João Cabral de Melo Neto - arquiteto da poesia

Autobiografia de um só dia
No engenho Poço não nasci:
minha mãe, na véspera de mim,

veio de lá para a Jaqueira,
João Cabral de Melo Neto
[Acervo Banco de Dados Jornal Zero Hora]
que era onde, queiram ou não queiram,

os netos tinham de nascer,
no quarto-avós, frente à maré.

Ou porque chegássemos tarde
(não porque quisesse apressar-me,

e se soubesse o que teria
de tédio à frente, abortaria)

ou porque o doutor deu-me quandos,
minha mãe no quarto-dos-santos,

misto de santuário  e capela,
lá dormiria, até que para ela,

fizessem cedo no outro dia
o quarto onde os netos nasciam.

Porém em pleno céu de gessos,
naquela madrugada mesmo,

nascemos eu e minha morte,
contra o ritual daquela corte

que nada de uma homem sabia:
que ao nascer esperneia, grita.

Parido no quarto-dos-santos,
sem querer, nasci blasfemando,

pois são balsfêmias sangue e grito
em meio à freirice de lírios,

mesmo se explodem (gritos, sangue),
de chácaras entre marés, mangues.
- João Cabral de Melo Neto, in “Melhores Poemas de João Cabral de Melo Neto". [Seleção Antônio Carlos Secchin], São Paulo: Global Editora, 8ª ed., 2001, pag. 212.

 
João Cabral de Melo Neto, por Homero Sérgio, 
24.5.88-Folha/press
João Cabral de Melo Neto nasceu na cidade de Recife - PE, no dia 9 de janeiro de 1920, na rua da Jaqueira (depois Leonardo Cavalcanti), segundo filho de Luiz Antônio Cabral de Melo e de Carmem Carneiro-Leão Cabral de Melo. Primo, pelo lado paterno, de Manuel Bandeira e, pelo lado materno, de Gilberto Freyre. Passa a infância em engenhos de açúcar. Primeiro no Poço do Aleixo, em São Lourenço da Mata, e depois nos engenhos Pacoval e Dois Irmãos, no município de Moreno.
Em 1930, com a mudança da família para Recife, inicia o curso primário no Colégio Marista. João Cabral era um amante do futebol, tendo sido campeão juvenil pelo Santa Cruz Futebol Clube em 1935.
Foi na Associação Comercial de Pernambuco, em 1937, que obteve seu primeiro emprego, tendo depois trabalhado no Departamento de Estatística do Estado. Já com 18 anos, começa a frequentar a roda literária do Café Lafayette, que se reúne em volta de Willy Lewin e do pintor Vicente do Rego Monteiro, que regressara de Paris por causa da guerra.
Em 1940 viaja com a família para o Rio de Janeiro, onde conhece Murilo Mendes. Esse o apresenta a Carlos Drummond de Andrade e ao círculo de intelectuais que se reunia no consultório de Jorge de Lima. No ano seguinte, participa do Congresso de Poesia do Recife, ocasião em que apresenta suas Considerações sobre o poeta dormindo.
1942 marca a publicação de seu primeiro livro, Pedra do Sono. Em novembro viaja, por terra, para o Rio de Janeiro.  Convocado para servir à Força Expedicionária Brasileira (FEB), é dispensado por motivo de saúde. Mas permanece no Rio, sendo aprovado em concurso e nomeado Assistente de Seleção do DASP (Departamento de Administração do Serviço Público). Frequenta, então, os intelectuais que se reuniam no Café Amarelinho e Café Vermelhinho, no Centro do Rio de Janeiro. Publica Os três mal-amados na Revista do Brasil.
João Cabral de Melo Neto, por Eder Chiodetto
O engenheiro é publicado em 1945, em edição custeada por Augusto Frederico Schmidt. Faz concurso para a carreira diplomática, para a qual é nomeado em dezembro. Começa a trabalhar em 1946, no Departamento Cultural do Itamaraty, depois no Departamento Político e, posteriormente, na comissão de Organismos Internacionais. Em fevereiro, casa-se com Stella Maria Barbosa de Oliveira, no Rio de Janeiro. Em dezembro, nasce seu primeiro filho, Rodrigo.
É removido, em 1947, para o Consulado Geral em Barcelona, como vice-cônsul. Adquire uma pequena tipografia artesanal, com a qual publica livros de poetas brasileiros e espanhóis. Nessa prensa manual imprime Psicologia da composição. Nos dois anos seguintes ganha dois filhos: Inês e Luiz, respectivamente. Residindo na Catalunha, escreve seu ensaio sobre Joan Miró, cujo estúdio freqüenta. Miró faz publicar o ensaio com texto em português, com suas primeiras gravuras em madeira.
Removido para o Consulado Geral em Londres, em 1950, publica O cão sem plumas. Dois anos depois retorna ao Brasil para responder por inquérito onde é acusado de subversão. Escreve o livro O rio, em 1953, com o qual recebe o Prêmio José de Anchieta do IV Centenário de São Paulo (em 1954). É colocado em disponibilidade pelo Itamaraty, sem rendimentos, enquanto responde ao inquérito, período em que trabalha como secretário de redação do Jornal A Vanguarda, dirigido por Joel Silveira. Arquivado o inquérito policial, a pedido do promotor público, vai para Pernambuco com a família. Lá, é recebido em sessão solene pela Câmara Municipal do Recife.
Em 1954 é convidado a participar do Congresso Internacional de Escritores, em São Paulo. Participa também do Congresso Brasileiro de Poesia, reunido na mesma época. A Editora Orfeu publica seus Poemas Reunidos. Reintegrado à carreira diplomática pelo Supremo Tribunal Federal, passa a trabalhar no Departamento Cultural do Itamaraty.
Duas alegrias em 1955: o nascimento de sua filha Isabel e o recebimento do Prêmio Olavo Bilac da Academia Brasileira de Letras. A Editora José Olympio publica, em 1956, Duas águas, volume que reúne seus livros anteriores e os inéditos: Morte e vida severina, Paisagens com figuras e Uma faca só lâmina. Removido para Barcelona, como cônsul adjunto, vai com a missão de fazer pesquisas históricas no Arquivo das Índias de Sevilha, onde passa a residir.
Em 1958 é removido para o Consulado Geral em Marselha. Recebe o prêmio de melhor autor no Festival de Teatro do Estudante, realizado no Recife. Publica em Lisboa seu livro Quaderna, em 1960. É removido para Madri, como primeiro secretário da embaixada. Publica, em Madri, Dois parlamentos.
Em 1961 é nomeado chefe de gabinete do ministro da Agricultura, Romero Cabral da Costa, e passa a residir em Brasília. Com o fim do governo Jânio Quadros, poucos meses depois, é removido outra vez para a embaixada em Madri. A Editora do Autor, de Rubem Braga e Fernando Sabino, publica Terceira feira, livro que reúne Quaderna, Dois parlamentos, ainda inéditos no Brasil, e um novo livro: Serial.
Com a mudança do consulado brasileiro de Cádiz para Sevilha, João Cabral muda-se para essa cidade, onde reside pela segunda vez. Continuando seu vai-e-vem pelo mundo, em 1964 é removido como conselheiro para a Delegação do Brasil junto às Nações Unidas, em Genebra. Nesse ano nasce seu quinto filho, João.
João Cabral de Melo Neto [Acervo ABL]
Como ministro conselheiro, em 1966, muda-se para Berna. O Teatro da Universidade Católica de São Paulo produz o auto Morte e Vida Severina, com música de Chico Buarque de Holanda, primeiro encenado em várias cidades brasileiras e depois no Festival de Nancy, no Théatre des Nations, em Paris e, posteriormente, em Lisboa, Coimbra e Porto.  Em Nancy recebe o prêmio de Melhor Autor Vivo do Festival. Publica A educação pela pedra, que recebe os prêmios Jabuti; da União de Escritores de São Paulo; Luisa Cláudio de Souza, do Pen Club; e o prêmio do Instituto Nacional do Livro. É designado pelo Itamaraty para representar o Brasil na Bienal de Knock-le-Zontew, na Bélgica.
1967 marca sua volta a Barcelona, como cônsul geral. No ano seguinte é publicada a primeira edição de Poesias completas. É eleito, em 15 de agosto de 1968, para a Academia Brasileira de Letras na vaga de Assis Chateaubriand. É recebido em sessão solene pela Assembléia Legislativa de Pernambuco como membro do Conselho Deliberativo da Sociedade Brasileira de Autores Teatrais (SBAT).
Toma posse na Academia em 06 de maio de 1969, na cadeira número 6, sendo recebido por José Américo de Almeida. A Companhia Paulo Autran encena Morte e vida severina em diversas cidades do Brasil. É removido para a embaixada de Assunção, no Paraguai, como ministro conselheiro. Torna-se membro da Hispania Society of America e recebe a comenda da Ordem de Mérito Pernambucano.
Após três anos em Assunção, é nomeado embaixador em Dacar, no Senegal, cargo que exerce cumulativamente com o de embaixador da Mauritânia, no Mali e na Giné-Conakry.
Em 1974 é agraciado com a Grã-Cruz da Ordem de Rio Branco. No ano seguinte publica Museu de Tudo, que recebe o Grande Prêmio de Crítica da Associação Paulista de Críticos de Arte. É agraciado com a Medalha de Humanidades do Nordeste.
Em 1976 é condecorado Grande Oficial da Ordem do Mérito do Senegal e, em 1979, como Grande Oficial da Ordem do Leão do Senegal. É nomeado embaixador em Quito, Equador e publica A escola das facas.
A convite do governador de Pernambuco, vai a Recife (em 1980) para fazer o discurso inaugural da Ordem do Mérito de Guararapes, sendo condecorado com a Grã-Cruz da Ordem. Ali é inaugurada uma exposição bibliográfica de sua obra, no Palácio do Governo de Pernambuco, organizada por Zila Mamede. Recebe a Comenda do Mérito Aeronáutico e a Grã-Cruz do Equador.
No ano seguinte vai para Honduras, como embaixador. Publica a antologia Poesia crítica.
Em 1982 é agraciado com o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Vai para a cidade do Porto, em Portugal, como cônsul geral. Recebe o Prêmio Golfinho de Ouro do Estado do Rio de Janeiro.  Publica Auto do frade, escrito em Tegucigalpa.
Ganha o Prêmio Moinho Recife, em 1984 e, no ano seguinte, publica os poemas de Agrestes. Nesse livro há uma sessão dedicada à morte ("A indesejada das gentes"). Em 1986 é agraciado com o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal de Pernambuco. Sua esposa, Stella Maria, falece no Rio de Janeiro. João Cabral reassume o Consulado Geral no Porto. Casa-se em segundas núpcias com a poeta Marly de Oliveira.
Em 1987 publica Crime na Calle Relator, poemas narrativos. Recebe o prêmio da União Brasileira de Escritores. É removido para o Rio de Janeiro.
Em Recife, no ano de 1988, lança sua antologia Poemas pernambucanos. Publica, também, o segundo volume de poesias completas: Museu de tudo e depois. Recebe o Prêmio da Bienal Nestlé de Literatura pelo conjunto da obra, e o Prêmio Lily de Carvalho da ABCL, Rio de Janeiro.
João Cabral de Melo Neto
Aposenta-se como embaixador em 1990 e publica Sevilha andando.  É eleito para a Academia Pernambucana de Letras, da qual havia recebido, anos antes, a medalha Carneiro Vilela.  Recebe os seguintes prêmios: Criadores de Cultura da Prefeitura do Recife, Luis de Camões (concedido conjuntamente pelos governos de Portugal e do Brasil), em Lisboa. É condecorado com a Grã-Cruz da Ordem do Mérito Judiciário e do Trabalho. A Faculdade Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro publica Primeiros Poemas.
Outros prêmios: Pedro Nava (1991) pelo livro Sevilha andando; Casa das Américas, concedido pelo Estado de São Paulo (1992); e também nesse ano o Neustadt International Prize for Literature, da Universidade de Oklahoma. Viaja a Sevilha para representar o presidente da República nas comemorações do dia 7 de Setembro, que tiveram lugar na Exposição do IV Centenário da Descoberta da América. No Pavilhão do Brasil, foi distribuída sua antologia Poemas sevilhanos, em edição especial. No Rio de Janeiro, na Casa da Espanha, recebe do embaixador espanhol a Grã-Cruz da Ordem de Isabel, a Católica.
Em 1993 recebe o Prêmio Jabuti, instituído pela Câmara Brasileira do Livro.
João Cabral era atormentado por uma dor de cabeça que não o deixava de forma alguma. Ao saber, anos atrás, que sofria de uma doença degenerativa incurável, que faria sua visão desaparecer aos poucos, o poeta anunciou que ia parar de escrever. Já em 1990, com a finalidade de ajudá-lo a vencer os males físicos e a depressão, Marly, sua segunda esposa, passa a escrever alguns textos tidos como de autoria do biografado. Conforme declarações de amigos, escreveu o discurso de agradecimento feito pelo autor ao receber o Prêmio Luis de Camões, considerado o mais importante prêmio concedido a escritores da língua portuguesa, entre outros. Foi a forma encontrada para tentar tirá-lo do estado depressivo em que se encontrava. Como não admirava a música, o autor foi perdendo também a vontade de falar ("Não tenho muito o que dizer", argumentava). Era, sem dúvida, o nosso mais forte concorrente ao prêmio Nobel, com diversas indicações dos mais variados segmentos de nossa sociedade.  (fonte: Releituras)


“A poesia de João Cabral é aquela joia, é o máximo que se consegue de beleza com o mínimo de material.”
- Otto Lara Resende


Vinícius de Moraes e João Cabral de Melo Neto em Paris, anos 70.

