Laís Corrêa de Araújo - o ofício da poética

Laís Corrêa de Araújo (1950)
foto: Arquivo UFMG
Laís Corrêa de Araújo Ávila (poeta, ensaísta, cronista, tradutora e jornalista). Nascida em Campo Belo, MG, em 3 de março de 1927. Forma-se, por volta de 1950, bacharel em Línguas Neolatinas pela Faculdade de Filosofia da UFMG, em Belo Horizonte MG. Publica, em 1951, Caderno de Poesia, sua primeira obra poética. Tornou-se nacionalmente conhecida pela sua longa atividade de cronista na revista O Cruzeiro, do RJ, e nos jornais O Estado de São Paulo e Estado de Minas. Foi uma das fundadoras do Suplemento Literário do Minas Gerais.
Em 1954, participa do Congresso Internacional de Escritores, seção de Poesia, em São Paulo SP, onde conhece João Cabral de Melo Neto (1920 - 1999). No ano seguinte, publica O Signo e Outros Poemas. Em 1959 cria a coluna Roda Gigante no jornal O Estado de Minas; em 1960, colabora no jornal O Estado de S. Paulo. Participa no Segundo Congresso Brasileiro de Crítica e História Literária, em 1961, onde trava contato com Haroldo de Campos (1929 - 2003). Participa, ainda, na Semana Nacional de Poesia de Vanguarda, realizada em Belo Horizonte MG em 1963. Em 1992 é lançada, em Ouro Preto MG, a publicação de seu livro Caderno de Traduções, com textos de poesia e prosa de André Breton, Enrique Anderson Imbert, Javier Villafãne, entre outros. Também faz parte de sua obra poética os livros Cantochão (1967), Maria e Companhia (1983), Decurso de Prazo (1988) e Pé de Página (1995). A poesia de Laís Corrêa de Araújo filia-se à terceira geração do Modernismo. Sobre ela, escreve o crítico Fábio Lucas: "o estilo vivo e até mesmo arrojado de Laís Corrêa é dotado de uma impulsiva força de expressão. Os seus sonetos refletem os grandes momentos do gênero, de tal modo a comunicar a sensação perfeita dos sonetos mais bem estruturados, mesmo quando a poeta não se dá a acompanhar os moldes clássicos e abole, por exemplo, a rima ou a rígida metrificação".
:: Fontes: Editora UFMG/ Enciclopédia Itáu Cultural (acessado em 7.1.2016).
MACIEL, Maria Esther. Laís Corrêa de Araújo. Coleção Encontro com Escritores Mineiros. 1ª ed., Belo Horizonte: Centro de Estudos Literários/Pós-Lit/UFMG, 2002. v. 1. 120p. Disponível no link. (acessado em 7.2.2016). 



OBRA DE LAÍS CORRÊA DE ARAÚJO
Poesia
capa do livro "O signo e outros poemas"
:: Caderno de poesia. [seleção e organização Affonso Ávila e Wilson de Figueiredo; ilustrações Washington Junior]. Belo Horizonte: Santelmo Poesia, 1951.
:: Cantochão. Belo Horizonte: Imprensa Publicações/Governo do Estado de Minas Gerais, 1967.
:: Decurso do prazo. Ouro Preto: Gráfica Ouro Preto, 1988.
:: Pé de página. Ouro Preto: Edições Nonada, 1995. 
:: O signo e outros poemas. [ilustrações de Sara Ávila]. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1995.
:: Clips. [ilustrações Niúra Bellavinha]. Belo Horizonte: Editora Formato, 2000.
:: Inventário: 1951-2002. [reúne as edições originais: Caderno de poesia (1951); O signo e outros poemas (1995); Cantochão (1967); Decurso de prazo (1988); Pé de página (1995); Clips (2000) e o inédito Geriátrico (2002).]. Coleção inéditos & esparsos. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2004, 234p.

