Lygia Fagundes Telles - a inventora de memórias

  Lygia Fagundes Telles, foto: Eduardo Knapp/Folhapress

"Paixão e vocação"

(...) "Com a ponta da língua pude sentir a semente apontando sob a polpa. Varei-a. O sumo ácido inundou-me a boca. Cuspi a semente: assim  queria escrever, indo ao âmago do âmago até atingir a semente resguardada lá no fundo como um feto."
- Lygia Fagundes Telles, in "Verde lagarto amarelo".



"Salve o dia 19
Onde nascemos os dois
Eu, no século passado
A Lygia um século depois"
- Manuel Bandeira

“veio o vento e soprou o calendário”
- Lygia Fagundes Telles


Lygia, Curso Fundamental/Escola Caetano de Campos
(Acervo IMS)
Quarta filha do casal Durval de Azevedo Fagundes e Maria do Rosário Silva Jardim de Moura, nasce na capital paulista, em 19 de abril de 1923, Lygia de Azevedo Fagundes, na rua Barão de Tatuí. Seu pai, advogado, exerceu os cargos de delegado e promotor público em diversas cidades do interior paulista (Sertãozinho, Apiaí, Descalvado, Areias e Itatinga), razão porque a escritora passa seus primeiros anos da infância mudando-se constantemente. Acostuma-se a ouvir histórias contadas pelas pajens e por outras crianças. Em pouco tempo, começa a criar seus próprios contos e, em 1931, já alfabetizada, escreve nas últimas páginas de seus cadernos escolares as histórias que irá contar nas rodas domésticas. Como ocorreu com todos nós, as primeiras narrativas que ouviu falavam de temas aterrorizantes, com mulas-sem-cabeça, lobisomens e tempestades.
Seu pai gostava de freqüentar casas de jogos, levando Lygia consigo "para dar sorte". Diz a escritora: "Na roleta, gostava de jogar no verde. Eu, que jogo na palavra, sempre preferi o verde, ele está em toda a minha ficção. É a cor da esperança, que aprendi com meu pai."
Em 1936 seus pais se separam, mas não se desquitam.
“Porão e sobrado” é o primeiro livro de contos publicado pela autora, em 1938, com a edição paga por seu pai. Assina apenas como Lygia Fagundes.
No ano seguinte termina o curso fundamental no Instituto de Educação Caetano de Campos, na capital paulista. Ingressa, em 1940, na Escola Superior de Educação Física, naquela cidade. Ao mesmo tempo, freqüenta o curso pré-jurídico, preparatório para a Faculdade de Direito do Largo do São Francisco.
Lygia Fagundes Telles (Acervo IMS)
Inicia o curso de Direito em 1941, freqüentando as rodas literárias que se reuniam em restaurantes, cafés e livrarias próximas à faculdade. Ali conhece Mário e Oswald de Andrade, Paulo Emílio Sales Gomes, entre outros, e integra a Academia de Letras da Faculdade e colabora com os jornais Arcádia e A Balança. Para se sustentar, trabalha como assistente do Departamento Agrícola do Estado de São Paulo. Nesse ano conclui o curso de Educação Física.
“Praia viva”, sua segunda coletânea de contos, é editada em 1944 pela Martins, de São Paulo. O ano de 1945 marca o ano de falecimento de seu pai. Atenta aos acontecimentos políticos, Lygia participa, com colegas da Faculdade, de uma passeata contra o Estado Novo.
Terminado o curso de Direito, em 1946, só três anos depois a escritora publica, pela editora Mérito, seu terceiro livro de contos, “O cacto vermelho”. O volume recebe o Prêmio Afonso Arinos, da Academia Brasileira de Letras.
Casa-se com o jurista Goffredo da Silva Telles Jr., seu professor na Faculdade de Direito que, na ocasião, 1950, era deputado federal. Muda-se, em virtude desse fato, para o Rio de Janeiro, onde funcionava a Câmara Federal.
Com seu retorno à capital paulista, em 1952, começa a escrever seu primeiro romance, Ciranda de pedra. Na fazenda Santo Antônio, em Araras - SP, de propriedade da avó de seu marido, para onde viaja constantemente, escreve várias partes desse romance. Essa fazenda ficou famosa na década de 20, pois lá reuniam-se os escritores e artistas que participaram do movimento modernista, tais como Mário e Oswald de Andrade, Tarsila do Amaral, Anita Malfatti e Heitor Villa-Lobos.
Maria do Rosário, sua mãe, falece em 1953 e, no ano seguinte, nasce seu único filho, Goffredo da Silva Telles Neto. As Edições O Cruzeiro, do Rio de Janeiro, lançam “Ciranda de pedra”.
Lygia, em 1956, na Fazendo Santo Antonio
(Acervo IMS)
Seu livro de contos, “Histórias do desencontro”, é publicado pela editora José Olympio, do Rio de Janeiro, e é premiado pelo Instituto Nacional do Livro, em 1958.
Em 1960 separa-se de seu marido Goffredo e, no ano seguinte, começa a trabalhar como procuradora do Instituto de Previdência do Estado de São Paulo.
Dois anos depois lança, pela editora Martins, de São Paulo, seu segundo romance, “Verão no aquário”. Passa a viver com Paulo Emílio Salles Gomes e começa a escrever o romance “As meninas”, inspirado no momento político por que passa o país.
Em 1964 e 1965 são publicados seus livros de contos “Histórias escolhidas” e “O jardim selvagem”, respectivamente, pela editora Martins.
A convite do cineasta Paulo César Sarraceni e em parceria com Paulo Emílio Salles Gomes, em 1967, faz a adaptação para o cinema do romance D. Casmurro, de Machado de Assis. Esse trabalho foi publicado, em 1993, pela editora Siciliano, de São Paulo, sob o título de “Capitu”.
Seu livro de contos “Antes do baile”, publicado pela Bloch, do Rio de Janeiro, em 1970, recebe o Grande Prêmio Internacional Feminino para Estrangeiros, na França.
O lançamento, em 1973, pela José Olympio, de seu terceiro romance, “As meninas”, é um sucesso. A escritora arrebata todos os prêmios literários de importância no país: o Coelho Neto, da Academia Brasileira de Letras, o Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro e o de "Ficção" da Associação Paulista de Críticos de Arte.
“Seminário de ratos”, contos, é publicado em 1977 pela José Olympio e recebe o prêmio da categoria Pen Club do Brasil. Nesse ano participa da coletânea Missa do Galo: variações sobre o mesmo tema, livro organizado por Osman Lins a partir do conto clássico de Machado de Assis. Integra o corpo de jurados do Concurso Unibanco de Literatura, ao lado dos escritores e críticos literários Otto Lara Resende, Ignácio de Loyola Brandão, João Antônio, Antônio Houaiss e Geraldo Galvão Ferraz.
Lygia,  em 1954, São Paulo (Acervo IMS)
Em setembro desse ano, falece Paulo Emílio Salles Gomes. A escritora assume, face ao ocorrido, a presidência da Cinemateca Brasileira, que Paulo Emílio ajudara a fundar.
Em 1978 a editora Cultura, de São Paulo, lança “Filhos pródigos”. Essa coletânea de contos seria republicada a partir de 1991 sob o título “A estrutura da bolha de sabão”. A TV Globo leva ao ar um Caso Especial baseado no conto "O jardim selvagem".
Sua editora no período de 1980 até 1997, a Nova Fronteira, do Rio de Janeiro publica “A disciplina do amor”. No ano seguinte lança “Mistérios”, uma coletânea de contos fantásticos. A TV Globo transmite a telenovela Ciranda de pedra, adaptada de seu romance.
Em 1982 é eleita para a cadeira 28 da Academia Paulista de Letras e, em 1985, por 32 votos a 7. É eleita membro da Academia Brasileira de Letras, em 24 de outubro de 1985, na sucessão de Pedro Calmon e recebida em 12 de maio de 1987 pelo acadêmico Eduardo Portellaé a quarta ocupante da Cadeira nº 16, fundada por Gregório de Mattos. Ainda em 1985 é agraciada com a medalha da Ordem do Rio Branco.
1989 é o ano de lançamento de seu romance As horas nuas. Recebe a Comenda Portuguesa Dom Infante Santo. Em 1990 seu filho, Goffredo Neto, realiza o documentário Narrarte, sobre a vida e a obra da mãe. Em 1991 aposenta-se como funcionária pública.
A Rede Globo de Televisão apresenta, em 1993, dentro da série Retratos de mulher, a adaptação da própria escritora do seu conto "O moço do saxofone", que faz parte do livro Antes do baile verde, num episódio denominado "Era uma vez Valdete".
Lygia Fagundes Telles, autografando um livro em 1958
(Acervo IMS)
Participa da Feira o Livro de Frankfurt, na Alemanha, em 1994, e lança, no ano seguinte, um novo livro de contos, A noite escura e mais eu, que ganhou os prêmios de Melhor livro de contos, concedido pela Biblioteca Nacional; Prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro e Prêmio APLUB de Literatura.
Em 1996 estréia o filme As meninas, de Emiliano Ribeiro, baseado em romance homônimo de Lygia. Em 1997 participa da série O escritor por ele mesmo, do Instituto Moreira Salles. A editora Rocco adquire os direitos de publicação de toda a obra passada e futura da escritora.
Em 1998, a convite do governo francês, participa do Salão do Livro da França.
Seu livro Invenção e Memória foi agraciado com o Prêmio Jabuti, na categoria ficção, em 2001. Recebe, também, o "Golfinho de Ouro" e o Grande Prêmio da Associação Paulista dos Críticos de Arte.
Agraciada, em março de 2001, com o título de Doutora Honoris Causa pela Universidade de Brasília (UnB).
Em 2005, recebe o Prêmio Camões, o mais importante da literatura em língua portuguesa.
Fonte: Releituras


"Tão difícil a vida e seu ofício. E ninguém ao lado para receber a totalidade dos seres humanos, isso nos últimos anos da sua vida sem muita ilusão..."
- Lygia Fagundes Telles, in "A disciplina do amor".

