"A arte é o espelho da pátria.
O país que não preserva os seus valores culturais j
amais verá a imagem de sua própria alma."
- Chopin

Sérgio Buarque de Holanda – raízes do Brasil

Sergio Buarque de Holanda
"Não se deve confundir 'cordialidade' com 'boas maneiras'. (...) O 'homem cordial' não pressupõe bondade, mas somente o predomínio dos comportamentos de aparência afetiva, inclusive suas manifestações externas, não necessariamente sinceras nem profundas, que se opõem aos ritualismos da polidez."


São Paulo, 11 de julho de 1902 — São Paulo, 24 de abril de 1982. Jornalista, sociólogo e historiador nascido em São Paulo, um dos maiores intelectuais brasileiros do século XX, que tentou interpretar o Brasil, sua estrutura social e política, a partir das raízes históricas nacionais. Antes de se tornar historiador e escrever, foi jornalista e tornou-se amigo dos principais representantes do Modernismo, como Mário de Andrade e Oswald de Andrade, e passou a escrever em revistas ligadas ao movimento. Além disso, trabalhou em agências de notícias internacionais e diversos órgãos da imprensa brasileira, como o “Jornal do Brasil” e a “Folha de S. Paulo”, durante muitos anos da sua vida. Mudou-se com a família para o Rio de Janeiro (1921) e participou ativamente do Movimento Modernista (1922).
Sergio Buarque de Holanda
Formou-se em Direito (1925), pela extinta Universidade do Brasil, mas continuou exercendo o jornalismo e chegou a ser correspondente internacional dos Diários Associados, na Europa. Entrou em contato com o movimento modernista europeu, conheceu a obra do sociólogo alemão Max Weber e presenciou a ascensão do nazismo na Alemanha. De volta ao Brasil (1936), passou a ensinar História Moderna e Contemporânea na então Universidade do Distrito Federal e publicou o seu clássico Raízes do Brasil(1936). Distraído, emotivo e irônico, Sérgio Buarque lia em seis línguas, cantava tango em alemão e samba em latim. Em suas conversas nunca se sabia onde ia parar: Roma, Estados Unidos, Idade Média ou Brasil Colônia. Foi diretor do Museu Paulista, professor da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, das Universidades de Roma, Harvard, Columbia, Yale e outras.
Prestigiado internacionalmente, foi para a Itália (1952) e fez parte da cadeira de Estudos Brasileiros na Universidade de Roma, durante dois anos. Tornou-se catedrático de História da Civilização Brasileira, USP (1958), onde permaneceu até requerer sua aposentaria como professor (1969), em solidariedade aos colegas afastados pela ditadura. Foi casado com Maria Amélia Alvim Buarque de Holanda, a Memélia, com quem teve sete filhos: Heloísa Maria (Miucha), Sérgio Filho (Sergito), Álvaro Augusto, Francisco (Chico), Maria do Carmo, Ana Maria e Maria Cristina, e faleceu na cidade de São Paulo. Dentre as suas obras merecem ainda destaque Cobra de Vidro (1934), Monções (1945) e Visão do Paraíso (1958).


HOLANDA, SÉRGIO BUARQUE DE (1902 - 1982)
Comentário crítico*
Embora mais conhecido como historiador, Sérgio Buarque é também importante crítico literário, tendo atuado em revistas modernistas e militado em vários suplementos e rodapés literários. Certamente essas duas facetas da produção intelectual de Sérgio Buarque não aparecem de modo tão radicalmente separadas e, volta e meia, pode-se reconhecer na produção ensaística do historiador a presença do estudioso da literatura e vice-versa. Basta lembrar sua tese de cátedra, Visão do Paraíso, as associações imaginárias e projeções do Novo Mundo com o encontro do paraíso terreal.
Sergio Buarque de Holanda, por Bertoni
Como nota Walnice Nogueira Galvão, nesse "livro, embora ninguém possa negar que se trata de um marco na historiografia, a contribuição dos estudos literários é enorme [...]". É sabido também que suas concepções sobre o Brasil expostas em sua obra mais conhecida, Raízes do Brasil, vêm a encontrar repercussão em contribuições decisivas da crítica literária brasileira para a cultura, como um clássico estudo de Antonio Candido (1918) sobre Manuel Antonio de Almeida (1831-1861) (Dialética da Malandragem) e os de Roberto Schwarz (1938) sobre Machado de Assis (1839 - 1908).
A atuação de Sérgio Buarque como crítico literário antecede o modernismo , com a publicação de artigos e crônicas nos anos de 1920 a 1922, nas páginas do jornal Correio Paulistano e das revistas A Cigarra e Fon-Fon, nos quais já se opõe ao repertório da velha crítica, externando convicções antipassadistas, que seriam abraçadas pelo futuro movimento. Sergio Buarque abre, assim, o caminho dos novos e estabelece uma primeira medida crítica que funciona como referência estética aos propósitos de ruptura modernista. No primeiro informe sobre o grupo paulistano, alerta para o embate que se anuncia entre os que, na ocasião, chama de beletristas e seus adversários futuristas.
Com a repercussão da Semana de 22, Sérgio vai fortalecer suas convicções antipassadistas e dar provas de sua cumplicidade na avaliação do ideário estético modernista, divulgando as manifestações dos integrantes da Semana, em notas e comentários publicados no periódico Mundo Literário e colaborando para as revistas modernistas como Klaxon e Terra Roxa. De acordo com Antonio Arnoni Prado, "não foi pequena a contribuição intelectual de Sérgio Buarque de Holanda nessa etapa da trajetória de 22. O diálogo iniciado com Blaise Cendrars (1887 - 1961), a criação da revista Estética, com Prudente de Moraes Neto (1895 -1 961), a revelação das fontes poéticas de Manuel Bandeira (1886 - 1968), a valorização precoce da estrutura sem unidade do João Miramar de Oswald de Andrade (1890 - 1954), o reconhecimento de um complexo arte-crítica-pesquisa em expansão na obra de Mário de Andrade (1893 - 1945)" são alguns dos exemplos a serem citados.
Sergio Buarque de Holanda
Toda sua produção crítica, incluindo os ensaios juvenis, é recolhida postumamente em dois volumes organizados por Arnoni Prado, sob o título de O Espírito e a Letra: Estudos de Crítica Literária (1948-1959). Mas, ainda em vida, Sérgio Buarque publica parte desses estudos em dois livros: Cobra de Vidro e Tentativas de Mitologia. Surpreendem nesses estudos a erudição e a abrangência temática, incluindo notícias de lançamentos, como é próprio dos rodapés literários. Tais estudos vão desde as análises detidas de poemas (nos seus aspectos temáticos e formais) até a consideração de questões mais amplas, como o romantismo ou o americanismo. A gama variada de autores e obras abordadas inclui nomes nacionais e estrangeiros, como Franz Kafka (1883-1924), Carlos Drummond de Andrade (1902 - 1987), Ezra Pound (1885-1972), Lima Barreto (1881 - 1922), Gilberto Freyre (1900 - 1987), André Gide (1869-1951), João Cabral de Melo Neto (1920 - 1999) e Thomas Hardy (1840-1928), entre muitos outros, sem falar no insistente diálogo com os modernistas.
Arnoni Prado considera como contribuições definitivas desse conjunto impressionante de artigos e ensaios a discussão inovadora de método e funções, com bibliografia atualizadíssima; a concepção da literatura como forma privilegiada de conhecimento; e a fidelidade aos deveres do crítico, ao acompanhar e questionar tudo o que cada geração vai sucessivamente realizando em literatura. No diagnóstico das principais tendências poéticas e críticas do período, surpreende o debate em torno dos ideais dos new critics e da recepção dessa corrente crítica norte-americana no Brasil. Como nota, mais uma vez, Arnoni Prado, a "discussão da teoria literária de língua inglesa" promovida por Sérgio Buarque, "como um contraponto da influência francesa que nos subjugava", resulta em "uma das mais fecundas avaliações do new criticism jamais feitas no Brasil".
Sergio Buarque de Holanda
Ao longo dos anos 1940 e 1950, Sérgio Buarque produz também vários capítulos para uma projetada obra sobre o barroco e o arcadismo que deixa inacabada e também só é publicada postumamente, com o título de Capítulos de Literatura Colonial. A pedido da viúva de Sérgio Buarque, Maria Amélia Buarque de Holanda, esse volume póstumo é organizado por Antonio Candido, que esclarece no prefácio a procedência do material aí reunido. Salvo um escrito panorâmico sobre a literatura colonial, feito talvez para palestra ou curso e recolhido em apêndice, as partes elaboradas ou rascunhadas destinam-se com certeza ao volume Literatura Colonial, que seria o 7º volume da História da Literatura Brasileira planejada no início dos anos 1940 por Álvaro Lins (1912-1970) para a Livraria Editora José Olympio, com a colaboração de importantes nomes como Roberto Alvim Correia, Astrojildo Pereira (1890-1965), Aurélio Buarque de Holanda (1910-1989), Alceu Amoroso Lima (1893-1983) e Otávio Tarquínio de Souza (1889-1959). Do planejado, entretanto, só são publicados dois volumes: o de Lúcia Miguel-Pereira (1901-1959), sobre a prosa de ficção, e o de Luís da Câmara Cascudo (1898-1986), sobre a literatura oral.
Sérgio Buarque continua a escrever e reelaborar os capítulos e chega a anunciar, em edições de outros de seus livros, uma obra em preparo com título de A Era do Barroco no Brasil (Cultura e Vida Espiritual nos Séculos XVII e XVIII) em três volumes, que deveriam incluir tais capítulos, mas não chegam a ser concluídos e lançados em vida. Na publicação póstuma, esses capítulos compreendem estudos sobre a poesia épica do período colonial (tratando do ideal heróico, das epopéias sacras, do mito americano e da Arcádia heróica), sobre o ideal arcádico e sobre Cláudio Manuel da Costa (1729-1789). Em apêndice, Candido inclui, além do Panorama sobre a Literatura Colonial, um estudo inacabado sobre Pe. Antonio Vieira (1608-1697).
Na apreciação de conjunto desses capítulos, o organizador chama a atenção para a maneira independente de conceber o período na sua relação com as literaturas matrizes e o relevo dado a certas obras e autores. Em termos metodológicos, Sérgio Buarque obedece a um sentido de continuidade vertical dos estilos de época, sem se amarrar ao corte horizontal das divisões de período (barroco, arcadismo...). Segundo Antonio Candido, "Sérgio acha que o Arcadismo e seu humanismo inovador foi um fato isolado, que nem repercutiu imediatamente, nem cortou o florescimento das tendências ligadas ao Barroco tardio". As análises inovam, também, ao demonstrar, na produção literária do período colonial, a profunda influência do poeta italiano Giambattista Marino (1569-1625), sobretudo, de sua obra La Strage degli Innocenti.
Sergio Buarque de Holanda, por (...)
A parte mais extensa do livro póstumo é um capítulo de mais de 250 páginas sobre Cláudio Manuel da Costa, considerado o mais profundo e original da crítica brasileira pelo organizador, que define o método empregado como "pesquisa da constituição do texto". E explica: "Não se trata da análise típica, voltada para dentro [...], mas de uma análise que parte do texto e se expande para fora dele, procurando vincular as suas expressões, os seus temas, a sua visão do mundo a fontes e análogos, de maneira a situá-lo num vasto tecido de cultura que mostra, ao mesmo tempo a sua singularidade e a sua integração em contextos gerais.
Para Candido, Sérgio demonstra que a literatura brasileira da Colônia é parte, ou seja, se integra à perspectiva mais ampla das literaturas do ocidente da Europa, apesar de apresentar alguns traços distintivos que lhe são peculiares. Esse olhar, por sua vez, se opõe e desconstrói um "nacionalismo estratégico" adotado pela crítica literária como forma de afirmação da identidade brasileira pós-independência.
No mesmo período em que se encontra envolvido com os estudos sobre a literatura colonial, Sérgio Buarque elabora uma conhecida antologia da produção poética do período (Antologia dos Poetas Brasileiros da Fase Colonial), que é parte do projeto realizado pelo Ministério da Educação, ao qual pertencem também as duas organizadas por Manuel Bandeira (sobre a poesia do romantismo e a do parnasianismo) e uma por Andrade Muricy (1895-1984) (sobre o simbolismo).
Sobre a qualidade estilística da prosa ensaística (historiográfica ou crítico-literária) de Sérgio Buarque de Holanda, nota Walnice Galvão: "Característica que perpassa a obra de ponta a ponta é a perícia estilística: estamos diante de um verdadeiro escritor, sem prejuízo dos méritos científicos daquilo que escreve. Em suma, um mestre da prosa, com certo pendor castiço e até clássico, ou classicizante, como que absorvendo a atmosfera linguística das fontes primárias que tanto prezava".
*Fonte: Enciclopédia literatura brasileira - Itaú Cultural.



Sérgio Buarque de Holanda acompanhado de seus filhos: Álvaro, Francisco, Sérgio Filho, Maria do Carmo, Heloísa Maria, sua esposa Maria Amélia, sua neta Isabel Oliveira Gilberto (Bebel) no colo de Maria Cristina, Ana Maria e sua irmã Cecília, em sua residência à Rua Buri, por ocasião das comemorações de seu Aniversário.São Paulo, 11/07/1974. (foto Acervo SBH/UNICAMP)



"iluminar o presente com o passado, ou vice-versa"
- Sergio Buarque de Holanda


CRONOLOGIA
1902 - Nasce Sérgio Buarque de Holanda, em 11 de julho, em São Paulo, filho de Christovam Buarque de Holanda, professor de botânica, e Heloisa Gonçalves Buarque de Holanda.
O menino Sergio Buarque de Holanda
1902/1920 - A infância é vivida em diversos endereços tradicionais da cidade, com constantes mudanças. A primeira escola na qual ingressa é o Colégio Progresso Brasileiro. Em seguida, estuda no Caetano de Campos. A maior parte do ginásio é cursada no Colégio de São Bento, onde um de seus amigos é Alcântara Machado (1901 - 1934). Tem a dança entre os seus principais divertimentos, e frequenta os clubes Paulistano, Trianon e outros em Campinas, além de varar a noite em maratonas de dança.
1911 – Sua primeira obra é uma valsa, aos 9 anos, compõe Vitória Régia, publicada pela Revista Tico-Tico.
1918/1920 - Convive com colegas imersos em assuntos culturais, como o jornalista e poeta Guilherme de Almeida (1890 - 1969), o jornalista, escritor e professor Antonio Carlos Couto de Barros (1896 - 1966) e o historiador e bibliófilo Rubens Borba de Moraes (1899 - 1986). Os encontros se dão na confeitaria Fazzolli, na rua São Bento, com participação de Sérgio Milliet (1898 - 1966). Nessa época, Holanda inicia amizade com Mário de Andrade (1893 - 1945) e Oswald de Andrade (1890 - 1954).
1920 - Sai seu primeiro artigo no Correio Paulistano, por interferência do escritor e historiador Afonso de Taunay (1876 - 1958).
1921 - Sua família muda-se definitivamente para o Rio de Janeiro e se fixa na Gávea. Matricula-se na faculdade de direito da Rua do Catete. Na faculdade torna-se amigo do jornalista e escritor Prudente de Morais Neto (1904 - 1977) e do ensaísta, historiador, jurista e político Afonso Arinos de Mello Franco (1905 - 1990).
1922 - É nomeado pelo grupo modernista de São Paulo como representante da Revista Klaxon no Rio de Janeiro.
Sérgio Buarque de Holanda, autografando o livro
"Velhas Fazendas do Vale do Paraíba",
na Fazenda do Pasin. Roseira(SP), 1975.
1924/1926 - Com Morais Neto e Graça Aranha (1868 - 1931), funda a revista modernista Estética, de curta existência, com apenas três números. É apresentado por Américo Facó (1885 - 1953) à Agência Havas, onde produz matérias sobre o Brasil para a imprensa internacional. Transfere-se para a United Press, e se torna amigo de Múcio Leão (1898 - 1969) e Austregésilo de Ataíde (1898 - 1993). Ao mesmo tempo colabora com O Jornal, dirigido por Assis Chateaubriand (1892 - 1968). Conhece Alceu Amoroso Lima (1893 - 1983), o Tristão de Athayde. Em Minas Gerais, a serviço de O Jornal conhece a geração modernista mineira: Carlos Drummond de Andrade (1902 - 1987), Pedro Nava (1903 - 1984), Emilio Moura (1902 - 1971) e João Alphonsus (1901 - 1944). Em 1925, Bacharelou-se em direito pela Universidade do Brasil.
1927 - Aceita a proposta de dirigir o jornal O Progresso, em Cachoeiro do Itapemirim, Espírito Santo.

