Chico Anysio - entrevistado por Lucas Neves

Chico Anysio - foto: (...)
Por boa parte dos anos 70, a ensolarada (e fictícia) Chico City foi a capital nacional do riso. Era para lá que, semanalmente, Pantaleão levava uma legião de telespectadores ávidos por ouvir suas lorotas, enquanto o prefeito Valfrido Canavieira preparava mais uma jogada populista. O som de Baiano e os Novos Caetanos embalava os comícios. 
Pois os personagens de Chico City e outros se recolheram ao longo das últimas décadas, e restou Chico Anysio, 76. É a figura de um comediante saudosista e desanimado (amargurado talvez?) que aparece na entrevista desta página e em "Chico Anysio É", documentário inédito que o Canal Brasil mostra nesta quinta, dia 29, às 23h [29 de março de 2007]. "Meu único prazer no momento é acordar. Quero mais é menos", disse ele, que sofre de enfisema pulmonar, à FOLHA. 
Com a carreira televisiva restrita a participações especiais (está na novela global "Pé na Jaca") e sem atuar em um filme há 11 anos (desde "Tieta"), Anysio prefere evocar os tempos de rádio Guanabara, no Rio. Ali, a partir de 1947, foi programador de boleros na madrugada, rádio-galã, humorista e comentou jogos do "Expresso da Vitória" vascaíno. Dez anos depois, estreava na TV Rio com o "Noite de Gala". 
Em 1968, migrou para a Globo, onde emendou "Balança, mas Não Cai", "Chico Anysio Show", "Escolinha do Professor Raimundo" e outros. Se o humor se renovou ou não nas últimas quatro décadas, não lhe interessa. "O humor não tem que ser julgado por ser novo ou velho, mas por ser bom ou ruim", defende. "O povo prefere piada que já conhece." Leia abaixo os principais trechos da entrevista.  

Lucas Neves - Nos intervalos da carreira de ator, o sr. compôs músicas como "Rio Antigo" e "Choro Louco". No documentário "Chico Anysio É", diz que "Águas de Março" também deveria ter sido criação sua. Por quê? 

Chico Anysio - Porque o Tom Jobim era um homem da cidade, do asfalto de Ipanema. Eu fui um cara do interior, então eu vi o tijolo chegando para a construção, sei que só podia caiar [pintar] a casa depois das águas de março. Eu vi febre terçã. É feito "A Banda": o Chico [Buarque] nunca viu a banda passar. Ele descreveu perfeitamente, mas por talento, e não experiência.

Lucas Neves - O documentário lembra também seu trabalho como escritor, pintor, diretor de cinema e comentarista esportivo. A qual dessas atividades gostaria de ter dedicado mais tempo? 

Chico Anysio - À pintura. Porque teria tido mais tempo para aprender, para melhorar. Teria mais tempo para me tornar conhecido e aceito, para vender meus quadros por um preço melhor. Cheguei a admitir que a pintura seria meu emprego da velhice, mas não vai ser, porque ninguém está comprando nada de obra de arte, e pintar para guardar é terrível.


Chico Anysio - foto: Leonardo Wen
Lucas Neves - Não dá para seguir pintando por prazer? 
Chico Anysio - Tenho 76 anos. Meu único prazer no momento é acordar. Quero mais é menos.

Lucas Neves - O começo de sua carreira, foi na rádio Guanabara. Em 2000, um crítico escreveu que, passados mais de 50 anos, o sr. ainda insistia no humor radiofônico (de bordões e piadas repetidas). Esse humor ainda tem vez?

Chico Anysio - Vou lhe dizer uma coisa. Só acredito no humor falado. Não acredito no visual. E, se uma pessoa quiser me dizer que o humor visual é melhor que o falado, que tente me dizer sem falar. Essa frase é do Millôr [Fernandes]. O humor falado é o que fica.

Lucas Neves - Qual o futuro do humor brasileiro? 

