As travessuras de Juca e Chico (Max e Moritz)


BUSCH, Wilhelm. Juca e Chico. História de Dois Meninos em Sete Travessuras
Tradução: BILAC, Olavo. 11ª edição São Paulo: Melhoramentos, s/d.

PRÓLOGO
Não têm conta as aventuras,
As peças, as travessuras
Dos meninos mal criados...
- Destes dois endiabrados,
Um é Chico; o outro é o Juca:

Põem toda a gente maluca,
Não querem ouvir conselhos
Estes travessos fedelhos!
- Certo é que, para a maldade,
Nunca faz falta a vontade...
Andar pela rua à toa,
Caçoar de uma pessoa,
Dar nos bichos, roubar frutas,
Armar brigas e disputas,
Rir dos homens respeitáveis,
São coisas mais agradáveis,
Que ir à escola ou ouvir missa...
Antes a troça e a preguiça!
- Mas nem sempre a vadiação
Acaba sem punição...
Lede esta história: e, depois,
Vereis a sorte dos dois.


PRIMEIRA TRAVESSURA
Todos gostam afinal,
De ter aves no quintal:
As galinhas, bem nutridas,
Põem ovos, quando cozidas
Ou assadas, no jantar,
São gratas ao paladar;
Servem para encher almofadas
Em cujo macio encosto
A gente dorme com gosto...



Aqui está a viúva Chaves,
Que também gosta de aves,



Galinhas tinha ela três
E um belo galo francês. -
Ora, ao Juca, e ao Chico, um dia
Ocorre uma estripulia.
- Que fazem os dois madraços?
Amarram quatro pedaços
De pão, nas pontas distantes
De dois sólidos barbantes,
E ao vir a noite, ao sol posto,
Deixam tudo isso, disposto



Em cruz, defronte das aves,
No quintal da viúva Chaves.



O galo, rei do quintal,
- Cocorocó - dá sinal:
Depressa, cacarejando,
Vêm as galinhas em bando...



E os quatro, sem reflexão,
Comem as iscas de pão!



É tarde pra refletir...
Puxam... não podem sair,
Coitadinhos, do lugar!



Toca a puxar, a puxar...
Porém, quanto mais trabalham,
Mais penam, mais se atrapalham.


Até que desesperados,
Voam, e ficam pegados
A um galho seco. Que horror!



Perderam as forças e a cor;
Ficam roucos, fazem só,
Quase sem voz: quó...quó...quó



E cada um deles, depressa,
Na agonia que começa,
Põe um ovo ainda ao vento,
E exala o último alento!



Mas a viúva, que dormia,
Ouve os gritos de agonia:



Que pressentimento! Sai...
Chega ao quintal...E diz .. Ai!



Ai! Que amargura! que espanto!
Corre dos olhos, meu pranto!
A esperança mais querida,
Mais bela da vida,
Eu vejo, como um bugalho,
Pendente daquele galho! ..



Aflita a pobre senhora
Arranca os cabelos, chora...
E por fim, as cordas corta,
Para que a família morta



Não fique dançando ao vento,
Naquele aborrecimento!
- Foi a primeira dos dois...
Houve outra logo depois:


SEGUNDA TRAVESSURA
Custou... enfim à alma
Da viúva voltou a calma.
Põe-se a pensar comovida:
- .. Não posso mais dar a vida
Aos defuntos que tão cedo
Se foram deste degredo...
Que ao menos passam, assados,
No estômago sepultados,
Descansar de tanta mágoa! ..
- E enchendo-se-lhe os olhos d´água,
Vendo no fogão, sem penas,
Aquelas aves serenas,
Aqueles entes que, outrora,
Da vida ainda na aurora,
Ciscavam com ar jovial
No jardim e no quintal!



Chora a viúva com dó...
E assiste a tudo o Totó.
Mas o Juca, lambareiro,
Diz ao Chico: .. Companheiro!
´Stá cheirando a frango assado...
Subamos para o telhado! ..



E sobem pé ante pé,
E olham pela chaminé,
E vêem lá embaixo as galinhas
Sem pescoço, coitadinhas,
Chiando na caçarola...
E que bom cheiro se evola!



Ora, com um prato na mão,
Desce a viúva ao porão,



Vai-se embora; e, sem cautela,
Deixa no fogo a panela.
Junto ao fogão, fica só
O vigilante Totó.
Se ela visse que perigo!
- Não se descuida o inimigo:
O Chico, que o prato cheira,
Tira um anzol da algibeira.



E zás! Na ponta da linha
Vem a primeira galinha...
E desce o anzol outra vez...
Cá estão duas! cá estão três!
Cá está o galo! - E, enquanto isso,
Num susto, num rebuliço,
Num pressentimento mau,
Ladrava o cão: Au! au! au!



