Dora Ferreira da Silva - a demiurga mítica e lírica

Dora Ferreira da Silva - foto (...)
Dora Ferreira da Silvapoeta e tradutora - nasceu em Conchas (SP), no dia 1º de julho de 1918. Casou-se aos 19 anos com Vicente Ferreira da Silva, com quem estabeleceu uma parceria de dedicação a estudos ao longo de uma convivência de 23 anos. Dora e Vicente Ferreira da Silva fizeram de sua casa pouso de escritores e pensadores interessados na divulgação de um pensamento crítico.
No ano seguinte à morte trágica de Vicente Ferreira da Silva, num acidente de carro, Dora fundou a Cavalo Azul, em 1963, revista que nos seus 12 números privilegiou a literatura, em especial a poesia. Seguiu-se então a época das traduções. Devem-se a Dora as primeiras traduções para o português da obra do psicólogo suíço Carl Gustav Jung.
Seu primeiro livro de poesias foi Andanças, publicado em 1970. Entre a poesia e o ensaio, gêneros a que se dedicaria até o fim da vida, e sem interromper o trabalho com a obra de Jung, ela publicou a primorosa tradução das Elegias de Duíno, de Rilke. Em 1995, lançou Poemas da estrangeira, com o qual ganhou o Prêmio Jabuti daquele ano. O crítico e também poeta Ivan Junqueira atribuiu-lhe o talento de se valer “de uma linguagem sem voz para expressar o indizível”. Em 1999 foi publicado seu Poesias reunidas, que engloba oito livros, de Andanças a Poemas em fuga, este último lançado em 1997.
Em permanente contato com jovens interessados em mitologia, psicologia e poesia, Dora fundou o Centro de Estudos Cavalo Azul, em 2003, do qual participaram os poetas Cláudio Willer e Rodrigo Petrônio.
Dora Ferreira da Silva morreu no dia 6 de abril de 2006, em São Paulo.
:: Fonte: IMS


Dora Ferreira da Silva - fonte: IMS
OBRAS DE DORA FERREIRA DA SILVA
Poesia
:: Andanças. São Paulo: Edição da autora, 1970 - Prêmio Jabuti.
:: Uma via de ver as coisas. São Paulo: Editora Duas Cidades, 1973, 124p.
:: Menina e seu mundoSão Paulo:Massao Ohno, 1976.
:: Jardins (esconderijos). São Paulo: Edição da autora, 1979, 125p.
:: Talhamar. [capa pintura mural grega no Túmulo do Mergulador]. São Paulo: Massao Ohno, 1982.
:: Retratos da origem. São Paulo: Roswitha Kempf Editores, 1988,  109p.
Poemas da estrangeira, de Dora Ferreira da Silva
:: Poemas da estrangeira. ['orelhas' do livro por José Paulo Paes]. São Paulo: Massao Ohno, 1995, 241p. - Prêmio Jabuti.
:: Poemas em fuga. ['Orelha' do livro por Lêdo Ivo]. São Paulo: Massao Ohno, 1997, 109p.
:: Poesia reunida. [introdução Gerardo Mello Mourão]. São Paulo: Topbooks, 1999, 483p. - Prêmio Machado de Assis da ABL.
:: Cartografia do imaginário. São Paulo: T. A. Queiroz Editor, 2003, 146p.
:: HídriasSão Paulo: Odysseus Editora, 2005 - Prêmio Jabuti.
:: O leque. [apresentação Antonio Fernando de Francheschi; projeto gráfico Kiko Farkas; ilustrações Elisa Cardoso]. Rio de Janeiro: Instituto Moreira Sales – IMS, 2007.
:: Appassionata. [inclui textos de Inês Ferreira da Silva Bianchi e Ivan Junqueira; projeto gráfico Kiko Farkas]. Rio de Janeiro: Instituto Moreira Sales – IMS, 2008.
:: TranspoemasRio de Janeiro: Instituto Moreira Sales – IMS, 2009, 213p.

Ensaio
:: Tauler e Jung - o caminho para o centro. [em colaboração com Hubert Lepargneur]. São Paulo: Paulus, 1987.

Artigo, prefácio, nota
SILVA, Dora Ferreira da.. Nota sobre Quarta-feira de cinzas. São Paulo, Diálogo nº 7, julho de 1957. 
______ . O demoníaco em Grande Sertão: Veredas. São Paulo, Diálogo nº 8, novembro de 1957.
______ . A temática da poesia de Vinicius de Moraes. São Paulo, Diálogo nº 11, agosto de 1959.
______ . Os principais temas do Livro de Horas. Diálogo n° 13. dezembro de 1960.
______ . Duas experiências do Angélico (prefácio). In. HILST, Hilda. Sete Poemas do Poeta para o Anjo. São Paulo: Massao Ohno editor, 1962.
______ . Nota sobre Amers. Diálogo nº 15, abril de 1964.
______ . O duplo reino da vida e da morte. Diálogo nº 15, abril de 1964.

