Celso Furtado - cultura e desenvolvimento

 
Celso Furtado - foto: Fabio Motta - Agência Estadão/AE
"Eu venho de um mundo que me parecia catastrófico. Pombal é das cidades mais ásperas do sertão. Região seca, de homens secos. Muito menino, eu olhava pela fresta da janela a chegada dos cangaceiros.”
- Celso Furtado


“Porque no centro de minhas reflexões estavam problemas reais, a pesquisa econômica foi sempre para mim um meio de preparar a ação, minha ou de outros. Compreender melhor o mundo para agir sobre ele com mais eficácia. Isso significa que os fins últimos devem estar sempre presentes no espírito.”
- Celso Furtado


“É velho lugar-comum, muitas vezes esquecido, afirmar que a economia existe para o homem, não o homem para a economia. Sempre pensei como cidadão de meu país e membro da humanidade, logo, como político. Se procurei estudar economia foi na busca de instrumentos que pudessem ajudar a organizar o mundo, e organizar o mundo é construir a justiça.”
- Celso Furtado


Celso Furtado - Foto: Nelson Perez /Valor Econômico
Celso Monteiro Furtado nasceu em Pombal (PB) no dia 26 de julho de 1920, filho de Maurício Medeiros Furtado e de Maria Alice Monteiro Furtado. Em 1944, formou-se em Direito. Em janeiro de 1945 embarcou para a Itália como aspirante a oficial da Força Expedicionária Brasileira (Feb). Retornou ao Brasil em agosto, onde permaneceu até 1946.

Em 1947 viajou para a Inglaterra para um período de estudos na London School of Economics. Retornando ao Brasil, foi trabalhar na Fundação Getulio Vargas. Em 1949 transferiu-se para Santiago do Chile para trabalhar na recém-criada Comissão Econômica para a América Latina (Cepal). No ano seguinte, em 1950, foi nomeado diretor da divisão de Desenvolvimento Econômico desta Comissão.

Em 1953 transferiu-se para o Rio de Janeiro, convidado para presidir o Grupo Misto de Estudos criado a partir de um convênio celebrado entre a Cepal e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDE). Em outubro de 1955 retornou à sede da Cepal, em Santiago do Chile, para dirigir um estudo sobre a economia mexicana, o que acabou resultando em nova mudança, desta vez para a Cidade do México, em 1956.

Em 1958 foi nomeado pelo presidente Juscelino Kubitschek interventor junto ao Grupo de Trabalho para o Desenvolvimento do Nordeste (GTDN). Em janeiro de 1959 realizou-se no Palácio Rio Negro, em Petrópolis (RJ), uma reunião convocada por Kubitschek para discutir a situação do Nordeste, que atravessava grave crise decorrente da seca. Celso Furtado apresentou ao presidente da República os resultados dos estudos que vinha realizando junto ao GTDN, recebendo a incumbência de elaborar um plano de política econômica para aquela região.

Em nova reunião convocada por Kubitschek um mês depois no palácio do Catete, Celso Furtado expôs seu trabalho, lançando-se a idéia de transformação do Conselho de Desenvolvimento do Nordeste (Codeno) em uma estrutura mais atuante, que daria origem à Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), criada como meta especial do governo Kubitschek. Ainda no mês de fevereiro foi enviado ao Congresso Nacional o projeto que propunha a criação da Sudene, com sede em Recife, e a indicação de Celso Furtado como superintendente.

A Sudene foi criada em meio a um grande movimento de opinião pública que assumiu caráter nacional. O anteprojeto de lei dispondo sobre sua criação teve difícil tramitação no Congresso, devido a resistências à nomeação de Furtado para dirigir o órgão. Enquanto trabalhava na organização da entidade, Celso Furtado empenhou-se na luta pela aprovação do projeto no Congresso e por sua aceitação pela opinião pública.

Em 27 de maio de 1959, finalmente, a Câmara dos Deputados aprovou a criação da Sudene, e a 13 de dezembro seguinte foi sancionada a Lei nº 3.692 que instituía o novo órgão, vinculado diretamente à presidência da República. A Sudene era definida como uma agência de desenvolvimento regional, incumbida de planejar e coordenar os programas socioeconômicos de interesse do Nordeste, sendo-lhe conferido o poder de atuar como órgão centralizador dos investimentos federais na região.

Nomeado primeiro superintendente da Sudene, Celso Furtado foi designado pelo BNDE para coordenar em Recife a instalação do novo órgão. A fim de sistematizar os trabalhos e assegurar-lhes continuidade de ação, a Sudene passou a operar em função de planos plurianuais, denominados planos diretores de desenvolvimento econômico e social do Nordeste.

Celso Furtado - Foto: Unicamp/Divulgação
Em maio de 1960 foi encaminhado ao Congresso o primeiro destes planos diretores, que provocou intenso debate político. O plano norteava-se por quatro diretrizes: a sistematização dos investimentos em matéria de transportes, o aumento da capacidade de energia elétrica, o aproveitamento dos recursos humanos e a reestruturação da economia rural. Outros objetivos eram a industrialização, a colonização do Maranhão, a criação de uma reserva alimentar de emergência e o levantamento dos recursos minerais. O plano também facultava à Sudene a organização ou a incorporação de sociedades de economia mista com o fim de executar obras tidas como prioritárias para o desenvolvimento regional.

A oposição ao I Plano Diretor da Sudene - liderada por políticos nordestinos ligados a setores que receavam perder suas posições e privilégios com a atuação da Sudene - foi finalmente derrotada na Câmara dos Deputados que, em agosto de 1961, o aprovou.

Em 25 de agosto de 1961 Jânio Quadros renunciou à presidência da República, provocando uma grave crise política no país. Os ministros militares decidiram vetar a posse do vice-presidente João Goulart. Neste período, Celso Furtado continuou na superintendência da Sudene. Em 1962, nomeado por Goulart para ocupar o ministério do Planejamento, seria incumbido de elaborar, em dois meses, um plano de política econômica para o governo, que foi divulgado oficialmente em 30 de dezembro com o nome de Plano Trienal de Desenvolvimento Econômico e Social.

A política econômica do governo presidencialista de Goulart baseou-se nas diretrizes traçadas pelo Plano Trienal, executado sob a direção de Celso Furtado e San Tiago Dantas. Com o fracasso dos planos de estabilização e de crescimento econômico propostos pelo Plano Trienal, Goulart decidiu promover mudanças em seu ministério. Em fins de junho deixou o cargo de ministro e voltou a Recife para dedicar-se integralmente à Sudene até 31 de março de 1964, quando eclodiu o movimento político-militar que depôs Goulart e instaurou novo regime no país, forçando sua saída do órgão. Com a edição do Ato Institucional nº 1 (AI-1), Celso Furtado teve seu nome incluído na primeira lista de cassados.

Em meados de abril embarcou no Rio de Janeiro para Santiago do Chile, a convite do Instituto Latino-Americano para Estudos de Desenvolvimento (Ildes), ligado à Cepal. Em setembro, mudou-se para New Haven, nos Estados Unidos, assumindo o cargo de pesquisador graduado do Instituto de Estudos do Desenvolvimento da Universidade de Yale. Daí em diante, dedicou-se a atividades de ensino e pesquisa nas universidades de Yale, Harvard e Colúmbia, nos EUA, de Cambridge, na Inglaterra, e da Sorbonne, na França, onde assumiu a cátedra de professor efetivo a convite da Faculdade de Direito e Ciências Econômicas da Universidade de Paris.

Celso Furtado (1992) 
Foto: Adi Leite/Folhapress.
Durante toda a década de 1970, dedicou-se intensamente a atividades docentes e à redação e publicação de livros. Foi beneficiado pela anistia decretada em agosto de 1979. Em agosto de 1981 filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), agremiação criada a partir da extinção do bipartidarismo em novembro de 1979.

Em 1984 participou intensamente da campanha de Tancredo Neves às eleições indiretas para a presidência da República. Em janeiro de 1985 foi convidado para participar da comissão destinada a elaborar o Plano de Ação do Governo de Tancredo. Ainda em março, foi indicado pelo presidente José Sarney, empossado com a morte de Tancredo Neves, embaixador do Brasil junto à Comunidade Econômica Européia sediada em Bruxelas, na Bélgica, assumindo o posto em outubro. Em fevereiro de 1986 substituiu o ministro Aluísio Pimenta na pasta da Cultura. Em agosto de 1988 transmitiu o cargo.

Fora do governo, voltou-se novamente para suas atividades literárias e acadêmicas. Morando seis meses por ano em Paris, passou a integrar, como membro permanente, a Comissão de Desenvolvimento e Cultura da Organização das Nações Unidas (Onu). Em 1997 tornou-se membro do Comitê de Bioética da Unesco. Em 31 de outubro de 1997 tomou posse na Academia Brasileira de Letras (ABL). Foi casado em primeiras núpcias com Lúcia Piave Tosi, com quem teve dois filhos e, em segundas núpcias, com a jornalista Rosa Freire d'Aguiar.
:: Fonte: Dicionário Histórico Biográfico Brasileiro pós 1930. 2ª ed. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2001.


“O problema difícil é criar valores. O homem se justifica pelos valores que tem. A sociedade se aglutina a partir da comunidade de valores. Numa sociedade determinada se criam valores novos e isso é um mistério para nós. Vejamos no plano da estética. Há períodos de criação de valores, como foi o século de Péricles, o século de Leonardo. Períodos em que a humanidade cria valores excepcionais, estéticos, e há outros longos períodos em que ela não cria quase nada. Isso nos escapa, mas nos mostra que potencialmente o homem é capaz de fazer tais coisas. Nada indica que ele tenha perdido a faculdade de criar novos valores, abrir novos horizontes, criar uma civilização nova.”
- Celso Furtado


“A cultura brasileira nasceu marcada por um duplo esforço de adaptação: do homem europeu aos trópicos, e de povos de origens profundamente diversas — ameríndios e africanos — à dominação européia. Menos visível na formação da cultura brasileira foi o fato de que os povos oprimidos constituíram-se naqueles que mais contribuíram para a configuração do modo de ser brasileiro. Daí a importância, entre nós, do conceito de identidade cultural.”
- Celso Furtado


"Por maior que seja o apego dos homens às formas de vida nas quais se criaram e adquiriram seus padrões de comportamento, por mais intensas que sejam as tendências conservadoras em determinados tipos de sociedade, o processo de mudança cultural aparece por toda parte como a força criadora das civilizações. A transformação dos padrões culturais resulta do fato mesmo de que a cultura é uma coisa viva, em inter-relação permanente com o meio e com outras culturas. É de observação corrente, entretanto, que as mudanças culturais não se realizam com igual facilidade em todos os setores da atividade social. Existe, em toda cultura, uma área de atividade ou crenças onde se polarizam as atenções dos indivíduos, onde se entrechocam com maior frequência os pontos de vista, onde se observa uma diferenciação estrutural mais larga. Em torno dessa área se estabelece um processo de permanentes entre-choques pessoais, pois a mesma está aberta à curiosidade, ao interesse e à imaginação criadora dos indivíduos. Repetidas vezes se há observado que o campo de mais rápida mudança na sociedade moderna é o da técnica."
- Celso Furtado, em “A economia brasileira”. Rio de Janeiro: A Noite, 1954, p. 21.
 
