Líria Porto - a poética do olhar

Liria Porto - foto: Carlos Magno Sena
(in)consciente
sou dois
um que não sei
outro que sei só um pouco 
- Líria Porto, em "Poesia para mudar o mundo". Editora Blocos Online, 2015.
.

Líria Porto nasceu em araguari - minas gerais, mora em araxá. professora, poeta, tem dois livros editados em Portugal - 'borboleta desfolhada' e 'de lua'; e dois no Brasil - 'asa de passarinho' e 'garimpo' (finalista do prêmio jabuti 2015), publicados pela editora lê. tem inúmeros poemas publicados em jornais, revistas e sites, entre eles escritoras suicidas, germina literatura, mallarmargens, zunái, raimundo, zona da palavra e participações em algumas antologias como dedo de moça e memórias embaralhadas. é autora do blogue 'tanto mar'
:: fonte: revista parênteses. (acessado em 27.6.2016).


"Há palavras lindas – orvalho, crepúsculo, desmaio... Sem falar que amo as proparoxítonas, dão-me a impressão de morrerem antes do tempo, antes que acabemos de pronunciá-las, o que as transforma numa força delicada, meio etérea, sei lá... pétala, trágica, fórmula, esquálida, mística..."
- Líria Porto, em "Entrevista com Líria Porto", concedida a Cláudio B. Carlos. in: Balaio de Letras, 20 de junho de 2008.



dedicatória
nus descampados (im)puros 
fiamos o plenilúnio 
- Líria Porto, em "tanto mar". blogue da autora.



Líria Porto - foto: acervo pessoal da autora
OBRA (LIVROS) DA AUTORA
Poesia 
:: Borboleta desfolhada. Portugal: Canto escuro editora, 2009.
:: De lua. Porto|Portugal: Corpos Editora, 2009.
:: Cadela prateada. Guaratinguetá: Editora Penalux, 2016.

Poesia (infanto-juvenil)
:: Asa de passarinho[ilustrações Silvana de Menezes]. Belo Horizonte MG: Editora Lê, 2014.
:: Garimpo. [ilustrações Silvana de Menezes]. Belo Horizonte MG: Editora Lê, 2014.

Antologia (participação)
:: Dedo de moça — uma antologia das escritoras suicidas. [organização Florbela de Itamambuca e Silvana Guimarães]. São Paulo: Terracota Editora, 2009.
:: Saciedade dos Poetas Vivos Digital. Vol. 8. [organização Leila Míccolis]. Editora Blocos online. (acessado em 27.6.2016).
:: Poesia para mudar o mundo[organização Leila Míccolis]. Editora Blocos Online, 2015. (acessado em 27.6.2016).

lembranças 
quando amanhã for ontem
esperanças serão acervo
- Líria Porto, em "escritoras suicidas". edição 36. agosto 2009.


sem conhecimento de causa
quem diz que poesia não tem regras não é mulher
escrevi poemas com sangue nas coxas 
- Líria Porto, em "Poesia para mudar o mundo". Editora Blocos Online, 2015.


Liria Porto - foto: Carlos Magno Sena
LÍRIA PORTO - POEMAS, UMA SELETA

acessórios
o céu azul que beleza
com nuvens que maravilha

quebram a rotina dos mares
ondas ilhas e navios

na floresta tem orquídeas

(nu deserto
sem oásis)
- Líria Porto, em "revista mallarmargens", poemas, vol. 1, nº 4, 8 de maio de 2015. 

§

adiamentos
a lua esperava o sol
redonda um talismã
quando ela se despiu
ficou de manhã

o sol lambia a lua
o meio o lado as beiras
lamberia a face oculta
a nuvem veio

só amanhã
- Líria Porto, em "revista mallarmargens", poemas, vol. 3, nº 9, 9 de janeiro de 2015.