Traduções realizadas por Dora Ferreira da Silva
Dora Ferreira da Silva - foto: IMS
:: O barco da morte, de D. H. Lawrence[tradução Dora Ferreira da Silva]. Diálogo nº 5, outubro de 1956.
:: Quarta-feira de cinzas, de T. S. Eliot. [tradução Dora Ferreira da Silva]. Diálogo nº 7, julho de 1957.
:: Estreitos são os barcos, de Saint John Perse. [tradução Dora Ferreira da Silva]. Diálogo, nº16, abril de 1964.
:: Elegias de Dhuíno, de Rainer Maria Rilke. [tradução Dora Ferreira da Silva]. Porto Alegre: Editora Globo, 1972.
:: Memórias, sonhos e reflexões, de Carl Gustav Jung[tradução Dora Ferreira da Silva].  Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1975.
:: O eu e o inconsciente, de Carl Gustav Jung[tradução Dora Ferreira da Silva]. Petrópolis: Vozes, 1978.
:: A poesia mística, de San Juan de la Cruz. São Paulo: Cultrix, 1982.
:: Ângelus Silesius[tradução Dora Ferreira da Silva e Hubert Lepargneur]. T.A. Queiroz, 1988.
:: Vida de Maria, de Rainer Maria Rilke[tradução Dora Ferreira da Silva]. Petrópolis: Editora Vozes, 1994.
:: Aurora Consurgens, de C. G. Jung. (Volume complementar de Mysterium Conjunctionis).. [tradução Dora Ferreira da Silva]. Petrópolis: Vozes, 1997.
:: Estudos alquímicos, de Carl Gustav Jung[tradução Dora Ferreira da Silva e  Maria Luiza Appy]. Petrópolis: Vozes, 2002. 
:: Os arquétipos do inconsciente coletivo, de Carl Gustav Jung[tradução Dora Ferreira da Silva e  Maria Luiza Appy]. Petrópolis: Vozes, 2002.
:: Psicologia e alquimia, de Carl Gustav Jung[tradução Dora Ferreira da Silva, Maria Luiza Appy  e Margaret Makray]. Petrópolis: Vozes, 1991. 
:: O segredo da flor de ouro: um livro de vida chinês, de Carl Gustav Jung R. Wilhelm[tradução Dora Ferreira da Silva e  Maria Luiza Appy]. Petrópolis: Vozes, 1997.

Dora Ferreira da Silva - foto (...)
POEMAS ESCOLHIDOS DE DORA FERREIRA DA SILVA

Afrodite
Disse a deusa a sorrir:
esta manhã o mar deu-me adereços
e vestida de pérolas
fui a um reino distante.
Cânticos despertaram vides
e frutos nasceram, que o sol
cultiva nos pomares.
Coros adolescentes perseguiam Eros
— p coroado de pâmpanos —
pois de meus lábios haviam provado ,
o vinho farto e suave.

Liames atando e desatando,
ele a beleza ocultava nas angras mais profundas,
pois quando emergia — flâmeo! —
o murmúrio do mar as praias inundava
e a embriaguez vizinha da morte
ameaçava os amantes...
- Dora Ferreira da Silva, em "Talhamar". São Paulo: Massao Ohno, 1982.


Além
Não me explicas
Vicente e Dora Ferreira da Silva
não te explico
o milagre do contato
que é de alma e é carnal
que é do espírito abissal
tudo somando o igual.
Sinto o frêmito do vento
nas plantas do beiral
desta casa provisória.
Não há linhas divisórias
que nos digam quem é qual
por tão próximos — não há espaço
para o abraço
para o ai!
Andando em duas direções
transpusemos nossa essência
um é o outro
e o círculo no entanto
determina eterno encontro.
Sem assombro dou-te um beijo
o realejo da infância
é o fundo musical.
Valha-nos Deus!
Vamos chorar? Vamos sorrir?
O agora é o por vir
que empurra e enterra o antes
para nova floração.
Só não passa nem transita esse
doido coração
não é meu
não é teu
está nu de possessivos
a imperecível carnação.
Sorrimos o mesmo sorriso
diante das megapalavras
somente cativos do Nada.
E eternamente calamos.
- Dora Ferreira da Silva, em "Poesia Reunida". Rio de Janeiro: Topbooks, 1999, p. 355.