1928 - Volta ao Rio e retoma os trabalhos na agência United Press e em O Jornal, assinando reportagens e uma crônica diária.
1929 - Vai para a Alemanha, Polônia e Rússia, como enviado de O Jornal, por Chateaubriand. Em setembro vai à Polônia. Regressando a Berlim, a Embaixada o indicou para trabalhar na Revista "Duco", redigida em alemão e português e especializada nas relações comerciais teuto-brasileiras. Depois, recomendado pelo consulado, traduziu scripts de vários filmes da Ufa. Entre eles, o Anjo Azul. Sem muito compromisso, assiste a aulas com o professor Friedrich Meinnecke de história e ciências sociais na Universidade de Berlim.
1930 - Regressando a Berlim, a Embaixada o indicou para colaborar na Revista Brasilianische Rundschau, do Conselho do Comércio Brasileiro de Hamburgo. Depois, recomendado pelo consulado, traduziu scripts de vários filmes da Ufa. Entre eles, o Anjo Azul. Sem muito compromisso, assiste a aulas com o professor Friedrich Meinnecke de história e ciências sociais na Universidade de Berlim.
Sergio Buarque de Holanda
1931/1935 - No Rio, retoma o jornalismo e o trabalho nas agências telegráficas Havas, Agência Brasileira, United Press. É diretor de sucursal do Jornal de Minas, fundado e orientado por Virgílio de Mello Franco (1897 - 1948) e Afonso Arinos. Entre seus escritos, surge um conto na Revista Nova: Viagem a Nápoles (1931). Em 1935 na Revista Espelho, Holanda publica “Corpo e Alma do Brasil” um estudo no qual despontam algumas das proposições que seriam apresentadas no seu primeiro livro Raízes do Brasil.
1936 - É assistente dos professores Henri Hauser (1886 - 1946), na cadeira de história moderna e econômica, e de Henri Tronchon, na cadeira de literatura comparada na Universidade do Distrito Federal, Rio de Janeiro. Colabora em "Em Memória de Antonio Alcântara Machado". Colabora no volume em homenagem aos 50 anos de Manuel Bandeira. Publica Raízes do Brasil, inaugurando a série Documentos Brasileiros, dirigida por Gilberto Freyre (1900 - 1987), pela Editora José Olympio.
1937 - Após a partida dos professores franceses, assume as cadeiras de história da América e de cultura luso-brasileira. Convidado por Gustavo Capanema (1900 - 1985), faz parte da Comissão de Teatro do Ministério da Educação. Transfere-se da United para a Associates Press, como redator-chefe. Nasce em 30 de novembro sua filha Miucha (Heloisa Maria).
1939 - Extinta a Universidade do Distrito Federal, Buarque de Holanda passa a trabalhar no Instituto Nacional do Livro - INL, recém-fundado no Ministério da Educação, a convite de seu diretor, Augusto Meyer, assumindo a Seção de Publicações. No Instituto, trabalhavam, entre outros, com Mário de Andrade, Américo Facó, Liberato Soares Pinto, Chico Barbosa, Eneida e José Honório Rodrigues, Souza da Silveira e Manuel Said Ali. Desliga-se da Associated Press. Escreve o prefácio de Suspiros Poéticos e Saudades, de Gonçalves de Magalhães (1811 - 1882), edição do Ministério da Educação. Começa a Guerra.
1940 - Principia a seção de crítica literária no Diário de Notícias. Estreita sua grande amizade com Octavio Tarquinio de Sousa e Lúcia Miguel Pereira. Muda-se para o apartamento do Lido e logo nasce seu filho Sergio (Sergito) em 20 de abril.
1941 - Traduz Memórias de um Colono no Brasil, do suíço Thomas Davatz. A convite do State Departament, viaja para os Estados Unidos, visita Nova York, Washington, Chicago e faz palestras na Universidade de Wyoming.
Sergio Buarque de Holanda
1942 - Nasce seu filho Álvaro Augusto, em 3 de janeiro. Inicia relações pessoais com Caio Prado Jr. (1907 - 1990) e publica a tradução de Etnologia Sul-Americana: Círculos Culturais e Estratos Culturais na América do Sul, de Wilhelm Schmidt (1868 - 1954).
1943 - Viaja para Belo Horizonte, em grupo organizado por Vinicius de Moraes (1913 - 1980), a convite do futuro presidente da república Juscelino Kubitschek (1902 - 1976), então prefeito da cidade. Estada em São Paulo coincidindo com a de Octávio Tarquinio e Lúcia. Em almoço oferecido pelo editor José de Barros Martins, quando conhece o jovem Antonio Candido (1918), de quem se torna amigo.
1944 - Nasce seu filho Chico Buarque (Francisco) compositor e escritor, em 19 de junho. Holanda trabalha na Biblioteca Nacional, dirigindo a Divisão de Consultas, sob a direção geral de Rodolfo Garcia. Publica o livro Cobra de Vidro e organiza a coleção História do Brasil (didático) em colaboração com Octávio Tarquínio (1889 - 1959), publicado pela Editora José Olympio. Prefacia “Diários de Viagem” de Francisco José Lacerda e Almeida, publicado pelo Instituto Nacional do Livro.
1945 - Lança Monções pela Casa Estudante do Brasil. Toma parte no 1º Congresso de Escritores em São Paulo, sendo signatário da conhecida Declaração de Princípios contra a ditadura do presidente da república, Getúlio Vargas (1882 - 1954). Em seguida, é eleito presidente da seção carioca da Associação Brasileira de Escritores, promotora do congresso. Prefaciou "Poesias de Américo Elísio" (José Bonifácio), pelo Instituto Nacional do Livro.
1946 - Depois de uma ausência de 25 anos, retorna a São Paulo e assume a direção do Museu Paulista, no Ipiranga. Consegue a ampliação das atividades do museu, cria as seções de história, de etnologia, numismática e lingüística. Permanecendo a frente da direção do Museu, até fins de 1956. Publica "Monções" no curso de Bandeirologia. Publica prefácio ao 1º volume das obras completas de José Bonifácio no Ministério da Educação. Crítica Literária no "Diário de Notícias" até 1950. Nasce sua filha Maria do Carmo em 5 de novembro.
Sergio Buarque de Holanda
1948 - Leciona história social e história econômica do Brasil na Escola de Sociologia e Política. Publica A Expansão Paulista do Século XVI e Começo do Século XVII, pela Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade de São Paulo – USP. Nasce Ana Maria, sua filha em 12 de agosto.
1949 - É publicado o ensaio Índios e Mamelucos na Expansão Paulista, nos Anais do Museu Paulista. Escreve Crítica Literária no "Diário de Notícias". Prefacia a tradução de Fausto, do escritor alemão Johann Wolfgang von Goethe (1749 - 1832). Participa do 2º Congresso Paulista de Escritores, em Jaú, São Paulo. Viaja para França e Itália, faz palestras na Sorbonne e participa de um comitê da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura – UNESCO, em Paris.
1950 - Assume a seção de crítica literária no Diário Carioca e na Folha de S. Paulo. É eleito, novamente, presidente da Associação Brasileira de Escritores, seção de São Paulo. Viaja para os Estados Unidos para participar do 1º Colóquio de Estudos Luso-Brasileiros, em Washington. Participa, também de um seminário na Universidade de Colúmbia. Nasce sua filha Maria Cristina em 23 de dezembro.
1951 - Museu - Escola de Sociologia - Crítica Literária.
1952 - Publica "Antologia de Poetas Brasileiros na Fase Colonial" (Ministério da Educação). Crítica Literária no "Diário Carioca". Duas traduções em revistas do Museu Paulista. Aparecida e Paulo Mendes de Almeida festejam os 50 anos de Sérgio, promovendo um grande jantar na Maison Suisse.
1953 - Licencia-se no Museu Paulista e assume a cadeira de estudos brasileiros, criada na Universidade de Roma. Colabora, igualmente, no Instituto de Studi Brasiliani. Envia, irregularmente, correspondências para o Diário Carioca e a Folha de S. Paulo.
1954 - Fixando-se em Roma, viaja por quase toda a Itália e pela França. Na Suíça, toma parte nas Rencontres Internationales de Genève, e apresenta a conferência sobre o Brasil na Vida Americana, dentro do tema L'Europe et le Nouveau Monde. Em Veneza, participa do Congresso da Société Européenne de Culture. Faz palestra no Campidoglio, publicada em L'Illustrazione Nazionale. Organiza um volume da revista Ausonia, dedicado ao Brasil, e colabora com o artigo Apporto Italiano nella Formazione del Brasile. Raízes do Brasil é publicado em italiano (Alle Radici del Brasile).
Sergio Buarque de Holanda e ...
1955 - Retorna ao Brasil e reassume a direção do Museu Paulista. É eleito vice-presidente do Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM/SP, cargo que ocupa durante os próximos 6 anos. Sua conferência "Le Brásil dans la Vie Américaine" é publicada em Neufchatel no volume "IX Rencontre Internationale de Genève". Prefacia livro de Karl Oberacker "Das Deutsche Betrag gum..."
1956 - Leciona história do Brasil na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Sorocaba, São Paulo. Raízes do Brasil é publicado em espanhol (Raices del Brasil), pelo Fondo de Cultura Economica, no México.
1957 - Assume a cátedra de história da civilização brasileira, na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo - FFLCH/USP. Lança “Caminhos e Fronteiras”, pela editora José Olympio. Muda-se para a rua Buri 35, Pacaembu.
1958 - Recebe o grau de mestre em ciências sociais na Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Presta concurso para a cátedra, apresentando, como tese sua obra Visão do Paraíso. Recebe o Prêmio Edgard Cavalheiro por Caminhos e Fronteiras, como o melhor livro de ensaio de 1957. Publica “Trajetória de uma Poesia” - Introdução à Poesia e Prosa de Manuel Bandeira.
1959 - Participa do 2º Colóquio de Estudos Luso-Brasileiros, em Salvador. Publica Visão do Paraíso, com tiragem limitada, pela José Olympio. E cria o Instituto de Estudos Brasileiros - IEB, na USP.
1960 - Organiza e dirige os sete primeiros volumes da obra História Geral da Civilização Brasileira, composta de 11 volumes - dois dedicados à época colonial, cinco ao Brasil monárquico e quatro ao Brasil republicano. Recebe do governo francês a condecoração de Officer de l'Ordre des Arts et des Lettres. Participa do 1º Simpósio dos Professores de História na Faculdade de Marília.
1962 - Assume a presidência do conselho organizador do IEB, do qual é eleito diretor, por indicação do Dr. Antonio de Barros Ulhôa Cintra, Reitor da USP.
1963 - Preside as comissões organizadoras do Instituto de Pré-História, do Museu de Arte e Arqueologia, do Museu de Arte Moderna (depois Contemporânea) e da Comissão de Bibliotecas, na USP. A convite da Universidade do Chile vai a Santiago dar cursos e organizar seminários sobre história do Brasil. Sua 1ª aula é publicada em espanhol num volume intitulado "Tres Leciones Inaugurales - Buarque , Romano, Savelle". Na volta passa em Buenos Aires prefacia "As Minas Gerais e os Primórdios do Caraça" de José Ferreira Carrato. É publicado o 1º volume da série Brasil Monárquico: "Processo de Emancipação", na História Geral da Civilização Brasileira, pela Editora Difel.
1964 – É publicado o 2º volume do Brasil Monárquico: "Dispersão e Unidade". E no Chile, em espanhol, a "História de Nicolas I Rei do Paraguai", com prefácio de Sérgio. Participa de um curso de História do Brasil na Universidade de Brasília, onde o Reitor é Zeferino Vaz. Vai ao Rio Grande do Sul.
... e Sergio Buarque de Holanda
1965 - Viaja para os Estados Unidos a convite do governo norte-americano, por interferência de Georg Boehrer, adido cultural do Rio. Para realizar conferências e participar de seminários nas Universidades de Columbia, Harvard e Los Angeles. É professor visitante na universidade de Indiana, Bloomington, e na New York State University (Stony Brook). Participa do 6º Colóquio de Estudos Luso-Brasileiros nas Universidades de Harvard e Columbia. Faz uma palestra no Queen's College, em Nova York. Prefacia as Obras Econômicas de J.J. da Cunha de Azeredo Coutinho e Relação dos Manuscritos da Coleção J. F. de Almeida Prado, organizada por Rosemarie E. Horch e publicada pelo Instituto de Estudos Brasileiros da USP.
1967 - Termina o curso em Stony Brook e profere uma palestra na Universidade de Princeton. Na volta dos EUA, passa pela Europa, visitando a França, a Espanha e Portugal, onde efetua pesquisas no Arquivo Ultramarino e na Biblioteca Nacional (Reservados e Coleção Pombalina). Vai a Cuiabá, onde permanece uma quinzena, pesquisa os documentos do Arquivo. Convidado pela UNESCO, participa das reuniões do Comitê de Estudo das Culturas Latino-Americanas, em Lima, Peru. Apresenta a conferência “Elementos Básicos da Nacionalidade - O Homem”, na Escola Superior de Guerra. É publicado o 3º volume do Brasil Monárquico: "Reações e Transações".
1968 - Participa do Congresso Teuto-Brasileiro, no Recife. Novamente convidado pela UNESCO, vai a San José, Costa Rica, participar do Comitê de Estudo das Culturas Latino-Americanas. No dia 30 de abril, pede aposentadoria na USP, em solidariedade aos professores aposentados pelo Ato Institucional nº 5 - AI-5, no dia anterior. Viaja ao Paraguai, tentando pesquisar os documentos relacionados com o Brasil. Prefacia "A Amazônia para os Negros Americanos" de Nícia Vilela Luz. Prefacia "A Baleia no Brasil Colônia" de Myriam Ellis. Prefacia "Cristãos Novos, Jesuítas, Inquisição" de J. G. Salvador. Colabora em volume de Homenagem a Rodrigo Melo Franco de Andrade. Colabora com o capítulo "Die Geschite Eines tablen Kontinentes" (A História de Meio Continente), no livro "Brasilien" da Atlantis Verlag A. G. - Zurique.
1970 - Passa a trabalhar com pesquisas e ensaios em sua casa.
1971 - É publicado o 4º volume da Série Brasil Monárquico: "Declínio e Queda do Império".
1972 – É publicado o 5º volume da Série Brasil Monárquico: "Do Império à República", sendo este último volume da série totalmente escrito por Sérgio Buarque de Holanda. Prefacia "Imigração Italiana em São Paulo (1880-1889)" de Lucy Maffei Hutter. E inicia-se a publicação da História do Brasil didática, da Editora Nacional, sob supervisão e organização de Sérgio Buarque de Holanda.
1973 - Vai à Europa, visitando a Itália, a Grécia, a Turquia, a Hungria, a Áustria, parte da Alemanha, a Holanda, a Inglaterra e a França.
Toquinho, Vinicius de Moraes e Sérgio Buarque de Holanda
1974 - Participa novamente do Comitê de Estudo das Culturas Latino-Americanas, desta vez no México. A convite do governo venezuelano, vai a Caracas para a instalação da Biblioteca Ayacucho. Publica "Vale do Paraíba - Velhas Fazendas", com ilustrações do Tom Maia. Prefacia "A Escravidão Africana no Brasil", de Maurício Goulart. Prefacia "O Fardo do Homem Branco" de Maria Odila Silva Dias.
1976 - Prefacia "O Barão do Iguape" de Maria Thereza Schoerer Petrone. Prefacia "Tudo em cor de Roda" de Yolanda Penteado. Vai à Europa, visitando a Itália, a Tchecoeslováquia, Berlim e Paris, aqui pesquisando e trazendo material do Quai d`Orsay.
1977 - Recebe do Governo do Estado de São Paulo o Prêmio Governador do Estado, na categoria literatura. Toma parte na fundação do Centro Brasil Democrático, assumindo o cargo de vice-presidente. Prefacia "Escravidão Negra em São Paulo", de Suely Robles de Queiroz. Prefacia "Milicia Cidadã", de Jeanne Berrance de Castro. Prefacia "Cultura e Sociedade no Rio de Janeiro", de Maria Beatriz Nizza da Silva. Prefacia o "Livro do Tombo do Mosteiro de S. Bento em S.Paulo". Publica 2ª edição, ampliada, de "Cobra de Vidro", na Editora Perspectiva.
1979 - Colabora em volume de homenagem a Antonio Candido: Esboço de Figura. Escreve uma carta-prefácio e seleciona poesias para antologia de Vinicius de Moraes (1913 - 1980). Publica Tentativas de Mitologia, uma seleção de estudos antigos e recentes, Editora Perspectiva. Prefacia "O Atual e o Inatual em Leopold von Ranke". Recebe os prêmios Juca Pato e Jabuti.
1980 - Inscreve-se como membro fundador do PT (Partido do Trabalhador). Recebe o troféu Juca Pato de intelectual do ano de 1979, concedido pela União Brasileira de Escritores e pela Folha da Manhã S.A. e o Prêmio Jabuti, na categoria ensaio, concedido pela Câmara Brasileira do Livro.
1981 - Grava um depoimento para o Museu da Imagem e do Som de São Paulo -MIS/SP.
1982 - Morre no dia 24 de abril, em São Paulo.
2001 - O cineasta Nelson Pereira do Santos (1928) dirige um documentário, em duas partes, intitulado Raízes do Brasil - Uma Cinebiografia de Sérgio Buarque de Holanda.


"Não creio que o brasileiro seja fundamentalmente bom.
Quem lê meus livros de história percebe isso."
- Sergio Buarque de Holanda


CONDECORAÇÕES E PRÊMIOS
1957 - Recebe o prêmio Edgard Cavalheiro do Instituto Nacional do Livro, pela publicação de "Caminhos e Fronteiras".
Diploma de Direito de Sérgio Buarque de Holanda
1960 - Recebe do governo francês a Condecoração de Officer de l'Ordre des Arts et des Lettres.
1967 – Recebe do Governo do Estado de São Paulo, o Prêmio Governador do Estado, na seção de literatura.
1979 – Recebe o Troféu Juca Pato, Prêmio Intelectual do ano, concedido pela União Brasileira de Escritores e pela Folha da Manhã S.A.
1980 - Recebe o Troféu "Jaboti" na categoria de Ensaios, concedido pela Câmara Brasileira do Livro.

sobre os Livros:
“Eles me deram o sentido da história. São a vida em comprimidos."
Sergio Buarque de Holanda


OBRAS 
HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. (Coleção documentos brasileiros, 1). Prefácio: Gilberto Freyre. Editora José Olympio, Rio de Janeiro, 1936.
______ . Cobra de Vidro. Livraria Martins Editôra, São Paulo, 1944, pag. 121.
______ . Monções. Casa Estudante do Brasil, Rio de Janeiro, 1945. pag. 255, ilustrado (Estudos brasileiros, série A, n. 3). E 1976, pela Editora Alfa-Omega.
______ . Expansão Paulista em Fins do Século XVI e Princípio do Século XVII, Editora da Faculdade de Ciências Econômicas da USP. São Paulo, 1948, pag. 23.
______ . Índios e Mamelucos na Expansão Paulista. (Separata do tomo XIII dos Anais do Museu Paulista) Editora: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, ano 1949, pag. 177-290.
O jovem Sergio Buarque de Holanda
______ . Antologia dos poetas brasileiros na fase colonial. Ministério da Educação e Saúde/Instituto Nacional do Livro, 1952-1953. 2 vol. /e São Paulo: Perspectiva, 1979. 512 p.
______ . Caminhos e fronteiras. Rio de Janeiro, Editora José Olympio, 1957. 334 p. il. (Coleção documentos brasileiros, 89).
______ .Visão do Paraíso. Os motivos edênicos no descobrimento e colonização do Brasil. (Apresentado originalmente como tese para a cátedra de História da Civilização Brasileira, USP: São Paulo, 1958), Editora José Olympio, 1959.
______ . Trajetória de uma poesia. (introdução a Poesia e Prosa de Manuel Bandeira), Editora: Aguilar, 1958.
______ . Livro dos prefácios [edição póstuma]. Editora: Companhia das Letras, 1996. pag. 432.
______ . Vale do Paraíba: velhas fazendas. (com desenhos de antigas fazendas feitos a bico de pena pelo artista Tom Maia), Companhia Editora Nacional, 1975.
______ . Tentativas de Mitologia. São Paulo, Editora Perspectiva, pag. 284, 1979.
______ . O Extremo Oeste [edição póstuma]. São Paulo, Editora Brasiliense - São Paulo, pag. 172, 1986.
______ . Sérgio Buarque de Holanda: história. (Org.) DIAS, Maria Odila Leite da Silva. (Coleção grandes cientistas sociais, 51). São Paulo, Ática, pag. 208, 1985.
______ . Capítulos de literatura colonial. [edição póstuma]. (Org.) CANDIDO, Antônio. São Paulo: Ed. Brasiliense, pag. 465, 1990.
______ . Livro dos prefácios [edição póstuma]. São Paulo, Editora Companhia das Letras, 1996.
______ . O espírito e a letra. [estudos de crítica literária I - 1920-1947 e II 1948-1959.] 2 vols. (Org.) PRADO, Antonio Arnoni. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
______ . Sérgio Buarque de Holanda - Escritos coligidos. 2 vols. (Org.) COSTA, Marcos. (“textos alemães”, originalmente publicados no exterior. Também estão presentes nesta coletânea as primeiras versões de textos que posteriormente seriam incluídos em suas obras clássicas), Editora: Unesp/Fundação Perseu Abramo, 2004.
______ . A Viagem a Nápoles [Conto]. Publicado originalmente em 1931 pela Revista Nova, é a única obra de ficção do autor. Nesta edição traz desenhos de Vallandro Keating. Editora Terceiro Nome, pag. 77, 2008.