Lygia Fagundes Telles, Goffredo Telles Junior e o filho (Acervo IMS)

"Vocês me parecem tão sem mistério, tão descobertas, chego a pensar que sei tudo a respeito de cada uma e de repente me assusto quando descubro que me enganei, que sei pouquíssima coisa."
- Lygia Fagundes Telles, no livro “As meninas”. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.


LEITURAS DE LYGIA FAGUNDES TELLES
Ela quase não lê coisa nova, prefere reler Drummond, Manuel Bandeira, João Cabral e Melo Neto e Guimarães Rosa, que “me fazem companhia, gosto deles e não me esqueço”. As lembranças. Com Paulo Emílio, por exemplo, descobriu Pasárgada.
- in "Lygia de todas as letras", Prosa/O Globo (12.4.2013).



Lygia Fagundes Telles


“É difícil separar a ficção da invenção, a fantasia da memória. Não há uma linha separando o que você viu do que você sonhou. A imaginação ocupa o espaço da memória.”
- Lygia Fagundes Telles, em entrevista ao jornal O Povo, 2007.


OBRAS DA AUTORA
CONTOS
Porão e sobrado. [bancado pelo pai da autora], 1938.
Praia viva. [coletânea de contos]. São Paulo: Editora Martins, 1944.
O cacto vermelho. São Paulo: Editora Mérito, 1949.
Histórias do desencontro. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1958.
Histórias escolhidas. São Paulo: Editora Martins, 1964.
O jardim selvagem. São Paulo: Editora Martins, 1965.
Antes do baile verde. Rio de Janeiro: Editora Bloch, 1970. (reedição Editora Cia das Letras, 2009), 208p.
Seminário dos ratos. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1977. (reedição Editora Cia das Letras, 2009), 184p.
Filhos pródigos. São Paulo: Editora Cultura, 1978. reeditado como A estrutura da bolha de sabão”.  1991. (reedição Editora Cia das Letras, 2010), 184p.
Mistérios. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1981. (reedição Editora Rocco)
A noite escura e mais eu. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1995. (reedição Editora Cia das Letras, 2009), 128p.
Meus contos preferidos. [antologia de contos]. Editora Rocco, 2004.
Histórias de mistério. [Coletânea de contos]. Editora Rocco, 2004. (reedição Editora Cia das Letras, 2011 - com Ilust. Eloar Guazzelli - e Org. Rosa Amanda Strausz), 64p.
Meus contos esquecidos. [antologia de contos]. Editora Rocco, 2005.
O Segredo - E outras histórias de descoberta. [coletânea de contos], Rio de Janeiro: Companhia das Leras, 2012, 64p.
Um coração ardente. [coletânea 10 contos publicados entre 1958 e 1981],  Rio de Janeiro: Editora Cia das Letras, 2012.



Lygia Fagundes Telles, por Netto
FICÇÃO E MEMÓRIA
A Disciplina do Amor. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1980. (reedição Editora Cia das Letras, 2010), 224p.
Invenção e Memória. Editora Rocco, 2000. (reedição Editora Cia das Letras, 2009), 144p.
Durante aquele estranho chá: perdidos e achados. [Org. Suênio Campos de Lucena]. Editora Rocco, 2002. (reedição Editora Cia das Letras, 2010), 160p.
Conspiração de Nuvens. Editora Rocco, 2007.


CRÔNICAS
Passaporte para a China. [Crônicas de viagem], Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2011, 112p.


ROMANCES
Ciranda de pedra. Rio de Janeiro: Edições O Cruzeiro, 1954. (reedição Editora Cia das Letras, 2009), 224p.
Verão no aquário. São Paulo: Editora Martins, 1963. (reedição Editora Cia das Letras, 2010), 232 p.
As meninas. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1973. (reedição Editora Cia das Letras, 2009), 304p.
As horas nuas. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1989. (reedição Editora Cia das Letras, 2010), 256p.


ANTOLOGIAS
Seleta. [organização, estudos e notas de Nelly Novaes Coelho]. 1971.
Lygia Fagundes Telles. [organização de Leonardo Monteiro], 1980.
Os Melhores Contos de Lygia Fagundes Telles. [seleção de Eduardo Portella]. Editora Global. 1982.
Venha Ver o Pôr-do-sol e Outros Contos. Editora Ática. 1997.
Oito Contos de Amor. [seleção de Pedro Paulo Sena Madureira]. Editora Ática. 1997.
Pomba Enamorada e Outros Contos Escolhidos. [seleção de Léa Masina]. Editora LePM Pocket. 1999.
A confissão de Leontina e fragmentos. [seleção de Maura Sardinha]. 1996.


PARTICIPAÇÕES EM COLETÂNEAS
Gaby (novela). In: SILVEIRA, Ênio (ed.). Os Sete Pecados Capitais. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1964, pp. 241-68.
Trilogia da confissão. (“Verde lagarto amarelo”, “Apenas um saxofone” e “Helga”). In: Os 18 Melhores Contos do Brasil (trabalhos premiados no I Concurso Nacional de Contos, promovido pelo Governo do Paraná). Rio de Janeiro: Bloch Editores, 1968, pp. 42-68.
Missa do galo. In: LINS, Osman (org.). Missa do Galo: Variações sobre o mesmo tema. São Paulo: Summus, 1977, pp. 99-109.
Lygia Fagundes Telles, por Gustavo Masías
O muro. In: LADEIRA, Julieta de Godoy (coord.). Lições de Casa: Exercícios de Imaginação. São Paulo: Cultura, 1978, pp. 89-99.
As formigas. In: STEEN, Edla van (org.). O Conto da Mulher Brasileira. São Paulo: Vertente, 1978, pp. 125-36.
Pomba enamorada. In: STEEN, Edla van (org.). O Papel do Amor. São Paulo: Cultura, 1979, pp. 129-36.
Negra jogada amarela. (literatura infanto-juvenil, conto). In: RAMOS, Rogério (org.). Criança Brinca, Não Brinca?. São Paulo: Cultura, 1979, pp. 21-30.
As cerejas. In: VIANA, Vivina de Assis (coord.). As Cerejas. São Paulo:  Atual, 1993 pp. 4-15.
A caçada. In: LADEIRA, Julieta de Godoy (org.). Contos Brasileiros Contemporâneos. São Paulo: Moderna, 1994, pp. 35-8.
A estrutura da bolha de sabão e As cerejas. In: BOSI, Alfredo (org.). O Conto Brasileiro Contemporâneo. São Paulo: Cultrix, s.d., pp. 139-50.


CRÔNICAS PUBLICADAS NA IMPRENSA
Não vou ceder. Até quando?. O Estado de São Paulo, em 06 de janeiro de 1992.
Pindura com um anjo. Jornal da Tarde, em 11 de agosto de 1996.


Drummond e Lygia - desenho de Drummond

CONGRESSOS, DEBATES E SEMINÁRIOS
Ciclo de conferências em homenagem a Machado de Assis, realizado no Centro Cultural Banco do Brasil, 1989.
Feira Internacional do Livro, Göteborg (Suécia), 1990, a convite da Sociedade de Escritores Suecos.
Congresso de Escritores Ibéricos e Latino-Americanos, Buenos Aires (Argentina), 1990.
Congresso Internacional de Escritores, Milão (Itália), onde apresentou trabalho sobre “A personagem feminina segundo Lygia Fagundes Telles”. 18è Salon du Livre, Paris (França), 1998.
Feira Internacional do Livro, Barcelona (Espanha), 1998, onde o Brasil foi o país homenageado.


DEPOIMENTOS
Por que escrevo. In: O Escritor por Ele Mesmo. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 1997.
O Escritor nas Bibliotecas: Diálogos e Debates. Secretaria Municipal de São Paulo, 1997.
Escritores. Entrevistas de 43 ficcionistas de várias nacionalidades. 2002.
A Paixão pela Poesia. 2002.

Lygia Fagundes Telles - posse na ABL, 1987.

DISCURSOS E CONFERÊNCIAS
Posse na Academia Brasileira de Letras. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988. Publicado em: Discursos Acadêmicos. Rio de Janeiro: ABL, 1992. Vol. 25. Disponível no Link
Álvares de Azevedo – A Escola de Morrer Cedo. [Conferência na Academia Brasileira de Letras, em 31/10/ 1991 e 15/10/2002]. Publicada na Revista Brasileira n.o 31, pp. 113-119.
Os contistas. [membros da Academia Brasileira de Letras, no ciclo de conferências 100 Anos de Cultura Brasileira]. ABL, 1997.
As personagens femininas. [no ciclo de palestras do Comitê Feminino] ABL, 1998.
Uma revisão de Machado de Assis. [nas Jornadas Acadêmicas], ABL e Folha de S. Paulo, 1998.
Língua portuguesa – uma paixão. [no seminário A Língua Portuguesa em questão], do CIEE de São Paulo, 1999.
Uma revisão de Machado de Assis. [no Ciclo Machado de Assis], ABL, 1999.
A superioridade de Machado de Assis. [no ciclo A Língua Portuguesa nos 500 Anos do Brasil], ABL, 1999.
Língua e literatura. [no seminário Idioma e Soberania – Nossa Língua], Nossa Pátria, na Câmara dos Deputados, Brasília, 2000.


Lygia Fagundes Telles (...)

"Enriqueço na solidão: fico inteligente, graciosa e não esta feia ressentida que me olha do fundo do espelho. Ouço duzentas e noventa e nove vezes o mesmo disco, lembro poesias, dou piruetas, sonho, invento, abro todos os portões e quando vejo a alegria está instalada em mim."
- Lygia Fagundes Telles, no livro “As meninas”. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.


