Milton Santos - território e sociedade

Milton Santos - foto UFSB/Divulgação

“O modelo cívico brasileiro é herdado da escravidão, tanto o modelo cívico cultural como o modelo cívico político. A escravidão marcou o território, marcou os espíritos e marca ainda hoje as relações sociais deste país. Mas é também um modelo cívico subordinado à economia, uma das desgraças deste país”
- Milton Santos, em "As cidadanias mutiladas". In______. O preconceito (vários autores). São Paulo. IMESP, 1996-1997, p. 135.


"A educação corrente e formal, simplificadora das realidades do mundo, subordinada à lógica dos negócios, subserviente às noções de sucesso, ensina um humanismo sem coragem, mais destinado a ser um corpo de doutrina independente do mundo real que nos cerca, condenado a ser um humanismo silente, ultrapassado, incapaz de atingir uma visão sintética das coisas que existem, quando o humanismo verdadeiro tem de ser constantemente renovado, para não ser conformista e poder dar resposta às aspirações efetivas da sociedade, necessárias ao trabalho permanente de recomposição do homem livre, para que ele se ponha à altura do seu tempo histórico."
- Milton Santos, em "Do cidadão imperfeito ao consumidor mais que perfeito". do livro "O espaço do cidadão". (coleção Milton Santo, 8). São Paulo, Edusp, 2007, p. 57.



2016: 90 anos do nascimento de Milton Santos!