Amores
III
Jardins (esconderijos), Dora Ferreira da Silva
Não traçarei novos caminhos.
Entrelaçados, nascemos de raízes
mais fundas que saber.
És o que virá, se vieres.
E eu espero.  Véspera da morte,
agora que o amor é mudo ou canta sem parar.
E o canto um silêncio parece
de tão fundo viver, que a vida já se despe
de si mesma, e avança sem andar:
bem longe
ou perto
aberto dom
de
amar.

IV
Não o que dizíamos
nem o que víamos,
mas o olhar desviado,
taça em demasia.  E o que insistia:
os mesmos pórticos, a hora
na torre austera.  E tudo fazíamos
para não ouvir, calado,
o passo do passado
e não olhar, à janela cega,
um vulto debruçado
o olhar isento
do amor que não se vê
e, em fuga, se extravia.
- Dora Ferreira da Silva, em "Uma via de ver as coisas". São Paulo: Editora Duas Cidades, 1973.


Ao sol
Naufragas na noite
em pompas de luz e imensidade
todo germe palpita na semente
e da nova manhã ressurges
clara divindade

nua a carnação sob o manto escarlate.
- Dora Ferreira da Silva, em "Andanças". São Paulo: Edição da autora, 1970.


Apolo hiperbóreo
Ele ama a distância além do inverno,
onde não declinam a luz radiosa e os cantos.

Quando se afasta, pássaros silenciam e a fonte
em Delfos quase se extingue. Lobos uivam.
Imensa é a noite fria em sua ausência.

Mas ouve! O jubiloso peã de novo repercute
nas pedras brilhantes. Corpos e olivais dourados
revivem na dança: o Citaredo retorna coroado de folhas.
- Dora Ferreira da Silva, em "Hídrias". São Paulo: Odysseus Editora, 2005.


Cânticos
I
Tenho-te um amor de mansidões
rebanho lento e branco passeando na alvorada
tenho-te um amor tranqüilo e trêmulo
não se música ou se constelações

tenho-te um amor de eternidades
em vagas renascentes — brando som de flauta
chamando as superfícies distraídas
para a reconcentração definitiva

II
Como um ramo de úmidas rosas
quisera estar na sala em que respiras
o aroma de tuas primaveras
Como um cesto de frutos derramados
quisera ser a oferta abandonada

na mesa simples da tua eternidade
- Dora Ferreira da Silva, em "Andanças". São Paulo: Edição da autora, 1970.


Canto IX
Dora Ferreira da Silva  - foto (...)
Teu nome 
              de nada é feito
(que matéria poderá servi-lo?)
És o que antecede
                           o ver
                                   e inaudível
precedes o ouvir
                            O tato
                           o sabor
                           o cheiro
apenas em ti se reconhecem
antes que retornes
ao moldo do vazio

Quando vens
                   ultrapassas ideias
                                            pensamentos
que pretendem prender
                                  o antes
                                               depois
e ao mesmo tempo
                            agora

Menino
usas todas as máscaras para brincar
                                 e nos surpreendes!

Poupas nossa fragilidade
                                   com ecos
                                                fragrâncias
(passo no caminho
                            és tu
                                    e quem caminha)

Coisa não és
                   mas concedes graça
à curva de um caminho
                   às folhas aromáticas
a um contato de amor
                               Se te evolas
não é como quem abandona
                               mas pelo gosto
de repetir-te
                    em nós por outras vindas
grandes e pequenas
                            enquanto houver espaço
para o Amor
                  Mas este nome — o mais próximo —
também não basta! 
- Dora Ferreira da Silva, em "Retratos da origem". São Paulo: Roswitha Kempf Editores, 1988.


Conversa Dom Pessoa
Ai, não ter a vida provas de revisão
para mudar-lhe as vírgulas, acrescentar-lhe
                                     pontos de interrogação
e sobretudo passar a limpo dores e amores
arranjar vasos de flores, ter um gato de
                                                         estimação,
ouvir a rolinha a consolar-lhe a aflição...

Ai, não ter a vida provas de revisão
para endireitar-lhe as linhas, trocar palavras
e afinal arrancar as páginas todas do livro

e suprimir-lhe a edição.
- Dora Ferreira da Silva, em "Jardins (esconderijos)". São Paulo: Edição da autora, 1979.



Criação
Se grilos
e argila
fundissem
sonhos
teríamos a terra,
essa dona senhora,
imaculada
em música
e herança
ancestral.
- Dora Ferreira da Silva, em "Uma via de ver as coisas". São Paulo: Editora Duas Cidades, 1973.


