Adalgisa Nery - entre as letras e a política

Adalgisa Nery, 1956.
"As portas do meu ser, lentamente, se abrem e despejam na imobilidade da noite todas as imagens que participaram dos meus erros e dos meus acertos ocasionais. Elas se levantam impiedosas, confabulam, discutem a minha pessoa humana, apalpam as minhas carnes sofridas, fazem perguntas irrespondíveis e depois largam-me desunida de mim mesma. Num trágico sentido de matéria desprezível, no fundo do meu raciocínio há qualquer obstáculo intransponível que me impede fixar se esse desterro, em que estou jogada, é oriundo de alguma palavra, gesto recente ou remoto. Numa paralisação completa sinto o movimento das raízes da minha origem procurando alcançar o meu pensamento. O vigor da vontade sobre a integridade dos meus sentidos se esfacela na luta de analisar os vagos traços de ligação na soma de experiências, erros e ímpetos mal distribuídos durante a minha vida, que, afinal, está resumida apenas numa simples contagem de anos. [...]"
- Adalgisa Nery, ‘trecho’ do romance “A imaginária”, 1957.

Adalgisa Maria Feliciana Noel Cancela Ferreira (Rio de Janeiro, 29 de outubro de 1905 — Rio de Janeiro, 7 de junho de 1980). Poeta, romancista, contista, jornalista e política. Desde a infância Adalgisa demonstra forte sensibilidade poética associada a episódios marcantes de sua vida, como a perda da mãe, aos 8 anos. Em 1922, casa-se com o pintor Ismael Nery (1900 - 1934) e toma contato com a vida intelectual brasileira. Entre 1927 e 1929, Adalgisa e Nery vivem na Europa e conhecem artistas de vanguarda internacionais. Torna-se viúva em 1934 e começa a trabalhar no Conselho de Comércio Exterior do Itamaraty. Incentivada por amigos como o poeta Murilo Mendes (1901 - 1975), publica sua primeira obra, Poemas, em 1937.

Adalgisa e o Artista, por Ismael Nery, 1930.
 [Coleção Nemirowsky ]
Em 1940 casa-se com o jornalista Lourival Fontes (1899 - 1967), diretor do Departamento de Imprensa e Propaganda da ditadura de Getúlio Vargas (1882 - 1954). Entre 1940 e 1945, acompanha o marido em missão diplomática pelo Canadá e Estados Unidos. Em seguida, muda-se para o México, onde Fontes se torna embaixador. Convive com artistas mexicanos como os pintores Diego Rivera (1886 - 1957) e José Orozco (1883 - 1949), pelos quais é retratada. Em 1952 torna-se a primeira mulher a receber a Ordem da Águia Asteca, por suas conferências sobre a poeta mexicana Juana Inés de la Cruz (1651? - 1695).

No ano seguinte, o editor francês Pierre Seghers (1906 - 1987) traduz e publica uma coletânea de poemas de Adalgisa em Paris. Ainda em 1953, a escritora separa-se do marido e começa a tecer comentários políticos na coluna Retrato sem Retoque do jornal Última Hora. Jornalista combativa, é eleita deputada em 1960, pela legenda do Partido Socialista Brasileiro (PSB), mas, devido ao golpe militar, sua coluna no jornal é censurada e seus direitos políticos cassados. Sem recursos próprios, Adalgisa muda-se para a casa do filho mais novo, o artista plástico Emmanuel Nery (1931 - 2003). Em 1976, interna-se por espontânea vontade em uma clínica geriátrica no Rio de Janeiro, onde falece, em 1980.

Comentário crítico
Apesar de acompanhar de perto o movimento modernista nas décadas de 1920 e 1930, sendo musa de artistas plásticos e escritores, o primeiro livro de Adalgisa Nery só é publicado em 1937, com o título Poemas. Este e o livro seguinte, a Mulher Ausente, de 1940, levam a autora a ter sua obra comparada, pelo poeta Manuel Bandeira, à obra da poeta grega Safo de Lesbos (século VII a.C.), pelo erotismo libertário, e do poeta português Antero de Quental (1842 - 1891), pelo tom trágico.

Retrato Adalgisa Nery, por Cândido Portinari, 1937
Nesses poemas, Adalgisa reflete sobre a condição da mulher em um mundo machista, tema até então inédito na literatura brasileira. Influenciada por algumas correntes das artes plásticas, a autora recorre a imagens utópicas, ora de um passado distante, ora de um futuro sonhado, para se contrapor ao presente. Por isso, alguns críticos definem sua poesia como "uma palpitação mística" que enfrenta a vida cotidiana. Essa característica torna-se mais evidente nos livros seguintes, sobretudo em As Fronteiras da Quarta Dimensão, de 1952, considerado pela própria autora como sua obra mais apurada e amadurecida.

Paralelamente à sua obra poética, quase toda reunida em Mundos Oscilantes, de 1962, Adalgisa escreve dois volumes de contos e dois romances. Seu maior sucesso editorial, o romance A Imaginária, de 1959, é interpretado como uma autobiografia sobre seu conturbado casamento com o pintor Ismael Nery (1900 - 1934). Além disso, entre 1953 e 1966, Adalgisa mantém uma intensa produção jornalística através do Retrato sem Retoque, coluna diária sobre política no jornal Última Hora.

Nos anos 1960, a autora dedica-se à militância política e não publica nenhuma obra inédita. Em 1972, publica o romance Neblina, dedicado ao apresentador de televisão Flávio Cavalcanti (1923 - 1986). A dedicatória é malvista por artistas e críticos, uma vez que o apresentador é simpatizante da ditadura militar, o que prejudica a divulgação da obra. Desmotivada, Adalgisa lança sua última obra no ano seguinte: o volume de poemas intitulado Erosão.


"Cada um de nós tem as suas recordações, os seus pontos fixos na memória, e não é justo que recusem as minhas lembranças. A verdade de cada um não pode ser transferida, negada nem subestimada, pois dela formamos a nossa vida, nosso ambiente e sabemos o motivo das nossas reações. Negar uma recordação é um abuso e uma fraqueza."
- Adalgisa Nery, ‘trecho’ do romance “A imaginária”, 1957.
  

OBRA DE ADALGISA NERY
Retrato Adalgisa Nery, por Cândido Portinari, 1937.
Poesia
Poemas. [Livro de estreia da autora],1ª ed., Rio de Janeiro: Pongetti, 1937, 88 p.
A Mulher Ausente. [capa de Santa Rosa e seis ilustrações de Portinari], 1ª ed., Rio de Janeiro: José Olympio, 1946, 151p.
Ar do Deserto. [Capa de Santa Rosa], 1ª ed., Rio de Janeiro: José Olympio, 1948, 88p.
Cantos da Angústia. [Capa de Santa Rosa], 1ª ed., Rio de Janeiro: José Olympio, 1948, 141p. As Fronteiras da Quarta Dimensão. 1ª ed., [Capa de Santa Rosa], Rio de Janeiro: José Olympio, 1952.
Poemas. 1ª ed., Rio de Janeiro, 1960, 28 p.
Mundos Oscilantes. [Poesias completas], 1ª ed., Rio de Janeiro: José Olympio, 1962, 324 p.
Erosão. [Ilustrações de Ryne], 1ª ed., Rio de Janeiro: José Olympio, 1973.


