João Guimarães Rosa: Fortuna Crítica V – Primeiras Estórias



O LIVRO
Em 1962, é lançado PRIMEIRAS ESTÓRIAS, livro que reúne 21 contos pequenos, são narrativas preocupadas em tematizar, simbolicamente, os segredos da existência humana.

Primeiras Estórias, de João Guimarães Rosa
Ilustrado por, Poty
“Todos os meus livros são simples tentativas de rodear e devassar um pouquinho o mistério cósmico, esta coisa movente, impossível, perturbante, rebelde a qualquer lógica, que é a chamada ‘realidade’, que é a gente mesma, o mundo, a vida.”
- Guimarães Rosa, interview accordée à son traducteur allemand, Meyer-Clason Curt. In ADONIAS FILHO et alii, 1969.

BIBLIOGRAFIA SOBRE O LIVRO "PRIMEIRAS ESTÓRIAS", DE JOÃO GUIMARÃES ROSA.
ABRIATA, Vera Lúcia Rodella. Outras historias and Primeiras Estorias: un interdiscoursive dialogue. In: 8 Congrès de l'Association Internationale de sémiotique (Les signes du monde interculturalité & globalisation, 2007, Lyon. LES SIGNES DU MONDE - INTERCULTURALITÉ ET GLOBALISATION. Lyon, 2007. p. 1-6.
ABRIATA, Vera Lúcia Rodella. Histórias Primeiras em Primeiras Estórias: Leituras dialógicas de contos de Guimarães Rosa. (Tese Doutorado Lingüística e Língua Portuguesa). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, 2001.
ALVES, Maria Theresa Abelha. Primeiras estórias: a alteridade inventada no feliz. In: Veredas de Rosa I, Seminário internacional Guimarães Rosa 1998-2000, Belo Horizonte: PUC Minas, 2000, p. 346-350.
ARMSTRONG, Piers Digby. João Guimarães Rosa and Primeiras Estórias: Literary Trajectory after an epic. In: Symposium on Portuguese Traditions(Europe, America, Africa, Asia), 1995, Los Angeles. Encruzilhadas/Crossroads. Los Angeles: Univ. California, Los Angeles, 1991. v. 4. p. 77-79.
BURIANOVÁ, Zuzana. Do tempo na narrativa ao tempo em primeiras estórias. In: Romanica Olomucensia VIII, Olomouc, Vydavatelství UP Olomouc. 1999, vol. 74, pp. 19-30. Disponível no link.(acessado 15.12.2011).
BURIANOVÁ, Zuzana. Três momentos de uma poética do instante: a escritura epifânica em Guimarăes Rosa, James Joyce e Clarice Lispector. Olomouc : Vydavatelství UP, 2003. 13-21 pp.
BURIANOVÁ, Zuzana. Primeiras estórias: de dentro para além do tempo. In Literatura e cultura no Brasil. Sao Paulo: Cortez, 2002. p. 229-239.
BURIANOVÁ, Zuzana. Primeiras Estórias como variaçőes imaginativas sobre o tempo. Olomouc : Vydavatelství UP, 2003. 109-117 pp. Romanica Olomucensia XII.
CARVALHO, Ubirajara Santiago de. O amor e a nossa condição - itinerários da festa em Uma Estória de Amor de Guimarães Rosa. (Dissertação Mestrado Letras) Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2006. Disponível no link. (acessado 13.12.2011).
CASTRO, Antônio Carlos Drummond Monteiro de. O Trem do Sertão - As primeiras estórias e a Sabedoria Chinesa. (Dissertação Mestrado Teoria Literária). Campinas: UNICAMP, 1999. Disponível no link. (acessado 12.12.2011).
CHAGAS, Carmen Elena das. A força da Oralidade em Guimarães Rosa: As Primeiras Estórias. Anais, III CLUERJ-SG, 25-27 set./2006. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
COSTA, Walter Carlos. August Willemsen e a recriação em neerlandês de Primeiras estórias, de João Guimarães Rosa. Cadernos de Tradução (UFSC), 2013.
CRUZ, Artur Ribeiro. Primeiras Estórias e o filme A terceira margem do rio: estruturas artísticas e consciência possível. (Dissertação Mestrado Literatura). Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas – Unesp, 2006.
CRUZ, Artur Ribeiro. Um cineasta na margem esquerda do rio do imaginário. Comunicação: Veredas (UNIMAR), v. VII, p. 49-78, 2008.
CRUZ, Artur Ribeiro. O cineasta e a margem do rio imaginário. 1ª ed., São Paulo: Arte & Ciência, 2009. v. 1. 134 p.