CRONOLOGIA
1920 - Nasce no Recife, em 9 de janeiro, filho de Luís Antonio Cabral de Melo e Carmen Carneiro Leão Cabral de Melo. Passa a infância em engenhos de açúcar na Zona da Mata pernambucana: primeiro, no Poço do Aleixo, em São Lourenço da Mata; e depois no Pacoval e no Dois Irmãos, em Moreno;
1930 - Muda-se com a família para o Recife, e estuda o primário no colégio dos irmãos maristas;
1935 - Campeão juvenil pelo time do Santa Cruz Futebol Clube;
1937 - Obtém seu primeiro emprego, na Associação Comercial de Pernambuco;
1938 - Frequenta a roda literária reunida no Café Lafayette, em torno do crítico Willy Levin e do pintor Vicente do Rego Monteiro (1899 - 1970);
1940 - Viaja ao Rio de Janeiro, conhece os poetas Murilo Mendes (1901 - 1975) e Carlos Drummond de Andrade (1902 - 1987) e outros intelectuais que se reúnem no consultório do médico e poeta Jorge de Lima (1895 - 1953);
1941 - Participa do 1º Congresso de Poesia do Recife, em que apresenta a tese Considerações sobre o Poeta Dormindo;
1942 - Muda-se para o Rio de Janeiro e publica seu primeiro livro, Pedra do Sono. É aprovado em concurso e nomeado assistente de seleção do Departamento de Administração do Serviço Público – Dasp;
João Cabral de Melo Neto, por Jefferson Nepomuceno
1943 - A Revista do Brasil publica o livro de poemas Os Três Mal-Amados;
1945 - Publica O Engenheiro, em edição custeada pelo editor e poeta Augusto Frederico Schmidt (1906 - 1965).  É aprovado em concurso para a carreira diplomática;
1947 - Nomeado vice-cônsul em Barcelona. Adquire uma impressora manual e edita obras de amigos brasileiros e espanhóis, pelo selo O Livro Inconsútil, e seu livro Psicologia da Composição;
1949 - Torna-se amigo do pintor espanhol Joan Miró (1893 - 1983), sobre quem escreve um ensaio;
1950 - É transferido para Londres;
1952 - Retorna ao Brasil para responder a inquérito. Acusado de subversão, é colocado em disponibilidade pelo Itamaraty, sem vencimentos. Trabalha como secretário de redação do jornal A Vanguarda. O inquérito é arquivado;
1954 - Ganha o Prêmio José de Anchieta do IV Centenário de São Paulo com o livro O Rio. Apresenta a tese Da Função Moderna da Poesia no Congresso de Poesia em São Paulo;
1955 - Recebe o Prêmio Olavo Bilac da Academia Brasileira de Letras – ABL;
1956 - A Livraria Editora José Olympio publica Duas Águas, volume que reúne seus livros anteriores e os inéditos: Morte e Vida Severina, Paisagens com Figuras e Uma Faca só Lâmina. Volta a Barcelona como cônsul adjunto com a tarefa de realizar pesquisas no Arquivo das Índias de Sevilha;
1958 - É removido para o Consulado-Geral de Marselha, França;
1960 - Muda-se para Madri após ser nomeado primeiro secretário da Embaixada Brasileira;
1961 - Vem para o Brasil, como chefe de gabinete do Ministério da Agricultura, e depois volta para a embaixada em Madri;
1962 - Lança a Revista de Cultura Brasileña pela Embaixada Brasileira e convida o poeta espanhol Ángel Crespo para dirigi-la;
1964 - É conselheiro da delegação brasileira nas às Nações Unidas, em Genebra;
1965 - Muda-se para Berna, Suíça. O recém-criado grupo de Teatro da Universidade Católica - Tuca, apresenta em São Paulo a primeira encenação da peça Morte e Vida Severina, musicada por Chico Buarque (1944). Publica A Educação pela Pedra, que recebe os prêmios Jabuti; União de Escritores de São Paulo; Luisa Cláudio de Souza, do Pen Club; e Instituto Nacional do Livro - INL;
1967 - Volta a morar em Barcelona;
João Cabral, por Nei Lima
1968 - É eleito para a ABL;
1969 - É removido para a embaixada do Brasil em Assunção, Paraguai;
1972 - É nomeado embaixador do Brasil no Senegal;
1973 - Grava depoimento para série de documentários sobre escritores brasileiros feito pelo escritor Fernando Sabino (1923 - 2004) e o cineasta David Neves (1938 - 1994);
1975 - Publica Museu de Tudo, premiado pela Associação Paulista de Críticos de Arte – APCA;
1979 - É nomeado embaixador no Equador. É lançado o documentário Liames, o Mundo Espanhol de João Cabral de Melo Neto, com direção de Carlos Henrique Maranhão;
1981 - É nomeado embaixador em Honduras;
1982 - Recebe o título de doutor honoris causa da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN. Muda-se para Porto, Portugal, como cônsul-geral
1986 - Recebe o título de doutor honoris causa da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Casa-se, em segundas núpcias, com a poeta Marly de Oliveira (1935);
1987 - É removido para o Rio de Janeiro. Recebe o Prêmio Juca Pato concedido pela União Brasileira dos Escritores – UBE;
1988 - Ganha o Prêmio Bienal Nestlé, pelo conjunto da obra;
1990 - Aposenta-se como embaixador. Recebe o Prêmio Camões dos governos do Brasil e de Portugal;
1992 - Recebe o Neustadt International Prize for Literature, da Universidade de Oklahoma, Estados Unidos, e a Grã-Cruz da Ordem de Isabel, a Católica, do governo espanhol;
1993 - Recebe o Prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro – CBL;
1996 - É tema do primeiro número dos Cadernos de Literatura Brasileira, editados pelo Instituto Moreira Salles – IMS;
1999 - Morre no dia 9 de outubro, em seu apartamento no bairro do Flamengo, Rio de Janeiro.

OBRAS PUBLICADAS
Poesia
 João Cabral de Melo Neto [nanquim e caneta esferográfica],
por Luis Trimano (Jornal Letras e Artes, Rio, 1992).
Pedra do Sono. Recife: Edição do autor, 1942 [tiragem especial em papel Drexler].
Os Três Mal-Amados. Rio de Janeiro: Revista do Brasil, 1943.
O Engenheiro. Rio de Janeiro: Amigos da Poesia, 1945.
Psicologia da Composição com a Fábula de Anfion e Antiode. Barcelona: O livro inconsútil, 1947.
O Cão sem Plumas. Barcelona: O livro inconsútil, 1950; e 2ª. ed., Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1984 [com Fotografias de Maureen Bisilliat].
O Rio ou Relação de Viagem que Faz o Capibaribe de Sua Nascente à Cidade do Recife. São Paulo: Edição da Comissão do IV Centenário de São Paulo, 1954.
Poemas Reunidos. 1954
Duas Águas. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1956. (reunião dos livros anteriores mais as obras inéditas Morte e vida severina, Paisagens com Figuras e Uma Faca só Lâmina)
Quaderna. Lisboa: Guimarães Editores, 1960.
Dois Parlamentos. Madri: Edição do autor, 1960.
Serial. 1961
A Educação pela Pedra. Rio de Janeiro: Editora do Autor, 1966.
Museu de Tudo. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1975.
A Escola das Facas. . Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1980.
Poesia crítica. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1982.
Auto do Frade. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1984; e 2ª ed., Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira 1984.
Agrestes. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1985.
Crime na Calle Relator. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1987.
Primeiros Poemas. Rio de Janeiro: Edição da Faculdade de Letras da UFRJ, 1990.
Sevilha Andando. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1990.
Andando Sevilha. 1994.
O Rio. João Cabral de Melo Neto. (Org.) CABRAL, Inez., [Publicação póstuma], Editora Alfaguara/Objetiva, 2003, 160p.



João Cabral de Melo Neto, por Baptista
Prosa
Considerações Sobre o Poeta Dormindo. Recife: Renovação 1941.
Prática de Mallarmé. 1942
Joan Miró. Barcelona: Editions de l'Oc, 1950 [com gravuras originais de Miró].
Joan Miró. Rio de Janeiro: Cadernos de Cultura do MEC, 1952.
O Arquivo das Índias e o Brasil. [pesquisa histórica]. Rio de Janeiro: Ministério das Relações Exteriores, 1966.





Antologia e poemas reunidos
Poemas reunidos. Rio de Janeiro: Edição de Orfeu, 1954.
Terceira feira. Rio de Janeiro: Editora do Autor, 1961.
Poemas escolhidos. [Seleção de Alexandre O'Neil]. Lisboa: Portugália Editora, 1963.
Antologia poética. Rio de Janeiro: Editora do Autor, 1965; 8ª ed., Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1991.
Poesias completas. Rio de Janeiro: Editora Sabiá, 1968; e 4ª ed., Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1986.
Poesia completa. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1986.
Museu de tudo e depois (Poesia Completa II). Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1988.
Morte e vida severina. São Paulo: Teatro da Universidade Católica, 1965.
Retrato do escritor João Cabral de Melo Neto
[caneta nanquim], por Rafael Camargo.
Morte e vida severina e outros poemas em voz alta. Rio de Janeiro: Editora do Autor, 1966; 6ª edição, Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1974 (inclui O rio, Morte e vida severina e Dois parlamentos); 34ª edição, Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1994 (inclui O rio, Morte e vida severina, Dois parlamentos Auto do frade).
Morte e vida severina. Rio de Janeiro: Editora Sabiá 1969.
O melhor da poesia brasileira [Drummond, Cabral, Bandeira, Vinicius]. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1979.
João Cabral de Melo Neto. [Seleção de José Fulaneti de Nadal]. São Paulo: Abril Educação, 1982.
Poesia e composição. Coimbra: Fenda Edições, 1982.
Morte e vida severina.  Litografias de Liliane Dardot. Recife: Grandes Moinhos do Brasil S/A, 1984.
Morte e vida severina e outros poemas em voz alta. Recife: Moinho Recife, 1984.
Os melhores poemas de João Cabral de Melo Neto.[Seleção de Antonio Carlos Secchin]. São Paulo: Global Editora, 1985.
Poemas pernambucanos. [Centro Cultural José Mariano]. Edição especial, Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira 1988.
Poemas sevilhanos. [edição especial], Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1992.


Entrevistas
Conversas com o poeta João Cabral de Melo Neto. Sibila - revista de Poesia e Cultura, ano 9, nº 13, agosto 2009. Disponível no link. (acessado em 6.4.2013).



TRADUÇÕES DA OBRA DE JOÃO CABRAL DE MELO NETO
Obra publicada no Exterior

João Cabral de Melo Neto, por (...)
Alemão
Der Hund ohne Federn. [Tradução de Willy Keller]. Stuttgart: Rot, 1964.
Ausgewählte Gedichte. [Tradução de Curt Meyer-Clason]. Frankfurt: Suhrkamp Verlag, 1968.
Der Hund ohne Federn. Gedichte. [Tradução de Curt Meyer-Clason]. Hamburgo e Dusseldorf: Classen Verlag, 1970.
 Poesiealbum. [Tradução de Curt Meyer-Clason]. Berlim: Verlag Neues Leben, 1975.
Tod und Leben des Severino. [Tradução de Curt Meyer-Clason]. Wuppertal: Peter Hammer Verlag, 1975.
Tod und Leben des Severino. [Tradução de Curt Meyer-Clason], St. Gallen/Wuppertal: Edition diá, 1985.
Tod und Leben des Severino. [Tradução de Curt Meyer-Clason]. Munique/Zurìque: Piper, 1988.
Der Weg des Monchs. [Tradução de Curt Meyer-Clason]. St. Gallen/Colônia: Edition diá, 1988.
Erziehung durch den Stein.  [Tradução de Curt Meyer-Clason]. Frankfurt am Main: Suhrkamp Verlag, 1989.
Der Fluss (Das Triptychon des Capibaribe). [Tradução de Curt Meyer-Clason]. St Gallen: Edition diá, 1993.


Espanhol
Seis poemas de "Serial". [Tradução de Angel Crespo]. Madri: Separata da Revista de Cultura Brazileña, 1962.
Poemas sobre España de João Cabral de Melo Neto. [Tradução de Angel Crespo e Pilar Gómez Bedate]. Madri: Separata de Cuadernos Hispanoamericanos, 1964.
Muerte y Vida Severina [Morte e Vida Severina]. Tradução Ángel Crespo e Gabino Alejandro Carriedo. Madrid: Primer Acto, 1966.
Muerte y Vida Severina (Morte e Vida Severina). [Tradução Ángel Crespo e Gabino Alejandro Carriedo]. Lima: Instituto Nacional Superior de Arte Dramático, 1969.
Poemas. [Tradução Carlos Germán Belli]. Centro de Estudos Brasileños, 1977.
Antologia Poética. [Tradução Márgara Russoto]. Caracas: Fundarte, 1979.
Dos Parlamentos (Dois Parlamentos). [Tradução Gabino Alejandro Carriedo]. Madrid: 1980.
La Educación por la Piedra (A Educação pela Pedra). [Tradução Pablo del Barco]. Madrid: Visor, 1982.     
Muerte y Vida Severina. Auto del Fraile (Morte e Vida Severina). [Tradução Santiago Kovadloff]. Buenos Aires: Legasa, 1988.
Antología Poética. [Tradução Ángel Crespo]. Barcelona: Editorial Lumen, 1990. 


Francês
Joan Miró. Tradução Henri Moreau. Barcelona: Editions de l'Arc, 1950.


Holandês
Gedichten [Poemas]. Tradução August Willemsen. Leiden: Uitgeverij de Lantaarn, 1981.


Inglês
Two parliaments and Poems. [Tradução de Richard Spock]. In Brazilian Painting and Poetry. Rio de Janeiro: Spala Editora, 1979.
A Knife All Blade [Uma Faca só Lâmina]. Tradução Kerry Shawn Keys. Pennsylvania: Pine Press, 1980.
Selected Poetry, 1937-1990. [Tradução Elizabeth Bishop e outros]. Wesleyan University/University Press of New England, 1995.

 
Italiano
Morte e Vida Severina (com Il Cane Senza Plume e Il Fiume). Tradução Tilde Barini e Daniela Ferioli. Turim: Einaudi, 1973.
Museo di Tutto [Museu de Tudo]. Tradução Adelina Aletti. Milan: Libri Scheiwiller, 1990.


João Cabral de Melo Neto e Antonio Cândido em 1994.

"...E não há melhor resposta
que o espetáculo da vida:
vê-la desfiar seu fio,
que também se chama vida,
ver a fábrica que ela mesma,
teimosamente, se fabrica,
vê-la brotar como há pouco
em nova vida explodida;
mesmo quando é assim pequena
a explosão, como a ocorrida;
mesmo quando é uma explosão
como a de há pouco, franzina;
mesmo quando é a explosão
de uma vida severina."
- João Cabral de Melo Neto, trecho "Morte e Vida Severina".


FILMOGRAFIA E ESPECIAIS PARA A TELEVISÃO

Título: João Cabral de Melo Neto - O curso do poeta
Sinopse: O filme propõe uma metáfora da obra de João Cabral de Melo Neto (1920-1999), autor de “Morte e Vida Severina”, com as águas do Capibaribe (a cidade é passada pelo rio / como uma rua é passada por um cachorro / uma fruta por uma espada), incorporando a produção do poeta à paisagem do Recife e demais localidades de Pernambuco. Cabral tece loas às cabras e pedras do sertão de Pernambuco, bem como às usinas e canaviais da Zona da Mata.
Produtores: Fernando Sabino e David Neves.
Direção e Roteiro: Jorge Laclette
Ano: 1973.


Título: Morte e Vida Severina: um filme documento
Sinopse: Severino é um retirante nordestino que foge da fome atravessando o agreste e a Zona da Mata. Baseado nos poemas O Rio e Morte e Vida Severina de João Cabral de Melo Neto.
Direção: Zelito Vianna
Ano: 1976
Duração: 85 min.
Elenco: José Dumont, Stênio Garcia, Elba Ramalho, Tânia Alves, Jofre Soares.
Trilha sonora do filme: "Morte e Vida Severina", baseado nos poemas "Morte e Vida Severina" e "O Rio", de João Cabral de Mello Neto, e dirigido por Zelito Viana em 1976. Gravadora: Discos Marcus Pereira - Produtor: Marcus Vinicius


Título: O mundo espanhol de João Cabral de Melo Neto
Direção e Produção: Carlos Henrique Maranhão
Ano: 1979


Título: Morte e Vida Severina
Produção: TV Globo
Episódio Especial
Direção: Walter Avancini
Produtor: Luiz Carlos Laborda
Ano: 1981
Horário: 22h30
Trama: Escrito por João Cabral de Melo Neto, Morte e Vida Severina conta, através de uma narrativa poética, a trajetória de um homem que migra da estéril caatinga para a cidade. Em sua peregrinação atrás de uma vida melhor, o retirante Severino – “filho de Maria e Zacarias, da serra da Costela, limites da Paraíba”, como ele mesmo se apresenta – percorre as mais diversas situações às quais está exposto o povo nordestino: o enterro da vítima de emboscada, o velório sob ladainhas, a busca por emprego, a presença da rezadeira, a morte do cortador de cana no latifúndio, os numerosos enterros de retirantes na cidade grande, os raros de usineiros. A viagem termina na cidade grande, mais precisamente em Recife. Imerso em fome e desalento, Severino pensa em suicídio, mas decide seguir adiante ao testemunhar, à semelhança de um auto de Natal, um nascimento na favela à beira do mangue.
Trilha Sonora: musicado por Chico Buarque de Hollanda. Elba Ramalho e Tânia Alves cantam duas canções no episódio.
Fonte e outras informações: Memória Globo 


Título: O ovo de galinha
Recitado por Ney Latorraca
Produção: TV Globo
Ano: 1980


Título: Duas águas
Produção: TV Cultura SP
Ano: 1997


Título: Recife/Sevilha - João Cabral de Melo Neto
Sinopse: As principais entradas da poética de João Cabral de Melo Neto são Recife e Sevilha. Afora os livros a uma e a outra dedicados, há aqueles cujos versos guardam nas entrelinhas a experiência do homem apaixonado por estas cidades. Recife e Sevilha são uma das mais importantes sínteses da obra deste que é poeta maior da língua. Seriam cidades inconciliáveis por semelhanças e diferenças, se nelas o poeta não tivesse vivido. O Recife do menino de engenho e do rapaz mundano e a Sevilha do homem feito andarilho por força de sua carreira de diplomata. Recife e Sevilha formam o mote de seus versos mais fecundos - e do documentário “Recife/Sevilha – João Cabral de Melo Neto”.
Gênero: Documentário
Duração: 52 min.
Ano: 2003
Cidade: Recife/ PE - Brasil
Cor: Colorido
Ficha Técnica
Direção e Roteiro: Bebeto Abrantes
Elenco: Depoimento: João Cabral de Melo Neto
Empresa(s) Co-produtora(s): Giros Produções Ltda.
Produção Executiva: Belisario Franca
Direção de Produção: Clarisse Sette
Direção Fotografia: Batman Zavareze
Montagem/Edição: Marcelo Rodrigues
Técnico de Som Direto: Batman Zavareze
Trilha musical original: João Pellegrino


