Haroldo de Campos - transcriações poéticas

Haroldo de Campos - foto: German Lorca
Haroldo Eurico Browne de Campos nasceu em São Paulo, em 19 de agosto de 1929. Formou-se em Direito pela Universidade de São Paulo. Após ter publicado poemas e traduções na imprensa paulistana durante a década de 1940, lançou seu primeiro livro – O auto do possesso – pelo Clube de Poesia de São Paulo, em 1950.
Dois anos depois, formou o grupo Noigandres, com Augusto de Campos, seu irmão, e Décio Pignatari, ambos também estudantes da Faculdade de Direito do Largo São Francisco. Noigandres, palavra provençal de significado controverso mencionada no décimo dos Cantos do poeta norte-americano Ezra Pound, também se tornou o título da revista publicada pelo grupo, em cinco números, durante dez anos (Noigandres I, 1952; II, 1955; III, 1956; IV, 1958; V, 1962)*. Como coinventor da Poesia Concreta em âmbito internacional, o grupo Noigandres também expôs sua produção poética, para além dos limites de suas publicações impressas, na Exposição Nacional de Arte Concreta, ocorrida no Museu de Arte Moderna de São Paulo, em 1956, e no Ministério da Educação e Saúde, no Rio de Janeiro, 1957. Com a ampliação das atividades do grupo Noigandres no contexto da equipe Invenção, Haroldo colaborou com publicações para a página por ela editada no diário Correio Paulistano, em frequência semanal, de 1960 a 1967. A Invenção – Revista de arte e vanguarda**, editada pela equipe em cinco números, entre 1962 e 1967, também contou com a sua significativa contribuição.
A primeira coletânea de sua obra poética, Xadrez de estrelas – Percurso textual (1949-1974), publicada em 1976, contém sua produção inicial e concreta, além de uma amostra significativa de Galáxias, obra em prosa poética, editada – em sua versão definitiva – em 1984. Em seus livros de poesia posteriores – de Signantia: Quase Coelum – Signância: quase céu (1979) até o póstumo Entremilênios (2009) –, Haroldo de Campos revela uma escrita de grande densidade intertextual e algo grau de elaboração e complexidade poéticas, o que o torna uma das referências centrais da poesia brasileira.

Haroldo de Campos - foto: (...)
Sua produção poética é indissociável de sua obra tradutória, registrada em inúmeros livros – desde Ezra Pound – Cantares (em colaboração com Augusto de Campos e Décio Pignatari, 1960) até a Ilíada de Homero (2 vols., 2002 / 2003), além das publicações póstumas. O que o singulariza como tradutor literário é não apenas seu amplo repertório linguístico-literário, desde textos hebraicos do cânon bíblico até poetas contemporâneos seus, como Octavio Paz, Giuseppi Ungaretti e Konstantinos Kaváfis, passando por Dante e Goethe, pela poesia clássica chinesa e pelo teatro Nô japonês, além da poesia moderna de diversas línguas. Sua conceituação da atividade tradutória como “transcriação”, teorizada em inúmeros ensaios e textos introdutórios a suas traduções, torna-o internacionalmente uma referência singular no âmbito da tradução literária.
Sua atividade tradutória, também exercida como reflexão crítica sobre o fazer literário, sempre foi acompanhada de intensa atividade teórica, registrada em inúmeros ensaios sobre arte e literatura. Seu intenso intercâmbio com intelectuais de todo o mundo – como Umberto Eco, Roman Jakobson, Tzvetan Todorov, Octavio Paz, entre muitos outros – transparece em seus textos, dotados de uma atenção singular para com o pensamento contemporâneo, paralelamente a um interesse erudito em desvendar o passado em suas fontes.  

:: Fonte: Casa das Rosas (acessado em 15.2.2016).
(* e **) Na pagina dedicada a Décio Pignatari neste site, você poderá encontrar mais informações sobre as revistas 'Noigandres' e 'Invenção'.



livro Auto do possesso, edição 1950
OBRA DE HAROLDO DE CAMPOS
Poesia
:: Auto do possesso. São Paulo: Clube de Poesia de São Paulo, 1950.
:: Servidão de passagem. São Paulo: Noigandres, 1962.
:: Xadrez de estrelas: percurso textual - 1949 -1974. São Paulo: Perspectiva, 1976.
:: Signantia: quasi coelum/signância: quase céu. São Paulo: Perspectiva, 1979.
:: Galáxias. São Paulo: Ex-Libris, 1984; reedição: i
nclui o CD Isto não é um livro de viagem [poemas oralizados pelo autor, com participação do citarista Alberto Marsicano; supervisão técnica do poeta e compositor Arnaldo Antunes]. São Paulo: Editora 34,1992; 2º edição revista [organização de Trajano Vieira]. São Paulo: Editora 34, 2004; 3ª ed., 2011..
:: A educação dos cinco sentidos. São Paulo: Brasiliense, 1985; 2ª ed., (inclui um CD). São Paulo: Iluminuras, 2013.
:: Finismundo: a última viagem. Ouro Preto: Tipografia do Fundo de Ouro Preto, 1990.

:: Melhores poemas Haroldo de Campos. [seleção e organização Inês Oseki-Dépré]. Coleção Melhores Poemas. Rio de Janeiro: Global, 1992. 
:: Yugen: cuaderno japonês. [poemas traduzidos por Andrés Sáanches Robayna]. Tenerife, Syntaxis, 1993.
 :: Gatimanhas e felinuras. [Haroldo de Campos e Guilherme Mansur]. Ouro Preto: Tipografia do Fundo de Ouro Preto, 1994.
:: Crisantempo: no espaço curvo nasce um.
(inclui um CD). São Paulo: Perspectiva, 1998; 2ª ed., 2004.
:: A máquina do mundo repensada. São Paulo: Ateliê Editorial,
2000.
:: Entremilênios. [organização Carmen de Arruda Campos]. Coleção Signos, 48. São Paulo: Perspectiva, 2009, 256p. 

CD + livro poemas - oralizações, música, xilogravura/ilustrações
:: Xilo VT e/ou elogio da xilo. [CD sobre textos de Haroldo de Campos, com oralizações do autor, Bete Coelho e Arnaldo Antunes; livro-objeto com xilografias de Maria Bonomi]. Edição limitada - 64 exemplares. São Paulo, 1994.
:: Cadumbra - metapoemas. [inclui CD e livro da escultora Denise Milan; texto e oralização de Haroldo de Campos]. Edição bilíngue. São Paulo: Difusão Cultural do Livro, 1997.


Ensaios
Haroldo de Campos
:: ReVisão de Sousândrade: textos críticos, antologia, glossário, biobibliografia. [Haroldo de Campos e Augusto de Campos]. São Paulo: Edições Invenção,1964; 2ª ed., ampliada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982; 3ª ed., ampliada, São Paulo: Perspectiva, 2002.
:: Teoria da poesia concreta: textos críticos e manifestos 1950-1960. [Haroldo de Campos, Décio Pignatari e Augusto de Campos]. São Paulo: Edições Invenção, 1965; 2ª ed., ampliada. São Paulo: Duas Cidades, 1975; 3ª ed., São Paulo: Brasiliense, 1987; 5ª ed., Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2006, 296p.
:: Sousândrade - poesia. [Haroldo de Campos e Augusto de Campos]. Rio de Janeiro: Agir, 1966; 3ª ed., revista e ampliada, 1995.
:: Oswald de Andrade - trechos escolhidos. Rio de Janeiro: Agir, 1967.  
:: Metalinguagem: ensaios de teoria e crítica literária. Petrópolis RJ: Vozes, 1967; 3ª ed., São Paulo: Cultrix, 1976. 
 :: A arte no horizonte do provável e outros ensaios. São Paulo: Perspectiva, 1969; 2ª ed., 1972; 3ª ed., 1975; 4ª ed. 1977; 5ª ed., 2010.
:: Guimarães Rosa em três dimensões.
[Haroldo de Campos, Pedro Xisto e Augusto de Campos]. 1970.
:: Morfologia do Macunaíma. São Paulo: Perspectiva, 1973; 2ª ed., 2008.
:: A operação do texto.
São Paulo: Perspectiva, 1976.
:: Ideograma: lógica, poesia, linguagem. [organização e ensaio introdutório Haroldo de Campos]. São Paulo: Cultrix; 1977; 3ª ed., São Paulo: Edusp, 1994; 4ª ed., 2000.
:: Ruptura dos gêneros na Literatura latino-americana.
São Paulo: Perspectiva, 1977.
:: Deus e o diabo no Fausto de Goethe.
São Paulo: Perspectiva, 1981; 4ª ed., 2001. 
:: O sequestro do barroco na formação da literatura brasileira: o caso Gregório de Matos. Salvador BA: Fundação Casa de Jorge Amado, 1989; 2ª ed., São Paulo: Iluminuras, 2011.
:: Aldir: geometrie parlanti/geometrias falantes.
[Haroldo de Campos, Mario Trufelli e Aldir Mendes de Souza]. 1991.
:: Metalinguagem e outras metas. (edição revista e ampliada de 'Metalinguagem' - 1967). São Paulo: Perspectiva, 1992; 4ª ed., 2010.
Haroldo de Campos - autografando o livro "Depoimentos de Oficina'".
:: Livro de Jó. [introdução crítica e fixação do texto da tradução de Elói Ottoni]. São Paulo: Giordano|Loyola, 1993.
::
Três (Re)inscrições para Severo Sarduy. São Paulo: Memorial da América Latina, 1995.
:: Sobre finismundo: a última viagem. Rio de Janeiro: Sette Letras,1996.
:: O arco-íris branco: ensaios de literatura e cultura. Rio de Janeiro: Imago, 1997.
:: Os Sertões dos Campos: duas vezes Euclides.
[Haroldo de Campos e Augusto de Campos]. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1997.
:: Três (Re)inscrições para Severo Sarduy. 1999.

:: Joan Brossa i la poesia concreta. in: catálogo da 'Mostra Joan Brossa o la revolta poètica', (org.). Manuel Guerreiro Barcelona: Fundació Joan Miró, 2001.
:: Depoimentos de Oficina. [prefácio José Horácio de Almeida Nascimento Costa]. São Paulo: Unimarco
Editora, 2002.
:: O segundo arco-íris branco. São Paulo: Iluminuras, 2010. 
:: Haroldo de Campos - transcriação. (coletânea de textos sobre a tradução literária).. [organização Marcelo Tápia e Thelma Médici Nóbrega]. 1ª ed., São Paulo: Perspectiva, 2013; 2015.
:: A ReOperação do texto. Haroldo de Campos. (reedição ampliada de 'A operação do texto' - 1976). São Paulo: Editora Perspectiva, 2013.

Ensaios, artigos e poemas em revistas e jornais
CAMPOS, Haroldo de. pound paideuma [ideogramização da poesia] - "prefácio", do  do livro “ezra pound cantares”. Rio de Janeiro: Serviço de Documentação - MEC, 1960. in: Antonio Miranda (reprodução). Disponível no link. (acessado em 16.2.2016). 
________ . Livro de Ensaios: Galáxias. Revista Iberoamericana, XLIII (98-99), enero-junio|1977, p. 39-49.
________ . La poesía Concreta según Haroldo de Campos. (entrevista), Vuelta, 25, diciembre, 1978, p. 16-22.
________ .  A  escritura  mefistofélica:  paródia  e  carnavalização  no  Fausto  de  Goethe. in: DIAS, Ângela; LYRA, Pedro (org.). Sobre a paródia. Rio de Janeiro: tempo Brasileiro, 1980.
________ .  Da razão antropofágica, diálogo e diferença na cultura brasileira. in: Boletim Bibliográfico. Biblioteca Mário de Andrade, Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, v. 44, n. 1-4, jan./dez. 1983.
________ . De la poesía concreta a Galaxias y Finismundo. 40 años de actividad poética en Brasil”. [traducción de Carmen Salas y Rodolfo Mata]. Vuelta  177, agosto, 1991, p. 19-27.
________ . Tradução e reconfiguração do imaginário: o tradutor como transfingidor. in: COUTHARD, M.; Caldas, M. R. (orgs.). Tradução: teoria e prática. Florianópolis: Editorial UFSC, 1991. 
________ . Da transcriação poética e semiótica da operação tradutora. Cadernos Viva Voz. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2011. 

Revista Noigandres
:: Noigandres 1. ["Augustum per Angusta" -e- "O sol por natural", de Augusto de Campos; "Rumo a nausicaa", de Décio Pignatari; "A cidade" -e- "Thalassa Thalassa", de Haroldo de Campos]. São Paulo: Edição dos Autores, (novembro de)1952, 72p. 
:: Noigandres 2. São Paulo: Edição dos Autores, (fevereiro de) 1955. 
:: Noigandres 3. São Paulo: Edição dos Autores, (dezembro de) 1956. 
:: Noigandres 4. [Plano-Piloto para Poesia Concreta - Décio Pignatari, Haroldo de Campos, Augusto de Campos, Ronaldo Azered; capa Hemelindo Fiaminghi]. São Paulo: Edição dos Autores, (março de) 1958.
Antologia
:: Antologia Noigandres*: do verso à poesia concreta. [Décio Pignatari, Haroldo de Campos, Augusto de Campos, Ronaldo Azeredo e José Lino Grünewald; capa Alfredo Volpi].  São Paulo: Massao Ohno Editora, 1962, 204p. 
(*) Noigandres. Acesse AQUI!

Haroldo de Campos
Obra de Haroldo de Campos publicada no exterior
Alemão
:: Noigandres: konkrete texte (Poesia concreta).. [edição de Max Bense e Elisabeth Walther; prefácio de Helmut Heissenbuettel e posfácio de Haroldo de Campos]. Série Rot, n. 7, Stuttgart, 1962.
:: Versuchsbuch Galaxien (Galáxias).. [tradução Vilem Flusser e Anatol Rosenfeld]. Stuttgart: E. Walther, 1966.

Espanhol

:: Noigandres I: Augusto de Campos, Décio Pignatari, Haroldo de Campos. [prólogo y selección de Hilda Scarabótolo de Codima; traducción de Antonio Cisneros]. Lima: Centro de Estudos Brasileiros, 1983. 

:: La educación de los cinco sentidos (A educação dos cinco sentidos).. [traducción, prólogo y notas complementarias de Andrés Sanchez Robayna]. Barcelona: Àmbit Serveis Editoriaes, 1990.
:: Finismundo: el último viaje. [tradução André Sánchez Robayna]. Málaga: Montes, 1992.
:: Yugen: Cuaderno Japonés. [tradução André Sánchez Robayna]. Tenerife: Sintaxis, 1993.
:: De la razón antropofágica y Otros ensayos. [seleção, tradução e prólogo de Rodolfo Mata]. Ciudad de México: Editorial Siglo Veintiuno, 2000.
:: Transideraciones (Transiderações).. [tradução Eduardo Milán e Manuel Ulacia]. Ciudad de México: Ediciones El Tucán de Virginia: Fundación E. Gutman, 1987.
:: Galaxia concreta. {Haroldo de Campos, Augusto de Campos e Décio Pignatari}.. [edição de Gonzalo Aguilar]. Ciudad do México: Universidad Iberoamericana: Artes de México, 1999.
:: Crisantiempo (Crisantempo).. [tradução Andrés Sánchez Robayna]. Barcelona: Editorial El Acantilado, 2004.

:: El ángel izquierdo de la poesía: poética y política - Haroldo de Campos. Antología bilíngue. [traducción Arturo Carrera]. Colección Yerba Mala Cartonera 24.  Buenos Aires: Eloisa Cartonera, 2006, 71p.
:: Galaxias. [traducción de Reynaldo Jiménez; prólogo de Roberto Echavarren]. Montevideo: La Flauta Mágica, 2010.

Francês
:: L'Éducation dês cinq sens (A educação dos cinco sentidos).. [tradução Luiz Carlos de Brito Rezende]. Paris: Plein Chant, 1989.
:: Galaxies (Galáxias).. [tradução Inês Oséki-Dépré]. La Souterraine: La Main Courante, 1998.
:: Yugen: Cahier Japonais. [tradução Inês Oséki-Dépré]. La Souterraine: La Main Courante, 2000.
:: Haroldo de Campos: une anthologie. [tradução Inês Oséki-Dépré]. Paris: Éditions Al Dante, 2005.

Húngaro
:: Konkrét Versek. [tradução Petöcz András e Pál Ferenc]. Budapeste: Íbisz, 1997.

Inglês
:: Novas: Selected Writings of Haroldo de Campos. [edição A. S. Bessa e Odile Cisneros; prefácio de Roland Greene]. Evanston: Northwestern University Press, 2007.

Italiano
:: L'Educazione dei cinque sensi (A educação dos cinco sentidos).. [tradução Daniela Ferioli]. Pesaro: Metauro Edizioni, 2005. 


Japonês
:: Plano-Piloto para Poesia Concreta. [Décio Pignatari, Augusto de Campos e Haroldo de Campos].. [tradução de Kitasono Katsue]. na revista VOU, em Tóquio. 
 
