Mano Melo - o lavrador de palavras

Mano Melo - foto: arquivo do autor
Mano Melo é poeta, ator, roteirista, com diversos espetáculos realizados e vários livros publicados. É ator formado pelo Conservatório Nacional de Teatro e estudou filosofia no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ. Como ator, participou de vários filmes, dentre eles, André Cara e Coragem, The Bread (Holanda), O Cangaceiro Trapalhão, Os Trapalhões e o Mágico de Orós, Os Trapalhões na Serra Pelada, e O Homem da Capa Preta. É autor de sete livros de poesias publicados. Fez curso de roteiro com Syd Fields. É autor de vários roteiros institucionais para projetos de educação da Fundação Roberto Marinho, e de dias temáticos para o Canal Futura. Em 2003, participou durante seis meses das Noites de Humor, com Chico Anísio, no Rio Design Center Leblon e Rio Design Center Barra, interpretando suas poesias. Atualmente participa da novela América (elenco de apoio), no papel de Severino, o porteiro do edifício de Alex (Thiago Lacerda).
No Teatro, seus trabalhos mais recentes são Guerreiras do Amor, de Domingos Oliveira, direção Jayme Periard, e Sonho de Uma Noite de Verão, de William Shakespeare, no papel de Puck, direção de Paulo Reis. E o monólogo de sua autoria O Lavrador de Palavras, espetáculo itinerante que estreou na Casa da Gávea, em 2000, e depois no Teatro Cândido Mendes. Viajou por 10 anos pela América Latina, Europa, Ásia, África e depois retornou ao Brasil para interpretar seus poemas em teatros, tevês, rádios, bares, centros culturais, ciclos de poesia e congressos brasileiros, além de universidades, escolas, praças e praias em todo país. Recentemente, além de seu trabalho individual, fez parte do projeto de poesia Ver o Verso, junto com Pedro Bial, Alexandra Maia e Claufe Rodrigues. O grupo se apresentou durante três anos, de 1999 a agosto de 2002, uma vez por mês, no Rio de Janeiro, sempre com casa cheia, e percorreu várias cidades brasileiras, por teatros, centros culturais, feiras de livros e congressos de literatura, em São Paulo, Porto Alegre, Passo Fundo, Belo Horizonte, Tiradentes, Itabira, Salvador, Fortaleza, Maceió e Belém. Em dezembro de 2001, foi encenado no evento Papo Cerrado,  encontro de literatura realizado na cidade de Cuiabá  (Teatro Sesc Arsenal). 
Mano Melo - foto (...)
Abriu os festejos do centenário de Carlos Drummond de Andrade em Itabira, MG, encerrando com histórico recital no dia 31 de outubro de 2002, aniversário de cem anos do poeta, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, junto com a orquestra Sinfônica do Theatro Municipal.  Ainda realizou apresentações no Teatro Sesc-Copacabana, Rio de Janeiro, durante o Simpósio Internacional de Contadores de Histórias, no festival Cante e Conte, na cidade de Baependi, Minas Gerais, no centro cultural  Oboé, em Fortaleza, por ocasião do lançamento na capital cearense do romance de Mano Melo Viagens e Amores de Scaramouche Araújo. Em novembro de 2006, foi apresentado no Teatro Sesc de Sorocaba, SP. Em março de 2007, em Vitória, ES. Em Em outubro, na Festa do Livro e Leitura em Aracati, CE. E em 2008, no espaço Galpão das Artes, no Jardim Botânico, Rio de Janeiro. Em 2010, no SESC Nova Friburgo.
Enfim, o poeta e ator Mano Melo mescla poesia e teatro numa estrutura simples: o poeta diante de sua mesa de trabalho, em diálogo sensorial consigo mesmo e com o seu público, trazendo para o contemporâneo a tradição viva da oralidade na poesia brasileira. Veja a entrevista que ele concedeu pra gente.
:: Fonte: Blog Agenda | Poeta Mano Melo (acessado em 28.3.2016).


O lavrador de palavras
O torso descoberto no dorso aberto da tarde
O lavrador de palavras planta palavras na lama.
A cada letra que planta é dez segundos mais velho
( Com licença, Vou me olhar no espelho).
- Mano Melo, em "O lavrador de palavras". Rio de Janeiro: Bapera, 1999.


