Ailton Krenak - uma fonte de sabedoria

Ailton Krenak | foto: Guito Moreto/ Agência O Globo

© Pesquisa, seleção, edição e organização: Elfi Kürten Fenske
Por gentileza citar conforme consta no final desse trabalho. 


uma sinfonia para a terra e um canto ao seu povo e seus ancestrais


"Se eu pudesse inspirar uma atitude global seria: pare e sonhe. Se nós tivermos coragem para sonhar é porque acreditamos que existem mundos, possibilidades"
- Ailton Krenak, em "Ainda dá tempo de salvar o planeta". Revista Trip, 2020.


ESBOÇO BIOBIBLIOGRÁFICO DE AILTON KRENAK

Ailton Krenak - líder indígena, ambientalista, escritor, pesquisador e jornalista. Nasceu em 29 de setembro de 1953, em Itabirinha de Mantena, Minas Gerais, na região do vale do rio Doce, território do povo Krenak, um lugar cuja ecologia se encontra profundamente afetada pela atividade de extração de minérios. 

Ativista do movimento socioambiental e de defesa dos direitos indígenas, organizou a Aliança dos Povos da Floresta, que reúne comunidades ribeirinhas e indígenas na Amazônia. É um dos mais destacados líderes do movimento que surgiu durante o grande despertar dos povos indígenas no Brasil, que ocorreu a partir da década de 1970. Contribuiu também para a criação da União das Nações Indígenas (UNI).

Ailton tem levado a cabo um vasto trabalho educativo e ambientalista, como jornalista, e através de programas de vídeo e televisivos. A sua luta nas décadas de 1970 e 1980 foi determinante para a conquista do “Capítulo dos índios” na Constituição de 1988, que passou a garantir, pelo menos no papel, os direitos indígenas à cultura autóctone e à terra. É coautor da proposta da Unesco que criou a Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço em 2005 e é membro de seu comitê gestor. 

Na década de 1990, criou o Festival de Danças e Culturas Indígenas, na Serra do Cipó. 

Foi assessor especial do Governo de Minas Gerais para assuntos indígenas de 2003 a 2010. 

A sua luta em defesa dos povos indígenas, foi reconhecido nacional e internacionalmente, recebeu: Prêmio "Direitos Humanos Lettelier-Moffit", da Fundação Letellier - USA (1987); Prêmio "Onassis - Homem e Sociedade", da Fundação Aristóteles Onassis - Grécia (1989); "Prêmio Nacional de Direitos Humanos" - Brasil (2005); "Comendador Ordem do Mérito Cultural", da Presidência da República do Brasil (2008); Prêmio "Chico Mendes" de Florestania – Acre (2008); "Grã-Cruz da Ordem do Mérito Cultural", da Presidência da República do Brasil (2015); Prêmio Mestre das Periferias, do Instituto Maria e João Aleixo - IMJA(2018);  Prêmio Juca Pato de "Intelectual do Ano", da União Brasileira de Escritores - UBE(2020); Prêmio "Trip Transformadores" (2021). 

Em 2016, a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) ortorgou a Krenak o título de Professor Doutor Honoris Causa, um reconhecimento pela sua importância na luta pelos direitos dos povos indígenas e pelas causas ambientais no país. É na UFJF professor de Cultura e História dos Povos Indígenas e Artes e Ofícios dos Saberes Tradicionais.

Publicou os seguintes títulos: "O lugar onde a Terra descansa" (2000); "Ailton Krenak: encontros" (2015); "Ideias para adiar o fim do mundo" (2019); "O amanhã não está à venda" (2020) e a "A vida não é útil" (2020). O seu livro "Ideias para adiar o fim do mundo" está traduzido para o inglês, italiano, francês, espanhol, holandês e alemão. Participa ainda de várias antologias poéticas e ensaísticas; tem artigos publicados em revistas e periódicos no Brasil e exterior.  

Participou e é protagonista (de vários) das séries documentais: "Índios no Brasil" (2000) e "Taru Andé – O encontro do céu com a terra" (2006-2007); "Guerras do Brasil.doc" - episódio 'As Guerras da Conquista' (2018); dos documentários: "Tamboro" (2009); "Índio Cidadão?" (2014); "Índios no poder" (2015); "Ailton Krenak e o sonho da pedra" (2017); "Amazônia - o despertar da Florestania" (2018); e do especial "Falas da Terra" (2021).

Participou de exposições de artes: "Armadilhas Indígenas" (2016); "A queda do céu" (2019); "O Rio dos Navegantes" (2019-2020) e "Moquém_Surarî: arte indígena contemporânea" (2021).


"Se a Terra adoecer, nós adoecemos junto. Não tem jeito de sermos pessoas saudáveis com o planeta todo quebrado"
- Ailton Krenak, em entrevista "trocamos nossa humanidade por coisas". Revista TRIP, 26.6.2021.


Ailton Krenak - foto: Neto Gonçalves / Companhia das Letras

OBRAS DE AILTON KRENAK

Livros
:: O lugar onde a Terra descansa. Ailton Krenak. [fotografias de Adriana Moura, Zaida Siqueira, Igor Pessoa e José Caldas]. Rio de Janeiro: ECO Rio/Núcleo de Cultura Indígena, 2000.
:: Ailton Krenak: encontros. [organização de Sergio Cohn; apresentação Eduardo Viveiros de Castro]. Coleção Tembetá. Rio de Janeiro: Azougue, 2015. {a obra reúne uma série de entrevistas concedidas por Krenak entre 1984 e 2013; e o discurso na Constituinte, no Congresso Nacional, em 1987}. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
:: Ideias para adiar o fim do mundo. Ailton Krenak. [capa Alceu Chiesorin Nunes]. São Paulo: Companhia das Letras, 2019. 
:: Ideias para adiar o fim do mundo. Ailton Krenak. .. [posfácio de Eduardo Viveiros de Castro; capa Alceu Chiesorin Nunes]. Nova edição. São Paulo: Companhia das Letras, 2ª ed., 2020. 
:: O amanhã não está à venda. Ailton Krenak. São Paulo: Companhia das Letras, 2020. {disponível em e-book grátis no link.}.
:: A vida não é útil. Ailton Krenak. [pesquisa e organização de Rita Carelli; capa Alceu Chiesorin Nunes]. São Paulo: Companhia das Letras, 2020. 

Caderno educativo em e-book
:: Caminhos para a cultura do Bem Viver. Ailton Krenak. [org. Bruno Maia; ilustração de capa Bruno Big]. Rio de Janeiro: Cultura do Bem Viver/Escola Parque, 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).

Em Antologias e coletâneas (participação)
:: Tempo e história. [org. Adauto Novais]. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. {consta: "Antes, o mundo não existia", de Ailton Krenak, p. 201-204}.
:: A outra margem do ocidente. [org. Adauto Novais]. Rio de Janeiro: Minc-Funarte; São Paulo: Companhia das Letras, 1999. {consta: "O eterno retorno do encontro", de Ailton Krenak, p. 23-31}.
:: História falada: memoria, rede e mundança social. [organização Karen Worcman e Jesus Vasquez Pereira]. São Paulo: Edições SESC SP, 2007.{autores presentes: Paul Thompson, Nicolau Sevcenko, Ailton Krenak, Heloisa Pires, Gaspar de Oliveira, Thom Gillespie, Carlos Seabra, Zeila de Brito Fabri Demartini, Zilda Kessel, Laura Pasquali, Edmir Perroti, Mauro Malin, Pedro Rangel Henriques, Fernando Guarnieri, Maurita Holland, Alberto Dines, Ruy Castro e Eduardo F. Coutinho}
:: Antologia indígena. 1ª ed. Cuiabá: Secretaria de Estado da Cultura do Mato Grosso, 2009. {autores presentesDaniel Munduruku, Ailton Krenak, Edson Kayapó, e outros}.
:: Literatura indígena brasileira contemporânea. (ensaios).. [organização Julie Dorrico, Leno Francisco Danner, Heloisa Helena Siqueira Correia e Fernando Danner]. Porto Alegre/RS: Editora FI, 2018. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021). 
:: Ameríndias: Performances do cinema indígena no Brasil. [org. Rita Natálio e André e. Teodósio]. Lisboa: Documenta (pt), 2019. {autores presentes: Ailton Krenak, Alberto Alvares, André Brasil, Aparecida Vilaça, Dominique Tilkin Gallois, Eduardo Viveiros de Castro, Els Lagrou, Estela Vara, Faye Ginsburg, Gilmar Galache, Isael Maxakali, Lauriene Seraguza, Manuela Carneiro da Cunha, Miguel Ribeiro, Pedro Cardim, Rita Natálio, Roberto Romero, Rodrigo Lacerda, Sueli Maxakali, Susana de Matos Viegas}.. (consta: "Cinema de Índio: demarcando um lugar na tela"/ de Ailton Krenak, p.153-154). Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
:: Tembeta: conversas com pensadores indígenas. [organização e apresentação Idjahure Kadiweu e Sergio Cohn].. {autores presentes: Ailton Krenak, Álvaro Tukano, Biraci Yawanawá, Eliane Potiguara, Jaider Esbell e Sônia Guajajara}. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2019.
:: Educação em rede . vol. 7 -  Culturas indígenas, diversidade e educação. (ensaios). Rio de Janeiro: SESC - Departamento Nacional, 2019. {autores presentes: Daniel Munduruku, Graça Graúna, Ailton Krenak, Angelise Nadal Pimenta, Bruno Kaingang, Edson Kayapó, Gersem Baiwa, José Ribamar Bessa Freira, Rita Gomes do Nascimento}Disponível no link. (acessado em 9.9.2021). 
:: No tremor do mundo: Ensaios e entrevistas à luz da pandemia. [organização Luisa Duarte e Victor Gorgulho]. Editora Cobogó, 2020. {autores presentes: Ailton Krenak, Angela Figueiredo, Bernardo Esteves, Christian Dunker, Diane Lima, Eliana Sousa Silva, Fabiana Moraes, Fernanda Brenner, Franco "Bifo" Berardi, Fernanda Bruno, Gabriel Bogossian, Giselle Beiguelman, Guilherme Wisnik, Heloisa M. Starling, Ivana Bentes, Júlia Rebouças, Marcio Abreu, Vilas e Favelas (MLB - Movimento de Luta nos Bairros), Noemi Jaffe, Orlando Calheiros, Paola Barreto, Pedro Duarte, Rodrigo Nunes, Sidarta Ribeiro, Silvio Almeida, Tatiana Roque}
:: Os Indígenas e as Justiças no Mundo Ibero-Americano (Sécs. XVI-XIX).. [orgs. ângela Domingues, Maria Leônia Chaves de Resende e Pedro Cardim]. Lisboa: Centro de História da Universidade de Lisboa; Atlântica Lisbon Historical Studies, 2019. {consta: "O insustentável abraço do progresso ou era uma vez uma floresta no Rio Doce", de Ailton Krenak}. Disponível no link e link. (acessado em 12.9.2021).
:: Água, compartilhamento e cultura de paz | 'Water, Sharing and Peace Culture'. [organização e apresentação Vera Margarida Lessa Catalão e Sergio Augusto Ribeiro; tradução Luiza Chaer, Leep Sharp, Roller Ibañes; foto de capa João Vianna]. Edição bilíngue. Brasília: Senado Federal; CIRAT, 2020. {autores presentes (textos): Leila Barros, Randolfe Rodrigues, Oscar de Moraes Cordeiro Netto, Paulo Salles, Alba Evangelista Ramos, José Sarney Filho, Marlova Jovchelovitch Noleto, Samuel Barrêto, Roseane Palavizini; Riccardo Petrella, Leonardo Boff, Edson Aparecido da Silva, Klaus Bosselmann, Timothy Williams, Henk Ovink, Susanne Schmeier, Ambika Jindal, Jasmin Schous; Ailton Krenak, Fernando Huanacuni Mamani, Vera Margarida Lessa Catalão, Moema Viezzer, Eriberto Eulisse, Pedro Arrojo Agudo, Aaron T. Wolf, Skye Steritz, Sergio Augusto Ribeiro, Roberto Malvezzi, Luciana M.S. Ferraz, May East, Eduardo Weaver, Hiro Emoto, Henk van Schaik, Carola Hein, Diederik Six, Gerald H. Pollack, Yasuyuki Nemoto, Ernst Götsch, José Fernando Santos Rebello, Li An Phoa; fotografias de: João Paulo Barbosa, João Vianna, Olivier Boëls, Rui Faquini, Sandro Barata Berg e Tatiana Cardeal}.. (consta: "Água – Vida: perspectivas cosmológicas contra-hegemônicas para um diálogo cosmopolítico" / "Water – Life: counter-hegemonic cosmological perspectives for a cosmopolitical debate", de Ailton Krenak, p. 195-208). Disponível no link e link. (acessado em 17.9.2021).
:: Poesia indígena hoje: resiliência. [organização Beatriz Azevedo e Julie Dorrico]. Dossiês 1. Revista p-o-e-s-i-a, n. 1 . 2020. {“Cardumes poéticos” - conta com participação de: Ailton Krenak, Aline Pachamama (puri), Auritha Tabajara, Ãtekáy (pataxó), Eliane Potiguara, Edson Krenak, Graça Graúna (potiguara/RN), Gustavo Caboco (wapichana), Ian Wapichana, Itayná Ranny Tuxá, Jamile Nunes (parintintim), Juliana Kerexu (guarani), Julie Dorrico (makuxi), Marcia Mura, Marcia Kambeba, Olivio Jecupé (guarani), Renata Machado (Tupinambá), Tiago Hakiy (mawé), Yaguaré Yamã (sateré-mawé) e Zélia Balbina (puri) | ensaios “Sementes” - conta com participação de: Daniel Munduruku, Fernanda Vieira (xocó/SE), Geni Ñunez (guarani), Jaider Esbell (makuxi), Kaka Werá (Tapuia) e Maria Elis Nunc-Nfôonro (xokleng)}. Disponível no link. (acessado em 11.9.2021).
:: Geração 2010 – O sertão é o mundo. [Fred di Giacomo. [organização Fred Di Giacomo; orelhas do livro Marçal Aquino; editor Marcelo Nocelli]. São Paulo: Editora Reformatório, 2020. {autores presentes: Ailton Krenak, Bruno Ribeiro, Débora Ferraz, Franklin Carvalho, Fred Di Giacomo, Gilvan Eleutério, Isabor Quintiere, Itamar Vieira Junior, Jarid Arraes, Julie Dorrico, Krishna Monteiro, Mailson Furtado, Marcelo Maluf, Marcia Kambeba, Maria Fernanda Elias Maglio, Maria Valéria Rezende, Mariana Basilio, Maya Falks, Micheliny Verunschk, Monique Malcher, Nara Vidal, Natalia Borges Polesso, Raimundo Neto, Santana Filho e Victor Guilherme Feitosa}.
:: Casa dos saberes ancestrais: Diálogos com sabedorias indígenas. [organização Wenceslão Machado de Oliveira Júnior e Alik Wunder; posfácio Daniel Munduruku]. Coleção Jurema - Saberes ancestrais e Direitos humanos. Campinas, SP. BCCL/UNICAMP, 2020. {autores presentes: Verônica Fabrini, Renata França Marangoni, Carmen Lucia Rodrigues Arruda, Alik Wunder, Artionka Capiberibe, Denilson Baniwa, Cláudia Wnaderley, Ailton Krenak, Vika Martins, Wilmar D'Angelis}.. (consta: "Casa como um corpo vivo" e "Arte para suspender o céu", de. Ailton Krenak, p. 144-160 e p. 164-175).  Disponível no link. (acessado em 19.9.2021).
:: Mestre das periferias: Ailton Krenak, Conceição Evaristo, Nêgo Bispo e Marielle Franco (in memoriam). Rio de Janeiro: Eduniperiferias, 2021.
:: Cartas para o Bem Viver. [organização Suzane Lima Costa e Rafael Xucuru-Kariri]. Salvador: Boto-Cor-de-Rosa Livros, Arte e Café, 2020. {autores presentes: Ailton Krenak, Sônia Guajajara, Gersem Baniwa, Juvenal Payayá, Graça Graúna, Márcia Kambeba,  Denilson Baniwa, Rafael Xucuru-Kariri, Jerry Matalwê, José Carlos Tupinambá, Taquari Pataxó, Eloá Kastelie, Rosenilda Luciano, Angela Mendes, Rubelise da Cunha, Cristina Araripe Fernandes, John Antón Sánchez, Aparecida Vilaça, Fábio Merladet, Ricardo Piera Chacón, Milena Britto, Rosinês Duarte, Maria Vanessa, Deise Queiroz, Thaiane Pinheiro, Tim Ingold, Bernd Reiter, Stéphane Pujol, Paloma Vidal, Arami Marschner, Joseley Francisco de Souza, Antônio Marcos Pereira, Alexandre San Goes, Joseane Maytê Sousa, Suzane Lima Costa, Irene Maria, Joseli dos Reis Querino, Lucien Azevedo, Fernanda Mota Pereira, Roberto Sobral, Maria Rosário de Carvalho, Nego Bispo, Diosmar Filho, Kandya Obezo Casseres, Beth Rangel, Alvanita Almeida Santos, Ramon Fontes, Felipe Milanez, Amanda Marina Batista, Leandro Durazzo}.. (consta: "De Ailton Krenak para quem quer cantar e dançar para o céu", pp. 20-22). Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
------
* Arte: (1) Ailton Krenak, por Maria Bitarello (2020) ; (2) Ailton Krenak, por Wellington [@wnt1991], 2019.

Ensaio e artigos em revistas 
KRENAK, Ailton. Tradição Indígena e Ocupação Sustentável da Floresta. In: Terra Livre, n. 6, agosto/1989.
KRENAK, Ailton. Paisagens, territórios e pressão colonial. In: Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 9, n. 3, p. 327-343, jul./dez. 2015. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
KRENAK, Ailton. Pensando com a cabeça na Terra. In: Anais da VI Reunião de Antropologia da Ciência e Tecnologia - Instituto de Estudos Brasileiros/ USP, 16 a 19 de maio de 2017. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
KRENAK, Ailton. Ecologia política – carta manifesto. In: Ethnoscientia, v. 3, n. 2 - especial, jul./dez. 2018. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
KRENAK, Ailton. A terra é um organismo vivo. In: QUINTERO, Elisa de Oliveira Rezende (org). Anais da SCAP - Entre assombros e sonhos lampejos de primavera | XII Semana de Ciência, Arte e Política da PUC Minas São Gabriel.  PUC-MG, Belo Horizonte, 2020. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
KRENAK, Ailton. Reflexão sobre a saúde indígena e os desafios atuais em diálogo com a tese “Tem que ser do nosso jeito”: participação e protagonismo do movimento indígena na construção da política de saúde no Brasil. In: Revista Saúde e Sociedade, v. 29, n. 3, 2020. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
---------
Imagem: Ailton Krenak - foto: Neto Gonçalves.