TRADUÇÕES
Alemão
Die Struktur der Seifenblase. (Filhos Pródigos). Tradução de Alfred Opitz. Berlim, Suhrkamp, 1983.
Nachte Stunden. (As Horas Nuas). Tradução de Mechthild Blumberg. Berlim: Rütten & Loening, 1994.
Emanuel. (conto). In RESCHKE, Rudolf Helmut (org.). Phantastisch diese Katzen! (Fantástico este Gato!). Tradução de Alfred Opitz. Rheda: Bertelsmann Club, 1994, pp. 125-32.
Kurz vor Mitternacht. (Missa do Galo, conto). In: LINS, Osman (org.). Kurz vor Mitternacht. Tradução de Katharina Pfützner. Frankfurt/Leipzig:  Insel Verlag, 1994, pp. 104-16.


Espanhol
Lygia Fagundes Telles (...)
Las meninas. (As Meninas). Tradução de Estela dos Santos. Buenos Aires: Editorial Sudamericana, 1973.
Las horas desnudas. (As Horas Nuas). Tradução de Basilio Losada. Barcelona: Plaza & Janes, 1991.


Francês
La Structure de la bulle de savon. (Filhos Pródigos). Tradução de Inès Oseki-Dépré. Paris: Alinea, 1986.
Un Thé bien fort et trois tasses. (Antes do Baile Verde). Tradução de Maryvonne Lapouge-Petorelli. Paris: Alinea, 1989. Paris: Le serpent à plumes, 1995.
L’Heure nue. (As Horas Nuas). Tradução de Maryvonne Lapouge-Petorelli. Paris: Alinea, 1991. Paris: Le serpent à plumes, 1996.
“W.M.”. In: BAREIRO-SAGIER, Rubén e LEÓN, Olver Gilberto (orgs.). Antologie de la nouvelle latino-américaine. Belfond/Unesco, 1991.
La Nuit obscure et moi. (A Noite Escura e mais Eu). Trad. de Maryvonne Lapouge. Paris: Éditions Rivages, 1998.
La Discipline de l’amour. (A Disciplina do Amor). Tradução de Maryvonne Lapouge-Petorelli. Paris: Editora Rivages, 2002.


Inglês
The Girl in the Photograph. (As Meninas). Tradução de Margareth A. Neves. Nova York: Avon Books, 1982.
Tigrela and Other Stories. (Seminário dos Ratos). Tradução de Margareth A. Neves. Nova York: Avon Books, 1986.
The Marble Dance. (Ciranda de Pedra). Tradução de Margareth A. Neves. Nova York: Avon Books, 1986.


Italiano
Le perle. (“As pérolas”). In: PORZIO, Domenico (org.). Le più belle novelle di tutti paesi – 1961 (Os mais Belos Contos de Todos os Países). Milão: Aldo Martello, 1961, pp. 291-300.
Le ore nude. (As Horas Nuas). Tradução de Adelina Aletti. Milão: La tartaruga edizioni, 1993.


Lygia Fagundes Telles (...)
Polonês
Klucz. (“A chave”). In: KLAVE, Janina Z. (organização e tradução). Opowiadania brazylijskie. Cracóvia, Wydawnictwo literackie, 1977, pp. 167-75.
W kamiennym kregu. (Ciranda de Pedra). Tradução de Elzbieta Reis. Cracóvia: Wydawnictwo literackie, 1990. [Este livro foi traduzido também para o chinês e o espanhol].


Portugal
Antes do Baile Verde. Lisboa: Edição LBL, [1971].
A Disciplina do Amor. Lisboa: Edições O Jornal, 1980.
A Noite Escura e Mais Eu. Lisboa: Edição LHL, 1996.
As Meninas. Lisboa: Edição LBL, s.d.
As Horas Nuas. Lisboa: Editorial Presença, 2005.


Sueco
Nakna timmar. (As Horas Nuas). Tradução de Margareta Ahlberg.  Estocolmo: Natur och Kultur, 1991.


Tcheco
Pred zelenym balem. (Antes do Baile Verde). Tradução de Pavla Lidmilová. Praga: Odeon, s.d.. [Este livro foi traduzido também para o russo].




Lygia Fagundes Telles, foto: Adriana Vichi

“Estancar a loucura por meio de um sonho”
- Lygia Fagundes Telles



FILMES E DOCUMENTÁRIOS
Titulo: Le Ore nude
Sinopse: Em crise conjugal, uma mulher passa a ter um caso com outro homem. Seu marido não a compreende e, para tentar resolver a situação, ela o leva até o lugar onde costuma encontrar-se com o amante. No entanto, quando chegam ao local, deparam-se com o cadáver de um jovem afogado. Ainda que não mantenha um diálogo direto com As Horas nuas, romance de Lygia, o filme de Marco Vicario guarda muitas semelhanças com o universo do livro – na trajetória da protagonista e no amor platônico que sente por outro homem.
Direção: Marco Vicario
Ano: 1965, Itália
Formato: 35mm, pb, 92’ {BetacCam].
Elenco: Keir Dullea, Rossana Podestà, Bruno Scipioni, Gabriele Basili
Depositária:  Cineteca Nazionale (Itália).


Lygia Fagundes Telles (...)
Titulo: O Saxofonista
Sinopse: Nos anos 1970, a relação entre um homem e uma mulher é levada a extremos. Baseada no conto “Apenas um saxofone”, de Lygia Fagundes Telles.
Direção: Mariza Leão
Ano: 1977, Rio de Janeiro/Brasil.
Formato: 35mm, cor, 13’
Elenco: Denise Bandeira, Eduardo Machado


Titulo: As Três mortes de Solano
Sinopse: Sobre um cenário feito de um tapete com imagens de uma caçada, três histórias fantásticas, envolvendo a personagem de Solano, se desenvolvem. Baseada no conto “A Caçada”, de Lygia Fagundes Telles.
Direção: Roberto Santos
Ano: 1976, São Paulo/Brasil.
Formato:  35mm, cor, 100’
Elenco: Stênio Garcia, Líbero Rípoli, Bárbara Fázio, Clarise Piovesan
Participação especial: Gianfrancesco Guarnieri.


Titulo: O Menino
Sinopse: A relação entre um casal é vista sob a perspectiva de seu filho, um menino sagaz que, durante uma sessão de cinema, descobre uma ligação amorosa da mãe. Baseado no conto homônimo de Lygia Fagundes Telles.
Direção: Luiz Fernando Sampaio
Ano: 1977-1978, Rio de Janeiro/Brasil.
Formato:  35mm, cor ,16’
Elenco: João S. Barcellos, Cristina Figueiredo, Bernardo Proença, Renato Sodine.


Titulo: A Consulta
Sinopse: Sátira ao atendimento médico de uma clínica psiquiátrica. Baseado no conto homônimo de Lygia Fagundes Telles.
Direção: Silvio Matos
Ano: 1979, São Paulo/Brasil.
Formato:  35mm, cor, 15’
Elenco: Luis Carlos S. Pinto, Sílvio Matos, Ezio Ramos, Aliomar de Matos.


Lygia Fagundes Telles e o filho
Titulo: Narrarte
Sinopse: Vida e obra de Lygia Fagundes Telles vistas sob as lentes de seu filho, Gofredo Telles Neto.
Direção: Goffredo Telles Neto
Ano: 1990, São Paulo/Brasil.
Formato: vídeo, cor, 23’ | DVCam


Titulo: Jogo da memória
Sinopse: Um jogo de memória no qual passado e presente se misturam – quando tocadas por seu tio, fotos se transformam em realidade para uma menina. Inspirado no romance “Verão no Aquário”, de Lygia Fagundes Telles.
Direção: Denise Vieira Pinto
Ano: 1992, São Paulo/Brasil
Formato: 35mm, cor, 15’
Elenco: Sandra Annenberg, Abraão Farc, Elias Andreatto, Patrícia Gaspar.


Título: As meninas
Sinopse: Em São Paulo, no início dos anos 1970, três estudantes universitárias moram num pensionato e dividem suas angústias pessoais, num cenário de repressão política. Adaptação do romance homônimo de Lygia Fagundes Telles.
Direção: Emiliano Ribeiro
Ano: 1996, Rio de Janeiro/Brasil.
Formato: 35mm, cor, 90’
Elenco: Claudia Liz, Drica Moraes, Sônia de Paula, Walney Costa

Paulo Emílio e Lygia Fagundes Telles, Paris, 1970.
(Acervo Lygia Fagundes Telles)

Título: Capitu
Direção: Paulo César Sarraceni
Ano: 1999
Roteiro: Lygia Fagundes Telles, escrito em parceria com Paulo Emilio Salles Gomes
Inspirado: no romance Dom Casmurro, de Machado de Assis, incluído no catálogo da Editora Cosak & Naify.


Título: Formigas
Sinopse: Duas universitárias ganham um presente da dona da pensão onde moram – uma caixa contendo os ossos de um anão. Baseado no conto “As Formigas”, de Lygia Fagundes Telles.
Direção: Verônica Guedes
Ano: 2004, Ceará/Brasil.
Formato: 35mm, pb, 18’
Elenco: Michelle Mozena, Daniela Casteline, Wellington Crispim, Jane Azeredo.


Título: Lygia por Lygia
Direção: Paulo Markun e Ricardo Elias
Ano: 2009, São Paulo/Brasil 
Formato: vídeo digital, cor, 52’
Documentário e ficção combinam-se para narrar a trajetória de Lygia Fagundes Telles – momentos de sua vida são encenados por atores, imagens de arquivo e uma entrevista com a autora são também apresentados. Produzido numa parceria entre a TV Cultura e a TV Sesc, o especial é parte da série Autor por autor e conta com texto da escritora e dramaturga Maria Adelaide Amaral e participação das atrizes Eva Wilma e Regina Braga.



