Jorge Luis Borges - a biblioteca de Babel

Jorge Luis Borges en Sicília - Palermo/Itália (1984)
 foto: Ferdinando Scianna/Magnum
"Então vi o Aleph. [...] começa aqui o meu desespero de escritor. Toda linguagem é um alfabeto de símbolos cujo exercício pressupõe um passado que os interlocutores compartem; como transmitir aos outros esse infinito Aleph, que minha tímida memória mal e mal abarca? [...] Mesmo porque o problema central é insolúvel: a enumeração, sequer parcial, de um conjunto infinito. Nesse instante gigantesco, vi milhões de atos agradáveis ou atrozes; nenhum me assombrou mais que o fato de que todos ocupassem o mesmo ponto, sem superposição e sem transparência. O que meus olhos viram foi o simultâneo; o que transcreverei será sucessivo, pois a linguagem o é. Algo, entretanto, registrarei."
- Jorge Luis Borges em "O Aleph" - Obras Completas Vol., [tradução Flávio José Cardozo]. São Paulo: Globo, 1998, p. 695.


“Entoces vi el Aleph. [...] empieza, aquí mi desesperación de escritor. Todo lenguage es un alfabeto de símbolos cujo ejercicio presupone un pasado que los interlocutores comparten; ¿como transmitir a los otros el infinito Aleph, que mi temerosa memoria apenas abarca? [...] Por lo demás, el problema central es irresolubre: la enumeración, siquiera parcial, de un conjunto infinito. En ese instante gigantesco, he visto millones de actos debitables o atroces; ninguno me assombro com el hecho de que todos ocupan el mismo punto, sin superposición y sin transparencia. Lo que vieron mis hojos fue simultâneo: lo que transcrebiré, sucesivo, porque el lenguage lo es. Algo, sin embargo, recogeré.”
- Jorge Luis Borges em "Alelph" - Obras Completas, Vol. 1, Barcelona: Emecé Editores, 1989, p. 624-625.

  
"Não criei personagens. Tudo o que escrevo é autobiográfico. Porém, não expresso minhas emoções diretamente, mas por meio de fábulas e símbolos. Nunca fiz confissões. Mas cada página que escrevi teve origem em minha emoção."
- Jorge Luis Borges


Jorge Luis Borges - foto: (...)
Jorge Francisco Isidoro Luis Borges Acevedo nasceu em Buenos Aires, em 24 de agosto de 1899, e faleceu em Genebra, em 14 de junho de 1986. Antes de falar espanhol, aprendeu com a avó paterna a língua inglesa, idioma em que fez suas primeiras leituras.
Aos seis anos disse a seu pai que queria ser escritor e aos sete escreveu, em inglês, um resumo de literatura grega. Aos oito, inspirado num episódio de "Dom Quixote" de Cervantes, fez seu primeiro conto: "La Visera Fatal". Aos nove anos, traduziu do inglês "O Príncipe Feliz" de Oscar Wilde.
Em 1914, devido à quase cegueira total, seu pai decide passar uma temporada com a família na Europa. Em Genebra, Jorge escreveu alguns poemas em francês enquanto estudava o bacharelado (1914-1918). Sua primeira publicação registrada foi uma resenha de três livros espanhóis para um jornal de Genebra.
Em 1919, mudou-se para a Espanha e publicou poemas e manifestos na imprensa. Em 1921, retornou a Buenos Aires e redescobriu sua cidade natal, na efervescência dos anos 20. Nesse clima escreveu seu primeiro livro de poemas, "Fervor em Buenos Aires", publicado em 1923.
A partir de 1924, publicou algumas revistas literárias e, com mais dois livros, "Luna de Enfrente" (poesia) e "Inquisiciones" (ensaios), ganhou em 1925 a reputação de chefe da jovem vanguarda de seu país. Nos anos seguintes, ele se transformou num dos mais brilhantes e polêmicos escritores da América Latina.
Inventando um novo tipo de regionalismo, acrescentou uma perspectiva metafísica da realidade, mesmo em temas como o subúrbio portenho ou o tango. Nesta fase escreveu "Cuaderno San Martin" e "Evaristo Carriego". Mas logo se cansou desses temas e começou a especular sobre a narrativa fantástica, a ponto de produzir durante duas décadas, de 1930 a 1950, algumas das mais extraordinárias ficções do século, nos contos de "Historia Universal de la infâmia" (1935); "Ficciones" (1935-1944) e "El Aleph" (1949), entre outras.
Em 1937, Borges foi nomeado diretor da Biblioteca Pública Nacional, o que foi seu primeiro e único emprego oficial. Saiu nove anos depois, indignado com a inclinação fascista que estava tomando a Argentina.
Jorge Luis Borges - foto: (...)
No que se refere ao amor, o caso mais quente do escritor argentino foi com Estela Canto, que depois lançou o livro de memórias "Borges a Contraluz". Ele conta em sua biografia que a pediu em casamento. Moderna e liberada para a época, Estela respondeu: "Eu aceitaria, Georgie, mas não podemos casar sem antes dormir juntos". Borges ficou assustado e desapareceu.
Aos 50 anos, o escritor já havia perdido parcialmente a visão. Com o passar dos anos, quando a cegueira se fez completa, sua mãe, Leonor, passou a cuidar dele, lendo e escrevendo o que ditava.
O reconhecimento literário de Borges se solidificou em 1961 com a conquista do prêmio concedido pelo Congresso Internacional de Editores, que dividiu com Samuel Beckett.
Logo receberia também prêmios e títulos por parte dos governos da Itália, França, Inglaterra e Espanha.
Em 1967, Borges casou-se com uma amiga de infância, Elsa Astete. O casamento durou três anos e acabou com Borges fugindo de casa, sem coragem para discutir a separação. Sua mãe, Leonor, morreu em 1975. Seu segundo casamento foi com a sua ex-aluna Maria Kodama que se tornou sua secretária particular em 1981. Kodama era de origem japonesa e tornou-se a herdeira de seus direitos autorais.
Em 1983, Borges publicou no diário "La Nación" de Buenos Aires o relato "Agosto 25, 1983", em que profetizava seu suicídio. Perguntado depois porque não havia se suicidado na data anunciada, respondeu: "Por covardia". Borges afirmava freqüentemente o seu ateísmo e falava da solidão como uma espécie de segunda companheira.


"Mas não falemos de fatos. Já a ninguém importam os fatos. São meros pontos de partida para a invenção e o raciocínio."
- Jorge Luis Borges, em 'O livro de Areia' (1975).. [tradução de Morrone Averbuck]. São Paulo: Editora Globo, 1999.

Jorge Luis Borges - foto: (...)