Auto-Retrato com Adalgisa , de Ismael Nery
-  s/data [Coleção Particular]
Contos
Og. 1ª ed., [Capa de Santa Rosa], Rio de Janeiro: José Olympio, 1943.
22 menos 1. 1ª ed., Rio de Janeiro: Editora Expressão e Cultura,  1972.


Crônicas
Retrato sem Retoque. 1ª ed., [Capa de Eugênio Hirsch], Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966, 167p.


Romance
A Imaginária. 1ª ed., [Capa de Portinari], Rio de Janeiro: José Olympio, 1959, 255p.
Neblina. 1ª ed., Rio de Janeiro: José Olympio, 1972, 135 p.


"A vida em todas as suas manifestações de alegrias e dores é a forma, a encarnação de uma coisa que desconhecemos. Sentimos sempre que essa forma é frágil e incerta, mas há também em nós um receio quase infantil de desaparecer sem deixar um vago traço."
- Adalgisa Nery, ‘trecho’ do romance “A imaginária”, 1957.


Publicações no exterior
França
Au-delà de toi (Coletânea de poemas), de Adalgisa Nery. [traduzido e editado por Pierre Seghers], Paris: Éditions Seghers, 1952, 32 p.


Entrevista
Entrevista com Adalgisa Nery. O Pasquim, Rio de Janeiro, p.14-15,11 a 17 mar.1971.


TRADUÇÕES
O Jardim das Caricias. [The Garden of Caresses ], de Franz Toussaint. (tradução de Adalgisa Nery), Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1938, 160 p.


CONDECORAÇÃO
1952 - Ordem da Águia Asteca(Orden del Águila Azteca), concedida pelo Governo Mexicano - por suas conferências sobre a poeta Juana Inés de la Cruz -1651? - 1695. [torna-se a primeira mulher a receber a mais alta condecoração mexicana].

Retrato Adalgisa Nery, por Cândido Portinari, 1934.

POEMAS ESCOLHIDOS 
Anseio
Quero que desça sobre mim a grande sombra que alivia,
Aquela que arranca do meu coração a revolta que me impede de ser mansa.
Quero descansar...
Quero encontrar aquele que é mais belo que o sol,
Que aumenta o meu sofrimento e que ajuda na minha redenção,
Que reparte suas angústias comigo para que lhe sirva de auxílio.
Quero ouvir a sua voz que é como a música dos mares,
Quero acolher-me na sua sombra e abraçar-me aos seus joelhos...
Quero descansar sem demora...
Quero chegar o tempo da minha última lágrima
ser recolhida dos meus olhos pisados e saudosos
Por aquele que é o molde dos poetas, o que se veste com as estrelas que meus olhos
ainda não vêem.
- Adalgisa Nery, in: Dom Casmurro, Rio de Janeiro, 19 ago. 1937, p. 2.


Aspiração
Antes que vingue outra esperança
Quero as sombras do branco espesso.
Antes que mais uma insônia se cumpra
Quero o torpor no abismo indecifrável
Do espírito amortalhado.
Antes que o pensamento acorde
E descubra os espaços petrificados,
Quero narcotizar-me sem sonhos
E deitar-me no mundo sem sombras,
Sem palavras nem gestos.
Antes que alguma crença me recolha,
Antes que eu entenda o obscuro,
Antes que o sensível me assalte,
Antes que eu distinga na lonjura
A morte da estrela cintilante,
O êxtase da solidão vertical,
Quero ser coisa sem motivo
Entregue aos ventos sem destino.
- Adalgisa Nery, in: Erosão, 1973.


A paisagem de amanhã
Ânsia de paz de noites desertas,
Desejo de sentir o tranquilo positivo
Nas intenções indevassáveis,
Na voz acima de todos os sons,
Acima do estrondo universal da bomba fratricida.
Ânsia de repouso final
No exaspero de mãos unidas pelo medo,
Pânicos imprevistos
Calando todos os instantes, todas as idades,
Chorando o nosso jamais.
Olhos outrora amigos
Impercebem em pastoso sangue.
Que gerações sofridas surgirão
Na espessa aflição de tão grandes mares
De ódio, ambição, vingança
Agora vêm dos ossos à procura do sexo,
Fúria de possessão inexplicável
Invade o campo de alheias propriedades
Lavradas no crime
E plantadas por tiranas mãos,
Heróis do século repetindo o que os outros foram.
Energias, vidas, mocidades
Flutuando sem rumo nas glórias e nas medalhas
Da nação em queda vertical solo abaixo
Cérebros falidos comandando existências em floração,
Numerando interminável esteira
De vassalos de línguas arrancadas.
Braços sem dono, ventres desapropriados,
Espíritos transformados em detritos pestilentos
Alimentam o tétrico destino
Da técnica contra o homem.
As estradas já não pertencem aos pés mansos,
O veio da riqueza, em mãos feudais.
No paralelo de horizonte sombrio
Levanta-se o vulcão que derrubará presídios e asilos
Para criar o grande rio de mortos putrefatos.
Não haverá tropas guerreiras contra ninguém
Apenas climas não sentidos dentro de atmosferas mortas
Desprezadas pelo vento livre.
E no âmago do âmago
O pranto medroso da futura criança
Presa ao ventre da terra,
E a revolta do jovem mudo,
São figuras oscilando nas trevas da Criação.
No profundo dos tempos
A ordem técnica recua medrosa,
Ouve o grito severo
Trazido pelo ar que balançou os corpos enforcados.
No fim, o estupro de cada homem
Violentado pela técnica
Dos inventos de guerra.
Em torno de todas as mortes
A vida, em minúsculas centelhas,
Forçará as trevas
Que cobrem o homem eternamente insepulto.
- Adalgisa Nery, in: Erosão, 1973.