§

aspectos
as coisas são
como estão?

o cão vê o gato
bem diferente do rato
(questão de defesa e ataque)

aurora e crepúsculo
são noite dia ou mestiços?
(depende do ponto de vista)

o sol é para todos
e a chuva?
- Líria Porto, em "revista mallarmargens", poemas. vol. 4, nº 10, 21 de fevereiro de 2016.

§

desespelho
eu te acudo
quando te necessito
ficas acuado
e mudo
- Líria Porto, em "revista mallarmargens", poemas, vol. 1, nº 4, 8 de maio de 2015. 

§

defloração
a terra molhada
exala um perfume
tão próprio das fêmeas
um cheiro de coito
e dentro em pouco
estará inundada
de verdes de brotos
de intumescências
- Líria Porto, em "Esculturas musicais 14". Zunái - revista de poesia e debates, 26.7.2013.

§

dor
escrevo num soco
única palavra
tem ela três letras
depois da pancada
e esse grunhido
não faz um poema
é ele o gemido
da minha pena
- Líria Porto, em "tanto mar". blogue da autora.

§

fiel
amava a humanidade
deitava com uns com outras
e não era traição
- Líria Porto, em "revista mallarmargens", poemas. vol. 4, nº 10, 21 de fevereiro de 2016.

§

finjo-me esfinge
meia lua meu amor
é tua

a outra metade
guardei-a para o compadre
que me beija a boca
quando chegas tarde
da casa da outra
- Líria Porto, em "escritoras suicidas". edição 36. agosto 2009.

§

fluidos
tornei-me assim liquefeita
quando daquela feita
despi-me de nãos e sins

de mim então me perdi
nessa vontade inconclusa
acumulada no rim

ficou a mágoa comigo
fincada dentro do umbigo
quase criava raiz

minha tristeza de chuva
esta amargura profusa 
tem olhos túmidos

sou tal e qual o dilúvio
derramo transbordo enxurro
sangro os pulsos
- Líria Porto, em "Esculturas musicais 14". Zunái - revista de poesia e debates, 26.7.2013.

§

garimpo
esta procura tem um nome insanidade
passei da idade de tentar fazer sonetos
eu só consigo descrever cinzas e pretos
acho que o verso não alcança claridade

pelas gavetas prateleiras escondidos
ainda agarro pelo rabo alguns cometas
quero as estrelas não encontro suas tetas
sinto a fissura dos pequenos desvalidos

a minha escrita sempre foi penosa esgrima
desde menina que não tenho paradeiro
eu caço sapo com bodoque o dia inteiro
nesta esperança de catar melhores rimas

vasculho as glebas os grotões e quem diria

bateio o sol chego a pensar que a noite é dia
- Líria Porto, no livro "Garimpo". [ilustrações Silvana de Menezes]. Belo Horizonte MG: Editora Lê, 2014.

§

iguarias
a vida passa vou dentro
enquanto nela eu couber
um dia para eu apeio
volto pra terra e sem jeito
serei banquete pros vermes

(tu também)
- Líria Porto, em "tanto mar". blogue da autora.

§

inércia
fico parada
quem anda

é a estrada
- Líria Porto, no livro "Garimpo". [ilustrações Silvana de Menezes]. Belo Horizonte MG: Editora Lê, 2014.

§

infâmia
o rio nasce espontâneo
brota do ventre da terra
rasga seu leito estreito
escorre por entre as pedras
ganha corpo correnteza
leva cardumes inteiros
atravessa as florestas
as campinas as veredas

o rio recolhe às margens
o canto das lavadeiras
a alegria dos pássaros
o corpo d’algum menino
anzóis canoas as redes
o riso das cachoeiras
sua vida peregrina
até se jogar ao mar

há homens pensam-se deuses
violam as águas do rio
roubam-lhe as riquezas
desviam-no da sua trilha
transformam-no em brejo seco
- Líria Porto, no livro "Garimpo". [ilustrações Silvana de Menezes]. Belo Horizonte MG: Editora Lê, 2014.