Milton Santos - toto: (...)
Milton Santos, Brotas de Macaúbas, Chapada Diamantina, 3 de maio de 1926, nasce Milton Santos, filho de Adalgisa Umbelina de Almeida Santos e Francisco Irineu dos Santos, ambos professores primários formados pelo ICEIA. No ano de seu nascimento, o Brasil passa por uma grande agitação política e social, com a impopularidade do então Presidente da República Artur Bernardes e a eleição de Washington Luís. É a época da Coluna Prestes.
A família de sua mãe, cujos pais eram também professores primários, gozava de prestígio por onde passava. Já a família paterna era mais humilde e descendia de escravos. Os pais de Milton sabiam que o caminho para a liberdade era a educação. Conheceram-se em 1921, a poucos dias da festa de formatura do Sr. Francisco, na escola Normal de Salvador. D. Adalgisa ingressaria na mesma escola em 1924, casando-se nesse mesmo ano.
Partiram, então, para Brotas de Macaúbas, onde morava um irmão mais velho de D. Adalgisa, Dr. Agenor, advogado brilhante na região, conhecedor do latim e do grego. Sua clientela era importante, e seu projeto de vida deu certo, a ponto de ser proprietário de um Ford Bigode, que às vezes desaparecia de circulação, já que a gasolina vinha de Salvador e nem sempre chegava regularmente.
O curso primário, Milton o fez em Alcobaça, com os pais, que lhe ensinaram o francês, entre os oito e dez anos. Ali nasceram Nailton e Yeda, seus irmãos. Aos 10 anos, prestou exame de admissão no Instituto Baiano de Ensino, tradicional colégio de Salvador, dirigido pelo Professor Hugo Balthazar da Silveira. Passou em primeiro lugar e foi aceito como aluno interno. Pela primeira vez longe da família, conhece o significado da palavra saudade. Foi colega e amigo de Dr. Geraldo Milton da Silveira, Dezildo Menezes Pereira, Methódio Coelho, Bernardo Leone, entre outros. Criou e dirigiu o jornal “O Farol”, que promovia debates literários e difundia conceitos filosóficos. Mais tarde fundou “O Luzeiro”, para o qual “redigia textos, incentivava os colegas a fazê-los, revisava-os, fazia a paginação e distribuía o jornal”, segundo Geraldo Milton, que acrescenta: “Nele eram publicadas obras de romancistas, contistas, poetas pobres e iniciantes e literatura de cordel.”
Na minha geração, ser cultivado fazia parte da vida. Havia o culto a escritores e intelectuais, como Castro Alves, Rui Barbosa, Gilberto Freyre, Machado de Assis, Eça de Queiroz, cujas obras eram lidas e comentadas. Milton Santos sempre se distinguiu em Matemática e Filosofia. Na Geografia, era admirador de Josué de Castro, que descobriu através de seu professor do Curso secundário, Oswaldo Imbassay. Bem mais tarde, os dois, Milton e Josué, exilados na França, reencontraram-se, infelizmente pouco tempo, pois Josué veio a falecer, sem receber as homenagens que o Brasil lhe devia. Nessa época, como Milton costumava dizer, a Bahia era uma “ilha”, uma cultura não industrializada.
Terminado o curso no Baiano de Ensino, Milton se preparava, no Colégio da Bahia, para entrar na Faculdade. A influência do tio Agenor foi fundamental na escolha da carreira. Milton fez a Faculdade de Direito. O Brasil declarava guerra aos países do eixo, Alemanha, Itália e Japão. Nessa época, criou o PEP – Partido Estudantil Popular e a ABES (Associação Brasileira de Estudantes Secundaristas, uma alternativa da UNE). Chegou a ser candidato à presidência da UNE, mas foi aconselhado a trocar sua candidatura para vice, deixando a presidência para um amigo comunista, Mário Alves, com o argumento de que um negro teria dificuldades em interagir com as autoridades. A chapa foi eleita, Milton aceitou o cargo de vice, mas nunca esqueceu esse fato. Participa também da embaixada pró-construção do mausoléu de Castro Alves, e sai com caravana de estudantes pelo interior do Estado, para arrecadar fundos. Foi seu companheiro, entre outros, Geraldo Milton. Nessa ocasião, ministrava aulas de Geografia Humana, explicando aos alunos “os novos rumos das relações políticas que a guerra vinha determinando no planeta.”
Já na Faculdade de Direito, Milton empolgava seus colegas com discursos pela democracia. De seu grupo de intelectuais faziam parte Fernando Santana, João Falcão, Jacó Gorender, entre outros. O término do curso de Direito coincide com a morte do seu Tio Agenor, numa travessia do Rio São Francisco, quando voltava de Salvador, onde fora articular sua campanha para deputado estadual. Um episódio entre dois grupos pela disputa do grêmio estudantil fez com que Simões Filho, ex-ministro da educação e dono do poderoso jornal A TARDE, conhecesse Milton e o convidasse para trabalhar na redação do jornal quando terminasse a Faculdade. Esse foi o início de uma amizade profunda e duradoura entre os dois. Era uma época movimentada, com o fim do Estado Novo e da 2ª Guerra Mundial.
Os pais de Milton, após a longa estada no interior, voltaram para Salvador em 1940, estabelecendo-se na casa de D. Maria José, tia de Milton, no Gravatá, localidade no entorno da Baixa dos Sapateiros. Poucos anos depois, com financiamento da Caixa Econômica, compram a casa da Estrada da Rainha, onde fundaram uma escolinha que até hoje funciona sob a direção da Profª. Altair Gabrielli, prima de Milton.
Depois de formado, Milton foi professor de Geografia do ICEIA e do Colégio Central. Submeteu-se a concurso com a tese Povoamento da Bahia, passando, então, a ocupar, como catedrático, a cadeira de Geografia Humana do Ginásio Municipal de Ilhéus, ocasião em que já era correspondente do jornal A TARDE. A maneira como descrevia os fatos e a elegância dos textos fez de Simões Filho um seu admirador. Auta Rosa Calazans Neto, em conversa informal, conta que, ainda menina, no colégio das freiras, ela e suas colegas, em Ilhéus, admiravam aquele professor que dava aulas no Ginásio Estadual, sempre elegantemente vestido, sem dispensar o colete. Uma dessas meninas, Maria da Conceição Malta (morta recentemente), veio a ser, posteriormente, uma das suas colaboradoras no Laboratório que mais tarde seria fundado para os trabalhos de pesquisa em Geografia na UFBA. Incentivada por ele, como o foram muitos outros, seguiu a França, para curso de Pós-Graduação, onde se casa, tornando-se Lecarpentier. Recebeu apoio intelectual e financeiro do Dr.Milton e da “família” do Laboratório para a primeira viagem à França. Durante todo tempo, permaneceram sempre amigos.
Milton Santos - foto: (...)
Ilhéus foi fundamental para Milton. Lá ele escreve artigos de grande importância para o jornal e publica o livro “A Zona do Cacau “, onde já aconselha veementemente as autoridades e os proprietários de terra a abandonarem a monocultura, sob pena de sofrerem um desastre econômico mais tarde. Nessa época, começa a se interessar pela AGB, Associação de Geógrafos Brasileiros, após uma das viagens ao Rio de Janeiro para curso de férias promovido pelo IBGE e onde conhece Aroldo de Azevedo e outros grandes nomes da Geografia da época.
É em Ilhéus também que conhece Jandira Rocha, com quem se casa e tem o primeiro filho, Milton Santos Filho mais tarde, brilhante professor da Faculdade de Economia da UFBA e ex-Secretário de Finanças da gestão Lídice da Mata. Milton Filho, falecido prematuramente em plena fase de produção intelectual, foi casado com a Ana Fernandes, professora doutora, atual diretora da Faculdade de Arquitetura da UFBA, com quem teve dois filhos, Nina e Alei. A morte de seu filho em 96, bem como a de seu irmão Nailton, pouco depois, é um duro golpe para esse homem tão ligado aos dois. Por volta de 1955 ou 56, vem para Salvador já casado, e assiste à formatura de Nailton, seu irmão, também bacharel em Direito. Yeda, sua irmã, então estudante de Medicina, ministrava cursos de inglês, alemão, latim, e espanhol na casa da Estrada da Rainha. Milton aluga um apartamento no Loteamento Lanat, muda-se em seguida para o Tororó, e, finalmente, para o Chame-Chame.
A essa época, ocupava o cargo de editorialista do jornal A TARDE e de professor da Faculdade Católica de Filosofia, cujo diretor, Irmão Gonzaga, dedicava uma grande amizade e admiração ao jovem professor. Do jornal A TARDE tinha como amigos o professor Ari Guimarães e Jorge Calmon, esse último, redator chefe do jornal. Nesse tempo, as amizades tinham um significado maior. Durante o tempo em que permaneceu nesse jornal, escreveu 116 artigos versando sobre a zona do cacau, a cidade do Salvador, Europa e África e outros temas locais e globais. A formação de Milton muito se deve a Simões Filho, cuja admiração era mútua. Uma grande e afetuosa família: esse era o caráter que Simões Filho quis imprimir à redação do seu jornal. Mais tarde, esse exemplo seria seguido por Milton Santos, com sua equipe do Laboratório de Pesquisa em Geografia, fundado em 1959.
Em 1956 por ocasião do Congresso Internacional de Geografia no Rio de Janeiro, Milton encontra-se com os grande geógrafos que já conhecia por suas obras, tais como Orlando Ribeiro, de Portugal, Pierre Monbeig, Pierre Deffontaines, Pierre Birot, André Cailleux e o seu mestre maior Jean Tricart. “ Com ele aprendi o rigor, a vontade de disciplina, a obediência a projetos e o gosto de discutir” dizia Milton. Impressionado com a inteligência e a cultura do jovem professor, Tricart, convida-o para um curso de Doutorado no Instituto de Geografia da Universidade de Strasbourg, um dos mais renomados da Europa. Assim, Milton Santos fez a sua primeira grande travessia do Atlântico, em direção ao que seria, mais tarde, seu segundo país, ao recebê-lo, anos depois, como exilado.
Em Strasbourg, apesar de ser tratado como professor, tinha contatos diretos e agradáveis com os estudantes do mundo inteiro que freqüentavam essa grande Universidade. Sobre ele, escreveu o professor Tricart: “O humor, a alegria, e o sorriso de Milton, classificado como inimitável, conquistaram a simpatia de toda a equipe da Universidade”. Milton Santos costumava dizer que essa primeira longa viagem foi a “grande mudança da sua visão de mundo e na sua concepção política. A partir da Europa, seguiu para o seu primeiro contato com a África, e a compreensão dos dois continentes o inspirou a escrever “Marianne em preto e branco” (Marianne, figura feminina, que simboliza a França), publicado em 1960. Diz Milton, “...a herança francesa é muito forte, embora eu tente me libertar dela até com certa brutalidade. Mas ela é responsável por um estilo independente que aprendi com Sartre, distante de toda forma de militância, exceto a das idéias”.
Volta a Bahia, após defender com brilhantismo sua tese de doutorado “O Centro da Cidade do Salvador”, um clássico da Geografia, tão atual como se fosse hoje escrito. Ainda como professor da Faculdade Católica de Filosofia, trazia professores franceses (Jean Tricart, Pierre George, Jacqueline Beaujeu-Garnier, Etienne Juillard, Michel Rochefort, Pierre Monbeig, Guy Lassèrre, Bernard Kayser, dentre outros) , portugueses (Orlando Ribeiro, Raquel Soeiro de Brito, Fernandes Martins e outros) e brasileiros (Manoel Correia de Andrade, Araújo Filho, Aziz Ab’Saber, Aroldo de Azevedo, Orlando Valverde, Penteado, Luís Rodrigues e Lyzia e Nilo Bernardes, entre outros) para conferências abertas ao público. Entre esses professores encontravam-se também as jovens professoras Teresa Cardoso da Silva, Nilda Guerra de Macedo e Ana Dias da Silva Carvalho, as duas primeiras também recém-doutoras por Strasbourg. Em fins da década de 50, Milton inscreve-se no concurso para livre docência da Faculdade de Filosofia da Universidade da Bahia mas, surpreendentemente, o concurso não se realiza, por razões que o professor Délio Pinheiro classifica como vinculadas a uma “oligárquica e segregacionista sociedade baiana de belas gravatas e verdades encobertas.” Milton Santos recorre à justiça, tendo como advogado o então Deputado Federal e futuro Senador Nelson Carneiro, vencendo em todas as instâncias e tendo se submetido com brilhantismo ao concurso em 1960, com a tese “Os Estudos Regionais e o Futuro da Geografia”.
Milton Santos - foto: Luciano da Mata/Ag. a Tarde
Após a chegada à Bahia, em 1958, vindo da França, instala seu escritório no Edifício Antônio Ferreira, na rua Chile. Nessa ocasião, conhece, numa cerimônia, o então reitor da Universidade, Edgard Santos. Como é de costume na França o cumprimento com um aperto de mão, Milton faz esse gesto em direção ao Reitor, tido como aristocrata, que fica impressionado com o gesto, com a simpatia e elegância do jovem professor e, por isso, num encontro dias depois, encarregou-o de organizar um grupo de pesquisa, em cujo nome, entretanto não deveria figurar a palavra Geografia, já que a direção não seria dos professores da Faculdade. Assim, com o apoio do reitor Edgard Santos e do encontro como o professor Tricart, no Hotel da Bahia (único hotel moderno da cidade daquele tempo), representando a Cooperação Técnica Francesa, cria-se o Laboratório de Geomorfologia e Estudos Regionais da Universidade da Bahia em 1º de Janeiro de 1959. A França – com o General De Gaulle na Presidência e o Ministro da Educação, André Malraux – abria-se, sobretudo para a América Latina. A essa altura, com equipe já organizada, formada pelas três jovens professoras acima citadas, por jovens estudantes de Geografia e de História e por recém-formados, inicia-se a fase da pesquisa de Geografia da Bahia, cujo ensino, na Universidade da Bahia, já contava com nomes de peso como o dos professores Dalmo Guimarães Pontual e Waldir Freitas Oliveira. Para sediar os trabalhos do grupo, o professor Hélio Simões cedeu um espaço do seu laboratório de Estudos Portugueses, nos fundos da Faculdade de Filosofia. Nesse mesmo ano, Milton Santos organiza o IV Colóquio Internacional Luso-Brasileiro, com o patrocínio da Universidade da Bahia e da UNESCO. Nessa ocasião, professores vindos de várias partes do mundo trocaram idéias no campo da Geografia e das ciências sociais.
A década de 60 pode ser considerada como a época áurea de Geografia na Bahia, pois o Laboratório de Geomorfologia e Estudos Regionais representou uma proposta acadêmica renovadora. Nele, a ciência geográfica era tratada não apenas como técnica, mas com reflexão. Além de atrair jovens vindos de todo o Brasil e da França, no Laboratório a motivação era constante: trabalhos de campo, seminários, cursos, apresentações de trabalhos, leituras comentadas, reuniões científicas, enfim, um ambiente de efervescência cultural e científica. Estudos e diagnósticos sobre Salvador e o Estado da Bahia foram realizados pela equipe, a partir de solicitações de organismos administrativos. O ambiente era de troca intelectual sem competições negativas. Dessa forma, Milton Santos promove a Geografia ao status de disciplina nobre, aproximando-a de outras ciências: política, economia, história, sociologia e filosofia.
É desse tempo (entre 1959 e 1964) o trabalho exaustivo denominado Programa de Estudos Geomorfológicos e de Geografia Humana da bacia do Rio Paraguaçu, estudo que teve o objetivo de contribuir para a melhoria das condições de vida das populações locais, realizado por solicitação da Comissão de Planejamento do Estado e com o apoio do Instituto Joaquim Nabuco de Pernambuco. Um outro grande projeto foi o estudo sobre o uso da terra nas zonas cacaueira e ocidental do recôncavo, para o Serviço Social Rural, já com análise aerofotogramétrica. Entre 1958 e 1964 foram publicados mais de 60 títulos, livros e artigos de revistas, de autoria de professores brasileiros e estrangeiros. Os deslocamentos eram feitos em um Citroën deux-chevaux, modelo especial para trabalho de campo, oferecido pela Cooperação Francesa, que também doou equipamento para o LGERUB, e no ônibus da recém fundada Escola de Geologia da Universidade.
Era nessa época que o Dr. Thales de Azevedo, então diretor da Fundação para o Desenvolvimento da Ciência, na Bahia, mantinha um seminário freqüentado por sociólogos, geógrafos, economistas, antropólogos. Nele, distinguiam-se intelectuais como Jorge Calmon, Frederico Edelweiss, Raymond Vander Haegen, cônsul da França e diretor da excelente Casa da França, Clarival do Prado Valadares, Pinto de Aguiar, Luis Navarro de Brito, Valentin Calderon, José Calazans, Luis Henrique Tavares, Edite da Gama e Abreu, Isaias Alves, Lísia e Vital Duarte, Fernando Santana, e os muito jovens Fernando Pedrão, Severo Salles e Remy de Souza, entre outros. Nesse ambiente, cria-se o Boletim Baiano de Geografia, que se manteve até 1969, que publicava artigos de geógrafos do Brasil e da França.
Nessa época, destacam-se, ainda outros centros de ensino e pesquisa, tais como o Instituto de Economia e Finanças, o Gabinete de Estudos Portugueses, o Laboratório de Fonética e o Gabinete de Filologia Românica.
Durante todo esse período, a equipe do laboratório participava ativamente das reuniões anuais da Associação de Geógrafos Brasileiros (AGB) nas quais se estudava, exaustivamente, a cidade sede do encontro e seu entorno. Durante 15 dias a AGB era um espaço intelectual importante na época. Em 63, Milton Santos foi eleito presidente da AGB não sem enfrentar, em Penedo-Alagoas, sede da reunião da AGB em 1962, preconceitos quanto à sua candidatura, sendo veementemente defendido, na ocasião, por Caio Prado Júnior, então editor da Brasiliense. Um ano depois, realizou-se com grande sucesso a AGB em Jequié, sob a presidência de Milton.
Milton Santos - foto: (...)
A brilhante carreira do Professor tomou vários rumos quando Jânio Quadros, eleito Presidente da República, mostrou desejo de levar, na sua viagem a Cuba, um dos redatores do jornal A TARDE, e o Prof. Jorge Calmon, redator-chefe do jornal, indicou Milton Santos. Essa viagem aproximou os dois, Jânio e Milton, e, logo após ser empossado, Jânio o convidou para ser subchefe da casa civil na Bahia, cargo que exerceu durante o curto mandato do presidente. Nessa ocasião, propôs a Jânio medidas como punições a bancos e exportadores e imposto sobre as grandes fortunas, o que foi acatado pelo presidente.