Chico Anysio - Não tenho a menor idéia, por uma razão: não assisto. Sou um cara de língua solta e não quero dar palpite. Eu ando pelo Brasil todo e só ouço reclamação. Todo mundo reclama do "Zorra Total", do "Casseta e Planeta", da "Praça É Nossa". Eu prefiro não ver. Se quisessem palpite, pediriam para mim. Mas ninguém me pergunta, ninguém quer saber, cada um sabe o que tem que fazer...

Lucas Neves - O sr. se ressente de não ser consultado sobre os humorísticos? 

Chico Anysio - Não, não. Não me ressinto de nada. Há 20 anos, eu imaginava o seguinte: "Quando não puder mais trabalhar, vou ser supervisor do humor da casa". E aí [risos] esse cara foi o Guel Arraes, não fui eu. Mas não fiquei com bronca do Guel.

Lucas Neves - Como o senhor avalia o trabalho dele? 

Chico Anysio - Não avalio porque não vejo. O que vi, gostei, que foi "A Comédia da Vida Privada". Cada um tem seu jeito, né? Mas deve ser o que a Globo mais gosta...

Lucas Neves - Tem algum projeto de programa? 

Chico Anysio - Eu e meu irmão [Elano de Paula] fizemos a novela da terceira idade. A nossa intenção era que ela fosse ao ar às 17h. O meu irmão chamou o Daniel Filho e perguntou: "Do que é que o público mais gosta em novela?". Ele respondeu: "Repetição. Quanto mais você repetir, melhor". Dá a impressão de que é um exagero, né? Mas fiz há pouco "Sinhá Moça" e gravei pelo menos umas 14 cenas que eram a mesma coisa. Acho que cada novelista tem só uma história. No humor, é a mesma coisa. O povo prefere a piada que já conhece. Em 1948, Haroldo Barbosa, Antônio Maria, Jota Ruy, eu e outros combinamos que o nosso humor, o humor brasileiro, seria o de quadros e personagens que se repetem semanalmente. Não é novo nem velho. É o humor que existe. Ele não tem que ser julgado por ser novo ou velho, mas por ser bom ou ruim.

Lucas Neves - Em ensaio publicado na "Vanity Fair" e reproduzido na Folha, o escritor inglês Christopher Hitchens defendeu que as mulheres não são engraçadas porque não precisam desse atributo na conquista amorosa. Como o sr. vê essa tese? 

Chico Anysio - Acho que ele exagera. Mas tem um fundo de verdade. As mulheres atraem pela beleza, e os homens, pelo humor. Um cara mal-humorado não há mulher que suporte. Um bem-humorado pode até ser meio feio que ela suporta. Eu até me vali muito disso na minha vida... Acho que a mulher não gosta tanto de fazer humor porque não gosta de aparecer feia; o homem não se incomoda.


Chico como Professor Raymundo, um de seus personagens
 mais conhecidos - foto: Reprodução/Globo
Lucas Neves - No mesmo artigo, Hitchens afirma que, em termos de humor, obscenidade e sujeira são "o que os clientes querem". O senhor viu o filme "Borat"? Como vê esse humor que combina escatologia, escracho e incorreção política? 
Chico Anysio - Não vi o filme. Não concordo com esse humor grotesco, com esses atrevimentos. O meu humor é manso, falado, leva uma mensagem. Quando estava no "Zorra Total", me sentia deslocado, fora do meu habitat. Eu criei aquele programa, mas não era para ser assim.

Lucas Neves - Havia excessos? 
Chico Anysio - Todos. Aquelas modelos de biquíni em uma festa a rigor eram um absurdo. Tem um erro muito grande ali.

------
Entrevista publicada originalmente na Folha de São Paulo, 25 de março de 2007.


OUTRAS ENTREVISTAS PUBLICADAS NO SITE: Veja aqui!


© Direitos reservados ao autor/e ou ao seus herdeiros
____
Página atualizada em 14.4.2013



Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2016 Templo Cultural Delfos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!