CRONOLOGIA DE JORGE LUIS BORGES
1899 - Nasce a 24 de agosto, no número 840 da rua Tucumán. São seus pais Jorge Guillermo Borges e Leonor Acevedo Haedo.
1901 - A família muda-se para a rua Serrano, 2135, no bairro de Palermo, próximo ao jardim zoológico. Nasce sua única irmã, Norah Borges.
1905 - Comunica ao pai sua intenção de ser escritor.
1906 - Escreve o primeiro conto, “La visera fatal” e um texto sobre mitologia grega.
1908 - O jornal El País publica sua tradução de “The happy prince”, de Oscar Wilde.
1914 - Viaja com a família para a Europa, indo residir em Genebra, onde realizará seus estudos. Lê Voltaire, Flaubert, Baudelaire, Chesterton e Carlyle.
1918 - Morre sua avó materna. Aprende alemão e lê Schopenhauer.
1919 - Viaja para a Espanha, onde conhece Ortega y Gasset, Rafael Cansinos-Asséns, que o põe em contato com o movimento ultraísta, e Guillermo de Torre, que logo casará com sua irmã Norah. Dedica-se ao estudo de latim e árabe. Escreve dois livros que jamais serão publicados: Los ritmos rojos (poemas) e Los naipes del tahur (contos). Traduz alguns poetas expressionistas alemães.
Jorge Luis Borges - foto: (...)
1920 - Reside por um ano em Palma de Mallorca, onde conhece o poeta Jacobo Sureda. A revista Grécia, de Sevilha, publica o artigo “Al margen de la moderna estética”, uma de suas primeiras reflexões sobre as novas correntes estéticas. Diz ali, em especial, referindo-se ao Ultraísmo: “Essa floração brusca de metáforas que em muitas obras creacionistas oprime os profanos, justifica-se plenamente e representa o esforço do poeta para expressar a juventude milenária da vida que, como ele, se devora, surge e renasce, em cada segundo.”
1921 - A revista Baleares, de Mallorca, publica o “Manifiesto del Ultra”, que assina juntamente com Jacobo Sureda e outros. Retorna a Buenos Aires - a família passa a morar na rua Balmes, 2216 - onde publica, juntamente com um grupo de escritores argentinos, a revista mural Prisma, cujas páginas dá a conhecer o manifesto ultraísta. A revista Ultra, de Madri, publica um breve depoimento seu a que intitula “Anatomía de mi ultra”, onde sublinha algumas de suas intenções estéticas. Escreve carta ao amigo Sureda, em que dá detalhes do projeto - jamais levado a termo - de um texto fantástico a ser escrito em colaboração com Macedonio Fernández e Santiago Dabove, cujo título seria “El hombre que será presidente”.
1922 - Adere ao manifesto “Rosa náutica”, proposto pelo movimento vanguardista chileno. Funda a revista Proa, juntamente com Eduardo González Lanuza, Norah Borges e Francisco Piñero, cuja primeira fase durará apenas três números. Confessa-se discípulo de Macedonio Fernández.
1923 - Segue uma vez mais com a família para Genebra, em razão de uma operação de cataratas a que se submeterá seu pai. Antes disto deixa pronta a edição de seu primeiro livro: Fervor de Buenos Aires.
1924 - Surge a segunda fase de Proa, desta vez dirigida por Borges e Ricardo Güiraldes, e que circulará por quinze edições. Colabora com a revista Martín Fierro, publicação do grupo da rua Florida, assinando também o “Manifiesto de Martín Fierro”, que acabará por gerar um artigo de Roberto Mariani, dando início à conhecida polêmica Boedo-Florida.
1925 - Surge sua tradução de um trecho do solilóquio de Molly Bloom (James Joyce), sob o título de “La última hoja de Ulisses”, em Proa # 6. Publica o segundo livro de versos, Luna de enfrente, e o primeiro de ensaios: Inquisiciones, cuja reedição jamais permitirá.
1926 - Escreve um dos três prólogos para Indice de la nueva poesía americana - os dois outros estão assinados pelo chileno Vicente Huidobro e o peruano Alberto Hidalgo -, antologia organizada por Hidalgo. Publica uma segunda coletânea de ensaios, Tamaño de mi esperanza, posteriormente renegada.
1927 - Em Martín Fierro surge “Noticia policial”, esboço do que logo viria a ser o conto “Hombre de la esquina rosada” - seu segundo esboço, “Hombres pelearan”, obterá, no ano seguinte, o 2° Prêmio Municipal de Prosa. O mesmo conto será posteriormente (1962) adaptado para o cinema por René Mugica. A revista Nosotros publica seu artigo “Página sobre la lírica de hoy”.
1928 - O Diário Nacional, de São Paulo, publica seu artigo “Queja de todo criollo”, em tradução de Mário de Andrade. Publica El idioma de los argentinos, reunião de ensaios cuja reedição, exceto do texto homônimo, jamais permitirá.
1929 - Publica Cuaderno de San Martín, com o qual obtém o 2° lugar no Concurso Municipal de Literatura.
1930 - Conhece Adolfo Bioy Casares. Publica Evaristo Carriego - biografia crítica do grande poeta popular portenho - e alguns outros ensaios, entre eles “Historia del tango”.
1931 - Surge a revista Sur, fundada por Victoria Ocampo. Em seu número de estréia colabora com o conto “Al coronel Ascasubi”.
 1932 - Publica Discusión, que reúne ensaios e crítica literária.
1933 - Inicia colaborações com o suplemento semanal do jornal Crítica, assinadas tanto como Borges quanto sob o pseudônimo de Francisco Bustos.
1935 - Publica Historia universal de la infamia.
1936 - Funda a revista Contratiempo, com Bioy Casares. Publica Historia de la eternidad.
Jorge Luis Borges - foto: (...)
1937 - Traduz Orlando, de Virginia Woolf. Publica Antología Clásica de la literatura argentina, em colaboração com Pedro Henríquez Ureña.
1938 - Morre seu pai. Emprega-se na Biblioteca Municipal de Buenos Aires. Sofre um grave acidente, golpeando a cabeça contra uma janela, contraindo uma septicemia, que o deixará inconsciente por um mês. No período de convalescença consolida seu entusiasmo pela literatura fantástica. Logo após o acidente, inicia-se o processo de debilitação de sua visão.
1939 - A revista Sur publica o conto “Pierre Menard, autor del Quijote”. Surge a primeira tradução de texto seu para o francês: “L’approche du Caché” (“El acercamiento de Almotásim”), assinada por Néstor Ibarra.
1940 - A revista Sur publica o conto “Tlön, Uqbar, Orbis tertius”. Redige o prólogo de La invención de Morel, de Bioy Casares, onde traça os fundamentos de sua teoria da narração. Publica Antología de la literatura fantástica, em colaboração com Silvina Ocampo e Bioy Casares.
1941 - Traduz William Faulkner (The wild palms) e Henri Michaux (Um bárbaro na Ásia). Publica Antología poética argentina, novamente com os mesmos colaboradores. Publica El jardín de los senderos que se bifurcan.
1942 - A edição # 94 de Sur lhe é inteiramente dedicada, onde colaboram os mais importantes escritores argentinos do momento, como forma de desagravo por não lhe haver sido outorgado o Prêmio Municipal de Literatura. Sob o pseudônimo unitário de H. Bustos-Domecq, publica Seis problemas para don Isidro Parodi, escrito juntamente com Bioy Casares.
1943 - Traduz Franz Kafka (Metamorfosis y otros relatos). Publica Los mejores cuentos policiales, em colaboração com Bioy Casares.
1944 - Publica Ficciones.
1945 - Sua irmã é levada presa, ao mesmo tempo em que é decretada a prisão domiciliar de sua mãe, por suas claras posições anti-peronistas. Recebe o Grande Prêmio de Honra da Sociedade Argentina de Escritores. Publica um novo livro como H. Bustos Domecq: Dos fantasías memorables. Com um outro pseudônimo, B. Suárez Lynch, publica Un modelo para la muerte. Ambos são escritos em colaboração com Bioy Casares. Escreve o prólogo de El compadrito, de Silvina Ocampo.
1946 - Funda e dirige a revista Anales de Buenos Aires, onde publica contos, ensaios e poemas sob diversos pseudônimos, publicação que durará 23 números. Sua oposição ao governo peronista o leva a perder o emprego de bibliotecário. Passa a dar conferências no Instituto de Cultura Inglesa.
1947 - Publica Nueva refutación del tiempo.
1948 - A revista Sur publica o conto “Emma Zunz”, posteriormente (1954) utilizado no roteiro do filme Días de odio, dirigido por Leopoldo Torre Nilsson. O mesmo conto suscitará duas outras adaptações: Emma Zunz (1969), dirigida por Alaina Magrou e produzida para a televisão francesa, e Splits (1978), produção estadunidense dirigida por Leandro Katz.
1949 - Redige o prólogo de uma edição argentina da Divina comédia. É eleito membro da Academia Goetheana de São Paulo. Publica El Aleph.
Jorge Luis Borges - foto: Humberto Rivas (1972)
1950 - É eleito presidente da SADE - Sociedade Argentina de Escritores, posto que ocupará até 1953. Dirige a cadeira de literatura inglesa na Associação Argentina de Cultura Inglesa e no Colégio Livre de Estudos Superiores. Todas as suas atividades são constantemente vigiadas pela polícia peronista.
1951 - Surge o primeiro de uma série de livros seus incluídos na coleção La croix du Sud, da editora Gallimard: Fictions, em tradução de Néstor Ibarra. A revista Sur publica o ensaio “Nota sobre (hacia) Bernard Shaw”, escrito por ocasião da morte do dramaturgo irlandês, posteriormente incluído em Otras inquisiciones. Publica La muerte y la brújula e, em colaboração com Delia Ingenieros, Antiguas literaturas germánicas. Surge a segunda série de Los mejores cuentos policiales, em colaboração com Bioy Casares.
1952 - Publica Otras inquisiciones.
1953 - Redige o prólogo da antologia La poesía gauchesca, em colaboração com Bioy Casares. Publica El Martín Fierro, em colaboração com Margarita Guerrero. Com Betina Edelberg, outra de suas colaboradoras, escreve um libreto para ballet, La imagen perdida, conservado inédito.
1954 - Surge o primeiro livro de crítica à sua obra, Borges y la nueva generación, de autoria de Adolfo Prieto.
1955 - Com a queda de Perón, o novo governo militar o nomeia diretor da Biblioteca Nacional, cargo que ocupará até 1973. Ingressa na Academia Argentina de Letras. Surge a primeira edição de Ficciones na Itália, sob o título La biblioteca di Babele, em tradução de Franco Lucentini. Assina com Luísa Mercedes Levinson La hermana de Heloísa, e com Bioy Casares Los orilleros e El paraíso de los creyentes (roteiros cinematográficos) e Cuentos breves y extraordinarios. Agravam-se os problemas com a visão.
1956 - É nomeado professor de literatura inglesa na Universidade de Buenos Aires e recebe o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade de Cuyo, em Mendoza. Após inúmeras cirurgias sem sucesso, a cegueira o proíbe de ler e escrever, passando então a ser auxiliado por sua mãe e amigos. Publica Leopoldo Lugones, escrito em colaboração com Betina Edelberg.
1957 - Recebe o Primeiro Prêmio Nacional de Literatura, referente ao período 1954-1956. Publica Manual de zoología fantástica, em colaboração com Margarita Aguirre.
1958 - Há alguns anos sem publicar poesia, surgem poemas em periódicos como Sur, Davar e La Nación.
1959 - Surgem traduções de seus livros para diversos idiomas, a exemplo da edição de Luna de enfrente na Indonésia.
1960 - Filia-se ao Partido Democrata Conservador. Publica El hacedor e Libro del cielo y del infierno, este último uma antologia em colaboração com Bioy Casares.
1961 - Escreve inúmeros prólogos, recusando-se a assiná-los. Recebe o Prêmio Internacional do Congresso de Editores (Formentor), em Palma de Mallorca, juntamente com Samuel Beckett. Por ocasião da visita do presidente Giovanni Gronchi à Argentina, o governo italiano lhe concede o título de Comendador. Convidado pela Universidade do Texas, viaja aos Estados Unidos, pronunciando diversas conferências nesta e em outras universidades estadunidenses.
1962 - Retorna dos Estados Unidos, sendo recebido solenemente pela Academia Argentina de Letras, onde Arturo Capdevila o proclama “Grande senhor das letras…, grande senhor da liberdade”. O governo francês, por sugestão de André Malraux, condecora-o como Comendador da Ordem das Letras e das Artes, juntamente com Victoria Ocampo.
1963 - Convidado por numerosas instituições, Borges viaja pela Europa, sempre em companhia de sua mãe. Pronuncia conferências em Madri, Paris, Genebra, Londres, Oxford, Cambridge, Edimburgo, onde reencontra velhas amizades juvenis. De retorno a seu país, segue ditando conferências sobre temas diversos, entre elas: “A literatura inglesa nos séculos XIX e XX”, “Sócrates”, “Dante e a Divina Comédia” e “A poesia de Buenos Aires”. Recebe o prêmio principal do Fundo Nacional de Artes.
1964 - Viaja para a República Federal Alemã, a convite do Congresso pela Liberdade da Cultura, encontrando-se ali com Guimarães Rosa, Miguel Ángel Asturias e Günter Grass. A convite da UNESCO, viaja para Paris, onde pronuncia a conferência “Shakespeare e nós”, por ocasião de uma homenagem ao poeta inglês. Dali segue para Londres, sendo hóspede de Herbert Head, que o leva a conhecer as espadas dos antigos vikings daneses, expostas em York Minster. Também visita Estocolmo e Copenhague. A revista francesa Cahiers de l’Herne dedica-lhe um número especial. Publica El otro, el mismo.
Jorge Luis Borges - foto: (...)
1965 - Escreve, em colaboração com María Esther Vázquez, o ensaio Introducción a la literatura inglesa. Recebe inúmeras condecorações, entre elas a insígnia de Cavaleiro da Distinta Ordem do Império Britânico e a “Ordem del Sol” do governo peruano. Acompanhado por Esther Zemborain de Torres, visita a Colômbia e o Chile, a convite das universidades destes países. Publica Para las seis cuerdas.
1966 - Recebe o IX Prêmio Internacional Madonnina, de Milão, e o prêmio principal da Ingram Merril Fundation, de Nova York. Publica Literaturas germánicas medievales, em colaboração com María Esther Vázquez.
1967 - Retorna à Inglaterra, para ditar conferências em Cambridge. Publica Crónicas de Bustos Domecq, Introducción a la literatura norteamericana e El libro de los seres imaginarios, respectivamente em colaboração com Bioy Casares, Esther Zemborain de Torres e Margarita Guerrero. Casa-se com Elza Astete Millán.
1968 - A revista Norte, de Amsterdã, dedica-lhe um número especial. É designado membro honorário estrangeiro pela Academia de Artes e Ciências dos Estados Unidos.
1969 - Baseado em argumento seu e de Bioy Casares, Hugo Santiago dirige o filme Invasión. Integra a trilha sonora deste filme sua “Milonga de Manuel Flores”, musicada por Anibal Troilo. Viaja para Tel Aviv, acompanhado de sua esposa, onde dá conferência. Surge na Itália uma antologia de sua obra, em tradução de Umberto Ciaciolo. Em Nova York estréia o documentário The inner world of Jorge Luis Borges, dirigido por Harold Mantell. A Sociedade Hebraica Argentina, juntamente com grande número de escritores argentinos, rende-lhe homenagem pela passagem de seus 70 anos. A televisão francesa exibe dois documentários a seu respeito, dirigidos por André Campy e José María Berzosa. Viaja para os Estados Unidos, sendo homenageado pela Universidade de Oklahoma e lendo poemas na Universidade de Georgetown. Publica Elogio de la sombra.
1970 - Traduz Walt Whitman (Leaves of grass). Recebe, no Brasil, o Prêmio Interamericano de Literatura Matarazzo Sobrinho. O Festival de Veneza mostra dois filmes para televisão baseados em contos seus: Strategia del ragno (A estratégia da aranha) e Emma Zunz, dirigidos respectivamente por Bernardo Bertolucci e Alain Magrou. Em Paris é publicada uma antologia de sua poesia, pela Gallimard. Divorcia-se. Publica El informe de Brodie e An autobiography ensay.
1971 - Uma entrevista sua vai ao ar pela televisão italiana. Recebe o Prêmio de Jerusalém. Viaja por diversos países, entre eles Inglaterra, Escócia, Israel e a sonhada Islândia. Em Londres, pronuncia quatro conferências em inglês no Instituto Britânico de Artes Contemporâneas. Publica El congreso.
1972 -Viaja para os Estados Unidos, onde a Universidade de Michigan o nomeia Doutor Honoris Causa. O Teatro Estabile de Turim, na Itália, encena o espetáculo O evangelho segundo Borges, montagem de Francisco Enríquez a partir de texto de Domênico Pozio, baseado no conto “El evangelio de San Marcos”, incluído em El informe de Brodie. Publica El oro de los tigres.
1973 - Recebe, no México, o Prêmio Alfonso Reyes. Surge o livro George Dear, do artista Hermenegildo Sábat, que inclui inúmeros desenhos de Borges.
Jorge Luis Borges - foto: Sara Facio
1974 - Com argumento original seu, de Bioy Casares e Hugo Santiago, este último realiza o filme Les autres, cuja trilha sonora inclui “Soneto de Spinoza”, musicada pelo próprio diretor. Com o retorno do peronismo ao governo argentino, abandona a direção da Biblioteca Nacional e a vida cultural em seu país. Suas declarações sobre o novo regime lhe valem inúmeras ameaças de morte. Começa a escrever um largo ensaio sobre Spinoza. O editor italiano Franco María Ricci publica uma luxuosa edição de El congreso, fartamente ilustrada com miniaturas da cosmologia tantra. Surgem suas Obras Completas, em imenso volume reunindo meio século de criação literária.
1975 - A televisão argentina produz o documentário Borges sobre Borges, realizado por Carlos Gdansky Orgambide e Adolfo M. García Videla. Aceita o convite de Franco María Ricci para dirigir, na Itália, uma coleção de literatura fantástica, intitulada La biblioteca de Babel, para a qual prologa os três volumes iniciais: Le morti concentriche, de Jack London, Lo specchio che fugge, de Giovanni Papini, e Storie sgradevolli, de León Bloy. Morre sua mãe. Baseado em argumento seu e de Bioy Casares, Ricardo Luna dirige o filme Los orilleros. Estréia o filme El muerto Cacique Bandeira, dirigido por Héctor Olivera, baseado em um conto homônimo seu. Viaja para os Estados Unidos, acompanhado de María Kodama. Publica El libro de los prólogos, El libro de los sueños, El libro de arena e La rosa profunda, este último em edição ilustrada por Horácio Butler.
1976 - Suas obras são traduzidas para o iídiche. É condecorado pelo governo chileno com a Ordem ao Mérito Bernardo O’Higgins. Viaja àquele país para receber o título de Doutor Honoris Causa da Universidade de Santiago. Encontra-se com o general Pinochet. Ao apoiar o golpe militar que depõe o governo peronista, provoca inúmeras reprovações no meio intelectual europeu. Recebe o prêmio principal do Club de los XIII, em Buenos Aires. Publica Cosmogonías e La moneda de hierro, este último em edição ilustrada por Antonio Berni.
1977 - Dita um ciclo de conferências no Teatro Coliseo de Buenos Aires, posteriormente reunidas em livro sob o título de Siete noches. Publica Historia de la noche - poemas ilustrados por Ricardo Supisiche -, Rosa y azul - breve edição que reúne os contos “La rosa de Paracelso” e “Tigres azules” - e Nuevos cuentos de Bustos Domecq, este último em colaboração com Bioy Casares.
1978 - A televisão argentina produz o documentário “Borges para millones”, realizado por Ricardo Wullicher e Bernardo Kamin. Viaja para a Suíça e o Egito. Recebe o título de Doutor Honoris Causa da Universidade de Sorbonne.
1979 - Participa de homenagem realizada pela UNESCO a Victoria Ocampo, falecida no ano anterior. Recebe condecoração da República Federal Alemã e um prêmio da República de São Domingos. A Secretaria de Cultura do Estado Argentino o homenageia pela passagem de seus 80 anos. Submete-se a algumas pequenas intervenções cirúrgicas. É precário seu estado de saúde.
Jorge Luis Borges - foto: (...)
1980 - Surge o filme A intrusa, dirigido pelo cineasta Carlos Hugo Christensen, baseado em seu conto homônimo. Recebe, na Espanha, o Prêmio Cervantes. Publica Siete noches.
1981 - Recebe, na Itália, o Prêmio Balzan, de filologia e lingüística, e, no México, o Prêmio Ollin Yolizti. Surge a edição de Lo mejor de Paul Groussac, onde assina o prólogo e a seleção de textos. Publica La cifra.
1982 - Viaja a Dublin, onde participa de homenagem a James Joyce. Publica Nueve ensayos dantescos.
1983 - Recebe o título de Comendador da Legião de Honra da França e a Cruz de Alfonso X, o Sábio, em Santander. Viaja para os Estados Unidos (Pensilvânia), onde se realiza um simpósio sobre sua poesia. Com a queda do regime militar e a conseqüente ascensão ao governo da democracia proposta por Raul Alfonsín, revê suas posições políticas e o apoia exultante.
1984 - Tem início a série extensa de diálogos (de março deste ano a setembro do seguinte) com Osvaldo Ferrari, gravados para a Radio Municipal de Buenos Aires, que resultariam na publicação de três volumes: Borges en diálogo (1985), Libro de diálogos (1986) e Diálogos últimos (1987). Viaja para o Brasil, sempre acompanhado de María Kodama, a convite da USP e da Folha de São Paulo.
1985 - Desenganado pelos médicos, em função de um câncer no fígado, torna María Kodama sua única herdeira e elege Genebra local de sua morte. Muda-se então para a Suíça, dizendo a todos tratar-se de uma longa viagem. Publica Los conjurados.
1986 - Casa-se com María Kodama. Com ela, inicia estudos de japonês e islandês, além de lhe ditar o roteiro de um filme sobre Veneza. Morre na manhã de 14 de junho, ao lado apenas de sua esposa e do amigo Hugo Bianciotti. É enterrado no cemitério de Saint Georges, em Genebra.
(1)  Baseada em dados anotados das seguintes fontes: Fondo de Cultura Económica, Emecé Editores, Biblioteca Ayacucho, Martin Claret Editores e Editorial El Mangrullo. Parte integrante do volume, ainda inédito, Memória de Borges (um livro de entrevistas) [Organização, tradução, prólogo e notas de Floriano Martins].