§

insônia
a boca escancarada da noite
os urros do silêncio
as teclas mudas

não tilintam os cristais
não estilhaçam a vidraça
amantes não sussurram
não há sinos de igreja
o mundo acabou
o relógio dorme
o tempo não passa

onde estão os latidos
os galos os gritos
os olhos do sol?

na cama
o corpo exausto
o vazio da tua ausência
e os mil anos desta noite
que nos engole
que nos vomita
- Líria Porto, em "revista mallarmargens", poemas, vol. 3, nº 9, 9 de janeiro de 2015.

§

magia
tão pequenino o ipê
tão carregado de sonhos
de responsabilidades
que levar flores ao colo
com tempo seco
é milagre
- Líria Porto, em "revista mallarmargens", poemas, vol. 1, nº 4, 8 de maio de 2015. 

§

namoro
de encontro ao vento
ando lento pra sentir seus dedos finos
e seu corpo sem matéria

eleva-me do chão alguns centímetros
- Líria Porto, no livro "Garimpo". [ilustrações Silvana de Menezes]. Belo Horizonte MG: Editora Lê, 2014.

§

o fio da meada é cor de prata
o tempo passarava e o canto do galo
rasgava com um dardo
as madrugadas

amanhã era hoje num instante
embora nos olhássemos
e jamais fôssemos grandes

a vida pássara deixa-nos atrás
traz-nos cabelos brancos

o galo canta — não sei se agora
ou ontem
- Líria Porto, em "escritoras suicidas". edição 36. agosto 2009.

§

pálpebras
de manhã abro a janela
e deixo o sol penetrar
no corpo da casa

à noite fecho-a de novo
(estrelas ficam lá fora)
eu durmo dentro
do ovo

na lua cheia
não tenho
regras
- Líria Porto, em "revista mallarmargens", poemas, vol. 3, nº 9, 9 de janeiro de 2015.


§

panorama
meio aos morros
desce um rio
tão igual fio de prata
pelo verde uns pontos brancos
a moverem-se sobre o pasto
mais abaixo uma casinha
uma chaminé

fumaça
e por certo outra maria
a preparar as marmitas
a socar arroz
em casca
- Líria Porto em "Mulheres. revista parênteses". edição especial. nº 3, 2016. 

§

pôr de lua
estou naquela fase
cheia de resumo

foge-me o verso
a rima escapole-me

peço a são jorge
lave-me leve-me

love me
- Líria Porto, em "tanto mar". blogue da autora, 10.11.2008.

§

sem piedade
enviuvei-me pela quinta vez
matei os zangões
agora espero as libélulas
seres de asas translúcidas
que não me exijam mel
e tragam-me 

néctar
- Lírio Porto, em 'revista mallarmargens', poemas. vol. 4, nº 5, 12 de setembro 2015. 

§

traumas
tantos fatos
decorrentes
das correntes
da memória
são imbróglios
são algemas
que nos prendem
a nós próprios
e nos tornam
tão parados
e inativos

quanto as rochas
- Líria Porto, no livro "Garimpo". [ilustrações Silvana de Menezes]. Belo Horizonte MG: Editora Lê, 2014.

