Eulália Maria Radtke - transcendência e iluminação

Eulália Maria Radtke - foto: Acervo da autora
Eulália Maria Radtke (escritora e jornalista) nasceu em Gaspar – SC, em 6 de maio de 1949 e mudou-se para Blumenau – SC ainda pequena, onde cursou até o ginásio; trabalhava na lavoura e depois como fiandeira na indústria TEKA. Estudou, fez cursos profissionalizantes, foi para São Paulo, onde atuou como um dos líderes do movimento da Catequese Poética Paulista, na década de 1960 e, atualmente, mora em Navegantes SC
É membro da Associação Profissional de Escritores de Santa Catarina. Poeta, teatróloga, jornalista, compositora e cenógrafa, escreve música e produziu catálogos de exposições de artes plásticas nas décadas de 1970 e 1980, em Blumenau.
Nessa época, envereda-se para a poesia; aliás, ainda adolescente já possuía seus poemas publicados na imprensa. Desde 1972 publica em jornais e revistas literárias de várias partes do país e até do exterior, dentre eles, Jornal de Santa Catarina; Diários Associados; O Estado; Cogumelo Atômico; O Acadêmico; Cordão; Geração, Curitiba; Abertura Cultural, Rio; Tribuna da Imprensa, Rio; Destaque, Suplemento Literário do Estadão de Minas; Suplemento Literário de Minas; Jornal de Blumenau; Revista Ollinkraft, Lages; Literaçu, Blumenau; Rua XV; Jornal do Comércio, Recife; O popular, Brasília; UPES, Curitiba.
Paralelo a essa atividade poética, a autora desenvolve outras atividades culturais: em 1977, junto a Lindolf Bell, participa do Movimento da Catequese Poética; de Murais (tapumes pintados por crianças de escolas públicas), ao lado de Paulo Leminski e outros; em 1979, realiza, na FURB, a exposição “Fotopoemas”, junto ao fotógrafo Ingo Penz; faz encenações e outras atividades artísticas junto a outros escritores. 
Recebeu diversos prêmios, dentre os quais se podem destacar: menção honrosa da Prefeitura de Itajaí – SC (1973), ao concorrer ao Concurso de Poesia; menção honrosa no II Festival de Inverno de Itajaí (1974); prêmio Lausimar Laus, obtendo o 1º lugar no concurso de poesias, em (1976); prêmio Ferreira Gullar, em concurso nacional no Paraná (1978); prêmio Delfino – Fundação Catarinense de Cultura (1979); prêmio Quarta Noite da Poesia Paranaense – Fundação Teatro Guaíba (1983); prêmio Mario Quintana – Alegrete, RS (1984); prêmio Shogun Editora – Rio de Janeiro (1985); prêmio Concurso Nacional de Poesia pela Paz (conjunto de sete poemas gravados em bronze e granito em exposição a céu aberto, em Cachoeiro do Itapemirim, ES (19860; menção honrosa no prêmio Manuel Bandeira; Concurso Nacional de Poesia da Academia Teresopolitana de Letras, RJ (1986).
Eulália Maria Radtke - foto: Acervo da autora
Eulália Radtke foi considerada por Celestino Sachet (crítico da ACL) como a “grande revelação da poesia catarinense de 1980”. Seus poemas são “curtos, concisos e líricos”, como já definiu Lindolf Bell, sempre ligados à busca humana em si mesmo e no próximo. A construção dos poemas é muito bem trabalhada, incluindo a linguagem repleta de metáforas, e a estrutura é a contemporânea. 
Foi secretária municipal da Cultura em São José dos Pinhais-PR, no período de 1993 a 1996; e Conselheira de Editoração da Secretaria de Estado da Cultura do Paraná, onde produziu e organizou várias obras de autores paranaenses.
Em 1980, Eulália lança seu primeiro livro Espiral, poemas voltados para a questão existencial, interior, uma volta ao eu, a afirmação do ser.  Seu próximo livro, O sermão das sete palavras, marca sua “maturidade existencial e poética”, nos dizeres da crítica Nelly Novaes Coelho:   
 
"[Sobre o livro] Espiral – sequência de poemas-sínteses de uma intensa vivência existencial, voltada para o outro, como parte essencial do eu. Poesia de alta linhagem, a de Eulália chegou à forma de livro pelo estímulo de Lindolf Bell que, ao conhecer os originais escritos ao longo de anos, descobriu neles a marca da poesia autêntica. [...] No livro seguinte, O sermão das sete palavras, aprofunda-se a visão de mundo que energiza sua poesia anterior [...] esta nova recolha poética revela a maturidade existencial e poética atingida pela autora."
- Nelly Novaes Coelho (org.). in: Dicionário crítico de escritoras brasileiras: 1711-2001. São Paulo: Escrituras Editora, 2002, p.204.