Depois
Sim, era o tempo. Depois — inútil consultares o relógio —
o tempo não era.Tudo pleno e íntegro: obedecíamos a um
                                                                            [milagre
mais simples que as coisas usuais. A labareda encontrou o
                                                                               [seu fiel
cessando de crepitar. As emoções se extinguiram
na lareira que não fora acesa em noite de verão.
O calor das coisas a si mesmo se bastara a ponto
de adormecer. E a orquestra ali estava suspensa depois do
acorde final, os músicos ausentes
algumas folhas caídas no chão de madeira morta.
O perdão da seiva antiga recendia a música de violinos
e flautas. Persistente floresta de sons, a música!
Os acordes da alma ainda ecoavam — do insípido à
                                                                       [exaltação.
Persistente floresta, a alma. E tu misericórdia
há onde caibas? Exorbitas instrumentos partituras:
música pura. Silêncio que nos acolhe
e disso faz um ramo de primavera.
- Dora Ferreira da Silva, em "Poesia Reunida". Rio de Janeiro: Topbooks, 1999, p. 354.


Delfos
Aquece o Sol as clareiras do ar,
atirador de dardos súbitos.
Apolo foi chamado e usurpou em Delfos o trono das Sibilas.
Sobre a mancha de trevas pousou a trípode de luz
e mais longe soprou os vaticínios.
Muitos morreram de luz tão clara, incendiando o coração.
O ar brincou na flauta abandonada pela deusa sábia
e a música invadiu águas turbulentas:
rápidas mensagens riscou o vento nas Fedríades,
pedras róseas que se chamaram as Luminosas.
À noite, dormem no bosque templos de ossatura branca,
vértebras pousadas entre oliveiras.

Três colunas se enlaçam, sobrevivas,
na antiga ronda do templo,
fechado o círculo dos ritos funerários.

As cigarras se atrevem e os jumentos
a louvar a montanha, os vales e deuses soterrados.
A Terra acorda às vezes e suplica que tanta luz

não lhe fira a carne, queimando arbustos e a pedra crua
- Dora Ferreira da Silva, em "Hídrias". São Paulo: Odysseus Editora, 2005.




Acendi a luz
aos pés da terra,
conclui oferendas,
entreguei palavras
e, súbito,
vi milagres
de uma lança
que, como quilha,
rompeu o oceano
entre dois mundos.
- Dora Ferreira da Silva, em "Uma via de ver as coisas". São Paulo: Editora Duas Cidades, 1973.


Maduro para o canto
Maduro para o canto
vertes, cântaro,
a água pura
e suas sete cores
unindo lago e lago.
Barco em flor
rio correndo da prece
promessa em silêncio
da messe.

Sem pressa

o agapanto floresce.
- Dora Ferreira da Silva, em "Andanças". São Paulo: Edição da autora, 1970.


Mulher e pássaro
Talhamar, Dora Ferreira da Silva
Voltamos ao jardim 
ao banco lavado pela chuva. 
Pedimos o verde ao verde 
a flor à flor 
sem quebrar-lhe a haste. Bastaria a manhã. 
(Nossa presença 
desalinha ar e folhas 
num frêmito.) 

Mas se nada pedimos 
como quem dorme seguindo a linha natural 
do corpo 
respiramos o puro abandono: 
um pássaro alveja o azul (sem par) 
ultrapassa o muro do possível 
e assim damos um ao outro 
a súbita presença 

do Céu. 
- Dora Ferreira da Silva, em "Talhamar". São Paulo: Massao Ohno, 1982.


Nascimento do poema
É preciso que venha de longe 
do vento mais antigo 
ou da morte 
é preciso que venha impreciso 
inesperado como a rosa 
ou como o riso 
o poema inecessário. 

É preciso que ferido de amor 
entre pombos 
ou nas mansas colinas 
que o ódio afaga 
ele venha 
sob o látego da insônia 
morto e preservado. 

E então desperta 
para o rito da forma 
lúcida 
tranqüila: 
senhor do duplo reino 
coroado 

de sóis e luas.
- Dora Ferreira da Silva, em "Andanças". São Paulo: Edição da autora, 1970.


Noite
No declive da altura
poço de lumes.

Entre folhas
perpassa um vôo.

(Noite e alma
toque levíssimo
de palmas.)

Uma estrela cavalga a escuridão. 
- Dora Ferreira da Silva, em "Jardins (esconderijos)". São Paulo: Edição da autora, 1979.


Noturno II
Nossos olhos nos pertencem —
não o dia.
Amor não nos pertence
nem a morte.
Apenas pousam na pérola mais fina.
Desce o luar
No flanco de rios precipitados
folhas se alongam
caules estremecem.

A noite já desfere

seu punhal de trevas.
- Dora Ferreira da Silva, em "Andanças". São Paulo: Edição da autora, 1970.