Os meus livros
Os meus livros (que não sabem que existo)
São uma parte de mim, como este rosto
De têmporas e olhos já cinzentos
Que em vão vou procurando nos espelhos
E que percorro com a minha mão côncava.
Não sem alguma lógica amargura
Entendo que as palavras essenciais,
As que me exprimem, estarão nessas folhas
Que não sabem quem sou, não nas que escrevo.
Mais vale assim. As vozes desses mortos
Dir-me-ão para sempre.
- Jorge Luis Borges, em "A Rosa Profunda".



Jorge Luis Borges, em Teotihucan, diante das pirâmides, (México) 
foto: Archivo El Universal

OBRA DE JORGE LUIS BORGES
Poesía
:: Fervor de Buenos Aires. [ilustração capa Norah Borges]. Buenos Aires: Imprenta Serrantes, 1923, 64p.
:: Luna de enfrente: Versos de Jorje Luis Borges. [frontispício e vinhetas Norah Borges]. Buenos Aires: Editorial Proa, 1925, 42p.
:: Cuaderno San Martín. [retrato a lápiz del autor por Silvina Ocampo].. (Coleção Cuadernos del Plata nº 02). Buenos Aires: Editorial Proa, 1929, 63p.
:: Poemas. 1923-1943. Buenos Aires: Editorial Losada, 1943, 181p.
Jorge Luis Borges em sua biblioteca (1968) 
- foto: Sara Facio
:: Poemas. 1923-1953. Buenos Aires: Emecé Editores, 1954, 174p.
:: Nueve poemas. Buenos Aires: Ediciones "El Mangrullo", Impr. Colombo, 1955. 36p.
:: Poemas. [25 copies]. Buenos Aires: Colombo, 1959, 24p.
:: Seis composiciones. Buenos Aires: Francisco A.Colombo: 1960.
:: El hacedor. Buenos Aires: Emecé Editores, 1960, 109p.
:: Otro poema de los dones y tres sonetos. Buenos Aires: Juan Osvaldo Viviano, 1963.
:: Para las seis cuerdas. [ilustração Hector Basaldua]. Buenos Aires: Emecé Editores, 1967.
:: El otro, el mismo. Buenos Aires: Emecé Editores, 1969, 263p.
:: Obra poética. 1923-1969. Buenos Aires: Emecé Editores, 1969.
:: Elogio de la sombra. Buenos Aires: Emecé Editores, 1969. 160p.
:: El oro de los tigres. Buenos Aires: Emecé Editores, 1972, 168p.
:: La rosa profunda. Buenos Aires: Emecé Editores, 1975, 162p.
:: Obra poética. 1923-1976. Buenos Aires: Emecé Editores, 1976.
:: La moneda de hierro. Buenos Aires: Emecé Editores, 1976.
:: Historia de la noche [guardas e ilustración frente a la portada por Antonio Berni].. (Coleção Obra poética de Borges)..  Buenos Aires: Emecé Editores, 1977. 148p
:: Historia de la noche. Buenos Aires: Emecé Editores, 1977, 162p.
:: Poesías. [selección, estudio preliminar y notas María Adela Renard].. (Grandes obras de la literatura universal, 140). Buenos Aires: Editoral Kapelusz, 1977.
:: La cifra. Buenos Aires: Emecé Editores, 1981, 108p.
:: Los conjurados. Madrid/Espanha: Alianza Editorial, 1985.


Contos (Cuentos)
:: Historia universal de la infâmia. (Colección Megáfono). Buenos Aires:  Editorial Tor, 1935, 139p; Buenos Aires: Emecé Editores, 1954, 137p.
Jorge Luis Borges - foto: (...)
:: El jardín de senderos que se bifurcan. Buenos Aires: Editorial Sur, 1941.
:: Ficciones. Buenos Aires: Editorial Sur, 1944.
:: El Aleph. (Coleção Prosistas de España y América). Buenos Aires: Losada, 1949, 146p.; Barcelona/Espanha: Planeta, 1969, 232p.
:: La muerte y la brújula. [ilustração Roberto Páez y ensaio crítico Beatriz Sarlo].. (Coleção Novelistas argentinos contemporaneos). Buenos Aires: Centro Editor de América Latina, 1971, 20p.
:: El informe de Brodie. Buenos Aires: Emecé Editores, 1970, 153p.; Espulgas de Llobregat: Plaza & Janés, 1971, 230p.
:: El libro de arena. Buenos Aires: Emecé Editores, 1975, 181p.
:: Rosa y Azul.[prólogo José Maya y ilustração Alfredo González]. Barcelona: Sedmay Ediciones, 1977.
:: 25 de Agosto, 1983. Buenos Aires: Ediciones Siruela, 1983.


Ensaios (ensayos)
:: Inquisiciones. Buenos Aires: Editorial Proa, 1925, 160p.
:: El tamaño de mi esperanza. [vinhetas Xul Solar]. Buenos Aires: Editorial Proa, 1926. 153p.
:: El idioma de los argentinos. [vinhetas Xul Solar].. (Coleção Índice). Buenos Aires: Manuel Gleizer, 1928. 185p.
:: Evaristo Carriego. (Biografia). Buenos Aires: Manuel Gleizer, 1930, 118p.
:: Discusión. Buenos Aires: Manuel Gleizer, 1932, 162p.
:: Las Kenningar. Buenos Aires: Francisco A. Colombo, 1933, 26p.
:: Historia de la eternidad. (Coleção Megáfono nº 03). Buenos Aires: Viau y Zona, 1936, 121p.
:: Nueva refutación del tiempo. Buenos Aires: Oportet & Haereses, 1947, 34p.
:: Aspectos de la poesía gauchesca. (Folhetim) Montivideo: Numero, 1950, 35p.
:: Otras inquisiciones , 1937-1952Buenos Aires: Sur, 1952, 226p.
:: Montaigne, Walt Whitman(edição do autor). Buenos Aires: Francisco A. Colombo, 1957.
:: La poesía gauchesca. Buenos Aires: Centro de Estudios Brasileiros, 1960. 18p.
:: La literatura fantástica. Buenos Aires: Ediciones Culturales Olivetti, 1967, 19p.
:: Conferéncias. Buenos Aires: Instituto de Intercambio Cultural y Científico Argentino-Israelí, 1967, 33p.
:: El encuentro. [ilustração Hector Balsadúa]. Buenos Aires: Imprenta de Francisco A. Colombo, 1969.
Jorge Luis Borges - foto: (...)
:: El duelo. [ilustração Santiago Cogorno]. Buenos Aires: Imprenta de Francisco A. Colombo, 1970.
:: An autobiographical essay. New York/EUA: E. P. Dutton, 1970; Argentina: [tradução Marcial Souto y Norman Thomas Di Giovanni]. El Buenos Aires: Atheneo, 1999.
:: El evangelio según Marcos. [ilustração Raúl Russo]. Buenos Aires: Imprenta de Francisco A. Colombo, 1971.
:: El congreso. Buenos Aires: El Archibrazo Editor, 1971, 56p.
:: Testimonio de mis libros. [conferência dada no Colegio de Escribanos de Buenos Aires em 26 de Outubro de 1971.]. Buenos Aires: Colégio de Escribanos, 1972, 9p.
:: El otro. [ilustração Ana María Moncalvo]. Buenos Aires:  Imprenta Francisco A. Colombo, 1972.
:: Destino y obra de Camoens. Buenos Aires: Centro de Estudios Brasileños, 1972.
:: Cosmogonías. [ilustração Aldo Sessa]. Buenos Aires: Ediciones Libreria la Ciudad, 1976. 29p.
:: Prólogos con un prólogo de prólogos. 1923-1974. Buenos Aires: Torres Agüero Editor, 1977, 174p.
:: Adrogué [Província de Buenos Aires]: Adrogué de 1977, 75p.
:: Borges oral. [conferencias]. Buenos Aires: Emecé/Editorial de Belgrano, 1979, 108p.
:: Siete noches. [conferencias]. México: Fondo de Cultura Económico, 1980.
:: La memoria de Shakespeare. Beunos Aires: Ediciones dos Amigos, 1980.
:: Martín Fierro y su crítica: antología / Martínez Estrada, Ezequiel, Leumann, Alberto. (Capítulo: biblioteca argentina fundamental; nº 24). Buenos Aires: Centro Editor de América Latina, 1980, 137p.
:: Nueve ensayos dantescos. Madrid/Espanha: Editorial Espasa-Calpe, 1982.
:: Escritores Argentinos de hoy - Páginas de Jorge Luis Borges [selecionador por el autor; con estudio preliminar de Alicia Jurado]. Buenos Aires: Celtia, 1982.
:: Cuentistas pintores y argentinos. [seleção de Borges com prefácios para cada história]. Buenos Aires:. Ediciones de Arte Gaglianone, 1985.
:: Biblioteca personal. Buenos Aires: Alianza Tres, 1988.
:: This craft of verse. [conferências].. (Organização Calin-Andrei Mihailescu).. (Livro e Áudio). Harvard University Press, 2000.
:: Borges en la Escuela Freudiana de Buenos Aires. [transcrições de palestras e discussão de setembro de 1980, Janeiro de 1981 e dezembro 1982]. Buenos Aires: Agalma, 1993, 159p.
:: Professor Borges: A Course on English Literature. [edited by Martín Arias and Martín Hadis, and translated from the Spanish by Katherine Silver]. Novos Rumos, 2014, 306p.


Antologías
:: Antología personal. Buenos Aires: Sur, 1961, 195p.
:: Libro de sueños. Buenos Aires: Torres Agüero, 1976, 152p.
:: Nueva antología personal .  Buenos Aires: Emecé Editores, 1969, 305p.; Mexico City: Siglo XXI, 1970, 226p.


Roteiros de Cinema (Guiones de cine)
:: Los orilleros. [en colaboración con Adolfo Bioy Casares]. 1939.
:: El paraíso de los creyentes. [en colaboración con Adolfo Bioy Casares]. 1940.
:: Invasión. [en colaboración con Adolfo Bioy Casares y Hugo Santiago]. 1969.
:: Les autres. [en colaboración con Hugo Santiago]. 1972.