Haroldo de Campos - foto: Acervo Casa das Rosas
Traduções - transcriações de Haroldo de Campos
:: Cantares de Ezra Pound. [tradução Décio Pignatari, Augusto de Campos e Haroldo de Campos; prefácio Haroldo de Campos]. Rio de Janeiro: Serviço de Documentação - MEC, 1960.
:: Panorama do Finnegans Wake, de James Joyce. [tradução Haroldo de Campos e Augusto de Campos]. São Paulo: Comissão Estadual de Literatura|Secretaria da Cultura, 1962; 3ª ed., ampliada. São Paulo: Perspectiva, 2001.
:: Maiakovski: poemas.
[tradução Haroldo de Campos, Augusto de Campos e Boris Schnaiderman]. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1967; 2ª ed., ampliada. São Paulo: Perspectiva, 1982; 5ª ed., 1992; 7º ed., 2006.
:: Poesia russa moderna. [tradução Haroldo de Campos, Augusto de Campos e Boris Schnaiderman]. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1968; 2ª ed., São Paulo: Brasiliense, 1985; 3ª ed., ampliada. São Paulo: Perspectiva, 2001.
:: Antologia poética de Ezra Pound. [tradução Décio Pignatari, Augusto de Campos, Haroldo de Campos, José Lino Grünewald e Mário Faustino]. Lisboa: Ulisséia, 1968.
:: Traduzir e trovar. [tradução Haroldo de Campos e Augusto de Campos]. São Paulo: Papyrus, 1968.
:: Dante: seis cantos do paraíso.
[tradução Haroldo de Campos; ilustrações João Câmara]. 1ª edição limitada - 100 exemplares. Rio de Janeiro: Gastão de Holanda editor, 1976; 2ª ed., Rio de Janeiro: Fontana - Instituto Italiano de Cultura, 1978. 
:: Mallarmé. [tradução Décio Pignatari, Augusto de Campos e Haroldo de Campos]. Edição bilíngue. São Paulo: Perspectiva, 1974; 2ª ed., 1980; 3ª ed., ampliada. 2006.
:: Transblanco: em torno a blanco de Octávio Paz. [tradução Haroldo de Campos em parceria com Octávio Paz].  Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1981 e 1986; 2ª ed., ampliada. São Paulo: Siciliano, 1994.
:: Ezra Pound - Poesia. [tradução Décio Pignatari, Augusto de Campos, Haroldo de Campos, José Lino Grünewald e Mário Faustino; organização, introdução e notas de Augusto de Campos; ensaio crítico de Haroldo de Campos]. Edição bilíngue. São Paulo: Hucitec; Brasília: Editora UnB, 1983. 
Haroldo de Campos e Augusto de Campos
:: Qohélet - O-que-Sabe (Eclesiastes).. [tradução Haroldo de Campos em colaboração com Jacó Guinsburg]. São Paulo: Perspectiva, 1990.
:: Bere'shith: a cena de origem (Gênesis)..  [tradução Haroldo de Campos]. São Paulo: Perspectiva, 1993.
:: Hagoromo de Zeami: o charme sutil. [tradução Haroldo de Campos com participação de Darcy Yasuco Kusano e Elsa Taeko Doi]. Edição bilíngue. São Paulo: Estação Liberdade, 1994.
:: Mênis: a ira de Aquiles (Canto I da Ilíada de Homero)..  [tradução Haroldo de Campos; ensaio de Trajano Vieira]. Edição bilíngue. São Paulo: Nova Alexandria, 1994.
:: Escrito sobre Jade: Poesia  clássica  chinesa [tradução Haroldo de Campos]. Edição bilíngue. Ouro Preto: Tipografia do Fundo de Ouro Preto, 1996; 2ª ed., [organização Trajano Vieira]. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009.
:: Pedra e luz na poesia de Dante. [tradução Haroldo de Campos]. Edição bilíngue. 1998.
:: Os  nomes e os navios (Canto II da Ilíada de Homero).. [tradução e ensaio crítico de Haroldo de Campos e tradução de Odorico Mendes; comentado por Trajano Vieira]. Edição bilíngue. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1999.
:: Ilíada de Homero. vol. I. [tradução Haroldo de Campos; introdução e organização de Trajano Vieira]. Edição bilíngue. São Paulo: Mandarim, 2001.
:: Ilíada de Homero. vol. II. [tradução Haroldo de Campos]. Edição bilíngue. 2002.
:: Ungaretti: daquela estrela à outra. [tradução Haroldo de Campos e Aurora Bernardini]. Edição bilíngue. São Paulo: Mandarim, 2002.
:: Éden: Um tríptico bíblico. [tradução Haroldo de Campos]. Edição bilíngue. 2004.
:: Konstantinos Kaváfis: poemas. [organização Trajano Vieira; tradução Haroldo de Campos]. 1ª ed., São Paulo: Editora Cosac Naify, 2012.

Antologias (participação)
:: Concrete Poetry: an international anthology. [organização e introdução Stephen Bann]. London: London Magazine Editions, 1967.
:: An Anthology of Concrete Poetry. [organização Emmett Williams]. New York: Something Else Press, 1967.
:: Concrete Poetry: a World View. [organização e introdução Mary Ellen Solt]. Bloomington: Indiana University Press, 1968.
:: Antologia da Poesia Concreta em Portugal. (entrevista com Haroldo de Campos).. [organização José-Alberto Marques e E. M. de Melo e Castro]. Lisboa: Assírio & Alvim, 1973. 



"Dice el Corán: Dios ha dado a cada pueblo un profeta en su lengua. De la misma manera, todo traductor es un profeta para su pueblo."
- Goethe, em "Fragmentos sobre la naturaleza".
 

"Quanto  às  palavras  e  frases  em  outros  idiomas – sempre  de  valor  mântrico, “transmental”,  ainda  quando  não  imediatamente  alcançável  no  nível semântico – essas palavras e  frases  são, via de  regra, traduzidas ou glosadas no  contexto,  fluindo assim  e confluindo  para  o  ritmo  do  todo."  
- Haroldo de Campos, em "Galáxias. São Paulo: Editora 34, 2004, p. 119.


"Então, para nós, tradução de textos criativos será sempre recriação, ou criação paralela, autônoma  porém  recíproca.  Quanto  mais  inçado  de  dificuldades  esse  texto,  mais recriável, mais sedutor enquanto possibilidade aberta de recriação. Numa tradução dessa natureza,  não  se  traduz  apenas  o  significado, traduz-se  o  próprio  signo,  ou  seja,  sua fisicalidade,  sua  materialidade  mesma  [...]  O  significado,  o  parâmetro  semântico,  será apenas e tão-somente a baliza demarcatória do lugar da empresa recriadora. Está-se, pois no avesso da chamada tradução literal." 
- Haroldo de Campos, em "Da transcriação poética e semiótica da operação tradutora". Cadernos Viva Voz. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2011, p. 34. 

Haroldo de Campos
POEMAS ESCOLHIDOS DE HAROLDO DE CAMPOS

esses trigênios’ vocalistas
/ que idéia é essa de querer plantar
ideogramas no nosso quintal
(sem nenhum laranjal          Oswald)?
e (Mário) desmanchar
a comidinha das crianças?

poesia pois é
poesia

te detestam
lumpenproletária
voluptuária
vigária
elitista piranha do lixo
porque não tens mensagem
e teu conteúdo é tua forma
e porque és feita de palavras
e não sabes contar nenhuma estória
e por isso és poesia
como Cage dizia

ou como
há pouco
augusto
o augusto:

que a flor flore
o colibri colibrisa
e a poesia poesia
- Haroldo de Campos, em "A educação dos cinco sentidos". São Paulo: Brasiliense, 1985.


§

Le don dú poème
um poema começa
por onde ele termina:
a margem de dúvida
um súbito inciso de gerânios
comanda seu destino

e, no entanto ele começa
(por onde ele termina) e a cabeça
grisalha(branco topo ou cucúrbita
albina laborando signos) se
curva sob o dom luciferino –

domo de signos: e o poema começa
mansa loucura cancerígena
que exige estas linhas do branco
(por onde ele termina)

- Haroldo de Campos, em "A educação dos cinco sentidos". São Paulo: Brasiliense, 1985.

§

Signantia: quasi coelum
1,1
      Glande de cristal
      desoculta
      ramagem de signos
                                        soa
      o acorde do uni
      verso
                              campana estimulada
                                                            rútilo
último
              coere                 cúpula radiosa
                                                          
                                                            um sino
               sim
- Haroldo de Campos em "Signantia: quasi coelum". São Paulo: Perspectiva, 1979.


§

mais        mais
menos    mais    e      menos
              mais     ou   menos     sem     mais
                                                nem     menos    nem    mais 
                                                                          nem    menos  menos

- Haroldo de Campos, in "Noigandres 4". São Paulo: Edição dos Autores, março|1958.

§

ryoanji
o silêncio
ajardinado

sussurra um
koan de pedra

caligrafado
na areia

        são
        dorsos de tigre
        estes
        que assomam
        na escuma
        da areia
        branca?

quinze pedras
mas você
nunca as vê
todas

imaginar
as que faltam
alegra
a mente
de ausente
presença
- Haroldo de Campos, em "Crisantempo: no espaço curvo nasce um". São Paulo: Perspectiva, 1998, p. 270.


§

as rãs   
daqui e dali    s    l    a    d    
                         a   t    n    o

o charco soa   
- Haroldo de Campos, em "Crisantempo: no espaço curvo nasce um". São Paulo: Perspectiva, 1998.


§

o velho tanque
        rã salt'
            tomba
                rumor de água
- Haroldo de Campos, em "A arte no horizonte do provável".  São Paulo: Perspectiva, 1969.


§

Alberto Marsicano - por (..)
pré-haicai (para marsicano)
num relâmpago
o tigre
atrás da
corça
(isso
disse
sousândrade)
ou:
tiro nas
lebres de
vidro
do
invisível
(cabral:
falou)
assim a
multi-
mínima
arte do
hai-
cai
-bashô buson issa
(& outros ou-
tros) a
(vooflor)
borboleta
e o ramo
onde ela
pousa
- Haroldo de Campos (abr/maio 1988), em "Crisantempo: no espaço curvo nasce um". São Paulo: Perspectiva, 1998, p. 103.


§

                      Périplo?
Não há               Vigiam-te os semáforos.
Teu fogo prometeico se resume
à cabeça de um fósforo  - Lúcifer
portátil e/ou
ninharia flamífera
                  Capitula
( cabeça fria )
tua húbris.                      Nem sinal
de sereias.
Penúltima             - é o máximo a que aspira
tua penúria de última
Tule.        Um postal do Éden
Com isso te contentas. 
Açuladas sirenes
cortam teu coração cotidiano.
- Haroldo de Campos, em "Finismundo: a última viagem", do livro Crisantempo: no espaço curvo nasce um.São Paulo: Perspectiva, 1998, p. 59.


§

O poeta ezra pound desce aos infernos
não para o limbo
dos que jamais foram vivos
nem mesmo
para o purgatório dos que esperam
mas para o inferno
dos que perseveram no erro
apesar de alguma contrição
tardia e da silente senectude
- diretamente com retitude -
o velho ez
já fantasma de si mesmo

e em tanta danação
quanto fulgor de paraíso
- Haroldo de Campos, em "Crisantempo: no espaço curvo nasce um". São Paulo: Perspectiva, 2004.


§

horácio contra horácio
ergui mais do que o bronze ou que a pirâmide
ao tempo resistente um monumento
mas gloria-se em vão quem sobre o tempo
elusivo pensou cantar vitória:
não só a estátua de metal corrói-se
também a letra os versos a memória
— quem nunca soube os cantos dos hititas
ou dos etruscos devassou o arcano?
o tempo não se move ou se comove
ao sabor dos humanos vanilóquios —
rosas e vinho — vamos! — celebremos
o instante       a ruína       a desmemória
- Haroldo de Campos, em "Crisantempo: no espaço curvo nasce um". São Paulo: Perspectiva, 2004.


§

"e começo aqui e meço aqui este começo e recomeço e remeço e arremesso e aqui me meço quando se vive sob a espécie da viagem o que importa não é a viagem mas o começo da por isso meço por isso começo escrever mil páginas escrever milumapáginas para acabar com a escritura para começar com a escritura para acabarcomeçar com a escritura por isso recomeço por isso arremeço por isso teço escrever sobre escrever é o futuro do escrever sobrescrevo sobrescravo em milumanoites miluma-páginas ou uma página em uma noite que é o mesmo noites e páginas mesmam ensimesmam onde o fim é o comêço onde escrever sobre o escrever é não escrever sobre não escrever e por isso começo descomeço pelo descomêço desconheço e me teço um livro onde tudo seja fortuito e forçoso um livro onde tudo seja não esteja um umbigodomundolivro um umbigodolivromundo um livro de viagem onde a viagem seja o livro o ser do livro é a viagem por isso começo pois a viagem é o começo e volto e revolto pois na volta recomeço reconheço remeço um livro é o conteúdo do livro e cada página de um livro é o conteúdo do livro e cada linha de uma página e cada palavra de uma linha é o conteúdo da palavra da linha da página do livro um livro ensaia o livro todo livro é um livro de ensaio de ensaios do livro por isso o fim-comêço começa e fina recomeça e refina e se afina o fim no funil do comêço afunila o comêço no fuzil do fim no fim do fim recomeça o recomêço refina o refino do fum e onde fina começa e se apressa e regressa e retece há milumaestórias na mínima unha de estória por isso não conto por isso não canto por isso a nãoestória me desconta ou me descanta o avesso da estória que pode ser escória que pode ser cárie que pode ser estória tudo depende da hora tudo depende da glória tudo depende de embora e nada e néris e reles e nemnada de nada e nures de néris de reles de ralo de raro e nacos de necas e nanjas de nullus e nures de nenhures e nesgas de nulla res e nenhumzinho de nemnada nunca pode ser tudo pode ser todo pode ser total tudossomado todo somassuma de tudo suma somatória do assomo do assombro e aqui me meço e começo e me projeto eco do comêço eco do eco de um começo em eco no soco de um comêço em eco no oco de um soco no osso e aqui ou além ou aquém ou láacolá ou em toda parte ou em nenhuma parte ou mais além ou menos aquém ou mais adiante ou menos atrás ou avante ou paravante ou à ré ou a raso ou a rés começo re começo rés começo raso começo que a unha-de-fome da estória não me come não me consome não me doma não me redoma pois no osso do comêço só conheço o osso o osso buço do comêço a bossa do comêço onde é viagem onde a viagem é maravilha de tornaviagem é tornassol viagem de maravilha onde a migalha a maravilha a apara é maravilha é vanilla é vigília é cintila de centelha é favilha de fábula é lumínula de nada e descanto a fábula e desconto as fadas e conto as favas pois começo a fala.
- Haroldo de Campos, fragmento 1 - 'canto galático', do livro "Galáxias". São Paulo: Editora 34, 2004.

§

fecho encerro reverbero aqui me fino aqui me zero não conto não quero  anoiteço desprimavero me libro enfim neste livro vôo me revôo mosca e aranha mina e minério corda psaltério musa nãomaisnãomais que destempero joguei limpo joguei sério nesta sede me desaltero me descomeço me encerro no fim do mundo o livro fina o fundo o fim o livro a sina não fica traço nem seqüela jogo de dama ou de amarela cabracega jogo da velha o livro acaba o mundo fina o amor despluma e tremulina a mão se move a mesa vira verdade é o mesmo que mentira ficção fiação tesoura e lira que a mente toda se ensafira e madriperla e desafina cantando o pássaro por dentro por onde o canto dele afina a lâmina mais língua enquanto a língua mais lamina aqui me largo foz e voz ponto sem nó contrapelo onde cantei já não canto onde é verão faço inverno viagem tornaviagem passand’além reverbero não conto não canto não quero descardenei meu caderno livro meu meu livrespelho dizei do livro que escrevo no fim do livro primeiro e se no fim deste um um outro é já mensageiro do novo no derradeiro que já no primo se ultima escribescravo tinteiro monstro gaio velho contador de lériaslendas aqui acabas aqui desabas aqui abracadabras ou abres sèsamoteabres e setetrelas cada uma das setechaves sigilando à tua beira à beira-ti beira-nada vocêvoz tutresvariantes tua gaia sabença velhorrevelho contador de palavras patranhas parêmias parlendas rebarbas falsário de rebates finório de remates useiro de vezos e vezeiro de usos tutecomigo conosconvosco contingens est quod potest esse et non esse tudo vai nessa foz de livro nessa voz e nesse vós do livro que saltimboca e desemboca e pororoca nesse fim de rota de onde não se volta porque no ir à volta porque no ir revolta a reviagem que se faz da maragem de aragem de paragem de miragem de pluma de aniagem de téssil tecelagem monstrogaio boquirroto emborcando o teu solo mais gárrulo colapsas aqui neste fim-de-livro onde a fala coalha a mão treme a nave encalha mestre garço velhorrevelho mastigador de palavras malgastas  laxas acabas aquiabas tresabas sabiscôndito sabedor de nérias com tua gaia sabença teus rebus e rebojos tuas charadas de sonesgas sonegador de fábulas contraversor de fadas abstractor de demência mas tua alma está salva e enquanto somes ele te consome enquanto o fechas a chave ele se multiabre enquanto o finas ele translumina essa linguamorta essa moura torta esse umbifilio que prega à porta pois o livro é teu porto velho faustinfausto mabuse da linguagem persecutado por teus credores mefistofamélicos e assim o fizeste assim o teceste assim o deste e avrà quase l’ombra della vera costellazione enquanto a mente quase-íris se emparadisa neste multilivro e della doppia danza
- Haroldo de Campos, fragmento 50 - 'canto galático', do livro "Galáxias". São Paulo: Editora 34, 2004.