Mas, o crime consumado,
Já velozes, do telhado,
Desce o Juca, o Chico desce,
E vão-se, antes que comece
A grita da cozinheira,
Que volta alegre e lampeira,
E fica pálida e fria
Vendo a panela vazia:



Vazia!... Foram-se as aves!...
..Totó.. - diz a viúva Chaves -



.. Ladrão! De ti vou dar cabo!
Espera, cão do diabo!..



E, com a colher de pau,
Sova o cachorro... .. Au! au! au!..
Grita ele, como o holandês,
Pagando o mal que não fez.



E os culpados da ação feia
Dormindo, com a pança cheia,
- Tão cheia que se relaxa,
Tão cheia que quase racha!...

Foi a segunda dos dois...
Houve outra, logo depois:


TERCEIRA TRAVESSURA
Havia um homem na aldeia,
Alfaiate de mão-cheia.



Jaquetas para serviço,
Fraques de bolso postiço,
Calças, roupas domingueiras,
Coletes com algibeiras,
Paletós-sacos de alpaca,
Rabona ou sobrecasaca,
Blusa, capa, sobretudo,
Casaca de rabo, - tudo
Sabia fazer com arte
O alfaiate Brás Duarte.
Roupas velhas consertava,
Diminuía, alargava,
Se aparecia um rasgão,
Ou se caía um botão
De diante ou de detrás,
Vinha com agulha o Brás,
Enfiava-a, dava um ponto,
Dava uma laçada e ... pronto!

De sua casa defronte,
Havia um rio: uma ponte
De tábuas o atravessava
A água espumava... estrondava...



O Chico e o Juca engredaram
Nova maldade: serraram



Raque...raque... a ponte estreita,
E foram se pôr à espreita.


Depois, numa gritaria:
..Cosedor de fancaria!



Sai, alfaiate caipora!
Cara de bode! pra fora
Mé! mé! mé .. - Ora o coitado,
Que tudo sofre calado,
Apenas sofrer não pode
Que o chamem cara de bode...



Empunha o côvado... À ponte
Voa, escutando defronte,
Os dois, de uma moita ao pé
..Cara de bode! mé! mé!..



Chega à ponte. Mas... traraque!
Quebra-se a tábua. Que baque!



E os dois: .. mé! mé! mé!.. e Brás
Bumba! n´água... Catatraz!
Eis justamente que um par
De gansos vem a nadar...



O Brás, pra não ir À garra,
Às pernas deles se agarra,
Às penas deles se aferra,



E vai voando pra terra.



Mas dessa maneira,
Não pensem que é brincadeira...






O pobre do Brás que o diga:
Que horrenda dor de barriga!



Porém, por felicidade,
Tinha grande habilidade
A esposa de mestre Brás:
Pegou do ferro, e zás-trás!



Deu-lhe uma engomação forte,
E o Brás escapou da morte.

Foi a terceira dos dois...
Houve outra logo depois:


QUARTA TRAVESSURA
Na vida, para ser homem,
Não basta aprender a ler:
Porque também é preciso,
Além do a-bê-cê, o juízo,
Não basta saber somar,
Dividir, multiplicar:
Para ter calma e medida,
Também é preciso, penso,
Tomar lições de bom-senso...



Para isto, existe na aldeia
O senhor Mestre Gouveia,
Que, além de mestre escolar.
É sacristão do lugar:
- Mas os nossos dois vadios
De todo o estudo arrediso,
Sempre preferem à escola
A travessura e a graçola.
Só tinha um vício o Gouveia.
Mas não era coisa feia:
Era o cachimbo. Acendia,
Depois do labor do dia,
Não um modesto cigarro,
Mas um cachimbo de barro,
E tinha sonhos afáveis...
- Chico e Juca, enfatigáveis
Na sua perversidade,
Armaram nova maldade.



Num domingo, o sacristão
Estava, por devoção,
À missa, na igreja calma,
Tocando o órgão com alma...
Os dis, que não perdem vaza,
Vão do mestre-escola à casa.



Segura o cachimbo o Chico;
E dentro do traste rico
O Juca, bicho daninho,
De um pesado polvarinho
Toda a pólvora despeja...
- Badala o sino da igreja.



Agora, toca a fugir,
Que o mestre não tarda a vir!
Na igreja, a missa findara.
Gouveia a porta fechara,
E vinha com modos graves,
Com as luvas, o livro, e as chaves.



Chegou. A roupa mudou.
Da prateleira tirou



Do seu cachimbo adorado,
E disse, refestado:



.. Neste mundo não há nada
Melhor que uma cachimbada! ..



Bum! Com medonho estampido
Voa o cachimbo partido!
Copo, mesa, cafeteira,
Tinteiro, fogão, cadeira,
Roupas, livros escolares,
Vai-se tudo pelos ares!