A 1ª obra de Sérgio Buarque de Holanda, uma valsa Vitória Régia, que compõe aos 9 anos,
publicada na Revista Tico-Tico - (Acervo SBH/UNICAMP).

Sérgio Buarque de Holanda dançando com Miucha e João Gilberto.


OBRAS EM PARCERIA OU SOB DIREÇÃO E ORGANIZAÇÃO
ABRAMO, Livio; BONOMI, Maria; CHAVES, João Luis & HOLANDA, Sérgio Buarque de (org.). Álbum Brasil. São Paulo, Estúdio Gravura, 1961.
HOLANDA, Sérgio Buarque de; SOUSA, Otávio Tarquínio. História do Brasil [3ª série]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1944.
HOLANDA, Sérgio Buarque de. (org.), História do Brasil: estudos sociais. (didática). São Paulo - Editora Nacional, ano 1971-1972.
HOLANDA, Sérgio Buarque de. (org.) História da Civilização: área de estudos sociais. (didática). São Paulo - Editora Nacional, 1974.
HOLANDA, Sérgio Buarque de; (Dir. e Org.) História geral da civilização brasileira. HOLANDA, foi assistido por CAMPOS, Pedro Moacyr., para os períodos "Colonial e Monarquico", e por FAUSTO, Boris., para o período "Republicano". (participação de diversos autores). São Paulo, Difusão Européia do Livro, (anos 1960-1984). [Este conjunto de ensaios em 11 (onze) volumes, dividido em III tomos (Colônia, Monarquia e República), é possivelmente a obra contemporânea mais completa sobre a formação do país. Sua principal qualidade é a abrangência, tanto de assuntos como de posições — já que cada capítulo foi escrito por um especialista, com liberdade para colocar seu ponto de vista].
Sérgio Buarque de Holanda organiza e dirige os “sete primeiros volumes da obra História Geral da Civilização Brasileira”, composta de 11 volumes - dois dedicados à época colonial, cinco ao Brasil monárquico e quatro ao Brasil republicano:
- A época colonial: do descobrimento à expansão colonial. São Paulo, Editora Difusão Européia do Livro, 1960. (História Geral da Civilização Brasileira, Tomo I, vol. 1).
- A época colonial: administração, economia, sociedade. São Paulo, Editora Difusão Européia do Livro, 1960. (História Geral da Civilização Brasileira, Tomo I, vol. 2).
- O Brasil monárquico: o processo de emancipação. São Paulo, Editora Difusão Européia do Livro, pag. 184, 1963. (História Geral da Civilização Brasileira, Tomo II, vol. 1).
- O Brasil monárquico: dispersão e unidade. São Paulo, Editora Difusão Européia do Livro, 1964. (História Geral da Civilização Brasileira, Tomo II, vol. 2).
- O Brasil monárquico: reações e transações. São Paulo, Editora Difusão Européia do Livro, 1967. (História Geral da Civilização Brasileira, Tomo II, vol. 3).
- O Brasil monárquico: declínio e queda do Império. São Paulo, Editora Difusão Européia do Livro, 1971. (História Geral da Civilização Brasileira, Tomo II, vol. 4).
- O Brasil monárquico: do Império à República. São Paulo, Editora Difusão Européia do Livro, 1972. (História Geral da Civilização Brasileira, Tomo II, vol. 5).

História para Sérgio Buarque de Holanda:
"Efetivamente quem diz história, diz movimento e diz mudança. Não é um puro espetáculo, para sempre imobilizado em Molduras fixas, o que nos oferece o passado e ainda menos uma espécie de modelo ideal e invulnerável.[...]"

"A missão do historiador consiste pois, não só em estudar o passado como tal, mas ainda em preparar-nos para melhor conhecermos nosso tempo, as nossas necessidades, nossas possibilidades[...]"

"É através da consideração do passado que aprendemos, por outro lado a examinar o caráter e as peculiaridades de cada povo sem destacá-lo da comunidade dos povos, mas, ao contrário, frizando o que há de necessário no seu convívio[...]"

- Sergio Buarque de Holanda, em trechos da "Conferência Le Brésil Dans La Vie Américaine" Genebra, Suíça, 1954.



Sérgio Buarque de Holanda (1978) sobre os Estados Unidos e a América Latina:
“todas essas considerações não servem para atenuar o fato real da existência de um abismo entre os Estados Unidos e a América Latina. Apenas, conforme notou o Lewis Hanke em artigo recente, esse abismo é feito principalmente de incompreensões mútuas, e para vencê-lo é preciso antes de tudo explorar cautelosamente o terreno, examiná-lo sem pontos de vista preconcebidos e definitivos, sondar os obstáculos reais ou ilusórios, e verificar até onde poderão resistir a um esforço bem dirigido”


ANAIS, CONFERÊNCIAS E AFINS.
HOLANDA, Sérgio Buarque de. "Le Brésil dans la Vie Americane" (Conferência dentro do tema "L'Europe et le Nouveau Monde") em 3 de setembro de 1954. Publicado posteriormente em Neufchatel, vol. IX Rencontre Internacionale de Genève. [Também publicado no Jornal La Tribune de Geneve, em 04-05 set. 1954].
______ . Tres lecciones inaugurales: Buarque, Romano, Savelle. (conferência). Editora da Universidad de Chile, 1963.
______ . Elementos básicos da nacionalidade: o homem. Rio de Janeiro: Estado Maior das Forças Armadas/Escola superior de Guerra, 1967. 23 p. (Reservado CI - 10 - 67).
______ . Die Geschite Eines tablen Kontinentes. (em Brasilien). Artigo publicado: Atlantis Verlag A. G. – Zurique, Alemanha, 1969.
______ . A Contribuição Italiana para a Formação do Brasil. (Org. e trad.) GUERINI, Andréia. Edição bilíngüe. Florianópolis, NUT/NEIITA, 2003.

Seminário feito por alunos da graduação em Direito na FGV Direito Rio

OBRA DE SÉRGIO BUARQUE DE HOLANDA PUBLICADA NO EXTERIOR
Alemão
Die Wurzeln Brasiliens [Raízes do Brasil]. Tradução Marlyse Meyer. Frankfurt: Suhrkamp, 1995.

Chinesa
... ?, Pequim, Serviço de Difusão Cultural do Ministério das Relações Exteriores, 1995.

Espanhol
Raíces del Brasil [Raízes do Brasil]. Tradução Ernestina de Champourcin. México, D.F.: Fondo de Cultura Económica, 1955.
Visión del Paraíso: Motivos Edénicos en el Descubrimiento y Colonización del Brasil [Visão do Paraíso: Os Motivos Edênicos no Descobrimento e Colonização do Brasil]. Tradução Estela dos Santos. Caracas: Biblioteca Ayacucho, 1987.

Francês
Racines du Brésil [Raízes do Brasil]. Tradução Marlyse Meyer. Paris: Gallimard, 1998.

Italiano
Alle Radici del Brasile [Raízes do Brasil]. Tradução Cesare Rivelli. Roma: Fratelli Bocca, 1954.
Radici del Brasile [Raízes do Brasil]. Tradução Luciano Arcella. Firenze: Giunti, 2000.

Japonês
Magokoro to Boken - Laten teki Sakai [Raízes do Brasil]. Tradução Míneo Ikegani. Tóquio: Shinsekaisha, 1971.
Brazil-Jin Towa Nanika - Brazil Kokuminsei No Kenkyu [Raízes do Brasil]. Tradução M. Crespo. Tóquio: Ed. Shinsekai, 1976.
Buraziruzin Towa Nanika [Raízes do Brasil]. Tradução Miyakawa Kenzi. Tokyo: Sinsekai Kenkyûzyo, 1993.


Exposição "Centenário do nascimento de Sérgio Buarque de Holanda", realizado: UNICAMP - Campinas/SP, 2002.

"Para o funcionário “patrimonial”, a própria gestão política apresenta-se como assunto de seu interesse particular; as funções, os empregos e os benefícios que deles aufere relacionam-se a direitos pessoais do funcionário e não a interesses objetivos. (...) é possível acompanhar, ao longo de nossa história, o predomínio constante das vontades particulares que encontram seu ambiente próprio em círculos fechados e pouco acessíveis a uma ordenação impessoal. E um dos efeitos decisivos da supremacia incontestável, absorvente, do núcleo familiar - a esfera, por excelência dos chamados ‘contatos primários’, dos laços de sangue e de coração – está em que as relações que se criam na vida doméstica sempre forneceram o modelo obrigatório de qualquer composição social entre nós.”
- Sergio Buarque de Holanda


ARTIGOS EM JORNAIS E REVISTAS
Primeiro Artigo de Sérgio Buarque de Holanda, 
publicado no Correio Paulistano
- Acervo SBH/UNICAMP.
HOLANDA, Sérgio Buarque de. Originalidade Literária. (1º artigo) Correio Paulistano, 22/abr/1920.
______ . Ariel. Revista do Brasil, maio/1920.
______ . Viva o imperador. A Cigarra, jun/1920.
______ . A chiméria do monroismo. A Cigarra, jul /1920.
______ .A bandeira nacional. A Cigarra, agos/1920.
______ . O homem máquina. A Cigarra, mar/1921.
______ . O futurismo paulista. FonFon, 10/dez/1921.
______ . Plágios e plagiários. Revista do Brasil, jun/1921.
______ . Manuel Bandeira. FonFon, 18/fev/1922.
______ . Um homem essencial. Estética, set/1924.
______ . Perspectivas. Estética, abril–jun/1925.
______ . Idéias de hoje. Correio da Manhã, 19/jun/1925.
______ . Marinetti, homem político. O Jornal, 13/maio/1926.
______ . O lado oposto e outros lados. Revista do Brasil, 15/out/1926.
______ . Conversando com Pirandello. O Jornal, 11/dez/1927.
______ . Através da Alemanha. O Jornal, 23/agos/1929.
______ . Através da Alemanha. O Jornal, 15/set/1929.
______ . Através da Alemanha. O Jornal, 08/nov/1929.
______ . O Comunismo e a Atualidade Européia. O Jornal, 03/nov/1929.
______ . O Comunismo e a Atualidade Européia. O Jornal, 23/11/1929.
______ .O Marechal Pilsudski e os vícios do Parlamentarismo Polonês. O Jornal, 06/nov/1929.
______ . Um País que ressurge. O Jornal 16/nov/1929.
______ . Um País que ressurge. O Jornal 30/nov/1929.
______ . Um País que ressurge. O Jornal 01/jan/1930.
______ . Um País que ressurge: A Exposição geral polonesa de Poznan. O Jornal, 12/jan/1930.
______ . Um País que ressurge: A Exposição geral polonesa de Poznan. O Jornal, 02/fev/1930.
______ . Um País que ressurge: A Exposição geral polonesa de Poznan. O Jornal, 05/jan/1930.
______ .Thomas Mann e o Brasil. O Jornal, 16/fev/1930.
______ .O Café Brasileiro na Alemanha. O Jornal, 26/jan/1930.
______ . O Café Brasileiro na Alemanha. O Jornal, 29/jan/1930.
______ . O Café Brasileiro na Alemanha. O Jornal, 12/mar/1930.
______ . Diálogo dos grandezas do Brasil: Paraíso dos Bandidos e Eldourado das epidemias! – eis o que somos para a imprensa européia. O Jornal, 20/fev/1930.
______ . As relações entre o Brasil e a Polônia. O Jornal, 25/fev/1930.
______ . Nacionalismo e monarquismo na Alemanha. O Jornal, 28/fev/1930.
______ . Nacionalismo e monarquismo na Alemanha. O Jornal, 26/mar/1930.
______ . Nacionalismo e monarquismo na Alemanha. O Jornal, 02/abr/1930.
______ . Nacionalismo e monarquismo na Alemanha. O Jornal, 12/abr/1930.
______ . A Primeira e a segunda viagem em Zeppelin ao Brasil. O Jornal, 18/jun/1930.
______ . Ainda o incidente Gago Coutinho – Hugo Eckener. O Jornal, 24/out/1930.
______ . Quinze anos depois. O Jornal, 16/nov/1930.
______ . Como repercutiram na imprensa alemã os últimos acontecimentos do Brasil. O Jornal, 26/nov/1930.
______ . Instintos de sabedoria. O Jornal, 23/nov/1930.
______ . As Cartas Chilenas, Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 26 de janeiro de 1941, seção 3, p. 13-14.
______ . Ainda as Cartas Chilenas, Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 02 de fevereiro de 1941, seção 3, p. 13-14.
______ . História da literatura brasileira – 1870 a 1920. Folha da Manhã, 7 de junho de 1950. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Ulisses e José. Folha da Manhã, 20 de junho de 1950. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Africanos no Brasil. Folha da Manhã, 02 de agosto de 1950. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Terroristas e retóricos. Folha da Manhã, terça-feira, 15 de agosto de 1950. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Sobre um novo formalismo. Folha da Manhã, 22 de agosto de 1950. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Clima e raça. Folha da Manhã, 29 de agosto de 1950. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Guerra Dentro do beco. Folha da Manhã, 03 de maio de 1951. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Hermetismo e critica. Folha da Manhã, 08 de maio de 1951. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Hermetismo e critica - II. Folha da Manhã, 15 de maio de 1951. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Hermetismo e critica - (conclusão). Folha da Manhã, 22 de maio de 1951. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . A difícil Alvorada. Folha da Manhã, 29 de maio de 1951. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Rito de outono. Folha da Manhã, 06 de junho de 1951. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Historia e natureza. Folha da Manhã, 20 de junho de 1951. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Ainda um congresso. Folha da Manhã, 26 de junho de 1951. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Ainda a labareda. Folha da Manhã, 06 de setembro de 1951. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Invenção ou convenção. Folha da Manhã, 12 de setembro de 1951. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Introdução a democracia. Folha da Manhã, 18 de setembro de 1951. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Teatro Jesuítico. Folha da Manhã, 26 de setembro de 1951. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Sociedade patriarcal - 1ª parte. Folha da Manhã, 10 de novembro de 1951. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Sociedade patriarcal - 2ª parte. Folha da Manhã, 13 de novembro de 1951. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ .Sociedade patriarcal - 3ª parte. Folha da Manhã, 23 de novembro de 1951. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Braga no país das maravilhas. Folha da Manhã, 28 de novembro de 1951. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Kafkiana I. Folha da Manhã, 18 de setembro de 1952. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Kafkiana II. Folha da Manhã, 24 de setembro de 1952. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Kafkiana III. Folha da Manhã, 30 de setembro de 1952. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Piratininga: 1532-1560. Folha da Manhã, 24 e 25 de janeiro de 1954. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Praia oculta. Folha da Manhã, 08 de agosto de 1960. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . O historiador escreve sobre o seu filho Chico Buarque. Folha da Manhã, 19 de outubro de 1991. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . Texto inédito analisa Império. Folha da Manhã, 19 de abril de 1992. Disponível em: Banco de Dados Folha.
______ . A criação do Instituto de Estudos Brasileiros. Revista do Brasil, ano III, no VI, julho de 1987b.
______ . O senso do passado. Revista do Brasil, ano III, no VI, julho de 1987c.
______ . Novas cartas chilenas. Revista do Brasil, ano III, no VI, julho de 1987d.
______ . Corpo e alma do Brasil (ensaio de psicologia social). Revista Espelho, Rio de Janeiro, março de 1935/ e na Revista do Brasil, ano III, no VI, julho de 1987a. Rio de Janeiro.

“Para estudar o passado de um povo, de uma instituição, de uma classe, não basta aceitar ao pé da letra tudo quanto nos deixou a simples tradição escrita. É preciso fazer falar a multidão imensa dos figurantes mudos que enchem o panorama da história e são muitas vezes mais interessantes e mais importantes do que os outros, os que apenas escrevem a história.”
- Sergio Buarque de Holanda




ENTREVISTAS
HOLANDA, Sérgio Buarque de. A democracia é difícil. Entrevista realizada por João Marcos Coelho. Veja, 28 de janeiro de 1976. Disponível em: Edição de aniversário, 24 de setembro de 2003.
______ . Uma entrevista. Entrevista realizada por Richard Graham. Revista do Brasil, ano III, no VI, julho de 1987e.
______ . A revolução subterrânea. Entrevista realizada por BRUNO, Ernani Silva; LAMOUNIER, Bolivar; MELLO E SOUZA, Laura de; PETRONE, Maria Tereza. Novos Estudos Cebrap, no 69, julho de 2004.
______ . Entrevista com "Sérgio Buarque de Holanda - vida e obra", arquivada no Museu da Imagem e do Som (MIS) - São Paulo, 1981.

"No Brasil, sempre foi uma camada miúda e muito exígua que decidiu. O povo sempre está inteiramente fora disso. As lutas, ou mudanças, são executadas por essa elite e em benefício dela, é óbvio. A grande massa navega adormecida, num estado letárgico, mas em certos momentos, de repente, pode irromper brutalmente."
- Sergio Buarque de Holanda, trecho de entrevista "A Democracia é difícil"- Revista Veja, 28.01.1976.


DEPOIMENTO
Sérgio Buarque de Holanda com Chico Buarque
Sérgio Buarque de Holanda - Depoimento sobre “Chico Buarque, seu filho”, escrito em 68 e publicado na Folha de São Paulo em 19 de outubro de 1991.


