Millôr Fernandes - entrevistado por Clarice Lispector

Millôr Fernandes - foto: ...


“No fundo, sou um atleta frustrado.”

Não vou apresentar Millôr: quem o conhece sabe que eu teria que escrever várias páginas para apresentar uma figura tão variada em atividades e talentos. Somos amigos de longa data. Nossa entrevista decorreu fácil, sem incidentes de incompreensão. Havia confiança mútua.

Clarice Lispector – Como vai você, Millôr, profundamente falando?
Millôr Fernandes – Vou profundamente, como sempre. Não sei viver de outro modo. Pago o preço.

Clarice Lispector – Às vezes o preço é alto demais, Millôr. Como é que lhe veio a ideia de arquitetar O homem do princípio ao fim, que é um grande e comovente espetáculo? Eu, por exemplo, o veria de novo.
Millôr Fernandes – Foi a pedido dessa extraordinária amiga que é Fernanda Montenegro. Como eu já tinha escrito um espetáculo basicamente político, Liberdade, liberdade (com Flávio Rangel), resolvi não me repetir e me fixei num ponto de vista humanístico que é a qualidade essencial daquele meu trabalho.

Clarice Lispector – Que é que você me diz de sua experiência como ator?
Millôr Fernandes – Sensacional e inútil. Sensacional por causa da segurança que se ganha ao perceber uma possibilidade total de comunicação, e isso é emocionante. Inútil porque não tenho nada a fazer com o resultado dessa experiência. A comunicação que busco é toda outra, íntima e definitiva.

Clarice Lispector – Millôr, você já sentiu com toda a humildade a centelha de uma coisa que uns chamam de gênio, mas não é gênio, é bastante comum: é uma visão instantânea das coisas do mundo como na realidade são?
Millôr Fernandes – Se é isso que chamam de gênio, então está para mim. Só vejo isso. Tenho mesmo a impressão de que nada do que vejo é comum. A mim me faltam todas as noções das coisas do mundo tal como ele é. Mas essa espécie de lucidez de que você fala, a lucidez do absurdo, essa eu tenho no meio da maior paixão. Creio mesmo que um dia vou estourar de lucidez, isto é, ficar louco.

Clarice Lispector – Conte-me algo de sua infância.
Millôr Fernandes – Dura! Dura! Linda! Linda! O Méier, naquela época, era praticamente rural. Eu aprendi a nadar em um pântano, cheio de rãs. Aprendi a amar num quintal fazendo bonecos de tabatinga junto com as meninas. Essa infância durou até os dez anos. Aí, um dia, na morte de minha mãe, chorando horas embaixo de uma cama, eu consegui a paz da descrença. Aos dez anos, pois é.

Clarice Lispector – De que modo lhe vem a inspiração, Millôr? Você sente que vem de seu inconsciente?
Millôr Fernandes – Creio que exatamente de todos os modos. Mas não penso que seja precisamente inconsciente. Mesmo quando parece inconsciente acho que o núcleo da inspiração é uma vivência qualquer (imagem, som, dor, angústia) antes arquivada e de repente, por qualquer motivo (também exterior), ressuscitada. Mas meu caso é muito especial: não sou um escritor, sou um profissional de escrever.

Falamos sobre várias personalidades; em seguida perguntei-lhe:

Millôr Fernandes - foto: ...
Clarice Lispector – Quais os homens que você mais admira e por quê?
Millôr Fernandes – Vou limitar a pergunta, no tempo e no espaço. E prefiro assim ter a coragem de escolher um homem de meu tempo e de meu espaço. Vinícius de Moraes. Pelo muito que somos iguais, pelo imenso que nos separa, eu elejo o poetinha como o dono de uma visão da vida essencial.

De conversa puxa conversa, passamos, não sei como, a falar da morte.

Clarice Lispector – Como é que você encara o problema da morte? A morte é um problema para você?
Millôr Fernandes – Acho o problema da morte fascinante (talvez porque eu não a sinta perto de mim). Gostaria mesmo de morrer já para, sem trocadilho, viver essa experiência. Desde que me fosse dado, depois, voltar apenas para contar como foi.

Voltamos a falar da vida e sobre o que mais nos importava.

Clarice Lispector – O que é que mais importa na vida?
Millôr Fernandes – A relação humana. O amor. A paixão, nisso incluída. Também, ou sobretudo, as paixões condenadas, de homem com homem e mulher com mulher. Como sou aquilo que a sociedade chama de saudável e normal, as paixões anormais merecem o meu maior respeito.

Clarice Lispector – Se você não fosse escritor, o que seria?
Millôr Fernandes – Um atleta. Eu sou, fundamentalmente, um atleta frustrado. Aliás, essa é a única frustração que me ficou de uma pré-juventude (de dez a 17 anos) excessivamente dura.

Clarice Lispector – Em matéria de escrever, você sente, na sua trajetória, um progresso?
Millôr Fernandes – Acho que sim. Sobretudo se comparar o início com a fase atual, o que não é vantagem porque eu comecei a escrever em jornal aos 13 anos de idade. Só um debilóide não teria progredido. De qualquer forma, continuo tentando me renovar sempre, num gosto por buscar formas e visões novas, que ainda não perdi.

Clarice Lispector – E, em matéria de vida, de maneira de viver, você sente um progresso que vem da experiência?
Millôr Fernandes – Acho que sim. Mas será que os outros acham? Nada me surpreende mais, por exemplo, do que ouvir dizer que sou agressivo. Porque eu me sinto a flor da ternura humana. Mas será que sou? De qualquer forma, há dentro da minha mais profunda consciência a certeza de que o gênio do ser humano está na bondade. Isso eu procuro.

Concordei com ele sobre a bondade.

Clarice Lispector – Também eu a procuro com humildade e ao mesmo tempo com veemência. Millôr, você ainda faz hai-kai? (Hai-kai é um estilo poético popular japonês, aparecido há mais ou menos quatro séculos.)
Millôr Fernandes – Posso fazer. Vou fazer dois:
Você pode crer
O pior cego
É o que quer ver.
Esta é a verdade
Eu sou um homem
Millôr Fernandes - foto: ...
De minha idade.


MILLÔR FERNANDES – Autor de grandes sucessos do teatro brasileiro: Liberdade, liberdade e É..
. O escritor, desenhista e tradutor colaborou nas principais revistas e jornais do país, foi um dos fundadores do jornal O Pasquim. Como Clarice, colaborou no semanário O comício, onde a escritora assinou uma coluna feminina sob o pseudônimo de Teresa Quadros.

_______
Fonte: 
- LISPECTOR, Clarice. Clarice Lispector entrevistas. Rio de Janeiro: Rocco, 2007.


VEJA AQUI OUTRAS ENTREVISTAS REALIZADAS POR CLARICE LISPECTOR:

OUTRAS ENTREVISTAS PUBLICADAS NO SITE: Veja aqui!

© Direitos reservados aos seus herdeiros
____
Página atualizada em 19.7.2016.



Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2016 Templo Cultural Delfos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!