O fogo
O fogo acende-se no próprio nome
sete línguas ardem no coração da rosa
e se alastram pelo jardim
voltando depois ao próprio nome.
Se ao fogo perguntas: “É ele? És tu?”
crepitam centelhas. Um Serafim o abraça
e ao coração.
- Dora Ferreira da Silva, em "Jardins (esconderijos)". São Paulo: Edição da autora, 1979.



Poemas em fuga, de Dora Ferreira da Silva
O vento
Na palma do vento 
pouso a fronte. Nele confio. 
A quem confiaria senão a ele 
este rude labor? 

Abandono-me à tormenta 
(lumes mastros 
gaivotas do mar próximo). 

Enreda-me a noite. 
Mas dele são os dedos leves 

que me fecham os olhos. E é manhã. 
- Dora Ferreira da Silva, em "Jardins (esconderijos)". São Paulo: Edição da autora, 1979.


Partitura com lua
Notação de pássaros
no fio da rua:
mínimas semínimas pausas.
Sobre o piano rosas estremecem.
Cadências de alma sobressaltam um público
desalento e ao relento ressoam
algumas dissonâncias (tropel de potros
presos numa sala). Mas por acaso em pura sinfonia
pássaros refazem a partitura
no heptacorde dos fios da rua.
Ei-la tão plena do dia findo azulado —
a lua soberana e alta
do sono deste outono.
- Dora Ferreira da Silva, em "Poemas em fuga. São Paulo: Massao Ohno, 1997.



Ribeirão das Conchas, minha cidade
Desci a ladeira da rua principal
olhos semicerrados. Sol do meio-dia
despejava luz e sombra nas calçadas.
Não sei para onde eu ia, acho que te procurava
por toda a parte e não te via.

Conchas não é passado
presente futuro.
Conchas é todo mistério:
ruas claras cemitério.
Conchas é amor reencontrado
mudada a fisionomia
de outra tarde outro dia
outra noite com estrelas.

Não sei o que foi então
aquela taquicardia –
meu coração galopava
em alguma direção.
(Houve um tremor de terra
em escala bem modesta).
Era Conchas refletida
num pequeno coração?

E nós duas abraçadas
chegamos ao fim da ladeira
uma sentindo na outra
o tremor da mesma vida.
- Dora Ferreira da Silva, em "Poesia Reunida". Rio de Janeiro: Topbooks, 1999, p. 288.


Ritornello 
Sempre sangrarão as cicatrizes?
                         O sono - irmão caçula da morte
parece um corte vibrado a esmo.
Mendicância-errância se abraçam silenciosamente.

O mito que retorna
encontra-me quase insensível
                         à dor do recomeço.
Tropeço no antigo móvel
e não o reconheço. Foi o destino
que me levou a uma outra casa?
A poltrona insegura desvia a torrente do tempo
quando alguém sentado lia
farrapos da própria alma em autores prediletos.

Tudo o que foi passado
custa a morrer nos meus guardados.
-  Dora Ferreira da Silva, em "Retratos da origem". São Paulo: Roswitha Kempf Editores, 1988.

