001. 
SANTOS, Lucinéia Alves dos. Nação: desconstrução e criação. Uma análise das obras Os detetives selvagens, de Bolaño, e Mayombe, de Pepetela. Miscelânea (Assis. Online), v. 6, p. 181-194, 2009.
SANTOS, Maria Alzira de Souza. Os cus de Judas e Mayombe: da imposição da dor à superação do vazio. (Dissertação Mestrado em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - USP, FFLCH - USP, 2000.
SILVA, Maria Teresa Salgado Guimaraes da. A presença do cômico na ficção angolana contemporânea: a tarefa de conciliar o inconciliável. (Tese Doutorado em Letras Vernáculas). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, 1997.
SILVA, Maria Teresa Salgado Guimaraes da. Imagens da Felicidade em três momentos da ficção angolana ou agonia e felicidade em Luandino Vieira, Pepetela e Manuel Rui. In: Maria Nazareth Fonseca e Maria Zilda Cury. (Org.). África:dinâmicas culturais e literárias. 1ª ed., Belo Horizonte: CESPUC, 2012, v. 1, p. 25-30.
SANTOS, Olimpia Maria dos. Entre a história e a fiçcão, uma outra versão: análise de A gloriosa família, de Pepetela. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 2002.
SANTOS, Olimpia Maria dos. Um narrador testemunha da anti-história em A gloriosa família, de Pepetela. Revista das FGb - FERP / Faculdades Integradas Geraldo di Biasi, Volta Redonda - RJ, p. 99 - 107, 1 dez. 2003.
SARAIVA, Marília Maia. Nação e narração: identidade, história e memória em Pepetela. (Dissertação Mestrado em Literatura e Interculturalidade). Universidade Estadual da Paraíba, UEPB, 2012.
SARAIVA, Sueli da Silva. O pacto das elites e sua representação no romance em Angola e Moçambique. (Tese Doutorado em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa). Universidade de São Paulo, USP, 2013.
Pepetela - foto: Correio Braziliense
SARAIVA, Sueli da Silva. O terrorista de Berkeley, Califórnia: entre a modernidade e a barbárie.. In: Rita Chaves; Tania Macêdo. (Org.). Portanto... Pepetela. 2ª ed., Cotia: Ateliê Editorial, 2009, v. 1, p. 357-362.
SARMENTO-PANTOJA, Tânia; MARCELINO, Lia Maria Lima. O corpo como ato político: o amor como revolução em Mayombe, de Pepetela. Artifícios - Revista do Difere, v. 3, n. 6, dez/2013. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
SARTESCHI, Rosângela. Limites da ficção e história: José Cardoso Pires e Pepetela. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 2003.
SARTESCHI, Rosângela. Ficção e história no âmbito do romance: “Balada da praia dos cães” e "Mayombe". (Tese Doutorado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 2005.
SCHMITT, Bárbara Jucinsky. As representações da mulher e da revolução nas obras As Aventuras de Ngunga e Mayombe, de Pepetela. (Dissertação Mestrado em Processos e Manifestações Culturais). Universidade Feevale, FEEVALE, 2015.
SECCO, Carmen Lucia Tindó Ribeiro. A alegoria de Kianda e o olhar ‘melancolérico’ de Pepetela. In: Actas do V congresso da Associação Internacional de Lusitanistas. Oxford; Coimbra: Universidade de Oxford, 1998.
SECCO, Carmen Lucia Tindo Ribeiro. Tempo, memória, mito e saber em O Cágado Velho, de Pepetela. Revista Brasil de Literatura (Rio de Janeiro), Rio: http://members.tripod.com, v. Ano:II, n.-, p. 1-9, 1998.
SECCO, Carmen Lucia Tindo Ribeiro. Na Curva Oblonga do tempo, uma alegórica parábola. In: CHAVES, Rita e MACÊDO, Tânia. (Org.). Portanto...Pepetela ( edição brasileira). 1ª ed., São Paulo: Ateliê Editorial, 2009, v. 1, p. 151-170.
SECCO, Carmen Lucia Tindo Ribeiro. Entre crimes, detetives e mistérios... (Pepetela e Mia Couto riso, melancolia e o desvendamento da história pela ficção). Revista Mulemba 5, Rio,RJ, site Africanas UFRJ, p. 136 - 151, 31 dez. 2011.
SERRANO, Carlos. Angola. Nascimento de uma Nação (Um estudo sobre a construção da Identidade Nacional). Luanda: Edições Kilombelembe, 2008.
