Stéphane Mallarmé - o poeta e seu tempo

Stéphane Mallarmé, por Pierre-Auguste Renoir (1892)
Stéphane Mallarmé (nome literário de Étienne Mallarmé). Poeta francês. Integrante do movimento simbolista, a sua obra antecipou a sintaxe visual da moderna poesia do século XX.

Na obra de Mallarmé, o lirismo adquiriu crescente densidade, ao mesmo tempo que se tornava mais hermético. Enquanto, como Paul Verlaine e Arthur Rimbaud, dava início assim à melhor vertente do simbolismo, em seus últimos trabalhos o poeta antecipou a sintaxe visual da poesia mais moderna do século XX.

Stéphane Mallarmé nasceu em Paris, em 18 de março de 1842. Publicou os seus primeiros poemas em 1862, após sentir desperta a sua vocação literária pela leitura das obras de Charles Baudelaire e Edgar Allan Poe. No mesmo ano viajou para Londres, a fim de aperfeiçoar os conhecimentos da língua inglesa. De volta, um ano depois, leccionou inglês em várias cidades (Tournon, Besançon, Avignon) e, a partir de 1871, em colégios parisienses. Mallarmé chegou à celebridade de forma repentina, graças a Paul Verlaine e a J. K. Huysmans. O primeiro dedicou-lhe um artigo na obra Les Poètes maudits (1883; Os poetas malditos) e o segundo elogiou-o no romance À rebours (1884; Ao revés). A partir de então, foi reconhecido como um dos poetas mais eminentes da época.

Os textos de Mallarmé provocaram uma polêmica que se projeta até à atualidade, embora a sua obra poética não seja extensa. A sua primeira fase reúne tanto a colaboração no Parnasse Contemporain como uma pequena quantidade de poemas, e a segunda os poemas mais longos e textos herméticos. O poeta traduziu, nessa época, The Raven (O corvo) de Edgar Allan Poe e escreveu alguns poemas em prosa. O poema "Un coup de dès jamais n'abolira le hasard" ("Um lance de dados jamais abolirá o acaso"), publicado em 1897 na revista Cosmopolis, configura uma terceira fase.

Mallarmé criança, por Camille Delagrange
 (pastel, sd.,) -  Acervo Musée Mallarmé
Mallarmé é muitas vezes visto somente como autor dos primeiros poemas simbolistas, publicados em 1866 no Parnasse Contemporain: "Les Fenêtres" ("As janelas"), "L'Azur" ("O azul"), "Brise marine" ("Brisa marinha") e outros, protótipos de um simbolismo melódico, de jogo metafórico quase transparente. Mas já então lançara os germes de uma inversão sintática insólita e, por isso, nem mesmo o Mallarmé dos primeiros poemas foi entendido por grande parte da crítica de orientação parnasiana.

O Parnasse Contemporain publicou ainda, em 1871, a segunda parte do poema dramático "Herodiade", na linha do poeta clássico Racine, apesar das modulações inesperadas. Em 1875, porém, os editores consideraram incompreensível e recusaram o poema "L'Après-midi d'un faune" ("A tarde de um fauno"), que leva a um ponto julgado inadmissível a deliberada inversão da sintaxe. A inversão aprofundou-se ainda mais em outros poemas e alcançou o ponto máximo nos sonetos herméticos, inclusive na série das Homenagens  em que figura o célebre "Tombeau d'Edgar Poe" ("Túmulo de Edgar Poe").

Todos os poemas de Mallarmé representam um esforço para esgotar as formas poéticas tradicionais, até o ponto em que o próximo passo a ser tentado seria a organização de uma nova estrutura poética, independente do legado tradicional. Essa tentativa foi feita no poema dramático em prosa (de publicação póstuma) "Igitur ou La Folie d'Elbehnon". A tentativa foi retomada em "Un coup de dès jamais n'abolira le hasard", que rompe com as estruturas tradicionais da poesia.

O poema estende-se no espaço de uma página dupla, escrito em caracteres variados que sugerem uma leitura múltipla e simultânea, mas não aleatória. Quase toda a moderna discussão crítica em torno de Mallarmé se centraliza nesse poema, a partir do qual a importância de sua obra anterior foi reavaliada. As inovações desse texto exerceram poderosa influência sobre as vanguardas literárias do século XX, em países como Portugal, Estados Unidos, Alemanha e Brasil (concretismo, Praxis, Ptyx, Veredas etc.), especialmente pelo modo como o poeta investiu de função expressiva a utilização dos espaços em branco e dos tipos escolhidos para a impressão, configurando pela primeira vez o que se veio a chamar "sintaxe gráfico-visual".

Stéphane Mallarmé, por Pablo Picasso
(20 abril 1943)
Poucos escritos de Mallarmé foram publicados em livro durante sua vida. A maioria apareceu em revistas ou obras coletivas, como o Parnasse Contemporain. Editaram-se em plaqueta o poema "L'Après-midi d'un faune", ilustrado por Édouard Manet, que inspirou a música homônima de Claude Debussy, e as Poésies (1887). Mallarmé deixou muitos textos em prosa, alguns reunidos em Divagations (1897; Divagações), textos complementares para a sua compreensão como poeta.

Amigo de Verlaine, Rimbaud, Manet e Debussy, Mallarmé tornou-se mestre da nova geração literária (Paul Claudel, André Gide, Paul Valéry). Nas últimas décadas do século XIX, ficou célebre o seu modesto mas requintado salão literário. Durante a maior parte da vida, Mallarmé dividiu o seu tempo entre o círculo literário em Paris e o retiro de Valvins, perto de Fontainebleau, onde morreu, em 9 de setembro de 1898.
___



ŒUVRES (OBRAS)
:: Hérodiade. 1864-1867.
:: Brise Marine. 1865.
:: Don du Poème. 1865.
:: L'Après-midi d'un faune. [ilustration Edouard Manet]. Paris: Alphonse Derenne, 1876
:: Les mots anglais. 1878.
:: Les Dieux antiques. 1880.
:: Pages. 1891.
::  Vers et de prose. 1892.
:: La musique et les letters. Paris: Perrin. 1895.
:: Divagations. 1897.
:: Un coup de dés jamais n'abolira le hazard. 1897.
Oeuvres posthumes
:: Poésies [dont Sonnet en X]. 1899.
:: Madrigaux. 1920.
:: Vers de circonstance. 1920; Vers de circonstance avec des inédits. Paris: Gallimard, 1966. 
::  Igitur ou La Folie d'Elbehnon. 1925.
:: Contes indiens. 1927.
:: Thèmes anglais. 1937.


CORRESPONDANCE (CORRESPONDÊNCIA)
:: Correspondence, I (1862-1871). Stéphane Mallarmé. [recuillie, classé et annotée par Henri Mondor avec la collab. de Jean-Pierre Richard]. Paris: Gallimard, 1959.
:: Correspondance, II (1871-1885). Stéphane Mallarmé.  [édition Henri Mondor et Lloyd James Austin]. Paris: Gallimard, 1965.
::  Correspondance, III (1886-1889). Stéphane Mallarmé. [édition Henri Mondor et Lloyd James Austin]. Paris: Gallimard, 1969.
::  Correspondance,  VI (1893 -1894). Stéphane Mallarmé. [édition Henri Mondor et Lloyd James Austin]. Paris: Gallimard, 1981.
:: Lettres à Méry Laurent. Paris: Gallimard, 1986.
:: Correspondance, Lettres sur la poésie. [éd. Bertrand Marchal; préface dřYves Bonnefoy]. Paris: Gallimard, col. Ŗ Folio-Classiqueŗ (n° 2678), 1995.


ŒUVRES COMPLÈTES (OBRAS REUNIDAS E COMPLETAS)
::  Œuvres complètes. Paris: Plêiade, 1945.
::  Œuvres complètes. 2 tomes. [éd. présentée, établie et annotée par Bertrand Marchal].. . (Colecção Bibliothèque de la plêiade). Paris: Gallimard, 1998.
::  Œuvres complètes. 2 tomes. (Colecção Bibliothèque de la plêiade). Paris: Gallimard, 2003.
:: Correspondance: 1862-1898. Paris: Gallimard, 1959-1985.
:: Mallarmé: par lui-même. [org. Charles Mauron]. Paris: Seuil, 1964.


TRADUCTIONS (TRADUÇÕES REALIZADAS POR MALLARMÉ)
:: Le Corbeau d'Edgar Poe (The Raven). [traduction française de Stéphane Mallarmé avec illustrations par Édouard Manet]. Paris: Éditions Richard Lesclide, 1875.
:: L'Étoile des fees, de Mme W.C. Elphinstone Hope. 1881.
:: Poèmes d'Edgar Poe. 1888.
:: Le Ten o'clock, de James McNeill Whistler. 1888.


"O propósito destas traduções é fazer com que o leitor conviva mais íntima e intensamente com as transformações que Mallarmé operou na linguagem poética. E a esperança é a de que a reflexão sobre essas coisas, que aconteceram há cerca de um século com a linguagem, possa contribuir para a melhoria da produção e do consumo de poesia, no pressuposto de que o conhecimento efetivo do-que-foi-feito é a melhor maneira de nos prepararmos para fazer e entender o-que-não-foi-feito e o-que-se-pode-fazer-de-novo em poesia."
- Augusto de Campos, em "Mallarmé. 3ª ed., São Paulo: Ed. Perspectiva, 1991, p. 29.