Dora Ferreira da Silva - foto (...)
FORTUNA CRÍTICA DE DORA FERREIRA DA SILVA
[Estudos acadêmicos - teses, dissertações, ensaios, artigos e livros]
ANDRADE, Fábio Cavalcante de.. A Transparência Impossível: Lírica e Hermetismo na Poesia Brasileira Atual. (Tese Doutorado em Letras). Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, 2008.
CESAR, Constança Marcondes. Dora Ferreira da Silva: caminhos em direção ao sagrado. Revista Portuguesa de Filosofia, T. 67, Fasc. 2, Pensamento Luso-Brasileiro Contemporâneo, 2011, p. 289-303.
DORA Ferreira da Silva. [edição especial dedicado a obra poética de Dora Ferreira da Silva]. 7faces - caderno-revista de poesia, Ano III, 6 edição, jul.-dez. 2012. Disponível no link e link. (acessado em 28.6.2015).
DIRIENZO, Mário. A Garça e a graça - Matizes do branco. in: Revista Agulha. Disponível no link. (acessado em 27.6.2015).
FELIZARDO, Alexandre Bonafim. O lirismos dos afetos e da memória na poesia de Dora Ferreira da Silva. 7 Faces: Caderno-revista de poesia, v. 1, p. 22-38, 2012.
FELIZARDO, Alexandre Bonafim. Dora Ferreira da Silva leitora de Rainer Maria Rilke: aspectos intertextuais. Fronteiraz (São Paulo), v. N.5, p. 15, 2010.
FELIZARDO, Alexandre Bonafim. Aspectos do sagrado na poesia de Dora Ferreira da Silva e Sophia de Mello Breyner Andresen. Claretiano (Batatais), v. 10, p. 7-15, 2010.
FELIZARDO, Alexandre Bonafim. O olhar de Perséfone: finitude e transcendência na poesia de Orides Fontela, Sophia de Mello Breyner Andresen e Dora Ferreira da Silva. São Paulo: Biblioteca 24x7, 2010. 166p.
Retrato de Dora Ferreira da Silva,
por  Anna Barros
FELIZARDO, Alexandre Bonafim. Os jardins de Dora Ferreira da Silva. Diário da manhã, Goiânia, p. 7 - 7, 23 nov. 2014. Disponível no link. (acessado em 28.6.2015).
FELIZARDO, Alexandre Bonafim. Dora Ferreira da Silva leitora de Rainer Maria Rilke: aspectos intertextuais. Revista Fronteiraz nº 5, vol. 5, 2010. Disponível no link e link. (acessado em 28.6.2015). 
FELIZARDO, Alexandre Bonafim. A graça poética do sagrado: a poesia hierofânica de Dora Ferreira da Silva. Revista Agulha, São Paulo - Fortaleza, 01 jul. 2007.
FELIZARDO, Alexandre Bonafim. O lirismo dos afetos e da memória na poesia de Dora Ferreira da Silva. In: II SINALEL - II Simpósio Nacional de Letras e Linguística e I Simpósio Internacional de Letras e Linguística, 2011, Catalão. Anais do II SINALEL. Catalão, 2011. p. 31-41.
FELIZARDO, Alexandre Bonafim. O espaço na poesia de Dora Ferreira da Silva. In: Anais do X Seminário de pesquisa/ IV Simpósio de Literaturado P.P.G. em estudos literário - Diálogos com a crítica de Antonio Candido & Diálogos com a França, 2009. p. 173-183.
FREITAS, Jamille Rabelo de.. Dora Ferreira da Silva e os Ecos de Narciso. Revista Anagrama (USP), v. 5, p. 1-13, 2012. Disponível no link. (acessado em 28.6.2015). 
FREITAS, Jamille Rabelo de.. O mito de Narciso na poesia de Dora Ferreira da Silva. In: II Sinalel - Simpósio Nacional e I Simpósio Internacional de Letras e Linguística: Linguagem, história e memória, Catalão - GO. 2011. p. 424-432. Disponível no link. (acessado em 28.6.2015).
FREITAS, Jamille Rabelo de.. Assim sofreram os deuses, assim sofrem os homens: o mito de Jacinto em Dora Ferreira da Silva. Revista Fronteira Digital, v. 04, p. 06-15, 2012. Disponível no link. (acessado em 28.6.2015).  
FLUSSER, Vilém. Bodenlos: uma autobiografia. São Paulo: Annablume, 2007.
GALVÃO, Donizete. Dora Ferreira da Silva [entrevista]. Revista Cult, maio de 1999. Disponível no link. (acessado em 27.6.2015).
GALVÃO, Donizete. Dora Ferreira da Silva e a chave do sagrado. in: revista Agulha. Disponível no link. (acessado em 27.6.2015).
GALVÃO, Donizete; MARTINS, Floriano. Dora Ferreira da Silva: diálogos sobre poesia e filosofia, recordando Vicente Ferreira da Silva. Entrevista realizada em setembro de 2003. Revista Agulha, 36. São Paulo, Fortaleza. Outubro de 2003. Disponível no link. (acessado em 27.6.2015).
GUIMARÃES, Maria Severina Batista. O canto imantado: um estudo da obra poética de Adélia Prado, Dora Ferreira e Hilda Hilst. (Tese Doutorado em Letras e Linguística). Universidade Federal de Goiás, UFG, 2006.
GUIMARÃES, Maria Severina Batista. Um vôo com Garças: poema de Dora Ferreira da Silva. In: II Encontro Nacional do Grupo de Estudos de Linguagem do Centro Oeste, 2003, Goiânia. Um vôo com Garças: poema de Dora Ferreira da Silva, 2003.
HENNRICH, Dirk-Michael (Org.); TEIXEIRO, Alva Martínez (Org.); AGUIAR, G. (Org.). Vicente e Dora Ferreira da Silva - Uma Vocação Poético-Filosófica.. 1ª ed., Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2015. v. 1. 330p.
HENNRICH, Dirk-Michael. A natureza do homem e a ideia do trans-humano em Vicente Ferreira da Silva e Vilém Flusser.. In: Vicente e Dora Ferreira da Silva - Uma Vocação Poético-Filosófica., 2015, Lisboa. Vicente e Dora Ferreira da Silva - Uma Vocação Poético-Filosófica.. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2013. v. 1. p. 159-181.
KRAUSE, Gustavo Bernardo. O sagrado e o profano: obra de Dora Ferreira da Silva aponta para a hierofania - resenha do livro Poesia reunida, de Dora Ferreira da Silva. Jornal do Brasil - Suplemento Idéias, Rio de Janeiro, , v. 1, p. 5 - 5, 25 dez. 1999.
KUJAWSKI, Gilberto. Dora Ferreira da Silva volta a chamar a atenção com Hídrias. in: revista Agulha. Disponível no link. (acessado em 27.6.2015).
LOPES, Marcos Aparecido. Notas para a exegese de um poema de Dora Ferreira da Silva. In: Salma Ferraz. (Org.). Pólen do Divino. Blumenau; Florianopólis: Edifurb; FAPESC, 2011, v., p. 139-146.