Título: Lygia Fagundes Telles - a inventora de memórias
Série: Mestres da Literatura
Lygia Fagundes Telles, foto: Tomás Rangel
Sinopse: "Lygia Fagundes Telles – a inventora de memórias" é um documentário que se propõe a mostrar a força expressiva e a criatividade da obra da escritora. Através de trechos de seus contos e romances, interpretados por uma jovem atriz, pretende-se passar para o espectador sensações variadas que a leitura das obras pode proporcionar. Depoimentos de especialistas e apaixonados vêm complementar o quadro com informações e análises que contribuem para a compreensão mais profunda das obras. Para aqueles que ainda não tiveram contato com o trabalho de Lygia ou estão iniciando a descoberta da escritora especial, o documentário pretende ser uma introdução instigante – como Lygia instiga seus leitores a se deixarem levar por mistérios, por paixões antigas, pela invenção.
Ficha Técnica
Equipe TAL
Roteiro e Direção: Bruno Carneiro
Produção Executiva: Malu Viana Batista
Coordenação de Produção: Clara Ramos
Direção de Fotografia: Mariano Kweller
Atriz e Narradora: Apoena Gurggel
Edição: Felipe Macedo
Design Gráfico: Deborah Guerra
Música Original: Marcos Azambuja / Estúdio Zut
Produtora: Pacto AudioVisual 
Equipe TV Escola
Ministério da Educação
Departamento de Produção e Capacitação em Programas de Educação a Distância
Coordenação-Geral de Produção de Programas em Radiodifusão
Produção TV Escola
Alexandre Fischgold
Érico Monnerat


Lygia Fagundes Telles - A inventora de Memórias 
[Série Mestres da Literatura].

“Gosto de me preparar para escrever. Eu não escrevo de qualquer jeito - de camisola, de pijama. Eu gosto de me arrumar! Escrever é o meu ofício e quero estar arrumada para ele. Dentes escovados, banho tomado, uma roupa, pronto: agora vou trabalhar.”
- Lygia Fagundes Telles (fonte: Opovo 19.4.2013)


Lygia Fagundes Telles, com  Pum-Gati
TELEVISÃO
Título: O jardim selvagem.
Episódio: Caso especial
 TV Globo
 1978.

Título: Ciranda de pedra
Adaptação do romance do mesmo título, de Lygia Fagundes Telles.
TeleNovela
TV Globo
Ano: 1981.

Título: Era uma vez Valdete
Adaptação do conto "O moço do saxofone", que faz parte do livro Antes do baile verde, num episódio denominado "Era uma vez Valdete".
Série: Retratos de Mulher
TV Globo
Ano: 1993.


Lygia Fagundes Telles e Rachel de Queiroz

 TEATRO
As meninas. 1988 e 1998.



Carlos Drummond de Andrade e Lygia Fagundes Telles, em 1958.

PRÊMIOS LITERÁRIOS
Prêmio Afonso Arinos, da Academia Brasileira de Letras, pelo seu livro de contos “O cacto vermelho”, (1949);
Prêmio do Instituto Nacional do Livro, pelo seu livro de contos “Histórias do desencontro”(1958);
Prêmio Boa Leitura. (1964);
Prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro, por “Verão no Aquário”, (1965);
Prêmio do I Concurso Nacional de Contos, do Governo do Paraná (1968);
Grande Prêmio Internacional Feminino para Contos Estrangeiros - França, pelo seu livro de contos “Antes do baile” (1969);
Prêmio Candango,concedido ao melhor roteiro cinematográfico por “Capitu” em parceria com Paulo Emílio Sales Gomes(1969);
Prêmio Guimarães Rosa,da FUNDEPAR, pelo seu livro de contos “Antes do baile verde”, (1972);
Prêmio Coelho Neto, da Academia Brasileira de Letras , pelo seu romance "As Meninas", (1974);
Prêmio Jabuti, pelo seu romance "As Meninas", (1974);
Prêmio APCA – Associação Paulista dos Críticos de Arte, pelo seu romance "As Meninas", (1974);
Prêmio do PEN Clube do Brasil, para o livro de contos “Seminário dos Ratos” (1977);
Prêmio Jabuti, para o livro “A Disciplina do Amor” (1980);
Prêmio APCA – Associação Paulista dos Críticos de Arte, para o livro “A Disciplina do Amor” (1980);
Prêmio II Bienal Nestlé de Literatura Brasileira. (1984);
Prêmio Pedro Nava, Melhor Livro do Ano, para o livro “As Horas Nuas” (1989);
Prêmio Jabuti, para o livro “A Noite Escura e mais Eu” (1996);
Prêmio Biblioteca Nacional, para o livro “A Noite Escura e mais Eu” (1996);
 Prêmio APLUB de Literatura, para o livro “A Noite Escura e mais Eu” (1996);
Prêmio Golfinho de Ouro, categoria Literatura, do Conselho Estadual de Cultura do Rio de Janeiro (2000);
Grande Prêmio da Associação Paulista dos Críticos de Arte. (2000);
Prêmio Jabuti, na categoria ficção, para o livro “Invenção e Memória” (2001);
Prêmio APCA – Associação Paulista dos Críticos de Arte, para o livro “Invenção e Memória” (2001);
Prêmio Camões, pelo conjunto da obra, Portugal – Brasil (2005);
Prêmio da Fundação Bunge (antigo Moinho Santista), na categoria Romance, Vida e Obra, (2005);
Prêmio APCA, pelo seu romance “Conspiração nas nuvens” (2007);
Prêmio Mulheres Mais Influentes - Gazeta Mercantil (2007);
Prêmio Dra. Maria Imaculada Xavier da Silveira, OAB (2008);
Troféu Juca Pato - Prêmio Intelectual do Ano, concedido pela União Brasileira de Escritores / UBE, (2009).


Lygia Fagundes Telles, Antonio di Benedetti e Clarice Lispector, 1974.
- Congresso da Nova Narrativaa Hispano-Americana, Universidade de Cali, Colômbia


“Com Lygia há o hábito de se escrever que ela é uma das melhores contistas do Brasil. Mas, do jeitinho como escrevem, parece que é só entre as mulheres escritoras que ela é boa. Erro: Lygia é também entre os homens escritores um dos escritores maiores.”
- escreveu Clarice Lispector certa vez.

CONDECORAÇÕES
Medalha Mário de Andrade – Governo do Estado de São Paulo;
Medalha Mérito Cívico e Cultural – da Sociedade Brasileira de Heráldica de São Paulo;
Medalha do Grande Prêmio Literário de Cannes, categoria contos (1969);
Medalha do Prêmio Imperatriz Leopoldina, do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (1969);
Ordem do Rio Branco, Comendador (1985);
Título Personalidade Literária do Ano de 1987, conferido pela Câmara Brasileira do Livro;
Recebe a Comenda Portuguesa Dom Infante Santo, (1989);
Medalha Ordre des Arts et des Lettres, Chevalier (1998);
Ordem al Mérito Docente y Cultural Gabriela Mistral, Gran Oficial (Chile);
Agraciada, com o título de Doutora Honoris Causa pela Universidade de Brasília - UnB, março (2001);


Lygia Fagundes Telles com Cecília Meireles em sua chegada a São Paulo,
Estação da Luz, manha, trem Vera Cruz, 1945 - São Paulo/SP.


“Solução melhor é não enlouquecer mais do que já enlouquecemos, não tanto por virtude, mas por cálculo. Controlar essa loucura razoável: se formos razoavelmente loucos não precisaremos desses sanatórios porque é sabido que os saudáveis não entendem muito de loucura. O jeito é se virar em casa mesmo, sem testemunhas estranhas. Sem despesas.”
- Lygia Fagundes Telles, in "A disciplina do amor".



  Lygia Fagundes Telles, foto: Eduardo Knapp/Folhapress


"Quem conhece a Lygia de perto, isto é, quem convive com ela, não imagina que esse monstrinho escreva essas coisas… góticas – como se diz por aqui. Porque você é dos melhores papos que conheço, das presenças mais agradáveis e fáceis. Estar com você é muito bom e a gente não se sente com necessidade de usar nenhuma máscara, de escolher palavras ou ficar na defensiva. E como é que uma menina esportiva, extrovertida, produz esse tipo de literatura dramática e densa? Não a estou censurando, ao contrário, estou me admirando. Há contos seus que ficam perseguindo a gente por muito tempo [...]"
- Erico Verissimo, em carta a Lygia Fagundes Telles (Virginia/EUA, 1966), fonte: IMS.