SILVA, Agnaldo Rodrigues. O teatro angolano - aspectos políticos na dramaturgia de Pepetela. In: Daniel Conte, Jane Fraga Tutikian. (Org.). Palavra Nação. 1ª ed., Porto Alegre: Ensaios, 2012, v. 1, p. 41-53.
SILVA, Agnaldo Rodrigues. O espaço político no teatro de língua portuguesa - entre Boal, Guarnieri e Pepetela. In: XII congresso internacional ABRALIC, 2011, Curitiba. Centro, Centros Ética, Estética. Curitiba: ABRALIC, 2011. v. 1. p. 1-7.
SILVA, Assunção de Maria Sousa e.. História e mulher angolanas dA geração da utopia de Pepetela. LETRAS EM REVISTA (UESPI), v. 1, p. 13-42, 2007.
SILVA, Assunção de Maria Sousa e.. História e mulher angolanas d"A geração da utopia" de Pepetela. Letras em Revista, Teresina, p. 13 - 42, 20 dez. 2007.
SILVA, C. C.; RANGEL, Patricia Luisa Nogueira. O escritor no universo literário africano: contribuições de Pepetela através da obra O quase fim do mundo. Revista Philologus, v. 57, p. 688-697, 2013.
SILVA, Cibele Verrangia Correa da. O engajamento e a melancolia na formação da identidade angolana: um estudo comparado entre as obras Mayombe e A geração da utopia de Pepetela. In: III Colóquio de Pesquisas em Andamento PPGL - Ufes, 2014, Vitória. III Colóquio de Pesquisas em Andamento PPGL-Ufes - Caderno de Resumos, 2014. p. 12-13.
SILVA, Luís Antonio José da. Clarice Lispector e Pepetela: a reificação espacial e a desconstrução derridiana do discurso moderno (e/ou pós-colonial).. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UERJ, 2004. 
SILVA, Maria Teresa Salgado Guimaraes da. Imagens da Felicidade em três momentos da ficção angolana ou agonia e felicidade em Luandino Vieira, Pepetela e Manuel Rui. In: Maria Nazareth Fonseca e Maria Zilda Cury. (Org.). África:dinâmicas culturais e literárias. 1ª ed., Belo Horizonte: CESPUC, 2012, v. 1, p. 25-30.
SILVA, Maurício. Angola, Moçambique e Cabo Verde: uma introdução à prosa de ficção da África lusófona. Nau Literária, Porto Alegre, Vol. 7 N. 1, jan/jun 2011. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
SILVA, Renata Flavia da. Quatro passeios pelos bosques da ficção angolana. (Tese Doutorado em Letras Vernáculas). Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 2008.  
SOLER, Rodrigo Diaz de Vivar y.; KAWAHALA, Edelu. Mayombe: polifonia diaspórica, mestiçagens e hibridismo na guerra de libertação em Angola. Cadernos Cespuc, Belo Horizonte - n. 19 - 2010. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
SOARES, Felipe Paiva. História, literatura e resistência em Angola: as primeiras obras de Pepetela em perspectiva. (Monografia Graduação em História). Universidade Federal de Sergipe, UFS, 2013.
SOARES, Felipe Paiva. A polifonia conceitual: a resistência na história geral da África (Unesco).. (Dissertação Mestrado em História). Universidade Federal Fluminense, UFF, 2014.
SOARES, Felipe Paiva. História, literatura e resistência na África: as primeiras obras de Pepetela em perspectiva. Via Litterae, v. 6, p. 401-428, 2014.
SOARES, Francisco. Notícia da literatura angolana. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2001.
SOUZA, Waldelice Maria Silva de. A Rotação das Identidades: o transe como dínamo da arquitetura das personalidades dos oríkìs e dos personagens da obra de Pepetela. (Tese Doutorado em Letras). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 2014.
TEIXEIRA, Valéria Maria Borges. A recuperação da cultura tradicional angolana a partir da releitura do mito, da lenda e da História em Lueji (o nascimento dum Império).. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 1999.
TEIXEIRA, Valéria Maria Borges. “A Gloriosa Família: o tempo dos flamengos” e a “História Geral das Guerras Angolanas”. (Tese Doutorado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 2003.