PUBLICAÇÕES NO BRASIL
Stéphane Mallarmé, por Edvard Munch
::  Crise do verso. Stéphane Mallarmé. [tradução Ana Alencar]. Inimigo Rumor 20, 2007.
::  Mallarmé. Stéphane Mallarmé. [organização tradução e notas de Augusto de Campos, Décio Pignatari e Haroldo de Campos; revisão: Mary Amazonas Leite de Barros; produção Plínio Martins Filho; Capa Décio Pignatari e Maria Cecília Machado de Barros]. Coleção Signos.  Edição Bilíngue. São Paulo: Perspectiva, 1ª ed., 1974; 2ª ed., 1978; 3ª ed., 1991; 4ª ed., 2002.
:: Brinde fúnebre e outros poemas (de Stéphane Mallarmé). [organização e tradução Julio Cesar Castanon Guimarães]. Rio de Janeiro: 7Letras, 2007. 108p.
:: Mallarmé - Contos indianos. [tradução Dorothée de Bruchard]. São Paulo: Hedra, 2006.
:: Poemas. Stéphane Mallarmé.  [organização, tradução, introdução e notas José Lino Grünewald]. Editora Nova Fronteira, 1990.
:: Poesias de Mallarmé. Stéphane Mallarmé. [seleção e tradução André Dick]. Edição bilíngue. São Paulo: Lume Editor, 2011, 144p.
:: Stéphane Mallarmé: Igitur ou A loucura de Elbehnon. [introdução e tradução José Lino Grünewald]. Edição bilíngue. Rio Janeiro: Nova Fronteira, 1985.
  
Em antologias
:: Pequena antologia de poemas franceses. [tradução Renata Cordeiro]. São Paulo: Landy, 2002.
:: Poesia francesa: pequena antologia bilíngue. [tradução José Jeronymo Rivera]. Brasília: Thesaurus, 1998.
:: Antologia da Poesia Francesa. [tradução Cláudio Veiga]. Rio de Janeiro: Record, 1999.
:: Poetas de França. [tradução Guilherme de Almeida]. 4ª ed., São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1965.



PUBLICAÇÕES EM PORTUGAL
Mallarmé,  por Steve Moyer
:: Contos indianos. Stéphane Mallarmé.  [tradução Telma Costa]. Lisboa: Teorema, 1997.
:: Contos indianos. Stéphane Mallarmé. [prefácio José Manuel de Vasconcelos; tradução José Espadeiro Martins].  1ª ed., Lisboa: Nova vega, 2008.
:: Crise de versos. Stéphane Mallarmé. [tradução e nota de leitura Pedro Eiras, Rosa Maria Martelo]. 1ª ed., Porto: Deriva, 2011.
:: Poemas de Mallarmé lidos por Fernando Pessoa. Stéphane Mallarmé. [tradução e prefácio José Augusto Seabra]. Lisboa: Assirio & Alvim, 1998; 2000.
:: Poesias. Stéphane Mallarmé. [tradução, prefácio e notas de José Augusto Seabra]. Lisboa: Assirio & Alvim, 2005, 192p.
:: Tarde dum Fauno e Um Lance de Dados. Stéphane Mallarmé. [tradução Armando Silva Carvalho]. Lisboa: Relógio D` Água, 2007, 85p.



Cansado do repouso amargo...
(fragmento final)
Uma linha de azul fina e pálida traça 
Um lago, sob o céu de porcelana rara,
Um crescente caído atrás da nuvem clara 
Molha no vidro da água um dos cornos aduncos, 
Junto a três grandes cílios de esmeralda, juncos.
- Stéphane Mallarmé, [tradução Augusto de Campos]. In: “Mallarmé”. [organização tradução e notas de Augusto de Campos, Décio Pignatari e Haroldo de Campos]. Coleção signos. Edição Bilíngue. São Paulo: Perspectiva, 1991, p. 37.


Las de l'amer repos...
(fragment final)
Une ligne d'azur mince et pâle serait
Un lac, parmi le ciel de porcelaine nue,
Un clair croissant perdu par une blanche nue
Trempe sa corne calme en la glace des eaux,
Non loin de trois grands cils d'émeraude, roseaux.
- Stéphane Mallarmé (1864)


Stéphane Mallarmé, por Édouard Manet (1876)

POEMAS ESCOLHIDOS - BILÍNGUE PORTUGUÊS/FRANCÊS

Angústia
Não venho, não, vencer esta noite o teu corpo
Animal, pecador por todo um povo, nem
Em tuas tranças cavar, impuras, tristes ondas
Sob o tédio mortal derramado num beijo:

No teu leito o que busco é um sonho sem sonhos
Perpassando por sob cortinas de remorsos,
E que podes gozar em mentiras medonhas,
Tu que sabes do nada ainda mais que os mortos:

Porque o Vício, a roer minha nobreza inata,
Marcou-me como tu com a esterilidade,
Mas enquanto em pedra o teu seio é talhado

Cheio de um coração que nenhum crime mancha,
Eu fujo, angustiado, da mortalha que é minha,
Com medo de morrer quando durmo sozinho.
- Stéphane Mallarmé, em "Poesias". [tradução, prefácio e notas de José Augusto Seabra]. Lisboa: Assirio & Alvim, 2005.


Angoisse
Je ne viens pas ce soir vaincre ton corps, ô bête
En qui vont les péchés d’un peuple, ni creuser
Dans tes cheveux impurs une triste tempête
Sous l’incurable ennui que verse mon baiser :

Je demande à ton lit le lourd sommeil sans songes
Planant sous les rideaux inconnus du remords,
Et que tu peux goûter après tes noirs mensonges,
Toi qui sur le néant en sais plus que les morts :

Car le Vice, rongeant ma native noblesse,
M’a comme toi marqué de sa stérilité,
Mais tandis que ton sein de pierre est habité

Par un cœur que la dent d’aucun crime ne blesse,
Je fuis, pâle, défait, hanté par mon linceul,
Ayant peur de mourir lorsque je couche seul.
- Stéphane Mallarmé


Aparição
A lua estava triste. Arcanjos sonhadores
Em pranto, o arco nas mãos, no sossego das flores
Aéreas, vinham tirar de evanescentes violas
Alvos ais resvalando entre o azul das corolas.
- Era o dia feliz do teu primeiro beijo.
Para me torturar meu sonho, meu desejo
Embriagavam-se bem do perfume de queixa
Que mesmo sem remorso e sem motivo deixa,
No coração que o colhe, a colheita de um sonho.

Eu ia à toa, o olhar no chão velho e tristonho,
Quando, trazendo nos cabelos um sol lindo,
Na alameda e na tarde apareceste rindo.
E eu julguei ver, com seu chapéu de luz, a fada
Que nos meus sonhos bons de criança mimada
Sempre deixou nevar dentre as mãos mal fechadas
Punhados celestiais de estrelas perfumadas.
- Mallarmé [tradução Guilherme de Almeida]. In: ALMEIDA, Guilherme de. Poetas de França. 4ª ed., São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1965.


Apparition
La lune s'attristait. Des séraphins en pleurs
Rêvant, l'archet aux doigts, dans le calme des fleurs
Vaporeuses, tiraient de mourantes violes
De blancs sanglots glissant sur l'azur des corolles.
- C'était le jour béni de ton premier baiser.
Ma songerie aimant à me martyriser
S'enivrait savamment du parfum de tristesse
Que même sans regret et sans déboire laisse
La cueillaison d'un Rêve au coeur qui l'a cueilli.
J'errais donc, l'oeil rivé sur le pavé vieilli
Quand avec du soleil aux cheveux, dans la rue
Et dans le soir, tu m'es en riant apparue
Et j'ai cru voir la fée au chapeau de clarté
Qui jadis sur mes beaux sommeils d'enfant gâté
Passait, laissant toujours de ses mains mal fermées
Neiger de blancs bouquets d'étoiles parfumées.
- Stéphane Mallarmé


A tumba de Edgar Poe
Tal que a Si-mesmo enfim a Eternidade o guia, 
Poeta suscita com o gládio erguido 
Seu século espantado por não ter sabido 
Que nessa estranha voz a morte se insurgia! 

Vil sobressalto de hidra ante o anjo que urgia 
Um sentido mais puro às palavras da tribo, 
Proclamaram bem alto o sortilégio atribuído 
à onda sem honra de uma negra orgia. 

Do solo e céu hostis, ó dor! Se o que descrevo - 
A idéia sob - não esculpir baixo-relevo 
Que ao túmulo de Poe luminescente indique, 

Calmo bloco caído de um desastre obscuro, 
Que este granito ao menos seja eterno dique 
Aos vôos da Blasfêmia esparsos no futuro.
- Stéphane Mallarmé, [tradução Augusto de Campos]. In: “Mallarmé”. (organização tradução e notas de Augusto de Campos, Décio Pignatari e Haroldo de Campos). Coleção signos. Edição Bilíngue. São Paulo: Perspectiva, 3ª ed., 1991, p. 67.


Le tombeau d'Edgar Poe
Tel qu'en Lui-même enfin l'éternité le change,
Le Poète suscite avec un glaive nu
Son siècle épouvanté de n'avoir pas connu
Que la mort triomphait dans cette voix étrange!

Eux, comme un vil sursaut d'hydre oyant jadis l'ange
Donner un sens plus pur aux mots de la tribu,
Proclamèrent très haut le sortilège bu
Dans le flot sans honneur de quelque noir mélange.

Du sol et de la nue hostiles, ô grief!
Si notre idée avec ne sculpte un bas-relief
Dont la tombe de Poe éblouissante s'orne

Calme bloc ici-bas chu d'un désastre obscur
Que ce granit du moins montre à jamais sa borne
Aux noirs vols du Blasphème épars dans le futur.
- Stéphane Mallarmé. in: Poésies (1864-1895).

Stephane Mallarme, por James McNeill Whistler
(Brooklyn Museum)

Brinde

Nada, esta espuma, virgem verso
Apenas denotando a taça;
Como longe afogam-se em massa
Sereias em tropa ao inverso

Navegamos, ó meus diversos
Amigos, eu já sobre a popa,
Vós a proa que rompe em pompa
As vagas de trovões adversos.

Empenho-me em pura voragem
sem mesmo temer a arfagem
A, de pé, este brinde erguer:

Solitude, recife, estrela,
Não importa o que valer
O alvo desvelo em nossa vela

- Stéphane Mallarmé, em “Poemas”. [organização e tradução José Lino Grünewald]. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1990.