Ailton Krenak - prefácios e introdução
MAMBY, Gilmar Soares Karaí. Sonhos e Memorias: Reaprendendo a vida pelo instinto. [editor Fausto Barreira Filho; prólogo Ítalo de Aquino; introdução Sergio Pereira (Uerá) e  Aílton Krenak; fotografia Bruna Giannone]. Futurama Editora, 2016.
AZAM, Geneviève. Carta à Terra: e a Terra responde (Lettre à la Terre - Et la Terre répond). [prefácio Ailton Krenak; tradução Adriana Lisboa]. Belo Horizonte: Editora Relicário, 2020.
MERHY, Emerson Elias; MOEBUS, Ricardo Luiz Narciso (org.). Re-existir na diferença. [prefácio Ailton Krenak]. Coleção 'Micropolítica do trabalho e o cuidado em saúde'. Porto Alegre: Editora Rede Unida, 2020. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
VIEZZER, Moema; GRONDIN, Marcelo. Abya Yala! Genocídio, Resistência e Sobrevivência dos Povos Originários das Américas. [prefácio Ailton Krenak]. Rio de Janeiro: Bambual Editora, 2021.
IANELLI, Mariana. América - um poema de amor. [apresentação Ailton Krenak; pintura capa Arcangelo Ianelli; tradução Eduardo Langagne]. Bilíngue português/espanhol / Edição Especial Ilustrada. Ardotempo, 2021.

Ailton Krenak em "Cadernos SELVAGEM"
:: A vida é selvagem. Ailton Krenak. Série 'Cadernos Selvagem'. Dantes Editora Biosfera, 2020. 
:: Um raio caiu bem aqui do lado. Ailton Krenak. Série 'Cadernos Selvagem'. Dantes Editora Biosfera, 2021. 
:: Carta do Chefe Seattle - cometado por Ailton Krenak. Série 'Cadernos Selvagem'. Dantes Editora Biosfera, 2021. 
:: Inovação à terra - discurso de Ailton Krenak na Constituinte. comentado por Pedro Mandagará. Série 'Cadernos Selvagem'. Dantes Editora Biosfera, 2021. 
:: Nave gaia. Antonio Nobre e Ailton Krenak. Série 'Cadernos Selvagem'. Dantes Editora Biosfera, 2021
:: Nhe’ery, rec.tyty e outros pulsares. Ailton Krenak, Carlos Papá e Cristine Takuá. Série 'Cadernos Selvagem'. Dantes Editora Biosfera, 2021. 
** Esses e outros Cadernos Selvagem para baixar de graça no site do Selvagem Ciclos. (acessado em 16.9.2021).

Áudio livro
:: Áudio livro: Ideias para adiar o fim do mundo, de Ailton Krenak (2019) / leitura por Pedro Salim. In: Baixo Centro, 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).

"Se a gente não aprender a pisar suavemente na Terra, o céu cai sobre a nossa cabeça"
- Ailton Krenak, em entrevista "trocamos nossa humanidade por coisas". Revista TRIP, 26.6.2021.

****


Ailton Krenak - foto: Miguel Manso

AILTON KRENAK - OBRA TRADUZIDA


Alemão
:: Ideen, um das Ende der Welt zu vertagen (Ideias para adiar o fim de mundo). Ailton Krenak  [übersetzer (tradutor) Michael Kegler]. München: BTB Verlag, 2021.

Espanhol
:: Ideas para postergar el fin del mundo: Pueblos indígenas y medioambiente (Ideias para adiar o fim de mundo). Ailton Krenak [prólogo de Elaine Moreira; tradução Rodrigo Álvarezdirectora Rita Segato]. Colección Pensamiento del Brasil en español. Buenos Aires/AR: Prometeo Libros, 2021

Francês
:: Idées pour retarder la fin du monde (Ideias para adiar o fim de mundo). Ailton Krenak. [posfácio Eduardo Viveiros de Castro; tradução Julien Pallotta]. Bellevaux/France: Éditions Dehors, 2020.

Holandês
:: Ideeën om het einde van de wereld uit te stellen: Berichten van een bijna uitgestorven volk (Ideias para adiar o fim de mundo). Ailton Krenak [vertaling (tradução) Alexander van Kesteren] Nederlandse/Uitgeverij: Ten Have, 2021.

Inglês
:: Ideas to postpone the end of the world (Ideias para adiar o fim de mundo). Ailton Krenak [tradução Anthony Doyle]. Toronto/Canadá: House of Anansi Press, 2020.

Italiano
:: Idee per rimandare la fine del mondo: L'identità esemplare di un piccolo popolo per il futuro delle società umane(Ideias para adiar o fim de mundo). Ailton Krenak. [tradução ? ]. Aboca Edizioni, 2020.

"Eu sou um sujeito coletivo. O fato de ter me dedicado desde muito cedo a olhar em torno de mim, reconhecer as realidades que me circundavam, pensar o que eu podia fazer para ajudar a melhorar essas realidades e fazer o que podia, resultou na biografia de alguém chamado de importante liderança indígena no nosso Brasil"
- Ailton Krenak ao receber o título de doutor honoris causa da UFJF (2016)

****


Ailton Krenak - foto: acervo pessoal

AILTON KRENAK - ENTREVISTAS, CONFERÊNCIAS, DIÁLOGOS, DEBATES, AULAS E CONVERSAS (LIVES) 