§

il cuore: interlóquio milanês

1.
à
consorte-cirurgiã
do cirurgião que estuda
(anatomiza) o
coração das baleias (um raro
hobby lombardo)
pergunto: de que cor é o formidável
balênico
(balordo?)
músculo cardial do
piramídeo monstro?
                        (montanhosa mole
                        de carne congelada
                        que a alfândega libera
                        - estupefacta!
                        procedente do mais
                        interno fundo dos profundos
                        arcanos equóros da noruega)

2.
responde-me: vermelho-
-escuro tendendo para o roxo
colore nero viola
iodo vinho
tinto arrolhado em
frasco fosco
                        (estamos em milão:
                        chove sobre o chiostro verde-
                        grama
                        deste palazzo degli ucelli
                        via capuccio
                        número (talvez)
                        dezoito (sulla destra) onde
                        se comemora o aniversário (compleanno)
                        refinadíssimo do
                        padrone della casa


                        um party ao ar aberto
                        luz seral
                        no chiostro retangular
                        música em surdina
                        convivas chiachierando
                        com toques pervasivos
                        de fellini)

3.
sim - reitera a
cirurgiã-assistente
(cônjuge) toda charme
e ciência:
roxo foncé
- não vermelho vivo
escarlate berrante mas
de um tinto carregado
profundo-escuro-sanguinosa
massa muscular agora
rígida que um dia palpitou sub-
oceânica ou
já emersa do vórtice quando
gigântea rege
o hídrico fluxo do
esguicho d'água
alto arremessando-o contra o céu -
plúmbeo-translúcida
cúpula chuvosa do homérico mar salino -
quando (mamífero prodígio)
a arrogante bucaneira capitânea
se ejeta do centro aquoso
e já respira


4.
roxo-profundo o coração?
(eu aparteando) - pode ser -
do cachalote energumênico ou
o miocárdio (chi lo sà) da
orca feroz que exsurta
pavoneia o seu gáudio turbinoso
- admito:


5.
concordo até
mesmo (ex corde) - mas
o de moby dick
o da baleia branca que navega
- dogaresa
sereníssima -
na paz pelaginosa de seus glaucos
domínios
o coração cetáceo da abadessa
do mar-alto                este


só pode ser azul
puro azul pulsante
safira compulsa e celestina
azur
azurro
blau
sky blue
batendo - desdenhoso
do arpão colérico de ahab -
até remergulhando rebater
contra a líquida pretidão onde
                                       afinal se engolfa
- Haroldo de Campos, em "Entremilênios". [organização Carmen de Arruda Campos]. Coleção Signos, 48. São Paulo: Perspectiva, 2009.

 §
Haroldo de Campos, em "Noigandres 4"  - 1958 (iconografia)

Haroldo de Campos, em "Noigandres 4"  - 1958 (iconografia)


Gata Lady - de Haroldo de Campos


Haroldo de Campos - Galáxias - "Isto não é um livro de viagem" . São Paulo: Ed. 34, 1992.
Foram selecionados 16 fragmentos dos 50 “cantos galáticos” do livro "Galáxias" nas quais Haroldo canta/conta os caminhos da viagem. Ora obscuros, ora completamente enegrecidos. O texto oralizado vira mantra e faz mais sentido quando acompanhado à cítara de Alberto Marsicano. A assistência técnica foi do poeta e compositor Arnaldo Antunes e o CD veio encartado à reedição de “Galáxias” pela Editora 34.

"Nessa “prosa-poema”, semeado de palavras-montagem, estruturado em segmentos rítmico-prosáico, encontra-se, por assim dizer, a “pré-história” barroca da minha poesia. Em certo sentido, retomei-o e radicalizei-o na escritura galática que elaborei posteriormente. Para passar às Galáxias, no entanto, foram decisivos, por um lado, a idéia de “concreção”, de “blocos semânticos”  associados por súbito curto-circuito de significantes; por outro, o exercício do “controle do acaso”."
- Haroldo de Campos, em "Galáxias". São Paulo: Editora 34, 2004, p. 270.


álbum completo "Isto não é um livro de viagem" 
1) e começo aqui!
2) multitudinous seas
3) calças cor de abóbora
4) no jornalário
5) cheiro de urina
6) passatempos e matatempos
7) como quem escreve
8) sazamegoto
9) reza calla y trabaja
10) circuladô de fulô
11) na coroa de arestas
12) tudo isto tem que ver
13) açafrão
14) aquele como se chamava
15) nudez
16) fecho encerro




Haroldo de Campos

"Li e reli sua admirável tradução. Estou de fato comovido. Não só é muito fiel mas, ainda, por  vezes,  o  texto  em  português  é  melhor  e  mais  conciso  do  que  o  em  espanhol.  Você conseguiu  recriar  não  só  o  sentido  do  poema,  mas  também  o  movimento.  Quanto  ao ritmo, que é o mais difícil de traduzir, o grande obstáculo com que nos defrontamos nós todos,  tradutores  de  poesia:  até  onde  posso  julgar,  parece-me  que  você  conseguiu reproduzir a polimetria do original. Também é notável – outra proeza–que você tenha encontrado  as  equivalências  das  aliterações,  paronomásias  e  outros  ecos  verbais." 
- Octávio Paz, em 'trecho de carta a Haroldo de Campos'/ livro "Transblanco (em  torno  a  Blanco  de  Octavio Paz)".. [tradução Haroldo de Campos em parceria com Octávio Paz]. São Paulo: Siciliano, 1994, p. 119.

ALGUMAS POESIAS TRADUZIDAS POR HAROLDO DE CAMPOS

Escrito com tinta verde
A tinta verde cria jardins, selvas, prados,
folhagens onde gorjeiam letras,
palavras que são árvores,
frases de verdes constelações.

Deixa que minhas palavras, ó branca, desçam e te cubram
como uma chuva de folhas a um campo de neve,
como a hera à estátua,
como a tinta a esta página.

Braços, cintura, colo, seios,
fronte pura como o mar,
nuca de bosque no outono,
dentes que mordem um talo de grama.

Teu corpo se constela de signos verdes,
renovos num corpo de árvore.
Não te importe tanta miúda cicatriz luminosa:
olha o céu e sua verde tatuagem de estrelas


Escrito con tinta verde
La tinta verde crea jardines, selvas, prados,
follajes donde cantan las letras,
palabras que son árboles,
frases que son verdes constelaciones.

Deja que mis palabras, oh blanca, desciendan y te cubran
como una lluvia de hojas a un campo de nieve,
como la yedra a la estatua,
como la tinta a esta página.

Brazos, cintura, cuello, senos,
la frente pura como el mar,
la nuca de bosque en otoño,
los dientes que muerden una brizna de yerba.

Tu cuerpo se constela de signos verdes
como el cuerpo del árbol de renuevos.
No te importe tanta pequeña cicatriz luminosa:
mira al cielo y su verde tatuaje de estrellas.
- Octávio Paz, em "Transblanco: em torno a blanco de Octávio Paz". [tradução Haroldo de Campos em parceria com Octávio Paz]. São Paulo: Siciliano, 1994.


§

Orquídea: entre tanta gente
Bonita a cor do cabelo desta moça, bonito
                                         o cheiro
de abelha do seu zumbido, bonita a rua,
bonitos os pés de luxo nos dois
sapatos áureos, bonita a maquiagem
das pestanas às unhas, o fluvial
de suas esplêndidas artérias, bonita a physis
e a metaphysis da ondulação, bonito o metro
e setenta da estatura, bonito o pacto
entre osso e pele, bonito o volume
da mãe que a urdiu flexível e a
ninou esses nove meses, bonito o ócio
animal que nela anda.



Orquídea en el gentío
Bonito el color del pelo de esta señorita,
                                         bonito el olor
a abeja de su zumbido, bonita la calle,
bonitos los pies de lujo bajo los dos
zapatos áureos, bonito el maquillaje
de las pestañas a las uñas, lo fluvial
de sus arterias espléndidas, bonita la physis
y la metaphysis de la ondulación, bonito el
                                          metro
setenta de la armazón, bonito el pacto
entre hueso y piel, bonito el volumen
de la madre que la urdió flexible y la
durmió esos nueve meses, bonito el ocio
animal que anda en ella.
- Gonzalo Rojas, em "Orquídea en el gentío". [transcriação de Haroldo de Campos]. in: CAMPOS, Haroldo de. "Sympoética latino-americana". in: _____ O segundo arco-íris branco. São Paulo: Iluminuras, 2010.


§

Os cavalos de Aquiles
Quando viram o herói, Pátroclo, morto
– tão moço e tão audaz, tão sem receio –
choraram os cavalos do Peleio
Aquiles. Rebelava-se a imortal
natura deles, vendo a obra mortal.
Cabeças agitadas, crinas bastas,
choravam, a bater no solo os casos.
Pátroclo extinto (os dois sentiam), sem ânima,
carne cadaverosa, vã, inânime,
sem fôlego vital, inerme, inócua,
devolta finalmente ao Grande Vácuo.

Do pranto dos corcéis imortais, dói-se
Zeus, recordando as bodas de Peleu:
“Teria sido melhor – foi erro meu –
não ter-vos doado, míseros cavalos!
Que faríeis nos tristíssimos convales
da terra, entre os mortais à Moira e à sorte
dados, vós que a velhice poupa, e a morte,
a sofrer fátua pena? Os aranzéis
da humana dor vos prendem.” Os corcéis
porém, de nobilíssima natura,
choram a morte eterna e a desventura.

(1897)


Τα άλογα του Αχιλλέως
Τον Πάτροκλο σαν είδαν σκοτωμένο,
που ήταν τόσο ανδρείος, και δυνατός, και νέος,
άρχισαν τ' άλογα να κλαίνε του Αχιλλέως•
η φύσις των η αθάνατη αγανακτούσε
για του θανάτου αυτό το έργον που θωρούσε.
Τίναζαν τα κεφάλια των και τες μακρυές χαίτες κουνούσαν,
την γη χτυπούσαν με τα πόδια, και θρηνούσαν
τον Πάτροκλο που ενοιώθανε άψυχο – αφανισμένο –
μιά σάρκα τώρα ποταπή – το πνεύμα του χαμένο –
ανυπεράσπιστο – χωρίς πνοή –
εις το μεγάλο Τίποτε επιστραμένο απ' την ζωή.

Τα δάκρυα είδε ο Ζεύς των αθανάτων
αλόγων και λυπήθη. «Στου Πηλέως τον γάμο»
είπε «δεν έπρεπ' έτσι άσκεπτα να κάμω:
καλύτερα να μην σας δίναμε άλογά μου
δυστυχισμένα! Τι γυρεύατ' εκεί χάμου
στην άθλια ανθρωπότητα πούναι το παίγνιον της μοίρας.
Σεις που ουδέ ο θάνατος φυλάγει, ουδέ το γήρας
πρόσκαιρες συμφορές σας τυραννούν. Στα βάσανά των
σας έμπλεξαν οι άνθρωποι». – Όμως τα δάκρυά των
για του θανάτου την παντοτεινή
την συμφοράν εχύνανε τα δυό τα ζώα τα ευγενή.

(1897)
- Konstantinos Kaváfis (Κωνσταντίνος Καβάφης). em "Konstantinos Kaváfis: poemas". [tradução Haroldo de Campos; organização Trajano Vieira]. São Paulo: Editora Cosac Naify, 2012.


§

Os passos
Sobre o seu leito de ébano adornado
de águias talhadas em coral, num sono
– incônscio, plácido, feliz – profundo,
Nero, compleição flórea, dorme, próspero
de benesses, na juventude esplêndida.

Na alabastrina câmara porém,
que o enobárbeo larário ancestral guarda,
como seus deuses-lares se alvoroçam!
Os microdeuses, minilares, tremem,
intentam ocultar seus corpos mínimos.
Ouviram um rumor aziago ecoar:
sobe um rumor de morte pela escada,
passos férreos que abalam os degraus.
Míseros, timidíssimos, os lares
se enfurnam no mais fundo do larário;
bate este contra aquele, se debatem,
um microdeus desaba em cima de outro:
perceberam o que era esse rumor;
conheceram os passos das Erínias.

(1909)


Τα Βήματα
Σ’ εβένινο κρεββάτι στολισμένο
με κοραλλένιους αετούς, βαθυά κοιμάται
ο Νέρων — ασυνείδητος, ήσυχος, κ’ ευτυχής•
ακμαίος μες στην ευρωστία της σαρκός,
και στης νεότητος τ’ ωραίο σφρίγος.

Aλλά στην αίθουσα την αλαβάστρινη που κλείνει
των Aηνοβάρβων το αρχαίο λαράριο
τι ανήσυχοι που είν’ οι Λάρητές του.
Τρέμουν οι σπιτικοί μικροί θεοί,
και προσπαθούν τ’ ασήμαντά των σώματα να κρύψουν.
Γιατί άκουσαν μια απαίσια βοή,
θανάσιμη βοή την σκάλα ν’ ανεβαίνει,
βήματα σιδερένια που τραντάζουν τα σκαλιά.
Και λιγοθυμισμένοι τώρα οι άθλιοι Λάρητες,
μέσα στο βάθος του λαράριου χώνονται,
ο ένας τον άλλονα σκουντά και σκουντουφλά,
ο ένας μικρός θεός πάνω στον άλλον πέφτει
γιατί κατάλαβαν τι είδος βοή είναι τούτη,
τάνοιωσαν πια τα βήματα των Εριννύων.

(1909)
- Konstantinos Kaváfis (Κωνσταντίνος Καβάφης). em "Konstantinos Kaváfis: poemas". [tradução Haroldo de Campos; organização Trajano Vieira]. São Paulo: Editora Cosac Naify, 2012.


§
 

O infinito
A mim sempre foi cara esta colina
deserta e a sebe que de tantos lados
exclui o olhar do último horizonte.
Mas sentado e mirando, intermináveis
espaços longe dela e sôbre-humanos
silêncios, e quietude a mais profunda,
eu no pensar me finjo; onde por pouco
não se apavora o coração. E o vento
ouço nas plantas como rufla, e aquêle
infinito silêncio a esta voz
vou comparando: e me recordo o eterno,
e as mortas estações, e esta presente
e viva, e o seu rumor. É assim que nesta
imensidade afogo o pensamento:
e o meu naufrágio é doce neste mar.

 

XII – l’infinito
Sempre caro mi fu quest'ermo colle,
E questa siepe, che da tanta parte
Dell'ultimo orizzonte il guardo esclude.
Ma sedendo e mirando, interminati
Spazi di là da quella, e sovrumani
Silenzi, e profondissima quiete
Io nel pensier mi fingo; ove per poco
Il cor non si spaura. E come il vento
Odo stormir tra queste piante, io quello
Infinito silenzio a questa voce
Vo comparando: e mi sovvien l'eterno,
E le morte stagioni, e la presente
E viva, e il suon di lei. Cosi tra questa
Immensita s'annega il pensier mio:
E il naufragar m'è dolce in questo mare.
- Giacomo Leopardo [tradução Haroldo de Campos], em "A Arte no Horizonte do Provável e outros Ensaios". Haroldo de Campos. Sâo Paulo: Editora Perspectiva, 1977, p. 192.
- Giacomo Leopardo."Opere". Tomo I. Milano|Napoli: Riccardo Ricciardi Editore, 1956.


§

"Na tradução de um poema, o essencial não é a reconstituição da mensagem, mas a reconstituição do sistema de signos em que está incorporada esta mensagem, da informação estética, não da informação meramente semântica."
- Haroldo de Campos, em "A arte no horizonte do provável". São Paulo: Perspectiva, 1977, p. 100. 



Haroldo de Campos - foto: (...)
FORTUNA CRÍTICA DE HAROLDO DE CAMPOS 
ACHCAR, F.. Lírica e lugar comum: alguns temas de Horácio e sua presença em português. São Paulo: Edusp, 1994.

AGUILAR, Gonzalo Moisés. Poesia concreta brasileira: as vanguardas na encruzilhada modernista. São Paulo: Edusp, 2005.
AGUIAR, Gustavo Alves de.. Espaços: "Galáxias". (Dissertação Mestrado em Estudos Literários). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2010.
ALUQUERQUE FILHO, Dhynarte. Haroldo e as Galáxias: um caso concreto de barroco. Conexão – Comunicação e Cultura, UCS, Caxias do Sul, v. 5, n. 9, p. 175-195, jan./jun. 2006. Disponível no link. (acessado em 20.2.2016).
ALMEIDA, Telly Will Fonseca de.. O ensaio como inimigo da crítica literária: Problemáticas da crítica literária brasileira em Silviano Santiago e Haroldo de Campos. in: Anais IV Seminário de Literatura Brasileira: Diálogos com a tradição permanência e transformações. Montes Claros: Unimontes, 2010. p. 1-12. 
ALVES, João Paulo Matedi. Haroldo de Campos e a tradução: para além da angústia da influência. REEL. Revista Eletrônica de Estudos Literários, v. 6, p. 1-13, 2010.
ALVES, João Paulo Matedi. Haroldo de Campos e a tradução: um outro aspecto da angústia da influência. Revista Saberes. Letras (Vitória), v. 5, p. 235-249, 2007. 