Jorge Luis Borges en baroque Villa Palagonia Sicília - Palermo/Itália (1984)
 foto: Ferdinando Scianna/Magnum
Obras em colaboração (Obras en colaboración)
:: Índice de la poesía americana. (Antología).. [Jorge Luis Borges, Alberto Hidalgo y Vicente Huidobro]. Buenos Aires: Sociedad de Publicaciones El Inca, 1926, 280p.
:: Antología clásica de la literatura argentina. [Jorge Luis Borges y Pedro Henríquez Ureña]. Buenos Aires: Kapelusz, 1937. 445p.; 2ª ed., Buenos Aires: Kapelusz, 1944. 445p.
:: Antología de la literatura fantástica. [Adolfo Bioy Casares, Jorge Luis Borges y Silvina Ocampo]. Buenos Aires: Sudamericana, 1940, 328p.
:: Antología poética argentina. [editores. Adolfo Bioy Casares, Jorge Luis Borges e Silvina Ocampo; Preface by Borges, pp. 7-11].. (Coleção Laberinto nº 02). Buenos Aires: Sudamericana, 1941.
:: Seis problemas para don Isidro Parodi. [Adolfo Bioy Casares y Jorge Luis Borges]. Buenos Aires: Sur, 1942.
:: Los mejores cuentos policiales. [ed., y tradução Adolfo Bioy Casares y Jorge Luis Borges]. Buenos Aires: Emecé, 1943, 293p.; 2ª ed., Buenos Aires: Emecé, 1944, 293p.; 3ª ed., Buenos Aires: Emecé, 1947, 293p.
:: El compadrito. Su destino, sus barrios y su música. (Antología de textos de autores argentinos).. [Jorge Luis Borges y Silvina Bullrich; incluindo preface y "Hombre de la esquina rosada.", Borges]. Buenos Aires: Emecé Editores, 1945, 108p.
:: Dos fantasías memorables. [Jorge Luis Borge y Adolfo Bioy Casares e H. Bustos Domecq, pseudônimo de Jorge Luis Borges].  Buenos Aires: Oportet y Haereses, 1946, 34p.
:: Un modelo para la muerte. [Adolfo Bioy Casares e B. Suárez Lynch, pseudônimo de Jorge Luis Borges]. Buenos Aires: Oportet y Haereses, 1946, 83p.
:: Antiguas literaturas germânicas. (História da literatura).. [Jorge Luis Borges y Delia Ingenieros]. México: Fondo de Cultura Económica, 1951.
:: Los mejores cuentos policiales: segunda serie. [seleção Jorge Luis Borges y Adolfo Bioy Casares].. (Coleção Obras Contemporâneas). Buenos Aires: Emecé Editores, 1951.
:: El idioma de Buenos Aires. [Jorge Luis Borges y José Edmundo Clemente]. Buenos Aires: Pena, Del Giúdice, 1952, 59p.
:: El "Martín Fierro."  [Jorge Luis Borges e Margarita Guerrero]..  (collección esquemas nº 02). Buenos Aires: Columba, 1953, 79p.
:: Cuentos breves y extraordinários[Jorge Luis Borge e Adolfo Bioy Casares]. Buenos Aires: Raigal, 1955, 211p.; 2ª ed., Buenos Aires: Rueda, 1967. 146p.
:: La hermana Eloísa. [Jorge Luis Borges e Luisa Mercedes Levinson]. Ene, 1955 71, p.
:: Leopoldo Lugones. [Jorge Luis Borges e Betina Edelberg]. Buenos Aires: Troquel, 1955, 99p.; 2ª ed., Buenos Aires: Pleamar, 1965. 114p.
:: Poesía gauchesca. 2 vols.[edição, notas e introdução de Jorge Luis Borges e Adolfo Bioy Casares].. (Vol. I: prólogo, Hidalgo, Ascasubi. Vol. II: Ascasubi, del Campo, Lussich, Hernández, apêndice). Mexico City: Fondo de Cultura Económica, 1955, 798p.
:: Los orilleros. El paraíso de los creyentes. [Jorge Luis Borge y Adolfo Bioy Casares]. Buenos Aires: Editorial Losada, 1955, 137p.
Jorge Luis Borges - foto: (...)
:: Manual de zoología fantástica. [Jorge Luis Borges e Margarita Guerrero]. Mexico City: Fondo de Cultura Económica, 1957,159p.
:: Libro del cielo y del infierno. [Jorge Luis Borge e Adolfo Bioy Casares]. Buenos Aires: Sur, 1960.
:: Introducción a la literatura inglesa. (manual).. [Jorge Luis Borges e María Esther Vázquez]. Buenos Aires: Columba, 1965, 66p.
:: Tres sonetos americanos. [Plaquette]. Buenos Aires: private edition, 1965.
:: Seis poemas escandinavos. Buenos Aires: Imprenta de Francisco A. Colombo, 1966.
:: Literaturas germánicas medievales. (revisa y corrige el tratado antiguas literaturas germânicas)..  [Jorge Luis Borges y María Esther Vázquez]. Buenos Aires: Falbo, 1965, 197p.
:: Crónicas de Bustos Domecq. [Jorge Luis Borge y Adolfo Bioy Casares]. Buenos Aires: Losada, 1967, 147p.
:: Introducción a la literatura norteamericana. (manual).. [Jorge Luis Borges y Esther Zemborain de Torres]. Buenos Aires: Columba, 1967, 67p.
:: El libro de los seres imaginários. [seleção Jorge Luis Borges y Margarita Guerrero].  Buenos Aires: Kier, 1967, 159p.
:: Introducción a la literatura latinoamericana. [Con Esther Zemborain de Torres]. 1967.
:: Siete conversaciones con Jorge Luis Borges. [Fernando Sorrentino y Jorge Luis Borges]. Editora          Casa Pardo, 1973.
::¿Qué es el budismo? . [Jorge Luis Borges y Alicia Jurado]. Buenos Aires: Columba, 1976.
:: Diálogos. [Jorge Luis Borges y Ernesto Sábato].. (Organização Orlando Barone). Buenos Aires: Emecé Editores, 1976.
:: Nuevos cuentos de Bustos Domecq. [Jorge Luis Borges y Alicia Jurado]. Buenos Aires:. Librería La Ciudad, 1977 152p.
:: Breve antología anglosajona. [anthology e traduções Jorge Luis Borges y María Kodama]. Santiago, Chile: Ediciones La Ciudad de 1978, 46p.
:: Obras completas en Colaboración. [Jorge Luis Borges, Carlos V. Frías y Sara Luisa de Carril]. Buenos Aires: Emecé, 1979, 989p.
:: Atlas. [Jorge Luis Borges y María Kodama]. Buenos Aires: Editorial Sudamericana, 1985.


Biografia
:: Borges: sus días y su tiempo. [por Marâia Esther Vâazquez]. Buenos Aires: Javier Vergara Editor, 1984, 344p.


Obra reunida, coletânea e seleta
Jorge Luis Borges en Sicília - Palermo/Itália (1984)
 foto: Ferdinando Scianna/Magnum
:: Poemas. 1923-1943. Buenos Aires: Editorial Losada, 1943, 181p.
:: Poemas - 1923-1953. Buenos Aires: Emecé Editores, 1954, 174p.
:: Obras completas. Buenos Aires: Emecé Editores, 1960.
:: Obra Poética - 1923-1964. Buenos Aires: Emecé Editores, 1964, 279p.
:: Obra Poética - 1963-1966. Buenos Aires: Emecé Editores, 1966.
:: Obra Poética- 1923-1967. Buenos Aires: Emecé Editores, 1967, 340p.
:: Obra poética. 1923-1969. Buenos Aires: Emecé Editores, 1969.
:: Obra poética. 1923-1976. Buenos Aires: Emecé Editores, 1976.
:: Obra Poética - 1923-1977. Buenos Aires: Emecé Editores, 1977.
:: Obra Poética - 1923- 1985. Buenos Aires: Emecé Editores, 1985.
:: Obras completas.  Volume único. [Edición dirigida y realizada por Carlos V. Frías]. Buenos Aires: Emecé, 1974. 1161p.
:: Obras Completas – 1923-1988. (4 vol’s.).. [ Vol. I - 1923-1972; - Vol. II - 1952-1972; - Vol. III - 1975-1985; - Vol. IV - 1975-1988]. Buenos Aires: Emecé Editores, 1974; 1988; 2005.
:: Prosa completa. 2 vols. Barcelona: Bruguera, 1980.
:: Obras Completas. 2 vols. Madrid: Círculo de Leitores, 1984.
:: Textos Cautivos - Ensayos y reseñas en “El Hogar” 1936-1939. [edición Enrique Sacerio-Garí e Emir Rodríguez Monegal]. Buenos Aires: Tusquets Editores, 1986.
:: Borges en Revista Multicolor[Obras, reseñas y traducciones inéditas de Jorge Luis Borges. Diario Crítica: Revista Multicolor de los Sábados, 1933-1934].. (Investigación y Recopilación de Irma Zangara). Buenos Aires: Atlántida, 1995.
:: Textos recobrados - 1919-1929. [edição Sara Luisa del Carril]. Buenos Aires: Emecé Editores, 1997, 462p.
:: Borges. Obras, reseñas y traducciones inéditas. (investigación y recopilación Irma Zangara).  Buenos Aires: Editorial Atlantida, 1999, 309p.
Jorge Luis Borges - foto: (...)
:: Borges en Sur - 1931-1980. Buenos Aires: Emecé Editores, 1999, 358p.
:: Prólogos : con un prólogo de prólogos.  Buenos Aires: Emecé Editores, 1999, 288p.
:: Textos publicados en El Hogar 1936-1958. (Textos cautivos, Compilación). Buenos Aires: Emecé Editores, 2000, 232p.
:: Biblioteca de Babel, La: prólogos. Buenos Aires: Emecé Editores, 2000, 160p.
:: Textos recobrados - 1931-1955. [edição Sara Luisa del Carril e Mercedes Rubio de Zocchi]. Buenos Aires: Emecé Editores, 2001, 405p.
:: Textos recobrados - 1955-1986. [edição Sara Luisa del Carril e Mercedes Rubio de Zocchi]. Buenos Aires: Emecé Editores, 2003, 404p.
:: El círculo secreto (prólogos y notas) – 1957-1985. (coleção Biblioteca Jorge Luis Borges).  Buenos Aires: Emecé Editores, 2003, 279p.


"A arte opta sempre pelo individual, o concreto; a arte não é platônica."
(El arte siempre opta por lo individual, lo concreto; el arte no es platonico)
- Jorge Luis Borges, em "Aspectos de la literatura gauchesca [Conferencia]. Montivideo: Numero, 1950, p. 6.


Traduções realizadas por Borges
:: La última hoja del UlisesProa 2.6 (January 1925).
:: GIDE, André. Perséphone. Buenos Aires: Sur, 1936.
:: WOOLF, Virginia. Un cuarto propio. Buenos Aires: Sur, 1936.
:: WOOLF, Virginia. Orlando. Buenos Aires: Sur, 1937; 2ª ed., Buenos Aires: Sur, 1948.
:: CHESTERTON, G. K. . Lepanto. Sol y Luna 1 (1938), pp. 136-37.
:: KAFKA, Franz. La metamorfosis. Buenos Aires: Losada, 1938. [Borges translated at least "La edificación de la Muralla China," "Una cruza," "El buitre," "El escudo de la ciudad," "Prometeo" and "Una confusión cotidiana."].
:: FAULKNER, William. Las palmeras salvajes. Buenos Aires: Editorial Sudamericana, 1940; 1943.
Jorge Luis Borges - foto: Diane Arbus
:: MICHAUZ, Henri. Un bárbaro en Asia. Buenos Aires: Sur, 1941.
:: KAFKA, Franz. La metamorfosisBuenos Aires: Losada, 1943. 156p.
:: MELVILLE, Herman. Bartleby[tradução e prefácio de Borges]. Buenos Aires: Emecé Editores, 1943; 2ª ed., Buenos Aires: Emecé Editores, 1944.
 :: CARLYLE, Thomas. De los héroes. Ralph Waldo Emerson. Hombres representativos. Buenos Aires: Jackson, 1949.
:: ROBERTS, Cecil. Estación Victoria a las 4:30. Barcelona: Luis de Caralt Editor, 1954, 289p.
:: WHITMAN, Walt. Montaigne. Buenos Aires: Francisco A. Colombo, 1957, 24p.
:: WHITMAN, Walt. Hojas de hierba. [Seleção, tradução e prefácio Jorge Luis Borges; e estudo crítico de Guillermo N. Juárez]. Buenos Aires: Editorial Juárez, 1969. 171p.
:: MELVILLE, Herman. Bartleby el escribienteBuenos Aires: Librería La Ciudad, 1979. [Reprint of 1943 translation.]
:: KAFKA, Franz. El buitre[tradução Borges e Miguel Ballesteros Acevedo]. Buenos Aires: Librería La Ciudad, 1979.
:: LONDON, Jack London. Las muertes concéntricas. [tradução Borges e Nora Dottori].  Buenos Aires: Librería La Ciudad, 1979.


"Como todos os homens da Biblioteca, viajei na minha juventude; peregrinei em busca de um livro, talvez o catálogo de catálogos; agora que meus olhos quase não podem decifrar o que escrevo, preparo-me para morrer, a poucas léguas do hexágono em que nasci."
- Jorge Luis Borges, em "Ficções". [tradução Carlos Nejar]. São Paulo: Abril, 1972, p. 85.



OBRA DE BORGES PUBLICADA NO BRASIL
Companhia das Letras
(autor e posfácio)
Jorge Luis Borges en Sicília - Palermo/Itália (1984)
 foto: Ferdinando Scianna/Magnum
:: Nova antologia pessoal. (Organizada por Jorge Luis Borges, a coletânea reúne ensaios, poemas e prosa de ficção que o autor vinha publicando desde os anos 1930).. [capa WarrakLoureiro; tradução Davi Arrigucci Jr. e Josely Vianna Baptista e Heloisa Jahn]. São Paulo: Companhia das Letras, 2013, 344p.
:: História universal da infâmia. (contos).. [capa WarrakLoureiro; tradução Davi Arrigucci Jr.]. São Paulo: Companhia das Letras, 2012, 96p.
:: Nove ensaios Dantescos & a memória de Shakespeare.  (ensaios).. [capa WarrakLoureiro; tradução Heloisa Jahn]. São Paulo: Companhia das Letras, 2011, 104p.
:: Borges oral & sete noites. (ensaios).. [capa WarrakLoureiro; tradução Heloisa Jahn]. São Paulo: Companhia das Letras, 2011, 216p.
:: Atlas. (Jorge Luis Borges e María Kodama).. [capa Raul Loureiro e Claudia Warrak; tradução Heloisa Jahn]. São Paulo: Companhia das Letras, 2010, 144p.
:: História da eternidade. (ensaio).. [capa WarrakLoureiro; tradução Heloisa Jahn]. São Paulo: Companhia das Letras, 2010, 128p.
:: Prólogos com um prólogo de prólogos. (ensaio).. [capa Raul Loureiro e Claudia Warrak; tradução Josely Vianna Baptista]. São Paulo: Companhia das Letras, 2010, 240p.
:: O outro o mesmo. (poemas).. [capa WarrakLoureiro; tradução Heloisa Jahn]. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, 232p.
:: Ensaio autobiográfico. (ensaio).. [capa WarrakLoureiro; tradução Maria Carolina de Araújo e Jorge Schwartz]. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, 88p.
:: Poesia. [capa WarrakLoureiro; tradução Josely Vianna Baptista]. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, 648p.
:: O  livro de areia. (contos).. [capa WarrakLoureiro; tradução Davi Arrigucci Jr.]. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, 112p.
:: Antologia pessoal. (ensaio).. [tradução Davi Arrigucci Jr., Josely Vianna Baptista e Heloisa Jahn]. São Paulo: Companhia das Letras, 2008, 268p.
:: O  informe de brodie. (contos).. [capa WarrakLoureiro; tradução Davi Arrigucci Jr.]. São Paulo: Companhia das Letras, 2008, 96p.
:: O fazedor.  (poesia).. [capa WarrakLoureiro; tradução Josely Vianna Baptista]. São Paulo: Companhia das Letras, 2008; 2012, 176p.
Jorge Luis Borges - foto: (...)
:: Discussão. (ensaio).. [capa WarrakLoureiro; tradução Josely Vianna Baptista]. São Paulo: Companhia das Letras, 2012, 184p.
:: O aleph. (contos).. [capa WarrakLoureiro; tradução Davi Arrigucci Jr.]. São Paulo: Companhia das Letras, 2008, 160p.
:: Outras inquisições. (contos).. [capa WarrakLoureiro; tradução Davi Arrigucci Jr.]. São Paulo: Companhia das Letras, 2007, 232p.
:: Ficções. (contos).. [capa WarrakLoureiro; tradução Davi Arrigucci Jr.]. São Paulo: Companhia das Letras, 2007, 176p.
:: O livro dos seres imaginários. (ensaio).. [capa WarrakLoureiro; tradução Heloisa Jahn]. São Paulo: Companhia das Letras, 2007, 224p.
:: Primeira poesia. (poesia).. [capa WarrakLoureiro; tradução Josely Vianna Baptista]. São Paulo: Companhia das Letras, 2007, 200p.
:: Esse ofício do verso. (conferências)..  [capa Raul Loureiro; organização Calin-Andrei Mihailescu; tradução José Marcos Mariani de Macedo]. São Paulo: Companhia das Letras, 2000, 160p.
:: Quase Borges. 20 poemas e uma entrevista. [traduções de Augusto de Campos]. São Paulo: Terracota, 2013.
---
:: Caixa Dom Quixote , (Don Quijote de la Mancha) de Miguel de Cervantes [capa Alceu Chiesorin Nunes; tradução Ernani Ssó; posfácio Jorge Luis Borges]. 2 vol., São Paulo: Companhia das Letras, 2012, 1328p.
___
Fonte: Cia das letras 