AILTON Alves Lacerda Krenak. Rio de memórias. In: Museu da Pessoa, 14.3.2008. Disponível no link. (acessado em 21.7.2021).
AILTON Alves Lacerda Krenak. "O sangue do meu povo vai cair na sua cabeça.". In: Museu da Pessoa, s/data. Disponível no link. (acessado em 21.7.2021).
AILTON Krenak -  Papo Astral com Marcelo Gleiser. In:  Marcelo Gleiser, 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
AILTON Lacerda: um brasileiro, um Krenak / vídeo gravado pelo Instituto Itaú Cultural In: Daniel Munduruku, 2019. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
AILTON Krenak [realização Joaquim Castro e Luiz Giban; edição Guilherme Leandro; câmeras Joaquim Castro, Luiz Giban e TVQWEB]. In: Os Mil Nomes de Gaia – do Antropoceno à idade da Terra | Colóquio Internacional - Casa de Rui Barbosa, Rio de Janeiro, 15 a 19 de setembro de 2014/ Depoimento e debate, 2015. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
AILTON Krenak: O Bem Viver e o sentido da natureza / mediação: Bruno Maia e Nina Arouca. In: Escola Parque Live / Rio de Janeiro, 17 de junho 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
ALBUQUERQUE, Hugo ; TIBLE, Jean François Germain. ?A História também pode se repetir como tragédia? Uma entrevista com Ailton Krenak. In: Jacobin Brasil, São Paulo, 26 mar. 2020. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
ALENCAR, Jean Alex (mediação). Ailton Krenak no Terreiro Cariri Moaceps - Diálogo sobre Cultura e bem viver. In: Terreiro Cariri, agosto/2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
ALICE_Interview_29 - Ailton Krenak e Maria Paula Meneses e Bruno Sena Martins. In: ALICE CES, 17.3.2016. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
ALMEIDA, Silvio. Encontros para adiar o fim do mundo / Cruzos - Aílton Krenak e o Leonardo Boff. In: Cruzos - Silvio Almeida, 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
ALMEIDA, Silvio. O que fazer hoje para que sigamos vivos / Cruzos - Aílton Krenak e o Leonardo Boff. In: Cruzos - Silvio Almeida, 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
ARAÚJO, Flávio de (mediação). O ancestral que habito, com Ailton Krenak e Itamar Vieira Júnior. In: SESC Paraty (RJ)/ Arte Palavra, 28.10.2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
ASHOKA. Dimensões da humanidade: de quem falamos? - Série de Lives "Um Mundo de Pessoas que Transformam" - com Rosana Paulino, shoka João Souza e Ailton Krenak. In: Ashoka Brasil, 8 de julho de 2020. Disponível no link. (acessado em 18.9.2021).
AULA inaugural com Ailton Krenak - Mestrado Profissional em Saúde da População Negra e Indígena. In: TV UFRB - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, 30.8.2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
AULÃO com Ailton Krenak: A vida não é útil | Cura na Janela / apresentação e mediação Giovanna Heliodoro. In: CURA Circuito Urbano de Arte, 2.10.2020. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
BARBOSA, André Luís Gardel. Entrevista com Aílton Krenak. In: Revista InComunidade, Porto - Portugal, julho 2019. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
BATE-PAPO com Ailton Krenak - Território cultural / mediação Tâmara David e Kenia Dias. In: 
SP Escola de Teatro, 19.9.2020. Disponível no link. (acessado em 10.9.2021).
BELLA, Gabi Di. "Nós já estávamos de quarentena, vivendo numa condição de quase refugiados", diz Krenak. (entrevista). In: National Geographic Brasil, 8 de agosto de 2020.  Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
BIENAL. Entrevista com o líder indígena Ailton Krenak realizada para a publicação Educativa da 34ª Bienal. In: Bienal, dez. 2019. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
BRASIL DE FATO. Ailton Krenak no Brasil de Fato Entrevista - Crime da Vale em Mariana / entrevistado por Pedro Stropasolas e Rodrigo Chagas. In: Brasil de Fato / Rede TVT, 11 de junho de 2020. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
BUALA. A humanidade que pensamos ser. [entrevista conduzida por Rita Natálio e Pedro Neves Marques / Lisboa, Maio de 2017 - no âmbito de uma conferência no Teatro Maria Matos, transcrita e editada por Marta Lança - integrado no projeto Antropocenas]. In: Buala, Mukanda, 26 Outubro 2017. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
BUCCI, Eugênio (mediação). Conversa com Ailton Krenak - parte 1 e 2 - encontro República do Amanhã. In: República do Amanhã, 15 de agosto 2020. Disponível no link 1 e link 2. (acessado em 13.9.2021). 
CAMPOS, Yussef Daibert Salomão de.. O patrimônio cultural e o protagonismo indígena na Constituinte de 1987/88. Entrevista com Ailton Krenak. In: Horizontes Antropológicos (online), v. 24, p. 371-389, 2018. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
CARTA CAPITAL. "Se o bicho avançar, vamos encarar de pé", diz Ailton Krenak. In: Carta Capital, 10 de abril de 2015. Disponível no link. (acessado em 11.9.2021).
CARVALHO, Paula. Mais ideias para adiar o fim do mundo Ailton Krenak (entrevista) / podcast dos livros 451 MHz. In: Quatro Cinco Um, 4 de junho de 2021. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
CCBJ. Masterclass de Audiovisual - Ailton Krenak: aula show "Já me transformei em imagem". In: Centro Cultural Grande Bom Jardim, 12.10.2020. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
CEDIPP. Conversa de Ailton Krenak com Pariko Ekureu e Marília Librandi sobre a ideia de uma Constelação de Saberes [O evento também fez parte do Ciclo Universidade em Transformação, coordenado por Paulo Farah, reunindo os Núcleos de Apoio à Pesquisa da USP - Diversitas - Brasil África - CEsTA e NAPPLAC]. In: CEDIPP - Diversistas FFLCH - ECA/ USP, 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
CESARINO, Pedro. As alianças afetivas [entrevista com Ailton Krenak. In: Bienal de São Paulo. Incerteza Viva. Dias de estudo. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2016, pp. 169-188. Disponível no link. e link. (acessado em 13.9.2021).
CHAGAS, Rodrigo; STROPASOL, Pedro. Ailton Krenak: "A mineração não tem dignidade, se pudesse continuaria escravizando". {entrevista}. In: Brasil de Fato, Rádio, 6 de novembro de 2020. Disponível no link. (acessado em 21.7.2021).
CINECLUBECASASCASADASAilton Krenak e o sonho da pedra / Cineclube Casas Casadas | Encontro com o diretor Marco Altberg e o líder indígena AIlton Krenak. In: ABC Cursos de Cinema, 2021. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
CIRANDAS na Educação com Ailton Krenak. In: Cirandas na Educação - Escola Comunitária Ciranda, 2019. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
CLIMACOM. Mesa redonda: Da Guerra dos Mundos a uma nova ecologia dos afetos entre-mundos: Deborah Danowski, Ailton Krenak e Almires Martins / mediação Profa. Dra. Alik Wunder. In: Revista ClimaCom - Dossiê Ecologias Radicais, ano 5, n. 11. 2018. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021). 
COELHO, Marco Antônio Tavares. Genocídio e resgate dos "Botocudo" - Entrevista com Ailton Krenak [Belo Horizonte (MG), setembro de 2008]. In: Revista Estudos Avançados - USP, v. 23, n. 65, pp. 193-204, 2009. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
COELHO, Rosangela. Ailton Krenak "A vida não é útil". [edição e texto por Hélio Carlos Mello]. In: Jornalistas Livres, (MultiRio / #Educaemcasa), 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
COHN, Sergio. Entrevista com Aílton Krenak, fundador e diretor da ONG Núcleo de Cultura Indígena. In: Casa de Rui Barbosa, Rio de Janeiro, 24 jun. 2010. Disponível no link. (acessado em 10.9.2021).
COLÓQUIO. Os indígenas e as justiças no mundo ibero-americano - Mesa de abertura: com Ailton Krenak "O insustentável abraço do progresso ou era um vez uma floresta no Rio Doce" / apresentação Ângela Domingues e Maria Leônia Chaves de Resende. In: Mundos Nativos CHDPI, 20 de maio de 2021. Disponível no link. (acessado em 12.9.2021).
CONFERÊNCIA. CFO6: A vida é selvagem / com Ailton Krenak | 20º Congresso Brasileiro de Sociologia (12 a 17 de julho de 2021). In: SBS TV, 16.7.2021. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
CONFERÊNCIA de Ailton Krenak na UFG, em 21 de outubro de 2019. In: A Casa de Vidro Ponto de Cultura, 2019. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
CONFERÊNCIA. Há 30 anos: a mobilização indígena e a definição do programa mínimo - convidado Ailton Krenak / mediação Profa. Dra. Camila Loureiro Dias (IFCH/Unicamp). In: História e Direitos Indígenas no Brasil, UNICAMP, Campinas/SP, 21.6.2018. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
CONFERÊNCIA de Ailton Krenak em Lisboa / no âmbito do ciclo UTOPIAS e de Passado e Presente Lisboa 2017 - Capital Ibero-Americana de Cultura. In: Arquivo Teatro Maria Matos, 2017. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
CONVERSA. O fim do capitalismo por Pachamama: Conversa com Ailton Krenak. [uma parceria entre o Fórum Popular da Natureza e os Jornalistas Livres]. In: Fórum Popular da Natureza, 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
CONVERSA: Ailton Krenak e Christian Cravo (Por ocasião da exposição “Mariana: Christian Cravo”, em cartaz no Instituto Tomie Ohtake de 18 de setembro a 27 de outubro de 2019). In: Instituto Tomie Ohtake, 2019. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
DCM. “A contagem de mortos é igual taxímetro, não para. Seremos uma Uganda”, diz Ailton Krenak / entrevistado por Fernando Gentil. In: Diário do Centro do Mundo, 30 de maio de 2020. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
DHFEST. Somos a terra: os direitos da natureza e o futuro da humanidade com Ailton Krenak, Sebastião Salgado / mediação Ana Toni | #dhfest - Festival de Cultura em Direitos Humanos (7 a 14 de março/2021). In: Sesc Bom Retiro - São Paulo, 13 de março de 2021. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
DIÁLOGOS do Terra Madre Brasil – Debaixo do Barro do Chão - Ailton Krenak e Gilberto Gil / Esta atividade faz parte do Terra Madre Brasil 2020 (evento online). In: SlowFoodBrasil, novembro de 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
DIÁLOGOS ambientais 2020: "Impactos das Mudanças Climáticas no Ceará" - com Jeovah Meireles, Gabriela Aguiar e Ailton Krenak / mediação Bruno Ary. In: Maestria Comunicação e Eventos, 26 de novembro de 2020. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
DIÁLOGOS. Direitos da Natureza - Ailton Krenak e Eduardo Gudynas / mediação de Pagu Rodrigues. In: Coalizão pelo Clima / Casa do Povo, São Paulo, 5 de setembro de 2019. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
DUARTE, Rafael. EP#1 -Ailton Krenak - A conexão entre o ser humano e o seu próprio ambiente. In: Reconecta Podcast por Rafael Duarte, maio? 2020. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
EDITORA MODERNA. Ailton Krenak: ideias para adiar o fim do mundo / mediação de Andre Lazaro e Miguel Thompson. In: Editora Moderna, Junho 2020. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
EDUCATIVA/MN. 1º Ciclo Formativa (Webinário) Ailton Krenak - O que podemos aprender com a natureza?. In: Programa EducAtiva Museu Nacional, maio de 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
ENTREMUNDOS: Dia 4 - vídeo 3 - Ailton Krenak - Razões ancestrais e Novas Sínteses Culturais. In: Ocaraté, 26.8.2010. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
ENTREVISTAS. Casa das Palavras com Mary Del Priore e Ailton Krenak - Livro em Pauta / apresentação Carolina Nogueira e entrevista por Cláudio Ferreira e Mariana Monteiro | realizadas durante a III Bienal do Livro e da Leitura de Brasília (21 a 30/10/2016). In: TV Câmara / Câmara dos Deputados. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021). 
ESBELL, Jaider. Diálogos: Desafios para a decolonialidade/ com Ailton Krenak. (entrevista / conversa). In: UnB TV, 2020. Disponível no link. (acessado em 10.9.2021).
ESCOLA DA CIDADE. XV Seminário Internacional | Ailton Krenak e Wellington Cançado / mediação Francisco Fanucci. In: Escola da Cidade, 4.8.2020. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
ESCOLA DA VILA. Ailton Krenak - Vila Conversa Virtual - Escola da Vila 2020 / participam Luisa Furman, Cris Maher e Fermin. In: Escola da Vila, 8.10.2020. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
EURECICLOAilton Krenak e Antonio Donato Nobre - 1º Dia - ESG: um caminho para a regeneração? / mediação Tania Sassioto | II Fórum Internacional Eureciclo (22, 23 e 24 de Junho/2021). In: Selo Eureciclo, 22.6.2021. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
EURIPEDES JR. (Você). Ailton Krenak: O ano 4000 é amanhã. In: Museu de Imagens do Inconsciente, 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
FARIAS, Renato. Ailton Krenak ("Ideias para Adiar o Fim do Mundo"/2019) – Ciência e Letras [entrevista]. In: *Canal Saúde Oficial, 20 de julho de 2021 {*O Ciência e Letras é um programa criado em uma parceria entre a Editora Fiocruz e o Canal Saúde, destinado a amantes de livros em geral}. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
FELICA. 'O amanhã não está à venda', Ailton Krenak e 'Crônicas do fim do mundo', Humberto Werneck e Ian Fraser. [apresentação Fernando Oberlaender; mediação Eduardo Mattedi]  | FELICA - Festa Literária da Caramurê, 3º dia. In: TV Caramurê, 3 de novembro de 2020. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021). 
FERNANDES, Bob. Intelectual do ano, Ailton Krenak: "Brasil matou índios, negros, segue matando. Sociedade hipócrita". In: Bob Fernandes, 24 de setembro de 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
FERNANDES, Bob. Demolição do Brasil. Conversas com Ailton Krenak, Daniela Campello, Silvio Almeida, Vladimir Safatle. In: Bob Fernandes, 18.8.2020. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
FESTIVAL CAJUBI: “Ideias para um mundo em desencanto” - Ailton Krenak & Elisa Lucinda / mediação Antonio Leal. In: 25 de fevereiro de 2021. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
FESTIVAL SOLOS. Ailton Krenak: palestra - Festival de Solos 2021 (online). In: BR Produtora, 25 de abril de 2021. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
FIDA2020. Encontros: "Um jeito de Corpo Toré: dança, salvaguarda da floresta e (re)existência nas culturas indígenas" com Ailton Krenak (Brasil) e Roberto Ayala (Paraguai) / mediação Denny Neves | FIDA 2020 (22 a 27/9/2020). In: Prefeitura de Araraquara, 22 de setembro de 2020. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
FLIARAXÁ. Mia Couto, Aílton Krenak e Afonso Borges - "O Futuro das Almas e do Planeta". In: Fliaraxá, 1 de novembro/2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
FLIPEI. Cosmologias indígenas: palavras que carregam mundos: Suely Rolnik, Ailton Krenak e Jean Tible / mediação Hugo Albuquerque - FLIPEI - Festa Literária Pirata das Editoras Independentes, 2019. In: Autonomia Literária, 2019. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
FÓRUM entrevista o ativista indígena Ailton Krenak [por Tatiana Roque e Alyne Costa]. In: Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ, 2020? Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
FREIRE, Alipio; BUCCI, Eugênio. Ailton Krenak – Receber sonhos. [entrevista]. In: Teoria e Debate, n. 7, 6.7.1989. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021). 
GARCIA, Natália (mediação). A Floresta que Dorme Debaixo do Asfalto – Brechas Urbanas (2016): participação do líder indígena Ailton Krenak e do permacultor australiano Peter Webb - parte 1/2. parte 2/2. In:  Itaú Cultural, em São Paulo/SP  - setembro/2016. Disponível no link e link. (acessado em 13.9.2021).
GILLI, Mariana. É preciso considerar os ciclos da natureza, não a urgência monetária, diz Ailton Krenak (entrevista). In: Globo Rural, 5 de junho de 2021. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
GIMENES, Miriam. Ailton Krenak: ‘Nós estamos sendo assassinados e vou ligar para fantasia?’ [entrevista]. In: Diário do Grande ABC, 2.3.2020. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
GLAMURAMA. Joyce Pascowitch conversa com Ailton Krenak, líder indígena, com sua visão de mundo, sua sabedoria e propósito. In: TV Glamurama, 13 de outubro de 2020. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
GLOBONEWS. 25 anos de GloboNews: reveja entrevista de Miriam Leitão com Ailton Krenak. In: G1/Globo, 23.8.2021. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
GNT. O objetivo da vida é ser produtivo? | Aílton Krenak | Papo Rápido | Papo de Segunda [Fábio Porchat, Emicida, Chico Bosco e João Vicente conversam com ele sobre a ideia de utilidade que guia nossas vidas. Como a visão de mundo, a filosofia dos povos conectados à natureza poderia nos ajudar a viver melhor?]. In: Canal GNT, 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
GONÇALVES, José Eduardo. Letra em Cena, como ler... Literatura Indígena com Ailton Krenak. In: Minas Tênis Clube, programa literário - "Letra em Cena on-line", 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
GUELMAN, Leonardo (mediação). A arte nos une: Ailton Krenak - O amanhã não está à venda. In: Centro de Artes UFF, 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
HELAL FILHO, William. Nossa aparente normalidade inclui rotina de catástrofes', diz líder indígena Ailton Krenak (entrevista). In: O Globo, 17.11.2019. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
IMS. Claudia Andujar por Ailton Krenak / vídeo gravado por Maria Clara Villas | Conversa na galeria. In: Instituto Moreira Salles Paulista, 14 de fevereiro de 2019. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
INTERCEPT. Ao vivo: Ailton Krenak e Leandro Demori conversam sobre a crise do coronavírus. In: The Intercept Brasil, 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
INSTITUTO Socioambiental. Debate com Davi Kopenawa, Ailton Krenak e Sônia Guajajara. In: Instituto Socioambiental, 19 de abril de 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
IPTV/USPO Seminário Internacional: A Saúde Indígena e a Ecologia de Saberes no Enfrentamento dos Desafios Atuais: "Tem que ser do nosso jeito". [palestrantes: Ailton Krenak – Liderança Indígena; João Arriscado Nunes – Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra; Ana Lúcia Pontes – ENSP/FIOCRUZ (RJ) e ABRASCO e Douglas Antonio Rodrigues – Projeto Xingu UNIFESP | coordenação: Marília Louvison – Profa. Dra. Depto. Política, Gestão e Saúde da FSP/USP e Nayara Scalco – Doutoranda Programa de Saúde Pública da FSP/USP | Faculdade de Saúde Pública da USP  realizado em 26 de março de 2019]. In: IPTV- USP, 2019. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
ITÁUCULTURALAilton Krenak – culturas indígenas (2016) - entrevistado por Thiago Rosenberg. [Depoimento gravado durante o evento Mekukradjá – Círculo de Saberes de Escritores e Realizadores Indígenas, em setembro de 2016, em São Paulo/SP]. In: Itaú Cultural, set./2016. Disponível no link. (acessado em 11.9.2021).
ITÁUCULTURAL. Arte como construção de futuros possíveis – com Christian Dunker e Ailton Krenak. In: Itaú Cultural, março 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
JORNAL EXPRESSO. "Somos índios, resistimos há 500 anos. Fico preocupado é se os brancos vão resistir" (Ailton Krenak).. [entrevista/ texto Christiana Martins; vídeo Joana Beleza]. In: Jornal Diário Expresso, 19.10.2018. Disponível no link. (acessado em 12.9.2021).
JERONIMO, Josie. Entrevista: Ailton Krenak fala à Opan. In: OPAN - Operação Amazônia Nativa, 18 de dezembro de 2020. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
KACHANI, Morris; FORSTER, Paula. Um grito na paisagem [Entrevista com Ailton Krenak]. In: Brasil, Estado S. Paulo, 6.Nov. 2017. Disponível no link e link. (acessado em 16.9.2021). 
KARNAL, Leandro. Indígenas no Brasil e Meio Ambiente | Ailton Krenak e Leandro Karnal. In: Prazer, Karnal - Canal Oficial de Leandro Karnal, 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
KNOBEL, Marcelo. Ailton Krenak: a ignorância é um vírus / Espaço Recíproco com Marcelo Knobel. In: Espaço Recíproco, 8 de fevereiro 2021. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
LIVE. Emicida, Gilberto Gil e Ailton Krenak #NosEncontramosNaMusica - Ontem, hoje, sempre/ mediação Adriana Ferreira. In: Emicida, 2020?. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
LIVE com Ailton Krenak - Ocupações Ecológicas e Espiritualidade. In: Ayrumã Ecovila, 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
LOURES, Glauber (mediação). Cultura e Resistência Indígena no Brasil - Ailton Krenak [aula pública do curso Modernidade e Mudança Social, do Departamento de Sociologia da UFMG, 18 de fevereiro 2021]. In: Janelas da Terra, 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
MAAKAROUN, Bertha. "O modo de funcionamento da humanidade entrou em crise", opina Ailton Krenak (entrevista). In: Estado de Minas, 3.4.2020.Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
MASSUEA, Amanda; WEIS, Bruno. O tradutor do pensamento mágico {entrevista com Ailton Krenak}. In: Revista Cult, 4 de novembro de 2019. Disponível no link. (acessado em 21.7.2021).
MEGAFAUNA. A terra plana: Um encontro com José Wisnik e Ailton Krenak / mediação Fernanda Diamant. In: Livraria Megafauna, 11.12.2020. Disponível no link. (acessado em 11.9.2021).
MEMÓRIA & PODER. Ailton Krenak conta a sua trajetória e fala da luta permanente dos povos tradicionais no Brasil. (entrevista). In: Assembleia de Minas Gerais - Memória & Poder/ TV Assembleia de Minas [Ideia e formato original Luiz Fonte Boa; produção Priscila Dionízio; entrevista e edição Erick Araújo; imagens Heitor Costa; Auxiliar de câmera Leandro; Digitalização de fotos Guilherme Bergmanini]. Disponível no link. (acessado em 10.9.2021). 
MENDONÇA, Rita (mediação). Módulo Terra Viva - Conversa Ailton Krenak e Antonio Nobre. In: Escola Schumacher Brasil, s. data. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
MENDONÇA, Thiago B.. Vozes da Floresta - Ailton Krenak. In: Le Monde Diplomatique Brasil, 2019?. Disponível no link. (acessado em 10.9.2021).
MENEZES, Viviam. O ambientalista Aílton Krenak avalia os impactos da pandemia de covid-19 nos povos indígenas [entrevista] / Programa Mundo Político / TV Assembleia. In: Assembleia de Minas Gerais, 2.7.2020. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
MILLAN, Camilla; FURLAN, Seham. "De qual humanidade você é?" [entrevista]. In: Esquinas - Revista Digital Laboratório da Faculdade Cásper Líbero, edição n. 63, 2018?. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
MITSPPerspectivas Anticoloniais ("O que ainda podemos imaginar juntos?") - Mesa 1 - Do Tempo - Ailton Krenak e Paulo Arantes. In: MITsp, 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
MUDA. Ciclo Outras Economias - Cosmologias do dinheiro - Nego Bispo e Ailton Krenak /  mediação de João Carlos Artigos. In: Muda Outras Economias, 18 de maio de 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
NOSSOBEMESTAR - Entrevista Ailton Krenak. In: Nosso Bem Estar, 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
NUCS/UFCG. Aula 1 - Práticas Indígenas de Produção de Cuidado - convidado: Ailton Krenak. In: NUCS UFCG, 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
NUNES, Mônica. "Uma brisa no meio da tempestade", diz Ailton Krenak sobre sua premiação com o 'Juca Pato', troféu de literatura. In: Conexão Planeta, 23 de setembro de 2020. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
O LUGAR. Como adiar o fim do mundo - Ailton Krenak. In: O Lugar, fevereiro de 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021). 
OAB. Papo em Ordem 6ª edição - Com Felipe Santa Cruz e Aílton Krenak. In: OAB Nacional, 7 de julho de 2021. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
OBSERVATÓRIO INDIGENISTA. Ailton Krenak analisa o Brasil / com participação de Nuno Nunes, João Maurício Farias e Cris Tupan. In: Observatório Indigenista, 21 de setembro de 2019. Disponível no link. (acessado em 11.9.2021).
OLIVEIRA, Thais Reis. Ailton Krenak: próxima missão do capitalismo é se livrar de metade da população do planeta [entrevista]. In: Carta Capital, n. 1138, 31 de dezembro de 2020. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
ONG BEATOS. Palestra com Ailton Krenak e Fabiano Piuba / no Seminário Tradição Oral - Percursos da Ancestralidade e Sequência Geracional. [mediação Américo Córdula; interprete de libras Soraya Mendes. In: Ong Beatos, 28 de agosto de 2021. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
ORENSTEIN, José. ‘Enquanto tiver gente no Brasil, vai ter presença indígena’ | Entrevista com Ailton Krenak. In: Nexo Jornal, 2019. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
ORLANDI, Ana Paula. "Sempre estivemos em guerra" Ailton Krenak. [entrevista]. In: Goethe-Institut Brasilien, março de 2020. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
ORTEGA, Anna. Ailton Krenak: "A Terra pode nos deixar para trás e seguir o seu caminho" {Entrevista}. In: Jornal da Universidade, UFRGS, 12 de novembro de 2020. Disponível no link. (acessado em 21.7.2021).
PERILLO, Augusto. Ailton Krenak e o dia internacional de luta contra a tortura - 9º Bate papo sobre pandemia/edição especial. (entrevista). In: canal Augusto Perillo, junho 2020. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
PÍLULAS Literárias (4ª): Aula pública em Princeton com Ailton Krenak, "De mal a pior" / Com Lilia Schwarcz, Pedro Meira Monteiro, Nasir Ismael, Catarina Lins, Erica de Lacerda, Alvin Synarong, You Jin Kim, Yvette Ramirez e Jimin Kang. In: Canal Lilia Schwarcz, 31 de março de 2021. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
PINHEIRO, Vera. A Ciência que eu Faço - Ailton Krenak - (1) e (2). In: Vera Pinheiro, 24.9.2014. Disponível no link 1 e link 2. (acessado em 13.9.2021).
PIRES, Carol (mediação). Mesa 6: Sonhos para adiar o fim do mundo, com Ailton Krenak e Sidarta Ribeiro / part. Ricardo Teperman. In: #NaJanelaFestival, evento on-line, 22 a 24 de maio/2021 | Companhia das Letras, 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
PLAY9. Vidas indígenas importam: Ailton Krenak, Gabriela Prioli, Cristian Wariu e Ana Paula Xongani se juntam para um debate aberto e democrático sobre a situação dos povos indígenas e a importância de uma revisão sobre a forma como contamos a nossa história e representamos os povos originários. In: Gabriela Prioli, 17 de agosto de 2020. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
RAIMUNDO, Sidnei (mediação). Natureza como Bem Público com Ailton Krenak e Cristina Adams. In: SESC SP, o seminário “Diálogos sobre os Desafios Socioambientais Contemporâneos”,  no Sesc Vila Mariana, em junho de 2017. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
REDE UNIDA. "Medicina Tradicional Indígena: Território de Re-existência”, com Álvaro Tukano, Aílton Krenak, Carlos Papá Mbiá Guarani, Cristiane Takuá e João Paulo Barreto / mediação Guilherme Wady, Ricardo Moebus e Carla Albuquerque| 14º Congresso Internacional da Rede Unida (28.10 a 1.11/2020). In: TV Rede Unida, 31 de outubro de 2020. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
RIBEIRO, Eduardo. Envenenam a Terra por não acreditar que ela é um organismo vital". (entrevista). In; Elástica/Abril, 20 de julho de 2020. Disponível no link. (acessado em 10.9.2021).
RIBEIRO, João Ruela. Ailton Krenak: “Nós somos inúteis aqui: esta é a declaração da Terra”. In: Público, 28 de dezembro de 2020. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
RODA VIVA. Ailton Krenak (entrevista). In: Roda Viva/ TV Cultura - Fundação Padre Anchieta - Estado de São Paulo, 19.4.2021. Disponível no link. (acessado em 10.9.2021).
ROLNIK, Suely (mediação). Ailton Krenak - Filosofia ameríndia: por um outro modo de pensar e viver.../ part. Alex. In: Agenciamentos Contemporâneos - Grupo de Pesquisa em Filosofia, Ciências Humanas e outros sistemas de Pensamento - Montes Claros/MG, 23.6.2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
ROQUE, Tatiana (mediação). Fórum recebe Ailton Krenak e Suely Rolnik. In: Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ, 10 de outubro de 2019. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
SANTANA, Fernanda. 'Vida sustentável é vaidade pessoal', diz Ailton Krenak (entrevista). In: Correio 24 horas, 25.1.2021. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
SCHWARCAZ, Lili. Lili entrevista | Ailton Krenak. In: Lili Schwarcz, 2020. Disponível no link. (acessado em 10.9.2021).
SEILERT, Sara/ MNR (apresentação). Ailton Krenak - Webinário. 1º Ciclo de Encontros do Programa EducAtiva [participam - Programa Educativa Luana Cavalcante e Vitor Camargo]. In: Museu Nacional da República, 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
SELVAGEM (Live). Conversa Selvagem - Moisés Piyãko e Aiton KrenakIn: Selvagem -  ciclo de estudos sobre a vida, 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
SELVAGEM (Live). Conversa Tyty - Rec tyty - Selvagem: Naine Terena, Ailton Krenak, Carlos Papá, Cristine Takuá, Sandra Benites. In: Selvagem - ciclo de estudos sobre a vida, 25 de abril de 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
SELVAGEM (Live). Conversa Selvagem - Cristine Takuá, Carlos Papá e Ailton Krenak / mediação Anna Dantes. In: Selvagem - ciclo de estudos sobre a vida, 7 de abril 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
SELVAGEM. Conversa Nheery - Rec tyty - Selvagem - Ailton Krenak - Carlos Papá - Saulo Guarani e Sergio Macena. In: Conversa Selvagem - ciclo de estudos sobre a vida, 17 de abril/2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
SELVAGEM (Live). Conversa Selvagem - Nave Gaia - Ailton Krenak e Antonio Nobre [tradução Gabriel Paixão; legendas Camila Albrecht]. In: Selvagem -  ciclo de estudos sobre a vida, março 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
SELVAGEM (Live). Conversa Selvagem - Jeremy Narby e Ailton Krenak / mediação Anna Dantes. In: Conversa Selvagem - ciclo de estudos sobre a vida, 21.12.2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
SELVAGEM (Live). Conversa Selvagem - Ailton Krenak e Emanuele Coccia. In: Conversa Selvagem - ciclo de estudos sobre a vida, 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
SELVAGEM (Live). Conversa Selvagem - Ailton Krenak e Marcelo Gleiser / mediação Anna Dantes. In: Conversa Selvagem - ciclo de estudos sobre a vida, 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
SELVAGEM. Ailton Krenak, chefe Seattle e Davi Kopenawa. In: Selvagem - ciclo de estudos sobre a vida, novembro, 2019. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
SEM ESTÚDIO entrevista - Ailton Krenak. In: Sem estúdio/ Editorial J - curso de Jornalismo da Escola de Comunicação Artes e Design Famecos da PUCRS, 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
SEMINÁRIO. Dia 1 - O Truque Colonial que Produz, o Pardo, o Mestiço e outras categorias de Pobreza / abertura - com Ailton Krenak. [mediação Júlio Güató; apresentação Karin Santos; organização GT Indígena do Tribunal Popular em parceria com a TV Tamuya]. In: Ciclo do seminário "Não sou pardo, sou Indígena"/ TV Tamuya, 11 de abril/2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
SEMPRE UM PAPO. Afonso Borges recebe Aílton Krenak e Bené Fonteles para falar sobre o tema "Arte Sagrada e Espiritual de Viver" / #SempreUmPapoEmCasa. In: Sempre um Papo, 6 de maio de 2021. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
SEMPRE UM PAPOAilton Krenak no #SempreUmPapo lança "Ideias Para Adiar o Fim do Mundo". In: Sempre Um Papo / TV Câmara, 30 de outubro de 2019. Disponível no link. (acessado em 10.9.2021).
SEMPRE UM PAPO. Ailton Krenak: "A natureza não é uma fonte inesgotável". In: Sempre Um Papo / TV Câmara, 2019. Disponível no link. (acessado em 10.9.2021).
SESCPARANÁ. Literatura e a Voz da Liberdade com Ailton Krenak / na Semana Literária com o professor e pesquisador Marco Valentim em uma mesa-redonda, 25.9.2019. In: Sesc Paraná, setembro/2019. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
SILVA, Jailson de Souza e.. Ailton Krenak – A Potência do Sujeito Coletivo - Parte I - Parte II.  In: Revista Periferias, 201? . Disponível no link e link. (acessado em 9.9.2021).
SILVA, Juremir Machado da.. "Não somos uma nação". Entrevista/Ailton Krenak. In: Correio do Povo - Caderno de Sábado, 22.11.2020. Disponível no link e link. (acessado em 17.9.2021).
SOARES, João Pedro. "Humanidade vive divórcio da vida na Terra", diz Ailton Krenak. {entrevista}. In: DW - Deutsche Welle, 29.3.2021. Disponível no link. (acessado em 21.7.2021).
SOUZA, Ana Paula Lemes de.. Entrevista com Ailton Krenak - Nhé´ẽ: povos indígenas e guerras das águas / V Flavir - Feira Literária de Águas Virtuosas. In: Breves Notas, 16 de maio de 2021. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
TAG. Literatura dos povos originários | As páginas vibrantes da América Latina, com Ailton Krenak e Eliane Potiguara / mediação Julie Dorrico. In: TAG - Experiências Literárias, 26.11.2020. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
TASS, Marcelo. Ailton Krenak (entrevista). In: Programa Provocações / TV Cultura - São Paulo, 2019. Disponível no link. (acessado em 10.9.2021). 
TEDX. O tempo do mito - Ailton Krenak no TEDxUnisinos 2020. In: TEDxUnisinos, 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
TEDXLife, always: Aílton Krenak at TEDxVilaMadá (apresentação/vídeo) | TEDxVilaMadá, Teatro da Vila, 26 de maio 2011. Disponível no canal TEDx no link. (acessado em 21.7.2021).
TEPERMAN, Ricardo (mediação). Bate-papo de lançamento do livro "A vida não é útil", com Ailton Krenak e Rita Carelli. In: Companhia das Letras (canal youtube), 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
TRIGUEIRO, André. Ailton Krenak: Ideias para adiar o fim do mundo/ Live. In: André Trigueiro, 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
TRIP. Ailton Krenak: por que não conseguimos olhar para o futuro?. In: Revista Trip, 22.5.2021. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
TRIP (redação). Ailton Krenak: trocamos nossa humanidade por coisas. (entrevista). In: Revista TRIP, 26.6.2020. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
TRIP. Ailton Krenak: o fim do mundo desastroso / entrevistado por Nathalia Cariatti. In: Revista Trip, 6.5.2020. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
TUTAMÉIA entrevista Ailton Krenak/ por Eleonora e Rodolfo Lucena. In: Tutaméia TV, 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
TVE BAHIA. Ailton Krenak é o entrevistado do Giro Nordeste [ancorado por Juraci Santana - com a participação de jornalistas nos demais Estados. Além da Bahia, o Giro Nordeste é exibido em Sergipe, Ceará, Alagoas, Maranhão, Paraíba, Piauí, Pernambuco, Rio Grande do Norte, São Paulo e Espírito Santo]. In: TVE Bahia, 29 de outubro de 2020. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
TVE BAHIA. Bob Fernandes Entrevista Ailton Krenak | TVE Entrevista Especial. In: TVE Bahia,  6 de fevereiro de 2020; Bob Fernandes. Disponível no linklink. (acessado em 13.9.2021).
TV JUSTIÇA. Iluminuras - Ailton Krenak / conversa com  Rafaela Vivas. In: TV Justiça Oficial, abril 2021. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
TVT. Líder indígena Ailton Krenak analisa momento político [Quem responde é Ailton Krenak e José Amilton]. In: Rede TVT, 2019. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
TVUFRB. O dom da vida - Ailton Krenak e Mateus Aleluia. In: TV UFRB 9 de outubro de 2020. Disponível no link. (acessado em 12.9.2021).
UFMG. Tempos Presentes - A negação da ciência com Ailton Krenak. In:  CAC UFMG, 17 de agosto de 2020. Disponível no link. (acessado em 11.9.2021).
UFMGAilton Krenak fala sobre escrita e memória na volta do projeto 'Aulas abertas'. In: UFMG, 29 de janeiro 2021.  Disponível no link. (acessado em 21.7.2021).
UFMG. Escrita da oralidade - Ailton Krenak. In: Centro Cultural UFMG, 2021. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
UFPE. Podcast Sentipensante entrevista líder indígena Aílton Krenak / coordenação professora Cristina Ibarra. In: UFPE Notícias, 18.2.2021. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
UNBTV Entrevista: Ailton Krenak comenta sobre as lutas políticas e de saúde dos indígenas. In: UnB TV, Agosto/2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
UNBTV Entrevista: Ailton Krenak fala sobre paz, ciência, resistência e luta (entrevista realizada por Aline Romio). In: UnB TV, março de 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
UNEB. Ailton Krenak - Palestra de Encerramento Semana Abertura PPGEL - Programa de Pós-Graduação em Estudo de Linguagens (2021). In: TV UNEB, 2021. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
UNIFOR. Lives do conhecimento. Ailton Krenak fala sobre Meio ambiente na pandemia / mediação professor Gustavo Raposo. In: Unifor - Universidade de Fortaleza, 2020. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
UNIFOR. Entrevista Nota 10: Ailton Krenak. In: UNIFOR, 4 Maio 2020. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
VIANA, Eurico. O mundo pós pandemia que queremos construir com Ailton Krenak (Live/diálogos). In: Eurico Viana, 19.5.2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021). 
VERGÍLIO, Ísis. Ailton Krenak propõe pensar além dos limites [entrevista]. In: Elle, 27 de Agosto de 2021. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
VITRUVIUS. Entrevista - Ailton Krenak, o intérprete dos intérpretes do Brasil / Projeto Transa Marieta – episódio 5 / [entrevistado por Abílio Guerra, Isa Grinspum Ferraz, Marco Altberg e Suely Rolnik]. In: Vitruvius - revista Trama, 083.1, ano 21, julho de 2020.  Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
ZUPPO, Daniella (mediadora). Conversas Sobre Perguntas | "As Potências do Afeto" com Ailton Krenak. In: Casa Fiat de Cultura, 14 de julho 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
------
Imagem: (1) Ailton Krenak - foto: Adriana Moura; (2) Ailton Krenak - foto: Wendy Andrade; (3) Ailton Krenak - foto: acervo pessoal.