AMARAL, André Luiz do.. As razões da máquina antropofágica: poesia e sincronia em Haroldo de Campos (Resenha). Cadernos de Letras da UFF, v. 25, p. 311-318, 2015.  Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
ANDRADE JÚNIOR, Antonio Francisco de.. Galáxias neobarrocas: poesia e visualidade em Haroldo de Campos. (Dissertação Mestrado em Literatura Brasileira e Teorias da Literatura). Universidade Federal Fluminense, UFF, 2006.
ANDRADE JÚNIOR, Antonio Francisco de.. Diálogos e tombeaux: Haroldo de Campos, Néstor Perlongher e Severo Sarduy. Gragoatá (UFF), v. 31, p. 287-297, 2012.  
ANDRADE JÚNIOR, Antonio Francisco de.. Diálogo constelar: o neobarroco em Haroldo de Campos. Revista de Letras (UNESP. Impresso), v. 47, p. 51-76, 2007.  Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
ANDRADE JÚNIOR, Antonio Francisco de.. A poesia em torno do ?ut pictura? ? sobre Haroldo do Campos. Zunái: Revista de Poesia & Debates, v. 1, p. 1, 2005.  
ANDRADE JÚNIOR, Antonio Francisco de.. Milumanoites Milumapáginas: notas sobre Haroldo de Campos e Roberto Echavarren. Outra Travessia (UFSC), Santa Catarina, v. 3, p. 119-128, 2004. 
ANDRADE JÚNIOR, Antonio Francisco de.. Diálogos e tombeaux: Haroldo de Campos, Néstor Perlongher e Severo Sarduy. In: Antonio Ferreira; Breno Martins; Leandro Cristóvão;. (Org.). Educação, identidade e ensino de língua(gem) na contemporaneidade: múltiplos olhares. 1ª ed., Rio de Janeiro: Publit, 2014, v. , p. 72-82. 
ANDRADE JÚNIOR, Antonio Francisco de.. ?Hay cadáveres?: diálogo, experiência e neobarroco em Haroldo de Campos e Néstor Perlongher.. In: IV Congresso Brasileiro de Hispanistas, 2008, Rio de Janeiro. Anais do IV Congresso Brasileiro de Hispanistas, 2008.  
ANDRADE JÚNIOR, Antonio Francisco de.. Poesia e visualidade em Haroldo de Campos: notas sobre Crisantempo.. In: XII Congresso da Assel-Rio, 2007, Niterói. Anais do XII Congresso da Assel-Rio, 2006. 
ANDRADE, Vanessa Lopes. Os dois lados da moeda: concepções de historiografia literária em Antonio Candido e Haroldo de Campos. In: V Congresso de Estudos Literários "Literatura: Fronteiras e Teorias", 2005. 
Haroldo de Campos - foto: Juan Esteves
AUDIGIER, Emilie Geneviève. Les défis de traduction de la langue de Guimarães Rosa. (Dissertação Mestrado em Literaturas Mundiais e Interculturalidade). Université de Provence Aix Marseille I, Aix-Marceille I, França, 2004.
AVERBUG, Samuel. Poesia de Haroldo de Campos vira CD. Jornal de Brasília, Brasília, p. 2 - 2, 24 jul. 1992.
BARBOSA, Luiz Guilherme Ribeiro. Haroldo de Campos/Tomie Ohtake: tempo e tradução. Revista Garrafa (PPGL/UFRJ), v. 25, p. 11, 2012. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
BENTO, Sérgio Guilherme Cabral. O co-relato Mallarmé / Haroldo de Campos: o mito moderno em “Um lance de dados”. (Dissertação Mestrado em Literatura e Crítica Literária). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 2008. Disponível no link e link. (acessado em 15.2.2016).
BENTO, Sérgio Guilherme Cabral. O co-relato Mallarmé-Haroldo: o mito moderno em "Lance de Dados". 1ª ed., Saarbrückene: NEA, 2015. v. 1. 113p.
BENTO, Sérgio Guilherme Cabral. "Mallarmé Bashô": a tradução-apropriação como via para o silêncio. Cadernos de Literatura em Tradução, v. 9, p. 57-66, 2008. 

BENTO, Sérgio Guilherme Cabral. "A tradução ideogrâmica: a palavra-valise na transcriação de 'Um lance de dados´". Revista Todas as Letras (MACKENZIE. Online), v. 10, p. 140-147, 2008. 
BERNARDINI, Aurora Fornoni. Tradução e Haroldo de Campos. Revista de Estudos Orientais, v. 5, p. 54-65, 2006.
BONVICINO, Régis. Algumas tensões na figura de Haroldo de Campos. in: site Régis Bonvicino, 20 de agosto de 2003. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
BORGES, Maria Ester Maciel de Oliveira.. América Latina en diálogo con el oriente - conversación con Haroldo de Campos. Los Complementarios (Madrid), Madri, v. 628, p. 23-34, 2002.
BORGES, Maria Ester Maciel de Oliveira.. São Jerônimo em Tradução: Júlio Bressane, Peter Greenaway e Haroldo de Campos. Revista de Estudos de Literatura, Belo Horizonte, v. 8, p. 38-48, 2001.
BORGES, Maria Ester Maciel de Oliveira.. América Latina Reinventada: Octavio Paz e Haroldo de Campos. Revista Iberoamericana de Discurso y Sociedad, PITTSBURGH, US, v. LXIV, n.183, p. 219-228, 1998.
BORGES, Maria Ester Maciel de Oliveira.. Sobre Octavio Paz: Conversa Com Haroldo de Campos. Nossa América (São Paulo), São Paulo, v. 12, p. 20-29, 1996.
BORGES, Maria Ester Maciel de Oliveira.. Haroldo de Campos in interview. In: Bernard Mc Guirk; Else R. P. Vieira. (Org.). Haroldo de Campos in conversation (in memoriam 1929-2003). London: Zoilus Press, 2009, v., p. 282-292.
BORGES, Maria Ester Maciel de Oliveira.. Pontos de confulência: América Latina em diálogo com o Oriente - conversa com Haroldo de Campos. In: SANTOS, Luís A.B.; PEREIRA, Maria Antonieta. (Org.). Trocas Culturais na América Latina. Belo Horizonte: Pós-Lit / Núcleo de Estudos Latino-Americanos, 2000, v. , p. 33-46.
BORGES, Maria Ester Maciel de Oliveira.. Conversa Com Haroldo de Campos Sobre Octavio Paz. In: BORGES, Maria Ester Maciel de Oliveira (Org.). A palavra inquieta: homenagem a Octavio Paz. 1ª ed., Belo Horizonte/São Paulo: Autêntica/Memorial da América Latina, 1999, v. , p. 47-57.
BORGES, Marcelo de Carvalho. Tessitura Visual da Palavra - Investigações acerca da visualidade das palavras no trabalho de Mira Schendel. (Dissertação Mestrado em Artes). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2010.

BUSATO, Susanna. "Viver é defender uma forma": poesia de Entremilênios. in: Revista Texto Poético. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
CAMARGO, Maria Lucia de Barros. Língua e sociedade: uma leitura da Teoria da Poesia Concreta. (Dissertação Mestrado em Lingüística). Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 1982.
CAMPOS, Raquel Bernardes. Rumo a Noigandres: os trabalhos iniciais de Augusto de Campos, Haroldo de Campos e Décio Pignatari. (Dissertação Mestrado em Literatura). Universidade de Brasília, UnB, 2014. Disponível no link. (acessado em 13.2.2016).
CAMPOS, Raquel Bernardes. Haroldo de Campos: um Lamento por entre silêncios e acasos. Circuladô, v. 3, p. 72-77, 2015.
CARNEIRO, Vinicius Gonçalves. Formas (e)e tensões no Oulipo e no concretismo: um estudo de La Disparition, de Georges Perec, e de Galáxias, de Haroldo de Campos. In: Anais do IV Simpósio Internacional sobre Literatura Brasileira Contemporânea - Fórum dos estudantes de Brasília, 2012. v. 1. p. 94-99.
CARVALHAL, Tania Maria Franco (Org.); REBELLO, Lucia Sa.(Org.); FERREIRA, Eliana Fernanda Cunha (Org.). Transcriações. Teoria e Práticas. Em memória de Haroldo de Campos. 1ª ed., Porto Alegre: EVANGRAF Editora, 2004. v. 1. 297p. 
CARVALHAL, Tania Maria Franco. Haroldo de Campos y la tradición literaria. In: Lisa Block de Behar. (Org.). Haroldo de Campos, Don de poesía. 1ª ed., Lima: Fondo Editorial UCSS, 2004, v. 1, p. 31-46. 
CARVALHAL, Tania Maria Franco. Imagens da tradição: Haroldo de Campos e Octavio Paz. In: Tania Franco Carvalhal; Lúcia Sá Rebello; Eliana Fernanda Cunha Ferreira. (Org.). CARVALHAL, Tania Maria Franco. Transcriações. Teoria e Práticas. Textos em memória de Haroldo de Campos. 1ª ed., Porto Alegre: Evangraf, 2004, v. 1, p. 23-32.
CARVALHO, Maria Aparecida Oliveira de.. Grandes sermões: Vieira e Haroldo de Campos. In: Lélia Maria Parreira Duarte; Maria Theresa Abelha Alves. (Org.). Padre Antonio Vieira: 400 anos depois. 1ª ed., Belo Horizonte: Editora Puc Minas, 2009, v. I, p. 250-258.
CARVALHO, Maria Aparecida Oliveira de.. A exuberância de Galáxias, de Haroldo de Campos. Sibila (Cotia), v. ano 12, p. ---, 2012. 

CARVALHO NETO, Geraldo Luiz de.. Metarrepresentação em tradução: uma análise relevantista dos processos inferenciais de tradutores expertos na tradução de textos sensíveis (sagrados).. (Tese Doutorado em Estudos Lingüísticos). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2010. Disponível no link (acessado em 10.3.2016).
CARVALHO NETO, Geraldo Luiz de.. Haroldo de Campos e Martin Buber como tradutores do hebraico Qohélet: uma análise do produto de segmentos das traduções à luz da Teoria da Relevância. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2004. 

CARVALHO NETO, Geraldo Luiz de.. Haroldo de Campos e Martin Buber como tradutores do Livro do Eclesiastes: uma análise de aspectos da tradução à luz da teoria da relevância. Linguagem em Foco, v. 2, p. 11-25, 2009.
CARVALHO NETO, Geraldo Luiz de.. Haroldo de Campos e Martin Buber como tradutores bíblicos: semelhanças e diferenças em suas agendas analisadas à luz da Teoria da Relevância. Cadernos de Tradução (UFSC), v. 16, p. 105-128, 2005.
CARVALHO NETO, Geraldo Luiz de.. As traduções bíblica e talmúdica: a figura do tradutor. In: Carlos Gohn; Lyslei Nascimento. (Org.). A bíblia e suas traduções. São Paulo: Humanitas, 2009, v. , p. 81-101.
CARVALHO NETO, Geraldo Luiz de.. Haroldo de Campos e Martin Buber como tradutores do hebraico Qohelet: uma análise do produto de segmentos das traduções à luz da Teoria da Relevância. In: III Ciati, 2004, São Paulo. III Congresso Ibero-Americano de Tradução e Interpretação - Caderno de Resumos, 2004. p. 26-27. 

CARVALHO, Tida. Entremilênios de Haroldo de Campos - pinturas escritas/ escritos-pinturas. in: Zunaí - Revista de Poesia e Debates, vol. 2 nº 4, dezembro de 2015. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
CERVELIN, Diego. Fluxo da Invenção e Emergência da Imaginação nas Galáxias de Haroldo de Campos. (Dissertação Mestrado em Literatura). Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 2012.
CERVELIN, Diego. O ter lugar da linguagem nas Galáxias de Haroldo de Campos. (Dissertação Mestrado em Research Master in Latin Amer. and Carib. Studies). Leiden University, LEIDEN, Holanda, 2011.
CERVELIN, Diego. Barroco(s) de Haroldo de Campos: oscilações de uma origem entre o pensamento do início e do começo. Confluenze (Bologna), v. 2, p. 60-81, 2010.  
CERVELIN, Diego. O ter lugar da linguagem nas Galáxias babélicas. In: Anais do Simpósio Internacional Linguagens e Culturas: Homenagem aos 40 Anos dos Programas de Pós-Graduação de Lingüística, Literatura e Inglês da UFSC. Florianópolis: Editora da UFSC, 2011. p. 1-14.  
CERVELIN, Diego. Des(A)stres Formulações sobre Início e Começo em Haroldo de Campos. In: Anais do VIII Seminário Internacional de História da Literatura. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2009.  
CERVELIN, Diego. A construção da história da literatura brasileira - uma releitura anacrônica da crítica de Haroldo de Campos a Antônio Cândido. In: Anais do VII Seminário Internacional de História da Literatura. Porto Alegre (RS): EdiPUCRS, 2007.
CISMA Haroldo de Campos (especial). Revista. Editora Revista Cisma, 1ª ed., 2015, 39p.
COELHO, Olga Valeska Soares; SCHOTT, L.. Transgressão e Transcriação: as interfaces da poética de Haroldo de Campos.. Principium (UNILESTEMG), v. 1, p. 22-29, 2007.  
CORREIA, Maraíza Labanca. Multilivro: a dinâmica dos sentidos em Galáxias. (Dissertação Mestrado em Estudos Literários). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2009. 
CORREIA, Maraíza Labanca. Isto (não) é um livro de viagem: processos de leitura em Galáxias. REEL. Revista Eletrônica de Estudos Literários, v. 11, p. 1-8, 2012.  
CORREIA, Maraíza Labanca. Nas Galáxias, o mar. Revista Linguagem, Educação e Memória, v. 3, p. -, 2012.  
CORREIA, Maraíza Labanca. A mobilidade dos sentidos e a instabilidade da forma em Galáxias. Em Tese (Belo Horizonte. Impresso), v. 17, p. 1-11, 2011.
A literatura brasileira no jornal e a modernidade: a poética transconstrutora de Haroldo de Campos no Suplemento Literário do Minas Gerais. In: XI Encontro Regional da ABRALIC, 2007, São Paulo. Anais do Encontro 2007 (Literatura, Artes e Saberes).. São Paulo: ABRALIC, 2007. v. XI.

COSTA, Ana Carolina Lopes. Um móbile neobarroco: a proesia de galáxias de Haroldo de Campos. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal da Paraíba, UFPB, 2010. 
COSTA, Ana Carolina Lopes. A recriação de Odisseu: uma leitura plagitrópica de 'Finismundo' de Haroldo de Campos. In: XIII Congresso Internacional da Abralic, 2013, Campina Grande. Anais Abralic internacional (2013). João Pessoa: Realize, 2013. v. 1. p. 1-10. 
COSTA, Ana Carolina Lopes. Da Feira Nordestina à Galáxias de Haroldo de Campos: uma leitura de circuladô de fulô. In: 3º Simpósio de Literatura Contemporânea, 2012, Vilhena. 3º Simpósio de Literatura Contemporânea, 2012. v. 3. p. 1-19.  
COSTA, Ana Carolina Lopes. No descomeço das galáxias: uma análise do fragmento e começo aqui. in: VIII CCHLA Conhecimento em Debate, 2008, João Pessoa. Conhecimento em Debate: diálogos possíveis, 2008. 
COSTA, José Horácio de Almeida Nascimento. Apuntes sobre el poema largo en América Latina (José Gorostiza y Octavio Paz, Jorge de Lima y Haroldo de Campos. Cuadernos Americanos. Nueva Época, v. 117, p. 215-224, 2006.  
COSTA, José Horácio de Almeida Nascimento. Revisão: dinâmica de Haroldo de Campos na Cultura BRasileira. O Eixo e a Roda, v. 13, p. 39-53, 2006.  
Haroldo de Campos - foto: Carmen de 
Arruda Campos (Stuttgart, 1994)
COSTA, José Horácio de Almeida Nascimento. Revisión: dinámica de Haroldo de Campos en la cultura brasileña. La Gaceta del Fundo de Cultura Económica, v. 340, p. 21-27, 1999. 
COSTA, José Horácio de Almeida Nascimento. Re-visão: dinâmica de Haroldo de Campos na cultura brasileira. Revista Inimigo Rumor, Rio de Janeiro, v. 5, p. 87-102, 1998. 
COSTA, José Horácio de Almeida Nascimento. Re-visión: dinámica de Haroldo de Campos en la cultura brasilña. Cuadernos Hispanoamericanos, Madrid, v. 1, p. 57-67, 1992.
COSTA, José Horácio de Almeida Nascimento. Haroldo de Campos: Seguimiento de una trayectoria irreprochable. Vuelta, v. 14, p. 40-42, 1990.  
COSTA, José Horácio de Almeida Nascimento. Uma longa influência: Haroldo de Campos, a tradição de vanguarda brasileir e a literatura hispano-americana. In: Graciela Ravetti; Marli Fantini. (Org.). Olhares Críticos: estudos de literatura e cultura. 1ª ed., Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009, v. 1, p. 263-276.  
COSTA, José Horácio de Almeida Nascimento. Appunti sul poema largo in América Latina (José Gorostiza e Octavio Paz, Jorge de Lima e Haroldo de Campos). In: Maria Cecília Graña. (Org.). II poemetto - un esempio novecentesco de ricerca poética. 1ª ed., Cagliari: CUEC, 2007, v. , p. 231-241. 
COSTA, José Horácio de Almeida Nascimento. A long hold: Haroldo de Campos, Brazilian Avant-Garde Tradition, and Spanish-American Literature. In: K. David Jackson. (Org.). Haroldo de Campos - A Dialogue with the Brazilian Concrete Poet. Oxford: Oxford, 2005, v. , p. 59-69.  
COSTA, José Horácio de Almeida Nascimento. Revisión: Dinámica de Haroldo de Campos en la cultura brasileña. In: Lisa Block de Behar. (Org.). Haroldo de Campos, Don de poesía. Ensayos críticos sobre su obra y una entrevista. 1ed.Lima/Peru: Fondo Editorial de la Universidad Católica Sedes Sapientiae, 2004, v. , p. 83-103.  
COSTA, José Horácio de Almeida Nascimento. Prefácio. In: Haroldo de Campos. (Org.). Depoimentos de Oficina. São Paulo: Editora Unimarco, 2002, v. , p. 7-14. 
COSTA, Walter Carlos. Tradução e co-autoria: o caso Transblanco, de Octavio Paz/Haroldo de Campos. Fragmentos (Florianópolis), Florianópolis, v. 3, n.2, 1989.
CUNHA, Patricia Lessa Flores da.. Estudios de traducción y literatura comparada. El caso Haroldo de Campos (1923-2003). In: Assumpta Camps; Montserrat Gallart; Iván García; Victoriano Peña. (Org.). Traducción y di-ferencia. Barcelona: Universitat de Barcelona, 2006, v. , p. 179-187. 
CUSSEN, Felipe. Galáxias de Haroldo de Campos: la lectura como mantra. in: Universum - Universidad de Talca, vol. 30, nº 1, 2015. Disponível no link e link. (acessado em 16.2.2016). 
DANIEL, Claudio. Um Oriente Além do Oriente: Releituras de Haroldo de Campos. in: publicado na revista et cetera, nº 1, Curitiba, 2003/ republicado in: elsonfroes. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016). 
DASILVA, Xosé Manuel. Octávio Paz transcreado por Haroldo de Campos: de Blanco a Transblanco. TRANS, nº 10, 2006, p. 23-40. Disponível no link. (acessado em 20.2.2016).
DICK, André Henrique (org.). Signâncias: reflexões sobre Haroldo de Campos. Selo Poiesis - Casa das Rosas. São Paulo: Risco Editorial, 2010.
DICK, André Henrique (org.). Paideuma. Selo Poiesis - Casa das Rosas. São Paulo: Risco Editorial, 2010. 
 