Título: Morte e Vida Severina [Desenho Animado]

(Desenho animado completo)

Sinopse: Morte e Vida Severina em Desenho Animado é uma versão audiovisual da obra prima de João Cabral de Melo Neto, adaptada para os quadrinhos pelo cartuinista Miguel Falcão. Preservando o texto original, a animação 3D dá vida e movimento aos personagens deste auto de natal pernambucano, publicado originalmente em 1956.
Em preto e branco, fiel à aspereza do texto e aos traços dos quadrinhos, a animação narra a dura caminhada de Severino, um retirante nordestino, que migra do sertão para o litoral pernambucano em busca de uma vida melhor.
Capa do DVD
Desenho Animado
Duração: 56 min.
Produção: Fundação Joaquim Nabuco e TV Escola (Mec)
Coordenação Geral de Produção: TV Escola
Supervisão Geral do Projeto: Érico Monnerat
Direção Geral da TV Escola: Érico da Silveira
Produtora: OZI Filmes (demais informações e créditos)
Direção: Afonso Serpa
Produção Executiva: Mario Lellis, Roger Burdino, Maurício Fonteles
Direção de Produção: Alexandre Fischgold
Roteiro: Afonso Serpa
Assistente de Direção: Felipe Benévolo
Final Cut: Bruno Laranjeiras
Elenco: Gero Camilo, André Ríccari, Vanda Phaelante, Lívia Falcão, Eduardo Japiassú, João Augusto Lira, Jones Melo, Fábio Caio, Vavá Schön
Coro: Diego Cunha, Raphaella Feitosa, Marcela Rossiter, Monteiro Oliveira, Rejane Mansur, Thiago Barba, Miguel Falcão, Socorro Neves, Natasha Neves, Flávia Barbachan, Pedro Caroca, Paulo Bandeira, Isabela Cribari, Érico Monnerat
Trilha Sonora: Lucas Santtana, Rica Amabis
Músicos Convidados: Marcelo Jeneci, siba
Desenho Sonoro: Maurício Fonteles, Marco Rezende



ADAPTAÇÕES HQ
Título: Morte e Vida Severina
Autor: João Cabral de Melo Neto
Adaptação: Miguel Falcão - transformou em quadrinhos o texto clássico original de João Cabral de Melo Neto - 'Morte e Vida Severina'. Conjunto composto por livro e DVD. Editora: Massangana, 1ª ed., 2010.


Funeral de um Lavrador, de João Cabral de Melo Neto e Chico Buarque/1966.


DISCOGRAFIA
João Cabral de Melo Neto, por (...)
Poesias - Murilo Mendes e João Cabral de Melo Neto. Lp 010. Festa, Discos Ltda., 1956.

Morte e vida Severina. Apresentado pelo “Teatro da Universidade Católica de São Paulo”. P. 932.900 L., Nancy, 1966.

Morte e vida Severina. Música de Chico Buarque de Holanda, Car 4002, Caritas.

João Cabral de Melo Neto por ele mesmo. IG 79.029. Festa, Serie de Lux. s/d.

Poemas de João Cabral de Meto Neto. 2 discos. Som Livre, 1982.


ÓPERA
Severino: Auto de Navidad - Música de Salvador Moreno.Ópera de Bellas Artes, México. 1966 (Apresentado antes no Teatro Lyceu de Barcelona).


Assentamento, de Chico Buarque



Tecendo a Manhã
Um galo sozinho não tece uma manhã:
ele precisará sempre de outros galos.

De um que apanhe esse grito que ele
e o lance a outro; de um outro galo
que apanhe o grito de um galo antes
e o lance a outro; e de outros galos
que com muitos outros galos se cruzem
os fios de sol de seus gritos de galo,
para que a manhã, desde uma teia tênue,
se vá tecendo, entre todos os galos.

2.
E se encorpando em tela, entre todos,
se erguendo tenda, onde entrem todos,
se entretendendo para todos, no toldo
(a manhã) que plana livre de armação.

A manhã, toldo de um tecido tão aéreo
que, tecido, se eleva por si: luz balão.
- João Cabral de Melo Neto, in “Melhores Poemas de João Cabral de Melo Neto". [Seleção Antônio Carlos Secchin], São Paulo: Global Editora, 8ª ed., 2001, pag. 188.



João Cabral de Melo Neto (...)
POEMAS ESCOLHIDOS


Morte de Vida Severina, de João Cabral de Melo Neto
recitado por ele mesmo [Monólogo final]. 

O mar e o canavial
O que o mar sim aprende do canavial:
a elocução horizontal de seu verso;
a geórgica de cordel, ininterrupta,
narrada em voz e silêncio paralelos.
O que o mar não aprende do canavial:
a veemência passional da preamar;
a mão-de-pilão das ondas na areia,
moída e miúda, pilada do que pilar.

                         *
O que o canavial sim aprende do mar;
o avançar em linha rasteira da onda;
o espraiar-se minucioso, de líquido,
alagando cova a cova onde se alonga.
O que o canavial não aprende do mar:
o desmedido do derramar-se da cana;
o comedimento do latifúndio do mar,
que menos lastradamente se derrama.
- João Cabral de Melo Neto, in “Melhores Poemas de João Cabral de Melo Neto". [Seleção Antônio Carlos Secchin], São Paulo: Global Editora, 8ª ed., 2001, pag. 183.



O sertanejo falando
A fala a nível do sertanejo engana:
as palavras dele vêm, como rebuçadas
(palavras confeito, pílula), na glace
de uma entonação lisa, de adocicada.
Enquanto que sob ela, dura e endurece
o caroço de pedra, a amêndoa pétrea,
dessa árvore pedrenta (o sertanejo)
incapaz de não se expressar em pedra.
                       
                  2.
Daí porque o sertanejo fala pouco:
as palavras de pedra ulceram a boca
e no idioma pedra se fala doloroso;
o natural desse idioma fala à força.
Daí também porque ele fala devagar:
tem de pegar as palavras com cuidado,
confeitá-la na língua, rebuçá-las;
pois toma tempo todo esse trabalho.
- João Cabral de Melo Neto, in “Melhores Poemas de João Cabral de Melo Neto". [Seleção Antônio Carlos Secchin], São Paulo: Global Editora, 8ª ed., 2001, pag. 184.



A educação pela pedra
Uma educação pela pedra: por lições;
para aprender da pedra, frequentá-la;
captar sua voz inenfática, impessoal
(pela de dicção ela começa as aulas).
A lição de moral, sua resistência fria
ao que flui e a fluir, a ser maleada;
a de poética, sua carnadura concreta;
a de economia, seu andensar-se compacta:
lições da pedra (de fora para dentro,
cartilha muda), para quem soletrá-la.

                     *
Outra educação pela pedra: no Sertão
(de dentro para fora, e pré-didática).
No Sertão a pedra não sabe lecionar,
e se lecionasse não ensinaria nada;
lá não se aprende a pedra: lá a pedra,
uma pedra de nascença, entranha a alma.
- João Cabral de Melo Neto, in “Melhores Poemas de João Cabral de Melo Neto". [Seleção Antônio Carlos Secchin], São Paulo: Global Editora, 8ª ed., 2001, pag. 185.



Fábula de um arquiteto
A arquitetura como construir portas,
de abrir; ou como construir o aberto;
construir, não como ilhar e prender,
nem construir como fechar secretos;
construir portas abertas, em portas;
casas exclusivamente portas e teto.
O arquiteto: o que abre para o homem
(tudo se sanearia desde casas abertas)
portas por-onde, jamais portas-contra;
por onde, livres: ar luz razão certa.

                 2.
Até que, tantos livres o amedrontando,
renegou dar a viver no claro e aberto.
Onde vãos de abrir, ele foi amurando
opacos de fechar; onde vidro, concreto;
até refechar o homem: na capela útero,
com confortos de matriz, outra vez feto.
- João Cabral de Melo Neto, in “Melhores Poemas de João Cabral de Melo Neto". [Seleção Antônio Carlos Secchin], São Paulo: Global Editora, 8ª ed., 2001, pag. 189.



Catar feijão
Catar feijão se limita com escrever:
Jogam-se os grãos na água do alguidar
E as palavras na folha de papel;
e depois, joga-se fora o que boiar.
Certo, toda palavra boiará no papel,
água congelada, por chumbo seu verbo;
pois catar esse feijão, soprar nele,
e jogar fora o leve e oco, palha e eco.

                    2.
Ora, nesse catar feijão entra um risco,
o de que, entre os grãos pesados, entre
um grão imastigável, de quebrar dente.
Certo não, quando ao catar palavras:
a pedra dá à frase seu grão mais vivo:
obstrui a leitura fluviante, flutual,
açula a atenção, isca-a com risco.
- João Cabral de Melo Neto, in “Melhores Poemas de João Cabral de Melo Neto". [Seleção Antônio Carlos Secchin], São Paulo: Global Editora, 8ª ed., 2001, pag. 190.



Rios sem discurso
Quando um rio corta, corta-se de vez
o discurso-rio de água que ele fazia;
cortado, a água se quebra em pedaços,
em poços de água, em água paralítica.
Em situação de poço, a água equivale
a uma palavra em situação dicionária:
isolada, estanque no poço dela mesma,
e porque assim estanque, estancada;
mais: porque assim estancada, muda,
e muda porque com nenhuma comunica,
porque cortou-se a sintaxe desse rio,
o fio de água por que ele discorria.

                   *
O curso de um rio, seu discurso-rio,
chega raramente a se reatar de vez;
um rio precisa de muito fio de água
para refazer o fio antigo que o fez.
Salvo a grandiloqüência de uma cheia
lhe impondo interina outra linguagem,
um rio precisa de muita água em fios
para que todos os poços se enfrasem:
se reatando, de um para outro poço,
em frases curtas, então frase a frase,
até a sentença-rio do discurso único
em que se tem voz a seca ele combate.
- João Cabral de Melo Neto, in “Melhores Poemas de João Cabral de Melo Neto". [Seleção Antônio Carlos Secchin], São Paulo: Global Editora, 8ª ed., 2001, pag. 191.



Para a Feira do Livro
Folheada, a folha de um livro retoma
o lânguido vegetal de folha folha,
e um livro se folheia ou se desfolha
como sob o vento a árvore que o doa;
folheada, a folha de um livro repete
fricativas e labiais de ventos antigos,
e nada finge vento em folha de árvore
melhor do que o vento em folha de livro.
Todavia, a folha, na árvore do livro,
mais do que imita o vento, profere-o:
a palavra nela urge a voz, que é vento,
ou ventania, varrendo o podre a zero.

                   *
Silencioso: quer fechado ou aberto,
Incluso o que grita dentro, anônimo:
só expõe o lombo, posto na estante,
que apaga em pardo todos os lombos;
modesto: só se abre se alguém o abre,
e tanto o oposto do quadro na parede,
aberto a vida toda, quanto da música,
viva apenas enquanto voam as suas redes.
Mas apesar disso e apesar do paciente
(deixa-se ler onde queiram), severo:
exige que lhe extraiam, o interroguem
e jamais exala: fechado, mesmo aberto.
- João Cabral de Melo Neto, in “Melhores Poemas de João Cabral de Melo Neto". [Seleção Antônio Carlos Secchin], São Paulo: Global Editora, 8ª ed., 2001, pag. 194.



O Fim do Mundo
No fim de um mundo melancólico
os homens lêem jornais.
Homens indiferentes a comer laranjas
que ardem como o sol.

Me deram uma maçã para lembrar
a morte. Sei que cidades telegrafam
pedindo querosene. O véu que olhei voar
caiu no deserto.

O poema final ninguém escreverá
desse mundo particular de doze horas.
Em vez de juízo final a mim preocupa
o sonho final.
- João Cabral de Melo Neto, do livro "João Cabral de Melo Neto - Obra completa", Editora Nova Aguilar - Rio de Janeiro, 1994



A Carlos Drummond de Andrade
Não há guarda-chuva
contra o poema
subindo de regiões onde tudo é surpresa
como uma flor mesmo num canteiro.

Não há guarda-chuva
contra o amor
que mastiga e cospe como qualquer boca,
que tritura como um desastre.

Não há guarda-chuva
contra o tédio:
o tédio das quatro paredes, das quatro
estações, dos quatro pontos cardeais.

Não há guarda-chuva
contra o mundo
cada dia devorado nos jornais
sob as espécies de papel e tinta.

Não há guarda-chuva
contra o tempo,
rio fluindo sob a casa, correnteza
carregando os dias, os cabelos.
- João Cabral de Melo Neto, do livro "João Cabral de Melo Neto - Obra completa", Editora Nova Aguilar - Rio de Janeiro, 1994, pág. 79.



O Relógio
1. Ao redor da vida do homem
há certas caixas de vidro,
dentro das quais, como em jaula,
se ouve palpitar um bicho.

Se são jaulas não é certo;
mais perto estão das gaiolas
ao menos, pelo tamanho
e quebradiço de forma.

Uma vezes, tais gaiolas
vão penduradas nos muros;
outras vezes, mais privadas,
vão num bolso, num dos pulsos.

Mas onde esteja: a gaiola
será de pássaro ou pássara:
é alada a palpitação,
a saltação que ela guarda;

e de pássaro cantor,
não pássaro de plumagem:
pois delas se emite um canto
de uma tal continuidade

que continua cantando
se deixa de ouvi-lo a gente:
como a gente às vezes canta
para sentir-se existente.


2. O que eles cantam, se pássaros,
é diferente de todos:
cantam numa linha baixa,
com voz de pássaro rouco;

desconhecem as variantes
e o estilo numeroso
dos pássaros que sabemos,
estejam presos ou soltos;

têm sempre o mesmo compasso
horizontal e monótono,
e nunca, em nenhum momento,
variam de repertório:

dir-se-ia que não importa
a nenhum ser escutado.
Assim, que não são artistas
nem artesãos, mas operários

para quem tudo o que cantam
é simplesmente trabalho,
trabalho rotina, em série,
impessoal, não assinado,

de operário que executa
seu martelo regular
proibido (ou sem querer)
do mínimo variar.

3. A mão daquele martelo
nunca muda de compasso.
Mas tão igual sem fadiga,
mal deve ser de operário;

ela é por demais precisa
para não ser mão de máquina,
a máquina independente
de operação operária.

De máquina, mas movida
por uma força qualquer
que a move passando nela,
regular, sem decrescer:

quem sabe se algum monjolo
ou antiga roda de água
que vai rodando, passiva,
graças a um fluido que a passa;

que fluido é ninguém vê:
da água não mostra os senões:
além de igual, é contínuo,
sem marés, sem estações.

E porque tampouco cabe,
por isso, pensar que é o vento,
há de ser um outro fluido
que a move: quem sabe, o tempo.

4. Quando por algum motivo
a roda de água se rompe,
outra máquina se escuta:
agora, de dentro do homem;

outra máquina de dentro,
imediata, a reveza,
soando nas veias, no fundo
de poça no corpo, imersa.

Então se sente que o som
da máquina, ora interior,
nada possui de passivo,
de roda de água: é motor;

se descobre nele o afogo
de quem, ao fazer, se esforça,
e que ele, dentro, afinal,
revela vontade própria,

incapaz, agora, dentro,
de ainda disfarçar que nasce
daquela bomba motor
(coração, noutra linguagem)

que, sem nenhum coração,
vive a esgotar, gota a gota,
o que o homem, de reserva,
possa ter na íntima poça.
- João Cabral de Melo Neto, in “Melhores Poemas de João Cabral de Melo Neto". [Seleção Antônio Carlos Secchin], São Paulo: Global Editora, 8ª ed., 2001, pag. 180-181 e 182.