"Cada igarapé tem um nome, e esse nome é invocação de outros seres, dos seus parentescos, das narrativas mais antigas que chegam em nossa memória. Isso que dá sentido para chamar a terra de mãe, porque ela não é uma coisa; não é uma gleba, um lote, um terreno, uma fazenda."
Ailton Krenak, em "A Potência do Sujeito Coletivo - Parte I" (entrevista). Revista Periferias, s./data.

****


Ailton Krenak - foto: João Kehl/Revista Cult

AILTON KRENAK - PRÊMIOS, HOMENAGENS E CONDECORAÇÕES

1987 -  Prêmio Internacional de Direitos Humanos para a América Latina Letelier Moffite, da Fundação Letellier, em Washington (EUA). concedido a União das Nações Indígenas do Brasil (UNI), representado por Krenak
1989  Prêmio Onassis – Homem e Sociedade, da Fundação Aristóteles Onassis, em Atenas-Grécia.
2005 Prêmio Nacional de Direitos Humanos – Brasil.
2008Prêmio Chico Mendes de Florestania – Acre.
2008 Comendador da Ordem do Mérito Cultural, da Presidência da República do Brasil.
2015 - Grão-Cruz da Ordem do Mérito Cultural, da Presidência da República do Brasil.
2016 - Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF.
2018 - Prêmio Mestre das Periferias, do Instituto Maria e João Aleixo (IMJA)
2020 - Prêmio Juca Pato de Intelectual do Ano, concedido pela União Brasileira de Escritores - UBE.
2021 - Prêmio Trip Transformadores, da revista Trip - 2020/2021.


****


Ailton Krenak | foto acervo Elástica.

FILMOGRAFIA DE AILTON KRENAK


Filme "Índios no Brasil"
Série TV Escola | Brasil | 2000
Sinopse: A série de 10 programas educativos “Índios no Brasil”, produzida para renovar o currículo escolar, é apresentada pelo líder indígena Ailton Krenak e mostra, sem intermediários, como vivem e o que pensam os índios de nove povos dispersos pelo território nacional. 
- os episódios - contém sinopse na descrição e no final de cada episódio segue a ficha técnica completa -
Episódio 1: Quem são eles?. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
Episódio 2: Nossas línguas. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
Episódio 3: Boa viagem, ibantu. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
Episódio 4: Quando Deus visita a aldeia. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
Episódio 5: Uma outra história. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
Episódio 6: Primeiros contatos. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
Episódio 7: Nossas terras. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
Episódio 8: Filhos da terra. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
Episódio 9: Do outro lado do céu. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
Episódio 10: Nossos direitos. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
- ficha técnica -
Direção: Vincent Carelli
Fotografia: Altair Paixão e Vincent Carelli
Roteiro: Henri Gervaiseau, Tutu Nunes e Vincent Carelli
Apresentação e entrevistas: Ailton Krenak
Produção: Vídeo nas Aldeias
Edição: Tutu Nunes
Música de abertura: Antônio Nóbrega e Wilson Freire
Realização: MEC/TV Escola

§§

Documentário: Taru Andé – O encontro do céu com a terra 
Série | Canal Futura |  Rio de Janeiro/RJ | Brasil | 2006-2007
Sinopse: A série, com 13 episódios, é apresentada por Ailton Krenak e percorre aldeias de 12 etnias diferentes, nos estados de Minas Gerais, Acre, São Paulo, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. A série mostra a vida e a cultura de cada uma delas. O ponto de partida é o Festival de Cultura Indígena Taru Andé, que acontece na Serra do Cipó, em Minas Gerais, e reúne tribos de diversas regiões do país. O primeiro episódio é dedicado a este encontro, idealizado em 1998 por Ailton Krenak, apresentador do programa. A partir daí o telespectador faz uma viagem por diferentes tribos brasileiras. Danças, crenças, modos de vida, linguagem, culinária e religião são alguns dos temas que Ailton propõe em cada um dos episódios. No segundo, o apresentador visita a tribo Pataxó e mostra, por exemplo, como a culinária local influencia a gastronomia da Bahia, com receitas cheias de molhos e especiarias. No terceiro programa, os Xakriabá apresentam o ritual Toré, assim como mitos e lendas do povo. A série foi premiada no FICA – Festival Internacional de Cinema Ambiental.
- ficha técnica - 
Direção: Marco Altberg
Apresentação: Ailton Krenak
Co-produção: Indiana Produções e CNN
- informações adicionais -
CARTA MAIOR. Canal Futura exibe série que apresenta o olhar dos povos indígenas. In: Carta Maior, 1.12.2006. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
TELA VIVA. "Taru Andé" leva prêmio de melhor série de TV no Fica. In: Tela Viva, 19..6.2007. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).

§§

Filme: Tamboro 
Documentário | 90 min. | super 16 mm | cor | Brasil | 2009
Sinopse: "Tamboro" é um documentário que aborda as principais questões sociais e ambientais do Brasil. O desmatamento da floresta amazônica, a luta pelas terras no campo, a favelização e a criminalidade nos grandes centros urbanos são projetadas formando um panorama quase muralista
de nossa civilização.
- ficha técnica -
Direção e roteiro: Sergio Bernardes
Direção fotografia: Lula Araújo
Trilha sonora: Guilherme Vaz
Depoimentos (entrevistas)/ participações: Leonardo Boff, Rose Marie Muraro, Aziz Ab´Saber, Ailton Krenak, Mãe Beata de Iemanja, Orlando Valverde, Seu Jorge, Hermeto Pascoal, Antonio Lisboa, Velha Guarda da Portela, Edmilson Ferreira, Repentistas do Nordeste, Waiana Apalay, Canelas, Yanomamis  e outros.
Produção: Rosa Bernardes e Leonardo Edde
Produtoras: Lumina Produções e Urca Filmes
* Ficha técnica completa no Blog do Doc. 'Tamboro' (acessado em 17.9.2021).

§§

Filme: Índio Cidadão? 
Documentário | 52 min.| Brasília/DF | Brasil | 2014
Sinopse: O documentário de Rodriguarani Kaiowá e equipe apresenta um resgate histórico audiovisual da participação do movimento indígena na Assembleia Nacional Constituinte (1987-88), incluindo a intervenção de Ailton Krenak no Plenário em defesa da emenda popular com a proposta de capítulo dos direitos dos Povos Indígenas. Durante seu discurso, Ailton Krenak pintou o rosto de preto, como forma de atrair a atenção dos deputados. 
- ficha técnica -
Direção: Rodriguarani Kaiowá e equipe
Roteiro: Rodrigo Siqueira e Sergio Azevedo
Produção executiva: Isadora Stepanski
Entrevistados: Ailton Krenak, Alvaro Tukano, Aurivan Truká, Davi Kopenawa, Dinamam Tuxá, Manoel Moura Tukano, Ninawá Huni Kuin, Paiakan Kayapó, Pirakuman Yawalapiti, Raoni Metuktire, Rildo Kaingang, Sonia Guajajara e Valdice Veron + entrevistas extras**
Direção de fotografia: André Carvalheira
Direção de arte: Marcia Roth
Coordenção de produção: Rodrigo Siqueira
Som direto: Alisson Machado
Montagem: Sergio Azevedo
Ilustrações: João Teofilo
Animação: Marcia Roth e Mallo Ryker
Design gráfico: Claudia Schirmbeck
Mixagem e finalização de som: Sergio Azevedo
Trilha sonora tradicional: Nações indígenas
Assistência de direção e produção: Mascos Vinicius Ferreira
Câmeras extras: Alisson Machado e David Alves
Still: André Carvalheira, Marcos Vinícius Ferreira e Rodrigo Siqueira
Estagiária: Marina Brunale
Finalizadora: Base Coletivo Audiovisual
Produção: 7G Documenta e Machado Filmes
Produtoras associadas: Argonautas, 400 Filmes e Base Coletivo Audiovisual
Apoio de Produção: TV Câmara
** Ver (ficha técnica completa): Entrevistas extras + colaboradores Indígenas + Apoio Cultural + Apoio Institucional + Arquivos de imagem + Agradecimentos especiais + agradecimentos = relacionadas no final do Documentário.
* Assista ao documentário aqui

§§

Filme: Índios no poder 
Documentário | 20 min. | Brasília/DF | Brasil | 2015
Sinopse: Mario Juruna, único índio parlamentar na história do país, não consegue se reeleger para a Constituinte (1987/88). Sem representante no Congresso Nacional desde a redemocratização, as Nações Indígenas sofrem ataques aos seus direitos constitucionais pela Bancada Ruralista. O cacique Ládio Veron, filho de liderança Kaiowa e Guarani executado na luta pela terra, lança candidatura a deputado federal nas Eleições 2014 sob ameaças do Agronegócio. 
- ficha técnica -
Direção e roteiro: Rodrigo Arajeju
Elenco: Ailton Krenak, Aurivan "Neguinho" Truká, Doéthiro Álvaro Tukano, Kaiowa, Ládio Veron Guarani e Kaiowa, Sonia Guajajara e Valdelice Veron Guarani
Edição e mixagem: Maurício Fonteles
Direção de arte: Marcia Roth
Direção de produção: Pablo Peixoto
Produção executiva e som direto: Alisson Machado
Direção de fotografia: Andre Carvalheira
Câmera adicional: Alan Schvarsberg, Alisson Machado, David Alves e Pablo Peixoto
Montagem: Sergio Azevedo
Pesquisa: 7G Documenta
Coordenação de finalização: Base Coletivo Audiovisual
Produtoras: 7G Documenta; Argonautas e Machado Filmes.  
* Disponível no Portal Curtas (acessado em 15.9.2021).

§§

Filme: Ailton Krenak e o sonho da pedra
Documentário | 52 min  | DCP | legenda em Francês | Cor | Brasil | 2017
Sinopse: O documentário traça o pensamento e a trajetória de Ailton Krenak, líder indígena natural de Minas Gerais, descendente da etnia Krenak, outrora chamados Botocudos. Depois de estudar em São Paulo, Ailton foi atuante na defesa dos povos indígenas. Ao viajar pelo Brasil e pelo mundo, transformou-se numa espécie de embaixador das culturas originais brasileiras. O filme traz imagens e depoimentos de Ailton em diferentes momentos de sua vida, além de outros personagens que fazem parte de seu universo.
- ficha técnica - 
Direção e roteiro: Marco Altberg
Produção: Bárbara Gual e Marcelo Goulart
Pesquisa de imagens: Ana Altberg
Direção de fotografia: Carlos Melo, Cleber Cruz, Daniel Neves e Mitra Azar
Câmera: Carlos Melo, Cleber Cruz, Daniel Neves, Mitra Azar
Assistente de câmera: Rogério Souza
Direção musical: Egberto Gismonti
Edição: Marcelo Masseno e Maria Altberg
Finalização de imagens: Glauco Guigon
Design gráfico: Caio Caldas e Eduardo Santos
Assistente de finalização: Marcelo Masseno
Mixagem: Leandro Silva
Motorista: Wilson Nave
Entrevistados: Alvaro Tukano, Daiara Tukano, Darcy Ribeiro, Juca Ferreira, Marcos Terena, Marcos Viní­cio Chein, Mário Juruna, Rodrigo Arajeju, Vincent Carelli
Produtora: Indiana Produções
* Disponível no youtube em 4 partes. link. (acessado em 12.9.2021).

§§

Série Guerras do Brasil.doc
Sinopse: Esta série documental detalha como o Brasil foi formado por séculos de conflito armado, desde os primeiros conquistadores até a violência nos dias de hoje.
Criação: Luiz Bolognesi | Netflix | 2018 
- Documentários brasileiros -
Episódio: As Guerras da Conquista - c/ participação de Ailton Krenak
Sinopse: A guerra da conquista ainda não acabou. Veja como a população indígena foi dizimada e segue sua luta pela demarcação de terras até os dias atuais.
Duração: 27 min.
** Disponível na Netflix, no link (acessado em 22.7.2021) | e disponível no canal Nossa História Viva, no link. (acessado em 13.9.2021).

§§

Filme: Amazônia - o despertar da Florestania
Documentário | 111 min. | Cor | Brasil | 2018
Sinopse: 'Amazônia - O despertar da Florestania' é um documentário que discute como a floresta amazônica e a própria natureza têm sido tratadas no Brasil desde o início do século XX, reunindo testemunhos de diversas personalidades da sociedade brasileira como André Trigueiro, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, Benki Piyãko, Marina Silva, Lucélia Santos, Frans Krajcberg, Juca de Oliveira, Miriam Leitão, o sociólogo Sérgio Abranches, Victor Fasano, Caetano Veloso, Milton Nascimento, Ailton Krenak, Paulo Adário e muitos outros que, de alguma forma, lutam para preservar esse precioso legado brasileiro. Rodado em locais como Roma, Nova Viçosa, Amazônia e Brasília, o filme leva ao surgimento do conceito de Florestania - palavra que sintetiza o conceito de cidadania e direitos florestais - e é o código genético de nossa identidade. Brasil é o nome de uma árvore e a Floresta Amazônica é a nossa joia mais preciosa.
- ficha técnica -
Direção e roteiro: Christiane Torloni  e Miguel Przewodowski
Direção fotografia: Vinicius Brum
Trilha original: André Abujamra e Marcio Nigro
Produção: Christiane Torloni
Produtora: Christal Produções
Coprodução: Globo Filmes
Distribuição: Descoloniza Filmes
* Site oficial Amazônia - o despertada Florestania. (acessado em 16.9.2021).