Infanto-juvenil
:: O grande blá - blá - blá. [prefácio Rachel de Queiroz]. São Paulo:  Editora Abril Cultural; Mobral, 1974. 
:: Maria e companhia. [ilustrações Marcelo Monteiro]. Rio de Janeiro: Editora Brasil-America, 1983.   
:: O relógio mandão. [ilustrações Sergio Luz]. Coleção Sementinha nº 3. Belo Horizonte: Editora RHJ, 1989. 

:: A loja do Zéconzé. Sabará: Editora Dubolsinho, 2000; 2ª ed., 2010.
:: Que quintal!. [ilustrações Ferruccio]. Coleção Guri nº 8, Belo Horizonte: RHJ, 1987; reedição [ilustrações Thaís Mesquita].  Belo Horizonte: Editora Baobá, 2013.

Ensaios
:: Murilo Mendes. 2
vols. coleção Poetas modernos do Brasil. 2ª ed., Petrópolis RJ: Editora Vozes, 1972.
:: De mãos dadas: ação comunitária e cultural. [redação Laís Correa de Araújo; ilustrações Herculano Ferreira]. Belo Horizonte: Governo do Estado de Minas Gerais; Secretaria de Estado do Governo; Coordenadoria de Cultura, 1984. 
:: Sedução do horizonte. [organização, pesquisa e introdução Laís Corrêa de Araújo]. Série centenário. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, Centro de Estudos Históricos e Culturais, 1996. 
:: Murilo Mendes: ensaio crítico; antologia de poemas e correspondência. Coleção signos, nº 29. São Paulo: Editora Perspectiva, 2000.

Antologias (participação)
Poesia
Laís Corrêa de Araújo
SILVA, Domingos Carvalho (org.). Vozes femininas da poesia brasileira. São Paulo: Conselho Estadual de Cultura, 1959.
SILVA, Alberto Costa e. (org.). A nova poesia brasileira. Lisboa: Escritório de Propaganda e Expansão Comercial do Brasil, 1960. 
CAMPOS, Milton de Godoy (org.). Antologia da poética da geração de 45. São Paulo: Clube de Poesia, 1966.
TELES, Gilberto Mendonça (org.). La poesía brasileña en la actualidad. Montividéu: Editorial Letras, 1969.
HORTAS, Maria de Lourdes (org.). Palavra de mulher (poesia feminina brasileira contemporânea). Rio de Janeiro: Editora Fontana, 1979.
SAVARY, Olga (org.). Carne viva. Antologia brasileira de poemas eróticos. Rio de Janeiro: Editora Ânima, 1984.


Ensaio
ÁVILLA, Affonso (org.). O modernismo. [ensaio]. Coleção Stylus, 1. São Paulo: Editora Perspectiva, 1975. 
RUBEM A. In Memrian. vol. I. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1981, p. 106-108. (inclui o texto: "Uma torre portuguesa com certeza").
AMARO, Luís (coord.). Modernismo e vanguarda. Caderno da Colóquio/Letras, 2. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1984, p. 161-173. (inlui ensaio: 'Dimensão mineira da poesia modernista'). 

SILVA, Newton; D'AGUIAR, Antônio Augusto (orgs.). Belo Horizonte - a cidade revelada. Belo Horizonte: Fundação Emílio Odebrecht, 1989. 
BARBOSA, Francisco de Assis (org.). Poesia em 1930. Rio de Janeiro: Revista do Brasil, ano 5, nº 11/90; Rio Arte/Fundação Rio, 1990, p. 73-78. (inclui o ensaio: 'O modernismo desarticulado de Murilo Mendes'). 
SANTOS, Ângelo oswaldo de Araújo; SOUZA, Eneida Maria de.; MIRANDA, Wander Melo (orgs.). Minas de liberdade. Belo Horizonte: Assembleia Legislativa do Estado/Secretaria de Estado da Cultura, 1992. (inclui o ensaio: 'Variações em torno das palavras cidadania, liberdade e poesia'). 
SANTA ROSA, Eleonora (coord.). 30 anos - Semana Nacional de Poesia de Vanguarda - 1963/1993. Belo Horizonte: Secretaria Municipal de Cultura, 1993.
RIBEIRO, Gilvan P.; NEVES, José Alberto P. (orgs). Murilo Mendes, o visionário. Série ideias. Juiz de Fora: EDUFJJ, 1997, p. 11-13. (inclui o ensaio: "Abertura para o debate'). 