MATEUS, Victor Oliveira. Devir e mesmidade na poesia de Dora Ferreira da Silva. Revista Triplov de Artes, Religiões e Ciências, Nova Série, nº 14, 2011. Disponível no link. (acessado em 28.6.2015).
MARTINS, Floriano. Poetas em Fuga. Especial para o Sábado, Jornal O Povo 28-02-1998/ in: revista Agulha. Disponível no link. (acessado em 27.6.2015).
MARTINS, Floriano. Em honra da poesia: a obra de Dora Ferreira da Silva. Jornal da Tarde 04.09.1999/in: revista Agulha. Disponível no link. (acessado em 27.6.2015).
MOURÃO, Gerardo Mello. Poesia, poeta, poema. introdução ao livro "Poesia Reunida", de Dora Ferreira da Silva./in: revista Agulha. Disponível no link. (acessado em 27.6.2015).
PETRÔNIO, Rodrigo. Mosaico de mitos: Cartografia do Imaginário de Dora Ferreira da Silva. in: revista Agulha. Disponível no link. (acessado em 27.6.2015).
PINTO, Manuel da Costa. O rito da forma. Folha Ilustrada, FSP, 22 de abril de 2006. Disponível no link. (acessado em 27.6.2015).
PIRES, Antônio Donizeti. O canto órfico de Dora Ferreira da Silva. In: Karin VOLOBUEF; Roxana Guadalupe HERRERA ALVAREZ; Norma WIMMER. (Org.). Dimensões do fantástico, mítico e maravilhoso. São Paulo - SP: Cultura Acadêmica, 2011, v. 1, p. 103-137.
ROCHA, Priscilla da Silva. Mitos gregos: o teor sagrado das hídrias de Dora Ferreira da Silva. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal de Uberlândia, UFU, 2009. Disponível no link. (acessado em 28.6.2015).
ROMERA, Maria Lucia Castilho. Sem título (dor sobre papel): reflexões psicanalíticas sobre poemas de Dora Ferreira da Silva. In: II Coloquio Internacional Vicente e Dora Ferreira da Silva / III Seminário de Poesia: poesia, filosofia e imaginário, 2015, Uberlândia/MG. Programa e Caderno de Resumos. Uberlândia/MG: UFU / ILEEL, 2015. v. 1. p. 143-145.
ROQUE, Maura Voltarelli. O diálogo com o invisível na poética do entrelugar de Dora Ferreira da Silva. (Dissertação Mestrado em Teoria e História Literária). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2014. Disponível no link e link. (acessado em 28.6.2015). 
SOUZA, Enivalda Nunes Freitas e.. Dora Ferreira da Silva e Carlos Drummond de Andrade: a sagração da poesia e da amizade na Trilogia da mangueira. O Eixo e a Roda (UFMG), v. 23, p. 51-68, 2014.
SOUZA, Enivalda Nunes Freitas e.. Muitas imagens para um único lugar: a evocação do espaço mítico em Dora Ferreira da Silva. in: XIV Abralic, anais eletrônicos. 24-26 de setembro de 2014. Disponível no link. (acessado em 28.6.2015). 
Dora Ferreira da Silva - foto (...)
SOUZA, Enivalda Nunes Freitas e; COSTA, Soraya Borges. Integração pela palavra: caos e cosmo na poesia de Cecília Meireles e Dora Ferreira da Silva. Cerrados (UnB. Impresso), v. 20, p. 171-191, 2011.
SOUZA, Enivalda Nunes Freitas e; COSTA, Soraya Borges. Estátuas, um mysterium tremendum, em Cecília Meireles e Dora Ferreira da Silva. Scripta (PUCMG), v. 15, p. 115-130, 2011. Disponível no link. (acessado em 28.6.2015). 
SOUZA, Enivalda Nunes Freitas e.. "Igreja de ouro Preto", de Dora Ferreira da Silva: mitocrítica de um herói assombrado. Revista da ANPOLL, v. 28, p. 75-102, 2010. Disponível no link. (acessado em 28.6.2015). 
SOUZA, Enivalda Nunes Freitas e.. Flores de Perséfone: a poesia de Dora Ferreira da Silva e o sagrado. 1ª ed., Goiânia - GO: Cânone Editorial, 2013. v. 1. 204p.
SOUZA, Enivalda Nunes Freitas e.. A memória no poema de Dora Ferreira da Silva. In: Josalba Fabiana dos Santos; Carlos Magno Gomes; Ana Leal Cardoso. (Org.). Registros Literários: memórias e crimes. 1ª ed., Curitiba: Appris, 2014, v. 1, p. 177-197.
SOUZA, Enivalda Nunes Freitas e.. Prisioneira de um mito: Perséfone em Dora Ferreira da Silva. In: Enivalda Nunes Freitas e Souza; Soraya Borges Costa. (Org.). Reflexos e sombras: arquétipos e mitos na literatura. Goiânia - GO: Cânone Editorial, 2011, v. 1, p. 123-138.
SOUZA, Enivalda Nunes Freitas e.. A poesia do illud tempus: introdução a arquétipos de Dora Ferreira da Silva. In: YOKOSAWA, Solange Fiuza Cardoso; PIRES, Antônio Donizeti.. (Org.). O legado moderno e a (dis)solução contemporânea (Estudos de poesia). 1ª ed., São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011, v. 1, p. 177-199.
SOUZA, Enivalda Nunes Freitas e.. A hierofania do inconsciente e o arquétipo da criança em Dora Ferreira da Silva. In: XII Simpósio Nacional de Letras e Linguistica, II Simpósio Internacional de Letras e Linguistica, 2009, Uberlândia-MG. Anais do SILEL. Uberlândia - MG: EDUFU, 2009. v. 1. p. 1-6.
TEIXEIRO. Alva Martínez. “Ruínas fumegantes e cisternas do nada – A invulgar intimidade com a experiência da citadina paisagem burguesa na poesia de Dora Ferreira da Silva e Sophia de Mello Breyner Andresen”. em: Alva Martínez Teixeiro, Dirk-Michael Heinnrich, Giancarlo de Aguiar (coord.): Vicente e Dora Ferreira da Silva – Uma vocação poético-filosófica. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2015, pp. 101-126.
TEIXEIRO. Alva Martínez. “Poemas de um certo Ocidente: as mitografias líricas de Dora Ferreira da Silva”. Anais do ILEEL, 1, 1, Uberlândia, ILEEL-UFU, 2015, pp. 1-12. 
TEIXEIRO. Alva Martínez. “No tempo além do tempo – O pensamento poético do passado como autêntico futuro em Hídrias”. em: Enivalda Nunes Freitas e Souza (org.): Poesia com deuses: estudos de Hídrias, de Dora Ferreira da Silva, Rio de Janeiro, 7Letras / FAPEMIG, 2016, pp. 36-49.
WILLER, Claudio. Encarnações da poesia. in: revista Agulha, abril de 2006. Disponível no link. (acessado em 27.6.2015).