Editora Globo
:: Buda (Qué es el budismo).. de Jorge Luis Borges e Alicia Jurado. [tradução de Claudio Fomari]. 2ª ed., São Paulo: DIFEL, 1985; 3ª ed., Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1987.
:: Crônicas de Bustos Domecq / Novos contos de Bustos Domecq. (Adolfo Bioy Casares e Jorge Luis Borges).. [tadução Maria Paula Gurgel Ribeiro]. São Paulo: Editora Globo, 2010, 256p.
:: Diálogos Borges Sabato. (Ernesto Sabato e Jorge Luis Borges).. [tradução de Maria Paula Gurgel Ribeiro]. São Paulo, Editora Globo, 2005, 176p.
:: Elogio da sombra. (Elogio de la sombra).. [tradução de Carlos Nejar e Alfredo Jacques]. Porto Alegre: Editora Globo, 1971; 2ª ed. revisada. São Paulo: Globo, 2001.
Jorge Luis Borges - foto: (...)
:: Elogio da sombra: poemas; Perfis: um ensaio autobiografico. [tradução “para Elogio da sombra” Carlos Nejar e Alfredo Jacques; e tradução “paraPerfis” Maria da Gloria Bordini]. . 3ª ed. Porto Alegre: Globo, 1985; 4ª ed. Rio de Janeiro: Globo, 1987?.
:: Evaristo Carriego. [tradução Vera Mascarenhas de Campos]. São Paulo: Globo, 1999.
:: Ficções. [tradução de Carlos Nejar. Porto Alegre: Editora Globo, 1970; São Paulo: Abril Cultural, 1972; 3ª ed. Porto Alegre: Globo, 1982; 4ª ed. Rio de Janeiro: Globo, 1986.
:: Ficções. [tradução de Carlos Nejar, revisão de Maria Carolina de Araujo e Jorge Schwartz e prefácio de Davi Arrigucci Jr.]. ed. São Paulo: Globo, 2001.
:: Historia da eternidade. (Historia de la eternidad).. [tradução de Carmen Vera Cirne Lima]. Porto Alegre: Globo, 1982; 2ª ed., Rio de Janeiro: Globo, 1986; 3ª ed., Riode Janeiro: Globo, 1987.
:: História universal da infâmia. [tradução de Flávio José Cardozo]. 2ª ed., Porto Alegre: Globo, 1978.
:: História universal da infâmia. [tradução de Flávio José Cardozo; ensaio introdutório de Regina L. Zilberman e Ana Mariza R. Filipouski]. 3ª ed. Porto Alegre: Globo, 1986; 4ª ed., Rio de Janeiro: Globo, 1988.
:: História universal da infâmia. [tradução de Alexandre Eulálio e prefácio de Daniel Balderston]. 2ª ed., revisada. Rio de Janeiro: Globo, 2001.
:: Nova antologia pessoal. (Nueva antología personal).. [tradução de Rolando Roque da Silva]. São Paulo: DIFEL, 1982.
:: O Aleph. (El Aleph).. [tradução de Flávio José Cardozo]. 1ª ed., Porto Alegre: Globo, 1972; 2ª ed., 1978; 3ª, 1982; 4ª ed., 1985; 5ª ed. Porto Alegre: Globo, 2001.
:: O fazedor. (El hacedor).. [tradução de Rolando Roque da Silva]. São Paulo: DIFEL, 1984.
:: O informe de Brodie. [tradução de Hermilio Borba Filho]. Ensaio introdutório de Regina Zilberman e Maria da Gloria Bordini. Porto Alegre: Globo, 1983; 2ª ed., Rio de Janeiro: Globo, 1987.
:: O informe de Brodie. [tradução de Hermilo Borba Filho; prefácio de Beatriz Sarlo]. 3ª ed., revisada. São Paulo: Globo, 2001.
:: O livro de areia. (El libro de arena).. [tradução de Ligia Morrone Averbuck]. Porto Alegre: Globo, 1978; 2ª ed., Rio de Janeiro: Globo, 1990?; 3ª ed., revisada. São Paulo: Globo, 2001.
:: O livro dos seres imaginários (El libro de los seres imaginários), de Jorge Luis Borges e Margarita Guerrero.. [tradução de Carmen Vera Cirne Lima e ilustrações de Jussara Gruber]. Porto Alegre: Globo, 1981; 2ª ed., Porto Alegre: Globo, 1981; 3ª ed., Porto Alegre: Globo, 1982; 4ª ed., Porto Alegre: Globo, 1985.
:: Obras Completas. Volume I: 1923-1949. São Paulo: Globo, 1998.
:: Obras Completas. Volume II: 1952-1972. São Paulo: Globo, 1999.
Jorge Luis Borges - foto: (...)
:: Obras Completas. Volume III: 1975-1985. Vários tradutores. São Paulo: Globo, 1999.
:: Obras Completas. Volume IV: 1975-1988. São Paulo: Globo, 1999.
:: Seis problemas para Dom Isidro Parodi & Duas fantasias memoráveis. (Adolfo Bioy Casares e Jorge Luis Borges).. [tradução Maria Paula Gurgel Ribeiro]. São Paulo: Editora Globo, 2008, 200p.
:: Um modelo para morteOs suburbanos; e O paraíso dos crentes(Jorge Luis Borges e Adolfo Bioy Casares).. [tradução Maria Paula Gurgel Ribeiro]. São Paulo: Editora Globo, 2008, 240p.


"Una cosa es el rigor logico y otra la tradición ya casi instintiva de poner las
palabras fundamentales en la boca de los simples y de los locos."
- Jorge Luis Borges, en "Vindicación de Bouvard et Pecuchet". in: ___. Discusión. 3ª ed., Madri:Alianza Editoria, 1983, p. 119.


Outras editoras
:: Cinco visões pessoais. (Borges oral). . [tradução de Maria Rosinda Ramos da Silva]. Brasilia:
Ed. UNB, 1985; 1987; 1996.
:: Discussão. (Discusión).. [tradução de Claudio Fornari]. São Paulo: DIFEL, 1985.
:: Ficções. [tradução Carlos Nejar]. Porto Alegre: Círculo do Livro, 1975.
:: Ficções. [tradução Carlos Nejar]. São Paulo: Abril, 1972.
:: História universal da infâmia e outras histórias. [tradução de Flávio José Cardozo]. São Paulo: Círculo do Livro, 1980.
:: O fazedor. [tadução Rolando Roque da Silva]. São Paulo: Difel, 1985.
:: Sete noites. (Siete noches).. [tradução de João Silverio Trevisan. Epílogo de Roy Bartholomeu e ilustrações de Carlos Clemen]. São Paulo: M. Limonad, 1983; 1985; 1987.
:: Sobre a amizade e outros diálogos. São Paulo: Hedra, 2009.
  

“O tempo é a substância de que sou feito. O tempo é um rio que me arrebata, mas eu sou o rio; é um tigre que me despedaça, mas eu sou o tigre; é um fogo que me consome, mas eu sou o fogo.”
- Jorge Luis Borges, citado no filme "Alphaville", de Godard (1965)



JORGE LUIS BORGES - ENTREVISTAS DISPONÍVEIS EM PORTUGUÊS
Jorge Luis Borges, por Miguel Herranz
PIZARNIK, Alejandra; BORDELOIS, Ivonne A.. 1964 - Jorge Luis Borges. [entrevista]. Jornal da Poesia - banda hispânica. Disponível no link. (acessado em 27.5.2014).
CHRIST, Ronald. 1966 - Jorge Luis Borges. Entrevista no tempo. [entrevista]. Jornal da Poesia - banda hispânica. Disponível no link. (acessado em 27.5.2014).
CORREA, María Angelica. 1969 – Jorge Luis Borges: o tempo é o tema essencial de minha poesia. [entrevista]. Jornal da Poesia - Banda hispânica. Disponível no link. (acessado em 27.5.2014).
VÁZQUEZ, María Esther. 1973 – Borges igual a si mesmo [entrevista]. Jornal da Poesia - Banda hispânica. Disponível no link. (acessado em 27.5.2014).
GILIO, María Esther. 1973 – Eu queria ser o homem invisível [entrevista]. Jornal da Poesia - Banda hispânica. Disponível no link. (acessado em 27.5.2014).
SIERRA, Malú. 1975 - Uma glória cansada de viver [entrevista]. Jornal da Poesia - Banda hispânica. Disponível no link. (acessado em 27.5.2014).
SALAS, Susana Chica. 1975 - Conversa com Borges [entrevista]. Jornal da Poesia - Banda hispânica. Disponível no link. (acessado em 27.5.2014).
DEPOIMENTO1976 - Borges inédito… e profético [depoimento]. Jornal da Poesia - Banda hispânica. Disponível no link. (acessado em 27.5.2014).
CAILLOIS, Roger; BORGES, Jorge Luis. 1977 - Diálogo fugaz [dialogo]. Jornal da Poesia - Banda hispânicaDisponível no link. (acessado em 27.5.2014).
MIRANDA, Alvaro. 1977 - Conversa com Jorge Luis Borges [dialogo]. Jornal da Poesia - Banda hispânica. Disponível no link. (acessado em 27.5.2014).
Jorge Luis Borges, por Figuerda
RAMONET, Ignacio; CHAO, Ramon. 1978 - Morte, poesia e paradoxos. Borges fala de tudo. [entrevista]. Jornal da Poesia - Banda hispânica. Disponível no link. (acessado em 27.5.2014).
ZULETA, Ignacio M.. 1981 – Diálogo con Jorge Luis Borges [entrevista]. Jornal da Poesia - Banda hispânica. Disponível no link. (acessado em 27.5.2014).
CABALLERO, Antonio. 1984 – Sou tímido, ocioso e irresponsável [entrevista]. Jornal da Poesia - Banda hispânica. Disponível no link. (acessado em 27.5.2014).
CEDRÓN, José Antonio. 1985 – A vida como um labirinto em linha reta. [entrevista]. Jornal da Poesia - banda hispânica. Disponível no link. (acessado em 27.5.2014).
RESTIVO, Fabian. 1985 – Um homem devorado pela fera [entrevista]. Jornal da Poesia - Banda hispânica. Disponível no link. (acessado em 27.5.2014).
----
LLOSAS, Mario Vargas. Entrevista Jorge Luis Borges. [Perguntas a Borges por Mario Vargas Llosas]. 1963, Clubcultura - literatura, raros (em espanhol). Disponível no link. (acessado em 1.6.2014);

D’ÁVILA, Roberto. Jorge Luís Borges. [Entrevista concedida a Roberto D'Ávila na TV], e publicada no jornal O Nacional (Rio de Janeiro), de 4/2/1987. publicado em Tiro de Letra. Disponível no link. (acessado em 1.6.2014).


"Aí está Buenos Aires. O tempo, que a outros homens
traz ouro ou traz amor, em mim apenas funda
esta rosa amortecida, esta vã barafunda
de ruas que repetem os pretéritos nomes
de meu sangue: Laprida, Cabrera, Soler, Suarez..."
- Jorge Luis Borges, do poema "A noite cíclica", no livro "O outro o mesmo”. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

Jorge Luis Borges en Galleria Nazionale, Sicilia -Palermo/Itália (1984)
 foto: Ferdinando Scianna/Magnum Photos


"Descobrir o desconhecido não é uma especialidade de Simbad, de Érico, o Vermelho, ou de Copérnico. Não há um único homem que não seja um descobridor. Começa descobrindo o amargo, o salgado, o côncavo, o liso, o áspero, as sete cores do arco e as vinte e tantas letras do alfabeto; passa pelos rostos, pelos mapas, pelos animais e pelos astros; conclui pela dúvida ou pela fé e pela certeza quase absoluta de sua própria ignorância."
- Jorge Luis Borges em "Atlas" - Obras Completas v. 3. São Paulo: Globo, 1999, p. 455.


“Descubrir lo desconocido no es una especialidad de Simbad, de Erico el Rojo o de Copérnico. No hay un solo hombre que no sea un descubridor. Empieza descubriendo lo amargo, lo salado, lo cóncavo, lo liso, lo áspero, los siete colores del arco y las veintitantas letras del alfabeto; pasa por los rostros, los mapas, los animales y los astros; concluye por la duda o por la fe y por la certidumbre casi total de su propia ignorancia.” 
- Jorge Luis Borges em "Atlas" [Jorge Luis Borges e María Kodama]. Buenos Aires: Editorial Sudamericana, 1984, p. 7.

Jorge Luis Borges, por Krygsma

FILMOGRAFIA DE JORGE LUIS BORGES
FilmeDías de odio
Adaptação do conto "Emma Zunz", de Jorge Luis Borges
Direção: Leopoldo Torre Nilsson
País/ano: Argentina – 1954
Duração:  54 min.


FilmeEmma Zunz
Adaptação do conto homônimo de Jorge Luis Borges
Direção: Alain Magrou
Autor: Jorge Luis Borges
Roteiro: Jesús Martínez León
País/ano: França – 1969
Duração: 54 min.


FilmeEl hombre de la esquina rosada
Baseado no conto homônimo de Jorge Luis Borges
Direção e adaptação: René Múgica
Jorge Luis Borges, por Baptistão
País/ano: Argentina, 1957
Duração: 70 min.