Celso Furtado - Foto: Companhia das Letras/Divulgação
CRONOLOGIA
1920 - 26 de julho: Celso Furtado nasce em Pombal, no sertão paraibano. Seu pai, Maurício de Medeiros Furtado, é um jovem advogado que, na tradição da família de magistrados, será juiz e desembargador. Sua mãe, Maria Alice Monteiro, é de uma família de proprietários de terra. Celso é o segundo dos oito filhos que terá o casal.
1924 - Pombal sofre a “cheia do século”. Integrantes da coluna Prestes passam perto da cidade.
1927 - A família fixa residência na Cidade da Paraíba, como então se chamava a capital do estado.
1930 - João Pessoa, presidente da província e candidato a vice-presidente na chapa de Getúlio Vargas, é assassinado no Recife. Sua morte é o estopim da Revolução de 30.
1932 - Início dos estudos secundários, no Liceu Paraibano, e no Ginásio Pernambucano, no Recife.
1936 - Dá aulas de geografia e português e dirige cursos noturnos de escolas públicas.
1939 - Chega ao Rio de Janeiro, indo morar em pensões no Flamengo e na Lapa.
1940 - Ingressa na Faculdade Nacional de Direito. Tem seu primeiro emprego, na Revista da Semana, como secretário de redação, depois repórter e crítico de música. Será também revisor do Correio da Manhã.
1942 - Viaja a Ouro Preto para reportagem com a equipe do cineasta Orson Welles. Descobre a sociologia alemã de Max Weber, Ferdinand Tönnies, Hans Freyer, Georg Simmel. Lê Schumpeter e Manheim.
1943 - Aprovado nos concursos para Assistente de Organização do DASP e Técnico de Administração do DSP-RJ, entrando para o funcionalismo público federal. Trabalha em Niterói.
1944 - Cursa o CPOR (Corpo de Preparação de Oficiais da Reserva). Escreve seus primeiros artigos, sobre administração e organização, na Revista do Serviço Público, do DASP. Bacharel em Direito. Convocado para a Força Expedicionária Brasileira.
1945 - Embarca para a Itália como aspirante a oficial da FEB. De volta ao Brasil, faz uma viagem ao sertão da Paraíba e toma a decisão de não ser advogado, como o pai, mas economista.
Celso Furtado, foto: (...)
1946 - Ganha o prêmio Franklin D. Roosevelt, do Instituto Brasil-Estados Unidos, com o ensaio “Trajetória da democracia na América”. Colabora para a revista Cultura Política. Publica De Nápoles a Paris – Contos da vida expedicionária, seu primeiro livro. Muda-se para Paris, onde fará um doutorado em economia na Faculdade de Direito e Ciências Econômicas da Universidade de Paris-Sorbonne. No Instituto de Ciências Políticas, faz um seminário de leitura sistemática de Marx.
1947 - Visita a London School of Economics. Integra a brigada francesa de reconstrução de uma ferrovia na Bósnia, perto de Sarajevo. Participa do Festival da Juventude em Praga. Envia artigos para a Revista da Semana, Panfleto e Observador Econômico e Financeiro.
1948 - Doutor em economia pela Universidade de Paris, com a tese “L’économie coloniale brésilienne”. Retorna ao Brasil, entra para o quadro de economistas da Fundação Getúlio Vargas, trabalhando na revista Conjuntura Econômica. Casa-se com Lucia Tosi, com quem terá os filhos Mario e André.
1949 - Integra-se à recém-criada Comissão Econômica para a América Latina (CEPAL), órgão das Nações Unidas sediado em Santiago do Chile.
1950 - O economista argentino Raúl Presbisch assume a secretaria-executiva da CEPAL e o nomeia Diretor da Divisão de Desenvolvimento. Será encarregado de missões na Argentina, Costa Rica, Venezuela, no Equador e no Peru. A Revista Brasileira de Economia, da Fundação Getúlio Vargas, publica seu primeiro ensaio de análise econômica, “Características gerais da economia brasileira”.
1951 - Encontra-se nos Estados Unidos com Vassili Leontieff, Walt Rostow, Melville Herskovits, Theodor Schultz, durante viagem a universidades e instituições de pesquisa e ensino que trabalham com o desenvolvimento econômico.
1952 - A Revista Brasileira de Economia publica “Formação de capital e desenvolvimento econômico”, seu primeiro artigo de circulação internacional, traduzido para o International Economic Papers, órgão da Associação Internacional de Economia que veicula contribuições à teoria econômica apresentadas em outras línguas.
1953 - Preside o Grupo Misto CEPAL-BNDE, cujo estudo sobre a economia brasileira, com ênfase especial nas técnicas de planejamento — “Esboço de um programa de desenvolvimento, período de 1955-1962” — servirá de base ao Plano de Metas do governo de Juscelino Kubitschek.
1954 - Publica A economia brasileira, seu primeiro livro de economia.
1955 - Cria no Rio de Janeiro o Clube de Economistas, que lança a revista Econômica Brasileira.
1956 - Muda-se para a Cidade do México, em missão da CEPAL. Publica Uma economia dependente.
1957 - Estudos de pós-graduação no King’s College da Universidade de Cambridge, Inglaterra. Aí escreve Formação econômica do Brasil, seu livro mais difundido no Brasil e traduzido em nove línguas.
1958 - Desliga-se da CEPAL e assume uma diretoria do BNDE.  O Nordeste sofre uma das piores secas do século, que desaloja meio milhão de pessoas. O presidente Juscelino Kubitschek o nomeia interventor no Grupo de Trabalho do Desenvolvimento do Nordeste (GTDN). Elabora o estudo “Uma política de desenvolvimento para o Nordeste”, origem do Conselho de Desenvolvimento do Nordeste (CODENO). É nomeado seu secretário-executivo. Publica Perspectivas da economia brasileira, com as conferências proferidas no ano anterior no ISEB.
1959 - 1ª edição de Formação Econômica do Brasil. Candidata-se à cátedra de professor de economia da Faculdade Nacional de Direito, da antiga Universidade do Brasil, com uma tese sobre os desequilíbrios externos nas economias subdesenvolvidas.
1960 - O Congresso aprova a lei que cria a Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE), sediada em Recife. É nomeado seu superintendente, sendo reconfirmado no cargo pelos próximos presidentes Jânio Quadros e João Goulart.
1961 - Encontro na Casa Branca com o presidente John Kennedy, que decide apoiar um programa de cooperação com a SUDENE.  Encontro com o ministro Ernesto Che Guevara, na Conferência de Punta del Este, para discutir o programa da Aliança para o Progresso. Publica Desenvolvimento e Subdesenvolvimento.
1962 - É o primeiro titular do Ministério do Planejamento, no governo João Goulart. Elabora o Plano Trienal, apresentado ao país por ocasião do plebiscito sobre o regime de governo.
Publica A pré-revolução brasileira e Subdesenvolvimento e Estado democrático.
Celso Furtado, foto: (...)
1963 - Deixa o Ministério do Planejamento e retorna à SUDENE. Concebe e implanta a política de incentivos fiscais para os investimentos na região.
1964 - O golpe militar de 31 de março cassa seus direitos políticos por dez anos, sendo seu nome incluído no AI-1.
1964 - Três prestigiosas universidades dos Estados Unidos — Yale, Harvard e Columbia — o convidam para lecionar. Em abril segue para Santiago do Chile, a convite do Instituto Latino-Americano para Estudos de Desenvolvimento (ILPES). Em setembro, muda-se para New Haven, USA, como pesquisador graduado do Centro de Estudos do Desenvolvimento da Universidade de Yale. Publica Dialética do desenvolvimento.
1965 - Assume a cátedra de professor de Desenvolvimento Econômico na Faculdade de Direito e Ciências Econômicas da Universidade de Paris. É o primeiro estrangeiro nomeado para uma universidade francesa, por decreto presidencial do general de Gaulle. Será professor da Sorbonne por vinte anos. Nos anos de exílio, suas pesquisas se concentram em três temas: o fenômeno da expansão da economia capitalista, o estudo teórico das estruturas subdesenvolvidas e o da economia latino-americana.
1966 - Publica Subdesenvolvimento e estagnação na América Latina. E, no ano seguinte, Teoria e política do desenvolvimento econômico.
1967 - Organiza, por sugestão do filósofo Jean-Paul Sartre, um número especial da revista Les Temps Modernes sobre o Brasil, em seguida traduzido como livro em várias línguas.
1968 - Vem ao Brasil pela primeira vez após sua cassação, a convite da Câmara dos Deputados, para debater a economia brasileira. Um projeto para o Brasil é lançado no Rio de Janeiro e São Paulo semanas antes do AI-5.
1970/1980 - Viagens a diversos países da África, Ásia e América Latina, em missão de agências das Nações Unidas.
1972 - Professor visitante na American University, em Washington DC. Publica Análise do “modelo” brasileiro.
1973 - Professor visitante na Universidade de Cambridge, Inglaterra, onde ocupa a cátedra Simon Bolívar. É feito Fellow do King’s College. Publica A hegemonia dos Estados Unidos e o subdesenvolvimento da América Latina.
1974 - Publica O Mito do Desenvolvimento Econômico.
1975 - Dirige um seminário sobre o Desenvolvimento Econômico na PUC de São Paulo.
1976 - Professor visitante na Columbia University, Nova York. Publica A economia latino-americana, seu livro mais difundido no exterior, e Prefácio a nova Economia Política.
1978 - Integra o Conselho Acadêmico da Universidade das Nações Unidas, Tóquio. Publica Criatividade e dependência na civilização industrial.
1979 - Após a anistia, retorna com freqüência ao Brasil, reinserindo-se na vida política. Casa-se com a jornalista Rosa Freire d’Aguiar.
1980 - Publica Pequena introdução ao desenvolvimento – um enfoque interdisciplinar.
1981 - Filia-se ao PMDB, como membro do diretório nacional. Publica O Brasil pós-“milagre”.
1982 - Diretor de pesquisas da Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais, Paris, onde durante três anos organiza seminários sobre a economia brasileira e internacional. Publica A nova dependência, dívida externa e monetarismo.
1983 - Publica Não à recessão e ao desemprego.
1984 - Publica Cultura e desenvolvimento em época de crise.
1985 - Integra, a convite do recém-eleito presidente Tancredo Neves, a comissão de notáveis (COPAG) que elabora um Plano de Ação do Governo. Assume o posto de embaixador do Brasil junto à Comunidade Econômica Européia. É membro da Comissão de Estudos Constitucionais, presidida pelo senador Afonso Arinos, para elaborar um projeto de nova Constituição. Publica A fantasia organizada, primeiro volume de memórias.
1986/1988 - Ministro da Cultura do governo José Sarney. Elabora a primeira legislação brasileira de incentivos fiscais à cultura.
1987 - Membro da South Commission, iniciativa do presidente Julius Nyerere para formular uma política para o Sul. Publica Transformação e crise na economia mundial.
1989 - Publica A fantasia desfeita, segundo volume de memórias, e ABC da dívida externa.
1991 - Publica Os ares do mundo, terceiro volume de memórias. E, no ano, seguinte, Brasil, a construção interrompida.
1993 - Membro da Comissão Mundial para a Cultura e o Desenvolvimento, da ONU/UNESCO, presidida por Javier Pérez de Cuéllar.
1996 - Membro da Comissão Internacional de Bioética da UNESCO.
1997 - A Academia de Ciências do Terceiro Mundo, em Trieste, cria o Prêmio Celso Furtado, conferido a cada dois anos a um cientista do Terceiro Mundo no campo da economia política.
A UNESCO e a Maison des Sciences de l’Homme organizam em Paris o colóquio internacional “O que é o desenvolvimento? – a contribuição de Celso Furtado”.
É eleito para a Academia Brasileira de Letras. Publica Obra autobiográfica de Celso Furtado, em 3 volumes.
1998 - Criada a Red Celso Furtado de Estudos do Desenvolvimento por professores de México, França, Brasil, Espanha, Itália e Portugal. Publica O capitalismo global, que ganha no ano seguinte o Prêmio Jabuti, na categoria Ensaio.
1999 - Publica O longo amanhecer – reflexões sobre a formação do Brasil.
2000 - Realizam-se em Belo Horizonte, Recife, João Pessoa e São Paulo seminários internacionais sobre a sua obra. Exposição “Celso Furtado: vocação Brasil”, por ocasião de seus 80 anos, na Academia Brasileira de Letras, Rio de Janeiro.
Celso Furtado, foto: (...)
2001 - Exposição “Celso Furtado: vocación Latino America”, na sede da CEPAL, Santiago do Chile.
2002 - Publica Em busca de novo modelo – reflexões sobre a crise contemporânea.
2003 - Eleito para a Academia Brasileira de Ciências. Economistas da América Latina e personalidades do mundo inteiro encaminham seu nome ao Comitê do Prêmio Nobel de Economia, em Estocolmo. Publica Raízes do subdesenvolvimento.
2004 - Durante a sessão inaugural da UNCTAD-XI, que comemora o 40º aniversário desse órgão das Nações Unidas, recebe um tributo de seu secretário-geral, embaixador Rubens Ricupero, e do secretário-geral da ONU, Koffi Anan, por sua contribuição ao pensamento econômico e ao desenvolvimento. O presidente Lula propõe, em seu discurso, a criação de um centro internacional para discutir políticas de desenvolvimento, a que dará o nome de Celso Furtado.
2004 - 20 de novembro: Celso Furtado falece em casa, no Rio de Janeiro, vítima de parada cardíaca. O presidente Lula decreta luto oficial por três dias.


“Existem limitações ao desenvolvimento da ciência que são intrínsecas, ou seja, criadas pela própria sociedade. Mas existe o fato de que as ciências ligadas à problemática humana confrontam-se com um desafio ainda maior, que é o de identificar os problemas fundamentais do homem, o que já entra no terreno da religião, da metafísica. Tudo o que podemos dizer sobre isso, nós, os cientistas, os pesquisadores, é que o compromisso com o ser humano é mais amplo do que qualquer outro, é muito mais amplo que o compromisso com os valores de minha própria cultura, que os compromissos de classe ou políticos.”
- Celso Furtado


"A responsabilidade dos intelectuais em nenhuma época foi tão grande como no presente. E essa responsabilidade vem sendo traída pela ação de uns e a omissão de outros. Os cientistas, responsáveis pela manipulação dessa suprema criação do intelecto humano que é a ciência experimental, puseram-se a serviço de mitologias políticas contra a humanidade,  transformando o destino do homem sobre a Terra em simples dado e um problema político a ser enfrentado cada dia, problema que por sua própria natureza está essencialmente constituído de elementos irracionais. Por seu lado o cientista social, a quem cabe projetar alguma luz sobre as prováveis consequências das ações dos responsáveis pela salvaguarda do interesse público – o que pode  significar prevenir em tempo atos que, por terem sido praticados com inconsciência, não são menores crimes contra a coletividade –, é o grande omisso da época presente, por comodismo ou covardia.”
- Celso Furtado, em "Dialética do desenvolvimento". 2ª ed., Rio de Janeiro: Ed. Fundo de Cultura S.A, 1964, p. 9.


Celso Furtado - Foto: (...)
OBRA
Livros
Contos da vida expedicionária - de Nápoles a Paris. Rio de Janeiro: Zelio Valverde, 1946.
L´économie coloniale brésilienne. [Tese de Doutorado da Universidade de Paris, defendida na Faculté de Droit et Sciences Economiques, junho de 1948]. Tradução brasileira: Economia Colonial no Brasil nos séculos XVI E XVII. [Apresentação do Prof. Tomás Szmrecsányi ]. São Paulo: Hucitec/ Abphe (Associação Brasileira de Pesquisadores em História Econômica), 2001.
A economia brasileira. Rio de Janeiro: Editora A Noite, 1954.
Uma economia dependente. Rio de Janeiro: Ministério da Educação (Serviço de Documentação), 1956.
Celso Furtado, por Claudão
Perspectivas da economia brasileira. Rio de Janeiro: Instituto Superior de Estudos Brasileiros, 1958.
Uma política de desenvolvimento econômico para o Nordeste. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1959.
Formação econômica do Brasil. Rio de Janeiro: ed. Fundo de Cultura, 1959; São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1965; São Paulo: Publifolha, [Coleção "Grandes nomes do pensamento brasileiro"], 2000.
A Operação Nordeste. Rio de Janeiro: Instituto Superior de Estudos Brasileiros, 1959.
Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1961.
Subdesenvolvimento e Estado democrático. Recife: Condepe, 1962.
A pré-revolução brasileira. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1962.
Dialética do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1964.
Subdesenvolvimento e estagnação na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966.
Um projeto para o Brasil. Rio de Janeiro: ed. Saga, 1968.
O mito do desenvolvimento econômico. Rio e Janeiro: Paz e Terra, 1974; edição abreviada, 1996.
A economia latino-americana. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1976.
Prefácio a nova economia política. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.
Criatividade e dependência na civilização industrial. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.
Pequena introdução ao desenvolvimento, um enfoque interdisciplinar. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1980; São Paulo: Paz e Terra, 2000.
O Brasil pós-"milagre". Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.
A nova dependência, dívida externa e monetarismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.
Não à recessão e ao desemprego. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.
Cultura e desenvolvimento em época de crise. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.
Transformação e crise na economia mundial. São Paulo: Paz e Terra, 1987.
A fantasia organizada. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.
A fantasia desfeita. São Paulo: Paz e Terra, 1989.
ABC da dívida externa. São Paulo: Paz e Terra, 1989.
Os ares do mundo. São Paulo: Paz e Terra, 1991.
Brasil, a construção interrompida. São Paulo: Paz e Terra, 1992.
Obra autobiográfica de Celso Furtado. [3 vol.], São Paulo: Paz e Terra, 1997.
Seca e poder – entrevista com Celso Furtado. São Paulo: ed. Fundação Perseu Abramo, 1998.
O capitalismo global. São Paulo: Paz e Terra, 1998.
O longo amanhecer - Reflexões sobre a formação do Brasil. São Paulo: Paz e Terra, 1999.
Introdução ao desenvolvimento: enfoque histórico-estrutural. (2000). São Paulo: Paz e Terra. (3ª ed., revista pelo autor, de Pequena introdução ao desenvolvimento: enfoque interdisciplinar)
Em busca de novo modelo - Reflexões sobre a crise contemporânea. São Paulo: Paz e Terra, 2002.
Raízes do subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.
“O teatro, ao permitir aos gregos aprofundar sua identidade cultural, penetrar nas raízes míticas do subconsciente coletivo, enriqueceu-lhes as vidas ao nível da visão do mundo e do conhecimento de si mesmos...”
- Celso Furtado, em "Criatividade e dependência na civilização industrial". Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978, p.82.