A poesia se esfrega nos seres e nas cousas
Nunca sentiste uma força melodiosa
Cercando tudo o que teus olhos vêem,
um misto de tristeza numa paisagem grandiosa
Ou um grito de alegria na morte de um ser que queres bem?
Nunca sentiste nostalgia na essência das cousas perdidas
Deparando com um campo devoluto
Semelhante a uma viagem esquecida?
Num circo,nunca se apoderou de ti um amargor sutil
Vendo animais amestrados 
E logo depois te mostrarem 
Seres humanos imitando um réptil?
Nunca reparaste na beleza de uma estrada
Cortando as carnes do solo
Para unir carinhosamente
Todos os homens, de um a outro pólo?
Nunca te empolgaste diante de um avião,
Olhando uma locomotiva, a quilha de um navio,
Ou de qualquer outra invenção?
Nunca sentiste esta força que te envolve desde o brilho do dia
Ao mistério da noite,
Na extensão da tua dor
E na delícia da tua alegria?
Pois então, faz de teus olhos o cume da mais alta montanha
Para que vejas com toda a amplitude
A grandeza infindável da poesia que não percebes

E que é tamanha!
- Adalgisa Nery, in: Mundos Oscilantes, 1962.


A razão de eu me gostar
Eu gosto da minha forma no mundo
Porque representa uma fagulha,
Porque mostra um instante doce e perverso
Da ideia, do gesto e da realização
De Deus no Universo.
Eu gosto dos erros que pratico
Porque vejo a pureza colocada na minha essência
Desde o Início
Lutar contra todo o mal que em mim existe
E ser tão maior, que sobre a minha miséria
Ela ainda persiste
Eu gosto de espiar
O meu olho direito
Ver o esquerdo chorar,
De sentir a minha garganta se enrolar de dor
Porque em troca de tanta cousa dolorosa
Ele construiu em mim uma cousa gloriosa,
Que é o amor.
- Adalgisa Nery, in: A Mulher Ausente, 1946.


A rota
O mundo pulveriza-nos sem revelar
Seus intuitos secretos.
A vida é contemplá-los nos seus gestos mais sutis
E sentir nas águas profundas
O que de cada destino foi escrito
Nos penhascos dos mares agitados.
No vácuo do espírito
Anda a forma sem direção
Por caminhos já pisados
E inseguros são os passos repetidos.
Nem sempre o olhar mais aberto
À procura da estrada de nós mesmos
Torna o espírito mais desperto.
Vivemos nos penhascos dos mares agitados.
- Adalgisa Nery, in: Erosão, 1973.


A essência imutável
Entre a estrela e o átomo
A matéria viva estabelece o traço original.
A fotossíntese realiza a assimilação
Da energia solar do homem,
Mecanismo-alimento da força biológica
Existente no grão de luz que ronda o corpo inanimado
Vindo da semente viajante dos ventos programados.
Cubos-pedra lançam o elétron
De uma órbita a outra dos planetas tranquilos
E voltam à origem do cansaço.
Desencadeia-se o calor que mata,
O mecanismo complica-se,
O elétron muda de órbita
E a sua volta é seguida de reações em cadeia
Para aniquilar o homem caminhante
Das estradas indecisas.
As múltiplas diferenças de forças
Convocam a origem da vida em cada rumo da poeira ardida
Enquanto a procissão do grande mecanismo
Mostra em todos os níveis, em todas as gamas da existência,
A sua ativa regulagem
Que ainda é mistério para o homem aniquilado
Pela surpresa do nada saber
Além das suas carnes esfarrapadas pela infinita agonia.
- Adalgisa Nery, in: Erosão, 1973.


Abandono
A exaustão faminta 
Procura elementos ainda vivos no meu ser 
Talvez guardados em escuros vácuos 
Que carrego sem saber. 
Alimenta-se do sopro das imagens 
Desenhadas pela minha imaginação 
Pelo tato dos meus sentimentos, 
Pelo pânico do desconhecido. 
Aparece como febre constante dilatando as minhas carnes 
Descoloridas e sem sabor de vida. 
A exaustão sobe pelos meus pés, 
Cobre os meus gestos incipientes, 
Prende a minha língua, 
Suga o meu cérebro, ninho de aranhas em fogo, 
Pousa no meu cabelo como morcego. 
Exaustão que funga o ar, que saqueia o meu silêncio, 
Último repouso nos meus vácuos devassados. 
- Adalgisa Nery, in: Erosão, 1973.


Cantiga de ninar
Repousa. Descansa. Virá um dia um vento
Que arrancará a tua balançada alma do teu corpo
E jogará a tua balançada alma do tempo.
Que levará teus braços para as nuvens distantes
E deixará tranqüila tua orelha
À borda das águas cantantes.
Um vento suave como a caricia de uma doce mão
Que se envolverá no brilho dos teus cabelos
Que descerá desde o teu cérebro
Até o fundo do teu amargurado coração.
Cairá sobre ti, como a noite sobre a mata e sobre as flores
Desdobrará as formas dormidas
Deitar-se-á sobre teus sentidos
E estancará tuas dores.
Um vento que levará para a eterna distância
Os dolorosos solavancos de teu espírito
E os pedaços melancólicos de tua infância.
Repousa. Descansa. Aconchega no sono teus pensamentos
Que este vento chegará, não falta muito
Transformará em luz a tua treva,
Dentro de rapidíssimos momentos.
- Adalgisa Nery, in: Mundos Oscilantes, 1962.


Adalgisa Nery, por Ismael Nery
 (década 30)
Canção para dentro
A canção do corpo é cantada para dentro
E a leveza da alegria se transmuda em peso,
A brisa adere aos amargos pensamentos
Fluindo no sorriso compassivo.
Logo,
Surgindo de células desamadas
Os matizes áureos anoitecem,
Pálpebras levantadas vão caindo
E nesgas apenas vislumbramos,
Geografias em nós morrendo,
Oceanos crescendo, ilhas sumindo,
Rosas nascendo na canção
Que o corpo canta para dentro.
- Adalgisa Nery, in: Erosão, 1973.


Cemitério Adalgisa
Moram em mim 
Fundos de mares, estrelas-d′alva, 
Ilhas, esqueletos de animais, 
Nuvens que não couberam no céu, 
Razões mortas, perdões, condenações, 
Gestos de amparo incompleto, 
O desejo do meu sexo 
E a vontade de atingir a perfeição. 
Adolescências cortadas, velhices demoradas, 
Os braços de Abel e as pernas de Caim. 
Sinto que não moro. 
Sou morada pelas coisas como a terra das sepulturas 
É habitada pelos corpos. 
Moram em mim 
Gerações, alegrias em embrião, 
Vagos pensamentos de perdão. 
Como na terra das sepulturas 
Mora em mim o fruto podre, 
Que a semente fecunda repetindo a vida 
No sereno ritmo da Origem. Vida e morte, 
Terra e céu, Podridão, germinação, 
Destruição e criação. 
- Adalgisa Nery, in: Poemas, 1937. 