FilmeLos contrabandistas
Direção: Hugo Santiago
País/Ano: Argentina – 1967
Duração: 27 min.


FilmeLos taitas
Direção: Hugo Santiago
País/Ano: Argentina - 1968
Duração: 25 min.


Filme: Invasión
Direção: Hugo Santiago Muchnick
Baseado num argumento de Jorge Luis Borges e Adolfo Bioy Casares.
Roteiro original: Luis Jorge Borges e Adolfo Bioy Casares
País/Ano: Argentina – 1968
Duração: 123 min.
Disponível no link ou link


FilmeA estratégia da aranha (Strategia del ragno)
Baseado livremente no tema “del traidor y del héroe" , de Jorge Luis Borges
Sinopse: O jovem Athos Magnani (Giulio Brogi) vai a Tara, povoado da Itália, para investigar a estranha e misteriosa morte do pai. Nesta empreitada, cheia de “falsos símbolos” e de imagens surreais, Athos conta com o apoio de Draifa (Alida Valli), amante de seu pai. O problema é que o jovem termina por entrar em um jogo cheio de labirintos e de teias de mentiras, o que torna sua existência cada vez mais confusa. Baseado no conto “O Tema do Traidor e do Herói”, de Jorge Luís Borges.
Direção: Bernardo Bertolucci
Roteiro: Luis Jorge Borges e Bernardo Bertolucci
País/ano: Itália - 1970
Duração: 100 min.


FilmeLa maschera del minotauro
Direção: Franco Brocani
Roteiro: Jorge Luis Borges
País/ano: Itália - 1971
Duração: 11 min.


FilmeLes autres (Los otros)
Direção: Hugo Santiago
Roteiro original: Luis Jorge Borges e Adolfo Bioy Casares
País/ano: França - 1973
Duração: 127 min.


Jorge Luis Borges, por Adriana Mufarrege
FilmeLos Orilheros
Roteiro: Luis Jorge Borges e Adolfo Bioy Casares (roteiro 1951)
Direção: Ricardo Luna
Ano: 1975
Duração: 90 min.


FilmeGhazal
Direção: Masud Kimiai
Roteiro: Jorge Luis Borges - adaptação: Masud Kimiai
País/Ano: 1975
Duração:


FilmeEl muerto/ Cacique Bandeira
Gênero:
Diretor: Héctor Olivera
Roteiro:Fernando Ayala y Héctor Olivera según el cuento homónimo de Jorge Luis Borges
Supervisão: Juan Carlos Onetti
País/ano: Argentina/Espanha - 1975
Duração: 105 min.
Classificação indicativa: 14 anos


FilmeA intrusa
Baseado no conto homônimo de Jorge Luis Borges
Direção: Carlos Hugo Cristensen
País/ano: Brasil/Argentina - 1978
Duração: 100 min.


FilmeSad
Direção: Aleksandr Kaydanovskiy
Roteiro: Jorge Luis Borges
Páis/ano: União Soviética/Rússia - 1983
Duração:


FilmeCosmoagonia
Gênero: Documentário
Direção: Eduardo Leiva Muller
Roteiro: Jorge Luis Borges
País/ano: México - 1984
Duração: 9 min.


FilmeCurso y recurso
Direção: Eduardo Leiva Muller
Roteiro: Jorge Luis Borges - adaptação: Eduardo Leiva Muller
País/ano: México - 1984
Duração: 6 min.


FilmeLa intrusa
Direção: Sandra Luz Aguilar
Roteiro: Jorge Luis Borges - adaptação: Sandra Luz Aguilar
País/ano: México - 1985
Duração: 12 min.


FilmeEl três de Copas
Direção: Felipe Cazls
País/ano: México/1986
Duração: 117 min.


Jorge Luis Borges, por (...)
FilmeLa rose de Paracelse
Curta-metragem
Direção: Thierry Bourcy
País/ano: Fança/1986
Duração: 10 min.


FilmeGost
Direção: Aleksandr Kaydanovskiy
País/ano: União Soviética/Rússia - 1987
Duração: 85 min.


FilmeAlles istories
Direção: Xanthi Gioni
Roteiro: Jorge Luis Borges - adaptação: Xanthi Gioni
País/ano: Grécia - 1988
Duração: 5 min.


FilmeThe Leaves of a Cypress
Direção: Hisham Bizri
País/ano: Estados Unidos - 1991
Duração:


FilmeHistoria Del guerrero y la cautiva
Baseado no conto homônimo de Borges
Direção: Edgardo Cozarinsky
País/ano: Argentina - 1992
Duração:


FilmeDie Inschrift des Gottes
Direção: Heinz Peter Schwerfel
País/ano: 1993
Duração: 25 min.


FilmeGuerreros y cautivas
Baseado no conto homônimo de Borges
Direção: Edgardo Cozarinsky
País/ano: Argentina/França/Suiça - 1994
Duração: 95 min.


FilmeEl fin del comienzo
Baseado no conto “El fin”, de Jorge Luis Borges
Direção: Alan Coton
País/ano: México - 1994
Duração: 13 min.


FilmeEl milagro secreto
Direção: Leandro Bartoletti
País/ano: 1998
Duração: 15 min.

La biblioteca Borges en París, Argentina 1995,
pintura Néstor Sarmiento

FilmeEl encuentro
Direção: Maximiliano Gerscovich
País/ano: Argentina - 1999
Duração:


FilmeEl Aleph
Direção: Richie Ercolalo
Roteiro: Jorge Luis Borges e Carolina Crawley
País/ano: 1999
Duração: 1 min.


FilmeUm Amor de Borges
Sinopse: Um Amor de Borges conta a história da paixão que Jorge Luis Borges (Jean Pierre Noher), o renomado escritor argentino, nutriu por Estela Canto (Inés Sastre). Na época, aos 46 anos, o autor ainda não era conhecido pelo grande público e morava com sua mãe. O filme trata de maneira delicada esta história de amor sem final feliz, desde os primeiros anos da vida literária de Borges até seus problemas com o regime peronista.
Direção: Javier Torre
País/ano: Argentina - 2000
Duração: 92 min.
Classificação indicativa: 12 anos


FilmeLa Rencontre
Direção e roteiro: Hisham Bizri
Baseado em Jorge Luis Borges
País/ano: Egito - 2002
Duração: 27 min.


FilmeTomo VII
Direção: Jose Luis Valle
Roteiro: Jorge Luis Borges, Jose Luis Valle
País/ano: Egito - 2002
Duração: 6 min.


Filme: Five no Budget films
Direção: Snigdhendu Bhattacharya, Souva Chattopadhyay
Roteiro: Jorge Luis Borges
Adaptação: Snigdhendu Bhattacharya
País: Índia - 2010
Duração: 99 min.


FilmeEl intruso
Direção: Carlos Algara, Carlos Ramírez
Roteiro: Carlos Algara
País/ano: China - 2010
Duração: 14 min.


FilmeThe Language of the Fox
Direção: Jeff Zorrilla
País/ano: 2011
Duração: 13 min.


FilmeEl amor y el espanto
Sinopse: En la línea de la novela "Un poeta nacional" (1993) -en la que Carlos Feiling imaginó a un alter ego de Leopoldo Lugones en medio de un caso policial-, el guión de José Pablo Feinmann juega a enfrentar a Jorge Luis Borges con personajes y situaciones extraídos de sus cuentos y poemas. El resultado también es un policial, que intenta retratar la mutua incomprensión que se prodigaron el célebre escritor y su patria.
Direção: Juan Carlos Desanzo
Roteiro: José Pablo Feinmann
País/ano: Argentina - 2000
Duração: 115 min.


Jorge Luis Borges, por (...)
FilmeBorges, um destino sudamericano
Gênero: Documentário
Sinopse: El filme, basado en el cuento “El sur” de Jorge Luis Borges, tiene como protagonista al escritor, quien ya estando ciego a sus 76 años participó como actor principal durante los tres días de rodaje que tomó la cinta durante el invierno austral del mes de junio de 1975.
Direção: Jose Luis di Zeo e Tadeo Bortnowski
País/ano: 2007
Duração:


FilmeCantando dietro i paraventi
Direção: Ermano Olmi
País/ano: 2003
Duração: 98 min.


FilmeOnde Borges Tudo Vê
Sinopse: Baseado numa livre adaptação do conto homônimo publicado no livro “Fragmentos de um Olhar”, de autoria do diretor Taciano Valério, o longa metragem faz referência à história do poeta argentino Jorge Luis Borges, expoente da literatura latino-americana.
Através de narrativas fantásticas, definidas como “delírios do racional”, o autor expressa em labirintos e jogos de espelhos o caos que, segundo ele, governa o mundo.
Direção: Taciano Valério
Direção e Produção: Luciano Mariz e Danielle Freire
Produção Executiva: Amazile Vieira
Direção de Fotografia: Breno César
Direção de Som: Allanclerystton Pequeno
País/ano: Paraíba/Brasil - 2012
Duração: 1h17min.


Jorge Luis Borges, por Luís Silva
DOCUMENTÁRIOS
FilmeToda a memória do mundo (Toute la mémoire du monde)
Sinopse: Nas entranhas da Biblioteca Nacional, quem sabe qual será, amanhã, o testemunho mais confiável de nossa civilização? De corredor em corredor, de livro em livro, desdobra-se o labirinto.
(Corto predecesor de Hirosma Mon amour. En excasos 20 min Resnais analiza la Biblioteca Nacional Francesa. Con una cámara hiperactiva va describiendo el espacio con gran destreza, creando y al mismo tiempo dando forma a su nuevo lenguaje. “Como tienen la memoria corta, los hombres acumulan numerosos recordatorios”.
Jorge Luis Borges, por Gabo
En este cortometraje, Resnais propone una visita guiada a la Biblioteca Nacional de París y, de su cúpula a sus sótanos, de su sala de catálogos a su sala de lectura, nos revela los bastidores –vedados al público– de está institución del saber. La exploración de los sombríos laberintos de esta inmensa biblioteca es también una manera sutil de evocar los meandros más que sinuosos de la arquitectura mnemónica de los simples mortales que somos).
Gênero: Documentário
Direção: Alain Resnais
Roteiro: Rémo Forlani
Produção: Films de la Pleiade
Voz off : Jacques Dumesnil.
País/ano: França - 1956
Cor: preto e branco
Duração: 22 min.
Idioma: Frances con subtítulos en castellano
Disponível no link


FilmePaseos con Borges
com atuação de Borges
Direção: Adolfo García Videla e Carlos G.
Orgambide.
País/ano: Argentina/México - 1975
Duração: 57 min.


FilmeLes Borges
Gênero: Documentário
Direção: Marilú Mallet
País/ano: França - 1978
Duração: 57 min.
Idioma: francês


FilmeBorges and I
Gênero: Documentário
Direção: David Wheatley
País/ano: 1983
Duração: 76 min.
Produção: RM Arts y BBC
Formato: Vídeo (VHS/NTSC)
Idioma: inglês


FilmeBorges para millones
Gênero: Documentário
Direção: Ricardo Wulicher
País/ano: 1988
Duração: 70 min.
Formato: Vídeo (VHS/NTSC)
Idioma: espanhol


FilmeThe innerworld of Jorge Borges
Gênero: Documentário
Direção: Harold Mantell
País/ano: Estados Unidos – 1991
Duração: 28 min. - Cor
Produção: Princeton, NJ, Filmes for the Humanities.
Formato: Vídeo (VHS/NTSC)
Idioma: inglês


FilmeBuenos Aires, meine Geschichte
Genêro: documentário
Direção: German Kral
País/ano: Alemanha - 1998
Duração: 89 min.
Cor: colorido / branco e preto
Idioma: espanhol


Jorge Luís Borges, por Fernando Campos
FilmeJorge Luis Borges - uma vida de poesia
Genêro: Documentário
Direção: Fernando Arrabal
País/ano: Itália – 1998
Duração: 70 min.
Produção: Aphaville/Spirali


FilmeBorges, el eterno retorno
Direção: Patricia Enis y Fernando Flores
País/ano: Argentina - 1999
Duração: 45 min.


FilmeBorges, los Libros y la Noche
El universo de Jorge Luis Borges
Direção: Tristán Bauer y Carolina Scaglione
País/ano: Argentina - 1999
Duração: 82 min.
Classificação indicativa: livre


FilmeSoriano
Direção: Eduardo Montes Bradley
País/ano: Argentina - 1999
Duração: 75 min.


FilmeHarto The Borges
Gênero: Documentário
Direção: Eduardo Montes Bradley
Fotografia: María L. Luzckow
Produção: Soledad Liendo
Produtor associado: Sara Kaplan
País/ano: Argentina - 2000
Duração: 83 min.


Jorge Luis Borges, por Fernando Vicente
FilmeCosmópolis: Borges y Buenos Aires
Roteiro e direção: de Juan Insua e Tony Curcó
País/ano: Espanha - 2002
Duração: 50 min.
Suporte: 1 videocasete (VHS)
** Barcelona, Centre de Cultura Contemporània de Barcelona, D.L. 2002.


FilmeBorges sobre Borges
Documentário para TV
Direção: Alain Jaubert
País/ano: Argentina/França - 2003
Duração: 42 min.


FilmeVariaciones 1/113
Direção: Javier Aguirre
Poemas: Jorge Luis Borges
País/ano: Espanha - 2003
Duração: 77 min.


FilmeBorges y nosotros
Sinopsis: Fue el mas grande escritor argentino de todos los tiempos. El artista argentino de mayor trascendencia internacional que atravesó todas las épocas y todas las disciplinas artísticas. Este trabajo nos ayudara a comprender mejor su vida, su talento, su obra. Nos permitirá realizar el viaje antiguo y también iniciático hacia el fondo de nuestra identidad, a través de un siglo plagado de contradicciones. Borges fue, es y será uno de los nuestros. Y parte definitiva de nosotros.
Direção: Omar Quiroga
País/ano: Argentina -2007
Duração: 37 min.
Classificação indicativa: livre


Jorge Luis Borges, por Guillermo Iragorre
FilmeLa Argentina
Direção: Gustavo Charif
País/ano: Argentina - 2008
Duração: 6 min.