FARIA, Maria Lucia Guimarães de. A pedagogia ascensional das Primeiras estórias. (Dossiê Guimarães Rosa) Diadorim: Revista de Estudos Lingüísticos e Literários. – Nº 1, 2006 –. Rio de Janeiro: UFRJ, Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas, 2006.v.: il., p. 29-45. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
FAVALLI, Clotilde Amalia Pereira de Souza. O Mito em 'Primeiras Estórias'de Guimarães Rosa. (Dissertação Mestrado Letras), Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, 1984.
FAVALLI, Clotilde Amalia Pereira de Souza. Mito e linguagem em dois contos de Guimarães Rosa. Porto Alegre: Ciência & letras, nº 34, jul./dz. 2003.
FAVALLI, Clotilde Amalia Pereira de Souza. A memória em um conto de Guimarães Rosa. Letras de Hoje, v. 45, p. 72-77, 1981.
FERREIRA, Yvonélio Nery; CUNHA, Betina Ribeiro Rodrigues da. O discurso mítico em narrativas curtas de Primeiras estórias, de João Guimarães Rosa. REIC. Revista Eletrônica de Iniciação Científica, Uberlândia - MG, v. 4, p. 1-23, 2005.
GUELFI, Maria Lúcia Fernandes. O Menino em Primeiras Estórias. Viçosa: Leituran 6, 1962.64-82. Separata de: GlÁUKS. 1996.
GUIMARÃES, Maria Lúcia. O mito do homem novo nas estórias rosianas. Anais, Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande Sertão: Veredas e Corpo de Baile. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ, 25-27 set./2006. Disponível no link. (acessado 9.12.2011).
HASS, Vera. O contador das Primeiras Estórias. Nonada (Porto Alegre), Porto Alegre, v. 06, p. 95-102, 2003.
HEMILEWSKI, Ada Maria. Travessias e Primeira Estórias. Literatura em Debate, v. 02, p. 01-10, 2008.Disponível no link. (acessado em 16.12.2011).
HOLANDA, Sílvio Augusto de Oliveira. O trágico em Guimarães Rosa: Primeiras Estórias. MOARA, Belém, v. 20, p. 115-130, 2003.
LEONEL, Maria Célia de Moraes. Primeiras e Outras estórias. Scripta (PUCMG), CESPUC - Editora PUC Minas, v. 9, n. 17, p. 227-240, 2005.
LEONEL, Maria Célia de Moraes. Personagens e arquétipos em Primeiras estórias de Guimarães Rosa e Outras estórias de Pedro Bial. In: Actas do VIII Simposio Internacional de Comunicacion Social. Santiago de Cuba: Centro de Lingüistica Aplicada, 2003. p. 865-870.
LIPORACI, Vanessa Chiconeli; LEONEL, Maria Célia de Moraes; SANTOS, R. M. Primeiras estórias em inglês a partir de uma póética rosiana da tradução. In: Anais do XI Seminário de Pesquisa e V Simpósio de Literatura do Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários Questões literárias contemporâneas (1980-2010). Araraquara: Programa de Pós-Graduação em Estudos Literário, 2010.
MOREIRA, Maria Patrícia da Costa. A terceira margem do Grande Sertão. Anais, Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande Sertão: Veredas e Corpo de Baile. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ, 25-27 set./2006. Disponível no link. (acessado 9.12.2011).
MOREIRA, Smally Galvão. O Espectro de Morte em Primeiras Estórias. In: II Encontro Nacional Sobre Literatura Infanto-Juvenil e Ensino, 2008, Campina Grande-PB. II Encontro Nacional Sobre Literatura Infanto-Juvenil e Ensino - Anais. Campina Grande-PB: Bagagem Editora, 2008. p. 1-11.
MORI, Fabiana Miano. A construção da imagem em O Espelho in Primeiras Estórias de João Guimarães Rosa e em Las Meninas de Pablo Picasso. (Dissertação Mestrado em Estudos Literários). Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara - Universidade Estadual Paulista, 2008. Disponível no link (acessado 17.12.2011).
MUNERO, Sandra Teresinha. O misticismo em primeiras estórias, de Guimarães Rosa. (Dissertação Mestrado Teoria da Literatura). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUC/RS, 1999.
OLIVEIRA, Luiz Claudio Vieira de. Primeiras Estórias: Perigrafia e Metalinguagem. Conexão Ciência: revista científica da FUOM, Belo Horizonte, v. 21, n. 28/29, p. 88-110, 2002.
PACCA, Maria Beatriz. Linguagem e Invenção em 'Primeiras Estórias. (Tese Doutorado Letras). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. 2007. Disponível no link. (acessado 17.12.2011).
PACHECO, Ana Paula. Lugar do mito: narrativa e processo social nas Primeiras estórias de Guimarães Rosa. São Paulo: Nankin, 2006, pp. 195-218.