§§

Especial: Falas da Terra
Sinopse: O especial que pretende lançar luz à pluralidade e à luta dos indígenas pelo direito de existirem e serem ouvidos, fazendo um resgate histórico de valorização de suas culturas. As histórias, apresentadas em depoimentos em primeira pessoa, a fim de mostrar as várias maneiras de ser indígena, traduzem a riqueza cultural dos mais de 300 povos existentes no Brasil, que falam aproximadamente 200 línguas diferentes.  O documentário reuniu o depoimento em primeira pessoa de 21 indígenas brasileiros.
- ficha técnica -
Direção artística: Antonia Prado
Roteiro: Malu Vergueiro
Consultoria: Ailton Krenak
Coautoria: Ziel Karapató, Graciela Guarani, Olinda Tupinambá e Alberto Alvarez. 
Supervisão artística: Rafael Dragaud 
Direção de gênero: Mariano Boni 
Realização: TV Globo
Exibido: dia 19 de abril de 2021

§§ 

Série Flecha Selvagem
Documentário | Seis episódios | 15 min cada | Cor | Brasil | 2021
Sinopse: FLECHA é uma série documental que projeta o SELVAGEM para a linguagem audiovisual, um sonho que Ailton Krenak teve para adiar o fim do mundo. Cada flecha é composta por uma narrativa na voz de Ailton Krenak, um roteiro escrito por Anna Dantes, uma irradiante miríade de imagens ‘compostadas’ de diversos arquivos indígenas, artísticos e científicos, além de animações e músicas originais. As flechas são destinadas ao público geral e são também um convite para que escolas, universidades, pontos de cultura e projetos comunitários de educação acessem narrativas mais pluriversais. FLECHA SELVAGEM abre caminho para que sejam feitas novas perguntas, disponíveis gratuitamente no nosso canal YouTube com legendas em inglês. 
- episódios já disponíveis -
:: Flecha 1 - A serpente e a canoa. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
:: Flecha 2 - O sol e a flor. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
:: Flecha 3 - Metamorfose. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021). 
- ficha técnica* -
Direção artística, roteiro e pesquisa: Anna Dantes
Orientação e narração: Ailton Krenak
Narração introdução: Daiara Tukano
Consultoria: Jeremy Narby, Marcelo Gleiser, Carlos Papá, Emanuele Coccia e João Paulo Lima Barreto
Produção: Madeleine Deschamps
Bilíngue: português/inglês
** Ficha técnica completa e sinopse de cada Flecha, estão disponíveis na descrição de cada episódio. Todos os episódios estão disponíveis gratuitamente no canal SELVAGEM ciclo de estudos sobre a vida no youtube (acessado em 16.9.2021).
** Cadernos Selvagem para baixar de graça no site Selvagem Ciclo AQUI! (acessado em 16.9.2021).
- Cada episódio gera diálogos disponíveis no canal -
:: Conversa Selvagem - Primeira Flecha: A serpente e a canoa, Ailton Krenak e Anna Dantes. In: Conversa Selvagem - ciclo de estudos sobre a vida, 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
:: Conversa Selvagem - Segunda Flecha: O sol e a flor, Ailton Krenak e Marcelo Gleiser / mediação Anna DantesIn: Selvagem -  ciclo de estudos sobre a vida, 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
:: Conversa Selvagem - Segunda Flecha: O sol e a flor, Ailton Krenak e Carlos Papa / mediação Anna DantesIn: Selvagem -  ciclo de estudos sobre a vida, 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
:: Conversa Selvagem - Terceira Flecha: Metamorfose - Ailton Krenak, João Paulo Barreto e Naiara Tukano / mediação Anna Dantes. In: SELVAGEM ciclo de estudos sobre a vida, 20.9.2021. Disponível no link. (acessado em 20.9.2021).

§§ 

ANIMAÇÃO
:: A Vida Não é Útil | Ailton Krenak (Fala Animada), por Eureka!, 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).

****


Ailton Krenak - líder indígena, ambientalista, escritor, pesquisador e jornalista

FESTIVAIS E EXPOSIÇÕES 


Festivais (realização e participação)


Rec•tyty - festival de artes indígenas
Direção artística: Anna Dantas
Curadoria: Ailton Krenak, Cristine Takuá, Carlos Papá, Naine Terena e Sandra Benites
Período: 17 a 25 de abril de 2021 (online)
* Site oficial: rec•tyty (acessado em 16.9.2021).

****

Exposições (participação)


Exposição: Armadilhas Indígenas
Sinopse: A mostra que reúne trabalhos de artistas indígenas e não indígenas. São aproximadamente 150 peças, entre instalações, esculturas, vídeos, pinturas, desenhos, objetos, documentos e recortes de jornais.
- ficha técnica -
Curadoria: Bené Fonteles
Artistas participantesAilton Krenak, André Vallias, André Santângelo, Ernesto Neto, Elyezer Szturm, Daiara Tukano, Flávia Carvalhinho, Glênio Lima, Luiz Gallina, Marcos Bentes e Rômulo Andrade; além de vídeos realizados nas aldeias.
Em cartaz: Memorial dos Povos Indígenas - Brasília/DF  
Período: 19 de abril a 30 de junho de 2016.
* fonte: Cultura / Gov. Distrito Federal (acessado em 16.9.2021).

§§

Exposição: A queda do céu
Sinopse: a mostra coletiva reuniu obras de 21 artistas e ativistas que abordam questões enfrentadas pelas comunidades indígenas e que afetam a sociedade como um todo. 
- ficha técnica -
Curadoria: Moacir dos Anjos
Artistas participantesAilton Krenak, Anna Bella Geiger, Armando Queiroz, Bené Fonteles, Cildo Meireles, Claudia Andujar, Fabio Tremonte, Fred Jordão, Harun Farocki, Jaime Lauriano, Jimmie Durham, Leonilson, Lourival Cuquinha, Maria Thereza Alves, Matheus Rocha Pitta, Miguel Rio Branco, Paulo Nazareth, Paz Errázuriz, Poraco, Regina José Galindo e Vincent Carelli. 
Realização: Bruna Neiva / Tuîa Arte Produção
Em cartaz: Caixa Cultural de Brasília - Brasília/DF | Período: 8 de maio a 30 de junho de 2019. 
CATÁLOGO. A queda do céu. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
* fonte: DasArtes (acessado em 16.9.2021).
- exposições anteriores -
Em cartaz: Paço das Artes - São Paulo/SP | Período: 10 de abril a 5 de junho de 2015.
Em cartaz: SESC Rio Preto - São José do Rio Preto/SP | Período: 18 de maio a 28 de agosto de 2016.

§§

Exposição: O Rio dos Navegantes
Sinopse: a mostra coletiva reuniu cerca de 550 peças históricas e contemporâneas, entre pinturas, fotografias, vídeos, instalações, objetos, documentos, esculturas, etc.
- ficha técnica -
Idealização e coordenação: Evandro Salles
Curadoria: Evandro Salles, Fernanda Terra, Marcelo Campos e Pollyana Quintella 
Consultor: Francisco Carlos Teixeira
Pesquisa: Fernanda Terra, Marcelo Campos e Pollyana Quintella
Artistas participantesAilton Krenak, Antonio Dias, Arjan Martins, Augusto Malta, Belmiro de Almeida, Custódio Coimbra, Guignard, Iran do Espírito Santo, João Cândido (João Cândido Felisberto), Kurt Klagsbrunn, Lasar Segall, Mayana Redin, Mestre Valentim, Osmar Dillon, Rosana Paulino, Sidney Amaral, Virginia de Medeiros, além de jovens artistas como Aline Motta e Floriano Romano.
Em cartaz: Museu de Arte do Rio - MAR - Rio de Janeiro/RJ
Período: 25 de maio de 2019 a 1 de março de 2020.  
* fonte: Riotur (acessado 16.9.2021).

§§

Exposição: Moquém_Surarî: arte indígena contemporânea  
Sinopse: A exposição apresenta visões da arte indígena contemporânea e reúne pinturas, esculturas e obras em diversos suportes de povos indígenas como Yanomami, Pataxó e Guarani Mbya.
- ficha técnica -
Curadoria: Jaider Esbell
Assistência de curadoria: Paula Berbert
Consultoria: Pedro de Niemeyer Cesarino
Artistas participantes: Ailton Krenak | Amazoner Arawak | Antonio Brasil Marubo | Arissana Pataxó | Armando Mariano Marubo | Bartô | Bernaldina José Pedro | Bu’ú Kennedy | Carlos Papá | Carmézia Emiliano | Charles Gabriel | Daiara Tukano | Dalzira Xakriabá | Davi Kopenawa | Denilson Baniwa | Diogo Lima | Elisclésio Makuxi | Fanor Xirixana | Gustavo Caboco | Isael Maxakali | Isaiais Miliano | Jaider Esbell | Joseca Yanomami | Luiz Matheus | MAHKU | Mario Flores Taurepang | Nei Leite Xakriabá | Paulino Joaquim Marubo | Rita Sales Huni Kuin | Rivaldo Tapyrapé | Sueli Maxakali | Vernon Foster | Yaka Huni Kuin | Yermollay Caripoune
Correalização: MAM SP e Fundação Bienal de São Paulo; e integra a rede de parcerias da 34ª Bienal.
Em cartaz: MAM - Museu de Arte Moderna de São Paulo - São Paulo/SP
Período: 4 de setembro a 28 de novembro de 2021.
:: Apresentação da exposição Moquém_Surarî: arte indígena contemporânea com Ailton Krenak, Jaider Esbell, Pedro Cesarino e Paula Berbert. In: MAM - Museu de Arte Moderna de São Paulo, 16.9.2021.  Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
* Saiba mais em: site MAM SP  (acessado em 16.9.2021).