Em mãos fechadas 
Em mãos fechadas 
quis preservar o infinito 
elas não se abriram 
continham uma vida sem além 
cerrada sobre o finito. 
Soluça o engano 
lágrimas tão desatinadas 
escorrendo na face do nada. 
Nada disse. O que diria 
à surdez de um destino? 
Lívida parada fiquei 
e lentamente me afastei 
como se apaga o som de um sino
- Dora Ferreira da Silva, em "Cartografia do imaginário". São Paulo: T.A. Queiroz, 2003, p. 136. 


Dora Ferreira da Silva - foto (...)
BLOG
:: Dora Ferreira da Silva (administrado por Lucilaine de Fátima)


NA REDE
:: Vozes femininas


REFERÊNCIAS E OUTRAS FONTES DE PESQUISA
:: Antonio Miranda
:: Jornal de poesia - revista Agulha
:: Memorial SP

© Direitos reservados ao autor/e ou ao seus herdeiros

© Pesquisa, seleção e organização: Elfi Kürten Fenske


=== === ===
Trabalhos sobre o autor:
Caso, você tenha algum trabalho não citado e queira que ele seja incluído - exemplo: livro, tese, dissertação, ensaio, artigo - envie os dados para o nosso "e-mail de contato", para que possamos incluir as referências do seu trabalho nesta pagina. 

Como citar:
FENSKE, Elfi Kürten (pesquisa, seleção e organização). Dora Ferreira da Silva - a demiurga mítica e lírica. Templo Cultural Delfos, junho/2015. Disponível no link. (acessado em .../.../...).
____
** Página atualizada em 7.6.2016.




Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2016 Templo Cultural Delfos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!