A palavra seda
A atmosfera que te envolve
atinge tais atmosferas
que transforma muitas coisas
que te concernem, ou cercam.
E como as coisas, palavras
impossíveis de poema:
exemplo, a palavra ouro,
e até este poema, seda.
É certo que tua pessoa
não faz dormir, mas desperta;
nem é sedante, palavra
derivada da de seda.
E é certo que a superfície
de tua pessoa externa,
de tua pele e de tudo
isso que em ti se tateia,
nada tem da superfície
luxuosa, falsa, acadêmica,
de uma superfície quando
se diz que ela é “como seda”.
Mas em ti, em algum ponto,
talvez fora de ti mesma,
talvez mesmo no ambiente
que retesas quando chegas,
há algo de muscular,
de animal, carnal, pantera,
de felino, da substância
felina, ou sua maneira,
de animal, de animalmente,
de cru, de cruel, de crueza, que sob a palavra gasta
persiste na coisa seda.
- João Cabral de Melo Neto (Quaderna, 1956-1959)


Pequena Ode Mineral
Desordem na alma
que se atropela
sob esta carne
que transparece.

Desordem na alma
que de ti foge,
vaga fumaça
que se dispersa,

informe nuvem
que de ti cresce
e cuja face
nem reconheces.

Tua alma foge
como cabelos,
cunhas, humores,
palavras ditas

que não se sabe
onde se perdem
e impregnam a terra
com sua morte.

Tua alma escapa
como este corpo
solto no tempo
que nada impede.

Procura a ordem
que vês na pedra:
nada se gasta
mas permanece.

Essa presença
que reconheces
não se devora
tudo em que cresce.

Nem mesmo cresce
pois permanece
fora do tempo
que não a mede,

pesado sólido
que ao fluido vence,
que sempre ao fundo
das coisas desce.

Procura a ordem
desse silêncio
que imóvel fala:
silêncio puro.

De pura espécie,
voz de silêncio,
mais do que a ausência
que as vozes ferem.
- João Cabral de Melo Neto, in “Melhores Poemas de João Cabral de Melo Neto". [Seleção Antônio Carlos Secchin], São Paulo: Global Editora, 8ª ed., 2001, pag. 24-25.



Imitação das Águas
De flanco sobre o lençol,
paisagem já tão marinha,
a uma onda deitada,
na praia, te parecias.

Uma onda que parava
ou melhor: que se continha;
que contivesse um momento
seu rumor de folhas líquidas.

Uma onda que parava
naquela hora precisa
em que a pálpebra da onda
cai sobre a própria pupila.

Uma onda que parava
ao dobrar-se, interrompida,
que imóvel se interrompesse
no alto de sua crista

e se fizesse montanha
(por horizontal e fixa),
mas que ao se fazer montanha
continuasse água ainda.

Uma onda que guardasse
na paria cama, finita,
a natureza sem fim
do mar de que participa,

e em sua imobilidade,
que precária se adivinha,
o dom de se derramar
que as águas faz femininas

mais o clima de águas fundas,
a intimidade sombria
e certo abraçar completo
que dos líquidos copias.
- João Cabral de Melo Neto, in “Melhores Poemas de João Cabral de Melo Neto". [Seleção Antônio Carlos Secchin], São Paulo: Global Editora, 8ª ed., 2001, pag. 143.



A lição de poesia
1. Toda a manhã consumida como um sol imóvel
diante da folha em branco:
princípio do mundo, lua nova.

Já não podias desenhar
sequer uma linha;
um nome, sequer uma flor
desabrochava no verão da mesa:

nem no meio-dia iluminado,
cada dia comprado,
do papel, que pode aceitar,
contudo, qualquer mundo.

2. A noite inteira o poeta
em sua mesa, tentando
salvar da morte os monstros
germinados em seu tinteiro.

Monstros, bichos, fantasmas
de palavras, circulando,
urinando sobre o papel,
sujando-o com seu carvão.

Carvão de lápis, carvão
da idéia fixa, carvão
da emoção extinta, carvão
consumido nos sonhos.

3. A luta branca sobre o papel
que o poeta evita,
luta branca onde corre o sangue
de suas veias de água salgada.

A física do susto percebida
entre os gestos diários;
susto das coisas jamais pousadas
porém imóveis - naturezas vivas.

E as vinte palavras recolhidas
as águas salgadas do poeta
e de que se servirá o poeta
em sua máquina útil.

Vinte palavras sempre as mesmas
de que conhece o funcionamento,
a evaporação, a densidade
menor que a do ar.
- João Cabral de Melo Neto, in “Melhores Poemas de João Cabral de Melo Neto". [Seleção Antônio Carlos Secchin], São Paulo: Global Editora, 8ª ed., 200, pag. 22-23.


Cães sem pluma, de João Cabral de Melo Neto
por Chico Buarque


FORTUNA CRÍTICA DE JOÃO CABRAL DE MELO NETO
João Cabral de Melo Neto (...)