****


Ailton Krenak | foto: arquivo pessoal do autor

FORTUNA CRÍTICA DE AILTON KRENAK


ALMEIDA, Sérgio. Falta acrescentar humanidade à Humanidade (Ailton Krenak). In: JN/pt, 7 de fevereiro de 2021. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
ALMEIDA, Verônica. “Re-existir na diferença” aborda medicinas tradicionais indígenas. In: Observa Pics - Fiocruz, 27.10.2020. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
ALVES, Juliana; FÉLIXDA, Thiago. "Marco temporal é a maior privatização de terras do país", diz Ailton Krenak. In: CNN Brasil, 1.9.2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
ALTOÉ, Larissa. Aílton Krenak, um sujeito coletivo. In: Multirio. RJ, 13 Agosto 2020. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
ASCENSO, João Gabriel da Silva. Alianças afetivas contra a tragédia da paisagem unívoca: um olhar sobre o pensamento de Ailton Krenak. In: Revista Wirapuru, 3, ano 2, pp.78-94, 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
BARROS, Randra Kevelyn Barbosa. O pensamento de Ailton Krenak: voz intelectual indígena no Brasil. In: Entrelaces - Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras-UFC, v. 11, n. 23, 2021. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
BERGAMO, Mônica. Silvio Almeida, Ailton Krenak e Leonardo Boff conversam sobre COP-26. In: Folha de S. Paulo, 2 de maio de 2021. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
BOFF, Leonardo. O reencontro entre a Águia e o Condor. In: Bambual Editora, 17.6.2021. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
BOTEGA, Leonardo da Rocha. Ailton Krenak, o intelectual do ano: A inusitada (e importante) escolha de um grande militante da causa indígena. In: Claudemir Pereira, 7.1.2021. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
BREGALDA, Damiana. Poéticas e Políticas da Relação: Apontamentos a partir da ação de Ailton Krenak na Assembléia Constituinte e seu deslocamento para espaços de arte contemporânea. In: Revista Iluminuras, v. 18, n. 43, p. 215-239, 2017. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
BUROCCO, Laura. Narrazioni decoloniali [Ailton Krenak]. In: Comune Info, 29 luglio 2020. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
CAMPOS, Yussef Daibert Salomão de; KRENAK, Ailton. Constituinte, patrimônio cultural e cultura indígena ? Ailton Krenak: ?Norma jurídica não é poesia?. In: CAMPOS, Yussef Daibert Salomão de.. (Org.). Proposições para o patrimônio cultural. 1ª ed., Juiz de Fora: FUNALFA, 2014, v. 1, p. 133-162.
CARDOSO, Marina Denise. O som dos maracás (homenagem a Ailton Krenak): medicinas indígenas e saúde pública. In: Saúde e Sociedade (Online), v. 29, p. 1-10, 2020. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
CARTACAPITAL. "Se o bicho avançar, vamos encarar de pé", diz Ailton Krenak. In: Carta Capital, 10 de abril de 2015. Disponível no link. (acessado em 21.7.2021).
CEAD/UFJF. Ailton Krenak recebe hoje à noite título de professor Honoris Causa concedido pela UFJF. In: UFJF - Centro de Educação a Distância, 18.2.2016. Disponível no link. (acessado em 21.7.2021).
CERNICCHIARO, Ana Carolina. A Terra como corpo: a “economia do cuidado” contra as cinzas do “povo da mercadoria”. In: Estudos Neolatinos - ALEA 23, n.1. jan-abril 2021. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
CICLOVIVO. Globo exibe “Falas da Terra” com depoimentos de povos indígenas. In: Ciclo Vivo, 16 de abril de 2021. Disponível no link. (acessado em 10.9.2021).
COSTA, Heliene Rosa da.. Identidades e ancestralidades das mulheres indígenas na poética de Eliane Potiguara. (Tese Doutorado em Estudos Literários). Universidade Federald e Uberlândia, UFU, 2020. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
CUNHA, Rubelise da.. Carta a Ailton Krenak. In: Suzane Lima Costa; Rafael Xucuru-Kariri. (Org.). Cartas para o Bem Viver. 1ª ed., Salvador: Boto-Cor-de-Rosa Livros, Arte e Café, 2020, v. 1, p. 1-3.
DANNER, Leno Francisco; DANNER, Fernando; DORRICO, Julie. Pensamento indígena brasileiro como crítica da modernidade: sobre uma expressão de Ailton Krenak. In: GRIOT, v. 19, p. 74-104, 2019. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
DIVERSITASAilton Kernak. In: FFLCH Diversitas/ USP, s/data. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
DOMTOTAL. "Humanidade vive divórcio da vida na Terra", diz o filósofo indígena Ailton Krenak. In: Dom Total, 29.3.2021. Disponível no link. (acessado em 21.7.2021).
DORRICO, Julie; DANNER, Leno Francisco; CORREIA, Heloisa Helena Siqueira (orgs). Literatura indígena brasileira contemporânea. Porto Alegre/RS: Editora FI, 2018. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021). 
DP. Líder indígena Ailton Krenak vence prêmio Juca Pato de intelectual do ano. In: Diário de Pernambuco, 20.9.2020. Disponível no link. (acessado em 21.7.2021).
EXPOSIÇÃO. Um outro céu. {Inspirados na poesia de Ailton Krenak}. In: Projeto Um Outro Céu - UFBA, 2020. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021). 
FERREIRA, Gustavo Henrique Cepolini. A vida não é útil: o legado de Ailton Krenak. In: Revista Espaço Acadêmico, v. 21 - n. 228, mai./jun. 2021. Disponível no link. (acessado em 19.9.2021).
FRANÇA, Elvira Eliza. Sonhar, suspender o céu e cuidar da terra no sonho dos Krenak In: Amazonia Real, Manaus, 29.10.2020. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
FRANÇA, Elvira Eliza. Ailton Krenak fala sobre o amanhã durante e após a pandemia. In: Amazônia Real, Manaus, 15 jun. 2020. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
FRANÇA, Elvira Eliza. Ailton Krenak e as “ideias para adiar o fim do mundo”. In: Amazonia Real, Manaus, 30.9.2019. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
GALVÃO, Pedro. Líder indígena Ailton Krenak analisa a pandemia em e-book gratuito. In: Estado de Minas, Belo Horizonte, 18 abr. 2020. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
GARCIA, Luis Eduardo Veloso; GARCIA, Amanda Veloso. Confronto de mundos na literatura e nas artes para pensar futuros possíveis: um diálogo entre Macunaíma e Galanga. In: Revista Landa, vol. 9, n. 1. 2020. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
GAYOSO, Solange. [Resenha] “Ideias para Adiar o Fim do Mundo” (Ailton Krenak). In: Revista de Políticas Públicas, v. 24, n. 1, São Luís, jan./jun. 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
GELEDÉS. Narrativa Krenak: O eterno retorno do encontro. In: Portal Geledés, 31.8.2013. Disponível no link. (acessado em 21.7.2021).
GIACOMO, Fred Di. Eleito intelectual do ano, Aílton Krenak ensina: "A vida não é útil". In: Uol notícias, 1.10.2020. Disponível no link. (acessado em 21.7.2021).
GITTI, Gustavo. Ailton Krenak sobre como adiar o fim do mundo. In: O Lugar, s. data. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
GLOBOPLAY. Ailton Krenak analisa impactos da pandemia para povos indígenas e periféricos. In: Globoplay, Conexão Bahia, Salvador, 27 de março de 2021. Disponível no link. (acessado em 11.9.2021).
GOLDSTEIN, Ilana Seltzer. Da "representação das sobras" à "reantropofagia": povos indígenas e arte contemporânea no Brasil. In: MODOS - Revista de História da Arte. Campinas, v. 3, n. 3, p.68-96, set. 2019. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
GUATIMOSIM, Paula. Pesquisadores homenageiam lideranças indígenas nomeando novas espécies. In: FAPERJ, 20.8.2020. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
GUELMAN, Leonardo (apres.); DEUS, Wallace de (mediação). Espiral dos Afetos - Ideias para adiar o fim do mundo. In: Centro de Artes - UFF, ?. Disponível no link. (acessado em 10.9.2021).
GUERRA, Abilio. Quando o mundo acabar vou estar flutuando com um paraquedas colorido. A contemporânea cosmovisão ameríndia de Ailton Krenak. Resenhas Online, São Paulo, ano 18, n. 211.04, Vitruvius, jul. 2019. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
GUERRA, Murilo. Em tempos de doença e morte, um livro para invocar a cura e sonhar um futuro de vida. In: ED - Edgar Digital - Universidade Federal da Bahia, UFPA, 23.4.2021. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
HOTZ, Alex. Aílton Krenak e a busca da totalidade cósmica. In: Outras Palavras, 20.5.2020. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
HYPENESS. Líder indígena Ailton Krenak é eleito intelectual do ano na era das mentiras que destroem o meio ambiente. In: Hypeness, 23.9.2020.  Disponível no link. (acessado em 21.7.2021).
IHU. Ailton Krenak e as “ideias para adiar o fim do mundo”. In: Revista IHU Unisinos online, 2 Outubro 2019. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
IORIS, Antonio Augusto Rossotto. [Resenha] "Ideias para Adiar o Fim do Mundo", de Ailton Krenak (Companhia das Letras, 2019). In: Amazônia Latitude, n. 12, Tallahassee, Florida State University, dez. 2019. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
JACOB, Livia Penedo. Ailton Krenak, um intelectual além dos trópicos. In: Suplemento Araçá, 6ª ed., 23 de novembro de 2020. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
JACOB, Livia Penedo. As duras penas: o índio na literatura e a literatura indígena. (Tese Doutorado em Teoria da Literatura e Literatura Comparada). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, 2020.
JACOB, Livia Penedo. Encontro com Aílton Krenak organizado por Sérgio Cohn. (Resenha). In: Revista Palimpsesto, v. 15, n. 22, 2016. Disponível no link. (acessado em 12.9.2021).
JAENISCH, Damiana Bregalda. Poéticas e políticas da relação: apontamentos a partir de Ailton Krenak na Assembleia Constituinte e seu deslocamento para os espaços da arte contemporânea. In: Iluminuras, Porto Alegre, v. 18, n. 43, p. 215-239, jan/jul, 2017. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021). 
KRENAK, Ailton Alves Lacerda. In: Museu da Pessoa, s/data. Disponível no link. (acessado em 21.7.2021).
KRENAK, Maíra P. Lacerda; KRENAK, Inimá P. Lacerda.  Aproximando a filantropia da cosmovisão indígena. In: Rede de Filantropia para a Justiça Social, 21.10.2020. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
LESSA, Luma Freitas. Amansando o empoderamento: a mobilização das mulheres indígenas no Brasil indigenizando o debate sobre o gênero (Dissertação Mestrado em Relações Internacionais). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, 2020. Disponível no link. (acessado em 19.9.2021).
LIRA, Wagner Lins. Resenha: 'Ideias para Adiar o Fim do Mundo' do Livro de Ailton Krenak. In: Revista Anthropológicas, v. 31, p. 317-326, 2020. Disponível no link e link. (acessado em 9.9.2021).
LOPES, Luciano. Memória iluminada - Ailton Krenak - O "cabeça" da terra. In: Revista Ecológico, pp. 86-90, março de 2016. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
MACIEL, Nahima. Questões de sobrevivência definem ideias do escritor Ailton Krenak. In: Correio Braziliense, 3.9.2019. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
MAIA, Bruno (org). Caminhos para a cultura do Bem Viver. Ailton Krenak. [ilustração capa
Bruno Big]. Rio de Janeiro: Cultura do Bem Viver/Escola Parque, 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
MALAFAIA, Paulo Alexandre Marcelino. Filosofia de uma pessoa coletiva. In: PerCursos, v. 22, n. 48, pp. 83-108, 2021. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
MALHEIROS, Tânia. Ailton Krenak condena usinas nucleares no Nordeste, como em Itacuruba (PE): "Eles vão receber um sonoro não!". In: Plurale, 20.8.2021. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
MANDAGARÁ, Pedro. A constituinte e os povos indígenas: uma leitura de Ailton Krenak. In: Lima, Rogério da Silva; Cunha, Betina Ribeiro Rodrigues da. (Org.). Circulação, tramas e sentidos na literatura. 1ª ed., Rio de Janeiro: Bonecker, 2019, v. 1, p. 319-330.
MATIAS, Alxandre; NATAL, Bruno. Ailton Krenak, ambientalista, por Wired Festival CreativeX. In: WIRED Festival Brasil, 17 de novembro de 2020. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021).
MELITO, Leandro (edição). Ailton Krenak: “A mineração não tem dignidade, se pudesse continuaria escravizando”. In: Racismo Ambiental, 6 de novembro de 2020. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
MELLO, Isabella Nunes; REIS, Mateus. Tecendo um colar de horizontes epistemológicos: O protagonismo de Ailton Krenak e Davi Kopenawa para a escrita de histórias plurais. In: Abitará - Revista de Ciências Humanas e Linguagens - UNEB - Campus XVIII, v. 2, n. 3, jan-jun 2021. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
MELLO, Isabella Nunes; ALMEIDA, Helena Azevedo Paulo de.. Sobre a Dança da Educação: Um ensaio sobre contribuições indígenas para uma educação não-indígena. In: Abitará - Revista de Ciências Humanas e Linguagens - UNEB - Campus XVIII, v. 1, n. 2 - jul/dez 2020. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
MILANEZ, Felipe; , Lucia; KRENAK, Ailton; CRUZ, Felipe Sotto Maior; RAMOS, Elisa Urbano; JESUS, Genilson dos Santos de.. Existência e diferença: O racismo contra os povos indígenas. In: Revista Direito e Práxis, UERJ, v. 10, n. 3, p. 2161-2181, 2019. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
MILANEZ, Felipe. Biografia de Ailton Krenak. In: Revista de História Comparada (UFRJ), v. 14, p. 20-20, 2020.
MOLL, Vera. Guerras do Brasil.doc. (resenha). In: Opera Mundi, 19 de agosto de 2019. Disponível no link. (acessado em 21.7.2021).
MOLINERO, Bruno. 'Qualquer prefeito tem mais poder que a ONU', diz líder indígena Ailton Krenak. In: Folha de S. Paulo - Caderno Ilustrada, São Paulo, 12 abril/2020. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
NARAHARA, Karine Lopes. Os desastres ambientais e a máquina de morte do Ocidente: diálogos entre Ailton Krenak e Marimba Ani. In: Revista Coletiva, Recife, 1 jun. 2020. 
NATASHA. Livro: Ideias para adiar o fim do mundo, de Ailton Krenak. (resenha). In: Natasha - Redemunhando, 2019. Disponível no link. (acessado em 13.9.2021). 
NUNES, Karliane Macedo. Imagens indígenas em movimento: história, cultura e cosmovisão nos cinemas Huni Kuin, Kuikuro e Mbyá-Guarani. (Tese Doutorado em Cultura e Sociedade). Universidade Federal da Bahia - UFBA, Salvador, 2017. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
OLUGARRadicalmente vivos. Ailton KrenakO Lugar, 2020.
OLIVA, Alfredo. Ailton Krenak • A vida não é útil [Resenha/apresentação]. In: Canal Alfredo Oliva, 2021. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
OLIVEIRA, Eduardo Jorge de.. Literaturas pós-etnográficas: uma leitura de A queda do céu (Littératures post-ethnographiques : une lecture de La Chute du Ciel / Post-Ethnographic Literatures: reading The Falling Sky). In: Journals OpenEdition, 3/2020. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
PAIVA, Vitor. Ambientalista Ailton Krenak diz que ‘volta ao normal’ é como acreditar que Terra é plana. In: Hypeness, Rio de Janeiro, 12.4.2020. Disponível no link. (acessado em 12.9.2021).
PIMENTEL, Thais. Krenak teve avô torturado e morto em campo de concentração em MG e pai arrastado por cavalo. In: G1/ Globo, 17.9.2021. Disponível no link. (acessado em 19.9.2021).
PORTELA, Cristiane de Assis. Da aculturado exótico a raiz profunda: indigenismo e história indígena em narrativas de Ailton Krenak. In: Diálogos, v. 21, n. 3, pp. 162-177. 2017. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
QUINTERO, Elisa de Oliveira Rezende (org). Anais da SCAP - Entre assombros e sonhos lampejos de primavera | XII Semana de Ciência, Arte e Política da PUC Minas São Gabriel. PUC-MG, Belo Horizonte, 2020. Disponível no link. (acessado em 14.9.2021).
REICHERT, Inês Caroline. Prospecções: doutores indígenas e a autoria acadêmica indígena no Brasil contemporâneo. In: Tellus, Campo Grande, MS, ano 19, n. 38, p. 17-48, jan./abr. 2019. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
REVISTA MUSEU. Conferência de Ailton Krenak abre hoje congresso de extensão universitária (8.3.2021). In: Revista Museu, 8 de março de 2021. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
RISI, Paolo. Ailton Krenak: come rimandare la fine del mondo. In: Zest Letteratura Sostenibile, 11 gennaio 2021. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
RODRIGUES, Thamara de Oliveira. Other ways of thinking and dreaming: the oneiric experience in Reinhart Koselleck, Ailton Krenak and Davi Kopenawa. In: Revista de Teoria da História, v. 23, p. 178-203, 2020.
RODRIGUES, Thamara de Oliveira. Outros modos de pensar e sonhar: a experiência onírica em Reinhart Koselleck, Ailton Krenak e Davi Kopenawa. In: Revista de Teoria da História, v. 23, p. 156-177, 2020. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
ROMAN, Marcos. Ailton Krenak é o "Intelectual do ano". In: Folha Londrina, 26 de setembro de 2020. Disponível no link. (acessado em 10.9.2021). 
SAAVEDRA, Carola. Literatura e arte indígena no Brasil. In: Veredas, n. 33, 2020. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
SANTILLI, Marcio. Subvertendo a gramática e outras crônicas socioambientais. [prefácio Carlos Marés]. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2019. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
SANTOS, Anderlany Aragão dos.. Respeitando diversidades, adiamos o fim do mundo. In: Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 15, n. 3, 2020. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
SANTOS, Tamires Cristina dos.. Etnografia de uma lei: o ensino de história e cultura afro-brasileira e indígena. (Dissertação Mestrado em Antropologia Social). Universidade Federal de São Carlos, UFSCar, 2019. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
SARMIENTO, Susana Daniele Pinol. Ailton Krenak critica sociedade do consumo em tempos de pandemia. In: Setor3, Senac São Paulo, 26 mai. 2020 / reproduzido em 'Terras Indígenas no Brasil'. Disponível no link. (acessado em 11.9.2021).
SAVI, Melina Pereira. Para Ailton Krenak em a vida não é útil, ?Somos a praga do planeta?, mas podemos mudar. In: Anuário de Literatura, v. 26, p. 1-8, 2021. Disponível no link. (acessado em 9.9.2021).
SILVA, Jailson de Souza e.. Ailton Krenak – A Potência do Sujeito Coletivo. parte I - parte II. In: Revista Periferias, s. data. Disponível no link e link. (acessado em 16.9.2021).
SILVA, Rafael Ricarte da; CARVALHO, Rômulo Rossy Leal . Um quase eterno reencontro: Ailton Krenak e a Assembleia Nacional Constituinte (1987). In: Especialidades, v. 15, p. 227-245, 2019. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
SILVEIRA, Márcia. Crítica Literária: Ailton Krenak reflete sobre o momento que estamos vivendo. In: Diário do Rio, 23 de maio de 2020. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).
SILVEIRA, Maria de Fátima Souza da.. Ailton Krenak e a descolonização do pensamento no Brasil. In: 20º Congresso Brasileiro de Sociologia, 12 a 17 de julho de 2021 UFPA – Belém, PA.  Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).
TRIBUNA. Ambientalista Ailton Krenak participa de curso sobre o Jardim Botânico. In: Tribuna de Minas, 10.2.2021. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
UFJF concede título de professor Honoris Causa a Ailton Krenak. In: CEAD/UFJF, 19.2.2016. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
UFJF concede título de professor Honoris Causa a Ailton Krenak. In: UFJF, 15.2.2016. Disponível no link. (acessado em 15.9.2021).
VILAÇA, Aparecida. Sonhos partilhados: Reflexões de Ailton Krenak produzidas durante a pandemia convidam a repensar o nosso modo de vida e a recordar as vítimas da Covid-19. In: Quatro Cinco Um, 1 de outubro de 2020. Disponível no link. (acessado em 10.9.2021).
VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A inconstância da alma selvagem. São Paulo: Cosac Naify , 2002.
VOGUE. Falas da Terra: Globo exibe especial sobre a luta indígena no Brasil. In: Revista Vogue, 15 de abril de 2021. Disponível no link. (acessado em 10.9.2021).
VELOSO, Serena. Ailton Krenak defende coletividade e expansão dos horizontes acadêmicos no #InspiraUnB. In: UnB Notícias, 10.3.2020. Disponível no link. (acessado em 17.9.2021).


****

EXCERTOS DOS LIVROS DE AILTON KRENAK


Ailton Krenak | foto: Adriana Moura  

Excertos do livro "Ideias para adiar o fim do mundo". de Ailton Krenak


Da conferência "Ideias para adiar o fim do mundo"
{IDEIAS PARA ADIAR O FIM DO MUNDO — Palestra proferida no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, em ciclo de seminários coordenado por Susana de Matos Viegas, no dia 12 de março de 2019, como atividade preparatória à “Mostra ameríndia: Percursos do cinema indígena no Brasil”}


"Como justificar que somos uma humanidade se mais de 70% estão totalmente alienados do mínimo exercício de ser? A modernização jogou essa gente do campo e da floresta para viver em favelas e em periferias, para virar mão de obra em centros urbanos. Essas pessoas foram arrancadas de seus coletivos, de seus lugares de origem, e jogadas nesse liquidificador chamado humanidade. Se as pessoas não tiverem vínculos profundos com sua memória ancestral, com as referências que dão sustentação a uma identidade, vão ficar loucas neste mundo maluco que compartilhamos.
- Ailton Krenak, da conferência 'Ideias para adiar o fim do mundo',  no livro "Ideias para adiar o fim do mundo". Companhia das Letras, 2019.

§§

"... refletir sobre o mito da sustentabilidade, inventado pelas corporações para justificar o assalto que fazem à nossa ideia de natureza. Fomos, durante muito tempo, embalados com a história de que somos a humanidade. Enquanto isso — enquanto seu lobo não vem —, fomos nos alienando desse organismo de que somos parte, a Terra, e passamos a pensar que ele é uma coisa e nós, outra: a Terra e a humanidade. Eu não percebo onde tem alguma coisa que não seja natureza. Tudo é natureza. O cosmos é natureza. Tudo em que eu consigo pensar é natureza." 
- Ailton Krenak, da conferência 'Ideias para adiar o fim do mundo',  no livro "Ideias para adiar o fim do mundo". Companhia das Letras, 2019.

§§

"O que é feito de nossos rios, nossas florestas, nossas paisagens? Nós ficamos tão perturbados com o desarranjo regional que vivemos, ficamos tão fora do sério com a falta de perspectiva política, que não conseguimos nos erguer e respirar, ver o que importa mesmo para as pessoas, os coletivos e as comunidades nas suas ecologias. Para citar o Boaventura de Sousa Santos, a ecologia dos saberes deveria também integrar nossa experiência cotidiana, inspirar nossas escolhas sobre o lugar em que queremos viver, nossa experiência como comunidade. Precisamos ser críticos a essa ideia plasmada de humanidade homogênea na qual há muito tempo o consumo tomou o lugar daquilo que antes era cidadania."
- Ailton Krenak, da conferência 'Ideias para adiar o fim do mundo',  no livro "Ideias para adiar o fim do mundo". Companhia das Letras, 2019.

§§

"... a humanidade vai sendo descolada de uma maneira tão absoluta desse organismo que é a terra. Os únicos núcleos que ainda consideram que precisam ficar agarrados nessa terra são aqueles que ficaram meio esquecidos pelas bordas do planeta, nas margens dos rios, nas beiras dos oceanos, na África, na Ásia ou na América Latina. São caiçaras, índios, quilombolas, aborígenes — a sub-humanidade. Porque tem uma humanidade, vamos dizer, bacana. E tem uma camada mais bruta, rústica, orgânica, uma sub-humanidade, uma gente que fica agarrada na terra. Parece que eles querem comer terra, mamar na terra, dormir deitados sobre a terra, envoltos na terra. A organicidade dessa gente é uma coisa que incomoda, tanto que as corporações têm criado cada vez mais mecanismos para separar esses filhotes da terra de sua mãe. “Vamos separar esse negócio aí, gente e terra, essa bagunça. É melhor colocar um trator, um extrator na terra. Gente não, gente é uma confusão. E, principalmente, gente não está treinada para dominar esse recurso natural que é a terra.” Recurso natural para quem? Desenvolvimento sustentável para quê? O que é preciso sustentar? 
A ideia de nós, os humanos, nos descolarmos da terra, vivendo numa abstração civilizatória, é absurda. Ela suprime a diversidade, nega a pluralidade das formas de vida, de existência e de hábitos. Oferece o mesmo cardápio, o mesmo figurino e, se possível, a mesma língua para todo mundo." 
- Ailton Krenak, da conferência 'Ideias para adiar o fim do mundo',  no livro "Ideias para adiar o fim do mundo". Companhia das Letras, 2019.

§§

"Nosso tempo é especialista em criar ausências: do sentido de viver em sociedade, do próprio sentido da experiência da vida. Isso gera uma intolerância muito grande com relação a quem ainda é capaz de experimentar o prazer de estar vivo, de dançar, de cantar. E está cheio de pequenas constelações de gente espalhada pelo mundo que dança, canta, faz chover." 
- Ailton Krenak, da conferência 'Ideias para adiar o fim do mundo',  no livro "Ideias para adiar o fim do mundo". Companhia das Letras, 2019.

§§

"O tipo de humanidade zumbi que estamos sendo convocados a integrar não tolera tanto prazer, tanta fruição de vida. Então, pregam o fim do mundo como uma possibilidade de fazer a gente desistir dos nossos próprios sonhos. E a minha provocação sobre adiar o fim do mundo é exatamente sempre poder contar mais uma história. Se pudermos fazer isso, estaremos adiando o fim."
- Ailton Krenak, da conferência 'Ideias para adiar o fim do mundo',  no livro "Ideias para adiar o fim do mundo". Companhia das Letras, 2019.

§§

"Por que nos causa desconforto a sensação de estar caindo? A gente não fez outra coisa nos últimos tempos senão despencar. Cair, cair, cair. Então por que estamos grilados agora com a queda? Vamos aproveitar toda a nossa capacidade crítica e criativa para construir paraquedas coloridos. Vamos pensar no espaço não como um lugar confinado, mas como o cosmos onde a gente pode despencar em paraquedas coloridos.

Há centenas de narrativas de povos que estão vivos, contam histórias, cantam, viajam, conversam e nos ensinam mais do que aprendemos nessa humanidade. Nós não somos as únicas pessoas interessantes no mundo, somos parte do todo. Isso talvez tire um pouco da vaidade dessa humanidade que nós pensamos ser, além de diminuir a falta de reverência que temos o tempo todo com as outras companhias que fazem essa viagem cósmica com a gente." 
- Ailton Krenak, da conferência 'Ideias para adiar o fim do mundo',  no livro "Ideias para adiar o fim do mundo". Companhia das Letras, 2019.

§§
 

"Cantar, dançar e viver a experiência mágica de suspender o céu é comum em muitas tradições. Suspender o céu é ampliar o nosso horizonte; não o horizonte prospectivo, mas um existencial. É enriquecer as nossas subjetividades, que é a matéria que este tempo que nós vivemos quer consumir. Se existe uma ânsia por consumir a natureza, existe também uma por consumir subjetividades — as nossas subjetividades. Então vamos vivê-las com a liberdade que formos capazes de inventar, não botar ela no mercado. Já que a natureza está sendo assaltada de uma maneira tão indefensável, vamos, pelo menos, ser capazes de manter nossas subjetividades, nossas visões, nossas poéticas sobre a existência." 
- Ailton Krenak, da conferência 'Ideias para adiar o fim do mundo',  no livro "Ideias para adiar o fim do mundo". Companhia das Letras, 2019.