TEIXEIRA, Vanessa Ribeiro. As alegorias dos sentidos e as reconfigurações da história no Memorial do convento e n`A gloriosa família. (Tese Doutorado em Letras). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 2009. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
TEIXEIRA, Vanessa Ribeiro. Kiandas, jangadas, águas revoltas... identidades submersas. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 2004.
TEIXEIRA, Vanessa Ribeiro. Seria cômico se não fosse trágico - apontamentos sobre o "criado-mudo" de Pepetela. Mulemba, v. 5, p. 10, 2011.
THOMAZ, Wilcemar Silva. Um Jeito de não morrer: percursos da narrativa angolana. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal Fluminense, UFF, 1995.
VALENTIM, Jorge Vicente. Com quantos nós se faz uma trama: ressonância do teatro do oprimido em A corda, de Pepetela. Via Atlântica (USP), v. 22, p. 71-85, 2012.
VALENTIM, Jorge Vicente. De PREDADORES e de presas: representações das metamorfoses políticas e culturais angolanas na ficção de Pepetela. Teia Literária, v. 2, p. 73-87, 2008.
VALENTIM, Jorge Vicente. Pepetela e a predatória arte de narrar. In: CHAVES, Rita; MACEDO, Tânia. (Org.). Portanto... Pepetela. 2ª ed., São Paulo: Ateliê, 2009, v. , p. 347-355.
VALENTIM, Jorge Vicente. Música Ritual: o canto e a voz na ficção de Pepetela. In: Cinco Povos, Cinco Nações - Congresso Internacional de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa, 2003, Coimbra. Estudos de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa. Lisboa: Novo Imbondeiro, 2003. p. 384-388.
VARGAS, Débora Jael Dorneles Rodrigues. O animismo em Lueji, o nascimento de um império. (Dissertação Mestrado em Letras). Centro Universitário Ritter dos Reis, UniRITTER, 2015. 
VARGAS, Débora Jael Dorneles Rodrigues. Animismo e Realismo Animista. X Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-graduação - SEPesq Centro Universitário Ritter dos Reis  – 20 a 24 de outubro de 2014Disponível no link. (acessado em 8.5.2015).
VARGAS, Débora Jael Dorneles Rodrigues; SILVEIRA, Regina da Costa da. Pepetela e a busca pelas raízes angolanas em Lueji, o nascimento de um império. In: SILVEIRA, Regina da Costa da.; COSTA, Rosilene S.. (Org.). Literatura, História e Cultura Africana e Afro-brasileira nas Escolas: redes de possibilidades para o cumprimento da legislação. Lei 10.639/2003 e Lei 11.645/2008. 2ª ed., Porto Alegre: Editora Uniritter, 2014, v., p. 183-195.
VECCHI, Roberto. Resenha a Pepetela, A geração da utopia. Rassegna Iberistica, Roma, v. 47, p. 77-80, 1993.
VECCHI, Roberto; VINCENZO, Russo. Pepetela. L'autore, l'opera, il libro, . La generazione dell'utopia. Reggio Emilia: Diabasis, 2009, v. , p. 376-387.
Pepetela - foto: © (Arquivo Pessoal do autor)
VEIGA, Luiz Maria. Desenvolvimento e rivalidades: esboço da representação literária do espaço urbano benguelense nos romances Yaka e Jaime Bunda e a marte do americano, de Pepetela. Revista Crioula (USP), v. 4, p. 1-15, 2008.
VIDAL, Francisco Elder Freitas. Identidade e mobilidade angolanas na ficção de Pepetela. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal do Ceará, UFC, 2013. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
VIDAL, Francisco Elder Freitas. Áfricas de papel: uma análise da identidade nacional angolana na obra de Pepetela. 1ª ed., Fortaleza: Premius, 2014. v. 1000. 196p.
VIDAL, Francisco Elder Freitas; LIMA, Stélio Torquato. Da estepe ao planalto: a crise da identidade nacional angolana na ficção de Pepetela. In: IX Encontro Interdisciplinar de estudos Literários, 2013, Fortaleza. Amor, morte, origens e identidades na literatura. Fortaleza: Imprensa Universitária, 2013. v. 1. p. 201-225.
VIEIRA, Maria Agripina Ferreira Carriço Lopes. Construção da Identidade na Ficção de Luandino, Pepetela e Agualusa. (Dissertação Doutoramento em Estudos Literários e Literatura Comparada). Faculdade de Letras da Universidade Lisboa, Portugal, 2011. Disponível no link. (acessado em 9.5.2015).