Logo depois, o governador Lomanto Júnior o nomeou presidente da Comissão de Planejamento Econômico (CPE), cargo que ele deixou em 1964. Durante o exercício desse cargo, entre 1963 e 1964, Milton Santos tratou de temas de política econômica e planejamento regional, a partir de uma perspectiva científica, utilizando-se da linguagem acadêmica. Apesar de exercer cargos tão importantes, nunca negligenciou seu trabalho no Laboratório. Aquela casa de pesquisa e de trabalho funcionava como uma grande família, onde a confiança, a solidariedade e o companheirismo eram a tônica. Todos que desejaram tiveram a oportunidade de realizar cursos de pós-graduação na França ou na África, desenvolvendo suas aptidões, sempre estimulados pelo prof. Milton Santos, que transmitia, além de ensinamentos, motivações e autoconfiança, através do pensamento autônomo, crítico e criativo. Com sua capacidade inconteste de gestor, compreendia diferenças e incentivava a produção.
A implantação de uma nova filosofia de trabalho em Geografia, até então inexistente no Brasil, abre espaços para a geração de pesquisas, capazes de movimentar outras mentes e acionar novas idéias.
Em meio a esse clima, é colhido pela longa noite iniciada em 1964. Avisado de que corria perigo, é convidado pelo prof. Van der Haegen, cônsul honorário da França, para abrigar-se em sua casa, ao tempo em que Nailton, seu irmão, é acolhido na casa de Celso Furtado. De nada adiantou para Milton: enquanto Nailton, ainda em abril, partia para o México de onde, só lá chegando, comunicou-se com a família, Milton era preso e enviado para o 19 BC, no Cabula, um fim de mundo, na época, onde parte de sua equipe do laboratório e seus amigos iam diariamente visitá-lo, sem poder aproximar-se muito. Com ele, na cela,no “espaço doméstico”, ficaram Auto de Castro, professor de Filosofia da Universidade da Bahia, e o engenheiro Ernesto Dremher, superintendente da Refinaria Landulfo Alves, de Mataripe.
Sobre Milton, diz Auto de Castro: “Em 1949, conheci Milton. A Bahia, nessa época, era muito pequena. Havia uma convergência social para a rua Chile; a elite da Bahia se reunia no Café de Bernadete, que era a sede do Partido Socialista. Era uma portinha junto a Livraria Civilização Brasileira, mais tarde sede da VASP. Intelectuais, poetas, gente da Academia de Letras e políticos aí se reuniam, enquanto moças casadouras, senhoras da sociedade e até a burguesia baiana desfilavam entre ás 16 e 18:30 na rua famosa. Naquela época, havia um espirito na cidade: comentários, anedotas e todos os fatos políticos eram imediatamente conhecidos na rua Chile, devidamente desdobrados e criticados. Hoje não existe mais isso – a cidade cresceu muito e perdeu esse espírito.”
Enquanto esteve na prisão, chegavam cartas e convites de várias Universidades francesas. O próprio Van der Haegen serviu de intermediário entre o governo francês e o Coronel Humberto Melo, responsável pelo 19 BC, segundo ainda Auto de Castro. Na véspera de São João, devido a um inicio de derrame, foi levado ao hospital e depois solto. Tentou ainda continuar sua vida de cidadão e de intelectual, mas o Brasil fechou-lhe as fronteiras. Em dezembro, conheceu uma das suas experiências mais dolorosas: deixar o Brasil, seu filho Miltinho – o casamento já tinha terminado –, sua família, seus amigos, suas raízes. Partiu para a Universidade de Toulouse Le Mirail, onde seu “irmão” francês, prof. Bernard Kaiser, o esperava, tentando proporcionar-lhe um ambiente de trabalho favorável e oferecendo-lhe amizade de irmão. Mais tarde, na mesma Universidade, recebeu o título de Dr. Honoris Causa, o primeiro dos 20 que receberia durante toda a sua vida.
Milton Santos - foto: (...)
É preciso dizer que, embora afastado fisicamente, Milton esteve intelectual e emocionalmente ligado á Bahia, e foram muitos os trabalhos que aqui continuaram a se realizar sob sua orientação. As professoras Antônia Dea Erdens e, posteriormente, Tereza Cardoso da Silva, no Laboratório, continuavam o trabalho de Milton, dirigindo a equipe por ele formada.
De Toulouse, onde ficou por três anos, Milton Santos fixa-se em Bordeaux. Lá, entre os seus alunos, havia uma que se distinguia dos demais, Marie Hélène Tiercelin, que mais tarde viria a ser sua mulher, nos últimos quase trinta anos, mãe de seu segundo filho, Rafael. Marie Hélène foi um marco em sua vida pessoal e intelectual. Proporcionou-lhe, no ambiente de trabalho, a paz, a tranqüilidade e o equilíbrio necessários ao seu mister de grande pensador. E, sendo geógrafa, trocava com ele déias de trabalho, além de ter feito as traduções de vários de seus livros. Observa-se que a fase de grande produção intelectual de Milton começou em início de 70, com Marie Hélène.
A partir de 1964, também começa a sua longa trajetória pelo mundo. De Bordeaux, onde fica durante um ano vai para Paris, onde convive com amigos franceses, entre os quais Michel Rochefort, Jacqueline Beaujeu-Garnier, Pierre George, Guy Lassère, George e Niki Coutsinas, Oliver Dolffus, Jacques Levi e brasileiros entre os quais Miota e Luís Navarro de Brito, Miguel Arraes, Celso Furtado, além de alunos brasileiros que se encontravam cursando o doutorado nas diversas universidades francesas. Para a Venezuela, onde foi contratado para estudar Caracas no programa “Venezuela Hoje”, financiado pelo governo da Venezuela e pela ONU, segundo informações da Profª. Drª Antônia Dea Erdens, leva consigo alguns colaboradores: dois brasileiros, a própria Antônia Dea e Licia do Prado Valadares, e duas francesas: profª Hélène Lamicq – hoje reitora da Universidade de Creteil (FR) – e Marie Hélène Tiercelin. Antes de seguir para Toronto, casa-se, no Haiti, em 1972, com Marie Hélène. Viajam, assim, para a Universidade Politécnica de Lima (73), Dar-es-Salaam (74-76), onde se torna amigo do então presidente Nyerere. Daí segue para a Columbia (NY 76-77) e volta à Venezuela (75-76). Foi também professor pesquisador durante dois anos do Massachuselts Institute of Technology, Cambridge (71-72), quando então é convidado para fundar um Laboratório de Geografia na Nigéria, África.
Marie Hélène está grávida de Rafael. Como um presente para Milton, para que seu filho nascesse baiano, Marie Hélène decide vir à Bahia. Era o pretexto que ele precisava para voltar em definitivo ao Brasil, já que as duas vezes que aqui esteve, antes de 1977 – uma das quais para a SBPC e a convite da Profª Maria de Azevedo Brandão – foram passagens rápidas. Durante os treze anos fora do país, estruturou a base do pensamento que analisa o impacto social provocado pelo desenvolvimento urbano político e econômico. Milton volta, conhecido e admirado mundialmente, já com várias obras publicadas. Trazia um novo livro que iria revolucionar a Geografia pelos seus conceitos, Por uma Geografia Nova, dedicado a Lígia Ferraro, sua amiga, morta prematuramente. O lançamento do livro aconteceu na Livraria Civilização Brasileira da Avenida Sete, nas Mercês. No mesmo ano, professor Milton enche um auditório do Instituto de Geociências da UFBA, com cerca de 200 pessoas vindas de todas as partes da Bahia e do Brasil num curso de extensão sobre “A Cidade Mundial de Nossos Dias”. Nasce Rafael, em julho de 1977.
A UFBA, entretanto, não se interessa por reintegrá-lo como professor. Em anos anteriores, vários reitores foram procurados para que trouxessem Milton do seu exílio. Algumas promessas foram feitas, em vão. A UFBA, em 1977, continuou em silêncio, assim como as demais universidades do Brasil, com exceção do Rio Grande do Sul. Milton Santos vai para o sul, trabalha entre São Paulo e Rio de Janeiro como consultor. Em São Paulo, é convidado por sua amiga Maria Adélia Aparecida de Souza, na época coordenadora de Ação Regional do governo Paulo Egydio Martins, como consultor, enquanto não conseguia uma função na Universidade. Em 1979, vai para o Rio de Janeiro onde é contratado como professor assistente. Continuou realizando trabalhos esporádicos. Foram anos difíceis, pelo fato de não saber o que lhe reservava o futuro, para ele e sua pequena família. Finalmente, em 1984, com o apoio de jovens professores, submete-se ao concurso para titular na USP. Foi fundamental, nesse momento, o apoio dos amigos Maria Adélia Souza e Araújo Filho, da mesma forma que a Professora Maria do Carmo tinha sido, na UFRJ. Na USP, manteve um grupo de pesquisadores nos mesmos moldes do antigo Laboratório de Geomorfologia, os quais continuam até hoje. A partir daí, a carreira brilhante de Milton Santos começou a decolar no Brasil, apesar de já ser conhecido no mundo inteiro. Os convites do exterior continuaram.
Milton Santos - foto: (...)
Foi professor visitante da Universidade de Stanford, na Cátedra de Joaquim Nabuco (97-98). Foi Diretor de Estudos em Ciências Sociais, Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais (Paris 1998). Consultor das Nações Unidas, OIT, OEA e UNESCO. Consultor junto aos governos da Argélia e Guiné Bissau. Consultor junto ao Senado Federal da Venezuela para questões metropolitanas. Membro do comitê assessor do CNPq e ex-coordenador da Comissão de Coordenação dos Comitês Assessores do CNPq (82-85). Coordenador da área de Arquitetura e Urbanismo da FAPESP (Fundação para o Amparo a Pesquisa no Estado de São Paulo, 91-94). Membro da Comissão de Alto nível do Ministério da Educação, encarregada de estudar a situação de ensino no pais (98-90). Membro da comissão especial da Assembléia Constituinte do estado da Bahia, encarregado de redigir um ante-projeto de Constituição Estadual (89). Presidente da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional (ANPUR 91-93). Presidente da Associação de Pós-graduação e Pesquisa em Geografia (ANPEGE 93-95).
Em 1994, recebeu o Prêmio Internacional Vautrin Lud, correspondente ao Nobel da Geografia, tendo como proponente o professor Jorge Gaspar, da Universidade de Lisboa. Costumava dizer que, a partir desse prêmio, a mídia brasileira lhe abrira as portas. Recebeu-o na pequena cidade de Saint-Dié des Vosges, coincidentemente na região da cidade de Strasbourg onde havia defendido, na década de 50, o seu doutorado. Pela primeira vez na história desse prêmio, ele era outorgado a um geógrafo que não era nem francês nem norte-americano.
Milton Santos recebeu ainda mais de duas dezenas de medalhas, tais como: Medalha de Mérito, Universidad de La Habana, Cuba, 1994; Colar do Centenário (Conjunto de Obra em Geografia) Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, 1997; Ordem 16 de setembro – Primeira Classe, Estado de Mérida, Venezuela, 1998; 11ª Medalha Chico Mendes de Resistência, Grupo Tortura Nunca Mais, Rio de Janeiro, 1999; Medalha do Mérito, Fundação Joaquim Nabuco, Recife,1999, entre outras. Dentre os prêmios destacam-se: Vozes Expressivas do Final do Milênio, Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro, 1997; Personalidade do Ano, Instituto de Arquitetos do Brasil, Rio de Janeiro,1997; Homem de Idéias, 1998, Caderno Idéias, Jornal do Brasil, Rio de Janeiro,1998; O Brasileiro do Século, Revista Isto É, 1999 (laureado na categoria Educação, Ciência e Tecnologia, entre 20 personalidades ); Prêmio Jabuti (melhor livro de Ciências Humanas) 1997, com A natureza do Espaço. Técnica e Tempo. Razão e Emoção, Hucitec, São Paulo, 1996; prêmio UNESCO na categoria Ciência, 2ª edição, Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura, Brasília, 2000. Seu último prêmio foi o Multicultural Estadão Cultura, em junho de 2000, concorrendo com inúmeras personalidades e sendo votado por milhares de brasileiros. Numa cerimônia carregada de emoção e beleza, disse: “Considero a indicação do prêmio Multicultural Estadão Cultura como um presente expressivo que coroa, de alguma forma, o meu trabalho intelectual [...] Meu desejo secreto, o desejo dos pensadores, e é difícil confessa-lo, é que o seu trabalho possa ter alguma repercussão, sobretudo quando ele ultrapassa os limites da sua própria área e da universidade. O fato de seu o trabalho ter uma visibilidade em camadas mais amplas da sociedade dá ao seu autor, não a certeza que ele tenha o aplauso geral, mas um certo conforto de ver que o seu discurso não é um discurso fechado. Agradeço a todos que votaram em mim, aos meus amigos e ofereço esse prêmio a todos os brasileiros que tanto esperam de seus intelectuais.”
Entre 1980 e 2000, Milton recebeu vinte títulos de Dr. Honoris Causa de Universidades do Brasil, da América Latina e da Europa. Publicou mais de quarenta livros e mais de 300 artigos em revistas cientificas, em português, francês e espanhol e inglês. Seu último livro, publicado em 2001 pela editora Record, foi : O Brasil: Território e Sociedade no Inicio do Século XXI. Organizou diversos livros, números especiais de revistas cientificas em português, francês e inglês. Fez pesquisas e conferências em diversos países, dentre os quais: Japão, México, Colômbia, Costa Rica, Índia, Argentina, Uruguai, Tunísia, Argélia, Costa do Marfim, Benin, Togo, Gana, Panamá, Nicarágua, Espanha, Portugal, República Dominicana, Cuba, Estados Unidos, França, Tanzânia, Venezuela, Peru, Inglaterra, Suíça, Bélgica, Senegal e Itália. Concedeu inúmeras entrevistas à mídia falada e escrita, a entidades diversas, a estudantes etc.
Em 1996, para os seus 70 anos, amigos se reuniram para prestar-lhe uma homenagem, num Seminário Internacional, em São Paulo, denominado O mundo do Cidadão. Um cidadão do mundo. Nessa ocasião, foi lançado um livro com o mesmo nome, com depoimentos de 67 intelectuais e amigos de todas as partes do mundo, acolhidos na ocasião pela USP, entre os quais, Manoel Correia de Andrade, Maurício Abreu, Aurora Garcia Ballesteros, Paul Claval, Leila Dias, Inês Costa Ferreira, Octavio Ianni, Rosa Ester Rossini, Armen Mamigonian, Joaquim Bosque Maurel, Rui Moreira, Aldo Paviani, Richard Peet, Ana Clara Torres Ribeiro, Teresa Barata Salgueiro, David Slater, Neil Smith, Marlene d`Aragão Carneiro, Teresa Cardoso da Silva, José Estebanez Alvarez, Jacques Lévy, Creuza Santos Lage, Neyde Maria Gonçalves, Sílvio Dvorecki, Saskia Sassen, Maria Azevedo Brandão, Délio Ferraz Pinheiro, Carlos Reboratti, Graciela Ortega, Daniel Hiernaux-Nicolas, Jorge Gaspar, Pedro Geiger, Ruy Moreira, Adir Rodrigues, Ana Fani Carlos, Pablo Ciccolella, José Borzacchiello, Ana Clara Ribeiro, José Estabanez Álvarez, Miguel Panadero, Ana Maria Gicoechea, Terence McGee, Germân Wettstein, Maria Auxiliadora da Silva, Remy Knafou, Pedro Vasconcelos e Sílvio Bandeira de Melo entre muitos outros. A Profª. Maria Adélia Aparecida de Souza e o grupo de jovens mestrandos e doutorandos do Profº. Milton Santos na USP, organizaram a cerimônia. O livro foi organizado pela Profª. Maria Adélia de Souza, que contou com a colaboração dos Profs. George Benko, de Paris-Sorbonne; Hélène Lamicq da Universidade de Creteil, Milton Santos Filho da Faculdade de Economia da UFBA; Luiz Cruz Lima da Universidade do Ceará e Maria Auxiliadora da Silva da UFBA. Esta cerimonia marcou o reconhecimento pleno da importância do Milton Santos.
Milton Santos - foto: (...)
Segundo Maria Adélia de Souza, “Milton foi exilado político. Mas, como poucos não tira proveito disso, exerce vivamente a ética na política. Jamais se comportou como vitrine do regime militar [...] Sofreu todas as dificuldades para se estabelecer e sobretudo, reingressar na vida e nas universidades brasileiras. Apesar das vicissitudes, procura exercer o seu labor e construir, aí sim, um profundo pensamento teórico e político que o Brasil e os brasileiros necessariamente, aos poucos estão tendo de conhecer e admirar. Milton se instala, não como herói que volta carregado nos braços do povo mas, difícil, cautelosa e profundamente vai se impondo como um dos principais pensadores e intelectuais brasileiros, com um pensamento e uma posição política profundos e inarredáveis. No exílio, se dedica obstinadamente aos estudos. É aí que fundamenta, sem dúvida nenhuma, sua obra posterior.”
Além das universidades francesas, americanas e latino-americanas, da África e da Ásia, Milton Santos colaborou ainda com a Complutense de Madrid, de Barcelona e de Lisboa.
Na trajetória de Milton Santos é importante relembrar sua disponibilidade para com os amigos, para com os jovens, seu interesse por eles, sua percepção aguçada que fez de cada um que privou de sua amizade, sentir-se o único. Essa afeição também atingiu amigos como Octávio Ianni, Gervásio Neves e Michel Patty, Joaquim Bosque Maurel, Paul Claval, Jacques Hubschman. Estar ao lado do Profº Milton Santos traz a segurança de estar perto da sabedoria. Sua presença é forte e ao mesmo tempo suave e sua energia, vontade e alegria são contagiantes.
Em 24 de junho de 2001 a saudade toma o lugar de sua presença generosa, do seu sorriso aberto, de sua fala firme e suave, ficando a certeza de termos convivido com quem soube, mais do que ninguém, defender a construção de um mundo mais humano.
_______
:: Fonte/por: *SILVA, Maria Auxiliadora da. Biografia do Milton Santos. in: Fundação Perseu Abramo. Disponível no link. (acessado em 29.3.2011). *Maria Auxiliadora da Silva é professora do Departamento e Mestrado de Geografia do IGEO-UFBA


"O homem de fora é portador de uma memória, espécie de consciência congelada, provinda com ele de um outro lugar. O lugar novo o obriga a um novo aprendizado e a uma nova formulação. A memória olha para o passado. A nova consciência olha para o futuro. O espaço é um dado fundamental nessa descoberta. Ele é o teatro dessa novação por ser, ao mesmo tempo concluído e inconcluso, num processo sempre renovado. Quanto mais instável e surpreendedor for o espaço, tanto mais surpreendido será o indivíduo, e tanto mais eficaz a operação da descoberta. A consciência pelo lugar se superpõe à consciência no lugar. A noção de espaço desconhecido perde a conotação negativa e ganha um acento positivo, que vem do seu papel na produção da nova história" 
- Milton Santos, em "A Natureza do Espaço". São Paulo, Editora EDUSP, 2002, p. 330. 