§§

"Definitivamente não somos iguais, e é maravilhoso saber que cada um de nós que está aqui é diferente do outro, como constelações. O fato de podermos compartilhar esse espaço, de estarmos juntos viajando não significa que somos iguais; significa exatamente que somos capazes de atrair uns aos outros pelas nossas diferenças, que deveriam guiar o nosso roteiro de vida. Ter diversidade, não isso de uma humanidade com o mesmo protocolo. Porque isso até agora foi só uma maneira de homogeneizar e tirar nossa alegria de estar vivos."
- Ailton Krenak, da conferência 'Ideias para adiar o fim do mundo',  no livro "Ideias para adiar o fim do mundo". Companhia das Letras, 2019.

§§

Da conferência "Do sonho e da terra"
{DO SONHO E DA TERRA — Palestra proferida em Lisboa, no Teatro Maria Matos, no dia 6 de maio de 2017, com transcrição de Joëlle Ghazarian}.

"O dilema político que ficou para as nossas comunidades que sobreviveram ao século XX é ainda hoje precisar disputar os últimos redutos onde a natureza é próspera, onde podemos suprir as nossas necessidades alimentares e de moradia, e onde sobrevivem os modos que cada uma dessas pequenas sociedades tem de se manter no tempo, dando conta de si mesmas sem criar uma dependência excessiva do Estado.
O rio Doce, que nós, os Krenak, chamamos de Watu, nosso avô, é uma pessoa, não um recurso, como dizem os economistas. Ele não é algo de que alguém possa se apropriar; é uma parte da nossa construção como coletivo que habita um lugar específico, onde fomos gradualmente confinados pelo governo para podermos viver e reproduzir as nossas formas de organização (com toda essa pressão externa)."
- Ailton Krenak, da conferência "Do sonho e da terra", no livro "Ideias para adiar o fim do mundo". Companhia das Letras, 2019.

§§

"Neste encontro, estamos tentando abordar o impacto que nós, humanos, causamos neste organismo vivo que é a Terra, que em algumas culturas continua sendo reconhecida como nossa mãe e provedora em amplos sentidos, não só na dimensão da subsistência e na manutenção das nossas vidas, mas também na dimensão transcendente que dá sentido à nossa existência. Em diferentes lugares do mundo, nos afastamos de uma maneira tão radical dos lugares de origem que o trânsito dos povos já nem é percebido. Atravessamos continentes como se estivéssemos indo ali ao lado. Se é certo que o desenvolvimento de tecnologias eficazes nos permite viajar de um lugar para outro, que as comodidades tornaram fácil a nossa movimentação pelo planeta, também é certo que essas facilidades são acompanhadas por uma perda de sentido dos nossos deslocamentos."
- Ailton Krenak, da conferência "Do sonho e da terra", no livro "Ideias para adiar o fim do mundo". Companhia das Letras, 2019.

§§

"Sentimo-nos como se estivéssemos soltos num cosmos vazio de sentido e desresponsabilizados de uma ética que possa ser compartilhada, mas sentimos o peso dessa escolha sobre as nossas vidas. Somos alertados o tempo todo para as consequências dessas escolhas recentes que fizemos. E se pudermos dar atenção a alguma visão que escape a essa cegueira que estamos vivendo no mundo todo, talvez ela possa abrir a nossa mente para alguma cooperação entre os povos, não para salvar os outros, mas para salvar a nós mesmos."
- Ailton Krenak, da conferência "Do sonho e da terra", no livro "Ideias para adiar o fim do mundo". Companhia das Letras, 2019.

§§

"A experiência das pessoas em diferentes lugares do mundo se projeta na mercadoria, significando que ela é tudo o que está fora de nós. Essa tragédia que agora atinge a todos é adiada em alguns lugares, em algumas situações regionais nas quais a política — o poder político, a escolha política — compõe espaços de segurança temporária em que as comunidades, mesmo quando já esvaziadas do verdadeiro sentido do compartilhamento de espaços, ainda são, digamos, protegidas por um aparato que depende cada vez mais da exaustão das florestas, dos rios, das montanhas, nos colocando num dilema em que parece que a única possibilidade para que comunidades humanas continuem a existir é à custa da exaustão de todas as outras partes da vida."
- Ailton Krenak, da conferência "Do sonho e da terra", no livro "Ideias para adiar o fim do mundo". Companhia das Letras, 2019.

§§


"Quando despersonalizamos o rio, a montanha, quando tiramos deles os seus sentidos, considerando que isso é atributo exclusivo dos humanos, nós liberamos esses lugares para que se tornem resíduos da atividade industrial e extrativista. Do nosso divórcio das integrações e interações com a nossa mãe, a Terra, resulta que ela está nos deixando órfãos, não só aos que em diferente graduação são chamados de índios, indígenas ou povos indígenas, mas a todos. Tomara que estes encontros criativos que ainda estamos tendo a oportunidade de manter animem a nossa prática, a nossa ação, e nos deem coragem para sair de uma atitude de negação da vida para um compromisso com a vida, em qualquer lugar, superando as nossas incapacidades de estender a visão a lugares para além daqueles a que estamos apegados e onde vivemos, assim como às formas de sociabilidade e de organização de que uma grande parte dessa comunidade humana está excluída, que em última instância gastam toda a força da Terra para suprir a sua demanda de mercadorias, segurança e consumo."
- Ailton Krenak, da conferência "Do sonho e da terra", no livro "Ideias para adiar o fim do mundo". Companhia das Letras, 2019.

§§

"Para algumas pessoas, a ideia de sonhar é abdicar da realidade, é renunciar ao sentido prático da vida. Porém, também podemos encontrar quem não veria sentido na vida se não fosse informado por sonhos, nos quais pode buscar os cantos, a cura, a inspiração e mesmo a resolução de questões práticas que não consegue discernir, cujas escolhas não consegue fazer fora do sonho, mas que ali estão abertas como possibilidades."
- Ailton Krenak, da conferência "Do sonho e da terra", no livro "Ideias para adiar o fim do mundo". Companhia das Letras, 2019.

§§


De entrevistas "A humanidade que pensamos ser"
{A HUMANIDADE QUE PENSAMOS SER — Texto elaborado a partir de entrevista com Ailton Krenak, conduzida por Rita Natálio e Pedro Neves Marques, em Lisboa, em maio de 2017, com transcrição e edição de Marta Lança}.

"O fim do mundo talvez seja uma breve interrupção de um estado de prazer extasiante que a gente não quer perder. Parece que todos os artifícios que foram buscados pelos nossos ancestrais e por nós têm a ver com essa sensação. Quando se transfere isso para a mercadoria, para os objetos, para as coisas exteriores, se materializa no que a técnica desenvolveu, no aparato todo que se foi sobrepondo ao corpo da mãe Terra. Todas as histórias antigas chamam a Terra de Mãe, Pacha Mama, Gaia. Uma deusa perfeita e infindável, fluxo de graça, beleza e fartura. Veja-se a imagem grega da deusa da prosperidade, que tem uma cornucópia que fica o tempo todo jorrando riqueza sobre o mundo… Noutras tradições, na China e na Índia, nas Américas, em todas as culturas mais antigas, a referência é de uma provedora maternal. Não tem nada a ver com a imagem masculina ou do pai. Todas as vezes que a imagem do pai rompe nessa paisagem é sempre para depredar, detonar e dominar."
- Ailton Krenak, de entrevistas "A humanidade que pensamos ser", no livro "Ideias para adiar o fim do mundo". Companhia das Letras, 2019.

§§

"Há muito tempo não existe alguém que pense com a liberdade do que aprendemos a chamar de cientista. Acabaram os cientistas. Toda pessoa que seja capaz de trazer uma inovação nos processos que conhecemos é capturada pela máquina de fazer coisas, da mercadoria. Antes de essa pessoa contribuir, em qualquer sentido, para abrir uma janela de respiro a essa nossa ansiedade de perder o seio da mãe, vem logo um aparato artificial para dar mais um tempo de canseira na gente. É como se todas as descobertas estivessem condicionadas e nós desconfiássemos das descobertas, como se todas fossem trapaça. A gente sabe que as descobertas no âmbito da ciência, as curas para tudo, são uma baba."
- Ailton Krenak, de entrevistas "A humanidade que pensamos ser", no livro "Ideias para adiar o fim do mundo". Companhia das Letras, 2019.

§§

"Quando, por vezes, me falam em imaginar outro mundo possível, é no sentido de reordenamento das relações e dos espaços, de novos entendimentos sobre como podemos nos relacionar com aquilo que se admite ser a natureza, como se a gente não fosse natureza. Na verdade, estão invocando novas formas de os velhos manjados humanos coexistirem com aquela metáfora da natureza que eles mesmos criaram para consumo próprio. Todos os outros humanos que não somos nós estão fora, a gente pode comê-los, socá-los, fraturá-los, despachá-los para outro lugar do espaço. O estado de mundo que vivemos hoje é exatamente o mesmo que os nossos antepassados recentes encomendaram para nós."
- Ailton Krenak, de entrevistas "A humanidade que pensamos ser", no livro "Ideias para adiar o fim do mundo". Companhia das Letras, 2019.

§§

"Devíamos admitir a natureza como uma imensa multidão de formas, incluindo cada pedaço de nós, que somos parte de tudo: 70% de água e um monte de outros materiais que nos compõem. E nós criamos essa abstração de unidade, o homem como medida das coisas, e saímos por aí atropelando tudo, num convencimento geral até que todos aceitem que existe uma humanidade com a qual se identificam, agindo no mundo à nossa disposição, pegando o que a gente quiser. Esse contato com outra possibilidade implica escutar, sentir, cheirar, inspirar, expirar aquelas camadas do que ficou fora da gente como “natureza”, mas que por alguma razão ainda se confunde com ela. Tem alguma coisa dessas camadas que é quase-humana: uma camada identificada por nós que está sumindo, que está sendo exterminada da interface de humanos muito-humanos. Os quase-humanos são milhares de pessoas que insistem em ficar fora dessa dança civilizada, da técnica, do controle do planeta. E por dançar uma coreografia estranha são tirados de cena, por epidemias, pobreza, fome, violência dirigida."
- Ailton Krenak, de entrevistas "A humanidade que pensamos ser", no livro "Ideias para adiar o fim do mundo". Companhia das Letras, 2019. 


Ailton Krenak | foto: Jackson Romanelli/Infinito

Excertos do livro "O amanhã não está à venda". de Ailton Krenak


"É terrível o que está acontecendo, mas a sociedade precisa entender que não somos o sal da terra. Temos que abandonar o antropocentrismo; há muita vida além da gente, não fazemos falta na biodiversidade. Pelo contrário. Desde pequenos, aprendemos que há listas de espécies em extinção. Enquanto essas listas aumentam, os humanos proliferam, destruindo florestas, rios e animais."
-  Ailton Krenak, no livro "O amanhã não está à venda". Companhia das Letras, 2020.

§§

"Nós, a humanidade, vamos viver em ambientes artificiais produzidos pelas grandes corporações, que são os donos da grana. Agora esse organismo, o vírus, parece ter se cansado da gente, parece querer se divorciar da gente como a humanidade quis se divorciar da natureza. Ele está querendo nos “desligar”, tirando o nosso oxigênio."
- Ailton Krenak, no livro "O amanhã não está à venda". Companhia das Letras, 2020.

§§

"A nossa mãe, a Terra, nos dá de graça o oxigênio, nos põe para dormir, nos desperta de manhã com o sol, deixa os pássaros cantar, as correntezas e as brisas se moverem, cria esse mundo maravilhoso para compartilhar, e o que a gente faz com ele? O que estamos vivendo pode ser a obra de uma mãe amorosa que decidiu fazer o filho calar a boca pelo menos por um instante. Não porque não goste dele, mas por querer lhe ensinar alguma coisa. “Filho, silêncio.” A Terra está falando isso para a humanidade. E ela é tão maravilhosa que não dá uma ordem. Ela simplesmente está pedindo: “Silêncio”. Esse é também o significado do recolhimento."
- Ailton Krenak, no livro "O amanhã não está à venda". Companhia das Letras, 2020.

§§

"Tomara que não voltemos à normalidade, pois, se voltarmos, é porque não valeu nada a morte de milhares de pessoas no mundo inteiro. Depois disso tudo, as pessoas não vão querer disputar de novo o seu oxigênio com dezenas de colegas num espaço pequeno de trabalho. As mudanças já estão em gestação. Não faz sentido que, para trabalhar, uma mulher tenha de deixar os seus filhos com outra pessoa. Não podemos voltar àquele ritmo, ligar todos os carros, todas as máquinas ao mesmo tempo.
Seria como se converter ao negacionismo, aceitar que a Terra é plana e que devemos seguir nos devorando. Aí, sim, teremos provado que a humanidade é uma mentira."
- Ailton Krenak, no livro "O amanhã não está à venda". Companhia das Letras, 2020.

§§

"O mundo está agora numa suspensão. E não sei se vamos sair dessa experiência da mesma maneira que entramos. É como um anzol nos puxando para a consciência. Um tranco para olharmos para o que realmente importa."
- Ailton Krenak, no livro "O amanhã não está à venda". Companhia das Letras, 2020.

§§

"Desde muito tempo, a minha comunhão com tudo o que chamam de natureza é uma experiência que não vejo ser valorizada por muita gente que vive na cidade. Já vi pessoas ridicularizando: “ele conversa com árvore, abraça árvore, conversa com o rio, contempla a montanha”, como se isso fosse uma espécie de alienação. Essa é a minha experiência de vida. Se é alienação, sou alienado. Há muito tempo não programo atividades para “depois”. Temos de parar de ser convencidos. Não sabemos se estaremos vivos amanhã. Temos de parar de vender o amanhã."
-  Ailton Krenak, no livro "O amanhã não está à venda". Companhia das Letras, 2020.

§§

Ailton Krenak | foto: Marina Silva

Excertos do livro "A vida não é útil". de Ailton Krenak


Do texto "Não se come dinheiro"

{NÃO SE COME DINHEIRO — Texto elaborado a partir de live de Ailton Krenak e Leandro Demori para The Intercept Brasil, 8 abr. 2020; fala de Ailton Krenak no evento Plante Rio, na Fundição Progresso, Rio de Janeiro, nov. 2017; e entrevista a Amanda Massuela e Bruno Weis, “O tradutor do pensamento mágico”, Cult, 4 nov. 2019}.

"É incrível que esse vírus que está aí agora esteja atingindo só as pessoas. Foi uma manobra fantástica do organismo da Terra tirar a teta da nossa boca e dizer: “Respirem agora, quero ver”. Isso denuncia o artifício do tipo de vida que nós criamos, porque chega uma hora que você precisa de uma máscara, de um aparelho para respirar, mas, em algum lugar, o aparelho precisa de uma usina hidrelétrica, nuclear ou de um gerador de energia qualquer. E o gerador também pode apagar, independentemente do nosso decreto, da nossa disposição. Estamos sendo lembrados de que somos tão vulneráveis que, se cortarem nosso ar por alguns minutos, a gente morre. Não é preciso nenhum sistema bélico complexo para apagar essa tal de humanidade: se extingue com a mesma facilidade que os mosquitos de uma sala depois de aplicado um aerossol. Nós não estamos com nada: essa é a declaração da Terra."
- Ailton Krenak, do texto "Não se come dinheiro", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

"Parece que a ideia de concentração de riqueza chegou a um clímax. O poder, o capital entraram em um grau de acúmulo que não há mais separação entre gestão política e financeira do mundo. Houve um tempo em que existiam governos e revoluções. Na América Latina houve muitas; o México, nos séculos XIX e XX, foi um verdadeiro laboratório delas. Hoje essa cultura de revoluções, de povos que se movem e derrubam governos, criam outras formas de governança, não tem mais sentido. Nem na América Latina, nem na África, nem em continente nenhum. Isso porque os governos deixaram de existir, somos governados por grandes corporações. Quem vai fazer a revolução contra corporações? Seria como lutar contra fantasmas. O poder, hoje, é uma abstração concentrada em marcas aglutinadas em corporações e representada por alguns humanoides. Não tenho dúvida de que esses humanoides, focados no poder da grana, também vão sofrer uma saturação. Estamos experimentando uma gradual mudança na condição de vida no planeta e seremos todos postos no mesmo patamar. Um cara que tem trezentos trilhões e eu e você vamos ficar todos na mesma."
- Ailton Krenak, do texto "Não se come dinheiro", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

"Estamos viciados em modernidade. A maior parte das invenções é uma tentativa de nós, humanos, nos projetarmos em matéria para além de nossos corpos. Isso nos dá sensação de poder, de permanência, a ilusão de que vamos continuar existindo. A modernidade tem esses artifícios. A ideia da fotografia, por exemplo, que não é tão recente: projetar uma imagem para além daquele instante em que você está vivo é uma coisa fantástica. E assim ficamos presos em uma espécie de looping sem sentido. Isso é uma droga incrível, muito mais perigosa que as que o sistema proíbe por aí. Estamos a tal ponto dopados por essa realidade nefasta de consumo e entretenimento que nos desconectamos do organismo vivo da Terra. Com todas as evidências, as geleiras derretendo, os oceanos cheios de lixo, as listas de espécies em extinção aumentando, será que a única maneira de mostrar para os negacionistas que a Terra é um organismo vivo é esquartejá-la? Picá-la em pedaços e mostrar: “Olha, ela é viva”? É de uma estupidez absurda."
- Ailton Krenak, do texto "Não se come dinheiro", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

"A maioria das pessoas não só come coisas aparentemente envenenadas, tipo morangos e tomates, como também consome muita coisa que nem sabe o que é. Tem uma composição lá qualquer, cheia de nomes que não sabemos o que significam. Ora, como é que você vai acreditar naquilo? Podem ter processado qualquer lixo e estarem te dando para comer. Por isso, seria muito melhor a gente cuidar da nossa sementinha, ver ela brotar, acompanhá-la, para então colher. Só assim você vai saber de onde vem o que come."
- Ailton Krenak, do texto "Não se come dinheiro", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

"Alguém pode dizer: “Mas nós não vamos voltar a ser uma sociedade agrícola!”. Provavelmente não. Inclusive porque agricultura mesmo não é o que a gente está fazendo em lugar nenhum do mundo. Tem essa campanha imoral de que “o agro é tech, o agro é pop, o agro é tudo”, na qual mostram todo processo de industrialização, não somente de alimentos, mas também de minérios. Tudo virou agro. Minério é agro, assalto é agro, roubo do planeta é agro, e tudo é pop. Essa calamidade que nós estamos vivendo no planeta hoje pode apresentar a conta dela para o agro."
- Ailton Krenak, do texto "Não se come dinheiro", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

"Aqui, do outro lado do rio, há uma montanha que guarda a nossa aldeia. Hoje ela amanheceu coberta de nuvens, caiu uma chuva e agora as nuvens estão sobrevoando seu cume. Olhar para ela é um alívio imediato para todas as dores. A vida atravessa tudo, atravessa uma pedra, a camada de ozônio, geleiras. A vida vai dos oceanos para a terra firme, atravessa de norte a sul, como uma brisa, em todas as direções. A vida é esse atravessamento do organismo vivo do planeta numa dimensão imaterial. A vida que a gente banalizou, que as pessoas nem sabem o que é e pensam que é só uma palavra. Assim como existem as palavras “vento”, “fogo”, “água”, as pessoas acham que pode haver a palavra “vida”, mas não. Vida é transcendência, está para além do dicionário, não tem uma definição."
- Ailton Krenak, do texto "Não se come dinheiro", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

Do texto "A máquina de fazer coisas"

{A MÁQUINA DE FAZER COISAS — Texto elaborado a partir de live Conversa Selvagem, com Ailton Krenak e Marcelo Gleiser, 17 abr. 2020; entrevista a Fernanda Santana, “‘Vida sustentável é vaidade pessoal’, diz Ailton Krenak”, Correio, 25 jan. 2020; live de Emicida com Ailton Krenak para o canal GNT na semana do meio ambiente, 6 jun. 2020; e live com os Jornalistas Livres, 9 jun. 2020}.