Eterno tédio
Muitas vezes esgotando o meu destino
Com o olhar em pranto
E o coração pungente como um dobrar de sino,
Ouço ruídos seculares que unem como um canto,
Crescendo de intensidade,
Mergulhando os meus sentidos
Na maior profundidade!
Muitas vezes, considerando a vida
Com desumana indiferença,
Por toda a esperança perdida,
Pelo abrir de um riso, por todo o bem, por toda a crença,
Sinto o meu viver humilhado,
Vejo o meu nada quase demasiado,
Que nem chega a ser pecado.
E o tédio em toda a amplidão
Cai sobre mim.
- Adalgisa Nery, in: Revista Atlântico – Revista Luso-brasileira, n 1, Primavera de 1942.


Escultura
Eu já te amava pelas fotografias.
Pelo teu ar triste e decadente dos vencidos,
Pelo teu olhar vago e incerto
Como o dos que não pararam no riso e na alegria.
Te amava por todos os teus complexos de derrota,
Pelo teu jeito contrastando com a glória dos atletas
E até pela indecisão dos teus gestos sem pressa.
Te falei um dia fora da fotografia
Te amei com a mesma ternura
Que há num carinho rodeado de silêncio
E não sentiste quantas vezes
Minhas mãos usaram meu pensamento,
Afagando teus cabelos num êxtase imenso.
E assim te amo, vendo em tua forma e teu olhar
Toda uma existência trabalhada pela força e pela angústia
Que a verdade da vida sempre pede
E que interminavelmente tens que dar!...
- Adalgisa Nery, in: Mulher Ausente, 1940.
  

Eu em ti
Desejaria estar contigo quando eras no pensamento de Deus,
Quando tua mãe te concebeu e te alimentou com sua vida,
Desejaria estar contigo na primeira vez que distinguiste as formas,
[as cores e os sons,
Na tua primeira lágrima eu quisera estar contigo e assim na tua
[primeira alegria,
Desejaria estar contigo na tua infância e na tua adolescência,
[acompanhando as transformações do teu físico.
Ao teu lado desejaria estar quando, do teu corpo, constataste as
[primeiras células reprodutoras.
No teu primeiro pudor e no teu primeiro carinho eu quisera estar
[a teu lado,
Desejaria estar contigo na noite de tuas núpcias e no momento em
[que te uniste a outra mulher com o
[pensamento no teu primeiro filho.
Desejaria estar contigo no primeiro vestígio de tua velhice
E ainda desejaria estar contigo no momento da separação de
[tua alma,
Na decomposição de tuas carnes, do teu cérebro, de tua boca,
[do teu sexo,
Para poder continuar contigo, no mundo sem espaço e sem tempo.
- Adalgisa Nery, in: Mundos oscilantes, 1962, p.9.


Fantasmas
Lívidos fantasmas deslizam nas horas perdidas 
Chegam à minha alma 
E como sombras da noite 
Levantam os meus ímpetos mortos 
Desatando as ligaduras do tempo. 
O luar da madrugada fria cai no meu rosto 
E ilumina com branda amargura 
O meu espírito que espera a hora insolúvel. 
Os caminhos cobrem-se de homens que dormem na morte 
E cresce no meu coração um desejo incontido 
Para uma união mais forte, mais intensa e mais perfeita. 
A minha pupila é banhada pela enorme lágrima 
Que umedecerá o solo castigado. 
A lágrima que levará ternura às existências sofridas, 
A lágrima que se mudará em sangue, 
Que levantará a vida morta do universo! 
- Adalgisa Nery, in: Cantos da Angústia, 1948.


Instante
O espanto abriu meu pensamento
Com idioma vindo do delírio,
Dos receios indefesos, dos louvores sem raízes,
No perdão oferecido sem razão.
O espanto abriu meu pensamento
Na noite carregada de lamentos
Em linguagem universal
Fluindo do eco perdido
Com passos de presságio amanhecendo.
Corpos florindo na pele da terra
Acendendo vida nas rosas e nos vermes,
Aumentando a potência do limo,
Preparando a primavera nos campos,
Ventres irrigando secas raízes,
Cogumelos róseos crescendo
Na umidade das faces.
Coagulação de prantos na semente
Das constelações adivinhadas.
E no faminto inconsciente, o tempo
Sorvendo com fúria o seu sustento
No insondável silêncio de mim mesma.
- Adalgisa Nery, in: Erosão, 1973.
  

Mistérios
Há vozes dentro da noite que clamam por mim,
Há vozes nas fontes que gritam meu nome.
Minha alma distende seus ouvidos
E minha memória desce aos abismos escuros
Procurando quem chama.
Há vozes que correm nos ventos clamando por mim.
Há vozes debaixo das pedras que gemem meu nome
E eu olho para as árvores tranqüilas
E para as montanhas impassíveis
Procurando quem chama.
Há vozes na boca das rosas cantando meu nome
E as ondas batem nas praias
Deixando exaustas um grito por mim
E meus olhos caem na lembrança do paraíso
Para saber quem chama.
Há vozes nos corpos sem vida,
Há vozes no meu caminhar,
Há vozes no sono de meus filhos
E meu pensamento como um relâmpago risca
O limite da minha existência
Na ânsia de saber quem grita.
- Adalgisa Nery, in: Cantos da Angústia, 1948.


Mulher
Retrato de Adalgisa , por Ismael Nery, 1924.
[Coleção Particular]
Na face, a geografia da angústia,
Dos pânicos e das medrosas alegrias.
Cada ruga é um presságio.
E auréola da aflição constante
O esplendor dos cabelos brancos.

Uma só raiz para frutos diversos,
Uma só vida para destinos tão complexos,
Um só pranto para dores tão diversas.

O útero que gera o herói, o sábio, o poeta,
O santo, o miserável e o assassino.
Uma só raiz para frutos tão diversos!

O dom da paz em cada gesto
Cai como noites quietas
Sobre a alma em rancor,
Amor acima do amor.
- Adalgisa Nery, in: Erosão, 1973.



Nostalgia do impreciso
Ao fechar de olhos para o sono
Aromas de pânico e de dores,
Aromas de errantes chuvas
Transportando montanhas, vales,
Atravessando ventos,
Pousando em instantes tão diversos,
Chamando medos
E exílios de vontades.
Aromas vasculhando a vida,
Engendrando noites no vazio,
Escapando de raízes em tumulto,
De pedras milenares em silêncio,
E de símbolos sem forma
Nascidos de pensamentos mutilados.
Aromas de carne e flor,
De chão e fonte,
De gestos tatuados no espaço,
De galeras rumo ao centro-mar
Em busca de estrelas excedentes
Aromas de grão e de criança
Cobrindo as coisas repetidas,
Fazendo-se pólen no infinito virgem.
Aroma-plasma de invitações
Ao canto, à flor, ao pranto,
Ao entrelaçamento de mãos desprotegidas
No temor de quedas sinuosas.
Ao fechar de olhos para o sono
Aromas de mistério,
Fracas luzes se abrindo
No mundo de silêncios e de símbolos
Dando vida à vida que vai fugindo.
- Adalgisa Nery, in: Erosão, 1973.