Salut
Rien, cette écume, vierge vers 
À ne désigner que la coupe; 
Telle loin se noie une troupe 
De sirènes mainte à l'envers. 

Nous naviguons, ô mes divers 
Amis, moi déjà sur la poupe 
Vous l'avant fastueux qui coupe 
Le flot de foudres et d'hivers; 

Une ivresse belle m'engage 
Sans craindre même son tangage 
De porter debout ce salut 

Solitude, récif, étoile 
À n'importe ce qui valut 
Le blanc souci de notre toile.
- Stéphane Mallarmé


Brisa marinha
A carne é triste, sim, e eu li todos os livros.
Fugir! Fugir! Sinto que os pássaros são livres,
Ébrios de se entregar à espuma e aos céus imensos.
Nada, nem os jardins dentro do olhar suspensos,
Impede o coração de submergir no mar
Ó noites! nem a luz deserta a iluminar
Este papel vazio com seu branco anseio,
Nem a jovem mulher que preme o filho ao seio.
Eu partirei! Vapor a balouçar nas vagas,
Ergue a âncora em prol das mais estranhas plagas!

Um Tédio, desolado por cruéis silêncios,
Ainda crê no derradeiro adeus dos lenços!
E é possível que os mastros, entre ondas más,
Rompam-se ao vento sobre os náufragos, sem mas-
Tros, sem mastros, nem ilhas férteis a vogar...
Mas, ó meu peito, ouve a canção que vem do mar!
- Stéphane Mallarmé, [tradução Augusto de Campos]. In: “Mallarmé”. (organização tradução e notas de Augusto de Campos, Décio Pignatari e Haroldo de Campos). Coleção signos. Edição Bilíngue. São Paulo: Perspectiva, 3ª ed., 1991, p. 44.


Brisa marinha
Triste carne, ai de mim! Já li os livros todos.
Fugir! Longe fugir! As aves sinto a modos
De ser ébrias de espuma entre o mistério e os céus!
Nada, nem os jardins espelhados nos meus
Olhos, o coração retém quase afogado,
Ó noites! nem da lâmpada a ausente claridade
No branco do papel que o vazio rejeita
E nem a jovem mãe que ao peito o filho aleita.
Hei-de partir! Veleiro a mastrear, tu, larga
As amarras, demanda outra exótica plaga!

Um Tédio, desolado por esperanças cruéis,

Crê ainda nos lenços molhados dos adeus!
E talvez que esses mastros atraindo os presságios
Sejam dos que o tufão verga sobre os naufrágios
Perdidos, já sem mastros, em estéreis ilhéus...
Mas os marujos cantam, ouve, coração meu!
- Stéphane Mallarmé. in: Poemas de Mallarmé lidos por Fernando Pessoa. [tradução e prefácio José Augusto Seabra]. Lisboa: Assirio & Alvim, 1998.


Brise marine
La chair est triste, hélas! et j´ai lu tous les livres.
Fuir! là-bas fuir ! Je sens que des oiseaux sont ivres
D´être parmi l´écume inconnue et les cieux!
Rien, ni les vieux jardins reflétés par les yeux
Ne retriendra ce coeur qui dans la mer se trempe
O nuits ! ni la clarté déserte de ma lampe
Sur le vide papier que la blancheur défend
Et ni la jeune femme allaitant son enfant.
Je partirai ! Steamer balançant ta mâture,
Lève l´ancre pour une exotique nature!

Un Ennui, désolé par les cruels espoirs,
Croit encore à l´adieu suprême des mouchoirs!
Et, peut-être, les mâts, invitant les orages
Sont-ils de ceux qu´un vent penche sur les naufrages
Perdus, sans mâts, sans mâts, ni fertiles îlots...
Mais, ô mon coeur, entends le chant des matelots!
- Stéphane Mallarmé.  in: Poésies (1864-1895).


Folha de álbum
Stéphane Mallarmé, por JB
De repente e como por jogo
Mademoiselle que declaras
Querer despertar um pouco
O som de minhas flautas raras

Este ensaio que já começa
A uma paisagem anteposto
Só se resolve quando cessa
para te olhar em pleno rosto

Sim o vão sopro que sofreio
Até o último limite
Em meus dedos dormidos sei-o
Escasso para que ele imite

Tão claro e natural a soar
Teu riso em flor que abraça o ar.
- Stéphane Mallarmé, [tradução Augusto de Campos]. In: “Mallarmé”. (organização tradução e notas de Augusto de Campos, Décio Pignatari e Haroldo de Campos). Coleção signos. Edição Bilíngue. São Paulo: Perspectiva, 3ª ed., 1991, p. 53.


Feuillet d'album
Tout à coup et comme par jeu
Mademoiselle qui voulûtes
Ouïr se révéler un peu
Le bois de mes diverses flûtes

Il me semble que cet essai
Tenté devant un paysage
A du bon quand je le cessai
Pour vous regarder au visage

Oui ce vain souffle que j'exclus
Jusqu'à la dernière limite
Selon mes quelques doigts perclus
Manque de moyens s'il imite

Votre très naturel et clair
Rire d'enfant qui charme l'air
- Stéphane Mallarmé (1890). in: Poésies (1864-1895).


Langor
Eu sou o Império no fim da decadência,
Que olha passar os grandes Bárbaros brancos
Compondo acrósticos indolentes
Num estilo de ouro onde o langor do sol dança.

A alma solitária sofre no coração de um denso tédio.
Além se diz que é por causa de grandes combates sangrentos
Oh não ser capaz disso, sendo tão frágil, de votos tão lentos,
Oh não querer florir um pouco esta existência!

Oh não querer, oh não poder morrer um pouco! Ah! tudo foi bebido!
Bathylle, terminaste de rir? Ah! tudo foi bebido,
tudo foi comido! Nada mais a dizer!

Somente um poema um pouco simplório que se lança ao fogo,
Somente um escravo um pouco libertino que vos negligencia,
Somente um tédio por não se saber o que vos aflige!
- Mallarmé, em "O Simbolismo". [tradução Álvaro Cardoso Gomes]. Série Princípios 240, São Paulo: Ática, 1994, p.11-12.



Langueur
Je suis l’empire à la fin de la décadence,
Qui regarde passer les grands Barbares blancs
En composant des acrostiches indolents
D’un style d’or où la langueur du soleil danse.

L’âme suellete a mal au coeur d’un ennui dense.
Là-bas on dit qu’il est des longs combats sanglants.
O n’y pouvoir, étant si faible aux voeux si lents,
O n’y vouloir fleurir un peu cette existence!

O n’y vouloir, ô n’y pouvoir mourrir un peu!
Ah! tout est bu! Bathylle, as-tu fini de rire?
Ah! tout est bu, tout est mangé! Plus rien à dire.

Seul, un poème um peu niais, qu’on jette au feu,
Seul, un esclave um peu coureur qui vous néglige,
Seul, un ennui d’on ne sait quoi qui vous afflige!
- Mallarmé




O azul
De um infinito azul a serena ironia
Bela indolentemente abala como as flores
O poeta incapaz que maldiz a poesia
No estéril areal de um deserto de Dores.

Em fuga, olhos fechados, sinto-o que espreita,
Com toda a intensidade de um remorso aceso,
A minha alma vazia. Onde fugir? Que estreita
Noite, andrajos, opor a seu feroz desprezo?

Vinde, névoas! Lançai a cerração de sono
Sobre o límpido céu, num farrapo noturno,
Que afogarão os lodos lívidos do outono,
E edificai um grande teto taciturno.

E tu, ó Tédio, sai dos pântanos profundos
Da desmemória, unindo o limo aos juncos suaves,
Para tapar com dedos ágeis esses fundos
Furos de azul que vão fazendo no ar as aves.

Que sem descaso, enfim, as tristes chaminés
Façam subir de fumo uma turva corrente
E apaguem no pavor de seus torvos anéis
O sol que vai morrendo amareladamente!

- O Céu é morto. - Vem e concede, ó matéria,
O olvido do Ideal cruel e do Pecado
A um mártir que adotou o leito da miséria
Ao rebanho feliz dos homens reservado,

Pois quero, desde que meu cérebro vazio,
Como um pote de creme inerme ao pé de um muro,
Já não sabe adornar a idéia-desafio,
Lúgubre bocejar até o final obscuro...

Em vão. O azul triunfa e canta em glória
Dentro dos sinos. Sim, faz-se voz para sus-
Pender-nos no terror de sua vil vitória,
Rompendo o metal vivo em angelus de luz!

Ele rola na bruma, antigo, lentamente
Galga tua agonia e como um gládio a sul-
Cá. Onde fugir? Revolta pérfida e impotente.
O Azul! O Azul! O Azul! O Azul! O Azul! O Azul!
- Stéphane Mallarmé, [tradução Augusto de Campos]. In: “Mallarmé”. (organização tradução e notas de Augusto de Campos, Décio Pignatari e Haroldo de Campos). Coleção signos. Edição Bilíngue. São Paulo: Perspectiva, 3ª ed., 1991, p. 41-43.



L’Azur
De l’éternel Azur la sereine ironie
Accable, belle indolemment comme les fleurs
Le poëte impuissant qui maudit son génie
À travers un désert stérile de douleurs.

Fuyant, les yeux fermés, je le sens qui regarde
Avec l’intensité d’un remords atterrant,
Mon âme vide : où fuir ? et quelle nuit hagarde
Jeter, lambeaux, jeter sur ce mépris navrant.

Brouillards, montez ! versez vos cendres monotones
Avec de longs haillons de brumes dans les cieux
Que noiera le marais livide des automnes,
Et bâtissez un grand plafond silencieux!

Et toi, sors des étangs léthéens et ramasse
En t’en venant la vase et les pâles roseaux,
Cher Ennui, pour boucher d’une main jamais lasse
Les grands trous bleus que font méchamment les oiseaux.