AFONSO, Antonio José Ferreira. João Cabral: uma teoria da luz. Braga: Faculdade de Filosofia,1993.
ALMEIDA, José Américo de. Discurso de recepção de João Cabral de Melo Neto. Rio de Janeiro: Discursos acadêmicos, Academia Brasileira de Letras, 1969.
ALMEIDA, Valéria Paz de. A retórica de pedra. Análise da argumentação no discurso poético de João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa). Universidade de São Paulo, USP, Brasil, 2001.
ALVES, Gisele; MURAKAWA, Clotilde de Almeida Azevedo. Processo de formação de palavras na poesia de João Cabral de Melo Neto: reflexões preliminares. In: SEDENHO, Bruno Sérgio; ARRUDA, Niguelme Cardoso; IAGALLO, Patrícia Ormastroni; MARCHEZAN, Renata Coelho; RIBEIRO, Luciana Mercês.. (Org.). Estudos Linguísticos da FCLAr: desafios na Pós-Graduação.. São Paulo - SP: Cultura Acadêmica, 2011, v., p. -.
AMPARO, Flávia Vieira da Silva do. "A redescoberta do feminino em 'Quaderna de João Cabral de Melo Neto". Revista da Academia Brasileira de Letras, v. 49, p. 169-181, 2006.
AMPARO, Flávia Vieira da Silva do. O percurso das amadas na obra de João Cabral de Melo Neto. Revista da Academia Brasileira de Letras, v. 66, p. 263-279, 2011.
ANDRADE, Eugênio de, et alii. O TUCA no Porto. Porto: Plano, 1966.
ANDRADE, Fábio Cavalcante de. A Poesia Brasileira Contemporânea e a Tradição: um diálogo crítico e criativo através de Micheliny Verunschk e João Cabral de Melo Neto. Eutomia (Recife), v. V, p. 144-153, 2012.
ANDRADE, Janilto Rodrigues de. Erotismo em João Cabral. 1ª ed., Rio de Janeiro: Editora Calibán Ltda, 2008. v. 1. 104p.
ARAÚJO, Homero José Vizeu. Cabral - o agressor e sua lâmina. In: Zilá Bernd; Maria do Carmo Campos. (Org.). Literatura e americanidade. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 1995, v., p. -.
ARAÚJO, Homero José Vizeu. O poema no sistema - a peculiaridade do antilírico João Cabral na Literatura Brasileira. (Tese Doutorado em Letras). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil, 1999.
ARAÚJO, Homero José Vizeu. O Poema no Sistema - a peculiaridade do antilírico João Cabral na Literatura Brasileira. 1. ed. Porto Alegre: Editora da Universidade (UFRGS), 2002. v. 1. 250p.
ARAÚJO, Homero José Vizeu. Providências cabralinas. Organon (UFRGS), v. 15, p. 265-276, 2001.
ASLAN, Odette e Meyer, Marlyse. Les voies de la création théatrale. Paris: Centre National de Recherches Scientifiques, 1970.
ATHAYDE, F. de. (Org.) Idéias fixas de João Cabral de Melo Neto. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; Mogi das Cruzes: Universidade de Mogi das Cruzes, 1998.
ÁVILA, Afonso. O poeta e a consciência crítica. São Paulo: Summus Editorial, 1978.
João Cabral de Melo Neto (...)
BAHIA, Cristiano Anderson. Utopia Severina: Denúncia profética e esperança em João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Ciências da Religião). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil, 2002.
BALISTA, Lígia Rodrigues. Auto e peregrinação: a metáfora da caminhada no "auto da alma" e em "morte e vida severina". (Dissertação Mestrado em Teoria e História Literária). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Brasil, 2012.
BARATA, Manuel Sarmento. Canto melhor. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1969.
BARBOSA, João Alexandre. A Imitação da Forma, Uma Leitura de João Cabral de Melo Neto. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1975.
BARBOSA, João Alexandre. A metáfora crítica. São Paulo: Editora Perspectiva, 1974.
BARBOSA, João Alexandre. As ilusões da modernidade. São Paulo: Editora Perspectiva, 1986.
BARBOSA, João Alexandre. João Cabral de Melo Neto. São Paulo: PubliFolha, 2ª ed., 2008, 112 p. [Série Folha Explica].
BARBOSA, Luiz Henrique. Sujeito, Crítica e Invenção nas Poéticas de João Cabral de Melo Neto e Manoel de Barros. (Tese Doutorado em Literaturas de Língua Portuguesa). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC Minas, 2010.
BARBOSA, Rodrigo Garcia. O espaço, o corpo, o poema: a subversão do real em João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Letras: Estudos Literários). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, Brasil, 2009.
BARBOSA, Rodrigo Garcia. Um corpo entre imagem e gesto: a tauromaquia na poesia de João Cabral de Melo Neto. (Tese Doutorado em Letras: Estudos Literários). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, Brasil, 2013.
BARCELOS, Waldir Batista Pinheiro de. Carlos Drummond de Andrade, Murilo Mendes e João Cabral de Melo Neto: diálogos entre poesia e pintura no Modernismo brasileiro. (Tese Doutorado em Letras). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, Brasil, 2012.
BECHARA, Eli Nazareth. Cabral: dois momentos no tecer da manhã. São José do Rio Preto: Centro de Publicações, Ibilce, UNESP, 1991.
BEDIN, Olivo. O fazer poético de João Cabral de Melo Neto e de Fernando Pessoa. (Tese Doutorado em Letras - Teoria Literária e Literatura Comparada). Universidade de São Paulo, USP, Brasil, 2009.
BORSATO, Fabiane Renata.  O rio, de João Cabral de Melo Neto - de sujeito turista a sujeito observador-relator. Itinerários (UNESP), Araraquara, v. I, n.12, p. 215-226, 1998.
BORSATO, Fabiane Renata. Antonio Machado e João Cabral de Melo Neto constroem Sevilhas. In: V Congresso Brasileiro de Hispanistas e I Congresso Internacional da Associação Brasileira de Hispanistas, 2008, Belo Horizonte. Anais do V Congresso Brasileiro de Hispanistas e I Congresso Internacional da Associação Brasileira de Hispanistas. Belo Horizonte: FALE UFMG, 2008. v. 1. p. 769-777.
BORSATO, Fabiane Renata. Aspectos da poética de João Cabral de Melo Neto no poema Jogos Frutais, da obra Quaderna (1956-1959). In: Cleudemar Alves fernandes; João Bôsco Cabral dos Santos. (Org.). Análise Literária: tendências contemporâneas. 1ed.Uberlândia: EDUFU, 2003, v. 1, p. 149-159.
BORSATO, Fabiane Renata. Leitura dialógica das poéticas de Antonio Machado e João Cabral: o dialogismo explícito e implícito e a questão da figuratividade. (Tese Doutorado em Estudos Literários). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Brasil, 2005.
BORSATO, Fabiane Renata. O jogo de variâncias de uma poética obsessiva: a poética de João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Estudos Literários). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Brasil, 1999.
BRASIL, Assis. Manuel e João: dois poetas pernambucanos. Rio de Janeiro: Imago, 1990.
BREUNIG, Tiago Hermano. O papel em branco de João Cabral de Melo Neto. Letras e Letras, v. 21, p. 95-108, 2005.
BRITO, Jomar Muniz de. Do modernismo à bossa nova. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1966.
BRITO, Tarsilla Couto de. A Espanha invisível de João Cabral. In: 5ª Semana de Letras Neolatinas: Saberes em movimento, 2003, Rio de Janeiro. Caderno de resumos da 5ª Semana de Letras Neolatinas: Saberes em movimento, 2003. p. 01-55.
BURGDURFF, Richard Belchior Klipp. Auto do Frade: cartografia do social e do poético em João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil, 2002.
João Cabral de Melo Neto, por Oscar Cabral
CADERNOS de Literatura Brasileira n.1 - João Cabral de Melo Neto. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 1996.
CAFEZEIRO, Alice F.L.A. A estrutura semântica em "Tecendo a Manhã", de João Cabral de Melo Neto. Petrópolis: Editora Vozes. 1966.
CAMLONG, André. Le vocabulaire poétique de João Cabral de Melo Neto. Toulouse: Cahier nº. 1, Centre d'Étude Lexicologique, Université de Toulouse, 1978.
CAMPEDELLI, Samira Youssef. Literatura comentada - Martins Penas; João Cabral de Melo Neto; Clarice Lispector; Tomás Antônio Gonzaga; Ziraldo; Castro Alves. 1ª ed.,  São Paulo: Abril Educação, 1982. v. 06. 108p.
CAMPOS, Augusto de. Poesia, antipoesia, antropofagia. São Paulo: Cortez e Moraes, 1978.
CAMPOS, Haroldo de. Metalinguagem. Petrópolis: Editora Vozes, 1967.
CAMPOS, Haroldo de. Verso reverso controverso. São Paulo: Editora Perspectiva, 1978.
CAMPOS, Juscilandia Oliveira Alves. Disseminações do desejo: o erotismo em João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Literatura e Diversidade Cultural). Universidade Estadual de Feira de Santana, UEFS, Brasil, 2005.
CAMPOS, Maria do Carmo Alves de. Analogia e Repetição Em O Cão Sem Plumas. In: Maria do Carmo Campos. (Org.). João Cabral em Perspectiva. Porto Alegre, RS.: Editora da Universidade / UFRGS, 1995, v. 4, p. -.
CAMPOS, Maria do Carmo Alves de. João Cabral Em Perspectiva. Porto Alegre, RS: Editora da Universidade / UFRGS, 1995. v. 4. 200p.
CAMPOS, Maria do Carmo Alves de. L´indesirée Des Gens: Tradução de Poemas de Agrestes de João Cabral de Melo Neto. Révue Liberté, Montréal, CANADÁ, v. 36, p. 69-79, 1994.
CAMPOS, Maria do Carmo Alves de. O Poético e A Cultura Contemporânea Em Autores Sul-Americanos: Drummond, João Cabral e Borges. In: Zilá Bernd; Francis Uteza; (Org.). Producão Literária e Identidades Culturais (Coleção Ensaios PPG-Letras, n.11 ). p.193-207.. Porto Alegre: Sagra Luzzato, 1997, v., p. -.
CARDOSO, Helânia Cunha de Sousa. João Cabral de Melo Neto e as Artes Espanholas. (Tese Doutorado em Estudos Literários). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, Brasil, 2007.
CARDOSO, Helânia Cunha de Sousa. Motivo feminino e construção poética em João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Letras). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC Minas, Brasil, 2001.
CARDOSO, Helânia Cunha de Sousa. Movimento feminino e construção poética em João Cabral de Melo Neto. In: Maria do Carmo Lanna Figueiredo; Maria Nazareth Soares Fonseca. (Org.). Tradição e contemporaneidade: Língua e Literatura. 1ª ed. Belo Horizonte: PUC Minas, 2003, v., p. 77-96.
CARDOSO, Helânia Cunha de Sousa. O discurso de João Cabral de Melo Neto e a construção da modernidade brasileira. Revista Alpha, Patos de Minas, v. 6, p. 188-199, 2005.
CARONE, Modesto. A poética do silêncio. São Paulo: Editora Perspectiva, 1979.
CARONE, Modesto. Os pobres na literatura brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1983.
CARVALHO, Ricardo Souza de. A Espanha de João Cabral e Murilo Mendes. 1ª ed. São Paulo: Editora 34, 2011. v. 1. 288p.
CARVALHO, Ricardo Souza de. A presença de João Cabral de Melo Neto e Murilo Mendes em acervos de escritores espanhóis. Manuscrítica (São Paulo), v. 14, p. 61-64, 2006.
CARVALHO, Ricardo Souza de. Comigo e contigo a Espanha: estudo sobre João Cabral de Melo Neto e Murilo Mendes. (Tese Doutorado em Literatura Brasileira). Universidade de São Paulo, USP, Brasil, 2006.
CARVALHO, Ricardo Souza de. Do catalão ao português: João Cabral tradutor. Revista de Letras (UNESP. Impresso), v. 49, p. 137-149, 2009.
CARVALHO, Ricardo Souza de. João Cabral de Melo Neto e a tradição do Romance de 30. Estudos Avançados (USP. Impresso), v. 23, p. 269-278, 2009. Disponível no link(acessado em 7.4.2013).
CARVALHO, Ricardo Souza de. João Cabral entre uma epígrafe de Jorge Guillén e dois poemas sobre Rafael Alberti. Escritos (Fundação Casa de Rui Barbosa), v. 3, p. 229-245, 2009.
CARVALHO, Ricardo Souza de. O Cavalo de Todas as Cores. Uma revista editada por João Cabral de Melo Neto. Revista USP, v. 73, p. 112-116, 2007.
CARVALHO, Rosângela Boyd de. Os escritos com o corpo: linguagem, metalinguagem e escritura na poesia de João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Literatura Brasileira). Universidade Federal Fluminense, UFF, Brasil, 2000.
CASADO, José. Livro branco da crítica literária, Maceió: s.n., 1966.
CASTELLO, José. João Cabral de Melo Neto: o homem sem alma e diário de tudo. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006. 
CASTRO, Sílvia. A revolução da palavra. Petrópolis: Editora Vozes, 1978.
CASTRO, Vera Maria Fontana. As pedras na poesia de João Cabral de Melo Neto: uma leitura semiótica. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, Brasil, 2001.
CERIBELLI, Dirce Teresa. Poética e função metalingüística. São Paulo: PVS, 1974.
CHAMIE, Mario. A linguagem virtual. São Paulo: Quiron, 1976.
CHAMIE, Mario. Casa da época. São Paulo: Conselho Estadual das Artes, 1979.
CHAVES, José Afonso. Rigoroso Horizonte: estudo sociológico sobre a gênese do estilo antilírico de João Cabral de Melo Neto. (Tese Doutorado em Sociologia). Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Brasil, 2010.
CHAVES, José Afonso. Rigoroso Horizonte: estudo sociológico sobre a gênese do estilo antilírico de João Cabral de Melo Neto. (Tese Doutorado em Sociologia). Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Brasil, 2010.
CIAMPA, Antônio da Costa. A estória do Severino e a história da Severina. São Paulo: Editora Brasiliense 1987.
COELHO, Cláudia. João Cabral de Melo Neto e Carlos de Oliveira: similaridades e divergências na (des)construção de imagens metapoéticas. (Dissertação Mestrado em Estudos Literários). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, UFMS, Brasil, 2005.
COELHO, Cláudia. João Cabral de Melo Neto: O erudito severo versus o popular severino. Revista Crioula, v. 01, p. 01-15, 2007.
COELHO, Cláudia. Memória e metapoesia em João Cabral de Melo Neto e Carlos de Oliveira. (Tese Doutorado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, Brasil, 2011.
COELHO, Eduardo Prado. O reino flutuante. Lisboa: Editora 70, 1972.
COELHO, Nelly Novaes. Língua e literatura. São Paulo: Faculdade de Filosofia, 1978.
COIMBRA, Glayce Rocha Santos. A morte severina em Cândido Portinari e em João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Arte e Cultura Visual). Universidade Federal de Goiás, UFG, Brasil, 2012.
CORREIA, Éverton Barbosa. A imagem de Cabeleira nos engenhos da família de João Cabral. Literatura em debate (URI), v. 4, p. 49-65, 2010.
CORREIA, Éverton Barbosa. A musicalidade flamenca de João Cabral. Texto Poético, v. 4, p. 1-10, 2007.
CORREIA, Éverton Barbosa. A poética do engenho: a obra de João Cabral sob a perspectiva canavieira. (Tese Doutorado em Letras - Teoria Literária e Literatura Comparada). Universidade de São Paulo, USP, Brasil, 2008.
CORREIA, Éverton Barbosa. Diálogos entre o Botelho barroco e o moderno Cabral. In: I Seminário Internacional de Arte e Literatura barroca, 2010, Natal - RN. Anais do I Seminário Internacional de Arte e Literatura barroca, 2010. p. 116-135.
CORREIA, Éverton Barbosa. Gilberto Freyre por Bandeira, Drummond e Cabral. Ciências & Letras (FAPA. Impresso), v. 50, p. 161-176, 2011.
CORREIA, Éverton Barbosa. História, memória e subjetividade em João Cabral. Signo (UNISC. Online), v. 35, p. 117-134, 2010.
CORREIA, Éverton Barbosa. João Cabral, leitor de frei Caneca. In: PIRES, Antonio Donizete; YOKOSAWA, Solange Fiuza Cardoso. (Org.). O legado moderno e a (dis)solução contemporânea. São Paulo: Editora da UNESP, 2011, v., p. -.
CORREIA, Éverton Barbosa. João Cabral, leitor de Natividade Saldanha. Texto Poético, v. 6, p. 1-15, 2009.
CORREIA, Éverton Barbosa. Subjetividade, história e genealogia em João Cabral. Revista da Academia Brasileira de Letras, v. 57, p. 182-206, 2008.
CORREIA, Éverton Barbosa. Um auto cabralino em suas vertentes. (Dissertação Mestrado em Teoria e História Literária). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Brasil, 2000.
CORREIA, Éverton Barbosa. Um auto cabralino em suas vertentes. Sínteses (UNICAMP), v. 6, p. 131-140, 2001.
João Cabral de Melo Neto (...)
COSTA, Alyni Ferreira. João Cabral de Melo Neto, faces de um homem crítico e prosador. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal do Ceará, UFC, Brasil, 2012.
COSTA, Alyni Ferreira. O Rio João Cabral e seus Afluentes. In: Anais do II Colóquio Internacional Poéticas do Imaginário: literatura, interfaces, fronteiras. Manaus: Editora UEA, 2010. v. II. p. 03-881.
COSTA, Cristina Henrique da. De l impossibilité rationnelle de percevoir à l imagination poétique de l existence: Une lecture des Premiers Poèmes de João Cabral de Melo Neto.. Quadrant (Montpellier), v. 19/20, p. 217-251, 2003.
COSTA, Cristina Henrique da. João Cabral de Melo Neto et le dualisme valéryen. In: Francis Utéza et Marie Dumas. (Org.). Hommage au Professeur Claude Maffre. 1ed.Montpellier: Editora da Universidade Paul Valéry Montpellier III, 2004, v. 2, p. 149-182.
COSTA, Cristina Henrique da. João Cabral de Melo Neto: De l homme qui vient à l image. (Tese Doutorado em Estudos românicos -opção Estudos luso-brasileiros). Universidade Paul Valéry Montpellier III, 2002.
COSTA, Cristina Henrique da. Le parti pris de la matière dans 'O Ovo de Galinha' de João Cabral de Melo Neto. Quadrant (Montpellier), v. 17, p. 245-257, 2002.
COSTA, Cristina Henrique da. Présentation du poète João Cabral de Melo Neto. Fario, v. 11, p. 350-360, 2011.
COSTA, Ricardo Ramos. Diálogo das artes na obra de João Cabral de Melo Neto: O Cão sem Plumas. In: VI Seminário Capixaba sobre o ensino da Arte: a arte contempla a arte, 2006, Vitória. A arte contempla a arte. VI Seminário Capixaba sobre o ensino da Arte e I Encontro do Pólo Arte na Escola/UFES. Vitória: Editora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Espírito Santo, 2006. p. 112-118.
COSTA, Ricardo Ramos. João Cabral e Maureen Bisilliat: diálogo das artes a partir de O cão sem plumas. (Dissertação Mestrado em Estudos Literários). Universidade Federal do Espírito Santo, UFES, Brasil, 2006.
COSTA, Ricardo Ramos. Maureen Bisilliat e João Cabral: traducão intersemiótica a partir de O cão sem plumas. In: Marcelo Paiva de Souza; Raimundo Carvalho; Wilberth Salgueiro. (Org.). Sob o signo de Babel: literatura e poéticas da tradução. Vitória: PPGL/MEL Flor&Cultura, 2006, v. , p. 213-218.
COSTA, Ricardo Ramos. Poéticas da visualidade em João Cabral de Melo Neto e Joan Miró: a poesia como crítica de arte. (Tese Doutorado em Literatura Comparada). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, Brasil, 2012.
COTRIM, Rosana Maria Sant Ana. As criações lexicais na poética de João Cabral de Melo Neto: contribuições aos estudos do léxico no discurso literário. (Tese Doutorado em Linguistica e Lingua Portuguesa). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Brasil, 2012.
COTRIM, Rosana Maria Sant Ana. Entre morte e vida: efeitos de sentidos severinos. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, UFMS, Brasil, 2005.
CRESPO, Angel e Gómez Bedate, Pilar. Realidad y forma en la poesia de Cabral de Melo. Madri: Revista de Cultura Brasileña, 1964.
CRISPIM, Luiz Augusto. Por uma estética do real. João Pessoa: A União Editora, 1969.
CUNHA, Luiz Manoel Castro da. O cão sem plumas: Uma leitura Intersemiótica da obra de João cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Letras e Lingüística). Universidade Federal de Alagoas, UFAL, Brasil, 2003.
CUNHA, Wesclei Ribeiro da. Entre a exatidão e o paradoxo:reflexões acerca do trabalho de arte de João Cabral de Melo Neto e João Guimarães Rosa. In: Marcos Torres. (Org.). Caminhos, construções e símbolos: Ensaios críticos sobre: João Cabral de Melo Neto, João Guimarães Rosa e Bueno de Rivera. 1ª ed. Rio de Janeiro: Câmara Brasileira de Jovens Escritores, 2008, v. 1, p. 55-65.
D´ANDREA, Moema Selma da Silva. A modernidade de João Cabral de Melo Neto. Imagem do Brasil na Literatura, Recife - PE, p. 157-180, 2005.
DAMAZO, Francisco Antonio Ferreira Tito. Sobre Catar feijão de João Cabral de Melo Neto. Universitária (Associação de Ensino Marechal Cândido Rondon), v. 1, p. 12-16, 1997.
DANTAS, Márcio de Lima. Mestiçagem e ensaismo em João Cabral de Melo Neto: uma leitura do livro Crime na calle relator. (Dissertação Mestrado em Estudos da Linguagem). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, Brasil, 1995.
DANTAS, Márcio de Lima. Mestiçagem e ensaísmo em João Cabral de Melo Neto. Mossoró - RN: Fundação Vingt-un Rosado, 2005. v. 300. 163p.
DANTAS, Márcio de Lima; JAFFELIN, E.. Ensaismo e poesia em João Cabral de Melo Neto. In: Marcos Falchero Falleiros. (Org.). Scriptoria II: ensaios de literatura II. :, 2000, v. II, p. -.
DAYOUB, Khazzoun Mirched. João Cabral de Melo Neto: ideologia e sociedade. Lumen Revista de Estudos e Comunicações, Unifai, p. 111 -123, 15 fev. 2001.
DELAI, Lisiane. Paisagens opostas: Uma leitura da região na Trilogia do rio e Quaderna, de João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Letras e Cultura Regional). Universidade de Caxias do Sul, UCS, Brasil, 2008.
João Cabral de Melo Neto (...)
DIAS, Maria Heloisa Martins. João Cabral e Carlos de Oliveira: micropaisagens poéticas. In: V Congresso da ABRALIC, 1996, Rio de Janeiro/RJ. Cânones e Contextos, 1996. v. 2. p. 585-590.
DIAS, Silvana Moreli Vicente. João Cabral de Melo Neto: a Poesia no Feminino. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, Brasil, 2002.
DIAS, Silvana Moreli Vicente. João Cabral de Melo Neto: A Poesia no Feminino. Estudos Lingüísticos (São Paulo), v. 28, p. 732-737, 1999.
DIAS, Silvana Moreli Vicente. João Cabral, sertão e Sevilha: a poesia dos avessos. Letterature d'America, v. XXIX, p. 89-106, 2009.
DINIZ, Madson Góis. Aspectos Medievais da Poética Cabralina. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal da Paraíba, UFPB, Brasil, 2004.
DUARTE, Ana Beatriz Teixeira Domingues. Máquinas Minerais: um estudo comparativo entre as poéticas de Amilcar de Castro e João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em  História Social da Cultura). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, Brasil, 2005.
DUCLÓS, Nei. De volta à terra natal. (Resenha) publicada na revista Veja, 24/12/1980 , edição 642 pgs. 77 e 78. reproduzida em "Consciência". Disponível no link. (acessado em 3.3.2016).
ESCOREL, Lauro. A Pedra e o Rio: uma interpretação da poesia de João Cabral de Melo Neto. São Paulo: Duas Cidades, 1973.
EVANGELISTA, Joelma Sampaio. Iberismo em trânsito: imagens de Espanha na poesia de César Vallejo, Pablo Neruda, Murilo Mendes e João Cabral de Melo Neto. (Tese Doutorado em Letras - Estudos Literários). Universidade Federal de Juiz de Fora, UFJF, Brasil, 2011.