CORRESPONDÊNCIA ATIVA
- Carta de Sérgio Buarque de Holanda para Mário de Andrade. abril de 1922, Fonte: Instituto de Estudos Brasileiros IEB/USP
- Carta de Sérgio Buarque de Holanda para Mário de Andrade. 02 de dez.1925, Fonte: Instituto de Estudos Brasileiros – IEB/USP
- Carta de Sérgio Buarque de Holanda a Cassiano Ricardo. Set. de 1948. São Paulo. Publicada na revista Colégio, nº 3, daquele ano.

“Dei para escrever com fertilidade e ferocidade inesgotável, bem indigna do autor remido em que iria me transformar.”
- Sergio Buarque de Holanda


CORRESPONDÊNCIA PASSIVA
- Carta de Mário de Andrade para Sérgio Buarque de Holanda. abril de 1922, Fonte: Arquivo Central Unicamp/SIARQ.
- Carta de Mário de Andrade para Sérgio Buarque de Holanda. 20 de julho/1922, Fonte: Arquivo Central Unicamp/SIARQ
- Carta de Tácito de Almeira para Sérgio Buarque de Holanda. 27/06/1922, Fonte: Arquivo Central Unicamp/SIARQ
- Carta de Ribeiro Couto para Sérgio Buarque de Holanda. 14/10/1922, Fonte: Arquivo Central Unicamp/SIARQ
- Carta de Couto de Barros para Sérgio Buarque de Holanda. 03/04/1923, Fonte: Arquivo Central Unicamp/SIARQ
- Carta de Cassiano Ricardo a Sérgio Buarque de Holanda, em julho de 1948, com o título de Variações sobre o “homem cordial”, p. 369.

“cada qual é filho de si mesmo, de seu esforço próprio, de suas virtudes... – e as virtudes soberanas para essa mentalidade são tão imperativas, que chegam por vezes a marcar o porte pessoal e até a fisionomia dos homens.”
- Sergio Buarque de Holanda



Mario Pedrosa, Lélia Abramo e Sergio Buarque de Holanda

TRADUÇÕES REALIZADAS POR SÉRGIO BUARQUE DE HOLANDA
DAVATZ, Thomas(Suíço). Memórias de um Colono no Brasil. [Tradução: HOLANDA, Sérgio Buarque de.]...
SCHMIDT, W. Ethnologia sul-americana. [Tradução: HOLANDA, Sérgio Buarque de.], São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1942.
. Tradução de filmes da UFA, como: o Anjo Azul, com Marlene Dietrich.

“Era um sujeito ousado, que escrevia sem se comprometer com os desdobramentos, um verdadeiro aventureiro de espírito”
- Leandro Konder, doutor em Filosofia pela UFRJ e professor da PUC-RJ.



Sergio Buarque de Holanda
RAÍZES DO BRASIL
Raízes do Brasil é uma das obras fundadoras da moderna historiografia e das ciências sociais brasileiras. Tanto no método de análise como no estilo claro e despretensioso da escrita, tanto na sensibilidade para a escolha dos temas como na erudição exposta de forma concisa, revela-se o historiador da cultura e ensaísta crítico com talentos evidentes de escritor. A noção do brasileiro como "homem cordial", aquele que age segundo o "coração" - não no sentido de ser bondoso, mas por pautar suas ações pelo afeto e pela intimidade e ser incapaz de separar vida pública de vida privada -, é um dos conceitos fundamentais expostos nesta obra indispensável para se entender o Brasil. Segundo Antonio Candido, este livro é "um clássico de nascença".

Publicada em 1936, Raízes do Brasil aborda aspectos centrais da história da cultura brasileira. O livro foi escrito na forma de um longo ensaio histórico, tendo sido dividido em sete partes:
1. Fronteiras da Europa
2. Trabalho e Aventura
3. Herança Cultural
4. O Semeador e O Ladrilhador
5. O Homem Cordial
6. Novos Tempos
7. Nossa Revolução


Raízes do Brasil sob a ótica do autor
"Já refutei a tese. Disse então que a cordialidade não permanece imutável no homem brasileiro, particularmente na vida rural, estando fadada a desaparecer, onde não tenha desaparecido de todo. Cordial aí está no sentido etimológico, de coração."
- Sergio Buarque de Holanda



Antônio Cândido escreveu em "O Significado de Raízes do Brasil", título do prefácio para a 13ª edição de Raízes do Brasil, em 1979.
Trechos do prefácio:
“A certa altura da vida, vai ficando possível dar balanço no passado sem cair na auto-complacência, pois o nosso testemunho se torna registro da experiência de muitos, de todos que, pertencendo ao que se denomina uma geração, julgam-se a princípio diferentes uns dos outros e vão, aos poucos, ficando tão iguais, que acabam desaparecendo como indivíduos para se dissolverem nas características gerais da sua época. Então, registrar o passado não é falar de si; é falar dos que participaram de uma certa ordem de interesses e de visão do mundo, no momento particular do tempo que se deseja evocar”.

“Os homens que estão hoje um pouco para cá ou um pouco para lá dos cinqüenta anos aprenderam a refletir e a se interessar pelo Brasil sobretudo em termos de passado e em função de três livros: Casa-Grande e Senzala, de Gilberto Freyre, publicado quando estávamos no ginásio; Raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Holanda, publicado quando estávamos no curso complementar; Formação do Brasil Contemporâneo, de Caio Prado Júnior, publicado quando estávamos na escola superior. São estes os livros que podemos considerar chaves, os que parecem exprimir a mentalidade ligada ao sopro de radicalismo intelectual e análise social que eclodiu depois da Revolução de 1930 e não foi, apesar de tudo, abafado pelo Estado Novo. Ao lado de tais livros, a obra por tantos aspectos penetrante e antecipadora de Oliveira Viana já parecia superada, cheia de preconceitos ideológicos e uma vontade excessiva de adaptar o real a desígnios convencionais”.

“E do ponto de vista político, que, sendo o nosso passado um obstáculo, a liquidação das “raízes” era um imperativo do desenvolvimento histórico. Mais ainda: em plena voga das componentes lusas avaliadas sentimentalmente, percebeu o sentido moderno da evolução brasileira, mostrando que ela se processaria conforme uma perda crescente das características ibéricas, em benefício dos rumos abertos pela civilização urbana e cosmopolita, expressa pelo Brasil do imigrante, que há quase três quartos de século vem modificando as linhas tradicionais”.