Encor ! que sans répit les tristes cheminées
Fument, et que de suie une errante prison
Éteigne dans l’horreur de ses noires traînées
Le soleil se mourant jaunâtre, à l’horizon!

— Le ciel est mort. — Vers toi, j’accours! donne, ô matière,
L’oubli de l’Idéal cruel et du Péché
À ce martyr qui vient partager la litière
Où le bétail heureux des hommes est couché,

Car j’y veux, puisqu’enfin ma cervelle, vidée
Comme le pot de fard gisant au pied d’un mur,
N’a plus l’art d’attiffer la sanglotante idée
Lugubrement baîller vers un trépas obscur…

En vain ! l’Azur triomphe et je l’entends qui chante
Dans les cloches. Mon âme, il se fait voix pour plus
Nous faire peur avec sa victoire méchante,
Et du métal vivant sort en bleus angelus!

Il roule par la brume ancien et traverse
Ta native agonie ainsi qu’un glaive sûr :
Où fuir dans la révolte inutile et perverse ?
Je suis hanté. L’Azur! l’Azur! l’Azur! l’Azur!
- Stéphane Mallarmé. in: Poésies (1864-1895).



O sineiro
Stéphane Mallarmé by David Levine
Embora o sino acorde uma voz que ressoa
Clara no ar puro e limpo e fundo da manhã
E desperta, infantil, uma outra voz que entoa
Um angelus por entre a alfazema e a hortelã,

O sineiro evocado à clave da ave, irmão
Sinistro cavalgando, a gemer sua loa,
A pedra que distende a corda em sua mão,
Só ouve retinir um som vago que ecoa.

Esse homem sou eu. Dentro da noite louca
Agrada-me puxar a corda do Ideal,
De pecados se alegra a plumagem leal

E a minha voz vem aos pedaços e oca!
Mas um dia cansado deste afã obscuro,
Ó Satã, eu roubo esta pedra e me penduro
- Stéphane Mallarmé, [tradução Augusto de Campos]. In: “Mallarmé”. (organização tradução e notas de Augusto de Campos, Décio Pignatari e Haroldo de Campos). Coleção signos. Edição Bilíngue. São Paulo: Perspectiva, 3ª ed., 1991, p 39.


Le sonneur
Cependant que la cloche éveille sa voix claire
A l’air pur et limpide et profond du matin
Et passe sur l’enfant qui jette pour lui plaire
Un angélus parmi la lavande et le thym,

Le sonneur effleuré par l’oiseau qu’il éclaire,
Chevauchant tristement en geignant du latin
Sur la pierre qui tend la corde séculaire,
N’entend descendre à lui qu’un tintement lointain.

Je suis cet homme. Hélas! de la nuit désireuse,
J’ai beau tirer le câble à sonner l’idéal,
De froids péchés s’ébat un plumage feal,

Et la voix ne me vient que par bribes et creuse!
Mais, un jour, fatigué d’avoir en vain tiré,
O Satan, j’ôterai la pierre et me pendrai
- Stéphane Mallarmé. in: Poésies (1864-1895).


Pequena ária
I
Alguém uma solitude
Sem o cisne e sem o cais
Mira sua dessuetude
No olhar que já não é mais

Illustration Henri Matisse, in the book Poésies by Stéphane Mallarmé
(Lausanne- Albert Skira et Cie, 1932)
Aqui onde a glória finge
Alta que ninguém a tange
Da qual muito céu se tinge
Nos ouros que o sono abrange

Mas languidamente linda
Como livre de alva anágua
Exultadora deslinda

Na onda em que te Insinua
Tua jubilação nua.

II
Indomavelmente vai
Se a minha esperança a aspira
Soar lá no alto onde cai
Perdida em silêncio e ira,

Voz rara ao jardim que a via
Sem nenhum eco talvez,
A ave que uma vez havia
E não se ouve outra vez.

O músico sem receio
Na dúvida perde a vida
Se, não do seu, do meu seio
Sai o ai da despedida

Dilacerado e sem eco
Vai recolher-se a algum beco!
- Stéphane Mallarmé, [tradução Augusto de Campos]. In: “Mallarmé”. (organização tradução e notas de Augusto de Campos, Décio Pignatari e Haroldo de Campos). Coleção signos. Edição Bilíngue. São Paulo: Perspectiva, 3ª ed., 1991, p. 59-60.


Petit air
I
Quelconque une solitude
Sans le cygne ni le quai
Mire sa désuétude
Au regard que j'abdiquai

Ici de la gloriole
Haute à ne la pas toucher
Dont maint ciel se bariole
Avec les ors de coucher

Mais langoureusement longe
Comme de blanc linge ôté
Tel fugace oiseau si plonge
Exultatrice à côté

Dans l'onde toi devenue
Ta jubilation nue

II
Indomptablement a dû
Comme mon espoir s'y lance
Eclater là-haut perdu
Avec furie et silence,

Voix étrangère au bosquet
Ou par nul écho suivie,
L'oiseau qu'on n'ouït jamais
Une autre fois en la vie.

Le hagard musicien,
Cela dans le doute expire
Si de mon sein pas du sien
A jailli le sanglot pire

Déchiré va-t-il entier
Rester sur quelque sentier!
- Stéphane Mallarmé. in: Poésies (1864-1895).


Primavera
A primavera enferma expulsou sem clemência
O inverno lúcido, estação de arte serena,
E no meu ser, que ao sangue obscuro se condena,
Num longo bocejar se espreguiça a impotência.

Crepúsculos sem cor amornam-me a cabeça,
Velha tumba que cinge um círculo de ferro,
E, amargo, atrás de um sonho vago e belo eu erro
Pelos trigais, onde se exibe a seiva espessa.

Exausto, eu tombo enfim entre árvores e olores,
E, cavando uma fossa para o sonho, a boca
Mordendo a terra quente onde germinam flores,

Espero que o meu tédio, aos poucos, vá-se embora…
— Porém, do alto, o Azul ri sobre a revoada louca
Dos pássaros em flor que gorjeiam à aurora.
- Stéphane Mallarmé, [tradução Augusto de Campos]. In: “Poesia da Recusa”. [organização tradução e notas de Augusto de Campos]. Coleção signos 42. Edição Bilíngue. São Paulo: Perspectiva, 2006, p. 42-43.

ou

Renovo
Doentia, a primavera expulsou tristemente
O inverno, a estação da arte calma, o lúcido
Inverno, e este meu ser que um sangue morno inunda
De impotência se estira em um bocejo lento.

O meu crânio amolece em crepúsculos brancos
Sob o ferro em tenaz, como um túmulo antigo,
E eu, triste, eis-me a errar pelos campos seguindo
Um sonho belo e vago, entre a seiva estuante,

Depois cedo ao odor das árvores, cansado,
Com a face a cavar uma fossa ao meu sonho,
E mordendo os torrões onde nascem lilases,

Aguardo, a abismar-me, o meu tédio a evolar-se...
- Entretanto o Azul, sobre a cebe e o alvor,
Ri das aves em flor ao sol a chilrear.
- Stéphane Mallarmé, em "Poesias". [tradução, prefácio e notas de José Augusto Seabra]. Lisboa: Assirio & Alvim, 2005.


Renouveau
Le printemps maladif a chassé tristement
L’hiver, saison de l’art serein, l’hiver lucide,
Et dans mon être à qui le sang morne préside
L’impuissance s’étire en un long baîllement.

Des crépuscules blancs tiédissent sous mon crâne
Qu’un cercle de fer serre ainsi qu’un vieux tombeau,
Et, triste, j’erre après un rêve vague et beau,
Par les champs où la sève immense se pavane.

Puis je tombe énervé de parfums d’arbres, las,
Et creusant de ma face une fosse à mon rêve,
Mordant la terre chaude où poussent les lilas,

J’attends, en m’abîmant que mon ennui s’élève…
— Cependant l’Azur rit sur la haie et l’éveil
De tant d’oiseaux en fleur gazouillant au soleil.
- Stéphane Mallarmé (1866). in: Poésies (1864-1895).


Renouveau, de Stéphane Mallarmé
  
Santa
Numa janela vigilante
O sândalo que se desdoura
De sua viola cintilante
Outrora com flauta ou mandora,

A Santa pálida perante
O velho livro que se escoa
Do Magnificat evolante
Outrora em vésperas e noa:

Na vidraria de ostensório
Que a harpa noturna do Anjo plange
Das suas asas de velório
Para a delicada falange

Com que sem sândalo afinal
E sem velho livro ela vence o, 
à plumagem instrumental,
Som, a música do silêncio
- Stéphane Mallarmé (1884), [tradução Augusto de Campos]. In: “Mallarmé”. (organização tradução e notas de Augusto de Campos, Décio Pignatari, Décio e Haroldo de Campos). Coleção signos. Edição Bilíngue. São Paulo: Perspectiva, 3ª ed., 1991, p.47.


Sainte
À la fenêtre recelant
Le santal vieux qui se dédore
De sa viole étincelant
Jadis avec flûte ou mandore,

Est la Sainte pâle, étalant
Le livre vieux qui se déplie
Du Magnificat ruisselant
Jadis selon vêpre et complie :

À ce vitrage d’ostensoir
Que frôle une harpe par l’Ange
Formée avec son vol du soir
Pour la délicate phalange

Du doigt que, sans le vieux santal
Ni le vieux livre, elle balance
Sur le plumage instrumental,
Musicienne du silence.
- Stéphane Mallarmé (1865). in: Poésies (1864-1895).


Soneto
II
Surgido da garupa e do salto
De um vidro efêmero,
Sem adornar a vigília amarga,
O colo ignorado se interrompe.

Creio que duas bocas não beberam,
Nem seu amante nem minha mãe,
Jamais à mesma Quimera, eu,
Silfo deste gélido teto!