Jornalismo literário: crônica, colunismo crítico, direção e coordenação de publicações e colaborações avulsas
MACIEL, Maria Esther. Laís Corrêa de Araújo. Coleção Encontro com Escritores Mineiros. 1ª ed., Belo Horizonte: Centro de Estudos Literários/Pós-Lit/UFMG, 2002. v. 1. 120p. Disponível no link. (acessado em 7.2.2016). 

Traduções realizadas pela autora
TOLMAN, Jon M.. Augusto Frederico Schmidt. [tradução Laís Corrêa de Araújo]. São Paulo: Edições Quíron/INL, 1976.
THOMPSON, Thomas. Sangue e dinheiro. [tradução Laís Corrêa de Araújo]. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves Editora, 1978.
CADERNO de traduções. (textos traduzidos do francês, inglês e espanhol, em prosa e poesia, de André Breton, Enrique Anderson Imbert, Javier Villafãne, Philippe Soupault, Robert Desnos, Paul Éluard, T. S. Eliot, Robert Frost, Thomas Kabdebo, Juan Calzadilla, Pierre Rottenberg, Michel Robic e Raymond Federman)..  [tradução, organização e seleção Laís Corrêa de Araújo]. Ouro Preto: Gráfica Ouro Preto, primavera/verão de 1991/1992. 


POEMAS ESCOLHIDOS DE LAÍS CORRÊA DE ARAÚJO
 

Laís Corrêa de Araújo (1954)
Adeus
É assim que eu te digo adeus:
como uma menina que mora na beira
da estrada e abana a mão para o trem.

Apenas te vi.
E te digo adeus porque não
apanho rosas.
 

- Laís Corrêa de Araújo, em "Caderno de poesia". [sel. e org. Affonso Ávila e Wilson de Figueiredo; ilust. Washington Junior]. Belo Horizonte: Santelmo Poesia, 1951.

§
 
Ato de contrição
Não me arrependo de meus erros:
nada mais que sofrimento e vida.
Não me arrependo de meus beijos:
deixaram um pouco de mim
em muitas bocas.
Não me arrependo de meus pensamentos:
eram belos como mulheres nuas.
Perdoai, Senhor, se alguma vez
não fui eu mesma.
 
- Laís Corrêa de Araújo, em "Caderno de poesia". [sel. e org. Affonso Ávila e Wilson de Figueiredo; ilust. Washington Junior]. Belo Horizonte: Santelmo Poesia, 1951.

§

Auto-retrato
O que eu era fui
fluída fugidia fumaça
fui e era
não ao perfeito ser

Vislumbro o que fui
ou só vislumbre o outro é
ostensiva fragmentação
de bem moldada forma

no barro adâmico
de sonho e sono fui
derrapante à erosão
era fui ser não sei

a chuva corre em mim
esta que era, fui
brasa evaporada
sob as gotas do medo

- Laís Corrêa de Araújo, em "Inventário: 1951-2002". Coleção inéditos & esparsos. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2004.


§

Canção banal
Ó pálida folha escrita
por minha letra assustada,
vá dizer ao meu amado
que dele não quero nada.

(Que eu dele não queria nada,
nem tampouco compaixão)
Que não se apague a face
que eu guardo no coração.

Que não me venha buscar,
me respeite essa distância,
me sinta sem me beijar.

Pois ai dele se não for,
como o deseja essa ânsia,
como o espera esse amor.

- Laís Corrêa de Araújo, em "Caderno de poesia". [sel. e org. Affonso Ávila e Wilson de Figueiredo; ilust. Washington Junior]. Belo Horizonte: Santelmo Poesia, 1951.


§

Poemas de todas
Não conhecemos estradas sem marcas,
ficamos diante do mar,
da fria imensidão do mar.