Mano Melo - foto: Ilana Lichtenstein
OBRA DE MANO MELO
Poesia
:: O lavrador de palavras. Rio de Janeiro: Bapera, 1999.
:: Poemas do amor eterno. Expressão gráfica e Editora, 2011, 244p. (Prêmio Quem 2012, na categoria 'melhor escritor').

Romance
:: Viagens e amores de Scaramouche Araújo. Editora Five Star, 2005.

Poesia (co-autoria)
:: Ver o verso - em mãos. [autores Mano Melo, Alexandra Maia, Claufe Rodrigues e  Pedro Bial]. Rio de Janeiro: Edições O Verso, 2000, 102p.

Poesia (organização)
Mano Melo - foto: arquivo do autor
:: 50 Jovens poetas. [organização Mano Melo e Claufe Rodrigues]. Rio de Janeiro: Edições O Verso, 2002.

Antologia (participação)
:: Ponte de Versos 4 anos: uma antologia carioca. [organização Thereza Christina Motta e Ricardo Ruiz]. Rio de Janeiro: Ibis Libris, 2004, 272p.
:: República dos Poetas - antologia poética. [organização Ricardo Muniz de Ruiz]. Rio de Janeiro: Museu da República Editora, 2005.
:: Antologia poetas da confraria. Rio de Janeiro: Editora Sapere, 2012.

Entrevistas
LITERATURAO amor em três atos. in: Diário do Nordeste, caderno 3, 23.5.2011. Disponível no link. (acessado em 28.3.2016).
MACHADO, Luiz Alberto. A arte de Mano Melo e uma entrevista. in: Blog Agenda, 8 março de 2013. Disponível no link. (acessado em 28.3.2016).
NASCIMENTO, Xanda. Mano Melo - entrevista. in: Nossa Galeria de Arte, boletim, 5, 2011. Disponível no link. (acessado em 28.3.2016).
SALDANHA, Jiddu. Entrevista exclusiva com Mano Melo. in: Mestres Narradores, 8 de setembro de 2011. Disponível no link. (acessado em 28.3.2016).
VASCONCELLOS, Selmo. Mano Melo - entrevista nº 367. in: Selmo Vasconcellos site, 30 novembro de 2011. Disponível no link. (acessado em 28.3.2016).
WAACK, Eduardo. Mano Melo, entrevista. in: Revista de los Jaivas, 9 de fevereiro de 2016. Disponível no link. (acessado em 28.3.2016).


Mano Melo - foto: arquivo do autor
BREVE ANTOLOGIA POÉTICA DO POETA MANO MELO

Barco do tempo
tem sonhos que a gente quer
que quanto mais se busca mais foge 
vai se derramando uma chuva ao longe 
a gente pensa que está tudo nascendo 
mas é só do esforço de seguir vivendo 

aí vem uma luz que brilha dentro e corre 
aí vem uma voz que chama dentro e morre 

de tudo que a gente quer 
a gente mais quer quando sente 
que tudo do mundo está dentro da gente 
olhamos para as cores e vemos que tudo é lindo! 
é só da vontade de seguir sorrindo 

aí vem uma luz que chama dentro e cresce 
aí vem uma voz que acalanta e aquece 
o sonho de amar que faz seguir amando 
dá vento ao barco pra ir navegando 

mãe linda embalava olhando as ondas 
do mar encantado 
o barco do tempo foi pescar noutro lado 
cantou pássaro da sorte no pé de coqueiro 
saudade dançou na chama do candeeiro 

barco do tempo 
passa no vento 
barco barco do tempo 
passa passa no vento
- Mano Melo, em "O lavrador de palavras". Rio de Janeiro: Bapera, 1999.

§


Mano Melo - foto: arquivo do autor
Espaçomoto
Sonhei que voava numa espaçomoto colorida
Sobre a Cidade Maravilhosa destruída
Com as ondas do mar batendo nos tetos
Dos prédios de concreto.

Não havia sinal de gente.
Tudo abandonado.
Os sinais piscando pra carro nenhum
E os neons anunciando para ninguém.

As lojas todas vazias
E as mercadorias
Espalhadas no balcão
Inúteis
Carros supermercados preços marcados
Discos roupas computadores sapatos
Tudo para os ratos.