O puro recipiente de bebida alguma
Senão da viuvez incansável,
Agoniza mas não consente,

Ingênuo beijo dos mais fúnebres!
A nada expirar anunciando
Uma rosa nas trevas.
- Stéphane Mallarmé. [tradução Augusto de Campos].


Sonnet
II 
Surgi de la croupe et du bond 
D’une verrerie éphémère 
Sans fleurir la veillée amère 
Le col ignoré s’interrompt. 

Je crois bien que deux bouches n’ont 
Bu, ni son amant ni ma mère, 
Jamais à la même Chimère, 
Moi, sylphe de ce froid plafond! 

Le pur vase d’aucun breuvage 
Que l’inexhaustible veuvage 
Agonise mais ne consent, 

Naïf baiser des plus funèbres! 
A rien expirer annonçant 
Une rose dans les ténèbres.
- Stéphane Mallarmé (1887)


Maurice Ravel. Trois poèmes de Stéphane Mallarmé



O FAUNO DE MALLARMÉ               
Tridução do poema A tarde de verão de um fauno (L’Après-midi d’un faune) por Décio Pignatari. Acesse AQUI!

FORTUNA CRÍTICA DE STÉPHANE MALLARMÉ
[bibliografia e estudos acadêmicos sobre Mallarmé: livros, teses, dissertações, monografias, artigos e ensaios]
ABES, Gilles Jean. Uma tradução de Crise de verso de Mallarmé: a ótica do enigma como símbolo do texto literário.. Tradterm, v. 16, p. 149-174, 2010.
AGOSTINHO, Larissa Drigo. A poesia de S. Mallarmé. Acta Scientiarum. Language and Culture (Impresso), v. 33, p. 31-38, 2011.
AGOSTINHO, Larissa Drigo. De la page blanche à la musique: Mallarmé et l'écriture du silence. Logosphère - Reuve d'études linguistiques et littéraires (Universidad de Granada), v. 5, p. 1-12, 2009.
Mallarmé Stéphane - foto: Dornac (BnF-Gallica)
AGOSTINHO, Larissa Drigo. Les Notes sur le langage de S. Mallarmé. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade de Paris-Sorbonne IV, UP IV, França, 2008.
AGOSTINHO, Larissa Drigo. Mallarmé e o fazer poético. Revista todas as letras (MACKENZIE. Online), v. 11, p. 49-56, 2009.
AGOSTINHO, Larissa Drigo. O espaço na poesia de S. Mallarmé. Revista Letras (Curitiba), v. 78, p. 71-84, 2009.
AGOSTINHO, Larissa Drigo. O jovem Mallarmé. Alea: Estudos Neolatinos (Impresso), v. v.10, p. 369-373, 2008. Disponível no link. (acessado em 26.7.2014).
AGOSTINHO, Larissa Drigo. O livro e o jornal: da relação entre literatura e sociedade segundo S. Mallarmé. Lettres Francaises (UNESP Araraquara), v. 11, p. 93-107, 2010.
AGOSTINHO, Larissa Drigo; PINO,. Mallarmé e Manet, simbolismo e impressionismo. Publicatio UEPG. Ciências Humanas, Ciências Socias Aplicadas, Linguística, Letras e Artes (Online), v. 15, p. 12, 2007.
ALCOLOUMBRE, Thierry. Mallarmé: la poétique du théâtre et de l'écriture. Paris: Minard, 1995.
ALMEIDA, Guilherme. Poetas de França. 4ª ed., São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1965.
ANDALÓ, Maria Lucia de Barros Camargo. Língua e sociedade - uma leitura da Teoria da Poesia Concreta. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 1982. Disponível no link. (acessado em 26.7.2014).
ATIK, Maria Luiza Guarnieri. O Legado de Mallarmé no Concretismo Brasileiro. Educação & Linguagem, São Paulo, v. 1, p. 195-208, 2000.
ATIK, Maria Luiza Guarnieri. O Legado de Mallarmé no Concretismo Brasileiro.. In: Congresso Literatura y Fin (es) de Siglo, 2000, Córdoba. Anais do Congresso Literatura y Fin (es) de Siglo. Córdoba/ARG: Congresso Literatura y Fin (es) de Siglo, 2000. v. 1. p. 217-227.
BANDEIRA, Manuel. O centenário de Stéphane Mallarmé. In: ____. Poesia e prosa. Rio de Janeiro: Aguilar, Tomo 2., p. 1216-1232, 1958.
BARROSO, Ivo (Org.). "O corvo" e suas traduções. Edgar Allan Poe. Rio de Janeiro: Lacerda, 1998.
BELLET, Roger. Mallarmé - L´encre et le ciel. Seyssel: Champ Vallon, 1987.
BÉNICHOU, Paul. Selon MallarméParis: Galliamard, 1995.
BENJAMIN, Walter. Um lance de dados, de Mallarmé. (Un coup de dés)...  [tradução Flavio René Kothe; Haroldo de Campos]. In: Mallarmé, São Paulo: Perspectiva, 1974.
BENOIT, Eric. Les Poésies de Mallarmé. Paris: Ellipses, 1998.
BENTO, Sérgio Guilherme. "Mallarmé Bashô": a tradução-apropriação como via para o silêncio. Cadernos de Literatura em Tradução, v. 9, p. 57-66, 2008.
BENTO, Sérgio Guilherme. A literatura gestáltica: uma abordagem verbivocovisual em 'Um lance de dados'. Revista Eutomia, v. 1, p. 434-457, 2008.
BENTO, Sérgio Guilherme. A tradução ideogrâmica: a palavra-valise na transcriação de 'Um lance de dados´. Todas as letras - revista de língua e literatura, v. 10, p. 140-147, 2008.
BENTO, Sérgio Guilherme. O co-relato Mallarmé / Haroldo de Campos: o mito moderno em "Um lance de dados". (Dissertação Mestrado em Literatura e Crítica Literária). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 2008. Disponível no link.  e link. (acessado em 26.7.2014).
BERSANI, L.. La mort parfaite de Stéphane Mallarmé. [tradução de Isabelle Châtelet]. Paris: Epel, 2008.
BIRD, Edward A.. L'Univers poétique de Stéphane Mallarmé. Paris: A.-G. Nizet, 1962, 224p.
BISMUTH, Serge. Manet et Mallarmé: Vers un art improbable. Paris: L’Harmattan, 2002, 271p.
BITTENCOURT, Rita Lenira de Freitas. Signo, cisne, sereia: notas sobre o (des)encontro em Mallarmé e Blanchot. Letras de Hoje (Impresso), v. 48, p. 232-336, 2013.
BONETTI, Marco Antonio de Carvalho. Multimídia: uma janela de acesso ao céu dos signos de Mallarmé. 1ª ed., Recife: Ed. da UFPE, 2005. v. 1. 106p.
BORGES, Eveline de Buarque. L´Après-midi d´un Faune- do teatro ao livro do livro ao teatro. (Tese Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 1997.
Stephane Mallarmé - foto: Jacob Benayoune
BRITTO, Ludmila da Silva Ribeiro de . De Mallarmé a Vicente do Rego Monteiro: a Poesia Visual na Obra de Paulo Bruscky. In: 18º Encontro da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas, 2009, Salvador, Bahia. Anais 2009 ANPAP, 2009. p. 2127-2141.
CABRAL, Maria de Jesus Reis. Mallarmé hors frontières: des défis de l’œuvre au filon symbolique du premier théâtre maeterlinckien. Amsterdão, Nova Iorque: Rodopi, 2007. 
CABRAL, Maria de Jesus Reis. Mallarmé, Maeterlinck e o "Princípio invisível" do drama. Máthesis. Viseu. Nº 20 (2011), p. 155-176. Disponível no link. (acessado em 29.7.2014).
CABRAL, Maria de Jesus Reis. Mallarmé, Maeterlinck. un théâtre dřentre-deuxŗ. Les Cahiers Stéphane Mallarmé, 4. Oxford.: Peter Lang, 2007. 5-46.
CABRAL, Maria de Jesus Reis. Stéphane Mallarmé, um moderno clássico – notas sobre Erechtheus. Tragédie par Swinburne” (1876). Máthesis. Nº 14, 2005, p. 169-187. Disponível no link. (acessado em 29.7.2014).
CABRAL, Maria de Jesus. Stéphane Mallarmé, um moderno clássico – notas sobre “Erechtheus. Tragédie par Swinburne” (1876). Mathesis, 14  2005 p. 169-187. Disponível no link. (acessado em 26.7.2014).
CAMPOS, Haroldo. Da tradução como criação e como crítica. In: ____. Metalinguagem. São Paulo: Cultrix, p. 21-38, 1976.
CAMPOS, Haroldo. Das estruturas dissipatórias à constelação: a transcriação do lance de dados de Mallarmé. In: COSTA, Luiz Angélico da (Org.). Limites da traduzibilidade. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 1996. p.29-39.
CAMPOS, Haroldo. Preliminares a uma traducão do Coup de Dés de Stéphane Mallarmé. In: CAMPOS, Augusto de.; PIGNATARI, Décio; CAMPOS, Haroldo. Mallarmé. São Paulo: Perspectiva, 1991. p.119-147.
CARPEAUX, Otto Maria Carpeaux. Situação de Mallarmé. In: ____. Origens e fins.  Rio de Janeiro: Casa do Estudante do Brasil, p. 64-74, 1943.
CARREIRA, Luiz Augusto Antunes Netto. O Teatro Teórico nas divagações de Mallarmé. (Dissertação Mestrado em Literatura). Universidade de Brasília, UNB, 2005.
COSTA, Virgilio Pereira da Silva. Baudelaire e Mallarme Traduzidos Por Dante Milano. Rio de Janeiro: Boca da Noite, 1989.
DAHLET, Patrick Alfred. Le fin mot et la contingence du fil: Brise Marine, MallarméRevue de Littérature Comparée (Paris), v. 1, p. 73-84, 1995.
DE LANNOY, Pauline; TERRASSE, Antoine; TETART-VITTU, Françoise; YOSANO, Fumi. Velours et Guipure, Mallarmé et La Dernière Mode. Vulaines-sur-Seine, Musée départemental Stéphane Mallarmé, 2003, 63p.
DICK, André Henrique. Constelação, silêncio, melancolia: a quase-arte de Mallarmé. (Tese Doutorado em Literatura Comparada). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, 2007.
DICK, André Henrique. O desafio de traduzir Mallarmé. Entrevista com Júlio Castañon Guimarães. Revista IHU On-Line, São Leopoldo, p. 28 - 31, 31 mar. 2008.
DICK, André Henrique. Un coup de dés: o testamento do espaço mallarmeano. (Dissertação Mestrado em Literatura Comparada). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, 2002.
DINIZ, Davidson de Oliveira. A conceitualidade do livro em literatura. Desmesuras da página em Novalis, Mallarmé e Borges. (Tese Doutorado em Literatura Comparada). Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Letras, UFMG, 2014.
DUJARDIN, Edouard. Mallarmé par l'un des siens. Paris: Messein, 1936.
EYBEN, Piero Luis Zanetti. Escritura do retorno: Mallarmé, Joyce e Meta-signo. 1ª ed., Vinhedo, SP: Horizonte, 2012. v. 1. 760p.
EYBEN, Piero Luis Zanetti. Escriturização: gramática e sistêmica do meta-signo (Mallarmé, e depois).. (Dissertação Mestrado em Literatura). Universidade de Brasília, UNB, 2005.
EYBEN, Piero Luis Zanetti. Nóstos-escritura: meta-signo em Mallarmé e Joyce. (Tese Doutorado em Literatura). Universidade de Brasília, UNB, 2008.
FAJARDO, Luís Cláudio Costa. Le Livre e o Sintext: A Simulação do Sonho de Mallarmé através da poética digital de Pedro Barbosa. (Dissertação Mestrado em Tecnologias da Inteligência e Design Digital). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 2009.