FAGUNDES, Igor Teixeira Silva. Existe é rio humano: João Cabral na terceira margem de Rosa. Revista Brasileira (Rio de Janeiro), v. 56, p. 161-193, 2008.
FARIA, Zênia de.  A intertextualidade e a interdisciplinaridade na obra de João Cabral de Melo Neto. Travessia Revista de Literatura Brasileira, UFSC: Florianópolis, v. 24, p. 48-66, 1992.
FARIA, Zênia de. Aspectos do grotesco na poesia de João Cabral de Melo Neto. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, v. 38, p. 213-232, 2011.
FARIA, Zênia de. João Cabral de Melo Neto e a Subversao da Cor. Signótica, Goiânia, v. 1, p. 115-140, 2003.
FARIA, Zênia de. João Cabral de Melo Neto et le grotesqueIn: Jacqueline Penjon. (Org.). Débordements. Etudes sur ll'exccès. 1ªed.Paris: Presses Sorbonne Nouvelle, 2006, v. 13, p. 263-270.
FARIA, Zênia de. Viagens e viajantes na obra poética de João Cabral de Melo Neto. Signótica, v. 1 nº20, p. 209-234, 2008.
FERNANDES, Maria das Graças Roque Prata.  Auto do frade: o ritual da intolerância. Juiz de Fora: 2004. 90p.
FERNANDES, Maria das Graças Roque Prata. Auto do Frade: o ritual da intolerância. (Dissertação Mestrado em Letras). Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora, 2004.
FERNANDES, Maria das Graças Roque Prata. O Auto do frade como manifestação dramática. In: Maria de Lourdes Abreu de Oliveira. (Org.). Caminhos da narrativa ficcional brasileira. Rio de Janeiro: Juiz de Fora, 2006, v., p. -.
FERNANDES, Mércia. A questão urbana na poesia de João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, Brasil, 2005.
FERNANDES, Mércia. As imagens de cidade na poesia de João Cabral de Melo Neto. Revista do Centro de Estudos Portugueses (UFMG), v. 25, p. 147-168, 2005.
FERRARA, Lucrécia d'Alessio. O texto estranho. São Paulo: Editora Perspectiva, 1978.
FERRAZ, Eucanaã de Nazareno. Máquina de comover - a poesia de João Cabral de Melo Neto e suas relações com a arquitetura. (Tese Doutorado em Letras - Letras Vernáculas). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil, 2000.
FERRAZ, Eucanaã de Nazareno. Máquina de comover: a poesia de João Cabral de Melo Neto e suas relações com a Arquitetura. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ, 2000. 325p.
FERRAZ, Eucanaã de Nazareno. Murilo Mendes e João Cabral: o sim contra o sim. Ipotesi (UFJF), v. 6, p. 105-112, 2002.
FERRAZ, Eucanaã de Nazareno. Poesia e ornamento: o caso João Cabral de Melo Neto. Diacrítica (Braga), v. 18-19, p. 141-160, 2005.
FERREIRA, Nadia Paulo. Teoria de literatura. Petrópolis: Editora Vozes, 1971.
FONSECA, José Paulo Moreira da. Dez fragmentos e um poema sobre a poesia de João Cabral. Rio de Janeiro:Spala, 1979.
FORTUNA, Felipe. A escola da sedução. Porto Alegre: Editora Artes e Ofícios, 1991.
FREIXEIRO, Fábio. Da razão à emoção I.  São Paulo: Editora Nacional, 1968.
FREIXEIRO, Fábio. Da razão à emoção II.  Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1971.
GALVE, Fernanda Rodrigues. De um porto a outro: um navegar histórico no multiverso da vida e obra de João Cabral de Melo Neto. (Tese Doutorado em História). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil, 2012.
GALVE, Fernanda Rodrigues. Ser(tão) : Memória poéticas de João Cabral de Melo Neto (1950-1960). (Dissertação Mestrado em História). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil, 2006.
GANDOLFI, Leonardo. Entre Carlos de Oliveira e João Cabral de Melo Neto -- Errar a paisagem. (Tese Doutorado em Literatura Comparada). Universidade Federal Fluminense, UFF, Brasil, 2012.
GANDOLFI, Leonardo. João Cabral e a prosopopeia. Estudios Portugueses, v. 8, p. 135-144, 2008.
GANDOLFI, Leonardo. João Cabral vê seu rosto no desenho do mundo. In: André Dick. (Org.). Paideuma. São Paulo: Risco Editorial, 2010, v., p. 171-196.
GARCIA, Othon Moacir. A página branca e o deserto. Rio de Janeiro: Revista da Livro, 1957.
GLEDSON, John A. Sleep, Poetry and João Cabral's "false book": a revaluation of Pedra do Sono. Liverpool: Separata do Bulletin of Hispanic Studies, University of Liverpool, 1978.
GOLDSTEIN, Norma Seltzer; CAMPEDELLI, Samira Youssef.  Literatura brasileira. São Paulo: Editora Ática, 1976.
GOMIDE FILHO, Sérgio Roberto. Morte e escrita em João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Letras). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC Minas, Brasil, 2009.
GONÇALVES, Aguinaldo. Transição e permanência. São Paulo: Iluminuras Produções Editoriais Ltda., 1989.
GONÇALVES, Luiz Cláudio Luciano França. Figurações do apolíneo e do dionisíaco nas poéticas de João Cabral de Melo Neto e Sophia de Mello Breyner Andresen. (Tese Doutorado em Letras e Linguística). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC Minas, Brasil, 2011.
GRANDO, Diego. A educação pela pedra, de João Cabral de Melo Neto. In: Sergius Gonzaga. (Org.). Leituras Obrigatórias 2013. 1ª ed. Porto Alegre: Leitura XXI, 2012, v., p. 17-28.
GROSSI, Elvair. Uma análise dos contrastes, das oposições como forma de produzir cultura e sentido na poesia de João Cabral de Melo Neto. Revista da APG - Associação de Pós Graduandos da PUC/SP, São Paulo - PUCSP, v. 1, n.22, p. 11-23, 2000.
GUERRA, José Augusto. Testemunhas de crítica. Recife: Editora Universitária, 1974.
João Cabral de Melo Neto (...)
GULLAR, Ferreira. Augusto dos Anjos: toda a poesia. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1976.
GULLAR, Ferreira. Cultura posta em questão. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1965.
GULLAR, Ferreira. Vanguarda e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1969.
HILL, Telenia. Estudos de crítica e teoria literária. Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves, 1989.
HILL, Telenia. L'homme dans la modernité. Paris: Sorbonne, 1990.
HOLANDA, Sergio Buarque de. Cobra de vidro. São Paulo: Editora Perspectiva. 1978.
HOUAISS, Antonio. Drummond mais seis poetas e um problema. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1976.
HUMBLÉ, Philippe René Marie. João Cabral de Melo neto, traductor de Calderón de la Barca. Fragmentos (Florianópolis), Florianópolis, v. 3, p. 145-150, 1990.
JAGUARIBE, Vicência Maria Freitas. João Cabral de Melo Neto: um exercício de leitura. Cadernos do Mestrado Em Letras da Ufc, Fortaleza, v. 1, p. 15-25, 1996.
JUNQUEIRA, Ivan. O encantador de serpentes. Rio de Janeiro: Editora Alhambra, 1987.
LACERDA FILHO, Walter Barbosa. Os Signos de uma Educação - A Água e a Pedra na Poesia de João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal do Ceará, UFC, Brasil, 2001.
LACERDA FILHO, Walter Barbosa. Os Signos de uma Educação - A Água e a Pedra na Poesia de João Cabral de Melo Neto. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. v. 1500. 204p.
LEITE, Elga Ivone Pérez Laborde. La simbología de la piedra en la poética de João Cabral de Melo Neto. Contextos (Santiago), v. 21, p. 119-124, 2009.
LEITE, Sebastião Uchoa. Crítica clandestina. Rio de Janeiro: Editora Taurus, 1986.
LEITE, Sebastião Uchoa. Participação da palavra poética. Petrópolis: Editora Vozes, 1966.
LICARI, Luzila Goncalves. João Cabral de Melo Neto. Investigações, Recife, v. 10, p. 206-212, 1999.
LIMA, Laurênio. Crônica de letras pernambucanas.  Recife: Imprensa Universitária, 1965.
LIMA, Luís Costa. A metamorfose do silêncio. Rio de Janeiro: Editora Eldorado, 1974.
LIMA, Luís Costa. Dispersa demanda. Rio de Janeiro: Francisco Alves Editora, 1981.
LIMA, Luís Costa. Lira e antilira. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1968.
LIMA, Luís Costa. O espaço da percepção. Petrópolis: Editora Vozes, 1968.
LIMA, Maria de Fátima Gonçalves. A Poética das Águas em João Cabral. In: Antonio Donizeti da Cruz; Maria de Fátima Gonçalves Lima. (Org.). Literatura e poéticas do imaginário. 1ed. Cascavel-PR: Edunioeste - Editora da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, 2012, v. 1, p. 137-155.
LIMA, Maria de Fátima Gonçalves. O discurso do poema O rio de João Cabral de Melo Neto. In: Maria Aparecida Rodrigues. (Org.). Pesquisa em linguagem, 1ª ed., Goiânia: PUC/GO, 2009, v. 1, p. 183-219.
LIMA, Maria de Fátima Gonçalves. O Discurso do Rio em João Cabral. (Tese Doutorado em Letras - Área de Teoria da Literatura). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho São José do Rio Preto, 2004.
LINS, Álvaro. Os mortos de sobrecasaca. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1963.
LINS, Juarez Nogueira. Geografia e Literatura: uma leitura interdisciplinar do Recife através da poesia de Manuel Bandeira, Carlos Pena Filho e João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Brasil, 2003.
LINS, Juarez Nogueira. Poesia e Cidade: uma representação do Recife na obra de João Cabral de Melo Neto. In: Juarez Nogueira Lins; Rosilda Alves Bezerra; Waldeci Ferreira Chagas. (Org.). Espaços Interculturais: linguagem, memória e diversidade discursiva. 1ªed.Olinda: Livrorapido, 2006, v. 50, p. 7-453.
LÔBO, Danilo Pinto. João Cabral de Melo Neto e a pseudo religiosidade de Morte e Vida Severina. Informe Ciência e Arte Boletim da Ufscar, São Carlos, p. 125-133, 1973.
LÔBO, Danilo Pinto. O poema e o quadro: o picturalismo na obra de João Cabral de Melo Neto. (Tese Doutorado em Letras - Português e Francês). Tulane University, TU, Estados Unidos, 1972.
LÔBO, Danilo Pinto. O poema e o quadro; o picturalismo na obra João Cabral de Melo. 1. ed. Brasília: Thesaurus, 1981. v. 1. 184p.
LOPES FILHO, Napoleão. Interpretação silenciosa de dois poemas de João Cabral de Melo Neto. Lisboa: Ocidente, 1964.
LOPES, Oscar. Ler e depois. Porto: Editora Inova, 1970.
LORIA, Maura Cristina Pereira. Le Corbusier/João Cabral: uma concepção do poético. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Brasil, 1998.
João Cabral de Melo Neto (...)
MACHADO, Micheliny Verunschk Pinto. Confluências entre João Cabral de Melo Neto e Sophia de Mello Breyner: Poesia das Coisas e Espaços. (Dissertação Mestrado em Literatura e Crítica Literária). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil, 2006.
MAMEDE, Zila. Civil Geometria: bibliografia crítica, analítica e anotada de João Cabral de Melo Neto, 1942-1982. São Paulo: Nobel, EDUSP, 1987.
MANTERO, Manuel. La poesia del "yo" al "nosotros". Madri: Editora Guadanama, 1971.
MARANDOLA, Janaina de Alencar Mota e Silva. Caminhos de morte e de vida: o geográfico e o telúrico no rio severino de João Cabral de Melo Neto. 1ª ed., Londrina: Eduel, 2011. 160p.
MARANDOLA, Janaina de Alencar Mota e Silva. Caminhos e Morte e de Vida: O rio severino de João Cabral de Mello Neto. (Dissertação Mestrado em Geografia). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, 2007.
MARANDOLA, Janaina de Alencar Mota e Silva; OLIVEIRA, L.. A poesia geográfico-telúrica de João Cabral de Melo Neto. In: Silvia A.G. Ortigoza; Lucia Helena O. Gerardi. (Org.). Temas da Geografia Contemporânea. Rio Claro: UNESP/IGCE: AGETEO, 2009, v., p. 271-290.
MARANDOLA, Janaina de Alencar Mota e Silva; OLIVEIRA, L.. Geografias Pernambucanas: João Cabral de Melo Neto e as representações poéticas lembradas. In: I Colóquio Nacional do Núcleo de Estudos em Espaço e Representações (NEER), 2006, Curitiba. Anais. Curitiba: NEER, 2006. p. 1-12.
MARQUES, Reinaldo Martiniano. 'A Poetica de Joao Cabral de Melo Neto: O Estilo Como Ruptura'.. Revista do Centro de Ciências Humanas Da PUC-MG, v. 5, p. 51-63, 1986.
MARTELO, Rosa Maria. Estrutura e transposição. Porto: Fundação Eng. Antonio de Almeida. 1989.
MARTINS, Aulus Mandagará. Do sopro noturno às coisas claras: o esboço do projeto poético cabralino. Caderno de Letras (UFPEL), v. 12, p. 50-65, 2006.
MARTINS, Aulus Mandagará. Introdução ao ethos poético em João Cabral. In: Cíntia Schwantes. (Org.). A mandala e o Caleidoscópio: ensaios de literatura brasileira contemporânea. Pelotas: Editora UFPel, 1999, v. , p. 139-146.
MARTINS, Aulus Mandagará. Jogo e acaso em Fábula de Anfion. In: Maria do Carmo Campos. (Org.). João Cabral em Perspectiva. Porto Alegre: Editora da Universidade, 1995, v., p. 86-107.
MARTINS, Aulus Mandagará. Lúcido lúdico: o poema de João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil, 1993.
MARTINS, Aulus Mandagará. Poesia agonal de João Cabral de Melo Neto: descontinuidade e tradição. In: Antônio Sanseverino; Cátia Simon; Homero Araújo. (Org.). Prestando contas: a pesquisa e interlocução em literatura brasileira. Porto Alegre: Sagra-Luzzatto, 1996, v., p. 29-50.
MASCARENHAS, Paula Schild . Sartre e João Cabral: um diálogo produtivo. Caderno de Letras (UFPEL), v. 6, p. 21-46, 1997.
MATOS, Luis Manuel Estrela de. João Cabral de Melo Neto: uma poética do rigor.. Linha d'água, FFLHC/USP, v. 15, p. 63-66, 2001.
MELO, Normando Jorge de Albuquerque. O Reino de Cabral: crônica das águas do Recife. Cadernos NASEB, v. 1, p. 52-60, 2011.
MENDES, Nancy Maria. Ensaios de semiótica. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 1980.
MENDES, Nancy Maria. Ironia, sátira, paródia e humor na poesia de João Cabral de Melo Neto. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 1980.
João Cabral de Melo Neto (...)
MENEZES, Roniere Silva. Grafias na pedra: traços de João Cabral. Cadernos de Estudos Culturais, v. 2, p. 149-163, 2010.
MENEZES, Roniere Silva. O traço, a letra e a bossa: arte e diplomacia em Cabral, Rosa e Vinicius. (Tese Doutorado em Estudos Literários). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, Brasil, 2008.
MENEZES, Roniere Silva. O traço, a letra e a bossa: arte e diplomacia em Cabral, Rosa e Vinicius. Em Tese (Belo Horizonte. Impresso), v. 15, p. 1-6, 2009.
MENEZES, Roniere Silva. O traço, a letra e a bossa: literatura e diplomacia em Cabral, Rosa e Vinicius. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011. 320p.
MENEZES, Roniere Silva. Retratos de Brasília em João Cabral e Guimarães Rosa. In: XII Congresso Internacional da ABRALIC, 2011, Curitiba. Centro, centros: ética, estética. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2011. v. XII. p. 1-11.
MENEZES, Roniere Silva. Rotas da utopia: tecnologia e afeto em Cabral, Rosa e Vinicius. In: Eneida Maria de Souza; Wander Melo Miranda. (Org.). Crítica e coleção. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011, v., p. 357-374.
MENEZES, Roniere Silva. Viagens à terra estrangeira; diplomacia e transdisciplinaridade em João Cabral e Guimarães Rosa. O Eixo e a Roda (UFMG), v. 18, p. 85-103, 2009.
MERQUIOR, José Guilherme. A astúcia da mímese. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1972.
MERQUIOR, José Guilherme. As idéias e as formas. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1981.
MERQUIOR, José Guilherme. Crítica. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1990.
MERQUIOR, José Guilherme. Razão do poema. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1965.
MILHOMEM, Humberto. O regime diurno da imagem em Morte e vida severina, de João Cabral de Melo Neto. Revista acadêmica UNIFAN, v. 5, p. 189-197, 2006.
MOISÉS, Carlos Felipe. João Cabral de Melo Neto. In: Leodegário A. de Azevedo Filho. (Org.). Poetas do modernismo. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1972, v. 6, p. 43-90.
MOISES, Carlos Felipe. Poesia e realidade. São Paulo: Editora Cultrix, 1977.
MONTEIRO, lrma Chaves. A traição da linguagem. Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica/RJ, 1976.
MOURA, Maria José Acioly Paz de. Morte e Vida Severina: um auto singular e plural. In: MACIEL, D.A.V; ANDRADE, Valéria. (Org.). Dramaturgia fora da estante. João Pessoa: Idéia, 2007, v. , p. -.
MOURA, Maria José Acioly Paz de. O auto da morte e da vida: João Cabral de Melo Neto e a forma dramática. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal da Paraíba, UFPB, Brasil, 2006.
MOUTINHO, José Geraldo Nogueira. A procura do número. São Paulo: Conselho Estadual de Cultura, 1967.
MUDESTO, Gladson Dalmonech. A água, a lama, a alma do homem - uma análise d´O Rio, de João Cabral de Melo Neto. In: Wilberth Claython Ferreira Salgueiro. (Org.). Vale a escrita? poéticas, cenas e tramas da literatura. Vitória: PPGL / CCHN, 2001, v., p. 253-259.
NADAL, José Fulaneti de (seleção). João Cabral de Melo Neto. [Notas e estudos de Samira Youssef Campedelli e Benjamin Abdala Jr]. São Paulo: Abril Educação, 1982.
NASCIMENTO JUNIOR, Milton Rosendo. A Assinatura de Tânatos: a morte e seus desdobramentos em Morte e Vida Severina, de João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Letras e Lingüística). Universidade Federal de Alagoas, UFAL, Brasil, 2004.
NEMÉSIO, Vitorino. Conhecimento da poesia.  Salvador: Livraria Progresso Editora, 1958.
NEMÉSIO, Vitorino. Conhecimento da poesia. Lisboa: Verbo, 1970.
NIST, John. The Modernist Movement in Brazil. Austin: University of Texas Press, 1967.
NUNES, Benedito. João Cabral de Melo Neto. Petrópolis: Editora Vozes, 1971.
NUNES, Benedito. O dorso do tigre. São Paulo: Editora Perspectiva, 1969.
NUNES, Cassiano. Breves estudos de literatura brasileira. São Paulo: Editora Saraiva, 1969.
João Cabral de Melo Neto (...)
OLIVEIRA, Célia Terezinha Guidão da Veiga. O lexema seda num poema de João Cabral de Melo Neto. Petrópolis Editora Vozes, 1971.
OLIVEIRA, Fernanda Ribeiro Queiroz de. Canto e corte - o épico e o drama nas vozes de Cecília Meireles e João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Letras e Linguística). Universidade Federal de Goiás, UFG, Brasil, 2002.
OLIVEIRA, Fernanda Ribeiro Queiroz de. Canto e corte -a épica e o drama nas vozes de Cecília Meireles e João Cabral de Melo Neto. 01. ed. Goiânia: Editora da UFG, 2006. v. 1. 150p.
OLIVEIRA, Marly de. O deserto jardim. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1990.
OLIVEIRA, Nilton José dos Anjos de. João Cabral de Melo Neto: poesia-pedra e o cabra. Estudios Portugueses, v. 6, p. 187-208, 2007.
OLIVEIRA, Waltencir Alves de. "Morte do eu, morte do outro" notas sobre a representação da morte na poesia de João Cabral de Melo Neto. Cadernos do CNLF (CiFEFil), v. XII, p. 143-149, 2009.
OLIVEIRA, Waltencir Alves de. A leitura da leitura de Morte e Vida Severina - Auto de Natal Pernambucano, de João Cabral de Melo Neto, na década de 60. (Dissertação Mestrado em Letras - Teoria Literária e Literatura Comparada). Universidade de São Paulo, USP, Brasil, 2001.
OLIVEIRA, Waltencir Alves de. O Gosto dos Extremos: Tensão e Dualidade na Poesia de João Cabral de Melo Neto. (Tese Doutorado em Letras - Teoria Literária e Literatura Comparada). Universidade de São Paulo, USP, Brasil, 2008.
OLIVEIRA, Waltencir Alves de. O gosto dos extremos: tensão e dualidade na poesia de João Cabral de Melo Neto, e Pedra do Sono a Andando Sevilha. 1ª. ed. São Paulo: EDUSP/ FAPESP, 2012. v. 1. 160p.
PEDRA, Nylcéa Thereza de Siqueira. Um João caminha pela Espanha: a reconstrução do espaço na obra poética de João Cabral de Melo Neto. (Tese Doutorado em Letras). Universidade Federal do Paraná, UFPR, Brasil, 2010.
PEIXOTO, Marta. Poesia com Coisas: uma leitura de João Cabral de Melo Neto. São Paulo: Perspectiva, 1983.
PEREIRA COUTO, Alberto Novais. As diversas correntes do teatro moderno brasileiro. Coimbra, 1966.
PEREIRA, Lawrence Flores. A pedra do sono de Cabral de M. Neto: o imaginário onírico e o feminino inquietante. Nonada: Letras em Revista, Porto Alegre: UniRitter, n. 7, p. 23-31, 2004.
PEREIRA, Rubens Edson Alves. A mulher e o mundo na poesia de João Cabral de Melo Neto. Légua e Meia, v. Único, p. 235-252, 2004.
PEREIRA, Rubens Edson Alves. João Cabral e Miró: Imanência do traço, transcendência da pedra. (Tese Doutorado em Letras). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, Brasil, 1999.
PEREIRA, Rubens Edson Alves. Sertão - Sevilla: João Cabral e outros auto-retratos. In: Ligia CHIAPPINI; Maria Stella BRESCIANI. (Org.). Literatura e Cultura no Brasil - Identidades e Fronteiras. 1ª ed.São Paulo: Cortez Editora, 2002, v. 1, p. 289-303.
PEREIRA, Rubens Edson Alves. Territórios extremos: contextos e contratos identitários em João Cabral e Graciliano Ramos. In: Rita OLIVIERI-GODET; Lícia Soares de SOUZA. (Org.). Identidades e Representações na Cultura Brasileira. 1ª ed., João Pessoa: Idéia Editora, 2001, v. Único, p. 61-82.
PETERSON, Michel. A própria morte: o pensamento do poema. In: Maria do Carmo Campos. (Org.). Joao Cabral em perspectiva. 1ed.Porto Alegre: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1995, v. , p. 17-36.
PETERSON, Michel. João Cabral no exterior. Bibliografia. In: Maria do Carmo Campos. (Org.). Joao Cabral em perspectiva. 1ª ed., Porto Alegre: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1995, v., p. 193-198.
PICCHIO, Luciana Stegagno. La littérature brésilienne. Paris: Presses Universitaires de France, 1981.
PICCHIO, Luciana Stegagno. Letteratura brasiliana. Milão: Sansoni Accademia, 1972.
PIGNATARI, Décio. Contracomunicação. São Paulo: Editora Perspectiva, 1971.
PIMENTEL, Danúbia Tupinambá. A peregrinatio em Auto da Alma e Morte e vida severina. In: V Semana de Estudos Medievais, 2005, Rio de Janeiro. V Semana de Estudos Medievais, 2004. v. 1. p. 305-311.
PIMENTEL, Danúbia Tupinambá. Morte e vida em Gil Vicente e João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, Brasil, 2005.
PINHEIRO NETO, José Elias. Geografia e Literatura: a paisagem geográfica e ficcional em Morte e Vida Severina de João Cabral de Melo Neto. Boletim Campineiro de Geografia, v. 2, p. 322-340, 2012.
PINHEIRO NETO, José Elias. O espaço e a percepção da paisagem em/no personagem Severino da obra. In: José Elias Pinheiro Neto, Sirlene Antônia Rodrigues costa, Valtuir Moreira da Silva. (Org.). Discursos, representações e paisagens: múltiplos olhares. Goiânia: PUC - Goiás, 2012, v., p. 93-116.
PINHEIRO NETO, José Elias. Uma viagem paisagística pelas zonas geográficas na obra Morte e Vida Severina de João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Geografia). Universidade Federal de Goiás, UFG, Brasil, 2011.