"A história do homem sobre a terra é a história de uma ruptura progressiva entre o homem e o entorno. Esse processo se acelera quando, praticamente ao mesmo tempo, o homem se descobre como indivíduo e inicia a mecanização do Planeta, armando-se de novos instrumentos para poder dominá-lo. A natureza artificializada marca uma grande mudança na história da natureza humana. Hoje, com a tecnociência, alcançamos o estágio supremo dessa evolução.”
- Milton Santos, em "1992: A redescoberta da natureza". São Paulo: FFLCH/USP, p. 4-5.


"O sonho obriga o homem a pensar."
- Milton Santos

Milton Santos - foto: (...)
Foi o único estudioso fora do mundo anglo-saxão a receber o mais alto prêmio internacional em geografia, o Prêmio Vautrin Lud (1994). Considerada equivalente ao Nobel na Geografia, a láurea marcou o reconhecimento de suas idéias no Brasil. Sua produção acadêmica não permite modéstia: são cerca de 40 livros e 300 artigos científicos.

"Outrora, os intelectuais eram homens que, na Universidade ou fora dela, acreditavam nas idéias que formulavam e formulavam idéias como uma resposta às suas convicções. Os intelectuais, dizia Sartre, casam-se com o seu tempo e não devem traí-lo."
- Milton Santos, em "1992: A redescoberta da natureza". São Paulo: FFLCH/USP, p. 11.


PRÊMIOS, TÍTULOS E DISTINÇÕES
Milton Santos, por Romeiro (2006)
2000 - Recebe o Prêmio Gilberto Freyre de Brasilidade, Conselho de Economia, Sociologia e Política, Federação do Coméricio do Estado de São Paulo.
1999 - Professor Honoris causa, Universidade Federal do Rio de Janeiro.
1999 - Recebe a 11ª Medalha Chico Mendes de Resistência, Grupo Tortura Nunca Mais, Rio de Janeiro.
1999 - Recebe a Medalha do Mérito, Fundação Joaquim Nabuco, Recife.
1999 - Recebe a Ordem do Mérito da Fraternidade Ecumênica - categoria Educação, Parlamento Mundial da Fraternidade Ecumênica, Brasília.
1999 - Doutor Honoris Causa, Universidade de Brasília.
1999 - Doutor Honoris Causa, Universidade Federal de Pernambuco.
1999 - Doutor Honoris Causa, Universidade de Brasília.
1999 - Doutor Honoris Causa, Universidade Federal de Pernambuco.
1999 - É laureado O Brasileiro do Século, na categoria Edcação, Ciênca e Tecnologia. [entre 20 personalidades], pela Revista Isto é.
1998 - Doutor Honoris causa, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.
1998 - Recebe a Ordem 16 de septiembre, Primera Clase, Estado de Mérida, Venezuela.
1998 - Homenagem Obrigado, Professor; Obrigada, Professora, Sessão Solene da Assembléia Legislativa do Estado da Bahia, Assembléia Legislativa do Estado da Bahia.
1998 - Recebe o Título Homem de Idéias - 1998, Caderno Idéias, Jornal do Brasil, Jornal do Brasil, Rio de Janeiro.
1997 - Doutor Honoris causa, Universidad Nacional de Cuyo, Argentina.
1997 - Doutor Honoris causa, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP.
1997 - Recebe o Colar do Centenário [Conjunto da Obra em Geografia], Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.
1997 - Prêmio "Vozes Expressivas do Final do Milênio", Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro.
1997 - Recebe o Título de Cidadão Bauruense, Câmara Municipal de Bauru, São Paulo.
1997 - Recebe o 39º Prêmio Jabuti (1997) na categoria "Ciências Humanas" para o Livro "A Natureza do Espaço. Técnica e Tempo. Razão e Emoção", Hucitec, São Paulo, editado em 1996, 2ª edição: 1997, 3ª edição: 1999, .
1997 - Recebe o Prêmio Personalidade do Ano, Instituto de Arquitetos do Brasil, Departamento do Rio de Janeiro.
1997 - Recebe o Diploma de Gratidão da Cidade de São Paulo, Câmara Municipal de São Paulo.
1997 - Recebe a Medalha Anchieta, Câmara Municipal de São Paulo.
1997 - Ordem do Mérito do Sevidor Público, Galeria da Ordem do Mérito do Servidor Público, Associação dos Funcionários Públicos do Est. SP.
1996 - Doutor Honoris causa, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
1996 - Doutor Honoris causa, Universidade Estadual do Ceará.
1996 - Doutor Honoris causa, Universidade de Passo Fundo.
1996 - Doutor Honoris causa, Universitat de Barcelona, Espanha.
1996 - Doutor Honoris causa, Universidade Federal de Santa Catarina.
1995 - Recebe a Ordem Nacional do Mérito Científico; Comendador, Governo Brasileiro.
1995 - Recebe a Medalha da Câmara Municipal de São Paulo, Câmara Municipal de São Paulo.
1995 - Recebe o Prêmio do Mérito Tecnológico, Sindicato dos Engenheiros do Estado de São Paulo.
Milton Santos, por Saulo Nunes
1995 - Doutor Honoris causa, Universidade Estadual do Centro Oeste, Estado da Bahia.
1995 - Doutor Honoris causa, Universidade Federal de Sergipe.
1994 - Recebe o Prêmio Internacional de Geografia Vautrin Lud.
1994 - Recebe a Medalha do Mérito, Universidad de La Habana, Cuba.
1994 - Doutor Honoris causa, Universidad Complutense de Madrid, Espanha.
1993 - Recebe o Prêmio USP 1993, Orientação da melhor tese em Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.
1992 - Doutor Honoris causa, Universidad de Buenos Aires, Argentina.
1989 - Membro da Comissão Especial da Assembléia Constituinte do Estado da Bahia, encarregada de redigir um ante-projeto de Constituição Estadual, Assembléia Constituinte do Estado da Bahia, 1989.
1986 - Doutor Honoris causa, Universidade Federal da Bahia.
1980 - Doutor Honoris causa, Université de Toulouse, França.

"O cidadão é multidimensional. Cada dimensão se articula com as demais na procura de um sentido para a vida. Isso é o que dele faz o indivíduo em busca do futuro, a partir de uma concepção de mundo."
- Milton Santos, em "O Espaço do Cidadão". São Paulo: Nobel, 1987, p. 41-41.


“Ser negro no Brasil é, pois, com freqüência, ser objeto de um olhar enviesado. A chamada boa sociedade parece considerar que há um lugar predeterminado, lá em baixo, para os negros e assim tranquilamente se comporta. Logo, tanto é incômodo haver permanecido na base da pirâmide social quanto haver subido na vida.”
- Milton Santos, em " Ser negro no Brasil hoje". in: O país distorcido: o Brasil, a globalização e a cidadania. [organização, apresentação e notas de Wagner Costa Ribeiro; ensaio de Carlos Walter Porto Gonçalves]. São Paulo: Publifolha, 2002.

Milton Santos - foto: (...)
OBRAS DE MILTON SANTOS
Livros publicados/organizados ou edições
SANTOS, M. A. . La Naturaleza del Espacio. Técnica y Tiempo. Razón y Emócion. Barcelona: Ariel, 2000.
____ . Por uma outra globalização. Do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro - São Paulo: Record, 2000.
____ . Território e Soceidade, entrevista a Odette Seabra, Mônica de Carvalho, José Corrêa Leite. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2000.
____ . A Natureza do Espaço. Técnica e Tempo. Razão e Emoção (1996). 3. ed. São Paulo: Hucitec, 1999.
____ . Técnica, Espaço, Tempo: Globalização e meio técnico-científico informacional (1994). 4. ed. São Paulo: Hucitec, 1998.
____ . A urbanização brasileira (1993). 4. ed. São Paulo: Hucitec, 1998.
____ . A urbanização brasileira (1993) . 4. ed. São Paulo: Hucitec, 1998.
____ . O Espaço do Cidadão (1987). 4. ed. São Paulo: Nobel, 1997.
____ . La Nature de l'Espace. Technique et Temp. Raison et Émotion. Paris: L'Harmattan, 1997.
____ . Metamorfoses do espaço habitado (1988). 5. ed. São Paulo: Hucitec, 1997.
____ . O Trabalho do Geógrafo no Terceiro Mundo (1978). 4. ed. São Paulo: Hucitec / AGB, 1996.
____ . Metamorfosis Del Espacio Habitado. Barcelona: Oikos Tau, 1996.
____ . De La Totalidad Al Lugar. Barcelona: Oikos Tau, 1996.
____ . Novos Rumos da Geografia Brasileira. 4ª ed. São Paulo: Hucittec, 1996.
____ . Técnica, Espaço Tempo: Globalização e Meio Técnico-Cientifico Informacional. 3. ed. SÃO PAULO: HUCITEC, 1996.
Milton Santos - foto: (...)
____ . Metamorfoses do Espaço Habitado. 4ª ed. São Paulo: Hucittec, 1996.
____ . Por Uma Geografia Nova (1978) . 5ª ed. São Paulo: Hucittec, 1996.
____ . Por uma economia política da Cidade. São Paulo: Hucitec, Ed. PUC-SP, 1994.
____ . Espaco e Metodo (1985). 3ª ed. São Paulo: Nobel, 1992.
____ . Pensando O Espaco do Homem (1982). 3ª ed. São Paulo: Hucitec, 1991.
____ . Por una geografia nueva. Madrid: Espasa-Calpe, 1990.
____ . Metrópole corporativa fragmentada: o caso de São Paulo. São Paulo: Nobel, 1990.
____ . Espace et méthode. Paris: Publisud, 1990.
____ . Manual de geografia urbana (1981). 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1989.
____ . O Espaço do Cidadão. São Paulo: Nobel, 1987.
____ . Pour Une Geographie Nouvelle (1985). 2. ed. Paris: Editions Publisud, 1986.
____ . Ensaios Sobre A Urbanização Latino-Americana (1982). 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1986.
____ . Espacio y Metodo. Barcelona: Universidad de Barcelona, 1986.
____ . Espaço e Sociedade (1979). 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1982.
____ . A urbanização desigual (1980). 2. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1982.
____ . The shared space: the two circuits of the urban economy and its spatial repercussions. Londres: Methuen, 1979.
____ . A pobreza urbana (1978). 2. ed. São Paulo: Hucitec-UFPE, 1979.
____ . Economia Espacial: Criticas e Alternativas. São Paulo: Hucitec, 1978.
____ . O espaço dividido. Rio de Janeiro: Lvraria Ed. Francisco Alves, 1978.
____ . L'espace partagé. Paris: Editions Librairies Techniques, M. Th. Génin, 1975.
____ . Geografia Y Economia Urbanas En Los Paises Subdesarollados. Barcelona: Oikos-Tau, 1973.
____ . Undervelopment and poverty: a geographer's view. Toronto: The latin american in residence lectures, 1972.
____ . Le métier du géographe en pays sous-développés. Paris: E. Oprhys, 1971.
____ . Les villes du Tiers Monde. Paris: E. Génin, 1971. v. 10.
____ . Dix essais sur les villes des pays sous-développés. Paris: Ed. Ophrys, 1970.
____ . Aspects de la géographie et de l'économie urbaine des pays sous-développés. Paris: Centre de Documentation Universitaire, 1969.
____ . Croissance démographique et consommation alimentaire dans les pays sous-développés. Paris: Centre de Documentation, 1967.
____ . A Cidade Nos Paises Subdesenvolvidos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965.
____ . Marianne em Preto e Branco. Salvador: Livraria Progresso, 1960.
____ . A cidade como centro de região. Salvador: Imprensa Oficial, 1959.
____ . A rede urbana do recôncavo. Salvador: Imprensa Oficial, 1959.
____ . O centro da cidade de Salvador. Salvador: Editora Progresso, 1959.
____ .; TRICART, J.. Estudos de Geografia da Bahia. Salvador: Livraria Progresso, Ed., 1958.
____ .; JACOBINA, D.. Localização industrial - Estudos e Problemas da Bahia. Salvador: E. mimeografada da CPE nº 3, 1958.
____ . Zona do cacau. Introdução ao estudo geográfico (1955). 2ª ed., São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1957.
____ . Estudos sobre geografia. Salvador: Tipografia Manú, 1953.
____ . Os estudos regionais e o futuro da geografia. Salvador: Imprensa Oficial da Bahia, 1953.
____ . O povoamento da Bahia: suas causas econômicas. Salvador: Imprensa Oficial da Bahia, 1948.

Milton Santos - foto: (...)
"Quando se confundem cidadão e consumidor, a educação, a moradia, a saúde, o lazer aparecem como conquistas pessoais e não como direitos sociais. Até mesmo a política passa a ser uma função do consumo. Essa segunda natureza vai tomando lugar sempre maior em cada indivíduo, o lugar do cidadão vai ficando menor, e até mesmo a vontade de se tornar cidadão por inteiro se reduz."
- Milton Santos, em "O Espaço do Cidadão". São Paulo: Nobel, 1987, p. 127.