FALEIROS, Álvaro Silveira. (Org.). Um lance de dados de Mallarmé. 1ª ed., São Paulo: Ateliê Editorial, 2013. v. 1. 104p.
FALEIROS, Álvaro Silveira. 'Appariton' de Mallarmé no Brasil. Graphos (João Pessoa), v. 13, p. 1, 2011. Disponível no link. (acessado em 27.7.2014).
FALEIROS, Álvaro Silveira. Pignatari tridutor de Mallarmé. In: Álvaro Faleiros; Adriana Zavaglia; Alain Mouzat. (Org.). A tradução de obras francesas no Brasil. São Paulo: Annablume, 2011, v. , p. 137-146.
Stéphane Mallarmé - foto: Nadar
FALEIROS, Álvaro Silveira. Retraduzir O Sineiro de Stephane Mallarmé. Tradterm, v. 12, p. 193-204, 2006. Disponível no link. (acessado em 26.7.2014).
FALEIROS, Álvaro Silveira. Romantismo, Modernidade e as poéticas de Baudelaire e Mallarmé. Lettres Francaises (UNESP Araraquara), v. 10, p. 93-100, 2009.
FALEIROS, Álvaro Silveira. Salut: a modernidade de Mallarmé em tradução. Traduzires, v. 1, p. 21-30, 2012.
FALEIROS, Álvaro Silveira. Tradição e invenção da rima nas traduções de Mallarmé por Augusto de Campos. Revista da ANPOLL (Impresso), v. 23, p. 61-70, 2007.
FALEIROS, Álvaro Silveira. Três mallarmés: traduções brasileiras. Aletria (UFMG), v. 22, p. 17-31, 2012.
FALEIROS, Álvaro Silveira. Um lance de dados: contrapontos à sinfonia Haroldiana. Revista de Letras, São Paulo, v.47, n.1, p.11-30, jan./jun. 2007. Disponível no link. (acessado em 26.7.2014).
FALEIROS, Álvaro. Approches textuelles pour la traduction du poème au Brésil. Montreal, TTR XIX/2, 2006.
FALEIROS, Álvaro. Três Mallarmés - traduções brasileiras. ALETRIA, nº 1 - v. 22, jan.-abr. 2012. Disponível no link. (acessado em 31.7.2014).
FARIA, Zênia de. Mallarmé e o Universo da Leitura. (Tese Doutorado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 1995.
FARIA, Zênia de. Mallarmé: concepções de leitura.. In: Reinaldo Marques. (Org.). Limiares Críticos. Belo Horizonte: Autêntica, 1998, v. , p. 227-242.
FARIA, Zênia de. Sobre a noção de texto difícil: o caso de Mallarmé. Signótica Revista do Mestrado Em Letras e Lingüística, CEGRAF/UFG: Goiânia, v. 06, p. 131-146, 1994.
FARIA, Zênia de. Sobre Mallarmé e as artes. Literatura e Sociedade (USP), USP: São Paulo, v. 2, p. 100-108, 1997.
FARIA, Zênia de. Sobre Mallarmé e os paratextos. Signótica, CEGRAF/UFG:Goiânia, v. 9, p. 213-229, 1997.
FAWAZ, Edson Hanna. Interfaces Culturais. De Mallarmé à World Wide Web. (Dissertação Mestrado em Comunicação). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, 2005.
FERNANDES, Mariana Patrício. O enigma de Herodiade: repensar a relação entre dança e lnguagem pela experiência de Stéphane Mallarmé. Palavra: SESC Literatura em Revista, v. 5, p. 63-72, 2013.
FIKER, Raul. Mallarmé não é Salinger. Leia, São Paulo, , v. 142, p. 40 - 40, 6 set. 1990.
FONTAINAS, Adrienne; SARDA, Marie-Anne. Edmond Deman, éditeur de Mallarmé Vulaines-sur-SeineMusée départemental Stéphane Mallarmé, 1999, 23p.
FONTES, Joaquim Brasil. Os anos de exílio do jovem Mallarmé. São Paulo: Ateliê, 2007.
FOWLIE, Wallace. Mallarmé, ill. by Henri MatisseLondon: D. Dobson, 1953, 299p.
FURTADO, Fernando Fábio Fiorese. Poesia e máquina: sob o signo de Mallarmé. Verbo de Minas: Letras (Impresso), v. 9, p. 49-56, 2010.
GENGOUX, Jacques. Le Symbolisme de Mallarmé. Paris: A.-G. Nizet, 1950, 269 p.
GILL, Austin. "Mallarmé": "La vie et les oeuvres". Paris: Nizet, 1975, 135-167.
GODET, Rita Olivieri. Mallarmé, forjador de poetas. Suplemento Cultural do Jornal A Tarde, p. 2 - 3, 26 set. 1998.
GUBERNIKOFF, Carole. Pierre Boulez - Pli selon pli, Improvisação I sobre Mallarmé. Opus (Porto Alegre), Rio de Janeiro, v. 4, p. 4-26, 1997.
Stephane Mallarmé - foto: Nadarr
GUIMARÃES, Júlio Castañon. Presença de Mallarmé no Brasil. In: ____. Reescritas e esboços. Rio de Janeiro: Topbooks, p. 9-53, 2010.
GUIMARAES, Julio Cesar Castanon (Org.). Brinde fúnebre e outros poemas (de Stéphane Mallarmé). Rio de Janeiro: 7Letras, 2007. 108p.
GUIMARAES, Julio Cesar Castanon. Mallarmé em traduções. Escritos (Fundação Casa de Rui Barbosa), v. 4, p. 369-377, 2010.
HOMENAGEM a Vasco da Gama: Stéphane Mallarmé, Holderlin, Fernando Pessoa.  Lisboa: Assírio e Alvim: Fundação Oriente 1998.
JARVINEN, H.. Fans, Fawns and Fauns: ballet Stardom, Dancing Genius and the Queer Afterlife of Vaslav Nijinsky. University of Helsinki, 2007.
JOUBEAUX, Hervé; DOTAL, Christiane. Au temps de Mallarmé le FauneVulaines-sur-Seine, Musée départemental Stéphane Mallarmé, 2004, 120p.
JUSTINO, Luciano Barbosa. Mallarmé/Campos: o exílio e o retorno dos signos. In: Sudha Swarnakar. (Org.). Tecidos Metafóricos. João Pessoa: Idéia, 2003, v. , p. 123-140.
KEMPINSKA, Olga Donata Guerizoli.  Mallarmé e Cézanne: obras em crise. 1ª ed., Rio de Janeiro: Nau, 2011. v. 1. 113p.
KEMPINSKA, Olga Donata Guerizoli. Os impasses da interpretação. O papel do silêncio na recepção da obra poética de Mallarmé e da pintura de Cézanne. (Tese Doutorado em História Social da Cultura). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, 2008.
KOTHE, Flavio René. O Un coup de dés de Mallarmé. (Tradução). São Paulo: Editora Perspectiva, 1974.
LAIA, Sergio Augusto Chagas de. Filosofia e poesia: Badiou, leitor de Mallarmé. Plural (USP), FCH/FUMEC Belo Horizonte, 1994.
LEAL, Paula Glenadel. Mallarmé, no presenteIn: André Dick. (Org.). Paideuma. 1ª ed., São Paulo: Risco Editorial, 2010, v. 1, p. 75-94.
LLOYDRosemary. Selected letters of Stéphane Mallarmé. Chicago: The University of Chicago Press, 1988.
LLOYD, Rosemary. Mallarmé: the poet and his circle. Ithaca e Londres: Cornell University Press, 1999.
MACHADO, Carlos. Poesia em metamorfose. Implicações éticas na exégese e reescrita literárias. Actas del II Congreso Internacional de la Asociación Ibérica de Estudios de Traducción e Interpretación.Disponível no link. (acessado em 28.7.2014).
MAGRI, Ieda. Frases que saltam à vista - sobre o "poema crítico" de Mallarmé. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. L3 - L3, 26 maio 2010.
MARCHAL, Bertrand. La Religion de Mallarmé. Poésie, mythologie et religion. Paris: José Corti, 1988, 600p.
MARINO, Adriana Simões. Prelúdio à tarde de um fauno: sobre o sujeito como insistência. Psicanálise & Barroco em revista v.11, n.1:186-201, jul.2013. Disponível no link. (acessado em 30.7.2014).
MARQUES NETO, Pedro. Mallarmé vs. Mário de Andrade: dois assaltos à música. In: MATOS, Cláudia Neiva de; TRAVASSOS, Elizabeth; MEDEIROS, Fernanda Teixeira de.. (Org.). Palavra cantada: ensaios sobre poesia, música e voz. 1ª ed., Rio de Janeiro: 7Letras / Faperj, 2008, v. , p. 298-306.
MARTINS, Liana Carreira. "Constelações de nervos" - correspondência e crise em Stéphane Mallarmé. In: X Coloquio de Letras Neolatinas, 2010, Rio de Janeiro. Anais do X COLOQUIO DE LETRAS NEOLATINAS. Rio de Janeiro: UFRJ, 2010. v. 1. p. 01-02.
MARTINS, Liana Carreira. “Do azul ao branco”: Mallarmé e as constelações da crise. (Dissertação Mestrado em Letras Noelatinas). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 2011. Disponível no link. (acessado em 30.7.2014).
Stéphane Mallarmé - foto: Paul Nadar em 1896
MARTINS, Liana Carreira. A reflexão sobre a linguagem na "Correspondência" de Stéphane Mallarmé. In: IX Coloquio de Letras Neolatinas, 2009, Rio de Janeiro. Anais do IX COLOQUIO DE LETRAS NEOLATINAS. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009. v. 1. p. 1-2.
MATANGRANO, Bruno Anselmi. Camilo Pessanha revisitado: o 'Verlaine Português' à luz de Mallarmé. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 2013.
MAUCLAIR, Camille. Mallarmé chez lui. Paris: Grasset, 1935, 100p.
MAURON, Charles. Mallarmé l'obscur. Paris: Denoël, 1941, XXIII-199p.
MAURON, Charles. Mallarmé par lui-même. Paris: Ed. du Seuil, 1964, 189p.
MEDEIROS, Sérgio. Caso exemplar de possessão: a pós-modernização de Mallarmé. Cadernos de Literatura em Tradução, n. 9, p. 9-15. Disponível no link. (acessado em 30.7.2014).
MEHOUDAR, Rosie. A desaparição do autor ao longo dos esboços de Igitur, de Mallarmé.. Manuscrítica (São Paulo), v. 16, p. 25-40, 2008.
MEHOUDAR, Rosie. Crítica genética e intertextualidade em Igitur, de Mallarmé. In: Claudia Amigo Pino. (Org.). Criação em debate. 1ª ed., São Paulo: Humanitas, 2007, v. , p. 193-214.
MEHOUDAR, Rosie. Dos textos de juventude a Igitur: a geração do descontínuo em Mallarmé. (Tese Doutorado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 2004.
MEHOUDAR, Rosie. Linguagem e subjetividade nos Contos Indianos de Stéphane Mallarmé. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 1999.
MEHOUDAR, Rosie. Linguagem e Subjetividade nos Contos Indianos de S. Mallarme. In: Fronteiras da Criacão - VI Encontro Internacional de Pesquisadores do Manuscrito, 2000, São Paulo. Fronteiras da Criação - VI Encontro Internacional de Pesquisadores do Manuscrito. Sao Paulo: Fapesp e Annablume, 2000. p. 222-225.
MEHOUDAR, Rosie. Negação e inversão em S. Mallarmé. In: Congresso Internacional da Associação de Pesquisadores em Crítica Genética, 2012, Porto Alegre. Edição X (2012) - Materialidade e Virtualidade no Processo de Criação. Porto Alegre: ediPUCRG, 2010. p. 443-452.
MEITINGER, Serge. Stéphane Mallarmé. Paris: Hachette, 1995, 279p.
MESCHONNIC, Henri. Oralité, clarté de Mallarmé. Europe (Stéphane Mallarmé), n. 825-826, 1998.
MILANO, Dante. Poemas traduzidos de Baudelaire e Mallarmé. Rio de Janeiro: Boca da Noite, 1988.
MICHAUD, Guy. Mallarmé: L'homme et l'œuvre. Paris: Hatier-Boivin, 1953, 192p.