Foi terremoto maremoto
Ou desilusão
Da Bahia a Nova Iorque
Da Dinamarca aos Açores
Se calaram os pregões das bolsas de valores
- Mano Melo, em "República dos poetas - antologia poética". [organização Ricardo Muniz de Ruiz]. Rio de Janeiro: Museu da República Editora, 2005.

§

Lendo cartas de Van Gogh a Théo
Escrever é o que resta.
Espremer os sentidos como uma laranja.
Ouvir os sons do silêncio mudo
No burburinho da cidade imunda,
Com suas inumeráveis descargas abertas e tortas
Seus miseráveis abortos de carnes vivas e mortas

Olhando pela janela do ônibus
Andando a pé
Sentado no último vagão do metro vazio
Passeando entre os iguais de diferentes tribos
Vou fazendo versos.
Cru cozido grelhado assim e assado
E et caterva
Assim escrevo.
Mergulhando no lago largo e amargo de amor e lama
Chamado o âmago
Em busca da melhor forma na expressão.
Descobrir a cor de cada palavra
Como Van Gogh descobriu as cores de cada cor
- Mano Melo, em "República dos poetas - antologia poética". [organização Ricardo Muniz de Ruiz]. Rio de Janeiro: Museu da República Editora, 2005.

§

Nada consta
Sua vida é uma luz escura,
onde não cabem saudades nem salamaleques.
Quando precisa de alguém,
sai na noite e procura.
Não permite nenhum afeto se intrometer,
nenhum querer-bem.
Seu coração é um bloco de granito
em cofre de banco.
Aguentar o tranco,
suportar o atrito,
sufocar a dor,
calar o grito
são seus atributos.
Estudou teatro e literatura,
mas acha atores e literatos
um tanto ou quanto prostitutos,
vaidosos e chatos.

Gosta de um rapaz,
à sua maneira.
Não se entrega por inteiro.
No dia em que o vê
está bem.
E quando não,
também.
Se o encontra com outra,
aceita.
Ama,
mas não demonstra.
No livro do amor,

nada consta.
- Mano Melo, em "Poemas do amor eterno". Expressão gráfica e Editora, 2011.

§

Nada vai apagar meu sorriso
Podem ameaçar com as bombas e morteiros
da Marinha americana,
podem roubar meu dinheiro
e chamar os hômes pra me levar em cana.
Nem que as vacas tussam e as porcas torçam seus rabos,
nem que eu seja atacado por mil cachorros brabos,
mesmo que me acusem de tudo que é heresia
e arranquem meu dente de siso
sem anestesia,
nada vai apagar meu sorriso.

Podem ameaçar com o Armageddon
e as trombetas do Juízo Final.
Podem pintar o mar de marrom
e botar dez mil crianças assaltando no sinal,
podem parar o mundo e apagar a luz,
abrir a caixa dos pregos e me pregar na cruz,
podem rodar a baiana, podem soltar a franga,
bordar tudo mais feio que o cão chupando manga,
destruir a ferro e fogo os frutos do paraíso,
nada vai apagar meu sorriso.

Podem sujar a atmosfera
até fazer doloroso o ato de respirar.
Podem abrir a jaula e soltar a besta-fera
com sua boca horrenda para me devorar,
perfurar meus olhos com setas envenenadas
até que fiquem cegos,
me fechar no escuro junto com morcegos,
ratazanas e baratas aladas,
sem nenhum sinal ou prévio aviso,
nada vai apagar meu sorriso.

Entre os campos de batalha dessa guerra infame,
busco trocar amor com quem também me ame.
E sei que a maioria das pessoas são pessoas decentes,
gente do bem trabalhando para criar filhos
e passar sua herança de conhecimentos.
Por isso, quando o trem parece correr fora dos trilhos
e o dragão ameaça cuspir fogo pelas ventas,
eu sei que tudo na vida tem uma explicação
e que existem razões que são estranhas até à própria razão.
Não importa as teias que a aranha teça,
a gente tem que se cuidar pra não virar presa.
Se a aranha tá a fim de te jantar,
você não pode permanecer passivo.
Não apenas navegar, viver também é preciso.
Eu fico mais forte quando penso nisso:
nada vai apagar meu sorriso.
- Mano Melo, em "Poemas do amor eterno". Expressão gráfica e Editora, 2011.