Ao dissipar-se a fumaça,
É que se vê a desgraça...
Vive o sacristão, coitado!
Mas, santo Deus, em que estado!



Queimada pela raiz
A cabeleira; o nariz,
A boca, o queixo pontudo,
Olhos, mãos, dedo, e tudo,
Tudo assado, tudo fusco,
Tudo cheirando a chamusco!
Quem agora, ó Providência,
Há de servir à Ciência?
Quem há de, na igreja calma,
O grande órgão com alma
Durante a missa tocar,
E o Te-deum acompanhar?
E como é que há o Gouveia
Cachimbar depois da ceia,
Se o pobre cachimbo seu
Já foi cachimbo, e ... morreu?!



Foi essa a quarta dos dois...
Houve outra logo depois:


QUINTA TRAVESSURA
Meninos! Quem tem um tio
(Eu já tive um e perdi-o)
Deve trazê-lo amimado,
E ter com ele cuidado,
E estar sempre ao seu serviço,
Porque os tios gostam disso.
- De manhã deve saudá-lo,
Dar-lhe bom-dia abraçá-lo,
Pedir-lhes as ordens e logo,
Trazer-lhe o cigarro, o fogo,
O chocolate, os jornais,
O leite, o café, e o mais.
- Quando ele nas costas sente
O comichão inclemente,
Deve coçá-lo o sobrinho,
E esfregá-lo com carinho,
E aturar-lhe toda a birra;
E dizer, quando ele espirra:
Dominus-tecum! - Enfim,
Ao tio, assim como assim,
Custe lá o que custar,
Deve o sobrinho agradar.
Nem todos sabem, porém,
Preferir ao mal o bem:
Armaram-se o Juca e o Chico
Contra o tio Frederico.
Sabeis que o besouro é inseto
Que sempre, esperto e inquieto,
Pela árvores, à toa,
Corre, anda, voa e revoa...


Os dois patifes, um dia,
Vão à horta: a ramaria



De uma mangueira sacodem,
E quantos besouros podem



Apanham dos mais gorduchos,
Metendo-os em dois cartuchos;



E vão- que lembranças aquela!
Escondê-los com cautela
Sob o lençol alvadio
Da cama do pobre tio.



Aí chega da cama o dono,
Tonto, caindo de sono;
Sopra a vela bocejando,
E, a carapuça enfiando,
Acomoda-se à vontade,
E dorme como um abade...





Mas, zim! zum!... que multidão
De insetos sai do colchão,
Um a um, com passo incerto!
_ Um deles, ágil e esperto,



Chega à cara do infeliz,
Bem na ponta do nariz...



.. Irra! Que é isto?!.. - acordado,
Grita o tio horrorizado.



Pega o bicho, e dá um salto
Da cama, num sobressalto...



.. Ai! ai!.. E começa a guerra:
Um bicho as pernas lhe ferra,
Um por baixo, outro por cima!



E ele grita e se lastima,
De besouros atacado
Por um e por outro lado.



Também, quanto assassinato!
Que estrago! Que desbarato!



Pula o tio, sapateia,
Dá de braços, esperneia.
Fica o chão ensanguetado,
De cadáveres juncado:



E o vencedor desse povo...
Pega no sono de novo.

Foi essa a quinta dos dois....
Houve outra logo depois.


SEXTA TRAVESSURA
Chegou a Semana Santa.
Há tanta encomenda, tanta,
Que andam todos ligeiros
Padeiros e confeiteiros...



E o Juca e o Chico namoram
Os doces, e quase choram.
Mas, como entrar, se, matreiro,
Fechara a porta o padeiro?



Só há um meio. Qual é?
Entrar pela chaminé!



Tudo depende de jeito...
E pronto! Foi dito e feito!
Vêm os dois num trambolhão,
Mais pretos do que carvão.



Mas, paf! - ó sorte mesquinha!
Caem dentro da farinha.



E ei-los, dos pés ao nariz
Todos brancos como giz,



Atirando-se gulosos
Aos biscoitos saborosos.



Zás-trás! Parte-se a cadeira!
Vem a penca labareira,



Por cúmulo da desgraça,
Mergulhar dentro da massa!



Vejam só que cataplasmas!
Até parecem fantasmas!



E entra o padeiro... É agora!
Soou a última hora!



E, como por encanto
Transformam-se em pães, - enquanto
O diabo esfrega o olho, -
Um pimpolho e outro pimpolho.



Eia! Ao forno para assar!
Ninguém os pode salvar...



E aí estão os dois acabados,
Cheirosos, louros, tostados.



.. Era uma vez! Afinal... ..
Dirão todos.- Porém, qual!



Rap...rap... Os dois diabinhos,
Como dois ratos daninhos,
Roem a casca do pão,
E safam-se da prisão.