MILLAN, Gordon. Les “Mardis” de Stéphane Mallarmé. Mythes et réalités, Saint-Genouph, Librairie Nizet, 2008, 129p.
MONDOR, Henri. Histoire d'un Faune: avec un état inédit de L'Après-midi d'un faune. Paris: Gallimard, 1948, 284p.
MONDOR, Henri. L'Amitié de Verlaine et Mallarmé. Paris: Gallimard, 1940, 274p.
MONDOR, Henri. Mallarmé plus intime. Paris: Gallimard, 1947, 250p.
MONDOR, Henri. Vie de Mallarmé. Paris: Gallimard, 1950, 827p.
NASCIMENTO, Evando Batista. Entrelivros: Haroldo de Campos, Mallarmé e os limites da experiência de vanguarda. Cerrados (UnB. Impresso), v. 21, p. 49-72, 2012. Disponível no link. (acessado em 26.7.2014).
NECTOUX, Jean-Michel. L’Après-midi d’un faune : Mallarmé, Debussy, Nijinski. Paris: Réunion des Musées Nationaux, 1989, 64p.
NECTOUX, Jean-Michel. Mallarmé, un clair regard dans les ténèbres. Peinture, musique, poésie. Paris: Société nouvelle Adam Biro, 1998, 239p.
NICOLAS, Henry. Mallarmé et le symbolisme. Paris: Larousse, 1964.
OLIVEIRA, Eduardo Jorge de. Ler, reler Mallarmé. Estado de Minas, Caderno Pensar, p. 5, 26 jun. 2010.
PAES, José Paulo. A tradução literária no Brasil. in: Tradução: a ponte necessária. São Paulo: Ática, 1990, p. 9-32.
PAIVA, Roberta Kelly. O "Fauno" de Mallarmé e o mito de Pã e Siringe: olhares cruzados. Inventário (Universidade Federal da Bahia. Online), v. 7, p. 1-15, 2009.
PAIVA, Roberta Kelly. Sintonias entre as artes: a figura do fauno da Antiguidade para a Modernidade em L'Après-midi d'un faune, via Mallarmé, Manet e Nijinsky. (Dissertação Mestrado em Estudos Literários). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2010. Disponível no link. (acessado em 26.7.2014).
Stephane Mallarmé - foto: Paul Marsan (Dornac)
PANEX, Bernadette. Mallarmé, magritte, broodthaers: jogos entre palavra, imagem e objeto. ARS (São Paulo) vol. 4 - nº 8, São Paulo, 2006. Disponível no link. (acessado em 30.7.2014).
PAZ, Octavio. Stéphane Mallarmé: o Soneto em IX. in: Signos em Rotação. [tradução Sebastião Uchoa Leite]. São Paulo: perspectiva, 1972.
PERINI, Ruy. O grande lance de Mallarmé. Diário Boletim da Ebp Es, Vitória, ES, v. 3, n.1, p. 10-13, 2001.
PIEDADE, Acácio Tadeu de Camargo. A longa tarde de um fauno. Anais do XIX Seminário de Iniciação Científica. Disponível no link. (acessado em 31.7.2014).
PUSCHEL, Raul de Souza. Intransitividade e transitividade: Mallarmé, Drummond, Cabral. (Dissertação Mestrado em Comunicação e Semiótica). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 1994.
PUSCHEL, Raul de Souza. Mallarmé: a poesia sob o signo do estilhaçamento. Itinerarios (UNESP. Araraquara), v. 26, p. 81-97, 2008.
RANCIÉRE, Jacques. Mallarmé: La politique de la sirene. Paris: Hachette, 1996.
REBELO, Diva Valente. O fascínio das janelas na poesia de Mallarmé. (Tese Doutorado em Letras Modernas). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, FFLC/USP, 2005.
RIBAS, Maria Cristina Cardoso. A coreografia poética de `L`après-midi d`un faune`, de Mallarmé.. In: Ciclo de Estudos Literários, 1994, Rio de Janeiro. Ciclo de Estudos Literários - Tirando os trabalhos da gaveta.... Rio de Janeiro: Editora da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1994. v. 1. p. 201-230.
RICHARD, Jean-Pierre. L´univers imaginaire de MallarméParis: Seuil, 1961.
RIVERA, José Jeronymo Rivera. Poesia francesa: pequena antologia bilíngue. Brasília: Thesaurus, 1998.
SARDA, Marie-Anne. Bonnard, Vuillard, Mallarmé. Vulaines-sur-Seine, Musée départemental Stéphane Mallarmé, 2000, 72p.
SARDA, Marie-Anne. Stéphane Mallarmé à Valvins. Livret du visiteur, Vulaines-sur-Seine, Musée départemental Stéphane Mallarmé, 1995, 55p.
SARDA, Marie-Anne. Un après-midi avec Mallarmé et GauguinVulaines-sur-Seine, Musée départemental Stéphane Mallarmé, 1996, 40p.
SARDA, Marie-Anne; LECOURT, Vincent; KUDIELKA, Susanne; JOSEPH, Branden B.. Matisse et Mallarmé. Vulaines-sur-Seine, Musée départemental Stéphane Mallarmé, 2002, 159p.
SCHEIBE, Fernando. A escritura bailarina - Nota sobre a tradução das Divagations de Stéphane Mallarmé. In: JALLA Brasil 2010 - IX Jornadas Andinas de Literatura Latino-Americana, 2010, Niterói. Anais do JALLA Brasil 2010. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2010. v. 1. p. 717-720.
SCHEIBE, Fernando. Mallarmé Educador. In: XI Simpósio Nacional e I Simpósio Internacional de Letras e Lingüística (XI SILEL)., 2008, Uberlândia. Múltiplas Perspectivas em Linguística, 2008. p. 1193-1202.
SCHEIBE, Fernando. Sobre mallarmé, vontade de jogo. In: SCRAMIM, Susana; LINK, Daniel e MORICONI, Italo (orgs.). (Org.). Teoria, poesia, crítica. 1ª ed., Rio de Janeiro: 7Letras, 2012, v. , p. 37-.
SCHERER, Jacques. Le « Livre » de Mallarmé. Premières recherches sur des documents inédits. Paris: Gallimard, 1957.
SEABRA, José Augusto. Pessoa, leitor de Mallarmé.  prefácio a Stéphane Mallarmé, Poemas lidos por Fernando Pessoa. Lisboa: Assírio & Alvim, 1998.
SILVA, Débora Cristina Santos e.. "Un Coup de Dés: do Caos ao Cosmo -A Poética Desconstrutora de Mallarmé". Educação & Mudança, Anápolis -GO, v. 9, p. 109-118, 2002.
SILVA, Maria Luiza Berwanger da. Paisagens, constelações e limiares críticos ( Presença de S. Mallarmé na poesia de Manuel Bandeira). In: Seminário Internacional: Culturas, Contextos, Discursos, 1999, Porto Alegre. Culturas, contextos e discursos. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 1999. v. 1. p. 68-74.
SILVA, Tatiana Barbosa da. Espaço e escritura em Mallarmé e Perec: confluências. REEL – Revista Eletrônica de Estudos Literários, Vitória, s. 2, ano 8, n. 11, 2012. Disponível no link. (acessado em 29.7.2014).
SISCAR, Marcos Antonio. O túnel, o poeta e seu palácio de vidro. In: Fernando Scheibe (Tradutor). (Org.). Divagações, de Stéphane Mallarmé. Florianópolis: UFSC, 2010, v. , p. -.
SISCAR, Marcos Antonio. Traduzir Mallarmé é o lance de dados. In: Alvaro Faleiros; Adriana Zavaglia; Alain Mouzart. (Org.). A Tradução de Obras Francesas no Brasil. São Paulo: Annablume, 2011, v. , p. 115-126.
SLOTE, Sam. The silence in progress of Dante, Mallarmé, and JoyceNova York: Peter Lang, 1999.
SOUZA, Fábio Monteiro de. A imagem, timbre e textura no Prélude à L après-Midi d un Faune sob a ótica do poema homônimo de Stéphane Mallarmé. (Dissertação Mestrado em Música). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 2014.
STEINMETZ, Jean-Luc. Stéphane Mallarmé: L’absolu au jour le jourParis: Fayard, 1998, 616p.
STROPARO, Sandra Mara. Traduzindo as cartas de Stéphane MallarméAnais do X Encontro Nacional de Tradutores & IV Encontro Internacional de Tradutores. ABRAPT-UFOP, Ouro Preto, de 7 a 10 de setembro de 2009. Disponível no link. (acessado em 30.7.2014).
STROPARO, Sandra Mara. Cartas de Mallarmé: leitura, crítica e tradução. (Tese Doutorado em Literatura). Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 2012.
Stephane Mallarmé - foto: Nadar
STROPARO, Sandra Mara. Edgar Alan Poe na França e nas Cartas de Stéphane Mallarmé. Tradução em Revista (Online), v. 2010/0, p. 1-17, 2010. Disponível no link. (acessado em 1.8.2014).
STROPARO, Sandra Mara. Mallarmé e o teatro: rápidos comentários sobre uma relação importante. qorpus, v. 006, p. SN-SN, 2012.
STROPARO, Sandra Mara. Mallarmé no Brasil. Revista Letras (UFSM) online, v. 23, p. 175-202, 2013. Disponível no link. (acessado em 29.7.2014).
STROPARO, Sandra Mara. O caminho do silêncio: Mallarmé e Blanchot. Letras de Hoje (Online), v. 48, p. 191-198, 2013.
STROPARO, Sandra Mara. O estranhamento em Mallarmé. In: XII Congresso Internacional da Associação Brasileira de literatura Comparada, 2011, Curitiba. Anais do XII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada, 2011. p. 1-17.
STROPARO, Sandra Mara. O exílio e a viagem para dentro e para fora de si: a invenção da impessoalidade em Mallarmé. Estação Literária, v. 10C, p. 39-54, 2013.
STROPARO, Sandra Mara. O silêncio como afirmação em Mallarmé. In: XI Congresso Internacional da ABRALIC, 2008, São Paulo. Anais do XI Congresso Internacional da ABRALIC, 2008. Disponível no link. (acessado em 25.7.2014).
STROPARO, Sandra Mara. Stephane Mallarmé: cartas sobre literatura. Tradução em Revista (Online), v. 2010/0, p. 18-65, 2010.
SUMIYA, Cleia da Rocha; CUSTÓDIO, J. S.. Sertão de Linguagem: Rosa, Mallarmé, Heidegger. In: I Seminário de Poéticas Orais: Vozes, Performances e Sonoridades, 2010, Londrina. Anais do I Seminário de Poéticas Orais: Vozes, Performances e Sonoridades, 2010. v. 1. p. 94-108.
TAVARES, Enéias Farias; WERNER, Juliana de Abreu. A Arte Poética como Dança: A Imagem da Dançarina nos Escritos de Mallarmé e na poesia de Cabral. Itinerarios (UNESP. Araraquara), v. 31, p. 145-160, 2011.
TONETO, Diana Junkes Bueno Martha. Discurso constelar e contingência: a pregnância de Mallarmé. CASA (Araraquara), v. 9, p. 1-20, 2011.
VALÉRY, Paul. Ecrits divers sur Stéphane Mallarmé. Paris: Gallimard, 1950, 158p.
VASCONCELOS, Mauricio Salles. Visita de Mallarmé a Brasilia. Tempo Brasileiro, São Paulo, v. 69, p. 10-18, 1982.
VEIGA, Cláudio Veiga. A tradução da poesia francesa no Brasil. In: ____. Antologia da poesia francesa. Rio de Janeiro: Record, p. 435-462, 1999.
VERAS, Eduardo Horta Nassif. Alphonsus de Guimarens e o construtivismo poético de Stéphane Mallarmé. In: Silva, Rogério Barbosa da; Oliveira, Silvana Maria Pessôa de; Moreira, Wagner. (Org.). Escritos sobre poesia. Belo Horizonte: Scriptum, 2011, v. , p. 189-199.
VIALA, Alain (dir.). Le Théâtre en France, des origines à nos jours. Paris: P.U.F., 1997.