Artigos completos publicados em periódicos
SANTOS, M. A. Modo de produção técnico-científico e diferenciação espacial. Território, Rio de Janeiro, v. Ano VI, n. 6, p. 5-20, 1999.
Milton Santos - foto: (...)
____ .; BERNARDES, Adriana. Tarefas da Geografia Brasileira num Mundo em Transformação: um momento de sua trajetória. Ciência Geográfica, Bauru, v. 13, p. 4-22, 1999.
____ . Atividades para visibilidade e projeção da ANPUR 1991-1993. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v. nº 1, p. 19-23, 1999.
____ . La fuerza del lugar. Orden Universal. Orden Local". Geographikós. Una revista de Geografia, Buenos Aires, v. 7, n. 8, 1999.
____ . A Universidade: da Internacionalidade à universalidade. Journal da Adufrj, Rio de Janeiro, v. 5, 1999.
____ . Distinción al Dr. Milton Santos. Boletín Del Centro de Estudios Alexander Von Humboldt, Buenos Aires, v. 3, n. 4, 1999.
____ . Milton Santos. Teoria e Debate, v. 12, n. 40, p. 32-39, 1999.
____ . Milton Santos, um depoimento. SBPC, Cientistas do Brasil, Depoimentos, São Paulo, p. 743-752, 1998.
____ . As exclusões da globalização: pobres e negros. Thoth, escriba dos deuses, Pensamento do Povos Africanos e Afrodenscentes, Brasília, v. nº 4, p. 147-160, 1998.
____ . Da discriminação à consciência coletiva. Cadernos Cidadãos, São Paulo, v. nº 9, p. 4, 1998.
____ . O intelectual e a universidade independente. Revista USP, São Paulo, v. nº 39, p. 54-57, 1998.
____ . A técnica em nossos dias - a instrução e a eduçação. Cadernos da ABMES, Brasília, v. nº 1, 1998.
____ . O intelectual e o dever da crítica. Série Eméritos 1, Humanitas Publicações, FFLCH-USP, São Paulo, 1998.
____ . La Geografía tiene hoy su edad de oro. Meridiano Revista de Geografia, Buenos Aires, n. 6, 1998.
____ . Milton Almeida dos Santos - um paladino solitário. Ciência Hoje, São Paulo, v. 24, n. 169, 1998.
____ . Nuevas Concepciones de La Geografia. Geo-Uruguay - Revista Uruguaya de Geografia, URUGUAI, v. 1, p. 117-123, 1997.
____ . O Lugar: Encontrando O Futuro. Rua Revista de Arquitetura e Urbanismo, BAHIA, v. 6, p. 34-39, 1997.
____ . De Uma Geografia Metaforica da Pós-Modernidade A Uma Geografia da Globalização. Revista Cultura Vozes, SÃO PAULO, v. 4, p. 14-30, 1997.
____ . Geografia, Pesquisa, Política e Sociedade. Revista Ciência Geográfica, Bauru - SP, 1997.
____ . Globalização, regionalização: a proposta do Mercosul. (em colaboração com Mónica Arroyo). Caderno Técnico do Sesi Cni, v. 24, p. 55-63, 1997.
____ . O intelectual e a Universidade estagnada. Revista Adusp, n. 11, p. 16-20, 1997.
____ . Da política dos Estados à política das empresas. Cadernos da Escola do Legislativo, v. 3, n. 6, p. 9-23, 1997.
____ . Globalização e território. Documentos Básicos Sudene, Recife, p. 9-15, 1997.
____ . Los nuevos mundos de la geografia. Geografia Por Venir Cuestiones Opiniones Debates, Buenos Aires, 1997.
____ . São Paulo, uma evolução contraditória. Anales de Geografia de La Universidad Complutense, Madri, n. 16, p. 101-122, 1997.
____ .; SILVEIRA, M. L. Globalización Y Geogrfia: La Compartimentacón Del Espació. Geografía Aplicada y Desarollo, QUITO, v. 16, n. 33, p. 5-12, 1996.
____ . Los nuevos mundos de la Geografia. Anales de Geografia de La Universidad Complutense, Madri, n. 16, p. 15-28, 1996.
____ . Espaço condiciona atividade econômica. Terceiro Fórum Sebrae, p. 14-20, 1996.
____ . Por uma geografia cidadã: por uma epistemologia da existência. Boletim Paulista de Geografia, n. 21, p. 7-14, 1996.
____ . Globalização e Geografia: a compartimentação do espaço. Caderno Prudentino de Geografia, n. 18, p. 5-17, 1996.
____ . Globalização e reforma agrária. Agb Informa, v. 1995, n. 59, 1995.
____ . A questão do meio ambiente: desafios para a construção de uma perspectiva transdisciplinar. Anales de Geografia de La Universidad Complutense Ciudad y Medio Ambiente, Madri, p. 695-705, 1995.
____ . La aceleración contemporanea: tiempo-mundo y espacio-mundo. Revista Universidad Del Valle, Cali, p. 30-35, 1995.
____ . Los espacios de la globalizacion. Revista Universidad Del Valle, Cali, p. 36-41, 1995.
____ . Raison universelle, raison locale. Les espaces de rationalité. Espaces Et Sociétés, Paris, n. 79, p. 129-135, 1995.
____ . Universal reason, local reason, the spaces of rationality. Geojournal, v. 36, n. 1, p. 108-110, 1995.
____ . Como você conceitua as noções de urbanização e metropolização [entrevista]. Revista Caramelo, São Paulo, n. 7, p. 60-71, 1994.
____ . São Paulo, metrópole internacional do Terceiro Mundo. Revista do Departamento de Geografia (USP), n. 7, p. 7-24, 1994.
____ . El Mundo y la Geografia Hoy. Revista Geográfica Venezoelana, v. 33, n. 1, p. 5-9, 1993.
____ . Espaço, mundo globalizado, pós-modernidade [entrevista]. Revista Margem, n. 2, p. 9-20, 1993.
____ . Objeto e ações: dinâmica espacial e dinâmica social. Geosul, n. 14, p. 49-59, 1993.
____ . Metrópole: a força dos fracos é o seu tempo lento. Ciência e Ambiente, v. IV, n. 7, p. 7-12, 1993.
____ . Espaços entrecruzados: geografia no Brasil e na França. [Coleção Documentos Série Estudos Brasil França], IEA - USP - São Paulo, n. 2, p. 15-25, 1993.
____ . Estudo da Urbanização Brasileira. Carta Senado Federal, n. 8, p. 125-137, 1993.
____ . Materiais para o estudo da urbanização brasileira no período técnico-científico. Cadernos do Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares Neur, v. 2, n. 1, p. 9-21, 1993.
____ . A formação universitária do professor de Geografia. Revista Orientação, p. 43-44, 1993.
____ . Modernidad, medio técnico-científico y urbanización em Brasil. Cuadernos Del Cendes, n. 13-14, p. 129-145, 1993.
____ . Imigração e Movimento. Revista de Cultura Vozes, v. 87, n. 3, p. 2-6, 1993.
____ . Les espaces de la globalisation. Cahiers Du Gemdev, Paris, n. 20, p. 161-172, 1993.
____ . A aceleração contemporânea. Tempo Mundo e Espaço Mundo . Boletín Geográfico, Neuquén, n. 19, p. 1-10, 1993.
____ . Los espacios de la globalización. (traducción de Joaquín Bosque Maurel). Anales de Geografia de La Universidad Complutense, Madrid, n. 13, p. 69-77, 1993.
____ . Involução metropolitana e economia segmentada: o caso de São Paulo. Bahia Análise e Dados. Salvador, v. 3, n. 1, p. 5-17, 1993.
____ . Temps-monde et espace-monde. Relever le défi conceptuel . Strates, n. 7, 1992.
____ . Entrevista. Geographicós Una Revista de Geografia, Buenos Aires, v. 2, n. 3, p. 17-20, 1992.
____ . Entrevista. Geosul, v. VI, n. 12/13, p. 170-201, 1992.
____ . Retroceso metropolitano y economia segmentada: el caso de São Paulo. Inestigaciones Geográficas, n. 25, p. 81-111, 1992.
____ . Modernidad, medio técnico-científico y urbanización en Brasil. Cuadernos Del Cendes, n. 13/14, 1992.
____ . Modernidade, meio técnico-científico e urbanização no Brasil. Cadernos IPPUR/UFRJ, v. VI, n. 1, p. 9-22, 1992.
____ . Modernidade, meio técnico-científico e urbanização no Brasil. Revista do Laboratório de Geografia Política e Planejamento Territorial e Ambiental, n. 1, 1992.
____ . A região cresce mais que a metrópole. Investigaciones Geográficas - Bol. Inst. de Geografía, n. 24, p. 95-121, 1992.
____ . A involução metropolitana: a região cresce mais que a metrópole. Caderno Prudentino de Geografia, n. 14, p. 168-195, 1992.
____ . 1992: a redescoberta da Natureza. Estudos Avançados, v. 6, n. 14, p. 95-106, 1992.
____ . A revolução tecnológica e o território: realidades e perspectivas. Revista Terra Livre, n. 9, p. 7-17, 1992.
____ . Modernité, milieu technico-scientique et urbanisation. Annales de Geographie, Paris, v. 101, 1992.
____ . O tempo nas cidades. [Coleção Documentos Série Estudos Sobre o Tempo]. IEA - USP - São Paulo, n. 2, 1991.
____ . Flexibilidade tropical. Arquitetura e Urbanismo, São Paulo, n. 38, p. 44-45, 1991.
____ . A revolução tecnológica e o território: realidades e perspectivas. Caderno Prudentino de Geografia, n. 13, 1991.
Milton Santos - foto: (...)
____ . Meio ténico-científico e urbanização: tendências e perspectivas. Revista Resgate (Centro de Memória da UNICAMP), Campinas, n. 3, 1991.
____ . Modernisation, milieu tecnico-scientifique et urbanisation au Brésil. Annales de Géographique, Paris, 1991.
____ . Modernisación, medio tecnico cientifico y urbanisation en Brasil. Cuadernos Venezoelanos de Planificacion, Caracas, 1991.
____ . Modernisacion, medio tecnico cientifico y urbanizacion en Brasil. Anales de Geografia de La Universidad Complutense, Madri, n. 10, 1991.
____ . Modernidad, medio tecnico-científico y urbanización en Brasil. Revista Cuadernos Del Cendes, Caracas, n. 13/14, 1990.
____ . Materiais para o estudo da urbanização brasileira no período técnico científico. Boletim Paulista de Geografia, n. 67, 1989.
____ . O espaço como categoria filosófica. Revista Terra Livre, n. 5, p. 9-20, 1989.
____ . São Paulo, metrópole corporativa. Desenvolvimento Metropolitano no Sudeste do Brasil, Tsukuba, 1989.
____ . America Latina, nueva urbanización, nueva planificación. Geoespácio, Montevideo, v. III, p. 9-20, 1989.
____ . Entrevista. Geoespácio, Montevideo, v. III, p. 5-8, 1989.
____ . Espaço e sociedade no Brasil: a urbanização recente. (publicado em 1989). Geosul, v. III, n. 5, 1988.
____ . Interventions lors du Colloque d'Issy-lesMoulineaux. Netcom, Paris, v. 3, n. 1, 1988.
____ . A evolução recente da industrialização no Estado da Bahia, Brasil. Latin American Studies, Tsukuba, n. 9, 1988.
____ . Reflexions sur le rôle de la géographie dans la periode technico scientifique. Cahiers de Géographie Du Quebec, Quebec, v. 32, n. 87, 1988.
____ . Espaço e Sociedade no Brasil: a urbanização recente. Revista Geosul (UFSC), Florianópolis, SC, v. III, n. 5, 1988.
____ . Por um espaço transformador. U - Arquitetura e Urbanismo, v. 5, n. 21, 1988.
____ . O meio técnico-científico e a urbanização no Brasil. Espaço e Debates, n. 25, 1988.
____ . America Latina: nueva urbanización, nueva planeación. Vivienda, México, v. 12, n. 1, 1987.
____ . [Autores, C. O.] Proposta da SBPC para a Cosntituinte. Revista Ciência e Cultura, v. 39, n. 4, p. 349-356, 1987.
____ . Passado e presente nas relações entre sociedade e espaço e localização pontual da indústria moderna no Estado da Bahia. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, n. 65, 1987.
____ . Echapper à l'emprise des ideologies. Espace Temps, Paris, n. 36, 1987.
____ . O geógrafo e a Constituinte. Agb Informa, São Paulo, n. 24, 1987.
____ . Spatial Dialectics: the two circuits of urban economy in underdeveloped countries. Antipode a Radical Journal Of Geography, v. 17, n. 2-3, 1987.
____ . Territorio, Cidadania e Constituinte. A&U - Arquitetura e Urbanismo, 1987.
____ . A face oculta. A&U - Arquitetura e Urbanismo, São Paulo, v. Ano 2, n. 7, 1986.
____ . Tradição, modernidade e cultura na cidade grande. Espaço & Debates, n. 17, 1986.
____ . O território e a Constituição. Revista de Administração Pública, v. 20, n. 4, p. 65-69, 1986.
____ . América Latina: nova urbanização, novo planejamento. Orientação, USP, São Paulo, n. 7, p. 47-52, 1986.
____ . O período técnico-científico e os estudos geográficos. (publicado em 1990). Revista do Departamento de Geografia (USP), n. 4, 1985.
____ . Metamorfoses do espaço habitado. A&U - Arquitetura e Urbanismo, São Paulo, p. 88-89, 1985.
____ . A responsabilidade social dos geógrafos. Jornal de Geografia, Uberaba, MG, 1985.
____ . A ideologia da ocupação. A&U - Arquitetura e Urbanismo, São Paulo, p. 79-80, 1985.
____ . Novo espaço, nova urbanização. Espaço & Debates, n. 13, 1985.
____ . La géographie à la fin du XXème siécle. Revue Internationale Des Sciences Sociales, n. 102, 1985.
____ . A Geografia e A Nova Dimensão do Planeta. REVISTA BRASILEIRA DE TECNOLOGIA, VOL.15, N.5, 1984., p. 0-0, 1984.
____ . Para que a geografia mude sem ficar a mesma coisa. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, n. 59, p. 5-22, 1984.
____ . As desigualdades regionais na Guiné Bissau. Estudos Afro Brasileiros Cadernos Cândido Mendes, n. 10, p. 73-93, 1984.
____ . A geografia e a nova dimensão do planeta. Revista Brasileira de Tecnologia Cnpq, Brasília, DF, v. 15, n. 5, p. 13-21, 1984.
____ . A geografia do fim do século XX: a redescoberta e a remodelagem do planeta e os novos papéis de uma disciplina ameaçada. Revista Geonordeste, Aracajú, SE, n. 2, p. 1-13, 1984.
____ . A teoria da delimitação dos sistemas sociais. Revista de Administração Pública, v. 7, n. 2, p. 118-120, 1983.
____ . Alocução à 2ª Sessão do cap. A América Latina e a África no quadro das relações sul-sul. Estudos Afro Brasileiros Cadernos Cândido Mendes, Rio de Janeiro, n. 6-7, p. 69-71, 1982.
____ . O espaço e seus elementos. Geografia Ufsc, Florianópolis, SC, p. 4-5, 1982.
____ . O espaço como instância. Geografia Ufsc, Florianópolis, SC, p. 2-3, 1982.
Milton Santos - foto: (...)
____ . Organização do espaço e organização social: o caso de Rondônia. Boletim Carioca de Geografia, Rio de Janeiro, RJ, v. XXXII, p. 51-77, 1982.
____ . Novos rumos para a geografia brasileira. Boletim Recifense de Geografia, Recife, PE, v. III, n. 6, p. 15-18, 1982.
____ . O espaço e seus elementos: questões de método. Revista Geografia e Ensino, Belo Horizonte, MG, v. Ano I, n. 1, p. 19-30, 1982.
____ . Da sociedade à paisagem. Arte Em São Paulo, São Paulo, 1981.
____ . Structure, totalité, temps. L'espace du monde d'aujourd'hui. Espaces Temps, Paris, n. 18-19-20, p. 103-122, 1981.
____ . Dimensão temporal e sistemas espaciais no Terceiro Mundo. Anuário do Instituto de Geociências/UFRJ, Rio de Janeiro, p. 1-15, 1981.
____ . Da sociedade a paisagem: o signifado do espaço humano. Revista Arte Em São Paulo, n. 2, 1981.
____ . Reformulando a sociedade e o espaço. Geografia e Sociedade, v. 74, n. 4, p. 37-48, 1980.
____ . Societé et Espace transnationalisés dans le Venezuela actuel. Revue "Tiers Monde", Paris, v. T. XXI, n. 84, p. 709-720, 1980.
____ . Sobre geografia nova, nos periódicos. Revista de Cultura Vozes, v. LXXIV, n. 4, p. 54-55, 1980.
____ . Investigación para el futuro urbano: apreciación de las actitudes y possibilidades nacionales: el caso de America Latina. Revista Geográfica, Merida, v. XII, n. 28-29, 1980.
____ . The Devil's Totality. Antipode, v. 12, n. 3, p. 41-46, 1980.
____ . A responsabilidade social do geógrafo. Boletim Recifense de Geografia, Recife, PE, v. Ano 1, n. 1, p. 5-14, 1980.
____ . Depoimento. Planejamento, Salvador, v. 8, n. 1-2, 1980.
____ . Da sociedade à paisagem: o significado do espaço humano. Revista Chão, p. 15-17, 1980.
____ . Da sociedade a paisagem: o significado do espaço humano. Revista Chão, p. 15-17, 1980.
____ . A responsabilidade social do geógrafo. Revista da União Paulista Estudantes de Geografia, p. 41-45, 1979.
____ . Espaço e Dominação. Seleção de Textos, São Paulo, n. 4, p. 3-27, 1978.
____ . La Noción de Espacio. Cuadernos de La Cooperativa de Estudiantes de Geografia, Merida - Venezuela, 1978.
____ . De la societé au paysage: la signification de l'espace humain. Hérodote, Paris, n. 9, p. 66-73, 1978.
____ . Rêve et cauchemar: problèmes spatiaux de la transition dans la periode technologique: le cas de Tanzanie. Revue "Tiers Monde", Paris, v. T.XIX, n. 75, p. 563-572, 1978.
____ . La totalité du diable. Espaces Temps, Paris, n. 8, p. 60-75, 1978.
____ . Dos aproximaciones al estudio del Estado y del subdesarrollo. Revista Terra Pensamiento Geografico, Caracas, n. 3, p. 137-154, 1978.
____ . Society And Space: Social Formation As Theory And Method. Antipode, Vol. 9, N.1, 1977, p. 0-0, 1977.
____ . Une géographie de la médecine. Herdote Des Responses a Michel Foucault, n. 6, p. 28-29, 1977.
____ . Société et espace: la formation economique et social comme théorie et comme méthode. Cahiers Internationaux de Sociologie, v. LX, p. 261-276, 1977.
____ . Introduction. (com Richard Peet). Antipode, v. 9, n. 1, p. 1-2, 1977.
____ . Society and Space: social formation as theory and method. Antipode, v. 9, n. 1, p. 3-13, 1977.
____ . Sociedade e espaço: a formação social como teoria e como método. Boletim Paulista de Geografia, n. 54, p. 81-100, 1977.
____ . Planning underdevelopment. Antipode, v. Ix, n. 3, p. 86-98, 1977.
____ . Desenvolvimento econômico e urbanizaçao em países subdesenvolvidos: os dois sistemas de fluxos da economia urbana. Boletim Paulista de Geografia, n. 53, p. 35-59, 1977.
____ . L'espace partagé. (introducción). Boletim do Centro de Investigaciones Geodidacticas, v. IV, n. 7, p. 92-101, 1977.
____ . The spatial dialectics: the two circuits of the urban economy in underdeveloped countries. Antipode, v. 9, n. 3, p. 49-60, 1977.
____ . A totalidade do diabo: como as formas geográficas difundem o capital e mudam as estruturas sociais. Contexto Hucitec, p. 31-44, 1977.
____ . Relações Espaço-Temporais no Mundo Subdesenvolvido. Seleção de Textos, São Paulo, v. 1, p. 17-23, 1976.
____ . Sociedad y espacio: la formación social como teoria y como metodo. Cuadernos de La Sociedade Venezolana de Planificacion, Venezuela, n. 141-143, p. 7-21, 1976.
____ . Relações espaço-temporais no mundo subdesenvolvido. Seleção de Textos Agb, n. 1, p. 17-23, 1976.
Milton Santos - foto: (...)
____ . Pourquoi Hérodote? Suite des comentaires. Silence de Marx, silence des philosophes? Non, silence des geógraphes . Hérodote, n. 2, 1976.
____ . Le circuit inférieur: le soi-disant secteur informel. Les Temps Modernes, v. XXX, p. 741-755, 1976.
____ . Economic development and urbanization in underdeveloped countries: the two sub-systems of the urban economy. Journal Of The Geographical Association Of Tanzania, p. 6-36, 1976.
____ . Underdevelopment, growth pole and social justice. Civilisations, v. XXV, n. 1/2, p. 18-31, 1975.
____ . Ensayo del explicacion del crescimiento de Guadalajara. Boletim Del Instituto de Geografia, v. V, p. 201-211, 1974.
____ . Subdesarrolo y polos de crescimiento economico y social. Revista Eure, n. 9, p. 105-115, 1974.
____ . Sous-dévéloppment et poles de croissance économique et sociale. Revue "Tiers Monde", v. XV, n. 58, p. 271-286, 1974.
____ . Sous-dévéloppment et poles de croissance économique et sociale. Revista Mercurio, Roma, 1974.
____ . Economic development and urbanization in underdeveloped countries: the two-flow systems of the urban economy and their spatial implications. Urbanization And The Development Process, Nova Iorque, 1973.
____ . Urban crisis or epiphenomenon?. Proceedigs Of The International Population, p. 278-291, 1973.
____ . Dimension temporelle et systèmes spatiaux dans les pays du Tiers Monde. Revue "Tiers Monde", v. XIII, n. 50, p. 247-268, 1972.
____ . Analyse régionale: vers une nouvelle méthode d'approche. (em colaboração com G. Coutsinas). Revue "Tiers Monde", v. XIII, n. 50, p. 243-246, 1972.
____ . Le décollage urbain. Revue de Géographie de Lyon, v. 47, n. 1, p. 5-25, 1972.
____ . Les villes incoplètes de pays sous-développés. Annales de Géographie, v. 81, n. 445, p. 316-323, 1972.
____ . Les statistiques et la croissance urbaine dans les pays sous-développés. Centre de Geographie Tropicale, Paris, 1972.
____ . Los dos circuitos de la economia urbana de los paises subdesarrolados. La Ciudad y La Region Para El Desarrollo, p. 67-99, 1972.
____ . Commerce alimentaire et force régionale de la ville dans le pays sous-dévéloppés: une méthode d'analyse. Revue "Tiers Monde", v. XII, n. 48, p. 819-824, 1971.
____ . Géographie et interdisciplinarité. Développement Et Civilisations, Paris, n. 45-46, p. 22-32, 1971.
____ . Les plantations tropicales et régionalisation de l'espace au Brésil. (em colaboração com G. Lasserre). La Régionalisation de L'espace Au Brésil Centre D'études de Géographie Tropicale, Bordeaux, Paris, p. 57-72, 1971.
____ . La région du Nordeste. La Régionalisation de L'espace Au Brésil Centre D'etudes de Géographie Tropicale, Bordeaux, Paris, p. 87-89, 1971.
____ . L'urbanisation dépendante au Vénezuela. Espace At Societé, Paris, n. 3, 1971.
____ . Modernisation, Metropolisation et Développement. Développement Et Civilisations, Paris, v. XXI, n. 2-3, p. 23-32, 1971.
____ . L'économie pauvre des villes des pays sous-développés. Les Cahiers D'Outre Mer, Bordeaux, n. 94, p. 105-122, 1971.
____ . Villes et métropoles incomplètes: possibilités et processus de promotion. Revue de Géographie Alpine, Grenoble, v. T.LIX, n. 4, p. 525-532, 1971.
____ . Croissance et urbanisation en Algérie. Méditerranée, n. 8, p. 731-740, 1971.
____ . Espaces et villes du Tiers Monde. (em colaboração com B. Kayser). Revue "Tiers Monde", Paris, v. T.XII, n. 45, p. 7-13, 1971.
____ . Analyse régionale et aménagement de l'espace: vers une méthode d'étude des forces 'externes'd'elaboration des sous-espaces dans les pays sous-développés. Revue "Tiers Monde", Paris, v. T.XII, n. 45, p. 199-203, 1971.
____ . Arguments pour une recherche multi-disciplinaire appliquée: réference spéciale à l'Amérique et à l'Asie. (em colaboração com P. George). Devéloppment Et Civilisations, Paris, n. 45-46, p. 10-11, 1971.
____ . The urbanisation of underdeveloped countries and its effects on the nutrition of urban populations. Proceedings Of The 3rd International Congress On Food Science And Technology, Washington D. C., p. 169-174, 1970.
Milton Santos -foto: (...)
____ . Région bipolaire ou division spatiale de la force urbaine: le cas de Coro et Punto Fijo au Vénézuela. Bulettin de L'association Des Géographes Français, Paris, n. 382-383, p. 223-229, 1970.
____ . A população urbana: uma força autônoma. Universitas Ufba, Salvador, n. 6-7, p. 371-378, 1970.
____ . Une nouvelle dimension dans l'étude des réseaux urbains dans les pays sous-développés. Annales de Géographie, Paris, v. Ano 79, n. 434, p. 425-445, 1970.
____ . Natureza de la urbanizacion y problemas de su planificacion. Cuardernos de La Sociedad Venezolana de Planificacion, Caracas, n. 69, p. 48-66, 1969.
____ . La ciudad como modelo de desarrollo. Cuadernos de La Sociedad Venezolana de Planificacion, Caracas, n. 69, p. 27-47, 1969.
____ . Un approche théorique du développement de la ville. Bulletin de Liaison Cartographie Et Statisque, Alger, n. 6, 1969.
____ . De la géographie de la faim à la planification régionale. Revue "Tiers Monde", Paris, v. T. X, n. 37, p. 95-114, 1969.
____ . Mecanismos de crescimento urbano nos países em vias de desenvolvimento. América Latina, Rio de Janeiro, v. Ano 12, n. 4, p. 134-148, 1969.
____ . Matériaux pour l'émploi urbain dans le pays sous-développés. Maison Des Sciences de L'homme, Bordeaux, França, 1968.
____ . Le rôle moteur du tertiaire primitif dans les villes du Tiers Monde. Civilisations, Paris, v. XVIII, n. 2, p. 1-16, 1968.
____ . Villes et économie urbaine dans les pays sous-développes. Revue de Géographie de Lyon, Lyon, 1968.
____ . Projet d'etude de l'organisation urbaine dans les pays sous-developpés. Bulletin de Liaison Cartographie Et Statisque, Alger, n. 1, 1968.
____ . La geógraphie urbaine et l'économie des villes dans les pays sous-développés. Revue de Géographie de Lyon, v. XLII, n. 4, p. 361-376, 1968.
____ . Croissance nationale et nouvelle armature urbaine au Brésil. Annales de Géographie, v. 77, n. 419, p. 37-63, 1968.
____ . Les modèles d'elaboration des réseaux urbains dans les pays sous-développés. Bulletin de La Societé Geographique de Liège, Liège, v. IV, n. 4, p. 11-21, 1968.
____ . Le 'centre'de la ville de Salvador. (em colaboração com J. Beaujeu Garnier). Les Cahiers D'Outre Mer, Bordeaux, v. T. XX, n. s/nº, p. 321-344, 1967.
____ . Crescimento nacional e nova rede urbana: o exemplo do Brasil. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. Ano 29, n. 4, p. 78-92, 1967.
____ . L'administration et l'amenagement de l'espace: le cas du Brèsil. Développement Et Civilisations, Paris, n. 29, p. 109-116, 1967.
____ . L'alimentation des populations urbaines des pays sous-développés. Revue "Tiers Monde", Paris, v. T.VIII, n. 31, p. 605-629, 1967.
____ . Les caractères originaux de l'agriculture dans le Nord-Est du Brésil. Cahiers Du Monde Hispanique Et Luso Brésilien Caravelle, Toulouse, p. 33-51, 1966.
____ . La fonction industrielle dans les villes des pays sous-développés. Revista Geográfica do Instituto de Pesquisa de Geografia e História (OEA), n. 65, p. 29-44, 1966.
____ . Vues actuelles sur le problème des bidonvilles. L'information Géographique, v. 30, n. 4, p. 35-42, 1966.
____ . A propos de hiérarchie urbaine et des possiblités d'intervention en pays sous-développés. Mélanges de Géographie Offerts à M Omer Tulippe, Gembleux, p. 338-342, 1966.
____ . Le Rôle des capitales dans la modernisation de pays sous-développés. Civilisations, v. XVI, n. 1, p. 101-108, 1966.
____ . Villes et régions dans un pays sous-développé: l'example du Recôncavo da Bahia. Annales de Géographie, n. 406, p. 678-694, 1965.
____ . Les sous-développement de l'Etat de Bahia (Brésil). Cahiers Du Monde Hispanique Et Luso Brésilien Caravelle, Toulouse, p. 103-119, 1965.
____ . Introdução ao Estudo dos subúrbios da cidade de Salvador. Boletim Baiano de Geografia, v. IV, n. 8, p. 18-20, 1965.
____ . A cultura do cacau no Estado da Bahia. Boletim do Instituto Joaquim Nabuco, REcife, n. 13/14, 1965.
____ . Alguns problemas das cidades nos países subdesenvolvidos. Boletim Carioca de Geografia, Rio de Janeiro, 1965.
____ . A geografia aplicada. (em colaboração com A. D. Carvalho). Boletim Geográfico, n. 185, p. 249-258, 1965.
____ . A propriedade rural no vale médio do Paraguaçú. Anais da Associação dos Geógrafos Brasileiros, v. XVII, p. 165-176, 1964.
____ . Brasília, a nova capital brasileira. Caravelle Cahiers Du Monde Hispanique Et Luso Brésilien, Toulouse, p. 369-400, 1964.
____ . O panorama econômico-social da Bahia. Revista Brasileira dos Municípios, Rio de Janeiro, n. 67-68, p. 117-124, 1964.
____ . La population de l'état de Bahia. (em colaboração com J. Beujeu-Garnier). Volume Jubilaire de M A Lefèbvre, Bruxelas, p. 204-226, 1964.
____ . As migrações para Salvador através da análise do fichário eleitoral. Revista Brasileira de Estudos Políticos, Belo Horizonte, n. 15, p. 127-150, 1963.
____ . La culture du cacao dans l'Etat de Bahia. Les Cahiers D'Outre Mer, Bordaux, v. XVI, n. s/nº, p. 360-378, 1963.
____ . As grandes cidades latino-americanas. América Latina, Rio de Janeiro, v. 6, n. 3, p. 85-89, 1963.
____ . O porto e a cidade de Salvador. Revista do 50º Aniversário do Porto de Salvador, Salvador, 1963.
____ . Les difficultés de développement d'une partie de la zone sèche de l'Etat da Bahia: la vallée moyenne du fleuve Paraguaçu. Annales de Géographie, Paris, n. s/nº, p. 314-330, 1963.
____ . Alguns problemas do crescimento da cidade do Salvador. Cultura Ufba, Salvador, n. 8, p. 5-17, 1962.
____ . Zonas deprimidas e zonas pioneiras. Revista Brasileira dos Municípios, Rio de Janeiro, v. XIV, n. 53-54, p. 19-24, 1961.
____ . Alguns problemas do crescimento da cidade do Salvador. Boletim Baiano de Geografia, Salvador, v. II, n. 5-6, p. 21-45, 1961.
____ . Uma comparação entre as zonas cacaueiras do Estado da Bahia (Brasil) e da Costa do Marfim. Boletim Baiano de Geografia, Salvador, v. Ano I, n. 3, p. 21-33, 1960.
Milton Santos, por (...)
____ . Salvador e o deserto. Revista Brasileira de Municípios, v. XIII, p. 127-128, 1960.
____ . Geografia e Desenvolvimento Econômico. Desenvolvimento Problemas e Soluções, Salvador, p. 107-126, 1960.
____ . Aspectos geográficos da concorrência entre os diversos meios de transportes na zona cacaueira da Bahia. Boletim Baiano de Geografia, Salvador, v. I, n. 1, p. 41-56, 1960.
____ . Economia comercial e transformação da paisagem na A. O. F., principalmente na Costa do Marfim. [notas de viagem]. Boletim Carioca de Geografia, Rio de Janeiro, v. XII, n. 1-2, 1959.
____ . A cultura do cacau na Costa do Marfim. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, n. 31, p. 68-95, 1959.
____ . Contribuição ao estudo dos centros de cidades: o exemplo da cidade de Salvador. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, n. 32, p. 17-30, 1959.
____ . Quelques problèmes géographiques du centre de la ville de SAlvador. L'information Géographique, Paris, n. 3, 1959.
____ . Localização industrial em Salvador. Revista Brasileira de Geografia, v. XX, n. 3, p. 245-276, 1958.
____ . A população da Bahia. Boletim Geográfico, v. XVI, n. 146, p. 622-625, 1958.
____ . Ituberá, porto cacaueiro rejuvenescido pela indústria. Anais da Associação dos Geógrafos Brasileiros, São Paulo, v. X, p. 119-131, 1958.
____ . Uma definição da cidade do Salvador. 'revista Brasileira dos Municípios, Rio de Janeiro, v. XI, 1958.
____ . Os climas da Bahia. Boletim Geográfico, Rio de Janeiro, n. 145, 1958.
____ . As indústrias da cidade do Salvador: distribuição geográfica. (em colaboração com A. D. Carvalho). Anais da Associação dos Geógrafos Brasileiros, São Paulo, v. X, p. 119-131, 1958.
____ . Devemos transferir a capital da Bahia?. Revista Brasileira dos Municípios, Rio de Janeiro, v. XI, p. 155-156, 1958.
____ . A Baixa dos Sapateiros. Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, Salvador, n. 81, p. 71-79, 1957.
____ . Distribuição geográfica da população baiana. Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, Salvador, n. 80, p. 115-123, 1957.
____ . Nazaré, um porto ferroviário do Recôncavo Baiano. Anais da Associação dos Geógrafos Brasileiros, São Paulo, v. IX, p. 305-320, 1957.
____ . A cidade de Jequié e sua região. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. XVIII, n. 1, p. 71-112, 1957.
____ . Notas para o estudo do habitat rural na zona cacaueira da Bahia. Anais da Associação dos Geógrafos Brasileiros, v. VIII, p. 385-406, 1956.
____ . Estrutura agrária do município Ipiaú. Revista Brasileira dos Municípios, Rio de Janeiro, v. XI, n. 31, p. 224-226, 1956.
____ . Classificação funcional dos jornais brasileiros: as regiões jornalísticas. Boletim da Associação Baiana de Imprensa, Salvador, n. 55, 1955.
____ . A região de Alagoinhas. Revista Brasileira dos Municípios, Rio de Janeiro, v. VI, n. 21, 1953.
____ . Geografia antiga e moderna. Revista da Educação e Cultura, Salvador, 1952.