Foi essa a sexta dos dois...
Houve outra logo depois:


ÚLTIMA TRAVESSURA
Ai de ti, ó súcia arteira!
Vai ser esta a derradeira!



Também, por que é que nos sacos
Foram abrir dois buracos?...



Aí vem o dono do trigo,
E leva os sacos consigo.



Porém, mal começa a andar,
Começa o trigo a escapar...



E ele: .. Oh, diabo!este saco
Deve ter algum buraco!..



E volta-se: e num instante
Apanha os dois em flagrante.



.. Olá! Que boa colheita!
Não me escapais desta feita!..



Lá vão eles, a caminho
Da morte... isto é: do moinho.



- .. Mestre moleiro, bom dia!
.. Trago-lhe a mercadoria
.. Mais cara que há no mercado!
.. Quero isto já bem passado!..



.. Quero isto já bem moído!..
- .. Pois não! Já vai ser servido!..



Raque... raque... a trabalhar,
Põe-se o moinho a rodar...



E aí tendes os dois meninos,
Em grãos tão finos, tão finos,



Que sõ logo devorados...
- E os dois gansos esfaimados



Nunca em toda a sua vida
Viram tão boa comida!

CONCLUSÃO
Quando se soube a notícia,
Não se abalou a polícia;
Ninguém os dois lamentou
Na vila; ninguém chorou.
- Recordando as suas aves,
Murmurou a viúva Chaves:
.. Eu logo vi... ..- O alfaiate,
Dando a uma calça o remate,
Suspirou: .. Fez-se justiça! ..
- O mestre ajudando `a missa,
Sentenciou: .. A maldade
Não tem o fim da bondade... ..
-O bom tio Frederico
Disse: .. Meu Juca! Meu Chico!
A vadiação não faz a lei...
Bem que eu vos aconselhei!..
- .. Bem feito! .. disse o padeiro;
E, indiferente, o moleiro:
.. Eu cá fiz o meu serviço,
Não tenho nada com isso... ..
- Em suma, por toda a vila,
Livre de dois e tranqüila,
Reinou a paz afinal...
Mais nada. Ponto final!


MAX E MORITZ
Wilhelm Busch
Um dos maiores clássicos da literatura infantil da Alemanha está fazendo aniversário. Há 147 anos, em 4 de abril de 1865 foram publicadas pela primeira vez as travessuras de Max e Moritz (no Brasil transformados por Olavo Bilac em Juca e Chico), obra escrita e ilustrada pelo pintor, desenhista e poeta alemão Wilhelm Busch.

Precursoras das histórias em quadrinhos, as traquinagens dos dois meninos foram publicadas em Munique, tornando-o famoso no mundo inteiro. Baseado na infância de Busch, o texto que acompanha os desenhos é todo em versos, no Brasil traduzidos pelo poeta Olavo Bilac, que batizou os dois meninos traquinas de "Juca e Chico".

"Busch retratou com ironia a burguesia bem comportada, fazendo uma sátira mordaz dos livros infantis de sua época", analisa o professor Walter Pape, da Universidade de Colônia, estudioso do autor natural de Wiedensahl, na Baixa Saxônia. Na época, a obra encontrou pouca repercussão, e apenas uma publicação para professores, da Prússia, tomou conhecimento dela. Entretanto, a fama do autor de Max und Moritz cresceria lentamente.

O autor
Heinrich Christian Wilhelm Busch (Wiedensahl, 15 de abril de 1832 — Mechtshausen, 9 de janeiro de 1908) foi um influente poeta, pintor e caricaturista alemão, famoso pelas suas histórias satíricas ilustradas com textos em verso.
__________
Originalmente publicado no site: UNICAMP - Memória (Literatura Infantil)



© A obra é de domínio público

© Seleção e organização: Elfi Kürten Fenske

____
Página atualizada em 11.7.2012.



Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2016 Templo Cultural Delfos

4 comentários:

  1. Esse livro foi citado em um livro do Jo Soares e eu me interessei. E achei ele ótimo! !!!!!

    ResponderExcluir
  2. Meu pai leu para mim, quando eu era criança. Ainda tenho a edição de capa dura, versos traduzidos por Fantasio (Olavo Billac).
    Um clássico!

    ResponderExcluir
  3. Minha avó lia ou recitava os versos de cabeça quando eu tinha 10 ou 11 anos. Ainda tenho o livro da Ed. Melhoramentos. Muito bacana! Uma “lenda” na minha família por conta de antepassados que estudaram na alemanha.

    ResponderExcluir
  4. Minha avó lia ou recitava os versos de cabeça quando eu tinha 10 ou 11 anos. Ainda tenho o livro da Ed. Melhoramentos. Muito bacana! Uma “lenda” na minha família por conta de antepassados que estudaram na alemanha.

    ResponderExcluir

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!