Auguste Renoir e Stéphane Mallarmé, por Edgar Degas (1895)

Stéphane Mallarmé e Méry Laurent, por Paul Nadar (1896)

Geneviève Mallarmé (1897), por James McNeill Whistler
(The Charles Deering Collection, 1927)
- filha de Mallarmé -


Fotografia de Mallarmé
é uma foto
premeditada
como um crime

basta
reparar no arranjo
das roupas os cabelos
a barba tudo
adrede preparado
- um gesto e a manta
equilibrada sobre
Stéphane Mallarmé, por Paul Nadar (1896)
os ombros
cairá - e
especialmente a mão
com a caneta
detida
acima da
folha em branco: tudo
à espera
da eternidade

sabe-se:
após o clique
a cena se desfez
na rue de Rome a vida voltou
a fluir imperfeita
mas
isso a foto não
captou que a foto
é a pose a suspensão
do tempo
agora
meras manchas
no papel rastro

mas eis que
teu olhar
encontra o dele
(Mallarmé) que
ali
do fundo
da morte
olha.
- Ferreira Gullar, em "Muitas vozes", 1999.

Stephane Mallarmé - à Paris rue de Rome en 1884


OBRA NA BIBLIOTECA NACIONAL DA FRANÇA
:: BnF - Bibliothèque nationale de France = Gallica / Stephane Mallarme  e obras completas no link. Disponível no link. (acessado em 26.7.2014).

- "Au-dessus du bétail écœurant des humains,
Bondissaient par instants les sauvages crinières
Des mendieurs d’azur le pied dans nos chemins."
- Mallarmé, Le Guignon (extrait)


MUSÉE STÉPHANE MALLARMÉ

- "Las de l’amer repos où ma paresse offense
Une gloire pour qui jadis j’ai fui l’enfance
Adorable des bois de roses sous l’azur
Stephane Mallarme, por Paul Gauguin (1891)
Naturel, et plus las sept fois du pacte dur
De creuser par veillée une fosse nouvelle
Dans le terrain avare et froid de ma cervelle,"
- Mallarmé, "Las de l’amer repos" (extrait)


EDITORA FRANCESA


- "Des avalanches d’or du vieil azur, au jour
Premier et de la neige éternelle des astres
Jadis tu détachas les grands calices pour
La terre jeune encore et vierge de désastres,"
- Mallarmé, Les Fleurs (extrait)


FANPAGE DEDICADO A LITERATURA FRANCESA (BILÍNGUE)
:: Literatura francesa / Littérature française


REFERÊNCIAS E OUTRAS FONTES DE PESQUISA

© A obra de Stéphane Mallarmé é de domínio público

© Pesquisa, seleção e organização: Elfi Kürten Fenske

=== === ===
Trabalhos sobre o autor:
Caso, você tenha algum trabalho não citado e queira que ele seja incluído - exemplo: livro, tese, dissertação, ensaio, artigo - envie os dados para o nosso "e-mail de contato", para que possamos incluir as referências do seu trabalho nesta pagina. 

Como citar:
FENSKE, Elfi Kürten (pesquisa, seleção e organização). Stéphane Mallarmé - o poeta e seu tempo. Templo Cultural Delfos, agosto/2014. Disponível no link. (acessado em .../.../...).
____
Página atualizada: 17.1.2016.


Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2016 Templo Cultural Delfos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!