Retrato de Celso Furtado,  por Samson Flexor (1948)
[Coleção Rosa F. de Aguiar].
Antologias
El subdesarollo latinoamericano, ensayos de Celso Furtado. [Coleção Lecturas], México: Fondo de Cultura Económica, 1982.
Obras escogidas de Celso Furtado. [Antologia del pensamiento econômico y social de América Latina]. Colômbia: Plaza e Janes, 1982.
Celso Furtado. Francisco de Oliveira (org.) & Florestan Fernandes (ed.). São Paulo: Ática, 1983.




"É nos conflitos que, com frequência, estão às sementes da renovação."
- Celso Furtado, em "O Brasil pós-milagre". 6ª ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.


Outras obras do autor
Ensaios e artigos acadêmicos – link
Prefácios, apresentações e resenhas – link
Folhetos – link
Entrevistas e depoimentos – link
Conferências e debates – link
Relatórios, comissões e planos – link


"Devemos, portanto, começar a indagar as relações que existam entre a cultura como sistema de valores e o processo de desenvolvimento das forças produtivas, entre a lógica dos fins, que rege a cultura, e a dos meios, razão instrumental inerente ao processo de acumulação."
- Celso Furtado, em "Cultura e Desenvolvimento em época de crise". Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984, p.31.


Coleções 
FURTADO, Rosa Freire D’Aguiar (org.). Ensaios sobre a Venezuela: subdesenvolvimento com abundância de divisas. [Coleção Arquivos de Celso Furtado, vol. 1]. Rio de Janeiro: Contraponto/ e Centro Celso Furtado, 2008, 188p.
Celso Furtado, Foto: (...)
FURTADO, Rosa Freire D’Aguiar (org.). Economia do desenvolvimento. [Coleção Arquivos de Celso Furtado, vol. 2]. Rio de Janeiro: Contraponto/ e Centro Celso Furtado, 2009, 256p.
FURTADO, Rosa Freire D’Aguiar (org.). O Nordeste e a saga da Sudene, 1958-64. [coleção Arquivos de Celso Furtado, vol. 3]. Rio de Janeiro: Contraponto/ e Centro Celso Furtado, 2009, 283p.
FURTADO, Rosa Freire D’Aguiar (org.). O Plano Trienal e o Ministério do Planejamento. [Coleção Arquivos de Celso Furtado, vol. 4]. Rio de Janeiro: Contraponto/ e Centro Celso Furtado, 2011, 500p.
FURTADO, Rosa Freire D’Aguiar (org.). Ensaios sobre cultura e o Ministério da Cultura. [coleção Arquivos de Celso Furtado, vol. 5]. Rio de Janeiro: Contraponto/ e Centro Celso Furtado, 2012, 198 p.
FURTADO, Rosa Freire D’Aguiar (org.). Celso Furtado e a Dimensão Cultural do Desenvolvimento. [Coleção Pensamento Crítico], Rio de Janeiro: Editora e-papers/e Centro Celso Furtado, 2013, 240p.
FURTADO, Rosa Freire D’Aguiar (org.). Essencial de Celso Furtado[Capa Raul Loureiro e Claudia Warrak]. Rio de Janeiro: Editora Companhia das Letras, (Selo Penguin), 2013, 528p.


“A mobilização da sociedade civil é uma das evoluções mais positivas a que assistimos neste final do século. Se deixarmos o mundo entregue sem limitações  às forças do mercado, veremos se agigantarem as concentrações econômicas que podem pôr em risco a existência do Estado, a democracia representativa, a legitimidade do poder político. O mundo, neste caso, se tornaria feroz, porque administrado por gerentes, tendo como sistema de valores a máquina de calcular. Felizmente, com seu instinto de sobrevivência, o homem percebe quando se aproxima o ponto crucial do perigo e reage. Foi o que aconteceu quando as colossais acumulações dos arsenais nucleares apontavam para o risco  de um suicídio coletivo. O homem tratou então de arranjar soluções para desativar a ameaça nuclear. É nesse mesmo espírito que parece se desenrolar a campanha por uma ética planetária capaz de conter os ímpetos destrutivos do capitalismo selvagem."
- Celso Furtado


Obras traduzidas
Alemão
Akkumulation und Entwicklung – zur Logik des industriellen Kommunikation (1984) [Criatividade e dependência na civilização industrial]. Trad.: Rita A. Teixeira-Vilela. Frankfurt: Verlag für Interkulturelle Kommunikation.
Die Wirtschaftliche Entwicklung Brasiliens (1975). Trad: Manfred Wöhlcke. Munich-Frankfurt: Wilhelm Fink Verlag.


Chinês
The Economic Growth of Brazil (original) (2002). Beijing: Chinese Academy of Social Sciences.
La economía latinoamericana (original) (1983). Trad: Su Zhenxing. Beijing.


Espanhol
Retrato de Celso Furtado,
por Luis Trimano (Jornal do País 1984)
Economía colonial en Brasil en los siglos XVI y XVII (2003). Trad.: Regina Crespo y Rodolfo Mata. México: Universidad de la Ciudad de México.
En busca de un nuevo modelo (2003). Trad.: Juan Ferguson. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica.
El capitalismo global (1998). Trad.: Jorge Navarrete. México: Fondo de Cultura Económica.
Los vientos del cambio (1993) [Os ares do mundo]. Trad.: Stella Mastrangelo. México: Fondo de Cultura Económica.
 Brasil, la construcción interrumpida (1992). Trad.: Stella Mastrangelo. México: Fondo de Cultura Económica.
Economía mundial – transformación y crisis (1990). Trad.: Jorge R. Pulecio. Bogotá: Tercer Mundo Editores.
 La fantasia organizada (1988). Trad.: E. Osta Ptak. Buenos Aires: EUDEBA. Edição colombiana (1989), Bogotá: Tercer Mundo Editores.
La nueva dependencia (1985). Trad.: O. Castillo. Buenos Aires: Centro Editor de America Latina.
 No a la recesión y al desempleo (1984). Trad.: G. Rozenwurcel & J.Dreizan. Buenos Aires: Paz e Terra.
 El Brasil despues del “milagro” (1983). Trad.: Stella Mastrangelo. México: Fondo de Cultura Económica.
Breve introducción al desarrollo (1983) Trad.: Stella Mastrangelo. México: Fondo de Cultura Económica.
El subdesarrollo latinoamericano (1982). México: Fondo de Cultura Económica.
 Creatividad y dependencia (1979). Trad.: Martí Soler. México: Siglo XXI.
Prefacio a una nueva economía política (1976). Trad.: Stella Mastrangelo. México: Siglo XXI.
 El desarrollo económico: un mito (1975). Trad.: Stella Mastrangelo. México: Siglo XXI.
Análisis del “modelo”brasileño (1972). Trad.: Estela dos Santos. Buenos Aires: Centro Editor de America Latina.
 El poder económico: Estados Unidos y América (1971) [Um projeto para o Brasil (1968)]. Trad.: Rosa Cusminsky. Buenos Aires: Centro Editor de America Latina.
Dos análisis de la economía latino-americana (1971) [Um projeto para o Brasil e Análise do “modelo” brasileiro]. Trad.: Rosa Cusminsky. Buenos Aires: Centro Editor de America Latina.
Los Estados Unidos y el subdesarrollo de America Latina (1971). Lima: Campodonico.
La hegemonia de los Estados Unidos y America Latina (1971). (Textos extraídos de Subdesenvolvimento e estagnação na América Latina e Um projeto para o Brasil) Trad.: Raúl Rosenbuj. Barcelona-Madri: Edicusa.
 La economía latinoamericana — desde la Conquista Ibérica hasta la Revolución Cubana (1970). Trad.: A. Gimpel Smith. Santiago do Chile: Editorial Universitária. Edição mexicana: La economía latinoamericana – formación histórica y problemas contemporáneos (1971). Trad.: A. Gimpel Smith & S. Mastrangelo. México: Siglo XXI. Edição cubana: Breve história económica de América Latina (1972). Trad: A. Gimpel Smith. Havana: Guairas.
 Teoría y política del desarrollo económico (1968). Trad.: F. de Oliveira & M. Soler. México: Siglo XXI.
Subdesarrollo y estancamiento en America Latina (1966). Trad.: S. Chuahy. Buenos Aires: EUDEBA.
Brasil en la encrucijada histórica (1966) [A pré-revolução brasileira (1962)]. Trad.: O. Durán. Barcelona: Nova Terra.
Dialéctica del desarrollo (1965). Trad.: Benjamin Hopenhayn. México: Fondo de Cultura Económica.
 Desarrollo y subdesarrollo (1964) Trad.: Ana O’Neill. Buenos Aires: EUDEBA.
Formación económica del Brasil (1962). Trad.: Demetrio Aguilera Malta. México: Fondo de Cultura Económica.


Capa do livro Formação Econômica do Brasil,
Celso Furtado (Cia Editora Nacional)
Francês
La formation économique du Brésil (1998). Trad.: Janine Peffau. Paris: Publisud.
Globalisation et exclusion – le cas du Brésil (1995) (Brasil: a construção interrompida). Trad.: Abdelkader Sid Ahmed. Paris: Publisud.
 Brève introduction au développement (1989). Trad.: Abdelkader Sid Ahmed. Paris: Publisud.
La fantaisie organisée (1987). Trad.: Edouard Bailby. Paris: Publisud.
 Le Brésil après le miracle (1987). Prefácio: I. Sachs. Trad.: Cécile Tricoire. Paris: Maison des Sciences de l Homme.
 Non à la recession, non au chômage (1984). Trad.: Eddy Treves. Paris: Anthropos.
 Créativité et dépendance (1981). Trad.: Janine Peffau. Paris: Presses Universitaires de France.
 Le mythe du développement économique (1976). Trad.: Eddy Treves. Paris: Anthropos.
 Analyse du modèle brésilien (1974). Trad.: Eddy Treves. Paris: Anthropos.
 La formation économique du Brésil (1972). Trad.: Janine Peffau. Paris-La Haye: Mouton. Nova edição revista pelo autor: 1998, Paris: Publisud.
Théorie du développement économique (1970). Trad.: Abilio Diniz Silva & Janine Peffau. Paris: Presses Universitaires de France.
 Les Etats-Unis et le sous-devéloppement de l Amérique Latine (1970) (Subdesenvolvimento e estagnação na América Latina e Um projeto para o Brasil). Trad.: C. Deniz da Silva. Paris: Calmann-Lévy.
 L Amérique latine – politique économique de l Amérique latine (1970). Trad.: Edouard Bailby. Paris: Sirey.
 Développement et sous-développement (1966). Prefácio: Maurice Byé. Paris: Presses Universitaires de France.
Le Brésil à l heure du choix (1964) (A pré-revolução brasileira). Prefácio: Pierre Massé. Trad: Jean Chouard. Paris: Plon.


Inglês
No to recession and unemployment (1984). Trad: Sue Branford. Londres: TW Foundation.
 Accumulation and Development (1983) [Criatividade e dependência na civilização industrial]. Trad: Suzette Macedo. Oxford: Martin Robertson.
Economic Development of Latin America (1970). Trad: Suzette Macedo. Cambridge: Cambridge University Press. Edição revista pelo autor: Cambridge University Press, 2003.
 Obstacles to development in Latin America (1970). (Textos extraídos de Subdesenvolvimento e estagnação na América Latina e Um projeto para o Brasil). Trad: Charles Ekker. Nova York: Anchor Books-Doubleday.
 Diagnosis of the Brazilian Crisis (1965) [Dialética do desenvolvimento]. Trad: Suzette Macedo. Los Angeles: University of California Press.
 Development and Underdevelopment (1964). Trad: Ricardo W. de Aguiar & Eric Charles Drysdale. Los Angeles: University of California Press.
The Economic Growth of Brazil (1963). Trad: Ricardo W. de Aguiar & Eric Charles Drysdale. Los Angeles: University of California Press.


Italiano
Celso Furtado, por Therèze
Introduzione alla nuova economia politica (1977). Trad.: Bruno Pistocchi, Emanuele Gamba. Milan: Jaca Book.
Teoria dello sviluppo economico (1972). Trad.: Leone Iraci. Bari: Laterza.
L’economia latinoamericana dalla conquista iberica alla rivoluzione cubana (1971). Trad: Leone Iraci. Bari; Laterza.
Gli Stati Uniti e il sottosviluppo nell America Latina (1971). (Textos extraídos de Subdesenvolvimento e estagnação na América Latina e Um projeto para o Brasil) Trad.: M. L. P. de Oliveira Pivetti. Milão: Franco Angeli.
La formazione economica del Brasile (1970). Prefácio: Ruggero Romano. Trad.: Leone Iraci. Turim: Einaudi.


Japonês
Análise do modelo brasileiro (original) (1983). Tóquio: Shinsekaisha, nº 5.
Obstacles to development in Latin America (original) (1972). (Textos extraídos de Subdesenvolvimento e estagnação na América Latina e Um projeto para o Brasil) Tóquio: Shinsekaisha, nº 4.
Formação econômica do Brasil (original) (1972). Tóquio: Shinsekaisha, nº 1.
Formação econômica da América Latina (original) (1969). Tóquio: Shinsekaisha.
                

Persa
Development and underdevelopment (original) (1980). Teerã.


Polonês
Mit rozwoju gospodarczego (1982). Trad.: Halina Mirecka. Warsaw: Panstwowe Wydawnictwo Ekonomiczne.
Rozwój gospodarczy Brazylii (1967). Prefácio: I. Sachs. Trad.: Janina Wrzoskowa. Warsaw: Panstwowe Wydawnictwo Naukowe.

                  
Romeno
Formarea economica a Braziliei (2000). Trad.: Fernando Klabin & Elena Sburlea. Bucareste: Editura Univers.         


Sueco
Latinamerikas ekonomiska utveckling (1972). Trad.: Tom Hultgren. Stockholm: Rabén e Sjörgren.


“O regime democrático é exatamente aquele que permite o pleno desenvolvimento dessas tendências divergentes e abre o caminho para a superação dos conflitos delas resultantes. Nas palavras de um conhecido sociólogo americano (S. M. Lipset), “uma democracia estável exige a manifestações de conflitos e desuniões, de forma que possa haver luta pelas posições de mando, desafio aos que estão no poder e mudança daqueles que exercem o poder”.”
- Celso Furtado em "Dialética do desenvolvimento". 2ª ed., Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1964, p. 42.