FORTUNA CRÍTICA DE LYGIA FAGUNDES TELES
AGUIAR, Francis de Lima. Homossexualidades e Contextos: Romances e Contos de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Estadual de Londrina, UEL, Brasil, 2007.
ALTOÉ, Marli Ines Rigo. Lygia Fagundes Telles: Um olhar voltado para o feminino. (Dissertação Mestrado em Mestrado em Estudos Literários). Universidade Federal do Espírito Santo, UFES, Brasil, 2005.
ATIK, Maria Luiza Guarnieri; PELEGRINO, A. L. T.. Julio Cortázar y Lygia Fagundes Telles: la permanencia de la ambigüidad. In: Daniel Altamiranda; Esther Smith. (Org.). Creación y proyección de los discursos narrativos. 1ª ed.Buenos Aires: Dunken, 2009, v. 1, p. 455-461.
BATTISTA, Elisabeth. Uma Leitura de Maria Archer e Lygia Fagundes Telles. In: Atas do XI Seminário Nacional Mulher e Literatura e II Seminário Internacional Mulher e Literatura: Entre o Estético e o Político. Rio de Janeiro: UERJ, 2005. p. 736-749.
Lygia Fagundes Telles  -menina (...)
BATTISTA, Elisabeth; FEITOSA, Claudineia. Travessia Narrativa: Natal Na Barca, de Lygia Fagundes Telles. Revista Athena, v. 1, p. 32-44, 2012.
BERGAMASCHI, Patrizia Romana de Toledo.  Lygia Fagundes Telles incursões artísticas no universo feminino. (Dissertação Mestrado em História da Arte). Escola de Comunicação e Artes, 1993.
BERGAMASCO, Rosilda de Moraes. Os códigos literários: uma leitura do conto ‘verde lagarto amarelo’ de Lygia Fagundes Telles. Travessias (UNIOESTE. Online), v. 9, p. 345-362, 2010.
BESERRA, Luciane. Flashes e fragmentos de uma vida encenada: As Horas Nuas de Lygia Fagundes Telles. Scripta UNIANDRADE, v. 10, p. 80-91, 2012.
BESERRA, Luciane. Mosaico do eu: A construção da identidade nAs Horas Nuas de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Estudos de Linguagem). Universidade Federal de Mato Grosso, UFMT, Brasil, 2011.
BIGIO, Susana Moreira de Lima. O corpo interditado: a sexualidade de uma mulher velha em Lygia Fagundes Telles.. In: Regina Dalcastagnè; Virgínia Maria Vasconcelos Leal. (Org.). Deslocamentos de gênero na narrativa brasileira contemporânea.. Vinhedo - SP: Editora Horizonte, 2010, v. , p. 135-150.
BIGIO, Susana Moreira de Lima. O envelhecimento feminino na escrita de Lygia Fagundes Telles. Interdisciplinar : Revista de Estudos em Língua e Literatura, v. 8, p. 133-138, 2009.
BIGIO, Susana Moreira de Lima. Outono da Vida: trajetórias do envelhecimento feminino em narrativas brasileiras contemporâneas. (Tese Doutorado em Literatura). Universidade de Brasília, UNB, Brasil, 2008. Disponível no link. (acessado em 15.4.2013).
BORGES, Florípedes do Carmo Coalho. Na contramão da história: o Bildunsgroman feminico em Lygia Fagundes Telles, Helena Parente Cunha e Lya Luft. (Dissertação Mestrado em Literatura). Universidade de Brasília, UNB, Brasil, 2007.
BORGES, Kelio Junior Santana. Fios de vida, tramas de histórias: a ficção de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras e Linguística). Universidade Federal de Goiás, UFG, Brasil, 2009.
BRAUN, Ana Beatriz Matte. A literatura brasileira contemporânea de autoria feminina: Lygia Fagundes Telles.. Eletras (UTP), v. 10, p. 1-9, 2005.
BRAUN, Ana Beatriz Matte. A mãe do menino, Daniela, Maria Camila, Helga e a mulher do moço do saxofone: a representação da mulher em cinco contos de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal do Paraná, UFPR, Brasil, 2006.
CADERNOS DE LITERATURA BRASILEIRA. Lygia Fagundes Telles. [Caderno], nº 5, São Paulo: IMS (Instituto Moreira Salles), 1998.
Lygia Fagundes Telles - jovem (...)
CALVO, Valéria Cristina Nunes. A temática do desencontro nos contos de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Literatura Brasileira). Centro Universitário Plínio Leite, UNIPLI, Brasil, 1995.
CANDIDO, Antonio. A nova narrativa. In: A educação pela noite. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2006.
CÂNDIDO, Eunicéa de Oliveira Souto.  A figura feminina nos contos de LYgia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Presbiteriana Mackenzie, MACKENZIE, Brasil, 2009.
CANEDO, Maria do Espírito Santo Gontijo. Através de um furo no tempo: um estudo sobre o papel do narrador em ‘As Horas Nuas’, romance de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC Minas, Brasil, 1998.
CANOAS, Albertina Oliver. A Construção do Insólito nos Contos de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Lingüística). Universidade Cruzeiro do Sul, UNICSUL, Brasil, 2009.
CARRIJO, Fabiana Rodrigues. Aspectos do Discurso Narrativo e Ficcional de Lygia Fagundes Telles: As Vozes e o Estatuto do Narrador. (Dissertação Mestrado em Estudos Lingüísticos). Universidade Federal de Uberlândia, UFU, Brasil, 2002.
CARRIJO, Fabiana Rodrigues. Aspectos do discurso narrativo e ficcional de Lygia Fagundes Telles. Cadernos de Educação Municipal, v. 1, p. 5-10, 2007.
CARVALHO, Marielson. Invenção e Memória: A construção narrativa de Lygia Fagundes Telles. Tempo: Revista Científica, v. 5, p. 84-93, 2008.
CAVALCANTE, Ilane Ferreira. Proposta para uma leitura de Lygia Fagundes Telles. In: Maria Arisnete Câmara de Morais. (Org.). A mulher em nove versões. 1ª ed. Natal: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2001, v., p. 51-62.
CORREA, Alamir Aquino. De amor, dor, morte e loucura: uma leitura de Lygia Fagundes Telles. Boletim. Centro de Letras e Ciências Humanas (UEL), Londrina, v. 20, p. 5-14, 1991.
CUNHA, Thereza Cristina Lopes Vieira Alves da. O Desdobramento da Verdade em As Horas Nuas de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Literatura Luso-Brasileira). University of North Carolina, U.N.C., Estados Unidos, 1996.
DIMAS, Antonio; LUCENA, Suênio Campos de; BETELLA, G. K.; PAULILLO, M. C.. Ficção e testemunho em Lygia Fagundes Telles. In: Antonio Dimas. (Org.). Caderno de Leituras - Lygia Fagundes Telles. 1ª ed., São Paulo: Companhia das Letras, 2010, v. 1, p. 35-51.
Lygia Fagundes Telles - jovem  (...)
DIMAS, Antonio (Org.). Lygia Fagundes Telles - Caderno de Leituras. São Paulo: Cia das Letras, 2010.
DÜCK, Jackeline Peters. A Hora da Estrela e Senhor Diretor: uma leitura sob a perspectiva de gênero. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal do Paraná, UFPR, Brasil, 2010.
FAÉ, Geneviève. O Fantástico Mundo de Lygia Fagundes Telles e Julio Cortázar. Palimpsesto (Rio de Janeiro. Online), v. 10, p. 1-17, 2010.
FARIA, Edna Silva. O trágico moderno nos contos de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras e Linguística). Universidade Federal de Goiás, UFG, Brasil, 2005.
FERNANDES, R.; ASSIS, M.; TELLES, Lygia Fagundes; LUCENA, Suênio Campos de; OLIVEIRA, N.; CARRERO, R.. O garoto dos cachos de uva. In: Rinaldo de Fernandes. (Org.). Capitu mandou flores. 1ª ed., São Paulo: Geração Editorial, 2008, v. 1, p. 347-353.
FERRAZ, Stella Montalvão.  O espartilho de Lygia Fagundes Telles: identidade e preconceito. Água Viva (UNB), Brasília - DF, v. 2, n.2, p. 99-113, 2003.
FERREIRA-ROSA, Ismael. Inscrições discursivas na narrativa de As horas nuas de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Estudos Lingüísticos). Universidade Federal de Uberlândia, UFU, Brasil, 2009.
FERREIRA-ROSA, Ismael. Relações de outricidade e de espelhamento nos meandros estético-literários de "As horas nuas" de Lygia Fagundes Telles. In: BALBINO, E.;  CARDOSO, J. B.; CUNHA NETO, F. F.. (Org.). Literaturas Ibero-Afro-Americanas: ensaios críticos. 1ª ed., Goiânia: Ed. da PUC Goiás, 2010, v. 1, p. 189-204.
FERREIRA-ROSA, Ismael; MESQUISTA, D. P. C.. A construção da coerência em textos literários: breves considerações sobre as relações de implicitude e explicitude no conto A fuga de Lygia Fagundes Telles. RevLet: Revista Virtual de Letras, v. 04, p. 142-157, 2012.
FUKS, Julián Miguel Barbero. Lygia Fagundes Telles: a vida para criar bolhas de sabão. Entrelivros, São Paulo, p. 22 - 31, 01 out. 2007.
GENS, Rosa Maria de Carvalho. A infância em contos de Lygia Fagundes Telles. Cadernos da FaeL, v. 1, p. 1-9, 2009.
GENS, Rosa Maria de Carvalho. Entre descobertas e emoções: crianças em contos de Lygia Fagundes Telles. In: Encontro com a obra de Lygia Fagundes Telles, 2006, Rio de Janeiro. Encontro com a obra de Lygia Fagundes Telles. Rio de Janeiro: Faculdade de letras da UFRJ, 2005. v. 1. p. 1-9.
GENTA, Alda Maria Arrivabene. "Amor rima com Dor"? uma leitura simbólica de Venha ver o Pôr-do-Sol de Lygia Fagundes Telles. In: Alda Maria A. Genta. (Org.). Contos e Críticas: novas perspectivas. São Paulo: Editora do Centro Universitário São Camilo, 2006, v. 1, p. 12-21.
GOMES, Carlos Magno Santos. A crítica Cultural na ficção de Lygia Fagundes Telles. In: Ari Lima e Edil Costa. (Org.). Estudos de crítica cultural: diálogos e fronteiras. Salvador: Quartateto, 2010, v. , p.
GOMES, Carlos Magno Santos. A culpa na ficção de Lygia Fagundes Telles. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, v. 30, p. 41-51, 2007.
GOMES, Carlos Magno Santos. A paródia da autobiografia em Lygia Fagundes Telles. Acta Scientiarum. Language and Culture (Impresso), v. 30, p. 79-84, 2008.
Lygia Fagundes Telles (...)
GOMES, Carlos Magno Santos. A violência contra a mulher em Lygia Fagundes Telles. In: Aline Alves Arruda et Alli. (Org.). A escritura no feminino: aproximações. Florianópolis: Mulheres, 2011, v. , p. 383-392.
GOMES, Carlos Magno Santos. A voz dos excluídos em Lygia Fagundes Telles. Revista Letras (Curitiba), v. 86, p. 47-58, 2012.
GOMES, Carlos Magno Santos. Leitura social dos contos de Lygia Fagundes Telles. In: Carlos Magno Gomes. (Org.). Língua e Literatura: propostas de ensino. 1ª ed.São Cristóvão: Ed UFS, 2009, v. , p. 81-91.
GOMES, Carlos Magno Santos. O mal-estar da escritora em Lygia Fagundes Telles. In: Ana Leal Cardoso;Carlos Magno Gomes. (Org.). Do imaginário às representações na Literatura. São Cristovão: Editora da UFS, 2007, v. 400, p. 193-205.
GOMES, Carlos Magno Santos. O mal-estar na cena da escrita de Lygia Fagundes Telles. (Tese Doutorado em Literatura). Universidade de Brasília, UNB, Brasil, 2004.
GOMES, Carlos Magno Santos. O suplemento feminista em Verão no aquário de Lygia Fagundes Telles. Cadernos Literários (FURG), v. 11, p. 25-31, 2005.