FilmeMovajehe
Direção: Saeed Ebrahimifar
Roteiro: Jorge Luis Borges, Saeed Ebrahimifar
País/ano: Argentina - 2008
Duração: 80 min.


FilmeVariaciones sobre un guión
Direção: Alejo Moguillansky
Ano: 2008.
Formato: DVD 2 (Colección malba.cine - Edición especial)
Duração: 76 min.


FilmeAquilea: nueve pequeños films sobre Invasión.
Direção: Alejo Moguillansky
País/ano: Argentina - 2008.
Formato: DVD 2 (Colección malba.cine - Edición especial)
Duração: 47 min.


FilmeRuas de Borges
Direção: Ian Ruschel
Ator: Alcidez Zonco, como Borges
Assistente de direção: Max Laux
Produtor: Arnoni Lenz
Produção: Zeppelin Filmes
País/ano: Brasil –
Duração:


Jorge Luis Borges, por Dibujo de  Calarcá
ADAPTAÇÕES PARA TELEVISÃO
Série de TVCuentos de Borges
EpisódioDeath and the Compass (A morte e a bússola)
Direção: Alex Cox
País/ano:  Estados Unidos/Japão/ México -1992
Duração: 86 min.

EpisódioEl sur
Direção: Carlos Saura
País/ano: Espanha/Argentina - 1992
Duração: 60 min.

EpisódioAs Faces do Crime
Baseado no conto "A história de Rosendo Juarez", de Jorge Luis Borges
Direção: Gerardo Vera
Roteiro: Jorge Luis Borges
Adaptação: Fernando Fernán Gómez
Série: TV Espanhola
Páis/ano:  Espanha - 1990
Duração: 60 min.

Episódio: Emma Zunz
Direção: Benoît Jacquot
Roteiro: Jorge Luis Borges
País/ano: 1992
Duração:  52 min.

EpisódioEl evangelio según Marcos
Direção: Héctor Olivera
Roteiro: Jorge Luis Borges
País/ano: Espanha/Argentina - 1991
Duração: 55 min.

EpisódioLa intrusa
Direção: Jaime Chávarri
Roteiro: Jorge Luis Borges
Adaptação: Fernando Fernán Gómez
País/ano: Espanha - 1990
Duração: 60 min.


Jorge Luis Borges, por Cido Gonçalves
ENTREVISTAS
TítuloJorge Luis Borges: el misterioso
[entrevista de Reina Roffé]
Produção: Frank Janney
País/ano: Argentina - 1984
Duração: 50 min. – Cor
Produtora: Hanover, NH, Ediciones del Norte
Formato: Vídeo (VHS/NTSC)
Idioma: inglês
** Transcrição da entrevista em Espejo de escritores, notas y prólogo de Reina Roffé, Hanover, NH, Ediciones del Norte, pp. 2-20. 1985.


TítuloJorge Luis Borges
Direção: Joaquín Soler Serrano
Apresentador e entrevistador: Joaquín Soler Serrano
País/ano: Espanha - 1998
Duração: 157 min.
Cor: colorido / branco e preto.
Suporte: videocasete (VHS)
Coleção Videoteca de la memoria literaria, Radiotelevisión Española. Barcelona: Editrama, D.L. 1


Título: Jorge Luis Borges
Duas entrevistas realizadas a Jorge Luis Borges em 8 de setembro de 1976 e 23 de abril de 1980. Inclui extras com informação adicional, biografia, bibliografia e enlaces a páginas da
web.
Coleção: Grandes personajes «A fondo».
Direção e apresentação: Joaquín Soler Serrano
Produção: Jesús González e Fernando Cabezudo
Realização: Ricardo Arias
Co-produzido:  TVE esponhola (Barcelona).
Edição: Gran Vía Musical de Ediciones e Impulso Records
País/ano: Espanha – 2004
Duração: 157 min.
Cor: colorido / branco epreto.
Suporte: 1 videodisco (DVD)


"Minhas lembranças mais vívidas não são de coisas que me aconteceram, mas de textos que li. É uma memória singular, espécie de antologia. [...] Bergson já dizia que a memória é seletiva, que a memória escolhe. Em meu caso, prefere escolher as felicidades – ou inventá-las, se não ocorreram – e esquecer as desditas A memória é essencial, posto que a literatura está feita de sonho e os sonhos se fazem combinando recordações."
- Jorge Luis Borges, citado em "CECHELERO, Vicente; HOSIASSON, Laura J. Borges em São Paulo". In: SCHWARTZ, Jorge (org.). Borges no Brasil. São Paulo: Editora UNESP; Imprensa Oficial do Estado, p. 265-280, 2001, p. 270.


Jorge Luis Borges, ilustração Beti Alonso

BORGES EM ÁUDIO
DISCOGRAFIA
LP Vinil: Borges: por él mismo sus poemas y su voz
POESIA
Lado 1
1. El General Quiroga va en coche al muere (1.42)
2. Poema conjetural (2.50)
3. Fundación mítica de Buenos Aires (2.26)
4. Un soldado de Urbina (0.50)
5. A un viejo poeta (0.50)
6. Baltasar Gracián (2.20)
7. El Gólem (4.23)
Lado 2
1. El tango (3.25) El tango (3,25)
2. Milonga de dos hermanos (1.15)
3. Milonga de Jacinto Chiclana (1.50)
4. Alusión a una sombra de mil ochocientos noventa y tantos (0.50)
5. La noche cíclica (2.45)
6. Límites (2.21)
7. A un poeta menor de la antología (1.25)
8. Everness (0.50)
9. Spinoza (0.47)
10. Poema de los dones (2.38)
11. Le Regret D'Heraclite (0.12)
Gravadora: AMB Discografía 123-1, LP, ISBN A8475224288.
** Em 1999 – foi relançado em CD, pela Visor, acompanhado por um livreto de 48 páginas.


Disco (CD) Borges por Borges
Realização: Secretaría de Cultura / Presidencia de la Nación
País/ano: Argentina - 1999


Em parceria
LP vinil: El Tango
Edmundo Rivero - Astor Piazzolla y Luis Medina Castro
con letra de Jorge Luis Borges - El Tango(LP)
En 1965, Astor Piazzolla y Jorge Luis Borges se unieron para crear juntos “El tango”, un disco en el que participaron el Quinteto de Piazzolla, Edmundo Rivero y Luis Medina Castro.

Faixas
1 El tango (poema Musical; 6:21).
2. Jacinto Chiclana (Milonga; 3:01)
3. Alquien le dice al tango (Tango; 3:27)
4. El Títere (Milonga Tanguera; 2:20)
5. A Don Nicanor Paredes (Milonga; 3:45)
6. Oda Intima uma Buenos Aires (Porteña ode; 2:36)

El hombre de la esquina rosada
(A suíte para 12 instrumentos, narrador e cantor.)
7. I. Aparición de Rosendo (3:47)
8. II. Rosendo y la Lujanera (2:15)
9. III. Aparición de Real (3:21)
10. IV. Nocturna Milonga (2:48)
11. V. Bailongo (1:15)
12. VI. Muerte de Real (4:43)
13. VII. Epílogo

Jorge Luis Borges, Edmundo Rivero, Astor Piazzolla 1965?
- foto: (...)
Ficha técnica
Astor Piazzolla - Música
Jorge Luis Borges - Textos
Jairo - Voz
Lito Cruz - Leitura poemas
Daniel Binelli - Bandoneon
Julio Grana - Solo violino
Andrés Spiller - Solo oboé
Sergio Balderrabano - Piano
Arianna Ruiz Cheylat - Harp
Diego Sánchez - Cello
Benjamin Bru Pesce - Viola
Brigitta Danko - Segundo violino
Martín Vásquez - Elétrica & violão espanhol
Enrique Guerra - Contrabaixo
Omar Anjo Frette - Percussão
Héctor Gerardo García - French Horn
País/ano: 1965
Studio or Live: Studio Year of performance: 1965
Selo: Polydor/Polygram Country, 829866-2
** Remazterizado 1998
___
:: TURCI-ESCOBAR, John. Rescatando al tango para una nueva música: Reconsidering the 1965
collaboration Between Borges and Piazzolla.Variaciones Borges 31, 2011. Disponível no link. (acessado em 01.6.2014).


Em homenagem
Jorge Luis Borges - foto: Sara Facio
Disco (CD) Milonga borgeana
Interprete: bernardo baraj quinteto
Selo: independente
País/ano: 1998
Repertorio: recitado (jorge luis borges) / milonga borgeana (bernardo baraj) / de villa cramer (bernardo baraj) / blues pampa (alejandro mansoni) / la añera (atahualpa yupanqui) / pan casero (alejandro mansoni) / esperando a juancito (bernardo baraj) / la barajeña (gustavo lliamgot) / tú (jose maría contursi - josé dames) / zamba enamorada (bernardo baraj) / pan de dios, jamón del diablo (gustavo lliamgot) / batallando con la arena (recop. leda valladares) / para amarse (bernado baraj) / nostalgias (enrique cadícamo - juan carlos cobián)
Quinteto: los bernardo baraj quinteto son: bernardo baraj (dirección/ saxo tenor y soprano/ flauta), alejandro mansoni (piano/ acordeón), fernando galimany (contrabajo), mariana baraj (voz/ percusión), marcelo baraj (batería)

"milonga borgeana es un homenaje a jorge luis borges, en el pretendo rescatar con menos revisión que sentimiento el espíritu de las viejas milongas a las que el maestro hacía referencia. todo el material de este cd es música argentina (...)"
- Bernardo Baraj


"Afortunadamente, el copioso estilo de la realidad no es el único: hay el del recuerdo también, cuya esencia no es la ramificación de los hechos, sino la perduración de rasgos aislados. Esa poesía es la natural de nuestra ignorancia y no buscaré otra." 
- Jorge Luis Borges, en "Evaristo Carriego".



ALGUNS POEMAS ESCOLHIDOS DE JORGE LUIS BORGES
:: Veja outros poemas bilíngue acesse AQUI!

Al vino
En el bronce de Homero resplandece tu nombre,
negro vino que alegras el corazón del hombre.

Siglos de siglos hace que vas de mano en mano

desde el ritón del griego al cuerno del germano.

En la aurora ya estabas. A las generaciones

les diste en el camino tu fuego y tus leones.

Junto a aquel otro río de noches y de días

corre el tuyo que aclaman amigos y alegrías,

vino que como un Éufrates patriarcal y profundo

vas fluyendo a lo largo de la historia del mundo.

En tu cristal que vive nuestros ojos han visto

una roja metáfora de la sangre de Cristo.

En las arrebatadas estrofas del sufí

eres la cimitarra, la rosa y el rubí.

Que otros en tu Leteo beban un triste olvido;

yo busco en ti las fiestas del fervor compartido.

Sésamo con el cual antiguas noches abro

y en la dura tiniebla, dádiva y candelabro.

Vino del mutuo amor o la roja pelea,

alguna vez te llamaré. Que así sea.
- Jorge Luis Borges, en "El otro, el mismo" (1964).


Arte poética

Fitar o rio feito de tempo e água
e recordar que o tempo é outro rio,
saber que nos perdemos como o rio
E que os rostos passam como a água.

Sentir que a vigília é outro sonho

que sonha não sonhar e que a morte
que teme nossa carne é essa morte
de cada noite, que se chama sonho.

No dia ou no ano perceber um símbolo

dos dias de um homem e ainda de seus anos,
transformar o ultraje desses anos
em música, em rumor e em símbolo,

na morte ver o sonho, ver no ocaso

um triste ouro, tal é a poesia,
que é imortal e pobre. A poesia 
retorna como a aurora e o ocaso.

Às vezes pelas tardes certo rosto

contempla-nos do fundo de um espelho;
a arte deve ser como esse espelho
que nos revela nosso próprio rosto.

Contam que Ulisses, farto de prodígios,

chorou de amor ao divisar sua Ítaca
verde e humilde. A arte é essa Ítaca
de verde eternidade, sem prodígios.

Também é como o rio interminável

que passa e fica e é cristal de um mesmo
Heráclito inconstante, que é o mesmo
e é outro, como o rio interminável.


Arte poética
Mirar el río hecho de tiempo y agua
y recordar que el tiempo es otro río,
saber que nos perdemos como el río
y que los rostros pasan como el agua.

Sentir que la vigilia es otro sueño
que sueña no soñar y que la muerte
que teme nuestra carne es esa muerte
de cada noche, que se llama sueño.

Ver en el día o en el año un símbolo
de los días del hombre y de sus años,
convertir el ultraje de los años
en una música, un rumor y un símbolo,

ver en la muerte el sueño, en el ocaso
un triste oro, tal es la poesía
que es inmortal y pobre. La poesía
vuelve como la aurora y el ocaso.

A veces en las tardes una cara
nos mira desde el fondo de un espejo;
el arte debe ser como ese espejo
que nos revela nuestra propia cara.

Cuentan que Ulises, harto de prodigios,
lloró de amor al divisar su Itaca
verde y humilde. El arte es esa Itaca
de verde eternidad, no de prodigios.

También es como el río interminable
que pasa y queda y es cristal de un mismo
Heráclito inconstante, que es el mismo
y es otro, como el río interminable.
- Jorge Luis Borges, em "O fazedor". [tradução de Josely Vianna Baptista]. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.
- Jorge Luis Borges, en "El hacedor", 1960.



Jorge Luis Borges na biblioteca, por (...)
A rosa,
a imarcescível rosa que não canto,
a que é peso e fragrância,
a do negro jardim na alta noite,
a de qualquer jardim e qualquer tarde,
a rosa que ressurge da mais ténue
cinza pela arte da alquimia,
a rosa de Ariosto ou a dos Persas,
a que está sempre só,
aquela que é sempre a rosa das rosas,
a jovem flor platônica,
a ardente e cega rosa que não canto,
a rosa inatingível.