O país do poeta
A paisagem tem cores do avêsso
E as estrelas sobem pelas montanhas como veias
Aguando um seio de mulher.
As quatro línguas do vento
Conversam sobre o amor, o ódio, a vida e a morte.
Os arcanjos cruzam o firmamento de lado a lado,
Os pássaros soluçam como inconsoláveis viúvas.
Os peixes cantam como rouxinóis nas ramas floridas.
Um sirena lamenta-se no corte da noite
E o ruído de possantes motores trepidam o eixo universal
Como o nascimento de um vulcão.
As flores dos jardins cercados são orvalhadas como lágrimas inocentes

E da lua de São Jorge montado no seu cavalo branco
Para velar os mortos e os desesperados.
Um sentimento de pureza sobre o olhar dos arrependidos,
As mães alimentam seus filhos com flores,
Os amantes realizam a interpenetração das almas
E seus corações caem no chão como punhados de cinza.
A tragédia vive entre a boca dos velhos e o olhar do recém-nascido
E o choro do que um dia será assassino é ouvido ao ventre da noite.

O poeta escreve poemas no solo
E a terra grávida recompensa com flores, frutos e nascentes.
Na hora da penumbra abre-se uma grande boca no firmamento
Dizendo sobre o juízo final.
Sob a luz da lua o poeta colhe os lírios entreabertos
E sai guarnecendo sepulturas de noivas ignoradas.
Um resplandecente globo ocular
Desce sobre a paisagem
E procura encontra a Amada e a Morte.
- Adalgisa Nery, in: Mundos Oscilantes, 1962.


Paisagem
Restam nos meus olhos
Séculos de planícies áridas
E o vento ríspido que trouxe as lamentações
Das sombras agitadas
Sobre os pântanos desconhecidos
Distantes estão os caminhos
Onde eu encontraria a suprema fraqueza
Para vergar os meus joelhos
E deitar no pó a minha boca moribunda
Invisíveis estão as estrelas
Que me levariam a contemplar os céus abençoados.
E só espaços sem medida
Onde a música da noite
É livre sobre os pensamentos em sono.
Desconhecida para mim a praia onde eu me deitaria
De olhos cerrados e sentiria
O último movimento da onda
Balançar os meus pés
Como as algas sem direção.
Como os detritos rejeitados pela pureza do mar.
Restam dentro da minha sombra
Fragmentos de agitações de outras vidas
Plantadas no meu grito de revolta
Que eu não libertarei
Até que no deserto universal
A flor de um cardo movimente
A paisagem silenciosa.
- Adalgisa Nery, in: Cantos da Angústia, 1948.


Poema da amante
Eu te amo
Antes e depois de todos os acontecimentos
Na profunda imensidade do vazio
E a cada lágrima dos meus pensamentos.

Eu te amo
Em todos os ventos que cantam,
Em todas as sombras que choram,
Na extensão infinita do tempo
Até a região onde os silêncios moram.

Eu te amo
Em todas as transformações da vida,
Em todos os caminhos do medo,
Na angústia da vontade perdida
E na dor que se veste em segredo.

Eu te amo
Em tudo que estás presente,
No olhar dos astros que te alcançam
Em tudo que ainda estás ausente.

Eu te amo
Desde a criação das águas,
desde a idéia do fogo
E antes do primeiro riso e da primeira mágoa.

Eu te amo perdidamente
Desde a grande nebulosa
Até depois que o universo cair sobre mim
Suavemente.
- Adalgisa Nery, in: Mundos Oscilantes, 1962.


Poema de amor
Ouve-me com teus olhos
Porque minha queixa é muda.
Acaricia-me com teu pensamento
Porque meu corpo está imóvel.
Beija-me com tuas mãos
Porque minha boca te espera.
Fala-me com o silêncio dos momentos de amor
Porque os ouvidos da minha vida
Se abrirão como as flores

Na úmida e infinita madrugada.
- Adalgisa Nery, in: Mundos Oscilantes, 1962.


Poema essencialista
Sinto o conteúdo da existência.
Procuro ultrapassá-lo com enorme exaltação poética,
Rompo as grades do mundo com o espetáculo das formas,
Dos sons e das cores.
Tudo me afoga em nostalgia de outras eras,
De outras vidas que cristalizaram
As tendências da minha infância.
A utilização das coisas plásticas
Altera o equilíbrio da visão.
Distribuo pelos quatro cantos do meu espírito
A essência imortal.
Fragmento seguidamente o meu interior
Fazendo doações físicas.
Dentro do meu limite há montões de estrelas apagadas,
Pensamentos que não andaram
Senão com o sopro de Deus.
Quero destruir para tentar construir.
A criação vive no ângulo do meu cérebro
Mas sei que serei vencida
Pela limitação das realizações humanas.
- Adalgisa Nery, in: Mundos Oscilantes, 1962.


Poema natural
Abro os olhos, não vi nada 
Fecho os olhos, já vi tudo. 
O meu mundo é muito grande 
E tudo que penso acontece. 
Aquela nuvem lá em cima? 
Eu estou lá, 
Ela sou eu. 
Ontem com aquele calor 
Eu subi, me condensei 
E, se o calor aumentar, choverá e cairei. 
Abro os olhos, vejo um mar, 
Fecho os olhos e já sei. 
Aquela alga boiando, à procura de uma pedra? 
Eu estou lá, 
Ela sou eu. 
Cansei do fundo do mar, subi, me desamparei. 
Quando a maré baixar, na areia secarei, 
Mais tarde em pó tomarei. 
Abro os olhos novamente 
E vejo a grande montanha, 
Fecho os olhos e comento: 
Aquela pedra dormindo, parada dentro do tempo, 
Recebendo sol e chuva, desmanchando-se ao vento? 
Eu estou lá, 
Ela sou eu. 
- Adalgisa Nery, in: Poemas, 1937. 



Poema simples
Deixa-me recolher as rosas que estão morrendo nos jardins da noite,
Deixa-me recolher o fruto antes que este volva as raízes da terra,
Deixa-me recolher a estrela úmida
Antes que sua luz desapareça na madrugada,
Deixa-me recolher a tristeza da alma
Antes que a lágrima banhe a pálpebra
Do órfão abandonado e faminto,
Deixa-me recolher a ternura parada
No coração da mulher que desejou ser mãe.
Deixa-me recolher a esperança dos que acreditam,
Recolher o que ainda não passou
E mais do que tudo dá-me a recolher
A palavra de amor e de doçura para que reparta
Com os ouvidos que esperam como uma gota de mel
Caindo na alma e no coração,
Como a única luz dentro de tanta escuridão.
- Adalgisa Nery, in: Mundos Oscilantes, 1962.