GUIMARÃES, Kalina Naro. A ficção de Lygia Fagundes Telles em oito contos. In: SILVA, Márcia Tavares. (Org.). Literatura no vestibular UFPB/ UEPB/ 2005. 1ª ed., Bagagem: Campina Grande - PB, 2004, v. , p. 139-158.
GUIMARÃES, Kalina Naro. Homem nao bota perfume: idéias sobre o conto O menino, de Lygia Fagundes Telles. In: I Encontro Nacional sobre Literatura Infanto-juvenil e Ensino, 2006, Campina Grande. I Encontro Nacional sobre Literatura Infanto-juvenil e Ensino. Campina Grande: Bagagem, 2006. p. 1-9.
GUIMARÃES, Kalina Naro. O caminhoneiro e o moço: tateando lugares num conto de Lygia Fagundes Telles. In: II Coloquio Nacional de Representaçao de Gênero e Sexualidades, 2006, Campina Grande.: EDUFPB, 2006. p. 421-434.
GUIMARÃES, Kalina Naro. Três cantos da melancolia em Lygia Fagundes Telles: indicações críticas e ensino. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal da Paraíba, UFPB, Brasil, 2006.
JAGUARIBE, Vicência Maria Freitas. Análise semiótica do conto O Menino, de Lygia Fagundes Telles. Revista, Fortaleza, v. 14, n.-, p. 5-15, 1987.
LAMAS, Berenice Sica. Lygia Fagundes Telles: imaginário e a escritura do duplo. (Tese Doutorado em Letras). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil, 2002.
LAMAS, Berenice Sica. O duplo em Lygia Fagundes Telles. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004. 290p.
LARA, G. M. P.; MENDES, Conrado Moreira. 'Exterioridade' discursiva no conto A Ceia , de Lygia Fagundes Telles: por uma perspectiva semiótica. Revista de Estudos da Linguagem, v. 19, p. 105-126, 2012.
LEAL, Carmen Lúcia Alves.  O cromatismo: um construto fenomenológico de sentido e suporte simbólico na constística de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras). Pontifícia Universidade Católica de Goiás, PUC GOIÁS, Brasil, 2009.
LEAL, Virgínia Maria Vasconcelos.  As escritoras contemporâneas e o campo literário brasileiro: uma relação de gênero. (Tese Doutorado em Literatura). Universidade de Brasília, UNB, Brasil, 2008.
LEAL, Virgínia Maria Vasconcelos. Encontros e desencontros discursivos em As meninas de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Literatura). Universidade de Brasília, UNB, Brasil, 1999.
Lygia Fagundes Telles (...)
LEAL, Virgínia Maria Vasconcelos. Encontros e desencontros discursivos em As meninas de Lygia Fagundes Telles. Expressão (Santa Maria), Santa Maria - RS, v. 1, p. 247-254, 2002.
LEAL, Virgínia Maria Vasconcelos. Trajetórias femininas e ziguezagueantes: relações de gênero em As meninas de Lygia Fagundes Telles. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, v. 4, p. 7-20, 2000.
LEITE, Francisco Edson Gonçalves. O duplo como manifestação do insólito em contos de Lygia Fagundes Telles e Ignácio de Loyola Brandão. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, UERN, Brasil, 2013.
LEITE, Francisco Edson Gonçalves; SILVA, A. M. M. da. O tema do duplo na ficção narrativa de Lygia Fagundes Telles: uma leitura dos contos. In: I Colóquio de Estudos Críticos da Literatura, 2009, Pau dos Ferros. 1 Colóquio de Estudos Críticos da Literatura. Mossoró - RN: Quima -bucha, 2009. p. 1-13.
LIMA, Maria Jose Cavalcante de. ‘Verão no aquário’ e ‘As horas nuas’, de Lygia Fagundes Telles: uma análise comparativa. (Dissertação Mestrado em Estudos da Linguagem). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, Brasil, 1996.
LUCAS, Fábio. Mistério e magia. In: TELLES, Lygia Fagundes. Antes do baile verde. 3ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1975.
LUCENA, Suênio Campos de. Esquecimento e Lembrança em Lygia Fagundes Telles. (Tese Doutorado em Letras - Teoria Literária e Literatura Comparada). Universidade de São Paulo, USP, Brasil, 2008.
MACEDO, Maria Aparecida Antunes de. Lorena, de As Meninas, em busca do tempo da origem. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Brasil, 1991.
MACHUCA, Jaqueline Castilho. A emancipação feminina em "As meninas", de Lygia Fagundes Telles. In: Irene Zanette de Castañeda. (Org.). Literatura, Cultura e Sociedade. 1ª ed., São Carlos: Grupo de estudos dos gêneros discursivos-GEGE, 2005, v., p. 125-129.
MAGALHÃES, Carlos Augusto. A fragmentação romanesco-existencial em As horas nuas. (Dissertação Mestrado em Literatura). Universidade de Brasília, UNB, Brasil, 1994.
MAGALHÃES, Carlos Augusto. O discurso anti-convencional, fragmentado e agônico em As horas nuas de Lygia Fagundes Telles. Cerrados (UnB), Brasília, v. 1, n.1, p. 79-90, 1993.
MARTINS, Ana Paula dos Santos.  Algumas Mulheres de Lygia Fagundes Telles. Versão Beta, v. 1, p. 1-22, 2002.
MARTINS, Ana Paula dos Santos. Entre espelhos e máscaras: o jogo da representação em As Horas Nuas. (Tese Doutorado em Letras - Teoria Literária e Literatura Comparada). Universidade de São Paulo, USP, Brasil, 2010.
MARTINS, Ana Paula dos Santos. Imagens e Memórias em As Horas Nuas. In: Josette Monzani; Luiz R. Monzani. (Org.). Olhar: Imagem e Memória. 1ª ed., São Paulo: Pedro e João Editores, 2008, v. , p. 23-43.
MARTINS, Ana Paula dos Santos. O eu e o outro: retratos de mulheres na sociedade brasileira em dois romances de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Estudos Literários). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, 2004.
Lygia Fagundes Telles, foto: Adriana Vichi
MARULLI, Kathia Brienza Badini. Um mergulho nas águas verdes de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Brasil, 2004.
MATOS, Edinaldo Flauzino de. Lygia Fagundes Telles: a outra face de Edgar Allan Poe na contemporaneidade. ATHENAS - Revista científica dos discentes do programa de Pós-graduação em Estudos Literários, v. I, p. 1-10, 2011.
MATTOSO-RODRIGUES, Adriana. Silêncios e gritos, corpos e sexualidade: mães e filhas encenando a repressão sexual em O Espartilho, Verão no Aquário e As Meninas, de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Literatura). Universidade de Brasília, UNB, Brasil, 2011.
MELLO, Evelyn Caroline de. "Olhares femininos sobre o Brasil: um estudo de "As meninas" de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Estudos Literários). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, 2010.
MENDES, Conrado Moreira. Acontecimento na enunciação: uma análise do conto "A Ceia", de Lygia Fagundes Telles. CASA (Araraquara), v. 9, p. 1-14, 2011.
MENDES, Conrado Moreira. Exterioridade discursiva em A Ceia, de Lygia Fagundes Telles: uma perspectiva semiótica. In: XVI Congreso Internacional de la Asociación de Lingüística y Filología de la América Latina (ALFAL), 2011, Alcalá de Henares, Espanha. Documentos para el XVI Congreso de la ALFAL. Madri, Esapanha: SM Ediciones, 2011. v. 1. p. 1-6.
MOISÉS, Massaud. Dicionário de termos literários. São Paulo: Cultrix, 1974.
MONTEIRO, Leonardo et al. Lygia Fagundes Telles. São Paulo: Abril Educação, 1980. Coleção Literatura Comentada.
MONTEIRO, Maria Conceição. Entre a paixão e o mal: as cirandas de Lygia Fagundes Telles e Emily Brontë. In: Sandra Sacramento. (Org.). Gênero, identidade e hibridismo cultural: enfoques possíveis. Ilhéus: EDITUS - Editora da UESC, 2009, v. 1, p. 49-57.
MONTEIRO, Maria Conceição. Entre a paixão e o mal: as cirandas de Lygia Fagundes Telles e Emily Brontë. In: Francisco Venceslau dos Santos; Maria Conceição Monteiro; Roberto Acízelo de Souza. (Org.). A literatura dos anos de 1950. Rio de Janeiro: Editora Caetés, 2006, v. , p. 67-85.
MONTEIRO, Maria Conceição. Entre a paixão e o mal: as cirandas de Lygia fagundes Telles e Emily Brontë. In: XII Seminário Nacional e III Seminário Internacional Mulher e Literatura, 2007, Ilhéus. Gênero, Identidade e Hibridismo Cultural. Ilhéus: Universidade Estadual de Santa Cruz, 2007. p. 1-10.
MONTEIRO, Pedro Manoel. A Noite Escura e Mais Eu, de Lygia Fagundes Telles e A Casa dos Mastros , de Orlanda Amarílis - Uma Análise Comparada. (Dissertação Mestrado em Letras - Est.Comp. de Liter. de Língua Portuguesa). Universidade de São Paulo, USP, Brasil, 2000.
Lygia Fagundes Telles, (foto: Saraiva)
MOREIRA, Alexandre Guimarães. O fantástico e o medo: uma leitura de Mistérios de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras - Letras Vernáculas). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil, 2008.
MOURA, Sonia Maria da Silva. A Arquitetura nos contos de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal Fluminense, UFF, Brasil, 1992.
NASCIMENTO, Gena Borges do. Um Esqueleto em Formação por Formigas - O Fantástico no conto "As Formigas" de Lygia Fagundes Telles.. In: Saulo Cunha da Serpa Brandão. (Org.). O Natural e o Sobrenatural na Ficção: aspectos da teoria literária. 1ª ed., Teresina: Center Gráfica e Editora, 2005, v. 1, p. 1-152.
OLIANI, Nara Gonçalves. As representações da mulher em ‘As Meninas’, de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Brasil, 2013.
OLIANI, Nara Gonçalves. O fantástico em "A caçada", de Lygia Fagundes Telles. Mosaico (São José do Rio Preto), v. 10, p. 55-66, 2011.
OLIANI, Nara Gonçalves; FRANCO JUNIOR, A.. As meninas: entre o universo de Lygia Fagundes Telles e o universo das representações femininas. Sentações Femininas. TriceVersa (UNESP. Assis), v. 4, p. 65-80, 2012.
OLIVEIRA, Denise Maria Hudson de. Construindo uma história invisível (a respeito de 'Uma branca sombra pálida', de Lygia Fagundes Telles. In: XIV Semináro Nacional / XV Seminário Internacional Mulher e Literatura, 2011, Brasília. Palavra e poder - representações literárias. Brasília, 2011. v. 1. p. 707-719.
OLIVEIRA, Kátia. A técnica narrativa em Lygia Fagundes Telles. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1972.
PAULA, Catarina Tinoco de. Dialogismo e polifonia em "as meninas", de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal Fluminense, UFF, Brasil, 2008.
PEDRA, Mabel Knust. O círculo de giz: a família burguesa patriarcal em Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal Fluminense, UFF, Brasil, 2005.
PEREIRA, Carolina Silva Moraes. Degredadas filhas de eva: perfis maternos em contos de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Literatura e Diversidade Cultural). Universidade Estadual de Feira de Santana, UEFS, Brasil, 2011.
PEREIRA, Maria Do Rosário Alves. Entre a lembrança e o esquecimento: um estudo da memória nos contos de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Belo Horizonte/MG, 2008.