Abrimos as mãos nas noites,
nossas desejadas noites,
nossas noites sem jasmins.

Soubemos acariciar pobres rostos,
sem medida e sem amargura,
acariciar os perdidos rostos.

Agora ficaremos simplesmente
rodeadas de nossas meigas filhas,
se tivermos filhas, algum dia.

Agora ficaremos sentadas tranquilamente,
dentro dos olhos esconderemos
doces histórias de estrelas desiludidas.

- Laís Corrêa de Araújo, em "Caderno de poesia". [sel. e org. Affonso Ávila e Wilson de Figueiredo; ilust. Washington Junior]. Belo Horizonte: Santelmo Poesia, 1951.

§

Retrato de homem
 A paisagem estrita
ao apuro do muro
feito vértebra a vértebra
                   e escuro.

A geração dos pêlos
sobre a casca e os rostos
em seus diques de sombra
                   repostos.

Os poços com seu lodo
de ira e de tensão:
entre cimento e fronte
                   — um vão.

As setas se atiram
às margens de ninguém,
ilesas a si mesmas
                   retêm.

Compassos de evasão
entre falange e rua
sondando a solitude
                   nua.

E na armadura de coisa
salobra, um só segredo:
a polpa toda é fruição
                   de medo.  

- Laís Corrêa de Araújo, em "Cantochão". Belo Horizonte: Imprensa Publicações/Governo do Estado de Minas Gerais, 1967.

§

Ritos de passagem
Minúscula coisa vacilante
Ocioso incêndio de hormônios
Esperma  DNA  genes efervescentes
Nostalgia da menstruação
Pobre coisa vacilante
                            à beira de  

- Laís Corrêa de Araújo, em "Inventário: 1951-2002". Coleção inéditos & esparsos. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2004.

§

Sólida e só
Não como mulher
- seu pêlo de garça -
mas muro de ardente
      sarça.

Não breve e inofensiva
- seu decorado rosto -
mas garra de sol
     posto.

Não desatenta e viva
- o seio indivisível -
nas pá de solidão
   audível.

Não trêmula e constante
- o desejo luzente -
mas árbitro de fato
     potente.

Não o matriz intermédio
- de sexo equipada -
mas bravia orla
     drenada.

Não a língua sutil
- entranha a lacerar -
mas a lucidez abjeta
      do azar.

Não feminina. Fêmea
sólida e só, inteira,
por um instante eterno
     - clareira.

- Laís Corrêa de Araújo, em "Cantochão". Belo Horizonte: Imprensa Publicações/Governo do Estado de Minas Gerais, 1967.

§

Vocabulário
Gosto das  palavras
           infecto  e  nauseabundo
—  palavras  que  silabam
     em  rude  contraponto
     a  avaria  do  mundo.

De umas  palavras  quentes
                      — casa, cama, mesa —
      que  escapam  pretéritos
      e  futuros  presentes
      em  sua  reta  clareza.

Certas partes  do  corpo
      que  bem  que  sonorizam:
      —  púbis,  hímen,  vagina  —
      palavras  que  batizam
      a  encoberta  mina.

E gosto  de  orgasmo
      palavra  atravessada
      como  um espinho  agudo
      que  rascante  lateja
      um momento  de  pasmo.

Também gosto  de  enfarte
      — palavra  lancinante
      que quando  se  presenta
     nem  se  diz  —  e  parte
     a  vida  num  instante.

- Laís Corrêa de Araújo, em "Decurso do prazo". Ouro Preto: Gráfica Ouro Preto, 1988.