“O marco institucional deve, portanto, ser suficientemente flexível e ter aptidão necessária para reformar-se toda vez que a pressão gerada pelos conflitos alcance aquele ponto em que a convivência social se torna inviável. O impulso que induz a esse permanente reformar-se é o consenso geral de que existe um interesse social por cima de grupos e classes, e a diretriz desse interesse social está dada pelo desenvolvimento das forças produtivas.”
- Celso Furtado em "Dialética do desenvolvimento". 2ª ed., Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1964, p. 43.


DOCUMENTÁRIO
Celso Furtado - Foto: (...)
Título: O Longo Amanhecer - Uma Cinebiografia de Celso Furtado
Sinopse: Uma análise das idéias do economista Celso Furtado e de sua participação em diversos projetos desenvolvidos no Brasil a partir dos anos 1940. Através de depoimentos de intelectuais e de imagens de época, é formado um panorama da história recente do Brasil.
País de Origem: Brasil
Gênero: Documentário
Classificação etária: Livre
Tempo de Duração: 73 minutos
Direção: José Mariani 
Ano de Lançamento: 2007
Estúdio/Distrib.: Rio Filme
Disponível no link


“Em primeiro lugar, é necessário ter em conta que as duas aspirações supremas do homem moderno no plano político – as liberdades cívicas que abrigam o cidadão contra toda a forma de poder arbitrário, e o Governo representativo de base popular que afiança aquelas liberdades e abre caminho às conquistas sociais traduzem um processo histórico que transcende ao capitalismo.”
- Celso Furtado em "Dialética do desenvolvimento". 2ª ed., Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1964, p. 72.


Anísio Teixeira e Celso Furtado 
[Arquivo Anísio Teixeira - CPDOC/FGV]
“O problema brasileiro é de uma sociedade que acumulou um enorme atraso no plano social. Tem um modelo econômico herdado da época colonial, do século XIX, marcado pelo regime escravista, pelo latifundismo. Todo o modelo brasileiro é concentrador de renda. A sociedade brasileira ainda não produziu os meios necessários para corrigir isso, como outras já produziram.”
- Celso Furtado


“A guerra é muito diferente do que se pensa. O heroísmo e a morte em combate só ocorrem por acaso. Morre-se na guerra indiretamente. São as balas perdidas, são os azares de estar sob uma ponte sobre a qual cai uma bomba. São os passos distraídos deflagrando a mina oculta. A guerra é a exacerbação dos perigos correntes da vida.”
- Celso Furtado