DICK, André Henrique. A modernidade entremilênios de Haroldo de Campos. Cronópios, 8 jul. 2009.  Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
DICK, André Henrique. A educação pelo acaso em Haroldo de Campos (sobre Xadrez de estrelas). Cronópios, São Paulo, 21 ago. 2008. 
DICK, André Henrique. A viagem como livro, o livro como viagem (sobre Galáxias, de Haroldo de Campos). Correio das Artes (A União), Paraíba, p. 4 - 5, 13 jan. 2005. 
DICK, André Henrique; LAGES, Susana Kampff. A escrita exigente e generosa de Haroldo de Campos. In: André Dick. (Org.). Signâncias: REflexões sobre Haroldo de Campos. 1ª ed., São Paulo: Risco Editorial, 2010, v. , p. 266-275.
DUQUE, Camila Ferrarezi. La traducción (re)creativa de Haroldo de Campos. (Dissertação Mestrado em Máster Of. en Traducción y Mediación Intercultural). Universidad de Salamanca, USAL, Espanha, 2010. 
EYBEN, Piero Luis Zanetti. Nóstos-escritura: meta-signo em Mallarmé e Joyce. (Tese Doutorado em Literatura). Universidade de Brasília, UnB, 2008.
EYBEN, Piero Luis Zanetti. Escriturização: gramática e sistêmica do meta-signo (Mallarmé, e depois).. (Dissertação Mestrado em Literatura). Universidade de Brasília, UnB, 2005.
FALEIROS, Álvaro Silveira. Tradução e significância nos Caligramas de Apollinaire: o espaço gráfico, o metro e a textura fônica. (Tese Doutorado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 2003.
FALEIROS, Álvaro Silveira. Traduzir o poema. 1ª ed., São Paulo: Ateliê Editorial, 2012. v. 1. 192p.

FALEIROS, Álvaro Silveira. Um lance de dados: contrapontos à sinfonia haroldiana. Revista de Letras, São Paulo, v. 47, nº 1, p. 11-30, jan./jun. 2007. Disponível no link. (acessado em 20.2.2016).
FALEIROS, Álvaro Silveira. A voz e o silêncio em Paulo Henriques Britto e Haroldo de Campos tradutores. Literatura e Sociedade (USP), v. 2, p. 117-130, 2014.
FALEIROS, Álvaro Silveira. Antropofagia modernista e perspectivismo ameríndio: considerações sobre a transcrição poética desde Haroldo de Campos. Ipotesi (Juiz de Fora. Online), v. 17, p. 109-119, 2013. Disponível no link. (acessado em 18.2.2016).
FALEIROS, Álvaro Silveira. Traduzir os versos alexandrinos de Apollinaire. Tempo & Memória, São Paulo, v. Ano 2, n.n. 2, 2004.
FALEIROS, Álvaro Silveira. Haroldo de Campos e a dobra de Mallarme. In: XI ABRALIC, São Paulo, 2008. Disponível no link. (acessado em 15.2.2016). 

FERREIRA, Eliane Fernanda Cunha. Choreographs of Haroldo de Campos´s Translation. Translation Perspective XI, New York, v. XI, p. 303-310, 2000.
FERREIRA, Eliane Fernanda Cunha. Coreografias do traduzir de Haroldo de Campos. In: I Congresso Ibero-americano de Tradução e Interpretação (CIATI), 1998, São Paulo. Tradução, Interpretação e Cultura na Era da Globalização. São Paulo: UNIBERO, 1996. p. 178-182.

FERREIRA, Helder. A educação dos poetas. Revista Cult, edição 180, set. 2013. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016). 
FERREIRA, Jerusa Pires. Haroldo oral. Revista USP, São Paulo, n.59, p. 184-189, setembro / novembro 2003. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016). 
FRANÇA, Francyne. Escritoralidade nas Galáxias de Haroldo de Campos. Revista Versalete, Curitiba, vol. 3, nº 4, jan-junho 2015. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016). 
FRANCHETTI, Paulo. Alguns aspectos da teoria da poesia concreta. Campinas: Editora da Unicamp, 1989, 135p. 
FREITAS, Tatiana Maria Gandelman de. Da Odisséia ao Finismundo: experiência e vivência em Homero e Haroldo de Campos. In: Anais do XI Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada, 2008. 
GAIO, Henrique Pinheiro Costa. Antologia e polêmica: a questão do barroco na crítica e na historiografia literária de Antonio Candido e Haroldo de Campos. (Tese Doutorado em História Social da Cultura). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, 2014. 
GANDLFI, Marília Garcia Santos. Velocidades e vozes: formas de estruturação das Galáxias de Haroldo de Campos. (Dissertação Mestrado em Literatura Brasileira). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, 2005. 
GANDLFI, Marília Garcia Santos. A lenda fechada em copas não-diz desdiz só dá voltas: superfície e enigma nas Galáxias de Haroldo de Campos. Revista de Letras (UNESP. Online), v. 47, p. 193-208, 2007.
GATTO, Sonia Melchiori Galvão. Vozes mestiças: os desafios da voz no Barroco Latino-americano. (Tese Doutorado em Comunicação e Semiótica). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 2004.
GATTO, Sonia Melchiori Galvão. A Barroquização do Signo: O universo entrópico de Haroldo de Campos e a obra constelar. (Dissertação Mestrado em Comunicação e Semiótica). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 1998. 

GATTO, Sonia Melchiori Galvão. Haroldo de Campos (Neo) Barroco. Diálogos (São Bernardo Campo), v. 1, p. 18-27, 2006.
GATTO, Sonia Melchiori Galvão. Crítica Neobarroca e América Latina: estética e transgressão. Face, São Paulo, v. 1, p. 125-136, 1999.
GATTO, Sonia Melchiori Galvão. Haroldo de Campos (Neo) barroco. In: II Congresso Internacional Todas as Letras., 2003, São Paulo. Anais di II Congresso Internacional Todas as Letras, 2003. 

GATTO, Sonia Melchiori Galvão. A Ensaística Babélica de Haroldo de Campos. In: Anais do XVIII Congress of the International Comparative Literature Association, 2007.
GERONIMO, Vanessa. A Teoria da Transcriação de Haroldo de Campos: O Tradutor como Recriador. Qorpus, v. 1, p. 1, 2014.  Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
GRECCO, Priscila Miraz de Freitas. Blanco e Transblanco: o encontro entre Octavio Paz e Haroldo de Campos. In: 9º Encontro Internacional da ANPHLAC, 2010, Goiânia. 9º Encontro Internacional da ANPHLAC - Programação e Caderno de Resumos. Goiânia, 2010. p. 7-128. Disponível no link. (acessado em 20.2.2016). 
Haroldo de Campos com a gata Lady Bi  em seu
 escritório - foto: Carmen de Arruda Campos
GUIMARÃES, Geovanna Marcela da Silva. Escritas que convergem: a ressonância poética entre Haroldo de Campos e Herberto Helder. (Dissertação Mestrado em Letras: Lingüística e Teoria Literária). Universidade Federal do Pará, UFPA, 2015. 
GUIMARÃES, Geovanna Marcela da Silva. Haroldo de Campos: da Transcriação à escrita de Galáxias. (Monografia Graduação em Letras). Universidade Federal do Pará, UFPA, 2013. 
GUIMARÃES, Geovanna Marcela da Silva; LEAL, Izabela Guimarães Guerra. A reapropriação e "reciclagem" do barroco na escrita galáctica de Haroldo de Campos. Vertigens do Olhar: estudos de literatura vernácula. 1ª ed., Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2012, v. 1, p. 51-63.
GUIMARÃES, Geovanna Marcela da Silva. Haroldo de Campos e Herberto Helder: a antropofagia como criação poética. In: XIV Encontro da Associação Brasileira de Literatura Comparada (ABRALIC), 2014, Belém. XIV Abralic: Anais eletrônicos, 2014. v. 1. p. 482-493.  
GUIMARÃES, Geovanna Marcela da Silva. Escritas que convergem: a ressonância poética entre Haroldo de Campos e Herberto Helder. Cadernos de Letras da UFF, v. 25, p. 75-96, 2015.  
GUIMARÃES, Geovanna Marcela da Silva; LEAL, Izabela Guimarães Guerra. Haroldo de Campos e Herberto Helder: a antropofagia como criação poética. Moara: Revista do programa de pós-graduação em letras, v. 41, p. 70-81, 2014.
GUIMARÃES, Geovanna Marcela da Silva; LEAL, Izabela Guimarães Guerra. Reapropriação e reciclagem do barroco na escrita galáctica de Haroldo de Campos. In: Augusto Sarmento-Pantoja; Tãnia Sarmento Pantoja. (Org.). Vertigens do olhar: estudos de literatura vernácula. 1ª ed., Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2012, v. 1, p. 84-95.  
GUIMARÃES, Geovanna Marcela da Silva; LEAL, Izabela Guimarães Guerra. Galáxias: o passado sob olhar do presente. Revista Literatura em Debate, v. 6, p. 1-14, 2012. 
GUIMARÃES, Geovanna Marcela da Silva; LEAL, Izabela Guimarães Guerra. A antropofagia nas traduções de Haroldo de Campos e Herberto Helder. In: Raimunda Benedita Cristina Caldas; Larissa Fontinele de Alencar; Fernando Alves da Silva Júnior. (Org.). Tradução e Interculturalidade: Pontos de Convergência. 1ª ed., São Carlos: Pedro e João editores, 2015, v. 1, p. 10-22.
GUIMARÃES, Geovanna Marcela da Silva. A Transcriação de Haroldo de Campos e a Identidade Nacional. Zunái: Revista de Poesia & Debates, v. 22, p. 2, 2011. Disponível no link. (acessado em 20.2.2016).
HAROLDO de Campos - Original e revolucionário. [in Caderno Mais!, Folha de São Paulo, 20.11.96]. Jornal de Poesia. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
IGNEZ, Alessandra Ferreira. A expressividade das criações lexicais em "Galáxias", de Haroldo de Campos. (Tese Doutorado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 2012. 

IGNEZ, Alessandra Ferreira. A expressividade dos cruzamentos vocabulares em "Galáxias", de Haroldo de Campos. In: Alves, Ieda Maria; Jesus, Ana Maria Ribeiro de; Oliveira, Luciana Pissolato; Pereira, Eliane Simões. (Org.). Os estudos leicais em diferentes perspectivas - Volume III. 1ª ed., São Paulo: FFLCH/USP, 2013, v. III, p. 92-103.  
IGNEZ, Alessandra Ferreira. O poema em prosa: uma análise de Galáxias, de Haroldo de Campos. In: Artaxerxes T. T. Modesto; Daniela da Silveira Miranda; Janaina Oliveira Silva; Nanci de Oliveira Soueid; Simone Ribeiro de Ávila Veloso. (Org.). O gênero em diferentes abordagens discursivas. 1ª ed., São Paulo: Paulistana, 2011, v. 1, p. 1-1. 
IGNEZ, Alessandra Ferreira. A criação lexical em Galáxias, de Haroldo de Campos. In: Bianca Rigamonti Valeiro GarciCleide Lúcia da Cunha Rizério e Silva; Eduardo Lopes Piris; Flávia Sílvia Machado Ferraz; Paulo Roberto Gonçalves Segundo. (Org.). Análises do Discurso: o diálogo entre as várias tendências na USP. 1ª ed., São Paulo: Paulistana, 2009, v. 1, p. 1-.
IGOA, Rosario Lázaro. Transblanco de Octavio Paz/Haroldo de Campos: análisis paratextual del acuerdo autor/traductor. (Dissertação Mestrado em Estudos da Tradução). Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 2011. Disponível no link. (acessado em 20.2.2016). 
IGOA, Rosario Lázaro; COSTA, Walter Carlos. Los Estudios de la Traducción en Brasil. Mutatis Mutandis (Medellin. 2008), v. 7, p. 223, 2014.
IGOA, Rosario Lázaro; COSTA, Walter Carlos. La lectura paronomástica: Freud y Lacan por Haroldo de Campos. MOARA, v. 39, p. 89-102, 2013. 
IGOA, Rosario Lázaro. 'Ritmo y polimetría en Transblanco de Octavio Paz y Haroldo de Campos'. Anuario Brasileno de Estudios Hispanicos, v. 12, p. 73-86, 2012.
IGOA, Rosario Lázaro. 'Haroldo de Campos: recorrido por sus textos teóricos sobre traducción y estado de traducción al castellano'. Mutatis Mutandis (Medellin. 2008), v. 5, p. 370-390, 2012.  
IGOA, Rosario Lázaro. ?Una colaboración de ?concisión? traductiva: Octavio Paz y Haroldo de Campos en Transblanco?. Em Tese (Belo Horizonte. Online), v. 6, p. 7-20, 2011. 
IGOA, Rosario Lázaro. ?De Blanco a Transblanco: confluência de duas trajetórias em uma colaboração de tradução?. In: JALLA 2010 - Jornadas Andinas de Literatura Latino-americana: América Latina, integração e interlocução, 2010, Niterói. CD JALLA 2010 - Jornadas Andinas de Literatura Latino-americana: América Latina, integração e interlocução, 2010.
ISHIHARA, Takeshi. A tradução de Bashô por Haroldo de Campos. Sibila (Cotia), v. 14, p. 3578-3578, 2010.
JACKSON, David K. (edited). Haroldo de Campos - a dialogue with  the Brazilian Concrete Poet. Oxford: Center for Brazilian Studies, 2005; 2010. 270p.
JUNQUEIRA, Maria Aparecida. Haroldomero - Odisseulisses. PUCVIVA, São Paulo, v. 456, p. 4 - 4, 8 set. 2003.
JUNQUEIRA, Maria Aparecida. Haroldo de Campos: razão poética na atividade crítica. In: X Congresso Internacional da ABRALIC - Lugares dos Discursos, Rio de Janeiro, 2006.