§
Líria Porto - foto: acervo pessoal da autora
FORTUNA CRÍTICA E POESIA PUBLICADA EM SITES E BLOGUES
ALMEIDA, Márcio. escritoras suicidas usam dedo de moça para provocar orgasmo da linguagem. in: Germina Literatura, 2009. Disponível no link. (acessado em 27.6.2016). 
CARLOS, B. Cláudio.. Entrevista com Líria Porto. in: Balaio de Letras, 20 de junho de 2008. Disponível no link(acessado em 27.6.2016).
JARDIM, Rubens. As mulheres poetas na literatura brasileira (40ª postagem). in: blog Rubens Jardim, 7.10.2013. Disponível no link. (acessado em 27.6.2016).
LIMA, Eliane F. C.. O porto lírico de Líria Porto. in: Literatura em vida, 16 de dezembro de 2012. Disponível no link. (acessado em 27.6.2016).
LÍRIA Porto. poemas. in: Mulheres. revista parênteses. edição especial. nº 3, 2016. Disponível no link. (acessado em 27.6.2016).
RIBEIRO NETO, Amador. Poesia de mil asas. in: jornal Contraponto, João Pessoa-PB. Caderno B, coluna Augusta Poesia, dia 14.11.2014, p. B-7| reproduzido em Zona da Palavra. Disponível no link. (acessado em 27.6.2016).
Ilustração (...)
ZANCHI, Jandira.. 7 poemas de Líria Portoin: revista mallarmargens, poemas. vol. 3, nº 9, 9 de janeiro de 2015. Disponível no link. (acessado em 27.6.2016).
ZANCHI, Jandira.. Acessórios - Líria Porto in: revista mallarmargens, poemas, vol. 1, nº 4, 8 de maio de 2015. Disponível no link. (acessado em 27.6.2016).
ZANCHI, Jandira.. O erotismo na poesia de Líria Porto. in: revista mallarmargens, poemas. vol. 4, nº 5, 12 de setembro 2015. Disponível no link. (acessado em 27.6.2016).
ZANCHI, Jandira.. Fiel - Líria Portoin: revista mallarmargens, poemas. vol. 4, nº 10, 21 de fevereiro de 2016. Disponível no link. (acessado em 27.6.2016).
. Outras publicações em sites e blogues: (acessados em 27.6.2016).
:: Alguma Poesia - Líria Porto
:: Escritoras Suícidas - Líria Porto
:: Germina: revista de literatura e arte - Líria Porto
:: Jornal de Poesia - Líria Porto
:: Penetra surdamente no reino das palavras
:: Portal Vermelho - Líria Porto, a poeta das pequenas coisas
:: Zona da palavra - Líria Porto: Poemas VIIPoemas VIII - Poemas XXVII - Poemas XXIII - Poemas XXIV
:: Zunái - Revista de Poesia e Debates - Líria Porto


limitações
a morte não chega
a vida não basta

não quero não queiras
ser ave sem asas
- Líria Porto, em "revista mallarmargens", poemas, vol. 1, nº 4, 8 de maio de 2015. 


Liria Porto, por Seh M. Pereira
AUTORA NA REDE
:: Blogue Líria Porto - tanto mar


© Direitos reservados a autora



© Pesquisa, seleção e organização: Elfi Kürten Fenske

=== === ===

Trabalhos sobre o autor:
Caso, você tenha algum trabalho não citado e queira que ele seja incluído - exemplo: livro, tese, dissertação, ensaio, artigo - envie os dados para o nosso "e-mail de contato", para que possamos incluir as referências do seu trabalho nesta pagina. 

Como citar:
FENSKE, Elfi Kürten (pesquisa, seleção e organização). Líria Porto - a poética do olhar. Templo Cultural Delfos, junho/2016. Disponível no link. (acessado em .../.../...).
____
Página atualizada em 2.10.2016.


Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2016 Templo Cultural Delfos

6 comentários:

  1. parabéns, elfi. a líria porto é uma preciosidade. beijo. d.g

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Exatamente por execrar a chatice, a longuidão, é que eu adoro a síntese. Outro elemento da poesia é a busca da forma (não da fôrma)é como define seus poemas o Mario Quintana, o poeta das coisas simples.
    Liria tem esta habilidade e competência. Seu blog Tanto mar é fascinante. Que achado Elfi .

    ResponderExcluir
  4. Sua poesia tem um quê de tensão-distensão-tensão do tempo não como matéria poética em si, mas do ritmo (im)previsto na travessia de suas estações...
    Simplicidade que dói!

    ResponderExcluir
  5. Nunca vi um nome tão apropriado! Líria Porto. A poesia já começa transbordando no nome. Quero ser seu amigo, quero minha embarcação nesse abrigo feito de palavras... Você deixa?

    ResponderExcluir

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!