Celso Furtado - Foto: Agência Estadão/AE - Divulgação
FORTUNA CRÍTICA DE CELSO FURTADO
(Estudos acadêmicos - teses, dissertações, artigos e ensaios)
ALBUQUERQUE, Eduardo da Motta e. Inovação em Celso Furtado: criatividade humana e crítica ao capitalismo. In: Rosa Freire d'Aguiar. (Org.). Celso Furtado e a dimensão cultural do desenvolvimento. 1ª ed., Rio de Janeiro: E-papers Centro Internacional Celso Furtado, 2013, v. 1, p. 155-170.
ALENCAR JUNIOR, Jose Sydriao de (Org.). Celso Furtado e o Desenvolvimento Regional. Fortaleza: Banco do Nordeste, 2005. v. 1. 336p.
ALMEIDA FILHO, Niemeyer. A utopia pragmática de Celso Furtado o futuro possível. In: XIII Encontro Nacional da Sociedade de Economia Política, 2008, João Pessoa. Anais do XIII Encontro Nacional da SEP, 2008. v. 1. p. 1-20.
ALMEIDA FILHO, Niemeyer. A utopia pragmática de Celso Furtado. Economia Ensaios (UFU. Impresso), v. 22, p. 99-114, 2008.
ALMEIDA, José Elesbão de.  Encantos e desencantos de Celso Furtado com a racionalidade do planejamento estatal. Cadernos do Desenvolvimento, v. 8, p. 417-437, 2011.
Celso Furtado, Foto: (...)
ALMEIDA, José Elesbão de. Nacionalismo e desenvolvimento em Celso Furtado e Fernando Henrique Cardoso. Revista de Economia Política e História Econômica, v. Nº 14, p. 114-166, 2008.
ALMEIDA, José Elesbão de. Subdesenvolvimento e Dependência: Uma Análise Comparada de Celso Furtado e Fernando Henrique Cardoso. (Tese Doutorado em Economia). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, 2009. Disponível no link. (acessado em 14.7.2013).
ALMEIDA, José Elesbão de; ARAUJO, José Bezerra de. Um modelo exaurido: o caso da Sudene. In: Dirceu Grasel; Antônio Ricardo de Souza. (Org.). Gestão Pública e Desenvolvimento Econômico no Brasil: perspectivas nacional e regional. 1ª ed., Cuiabá: EdUFMT, 2005, v., p. 153-184.
ALMEIDA, Roberto Sílvio de Morais. Formação Econômica Brasileira: Abordagem Estruturalista de Celso Furtado. Artigo, unifor, p. 1-38, 1991.
ALMEIDA, Rodrigo Estramanho de. O "pensamento em ação" de Celso Furtado. Sociologia (São Paulo. 2006), São Paulo, p. 30 - 34, 11 out. 2011.
AQUINO, Laura Christina Mello de. Paraíba, nomes do século: biografia de Celso Furtado. 1ª ed., João Pessoa: A União, 2000.
AQUINO, Laura Christina Mello de. Sudene: a utopia de Celso Furtado. (Tese Doutorado em História). Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, 2004. Disponível no link. (acessado em 14.7.2013).
ARAUJO, Marco César de. O Estado e a Representação da Problemática Regional: Uma Ideologia de Desenvolvimento e Segurança Nacional. (Dissertação Mestrado em História Social). Universidade de São Paulo, USP, 1997.
ARAUJO, Marco César de. O desenvolvimentismo como uma ideologia de segurança nacional. Lutas Socias, Vol. 4, p. 137-152. Disponível no link.(acessado 18.7.2013).
ARAÚJO, T. P. (Org.); WERNECK VIANNA, Salvador Teixeira (Org.); MACAMBIRA, J. (Org.) . 50 Anos de Formação Econômica do Brasil: ensaios sobre a obra clássica de Celso Furtado. Rio de Janeiro: IPEA, 2009. 290p.
AREND, Marcelo. Atraso via modernização cultural: uma leitura evolucionista das obras de Raymundo Faoro e de Celso Furtado. Economia (Brasília), v. 9, p. 651-681, 2008.
AYRES, Andreia Ribeiro. A Heterodoxia Criativa de Celso Furtado. In: Roberto dos Santos Bartholo Junior. (Org.). Exclusão Social no Brasil. 1ª ed., Rio de Janeiro: E-papers, 2006, v. 1, p. 235-252.
AYRES, Andreia Ribeiro. Ares do Brasil. Celso Furtado, o lugar do desenvolvimento. (Tese Doutorado em Engenharia de Produção). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 2005.
AYRES, Andreia Ribeiro. Ares do Brasil. Celso Furtado, o lugar do desenvolvimento. 070. ed. Rio de Janeiro: E-Papers, 2007. Disponível no link. (acessado em 14.7.2013).
AYRES, Andreia Ribeiro. Celso Furtado e o Desenvolvimento como Invenção. Revista Virtual de Gestão de Iniciativas Sociais, v. 1, p. 11-15, 2007.
AYRES, Andreia Ribeiro. Contribuições de Celso Furtado para reflexões sobre Desenvolvimento endógeno e políticas culturais enraizadas. Disponível no link. (acessado em 14.7.2013).
AYRES, Andreia Ribeiro; BARTHOLO JR, Roberto dos Santos. A Heterodoxia Criativa de Celso Furtado. Revista OIKOS, Rio de Janeiro, v. Ano IV, nº 4, p. 11-21, 2005.
BARBOSA, Daniel Pereira. Visões do Desenvolvimento: as perspectivas de Celso Furtado e Douglass North sobre o Desenvolvimento Econômico. (Dissertação Mestrado em Desenvolvimento Econômico). Universidade Federal do Paraná, UFPR, 2009. Disponível no link.(acessado 18.7.2013).
BARREIROS, Daniel de Pinho. A Legitimidade em Celso Furtado: novos discursos e a imagem de um intelectual. Intellèctus (UERJ), Rio de Janeiro, v. IV, p. 1-10, 2005.
BARREIROS, Daniel de Pinho. A Legitimidade em Celso Furtado: novos discursos e a imagem de um intelectual. In: Maria Emília Prado. (Org.). Tradição e Modernidade no Mundo Ibero-Americano. 1ª ed., Rio de Janeiro: UERJ / CNPq / Universidade de Coimbra, 2004, v. 1, p. 145-151.
BARROS, Celso Fernando Rocha de. Livro expõe ideias de Celso Furtado sobre identidade cultural. Folha de São Paulo, São Paulo, 18 ago. 2012.
BASTOS, Pedro Paulo Zahluth. Centro e Periferia no Padrão Ouro-Libra: Celso Furtado subestimou a dinâmica da dependência financeira?. Economia (Campinas), v. 8, p. 169-197, 2007.
BERNARDI, Lívia Beatriz Moreira. Ortodoxia econômica nas origens da era Vargas: continuidade ou ruptura?, (Dissertação Mestrado em Desenvolvimento Econômico). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2007. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
Celso Furtado, Foto: (...)
BERRIEL, Rosa Maria Vieira. Celso furtado - história e estado na teoria do subdesenvolvimento. EAESP/FGV/NPP - núcleo de pesquisas e publicações, relatório de pesquisa nº 47/2001. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
BERRIEL, Rosa Maria Vieira. Celso Furtado e o Nordeste no Pré-64: Reforma e Ideologia. Projeto História (PUCSP), São Paulo, v. 1, n.29, p. 53-86, 2004.
BERRIEL, Rosa Maria Vieira. Celso Furtado: Auto-retrato e retórica. In: Luiz Carlos BRESSER-PEREIRA e José Márcio REGO. (Org.). A Grande esperança em Celso Furtado. 1ª ed., São Paulo: 34, 2001, v. , p. -.
BERRIEL, Rosa Maria Vieira. Celso furtado: os intelectuais, a política e o planejamento na teoria do subdesenvolvimento. EAESP/FGV/NPP - núcleo de pesquisas e publicações, relatório de pesquisa nº 14/2003, p. 4-152. Disponível no link. (acessado em 18.7.2013).
BERRIEL, Rosa Maria Vieira. Celso Furtado: Reforma política e Ideologia (1950-1964). (Tese Doutorado em História). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 2003.
BERRIEL, Rosa Maria Vieira. Celso Furtado: reforma, política e ideologia (1950-1964). 1ª ed., São Paulo: EDUC - Editora da PUC- SP, 2007. v. 1. 432p. Disponível no link. (acessado em 14.7.2013).
BERRIEL, Rosa Maria Vieira. Entrevista com Celso Furtado. História Oral (Rio de Janeiro), São Paulo, v. Nº 7, p. 21-40, 2004.
BERRIEL, Rosa Maria Vieira; SAWAYA, R. R.. "Celso Furtado: Pensador Social e Intelectual Público". In: Rosa Maria Vieira; Rubens Sawaya. (Org.). Brasil e América Latina: impasses e desafios para o desenvolvimento". 1ª ed., São Paulo: Departamento de Economia - FEA-PUCSP, 2006, v. 1, p. 33-47.
BIELSCHOWSKY, Ricardo. Formação econômica do Brasil: uma obra-prima do estruturalismo cepalino. Revista de Economia Política, vol. 9, nº 4, outubro-novembro/1989. Disponível no link. (acessado em 14.7.2013).
BOIANOVSKY, Mauro. A View from the Tropics: Celso Furtado and the Theory of Economic Development in the 1950s. History of Political Economy, v. 42, p. 221-266, 2010.
BOIANOVSKY, Mauro. Celso Furtado and the Structuralist-Monetarist Debate on Economic Stabilization in Latin America. History of Political Economy, v. 44, p. 277-330, 2012.
BOIANOVSKY, Mauro. Furtado, Celso (1920-2004). In: S. Durlauf; L. Blume. (Org.). The New Palgrave Dictionay of Economics. 2ª ed., Londres: Macmillan, 2007, v. 2, p. 541-543.
BOIANOVSKY, Mauro. Furtado, North, and the New Economic History. Economia (Brasília), v. 10, p. 849-866, 2009.
BOIANOVSKY, Mauro. Notas sobre Furtado e a democracia, ou o economista enquanto cientista político (1947-1967). In: Celia L. Kerstenetzky; Victor Neves. (Org.). Economia e interdisciplinaridade(s). 1ª ed., Lisboa: Almedina, 2012, v. , p. 2-15.
BONAFIN, Téssio Roberto Rissi. Os limites do desenvolvimento periférico na obra de Celso Furtado. (Dissertação Mestrado em Ciência Política). Universidade Federal de São Carlos, UFSCAR, 2012. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
BORGES, Pedro Pereira. Celso Furtado e o Mundo do Trabalho numa Sociedade Globalizada. Revista da APG (PUCSP), v. XIII, p. 289-305, 2006.
BORGES, Pedro Pereira. O pensamento político na obra de Celso Furtado. (Dissertação Mestrado em Ciências Sociais). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 2007. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
BORJA, Bruno Nogueira Ferreira.  Cultura e desenvolvimento no pensamento
BORJA, Bruno Nogueira Ferreira. Celso Furtado e a cultura da dependência. Oikos (Rio de Janeiro), v. 8, p. 247-262, 2009.
BORJA, Bruno Nogueira Ferreira. O Sentido da Tecnologia: a Teoria do Subdesenvolvimento de Celso Furtado. (Dissertação Mestrado em Economia da Indústria e da Tecnologia).  Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 2008. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
BORJA, Bruno Nogueira Ferreira. Para a Crítica da Economia do Desenvolvimento: a inserção de Celso Furtado na controvérsia internacional. In: Maria Malta. (Org.). Ecos do Desenvolvimento: uma história do pensamento econômico brasileiro. Rio de Janeiro: IPEA / Centro Celso Furtado, 2011, v. , p. -.
BRAGA, Marco Aurelio Cezarino. Subdesenvolvimento, Tecnologia e Direito Econômico: o Programa Nacional de Nanotecnologia e o Desafio Furtadiano. (Dissertação Mestrado em Direito Econômico e Financeiro). Universidade de São Paulo, USP, 2013.
BRAGA, Sérgio Soares. As relações entre o executivo e o legislativo e a elaboração da política econômica na primeira experiência de democracia presidencialista pluripartidária brasileira (1946-1964). (Tese Doutorado em Desenvolvimento Econômico). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2008. Disponível no link. (acessado 14.7.2013).
BRANDÃO, Carlos Antônio. Celso Furtado: subdesenvolvimento, dependência, cultura e criatividade. Eptic (UFS), v. XIII, p. 1-16, 2011.
BRANDÃO, Carlos Antônio. Celso Furtado: subdesenvolvimento, dependência, cultura e criatividade. In: D'Aguiar, Rosa Freire. (Org.). Celso Furtado e a dimensão cultural do desenvolvimento. 1ª ed., Rio de Janeiro: E-papers / Centro Internacional Celso Furtado, 2013, v. 1, p. 235-254.
BRANDÃO, Carlos Antônio. Desenvolvimento nacional, políticas regionais e o poder de decisão segundo Celso Furtado. Cadernos do Desenvolvimento, v. 7, p. 101-115, 2010.
BRANDÃO, Carlos Antônio. Essencial Celso Furtado - Prefácio. In: Rosa Freire D' Aguiar. (Org.). Essencial Celso Furtado. 1ª ed., São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2013, v. 1, p. 19-31.
BRANDÃO, Carlos Antônio. Estruturas, Hierarquias e Poderes: Furtado e o retorno à visão global de Prebisch e Perroux. Cadernos do Desenvolvimento, v. 10, p. 81-90, 2012.
BRANDÃO, Carlos Antônio. O compromisso com a (n)ação em Celso Furtado: notas sobre seu sistema teórico-analítico. Economia Ensaios (UFU. Impresso), v. 22, p. 29-49, 2008.
BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. As três interpretações da dependência. Perspectivas, São Paulo, v. 38, p. 17-48, jul./dez. 2010. Disponível no link. (acessado em 18.7.2013).
BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Celso Furtado e a teoria econômica. In: Centro Internacional Celso Furtado. (Org.). Arquivos Celso Furtado 2 - Economia do Desenvolvimento- curso ministrado na PUC-SP em 1975. Rio de Janeiro: Editora Contraponto, 2009, v. 2, p. 225-246.
BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Celso Furtado: o desenvolvimento como missão. In: João Sabóia; Fernando j. Cardim de Carvalho. (Org.). Celso Furtado e o século XXI. 1ª ed., Rio de Janeiro: Editora Manole, 2007, v. 1, p. 63-80.
BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Do antigo ao novo desenvolvimentismo na América Latina. In: Luiz Carlos Delorme Prado; Rosa Freire d'Aguiar. (Org.). Desenvolvimento econômico e crise: ensaios em comemoração aos 80 anos de Maria da Conceição Tavares. Rio de Janeiro: Contraponto/Centro Internacional Celso Furtado, 2012, v. 1, p. 27-66.
Celso Furtado, Foto: (...)
BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. La estrategia de crecimiento con ahorro externo y la economía brasileña desde principios de la década del noventa. In: Gregório Vidal; Arturo Guillén R.. (Org.). Repensar la teoría del desarollo en un contexto de globalización: homenaje a Celso Furtado. Buenos Aires: CLACSO Libros, 2007, v. 1, p. 213-237.
BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Method and Passion in Celso Furtado. In: Esteban Perez Caldentey; Matias Vernengo. (Org.). Ideas, Policies and Economic Development in the Americas.: Taylor & Francis Group, 2007, v. 1, p. -.
BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Método e Paixão em Celso Furtado. In: Bresser-Pereira, Luiz Carlos; Rego, José Marcio. (Org.). A Grande Esperança em Celso Furtado. 1ª ed., São Paulo: Editora 34 Ltda., 2001, v. 1, p. 19-43.
BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Método y pasión en Celso Furtado. Revista de la CEPAL, Santiago de Chile, v. 84, n.Diciembre, p. 19-34, 2004.
BUARQUE, Cristovão. Foto de uma conversa – Celso Furtado e Cristovam Buarque. São Paulo: Paz e Terra, 2007.
BUGELLI, Alexandre Hamilton. A crise Econômica Brasileira dos anos 60: uma reconstrução do debate. (Dissertação Mestrado em Economia). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 2008.
BUGELLI, Alexandre Hamilton; PIRES, J. M.. Uma revisão da Teoria de Estagnação de Celso Furtado e a crise econômica dos anos 1960.. Cadernos do Desenvolvimento, v. 9, p. 19-41, 2011.
CABRAL, Fabio Luis. Celso Furtado e o Plano Trienal - a teoria do subdesenvolvimento e as Reformas de Base. (Dissertação Mestrado em Ciência Política). Universidade Federal de São Carlos, UFSCAR, 2010.
CABRAL, Fabio Luis. Celso Furtado e o Plano Trienal - a teoria do subdesenvolvimento e as Reformas de Base. In: 9º Congreso Nacional de Ciencia Política, 2009, Santa Fé. "Centros y periferias: equilibrios y asimetrías en las relaciones de poder". Santa Fé: SAAP, 2009. v. 1. p. 14-46.
CALAZANS, Rejane. Ambivalências: O Nordeste nas obras de Gilberto Freyre e Celso Furtado. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 22, p. 75-80, 2007. Disponível no link. (acessado em 18.7.2013).
CALAZANS, Rejane. Conversas Nordestinas: Celso Furtado e Gilberto Freyre. (Dissertação Mestrado em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, UFRRJ, 2004.
CAMPOS, Fábio Antonio de. Estratégias de Desenvolvimento Nacional: o Papel do Capital Estrangeiro entre o segundo Governo Vargas e o Governo Castelo Branco (1951-1966). (Dissertação Mestrado em História Econômica). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2003. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
CARDOSO, Eliana A.. Celso Furtado Revisitado: A Década de 30. Revista Brasileira de Economia, 1979, pp.373-97.. Revista Brasileira de Economia, v. 33, p. 373-397, 1979.
CARDOSO, Eliana A.. Celso Furtado Revisitado: O Pós-Guerra. Revista Brasileira de Economia, 1979, pp.373-97.. Revista Brasileira de Economia, v. 33, p. 373-397, 1979.
CARDOSO, Eliana A.. Celso Furtado Revisited: The Post-War Years. Economic Development and Cultural Change, 1981, pp.117-28.. Economic Development and Cultural Change, v. 29, p. 117-128, 1981.
CARDOSO, Fernanda Graziella. A armadilha do subdesenvolvimento: uma discussão do período desenvolvimentista brasileiro sob a ótica da Abordagem da Complexidade. (Tese Doutorado em Economia das Instituições e do Desenvolvimento). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP, 2012. Disponível no link. (acessado em 14.7.2013).
CARDOSO, Fernanda Graziella. Subdesenvolvimento econômico brasileiro: retomando a contribuição de Celso Furtado. Disponível no link. (acessado em 14.7.2013).
CARDOSO, Tayguara Torres. Desenvolvimentismo e Sertão Nordestino: Celso Furtado, Josué de Castro e o debate em torno da Operação Nordeste. Revista do Instituto Histórico e Geographico Brazileiro, v. 440, p. 133-160, 2008. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
CARDOSO, Tayguara Torres. O Novo Nordeste: Celso Furtado, Josué de Castro e o Debate sobre desenvolvimento e Sertão Nordestino nos anos 50. (Dissertação Mestrado em Ciências Sociais). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, 2007. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
CARDOZO, Soraia Aparecida. Continuidades e descontinuidades na articulação do espaço econômico nacional – 1930 aos anos 90: uma análise a partir das políticas tributária, monetária e de desenvolvimento regional. (Dissertação Mestrado em Desenvolvimento Econômico). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2004.
CARMO SOBRINHO, Corival Alves do. Dependência e estagnação: o debate sobre a crise dos 60. (Dissertação Mestrado em Ciências Econômicas). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2001. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
CARVALHO, Clerisnaldo Rodrigues de. Em busca de um Projeto de Nação: revisitando a Obra de Celso Furtado. (Tese Doutorado em Geografia Humana). Universidade de São Paulo, USP, 2009. Disponível no link. (acessado em 14.7.2013).
CARVALHO, Ricardo Emmanuel Ismael de. Celso Furtado, da economia à política. In: Paulo Emílio Mattos Martins; Oswaldo Munteal. (Org.). O Brasil em evidência: a utopia do desenvolvimento. 1ª ed., Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio; Editora FGV, 2012, v., p. 253-267.
Celso Furtado, Foto: (...)
CEPÊDA, Vera Alves. A teoria do subdesenvolvimento revisitada: entre atraso e dependência. (Tese Doutorado em Economia Aplicada).  Universidade de São Paulo, USP, 1999.
CEPÊDA, Vera Alves. Capital, trabalho e intelligentsia modernização e democracia no pensamento de Celso Furtado. Ideias (UNICAMP), v. 1, p. 71-95, 2010.
CEPÊDA, Vera Alves. Celso Furtado e a interpretação do subdesenvolvimento. Perspectivas (São Paulo), Araraquara/SP, v. 1, n.28, p. 75-92, 2005.
CEPÊDA, Vera Alves. Entre a Economia e a política os conceitos de periferia e desenvolvimento em Celso Furtado. Sinais Sociais, v. 07, p. 88-119, 2012.
CEPÊDA, Vera Alves. O legado intelectual de Celso Furtado: uma abordagem multidisciplinar e uma reflexão teórico-econômica sobre a teoria do subdesenvolvimento. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 21, p. 207-209, 2006. Disponível no link. (acessado em 14.7.2013).
CEPÊDA, Vera Alves. O lugar da teoria do subdesenvolvimento no pensamento de Celso Furtado. In: CORSI, Francisco; MARANGONI, José (orgs.). (Org.). Celso Furtado e os desafios do desenvolvimento. Marília (SP): Editora da Unesp, 2010, v. , p. 137-160.