FORTUNA CRÍTICA
A ÚLTIMA homenagem a Sérgio Buarque de Holanda: E os curiosos ficaram de fora. Jornal da Tarde, São Paulo, 26 abr. 1982. p. 19.
ABRAMO, Claudio. Era o dono da casa da rua. Folha de S. Paulo, São Paulo, 26 abr. 1982. Ilustrada, p. 19.
ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS. Sérgio Buarque de Holanda eleito para a vaga de Afonso Taunay. A Gazeta, São Paulo, 13 jun. 1958. p. 21.
AGUIAR, David Peres. Fronteiras e identidades na visão de Sérgio Buarque de Holanda em São Paulo colonial. Dissertação de mestrado. Franca: UNESP, 2000.
ALAMBERT, Francisco. De Sérgio para Chico, de Chico para Sérgio. Nossa História, nº 08, junho de 2004.
ALBUQUERQUE, José Lindomar. As fronteiras ibero-americanas na obra de Sérgio Buarque de Holanda . Análise Social, vol. XLV (195), 2010, pag. 329-351.
ALMEIDA, Angela Mendes de. Um mapa da vida mental e ideológica do Brasil. In. Raízes do Brasil. 70 anos interpretando o Brasil. IHUOn-line Revista do Instituto Humanitas Unisinos. Edição 205, São Leopoldo/RS, 20 de nov. de 2006.
ALMEIDA, Antonio Charles Santiago. A formação político-cultural do Brasil: excertos do pensamento de Sergio Buarque de Holanda e Gilberto Freyre. Ponto-e-vírgula, 9: 163-171, 2011.
ALMEIDA, Maria Izabel Mendes de. Sérgio Buarque de Holanda e Antônio Cândido: principais linhas de interseção. IN: Masculino e Feminino: tensão insolúvel: sociedade brasileira e organização da subjetividade. Rio de Janeiro. Rocco, 1996.
ALMEIDA, Paulo Mendes de. Esquina: o cinqüentenário de Sérgio Buarque de Holanda. Última Hora, São Paulo, 8 ago. , 1952. p. 4.
AMORIM, Antônio. Raízes do Brasil. O Diabo. Seminário de Literatura e crítica. Lisboa/Portugal, 14 de fev. 1937.
ANDRADE, Mário de. Resposta a Manuel Bandeira. Revista do Brasil, Rio de Janeiro. v. 3, n. 6, p. 11-14, jul. 1987.
ANDRADE, Oswald de. O homem cordial. Revista do Brasil, ano III, no VI, julho 1987.
ANDRADE, Rodrigo Melo Franco de. Singularidade e multiplicidade de Sergio. Diário Carioca, Rio de Janeiro, 11 jun. 1962. Recolhido em Revista do Brasil, Rio de Janeiro, ano 3, n. 6, pag. 86-87, 1987.
ARAUJO, Ana Cristina. O maravilhoso mundo “reencontrado” na América Portuguesa. Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra/Portugal.
ARAÚJO, Ricardo Benzaquem de. Sobrados e mucambos e Raízes do Brasil. In: MIRANDA, Maria do Carmo Tavares de (org.) Que somos nós? Sessenta anos de Sobrados e mucambos. Recife: Fundação Joaquim Nabuco; Massangana; Núcleo de Estudos Freyrianos, 2000.
ARAÚJO, Ricardo Benzaquem de; SCHWARZC, Lilia M. Raízes do Brasil – Edição Comemorativa 70 anos. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
ARROYO, Leonardo. Armazém literário: achegas ao modernismo. Revista do Arquivo Municipal, São Paulo, v. 32, n. 176, p. 103-126.
ARROYO, Leonardo. Atividades intelectuais de Sérgio Buarque de Holanda. Folha da Noite, São Paulo, 1º abr. 1958. p. 16.
ARROYO, Leonardo. O adeus a Sérgio Buarque de Holanda. Revista da Academia Paulista de Letras, São Paulo, v. 39, n. 100, p. 176-177, maio 1982.
ASSIS, Arthur. A teoria da história como hermenêutica da historiografia: uma interpretação de Do Império à República, de Sérgio Buarque de Holanda. Revista Brasileira de História, vol.30 nº 59 São Paulo Jun/2010.
ATHAYDE, Autragésilo. Raízes do Brasil. Diário da Noite, Rio de Janeiro, 16 de Nov. 1936.
ATHAYDE, Tristão de. No limiar dos cruzamentos. Revista do Brasil, Rio de Janeiro, ano 3, n. 6, pag. 118-121, 1987.
ATHAYDE, Tristão de. No limiar dos cruzamentos. Folha de S. Paulo, São Paulo, 18 jun. 1982. p. 3.
ATHAYDE, Tristão de. Para lá dos cruzamentos. Folha de S. Paulo, São Paulo, 25 jun. 1982. p. 3
AUGUSTO, Marcelo Gaudio. O que é uma cidade brasileira? Debates entre os intérpretes do Brasil. Revista NUPEM, Campo Mourão, v. 3, n. 4, pag. 155-168, jan./jul. 2011.
AVELINO FILHO, George. As raízes de “Raízes do Brasil”. Novos estudos CEBRAP, São Paulo, n. 18, pag. 33-41, set. 1987.
AVELINO FILHO, George. Cordialidade e civilidade em raízes do Brasil. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo. Vol.5, nº 12, p.5-15, 1990.
BANDEIRA, Manuel. Sérgio, anti-cafajeste. Revista do Brasil, Rio de Janeiro, ano 3, n. 6, pag. 90-91, 1987.
BANDEIRA, Manuel. Sérgio, anti-cafajeste. Diário Carioca, Rio de Janeiro, 13 jul. 1952. p. 2.
BANDEIRA, Manuel. Introdução. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes de Sérgio Buarque de Holanda. Rio de Janeiro: Rocco, 1989. p. 291-293.
BARBOSA, Francisco de Assis. Verdes Anos de Sérgio Buarque de Holanda: ensaio sobre sua formação intelectual até Raízes do Brasil. In: Sérgio Buarque de Holanda: Vida e Obra. São Paulo: Universidade de São Paulo: Instituto de Estudos Brasileiros, 1988. pag.27-54.
BARBOSA, Francisco de Assis. Prólogo: formacion de Sérgio Buarque de Holanda. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Vision del paraiso...Caracas, 1987.
BARBOSA, Francisco de Assis. Introdução. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes de Sérgio Buarque de Holanda. Rio de Janeiro: Rocco, 1989. p. 9-35.
BARBOSA, Francisco de Assis. Sérgio, o homem político. Revista do Brasil, Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, p. 44-51, jul. 1987.
BARRETO, Pedro Henrique. O homem que explicou o Brasil. Brasília: Desafios. abril de 2009 - pag. 76-77.
BARROS, Antônio Teixeira de. Visões do Paraíso: O discurso oficial brasileiro sobre ecologia e a Exaltação das belezas naturais da Amazônia. Latinoamerica 44 (México 2007/1): 129-156.
BASTOS, Elide Rugai. Raízes do Brasil – Sobrados e mucambos: um diálogo. Revista Perspectivas, São Paulo, 28: 19-36, 2005.
BENTES, Ivana. Nova edição de antigo clássico de Sérgio Buarque de Holanda leva a rediscussão da sua obra. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 8 out. 1992. Idéias/Livros.
BERTOLLI FILHO, Cláudio. Sérgio Buarque e Cassiano Ricardo: confrontos sobre a cultura e o Estado brasileiro. In: PESAVENTO, Sandra Jatahy (Org.). Leituras cruzadas: diálogos da história com a literatura. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2000. p. 237-254.
BETTO, Frei. A despedida. Revista do Brasil, Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, p. 110-111, jul. 1987.
BIBLIOGRAFIA de Sérgio Buarque de Holanda. Revista do Brasil, Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, p. 146-147.
BLAJ, Ilana. Pulsações, Sangrias e Sedimentação: Sérgio Buarque de Holanda e a análise da sociedade paulista no século XVII. In: Sérgio Buarque de Holanda: Vida e Obra. São Paulo: Universidade de São Paulo: Instituto de Estudos Brasileiros, 1988. pag. 83-88.
BLAJ, Ilana. Sérgio Buarque de Holanda: historiador da cultura material. In: SÉRGIO Buarque de Holanda e o Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 1998. p. 29-48.
BLAJ, Ilana; MALUF, Marina. Caminhos e fronteiras: o movimento na obra de Sérgio Buarque de Holanda. R. História, São Paulo, n. 122, p. 17-46, jan/jun. 1990.
BORGES, Vavy Pacheco. Em memória de Sérgio Buarque de Holanda. Leia Livros, São Paulo, v. 5, n. 46, p. 13, 15 maio a 14 jun. 1982.
BRAGA, Rubem. O Dr. Progresso acendeu um cigarro na Lua. In:___. Recado de primavera. 8. ed. Rio de Janeiro: Record, 2008, p. 154-157.
BRANDÃO, Roberto. O crítico Holanda. Diário Carioca, Rio de Janeiro, 13 jul. 1952. p. 2.
BUARQUE faz conferência e dirige seminário hoje. O Popular, Goiás, 25 abr. 1969.
BINSZTOK, Jacob; CAETANO, Rodrigo da Costa. Geografia e ideologia: Oliveira Vianna e Sérgio Buarque de Holanda. UFF, Niterói - GEOgraphia - Ano. 6 - Nº 11 – 2004, pag. 39-53.
CALDEIRA, João Ricardo de Castro. Crônica, memória e história na crítica de Sérgio Buarque de Holanda. In: Perfis Buarqueanos, ensaios sobre Sérgio Buarque de Holanda. Impressa oficial, memorial: São Paulo, 2005.
CALDEIRA, João Ricardo de Castro. IEB: Origem e significados. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, Oficina do Livro Rubens Borba Moraes, 2002. [trabalho originalmente apresentado como tese de doutorado na USP].
CAMILO, Vagner. O aerólito e o zelo dos neófitos: Sérgio Buarque, crítico de poesia. Revista USP, São Paulo, n. 80, fev. 2009.
CAMPOS, Haroldo. Da crítica antecipadora: evocação de Sérgio Buarque de Holanda. In: ___. Metalinguagem & outras metas. 4. ed. revista e ampliada. São Paulo: Perspectiva, 1992, p. 289-298.
CÂNCER mata o historiador Sérgio Buarque de Holanda. Diário Popular, São Paulo, 25 abr. 1982. p. 7.
CANDIDO, Antônio. (org) Sérgio Buarque de Holanda e o Brasil, São Paulo, Fundação Perseu Abramo, 1998. 134 p. il.
CANDIDO, Antonio. Amizade com Sérgio. Revista do Brasil, Rio de Janeiro, Ano 3, n. 6, p.132-133, 1987.
CANDIDO, Antônio. As Tentativas de Mitologia de Sérgio Buarque de Holanda. O Escritor/ Rodapé, Jornal da UBE, nº 100 - outubro/2002 - pag. 24.
CANDIDO, Antônio. O significado de Raízes do Brasil. In S. B. de Holanda, Raízes do Brasil, São Paulo, Companhia das Letras, 1995 [1967]. pag. 9-21.
CÂNDIDO, Antonio. Visão moderna do Brasil. A TARDE, Salvador, 13 jul. 2002. Cultural, p. 9.
CÂNDIDO, Antonio. A visão política de Sérgio Buarque de Holanda. In: SÉRGIO Buarque de Holanda e o Brasil. São Paulo: Perseu Abramo, 1998. p. 81-88.
CÂNDIDO, Antonio. Introdução. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes de Sérgio Buarque de Holanda. Rio de Janeiro: Rocco, 1989. p. 119-129.
CÂNDIDO, Antonio. Introdução. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Capítulos de literatura colonial.São Paulo: Brasiliense, 1991. p. 7-23.
CÂNDIDO, Antonio. Sérgio, o radical. In: SÉRGIO Buarque de Holanda: vida e obra. São Paulo: Secretaria de Estado da Cultura, 1988. p. 61-65.
CÂNDIDO, Antonio. Sérgio em Berlim e depois. Novos Estudos - CEBRAP, São Paulo, v. 1, n. 3, p. 4-9, jul. 1982.
CARDOSO, Fernando Henrique. Raízes do Brasil. Folha de São Paulo, Caderno Mais!, 09 de janeiro de 2005.
CARDOSO, Fernando Henrique. Sérgio, um jovem eterno. O Globo, 14 de julho de 2002.
CARDOSO, Fernando Henrique. Brasil: as raízes e o futuro. Revista do Brasil, ano III, no VI, julho de 1987.
CARDOSO, Fernando Henrique. Livros que inventaram o Brasil. Novos Estudos Cebrap, no 37, novembro de 1993.
CARPEAUX, Otto Maria. Sérgio, homem das surpresas. Diário Carioca, Rio de Janeiro, 17 ago. 1952. p. 3.
CARVALHO, Marcus Vinícius Corrêa. Outros lados: Sérgio Buarque de Holanda, crítica literária, história e política (1920-1940). Tese de doutorado. Departamento de História do IFCH – Unicamp, 2003.
CARVALHO, Marcus Vinícius Corrêa. O exagero na historiografia de Sérgio Buarque de Holanda In: MONTEIRO, Pedro Meira; e EUGÊNIO, João Kennedy (orgs.). Sérgio Buarque de Holanda: Perspectivas. Campinas: Editora da Unicamp, Rio de Janeiro: Editora da UERJ, 2008.
CARVALHO, Marcus Vinícius Corrêa. Raízes do Brasil, 1936. Tradição Cultura e Vida. Dissertação de Mestrado. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp, 1997.
CASTRO, Conrado Pires de. Com tradições e contradições: contribuição ao estudo das raízes modernistas de Sérgio Buarque de Holanda. (Dissertação de Mestrado). Campinas: Unicamp, 2002.
CASTRO, Conrado Pires de. Motivos Ibéricos, pretextos literários: aspectos modernistas de Raízes do Brasil. Trapézio, no.3/4. Publicação do Centro de Estudos Brasileiros (CEB) do IFCH-Unicamp, 2003. Pag. 69-100.
CATTAI, Júlio Barnez Pignata; MENEZES, Sezinando Luiz. Consistência de couro: considerações sobre a herança portuguesa na sociedade colonial do Brasil, em Sérgio Buarque de Holanda. Acta Sci. Human Soc. Sci. Maringá, v. 30, n. 1, p. 77-86, 2008.
CAVALCANTI JUNIOR, Idelmar Gomes; SILVA, Maria do Rosário de Fátima Vieira da; COSTA, Rozane da Silva. A história cultural de Gilberto Freyre e Sérgio Buarque de Holanda e os novos rumos da historiografia brasileira. Revista F@pciência, Apucarana-PR, vo. 6, nº 6 pag. 47-54, 2010.
CAVALCANTI, Berenice. História e cultura: Sérgio Buarque de Holanda e as “raízes” da moderna historiografia brasileira. Revista Americas: Historia e Cultura, nº 1, Jan/1995, pag. 47-70.
CAVALCANTI, Valdemar. Dois seres humanos maduros. O Jornal, Rio de Janeiro, 20 jul. 1952. Caderno Revista, p. 1 e 5.
CHASSOT, Walkiria Costa Fucilli. Sergio Buarque de Holanda e a Historiografia Paulista. R. História, São Paulo, n. 122, p. 47-69, jan/jun. 1990.
CHAVES. Ernani. Raízes do Brasil e Nietzsche. Cult – Revista Brasileira de Literatura, São Paulo, n. 37, p. 52-55, ago. 2000.
CINQUENTENÁRIO de um escritor: em 1922, Sérgio Buarque de Holanda não era um rapaz levado a sério. Diário Carioca, Rio de Janeiro, 13 jul. 1952. p.3 e 6.
COELHO, George Leonardo Seabra. A concepção de Fronteira na Obra de Sérgio Buarque de Holanda. Congresso História de Itajaí/SC, 2010.
COHN, Gabriel. O pensador do desterro. Folha de S. Paulo, 23 jun. 2002. Caderno Mais! Dossiê “O paraíso redescoberto de Sérgio Buarque de Holanda”, pag. 10-11.
CORBISIER, Roland. Formação e problema da cultura brasileira. Rio de Janeiro: ISEB, 1960.
CORRÊA, Dora Shellard. Os Rios na Formação Territorial do Brasil. Considerações sobre a Historiografia Paulista. III Encontro da Anppas 23 a 26 de maio de 2006, Brasília/DF.
COSTA, Jean Henrique. Agricultura e Aventura no Brasil Colônia: breve ensaio a partir de Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Holanda e Caio Prado Junior. Revista Espaço Acadêmico nº 108 - maio de 2010.
COSTA, Marcos (org). Para uma nova história: textos de Sérgio Buarque de Holanda. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.
COSTA, Valeriano Mendes Ferreira. Vertentes democráticas em Gilberto Freyre e Sérgio Buarque. Lua Nova. Nº 26, pag. 219-248, Agos.1992.
COTRIM NETO, Alberto. Raízes do Brasil. A Ofensiva, Rio de Janeiro, 03 de fev. 1937.
COUTINHO, Edilberto. Sérgio Buarque de Holanda, o homem que não quis ser “imortal”. O Globo, Rio de Janeiro, 27 abr. 1982. p. 30.
COUTO, Rui Ribeiro. El hombre cordial, producto americano. in HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. (Org.) Ricardo B. de Araújo, Lilia M. Schwarcz. Edição comemorativa 70 anos. São Paulo: Companhia das Letras, 2006, p. 397-398. [Publicado na Revista do Brasil, nº 6, 1987 pag. 30-31 e Originalmente publicado em Montery, mar. 1931].
COUTO, Rui Ribeiro. O Banho (Sérgio Buarque de Holanda). Revista do Brasil, Rio de Janeiro, n. 5, p. 22, 15 nov. 1926.
CREMADO em Vila Alpina o corpo de Sérgio Buarque de Holanda. Folha da Tarde, São Paulo, 26 abr. 1982. p. 9.
CRUZ, Breno de Paula Andrade; MARTINS, Paulo Emílio Matos. O poder do bacharel no espaço organizacional brasileiro: relendo Raízes do Brasil e Sobrados e mucambos. Cadernos EBAPE.BR, FGV. vol. IV, nº 3 out. 2006.
CRUZ, Renato. Raízes do Brasil, os 60 anos de um clássico. Diálogos, Maringá, 1997, ano I, n. 1, p. 67-82, pp. 67-68.
DAMAZIO, Reynaldo. Sergio Buarque de Holanda, Uma reflexão decisiva sobre o homem cordial. In: Revista Biblioteca Entre Livros. São Paulo, Ediouro, 2007, n.8, pp.22-27.
DANTAS, Pedro. Alegria. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 30 jul. 1968. p. 4, col. 1-4.
DECCA, Edgar Salvadori de. O homem cordial morreu ou, talvez nunca tenha existido. In. Raízes do Brasil. 70 anos interpretando o Brasil. IHUOn-line Revista do Instituto Humanitas Unisinos. Edição 205, São Leopoldo/RS, 20 de nov. de 2006.
DECCA, Edgar Salvadori de. Decifra-me ou te devoro: as metáforas em Raízes do Brasil. Página Comemorativa do Centenário de Sérgio Buarque de Holanda na Unicamp. 2002b.
DECCA, Edgar Salvadori de. Ensaios de nacionalidade: cordialidade, cidadania e desterro na obra de Sérgio Buarque de Holanda. Locus Revista de História, Juiz de Fora, vol. 12, nº 1, pag. 145-159, 2006.
DECCA, Edgar Salvadori de. Raízes do Brasil: um ensaio das formas históricas. In: Página Comemorativa do Centenário de Sérgio Buarque de Holanda na Unicamp, 2002a.
DECCA, Edgar Salvadori de. Teoria e método históricos em Raízes do Brasil. In: PESAVENTO, Sandra Jatahy. Leituras cruzadas: diálogos da história com a literatura. Porto Alegre: Editora da Universidade, 2000.
DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Raízes do Brasil é um livro atual, que permanece conosco. In. Raízes do Brasil. 70 anos interpretando o Brasil. IHUOn-line Revista do Instituto Humanitas Unisinos. Edição 205, São Leopoldo/RS, 20 de nov. de 2006.
DIAS, Maria Odila Leite da Silva. De monções a Caminhos e Fronteiras, Revista do Brasil, Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, p. 63-67, jul. 1987.
DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Sérgio Buarque de Holanda, historiador. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Sérgio Buarque de Holanda: história. São Paulo: Ática, 1985. p. 7-64.
DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Política e sociedade na obra de Sérgio Buarque de Holanda. In: SÉRGIO Buarque de Holanda e o Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 1998. p. 11-28.
DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Raízes do Brasil. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 21 mar. 1987. Caderno 2, p. 4-6.
DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Pequena biografia de Sérgio Buarque de Holanda, Revista do Brasil, Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, p. 6-7, jul. 1987.
DIAS, Maria Odila Leite. Dialogando com Sérgio Buarque de Holanda. Revista da SBPC, ano 54, no.1, jul/agos/set de 2002, pag.68-69.
DIAS, Maria Odila Leite. Sérgio Buarque de Holanda, Vida e Obra, São Paulo, Edusp, 1988.
DIAS, Maria Odila Leite. Sergio Buarque na USP. Revista de Estudos Avançados, n. 22, 1994.
DOLHNIKOFF, Miriam. O poder provincial: política e historiografia. Revista de História. Nº 122 São Paulo jul.1990.
DOMINGOS, Bárbara. De crítico literário a pensador social: A busca de Sérgio Buarque de Holanda por uma atualização da cultura brasileira. UERJ, INTRATEXTOS, Rio de Janeiro, Número Especial 01, pp.01-17, 2010.
DULCI, Luiz. Sérgio Buarque de Holanda petista. In: CANDIDO, Antonio (org.) Sérgio Buarque de Holanda e o Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1998.
É MELHOR que nada, na opinião de quatro professores. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 29 jun. 1979. p. 4.
ELEITO ontem novo membro da Academia Paulista de Letras. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 13 jun. 1958. p. 9.
ENTRE as obras, o clássico chamado Raízes do Brasil. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 25 abr. 1982.
ESCRITOR, um porta-voz da sociedade. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 3 fev. 1981. p. 21.
ESCRITORES recebem o Jabuti. Folha de S. Paulo, São Paulo, 28 out. 1980. p. 27.
EUGÊNIO, João Kennedy. O Outro Ocidente: Sérgio Buarque de Holanda e a interpretação do Brasil. Dissertação de Mestrado. Niterói, UFF, 1999.
EUGÊNIO, João Kennedy. Um ritmo espontâneo – O organicismo em Raízes do Brasil e Caminhos e Fronteiras, de Sérgio Buarque de Holanda. (Tese de Doutorado), UFF/RJ, Niterói, 2010.
EULÁLIO, Alexandre. Antes de tudo um escritor. Revista do Brasil, Rio de Janeiro, ano 3, n. 6, p. 134-141, 1987.
EULÁLIO, Alexandre. Sérgio Buarque de Holanda, escritor. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 19. ed. São Paulo, 1987.
EVOCAÇÃO de Sérgio Buarque de Holanda. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 6 de jun. 1982.
FAORO, Raymundo. Mestre Sérgio. Folha de São Paulo, Caderno Mais!, 23 de junho de 2002.
FAORO, Raymundo. Sérgio Buarque de Holanda: analista das instituições brasileiras. In: CANDIDO, Antonio. (org). Sérgio Buarque de Holanda e o Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1998.
FERREIRA, Ana Luiza de Oliveira Duarte. Debatendo estratégias de abordagem do conceito de iberismo, através da análise das obras-clássicas do mexicano Samuel Ramos e do brasileiro Sérgio Buarque de Holanda: El perfil del hombre y la cultura en México [1934] - Raízes do Brasil [1936]. (Dissertação de mestrado). Juiz de Fora (MG), UFJF, 2006.
FERREIRA, Ana Luiza de Oliveira Duarte. O perfil vanguardista de Ramos e as raízes modernistas de Holanda. Revista Espaço Acadêmico nº 84 – mensal, maio de 2008. (Edição especial – 2001-2008 – sétimo ano).
FERREIRA, Ana Luiza de Oliveira Duarte. Perfil e raízes do“Agora”: Modernização, democracia, e identidade do México e do Brasil de início dos novecentos, nos clássicos de Samuel Ramos e Sérgio Buarque de Holanda. História, imagem e narrativas Nº 5, ano 3, setembro/2007.
FERREIRA, Ana Luiza de Oliveira Duarte. Sérgio Buarque de Holanda: conceitos e métodos de abordagem em Raízes do Brasil. 2007.
FERREIRA, Ana Luiza de Oliveira Duarte.Trabalhando conceitos e métodos e elaboração de conceitos, através de el perfil del hombre y la cultura en México e Raízes do Brasil. En publicación: E-l@tina. Revista electrónica de estudios latinoamericanos, vol. 5, nº. 19, abril-junio/2007.
FERREIRA, Ana Luiza; REIS, Carolina; MENDES, Fernanda; NISHIYAMA, Gisele; CHAVES, Paula; CALAIS, Samira. Análise de Raízes do Brasil - Uma visão sobre a obra de Sérgio Buarque de Holanda. (Estudantes de Graduação de Comunicação Social DAH - Universidade Federal de Viçosa). Revista de Artes e Humanidades, nº 3, Nov-Abril 2009.
FERREIRA, Antonio Celso. As relíquias de Sérgio Buarque de Holanda: pistas e armadilhas. TRICEVERSA - Revista do Centro Ítalo-Luso-Brasileiro de Estudos Lingüísticos e Culturais, v.1, n.1, maio-out. 2007.
FERREIRA, Augusto César Feitosa Pinto. Família e relações de poder na historiografia brasileira: discussão sobre obras de Oliveira Viana, Gilberto Freyre e Sérgio Buarque de Holanda. UFPE, Veredas da História, vol. 2, ano II - nº1 - 1º semestre de 2009.
FERREIRA, Edilaine Custódio. Uma interlocução entre Simmel, Weber e Buarque de Holanda. Revista Urutágua - revista acadêmica multidisciplinar, quadrimestral, nº 5 - dez/jan/fev/mar. Maringá/PR. DCS/UEM.
FERREIRA, Gabriela Nunes. A formação nacional em Buarque, Freyre e Vianna. Lua Nova nº 37, 1996.
FESTER, Antonio Carlos Ribeiro. Perspectivas de Sérgio Buarque de Holanda. O Escritor, São Paulo, v. 16, p. 3, jun. 1982.
FINAZZI-AGRÒ, Ettore. Soglie: il ‘luogo terzo’ della identità brasiliana. Página Comemorativa do Centenário de Sérgio Buarque de Holanda na Unicamp, 2002.
FLECK, Eliane. A psicologia do povo brasileiro. In. Raízes do Brasil. 70 anos interpretando o Brasil. IHUOn-line Revista do Instituto Humanitas Unisinos. Edição 205, São Leopoldo/RS, 20 de nov. de 2006.
FRANCO, Afonso Arinos de Melo. Introdução e itinerário: vida literária. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 15 mar. 1942. p. 1.
FRANCO, Luiz Fernando Pereira das Neves. Defeito mecânico: Mito e Trabalho no Paraíso de Sérgio Buarque de Holanda. (Tese de Doutorado). Niterói, UFF, 2005.
FRANCO, Sérgio da Costa. O “pai do Chico”. Correio do Povo, Porto Alegre, 7 jun. 1974.
FRANÇOZO, Mariana de Campos. Os outros alemães de Sérgio: etnografia e povos indígenas em Caminhos e Fronteiras. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 22, n.º 66, 2007. Pag. 137-152.
FRANÇOZO, Mariana de Campos. Um outro olhar: a Etnologia Alemã na obra de Sérgio Buarque de Holanda.(Dissertação de Mestrado). Campinas, UNICAMP, 2004.
FRANZINI, Fábio. Documento De Octavio para Sergio, meio século depois. REVISTA ANGELUS NOVUS - nº 1 - agosto de 2010.
FRANZINI, Fábio. Reconhecimento lento e gradual - O clássico Raízes do Brasil foi digerido lentamente pela crítica, que o considerou “agridoce” e “duro de roer”. Revista de História, 08 de dez. 2010.
FREITAS, Marcos Cezar de. Historiografia e Paradigma: Uma viagem de Guinzburg a Buarque de Holanda. Horizontes, v.14, 1996, pag.11-34.
FREYRE, Gilberto. Sérgio, mestre de mestres. Folha de S. Paulo, São Paulo, 11 maio 1982. p. 27.
FREYRE, Gilberto. Sérgio, mestre de mestres. Revista do Brasil, Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, p. 117, jul. 1987.
GAGLIETTI, Mauro. Reconstrução de fragmentos. In. Raízes do Brasil. 70 anos interpretando o Brasil. IHUOn-line Revista do Instituto Humanitas Unisinos. Edição 205, São Leopoldo/RS, 20 de nov. de 2006.
GAGLIETTI, Mauro; BARBOSA, Márcia Helena S.. A brasilidade no entre-lugar: leituras de Dyonélio Machado e Sérgio Buarque de Holanda. Letras de Hoje. Porto Alegre, v. 41, n. 3, p. 29-36, setembro, 2006.
GALVÃO, Cristina Carrijo. A escravidão compartilhada: os relatos de viajantes e os interpretes da sociedade brasileira. (Dissertação de mestrado). Campinas. UNICAMP, 2001.
GALVÃO, Walnice Nogueira. A Fortuna Crítica de Sérgio Buarque de Holanda. In: PESAVENTO, Sandra Jatahy. (Org). Leituras Cruzadas: Diálogos da história com a literatura. Porto Alegre: ed. UFRGS, 2000, pag.191-211.
GALVÃO, Walnice Nogueira. A presença da literatura na obra de Sérgio Buarque de Holanda. Estudos Avançados, vol. 15, n.º 42, 2001. pag. 471-483.
GENRO, Valdeci Nunes. Da cordialidade e do favor: uma leitura de Raízes do Brasil. (Dissertação de Mestrado). Porto Alegre- UFRGS, 1998.
GENTE de São Paulo. Revista do Brasil, Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, p. 144-145, jul. 1987.
GOLDFEDER, André Barbugiani; WAIZBORT, Leopoldo. Sobre os"tipos" em Raízes do Brasil. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, no.49 São Paulo set. 2009.
GOLDMAN, Elisa. O humilde e o sublime: a representação do bandeirante na historiografia paulista. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro. PUC, 1997.
GÓMEZ-MARTÍNEZ, José Luis. Sérgio Buarque de Holanda: conceitos e métodos de abordagem em Raízes do Brasil, 2007.
GONÇALVES, Adelto. Pensar o Brasil com Sérgio Buarque de Holanda. Bula Revista - Literatura e Jornalismo Cultural, 12 out. 2008.
GRAHAM, Richard. 1982. An Interview with Sérgio Buarque de Holanda. Hispanic American Historical Review, vol. 62, no. 1, 1982, pag.3-17.
GRECO, Heloísa. O “passado que nos cerca” e a promessa do futuro: considerações sobre a questão da cidadania em Caio Prado Júnior e Sérgio Buarque de Holanda. Fronteiras, Campo Grande, UFMS, v. 5, n. 10, 2001.
GROFF, Luiz Homero. Raízes do Brasil de Sérgio Buarque de Holanda como pólo de relações de intertextualidade. (Dissertação de Mestrado). Santa Cruz do Sul (RS). Universidade de Santa Cruz do Sul, 2007.
GUERRA, Abílio da Silva. Raízes modernistas de Sérgio Buarque de Holanda. Revista de História, nº 1, pag. 127-141, 1989.
GUIMARÃES, Eduardo Henrique de Lima. Itinerários historiográficos inexplorados: Sérgio Buarque de Holanda na trilha de Capistrano de Abreu. Maracanâ. Rio de Janeiro, nº 2 pag. 101-113, 2004.
HAAG, Carlos. Obra resgata Sérgio Buarque crítico literário. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 23 nov. 1996. Caderno 2. Literatura, p. D12.
HOLANDA, Bartolomeu Buarque de. Buarque - Uma Família Brasileira. 2 Vols. Editora Casa da Palavra, 1ª edição 2007, 200 pags. (Sinopse: 'Buarque - Uma família brasileira' é um compêndio composto de um romance histórico, baseado em fatos reais, sobre as origens da família e um ensaio histórico-genealógico. O autor reuniu durante mais de 20 anos documentos, certidões, depoimentos e diários que perpassam séculos; realizou entrevistas com descendentes (filhos, netos, bisnetos etc.) de personagens emblemáticos, homens e mulheres fascinantes que fizeram as histórias dos Buarque e dos Holanda. Histórias de amores clandestinos, paixões proibidas, tradições abaladas. Uma família que atravessa a história do país e sintetiza a miscigenação e os contrastes marcantes do povo brasileiro).
HOLANDA, Francisco Buarque de. Chico Buarque fala sobre seu pai (Uma entrevista exclusiva em que o compositor fala sobre o historiador Sérgio de Holanda). Folha da Manhã, 05 de julho de 1992. Banco de Dados Folha.
HOLANDA, Heloisa Buarque de. Meu pai Sérgio Buarque de Holanda: “ele sempre lutou pela liberdade”. Manchete, Rio de Janeiro, n. 1577, 10 jul. 1982. p. 88-90. Entrevista a Jorge de Aquino Filho.
HOLANDA, Maria Amélia Buarque de. Apontamentos para a cronologia de Sérgio Buarque de Holanda. In: ARAÚJO, Ricardo B. e SCHWARZC, Lilia M. Raízes do Brasil – Edição Comemorativa 70 anos. São Paulo: Companhia das Letras, 2006 pag. 421-446.
HOLLANDA, Bernardo Borges Buarque de. O dilema de Raízes do Brasil. Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, 21, Outubro, 2003: 152-160.
HOLLANDA, Bernardo Borges Buarque de. Raízes do Brasil: do filme ao livro. 2004. Disponível em:
HOOPER, Silvana Seabra. Fronteiras de história e literatura: a escrita de Sérgio Buarque de Holanda em Caminhos e fronteiras. Tese de doutorado. Belo Horizonte, UFMG, 2007.
HORCH, Rosemarie Erika. Bibliografia de Sérgio Buarque de Holanda. In: Sérgio Buarque de Holanda: vida e obra. São Paulo: Secretaria de Estado da Cultura; Arquivo do Estado; Universidade de São Paulo; Instituto de Estudos Brasileiros, 1988.
HORCH, Rosemarie Erika. Bibliografia. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Vision del paraíso... Caracas, 1987. p. 421-461.
HUBER, Valburga. A imagem européia/alemã do Brasil: os viajantes, os escritores, o cancioneiro popular. Faculdade de Letras – UFRJ.
HUTTER, Lucy Maffei. A contribuição italiana, segundo Sérgio Buarque de Holanda. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros nº 43 São Paulo set. 2006.
IELO, Maurício. Às vésperas dos 80 anos, a morte de Sérgio Buarque. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 25 abr. 1982. p. 38.
IGLÉSIAS, Francisco et al. Sérgio Buarque de Holanda. 3º Colóquio UERJ. Rio de Janeiro. Imago Ed., p. 9-53. 1992.
IGLÉSIAS, Francisco. Sergio Buarque de Holanda, historiador. In: ___. História e literatura: ensaios para uma história das ideias no Brasil. Org. João Antonio de Paula. São Paulo: Perspectiva, 2009, p. 117-167.
IGLÉSIAS, Francisco. Evocação de Sérgio Buarque de Holanda. O Estado de S. Paulo, São Paulo, v. 2, n. 104, p. 4-5, 6 jun. 1982. Cultura.
IGLÉSIAS, Francisco. Evocação de Sérgio Buarque de Holanda. Revista do Brasil, Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, p. 122-128, jul. 1987.
IMPACTO no meio intelectual. Folha de S. Paulo, São Paulo, 26 abr. 1982. Ilustrada, p. 19.
INTELECTUAL sem pompas: desaparece um autor essencial. Visão, São Paulo, ano 31, n. 18, 3 maio 1982. p. 53.
ITABORAÍ, Nathalie Reis. A família colonial e a construção do Brasil: Vida doméstica e identidade nacional em Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Holanda e Nestor Duarte. Revista ANTHROPOLÓGICAS, ano 9, volume 16(1): 171-196 (2005).
JAGUARIBE, Hélio. Raízes do Brasil e a transição para a sociedade de massas. In: MASCARENHAS, Sérgio (org.). Raízes e perspectivas do Brasil. São Paulo: Papirus, 1985, pag. 18-35.
JOVANOVIC, Aleksandar. Buarque de Holanda para entender a crise social e a política brasileira. In. Raízes do Brasil. 70 anos interpretando o Brasil. IHUOn-line Revista do Instituto Humanitas Unisinos. Edição 205, São Leopoldo/RS, 20 de nov. de 2006.
KONDER, Leandro. Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982). In: KONDER, Leandro. Intelectuais Brasileiros e Marxismo. Belo Horizonte: Oficina de Livros, 1991, pp. 59-64.
KOWALEWSKI, Daniele Pechuti. Favor, cordialidade e direitos: repercussões educacionais. Educação em Revista, Marília, v.11, n.1, p.19-36, Jan.-Jun. 2010.
LADEIRA, Cadu; AFFINI, Marcelo. Sérgio Buarque de Holanda, o boêmio erudito. Revista SUPER, edição 64, Jan. 1993.
LAMOUNIER, Bolívar. Sérgio Buarque e os “grilhões do passado”. In: Raízes do Brasil: edição comemorativa de 70 anos, pag. 275-293.
LEENHARDT, Jacques. Frente ao presente do passado: as raízes portuguesas do Brasil. In: PESAVENTO, Sandra Jatahy (Org.). Um historiador nas fronteiras: o Brasil de Sérgio Buarque de Holanda. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2005.
LEENHARDT, Jacques. Raízes do Brasil de Sérgio Buarque de Holanda: algumas questões sobre a origem da colonização portuguesa no Brasil. Página Comemorativa do Centenário de Sérgio Buarque de Holanda, Unicamp, 2002.
LEITE FILHO, Roberto Conceição Morato; O impasse da modernidade no Brasil das primeiras décadas deste século: análise de Raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Holanda. (Dissertação de Mestrado). Rio de Janeiro, Fundação Getúlio Vargas, 1994.
LEITE, Dante Moreira. O Caráter nacional brasileiro [Descrição das características psicológicas do brasileiro através de ideologias e estereótipos]. São Paulo: FFCL, 1954. 237 p.
LEITE, Dante Moreira. O Caráter nacional brasileiro [Descrição das características psicológicas do brasileiro através de ideologias e estereótipos]. 2ª ed. rev. ref. amp. São Paulo: Pioneira, 1969./e 3ª ed. rev. ref. amp. São Paulo: Pioneira, 1976.
LEONEL, Maria Célia de Moraes. Sérgio Buarque de Holanda na literatura dos anos 20. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, v. 24, p. 63-74, 1982.
LIMA, Diocleciano. Sobre Raízes do Brasil. Jornal do Comércio, Recife, 15 dez. 1936.
LIMA, Fernando da Mota. Raízes do Brasil. UFPE. Disponível em: Controvérsia.