"Yaka, mbayaka, jaga, imbangala? Foram uma mesma formação social? Nação? – aos antropólogos de esclarecer. Certo é que agitaram a já tremeluzente História de Angola, com as sua incursões no Reino do Congo (...). Foi o princípio do que se sabe."
- Pepetela, em "Yaka". Lisboa: Dom Quixote, 1985.

Paulo Freire,  Pepetela ... (agosto 1976)

"Até que o pressentiu a seu lado. Bastaria virar-se prà direita, atravessar a montanha que os separava, e encontraria os seus olhos. Estremeceu. Não teve coragem de vencer a montanha, rompendo a igualdade de todos os dias. Sentia o abismo perto, ao lado da montanha. Nesta vertente, a tranquilidade e a monotonia. No cimo da montanha, onde o Sol brilhava em turbilhão de cores impossíveis, a angústia do desconhecido, a aurora."
- Pepetela, em "Muana Puó". Lisboa: Dom Quixote, 1978.

Pepetela e Mia Couto, em Ouro Preto/MG (2010)

"[Lueji, uma] soberana de tanta grandeza, realçada agora pelo bailado que a ia imortalizar, arrancada das cinzas da História e das falas locais dos mais-velhos para ser conhecida do grande público, espantado com a revelação, afinal este País teve gente assim e nós nem sabíamos, despojados que fomos da nossa História por séculos de obscurantismo, muitas vezes nos sonhando iguais aos outros mas sempre temerosos da comparação, nada igualava as tradições da Europa a que tínhamos de ficar para sempre agradecidos porque das trevas nos tirou, quando afinal as trevas vinham de lá e nos
escondiam de nós próprios, órfãos de passado, sem saber que também é glorioso..." 
- Pepetela, em "Lueji, o nascimento de um império". 5ª ed., Alfragide: Dom Quixote, 2008, p. 479. 


"O mais importante para uma geração é dar qualquer coisa de bom à seguinte, um projeto, uma bandeira. No fundo, é o pai a deixar uma herança para o filho. E é triste sentir que a nossa geração, que vos deu apesar de tudo a independência, logo a seguir tirou a capacidade de a gozar. Como o pai que, ao oferecer um brinquedo ao filho, o monopoliza, só ele brinca com ele, com o pretexto de que o filho vai estragar…"
- Pepetela, em "A geração da utopia". Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000, p. 361.


"As árvores enormes, das quais pendiam cipós grossos como cabos, dançavam em sombras com os movimentos das chamas. Só o fumo podia libertar-se do Mayombe e subir, por entre as folhas e as lianas, dispersando-se rapidamente no alto, como água precipitada por cascata estreita que se espalha num lago."
- Pepetela, em "Mayombe". Lisboa: Dom Quixote, 1997 p. 13.


"Nasci na Gabela, na terra do café. Da terra recebi a cor escura de café, vinda da mãe, misturada ao branco defunto do meu pai, comerciante português. Trago em mim o inconformismo inconciliável e este é o meu motor. Num Universo de sim ou não, branco ou negro, eu represento o talvez. Talvez é não para quem quer ouvir sim e significa sim 
para quem quer ouvir não. A culpa será minha se os homens exigem a pureza e recusam as combinações? Sou eu que devo tornar-me em sim ou em não? Ou são os homens que devem aceitar o talvez? Face a este problema capital, as pessoas dividem-se aos meus olhos em dois grupos: os maniqueístas e os outros. É bom esclarecer que raro são os outros, o Mundo é geralmente manisqueísta." 
- Pepetela, em "Mayombe". Lisboa: Dom Quixote, 1997 p. 14.


"– Tu, Lutamos, és um burro! – disse Sem Medo. – Quem não quer estudar é um burro e, por isso, o Comissário tem razão. Queres continuar a ser um tapado, enganado por todos... As pessoas devem estudar, pois é a única maneira de poderem pensar sobre tudo com a sua cabeça e não com a cabeça do outros. O homem tem de saber muito, sempre mais e mais, para poder conquistar a sua liberdade, para saber julgar. Se não percebes as palavras que eu pronuncio, como podes saber se estou a falar bem ou não? Terás de perguntar a outro. Dependes sempre do outro, não és livre. Por isso toda a gente deve estudar, o objetivo principal duma verdadeira Revolução é fazer toda a gente estudar. Mas aqui o camarada Mundo Novo é um ingênuo, pois acredita que há quem estuda só para o bem do povo. É essa cegueira, esse idealismo, que faz cometer os maiores erros. Nada é desinteressado."
- Pepetela, em "Mayombe". São Paulo: Ática, 1982, p. 79.