PINHEIRO NETO, José Elias; CAVALCANTE, M. I.. A percepção geográfica da paisagem em Morte e Vida Severina de João Cabral de Melo Neto. Estácio de Sá Ciências Humanas, v. 01, p. 122-133, 2010.
PINHEIRO NETO, José Elias; CAVALCANTE, M. I.. O espaço e as mortes em Morte e Vida Severina de João Cabral de Melo Neto. Linguagem. Estudos e Pesquisas (UFG), v. 13, p. 69-86, 2009.
PINHEIRO, Carlos André. A cidade íntima o olhar de João Cabral sobre a condição urbana. Investigações (UFPE), v. 22, p. 179-193, 2009.
João Cabral de Melo Neto (...)
PINHEIRO, Carlos André. A dimensão social do canavial na poesia de João Cabral de Melo Neto. REEL. Revista Eletrônica de Estudos Literários, v. 8, p. 1-11, 2011.
PINHEIRO, Carlos André. A doença de criar passarinhos - a lírca humanizadora de João Cabral. (Dissertação Mestrado em Estudos da Linguagem). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, Brasil, 2007.
PINHEIRO, Carlos André. Incidência de vozes na poesia de João Cabral. Revista Interfaces (UNICENTRO), v. 2, p. 23-30, 2011.
PINHEIRO, Carlos André. O corpo aquático - a água como elemento erótico na poesia de João Cabral. Vivencia (UFRN), v. 36, p. 23-32, 2011.
PINHEIRO, Elizângela Gonçalves. Cantares e cantadores: Castro Alves, João Cabral de Melo Neto e Elomar Figueira de Melo. (Dissertação Mestrado em Letras e Linguística). Universidade Federal de Goiás, UFG, Brasil, 2008.
PINHEIRO, Elizângela Gonçalves. Cantares e cantadores: Castro Alves, João Cabral de Melo Neto e Elomar Figueira Mello. 1ª ed. Goiânia: Editora UFG, 2009. 143p.
PINTO JUNIOR, Braz.  Poesia de rio, poesia de dragão: João Cabral de Melo Neto e a ênfase na comunicação poética. In: Gicelma da Fonseca Torchi-Chacarosqui; Marcos Antônio Bessa-Oliveira. (Org.). Misturas e Diversidades: reflexões diversas sobre Arte e Cultura contemporâneas. 1ed.São Carlos: Pedro e João Editores, 2012, v. 1, p. 19-28.
PINTO JUNIOR, Braz. A Tradição e o Talento de João Cabral: Recife Desolada. Scripta UNIANDRADE, Curitiba, v. 4, n.1, p. 233-245, 2006.
PINTO JUNIOR, Braz. Alusão e Intertexto: a dinâmica da apropriação em Morte e vida severina. (Dissertação Mestrado em Letras - Teoria Literária). Centro Universitário Campos de Andrade, UNIANDRADE, Brasil, 2009.
PINTO, José Maria Pinto de. Morte e vida severina, de João Cabral de Melo Neto. In: KRÜGER, Marcos Frederico; PINTO, Zemaria. (Org.). Análise literária das obras do vestibular 2000. 1ª ed., Manaus: EDUA - Editora da Universidade do Amazonas, 1999, v. 1, p. 51-65.
PINTO, Luzinete Menezes. Azul para semanas sem beber: dinâmica da cor na poesia de João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, Brasil, 1997.
PINTO, Luzinete Menezes. Papel e Cabral (sobre a participação físico-semântica do papel na poesia de Cabral). In: João César de Castro Rocha. (Org.). Interseções: a materialidade da comunicação. Rio de Janeiro: Imago/EDUERJ, 1998, v. 1, p. 330-337.
PINTO, Luzinete Menezes. Um ver e um desver no olhar: dinâmica cromática das poesias de Wallace Stevens e João Cabral. (Tese Doutorado em Letras). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, Brasil, 2002.
PIRES FILHO, Ormindo. A contestação em João Cabral de Melo Neto. Recife: Instituto Joaquim Nabuco, 1977.
PIRES FILHO, Ormindo. O social e outros ensaios. São Paulo: Quiron, 1976.
PORTELA, Eduardo. Dimensões I. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1978.
PRADO, Antônio Lázaro de Almeida. Rosa tetrafoliar, uma leitura de "A educação pela pedra". Assis: UNESP, Separata da Revista de Letras, 1976.
QUEIROZ, Rosângela Maria Soares de. A Gramática do Esforço Criador na Obra de João Cabral de Melo Neto. (Tese Doutorado em Letras). Universidade Federal da Paraíba, UFPB, Brasil, 2005.
QUEIROZ, Rosângela Maria Soares de. Imagística em João Cabral: a pintura como intertexto. Sociopoética (UEPB), v. 2, p. 143-161, 2008.
QUEIROZ, Rosângela Maria Soares de. João Cabral, Miró e a pintura: Uma Poiésis da Imagem. In: XI Congresso Internacional da Abralic, 2008, São Paulo - SP. Anais Do XI Congresso Internacional Da Abralic. São Paulo-SP: Editora da Universidade de São Paulo - Edusp, 2008. p. 1-10.
QUEIROZ, Rosângela Maria Soares de. Museu de tudo: a arquitetura da melancolia em João Cabral de Melo Neto. In: Francisco José Gomes Correia. (Org.). Lendo com Freud. 1ª ed. João Pessoa: Editora Universitária - Editora Idéia, 1999, v. único, p. 93-111.
QUEIROZ, Rosângela Maria Soares de. O jogo da subjetividade em João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal da Paraíba, UFPB, Brasil, 2000.
QUEIROZ, Rosângela Maria Soares de. Psicanálise e literatura: uma leitura do objeto perdido em João Cabral de Melo Neto. In: JOACHIM, Sébastien; JUSTINO, Luciano B.; DIONÍSIO, Ângela; NÓBREGA, Geralda M.. (Org.). II Cidadania Cultural: Diversidade Cultural, Linguagens e Identidades. 1ª ed. Recife - PE: Elógica Livro Rápido, 2007, v. II, p. 975-990.
QUEIROZ, Rosângela Maria Soares de. Psicanálise e literatura: uma leitura do objeto perdido em João Cabral de Melo Neto. In: II Cidadania Cultural: Diversidade Cultural, Linguagens e Identidades, 2007, Campina Grande. Colóquio Cidadania Cultural: diversidade cultural, linguagens, identidades. Recife-PE: UFPE/Livrorapido, 2007. v. 2. p. 973-990.
João Cabral de Melo Neto (...)
QUEVEDO, Rafael Campos. Poesia e Concretude em Augusto dos Anjos, João Cabral de Melo Neto e Haroldo de Campos. In: I Congresso Nacional de Literatura: EU, cem anos de poesia, 2012, João Pessoa. I CONALI - ANAIS. João Pessoa: ideia, 2012. p. 1566-1578.
QUEVEDO, Rafael Campos. Poéticas da concretude: poesia e realidade em Augusto dos Anjos, João Cabral de Melo Neto e Haroldo de Campos. (Tese Doutorado em Literatura). Universidade de Brasília, UNB, Brasil, 2011.
RAMIRES, Francisco Jose. João Cabral de Melo Neto: engenharia literária. 1ª ed., São Paulo: Biblioteca 24 horas, 2012.
RAMIRES, Francisco Jose. João Cabral: angústia e mudança social em versos. (Tese Doutorado em Sociologia). Universidade de São Paulo, USP, Brasil, 2009.
RAMIRES, Francisco Jose. Literatura e seus deslocamentos: uma leitura de O cão sem plumas, de João Cabral de Melo Neto. Revista PROA, v. 1, p. 24-47, 2009.
RAMIRES, Francisco Jose. Severinos na metrópole: a negação do trabalho na cidade de São Paulo. (Dissertação Mestrado em Sociologia). Universidade de São Paulo, USP, Brasil, 2002.
RAMOS, Maria Luiza. Fenomenologia da obra literária. Rio de Janeiro: Editora Forense, 1969.
REBUZZI, Solange Estellita Lins. O idioma pedra de João Cabral. (Tese Doutorado em Letras: Estudos Literários). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, Brasil, 2007.
REBUZZI, Solange Estellita Lins. O idioma pedra de João Cabral. S. Paulo: Editora Perspectiva S.A., 2010. v. 1000. 192p.
REBUZZI, Solange Estellita Lins. O idioma pedra de João Cabral. S. Paulo: Editora Perspectiva S.A., 2010. v. 1000. 192p.
RIBEIRO, Anderson da Silva. Em busca de uma essência poética: a expressividade do substantivo em João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, Brasil, 2010.
RIBEIRO, Edneia Rodrigues.. A fissura do duplo em A educação pela pedra: consolidação de uma prática de antilira. (Dissertação Mestrado em Letras: Estudo Literários). Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes, 2012. Disponível no link. (acessado em 15.10.2016).
RICARDO, Cassiano. O homem cordial e outros pequenos estudos brasileiros. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1959.
ROCHA, Francisco José Gonçalves Lima. La poétique de João Cabral de Melo Neto. Poèmes sur des écrivains français. (Dissertação Mestrado em "Master" em Estudos brasileiros e portugueses). Universidade de Paris 8, 2006.
ROCHA, Francisco José Gonçalves Lima. Representação e prática da criação literária na obra de João Cabral de Melo Neto. Análise textual e prototextual. (Tese Doutorado em Teoria Literária e Literatura Comparada). Universidade de São Paulo, USP, Brasil, 2011.
ROLAND, Maria Tereza de França. A casa: estreitos laços entre literatura e arquitetura. (Tese Doutorado em Estudos Literários). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Brasil, 2008.
SAMPAIO, Maria Lúcia Pinheiro. Os meios de expressão na obra de João Cabral de Melo Neto. São Paulo, Universidade de São Paulo, 1973.
SAMPAIO, Maria Lúcia Pinheiro. Processos Retóricos na Obra de João Cabral de Melo Neto. Assis; São Paulo: ILPHA: HUCITEC, 1978.
SAMPAIO, Maria Lúcia Pinheiro.A palavra na obra de João Cabral de Melo Neto. Assis: Separata da Revista de Letras, 1975.
SANTA CRUZ, Luís. A metapoética de João Cabral através de Joaquim Cardoso. Rio de Janeiro: Senhor, 1962.
SANTANA JÚNIOR, Fernando Oliveira. Da fissura com o mundo à tessitura da forma: o conceito de epopeia negativa em "Morte e vida severina", de João Cabral de Melo Neto. In: Anais do III Colóquio de Estudos Literários Contemporâneos. Recife-PE: Programação Multimídia de João Everaldo de Araújo, 2009. v. Único. p. 82-97.
SANT'ANNA, Maíra Tamaoki. A figura da mulher em alguns poemas de João Cabral de Melo Neto. In: XIII Seminário de Teses em Andamento (Instituto de Estudos da Linguagem da UNICAMP), 2008, Campinas. Anais do SETA, 2008. v. 2.
SANT'ANNA, Maíra Tamaoki. A figuratividade e o semi-simbolismo em Paisagem pelo Telefone de João Cabral de Melo Neto. In: 16º COLE - Congresso de Leitura do Brasil - No mundo há muitas armadilhas e é preciso quebrá-las" (UNICAMP), 2007, Campinas. Anais do 16º COLE, 2007.
SANT'ANNA, Maíra Tamaoki. Da forma à substância: a percepção tátil da figura feminina em alguns poemas de Quaderna de João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Brasil, 2009.
SANTIAGO, Lenise dos Santos. A linguagem prosaica da poesia cabralina. Revista Ecos (Cáceres), v. 12, p. 40-54, 2012.
SANTIAGO, Lenise dos Santos. João Cabral de Melo Neto: a estética do avesso. (Dissertação Mestrado em Estudos da Linguagem). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, Brasil, 2007.
SANTIAGO, Lenise dos Santos. Matizes hispânicas na poesia cabralina: a voz do verso. Linguagens: Revista de Letras, Artes e Comunicação (FURB), v. 5, p. 36-45, 2011.
SANTIAGO, Lenise dos Santos. Severino e o rio. In: SILVA, Francisco Ivan. (Org.). Colóquio Barroco I. 01ª ed. Natal: EDUFRN, 2008, v. 1, p. 251-268.
SANTIAGO, Lenise dos Santos. Três poemas e um rioIn: Francisco Ivan; Samuel Lima. (Org.). Colóquio Barroco III. 1ª ed. Natal: EDUFRN, 2012, v., p. 243-257.
SANTOS, Abraao Junior Cabral e. A visibilidade entre Maurice Merleau-Ponty e João Cabral de Melo Neto: pensar e poetar como se uma pintura. (Tese Doutorado em Literatura). Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil, 2010.
SANTOS, Abraao Junior Cabral e. Antilirismo e Fala Falante: um olhar merleau-pontyano sobre a metapoesia de João Cabral. (Dissertação Mestrado em Literatura). Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil, 2005.
SANTOS, Acacio Luiz. Uma leitura de Pedra do sono, de João Cabral de Melo Neto. Cadernos de Letras - UFF no. 9, Niterói - RJ, v. 1, p. 59-63, 1994.
SANTOS, Elis Denise Lélis dos. Uma poesia de mão-dupla: João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal do Ceará, UFC, Brasil, 2008.
SANTOS, Matildes Demetrio dos. Paisagens de João Cabral: a Luz pelas Trevas e a Morbidez. In: Lélia parreira Duarte (org.). (Org.). De Orfeu e de Perséfone Morte e Literatura. 1ª ed. Belo Horizonte/ MG: Ateliê Editorial, 2008, v. 1, p. 313-340.
SANTOS, Vitto. Poesia e humanismo. Rio de Janeiro: Artenova, 1971.
SANTOS, Wilquer Quadros dos. O Poema Narrativo em Crime na Calle Relator, de João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, UFMS, Brasil, 2011.
SARAIVA, Arnaldo. Encontros des-encontros. Porto: Livraria Paisagem, 1973.
SCRAMIM, Susana Célia Leandro (Org.). Dossiê especial João Cabral de Melo Neto. 4ª ed., Florianópolis: NELIC/ Universidade Federal de Santa Catarina, 2012. v. 1. 189 p.
SCRAMIM, Susana Célia Leandro. Poesia Modernista Brasileira e suas Afinidades com o Arcaico. João Cabral de Melo Neto e Murilo Mendes. Boletim de Pesquisa NELIC (Impresso), v. 4, p. 28-58, 2012.
SECCHIN, Antonio Carlos. A poesia do menos. João Cabral de Melo Neto, de Quaderna a A escola das facas. (Tese Doutorado em Letras - Letras Vernáculas). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil, 1982.
SECCHIN, Antonio Carlos. Breve notícia de João Cabral de Melo Neto. Gonzalo Rojas/ João Cabral de Melo Neto.:, 2005, v. , p. -.
SECCHIN, Antonio Carlos. João Cabral de Melo Neto: a apropriação do real. (Dissertação Mestrado em Letras - Letras Vernáculas). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil, 1979.
SECCHIN, Antonio Carlos. Joao Cabral in PerspectivePortuguese Literary e Cultural Studies - University of Massacusetts, v. 4-5, p. 233-241, 2001.
SECCHIN, Antonio Carlos. João Cabral: a poesia de menos. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1952.
SECCHIN, Antonio Carlos. João Cabral: do fonema ao livro. Pensamento Original Made in Brazil. 1ª ed. Rio de Janeiro: Oficina do Autor, 1999, v., p. -.
SECCHIN, Antonio Carlos. João Cabral: outras paisagens. Colóquio. Letras, v. 157/15, p. 105-126, 2000.
SECCHIN, Antonio Carlos. Las Españas de João Cabral. Homenaje a João Cabral de Melo Neto. Barcelona: Centro de Estudios Brasileños, 2010, v., p. 13-27.
SECCHIN, Antonio Carlos. Morte e vida cabralina. Rennes: Universidade de Rennes II, 1991.
SECCHIN, Antonio Carlos. Novas paisagens. In: MELO NETO, João Cabral de. (Org.). Agrestes. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009, v., p. -.
SECCHIN, Antonio Carlos. Os melhores poemas de João Cabral de Melo Neto. 9ª ed. São Paulo: Global, 2003. 227p.
SECCHIN, Antonio Carlos. Poesia completa e prosa, de João Cabral de Melo Neto. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2008. 620p.
SENNA, Marta de. João Cabral: tempo e memória. Rio de Janeiro: Antares, 1980.
SIEWIERSKI, Henryk. (Org.). 33 wiersze brazylijskie: Carlos Drummond de Andrade, João Cabral de Melo Neto, Mario Quintana. 1ª ed., Warszawa: Muzeum Historii Polskiego Ruchu Ludowego, 2011. v. 1. 101p.
SIEWIERSKI, Henryk. Traduzindo João Cabral. In: Sylvia Helena Cyntrão. (Org.). Poesia: o lugar do contemporêneo. Brasília: Universidade de Brasília, Departamento de Teoria Literária e Literaturas, 2009, v. 1, p. 267-272.
SILVA FILHO, Marcos de Souza da. O Mar e o Canavial: Transfiguração do real na poética de João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Literatura). Universidade de Brasília, UNB, Brasil, 2011.
SILVA RAMOS, Pericles Eugênio de. O modernismo brasileiro. Rio de Janeiro: Livraria São José, 1959.
SILVA, Amazildo Vasconcelos. Lírica modernista e percurso literário brasileiro. Rio de Janeiro: Editora Rio, 1978.
SILVA, Glaucia Gomes da. Leitura de uma (certa) poética Cab(r)al. (Dissertação Mestrado em Comunicação e Semiótica). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil, 1997.
SILVA, Luciana Henrique Mariano da. A arquitetura da paisagem de João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Literatura). Universidade de Brasília, UNB, Brasil, 2012.
SILVA, Níobe Abreu Peixoto da. João Cabral de Melo Neto: Prosa. Linha D´Água, São Paulo, n.15, p. 115-120, 2001.
SILVA, Níobe Abreu Peixoto da. João Cabral e o Poema Dramático Auto do Frade (Poema para Vozes). (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, Brasil, 1998.
SILVA, Sofia Maria de Sousa. "Dar a ver": João Cabral de Melo Neto e Sophia de Mello Breyner Andresen. Semear (PUCRJ), Rio de Janeiro, v. 10, p. 213-219, 2004.
SILVA, Sofia Maria de Sousa. Arte e artesanato em três poetas: Mário de Andrade, João Cabral de Melo Neto e Sophia de Mello Breyner Andresen. Colóquio. Letras, v. 180, p. 20-29, 2012.
SIMÕES, João Gaspar. Crítica II. Lisboa: Delfos, 1961.
SIMÕES, João Gaspar. Literatura, literatura, literatura... Lisboa: Portugália Editora, 1964.
SITTA, Emerson Roberto de Oliveira. João Cabral de Melo Neto e Augusto de Campos - Dois poetas engenheiros. (Dissertação Mestrado em Literatura e Crítica Literária). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil, 2009.
SOARES, Angélica Maria Santos. O poema, Construção às Avessas: uma leitura de João Cabral de Melo Neto. Rio de Janeiro: Edições Tempo Brasileiro, 1978.
SOARES, Angélica Maria Santos. The Rigors of Necessity. Oklahoma: World Literature Today, The University of Oklahoma, 1992.
SOARES, Rosidelma Pereira Fraga. Convergências e tessituras de pedras, rios, ilhas e ventos: Manoel de Barros, João Cabral de Melo Neto e Corsino Fortes. (Dissertação Mestrado em Letras e Linguística). Universidade Federal de Goiás, UFG, Brasil, 2009.
SOUZA, Carlos Alberto de. A expressão da desesperança humana em João Cabral e Elio Vittorini. In: Encontro Internacional de Texto e Cultura, 2009, Fortaleza. Anais do Encontro Internacional de Texto e Cultura. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2009. p. 905-912.
SOUZA, Carlos Alberto de. Afinidades e diferenças entre Elio Vittorini em conversa na Sicília e João Cabral de Melo Neto em Morte e Vida Severina. (Dissertação Mestrado em Letras ). Universidade Federal do Ceará, UFC, Brasil, 2005.
SOUZA, Eliane Bevilacqua Lordello dos Santos.  O mar como paisagem de alteridade e sua leitura na poética de João Cabral de Melo Neto. In: OLIVEIRA, B. Barros Coelho de; AMARAL, S. da Fonseca; SALGUEIRO, W.C. Filho. (Org.). Vale a Escrita? 2: criação e crítica na contemporaneidade. 1ed. Vitória: Flor&Cultura, 2003, v. 149, p. 175-182.
SOUZA, Eliane Bevilacqua Lordello dos Santos. A Paisagem como Poética Visual e sua Leitura na Obra de João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Arquitetura). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil, 2003.
SOUZA, Helton Gonçalves de. A poesia crítica de João Cabral de Melo Neto. 1ª ed. São Paulo: AnnaBlume, 1999. v. 1. 220p.
SOUZA, Helton Gonçalves de. Dialogramas concretos: uma leitura comparativa das poéticas de João Cabral de Melo Neto e Augusto de Campos. (Tese Doutorado em Letras). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC Minas, Brasil, 2003.
SOUZA, Helton Gonçalves de. Dialogramas concretos: uma leitura comparativa das poéticas de João Cabral de Melo Neto e Augusto de Campos. 1ª ed. São Paulo: AnnaBlume, 2004. 276p.
SOUZA, Helton Gonçalves de. O duplo e o menos: uma poética das dobras em João Cabral de Melo Neto. 1ª ed. Belo Horizonte: Sografe Editora Gráfica Ltda., 2005. v. 1. 61p.
SOUZA, Helton Gonçalves de. Por um modo novo e completo de ler a Poesia crítica de João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Letras). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC Minas, Brasil, 1995.
STEFENS, Adriana. O lirismo em João Cabral de Melo Neto. Diálogos Pertinentes, v. II, p. 61-79, 2007.
STEFENS, Adriana; SILVA, L. A. M.. A imagem poética da realidade do Capibaribe: uma análise do poema O cão sem plumas, de João Cabral de Melo Neto. Diálogos Pertinentes, v. III, p. 127-141, 2007.
SUSSEKIND, Maria Flora. (Org.). Correspondência de Cabral com Bandeira e Drummond. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001. v. 1. 320p.
SUSSEKIND, Maria Flora. Cabral-Bandeira-Drummond: alguma correspondência. In: Gêneros de Fronteira, 1997, São Paulo. Gêneros de Fronteira. Cruzamentos entre o Histórico e o Literário, 1995. p. 146-167.
SUTTANA, Renato Nésio. João Cabral de Melo Neto e o fascínio da noite. MOARA, v. 1, p. 167-194, 2011.
SUTTANA, Renato Nésio. João Cabral de Melo Neto: o poeta e a voz da modernidade. (Tese Doutorado em Letras). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Brasil, 2003.
SUTTANA, Renato Nésio. João Cabral de Melo Neto: o poeta e a voz da modernidade. 1. ed. São Paulo: Scortecci, 2005. v. 1. 280p.
TELES, Gilberto Mendonça. La poesia brasileña en la actualidad. Montevidéu: Editorial Letras, 1969.
TISCOSKI, Luciana Bittencourt. O Sol Laranja e Negro de João Cabral de Melo Neto. Boletim de Pesquisa NELIC, v. 4, p. 70-81, 2011.
TORRES, Alexandre Pinheiro. Programa para o concreto. Lisboa: Ulisseia Ltda., 1966.
TOSHIMITSU, Thaís Mitiko Taussig. O homem e a paisagem: O cão sem plumas de João Cabral de Melo Neto. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, Brasil, 2004.
TOSHIMITSU, Thaís Mitiko Taussig. O rio, a cidade e o poeta: contradições e impasses na obra de João Cabral de Melo Neto. (Tese Doutorado em Letras ). Universidade de São Paulo, USP, Brasil, 2010.
TUFANO, Douglas. Estudos de literatura brasileira. São Paulo: Editora Moderna, 1975.
VERNIERI, Susana. João Cabral de Melo Neto. Colegio de España, verbete, 2000. Colegio de España, 2000.
VERNIERI, Susana. O Capibaribe de João Cabral em O Cão sem Plumas e O Rio: Duas Águas. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil, 1997.
VERNIERI, Susana. O Capibaribe de João Cabral em O Cão sem Plumas e O Rio: Duas Águas. São Paulo: Editora Annablume, 1999. São Paulo: Annablume, 1999. v. 1. 200p
VERNIERI, Susana. O Toque da Flauta: uma Leitura de João Cabral de Melo Neto. (Tese Doutorado em Letras). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil, 2002.
VIEIRA-SILVA, Claudiomiro; IACZUK, Izabel. João Cabral de Melo Neto e o resgate da palavra. In: Procedimentos Metodológicos: reflexões sobre o ensino aprendizagem, 2007, Irati. IV Semana do Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes de Irati. Irati: UNICENTRO, 2007. v. 1. p. 75-94.
VILLAÇA, Alcides Celso Oliveira. Expansão e limite da Poesia de João Cabral. In: Alfredo Bosi. (Org.). Leitura de poesia. São Paulo: Ática, 1996, v. 1, p. 143-169.
VILLAÇA, Alcides Celso Oliveira. João Cabral: a escolha das pedras. In: Denise Millan; Olgária Mataos. (Org.). Gemas da Terra - Imaginação estética e hospitalidade. 1ª ed. São Paulo: Edições SESC SP, 2010, v. 1, p. 99-109.
XAVIER, Raul. Romance e poesia do Norte. Rio de Janeiro, Categoria; Brasília, Instituto Nacional do Livro, 1980.
 ZAGURY, Eliane. A palavra e os ecos. Petrópolis: Editora Vozes, 1971.