§

O Amor
é
Mano Melo - foto: arquivo do autor

Terno.

O
Amor
é

Fêmero.

O
Amor
é

Fé.

O
Amor


É.
- Mano Melo, em "Poemas do amor eterno". Expressão gráfica e Editora, 2011.

§

O tempo
O Tempo é um rinoceronte
que range e ruge de longe.
O Tempo é um elefante,
um elevador,
um altofalante
perto e distante.
O Tempo é um diamante,
um trilho, uma trilha,
macho e fêmea,
filho e filha.
O Tempo
é um cachorro.
Range
os dentes,
ruge,
e foge
latindo
para uma vaca
que muge.
Enquanto a onça ronca,
o macaco ranga.
Quando a onça
abandona seu posto,
a raposa vai à caça
e o cabrito faz seu pasto.
Viver é um passeio nos astros.
Os bichos deixam seus rastros –
a alma humana, seus lastros…
- Mano Melo, em "Poemas do amor eterno". Expressão gráfica e Editora, 2011.

§

Toque 
É tempo de ter um amuleto amarelo com um amor bordado dentro
É tempo de cavar as palavras secas no fundo do pescoço
É tempo de descobrir o rubi que você pensa que é uma pedra nos sapatos
É tempo do tempo morto morrer dentro de você
É tempo de nascer o poeta inato que você é

O abismo do ser sozinho fica nos limites das forças
Atravessar por inteiro depende da prática do timoneiro
É desviar o barco por águas claras e maré calma
Pois os limites das forças são as divisas com a alma
Aguenta o barco firme
Aguenta o barco
Com muita calma
Irmão

Você é o juiz que se julgou perdido
Sua própria mão bateu as três marteladas
Pregando a sentença de sua perdição
Existe um oásis em cada um dos lados de teu corpo quadrado
Escolher seja sul seja norte seja leste seja oeste
Adiante deserto e oásis são a mesma coisa
As mesmas partes do caminho andado
Não existe caminho errado
Existe preguiça de continuar pra qualquer um dos lados
- Mano Melo, em "República dos poetas - antologia poética". [organização Ricardo Muniz de Ruiz]. Rio de Janeiro: Museu da República Editora, 2005.


Mano Melo na Casa da Gávea - foto: Arquivo do autor
PROJETOS DE  POESIA DO POETA MANO
Recital-show poético com gravação: Mano a Mano com a poesia
Datas: Toda à (segunda) terça-feira de cada mês
Horário: 21h00
Local: Casa da Gávea
Endereço: Praça Santos Dumont, 116 - Gávea, Rio de Janeiro - RJ
Telefonte: (21) 2239-3511
Site: Casa da Gávea

****

Programa de rádio: Mano a Mano com a Poesia
Seu programa de Música, Humor & Versos.
Apresentação: Mano Melo & Cristina Bethencourt. 
Quando? Toda à (primeira) quarta-feira de cada mês
Horário: 23h00 
Emissora: Rádio Roquette Pinto, 94.1 fm
Site: Rádio Roquette Pinto - Rio de Janeiro



Mano Melo - foto: arquivo do autor
CONTATO COM O POETA MANO MELO
:: E-mail: manomelo45@gmail.com
:: Perfil do autor no facebook. Acesse Aqui


OUTRAS FONTES E REFERÊNCIAS DE PESQUISA
:: Antonio Miranda
:: Mano Melo (blogue 2008)
:: Revista Biografia

* Título da 'página' é homônimo ao livro do autor.

© Direitos reservados ao autor

© Pesquisa, seleção e organização: Elfi Kürten Fenske

=== === ===

Trabalhos sobre o autor:
Caso, você tenha algum trabalho não citado e queira que ele seja incluído - exemplo: livro, tese, dissertação, ensaio, artigo - envie os dados para o nosso "e-mail de contato", para que possamos incluir as referências do seu trabalho nesta pagina. 

Como citar:
FENSKE, Elfi Kürten (pesquisa, seleção e organização). Mano Melo - o lavrador de palavras. Templo Cultural Delfos, março/2016. Disponível no link. (acessado em .../.../...).
____
** Página atualizada em 28.3.2016.



Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2016 Templo Cultural Delfos

Um comentário:

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!