La rosa,
la inmarcesible rosa que no canto,
la que es peso y fragancia,
la del negro jardín de la alta noche,
la de cualquier jardín y cualquier tarde,
la rosa que resurge de la tenue
ceniza por el arte de la alquimia,
la rosa de los persas y de Ariosto,
la que siempre está sola,
la que siempre es la rosa de las rosas,
la joven flor platónica,
la ardiente y ciega rosa que no canto,
la rosa inalcanzable. 
- Jorge Luis Borges, em "Obra Poética" Vol. 1 [inclui os livros "O Fervor de Buenos Aires", "Lua Defronte" e "Caderno de San Martín"].. (tradução Fernando Pinto do Amaral). Editora Quetzal.
- Jorge Luís Borges, in: "Fervor" (1923).


El suicida
No quedará en la noche una estrella.
No quedará la noche
Moriré y conmigo la suma
Del intolerable universo.
Borraré las pirámides, las medallas,
Los continentes y las caras.
Borraré la acumulación del pasado.
Haré polvo la historia, polvo el polvo.
Estoy mirando el último poniente.
Oigo el último pájaro.
Lego la nada a nadie.
- Jorge Luís Borge, in: "La rosa profunda". In: _____ Obras completas. 1975-1985. Vol.2. Buenos Aires: Emecé, 1989, p.86. 



El ápice

No te habrá de salvar lo que dejaron
escrito aquellos que tu miedo implora;
no eres los otros y te ves ahora
centro del laberinto que tramaron
tus pasos. No te salva la agonía
de Jesús o de Sócrates ni el fuerte
Siddharta de oro que aceptó la muerte
en un jardín, al declinar el día.
Polvo también es la palabra escrita
por tu mano o el verbo pronunciado
por tu boca. No hay lástima en el Hado
y la noche de Dios es infinita.
Tu materia es el tiempo, el incesante
tiempo. Eres cada solitario instante.
- Jorge Luis Borges, en "La cifra", 1981.



Fragmento
Una espada,
una espada de hierro forjada en el frío del alba,
una espada con runas
que nadie podrá desoír ni descifrar del todo,
una espada del Báltico que será cantada en Nortumbria,
Una espada que los poetas
igualarán al hielo y al fuego,
Jorge Luis Borges,  por Régis
una espada que un rey dará a otro rey
y este rey a un sueño,
una espada que será leal
hasta una hora que ya sabe el Destino,
una espada que iluminará la batalla.

Una espada para la mano
que regirá la hermosa batalla, el tejido de hombres,
una espada para la mano
que enrojecerá los dientes del lobo
y del despiadado pico del cuervo,
una espada para la mano
que prodigará el oro rojo,
una espada para la mano
que dará muerte a la serpiente en su lecho de oro,
una espada para la mano
que ganará un reino y perderá un reino,
una espada para a mano
que derribará la selva de lanzas.
Una espada para la mano de Beowulf.
- Jorge Luis Borges, en "El otro, el mismo", 1964.



Inscrição sepulcral
[Para o meu bisavô, coronel Isidoro Suárez]
Explodiu a valentia sobre os Andes.
Arrostou montanhas e exércitos.
A audácia foi o hábito da sua espada.
Impôs na planície de Junín
um final venturoso à batalha
e às lanças do Peru deu sangue espanhol.
Escreveu a sua lista de façanhas
em prosa hirta como os clarins belíssonos.
Escolheu o honroso desterro.
Agora é um pouco de cinza e de glória.
- Jorge Luis Borges, em "Obra Poética" Vol. 1 [inclui os livros "O Fervor de Buenos Aires", "Lua Defronte" e "Caderno de San Martín"].. (tradução Fernando Pinto do Amaral). Editora Quetzal.


Límites

Hay una línea de Verlaine que no volveré a recordar,
Hay una calle próxima que está vedada a mis pasos,
Hay un espejo que me ha visto por última vez,
Hay una puerta que he cerrado hasta el fin del mundo.
Entre los libros de mi biblioteca (estoy viéndolos)
Hay alguno que ya nunca abriré.
Este verano cumpliré cincuenta años:
La muerte me desgasta, incesante.
De Inscripciónes (Montevideo, 1923), de Julio Platero Haedo
- Jorge Luís Borges, “Límites”. In: “El hacedor” Obras completas. Buenos Aires: Emecé Editoras, 1974, p.849.


Jorge Luis Borges, pintura  Iñaki Massini Pontis (2010)
Milonga del puñal
En Pehuajó me lo dieron
unas manos generosas;
más vale que no presagie
que vuelve el tiempo de Rosas.

La empuñadura sin cruz
es de madera y de cuero;
abajo sueña su oscuro,
sueño de tigre el acero.

Soñará con una mano
que lo salve del olvido;
después vendrá lo que el hombre
de esa mano ha decidido.

El puñal de Pehuajó
no debe una sola muerte;
el forjador lo forjó
para una tremenda suerte.

Lo estoy mirando, preveo
un porvenir de puñales
o de espadas (da lo mismo)
y de otras formas fatales.

Son tantas que el mundo entero
está a punto de morir.
Son tantas que ya la muerte
no sabe dónde elegir.

Duerme tu sueño tranquilo
entre las tranquilas cosas,
no te impacientes, puñal.
Ya vuelve el tiempo de Rosas.
- Jorge Luis Borges, en "Atlas", 1985.



Os justos
Um homem que cultiva o seu jardim, como queria Voltaire.
O que agradece que na terra haja música.
O que descobre com prazer uma etimologia.
Dois empregados que num café do Sul jogam um silencioso xadrez.
O ceramista que premedita uma cor e uma forma.
O tipógrafo que compõe bem esta página, que talvez não lhe agrade.
Uma mulher e um homem que lêem os tercetos finais de certo canto.
O que acarinha um animal adormecido.
O que justifica ou quer justificar um mal que lhe fizeram.
O que agradece que na terra haja Stevenson.
O que prefere que os outros tenham razão.
Essas pessoas, que se ignoram, estão a salvar o mundo.


Los justos
Un hombre que cultiva su jardín, como quería Voltaire.
El que agradece que en la tierra haya música.
El que descubre con placer una etimología.
Dos empleados que en un café del Sur juegan un silencioso ajedrez.
El ceramista que premedita un color y una forma.
El tipógrafo que compone bien esta página, que tal vez no le agrada.
Una mujer y un hombre que leen los tercetos finales de cierto canto.
El que acaricia a un animal dormido.
El que justifica o quiere justificar un mal que le han hecho.
El que agradece que en la tierra haya Stevenson.
El que prefiere que los otros tengan razón.
Esas personas, que se ignoran, están salvando el mundo.
- Jorge Luís Borges, em "A Cifra". (tradução de Fernando Pinto do Amaral).
- Jorge Luís Borges, "La cifra". Obras completas II. Buenos Aires: Emecé, 1989.




Jorge Luis Borges, por ksennin
O sul
De um dos teus pátios ter olhado
as antigas estrelas,
e do banco da sombra ter olhado
essas luzes dispersas
que a minha ignorância não aprendeu a nomear
nem a ordenar em constelações,
ter sentido o círculo da água
na secreta cisterna,
o cheiro do jasmim, da madressilva,
o silêncio do pássaro a dormir,
o arco do saguão, a humidade
- essas coisas talvez sejam o poema.
- Jorge Luis Borges, em "Obra Poética" Vol. 1 [inclui os livros "O Fervor de Buenos Aires", "Lua Defronte" e "Caderno de San Martín"].. (tradução Fernando Pinto do Amaral). Editora Quetzal.



Soneto del vino
¿En qué reino, en qué siglo, bajo qué silenciosa 
conjunción de los astros, en qué secreto día 
que el mármol no ha salvado, surgió la valerosa 
y singular idea de inventar la alegría?

Con otoños de oro la inventaron. El vino 

fluye rojo a lo largo de las generaciones 
como el río del tiempo y en el arduo camino 
nos prodiga su música, su fuego y sus leones.

En la noche del júbilo o en la jornada adversa 

exalta la alegría o mitiga el espanto 
y el ditirambo nuevo que este día le canto

otrora lo cantaron el árabe y el persa. 

Vino, enséñame el arte de ver mi propia historia 
como si ésta ya fuera ceniza en la memoria.
- Jorge Luis Borges, en "El otro, el mismo" (1964).


Poemas de Jorge Luis Borges, recitados por ele mesmo


Borges em Buenos Aires, Argentina, (1983) - foto: Christopher Pillitz/Getty
FORTUNA CRÍTICA DE JORGE LUIS BORGES
[Estudos Acadêmicos: teses, dissertações, monografias, ensaios e artigos; artigos jornalísticos e entrevistas]
:: ACESSE AQUI!


"Eu li praticamente toda a obra de Borges, admiro-o profundamente. Quanto ao problema de uma possível influência, de quaisquer influências, problema que me preocupa muito – é uma coisa extremamente complexa, que nós mesmos, escritores, não podemos definir e deslindar. [...] Creio que tem havido encontros entre mim e outros escritores. Admiro e conheço Borges demais. Outro dia, um escritor português, aliás muito inteligente, me disse que “Borges
Jorge Luis Borges (1943)
foto: Gisele Freund, Granger/Collection
sumiu diante de Lezama Lima, o autor de Paradiso.” Não li, não sei, talvez eu não creia por antecipação. Aliás, não posso mais ler calhamaços, não posso mais ler romances de 500 páginas. Livros de 500 páginas só leio a Divina Comédia. Reconheço, como ia dizendo, que há encontros, que posso ter sofrido influências, mas isso não é consciente em mim. Um novo livro meu, que está sendo editado pelo Conselho Editorial de Cultura de São Paulo – Retratos-Relâmpago – é composto de pequenos perfis de escritores, poetas, músicos, pintores
etc. Há nele um perfil de Borges. E o escritor italiano Ruggero Jacobbi, que tem se ocupado de minha obra na Itália, quando leu essa página me disse: “é uma concentração do espírito de Borges”. De maneira que é um dado que lhes forneço. É possível que haja uma afinidade entre mim e este escritor extraordinário, mesmo porque os temas principais de Borges, tema aliás de toda literatura contemporânea, em vários escritores, inclusive em Machado de Assis, especialmente no capítulo sete de Brás Cubas, o delírio, é o problema do tempo... Não em vão escrevi Tempo e Eternidade, Tempo Espanhol. Enfim, eu sou hanté pelo problema do tempo. Em Borges, um dos pilares de sua obra é a questão do tempo e talvez nisso resida
um ponto de encontro."
- Murilo Mendes, em: ARAÚJO, Laís Corrêa de. Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia e correspondência. São Paulo: Perspectiva, 2000, p. 357.


María Kodama lê para Borges
JORGE LUIS BORGES ONLINE
:: Jorge Luis Borges - Obras Completas 1923-1972.[Edición dirigida y realizada por Carlos V. Frías].Buenos Aires: Emecé Editores, 1974.(espanhol).. Disponível no link. (acessado em 1.6.2014).
:: Jorge Luis Borges - História Universal da infâmia - in: Obras Completas vol. 1 (1923-1949). [tradução de Alexandre Eulálio; e revisão de tradução Maria Carolina de Araújo e Jorge Schwartz]. Editora Globo, 1998. Disponível no link(acessado em 1.6.2014).
  

“Um homem se propõe a tarefa de desenhar o mundo. Ao longo dos anos, povoa um espaço com imagens de províncias, de reinos, de montanhas, de baías, de naus, de ilhas, de peixes, de moradas, de instrumentos, de astros, de cavalos e de pessoas. Pouco antes de morrer, descobre que esse paciente labirinto de linhas traça a imagem de seu rosto.”
- Jorge Luis Borges, no epílogo de O Fazedor (1960), em "Obras completas - vol. II", São Paulo: Globo, 1999, p.254.


"Un hombre se propone a la tarea de dibujar el mundo. A lo largo de los años puebla un espacio con imágenes de provincias, de reinos, de montañas, de bahías, de naves, de islas, de peces, de habitaciones, de instrumentos, de astros, de caballos y de personas. Poco antes de morir, descubre que ese paciente laberinto de líneas traza la imagen de su cara."
- Jorge Luis Borges, no epílogo de "El Hacedor (1960)", em "Obras completas - vol. II". Buenos Aires: Emecé, 2002, p.232.



Jorge Luis Borges
FUNDACIÓN INTERNACIONAL JORGE LUIS BORGES
La Fundación Internacional Jorge Luis Borges, creada por María Kodama el 24 de agosto de 1988, fue registrada el 11 de noviembre del mismo año en la Inspección General de Justicia obteniendo así la correspondiente personería jurídica que la habilita para el desarrollo de sus actividades.
La Fundación alberga objetos que pertenecieron a Borges: su biblioteca, las primeras ediciones de sus libros y algunos manuscritos; su colección de bastones, cuadros, sus talismanes. Asimismo, los premios, condecoraciones y diplomas recibidos. En el primer piso se ha recreado su dormitorio de la casa de la calle Maipú 994. La hemeroteca será inaugurada proximamente.
Serviço
Endereço: Anchorena 1660, Capital Federal, Argentina
Tel.: +54(11) 4822-8340 - Fax: +54(11) 4822-4940


VEJA MAIS JORGE LUIS BORGES ACESSANDO AQUI
Jorge Luis Borges

:: Jorge Luis Borges - fortuna crítica
:: Jorge Luis Borges - poemas bilíngue


PÁGINA DEDICADA A LITERATURA LATINO-AMERICANA (FACEBOOK)
:: Literatura Latino-americana / Literatura latinoamericana


EDITORAS
Argentina

Brasil


REFERÊNCIAS E OUTRAS FONTES DE PESQUISA


© Direitos reservados aos herdeiros

© Pesquisa, seleção e organização: Elfi Kürten Fenske


=== === ===
Trabalhos sobre o autor:
Caso, você tenha algum trabalho não citado e queira que ele seja incluído - exemplo: livro, tese, dissertação, ensaio, artigo - envie os dados para o nosso "e-mail de contato", para que possamos incluir as referências do seu trabalho nesta pagina. 

Como citar:
FENSKE, Elfi Kürten (pesquisa, seleção e organização). Jorge Luis Borges - a biblioteca de Babel. Templo Cultural Delfos, junho/2014. Disponível no link. (acessado em .../.../...).
____
Página atualizada 21.4.2016.



Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2016 Templo Cultural Delfos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!