:: Fonte: SILVEIRA, Cláudia Regina. Dicionário de escritoras catarinenses. (Tese Doutorado em Literatura - Teoria Literária). Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 2011. Disponível no link. (acessado em 28.1.2016). Obs.: Editado com informações atualizadas da escritora e jornalista Eulália M. Radtke.


VII
 Como o rosto
Sem susto dos anjos
Herdei a quietude
                das luas
É preciso coragem
De um campo de espigas
É preciso saber das
               sementes
Por fora
E por dentro
             é preciso 
 

- Eulália Maria Radtke, em "Espiral: poemas". Florianópolis SC: Editora FCC, 1980. 


OBRA DE EULÁLIA M. RADTKE
Poesia
Eulália M. Radke nos 50 anos da Catequese Poética - foto: acervo da autora
:: As travessias. Blumenau SC: Edições do Autor, 1977.
:: Espiral- poemas. Florianópolis SC: Editora Fundação Catarinense de Cultura - FCC 1980, 86p.
:: O sermão das sete palavras.
Florianópolis SC: Editora Fundação Catarinense de Cultura - FCC; Brasília: Thesaurus, 1986, 106p.
:: Lavra lírica. Blumenau SC: Editora Cultura em Movimento, 2000, 130p.

:: Olho d'água. Blumenau SC: Editora Cultura em Movimento, 2007, 74p. 

Coletâneas (organização)
:: Antese. (coletânea de poesia de autores paranaenses - tomo I, II, III e IV).. [organização Eulália M. Radtke]. São José dos Pinhais PR: Secretaria Municipal da Cultura de São José dos Pinhais PR, 1996.

Antologias (participação) 
OLSEN JR., Oldemar (org.). Outros catarinenses escrevem assim. Blumenau SC: Editora Acadêmica Blumenau, 1979, p.156-64.
CONTISTAS e cronistas catarinenses. Florianópolis: Lunardelli, 1979.
A literatura de Santa Catarina. Florianópolis: Lunardelli, 1979, p.283. 
CONTISTAS de Blumenau. Florianópolis: Lunardelli, 1980.   
POETAS de Blumenau. Blumenau SC: Fundação Casa Dr. Blumenau, 1982, p.95.
POETAS de Blumenau - contos e poemas. Florianópolis: Editora FCC, 1983.
CONTOS e poemas. Florianópolis: Fundação Catarinense de Cultura, 1983.
HOHLFELDT, Antonio (org.). A literatura catarinense em busca de identidade: III - a poesia. (Coleção Santa Catarina, v. 33). Porto Alegre Movimento; Florianópolis: Editora UFSC, 1997, v. 3, 385p.
FCB; UBE (org.). Blumenauaçu 3: antologia de escritores catarinenses. Blumenau SC: Editora Cultura em Movimento, 2002, 103p. 

Obra traduzida
Inglês
:: O sermão das sete palavras, de Eulália M. Radtke [direção e edição Teresinha Pereira; tradução Gleen Lions]. Colorado/EUA.

 
Eulália M. Radtke e seu poema no Largo do Expedicionário  em São José
 dos Pinhais PR (1995) - foto: acervo da autora

POEMAS SELECIONADOS DE EULÁLIA MARIA RADTKE

A INFÂNCIA REVISITADA
 
A danação do riso
Nas folhas do Boi Mamão
arrepiava até os tendões.
No céu vermelho das fogueiras
reverenciava São João,
aquecendo o corpo sem solidão
(ainda).

Mas foi sob as fagulhas breves
e a frágil arquitetura
da lenha queimada,
onde conheci o cálice da morte
no perfume ativo do jasmim
guardando o corpo de meu avô.

Avolumada,
como as trovoadas poderosas
que tantas vezes vieram em direção
aos meus olhos temerosos,
adquiri uma das faces mais divinas
que a separação pode assumir:
                                         a ira.

Esta,
ensinou-me que a flor que enfeita
a festa
também murcha triste na solidão dos túmulos.

Amalgamava então
as criaturas sagradas
e a morte me parecia
alta e solene
como as visões de um pesadelo.

Guardei meu avô
sob o cristal das cinzas
num culto à memória,
abreviando mais tarde
a saudade sobre o retrato
                                da parede.

O mistério da ausência
— como a sonoridade sutil e grave das palavras —
desenhou parcial esquecimento.

Mas a morte lavrada
no grande cemitério da existência
criou dentro do peito
um olho d'água de curso subterrâneo.