CEPÊDA, Vera Alves. O Pensamento político de Celso Furtado - democracia e desenvolvimento. Universitária (Associação de Ensino Marechal Cândido Rondon), Araçatuba- São Paulo, v. 2, n.2, p. 81-99, 1999.
CEPÊDA, Vera Alves. O pensamento político de Celso Furtado. E-Latina (Buenos Aires), Buenos Aires - Argentina, v. 3, n.no 09, p. 11-24, 2004.
CEPÊDA, Vera Alves. Raízes do pensamento político de Celso Furtado: desenvolvimento, nacionalidade e Estado democrático. (Dissertação Mestrado em Economia Aplicada) Universidade de São Paulo, USP, 1998.
CEPÊDA, Vera Alves; BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos; REGO, José Marcio; SACHS, Ignacy; JAGUARIBE, Helio; BIELSCHOWSKY, Ricardo; OLIVEIRA, Franciso de; LOVE, Joseph. O pensamento político de Celso Furtado - desenvolvimento e democracia. In: Luiz Carlos Bresser Pereira; José Marcio Rego. (Org.). A grande esperança em Celso Furtado. São Paulo: Editora 34, 2001, v., p. 167-184.
CEPÊDA, Vera Alves; RICUPERO, Bernardo; BRANDÃO, Gildo Marçal; LAHUERTA, M.; RIDENTI, Marcelo Siqueira; LACOMBE, Marcelo; ABREU, Alzira Alves de. O lugar da teoria do subdesenvolvimento de Celso Furtado no pensamento político dos anos 50. In: Botelho, André; Bastos, Élide Rugai. (Org.). O moderno em questão. A década de 1950 no Brasil. Rio de Janeiro: Topbooks, 2008, v., p. 357-388.
CHAVES, Wagner Rocha Arruda. Subdesenvolvimento na América Latina: atualidade dos fundamentos do pensamento econômico das décadas de 1950 - 1960. (Dissertação Mestrado em Economia). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 1999.
CHILIATTO-LEITE, Marcos Vinicius. A teoria do subdesenvolvimento de Celso Furtado: uma discussão à luz da questão do papel do consumo e da controvérsia do estagnacionismo. (Dissertação Mestrado em Economia). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 2010.
COELHO, Fabiano da Costa. Duas faces da mesma moeda: alcance e limites das microfinanças na luta contra a pobreza. (Tese Doutorado em Teoria Econômica). Universidade São Paulo, USP, 2006. Disponível no link. (acessado em 14.7.2013).
COELHO, Tádzio Peters. Subdesenvolvimento e dependência: um debate entre o pensamento da Cepal dos anos 50s e a Teoria da Dependência. Disponível no link.(acessado 1807.2013).
COHN, Amélia. Crise regional e planejamento: o processo de criação da Sudene. (Dissertação Mestrado em Sociologia). Universidade de São Paulo, USP, 1972.
COLEN, Célia Mara Ladeia. Reforma do estado; em busca do dissenso perdido: análise da crise do paradigma neoliberal a partir das controvérsias teóricas entre Celso Furtado, Fernando Henrique Cardoso e Fábio Wanderley Reis. (Dissertação Mestrado em Ciência Política). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2001.
CORRÊA, Carolina Pimentel. As teorias do desenvolvimento de Celso Furtado e Fernando Henrique Caros frente ao ideário Cepalino. (Dissertação Mestrado em Ciência Política). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, 2013. Disponível no link. (acessado 2.9.2013).
COSTA, Marcelo Monteiro. Um homem, um país - a cinebiografia de Celso Furtado. Continente Multicultural, Recife-PE, v. nº 88, p. 47 - 49, 1 abr. 2008.
COSTA, Wagner Cabral da. Celso Furtado e a Formação Econômica do Brasil: uma interpretação.. Revista de Politicas Publicas (UFMA), São Luís, v. 2, n.2, p. 39-59, 1996.
COUTINHO, Mauricio Chalfin. A política cambial: instrumento privilegiado na análise da Formação Econômica do Brasil. In: Francisco da Silva Coelho; Rui Guilherme Granziera. (Org.). Celso Furtado e a Formação Econômica do Brasil - Edição Comemorativa dos 50 anos de Publicação (1959-2009). 1ª ed., São Paulo: Atlas / Ordem dos Economistas do Brasil, 2009, v. 1, p. 160-171.
COUTINHO, Mauricio Chalfin. A Teoria Econômica de Celso Furtado: Formação Econômica o Brasil. In: Marcos Costa Lima; Mauricio Dias David. (Org.). A Atualidade do Pensamento de Celso Furtado. 1ª ed., Leste Vila Nova: Verbena Editora Ltda., 2008, v. 1, p. 139-159.
COUTINHO, Mauricio Chalfin. Celso Furtado e a crítica da teoria econômica. In: João Sabóia; Fernando J. Cardim de Carvalho. (Org.). Celso Furtado e o Século XXI. Barueri: Manole, 2007, v. , p. 409-419.
COUTINHO, Mauricio Chalfin. Celso Furtado e o Pensamento Econômico no Brasil. In: Rosa Freire d'Aguiar Furtado. (Org.). O pensamento de Celso Furtado e o Nordeste hoje. 1ª ed., Rio de Janeiro: Contraponto Editora, 2009, v. , p. 95-112.
COUTINHO, Mauricio Chalfin. Economia de Minas e economia da mineração em Celso Furtado. Nova Economia (UFMG. Impresso), v. 18, p. 361-378, 2008.
COUTINHO, Mauricio Chalfin. Fortuna crítica de Formação Econômica do Brasil, Celso Furtado (edição comemorativa aos 50 anos da primeira edição). In: Rosa Freire d'Aguiar Furtado. (Org.). Formação Econômica do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, v. 1, p. 519-544.
COUTO, Joaquim Miguel; LACERDA, Antonio Correa de; NOGUEIROL, Luiz Paulo F. Celso Furtado, 80 anos: pensamento e ação. Revista da Fea Puc Säo Paulo, Säo Paulo, v. 2, p. 5-20, 2000.
Celso Furtado, em 1971, ao lado
da faculdade de economia da
Universidade de Paris, onde
ensinou por 20 anos.
CRUZ, José Saraiva. Celso Furtado, o teórico do nacionalismo desenvolvimentista cepalino-isebiano. (Tese Doutorado em Ciências Sociais). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, 2008. Disponível no link. (acessado em 14.7.2013).
D' AGUIAR, Rosa Freire (Org.). Essencial Celso Furtado. 1ª ed., São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2013.
DANTAS, Alexis Toríbio; MONFREDO, Cintiene Sandes. A Liberdade intelectual de Celso Furtado. Revista Das Américas, www.nucleasuerj.com.br, p. 1 - 9.
DANTAS, Alexis Toríbio; MONFREDO, Cintiene Sandes. Celso Furtado - o intelectual brasileiro. In: Paulo Emídio Matos Martins; Oswaldo Munteal. (Org.). O Brasil em evidencia a Utopia do Desenvolvimento. 1ª ed., Rio de Janeiro: , 2012, v. , p. 238-246.
DANTAS, Jose Adalberto Mourao (Org.). Gudim, Bulhões, Furtado: Matrizes do Pensamento Econômico Brasileiro. 1ª ed., Maringá: Eduem-Editora da Universidade Estadual de Maringá, 1999. v. 1., 180p.
DANTAS, Jose Adalberto Mourao. A Economia Política de List e o Pensamento de Celso Furtado. In: II Encontro Nacional de Economia Política, 1997, S.Paulo. Anais do Segundo Encontro de Economia Política. São Paulo: Editora da PUCSP, 1997. v. 3. p. 268-284.
DANTAS, Jose Adalberto Mourao. Desenvolvimento e Subdesenvolvimento no pensamento de Celso Furtado: Os fundamentos de um pensamento original?. (Tese Doutorado em História Econômica). Universidade de São Paulo, USP, 1998.
D'ARBO, Renata Cipolli. Progresso Técnico e Subdesenvolvimento: Uma Síntese das Abordagens de Raúl Prebisch, Ragnar Nurkse e Celso Furtado nos Anos 50.. História Econômica & História de Empresas, São Paulo, v. VII, n.2, p. 133-164, 2004.
D'ARBO, Renata Cipolli. Progresso Técnico no Pensamento de Celso Furtado. (Dissertação Mestrado em Economia). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, 2001.
De Celso Furtado. V ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, Faculdade de Comunicação/UFBA, Salvador-Bahia, 27 a 29 de maio de 2009. Disponível no link. (acessado em 18.7.2013).
DIAS, Marcelo Francisco. Do estruturalismo da Cepal à teoria da dependência: continuidades e rupturas no estudo do desenvolvimento periférico. (Dissertação Mestrado em Ciência Política). Universidade São Paulo, USP, 2013. Disponível no link. (acessado em 14.7.2013).
ESTEVES, Cleydia Regina. Celso Furtado, intérprete do Brasil: desenvolvimento como cultura no pensamento social brasileiro. (Dissertação Mestrado em Planejamento Urbano e Regional). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 2013.
FERRARI, Mirelli Malaguti; FERRARI, A.. O papel dos atores sociais para a obtenção do desenvolvimento nacional segundo Caio Prado Júnior e Celso Furtado. Revista de Economia Política e História Econômica (São Paulo), v. ano 05, p. 72-113, 2008.
FERREIRA, Assuéro. Celso Furtado e o Nordeste. Da invenção criadora do GTDN à reinvenção do futuro na década perdida. . In: José Sydrião de Alencar Júnior. (Org.). Celso Furtado e o desenvolvimento regional.. 1ª ed., Fortaleza: Edições BNB, 2005, v. 01, p. 265-288.
FERREIRA, Assuéro. Da invenção criadora do GTDN à reinvenção do futuro na década perdida. O pensamento de Celso Furtado e o Nordeste hoje. 1ª ed., Rio de Janeiro: Contraponto, 2009, v. 1, p. 69-92.
FIORI, José Luis. A propósito de uma “construção interrompida”, in: Celso Furtado e o Brasil. São Paulo, Ed. Perseu Abramo. 2000.
FONSECA, Pedro Cezar Dutra. A Política e seu Lugar no Estruturalismo: Celso Furtado e o Impacto da Grande Depressão no Brasil. Economia (Brasília), v. 10, p. 703-721, 2009.
FONSECA, Pedro Cezar Dutra. Celso Furtado e a questão da intencionalidade da política industrializante do Brasil na década de 1930. In: João Saboia; Fernando J. Cardim de Carvalho. (Org.). Celso Furtado e o Século XXI. 1ª ed., Barueri SP)/Rio de Janeiro: Editora Manole Ltda., 2007, v. , p. 285-307.
FONSECA, Pedro Cezar Dutra. O Brasil Meridional na Formação Econômica do Brasil. In: Francisco da Silva Coelho e Rui Guilherme Granziera. (Org.). Celso Furtado e a Formação Econômica do Brasil. São Paulo: Atlas, 2009, v. 1, p. 116-124.
FORMIGA, Marcos; SACHS, Ignacy. (Coord.). Celso Furtado, a Sudene e o futuro do Nordeste. Recife: SUDENE, 2000.
FURTADO, Celso; ARAUJO, Tânia Barcelar; LIMA, Marcos C.; COUTINHO, Mauricio; CAVALCANTI, Clóvis; CEPÊDA, Vera Alves. Revendo o lugar da democracia no processo de modernização as matrizes da teoria furtadiana do desenvolvimento. O Pensamento de Celso Furtado e o Nordeste hoje. Rio de Janeiro: Contraponto, 2009, v., p. 131-156.
Celso Furtado, Foto: (...)
GADELHA, Regina Maria d'Aquino Fonseca. O Brasil de Celso Furtado e a Operação Nordeste.. In: Francisco Luiz Corsi; José Marangoni Camargo.. (Org.). Celso Furtado: Os desafios do desenvolvimento.. 1ª ed., São Paulo; Marília: Cultura Acadêmica; Oficina Universitária, 2010, v. 1, p. 201-215.
GADELHA, Regina Maria d'Aquino Fonseca. Planificação econômica e desenvolvimento sustentável: uma abordagem crítica de Celso Furtado.. In: Maria Teresa Toríbio Brittes Lemos e José Flávio Pessoa de Barros. (Org.). História e Memória-Andrzej Dembicz e América Latina. 1ª ed., Rio de Janeiro: UERJ, 2010, v. , p. 125-145.
GADELHA, Regina Maria d'Aquino Fonseca. Problemas ambientales y planificación económica en las mega obras de Brasil: una aproximación crítica a Celso Furtado. Revista del CESLA, v. 13, p. 473-490, 2010.
GARCIA, A. La construction interrompue: Celso Furtado, la guerre froide et lê développment du Nordeste. Actes de la Recherche em Sciences Sociales, Mars, 1998, n.121-122.
GOMES E SOUZA, Julia. Estado, movimentos sociais e reforma agrária: as duas fases do pensamento de Celso Furtado no pré-1964. Lutas Sociais (PUCSP), v. 17/18, p. 156-169, 2007.
GOMES E SOUZA, Julia. Teoria voltada para a ação: aspectos do pensamento de Celso Furtado no pré-64. São Paulo: PUC, 2004. (Dissertação Mestrado em Ciências Sociais). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 2004.
GOMES E SOUZA, Julia. Teoria voltada para ação: aspectos do pensamento de Celso Furtado no pré-1964. (Dissertação Mestrado em Ciências Sociais). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 2004.
GOULARTI FILHO, Alcides. O pensamento de Celso Furtado: crenças e desilusões. Revista de Economia (Curitiba), Curitiba, v. 23, n.25, p. 123-137, 1999.
GUIMARÃES, Juarez Rocha. A Trajetória Intelectual de Celso Furtado. In: Flamarion Maués. (Org.). Celso Furtado e Brasil. 1ª ed., São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2000, v. 1, p. 1-208.
GUIMARÃES, Maria Eugênia. A modernização brasileira no pensamento de Celso Furtado. (Dissertação Mestrado em Sociologia). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 1993. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
GUIMARÃES, Maria Eugênia. Celso Furtado e a razão republicana. In: Maria Thereza Rosa Ribeiro. (Org.). Intérpretes do Brasil. 01ª ed., Porto Alegre: Mercado Aberto, 2001, v. 1, p. 1-143.
GUIMARÃES, Maria Eugênia. Celso Furtado: a utopia da razão - um estudo sobre o conceito de subdesenvolvimento (1945-1964). (Tese Doutorado em Sociologia). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - USP, FFLCH - USP, 1999.
GUIMARAES, V.; PEIXOTO, Flávio José Marques; CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M.. Convergências e complementaridades da corrente neo-schumpeteriana com o pensamento estruturalista de Celso Furtado. In: João Sabóia; Fernando Cardim. (Org.). Celso Furtado e o Século XXI. 1ª ed., São Paulo: Manole, 2005, v. , p. 205-236.
GUMIERO, Rafael Gonçalves.  Diálogo das teses do subdesenvolvimento de Rostow, Nurkse e Myrdal com a teoria do desenvolvimento de Celso Furtado. (Dissertação Mestrado em Ciência Política). Universidade Federal de São Carlos, UFSCAR, 2011.
GUMIERO, Rafael Gonçalves. Comparação das teses do subdesenvolvimento de Rostow, Nurkse e Myrdal com a Teoria do Desenvolvimento de Furtado. Caderno CEDEC, v. 01, p. 01-32/107-32, 2012.
HADLER, João Paulo de Toledo Camargo.  Dependência e subdesenvolvimento: A transnacionalização do capital e a crise do desenvolvimento nacional em Celso Furtado. (Dissertação Mestrado em Ciência Econômica). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2009. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
HADLER, João Paulo de Toledo Camargo. Dependência e subdesenvolvimento: a transnacionalização do capital e a crise do desenvolvimento nacional em Celso Furtado. São Paulo: Alameda Editorial, 2012. 246p.
HELLER, Claudia; D'ARBO, Renata Cipolli. Evolução da abordagem analítica da teoria do desenvolvimento de Celso Furtado.. In: IX Congresso Brasileiro de História Econômica e 10ª Conferência Internacional de História de Empresas, 2011, Curitiba - PR. Anais do IX Congresso Brasileiro de História Econômica, 2011. v. v.1. p. 1-25.
HOLANDA, F. U. X.; CARVALHO, A. M. P.; CUADRA, F. M. L.; VIANA, J. P. S. L.; CARLEIAL, A. N.; SANTIAGO, Eduardo Girao; MENDES, P. V. G.. A Contemporaneidade do Pensamento de Celso Furtado para a Emancipação da América Latina. In: Francisco Uribam Xavier de Holanda. (Org.). Nuestra América no Século XXI. 1ª ed., 2012, v., p. 11-141.
IGLÉSIAS, Francisco. Celso Furtado: pensamento e ação. In: História e ideologia. São Paulo: Perspectiva, 1971.
ISAGUIRRE, Katya Regina; MENDES FILHO, José Thomaz. Desenvolvimento, meio ambiente e equidade social: reflexões a partir do pensamento de Celso Furtado. In: Lafaiete Santos Neves. (Org.). Anais do 6º Seminário sobre Sustentabilidade: artigos selecionados. 1ª ed., Curitiba: CRV, 2012, v. , p. 115-128.
Maria Conceição Tavares e Celso Furtado,
Foto: Luiz Morier/JB.
KALVAN, Fábio Ricardo. O lugar da Nação: estudo da abordagem da Nação no dual-estruturalismo de Celso Furtado e nos estudos sobre a dependência de Fernando Henrique Cardoso. (Dissertação Mestrado em Sociologia). Universidade de São Paulo, USP, 2000.   Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
KORNIS, George. A cultura no pensamento (e na ação) de Celso Furtado: desenvolvimento, criatividade, tradição e inovação. Novos estudos – CEBRAP, nº 96 São Paulo July 2013. Disponível no link. (acessado 2.9.2013).
LIMA, Frederico Burgos. Celso Furtado - Nordestino, Cidadão do Mundo. Bahia Invest, Salvador, p. 60 - 63, 01 maio 2005.
LIMA, Marcos Costa (Org.); DIAS, Maurício (Org.). A atualidade do pensamento de Celso Furtando. São Paulo: Francis, 2008.
LIMA, Marcos Costa; DAVID, Mauricio Dias; MALLORQUIN, Carlos ; FIORI, José L.; SALAMA, Pierre; MAGALHÃES, João P. A.; BRANDÃO, Gildo Marçal; CEPÊDA, Vera Alves. Celso Furtado e a interpretação do subdesenvolvimento. In: Marcos Costa Lima; Mauricio Dias David. (Org.). A atualidade do pensamento de Celso Furtado. São Paulo: Francis, 2008, v., p. 43-63.
LINHARES, Lucas Roosevelt Ferreira. O (sub)desenvolvimento na teoria e na política: um possível diálogo contemporâneo entre Celso Furtado e Milton Santos sobre os novos arranjos produtivos. Revista Ensaios FEE, v. 30, p. 57-86, 2009.
LUCENA SILVA, Antonio Henrique. 1964. A construção interrompida. Sudene, Celso Furtado e o Golpe de 1964 - Considerações com base em O Estado de S.Paulo. Cadernos do Desenvolvimento, v. 8, p. 69-73, 2011.
LUIS OCTAVIANI, Alessandro Serafin. Recursos genéticos e desenvolvimento: os desafios furtadiano e gramsciano. (Tese Doutorado em Direito Econômico e Financeiro). Universidade de São Paulo, USP, 2008. Disponível no link. (acessado em 18.7.2013).
MACIEL, Vladimir; MOURA JUNIOR, Álvaro Alves de; BEZERRA, Carolina Marchiori. Entrevista com Celso Furtado. Revista de Economia Mackenzie, v. 2, p. 13-30, 2004.
MAGALHÃES, Diogo Franco. O reinventar da colônia: um balanço das interpretações sobre a economia colonial brasileira. (Dissertação Mestrado em Desenvolvimento Econômico). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2008. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
MALAGUTI, Mirelli; HAINES, Andrés Ernesto Ferrari. O Papel dos Atores Sociais para a Obtenção do Desenvolvimento Nacional Segundo Caio Prado Júnior e Celso Furtado. Revista de Economia Política e História Econômica (São Paulo), v. 5, p. 72-113, 2008.
MALTA, M. M.; Castelo Branco, R.; ROCHA, M. A.; BORJA, Bruno Nogueira Ferreira.; BIELSCHOWSKY, P. . A história do pensamento econômico brasileiro entre 1964 e 1989: um método para discussão. In: Maria Malta. (Org.). Ecos do Desenvolvimento: uma história do pensamento econômico brasileiro. Rio de Janeiro: IPEA / Centro Celso Furtado, 2011, v. , p. -.
MANTEGA, Guido. Celso Furtado e o pensamento econômico brasileiro. Revista de Economia Política, vol. 9, nº 4, outubro-novembro/1989. Disponível no link. (acessado em 14.7.2013).
MARCONDES, Renato Leite. Desigualdades regionais brasileiras: comércio marítimo e posse de cativos na década de 1870. (Tese Doutorado em História Econômica e Demográfica). Universidade São Paulo, USP, 2005. Disponível no link. (acessado em 18.7.2013).
MAUÉS , Flamarion (Org.). Celso Furtado e Brasil. 1ª ed., São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2000.
MEDEIROS, Carlos Aguiar de. Celso Furtado e a Economia Política da Abundancia de Divisas. In: Gregorio Vidal; Arturo Guillén R.. (Org.). Repensar la Teoría del Desarrollo en un contexto de Globalización. Buenos Aires: Clacso, 2007, v., p. -.
MEDEIROS, Carlos Aguiar de. Celso Furtado e a economia política da abundância de divisas. In: João Sabóia; Fernando J. Cardim de Carvalho. (Org.). Celso Furtado e o Século XXI. São Paulo: Manole, 2006, v., p. 81-109.
Celso Furtado, Foto: (...)
MEDEIROS, Carlos Aguiar de. Celso Furtado na Venezuela. In: Rosa Freire Furtado. (Org.). Ensaios Sobre a Venezuela. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008, v., p. 137-157.
MEDEIROS, Carlos Aguiar de. Os Dilemas da Integração Sul-Americana. In: Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento. (Org.). Cadernos do Desenvolvimento. 5ª ed., Rio de Janeiro: Centro Internacional Celso Furtado, 2008, v. , p. 213-254.
MEDEIROS, Rodrigo Loureiro. Atualidade do pensamento crítico de Celso Furtado. In: Maria Emília Prado. (Org.). Tradição e modernidade no mundo ibero-americano. Rio de Janeiro: UERJ, 2004, v., p. 257-262.