KREBS, Mauricio Osorio. Nervo & ságoma: As relações entre a obra Convergência de Murilo Mendes e a proposta poética concretista. (Dissertação Mestrado em Letras). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, 2011.
LAGES, Susana Kampff. Nach Babel und nach Goethe: Transkreation bei Haroldo de Campos und Übersetzung bei Flusser. In: Susanne Klengel; Holger Siever. (Org.). Das dritte Ufer. Vilém Flusser und Brasilien. 1ª ed., Würzburg: Königshausen & Neumann, 2009, v. , p. 207-213.
LAGES, Susana Kampff. Per una antropofagia transcreatrice. Poesia e traduzione nell'opera di Haroldo de Campos. Baldus Rivista Di Letteratura, Treviso, v. 6, n.5, p. 84-90, 1996.  
LAGES, Susana Kampff. Haroldo de Campos busca ética da forma na literatura. O Estado de São Paulo (Caderno Cultura), São Paulo, p. D 6, 13 set. 1998.  
LAGES, Susana Kampff. Haroldo de Campos revisita clássicos em suas traduções. O Estado de São Paulo, São Paulo, p. D4, 15 ago. 1998.  
LAGES, Susana Kampff. Haroldo de Campos, leitor de literaturas do universo ibero-americano. In: IX Jornadas Andinas de Literatura Latino Americana, 2010, Niterói. Anais das IX Jornadas Andinas de Literatura Latino - Americana, 2010. v. II. p. 395-399. 
LAGES, Susana Kampff. As utopias tradutórias de Vilém Flusser e Haroldo de Campos. In: IV Seminário Nação- Invenção: Literatura, utopia e crise, 2007, Niterói. IV Seminário Nação- Invenção: Literatura, utopia e crise, 2006. p. 97-108.
LAIA, Evandro José Medeiros. Entre Aby Warburg e Haroldo de Campos: diálogo Alemanha-Brasil para um estudo comunicacional das permanências. In: I Colóquio Brasil-Alemanha de Ciências da Comunicação, 2013, Manaus - AM. Anais do XXXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. São Paulo: Intercom, 2013. v. 1. p. 1.

Haroldo de Campos - foto: (...)
LEAL, Izabela Guimarães Guerra. O coreógrafo da dança das linguagens: Haroldo de Campos, tradutor do Eclesiastes. In: Marie-Helene Torres; Luana Ferreira de Freitas; Julio Cesar Neves Monteiro. (Org.). Clássicos em tradução, rotas e percursos. 1ª ed., Florianópolis: Copiart, 2013, v. 1, p. 103-118.
LEAL, Izabela Guimarães Guerra. Autores/tradutores portugueses no Suplemento Arte-Literatura. In: TORRES, Marie Hélène Catherine; DOUROADO, Maura Regina da Silva; BRANCO, Sinara de Oliveira. (Org.). Tradução e Autoria. 1ª ed.: ideia, 2014, v. II, p. 69-86. 

LEITES JR, Pedro.. A(s) Máquina(s) do(s) Mundo(s): releitura e intertexto entre Dante, Camões, Drummond e Haroldo de Campos. Ave Palavra (UNEMAT), v. 12, p. 1-11, 2011. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
LIMA, Judson Gonçalves de.. 'Circuladô de fulô': da Prosa Galáctica de Haroldo de Campos ao Canto de Feira de Caetano Veloso. Revista Brasileira de Estudos da Canção, v. 4, p. 29-40, 2013.
LIMA, Judson Gonçalves de.. Circuladô de Fulô: a viagem de Caetano Veloso na Galáxia de Haroldo de Campos. In: Todos os poemas o poema, 2013, Vitória. Todos os poemas o poema - Anais. Vitória: PPGL-UFES. v. 1. p. 220-228.

LIMA, Luiz Costa. Arabescos de um arabista: Galáxias de Haroldo de Campos. in: A aguarrás do tempo. Rio de Janeiro: Rocco, 1989.
LIMA, Marcelo Fernando de.. Concepções de história literária nas polêmicas entre Antonio Candido e Haroldo de Campos. Revista de Letras, v. 16, p. 1-11, 2013. 
LIMA, Maria Lúcia Ribeiro. Poesia e ciência: cosmologias em "A máquina do mundo repensada", de Haroldo de Campos. (Tese Doutorado em Letras e Lingüísitca). Universidade Federal da Bahia, UFBA, 2008. Disponível no parte I - e - parte II- ou no link (acessado em 16.2.2016).
LIMA, Silvia Ferreira. Galáxias: o Processo Criativo de Haroldo de Campos. (Dissertação Mestrado em Comunicação e Semiótica). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 1994. 
LIMA, Silvia Ferreira. Galáxias: o processo criativo de Haroldo de Campos. 1ª ed., São Paulo: Clube de Autores, 2011. v. 1.
LOPES, Rodrigo Garcia. Haroldo de Campos: translator maximus. Caderno 2 - Folha de Londrina, Londrina, 28 jul. 1998.
LOPES, Rodrigo Garcia. Entrevista com Haroldo de Campos. Jornal Verve, Londrina, 1 jul. 1990. 

LOURO, Gustavo Reis. Trans-criar: a poética da tradução de Haroldo de Campos. in: Cosmos e Contexto, nº 14, janeiro 2013. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
MACHADO, Lino. Uma das 'marinhas' de Haroldo de Campos. O Eixo e a Roda, v. 13, p. 131-135, 2007.  
MACHADO, Lino. ?Haroldo de Campos: das cores do medo às de Monet?. Contexto (Vitória), v. 11, p. 35-48, 2005.  
MACHADO, Lino. Crítica e poética plurais: Haroldo de Campos. In: Rogério Cordeiro; Andréa Sirihal Werkema. (Org.). A crítica literária brasileira. 1ª ed., Cotia SP: Ateliê Editorial, 2013, v. 1, p. 257-264.  
MACHADO, Lino. Do burlesco plástico ao poético: Fernando Botero segundo Haroldo de Campos. In: Irene Machado. (Org.). Semiótica da cultura e semiosfera. 1ª ed., São Paulo: Annablume/FAPES, 2007, v., p. 1-11. 
MACHADO, Lino. Um políptico político e talvez uma tríade teórica: Haroldo de Campos e outras questões. In: Paulo Sodré. (Org.). Multiteorias: Correntes Críticas, Culturalismo, Transdisciplinaridade. Vitória: UFES/PPGL, 2006, v. 1, p. 1-15. 
MATA, Rodolfo. Haroldo de Campos y Octavio Paz: del diálogo creativo e la mediación institucional. in: lasa, 2000. Disponível no link. (acessado em 20.2.2016).
MATEDI, João Paulo. Haroldo de Campos e a tradução para além da angústia e da influência. REEL – Revista Eletrônica de Estudos Literários, Vitória, s. 2, a. 6, n. 6, 2010. Disponível no link. (acessado em 20.2.2016).
MARTINEZ, Adriana Binati. Haroldo de Campos e Antonio Candido: a perspectiva histórica e o método analítico na questão da literatura brasileira. In: Osmar Ambrósio de Souza et. al.. (Org.). Universidade: uma rede de conhecimentos. 1ª ed., Guarapuava: Editora da UniCentro, 2004, v. 1, p. 305-309. 
MARTINS, Marcelo Diniz. A obra como semiose Galáxias em expansão: um estudo sobre a poética Haroldiana. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 2000. 
MARTINS, Marcelo Diniz. O vitalismo semiótico - júbilo e pedagogia em Haroldo de Campos. In: Celia Pedrosa; Maria Lucia de Barros Camargo. (Org.). Poesia e contemporaneidade. 1ª ed., Chapecó: Argos, 2001, v. 1, p. 109-122. 
MELLO, Giana Maria Gandini Giani de; NÓBREGA, T. M.. Haroldo de Campos, José Paulo Paes e Paulo Vizioli falam sobre tradução. Trabalhos Em Linguística Aplicada, Campinas, São Paul, v. 11, 1988. 
MELLO, Simone Homem de. (editora). Haroldo e outros. Transluminura - Revista Estética e Literatura, nº 1, 2013. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016). 
MELLO, Simone Homem de.. Haroldo de Campos, o constelizador. in: Revista Cult, edição, 180., set. 2013. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
MENDES, Gilson de Oliveira. Haroldo de Campos e João Adolfo Hansen: duas leituras e uma polêmica sobre a poesia de Gregório de Matos. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2013. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
MENDES, Rafael Costa. Traduções bíblicas contemporâneas: Um diálogo entre Haroldo de Campos e Henri Meschonnic. (Dissertação Mestrado em Letras). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, 2015.
MENDONÇA, Helena Maria Ramos de.. Uma análise literário-morfológica do poema Encantação pelo riso, do poeta russo V. Khliebnikov, traduzido para o português por Haroldo de Campos.. Ao Pé da Letra (UFPE), Recife-PE, v. 6, n.2.2, p. 137-148, 2004. 
MENDONÇA, Maurício Arruda. Haroldo de Campos hebraíza o português. O Estado de São Paulo, São Paulo, 30 out. 1993.  
MEYER-MINNEMANN, Klaus. Octavio Paz-Haroldo Campos: Transblanco: punto de intersección de dos escrituras poéticas de la Modernidad. Facultad de Filosofía y Letras, Universidad Nacional Autónoma de México, 2000. Disponível no link. (acessado em 20.2.2016).
MILTON, John. Translated Poetry in Brazil. Transcriações: Teorias e Práticas. Em Memória de Haroldo de Campos. Org. Tania Franco Carvalhal, Lucia Sá Rebello, Eliana Fernanda Cunha Ferreira, Porto Alegre: Evangraf, p. 121-134, 2004. 
MILTON, John.; BANDIA, P.. The role of Haroldo and Augusto de Campos in bringing translation to the fore of literary activity in Brazil. In: John Milton; Paul Bandia. (Org.). Agents of Translation. Amsterdã: John Benjamins, 2009, v. , p. 257-278.  
MILTON, John. A Translation Model From Brazil: The Theory And Practice Of Augusto & Haroldo de Campos. Theoretical Issues and Practical Cases in Portuguese-English Translation. Lampeter, Reino Unido: Edwin Mellen, 1996, v. , p. -. 
MILTON, John. A Translation Model From Brazil: The Theory And Practice Of Augusto & Haroldo de Campos. In: 2nd International Maastricht-Lodz Duo Colloquium on Translation and Meaning, 1997. Proceedings of the Lodz Session of the 2nd International Maastricht-Lodz Duo Colloquium on Translation and Meaning. maastricht, Holanda. p. 247-254.
MORALES, Livia Fernanda. Da Poesia Concreta à Galáxias: o processo de composição constelar na poesia de Haroldo de Campos. (Monografia Graduação em Estudos Literários). Universidade Federal do Paraná, UFPR, 2008. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).

MOTTA, Leda Tenorio da.. Céu Acima - Para um tombeau de Haroldo de Campos. 1ª ed., São Paulo: Perspectvia, 2005. v. 1. 390p.
MOTTA, Leda Tenorio da.. Para Haroldo de Campos. Revista Galaxia, São Paulo, v. 6, p. 13-15, 2003.

NARVAES, Giuliarde de Abreu. Da pedra ao concreto: cascalhos metalinguísticos na poesia de João Cabral de Melo Neto e Haroldo de Campos. Mosaico (São José do Rio Preto), v. 10, p. 107-121, 2011.
NASCIMENTO, Evando Batista. Entrelivros: Haroldo de Campos, Mallarmé e os limites da experiência de vanguarda. Cerrados (UnB. Impresso), v. 21, p. 49-72, 2012.
NASCIMENTO, Evando Batista. Traduzindo Haroldo. Revista Brasileira de Literatura Comparada, v. 19, p. 25-42, 2011. 

NEIVA, Saulo Roberto. Avtars de l'epopee dans la poesie bresilienne de la fin du xxe siecle. (Livre-docência). Universite de Paris III (Sorbonne-Nouvelle), U.P. III, França, 2006. 
NEIVA, Saulo Roberto. Haroldo de Campos: entre Camões et Sa de Miranda. In: Claudia Poncioni-Mérian; José Manuel Esteves. (Org.)., Au carrefour des littératures brésilienne et portugaise: influences, correspondances, échanges, XIXe-XXe siècles. Paris: Lusophone, 2006, v., p. 275-289. 
NÓBREGA, Thelma Médice. Sob o signo dos signos: uma biografia literária de Haroldo de Campos. (Tese Doutorado em Comunicação e Semiótica). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 2005.
NÓBREGA, Thelma Médice; GIANI, G.. Haroldo de Campos, José Paulo Paes e Paulo Vizioli Falam Sobre Tradução. Revista Trabalhos Em Lingüística Aplicada, UNICAMP, v. 11, 1988. 
NÓBREGA, Thelma Médice. Entrevista com Haroldo de Campos. In: Leda Tenório da Motta. (Org.). Céu Acima - Para um tombeau de Haroldo de Campos. São Paulo: Perspectiva, 2005, v. , p. -.  
NÓBREGA, Thelma Médice. Notas para uma biografia literária de Haroldo de Campos. In: Tania F. Carvalhal; Lucia Sá Rebello; Eliana F.C. Ferreira. (Org.). Transcriações: teorias e práticas. Porto Alegre: Evangraf, 2004, v. , p. 87-94.  
NÓBREGA, Thelma Médice. Notas para uma biografia literária de Haroldo de Campos. In: VIII Congresso Internacional da ABRALIC, 2004, UFGRS - Porto Alegre. Anais do VIII Congresso Internacional da ABRALIC, 2004. 
OLIVEIRA, Ana Lúcia Machado de.. Os fragmentos do real em Galáxias, de Haroldo de Campos. Revista Letras (Curitiba), v. 84, p. 47-57, 2011.  
OLIVEIRA, Ana Lúcia Machado de.. O dobrar dos signos nas Galáxias, de Haroldo de Campos. Cadernos do CNLF (CiFEFil), Rio de Janeiro, v. 9, p. 216-225, 2003.  
OLIVEIRA, Ana Lúcia Machado de.. Deleuze e Vieira e Bressane e Haroldo de Campos: das dobras barrocas aos desdobramentos contemporâneos. In: Daniel Lins. (Org.). Nietzsche/Deleuze: Imagem, literatura e educação. 1ª ed., Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007, v. , p. 1-16. 
OLIVEIRA, Ana Lúcia Machado de.. A parte do silêncio e a escrita fragmentária: cruzamentos entre Blanchot e Haroldo de Campos. In: André Queiroz;Fabiana de Moraes;Nina Velasco e Cruz. (Org.). Barthes/Blanchot: um encontro possível?. Rio de Janeiro: 7Letras, 2007, v. 1, p. 117-131. 
OLIVEIRA, Ana Lúcia Machado de.. Metamorfoses do engenho cosmopoético: de Dante a Haroldo de Campos. In: Ana Lúcia M. de Oliveira. (Org.). Linhas de fuga: trânsitos ficcionais. 1ª ed., Rio de Janeiro: Editora 7Letras, 2004, v. , p. 40-55.  
OLIVEIRA, Ana Lúcia Machado de.. Sobre a configuração babelbarroca da prosa minada de Haroldo de Campos. In: Carlinda Nuñez. (Org.). Armadilhas ficcionais: modos de desarmar. 1ª ed., Rio de Janeiro: 7 Letras, 2003, v. , p. 56-67.  
OLIVEIRA, Ana Lúcia Machado de.. Nas dobras do dédalo-diário de Haroldo de Campos. In: XII Congresso ASSEL-Rio - Linguagens: modos de dizer, modos de fazer, 2004, Rio de Janeiro. Anais do XII Congresso da ASSEL-RIO. Rio de Janeiro: UERJ/FFP, 2003. p. 1-8. 
OLIVEIRA, Ana Lúcia Machado de.. Galáxias de Haroldo de Campos: de los pliegues barrocos al hipertexto. In: Primeras Jornadas Literatura/Critica/Medios: perspectivas 2003, 2004, Buenos Aires. Actas de las Primeras Jornadas Literatura/Critica/Medios: perspectivas 2003. Buenos Aires: Universidad Católica Argentina, 2003. p. 100-105. 
OLIVEIRA, Maria Clara Castellões de.. O pensamento tradutório judaico: Franz Rosenzweig em diálogo com Benjamin, Derrida e Haroldo de Campos. (Tese Doutorado em Letras: estudos literários). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2000. 
OLIVEIRA, Maria Clara Castellões de.. Haroldo de Campos, um hermeneuta herético brasileiro. In: Márcia Atálla Pietroluongo. (Org.). O trabalho da tradução. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2009, v. , p. 29-52.  
OLIVEIRA, Maria Clara Castellões de.. Haroldo de Campos: a Brazilian Heretic Hermeneut. In: Bernard McGuirk; Else R. P. Vieira. (Org.). Haroldo de Campos in Conversation - In Memorial 1929-2003. Londres: Zoilus Press, 2007, v. 1, p. 101-125. 
OLIVEIRA, Maria Clara Castellões de.. Haroldo de Campos, um Almirante-Mor no Contexto Tradutório Brasileiro. In: Tânia Franco Carvalhal, Lúcia Sá Rebello, Eliane Fernanda Cunha Ferreira. (Org.). Transcriações: Teoria e Práticas. 1ª ed., Porto Alegre: Evangraf, 2004, v. , p. 47-54.  
OLIVEIRA, Maria Clara Castellões de.. O Tradutor Haroldo de Campos e a (Des)Leitura da Tradição. In: Maria Clara Castellões de OIiveira;Evando Batista do Nascimento. (Org.). Literatura em Perspectiva. 1ª ed., Juiz de Fora: Editora de Universidade Federal de Juiz de Fora, 2003, v. 1, p. 93-105. 
OLIVEIRA, Maria Clara Castellões de.. Haroldo de Campos: o tradutor midrashista. Tradução e Comunicação, São Paulo, v. 11, p. 45-55, 2002.  
OLIVEIRA, Maria Clara Castellões de.. A contribuição de filósofos judaicos para a ética do traduzir na contemporaneidade. Revista Letras (Curitiba), v. 85, p. 151-161, 2012.
Haroldo  de Campos - foto: Leonardo 
Colosso/Folha imagem
OLIVEIRA, Maria Clara Castellões de.. Deslocamento, Metáfora e Tradução no Contexto Judaico. Interletras (Dourados), UNIGRAN - Dourados - MS, p. 1-6, 2005. 
OLMO, Francisco Javier Calvo del; TIRLONI, Larissa Paula. Octavio Paz en traducción: asimetrías fonéticas, culturales y semánticas en Transblanco de Haroldo de Campos. Integración Universitaria FESC - Revista de la Universidad Nacional Autónoma de México, v. 5, p. 77-86, 2015.
OSEKI-DÉPRÉ, Inês. Leitura finita de um texto infinito: Galáxias de Haroldo de Campos. Alea - Estudos Neolatinos, vol. 13, nº 1, Rio de Janeiro, jan./jun. 2011. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
PACHITO, Ernesto de Souza. Graus de concretismo em Haroldo de Campos: ideia, matéria e níveis de quase-realidade na imagem da poesia dos anos 50 ao ano 2000. (Tese Doutorado em Letras). Universidade Federal do Espírito Santo, UFES, 2015.