Laís Corrêa de Araújo Ávila

FORTUNA CRÍTICA DE  LAÍS CORRÊA DE ARAÚJO
AGUILAR, Gonzalo Moisés (org.). Poesia concreta brasileira: as vanguardas na encruzilhada modernista. São Paulo: Edusp, 2005. 
BERNARDINI, Aurora Fornoni. Obra fixa em B.H. o Espírito do Lugar - Ensaio crítico sobre Sedução do Horizonte, de Laís Correa de Araújo. Jornal da Tarde, São Paulo - SP, p. 06-06, 1998. 
BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 3 ed., São Paulo: Editora Cultrix, 1994, p. 447, 485 e 493.
BRASIL, Assis (org.). Dicionário prático de literatura brasileira. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, 1979, p. 200. 
BRASIL, Assis (org.). A poesia mineira no século XX: antologia. Coleção Poesia brasileira. Rio de Janeiro: Imago, 1998.
CAMPOS, Haroldo de.. Morfologia do macunaíma. Coleção Estudos. São Paulo: Editora Perspectiva, 1973, p. 23 e 40.
CARVALHO, Leonides de.. Imagens da história. Belo Horizonte: Clube de Autores, 2015.
CAVALCANTI, Ildney; LIMA, Ana Cecília; SCHNEIDER, Liane (coord.) Da mulher às mulheres: dialogando sobre literatura, gênero e identidades. Maceió: Editora UFAL, 2006.
COELHO, Nelly Novaes. Literatura & linguagem. São Paulo: Edições Quíron, 1976, p. 257-258. COELHO, Nelly Novaes (org.). Dicionário crítico da literatura infantil/juvenil brasileira. São Paulo: Edições Quíron, 1983.
COELHO, Nelly Novaes (org.). Dicionário crítico de escritoras brasileiras: 1711-2001. São Paulo: Escrituras Editora, 2002.
CORTÁZAR, Julio. Nas ruas de Ouro Preto, um gigante chamado Cortázar. Entrevista a Roberto Drummond. in: Estado de Minas, Belo Horizonte, 14 fev. 1973, p. 10.
COUTINHO, Afrânio (org.). Brasil e brasileiros de hoje. Rio de Janeiro: Editorial Sul-Americana, 1961, vol. I, p. 350-351. 
COUTINHO, Afrânio; SOUZA, José Galante de (direção). Enciclopédia de literatura brasileira. Rio de Janeiro: MEC/FAE, 1990, vol. I, p. 239.
DUARTE, Constância Lima (org.). Dicionário Biobibliográfico  de escritores mineiros. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. 374p. 
DUARTE, Constância Lima; DUARTE, Eduardo de Assis; BEZERRA, Katia da Costa (org.). Gênero e representação na literatura brasileira. Volume 2, Coleção Mulher & Literatura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.
HOLLANDA, Heloísa Buarque de; ARAÚJO, Lúcia Nascimento (org.). Ensaístas brasileiras. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1993, p. 151.
MACIEL, Maria Esther. Laís Corrêa de Araújo. Coleção Encontro com Escritores Mineiros. 1ª ed., Belo Horizonte: Centro de Estudos Literários/Pós-Lit/UFMG, 2002. v. 1. 120p. Disponível no link. (acessado em 7.2.2016).
MACIEL, Maria Esther. Exercício de lucidez: o trajeto criativo de Laís Corrêa de Araújo. Minas Gerais. Suplemento Literário, Belo Horizonte, v. 78, p. 11-16, 2001.
MACIEL, Maria Esther. O pathos da lucidez - a trajetória poético-intelectual de Laís Corrêa de Araújo. in: Inventário -UFMG. Disponível no link. (acessado em 7.2.2016). 
MENEZES, Raimundo de (org.). Dicionário literário brasileiro. São Paulo: Editora Saraiva, 1969, vol. 1, p. 118.
MILLIET, Sérgio. Diário crítico (1951-1952). São Paulo: Livraria Martins Editora, 1995, p. 121-122. 
PAES, José Paulo; MOISÉS, Massaud (org.). Pequeno dicionário de literatura brasileira. São Paulo: Editora Cultrix, 1967, p. 162.
Capa do livro 'Inventário: 1951-2002'
PEREIRA, Maria do Rosário Alves. Laís Corrêa de Araújo. In: Constância Lima Duarte. (Org.). Mulheres em Letras - Antologia de escritoras mineiras. 1ª ed., Florianópolis: Mulheres, 2008, v. 1, p. 181-194.
PEREIRA, Maria do Rosário Alves. O inventário poético de Laís Corrêa de Araújo. In: Osmar Pereira Oliva. (Org.). Escritores mineiros e contemplações de Minas. 1ª ed., Montes Claros: Unimontes, 2007, v. 1, p. 263-270.
PEREIRA, Maria do Rosário Alves. Laís Corrêa de Araújo, Bárbara de Araújo: poesia e prosa em uma família mineira. In: Anais XIII Seminário Nacional e IV Seminário Internacional Mulher e Literatura. Natal, v. 1, 2009.
PICCHIO, Luciana Stegagno. La letteratura brasiliana. Firenze/Milano: Sansoni/Accademia, 1972, p. 596 e 633. 
PICCHIO, Luciana Stegagno. La littératura brésiliene. [tradução Linc-François Granier]. Paris: Press Universitaires de France, 1981, p. 151.
RIBEIRO, Marília Andrés. Noevanguardas: Belo Horizonte - anos 60. Belo Horizonte: Editora C/Arte, 1997, p. 108, 136, 137 e 138.
SANTOS, Ivana Campos Mendes dos.. Laís Corrêa de Araújo - bibliografia. Belo Horizonte: Escola de Biblioteconomia da UFMG, 1967. 
SILVA, Viviana Pereira; OLIVEIRA, Ilca Vieira de. Decurso de prazo: escolhas poéticas de Laís Corrêa de Araújo. In:  V Seminário de Literatura Brasileira - Vozes do Gênero: autoria e representação, 2011, Montes Claros. Vozes do gênero: autoria e representações do feminino, Montes Claros: Editora Unimontes, 2011. p. 3-11.
WERNECK, Humberto (org.). O desatino da rapaziada. Jornalistas e escritores de Minas. São Paulo: Instituto Moreira Salles; Editora Companhia das Letras, 1992, p. 146. 
:: Mais sobre Fortuna Crítica de Laís Corrêa de Araújo, em: MACIEL, Maria Esther. Laís Corrêa de Araújo. Coleção Encontro com Escritores Mineiros. 1ª ed., Belo Horizonte: Centro de Estudos Literários/Pós-Lit/UFMG, 2002. v. 1. 120p. Disponível no link. (acessado em 7.2.2016). 