LIMA, Luiz Costa. Sérgio Buarque de Holanda, Visão do Paraíso. REVISTA USP, São Paulo, n.53, p. 42-53, março/maio 2002.
LIMA, Luiz Costa. Sérgio Buarque: crítico literário. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 1º fev. 1997. p. 5.
LIMA, Mário Hélio Gomes de. Cordialidade canibal. Fundação Joaquim Nabuco, Recife – Brasil, revista 01.indd. letras n° 32 - Ética e cordialidade , pag. 113-124, ano 2007.
LIMA, Nísia Trindade. O passado nos condena? A herança ibérica no pensamento de Oliveira Vianna, Gilberto Freyre e Sérgio Buarque de Holanda. Mimeo, Texto apresentado no XVIII Encontro anual da ANPOCS, 1994.
LIMA, Rachel. Revisão do paraíso na aldeia global. Universidade Federal da Grande Dourados. Raído, Dourados, MS, v. 2, n. 4, p. 107-116, jul./dez. 2008.
LIMA. Rafael Fernando Braga de. As consonâncias entre o historiador e o crítico literário o olhar móvel e a imagem transcendental de Sérgio Buarque de Holanda na geração de 45. (Monografia). Universidade Tuiuti do Paraná, História, 2008.
LIMA. Rafael Fernando Braga de. As duas faces de uma só figura: historiografia e literatura em Sérgio Buarque de Holanda.
LIU, Yi. Homem Cordial da Casa e Homem Mascarado da Rua. (Brown University). LL, Vol. I No. 2 2006.
LUZ, Guilherme Amaral. Semeadores do exílio: poemas para a história das raízes do Brasil. UFRN - Centro de Ensino Superior de Seridó - Campus de Caicó, MNEME, Revista de Humanidades, v. 02, nº 3 fev/mar. de 2001.
M. J. Le Brésil dans la vie américaine. La Tribune de Genéve, Genebra, 4-5 set. 1954. p. 5.
MACHADO, Brasil Pinheiro. Raízes do Brasil – uma re-leitura. In: MONTEIRO E EUGÊNCIO (org.) 2008, pag. 155-180. [Originalmente publicado em Estudos Brasileiros, Curitiba-PR, dez. 1976, nº 2 pag. 169-193].
MARCELINO, Alipio Rocha. A história não se repete. O Escritor, São Paulo, v. 16, n. 3, jun. 1982.
MARTINS, Claudio Vieira. Instituição da família no pensamento social brasileiro na visão de Sérgio Buarque de Holanda e Gilberto Freyre. (Monografia). UFSM - Santa Maria/RS, 2008.
MARTINS, Luis. A cigarra e a formiga. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 28 set. 1965. p. 13.
MARTINS, Luis. Notas à margem. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 24 out. 1967. p. 13.
MARTINS, Luis. O homem cordial. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 4 jun. 1957. p. 8.
MARTINS, Luis. Boa viagem. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 24 dez. 1952. p. 6.
MARTINS, Luis. O homem cordial. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 27 mar. 1969. p. 15.
MARTINS, Luis. O jovem Sérgio. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 30 ago. 1974. p. 8.
MARTINS, Luis. O Pai do Chico. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 16 fev. 1971. p. 9.
MARTINS, Luis. O paulista velho. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 31 maio 1970. p. 22.
MARTINS, Luis. Sérgio Buarque de Holanda. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 25 abr. 1961. p. 16.
MARTINS, Luis. Um mestre. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 15 fev. 1981. p. 20.
MARTINS, Wilson. Crítica historiográfica: Sérgio Buarque de Holanda, historiador, notabilizou-se também por seus estudos em literatura comparada. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 17 abr. 1993.
MARTINS, Wilson. Encruzilhadas ( I ). Jornal da Tarde, São Paulo, 16 set. 1989. Caderno de Sábado, p. 8.
MASCARENHAS, Sérgio (org). Raízes e perspectivas do Brasil. São Paulo: Papirus, 1985.
MATOS, Claudia Neiva de. Visões do paraíso barroco. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 4 jan. 1992. Idéias/ Livros, p. 6-7.
MATOS, Júlia Silveira. O ideário nacionalista nos escritos de Sérgio Buarque de Holanda e Assis Chateaubriand: 1920-30. Tese de Doutorado. PUC/RS, Porto Alegre-RS, 2008.
MATOS, Júlia Silveira. Os intelectuais, a aliança liberal e as críticas ao personalismo: heranças da tradição do pensamento político brasileiro. Biblos, Rio Grande, 23 (2): 207-222, 2009.
MATOS, Julia Silveira. Sérgio Buarque de Holanda: Raízes do Brasil, diálogos com a Política e a história do Brasil. (Dissertação de Mestrado) PUC/RS, Porto Alegre, 2005, pags. 144.
MATOS, Julia Silveira. Tradição e modernidade na obra de Sergio Buarque de Holanda. Biblos, Rio Grande, 17: 131-143, 2005.
MATOS, Julia Silveira. Cartas trocadas: Sérgio Buarque de Holanda e os bastidores da Revista Klaxon. Fênix - Revista de História e Estudo Culturais, vol. 7 ano VII, nº 2. Maio/jun/jul/agos. 2010.
MATOS, Luís Estrela de. Sérgio Buarque de Holanda e Raízes do Brasil: a origem de um clássico. Revista de Cultura, nº 61, Fortaleza, São Paulo, Jan/Fev. 2008.
MATOS, Norton. Raízes do Brasil. O Primeiro Janeiro, Porto/Portugal, 05 a 12 nov. 1938.
MELLO, Evaldo Cabral de. Posfácio: Raízes do Brasil e depois. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 26ª edição, 1995.
MELLO, Vieira de. Raízes do Brasil. Anota, Rio de Janeiro, 15 nov. 1936.
MEMÓRIA: Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982). Veja - São Paulo, n. 713, 5 maio 1982. p. 123.
MENDES, Breno. NOSSA (CORDIAL) REVOLUÇÃO: o legado dos desterrados em sua própria terra. Revista História em Reflexão: Vol. 4 n. 8 – UFGD - Dourados jul/dez 2010.
MENDONÇA, Kátia. Do Homem Cordial ao Homem Racional: Civilização e barbárie no Imaginário Social Brasileiro.
MERLO, Thiago Elias; TAVARES, Sérgio Ferreira. Cultura corporal e pensamento social brasileiro: modelo contemporâneo e dialéticas. Núcleo de Educação Física/UCB.
MERQUIOR, José Guilherme. Os ciprestes do Aquileion, ou pão e petit-pois. In: _____. As idéias e as formas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981. p. 56-70
MERQUIOR, José Guilherme. Mestre Sérgio. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 28 abr. 1982. p. 11.
MESGRAVIS, Laima. Aspectos da sociedade paulista no século XIX na visão de Sérgio Buarque de Holanda. In: Sérgio Buarque de Holanda: Vida e Obra. São Paulo: Universidade de São Paulo: Instituto de Estudos Brasileiros, 1988. pag.89-94.
MEYER, Augusto. Visão do Paraíso. Revista do Brasil, ano III, no VI, julho de 1987.
MILITÃO, José Roberto F. Sérgio Buarque e o mito das três raças. Advivo. 24 de abril de 2011.
MILLIET, Sérgio. Sérgio Buarque de Holanda (Fragmentos). Folha de S. Paulo, São Paulo, 27 nov. 1966. Folha ilustrada, p. 2.
MILLIET, Sérgio. À margem da obra de Sérgio Buarque de Holanda. Revista do Brasil, Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, p. 96-99, jul. 1987.
MILLIET, Sérgio. Saudação de... por ocasião do cinqüentenário de Sérgio Buarque de Holanda. Anhembi, São Paulo, v. 8, n. 22, p. 112-113, set. 1952.
MILLIET, Sérgio. Raízes do Brasil. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 18 nov. 1936.
MIRANDA, José Tavares de. Nossos escritores: Sérgio Buarque de Holanda: “A literatura brasileira está ainda no plano estadual”. Sumário da vida do crítico e historiador paulista. Modernista como em 22, já beirando os 50. Folha da Manhã, São Paulo, 29 jul. 1951. p. 5. Caderno Atualidades e comentários.
MOISÉS, Massaud. Sérgio Buarque de Holanda e a crítica literária. Revista brasileira, São Paulo, v. 7, n. 32, p. 183 – 189, 2002, p. 183.
MONASTÉRIO, José Ortiz. Raízes do Brasil y El labirinto de La soledad: uma comparación. In: MONTEIRO E EUGÊNCIO (org), 2008, pag. 283-316.
MONTEIRO, Pedro Meira. A queda do aventureiro: aventura, cordialidade e os novos tempos em Raízes do Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 1999.
MONTEIRO, Pedro Meira. Raízes Rurais da família brasileira: um diálogo a partir de Raízes do Brasil e Sobrados e mucambos. In: MIRANDA, Maria do Carmo Tavares de (org.) Que somos nós? Sessenta anos de Sobrados e mucambos. Recife: Fundação Joaquim Nabuco; Massangana; Núcleo de Estudos Freyrianos, 2000.
MONTEIRO, Pedro Meira. Sérgio Buarque de Holanda e as palavras: Uma polêmica. Lua Nova nº 48, 1999.
MONTEIRO, Pedro Meira. The other roots Sérgio Buarque de Holanda and the portuguese. Princeton University, 2008.
MONTEIRO, Pedro Meira; EUGÊNIO, João Kennedy (orgs.). Sérgio Buarque de Holanda: Perspectivas. Campinas: Editora da Unicamp, Rio de Janeiro: Editora da UERJ, 2008.
MONTELLO, Josué. Mestre Sérgio, Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 18 maio 1982. Caderno 1, p. 11.
MORAES NETO, Prudente de. O lado oposto e outros lados, A Manhã. Rio de Janeiro, 30 out. 1926.
MORAES NETO, Prudente de. O lado oposto e outros lados, Revista do Brasil, Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, p. 8-10. jul. 1987.
MORAES, Ricardo Gaiotto de. Vidas literárias: Mário de Andrade e Sérgio Buarque de Holanda. Terra roxa e outras terras – Revista de Estudos Literários, UNICAMP, Volume 16, Set/2009. Pag. 26-34.
MORRE aos 79 anos o historiador Sérgio Buarque de Holanda. Folha de S. Paulo, São Paulo, 25 abr. 1982. Caderno 2, p. 21.
MORRE Sérgio Buarque de Holanda: a importância do “pai do Chico”. O Globo, Rio de Janeiro, 25 abr. 1982. p. 12.
MORSE, Richard M. Balancing mith and evidence: Freyre and Sérgio Buarque. Luso-Brazilian Review v. 32, nº 2 winter 1995, pag. 47-57.
MORSE, Richard M. Meu amigo Sérgio. Revista do Brasil, Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, p. 129-131. jul. 1987.
MOSCATELI, Renato. Um redescobrimento historiográfico do Brasil. Revista de História Regional 5(1):187-201, Verão 2000.
MOTA, Carlos Guilherme. Uma visão ideológica. O Escritor, São Paulo, ago./set. 1980. Ano I, n. 5, p. 11.
MOTA, Carlos Guilherme. A perspectiva do historiador. Opinião, São Paulo, n. 196, 6 ago. 1976. p. 28.
MOUTINHO, José Geraldo Nogueira. O mais vivo dos nossos homens de espírito. Folha de S. Paulo, São Paulo, 26 abr. 1982. Ilustrada, p. 19.
NASCIMENTO, José Leonardo. Sérgio Buarque: o novo olhar. Jornal da Tarde, São Paulo, 19 nov. 1994. Caderno de Sábado.
NASSA, Thiago. Dossiê “Sergio Buarque de Holanda”. Revista Ethnos Brasil, São Paulo - UNESP, edição nº 27, março/2003.
NASSAR, Laura Meloni. Círculos críticos: Sérgio Buarque de Holanda e as literaturas de língua inglesa. (Dissertação de mestrado). São Paulo. USP, 2004.
NEUMANN, Vera Cristina. O hábito faz o monge?. Boletim da Associação Paulista de Bibliotecários, São Paulo, 4 dez. 1986. [Coleção Sérgio Buarque de Holanda].
NEUMANN, Vera Cristina. Edição da Correspondência passiva de Sérgio Buarque de Holanda. Campinas: Unicamp, 1997.
NICODEMO, Thiago Lima. Gosto de sedição: Sérgio Buarque de Holanda, Manuel Bandeira e a autoria das Cartas Chilenas. Revista de História n.151 São Paulo dez. 2004.
NICODEMO, Thiago Lima. Revisitando a obra de Sérgio Buarque de Holanda: periodização, questões e lacunas. In: Anais do XVII Encontro Regional de História – O lugar da História. ANPUH/SP, UNICAMP. Campinas, 6 a 10 de setembro de 2004.
NICODEMO, Thiago Lima. Urdidura do Vivido. Visão do Paraíso e a obra de Sérgio Buarque nos anos 1950. Prefácio de Laura de Mello e Souza. São Paulo, EDUSP, 2008. [trabalho originalmente apresentado como dissertação de mestrado na USP, entre outros].
NOGUEIRA, Arlinda Rocha. Sérgio Buarque de Holanda, O homem. In: Sérgio Buarque de Holanda: Vida e obra. São Paulo, Secretaria de Estado da Cultura: Arquivo do Estado: Universidade de São Paulo: Instituto de Estudos Brasileiros, 1988.
NOGUEIRA, Arlinda Rocha. Cronologia. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Vision del paraiso... Caracas, 1987. p. 409-419.
NOTÍCIA da cerimônia de posse, em 5 fev. 1947. Revista do Instituto Histórico Geográfico de São Paulo, São Paulo, v. 47, p. 483, 1948.
NOTÍCIAS diversas: Homenagem a Sérgio Buarque de Holanda. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 8 ago. 1952. p. 9.
O “Jabuti” para Fernando Sabino. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 8 out. 1980. p.18.
O BÊ-a-bá das raízes: o livro Raízes do Brasil é um dos mais citados na cultura brasileira, mas suas idéias são pouco conhecidas ou se prestam a muitas confusões, como é o caso da noção de “homem cordial” Quais são as raízes da desordem nacional? Folha de S. Paulo, São Paulo, 11 nov. 1986. p. 45.
O MUNDO intelectual reage da notícia inesperada. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 25 abr. 1982.
PANDOLFI, Luiz. Conversa sobre Raízes do Brasil. Diário da Tarde, Recife, 18 nov. 1936.
PENNAFORT, Onestaldo. Um rei da valsa... Rio de Janeiro: Livr. São José, 1958. p. 80-81. il.
PEREIRAI, Mateus Henrique de Faria; SANTOS, Pedro Afonso Cristovão dos. Odisséias do conceito moderno de história: Necrológio de Francisco Adolfo de Varnhagen, de Capistrano de Abreu, e O pensamento histórico no Brasil nos últimos cinqüenta anos, de Sérgio Buarque de Holanda, revisitados. Rev. Inst. Estud. Bras. Nº 50, São Paulo – set/mar. 2010, pag. 27-78.
PESAVENTO, Sandra Jatahy. (org.) Um Historiador nas Fronteiras: o Brasil de Sérgio Buarque de Holanda, Belo Horizonte, Editora UFMG, 2005.
PICCHIA, Menotti dei. (Hélios). Sociais: Raízes do Brasil. Diário da Noite, S. Paulo, 12 nov. 1936.
PINHEIRO, Paulo Sérgio. Memória. Um sábio cordial. O anti-acadêmico que amava a erudição, ISTOÉ, São Paulo, v. 280, p. 50-52, 5 maio 1982.
PINTO, Maria Inês M.B. Sérgio Buarque de Holanda e o estudo dos meandros de uma sociedade movediça nos territórios do ouro: povoamento tumultuário e o processo de sedimentação social no século XVIII. In: Sérgio Buarque de Holanda: Vida e Obra. São Paulo: Universidade de São Paulo: Instituto de Estudos Brasileiros, 1988. pag.95-100.
PIRES, João Marcelo Ramos. Entre a província e a nação: centralização, descentralização e a obra de Sérgio Buarque de Holanda na década de 1930. (Dissertação de Mestrado), UFRJ – Rio de Janeiro, Junho de 2005.
PIVA, Luís Guilherme. Ladrilhadores e semeadores: a modernização brasileira no pensamento político de Oliveira Vianna, Sérgio Buarque de Holanda, Azevedo Amaral e Nestor Duarte (1920-1940). São Paulo: Departamento de Ciência Política da Universidade de São Paulo – USP; FAPESP, Editora 34, 2000.
PIZA, Daniel. A capacidade de unir análise e síntese. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 25 abr. 1992. Cultura, p. 3.
PRADO JÚNIOR, Bento. Ensaios sobre literatura de Sérgio Buarque permitem compreender a sua ‘arqueologia’ da nação discutida nos escritos sobre a história. Folha de São Paulo, Caderno Mais!, 14 de março de 2004.
PRADO, Antonio Arnoni. Raízes do Brasil e o Modernismo. Trincheira Palco e Letras. São Paulo: Cosac e Naify, 2004.
PRADO, Antonio Arnoni. Raízes do Brasil e o modernismo. In: SÉRGIO Buarque de Holanda e o Brasil. São Paulo: Editora Perseu Abramo, 1998. p. 71-80.
PRADO, Antonio Arnoni. Sérgio Buarque de Holanda. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 25 abr. 1992. Cultura, p. 1.
PRADO, Antonio Arnoni. Sérgio Buarque de Holanda. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 9 maio 1998.
PROENÇA, Manuel Cavalcanti. Caminhos e fronteiras. Revista do Brasil, ano III, no VI, julho de 1987.
QUEIROZ, Suely Robles Reis de. Ao mestre com carinho. In: SÉRGIO Buarque de Holanda: vida e obra. São Paulo: Secretaria de Estado da Cultura, 1988. p. 67-70
QUEIROZ, Suely Robles Reis de. Sérgio Buarque, meu mestre. In CALDEIRA, João Ricardo de Castro (org.) Perfis Buarqueanos: ensaios sobre Sérgio Buarque de Holanda. São Paulo, Fundação Memorial da América Latina/ IMESP, 2005.
QUEIROZ, Suely Robles Reis de. Professor e historiador. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 11 jul. 1982. Cultura, v. 2, n. 109, p. 9-11.
RAGO, Margareth. Sexualidade e identidade na historiografia brasileira. Revista Aulas, UNICAMP, Dossiê Identidades Nacionais, N. 2 – outubro/novembro 2006.
RAMOS, Vanessa Carnielo. Gilberto Freyre e Sérgio Buarque de Holanda ao pé de página de Casa-Grande e Senzala. Caderno de resumos e Anais do 5º Seminário Nacional de História da Historiografia: Biografia e história intelectual. Ouro Preto, EdUFOP, 2011.
RICUPERO, Bernardo. Formação da literatura brasileira nos anos 1950. Revista Água Viva, Revista de Estudos Literários. UnB, Brasília. 05 de nov. 2009.
REGO, José Lins do. A ausência de Sérgio Buarque de Holanda. Correio Paulistano, São Paulo, 22 mar. 1946. p. 3.
REIS, José Carlos. Anos 1930 – Sérgio Buarque de Holanda: a recusa das raízes ibéricas. Tempos Históricos, UNIOESTE/Paraná, 1 (1): 102-130, 1999. Sérgio Buarque de Holanda: a superação das raízes ibéricas. In: REIS, José Carlos. Identidades do Brasil: de Varnhagen a Fernando Henrique Cardoso. Rio de Janeiro. Editora UFGV, 1999.
RESENES, Ariana Santos. Um diálogo com Raízes do Brasil.
REVISTA DO BRASIL. Edição especial dedicado a Sérgio Buarque de Holanda. (Org.) BARBOSA, Francisco de Assis, Rio de Janeiro, Ano 3, n. 6, 147 p. il. jul. 1987.
REZENDE, Maria José de. Toda releitura se dá em razão da vivência, dos desafios e dos problemas atuais. In. Raízes do Brasil. 70 anos interpretando o Brasil. IHUOn-line Revista do Instituto Humanitas Unisinos. Edição 205, São Leopoldo/RS, 20 de nov. de 2006.
REZENDE, Maria José de. A democracia em Gilberto Freyre e Sérgio Buarque de Holanda. Plural. Revista de Sociologia da USP, 3 (1), 1996. pag. 14-48. RIBEIRO, Leo Gilson. Sérgio Buarque de Holanda o mestre, o crítico, o pensador: In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 19. ed. São Paulo, 1987.
RIBEIRO, Leo Gilson. O mestre, o crítico, o pensador. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil... 15/e 16. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1982. Orelhas e capa final.
RIBEIRO, Leo Gilson. O mestre, o crítico, o pensador. Jornal da Tarde, São Paulo, 26 abr. 1982. p. 19.
RIBEIRO, Leo Gilson. O mestre, o crítico, o pensador. Revista do Brasil, Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, p. 112-116, jul. 1987.
RIBEIRO, Luiz Carlos. Cordialidade e civilização: A configuração civilizacional brasileira na obra de Sérgio Buarque de Holanda. Departamento de História – UFPR.
RICARDO, Cassiano. Variações sobre o homem cordial. In: HOLANDA, Sérgio, B. Raízes do Brasil. Cf. Apêndices. 4ª edição. Brasília: Editora da UnB, 1963.
RICCI, Maria Lúcia de Souza Rangel. Um momento para rememorar Sérgio Buarque de Holanda. Boletim da Academia Paulista de História, São Paulo, ano XV, n. 95, p. 6, jun. 2002.
ROCHA, João Cezar de Castro. Literatura e cordialidade. O público e o privado na cultura brasileira. Rio de Janeiro, UERJ, 1998.
ROCHA, João Cezar de Castro. O (des)leitor de Raízes do Brasil. Folha de São Paulo, Caderno Mais!, 27 de outubro de 2002.
ROCHA, João Cezar de Castro. O exílio como eixo: bem-sucedidos e desterrados ou Por uma edição crítica de Raízes do Brasil. In: MONTEIRO E EUGÊNIO (orgs.), 2008, pag. 245-275.
RUSZCZYK, João Carlos; BIAGGI, Cristina. Um olhar a partir de Caio Prado, Gilberto Freire e Sérgio Buarque de Holanda. Revista Perspectiva nº 95, Ciências Agrárias - EdiFAPES, v. 26 - set. 2002. Universidade Regional do Alto Uruguai e das Missões, Erechim-RS.
RUY, José Carlos. "Raízes do Brasil" e a necessidade da revolução. (Centenário de SBH). 2002.
SAES, Flávio Azevedo Marques de. Uma releitura de Raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Holanda. Territórios e Fronteiras, Cuiabá, UFMT, v. 5, n. 2, 2004.
SALES, Teresa. Raízes da desigualdade social na cultura política brasileira. [*Este artigo é parte do primeiro capitulo da tese de livre-docência defendida na Unicamp em maio de 1993, "Trama das desigualdades, drama da pobreza no Brasil"].
SALLUM JUNIOR, Basílio. Raízes do Brasil. In: MOTA, Lourenço Dantas. Introdução ao Brasil: um banquete nos trópicos. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2000.
SANCHES, Rodrigo Ruiz. A Questão da Democracia em Sérgio Buarque de Holanda. (Dissertação de mestrado). Araraquara, Faculdade de Ciências e Letras, UNESP, 2001.
SANCHES, Rodrigo Ruiz. Sérgio Buarque de Holanda: A trajetória de um intelectual independente. (Tese de Doutorado). UNESP. Araraquara/SP, pag. 155, 2007.
SANCHES, Rodrigo Ruiz. Sérgio Buarque de Holanda na Universidade do Distrito Federal, na Universidade di Roma e na Escola Livre de Sociologia e Política. Jul. 2008.
SANTOS, Felipe Nunes dos; SILAME, Thiago Rodrigues. De Reis a Holanda: Um debate teórico acerca da construção do estado e da nação no Brasil. Revista Habitus: revista eletrônica dos alunos de graduação em Ciências Sociais – IFCS/UFRJ, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p.5-23, 30 mar. 2006.
SANTOS, Hamilton dos. Sérgio Buarque na rádio da USP. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 11 jul. 1992.
SANTOS, Joaquim Eloy Duarte dos. Centenário de Sérgio Burque de Holanda - Historiador. Texto básico de palestra no IHP - Petróplis/RJ. 08 de julho de 2002.
SANTOS, Karoline Biscardi. Análise comparativa do pensamento de Sérgio Buarque de Holanda em Raízes do Brasil e Gilberto Freyre em Casa Grande e Senzala. UFMG, Revista Tempo da Conquista.
SANTOS, Luiz Antônio de Castro. Duas Visões do Paraíso (convite a Todorov para ler Sérgio Buarque de Holanda). III Colóquio UERJ: Sérgio Buarque de Holanda. Rio de Janeiro: Imago, 1992.
SANTOS, Samuel Martins. Raízes das instituições jurídicas do Brasil: algumas contribuições de Sérgio Buarque de Holanda. UFPR.
SANTOS, Ynaê Lopes dos. Raízes do Brasil. História/USP.
SCALZO, Nilo. Raízes de Sérgio Buarque de Holanda. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 31 dez. 1988. Cultura, p. 3.
SCALZO, Nilo. A precisão e a elegância. O Estado de S. Paulo, São Paulo 25 abr. 1982. p. 38.
SCHAPOCHNIK, Nelson. Sérgio Buarque de Holanda um crítico impertinente. In: FERREIRA, Antonio Celso; LUCA, Tania Regina de; LOKOI, Zilda Grícoli. (org) Encontros com a história, percursos históricos e historiográficos de São Paulo. São Paulo: UNESP, 1999.
SCHILLING, Voltaire. Sérgio Buarque, o explicador do Brasil. Brasil História, 2002.
SCHWARCZ, Lilia Moritz. Sérgio Buarque de Holanda e essa tal de “cordialidade”. Ide (São Paulo) v.31 n.146 São Paulo jun. 2008.
SEMANA lembra a vida e obra de Sérgio Buarque. Folha de S. Paulo, São Paulo, 12 jul. 1982. Ilustrada, p. 25.
SÉRGIO Buarque de Holanda é o intelectual do ano. Folha de S. Paulo, São Paulo, 11 mar. 1980. Folha Ilustrada, p. 27.
SÉRGIO Buarque de Holanda na Academia Paulista de Letras, Diário Popular, São Paulo, 26 abr. 1961. Caderno 2, p. 10.
SÉRGIO Buarque de Holanda na Academia Paulista de Letras. Folha da Manhã, São Paulo, 14 jun. 1958. p. 7.
SÉRGIO Buarque de Holanda. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 25 abr. 1982. p. 28.
SÉRGIO Buarque de Holanda. A tarde, Salvador, 13 jul. 2002. Cultural, p. 8-9.
SÉRGIO Buarque de Holanda. Anhembi, São Paulo, v. 8, n. 22, p. 112-114. set. 1952.
SÉRGIO Buarque de Holanda. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 25 maio, 1982.
SÉRGIO Buarque de Holanda: vida e obra. São Paulo: Secretaria de Estado da Cultura, 1988. 158 p.
SÉRGIO Buarque, escritor: Os bons presentes para este natal. Jornal da Tarde, São Paulo, 14 dez. 1971. p. 27.
SÉRGIO, até o fim, sem pompa. Folha de S. Paulo, São Paulo, 26 abr. 1982. Ilustrada, p. 19.
SILVA, Luiz Roberto do Nascimento e. Autor criou muito do homem cordial. Jornal do Brasil, 8 out. 1994. Idéias/livros, p. 2.
SILVA, Maria Roberta Lobo da. Da imaginação histórica: A escrita da história em Visão do Paraíso. (Dissertação de Mestrado). Rio de Janeiro: UFRJ, 1999.
SILVA, Mozart Linhares da. Aquém e além da modernidade: aproximações e distanciamentos entre Sérgio Buarque de Holanda e Gilberto Freyre. Agora, Santa Cruz do Sul-SC, UNISC, v. 11, n. 1, 2005.
SILVA, Renato. O “mulato” e “homem cordial”: as raízes do espaço público no Brasil. Revista Magistro/ Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras e Ciências Humanas – UNIGRANRIO. Vol.2 Num.1, 2010.
SILVEIRA, Éder. Considerações sobre O Homem Cordial, de Sérgio Buarque de Holanda e A Teoria do Medalhão, de Machado de Assis. Ano I - Nº 02 - Julho de 2001 - Bimensal - Maringá - PR – Brasil.
SILVEIRA, Éder. Notas sobre Raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Holanda e Teoria do medalhão, de Machado de Assis. Página Comemorativa do Centenário de Sérgio Buarque de Holanda na Unicamp, 2002.
SIMÕES, Inimá; ZWNGEREWITZ, Walter. Recordações: O que a história deve a Sérgio Buarque. ISTOÉ, São Paulo, ano 2, n. 25, p. 43-44. 15 jun. 1977.
SILVEIRA, Éder.Trabalho e aventura em "Raízes do Brasil", de Sérgio Buarque de Holanda. Barbarói: Revista do Departamento de Ciências Humanas e do Departamento do Psicologia, Santa Cruz do Sul, n. 13, p. 35-49 jul./ dez. 2000.
SMANIOTTO, Edgar Indalecio. Mitos Culturais: da auto-afirmação de uma identidade nacional ao reconhecimento internacional. Revista Multidisciplinar da Uniesp - Saber Acadêmico - n º 05 - jun. 2008.
SOBRAL, José Manuel. Representações portuguesas e brasileiras da identidade nacional portuguesa no século XX. (Dossiê). Revista de Ciências Sociais, Fortaleza, v. 41, nº 2, jul/dez, 2010, p. 125-139.
SÓCIO efetivo do IHGSP em 05 ago. 1946. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, São Paulo, n. 46, p. 353, 1947.
SOUSA, Lademe Correia de. Arthur Reis e a “história do amazonas” nos quadros da historiografia brasileira: um possivel diálogo com Gilberto Freire e Sérgio Buarque de Holanda?. X Encontro Estadual de História - O Brasil no Sul: cruzando fronteiras entre o regional e o nacional, 26-30 de julho/2010, Santa Maria-RS, UFSM.
SOUSA, Otávio Tarquínio de. Cinquentenário do mestre. Revista do Brasil, Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, p. 88-89, jul.1987.
SOUSA, Otávio Tarquínio de. Cinqüentenário do Mestre. Diário Carioca, Rio de Janeiro, 13 jul. 1952. p. 2 e 6.
SOUZA, Laura de Mello e. Sérgio Buarque de Holanda entre a história e a sociologia. Folha de São Paulo, Jornal de Resenhas, 3 de Abril 1995, especial A. pag. 10-11.
SOUZA, Ricardo Luiz de. As raízes e o futuro do “homem cordial” segundo Sérgio Buarque de Holanda. Caderno CRH, Salvador v. 20 nº 50 pag. 343-353, maio/agos. 2007.
SOUZA, Willian de. Um Relance sobre a Visão do Paraíso de Sérgio Buarque de Holanda.
SÜSSEKIND, Flora. Comentário ao texto “Nota sobre Sérgio crítico” de Antonio Arnoni Prado. In:__. Sérgio Buarque de Holanda: 3 colóquio UERJ . Rio de Janeiro: imago, 1992.
SUZUKI JUNIOR, Matinas. A explicação da desordem brasileira: O livro Raízes do Brasil, escrito por Sérgio Buarque de Holanda, completa cinqüenta anos de interpretação das bases sociológicas do Brasil moderno e chega a sua 18. ed. amp. Folha de S. Paulo, São Paulo, 11 nov. 1986. p. 45.
TEIXEIRA, Novaes. Alpedrinha em Roma. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 5 nov. 1954. p. 6.
TEJO, Limeira. Raízes do Brasil. Diário, Santos, 21 nov. 1936.
THIENGO. Mariana. A crítica entre a literatura e a história - O percurso da crítica literária de Sérgio Buarque de Holanda dos verdes anos à profissionalização do ofício. (tese de doutorado) Belo Horizonte, Faculdade de Letras – UFMG, 2011.
TORRÃO FILHO, Amilcar. Paradigma do caos ou cidade da conversão?: a cidade colonial na America portuguesa e o caso da São Paulo na administração do Morgado de Mateus [1765-1775]. (Dissertação de mestrado). Campinas - UNICAMP, 2004.
TORRÃO FILHO, Amilcar. Um texto fundador e as Raízes de uma interpretação: Sérgio Buarque de Holanda e a desordem pitoresca da cidade colonial. Politeia: História e Sociedade, Vitória da Conquista/BA, Vol. 3, Nº 1, pag. 113-132, 2003.
UM Clássico com muita humildade. Folha de S. Paulo, São Paulo, 17 jul. 1980. Folha Ilustrada, p. 27.
UM PENSADOR à frente do Brasil. Folha de S. Paulo, São Paulo, 17 jul. 1980. Folha ilustrada, p. 27.
UNIVERSALIDADE de Sérgio e alguns amigos. Revista do Brasil, Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, p. 142-143, jul. 1987.
V., J. G. O cinqüentenário de Sérgio Buarque de Holanda. Folha da Manhã, São Paulo, 20 jul. 1952. p. 3.
VAINFAS, Ronaldo. Um ensaio sobre a nossa história. In. Raízes do Brasil. 70 anos interpretando o Brasil. IHUOn-line Revista do Instituto Humanitas Unisinos. Edição 205, São Leopoldo/RS, 20 de nov. de 2006.
VAINFAS, Ronaldo. Visão do Paraíso: biografia de uma idéia. In: MOTA, Lourenço Dantas (Org.) Introdução ao Brasil: um banquete nos trópicos. São Paulo: Ed. SENAC, 2002. v.2
VAINFAS, Ronaldo. Gilberto e Sérgio. Folha de São Paulo, Caderno Mais!, 23 de junho de 2002.
VAINFAS, Ronaldo. Sérgio Buarque de Holanda: historiador das representações mentais. In: SÉRGIO Buarque de Holanda e o Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1998. p. 49-57.
VANGELISTA, Chiara. Formas de fabulação na construção do passado: história e memória em torno da brasilidade. Página Comemorativa do Centenário de Sérgio Buarque de Holanda na Unicamp, 2002.
VASCONCELOS, Waldemar. Documentos Brasileiros. Correio do Povo, Porto Alegre, 15 nov. 1936.
VARGAS, Everton Vieira. O legado do discurso brasilidade e hispanidade no pensamento social brasileiro e latino-americano. Edição Fundação Alexandre de Gusmão/ Ministério das Relações Exteriores, pag. 412, Brasília, 2007. [Originalmente apresentado como tese de doutorado na Universidade de Brasília, 2001].
VECCHI, Roberto. Contrapontos à brasileira: Raízes do Brasil e o jogo das metáforas. In: MONTEIRO E EUGÊNIO (orgs.), 2008, pag. 363-384.
VECCHI, Roberto. Cruzando Sérgio Buarque de Holanda e Dyonélio Machado: raízes cordiais e raízes daninhas. In: PESAVENTO, Sandra Jatahy (org.) Leituras cruzadas: diálogos da história da literatura. Porto Alegre: UFRGS, 2000.
VECCHI, Roberto. Ratos cordiais e raízes daninhas: formas da formação. In: PESAVENTO, Sandra Jatahy (Org.). Leituras cruzadas; diálogos da história com a literatura. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2000. p. 85-88.
VIANA, Maria Lúcia. A Brasilidade à Luz de Sérgio Buarque de Holanda. IBÉRICA, Revista interdisciplinar de estudos ibéricos e ibero-americanos. Ano III, nº 11, Juiz de Fora, nov. 2009.
VIANNA, Hélio. Nota sobre Raízes do Brasil. O Jornal, Rio de Janeiro, 30 nov. 1936.
VITA, Luis Washington. Sérgio Buarque de Holanda. In: _____. A filosofia no Brasil. São Paulo: Livr. Martins, 1950. p. 97-104.
VITA, Luis Washington. Sergio Buarque de Holanda. In: A Filosofia no Brasil. São Paulo: Martins, 1950. p. 97-104.
VOTO de agradecimento a SBH - pela defesa que fez do IHGSP na reunião da Consultoria Técnica da Comissão de festejos do IV Centenário de São Paulo. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, São Paulo, v. 51, p. 360, 1953.
WASSERMANN, Claudia. Nacionalismo: Origem e significado em Sérgio Buarque de Holanda, Samuel Ramos e Ezequiel Martinez Estrada. Revista UNIVERSUM, nº 18 – 2003, Universidad de Talca.
WEGNER, Robert. Raízes do Brasil: uma obra aberta que convida para o diálogo. In. Raízes do Brasil. 70 anos interpretando o Brasil. IHUOn-line Revista do Instituto Humanitas Unisinos. Edição 205, São Leopoldo/RS, 20 de nov. de 2006.
WEGNER, Robert. Religião e formação segundo Sérgio Buarque de Holanda. Trapézio, nº 03 e 04, Centro de Estudos Brasileiros - CEB da Universidade Estadual de Campinas – Unicamp, 2003.
WEGNER, Robert. A conquista do oeste. A fronteira na obra de Sergio Buarque de Holanda. Belo Horizonte, UFMG. 2002. [trabalho originalmente apresentado como tese de doutorado no IUPERJ em 1999].
WEGNER, Robert. Modéstia, perseverança e boemia: Sérgio Buarque de Holanda na Universidade. Revista Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, nº 149, p. 43-54, abr./jun. 2002.
WEGNER, Robert. Os Estados Unidos e a fronteira na obra de Sérgio Buarque de Holanda. In: SOUZA, Jessé (org.) O malandro e o protestante. A tese weberiana e a singularidade cultural brasileira. Brasília: UNB, 1999. 162
WEGNER, Robert. Os Estados Unidos na obra de Sérgio Buarque de Holanda. Página Comemorativa do Centenário de Sérgio Buarque de Holanda na Unicamp, 2002.
WEGNER, Robert. Sérgio Buarque de Holanda e a tese de fronteira. Trabalho apresentado no XXII Encontro Anual da ANPOCS, em Caxambu, MG, entre os dias 27 e 31 de outubro de 1998 - GT Pensamento Social no Brasil.
WITTER, José Sebastião. Sérgio Buarque de Holanda, professor. In: SÉRGIO Buarque de Holanda: vida e obra. São Paulo: Secretaria de Estado da Cultura//IEB-USP. 1988. p. 55-59.
WITTER, José Sebastião. As raízes de Sérgio Buarque de Holanda. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 21 mar. 1987. Caderno 2, p. 7.
WITTER, José Sebastião. Introdução. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. O Extremo Oeste. São Paulo, 1986. p. 11-21.
WITTER, José Sebastião. Sérgio Buarque de Holanda, catedátrico por excelência. Ethnos, São Paulo, vol. 2, n. 1: 9-16, set. 2002
WITTER, José Sebastião. Sérgio Buarque de Holanda – algumas lembranças. Revista USP – Dossiê Intérpretes do Brasil – anos 30, São Paulo, n. 38: 20-27, jun/jul/ago. 1998.
WITTER, José Sebastião. Sérgio Buarque de Holanda 1902-2002. Notícia Bibliográfica e Histórica, Campinas, n. 187: 297-306, out-dez/2002.