MEDEIROS, Rodrigo Loureiro. Resenha sobre Censo Furtado. In: Emir Sader; Ivana Jinkings; Carlos Eduardo Martins; Rodrigo Nobile. (Org.). Latinoamericana enciclopédia contemporânea da América Latina e do Caribe. 1ª ed., Rio de Janeiro: Boitempo, 2006, v., p. 558-559.
MENDONCA, Marina Gusmão de. A formação intelectual de Celso Furtado. Revista de Economia Política e História Econômica, v. 19, p. 5-32, 2009.
MIRANDA, José Carlos da Rocha. Plano Trienal: o canto do cisne do nacional-desenvolvimentismo. (Dissertação Mestrado em Economia). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 1979. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
MONTEIRO, Krishna Mendes. O desencantamento da razão: a ideologia política de Celso Furtado, 1972-1992. (Dissertação Mestrado em Ciência Política). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2006. Disponível no link. (acessado 187.2013).
MORAES, Reginaldo Carmello Corrêa de. Celso Furtado - o subdesenvolvimento e as idéias da Cepal. 1ª ed., São Paulo: Ática, 1995. v. 1. 120p.
MORAES, Reginaldo Carmello Corrêa de. Celso Furtado e os sonhos da razão, capitulo de Universidade e Educação. In: CANDE/ANPED/CEDES. (Org.). Universidade e Educação. 1ª ed., Campinas: Papirus, 1992, v. 1, p. 47-56.
MORAES, Reginaldo Carmello Corrêa de. Celso Furtado, a Cepal e a Nova Ordem Mundial. In: Afrânio Mendes Cattani. (Org.). America Latina e Caribe e os Desafios da Nova Ordem Mundial. 1ª ed., São Paulo: Prolam/USP, 1998, v. 1, p. -.
MOREIRA, Cássio Silva. Desenvolvimentismo no contexto de globalização: uma releitura de Celso Furtado e Fernando Henrique Cardoso em defesa do interesse nacional. Revista Gestão Contemporânea FAPA. Gestão Contemporânea (FAPA), v. 5, p. 50-61, 2008.
MOREIRA, Marcelo Sevaybricker. As raízes do golpe: economia e política na polêmica de Wanderley Guilherme dos Santos com Celso Furtado. Política & Trabalho (UFPB. Impresso), v. 34, p. 309-322, 2011.
NERY, Tiago. A economia do desenvolvimento na América Latina: o pensamento da CEPAL nos anos 1950 e 1990. (Dissertação Mestrado em Relações Internacionais). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, 2004. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
OLIVEIRA FILHO, Virgílio Roma de. Revisão Crítica do Pensamento Cepalino. (Dissertação Mestrado em Economia da Indústria e da Tecnologia). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 1991.
OLIVEIRA, Francisco de (org.). A navegação venturosa - ensaios sobre Celso Furtado. São Paulo: Editora Boitempo, 2003.
PAGNUSSAT, Jose Luiz; MIRAGAYA, J.. Resenha do livro "Formação Econômica do Brasil, de Celso Furtado - cinquentenário de sua publicação. Revista de Conjuntura, v. 40, p. 5-21, 2009.
PAULA, João Antonio de. História e cultura no pensamento de Celso Furtado. In: João Saboia; Fernando J. Cardim de Carvalho. (Org.). Celso Furtado e o século XXI. Barueri / Rio de Janeiro: Editora Manole / UFRJ, 2006, v., p. 263-283.
PELLEGRINO, Anderson César Gomes Teixeira. Nas sombras do subdesenvolvimento. Celso Furtado e a problemática regional no Brasil. 1ª ed., Campinas: Alínea, 2005. v. 1. 184p.
Celso Furtado, Foto: (...)
PELLEGRINO, Anderson César Gomes Teixeira. O Nordeste de Celso Furtado: sombras do subdesenvolvimento brasileiro. (Dissertação Mestrado em História Econômica). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2003. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
PELLEGRINO, Anderson César Gomes Teixeira. Que inserção? O movimento de transnacionalização do capitalismo e os atuais dilemas do desenvolvimento brasileiro no pensamento de Celso Furtado. In: Silene de Moraes Freire. (Org.). Mercosul em debate: desafios da integração na América Latina. 1ª ed., Rio de Janeiro: Eduerj, 2001, v. , p. 131-154.
PEREIRA, Fernando de Castro Abdalla. Subdesenvolvimento e dependência: a construção e revisão da teoria do subdesenvolvimento de Celso Furtado à luz do debate com a teoria da dependência. (Dissertação Mestrado em Economia). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 2009. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
PEREIRA, Laurindo Mekie. A questão regional no pensamento de Antonio Gramsci e Celso Furtado. Topoi (Rio de Janeiro), v. 10, p. 48-66, 2009.
PIMENTA, A. S. O.; CARDOZO, Soraia Aparecida. Fragilidades estruturais da inserção comercial brasileira nos anos 2000: reflexos sobre a indústria e o desenvolvimento à luz de Celso Furtado. Revista Desenbahia, v. 9, p. 89-117, 2012.
PINTO, Gustavo Louis Henrique. A metamorfose do Rural no pensamento de Celso Furtado. (Dissertação Mestrado em Ciência Política). Universidade Federal de São Carlos, UFSCAR, 2012. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
PINTO, Gustavo Louis Henrique; LAPORTA, D. O.. O rural em Celso Furtado: repensando a crítica de Francisco de Oliveira ao subdesenvolvimento. Cadernos de Campo (UNESP), v. 12, p. 107-126, 2009.
RECH, Helvio. A formação do setor energético de Mato Grosso do Sul: uma análise à luz da teoria de desenvolvimento de Celso Furtado. (Tese Doutorado em Programa Interunidades em Energia). Universidade de São Paulo, USP, 2010. Disponível no link. (acessado em 18.7.2013).
REGO, José Márcio (Org.); BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos (Org.). A Grande Esperança em Celso Furtado. 1ª ed., São Paulo: Editora 34, 2001. v. 1. 304p.
REZENDE, Maria José de. A globalização e os desafios da ação política num contexto de concentração de riqueza e de poder: as reflexões de Zygmunt Bauman e as de Celso Furtado. Estudios Sociales - Centro de Investigaciones Económicas y Sociales de la Universidad de Sonora, v. 16, p. 7-44, 2007.
REZENDE, Maria José de. As contribuições de Celso Furtado para a teoria da mudança social no Brasil. Plural (USP), São Paulo, v. 12, n.1, p. 9-41, 2005.
REZENDE, Maria José de. As dificuldades de efetivação da democracia: os desafios da resistência à mudança política no Brasil na obra de Celso Furtado. Revista de Ciências Humanas (Florianópolis), Florianópolis, v. 38, p. 223-244, 2005.
REZENDE, Maria José de. Celso Furtado e Karl Mannheim: uma discussão acerca do papel dos intelectuais nos processos de mudança social. Acta Scientiarum (UEM), EUM/Maringá, v. 26, n.1, p. 239-250, 2004.
REZENDE, Maria José de. Gilberto Freyre e Celso Furtado: duas leituras distintas da formação urbano-industrial no Brasil. Revista de Ciências Humanas (Florianópolis), Florianópolis, v. 35, p. 177-203, 2004.
Celso Furtado, Foto: (...)
RICUPERO, Bernardo. Celso Furtado e o pensamento social brasileiro. Estudos Avançados, São Paulo, v. 53, p. 371-377, 2005. Disponível no link. (acessado em 14.7.2013).
RICUPERO, Bernardo. Celso Furtado e o pensamento social brasileiro. In: Lima, Marcos Costa; Dias, Maurício.. (Org.). A atualidade do pensamento de Celso Furtando. São Paulo: Francis, 2008, v. 1, p. 19-26.
ROCHA, Geisa Maria. "Celso Furtado and the Resumption of Construction in Brazil: Structuralism as an Alternative to Neoliberalism". Latin American Perspectives, v. 34, p. 132-159, 2007.
RODRIGUES, Fabiana de Cássia. O papel da questão agrária no desenvolvimento do capitalismo nacional em Caio Prado Jr., Ignácio Rangel , Alberto Passos Guimarães e Celso Furtado. (Dissertação Mestrado em História Econômica). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2005. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
ROMEIRO, Ademar Ribeiro. Os fundamentos teóricos do estruturalismo: uma análise da contribuição de Celso Furtado. (Dissertação Mestrado em Ciências Humanas). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 1981. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
ROSAS, Clemente. Celso Furtado e a história da Sudene. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
RUBIN, Luciane da Silva; MACHADO, Taíze de A. Estrutura agrária brasileira e subdesenvolvimento: interpretações de Caio Prado e Celso Furtado. In: Los Planes Esperanza del Humanismo Económico: el Continente indoamericano, una expresión solidária, un testimonio histórico. Santa Maria: FACOS, 2010. v. ll. p. 929-950.
, Sérgio Araujo de. O pensamento perplexo de Celso Furtado. Revista Indústria Brasileira, Brasília, p. 28 - 31, 01 jul. 2008.
SABÓIA, João (Org.); CARDIM, Fernando (Org.).  Celso Furtado e o Século XXI. 1ª ed., São Paulo: Manole, 2005.
SALOMÃO, Ivan Colangelo. O crepúsculo da escravidão e a formação do mercado de trabalho livre no Brasil: as interpretações de Caio Prado Jr. e de Celso Furtado. Aedos, v. 2, p. 204-218, 2009.
SAMPAIO JUNIOR, Plinio Soares de Arruda.  Entre a Nação e a Barbárie: Uma leitura da contribuição de Caio Prado Jr., Florestan Fernandes e Celso Furtado à crítica do capitalismo dependente. (Tese Doutorado em Economia Aplicada). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 1997. Disponível no link.(acessado em 18.7.2013).
SAMPAIO JUNIOR, Plinio Soares de Arruda.  Pensando com Celso Furtado. [Série Realidade Brasileira]. 1ª ed., Guararema/SP: Escola Nacional Florestan Fernandes, 2012. v. 1. 48p.
SANGUINÉ JÚNIOR, Jairo. Resenha do livro Brasil, a construção interrompida, de Celso Furtado.Sociedade e Debate, Pelotas, v. 4, p. 125-130, 1993.
SANTIAGO, Eduardo Girao. Profecias de um Combatente: recortes do pensamento recente de Celso Furtado. In: José Sydrião de Alencar Júnior; Ricardo Bielschowsky. (Org.). Celso Furtado e o Desenvolvimento Regional. 1ª ed., Fortaleza: Banco do Nordeste, 2005, v. 1, p. 165-193.
SANTIAGO, Eduardo Girao. Professias de um Combatente: A influência do pensamento de Celso Furtado nos Governos de Lula. In: XXVIII Congresso Internacional da Associação Latino-Americana de Sociologia, 2011, Recife. ALAS - XXVIII Congresso Internacional da Associação Latino-Americana De Sociologia. Recife: Kairós Edições, 2011. v. 2. p. 283-555.
SANTOS, Maria Odete. Nação e Mundialização no Pensamento de Celso Furtado. (Tese Doutorado em Ciências Sociais). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 1998. Disponível no link.(acessado em 18.7.2013).
SANTOS, Maria Odete. Nação e mundialização no pensamento de Celso Furtado: da Utopia ao Desencanto. 1ª ed., São Paulo: HUCITEC-no prelo, 2005. v. 1500. 278p.
SANTOS, Theotonio dos. Celso Furtado e a retomada do desenvolvimento. [Dossiê Celso Furtado]. Disponível no link.(acessado em 18.7.2013).
SARETTA, Fausto. Octávio Gouvêa de Bulhões e Celso Furtado: um debate sobre o desenvolvimento brasileiro. In: Dalla Costa, Armando; Gelinski Junior, Eduardo; Cavalieri, Marco Antonio Bibas (organizadores). (Org.). História Econômica do Brasil República. 1ª ed., Curitiba-PR: CRV, 2012, v. , p. 13-29.
SENTO-SÉ, João Trajano. Teoria política em Celso Furtado. In: Pensamento Social Brasileiro, orgs. Sento-Sé e Paiva, ed. Cortez, SP, 2005.
SILVA, N. G.; LEÃO, Igor Zanoni Constant Carneiro. A relação entre Caio Prado Júnior e Celso Furtado. Economia & tecnologia (UFPR), v. vol 7, p. 99-106, 2011.
SILVA, Renan Cabral da. Das ideias à ação: a Sudene de Celso Furtado oportunidade histórica e resistência conservadora. Cadernos do Desenvolvimento, v. 8, p. 17-34, 2011.
SILVA, Roberto Pereira. A Trajetória de Um clássico: Formação econômica do Brasil de Celso Furtado. Economia e Sociedade (UNICAMP. Impresso), v. 20, p. 443-448, 2011.
Celso Furtado, Foto: (...)
SILVA, Roberto Pereira. Celso Furtado e a administração pública: uma leitura de suas primeiras publicações (1944-1948). História Unisinos, v. 14, p. 88-99, 2010.
SILVA, Roberto Pereira. Celso Furtado sob o olhar da história. Leituras de Economia Política (UNICAMP), v. 17, p. 145-151, 2010.
SILVA, Roberto Pereira. O Jovem Celso Furtado. História, política e economia: 1941-1948. 1.ª ed., Bauru: EDUSC, 2011. v. 1. 264p.
SILVA, Roberto Pereira. O Jovem Celso Furtado: História, política e economia (1941-1948). (Dissertação Mestrado em Desenvolvimento Econômico). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2010. Disponível no link. (acessado em 18.7.2013).
SILVA, Rodrigo Luiz Medeiros da. O mito do desenvolvimento sul-coreano. (Dissertação Mestrado em Ciências Econômicas). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2007. Disponível no link.(acessado 18.7.2013).
SILVEIRA, Stefano José Caetano da. Uma Breve Análise das Interpretações de Celso Furtado e Caio Prado Júnior, em Relação ao Desenvolvimento Econômico Brasileiro. Revista do CCEI, v. 14, p. 235-250, 2010.
SZMRECSÁNYI, Tamás József Márton Károly. Análise da estrutura agrária na teoria de desenvolvimento econômico de Celso Furtado. In: Francisco Luiz Corsi e José Marangoni Camargo. (Org.). Celso Furtado: os desafios do desenvolvimento. 1ed.São Paulo - Marília: Cultura Acadêmica - Oficina Universitária, 2010, v. , p. 161-201.
SZMRECSÁNYI, Tamás József Márton Károly. As raízes, a estrutura e o conteúdo da Formação Econômica do Brasil. In: Francisco da Silva Coelho e Rui Guilhereme Granziera. (Org.). Celso Furtado e a Formação Econômica do Brasil - Edição Comemorativa dos 50 Anos de Publicação 1959-2009. 1ª ed., São Paulo: Atlas, 2009, v. , p. 48-58.
SZMRECSÁNYI, Tamás József Márton Károly. Celso Furtado (1920-2004) e a Economia do Desenvolvimento. In: Francisco da Silva Coelho e Tamás Szmrecsányi. (Org.). Ensaios de História do Pensamento Econômico no Brasil Contemporâneo. São Paulo: Atlas, 2007, v. , p. 387-401.
SZMRECSÁNYI, Tamás József Márton Károly. Celso Furtado e o Início da Industrialização no Brasil. Revista de Economia Política, v. 22, p. 3-14, 2002.
SZMRECSÁNYI, Tamás József Márton Károly. Celso Furtado. Estudos Avançados, v. 15, n.43, p. 347-362, 2001. Disponível no link.(acessado 18.7.2013).
SZMRECSÁNYI, Tamás József Márton Károly. Sobre a formação da Formação Econômica do Brasil de C. Furtado. Estudos Avançados, São Paulo, v. 13, n.37, p. 207-214, 1999.
SZMRECSÁNYI, Tamás József Márton Károly. The contribuitions of Celso Furtado (1920−2004) to development economics. European Journal of the History of Economic Thought, v. 12, p. 689-700, 2005.
Lula e Celso Furtado, Foto: (...)
TAVARES, Hermes Magalhães. Celso Furtado e o Planejamento Urbano - Teoria e Ação. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais (ANPUR), Salvador-BA, v. 6, p. 97-106, 2005.
TAVARES, Hermes Magalhães. Celso Furtado: da Formação à dinâmica e à ação regional. Economia Ensaios (UFU. Impresso), v. 22, p. 51-68, 2008.
TAVARES, Hermes Magalhães. Celso Furtado: da Formação econômica do Brasil à dinâmica e à ação regional. 52. ed. , Rio de Janeiro: IPPUR/UFRJ, 2008. 19p.
TAVARES, Hermes Magalhães. Desenvolvimento e dinâmica regional em Celso Furtado. Revista de Politicas Publicas (UFMA), v. 16, p. 99-110, 2012.
TAVARES, Hermes Magalhães. Desenvolvimento, região e poder regional: a visão de Celso Furtado. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais (ANPUR), v. 13, p. 11-26, 2011.
TAVARES, Hermes Magalhães. Planejamento regional e mudança: o projeto Furtado-JK para o Nordeste. 1ª ed.,  Rio de Janeiro: H.P. Comunicação Editora, 2004. v. 1. 211p.
TAVARES, Hermes Magalhães. Região e desenvolvimento regional na obra de Celso Furtado. Cadernos do Desenvolvimento, v. 5, p. 277-295, 2010.
TAVARES, Hermes Magalhães. Uma experiência de planejamento regional: o Nordeste brasileiro. (Tese Doutorado em Economia) Universidade de Campinas, Unicamp, 1989. Disponível no link. (acessado em 18.7.2013).
TAVARES, Maria da Conceição de Almeida (Org.). Celso Furtado e o Brasil.. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2000.
TOSTES, Felipe Santos. Estrutura e dinâmica das economias dependentes: as abordagens de Caio Prado Jr. e Celso Furtado para o caso brasileiro.. Opinio (ULBRA), v. 21, p. 16-24, 2008.
VALENTE, Marcos Alves. Celso Furtado e os Fundamentos de uma Economia Política Republicana. (Tese Doutorado em Sociologia Política). Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 2009. Disponível no link.(acessado em 18.7.2013).
VALENTE, Marcos Alves. Método e História na Economia Política Republicana de Celso Furtado.  Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH, São Paulo, julho 2011. Disponível no link. (acessado em 18.7. 2013).
VIDAL, Francisco Carlos Baqueiro. A problemática do semi-árido nordestino à luz de Celso Furtado: permanência da pobreza estrutural.. Pobreza e desigualdades sociais. Salvador: SEI, 2003, v., p. 197-217.
VIEIRA, Carlos Alberto Cordovano. Celso Furtado: Notas sobre a formação nacional e as conexões entre dependência e subdesenvolvimento. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Politica, v. 21, p. 35-57, 2007.
VIEIRA, Wilson. A Construção da Nação no Pensamento de Celso Furtado. (Tese Doutorado em Sociologia). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2010. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
VIEIRA, Wilson. O Subdesenvolvimento no Pensamento de Celso Furtado: Um Diagnóstico Dinâmico (1950-1964). Cadernos do Desenvolvimento, v. 7, p. 191-201, 2012.
VITAGLIANO, Luís Fernando. A CEPAL no fim do milênio: a resposta aos “programas de ajustes” neoliberais. (Dissertação Mestrado). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2004. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
WANDERLEY, Sergio Eduardo de Pinho Velho. The Chandler-Furtado case: a decolonial reframing of a North/South (dis)encounter. (Dissertação Mestrado em Gestão Empresarial). Fundação Getúlio Vargas, FGV, 2011. Disponível no link. (acessado 18.7.2013).
Celso Furtado, Foto: (...)
WANDERLEY, Sergio Eduardo de Pinho Velho; FARIA, Alexandre. Descolonizando a gestão estratégica: o (des)encontro Alfred Chandler-Celso Furtado. Cadernos do Desenvolvimento, v. 7, p. 129-143, 2013.
WANDERLEY, Sergio Eduardo de Pinho Velho; FARIA, Alexandre. The Chandler-Furtado case: A de-colonial re-framing of a North/South (dis)encounter. Management & Organizational History (Print), v. 7, p. 219-236, 2012.
WERNECK VIANNA, Salvador Teixeira. Considerações sobre o subdesenvolvimento brasileiro. In: Tarcisio Patricio de Araújo; Salvador Teixeira Werneck Vianna; Júnior Macambira. (Org.). 50 Anos de Formação Econômica do Brasil: ensaios sobre a obra clássica de Celso Furtado. Rio de Janeiro: IPEA, 2009, v., p. 93-120.
WERNECK VIANNA, Salvador Teixeira; CHILIATTO-LEITE, M. V.. A questão da lei de Say e o retorno à teoria do subdesenvolvimento de Celso Furtado. In: Tarcisio Patricio de Araújo; Salvador Teixeira Werneck Vianna; Júnior Macambira. (Org.). 50 anos de Formação Econômica do Brasil: ensaios sobre a obra clássica de Celso Furtado. Rio de Janeiro: IPEA, 2009, v., p. 121-143.
WERNECK VIANNA, Salvador Teixeira; CHILIATTO-LEITE, Marcos Vinicius. A questão da lei de Say e o retorno à teoria do subdesenvolvimento de Celso Furtado. In: Tarcisio Patricio de Araújo; Salvador Teixeira Werneck Vianna e Júnior Macambira. (Org.). 50 anos de Formação Econômica do Brasil: ensaios sobre a obra clássica de Celso Furtado. Rio de Janeiro: IPEA, 2009, v. , p. 121-143.
YENDO, Sergio Andrade. Entre a Exceção Econômica e a Retomada do Desenvolvimento. (Dissertação Mestrado em Direito Político e Econômico). Universidade Presbiteriana Mackenzie, MACKENZIE, 2011. Disponível no link.(acessado 14.7.2013).