Repouso
Dá-me tua mão 
E eu te levarei aos campos musicados pela canção das colheitas 
Cheguemos antes que os pássaros nos disputem os frutos, 
Antes que os insetos se alimentem das folhas entreabertas. 
Dá-me tua mão 
E eu te levarei a gozar a alegria do solo agradecido, 
Te darei por leito a terra amiga 
E repousarei tua cabeça envelhecida 
Na relva silenciosa dos campos. 
Nada te perguntarei, 
Apenas ouvirás o cantar das águas adolescentes 
E as palavras do meu olhar sobre tua face muito amada. 
- Adalgisa Nery, in: As Fronteiras da Quarta Dimensão, 1951. 


Silêncio
Nas mãos inquietas
Cansadas esperanças
Tateando formas na luz ausente,
Nos olhos embrumados
A viva cruz do alívio,
Na boca imobilizada
A palavra amortalhada.
E à tona da fugaz realidade
O mistério das surpresas superadas.
Paisagem de espaços, e fantasmas
Ordenam não falar, não morrer,
Ouvir sem conduzir o pensamento,
Viver os vazios lúcidos
Entre a palavra e o som
Do coração a bater.
Resta apenas a flutuação ociosa
Livre das coisas da memória, da discordância
Das idéias obsessivas
Que escondidas estavam
Como fantásticos tesouros
Em frágeis e indefesas mãos.
- Adalgisa Nery, in: Erosão, 1973.


Adalgisa Nery, por Ismael Nery, 1928
Solidão
O espírito da tempestade que executa a minha palavra
Partiu
E minha forma assim abandonada
Caiu.
Vieram depois a aflição e a agonia
E cresceram em mim
Como a aurora e o dia.
E se eu quisesse contar, homens irmãos,
Desde quando meu coração está isento de alegria,
Acreditem,
Não poderia.
Há muitos séculos mora em mim
Uma noite muito escura, muito fria.
- Adalgisa Nery, in: Mundos Oscilantes, 1962.



Ternura
Antes que eu me transforme em água
E corra com os rios
Cantando para as florestas escuras
A canção sublime
Deixa-me contemplar tua face amada
Para que a canção se eternize.
Antes que os meus olhos se transformem
nos minúsculos vermes
Que movimentam o solo
Deixa-me receber a luz de tua boca
Para que eu me ilumine como as estrelas
No infinito da noite.
Antes que minhas mãos se mudem nas pedras das montanhas
Por onde caminharão os jovens pastores
Deixa-me afagar teus cabelos
Para que meu carinho se transforme na brisa
Que beija os grandes trigais.
Antes que minha forma sirva junto às raízes
Para amadurecer os frutos
Guarda-me na música de teu corpo
Para que o mistério do amor
Baixe sobre o universo
E banhe os espíritos perturbados.
- Adalgisa Nery, in: Mundos Oscilantes, 1962.


Vivência
Começamos a viver
Quando saímos do sono da existência,
Quando as distâncias se alongam nas partículas do corpo.
Começamos a viver
Quando confusos e sem consolo
Não sentimos os traços do irmão perdido.
Quando antes da força
Surge a sombra do insignificante.
Quando o sono é transformado em sonhos superados,
Quando o existir não é contradição.
Começamos a viver
Quando percebemos a mutação das células,
Quando fugimos de dentro de nós mesmos
E escondemos a nossa carne num caramujo oco.
Quando o espírito falsificado esquece
As tortuosas estradas
E quando deixamos de ser escaravelhos laboriosos.
Começamos a viver
Quando velamos além do sono
A vida irreal dos nossos passos.
- Adalgisa Nery, in: Erosão, 1973.


 “A poesia dela é marcada por um tom grandiloquente, fervoroso. Seus versos tratam do cotidiano do homem comum e também da força do cosmo. Há um movimento paradoxal em sua poesia, intenso, que une o natural ao sobrenatural, a preocupação social ao erotismo. Trata-se de uma obra irregular, sem qualquer dúvida, mas com excelentes poemas. Uma obra que deve ser republicada e sofrer uma reavaliação crítica sobretudo em relação ao contexto da literatura brasileira daquele período, com Cecília Meireles, Jorge de Lima, Murilo Mendes e Vinicius de Moraes, que podem revelar alguma aproximação com a poética de Adalgisa Nery.”
- Eduardo Coelho, do Arquivo-Museu de Literatura Brasileira da Fundação Casa de Rui Barbosa.