PACHITO, Ernesto de Souza. Campos de força: o indizível taoísta e as tensões da presença na imagem haroldiana. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal do Espírito Santo, UFES, 2002. 
PACHITO, Ernesto de Souza. Taoísmo e campos de força na poesia de Haroldo de Campos: uma investigação sobre o indizível e a fenomenologia na literatura.  1ª ed., North Charleston/ SC USA:  Createspace / Amazon, 2012. v. 1. 260p.
PARK, Yun Jung Im. Tradução Cultural da Poesia, um olhar sobre o extremo-oriente. (Tese Doutorado em Comunicação e Semiótica). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 1995.
PARK, Yun Jung Im. Haroldo de Campos (1929-2003), a extraordinaria aventura tradutoria para alem da tarefa do tradutor. In: 2nd International Translator's Conference, 2008, Seul. The Future of Korean Literature Worldwide, with a Focus on the Asia Pacific Region. Seul: Korea Literature Translation Institute, 2008. v. 1. p. 549-564.
PARK, Yun Jung Im. Do ideograma ao fonograma: as travessia haroldiana oriente-ocidente. In: Andre Dick. (Org.). Siganancias: Reflexoes sobre Haroldo de Campos. 1ª ed., Sao Paulo: Risco, 2010, v. 1, p. 242-262.
PARK, Yun Jung Im. Escrito sobre jade - Poesia classica chines, de Haroldo de Campos. Revista Poiesis, Sao Paulo, p. 58 - 59, 1 mar. 2010. 

PEIXOUTO, Aurélia Hubner. Thánatos Eks Halós: a frágil nau da ousadia em Haroldo de Campos. In: Modernidades e pós-modernidades: Literatura em dois tempos, 1999, Vitória. Modernidades e pós-modernidades: Literatura em dois tempos. Vitória: Edufes, 1999. 
PEREIRA, Cristina Monteiro de Castro. Estrelas dantescas nas galáxias de Haroldo de Campos. (Tese Doutorado em Literatura Comparada). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, 2007.
PEREIRA, Cristina Monteiro de Castro. Haroldo de Campos: a hybris de um viajante. In: X Congresso Nacional de Linguística e Filologia, 2006, Rio de Janeiro. Língua e linguagem literária II. Rio de Janeiro: Cifefil, 2006. v. IX. p. 32-38. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
PÉREZ, Fernando.The eye and the ear: Ezra Pound, Brazilian concrete poetry and their paideuma. (Ph. D. Dissertation). New York: New York University, 2009.
PRADO, C.; ESTEVES, Lenita Maria Rimoli. A tradução verbivocovisual de Haroldo de Campos. Tradução e Comunicação (Cessou em 1986), v. 19, p. 115-127, 2009. 
PRAZERES, Armando Sergio dos.. Literatura e Cinema: Gregório de Matos, Sor Juana Inés de la Cruz, Haroldo de Campos. 1ª ed., Natal: Armando Sérgio dos Prazeres, 2014. v. 300. 80p.
PRAZERES, Armando Sergio dos; MACHADO, Irene; FECHINE, Yvana. Semiótica como prática e não como escolástica. In: Haroldo de Campos. (Org.). Depoimentos de oficina. 1ª ed., São Paulo: Unimarco Editora, 2002, v. 1, p. 71-99.
PRAZERES, Armando Sergio dos; MACHADO, Irene; FECHINE, Yvana. Entrevista: Haroldo de Campos. Galáxia (PUCSP), v. 1, p. 29-47, 2001. 

PRESTES, Rogério Prestes de.. Um Poeta de Vanguarda Dialoga com as Artes Visuais: a transcriação interpoética de Haroldo de Campos. (Dissertação Mestrado em Comunicação e Semiótica). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 1997.
PRESTES, Rogério Prestes de.. A prosa metapoética de Haroldo de Campos. Integração (São Paulo), v. 46, p. 241-245, 2006. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).

PRESTES, Rogério Prestes de.. Anatomia do Gol: desenhos de Antonio Lizárraga e poema de Haroldo de Campos. Revista da Faculdade de Comunicação da Fundação Armando Álvares Penteado, São Paulo, p. 12 - 18. 
PUSCHEL, Raul de Souza. A ensaística palimpséstico-civilizatória de Haroldo de Campos. (Tese Doutorado em Comunicação e Semiótica). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 1999.

QUEVEDO, Rafael Campos. Poéticas da concretude: poesia e realidade em Augusto dos Anjos, João Cabral de Melo Neto e Haroldo de Campos. (Tese Doutorado em Literatura). Universidade de Brasília, UnB, 2011. Disponível no link. (acessado em 15.2.2016).
QUEVEDO, Rafael Campos. A Poesia no Horizonte do Impossível: Uma Análise dos Fundamentos Utópicos da Poesia Concreta e do Poema-Praxis. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal do Espírito Santo, UFES, 2007. Disponível no link e link. (acessado em 15.2.2016). 
QUEVEDO, Rafael Campos. Poesia e Concretude em Augusto dos Anjos, João Cabral de Melo Neto e Haroldo de Campos. In: I Congresso Nacional de Literatura: EU, cem anos de poesia, 2012, João Pessoa. I CONALI - Anais. João Pessoa: ideia, 2012. p. 1566-1578.
REBELLO, Lucia Sa.. Afonia dos tradutores ou a tradução pelo estranhamento? Um estudo comparado de duas traduções em língua portuguesa de ars poetica de Horácio. (Tese Doutorado em Letras). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, 2002.
REBELLO, Lucia Sa. O pensamento teórico de Haroldo de Campos e a tradução. In: Eduardo Coutinho. (Org.). Discontinuities and displacements: studies in comparative literature. 1ª ed., Rio de Janeiro: Aeroplano, 2009, v. 1, p. 457-463.
REBELLO, Lucia Sa; PEREIRA, Tatiana Antonia Selva. El pensamiento teórico de Haroldo de Campos siempre presente y la traducción como mediadora intercultural. In: Assumpta Camps; Lew Zybatow. (Org.). Traducción e Interculturalidad. 1ª ed., Frankfurt: Peter Lang, 2008, v. 1, p. 243-250.
REBELLO, Lucia Sa.. Sempre Presente O pensamento teórico de Haroldo de Campos numa entrevista imaginada. In: Tania Franco Carvalhal; Lucia Sa Rebello; Eliana Fernanda Cunha Ferreira. (Org.). Transcriações: teoria e práticas. Em memória de Haroldo de Campos. 1ª ed., Porto Alegre: EVANGRAF, 2004, v. 1, p. 41-46.
REBELLO, Lucia Sa.. O pensamento teórico de Haroldo de Campos numa entrevista imaginada. In: IX Congresso Internacional da Abralic, 2004, Porto Alegre. Travessias, 2004. v. 1.

REINALDO, Gabriela Frota. Estômago de ostra? Notas sobre processos tradutores em Haroldo de Campos, Vilém Flusser e Guimarães Rosa. Galáxia (PUCSP), v. 10, p. 263-274, 2010. 
REZENDE,Rosiane Vieira de.. Resenha: Haroldo de Campos - Da tradução como criação e crítica. Texto publicado originalmente na revista Tempo Brasileiro, nº 4-5, p. 31-48, jun. set. 1973.. Revista Querubim, Rio de Janeiro, p. 157 - 158, 30 jun. 2006. 
RODRIGUES, Henrique Estrada. Poesia bíblica e utopia em Haroldo de Campos. O Eixo e a Roda (UFMG), v. 24, p. 169, 2015. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
ROHR, Cilene Trindade. A poética sincrônica de Haroldo de Campos. Leitura (UFAL), v. 1, p. 15-22, 2010. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
ROHR, Cilene Trindade. A poética sincrônica de Haroldo de Campos. Zunái: Revista de Poesia & Debates, v. 15, p. 1-2, 2008. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
SALVADORI, Juliana Cristina. Crítica e tradução enquanto poiesis: o projeto literário-pedagógico-antropofágico concretista. (Tese Doutorado em Letras e Linguística). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC Minas, 2013.
SANDOVAL, Rodolfo Mata. Octavio Paz e Haroldo de Campos: Contradições da Modernidade na América Latina. (Dissertação Mestrado em Integração da América Latina). Universidade de São Paulo, USP, 1993.
Haroldo de Campos - foto: (...)
SANDOVAL, Rodolfo Mata. Las vanguardias literarias latinoamericanas y la ciencia. Cidade do México: Instituto de Investigaciones Filológicas UNAM, 2003. v. 1. 359p.
SANDOVAL, Rodolfo Mata. Haroldo de Campos y Octavio Paz: del diálogo creativo a la mediación institucional. Latinoamérica. Anuario de Estudios Latinoamericanos, v. 32, p. 131-154, 1999.
SANDOVAL, Rodolfo Mata. Barroco, Caos y teoría de la información en la obra de Haroldo de Campos. Cuadernos Americanos. Nueva Época, v. 3, p. 141-149, 1996.
SANDOVAL, Rodolfo Mata. Transblanco: Una apropiación creativa de Octavio Paz por Haroldo de Campos. In: "XIX International Congress" de la Fédération Internationale des Langues et Littératures Modernes., 1993, Brasília. Language and Literature Today. Proceedings of the XIXth Triennial Congress of the International Federation of Modern Languages and Literatures. Brasília: Neide de Faria, 1993. v. 3. p. 1380-1385.

SANTOS, Acácio Luiz. Dialética e poesia: uma leitura de Haroldo de Campos. Revista de Letras, São Paulo, v.47, n.1, p.175-192, jan./jun. 2007. 
SANTOS, Andrea Soares. O cânone via tradução: dos concretos aos contemporâneos. (Tese Doutorado em Estudos Literários). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2010.
SANTOS, Andrea Soares. O Excesso radical: uma leitura da obra de Haroldo de Campos através da tradução. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 1998. 

SANTOS, Andrea Soares. Dos concretos aos contemporâneos: poesia, tradução e tradição. In: Rogério Barbosa da Silva; Silvana Maria Pêssoa de Oliveira; Wagner Moreira. (Org.). Escritos sobre poesia. Belo Horizonte: Editora Scriptum, 2011, v. , p. 13-35.
SANTOS, Andrea Soares. Poesia Concreta: labirinto?. Revista Literária do Corpo Discente da UFMG, Belo Horizonte, v. 25, 1994.

SANTOS, Ciro Soares dos; TABOSA, Leila Maria de Araújo. Literatura e cinema: Gregório de Matos, Sor Juan, Haroldo de Campos. 1ª ed., Natal: Offset Editora, 2014. v. 1. 79p.
SANTOS, Ciro Soares dos.. Do barroco ao neobarroco: Gregório de Matos e Haroldo de Campos. In: Francisco Ivan da Silva; Samuel Lima. (Org.). Colóqui barroco III. 1ª ed., Natal: UDUFRN, 2012, v., p. 39-72.  

SANTOS, Samantha Pires dos; JARDIM, Alex Fabiano Correia. Haroldo de Campos e a crítica de invenção. Veredas. Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, v. 15, p. 7-18, 2010.
SCHNAIDERMAN, Boris. Haroldo de Campos, poesia russa. Revista USP, nº 59, p. 172-180, setembro/novembro 2003. Disponível no link. (acessado em 20.2.2016). 
SCHNAIDERMAN, Boris. Haroldo de Campos e a transcriação da poesia russa moderna. Fragmentos, número 25, p. 61-68, Florianópolis/ jul - dez/ 2003. Disponível no link. (acessado em 20.2.2016). 
SCHWARZ, Cristina; MOSCHEN, Simone. Fimcomeço entre som e silêncio: um texto-partitura de Haroldo de Campos. In: J. Guillermo Milán-Ramos, Maria Rita Salzano Moraes e Nina Virginia de Araújo Leite. (Org.). De um discurso sem palavrras. 1ª ed., Campinas: Mercado de Letras, 2012, v. , p. 32-48.
SCHWARTZ, Jorge. Borges e Joyce (Via Salas Subirats, Antonio Houaiss e Haroldo de Campos). Boletim Bibliografico Biblioteca Mario de Andrade, v. 45, p. 143-155, 1984. SCHWARTZ, Jorge. The Inexhaustible Astonishment of Haroldo de Campos. In: K. David Jackson. (Org.). Haroldo de Campos. A Dialogue with the Brazilian Concrete Poet. Oxford: Center for Brazilian Studies, 2005, v. , p. 249-251.  
SCHWARTZ, Jorge. El inagotable asombro de Haroldo de Campos (1929-2003). In: Gonzalo Aguilar. (Org.). Haroldo de Campos. El ángel izquierdo de la poesía. Buenos Aires: Eloísa Cartonera, 2003, v., p. 63-65. 
SCHWARTZ, Jorge. Un cielo para Haroldo de Campos. La República, Lima, 27 ago. 2003.
SCHWARTZ, Jorge. Perfiles. Haroldo de Campos. Página 12, Buenos Aires, 24 ago. 2003.
SCRAMIM, Susana Célia Leandro. Um cisco de sol no olho: uma leitura da obra do poeta Haroldo de Campos. (Dissertação Mestrado em Literatura). Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 1991. 
SCRAMIM, Susana Célia Leandro. Entre desastres, linguagens e outros hiatos. Uma leitura em constraste: Josely Viana Baptista e Haroldo de Campos. Babel (Santos), Santos - SP, v. 5, p. 109-114, 2002. 
SCRAMIM, Susana Célia Leandro. Para além do princípio da tradução( Uma teoria da tradução segundo Haroldo de Campos). Travessia (UFSC), Florianópolis/SC, v. 25, p. 139-144, 1992.
SCUDELLER, Gustavo. O épico em Invenção do Mar, de Gerardo Mello Mourão, e Galáxias, de Haroldo de Campos. (Tese Doutorado em Teoria e História Literária). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2014. 
SCUDELLER, Gustavo. Alegorias da totalidade: as relações entre ciência e poesia em A Máquina do Mundo Repensada, de Haroldo de Campos. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, 2009. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
SCUDELLER, Gustavo. Técnica e poesia em Haroldo de Campos (2005-2006), A figura da constelação na obra de Haroldo de Campos (2006-2007).. (Monografia Graduação em Letras). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, 2006. 
SCUDELLER, Gustavo. Considerações sobre a figura da constelação e suas relações com a ciência em Haroldo de Campos.. Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978), v. 37, p. 325-334, 2008.
SCUDELLER, Gustavo. 'O silêncio das musas': épico, ciência e poesia em Haroldo de Campos. Revista de Letras (UNESP. Impresso), v. 47, p. 77-97, 2007. 
SCUDELLER, Gustavo. O discurso científico na obra de Haroldo de Campos. Mosaico (São José do Rio Preto), São José do Rio Preto, v. 5, n.1, p. 179-187, 2006. 
SCUDELLER, Gustavo. Ciência e poesia em Haroldo de Campos. In: XI Congresso Internacional da ABRALIC, 2008, São Paulo/SP. Anais do XI Congresso Internacional da ABRALIC (e-book), 2008.
SELIGMANN-SILVA, Márcio. Haroldo de Campos: tradução como formação e "abandono" de identidade. Revista USP, nº 36, São Paulo, Dezembro/ Fevereiro 1997/1998, p. 158-171. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
SENDER, Toba. Até agora: tradução e reflexão do modo-de-significar o universo literário de Agnon. (Tese Doutorado em Literatura Comparada). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, 2008.
SILVA, Gênese Andrade da.. ?Escrituras que brilham em plena noite?: Haroldo de Campos e a literatura hispano-americana. In: André Dick. (Org.). Signâncias: reflexões sobre Haroldo de Campos. 1ª ed., São Paulo: Risco Editorial, 2010, v. , p. 148-173.
SILVA, Gênese Andrade da.. Afinidades eletivas. Haroldo de Campos traduz os hispano-americanos. Caracol, v. 1, p. 36-63, 2010.
SILVA, Gênese Andrade da.. Manuscrito de Haroldo de Campos. Homeroterapia. Manuscrítica (São Paulo), v. 20, p. 7-7, 2011.