PEREIRA, Maria Do Rosário Alves. Um estudo da recepção crítica de Lygia Fagundes Telles. In: XII Seminário Nacional e III Seminário Internacional Mulher e Literatura, 2007, Santa Cruz, Ilhéus. XII Seminário Nacional e III Seminário Internacional Mulher e Literatura - Gênero, identidade e hibridismo cultural. Santa Cruz: Editus - Editora da UESC, 2007. v. 1. p. 1-7.
Lygia Fagundes Telles (...)
PEREIRA, Maria Do Rosário Alves. Uma leitura de "Uma branca sombra pálida", de Lygia Fagundes Telles. In: Aline Alves Arruda; Ana Caroline Barreto Neves; Constância Lima Duarte; Kelen Benfenatti; Maria do Rosário Alves Pereira. (Org.). A escritura no feminino: aproximações. 1ª ed., Florianópolis: Editora Mulheres, 2011, v. 1, p. 393-399.
PEREIRA, Rogério Silva. Público e privado em As Meninas de Lygia Fagundes Telles. Revista Arandu (Dourados), v. 54, p. 55-67, 2011.
PEREIRA, Terezinha Lima. Marcas da temporalidade em "As Meninas", de Lygia Fagundes Telles. Semana de Iniciação Científica - Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Mourão (Impresso), v. III, p. 119-126, 2002.
PEREIRA, Terezinha Lima. O Narrador Multiforme em As meninas de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Estudos Literários). Universidade Estadual Paulista - Campus de Araraquara, 2001.
PONTES, Joel. O mundo ficcional de Lygia Fagundes Telles. In: O aprendiz de crítica. Recife: Editora do Recife, 1955.
PONTES, Newton de Castro. A Lei do Desejo: As Personagens Femininas de Lygia Fagundes Telles. In: Roberto Marques. (Org.). Os limites do gênero: estudos transdisciplinares. 1ª ed.Fortaleza/Crato: CERES, 2006, v. , p. 39-51.
PRAXEDES, Maria Fernandes de Andrade. Cemitério, formigas e caçada: leitura com suspense em Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Linguagem e Ensino). Universidade Federal de Campina Grande, UFCG, Brasil, 2010.
RECCHIA, Cristal Rodrigues. Perspectivas femininas em Helena Morley e Lygia Fagundes Telles: Minha vida de menina e As meninas. (Dissertação Mestrado em Estudos Literários). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Brasil, 2008.
RESENDE, Nilton José Mélo de. [ AR-TE-SA-NI-AS ]: modos do alegórico em contos de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras e Lingüística). Universidade Federal de Alagoas, UFAL, Brasil, 2007.
RESENDE, Nilton José Mélo de. Artesanias da palavra em um conto de Lygia Fagundes Telles. In: 9 Congresso Internacional da APCG, 2008, Vitória, Espírito Santo. Processo de Criação e Interações: a crítica genética em debate nas artes, literatura e ensino. Belo Horizonte, Minas Gerais: C/ARTE, 2008. v. 2. p. 242-248.
REZENDE, Rosana Gondim. A teoria do conto de Edgar Allan Poe e de Ricardo Piglia na análise de a caçada, de Lygia Fagundes Telles. Revista Alpha, v. 10, p. 208-219, 2009.
REZENDE, Rosana Gondim. Nas teias da ficção: Espacialidades e Visualidades em "Antes do baile verde". (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal de Uberlândia, UFU, Brasil, 2010.
RIBEIRO, Lucilene Canilha. A formação intimista feminina em verão no aquário, de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em História da Literatura). Universidade Federal do Rio Grande, FURG, Brasil, 2012.
RIBEIRO, Lucilene Canilha. O aquário feminino de Lygia Fagundes Telles. Cadernos Literários (FURG), v. 18, p. 53-60, 2010.
RITER, Jose Carlos Dussarrat. A memória da dor: imagens e recorrências em Lygia Fagundes Telles. Ciências e Letras - FAPA, Porto Alegre, v. 34, p. 105-118, 2003.
ROCHA, Morganna Sousa. No lodo da memória: a presentificação do vivido em contos de Machado de Assis e Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Literatura). Universidade de Brasília, UNB, 2014.
ROCHA, Nelly Cecília Paiva Barreto da. A caçada e o noivo: fantásticos contos fantásticos de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras: Lingüística e Teoria Literária). Universidade Federal do Pará, UFPA, Brasil, 1989.
ROCHA, Nelly Cecília Paiva Barreto da. Além da tapeçaria e dos véus: Mistérios de Lygia Fagundes Telles. 01. ed. Belém: CEP, 2005. v. 1.
ROCHA, Nelly Cecília Paiva Barreto da. 'Eros e tânatos no jardim selvagem de Lygia Fagundes Telles: um drama bem universal'. Revista Trilhas (UNAMA), v. 2, p. 56-65, 2000.
Lygia Fagundes Telles (...)
ROCHA, Nelly Cecília Paiva Barreto da. Mistérios do enigma de Lygia Fagundes Telles. 1ª ed., Belém: Grafinorte, 2010. v. 01. 165p.
RODRIGUES, Ana Paula Dias. Lygia Fagundes Telles e René Magritte: diálogos entre textos e telas. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Brasil, 2010.
RUELA, Natália. Feminismo e construção de identidades femininas: As meninas, de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Estadual de Maringá, UEM, Brasil, 2009.
SAMPAIO, Aíla Maria Leite. Os fantásticos mistérios de Lygia. 1ª ed. Fortaleza, Ceará, Brasil: Expressão Gráfica, 2009. v. 1. 188p.
SAMPAIO, Aíla Maria Leite. Os mistérios de Lygia Fagundes Telles. Vestletras Publicação Coletiva, Fortaleza, v. 1, p. 63-73, 1996.
SAMPAIO, Aíla Maria Leite. Tradição e Modernidade nos contos fantásticos de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal do Ceará, UFC, Brasil, 1996.
SANTOS, Camila de Mello. "As formigas", de Lygia Fagundes Telles: o insólito em cinco atos. In: Flavio García; Maria Cristina Batalha. (Org.). Vertentes teóricas e ficcionais do Insólito. 1ed.Rio de Janeiro: Caetés, 2012, v. , p. 90-96.
SANTOS, Camila de Mello. O Gótico em Lygia Fagundes Telles. In: XII Seminário Nacional e III Seminário Internacional Mulher e Literatura, 2008, Ihéus. Gênero, Identidade e Hibridismo Cultural. Ilheús: Editus, 2008. p. 70-75.
SANTOS, Josélia Rocha dos.  Variações sobre o mesmo tema: a representação do corpo nos contos de Clarice Lispector, Helena Parente Cunha, Lygia Fagundes Telles e Marina Colasanti. (Dissertação Mestrado em Letras - Letras Vernáculas). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil, 2004.
SANTOS, Josélia Rocha dos. Clarice Lispector e Lygia Fagundes Telles: Rompendo com o Cânone na Literatura Brasileira. In: VIII Congresso da Associação Internacional de Lusitanistas, 2008, Santiago de Compostela. Da Galiza a Timor: a lusofonia em foco. Santiago de Compostela: Universidade de Santiago de Compostela, 2005. v. 1. p. 209-219.
SANTOS, Josélia Rocha dos. Variações sobre o mesmo tema: a relação mãe e filha no imaginário das escritoras Júlia Lopes de Almeida, Rachel de Queiroz, Lygia Fagundes Telles, Lya Luft e Livia Garcia-Roza. (Tese Doutorado). Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, UNIRIO, Brasil, 2011.
SANTOS, Lorena Sales dos. Vestígios do Gótico nos Contos de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Literatura). Universidade de Brasília, UNB, Brasil, 2010.
Lygia Fagundes Telles,  foto:Tiago Queiroz/AE
SANTOS, Maria das Dores Pereira. A figuração Poético-alegórica da morte em As Meninas, de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Literatura e Crítica Literária). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil, 2006.
SCHIRATO, Marina Nobre de Moraes. Personagem e Inconsciente em contos de Virginia Woolf e Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Presbiteriana Mackenzie, Mackenzie, Brasil, 2011.
SILVA, Deurilene Sousa. Lygia Fagundes Telles na Literatura Contemporânea Brasileira. In: Tânia Maria Sarmento-Pantója; Joyce Otânia Seixas Ribeiro. (Org.). Multiplicidade do discurso: Língua, arte cultura e educação. Belém: Editora da UFPA, 2008, v. , p. -.
SILVA, Deurilene Sousa. O Indíviduo e as Convenções Coletivas em As Meninas. (Dissertação Mestrado em Letras: Lingüística e Teoria Literária). Universidade Federal do Pará, UFPA, Brasil, 2006. Disponível no link. (acessado 11.8.2013).
SILVA, Fabiana Cristina de Camargo e. Escrita de solidão e melancolia: o conto de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal Fluminense, UFF, Brasil, 2006.
SILVA, Lilian Cristina Brandi da. Processos de desautomatização do real em Mistérios de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Brasil, 1997.
SILVA, Valdi Cecília Senra Álvares da.  Esconder/revelar: a farsa social em alguns contos de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC Minas, Brasil, 1999.
SILVA, Vera Maria Tietzmann. A ficção intertextual de Lygia Fagundes Telles. Goiânia: Editora da UFG, 1992. v. 1. 87p.
SILVA, Vera Maria Tietzmann. A metamorfose nos contos de Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras e Lingüística). Universidade Federal de Goiás, UFG, Brasil, 1984.
SILVA, Vera Maria Tietzmann. A metamorfose nos contos de Lygia Fagundes Telles. 2ª ed. Goiânia: Editora da UFG, 2001. v. 1. 210p.
SILVA, Vera Maria Tietzmann. Transitando nos limites. Uma leitura de As formigas de Lygia Fagundes Telles. Organon (UFRGS), v. 38/39, p. 175-186, 2005.
SILVERMAN, Malcom. O mundo ficcional de Lygia Fagundes Telles. In: Moderna Ficção Brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981.
SIMON, Luiz Carlos Santos. O que há para ver nos contos de Lygia Fagundes Telles.. Terra Roxa e Outras Terras, Londrina, v. 3, p. 139-156, 2003.
Lygia Fagundes Telles (fonte: revista Claudia)
SOUZA, Wanessa Zanon de. Representações da mulher em obras de helena Parente Cunha, Lygia Fagundes Telles e Marina Colasanti. (Dissertação Mestrado em Letras - Letras Vernáculas). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil, 2009.
TEIXEIRA, Angela Enz. Miscelânia discursiva em conto de Lygia Fagundes Telles, v. 31, p. 7-14, 2009.
TELLES, Lygia Fagundes. O escritor por ele mesmo: Lygia Fagundes Telles. São Paulo: IMS (Instituto Moreira Salles), 1997.
TREPTOW, Marcos de Oliveira. A presença do fantástico na escritura de Lygia Fagundes Telles. In: Colóquio 2000 Palavras: o futuro das letras, 2000, Pelotas. 2000 Palavras: as vozes das letras. Pelotas: Editora da Universidade Federal de Pelotas, 2000. v. 1. p. 99-106.
VILLIBOR, Roberta Fresneda. Leituras da morte e da solidão em Maria Judite de Carvalho e Lygia Fagundes Telles. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Estadual de Maringá, UEM, Brasil, 2009.
XAVIER, Elodia Carvalho de Formiga. (Org.); GENS, Rosa Maria de Carvalho. (Org.). Encontro com a obra de Lygia Fagundes Telles. 1ª ed. Rio de Janeiro: FL-UFRJ, 2006. v. 1. 140p.