Celso Furtado - Foto: (...)
"[...] a produção de bens culturais transformou-se em ciclópico negócio e uma das leis que regem esse negócio é a uniformização dos padrões de comportamento, base para criação de grandes mercados.”
- Celso Furtado, em "Cultura e Desenvolvimento em época de crise". Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984, p.31.

O presidente John F. Kennedy e Celso Furtado, então diretor da Sudene
- durante reunião realizada em 14 de julho de 1961, na Casa Branca, Washington D.C. (EUA). 
Foto: Associated Press/John Rous - 14.07.1961.

"Os impulsos mais fundamentais do homem, gerados pela necessidade de auto-identificar-se no universo, impulsos que são a matriz da atividade criativa: a reflexão filosófica, a meditação mística, a invenção artística e a pesquisa científica básica, de uma ou outra forma foram subordinados ao processo de transformação do mundo físico requerido pela acumulação."
- Celso Furtado, em "Criatividade e dependência na civilização industrial". Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978, p.84.

Vamireh Chacon, Celso Furtado, Gilberto Freyre e Florestan Fernandes,
durante cerimônia de titulação de Doutor Honoris Causa
 pela Universidade de Münster, Alemanha, 1968.
[Acervo Iconográfico Gilberto Freyre]

"[...] é descobrir o caminho da criatividade ao nível dos fins, lançando mão dos recursos da tecnologia moderna na medida em que isso seja compatível com a preservação da autonomia na definição desses fins."
- Celso Furtado, em "Cultura e Desenvolvimento em época de crise". Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984, p.118.

Celso Furtado, Oscar Niemeyer e Darci Ribeiro,
Foto: Jornal Valor Econômico

"[...] Somente a vontade política é capaz de canalizar as forças criativas para reconstrução de estruturas sociais avariadas e a conquista de novos avanços na direção de formas superiores de vida."
- Celso Furtado, em "Cultura e Desenvolvimento em época de crise". Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984, p.28.

Celso Furtado e Gilberto Gil - foto: (...)

"[...] é quando a capacidade criativa do homem volta-se para a descoberta dele mesmo, empenha-se em enriquecer o seu universo de valores, que se pode falar de desenvolvimento. Efetiva-se o desenvolvimento quando a acumulação conduz à criação de valores que se difundem em importantes segmentos da coletividade."
- Celso Furtado, em "Cultura e Desenvolvimento em época de crise". Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984, p.107.


"[...] a ciência do desenvolvimento preocupa-se com dois processos de criatividade. O primeiro diz respeito à técnica, ao empenho do homem de dotar-se de instrumentos, de aumentar sua capacidade de ação. O segundo refere-se à utilização última desses meios, aos valores que o homem adiciona ao seu patrimônio existencial."
- Celso Furtado, em "Cultura e Desenvolvimento em época de crise". Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984, p.107.


“O capitalismo subdesenvolvido não é um capitalismo menos desenvolvido que o dos países ricos. É um sistema de outro tipo, que não conduz ao bem-estar social, mas à concentração da renda. Precisamos compreender melhor a natureza do nosso capitalismo.”
- Celso Furtado

  
CENTRO INTERNACIONAL CELSO FURTADO DE POLÍTICAS PARA O DESENVOLVIMENTO
Celso Furtado (mosaico), por Sérgio Honorato
Acervo: A biblioteca pessoal de Celso Furtado possui perto de 7500 títulos, entre livros, periódicos, relatórios, folhetos, teses, obras de referência, anais de eventos. Desde os anos 1940 ele formou uma coleção de obras sobre o Brasil, a América Latina e os estudos do desenvolvimento. Este é o núcleo da Biblioteca, que também reúne toda a sua produção intelectual e dezenas de livros e artigos a seu respeito. Merecem destaque as coleções de revistas acadêmicas ligadas às ciências sociais, como El Trimestre Económico, Econômica Brasileira (criada por Celso Furtado nos anos 50), Desarrollo Económico, Revista de Economia Política, Revista de la CEPAL; os clássicos dos grandes economistas do século XX;  as teses dirigidas por Celso Furtado nos vinte anos em que lecionou no exterior; obras de referência como a famosa Encyclopedia of the Social Sciences, com dez mil páginas escritas por 1500 autores (edição de 1944).
Localizado: Av. República do Chile, 330, Torre Oeste, 2º andar. Edifício Ventura. Cep. 20031-170, Centro - Rio de Janeiro - RJ.
Tel: 5521. 2172 6312
Site: Oficial Centro Celso Furtado 
Biblioteca - e-mail.
Bibliotecária responsável: Aline Balué - e-mail.
Horário de funcionamento: De 2ª a 6ª feira, das 14h às 18h

“Nada choca tanto o observador da economia brasileira como a contradição entre o formidável potencial de recursos do país e o baixo nível de desenvolvimento alcançado por este até o presente.”
- Celso Furtado


REFERÊNCIAS E FONTES DE PESQUISA
Celso Furtado - Foto: (...)


© Direitos reservados ao autor/e ou ao seus herdeiros

© Pesquisa, seleção e organização: Elfi Kürten Fenske


=== === ===
Trabalhos sobre o autor:
Caso, você tenha algum trabalho não citado e queira que ele seja incluído - exemplo: livro, tese, dissertação, ensaio, artigo - envie os dados para o nosso "e-mail de contato", para que possamos incluir as referências do seu trabalho nesta pagina. 

Como citar:
FENSKE, Elfi Kürten (pesquisa, seleção e organização). Celso Furtado - cultura e desenvolvimento. Templo Cultural Delfos, julho/2013. Disponível no link. (acessado em .../.../...).
____
Página atualizada em 22.7.2013.



Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2016 Templo Cultural Delfos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!