"Provocaram o caos! Deus mandará o raio e o mundo
terminará! – grasnavam os corvos, aterrorizados.
O sacrilégio fora cometido: os morcegos viam o céu
por baixo deles e o Mundo a seus pés.
Os morcegos então compreenderam que Deus era
uma invenção dos corvos, com que os tinham desde
sempre subjugado, pra terem o mel sem trabalhar"
- Pepetela, em "Muana Puó". Lisboa: Edições 70, 1978, p. 48.

Paulina Chiziane, Ondjaki, Pepetela e Luandino Vieira

“Ora, as versões são contraditórias [...] São ideológicas?
 [...] Então, não tenho direito, eu também, de inventar a
minha própria versão? Quem te garante que é mais falsa
que a que tu escreverias?A tua também seria ideológica ....”
- Lu, em "Lueji - O nascimento dum Império", de Pepetela. Lisboa: Dom Quixote, 1997.




EDITORAS QUE PUBLICAM A OBRA DE PEPETELA
:: Dom Quixote (Portugal)
:: Editora Ática (Brasil)
:: Editora e Livraria Chá de Caxinde (Angola)
:: Edições Nelson de Matos (Portugal)
:: LeYa Brasil (Brasil)
:: Editora Língua Geral (Brasil)
:: Editora Nova Fronteira/Ediouro (Brasil)
:: União dos Escritores Angolanos - UEA (Angola)


PEPETELA NA REDE
Pepetela  - foto: © Gustavo Scatena/Imagem Paulist
:: Grupo Pepetela (facebook)

AFRICA EM PAUTA 
:: África em Pauta - memória, história, arte  


ESCRITORES AFRICANOS NESTE SITE
:: Alda Espírito Santo (São Tomé e Príncipe)
:: Amélia Dalomba (Angola)
:: Amílcar Cabral (Guiné-Bissau)
:: Ana Paula Tavares (Angola)
:: António Agostinho Neto (Angola)
:: António Mendes Cardoso (Angola)
:: Fernando Costa Andrade (Angola)
:: Fernando Leite Couto (Moçambique)
:: João Maimona (Angola)
:: José Craveirinha (Moçambique)
:: José Eduardo Agualusa (Angola)
:: José Luandino Vieira (Angola)
:: Mia Couto /+ fortuna crítica+  Poemas (Moçambique)
:: Noémia de Sousa (Moçambique)
:: Ondjaki (Angola)
:: Orlanda Amarílis (Cabo Verde)
:: Paulina Chiziane (Moçambique)
:: Pepetela (Angola)

:: Raúl Alves Calane da Silva (Moçambique)
:: Ruy Duarte de Carvalho (Angola) 



REFERÊNCIAS E OUTRAS FONTES DE PESQUISA
:: Casa África
:: Embaixada de Angola (autores)
:: Minha Angola - Pepetela
:: União dos Escritores Angolanos - UEA


"A vida nunca se escreve em linha reta e toda a gente sabe. Poucos se lembram disso nos momentos decisivos."
 - Pepetela


Pepetela, por Loredano
© Direitos reservados ao autor/e ou ao seus herdeiros

© Pesquisa, seleção e organização: Elfi Kürten Fenske

=== === ===
Trabalhos sobre o autor:
Caso, você tenha algum trabalho não citado e queira que ele seja incluído - exemplo: livro, tese, dissertação, ensaio, artigo - envie os dados para o nosso "e-mail de contato", para que possamos incluir as referências do seu trabalho nesta pagina. 

Conteúdo, textos, fotos, caricaturas, charges, imagens e afins
:: Sem identificação: nos ajude a identificar o autor, fontes e afins.
:: Autor(a): caso não concorde com a utilização do seu trabalho entre em contato.

Como citar:
FENSKE, Elfi Kürten (pesquisa, seleção e organização). Pepetela - identidade e resistência. Templo Cultural Delfos, maio/2015. Disponível no link. (acessado em .../.../...).
____
** Página atualizada em 11.5.2015.



Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2016 Templo Cultural Delfos

Um comentário:

  1. Como estávamos todos enganados...mas se voltássemos atrás, faríamos tudo, da mesma maneira. É a partir da Utopia que a "viagem" se avalia. Seriamos outros e não aquilo que somos; seriamos seres sem sonhos ou sonhos por nascer...mas um dia haveremos de melhorar. LuísM 

    ResponderExcluir

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!