Desde então,
aprendi a dissimular a dor
amoldando-a às formas de versos,
quando o reverso torna-se incompreensível.
 

- Eulália Maria Radtke, em "Lavra Lírica". Blumenau SC: Editora Cultura em Movimento, 2000.


A evocação do homem
I
Em que sangue do meu dia
me exiges?
Em que carne da minha noite
me devoras?
Ou em que face da luz
me consagras ou me choras?

Que seria dos deuses
sem as carruagens mágicas,
sem as terríveis labaredas
dos meus indefesos instrumentos
lúdicos?

Que seria das pirâmides
sem as gargalhadas do vento,
sem as arestas e os devãos
das areias?


 II
Servir a vida.

A ceia ofertada em prato de cristal
é ouro que edifico
no código da terra.

Guardo nos meus olhos a tua paisagem.

O viço do riso,
o soluço do sino da memória
vem de barro
e vem do risco soturno
dos trovões.

E ainda que eu lave o céu
e o teu espelho de ferrugem e
caliças,

venha,
toma de teus ouvidos
e ouve agora
a harmonia das águas
nos contornos de teu rosto.

Venha,
porque quando a borboleta
sai do casulo
é a morte da lagarta.

- Eulália Maria Radtke, em "O sermão das sete palavras". Florianópolis SC: FCC Edições; Brasília: Thesaurus, 1985. 


A transcendência - a iluminação
I
Que o amor repouse
finalmente na verdade
oh coração,
- intensa me contenho
para atrair-vos ao céu
que vos disfarço.


II
Se receias que esta vida
não perpetre,
se receias o amor a que
te entregas,
- na carne desse sonho nasce o grito
do meu sonho de viver na tua imagem.


III
Hei de sorrir
na sedução de todos os contrastes

Hei de atrair
dentro da noite o próprio sol
nascente,
para que em luz
as estrelas não se afastem.

Hei de sofrer de amor
e estar contente,
- tornando intensa a vida provisória -
do começo ao fim de mim e de ti.

E irei,
no trajeto da viagem
ser síntese do tempo
- flor de lis -
provisório até o fim.
 
- Eulália Maria Radtke, em "O sermão das sete palavras". Florianópolis SC: FCC Edições; Brasília: Thesaurus, 1985. 


As elegias
(1)
É meio dia em minha
vida,
meu sonho
meu sol,
minha dança alucinada
no horto.

Para quem fui,
gotas ficaram pendentes
nas espigas.
Para quem sou,
canto humilde e ave
partida.

É meio dia em minha
vida,
este relógio  de hastes
singulares e plurais
ceifando o tempo,
trazendo à luz
banquetes fartos e limpos
- irreais

- Eulália Maria Radtke, em "O sermão das sete palavras". Florianópolis SC: FCC Edições; Brasília: Thesaurus, 1985.



Eulália Maria Radtke
foto: Acervo  autora
O lírio fragmentado
Ah os etéreos anjos
a evocar as luas evaporadas,
fazendo do objeto verbal
acabado
não uma construção terminada!

Se a escola veio gritar,
exorcismar e "traumatar"
toda espécie de inocência
que eu tentava recriar caudalosamente,
também revelou-me
a valorização dos gestos
e compreender os livros.

- Acabo de revelar uma estranha embriaguez,
espécie de orgasmo das criaturas unidas ao
seu destino.

E sob um vento suão,
às quinze horas da adolescência,
percebi a antiguidade das pedras
tropeçadas no jardim.

Experimentei unir-me ao divino
sob todas as formas.

Amei a conspiração dos deuses
entre a pele e o sangue
de vestir o coração,
muito perto da terra
e escrevi na carne a vertigem
de toda a humana loucura.

E enquanto criáva-se no Brasil
a "Arte da Resistência"
sob o domínio das fardas,
Maria Bethânia gritava " Carcará, pega mata e come!",

Aleksei Leonov tornava-se
o primeiro homem
a sair de uma nave espacial
e todos queriam ser personagens
de Fellini,

às quinze horas da adolescência
fui buscar palavras inteiras
nas bocas dos adultos.
Reuni e repeti a todos sem compreendê-las.

Às quinze horas
da adolescência,
desenhei no barro alguns
moldes
que se transformaram
em versos,
depois lambi os dedos
para ver o gosto.

Às quinze horas,
era a palavra
eu
e o arado do coração
preparando a chão do poema.

- Eulália Maria Radtke, em "Lavra Lírica". Blumenau SC: Editora Cultura em Movimento, 2000.