João Cabral de Melo Neto (1/2) - De Lá Pra Cá


João Cabral de Melo Neto (2/2) - De Lá Pra Cá


ESTÁTUA DE JOÃO CABRAL DE MELO NETO NO RECIFE
Autor: Marcus Guimarães  Nova Friburgo - Brasil
Data: 18 setembro de 2007
Estátua de João Cabral de Melo Neto (foto: ...)



João Cabral de Melo Neto (...)
REFERÊNCIAS E FONTES DE PESQUISA
CNPQ – Plataforma Lattes
Obras do Autor
Releituras– João Cabral de Melo Neto 


© Direitos reservados ao autor/e ou ao seus herdeiros

© Pesquisa, seleção e organização: Elfi Kürten Fenske


=== === ===
Trabalhos sobre o autor:
Caso, você tenha algum trabalho não citado e queira que ele seja incluído - exemplo: livro, tese, dissertação, ensaio, artigo - envie os dados para o nosso "e-mail de contato", para que possamos incluir as referências do seu trabalho nesta pagina. 

Como citar:
FENSKE, Elfi Kürten (pesquisa, seleção e organização). João Cabral de Melo Neto - arquiteto da poesia. Templo Cultural Delfos, abril/2013. Disponível no link. (acessado em .../.../...).
____
Página atualizada em 17.4.2015.



Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2016 Templo Cultural Delfos

Um comentário:

  1. Como nós os brasileiros deixam passar em branco tanto tempo uma obra desse grande vulto de nossa cultura/história.
    Se não fosse eu um modesto carpinteiro escreveria uma longa página.

    ResponderExcluir

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!