FORTUNA CRÍTICA
Retrato Adalgisa Nery, por Diego Rivera, 1945.
[Coleção Sr. Rafael Maraeyna]
ABREU, Alzira Alves de. (org.) A imprensa em transição: o jornalismo brasileiro nos anos 50. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1996.
ANDRADE, Carlos Drummond de. Adalgisa, a indômita. Jornal do Brasil, 14 jun., 1980.
ANDRADE, Mário. A mulher ausente. In: ______. O empalhador de passarinho. 3ª ed. São Paulo: Martins; Brasília, INL, 1972.
BANDEIRA, Manuel; CAVALHEIRO, Edgard. Obras-primas da lírica brasileira. São Paulo: Martins, s/d.
CALLADO, Ana Arruda. Adalgisa Nery. Muito amada e muito só. (Perfis do Rio, v. 24), Rio de Janeiro: Relume Dumará: Prefeitura, 1999. 146p.
CAMPOI, Isabel Candeloro. A trajetória biográfica de Adalgisa Nery: contribuições para a formação da jornalista e deputada. Anais do VII Seminário Fazendo Gênero, 28, 29 e 30 de 2006. Disponível no link. (acessado em 25.5.2013).
CAMPOI, Isabel Candeloro. Adalgisa Nery e a última hora: do jornalismo ao parlamento da Guanabara. Disponível no link. (acessado em 25.5.2013).
CAMPOI, Isabel Candeloro. Adalgisa Nery e as questões políticas de seu tempo - 1905-1980. (Tese Doutorado em Historia Social). Universidade Federal Fluminense, UFF, 2008. Disponível no link. (acessado em 25.5.2013).
CORDEIRO, André Teixeira. As cabeças voadoras têm vozes dissonantes: Murilo e Adalgisa contam a história de Ismael Nery. LL Journal, v. 6, p. 30-45, 2011. Disponível no link. (acessado em 25.5.2013).
FIGUEIRA, Gaston. Poesia brasileña contemporanea: crítica y antologia. Montevideo: Instituto de Cultura Uruguayo-Brasileño, 1947.
FRANÇA, Mônica dos Santos. Enunciação, intertextualidade, expressividade e sentido em poemas de Adalgisa Nery. (Dissertação Mestrado em Lingüística). Universidade Cruzeiro do Sul, UNICSUL, 2013.
FRANÇA, Mônica dos Santos. O fenômeno intertextual e os Cavaleiros do Apocalipse, de Adalgisa Nery. In: Carlos Augusto B. Andrade; Guaraciaba Micheletti. (Org.). Cadernos de linguística: pesquisa em movimento: discurso, estilo e construção de sentidos. 1ed., São Paulo: Editora Terracota, 2014, v. 2, p. 7-241.
FUSCO, Rosário. A poesia e o sonho. In: ______. Vida literária. S.E.P.: São Paulo, 1940.
KARPA-WILSON, Sabrina. Contemporary Brazilian women’s autobiography and the forgotten case of Adalgisa Nery. Brazil 2—1 – A revisionary history of Brazilian literature and culture. Spring/Fall 2000. University of Massachusetts, Dartmouth, UERJ - Fall River MA, 2001.
LOPES, Ana Boaventura Calderaro. Adalgisa Nery: Uma poesia marcada pelo gênero. Modular (Caraguatatuba), Caraguatatuba, v. 1, n.2, p. 21-28, 2003.
LOPES, Ana Boaventura Calderaro. O Papel da Recorrência na Poesia de Adalgisa Nery. (Dissertação Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa). Universidade de São Paulo, USP, 2004.
LOPES, Ana Boaventura Calderaro. O papel da recorrência na poesia de Adalgisa nery. In: MOSCA, Lineide Salvador. (Org.). Discurso, argumentação e produção de sentido. 1ed.São Paulo: Associação Editorial Humanitas, 2006, v. , p. 247-262.
MAGALHÃES JÚNIOR, Raimundo. "O conto feminino". In: Panorama do conto brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1959, v. 10, p. 1-5.
MATA, Larissa Costa da. Adalgisa Nery: pensando o modernismo entre a experiência e o acontecimento. In: XIII Ciclo de Literatura - Seminário Internacional As Letras em Tempos de Pós, Dourados, 2009. p. 01-09.
MATA, Larissa Costa da. As máscaras modernistas: Adalgisa Nery e Maria Martins na vanguarda brasileira. (Dissertação Mestrado em Literatura). Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 2008. Disponível no link. (acessado 25.5.2013)
MATA, Larissa Costa da. Imaginando outro modernismo: Adalgisa Nery e Nietzsche na vanguarda brasileira. In: Anais VII Seminário de História da Literatura. Porto Alegre: PUCRS, 2007. v. 7.
Retrato de Adalgisa, por Ismael Nery, 1924.
[Acervo Palácios do Governo do Estado São Paulo
 Palácio Boa Vista - Campos de Jordão, SP]
MELLO, Ramon. Adalgisa Nery, a musa de várias faces. Saraivaconteudo, 24.06.2010. (originalmente publicado no Prosa & Verso, O Globo, em 19/6/10). Disponível no link. (acessado em 25.5.2013).
MENDES, Murilo. Poesia católica. Anuário de Literatura 9, Florianópolis:
MENDES, Murilo. Um poema. Lendo Adalgisa Nery. Anuário de Literatura 9, Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Curso de Pós-graduação em Literatura, 2001, p. 75.
MILLIET, Sérgio. Dados para uma história da poesia brasileira modernista (1922-1928). In: Anhembi, v I, n 3, fev., 1951.
PEREZ, Renard. Adalgisa Nery. In: ______. Escritores brasileiros contemporâneos. 2 ed.. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971.
RAMOS, Guerreiro. O sentido da poesia contemporânea. In: Cadernos da Hora Presente, n 1, maio de 1939, p. 86-103.
SADLIER, Darlene J. (org.). One hundred years after tomorrow: Brazilian women's fiction in the 20th century. Indiana: Indiana University Press, 1992.
SANT’ANNA, Affonso Romano de. Masculine vampirismo or the denunciation of Pygmalion. A reading of Adalgisa Nery’s A imaginária. Tropical paths. Essays on modern Brazilian literature. Ed. Randal Johnson. New York: Garland, 1993, p. 91 – 99.
SOIHET, Rachel. Mulheres investindo contra o feminismo: resguardando privilégios ou manifestação de violência simbólica?. Estudos de Sociologia, Araraquara, v.13, n.24, p.191-207, 2008.
SOUZA, Helton Gonçalves de. Muito mais do que uma musa da poesia (sobre o livro Erosão, de Adalgisa Nery - Rio de Janeiro: José Olympio, 1973). . Estado de Minas, Belo Horizonte, p. 3 - 3, 10 jul. 1992. Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Curso de Pós-graduação em Literatura, 2001, p. 71 - 74.

Adalgisa Nery, 1937
[Foto: Acervo Projeto Portinari]


DOCUMENTÁRIO
Filme: Ismael e Adalgisa
Sinopse: "As cores fortes do simbolismo do pintor e filósofo Ismael Nery (1900-34) se misturam à combativa poetisa, escritora e jornalista Adalgisa Nery (1905-80), sua esposa, deputada socialista cassada pelo AI-5, tendo Murilo Mendes (1901-75) como vértice deste fascinante triângulo intelectual."
Direção: Malu De Martino
Gênero: Documentário
Formato: Curta-metragem, 35mm
Ano: 2001
Duração: 33 min.
Roteiro: Pedro Rosa
Elenco: Bruno Garcia, Christiane Torloni, Emmanuel Nery, Marília Medina, Murilo Rosa, Samantha Nery
Produção: Ricardo Gringo Machado
Produção executiva: Clélia Bessa
Direção de Fotografia: Renato Padovani
Trilha Sonora: André Moraes
Produtora: Grupo Novo de Cinema e TV
  
Retrato Adalgisa Nery, por Cândido Portinari, 1940

Desdobramento de Adalgisa
Os homens preferem duas.
Nenhum amor isolado
Habita o rei Salomão
E seu amplo coração.
Meu rei, a vossa Adalgisa
Virou duas diferentes
Para mais a adorardes.

Sou loura, trêmula, blândula
E morena esfogueteada.
Ando na rua a meu lado,
Colho bocas, olhos, dedos
Pela esquerda e pela direita.
Alguns mal sabem escolher,
Outros misturam depressa
Perna de uma, braço de outra,
E o indiviso sexo aspiram,
Como se as duas fossem uma,
Quando é uma que são duas.

Adalgisa Nery, 1937.
[Foto: Acervo Projeto Portinari]
Adalgisa e Adaljosa,
Parti-me para vosso amor
Que tem tantas direções
E em nenhuma se define
Mas em todas se resume.
Saberei multiplicar-me
E em cada praia tereis
Dois, três, quatro, sete corpos
De Adalgisa, a lisa, fria
E quente e áspera Adalgisa,
Numerosa qual Amor.