"O ser humano agora é convocado a não ser ético. E às vezes as pessoas seguem essa tendência porque precisam sobreviver, criar os filhos, sustentar a família. Mas, no fundo, todos guardam a consciência do que é bom, com a esperança de utilizá-la um dia."
- Milton Santos, em Entrevista "O sonho obriga o homem a pensar". [concedida à Maurício Silva Junior]. Boletim UFMG. Disponível no link. (acessado em 10.6.2015).


Capítulos de livros publicados
SANTOS, M. A. Globalización y territorio: de la compertimentación a la fragmentación. In: VELÁZQUEZ, Guillermo Angel; María Celia García. (Org.). Calidad de vida urbana. Aportes para su estudio em Latino America. Tandil: CIG, Universidad Nacional del Centro de la Provincia de Buenos Aires, 1999, v. , p. -.
____ . El territorio: un agregado de espacios banales. In: MOYA, Miguel Panadero. (Org.). América Latina: Lógicas Locales. Lógicas Globales. La Mancha, Cuenca: Ediciones de la Univerisdad de Castilla, 1999, v. , p. 31-39.
____ . Avareza, ano 2000. In: Emir Sader. (Org.). 7 Pecados do Capital. Rio de Janeiro; São Paulo: Record, 1999, v. , p. 23-29.
Milton Santos - foto: (...)
____ . A rede urbana do Recôncavo (1959). In: BRANDÃO, Maria de Azevedo. (Org.). Recôncavo da Bahia, Sociedade e Economia em Transição. Salvador: Fundação Jorge Amado, 1998, v. , p. 59-100.
____ . A grande crise já se instalou. In: MINEIRO, Adhemar; Luis Antonio Elias; Cesár Benjamin. (Org.). Visões da crise. Rio de Janeiro: Editora Contratempo, 1998, v. , p. 89-100.
____ . Nação, Estado e Território. In: MENDONÇA, Sonia; Márcia Motta. (Org.). Nação e Poder: as dimensões da História. Rio de Janeiro: Editora da Universidade Federal Fluminense, 1998, v. , p. 23-29.
____ . La Revolución Tecnológica en el Território: Realidades y Perspectivas. In: ORTEGA, Graciela Uribe. (Org.). Cuaderno de Geografía Brasileña. México: Centro de Investigación Científica, 1998, v., p. 9-19.
____ . O Período Técnico-Científico e os Estudos Geográficos. In: Escolar, Marcelo; Antonio C. R. Moraes. (Org.). Nuevos roles del Estado en el reordenamiento del território: aportes teóricos (II Seminário Latinoamericano de Geografía Crítica - 26 a 30 de novembro de 1990). Buenos Aires: Facultad de Filosofía y Letras, Universidad de Buenos Aires, 1998, v. , p. 111-120.
____ . A aceleração contemporânea: tempo-mundo, espaço-mundo. In: Ladislau Dowbor; Octávio Ianni; Paulo Edgar Resende. (Org.). Desafios da globalização. Petrópoles: Vozes, 1997, v. , p. -.
____ .; SILVEIRA, M. L. D'Une Géographie Métaphorique de La Post-Modernité À Une Géographie de La Globalisation. In: Georges Benko. (Org.). Espace et post-modernité. Paris: L'Harmattan, 1996, v. , p. -.
____ . Los Espacíos de La Globalizacíon. In: Javier Medina Vásquez; Edgar Varela Barrios. (Org.). Globaliación y Gestión Del Dessarolo Regional, Perspectivas Latino-Americanas.: Universidad Del Valle, 1996, v. , p. -.
____ . São Paulo: a growth process full of contradictions. In: A. Gilbert. (Org.). The mega-city in Latin America. Tokyo, N. York, Paris: United Nations University Press, 1996, v. , p. -.
____ . As cidadanias mutiladas. In: Julio Lerner. (Org.). O preconceito. São Paulo: IMESP, 1996, v. , p. -.
____ . Une geographe internationale. In: PRODIG; CNRS. (Org.). Jacqueline Beaujeu-Garnier ... une géographe universelle. Paris: , 1996, v. , p. 31-34.
____ . Pinto Aguiar: um homem e seu tempo. In: Fernando Rocha. (Org.). Progresso Editora: tribuna e paixão de Pinto Aguiar. Salvador: Editora da Universidade da Bahia, 1996, v. , p. -.
____ . É Preciso Ir Além da Constatação. In: Datafolha/Folha de São Paulo. (Org.). Racismo Cordial. São Paulo: Atica, 1995, v. , p. -.
____ . A América Latina Entre Dois Séculos: Modelos Técnicos e Modelos Educativos. In: Associação Brasileira de Mantenedoras.... (Org.). Desafios de Educação no Século XXI Integração Regional Ciência e Tecnologia. Brasília: ABMES, 1995, v. , p. 51-57.
____ . El Retorno Del Território. In: Joaquín Bosque; Francisco Ortega. (Org.). História y Crítica Del Pensamiento Geografico. Barcelona: Oikos Tau, 1995, v. , p. -.
____ . World Time World Space Or Just Hegemonic Time And Space?. In: Georges Benko. (Org.). Geography, History And Social Sciences. Dordretch: Kluwer Academic Publishers, 1995, v. , p. -.
____ . Contemporary Acceleration: World Time And World Space. In: Georges Benko; Ulf Strohmayer. (Org.). Geography, History And Social Sciences. Dordretch: Kluwer Academic Publishers, 1995, v. , p. -.
____ . Salvador: centro e centralidade na cidade contemporânea. In: Marco Aurélio A. de Filgueiras Gomes. (Org.). Pelo Pelô, história, cultura e cidade. Salvador: EDUFBA, 1995, v. , p. 11-29.
____ . O futuro do Nordeste: da racionalidade à contrafinalidade. In: Francisco de Sales Gaudêncio; Marcos Formiga. (Org.). Era da esperança: teoria e política no pensamento de Celso Furtado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995, v. , p. 99-104.
____ . Tendências da Urbanização Brasileira no fim do século XX. In: Ana Fani Alessandri Carlos. (Org.). Os caminhos da reflexão sobre a Cidade e o Urbano. São Paulo: Edusp, 1994, v. , p. -.
____ . Mapa do Mundo: tempo e espaço hegemônicos?. In: Cremilda Medina; Milton Greco. (Org.). Saber Plural, novo pacto da ciência - 3. São Paulo: Escola de Comunidação e Artes, 1994, v. , p. 215-220.
____ . O retorno do território. In: Milton Santos; Maria Adélia A. de Souza; Maria Laura Silveira. (Org.). Território: Globalização e Fragmentação. São Paulo: Hucitec-Anpur, 1994, v. , p. 15-20.
____ . A estratégia atual do planejamento em Salvador. In: Ulrich Gmünder; Sylvio Bandeira de Mello e Silva. (Org.). Novas Estratégias de Planejamento em Salvador. Salvador: , 1994, v. , p. 161-167.
____ . O retorno do território. In: Milton Santos; Maria Adélia de Souza; Maria Laura Silveira. (Org.). Território: globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec / ANPUR, 1994, v. , p. -.
____ . A cidade e o urbano como espaço-tempo. In: Ana Fernandes; Marco Aurélio A. de Filgueiras Gomes. (Org.). Cidade e História, Modernização das Cidades Brasileiras nos Séculos XIX e XX. Salvador: , 1992, v. , p. -.
____ . São Paulo, un centre à la périphérie. In: M.F. Durand; Jacques Lévy; D. Rataillé. (Org.). Le Monde, Espaces et Systèmes. Paris: Presses de la Fondation Nationale de Sciences Politiques et Dalloz, 1992, v. , p. -.
____ . A revolução tecnológica e o território: Realidades e Perspectivas. In: Miguel Panadero M.; Francisco Cebrian A.; Carmem Garcia M.. (Org.). América Latina: la cuestión regional.: Colección Estudios, 1992, v. , p. -.
____ . La economia metropolitana: comentarios. In: CONAPO. (Org.). La Zona Metropolitana de la Ciudad de México, problemática actual y perspectivas demográficas y urbanas. : , 1992, v. , p. 119-123.
____ . Involução metropolitana e conomia segmentada. In: Ana Clara T. Ribeiro; Denise B. Pinheiro Machado. (Org.). Metropolização e rede urbana. Perspectivas dos anos 90. Rio de Janeiro: IPPUR, 1991, v. , p. -.
____ . La coopération en Geographie. In: Inst Hautes Études de l'Amer. Latine. (Org.). Images Reciproques du Brésil et de la France. Paris: , 1991, v. , p. -.
____ . Intervention du président de la première séance. In: J. Lemmers; A. Sid Ahmed. (Org.). Emploi et Interdependance Nord-Sud. Paris: Publisud, 1991, v. , p. 358-359.
____ . A metrópole: modernização, involução e segmentação. In: Licia Valladares; Edmond Preteceille. (Org.). Reestruturaçao Urbana, tendências e desafios. São Paulo: Nobel, 1990, v. , p. -.
____ . Responsabilidade Social dos Geógrafos. In: Secretaria da Educação. (Org.). Fundamentos para o Ensino de Geografia, Seleção de Textos. São Paulo: CENP, 1990, v. , p. -
Milton Santos - foto: (...)
____ . Modernité, milieu tecnico-scientifique et urbanisation au Brésil. In: Mutsuo Yamada. (Org.). Urbanization in Latin America. : The University of Tsukuba, 1990, v. , p. -.
____ . Renovando o pensamento geográfico. In: Maria Angela d'Incao. (Org.). História e Ideal: ensaios sobre Caio Prado Jr.. São Paulo: Brasiliense, 1989, v. , p. 419-434.
____ . Território. In: Luiz Gutemberg. (Org.). Mapa Geral das idéias e propostas para a nova Constituição. 1ª ed. : Fundação Petrônio Portela, Ministério da Justiça, 1987, v. , p. 253-254.
____ . Geografia, marxismo e subdesenvolvimento. In: Ruy Moreira. (Org.). Geografia: teoria crítica. Petrópolis: Vozes, 1982, v. , p. 13-22.
____ . Cidade, mais valia absoluta e relativa, desvalorização do capital e do trabalho: considerações metodológicas sobre o caso do Rio de Janeiro. In: Ruy Moreira. (Org.). Geografia: teoria e crítica. Petrópolis: Ed. Vozes, 1982, v. , p. 159-165.
____ . Geografia, marxismo e subdesenvolvimento. In: Associação dos Geógrafos Brasileiros. (Org.). Reflexões sobre a Geografia. São Paulo: , 1980, v. , p. 81-96.
____ . Do espaço sem nação ao espaço transnacionalizado. In: Henrique Rattner. (Org.). Brasil 1990. Caminhos alternativos do Desenvolvimento. São Paulo: Editora Brasiliense, 1979, v. , p. 143-160.
____ . Circuits of work. In: Sandra Wallman. (Org.). Ethnicity at work. Londres: The Macmillan Press Ltda, 1979, v. , p. 215-226.
____ . Rêve et cauchemar: problèmes spatiaux de la transition au socialisme - le cas de la Tanzanie. In: Maxime Haubert. (Org.). Revue Tiers Monde.: Press Universitaire de France, 1978, v. 19, p. 563-572.
____ . Lima, the periphery at the pole. In: H. Ross; G. Gappert. (Org.). The Social Economy of Cities. Bervely Hills: Sage Publications, 1975, v. , p. 335-360.
____ . Imperialismo y Urbanizacion en America Latina. In: M. Castells. (Org.). Barcelona: , 1975, v. , p. -.
____ . The periphery in the pole, the case of Lima, Peru. In: Rose Gappert; G. Gappert. (Org.). The social economy of cities. Los Angeles: Sage Publications, 1975, v. , p. -.
____ . La urbanización dependiente en Venezuela. In: Ediciones SIAP. (Org.). Urbanización y Dependencia en America Latina. Buenos Aires: , 1973, v. , p. 305-320.
____ . La urbanización dependiente en Venezuela. In: Manuel Castells. (Org.). Imperialismo y urbanización en America Latina. Barcelona: Editorial Gustavo Gilli, 1973, v. , p. -
____ . Las ciudades incompletas de los paises subdesarollados. In: J. Funes. (Org.). La Ciudad y la region el desarrollo. Caracas: Comisión de Administración Publica, 1972, v. , p. 239-252.
____ . Uma definição da cidade de Salvador. In: Imprensa Oficial da Bahia. (Org.). Cidade do Salvador. Salvador:, 1960, v. , p. 121-142.


“O passado não pode servir como mestre do presente, e toda tarefa pioneira exige do seu autor enorme esforço para perder a memória, porque o novo é o ainda não feito ou ainda não codificado. O novo é, de certa forma, o desconhecido e só pode ser conceitualizado com imaginação e não com certezas.”
- Milton Santos, em "Por uma Geografia Nova". São Paulo: Hucitec, 1988, p. 25.


Textos em jornais de notícias/revistas
SANTOS, M. A. Uma das maiores nações urbanas do mundo. [Principais artigos e entrevistas publicados a partir de dezembro de 1996]. Gazeta Mercantil, 03 abr. 2000.
Milton Santos - foto: (...)
____ . Da cultura à indústria cultural. [Principais artigos e entrevistas publicados a partir de dezembro de 1996]. Folha de São Paulo - Caderno Mais, São Paulo, 19 mar. 2000.
____ . 500 anos é data para europeu comemorar, diz Milton Santos. [Principais artigos e entrevistas publicados a partir de dezembro de 1996]. Diário do Grande ABC, 23 jan. 2000.
____ . O pobre reage à globalização. Diário de Pernambuco, Recife, 6 dez. 1999.
____ . Nação ativa, nação passiva. Folha de São Paulo, Caderno Mais, São Paulo, 21 nov. 1999.
____ . Uma metamorfose política. Folha de São Paulo, São Paulo, 17 out. 1999.
____ . A normalidade da crise. Folha de São Paulo, São Paulo, 26 set. 1999.
____ . Guerra dos Lugares. Folha de São Paulo, São Paulo, 8 ago. 1999.
____ . A revanche do território. Folha de São Paulo, São Paulo, 3 ago. 1999.
____ . A vontade de abrangência. Folha de São Paulo, São Paulo, 20 jun. 1999.
____ . Não sou militante de coisa nenhuma, exceto de idéias. Revista Adusp, São Paulo, v. 17, p. 6 - 13, 1 jun. 1999.
____ . O país distorcido. Flha de São Paulo, São Paulo, 2 maio 1999.
____ . Cidade pede um novo urbanismo. A Tarde, Salvador, 29 mar. 1999.
____ . O homem produz as catástrofes. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 14 mar. 1999.
____ . Ordem Internacional e Direitos do Homem. Jornal do Grupo Tortura Nunca Mais, Rio de Janeiro, 1 mar. 1999.
____ . O estudante Vicentinho. Informativo da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - Universidade de São Paulo, nova série nº 1, março/99, São Paulo, 01 mar. 1999.
____ . O chão contra o cifrão. Folha de São Paulo, São Paulo, 28 fev. 1999.
____ . Os deficientes cívicos. Folha de São Paulo, São Paulo, 24 jan. 1999.
____ . O recomeço da história. [Principais artigos e entrevistas publicados a partir de dezembro de 1996]. Folha de São Paulo, Caderno Mais, São Paulo, 9 jan. 1999.
____ . Milton Santos - Geografia e cidadania. Jornal do Brasil - Caderno Idéias, Rio de Janeiro, 26 dez. 1998.
____ . A esperança de uma globalização democrática. O Estado de São Paulo, São Paulo, 13 jul. 1998.
____ . A Seca Social. Carta Capital, São Paulo, p. 60 - 62, 27 maio 1998.
____ . O que fazer com a soberania. Correio Braziliense, Brasília, 11 dez. 1997.
____ . As duas esquerdas. Folha de São Paulo, São Paulo, 7 dez. 1997.
____ . Intelectuais em risco. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 21 set. 1997.
____ . O geógrafo de campos e espaços. [entrevista a João Pombo Barile]. O Tempo, Belo Horizonte, 7 set. 1997.
____ . Tecnologia cederá espaço, prevê teórico. [entrevista]. Diário de Bauru, Bauru, 24 jun. 1997.
____ . Cidades na era global. [entrevista], com a colaboração de Adriana Bernardes, a Marcus Figueiredo). Revista Cidades, v. 14, p. 44 - 46, 13 maio 1997.
____ . É necessária a execução de três pactos. O Estado de São Paulo, São Paulo, 05 maio 1997.
____ . O centro tem o papel de comunhão. [entrevista]. O Estado de São Paulo, São Paulo, 22 abr. 1997.
____ . Pensamento de combate. [entrevista]. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 06 abr. 1997.
____ . O território deve ser democratizado. [entrevista]. Jornal da Tarde, São Paulo, 23 mar. 1997.
____ . O Brasil é um país que renunciou a ter um projeto nacional. [entrevista]. O Estado de São Paulo, São Paulo, 19 jan. 1997.
Milton Santos - foto: (...)
____ . Globalização para babacas. [entrevista à Fernando Conceição]. A Província da Bahia, Salvador, 1 jan. 1997.
____ . O mundo está geografizado. [entrevista]. Diário Catarinense, Florianópolis, 3 dez. 1996.
____ . Território, espaço banal, lugar-comum. Jornal da Tarde, São Paulo, 9 nov. 1996.
____ . Uma nova explosão das classes médias. Jornal dos Economistas.
____ . Milton Santos. [Conversa com Pedro Maciel]. Suplemento Literário, Belo Horizonte, v. 54.
____ . Temos tudo para construir uma nova sociedade. Democracia Viva, São Paulo, v. 2.
____ . Mestre Milton. Caros Amigos, p. 36 - 49.
____ . O futuro já chegou. Carta Capital, São Paulo.
____ . Milton Santos - das modas ao modo. Trajetórias da Geografia Humana. Sexta-feira, Antropologia, Artes e Humanidades, São Paulo.
____ . Entrevista Milton Santos. Veredas - Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro, v. 3.
____ . O futuro a partir da sociodiversidade. Informativo CRQ-III, RJ e ES.
____ . Milton Santos - um dos intelectuais mais respeitados em todo o mundo fala sobre a impotância do tempo livre. Publicação: São Paulo, SESC s/d.
____ . O horror não dura eternamente. [entrevista]. Rumos do Desenvolvimento, v. 137, p. 4 - 9.
____ . O mercado não resolve tudo. [entrevista]. Cadernos do Terceiro Mundo, v. 200, p. 20 - 23.
____ . Conversa com um intelectual combativo. [entrevista a Elizabeth Lorenzotti]. Revista Sem Terra.
____ .Um militante da esperança (1997). [entrevista]. Democracia Viva, nº 2, fev. 1998. Disponível no link. (acessado em 20.11.2012).


"O terrível é que, nesse mundo de hoje, aumenta o número de letrados e diminui o de intelectuais. Não é este um dos dramas atuais da sociedade brasileira? Tais letrados, equivocadamente assimilados aos intelectuais, ou não pensam para encontrar a verdade, ou, encontrando a verdade, não a dizem. Nesse caso, não se podem encontrar com o futuro, renegando a função principal da intelectualidade, isto é, o casamento permanente com o porvir, por meio da busca incansada da verdade."
- Milton Santos, em "Por uma outra globalização - do pensamento único à consciência universal". Rio de Janeiro: Record, 2000, p.74.