O vinha da verdade
I
A canção do amor
será possível sob o vinho da verdade,
sob a morte da lagarta
e, sobretudo,
sob as metáforas de paz e de
guerras.
 

II
Seremos entre as vagas e espumas
flores rubras,
pássaro ferido e lagartos
(estranhezas)
palavras sem contornos,
serpentes entre algas de viver
- tão só indagação
silencioso pensar.

 - Eulália Maria Radtke, em "O sermão das sete palavras". Florianópolis SC: FCC Edições; Brasília: Thesaurus, 1985.


OS INTERLÚNIOS
 
Poema 1
A carne tecida d'água
de sangue tingidas veias.

Perto, osso e areia
tal alicerce inconsútil

de áquina provisória.
Presente em passado

paradoxal ressoa. Pode
morrer um corpo

em sua árvore madura?
O sonho amarra

vida, dor e terra.
onde a memória cala

haverão sinos, ressonantes?
Claros ais, olhos

penetrados em
sombras de luz fora.

Exantue, pó e osso
remidos.
Pêlos e alma indulgem.

- Eulália Maria Radtke, em "Lavra Lírica". Blumenau SC: Editora Cultura em Movimento, 2000.


Poema 2
Medimos o peito em abstrato,
fronteiriços, lineares, juízes
agrimensores de rumos e rimas.

A trena tem maleáveis desvios
pendores colhidos nas ciladas,
pendões amoldados de eus circunstanciais.

Marcamos, ascensional, a trena,
atamos ao peito, altivos,
estremas divisíveis, esplendorosos.

A fé é nossa baliza,
rompidos, ai que inversos intentos
morrendo no pó do ego fendido.

- Eulália Maria Radtke, em "Lavra Lírica". Blumenau SC: Editora Cultura em Movimento, 2000. 


Poema 3
O fogo em pó cunhado,
difuso, sagrado, leviano
retém a flecha nas retinas,

A água na extrema urgência
rebenta em cavos e rasuras,
as inertes reservas da alma.

Bebemos, perplexos, a água
pisamos nas cinzas, sonhos
fráguas providenciais, divinos.

As chispas são nossos ventres,
reconcebemos phoenix tácita
reincidindo velhas rotinas.

- Eulália Maria Radtke, em "Lavra Lírica". Blumenau SC: Editora Cultura em Movimento, 2000.


Poema 4
A maestria dos erros sombrios
vertidos, quebrantados, modular
cadencia na ordem dos fins.

A memória logra pentimetos
contrafaz num olhar de cataclismo,
atrozes e cínicas evidências.

Ruminamos, subjugados, a memória
regemos em notas, abismos
ritos desmesuráveis, entorpecidos.

As solidões são nossas vítimas,
amargamos tornados nulos
silenciando particípios e gerúndios.
 

- Eulália Maria Radtke, em "Lavra Lírica". Blumenau SC: Editora Cultura em Movimento, 2000. 


Nas réstias da existência
I
A evocação do homem
é cavar a pedra,
é reter do grito
os seus grifos de luz.
 


II
A evocação do homem
não é um conjunto de livros
que se abre e se fecha
                                  folha
                                  a
                                  folha
e depois se escreve a giz
a conclusão da sua loucura.


III
A evocação do homem
é fazer do quintal da sua
                               infância
a flauta mágica
para o majestoso e contraditório
espetáculo da vida.
IV

A evocação do homem
não é improvisar-lhe um palco,
cortar-lhe as forças
e tornar-lhe solidão.
V

A evocação do homem
é porta aberta
às possibilidades,

à canção de amor ainda
                                     possível.
 
- Eulália Maria Radtke, em "O sermão das sete palavras". Florianópolis SC: FCC Edições; Brasília: Thesaurus, 1985. 


XX
 Quem curvar-se
Sobre este poema
Não tardará em abraçar
                      aqui

O circo
O riso
O estranho
O diverso
O triste
O brinquedo
O esconde-e-acha
O fruto da altura
Do sonho
O salto
O espanto
E o reverso dos olhos

Em ver
Que ante a paisagem dos anos
A infância
Ainda é o mesmo trapezista
Que não retornou do último
                salto
 

- Eulália Maria Radtke, em "Espiral: poemas". Florianópolis SC: Editora FCC, 1980.


Eulália Maria Radtke - foto: Acervo da autora

FORTUNA CRÍTICA DE EULÁLIA MARIA RADTKE
A literatura catarinense. Florianópolis: Lunardelli, 1985, p. 202.
A literatura em Santa Catarina. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1986, p.19.
A literatura catarinense nos anos 80: catálogo da produção literária de autores catarinense publicada de 1980 a 1989. Florianópolis: Secretaria de Estado da Cultura e do Esporte; UFSC, 1990.
 