"A democracia, que nasceu aqui num mal-entendido, percorreu em nossa história um caminho inusitado – foi murchando aos poucos."
- Sergio Buarque de Holanda



Sérgio Buarque de Holanda acompanhado com seus filhos, em sua
residência à Rua Buri, comemorando seus 75 anos. São Paulo,
11/07/1977. (Foto Acervo SBH/UNICAMP)
SOBRE SUA FAMÍLIA
"Eu, Maria Amélia e nossos filhos sempre nos tratamos com igualdade, sem relações formais. E, principalmente, não conhecemos a mentira. Não impomos conceitos ou a nossa vontade. Para nós, a mesa nunca foi lugar sagrado de reuniões e nem temos datas de comemorações obrigatórias. Aqui, na casa dos Alvins e dos Buarques de Hollanda, cada um vive como quer e pode. O dinheiro e o sucesso não ocupam lugar em nossa escala de valores. Incentivamos tudo isso e assim demonstramos nossa amizade. Quando eram crianças, assumíamos as atitudes deles para poder conviver, ensinar, brincar, pensar. Quando cresceram, demos apoio em todas as ocasiões. Essa é a chave da amizade entre os pais e seus filhos. É por isso que temos indivíduos capacitados a viver plenamente o seu tempo."
- Sergio Buarque de Holanda