Se fugirdes para a floresta,
Serei cipó, lagarto, cobra,
Eco de grota na tarde,
Ou serei a humilde folha,
Sombra tímida, silêncio
Entre duas pedras. E o rei
Que se enfarou de Adalgisa
Ainda mais se adalgisará.

Se voardes, se descerdes
Mil pés abaixo do solo,
Se vos matardes alfim,
Serei ar de respiração,
Serei tiro de pistola,
Veneno, corda, Adalgisa,
Adalgisa eterna, os olhos
Luzindo sobre o cadáver.

Sou Adalgisa de fato,
Pensais que sou minha irmã
Ou que me espelho no espelho.
Amai-me e não repareis!
Uma Adalgisa traída
Presto se vinga da outra.
Eu mesma não me limito:
Se viro o rosto me encontro,
Quatro pernas, quatro braços,
Duas cinturas e um
Só desejo de amar.
Sou a quádrupla Adalgisa,
Sou a múltipla, sou a única
E analgésica Adalgisa.
Sorvei-me, gastai-me e ide.
Para onde quer que vades,
O mundo é só Adalgisa.
- Carlos Drummond de Andrade, in Brejo das almas (1934).

Adalgisa Nery e Murilo Mendes, 1937.
[Foto: Acervo Projeto Portinari]

Cândido Portinari e Adalgisa Nery, 1937
[Foto: Acervo Projeto Portinari]

Lourival Fontes, Frank Sinatra,
Adalgisa Nery e Ary Barroso

Esquerda para direita: Ary Barroso, Fred Me Murray,
Adalgisa Nery, Claudete Colbert, Lourival Fontes nos EUA.


TRECHO DE "A IMAGINÁRIA"
“Um dia, como um dia para toda adolescente, eu senti que amava um homem. Conheci então uma nova paisagem da minha alma. Descobri nesse sentimento um senso de beleza capaz de afugentar todas as sombras acumuladas dentro do meu ser. Pela primeira vez, tive a sensação exata de força e liberdade. Lembro-me que, imantada por ele, eu me integrei totalmente em todas as partículas da vida e da natureza. Subindo os degraus de uma escada de pedra, reparei nas formigas que cruzavam e, com cuidado especial, procurei não esmagá-las com os meus pés. Fitei com uma ternura cuidadosa as plantas, as flores, as andorinhas, que traçavam espaço e a poeira de orvalho caída sobre as folhagens. Aprendi as cores nas luzes das manhãs e nas tonalidades do anoitecer. Eu estava no processo da metamorfose. Em tudo eu encontrava uma duplicidade de sentido. Estava sob a função de reminiscências eternas que atuavam como ligação do divino que surge no humano e com o divino que se entende no universo.  Havia um abandono alegre no meu ser acompanhando a causa misteriosa. E, de repente, me senti identificada com a vida. Tive a impressão de que uma grande chuva caíra sobre o mundo, e agora se apresentava lavado, fresco, radiante. Creio que os meus gestos se tornaram harmoniosos, a minha voz era o eco da música das águas cantantes e a minha memória só se recordava das formas perfeitas, para essa nova construção. Foi uma fase de grandeza aguda e espetacular da minha alma. De tudo emanava doçura e leveza compensadoras.
[...]
Adalgisa Nery, 1943.
[Foto: Acervo Projeto Portinari]
Não creio que haja nenhum período feliz na nossa vida. Às vezes há uma fase de inconsciência da infelicidade. Nesse espaço de tempo, julgamos estar vivendo uma época feliz. Em realidade, o descontentamento não veio à tona. Estava em gestação no acontecimento. Só notamos quando a ocorrência vem à superfície dos nossos cinco sentidos. Porém ele nunca deixou de existir. É a esse hiato entre a ignorância e o conhecimento do desagradável que denominamos puerilmente de “época feliz”. O próprio amor que é a mais verdadeira proximidade da felicidade, não desligado jamais de um grande subterrâneo sofrimento. Sobre as horas ardentes de uma plena satisfação amorosa, estão o desgosto e o sofrimento vigiando o primeiro cansaço e o primeiro tédio para flutuarem num tempo mais largo, com maior duração e fundas conseqüências do que o momento nos trouxe a sensação do eterno. A minha natureza não é de mulher pessimista. Sou um ser anaglífico vivendo uma sincera fusão de duas imagens de perspectivas semelhantes. Há uma intensidade de forças em profundidade e em extensão girando em meu redor como o ectoplasma. Daí sentir-me constantemente no limbo. Essa explicação tem como finalidade desviar qualquer julgamento precipitado para classificar-me de pessimista. Apesar de ter sido desde menina violentada pela vida, os meus olhos não perderam a noção dos coloridos e dos contornos e a minha alma não esqueceu a música e a harmonia.”
- Adalgisa Nery, ‘trecho’ do romance “A imaginária”, 1957.


Retrato Adalgisa Nery, por Cândido Portinari, 1940
ACERVO ADALGISA NERY
Fundação Casa Rui Barbosa
Informações: Site Oficial 


ADALGISA NERY NA REDE
:: Fanpage Adalgisa Nery (administração Ramon Nunes Mello)


FONTES E REFERÊNCIAS DE PESQUISA
Obra da autora
Teses, Dissertações e Artigos


© Direitos reservados ao autor/e ou ao seus herdeiros

© Pesquisa, seleção e organização: Elfi Kürten Fenske


=== === ===
Trabalhos sobre o autor:
Caso, você tenha algum trabalho não citado e queira que ele seja incluído - exemplo: livro, tese, dissertação, ensaio, artigo - envie os dados para o nosso "e-mail de contato", para que possamos incluir as referências do seu trabalho nesta pagina. 

Como citar:
FENSKE, Elfi Kürten (pesquisa, seleção e organização). Adalgisa Nery - entre as letras e a política. Templo Cultural Delfos, maio/2013. Disponível no link. (acessado em .../.../...).
____
Página atualizada em 26.5.2015.



Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2016 Templo Cultural Delfos

6 comentários:

  1. Obrigada pelo excelente aritgo, eu desconhecia as obras e a vida dessa maravilhosa escritora!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Alexandra!
      Fico feliz que tenhas gostado e que tivemos a oportunidade de te apresentar a esta bela escritora.
      Volte sempre, abraços

      Excluir
  2. Fabulosa resenha. Deliciosa, completa e profunda. Muito obrigada. Bem haja!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!
      Fico feliz que tenhas gostado.
      volte sempre, abraços

      Excluir
  3. Perfeito trabalho! Aguardo a resenha de Orides Fontela, deixo aqui como sugestão. Um grande abraço e um muito obrigada.
    Tuca Kors

    ResponderExcluir
  4. Eu seu mexicana e eu desconhecia os poemas de Adalgisa Nery. Agora ele é um dos meus poetas favoritos.
    MOITO OBRIGADA

    ResponderExcluir

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!