COELHO, Nelly Novaes (org.). Dicionário crítico de escritoras brasileiras: 1711-2001. São Paulo: Escrituras Editora, 2002, p. 203-206.
HEMEROTECA DIGITAL CATARINENSE. Espiral - a revelação de um poeta. in: Boi de Mamão. Secretaria de Cultura, Esporte e Turismo/ Fundação Catarinense de Cultura, Florianópolis, julho, 1980, nº 2. Disponível no link. (acessado em 28.1.2016).
JARDIM, Rubens (org.). Lindolf Bell - 50 anos de Catequese Poética. São Paulo: Editora Patuá, 2014.
JUNKES, Lauro. Presença da poesia em Santa Catarina. Florianópolis: Lunardelli, 1979, 272p.
JUNKES, Lauro (org.). A literatura de Santa Catarina: síntese informativa. Florianópolis: Ed. do Autor; UFSC, 1992, p.47. 
MILLARCH, Aramis. Eulalia ou um poema ao andarilho do Universo. in: Tabloide Digital de Aramis Millarch (originalmente publicado em 4 de julho de 1980, no Almanaque). Disponível no link. (acessado em 28.1.2016).
SILVEIRA, Cláudia Regina. Dicionário de escritoras catarinenses. (Tese Doutorado em Literatura - Teoria Literária). Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 2011. Disponível no link. (acessado em 28.1.2016).

Eulália Radtke - foto: acervo da autora
 
Às quinze horas,
era a palavra
eu
e o arado do coração
preparando o chão do poema.

- Eulália Radtke, em "Lavra lírica". Blumenau SC: Editora Cultura em Movimento, 2000. 



AMIZADES LITERÁRIAS

"Guardo a biografia de todos os poetas e mordo devagar o fruto denso de minha solidão."
- Eulália M. Radke

Lindolf Bell, Eulália M. Radtke, Baby Garrou, Elke Hering, Beatriz Niemayer
(foto: Acervo Eulália M. Radtke)


Arnaldo Jabor, Lindolf Bell e Eulalia Radtke
(foto: Acervo Eulália M. Radtke)

Eulalia Radtke e Mário Vargas Llosa
(foto: Acervo Eulália M. Radtke)
Rubens Jardim, Eulália Radtke, Lair Bernardoni e Maria Cristina na Casa das Rosas em SP 
'Comemoração dos 50 Anos da Catequese Poética - maio de 2014.
(foto: Acervo Eulália M. Radtke)

Eulália M. Radtke e Maria Cristina Radtke - foto: acervo da autora



Eulália M. Radtke, Rubens Jardim e Maria Cristina Radtke 
foto: acervo Rubens Jardim
 
Rubens Jardim, Eulália M. Radtke, Carmen Silvia Presotto, e (...)
 foto: acervo Rubens Jardim


Eulália M. Radtke e Maria Cristina Radtke  com a escultura do poeta Lindolf  Bell
foto: acervo Rubens Jardim

XIII
Já não tenho a tua pressa
Ó passado
Já não tenho a tua rápida
entrega do aconchego
- Já não tenho a ti

Do ciclo primeiro
Guardo o flash devastador
da claridade
Sob o mármore do teu
retrato
Do nosso encontro
Guardo uma distância 

- Eulália Maria Radtke, em "Espiral: poemas". Florianópolis SC: Editora FCC, 1980.




Eulália Maria Radtke
foto: Acervo  autora

BLOG DE EULÁLIA MARIA RADTKE
:: Acesse AQUI!
:: Contato com autora Aqui!


OUTRAS FONTES DE PESQUISA
:: Gotas de Poesia

© Direitos reservados ao autor


© Pesquisa, seleção e organização: Elfi Kürten Fenske

=== === ===

Trabalhos sobre o autor:
Caso, você tenha algum trabalho não citado e queira que ele seja incluído - exemplo: livro, tese, dissertação, ensaio, artigo - envie os dados para o nosso "e-mail de contato", para que possamos incluir as referências do seu trabalho nesta pagina. 


Como citar:
FENSKE, Elfi Kürten (pesquisa, seleção e organização). Eulália Maria Radtke  - transcendência e iluminação. Templo Cultural Delfos, janeiro/2016. Disponível no link. (acessado em .../.../...).
____
** Página atualizada em 28.1.2016.



Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2016 Templo Cultural Delfos

2 comentários:

  1. Material incrivelmente bem elaborado e detalhado. Parabéns pela pesquisa! Eulália é iluminada!

    ResponderExcluir

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!