"Foi impressionante, durante a pandemia, como aceitamos a convocatória para ficar em casa e fazer o distanciamento social. Salvo alguns excêntricos, todo mundo que pôde concordou com ela. Ora, se somos capazes de ouvir um comando desses, todos ao mesmo tempo, de permanecermos em casa, por que não seríamos capazes de ouvir o comando de parar de predar o planeta? De parar de destruir os rios e as florestas? Esse é um valor transcendente."
- Ailton Krenak, do texto "A máquina de fazer coisas", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

"Muita gente afirma que o que nos distingue dos outros seres é a linguagem; o fato de falarmos, termos discernimento e criarmos relações sociais. Ora, se a principal marca dos humanos é se distinguir do resto da vida terrestre, isso nos aproxima mais da ficção científica que defende que os humanos que estão habitando a Terra não são daqui."
- Ailton Krenak, do texto "A máquina de fazer coisas", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

"Estão aparecendo muitas sugestões de mundos, sempre acompanhadas da ideia de que estão em choque. Eu não percebo esse momento que estamos vivendo como uma situação-limite, acho que o que estamos passando é uma espécie de ajuste de foco no qual temos a oportunidade de decidir se queremos ou não apertar o botão da nossa autoextinção, mas todo o resto da Terra vai continuar existindo."
- Ailton Krenak, do texto "A máquina de fazer coisas", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

"O planeta está nos dizendo: “Vocês piraram, se esqueceram quem são e agora estão perdidos achando que conquistaram algo com os brinquedos de vocês”. Pois a verdade é que tudo que a técnica nos deu foram brinquedos. O mais sofisticado que conseguimos é esse que bota gente no espaço; e também o mais caro. É um brinquedo que só dá para uns trinta, quarenta caras brincarem. E, claro, tem uns bilionários querendo brincar disso. O que me faz pensar que essa humanidade imaginária, além de ter uma tremenda infantilidade espiritual, não consegue tecer críticas sobre a sua história. História que, na maioria das vezes, é uma vergonha. O que há para ser celebrado no fato de que podemos falar numa live para 3 mil ou 4 mil pessoas por um aparelhinho que é produto de uma civilização que está comendo a Terra para fazer brinquedos? Só que a Terra é um organismo muito maior que nós, muito mais sábio e poderoso, e nós, seu brinquedo mais inútil. A Terra pode nos desligar tirando nosso ar, não precisa nem fazer barulho."
- Ailton Krenak, do texto "A máquina de fazer coisas", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

" ... a ciência avançou tanto que as pessoas acham que não precisam mais morrer. A ciência, a medicina criaram uma extensão da vida com mil aparelhos, mas deixando de fora a escolha das pessoas de viver dentro do ciclo da vida e da morte que a natureza proporciona. E, assim, foram ampliando essa possibilidade de os humanos se proliferarem no planeta ocupando-o de maneira incontrolável."
- Ailton Krenak, do texto "A máquina de fazer coisas", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

"Eu não sou eterno e não quero me eternizar. A ciência e a tecnologia acham que a humanidade não só pode incidir impunemente sobre o planeta como será a última espécie sobrevivente e a única a decolar daqui quando tudo for pelo ralo.
Então, pode ser que aqueles últimos bicões que chegaram de outra galáxia para a festa na Terra sejam tão danosos que acabem com a festa de todo mundo e ainda se mandem para o espaço. Por isso, digo que nós somos muito piores do que esse vírus que está sendo demonizado como a praga que veio para comer o mundo. Somos nós a praga que veio devorar o mundo. Alguns têm consciência disso e gritam desesperadamente."
- Ailton Krenak, do texto "A máquina de fazer coisas", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

"O capitalismo quer nos vender até a ideia de que nós podemos reproduzir a vida. Que você pode inclusive reproduzir a natureza. A gente acaba com tudo e depois faz outro, a gente acaba com a água doce e depois ganha um dinheirão dessalinizando o mar, e, se não for suficiente para todo mundo, a gente elimina uma parte da humanidade e deixa só os consumidores. Uma espécie de Big Brother governando o mundo ao gosto do capitalismo. Algumas pessoas sugerem que quem sabe viver no mundo são os ricos, que a pobreza é responsável pela destruição do meio ambiente. Essa afirmação, além de ser racista e classista, é assassina. Porque alguém que está no lugar do rico dizendo que os pobres — que são 80% da população mundial — estão destruindo o planeta pode acabar sugerindo também que os pobres não precisam mais viver. A verdade é que nós não precisamos de nada que esse sistema pode nos oferecer, mas ele nos tira tudo o que temos."
- Ailton Krenak, do texto "A máquina de fazer coisas", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

"É uma distopia: em vez de imaginar mundos, a gente os consome. Depois que comermos a Terra, vamos comer a Lua, Marte e os outros planetas. A mesma dificuldade que muita gente tem em entender que a Terra é um organismo vivo, eu tenho em entender que o capitalismo é um ente com o qual podemos tratar. Ele não é um ente, mas um fenômeno que afeta a vida e o estado mental de pessoas no planeta inteiro — não vejo como dialogar com isso."
- Ailton Krenak, do texto "A máquina de fazer coisas", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

"Eu estou interessado é na caminhada que fazemos aqui, na busca de uma espécie de equilíbrio entre o nosso mover-se na Terra e a constante criação do mundo. Pois a criação do mundo não foi um evento como o Big Bang, mas é algo que acontece a cada momento, aqui e agora. O próprio evento geofísico da existência do planeta no cosmos é um evento ativo. Tudo que pensamos que já existiu está acontecendo agora, se as pessoas conseguirem acessar isso, poderão sentir que esse mundo que nós, de diferentes perspectivas, acreditamos que existe segue em transformação. Não está inscrito em uma linha do tempo: “Neste dia o mundo foi criado”."
- Ailton Krenak, do texto "A máquina de fazer coisas", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

"Acredito que nossa ideia de tempo, nossa maneira de contá-lo e de enxergá-lo como uma flecha — sempre indo para algum lugar —, está na base do nosso engano, na origem de nosso descolamento da vida. Nossos parentes Tukano, Desana, Baniwa contam histórias de um tempo antes do tempo. Essas narrativas, que são plurais, os maias e outros ameríndios também têm. São histórias de antes de este mundo existir e que, inclusive, aludem à sua duração. A proximidade com essas narrativas expande muito nosso sentido de ser, nos tira o medo e também o preconceito contra os outros seres. Os outros seres são junto conosco, e a recriação do mundo é um evento possível o tempo inteiro."
- Ailton Krenak, do texto "A máquina de fazer coisas", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

Do texto "A vida não é útil"

{A VIDA NÃO É ÚTIL — Texto elaborado a partir de conversa “Como adiar o fim do mundo”, O Lugar, 18 mar. 2020; live com os Jornalistas Livres, 9 jun. 2020; e entrevista a Fernanda Santana, “‘Vida sustentável é vaidade pessoal’, diz Ailton Krenak”, Correio, 25 jan. 2020}.

"A proposta de desacelerar nosso uso de recursos naturais pode sugerir a ideia de adiar o fim deste mundo, mas, em alguns lugares, esse fim já aconteceu — ontem, hoje cedo, vai acontecer depois de amanhã. Alguém pode dizer: “Ah, mas isso é muito apocalíptico, ele está apavorando a gente!”. Na verdade, estou dando notícias velhas. Inclusive nas religiões dos brancos há uma história de que, nos seus primórdios, essa humanidade se espalhou pelo planeta como uma praga. O Deus deles ficou muito bravo, pois estavam deixando o mundo muito sujo, e o destruiu com um dilúvio. Em seguida criou outro, novinho em folha, mas sua humanidade voltou a se comportar da mesma maneira caótica e predatória. Ou seja, na cosmovisão dos brancos também já houve um fim de mundo, eles olham para nós com estranhamento quando falamos disso porque não têm memória."
- Ailton Krenak, do texto "A vida não é útil", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

"Nós estamos, devagarzinho, desaparecendo com os mundos que nossos ancestrais cultivaram sem todo esse aparato que hoje consideramos indispensável. Os povos que vivem dentro da floresta sentem isso na pele: veem sumir a mata, a abelha, o colibri, as formigas, a flora; veem o ciclo das árvores mudar. Quando alguém sai para caçar tem que andar dias para encontrar uma espécie que antes vivia ali, ao redor da aldeia, compartilhando com os humanos aquele lugar. O mundo ao redor deles está sumindo. Quem vive na cidade não experimenta isso com a mesma intensidade porque tudo parece ter uma existência automática: você estende a mão e tem uma padaria, uma farmácia, um supermercado, um hospital.
Na floresta não há essa substituição da vida, ela flui, e você, no fluxo, sente a sua pressão. Isso que chamam de natureza deveria ser a interação do nosso corpo com o entorno, em que a gente soubesse de onde vem o que comemos, para onde vai o ar que expiramos. Para além da ideia de “eu sou a natureza”, a consciência de estar vivo deveria nos atravessar de modo que fôssemos capazes de sentir que o rio, a floresta, o vento, as nuvens são nosso espelho na vida. Eu tenho uma alegria muito grande de experimentar essa sensação e fico procurando comunicá-la, mas também respeito o fato de que cada um tem a sua passagem por este mundo."
- Ailton Krenak, do texto "A vida não é útil", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§


"Durante milhares de anos, em diferentes culturas, fomos induzidos a imaginar que os humanos podiam agir impunemente sobre o planeta e fomos reduzindo esse organismo maravilhoso a uma esfera composta de elementos que constituem o que chamamos de natureza — essa abstração. Construímos justificativas para incidir sobre o mundo como se fosse uma matéria plástica: podemos fazê-lo ficar quadrado, plano, podemos esticá-lo, puxá-lo. Essa ideia também orienta a pesquisa científica, a engenharia, a arquitetura, a tecnologia. O modo de vida ocidental formatou o mundo como uma mercadoria e replica isso de maneira tão naturalizada que uma criança que cresce dentro dessa lógica vive isso como se fosse uma experiência total. As informações que ela recebe de como se constituir como pessoa e atuar na sociedade já seguem um roteiro predefinido: vai ser engenheira, arquiteta, médica, um sujeito habilitado para operar no mundo, para fazer guerra; tudo já está configurado. Nesse mundo pronto e triste eu não tenho nenhum interesse, por mim ele já podia ter acabado há muito tempo, não faço questão de adiar seu fim."
- Ailton Krenak, do texto "A vida não é útil", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

"Acho gravíssimo as escolas continuarem ensinando a reproduzir esse sistema desigual e injusto. O que chamam de educação é, na verdade, uma ofensa à liberdade de pensamento, é tomar um ser humano que acabou de chegar aqui, chapá-lo de ideias e soltá-lo para destruir o mundo. Para mim isso não é educação, mas uma fábrica de loucura que as pessoas insistem em manter."
- Ailton Krenak, do texto "A vida não é útil", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

"Trata-se de uma provocação acerca do egoísmo: eu não vou me salvar sozinho de nada, estamos todos enrascados. E, quando eu percebo que sozinho não faço a diferença, me abro para outras perspectivas. É dessa afetação pelos outros que pode sair uma outra compreensão sobre a vida na Terra. Se você ainda vive a cultura de um povo que não perdeu a memória de fazer parte da natureza, você é herdeiro disso, não precisa resgatá-la, mas se você passou por essa experiência urbana intensa, de virar um consumidor do planeta, a dificuldade de fazer o caminho de volta deve ser muito maior. Por isso acho que seria irresponsável ficar dizendo para as pessoas que, se nós economizarmos água, ou só comermos orgânico e andarmos de bicicleta, vamos diminuir a velocidade com que estamos comendo o mundo — isso é uma mentira bem embalada."
- Ailton Krenak, do texto "A vida não é útil", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

"Estou há dois anos vivendo na margem esquerda de um rio junto com as outras famílias do meu povo que, do ponto de vista prático, tinham que ter sido removidas daqui, como o que aconteceu com o pessoal de Brumadinho, de Bento Rodrigues e outros lugares. Os Krenak não aceitaram ser retirados, quisemos ficar no lugar do flagelo. “Ah, mas vocês não têm água!” E daí? “Ah, mas não tem comida!” E daí? “Ah, mas vocês podem morrer aí!” E daí? Sabemos que esse lugar foi profundamente afetado, virou um abismo, mas estamos dentro dele e não vamos sair. É uma questão que incomoda, mas é preciso estar nessa condição para poder produzir uma resposta em plena consciência. Consciência do corpo, da mente, consciência de ser o que se é e escolher ir além da experiência da sobrevivência.
Uma operação de resgate tem como intuito salvar o corpo que está sendo flagelado e levá-lo para um outro lugar, onde será restaurado. Quem sabe, depois de uma reabilitação, ele pode até seguir operante na vida. Isso partindo da ideia de que a vida é útil, mas a vida não tem utilidade nenhuma. A vida é tão maravilhosa que a nossa mente tenta dar uma utilidade a ela, mas isso é uma besteira. A vida é fruição, é uma dança, só que é uma dança cósmica, e a gente quer reduzi-la a uma coreografia ridícula e utilitária."
- Ailton Krenak, do texto "A vida não é útil", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

"Eu tenho insistido com as pessoas, seja na minha aldeia, seja em qualquer lugar, que sobreviver já é uma negociação em torno da vida, que é um dom maravilhoso e não pode ser reduzido. Nós estamos, em nossa relação com a vida, como um peixinho num imenso oceano, em maravilhosa fruição. Nunca vai ocorrer a um peixinho que o oceano tem que ser útil, o oceano é a vida. Mas nós somos o tempo inteiro cobrados a fazer coisas úteis. É por isso que muita gente morre cedo, desiste dessa bobagem toda e vai embora. Uma vez me perguntaram: “Por que que tantos jovens indígenas estão se suicidando?”. Porque eles estão achando a vida tão cretina e essa experiência aqui tão insalubre que estão preferindo ir para outro lugar. Eu sei que falar disso é doloroso, muitas famílias perderam crianças, meninos, adolescentes, mas a gente não precisa ter medo de nada, nem disso."
- Ailton Krenak, do texto "A vida não é útil", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

"Viver a experiência de fruir a vida de verdade deveria ser a maravilha da existência. Alguém vai dizer: “Mas tem tanta gente que vive em dificuldade material, que tem que morar em lugares de miséria e violência…”. Porém os lugares de miséria e violência fomos nós que criamos, não têm existência por si. Todas as guerras em curso por aí são produzidas por nós. Também não podemos ficar alimentando essa ideia de destino: “Ah, aquele monte de gente sofreu, passou por aquela desgraceira toda, morreu, mas era o destino deles”. Isso é uma sacanagem. Não é destino deles nem meu nem de ninguém: nós estamos aqui para fruir a vida, e quanto mais consciência despertarmos sobre a existência, mais intensamente a experimentamos. Sem autoenganação."
- Ailton Krenak, do texto "A vida não é útil", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§
 
"As religiões, a política, as ideologias se prestam muito bem a emoldurar uma vida útil. Mas quem está interessado em existência utilitária deve achar que esse mundo está ótimo: um tremendo shopping. Os grandes templos contemporâneos são shoppings (inclusive alguns que são templos mesmo).

Os povos originários ainda estão presentes neste mundo não porque foram excluídos, mas porque escaparam, é interessante lembrar isso. Em várias regiões do planeta, resistiram com toda força e coragem para não serem completamente engolfados por esse mundo utilitário. Os povos nativos resistem a essa investida do branco porque sabem que ele está enganado, e, na maioria das vezes, são tratados como loucos. Escapar dessa captura, experimentar uma existência que não se rendeu ao sentido utilitário da vida, cria um lugar de silêncio interior. Nas regiões que sofreram uma forte interferência utilitária da vida, essa experiência de silêncio foi prejudicada."
- Ailton Krenak, do texto "A vida não é útil", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

"Na invasão do Tibete, por exemplo, um povo originário, que durante gerações experimentava um estado de atenção que cultivava o silêncio interior e permitia a fruição da vida, sofreu um atropelamento. Foram jogados no meio dessa bagunça do mundo, onde o silêncio fica, o tempo inteiro, sendo assaltado por urgências que parecem acontecer ao nosso redor. Parecem. Esses eventos têm a mesma consistência das tais pegadas que estamos imprimindo na terra."
- Ailton Krenak, do texto "A vida não é útil", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§

"O pensamento vazio dos brancos não consegue conviver com a ideia de viver à toa no mundo, acham que o trabalho é a razão da existência. Eles escravizaram tanto os outros que agora precisam escravizar a si mesmos. Não podem parar e experimentar a vida como um dom e o mundo como um lugar maravilhoso. O mundo possível que a gente pode compartilhar não tem que ser um inferno, pode ser bom. Eles ficam horrorizados com isso, e dizem que somos preguiçosos, que não quisemos nos civilizar. Como se “civilizar-se” fosse um destino. Isso é uma religião lá deles: a religião da civilização. Mudam de repertório, mas repetem a dança, e a coreografia é a mesma: um pisar duro sobre a terra. A nossa é pisar leve, bem leve." 
- Ailton Krenak, do texto "A vida não é útil", no livro "A vida não é útil". Companhia das Letras, 2020. 

§§


AILTON KRENAK NA REDE

:: Instagram: @_ailtonkrenak
:: Contato: ailtonkrenak@gmail.com

:: Biblioteca do Ailton Krenak. Disponível no link. (acessado em 16.9.2021).

KRENAK DO RIO DOCE -  NA REDE


OUTRAS FONTES DE PESQUISA

:: SELVAGEM ciclo de estudos sobre a vida [Concebido por Anna Dantes, orientado por Ailton Krenak, produzido por Madeleine Deschamps e realizado por um coletivo que envolve parceiros, apoiadores, participantes e público]. Site oficialCanal do Youtube (acessado em 16.9.2021).

----------
Arte: Ailton Krenak, por Edu Santos | Guará Arts.



© Direitos reservados ao autor/e ou ao seus herdeiros

© Pesquisa, seleção, edição e organização: Elfi Kürten Fenske


=== === ===
Trabalhos sobre o autor:
Caso, você tenha algum trabalho não citado e queira que ele seja incluído - exemplo: livro, tese, dissertação, ensaio, artigo - envie os dados para o nosso "e-mail de contato", para que possamos incluir as referências do seu trabalho nesta pagina. 


COMO CITAR:
FENSKE, Elfi Kürten (pesquisa, seleção e organização). Ailton Krenak - uma fonte de sabedoria. In: Templo Cultural Delfos, setembro/2021. Disponível no link. (acessado em .../.../...).
____
* Página atualizada em 20.9.2021.





Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2021 Templo Cultural Delfos