SILVA, Luciana de Mesquita. Olhares em trânsito pela tradição: Os Irmãos Campos tradutores. Revista Gatilho, ano  1, vol. 2, novembro 2005. Disponível no link. (acessado em 20.2.2016).
SILVA, Maria Ivonete Santos. 'A antidiscursividade da poesia de vanguarda: Paz e Haroldo de Campos' . In: XI Encontro Regional da ABRALIC, 2007, São Paulo. Literaturas, Artes, Saberes. São Paulo, 2007.  
SILVA, Rodrigo Guimarães. Altino Caixeta e Haroldo de Campos: poéticas de desconstrução. (Tese Doutorado em Letras). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2006. 
SILVA, Rodrigo Guimarães. A estética neobarroca do poema Galáxias de Haroldo de Campos. Aisthe (Online), v. 4, p. 1-12, 2009. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
SILVA, Rodrigo Guimarães. Notas de desconstrução no poema "Galáxias" de Haroldo de Campos. Línguas & Letras (Online), v. 9, p. 1-12, 2008.
SILVA, Rodrigo Guimarães. Haroldo de Campos e o barroco da leveza. Em Tese (Belo Horizonte), v. 11, p. 80-84, 2007.  
SILVA, Rodrigo Guimarães. A branca sintaxe na poética de Haroldo de Campos. O Eixo e a Roda, v. 13, p. 120-132, 2006.
SILVA, Viviani Bernardes da.. O sentido da viagem na escritura das Galáxias: o espaço em palimpsesto e a escrita da tradição poética. (Dissertação Mestrado em Literatura e Crítica Literária). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 2008. 
SIMÕES, Clarisse Lyra. Haroldo de Campos e a poética da confluência. REEL. Revista Eletrônica de Estudos Literários, v. 11, p. 1-18, 2012. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
SISCAR, Marcos Antonio. Haroldo de Campos. 1ª ed., Rio de Janeiro: Eduerj, 2015. v. 1. 100p. 
SISCAR, Marcos Antonio. A alavanca da crise: a poesia pós-utópica de Haroldo de Campos. Remate de Males, v. 34/1, p. 81-94, 2014. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
SISCAR, Marcos Antonio. Extrelas Extremas - Para Haroldo de Campos. Inimigo Rumor (Rio de Janeiro), Brasil / Portugal, v. 15, p. 143-150, 2003. 
SISCAR, Marcos Antonio. Extrelas Extremas: sobre a poesia de Haroldo de Campos. In: M. L. O. Fernandes; G. M. M. Leite; M. L. O. G. Baldan. (Org.). Extrelas Extremas: ensaios sobre poesia e poetas. Araraquara: Laboratório Editorial, 2006, v., p. 167-181. 
SLEIMAN, Michel; JUBRAN, S. A. A. C.. Ulisses (James Joyce) Fragmento do 13º episódio (Nausícaa). Apresentação multilíngüe: Árabe. In: Haroldo de Campos. (Org.). Ulisses: A Travessia Textual. 1ª ed., São Paulo: Olavobrás / ABEI, 2001, v. 1, p. 35-36.  
TÁPIA, Marcelo. Transcriação: teoria e prática. in: Humboldt/Inst. Goethe, Maio 2010. Disponível no link. (acessado em 20.2.2016).
TAVEIRA DA CRUZ, Ronald.. Quine e Campos: duas embarcações tradutórias. In: Tania Franco Carvalhal; Lucia Sá Rebello; Eliane Fernanda Cunha Ferreira. (Org.). Transcriações: teoria e práticas - Em memória de Haroldo de Campos. Porto Alegre: Evangraf, 2004, v. 1, p. -.
TIRLONI, Larissa Paula. A Obra poética de Octavio Paz: transculturação e transcriação na tradução brasileira de Haroldo de Campos. (Dissertação Mestrado em Literatura Comparada). Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões., URI, 2013. Disponível no link. (acessado em 20.2.2016).
TONETO, Diana Junkes Bueno Martha. Convergências em A Máquina do Mundo Repensada: poesia e sincronia em Haroldo de Campos. (Tese Doutorado em Estudos Literários). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, 2008. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
Haroldo de Campos - foto: (...)
TONETO, Diana Junkes Bueno Martha. As razões da máquina antropofágica: poesia e sincronia em Haroldo de Campos. 1ª ed., São Paulo: Editora da UNESP, 2013. v. 1. 287p.
TONETO, Diana Junkes Bueno Martha.
Lirismo, aceleração e excesso: Haroldo de Campos canta 'são paulo'. e-lyra, v. 6, p. 16, 2015.
TONETO, Diana Junkes Bueno Martha. NO PRELO Haroldo de Campos e a internacionalização dos saberes. In: Andrade, Paulo; Fernandes, Maria Lucia; Perrone, Charles. (Org.). A internacionalização dos saberes. 1ª ed., Araraquara: Laboratório Editorial Unesp-Edunesp, 2016, v. 1, p. 1-20.
TONETO, Diana Junkes Bueno Martha; BALDAN, M. L. O.G.. Tradição e novidade em perspectiva tensiva: considerações sobre um poema de Haroldo de Campos. In: LOPES, I.C.; ALMEIDA, D.. (Org.). LOPES, I.C.; ALMEIDA, D.C.Semiótica da Poesia: Exercícios Práticos. São Paulo: Annablume, 2011, v. , p. 33-61.
TONETO, Diana Junkes Bueno Martha. Poesia e Sincronia: reflexões sobre o pensamento de Haroldo de Campos. In: FERNANDES, Maria Lucia Outeiro; PIRES, Antonio Donizeti. (Org.). PIRES, A.D. Modernidade Lírica: construção e legado. Araraquara: Cultura Acadêmica/ UNESP Faculdade de Ciências e Letras, 2008, v. 8, p. 109-126.
TONETO, Diana Junkes Bueno Martha. Poesia e ideograma: a lua móbile de Li-Po reimaginada por Haroldo de Campos, 2013 e publicado apenas em 2014. Cadernos de Literatura em Tradução, v. 14, p. 152-169, 2014.
TONETO, Diana Junkes Bueno Martha. O sagrado em A Máquina do Mundo Repensada de Haroldo de Campos: Lições os Midrashistas. Ipotesi (UFJF. Impresso), v. 16, p. 167-181, 2013.
O caleidoscópio dos clássicos: Haroldo de Campos (re)lê Camões. Forma Breve (Universidade de Aveiro), v. 9, p. 1-15, 2013. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
TONETO, Diana Junkes Bueno Martha. O relógio do rosário anuncia a máquina do mundo: Haroldo de Campos relê Drummond. Letras de Hoje (Impresso), v. 46, p. 23-44, 2011. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016).
TONETO, Diana Junkes Bueno Martha. Haroldo de Campos e a Utopia da Escritura Original. Fronteiraz (São Paulo), v. 5, p. 2-20, 2010.
TONETO, Diana Junkes Bueno Martha. O mar e as viagens: épico e romance antigo em Galáxias, de Haroldo de Campos. Revista Alere, v. 3, p. 139-153, 2010.
TONETO, Diana Junkes Bueno Martha. Cânone repensado: poesia e sincroniza em A máquina do mundo de Haroldo de Campos. Todas as Letras (São Paulo. Impresso), v. 10/1, p. 12-20, 2008.
TONETO, Diana Junkes Bueno Martha. O poeta e o sertão: reflexões sobre Haroldo de Campos e Guimarães Rosa. Signotica (UFG), v. 20, p. 27-52, 2008.
Firma de Poesia: O projeto poético de Haroldo de Campos. Texto Poético, v. 5, p. 20-35, 2008.
TONETO, Diana Junkes Bueno Martha. Entre a invenção e a tradição: história e utopia no projeto poético de Haroldo de Campos. Ipotesi (UFJF. Impresso), v. 12, p. 95-105, 2008.
TONETO, Diana Junkes Bueno Martha.  Entre a invenção e a tradição: as razões da máquina haroldiana. Cronopios: literatura e arte, São Paulo, p. 1 - 8, 29 jan. 2009.
TONETO, Diana Junkes Bueno Martha. Convergências em A máquina do mundo repensada de Haroldo de Campos. In: Congresso Regional da ABRALIC, 2007, São Paulo. Anais do Congresso Regional da Abralic. São Paulo: Abralic, 2007. v. 1.
TONETO, Diana Junkes Bueno Martha. O palpável dos signos: uma gramática poética da obra de Haroldo de Campos. In: VI Seminário de Pesquisa do Program de Pós-Graduação em Estudos Literários, 2005, Araraquara - UNESP. Anais do VI Seminário de Pesquisa, 2005. v. 1. p. 106-112.
TONETO, Diana Junkes Bueno Martha. Ergue o vôo - nunca mais: Haroldo de Campos e a poética da transcriação. In: IX Congresso Internacional ABRALIC, 2004, Porto Alegre. Travessias - IX congresso Internacional ABRALIC, 2004. 
VASCONCELLOS, Paulo Sérgio de.. A língua da poesia - “Patriarca” da tradução criativa, Manuel Odorico Mendes inspirou Haroldo de Campos e suas transcriações. Revista História/BN, 1.6.2014). Disponível no link. (acessado em 29.1.2016).
VAILATI, Tecia Estefana. A antropofagia em dois tempos: Oswald de Andrade e Haroldo de Campos. (Dissertação Mestrado em Study of Art and Literature). Universiteit Leiden, 2014.
VAILATI, Tecia Estefana. Antropofagia como mito de controle. Revista Transversos, v. 3, p. 44-58, 2015.
VENTUROTTI, Fabiano. A transcriação bíblica em Haroldo de Campos. Nonada (Porto Alegre), v. 12, p. 115-132, 2009.
VENTUROTTI, Fabiano. A transcriação bíblica em Haroldo de Campos: a poética de Gênesis. Revista Desempenho, v. 9, p. 23-38, 2008. 

VIEIRA, Brunno Vinicius Gonçalves. FARSÁLIA, de Lucano, cantos I a IV: prefácio, tradução e notas. (Tese Doutorado em Estudos Literários). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, 2007.
VIEIRA, Brunno Vinicius Gonçalves Épica em transe: uma leitura da FARSÁLIA, de Lucano, seguida da tradução do canto I. (Dissertação Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, 2002.
VIEIRA, Brunno Vinicius Gonçalves. Farsália: cantos de I a V. Introdução, tradução e notas.. 1ª ed., Campinas: Editora da UNICAMP, 2011. v. 1. 424p VIEIRA, Brunno Vinicius Gonçalves. A tradução da logopeia: Pound, Haroldo e Ovídio. Texto Poético, v. 14, p. 20-38, 2013. 
VIEIRA, Brunno Vinicius Gonçalves. Contribuições de Haroldo de Campos para um programa tradutório latino-português. Terra roxa e outras terras – Revista de Estudos Literários, Vol. 7 -2006,  p. 80-88. Disponível no link. (acessado em 16.2.2016). 
VIEIRA, Brunno Vinicius Gonçalves. Traduzir Lucano em português: ensaio de poética tradutória sincrônica. Revista Letras - Editora UFPR, Curitiba, nº 89, p. 127-145, 2014. Disponível no link. (acessado em 26.2.2016).
VIEIRA, Else Ribeiro Pires; MCGUIRK, B. (Org.). De Luxe edition of Haroldo de Campos in Conversation/in Memoriam. 1ª ed., London: Zoilus Press, 2009. 345p.
VIEIRA, Else Ribeiro Pires; MCGUIRK, B. (Org.). Haroldo de Campos in Conversation. 1ª ed., London: Zoilus Press, 2008. 345p.
VIEIRA, Else Ribeiro Pires. Por uma teoria pós-moderna da tradução. (Tese Doutorado em Estudos Literários). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 1992.
VIEIRA, Else Ribeiro Pires. Haroldo de Campos under the sign of Anthropophagy. In: Bernard McGuirk, Else R. P. Vieira. (Org.). Haroldo de Campos in Conversation. 1ª ed., London: Zoilus Press, 2008, v. , p. 17-33.
VIEIRA, Else Ribeiro Pires. Liberating Calibans: readings of antropofagia and Haroldo de Campos´ poetics of transcreation. In: Susan Bassnett; Harish Trivedi. (Org.). Postcolonialism and Translation. 1ª ed., Londres e Nova Iorque: Routledge, 1998, v. , p. 95-113.
VIEIRA, Else Ribeiro Pires. Translating history and creating an international platform: Haroldo de Campos?s ?o anjo esquerdo da história. In: IX International Abralic Conference, 2008, São Paulo. Proceedings of the Symposium. São Paulo: USP/Abralic, 2008. p. 1-11.

VILAR, Aluízio Jobede Ribeiro. O Pós Utópico em Haroldo de Campos. (Dissertação Mestrado em Literatura). Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 2003.
WAJNBERG, Daisy. O Éden poético de Haroldo de Campos. Noah / Noaj - revista literária (Associación Internacional de Escritores Judios en Lengua Hispana y Portuguesa), v. 16-17, p. 219-230, 2007.
WAJNBERG, Daisy. A viagem de Haroldo de Campos pelo universo da Bíblia hebraica. Revista 18, São Paulo, p. 30 - 33, 10 set. 2007.
WAJNBERG, Daisy. Haroldo de Campos e a Bíblia Hebraica. In: CD-Rom Lugares dos Discursos- X Congresso Internacional ABRALIC,
Rio de Janeiro, 2006.

Carmen de Arruda Campos e Haroldo de Campos. Milão, sem data (anos 70)

"A metáfora não é regida por uma lógica do “terceiro excluído”, mas é uma dissidência camuflada dessa lógica (que se exaspera nas fases maneiristas e barroquistas da literatura), na medida em que, mediante uma “relação de analogia” (katá to análogon), busca a similaridade no dissimilar, produzindo a diferença a contrapelo, sob as espécies do mesmo."
- Haroldo de Campos, em "Ideograma: lógica, poesia, linguagem". São Paulo: Edusp, 2000, p.86.

AMIZADES LITERÁRIAS

Augusto de Campos, Décio Pignatari e Haroldo de Campos
 (1996) - foto: Eduardo Knapp/ Folhapress


Murilo Mendes e Haroldo de Campos - Apartamento de Murilo Mendes na Via 
Del Consolato, 6, Roma), 1975

Max Bense e Haroldo de Campos, em Stuttgart, 1964.  foto: Acervo Carmen Arruda de Campos.

Beatriz Helena Ramos Amaral e Haroldo de Campos - foto (...)

Haroldo de Campos e Joseph Attié – São Paulo, 1985 - foto: (...)

Haroldo de Campos e Tomie Ohtake, (década de 1990)
 
Haroldo de Campos e Charles Bernstein - São Paulo 1987


REVISTA NOIGANDRES
:: Acesse AQUI!



Haroldo de Campos - foto (...)
ACERVO DE HAROLDO DE CAMPOS
O Acervo Haroldo de Campos – abrigado na Casa das Rosas desde a sua doação ao estado de São Paulo, em 2004 – é composto por livros que faziam parte da biblioteca do poeta e por objetos e obras de arte de sua coleção pessoal. Com base nesse conjunto inicial, o acervo vem se ampliando por meio de doações e aquisições.
Integrada por aproximadamente 20 mil volumes, entre livros e periódicos, a Coleção Haroldo de Campos representa um espaço singular de pesquisa. A amplitude de interesse do poeta se espelha na diversidade do conjunto, onde estão representadas 34 línguas e inúmeras literaturas estrangeiras. Os apontamentos de leitura de Haroldo, na forma de grifos, notas marginais e índices remissivos, representam uma valiosa fonte de investigação do processo de leitura e reflexão do poeta.
O Acervo Haroldo de Campos também inclui a Coleção L. C. Vinholes, formada por um significativo conjunto de obras de Poesia Concreta brasileira e de poesia japonesa.
Consultas e pesquisas no acervo:
:: O acervo do poeta está depositado na Casa das Rosas e pode ser consultado pessoalmente, com agendamento prévio.
Casa das Rosas
Avenida Paulista, 37, São Paulo, SP.
de terça a sábado, das 10h00 às 18h00

Outras informações
:: Acesse AQUI!




Haroldo de Campos - foto (...)
OUTRAS FONTES E REFERÊNCIAS DE PESQUISA
:: Enciclopédia Itaú Cultural
:: Alguma Poesia - Carlos Machado 
:: Poesia Concreta
:: Antonio Miranda 1
:: Antonio Miranda - poesia visual 
:: Ubu - web

© Direitos reservados aos herdeiros

© Pesquisa, seleção e organização: Elfi Kürten Fenske


=== === ===

Trabalhos sobre o autor:
Caso, você tenha algum trabalho não citado e queira que ele seja incluído - exemplo: livro, tese, dissertação, ensaio, artigo - envie os dados para o nosso "e-mail de contato", para que possamos incluir as referências do seu trabalho nesta pagina. 


Como citar:
FENSKE, Elfi Kürten (pesquisa, seleção e organização). Haroldo de Campos - transcriações poéticas. Templo Cultural Delfos, fevereiro/2016. Disponível no link. (acessado em .../.../...).
____
** Página atualizada em 26.2.2016.



Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2016 Templo Cultural Delfos

2 comentários:

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!