“Não me agrada ver a mulher agressiva, arrogante, escrava das cirurgias plásticas e da moda. Ah, tanto medo da velhice! Mas o que é isso?”
- Lygia Fagundes Telles, em entrevista a Sonia Racy/ jornal O Estado de São Paulo em 21/12/09. (fonte: Acervo Portal Literal).




Lygia Fagundes Telles e Antonio Houaiss, [c. década 1900-2000]
ABL, Rio de Janeiro, foto: Paulo Jabur

Lygia Fagundes Telles, João Ubaldo Ribeiro, Arnaldo Niskier.
ABL, Rio de Janeiro, [c. década 1900-2000], foto: Paulo Jabur



José Saramago e Lygia Fagundes Telles, em São Paulo, 2003.
(Acervo de Lygia Fagundes Telles)



Lygia Fagundes Telles e Décio Pignatari, foto: Jair Bertolucci

“Não acho maravilhoso envelhecer. A gente envelhece na marra, porque não há mesmo outro jeito, já fui a tantas estações de águas, já bebi de tantas fontes – onde a Fonte da Juventude, onde?”
- Lygia Fagundes Telles, in "A disciplina do amor".

José Olympio, João Guimarães Rosa, Lygia  Fagundes Telles e
seu marido Goffredo Telles Jr., e José Geraldo Vieira, em 1958.

[Foto: Acervo Família Tess]

Lygia Fagundes Telles e  e o poeta Jorge Luis Borges
- nos anos 70 em São Paulo

Lygia Fagundes Telles e Manuel Bandeira

Lygia Fagundes Telles e Darcy Ribeiro

"...A minha tiazinha falava muito na falta que lhe fazia esse ombro amigo, apoio e diversão, envelheceu procurando um. Não achou nem o ombro nem as partes, o que a fez chorar sentidamente na hora da morte, Mas o que você quer, queridinha?! a gente perguntava. Está com alguma dor? Não, não era dor. Quer um padre? Não, não queria mais nenhum padre, chega de padre. Antes do último sopro, apertou desesperadamente a primeira mão ao alcance: “É que estou morrendo e não me diverti nada!””
- Lygia Fagundes Telles, in "A disciplina do amor".

 
Glauber Rocha e Lygia Fagundes Telles


ATIVIDADES E EVENTOS COMEMORATIVOS - 90 ANOS DE LÝGIA FAGUNDES TELLES
90 anos de Lygia Fagundes Telles: chamada de trabalhos e Jornadas Internacionais na Universidade de Salamanca. Mais informações disponíveis no link



Exposição Lygia Fagundes Telles
Lygia Fagundes Telles nos corredores da Biblioteca Nacional.
Os corredores da Fundação Biblioteca Nacional ganham mais vida com a exposição sobre Lygia Fagundes Telles que começa hoje, 15 de abril. A mostra é uma homenagem aos 90 anos de vida de uma das mais importantes escritoras brasileiras. Está sediada no segundo andar da Biblioteca Nacional e tem entrada franca.
Local: 2º andar da Biblioteca Nacional
Data: de 15 de abril a 10 de junho
Horário: seg a sex das 9h às 20h; sáb das 9h às 17h; dom e feriados das 12h às 17h
Entrada franca
Outras informações no blog da BN.


ACERVO LYGIA FAGUNDES TELLES
O Acervo Lygia Fagundes Telles chegou ao Instituto Moreira Salles em 2004. É formado de biblioteca de cerca de 900 itens, entre livros e periódicos, catalogada no site do IMS; e de arquivo contendo mil documentos, entre os quais, datiloscritos  de contos e adaptações (incluindo a do romance D. Casmurro, de Machado de Assis, trabalho de Lygia em parceria com Paulo Emilio Salles Gomes que ficaria perdido em seus papéis e que seria publicado em 1993 com o título de Capitu, reeditado em 2007), além de correspondência com 270 itens, 240 documentos pessoais, 5.500 recortes de jornais e de revistas, 208 fotografias, cinco desenhos de autoria de Carlos Drummond de Andrade e 40 documentos audiovisuais.

O acervo conta ainda com a máquina de escrever da escritora.
É nesse inventário biográfico que ela relata sua predileção infantil pelas histórias de terror e o apego ao pai, jogador de cartas e roletas. Ainda pequena, ele a levava a um cassino em Santos. Foi também seu primeiro leitor. “Quando eu estava no ginásio, lia minhas histórias para o meu pai. Ele gostava de dizer ‘está bom, está muito bom; o nome da personagem é que talvez você devesse mudar’. Eu ficava radiante com essa atenção dele.”


Localizado: IMS - Rio de Janeiro
Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea
CEP 22451-040 – Rio de Janeiro-RJ
Tel.: 21 3284-7400 – 21 3206-2500
Fax: 21 2239-5559
Horário de visitação: De terça a sexta, das 11h às 20h
Sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h
Site oficial da autora
  Lygia Fagundes Telles, foto: Eduardo Knapp/Folhapress

REFERÊNCIAS E FONTES DE PESQUISA

© Direitos reservados ao autor/e ou ao seus herdeiros

© Pesquisa, seleção e organização: Elfi Kürten Fenske


=== === ===
Trabalhos sobre o autor:
Caso, você tenha algum trabalho não citado e queira que ele seja incluído - exemplo: livro, tese, dissertação, ensaio, artigo - envie os dados para o nosso "e-mail de contato", para que possamos incluir as referências do seu trabalho nesta pagina. 

Como citar:
FENSKE, Elfi Kürten (pesquisa, seleção e organização). Lygia Fagundes Telles - a inventora de memórias. Templo Cultural Delfos, abril/2013. Disponível no link. (acessado em .../.../...).
____
Página atualizada em 14.7.2014.



Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2016 Templo Cultural Delfos

4 comentários:

  1. Uma homenagem linda para a grande dama da literatura. Fiquei emocionada com tanta beleza. Excelente trabalho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Nice, que bom que gostaste!
      Volte mais vezes, há sempre novidades.
      Abraços.

      Excluir
  2. Respostas
    1. Obrigada Nilton!
      Essa pesquisa foi feita por minha mãe, Elfi, o mérito é todo dela. :)
      Volte sempre,
      Abraços

      Excluir

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!