Trabalhos completos publicados em anais de congressos
SANTOS, M. A. As formas de pobreza e da dívida social. In: 3ª Semana Social Brasileira, 1999, Brasília. Momento Nacional, 1999.
____ . Como reconstruir a democracia em um mundo perversamente globalizado. In: Fórum da sociedade civil para o diálogo Europa, América Latina, 1999, Rio de Janeiro. Fórum da sociedade civil para o diálogo Europa, América Latina, 1999. p. 48-56.
Milton Santos - foto: (...)
____ . La fueza del lugar. Orden Universal. Orden Local. In: 6º Encuentro de Geografos da America Latina, 1999, Buenos Aires. Geographikós. Una revista de Geografia, 1999. v. 7.
____ . Globalização e Território. In: Seminario Internacional Globalização e desenvolvimentos: cenários para o Seculo XXI, 1997. Recife. p. 9-15.
____ . Da Paisagem Ao Espaço: Uma Discussão. In: II Encontro de Pisagismo, 1996. São Paulo. p. 33-42.
____ . Universidades e Cidades Pela Cidadania e Contra a Exclusão. In: Seminário Internacional Cidades Educadoras, 1996. Parana. p. 61-66.
____ . Universidades e cidades pela cidadania e contra a exclusão. In: Seminário Internacional Cidades Educadoras, 1996, Curitiba.
____ . Da paisagem ao espaço: uma discussão. In: II Encontro de Ensino do Paisagismo, 1996, São Paulo. p. 33-42.
____ . As humanidades e o Brasil, hoje: dez pontos para um debate. In: Humanidades, Pesquisa, UNiversidade, 1996, São Paulo.
____ . Razão Global, Razão Local a Formaçao Sócio-Espacial Brasileira. In: 1º Encontro Nacional Território Brasileiro e Globalização, 1995. Aracajú. p. 211-212.
____ . Organização dos territórios, desigualdades regionais, cidades, metrópoles, a vida urbana. In: Projetos estratégicos alternativos para o Brasil. Rio de Janeiro, 1995.
____ . Razão global, razão local. A formação socioespacial brasileira. In: I Encontro Nacional - Território Brasileiro e GlobalizaçÃo, 1995, Aracaju.
____ . Territorios, redes y regiones. In: Primeras Jornadas Platenses de Geografia, 1995, La Plata, 1993. v. I. p. 18-23.
____ . Técnicas, tempo, espaço. In: 5º Congresso Brasileiro de Geógrafos, 1994, Curitiba, 1994. v. 1. p. 381-385.
____ . Os espaços da globalização. In: 3º Simpósio Nacional de Geografia Urbana, 1993, Rio de Janeiro. p. 33-37.
____ . Por um novo planejamento urbano-regional. In: IV Encontro Nacional da ANPUR, 1993, Salvador, 1993. p. 35-39.
____ . Management and planning of great metropolis of the Third Wordl. In: Second Conference of the World Capitals, 1992, Ville de Dakar. Acts of the Second Conference of the World Capitals, 1992. p. 44-48.
____ . Les municipalités cosmopolites du Tiers Monde: problèmes de planification et gestion. In: Deuxième Conférence des Capitales du Monde, 1992, Ville de Dakar. Actes de la Deuxième Conférence des Capitales du Monde, 1992. p. 55-59.
____ . Problemátique des Capitales du Monde: l'exemple des capitales des pays en développment. In: Deuxième Conférence des Capitales du Monde, 1992, Ville de Dakar. Actes de la Deuxième Conférence des Capitales du Monde, 1992. p. 6-13.
____ . Issues concerning the capitals of the world: capital cities in developing countries. In: Second Conference of the World Capitals, 1992, Ville de Dakar. Acts of the Second Conference of the World Capitals, 1992. p. 6-12.
____ . O espaço: sistema de objetos, sistemas de ações. In: IV Encontro Nacional da ANPUR, 1991, Salvador, 1991. p. 35-39.
____ . La problemática urbana en America Latina. In: II Encuentro de Geografos de America Latina, 1989, Montevideu. II Encuentro de Geografos de America Latina, 1989. v. 6. p. 33-43.
____ . O meio ambiente e a formação ao profissional de ensino de ciências humanas. In: 1º Simpósio Estadual sobre meio ambiente e educação universitária - Área de Ciências Humanas, 1989, São Paulo. Anais do 1º Simpósio Estadual sobre meio ambiente e educação universitária - Área de Ciências Humanas. São Paulo : Secretaria do Meio Ambiente - Governo do Estado de São Paulo, 1989. p. 110-117.
____ . Ciência, Tecnologia e Identidade cultural Brasileira. In: 1º Seminário Nacional de História da Ciência e Tecnologia, 1987, Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Brasília : Museu de Astronomia, CNPq, 1986.
____ . Qual o papel do cientista?. In: IV Seminário Nacional de Política em Ciência e Tecnologia, 1987, São Paulo. Cadernos USP. São Paulo : Universidade de São Paulo, 1987. p. 21-28.
____ . Espaço e capital: o meio técnico-científico. In: 4º Encontro de Geógrafos Brasileiros, Associação dos Geógrafos Brasileiros, 1981, Rio de Janeiro. Anais do 4º Encontro de Geógrafos Brasileiros, Associação dos Geógrafos Brasileiros, 1981.
____ . Research for the urban future: the case of Latin America. In: Congress Proceeding, 22nd. Internacional Geographical Congress, 1979, Ottawa, 1979.
____ . The cities of the third world: industrialization. In: Papers/Communication 22nd. Internacional Geographical Congress, 1979, Montreal, 1979.
Milton Santos - foto: (...)
____ . A divisão do trabalho social como uma nova pista para o estudo da organização espacial e da urbanização nos países subdesenvolvidos. In: 3º Encontro Nacional de Geógrafos, Associação dos Geógrafos Brasileiros, 1978, Fortaleza, CE. Anais do 3º Encontro Nacional de Geógrafos - Sessões dirigidas, Associação dos Geógrafos Brasileiros, 1978. p. 37-50.
____ . Modelos geo-industriales en los paises sub-desarrollados. In: Seminario regional sobre Desarrollo urbano-regional, 1973, Caracas, 1973.
____ . Vers une classification des villes en pays sous-developpés, instrument indispensable en géographie appliquée. In: Congrés et Colloques de l'Université de Liège, 1968, Liège.
____ . Evolution récente de l'agriculture alimentaire autonome dans le Nort-Est du Brésil: l'exemple de la région d'Itabaiana. In: Colloques Internationaux du CNRS - Les problèmes agraires des Amérique Latines, 1967, Paris, 1967.
____ . Problemas de Geografia Urbana na Zona Cacaueira Bahiana. In: XVIII Congresso Internacional de Geografia, 1956. Comunicação ao XVIII Congr Internacional de Geografia, 1956.
____ . Problemas de geografia urbana na zona cacaueira baiana. In: XVIII Congresso Internacional de Geografia, 1956, Rio de Janeiro, 1956.



"A geografia brasileira seria outra se todos os brasileiros fossem verdadeiros cidadãos. O volume e a velocidade das migrações seriam menores. As pessoas valem pouco onde estão e saem correndo em busca do valor que não têm."
- Milton Santos, em "entrevista". [concedida à Dorrit Harazim]. revista Veja, 16 de novembro de 1994.


"A globalização, como agora se manifesta em todas as partes do planeta, funda-se em novos sistemas de referência em que noções clássicas, como a democracia, a república, a cidadania, a individualidade forte, constituem matéria predileta do marketing político, mas, graças a um jogo de espelhos, apenas comparecem como retórica, enquanto são outros os valores da nova ética, fundada num discurso enganoso, mas avassalador." 

- Milton Santos, em "O país distorcido: o Brasil, a globalização e a cidadania. São Paulo: Publifolha, 2002, p. 150.


"A cidade é o único lugar em que se pode contemplar o mundo com a esperança de produzir um futuro. Mas se criou toda uma liturgia anticidade. A cidade, porém, acaba mostrando que não existe outro caminho senão o socialismo. Para evitar que as pessoas acreditem nisso, há todo um foguetório ideológico para dizer que a cidade é uma droga. Imagine ir morar num campo. Só um louco quer morar em uma cidadezinha do interior."
- Milton Santos, em "O país distorcido: o Brasil, a globalização e a cidadania". São Paulo: Publifolha, 2002. 2002, p. 71.

Escritório de trabalho de Milton Santos SP - foto: André Stolarski 2009
FORTUNA CRÍTICA DE MILTON SANTOS
[Estudos acadêmicos - teses, dissertações, ensaios, artigos e livros]
ABREU, Jean Luiz Neves; ESPINDOLA, Haruf Salmen. Território, sociedade e modernidade. Governador Valadares: Ed. Univale, 2010, 396p. Disponível no link. (acessado em 10.6.2015).
Milton Santos - foto: (...)
ALBUQUERQUE, Nedy Bianca Medeiros de. Globalização, técnica, teoria e experiência em Milton Santos. Projeto História (PUCSP), São Paulo, p. 477-482, 2001.
BOMFIM, Márcia Virgínia Pinto. O Recôncavo Baiano e o seu funcionamento técnico. (Dissertação Mestrado em Geografia). Universidade Federal da Bahia, UFBA, 2007.
BOPPRÉ, Afrânio Tadeu. Expansão Urbana em Florianópolis Conflito entre a cidade real e a cidade legal. (Dissertação Mestrado em Geografia). Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 2003. 
BRANDÃO, Maria. Milton Santos e o Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo. 2004, 320 p.
BRITO, Thiago Macedo Alves de. A Metamorfose do Conceito de Região: Leituras de Milton Santos. GEOgraphia (UFF), v. 10, p. 74-105, 2010.
BRITO, Thiago Macedo Alves de. Região: leituras possíveis de Milton Santos. (Dissertação Mestrado Geografia). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2007. Disponível no link. (acessado em 10.6.2015).
CARLOS, Ana Fani Alessandri. O lugar no/do mundo. FFCH USP, São Paulo, 2007. Disponível no link. (acessado em 10.6.2015).
CARVALHO, M. B. Milton Santos: intelectual, geógrafo e cidadão indignado. In: El ciudadano, la globalización y la geografía. Homenaje a Milton Santos. Scripta Nova. Revista electrónica de geografía y ciencias sociales, Universidad de Barcelona, vol. VI, núm. 124, 30 de septiembre de 2002. Disponível no link(acessado em 10.6.2015).
CARVALHO, Mônica de; LEITE, José Corrêa & SEABRA, Odette. Território e Sociedade – entrevista com Milton Santos. Fundação Perseu Abramo: São Paulo, 2000.
CHAVES, Marcial Ribeiro. Territorio em Milton Santos e suas interfaces com as Politicas Sociais - SUS e SUAS. (Dissertação Mestrado em Politicas Sociais). Universidade Cruzeiro do Sul, UNICSUL, 2014.
CHAVES, Marcial Ribeiro. Reflexões sobre o conceito de Território em Milton Santos e o seu diálogo com a área de Políticas Sociais. Revista UniÍtalo em Pesquisa, v. 3, p. 223-239, 2013.
CIRQUEIRA, Diogo Marçal. Entre o corpo e a teoria: a questão étnico-racial na obra e trajetória socioespacial de Milton Santos. (Dissertação Mestrado em Geografia). Universidade Federal de Goiás, UFG, 2010.
CIRQUEIRA, Diogo Marçal. Abordagens sobre África presentes na obra do geógrafo Milton Santos. In: XI Congresso Luso-afro-brasileiro de Ciências Sociais, 2011, Salvador. Anais Eletrônicos. Salvador: UFBA, 2011. v. 1. p. 1-15.
CIRQUEIRA, Diogo Marçal. O Pensamento Étnico-racial na Obra do Geógrafo Milton Santos. In: V Simpósio Internacional do Centro de Estudos do Caribe no Brasil. Salvador, 2008.
CIRQUEIRA, Diogo Marçal; RATTS, Alex. A "questão negra" na trajetória teórica de Milton Santos. In: XVI Encontro Nacional de Geógrafos, 2010, Porto Alegre - RS. Anais do XVI Encontro nacional dos Geógrafos. Porto Alegre - RS: Associação dos Geógrafos Brasileiros - AGB, 2010.
CONCEIÇÃO, Fernando Costa da.. Milton Santos: Um lugar para o homem no mundo. Folha de S. Paulo, São Paulo, 1996.
CONCEIÇÃO, Fernando Costa da.. Pensamentos transversais: globalização, racismos - razões e desrazões. In: Fernando Conceição. (Org.). Educação, Comunicação e Globalitarismo - a partir do pensamento de Milton Santos. 1ª ed., Salvador: Edufba, 2008, v. 1, p. 123-129.
CONCEIÇÃO, Fernando Costa da.. Por uma globalização mais humana. Milton Santos: o País Distorcido. 1ª ed., São Paulo: Publifolha, 2002, v. , p. -.
CRUZ, Claudete Robalos da.. Paulo Freire e Milton Santos: Fundamentos para uma Pedagogia do Espaço. (Tese Doutorado em Educação). Universidade Federal de Pelotas, UFPEL, 2014.
CRUZ, Claudete Robalos da; GHIGGI, Gomercindo. Apontamentos acerca do significado de cidadania e da formação do cidadão na perspectiva de Paulo Freire e Milton Santos. Revista Dialectus, v. 1, p. 188-203, 2013.
DOURADO, José Aparecido Lima. A urbanização brasileira: algumas considerações de Milton Santos sobre a formação socioespacial do Brasil. In: Maria Auxiliadora da Silva. (Org.). VII Encontro com o Pensamento de Milton Santos. 7 ed. Salvador: Instituto de Meio Ambinte - Secretaria de Meio Ambiente, 2009, v. v.2, p. -.
ELIAS, Denise. Milton Santos: a construção da geografia cidadã. In: El ciudadano, la globalización y la geografía. Homenaje a Milton Santos. Scripta Nova. Revista electrónica de geografía y ciencias sociales, Universidad de Barcelona, vol. VI, núm. 124, 30 de septiembre de 2002. Disponível no link(acessado em 11.2.2012).
FARIA, Rivaldo Mauro de; BORTOLOZZI, Arlêude. Espaço, território e saúde: contribuições de Milton Santos para o tema da geografia da saúde no brasil R. RA´E GA, Curitiba,Editora UFPR, n. 17, p. 31-41, 2009. Disponível no link(acessado em 11.2.2012).
FELIPIM, Tamara. Milton Santos e a racionalidade do espaço. (Monografia Graduação em Geografia). Universidade Federal de Pelotas, UFPEL, 2012.
FRANÇA, D. P. I. ; FRANÇA NETO, J. I. ; COSTA, Francisco Fábio Dantas da. A Perversidade da Globalização na Visão de Milton Santos: um pensamento reflexivo. In: I Encontro Internacional com o Pensamento de Milton Santos, 2009, Natal - RN. Lugar-Mundo: Perversidades e Solidariedades, 2009.
FREITAS, Patricia Ponte de.. A cidadania a partir de uma perspectiva geográfica: a contribuição de Milton Santos. In: Fernando Conceição. (Org.). Educação, comunicação, globalitarismo. 1ª ed., Salvador: EDUFBA, 2008, v. , p. 45-53.
FREITAS, Patricia Ponte de; SILVA, M. A.. Circuitos da Economia Urbana em Bairros Periféricos. In: SILVA, M. A. da; TOLEDO Jr, Rubens de; DIAS, Címaco C. S.. (Org.). III Encontro com o Pensamento de Milton Santos: o Lugar fundamentando o período popular da história. 1ª ed., Salvador: Empresa Gráfica da Bahia, 2005, v. , p. 161-170.
GRIMMFlávia Christina AndradeTrajetória epistemológica de Milton Santos. Uma leitura a partir da centralidade da técnica, dos diálogos com a economia política e da cidadania como práxis. (Tese Doutorado em Geografia). Universidade de São Paulo, USP, 2012.
GRIMMFlávia Christina Andrade. Aspectos da produção teórica e da organização do arquivo de documentos do geógrafo Milton Santos. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, v. 52, p. 1-20, 2011.
Milton Santos - foto: (...)
GRIMMFlávia Christina AndradeO papel da categoria técnica na obra do geógrafo Milton Santos - debates em meados do século XX e no período de globalização. In: VIII Encontro Nacional da ANPEGE "Espaço e tempo: complexidade e desafios do pensar e do fazer geográfico", 2009, Curitiba. Anais do VIII Encontro Nacional da ANPEGE "Espaço e tempo: complexidade e desafios do pensar e do fazer geográfico", 2009. v. 1.
GRIMMFlávia Christina AndradeReflexões sobre a cidade e a urbanização na trajetória epistemológica de Milton Santos dos estudos sobre a Bahia à teoria dos circuitos da economia urbana. In: Anais do IV Sepege, 2010. v. 1. p. 1-20.
GRIMMFlávia Christina AndradePensando a urbanização na América Latina durante as décadas de 1960-1970 a partir da contribuição teórica do geógrafo Milton Santos. In: ARROYO, Mónica; ZUSMAN, Perla. (Org.). Argentina e Brasil: possibilidades e obstáculos no processo de integração territorial. São Paulo: Humanitas, 2010, v. 1, p. 30-52.
GRIMMFlávia Christina Andrade; SANTOS, Milton ; SILVEIRA, M. L. ; ARROYO, M. . Quel rôle pour la géographie? Un manifeste. In: Jacques Lévy. (Org.). Milton Santos / philosophe du mondial, citoyen du local. Lausanne: Presses polytechniques et universitaires romandes, 2007, v. , p. 203-208.
LÉDA, Renato Leone Miranda. As regiões e a regionalização da Bahia na obra de Milton Santos (1950-1960) – uma leitura das idéias geográficas em seu universo social. DG/USEB. Disponível no link. (acessado em 11.2.2012).
LINHARES, Lucas Roosevelt Ferreira. O (sub)desenvolvimento na teoria e na política: um possível diálogo contemporâneo entre Celso Furtado e Milton Santos sobre os novos arranjos produtivos. Revista Ensaios FEE, v. 30, p. 57-86, 2009.
LOCH, Fernando Antonio Salomão. Os efeitos da globalização sobre a pobreza: Brasil. (Dissertação Mestrado em Geografia). Universidade Federal do Paraná, UFPR, 2014. Disponível no link. (acessado em 10.6.2015).
LOCH, Fernando Antonio Salomão; DINIZ FILHO, Luis Lopes. O Brasil na Globalização: crítica à perspectiva de Milton Santos. Revista Geografar (UFPR), v. 9, p. 65, 2014.
LOZANI, Marcia Cristina Berbel. Entrevista com Milton de Almeida Santos. Revista de Geografia (São Paulo), v. 16, p. 139-146, 1991.
LOZANI, Marcia Cristina Berbel; RUAS, D. G. G.. O Espaço em Milton Santos. Revista de Geografia (São Paulo), v. 16, p. 147-155, 1991.
LOZANI, Marcia Cristina Berbel; RUAS, D. G. G.. As Concepções teóricos metodológicas da obra de Milton Santos. Humanidades e Ciências Sociais (UECE), v. 10, p. 1-2, 1996. 
LUCCI, Elian A. et al (org). Milton Santos: cidadania e globalização. São Paulo, Saraiva/AGB-Bauru/UNESP-Bauru/SINPRO, 2000.
MACHADO, Jussara Maria Guedes. A Cidadania no Pensamento de Milton Santos. In: Lúcia Regina Pereira; Luis Carlos Amaro; Mário Maestri. (Org.). Negras Histórias no Rio Grande do Sul. 1ª ed. Porto Alegre: Editora da FAPERGS, 2002, v. 1, p. 57-67.
MACHADO, Jussara Maria Guedes. A cidadania no pensamento de Milton Santos. In: Lucia Regina Pereira; Luiz Carlos Amaro. (Org.). Negras Histórias no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: GT Negros - ANPUH/RS-FAPERGS, 2002, v., p. 57-67.
MACHADO, Jussara Maria Guedes. Cidadania, Espaço e Globalização: Uma Leitura de Milton Santos. (Dissertação Mestrado em Geografia). Universidade Federal da Bahia, UFBA, 2000.
MACHADO, Jussara Maria Guedes. Milton Santos et L'Atlantique Travessias. In: International Geographical Union. (Org.). The Atlantic: Past, Present and Future. Regional Conference 98. Lisboa: International Geographical Union, 1998, v., p. -.
MAMIGIONIAN, Armen. Milton Santos e a geografia contemporânea. IN: SILVA, M. A.; TOLEDO Jr., Rubens; DIAS, Clímaco. Encontros com o pensamento de Milton Santos. Salvador: EGBA, 2005. p. 45-56.
MEDEIROS, Dhiego Antonio de.. O mais pequeno à luz de um viés miltoniano: as cidades locais no Terceiro Mundo. Paisagens (USP), v. 8, p. 23-27, 2009.
MUNTEAL FILHO, Oswaldo; GONZAGA, Tahirá Endo. Milton Santos (1926-2001). In: MARTINS, Paulo Emílio Matos; MUNTEAL, Oswaldo. (Org.). O Brasil em Evidência: A Utopia do Desenvolvimento. 1ed.Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; FGV, 2012, v. 1, p. 270-275.
PITANO, Sandro de Castro; NOAL, Rosa Elena. Horizontes de diálogo em Educação Ambiental: contribuições de Milton Santos, Jean-Jacques Rousseau e Paulo Freire. (FURG/UFPel) - Educ. rev. vol.25 no.3 Belo Horizonte Dec. 2009. Disponível no link(acessado em 11.2.2012).
PONTE, Patrícia. A cidadania a partir de uma perspectiva geográfica: a contribuição de Milton Santos. In: Fernando Conceição. (Org.). Educação, comunicação, globalitarismo. Salvador: EDUFBA, 2008, v., p. 45-53.
REIS, Luis Carlos Tosta dos. Ontologia do espaço, técnica e epistemologia na Geografia: Teoria e método a partir da obra de Milton Santos. In: XVI Encontro Nacional de Geógrafos, 2010, Porto Alegre. Crise, práxis e autonomia: espaços de resistência e de esperanças Espaço de Diálogos e Práticas. Porto Alegre, 2010.
REIS, Luis Carlos Tosta dos. Por uma concepção dialética do espaço: o conceito de formação espacial em Milton Santos. Geografares, Vitória, ES, v. 1, n. 1, 2000.
RIBEIRO, Guilherme. O Espaço em por uma Nova Geografia: Resgatando Milton Santos. Anais: VI Congresso Brasileiro de Geógrafos: 70 anos de AGB, Goiânia, 2004.
RIBEIRO, W. C. Globalização e geografia em Milton Santos. In: El ciudadano, la globalización y la geografía. Homenaje a Milton Santos. Scripta Nova. Revista electrónica de geografía y ciências sociales, Universidad de Barcelona, vol. VI, núm. 124, 30 de septiembre de 2002.
SANTOS, Marcio Pereira. Da produção à natureza do espaço: conjecturas sobre o espaço artificial de Milton Santos e Henri Lefebvre. In: I Seminário de Pesquisa em Geografia: Pesquisa em Geografia no Século XXI, 2003, São Paulo. I Seminário de Pesquisa em Geografia: Pesquisa em Geografia no Século XXI. São Paulo: FFLCh-Departamento de Geografia, 2003. v. 1. p. 30-40.
SAQUET, Marcos A.; SILVA, Sueli Santos da. Milton Santos: concepções de geografia, espaço e território. Geo UERJ (2007), v. 2, p. 24-42, 2008.
SILVA, Aldo Aloisio Dantas da. A urbanização brasileira: Milton Santos. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, p. 121-128, 1994.
SILVA, Aldo Aloisio Dantas da. O espaço em Milton Santos. (Dissertação Mestrado Geografia). Universidade de São Paulo, USP, 1994.
SILVA, Aldo Aloisio Dantas da. Espaço e Técnica em Milton Santos. Revista Vivência (UFRN), Natal, v. 9, p. 169-174, 1995.
SILVA, Dina Maria da. Curso Pré-Vestibular Milton Santos e a Festa Junina do Grupo TEZ. In: Maria Lúcia de Santana Braga, Maria Helena Vargas da silveira. (Org.). O Programa Diversidade e a Construção de uma Política Educacional Anti-Racista. 1 ed. São Paulo: Câmara Brasileira do Livro, 2007, v. , p. 167-177.
SILVA, Maria Auxiliadora da (Org.). 10 anos sem Milton Santos. 1. ed. Salvador: Empresa Gráfica da Bahia, 2011. v. 1. 387 p.
SILVA, Maria Auxiliadora da. Milton Santos. Cadernos de Geociências (Salvador), Salvador, p. 11-23, 2001.
SILVA, Maria Auxiliadora da. Milton Santos: A trajetória de um mestre. Scripta Nova (Barcelona). Barcelona/ESP, v. VI, n. 124, p. 1-11, 2002.
SILVA, Maria Auxiliadora da. Milton Santos: Biografia Comentada. Boletim Goiano de Geografia, Salvador, v. 21, n. 1, p. 161-174, 2001.
SILVA, Maria Auxiliadora da. Milton Santos: alguns aspectos de sua vida e obra. RA EGA (UFPR), Curitiba/PR, v. 1, n. 1, p. 221-234, 2002.
SILVA, Maria Auxiliadora da; SILVA, Fábio Santos da. Milton Santos: uma análise de sua obra sobre Salvador no período compreendido entre 1948 e 1964. In: VI Encontro Baiano de Geografia/III Semana de Geografia do Campus V da UNEB, 2002, Salvador. Trajetórias da Geografia: Formação Profissional e Atuação Social. Santo Antônio de Jesus: UNEB, 2002.
SILVA, Maria Auxiliadora da; SILVA, Fábio Santos da. Uma leitura de Milton Santos(1948-1964). Geosul (UFSC), Florianópolis, v. 18, n. 37, p. 157-189, 2004.
SILVA, Maria Auxiliadora da; TOLEDO JUNIOR, Rubens de (Org.). Encontro com o Pensamento de Milton Santos. A Interdiciplinalidade de sua Obra. 1ª ed., Salvador: EDUFBA, 2006. v. 1. 207 p.
SILVA, Maria Auxiliadora da; TOLEDO JUNIOR, Rubens de (Orgs.). VII Encontro com o Pensamento de Milton Santos. 1. ed. Salvador: Editora do IMA, 2009. v. 1. 126 p.
SILVA, Renata Lopes da. Milton Santos: pensamento global e educação. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.34, p.333-333, jun.2009.
SILVA, Renata Lopes da. Milton santos: pensamento global e educação. (Dissertação Mestrado em Educação). Universidade Estadual de Ponta Grossa, UEPG, 2009. Disponível no link. (acessado em 10.6.2015).
Milton Santos - foto: (...)
SILVA, Rosemere Ferreira da.. Trajetórias de dois intelectuais negros brasileiros: Abdias Nascimento e Milton Santos. (Tese Doutorado em Estudos Étnicos e Africanos). Universidade Federal da Bahia, UFBA, 2010. Disponível no link. (acessado em 7.6.2015).
SILVA, Rosemere Ferreira da. A Construção da Vida Pública de Intelectuais Negros: Abdias Nascimento e Milton Santos. In: Reunião Equatorial de Antropologia e X Reunião de Antropologia Norte e Nordeste, 2007, Aracaju. REA- Reunião Equatorial de Antropologia e X Reunião de Antropologia Norte e Nordeste, 2007.
SILVA, Rosemere Ferreira da. Black Intellectuals in Dialogue: Abdias Nascimento, Milton Santos e Severo D'Acelino. In: SUMMER SCHOOL - WISER - ASSR - PÓS-AFRO, 2006, Salvador/ BA. Caderno de Resumos do Seminário, 2006.
SILVA, Rosemere Ferreira da. Intelctuais Negros: Abdias Nascimento, Milton Santos e Severo D'Acelino. In: ABRALIC - Associação Brasileira de Literatura Comparada, 2006, Rio deJaneiro/ RJ. ABRALIC / X Congresso Internacional - Lugares dos Discursos, 2006.
SILVA, Rosemere Ferreira da. Milton Santos e a crítica da pobreza urbana à pobreza estrutural globalizada. In: IX Congresso Latino-americano de Estudos do Discurso-ALED, 2011, Belo Horizonte. Discurso na América Latina: vozes, sentidos e identidades. Belo Horizonte: UFMG, 2011.
SILVA, Sueli Santos da.. Milton Santos: concepções de geografia, espaço e território. (Dissertação Mestrado Geografia). Universidade Estadual do Oeste do Paraná, UNIOESTE, 2009. Disponível no link. (acessado em 10.6.2015).
SILVA, Sueli Santos da.. Milton Santos: concepções de geografia, espaço e território.  Geo UERJ - Ano 10, v.2, n.18, 2º semestre de 2008. p. 24-42. Disponível no link. (acessado em 10.6.2015).
SILVA, Sueli Santos da. Compreensão de Milton Santos sobre o conceito de território. In: XV ENG - Encontro Nacional de Geógrafos, 2008, São Paulo. O espaço não pára, por uma AGB do movimento, 2008.
SILVA, Sylvio Carlos Bandeira de Mello. Geografia aplicada, planejamento e desenvolvimento: raízes em tributo a Milton Santos. In: SOUZA, Maria Adélia Aparecida. O mundo do cidadão. Um cidadão do mundo. São Paulo: Hucitec, 1996, p. 155-160.
SILVEIRA, Samuel. Objeto de estudo Geográfico em Milton Santos: em busca da sistematização da vida. (Monografia Graduação em Geografia). Universidade Federal de Viçosa, UFV, 2007. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).
SOUSA, José Luiz Vaz de.. Garimpando a presença teórica de Milton Santos. Espaço em Revista, v. 14, p. 35-42, 2012.
VASCONCELOS, Pedro Almeida. Milton Santos geógrafos e cidadão do mundo (1926-2001). Afro-Ásia, nº 25-26, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2001, p.369-405.
VICENSIO, João Paulo. A Categoria Estado na Obra de Milton Santos. (Dissertação Mestrado Geografia). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 2011.
VIEIRA, Patricia Laundry Mollo. O Espaço de Milton Santos à luz da Semiótica. (Dissertação Mestrado em Geografia). Universidade de Brasília, UNB, 2015. Disponível no link. (acessado em 10.5.2015).