"Essa “inspiração do sentimento” só é válida como início de um ciclo complexo de propagação de energia: o que tem importância é o resultado químico, depois da oxigenação sangüínea."
- Laís Corrêa de Araújo, no artigo "A poesia". in: Estado de Minas, 8 de junho de 1980. 

Laís Correa de Araújo, Affonso Ávila, Rui Mourão, Fábio Lucas, Henriqueta Lisboa, 
Lúcia Machado de Almeida, Murilo Rubião e João Etienne Filho (1972)


"Eis então o meu resumo,
fácil é constatá-lo.
Da vidas somos só
                   o talo. "

- Laís Corrêa de Araújo, em "Cantochão". Belo Horizonte: Imprensa Publicações/Governo do Estado de Minas Gerais, 1967.


Laís Corrêa de Araújo
OUTRAS FONTES E REFERÊNCIAS DE PESQUISA
:: Antonio Miranda

© Direitos reservados ao autor

© Pesquisa, seleção e organização: Elfi Kürten Fenske


=== === ===

Trabalhos sobre o autor:
Caso, você tenha algum trabalho não citado e queira que ele seja incluído - exemplo: livro, tese, dissertação, ensaio, artigo - envie os dados para o nosso "e-mail de contato", para que possamos incluir as referências do seu trabalho nesta pagina. 


Como citar:
FENSKE, Elfi Kürten (pesquisa, seleção e organização). Laís Corrêa de Araújo - o ofício da poética. Templo Cultural Delfos, fevereiro/2016. Disponível no link. (acessado em .../.../...).
____
** Página atualizada em 7.2.2016.



Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2016 Templo Cultural Delfos  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!