FILMES E DOCUMENTÁRIOS
Título: Raízes do Brasil - Uma cinebiografia de Sergio Buarque de Holanda. Tipo: Documentário.
Sinopse: Documentário sobre o historiador Sérgio Buarque de Holanda dividido em dois capítulos. O primeiro se dedica à sua vida íntima, apresentando por meio de entrevistas sua paixão pela pesquisa e a leitura, além da convivência com a família e com os amigos. O segundo traz os apontamentos que redigiu dos fatos mais importantes de sua vida, além de trechos do livro Raízes do Brasil e de outros textos do pensador que é uma das referências para o conhecimento da cultura e da história do Brasil.
Duração: 148 min.
Diretor: Nelson Pereira dos Santos
Produção: Marcia Pereira dos Santos
Roteiro: Miúcha, Nelson Pereira dos Santos
Fotografia: Reynaldo Zangrandi
Estúdio: Regina Filmes/ Videofilmes
Distribuidora: Estação Filmes

Título: Grandes cientistas brasileiros - Sérgio Buarque de Holanda
Produção: Globo Ciência
Duração: 26:34 – data: 15 agos. 2009.

Carta de Monteiro Lobado para Sérgio Buarque de Holanda, Acervo SBH/UNICAMP.


ACERVO DOCUMENTAL E BIBLIOGRÁFICO DE SÉRGIO BUARQUE DE HOLANDA
A Unicamp abriga desde 1983 o Acervo Sérgio Buarque de Holanda composto de documentos, livros, móveis e objetos, devidamente mantidos sob os mais criteriosos procedimentos de preservação. Cerca de 2490 documentos pessoais e 210 fotografias fazem parte do Acervo Permanente do Arquivo Central, e a biblioteca de Sérgio, composta por 8513 livros, 227 títulos de periódicos, 600 obras raras e 74 rolos de microfilme, está na Área de Coleções Especiais da Biblioteca Central.



“Quando estamos num país estrangeiro vemos nosso próprio país com mais interesse, reparamos na diferença, no choque. Certa vez o historiador americano Lewis Hanke me disse para escrever um livro sobre um país não bastaria ter vivido nele por três meses: 'Três meses ou mais de dez anos', ele dizia. Seriam dois livros diferentes, claro. Mas a idéia é que nesses três meses temos o primeiro choque. Depois o contraste vai se perdendo. Digo isso para mostrar como, do estrangeiro, vemos o Brasil de outra maneira. Na Alemanha procurei ver outras coisas do Brasil, confrontar com o que existe lá fora."
- Sergio Buarque de Holanda


Exposição "Centenário do nascimento de Sérgio Buarque de Holanda", realizado: UNICAMP - Campinas/SP, 2002.

INSTITUTO DE ESTUDOS BRASILEIROS -IEB USP/SP
O Instituto de Estudos Brasileiros (IEB), da Universidade de São Paulo, criado por Sérgio Buarque de Holanda, comemorará 50 anos em 2012. O Instituto, que tem como desafio a reflexão crítica sobre a sociedade brasileira por meio da articulação de diferentes áreas de humanidades. As atividades de reflexão e crítica se fazem associadas à preservação dos acervos culturais sob sua guarda. Essa associação entre pesquisa e acervo tem sido responsável pelo permanente e crescente reconhecimento acadêmico do Instituto. No cumprimento de sua missão, o IEB agrega trabalhos desenvolvidos por seu corpo docente e pesquisas de outros professores da USP, bem como de instituições nacionais e internacionais.
Fachada do Instituto de Estudos Brasileiros da USP - Foto: Marcos Santos
Contemplado, em 1995, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) com o prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade na categoria Preservação de Acervos Culturais Móveis e Imóveis, o IEB tem sob sua responsabilidade vários acervos. Dentre as coleções, se destaca a Brasiliana, de Yan de Almeida Prado, com 10 mil volumes, composta por obras do período colonial e Brasil independente, considerada uma das mais importantes no que se refere às obras de viagens, dos séculos XVI ao XX. O Instituto também possui acervos de escritores como Mário de Andrade(1968), Guimarães Rosa (1973) e Graciliano Ramos (1980, 1984).
Intelectuais e pensadores fundamentais para o estudo da sociedade brasileira tiveram seus acervos incorporados pelo IEB como Caio Prado Jr., Fernando de Azevedo, Pierre Monbeig e mais recentemente Milton Santos. Artistas como Anita Malfatti, Alex Fleming, Bernardino Fricarelli e Camargo Guarnieri e críticos de arte como Theon Spanudis também integram, com parte de suas obras, acervos pessoais e coleções, o patrimônio do Instituto.



A CASA DA FAMÍLIA BUARQUE DE HOLLANDA NA RUA BURI
Casa da Família Buarque de Hollanda na rua Buri em São Paulo
Construída em 1929, a casa tem valor histórico e cultural para a cidade, porque foi nela que o historiador Sergio Buarque de Holanda trabalhou, estudando e escrevendo, durante os últimos 25 anos de vida. Localizado na Rua Buri, 35, no Pacaembu, o imóvel foi declarado de Utilidade Pública pela Prefeitura de São Paulo, no dia 11 de julho de 2002, durante as comemorações do Centenário de Nascimento do Historiador. Na casa, o mestre autor de Raízes do Brasil, escreveu seus textos. Dali saíram, para os festivais de MPB dos anos 60 e 70, os jovens Chico Buarque, Miucha, Cristina e Ana. Ali se reuniram os então jovens talentos. A casa atualmente pertence a Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, e passa por uma reforma (set.2011), poderá ser transformado em Centro de Estudos de Educação.


"Fui moldado por tantas pessoas e em tantos lugares, não apenas por instituições educacionais e encontros formais, mas também por amizades - tão importantes para nós brasileiros."
- Sergio Buarque de Holanda


REFERÊNCIAS E FONTES DE PESQUISA
CPDOC FGV
UNICAMP - Acervo Sérgio Buarque de Holanda


© Direitos reservados ao autor/e ou ao seus herdeiros

© Pesquisa, seleção e organização: Elfi Kürten Fenske

=== === ===
Trabalhos sobre o autor:
Caso, você tenha algum trabalho não citado e queira que ele seja incluído - exemplo: livro, tese, dissertação, ensaio, artigo - envie os dados para o nosso "e-mail de contato", para que possamos incluir as referências do seu trabalho nesta pagina. 

Como citar:
FENSKE, Elfi Kürten (pesquisa, seleção e organização). Sérgio Buarque de Holanda - raízes do Brasil. Templo Cultural Delfos, setembro/2011. Disponível no link. (acessado em .../.../...).
____
** Post atualizado em 19.01.2014.


Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2014 Templo Cultural Delfos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos a visita, deixe o seu comentário!