“O interesse social se inspira no papel que a educação deve jogar na manutenção da identidade nacional, na idéia de sucessão das gerações e de continuidade da nação, na vontade de progresso e na preservação da cultura. O interesse individual se revela pela parte que é devida à educação na construção da pessoa, em sua inserção afetiva e intelectual, na sua promoção pelo trabalho, levando o indivíduo a uma realização plena e a um enriquecimento permanente. Juntos, o interesse social e o interesse individual da educação devem também constituir a garantia de que a dinâmica social não será excludente.”
- Milton Santos, em "Os deficientes cívicos". Brasil 500. Folha de São Paulo. Disponível no link. (acessado em 10.6.2015).


"O consumidor não é cidadão. Nem o consumidor de bens materiais, ilusões tornadas realidades como símbolos; a casa própria, o automóvel, os objetos, as coisas que dão status. Nem o consumidor de bens imateriais ou culturais, regalias de um consumo elitizado como o turismo e as viagens, os clubes, e as diversões pagas; ou de bens conquistados para participar ainda mais do consumo, como a educação profissional, pseudo-educação que não conduz ao entendimento do mundo."
Milton santos, em "O espaço do cidadão". São Paulo : Nobel, 1987, p. 41.


“O caldo de cultura que baliza a vida já é violento em si. A globalização exige de todos os atores, de todos os níveis e em todas as circunstâncias, que sejam competitivos. Esse processo exige que empresas, instituições, igrejas sejam competitivas. A competição estimula a violência porque a regra que vigora é a regra do resultado. Não existe ética. Quando, por exemplo, se privilegia, no ensino secundário, a formação técnica, sem nenhum conteúdo humanístico, está se criando mais um caldo de cultura que estimula atitudes violentas."
- Milton santos, em "Entrevista ao JB". Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, 27 agosto/2000.


"A violência dá impressão de ser incontrolável, mas não é irreversível. Hoje, nós temos um mundo, quero dizer com isso que ao mesmo tempo que a globalização incentiva a violência, ela favorece sua extinção. A facilidade de comunicação favorece a construção de um sentimento de solidariedade mundial. Essa é a contradição do processo de globalização. Nós temos que engrossar o lado positivo do processo globalitário, usar a idéia de civilização em benefício da humanidade. Isso não é impossível."
Milton santos, em "Entrevista à Folha de São Paulo". Revista Riopharma. São Paulo: maio/junho de 2001.


DOCUMENTÁRIOS E ENTREVISTAS DE MILTON SANTOS
Documentário: Milton Santos, pensador do Brasil.
Direção: Silvio Tendler.
Duração: 107 minutos, Brasil, 2001.
Produtora: Caliban Produções.


Documentário: Encontro com Milton Santos ou O mundo global visto do lado de cá.
Direção: Silvio Tendler.
Brasil. 2006. 89 minutos.
Sinopse: discute os problemas da globalização sob a perspectiva das periferias (seja o terceiro mundo, seja comunidades carentes). O filme é conduzido por uma entrevista com o geógrafo e intelectual baiano Milton Santos (1926–2001), gravada quatro meses antes de sua morte.
Recebeu os prêmios: no Festival de Cinema de Brasília (2006) como melhor filme pelo júri popular, no FestCine Goiânia 2007, como melhor roteiro e melhor montagem, no Cine'Eco 2007 - Festival Internacional de Cinema e Vídeo de Meio Ambiente, como melhor filme e no Festival Internacional de Documentários Santiago Álvarez in Memoriam (Cuba, 2008) como melhor filme.


Documentário "O mundo Global 
visto do lado de cá", Silvio Tendler


“Em cada sociedade, a educação deve ser concebida para atender, ao mesmo tempo, ao interesse social e ao interesse dos indivíduos. É da combinação desses interesses que emergem os seus princípios fundamentais e são estes que devem nortear a elaboração dos conteúdos do ensino, as práticas pedagógicas e a relação da escola com a comunidade e com o mundo.”
- Milton Santos, em "Os deficientes cívicos". Brasil 500. Folha de São Paulo. Disponível no link. (acessado em 10.6.2015).

Entrevista com Milton Santos, no programa Roda Viva 
- TV Cultura/SP, em 30 de Março de 1997.


"Não existe um espaço global, mas, apenas, espaços da globalização. (...) O Mundo, porém, é apenas um conjunto de possibilidades, cuja efetivação depende das oportunidades oferecidas pelos lugares. (...) Mas o território termina por ser a grande mediação entre o Mundo e a sociedade nacional e local, já que, em sua funcionalização, o ‘Mundo’ necessita da mediação dos lugares, segundo as virtualidades destes para usos específicos. Num dado momento, o ‘Mundo’ escolhe alguns lugares e rejeita outros e, nesse movimento, modifica o conjunto dos lugares, o espaço como um todo. É o lugar que oferece ao movimento do mundo a possibilidade de sua realização mais eficaz. Para se tornar espaço, o Mundo depende das virtualidades do Lugar."
- Milton Santos, em "A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção". São Paulo: Hucitec, 1996, p. 271.

Painel Milton Santos
ACERVO DO GEOGRAFO MILTON SANTOS
Todo o acervo do intelectual e geógrafo baiano Milton Santos foi doado pela família em 2008 e encontra-se no Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo, IEB/USP. O acervo é composto de todos os seus livros e arquivo de pesquisa.
Endereço: Av. Prof. Mello Moraes, travessa 8, 140, Cidade Universitária, São Paulo - SP, Brasil.
Mais informações: (11) 3091-1149
E-mail: IEB/USP
Site Oficial: IEB/USP 


“Hoje, quando vivemos uma dialética do mundo concreto, evoluímos da noção, tornada antiga, de Estado Territorial para a noção pós-moderna de transnacionalização do território.”
- Milton Santos, em "O retorno do território". In: SANTOS, Milton; SOUZA, Maria Adélia Aparecida de; SILVEIRA, Maria Laura. (Org's.). Território: Globalização e Fragmentação. São Paulo: Hucitec, 1994, p.15.




SITE OFICIAL DO AUTOR
Milton Santos, por Netto/Picinez
:: Site oficial Milton Santos (mantido pela família do Geografo) - [Neste site você irá encontrar textos raros de Milton Santos, entre muitas outras informações relevantes sobre o autor].


MILTON SANTOS NA REDE
:: Grupo Milton Santos (facebook)


REFERÊNCIAS E FONTES DE PESQUISA

* Fotos e imagens: Site oficial e internet.

© Direitos reservados ao autor/e ou ao seus herdeiros

© Pesquisa, seleção e organização: Elfi Kürten Fenske


=== === ===
Trabalhos sobre o autor:
Caso, você tenha algum trabalho não citado e queira que ele seja incluído - exemplo: livro, tese, dissertação, ensaio, artigo - envie os dados para o nosso "e-mail de contato", para que possamos incluir as referências do seu trabalho nesta pagina. 

Como citar:
FENSKE, Elfi Kürten (pesquisa, seleção e organização). Milton Santos - território e sociedade. Templo Cultural Delfos, novembro/2011. Disponível no link. (acessado em .../.../...).
____
Página atualizada em 10.6.2015.



Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2016 Templo Cultural Delfos

8 comentários:

  1. Parabéns pelo Blog! Gostei muito da organização e densidade dos conteúdos.
    Um abraço,
    Cordialmente,
    James
    http://territorioativo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Ótima postagem. Que completa! Obrigado por nos propiciar isto. Sérgio Hespanha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Sérgio,
      ficamos felizes em saber que gostastes.
      Volte sempre, abraços

      Excluir
  3. Multiplante - Inovação Socioambiental9 de novembro de 2013 21:18

    Nunca vi na internet publicação mais completa, que traduz respeito e responsabilidade na publicação , sobretudo de um dos mais celebrados intelectuais brasileiros com projeção internacional. Parabéns! PS - É a primeira vez que visito este site e tenho recebido posts no facebook a pelo menos alguns meses...

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pela publicação!!! Apesar de ser baiano, me dá um alívio saber que o acervo do professor está em Sampa. Espero que em breve possamos comemorar a responsabilidade pela nossa memória! Porém, me dá um orgulho danado de saber que ele nasceu na Bahia, num lugar tão especial como a Chapada Diamantina! Salve Salve Milton Santos!!!

    ResponderExcluir
  5. Excelente sítio. Completo. Viva Milton Santos!!!

    ResponderExcluir
  6. Sabe quando você lê algo que te chama muito a atenção, então cresce uma necessidade, quase incontrolável de conhecer mais e mais deste objeto de desejo...? Homem extraordinário! Apaixonada por suas idéias e veja que o conheci hoje, muito por acaso. Parabéns por nos proporcionar conhecimento, mais do que isso, reflexão! Amei. Pena que se foi... Mas, ele sempre estará vivo na vida e mentes daqueles que conheceram sua genialidade, seja pessoalmente (privilégio!), seja por seus trabalhos. Milton Santos, eterno!

    ResponderExcluir

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!