PACHECO, Ana Paula. Mito e processo social em Primeiras estórias. (Tese Doutorado), São Paulo: Universidade de São Paulo, USP, 2002.
PEREIRA JÚNIOR, Jerônimo. Primeiras estórias: dos contos aos filmes. Cad. de Pós-Graduação em Letras, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 69-75, 2004. Disponível no link. (acessado 17.12.2011).
PEREIRA, Helena Bonito Couto. Primeiras estórias em duas versões. Disponível no link. (acessado 15.12.2011).
PEREIRA, Helena Bonito Couto. As adaptações das Primeiras estórias de João Guimarães Rosa para o cinema. Ipotesi (UFJF), v. 13, p. 117-127, 2009.
PEREIRA, Cácio Xavier. Primeiras e Outras estórias: uma tradução intersemiótica da Literatura para o cinema. (Dissertação Mestrado Estudos Literários) Montes Claros: Universidade Estadual de Montes Claros, UNIMONTES, 2011.
PEREIRA, Cácio Xavier. Outras estórias: uma tradução intersemiótica da literatura rosiana. In: Jalla 2010 - Jornadas Andinas de Literatura Latino Americana, 2010, Niterói - RJ. Anais das IX jornadas Andinas de Literatura Latino - Americana. Niterói - RJ: Instituto de Letras da Universidade Federal Fluminense, 2010. v. 1. p. 311-315.
PRECIOSO, Adriana Lins. O encontro poético em Primeiras Estórias de Guimarães Rosa e Outras Estórias de Pedro Bial. In: Anais do XI Encontro Regional da Associação Brasileira de Literatura Comparada, 2007: São Paulo, SP - Literatura, Artes, Saberes / Sandra Nitrini... et al. - São Paulo: ABRALIC, 2007. e-book. São Paulo: Abralic, 2007.
PRECIOSO, Adriana Lins. Sertão e cidade: convergências poéticas em Primeiras estórias. In: XI Congresso Internacional da ABRALIC: Tessituras, interações, convergências, 2008, São Paulo. Anais do XI Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada. São Paulo: ABRALIC, 2008, e-book, 2008.
PRECIOSO, Adriana Lins. Tradição e reinvenção: as convergências de I notri antenati de Italo Calvino e Primeiras estórias de João Guimarães rosa. (Tese Doutorado Letras). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, 2009.
RAMOS, Maria Luiza. Análise estrutural de Primeiras Estórias. In: COUTINHO, Eduardo F. (org.). Guimarães Rosa. (Fortuna Crítica, 6). Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1983.
RIBEIRO, Magdelaine. Primeiras estórias et ses baladins de la vie. Plural Pluriel - revue des cultures de langue portugaise, [En ligne] n° 4-5, automne-hiver 2009. Disponível no link. (acessado 16.12.2011).
RÓNAI, Paulo. Os vastos espaços. In ROSA, João Guimarães. Primeiras estórias. 4ª ed., Rio de Janeiro: José Olympio, 1968. p. XXIV-LVIII.
SILVA, André Luiz Barros da. Infância e epifania: a intuição em “As margens da alegria” e “Os cimos”. (contos de abertura e de encerramento de Primeiras estórias - 1962) Anais, Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande Sertão: Veredas e Corpo de Baile. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ, 25-27 set./2006. Disponível no link. (acessado 9.12.2011).
UMBACH, Rosani U. Ketzer. Primeiras Estórias, de Guimarães Rosa, e suas traduções para o Alemão e o Inglês sob a perspectiva da Teoria Funcionalista de Tradução. Expressão (Santa Maria), Santa Maria, v. 2, n. 2, p. 48-50, 1999.
UMBACH, Rosani U. Ketzer. A tradução de Guimarães Rosa: como é que funciona?. In: Colóquio 2000 palavras: o futuro das Letras, 2000, Pelotas, RS. O presente e o futuro das Letras. Pelotas, RS: Programa de Pós-Graduação em Letras/UFPel, 2000. p. 68-81.
ZANINI, Rejane. Primeiras Estórias: a margem do intraduzível. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, 2011.



"Na passagem de Grande Sertão: Veredas a Primeiras Estórias passaram-se seis anos e um amadurecimento maior. O Belo já não é mais buscado. Já faz parte do cosmos. O mundo, aliás, é antes declaradamente de irrealidade que de realidade. A vida é encarada como prisão: é a própria caverna. Como o mundo já é belo, e o belo ficcional foi encontrado na crescente força poética da linguagem, o que é buscado é algo além de si, sugerido pelo mundo. O mundo apresenta os reflexos deste além. Reconhecendo-se os reflexos, o salto é possível: é a epifanicidade. (...) E a busca já é não mais nem sequer ética, senão metafísica: (...) da busca do ético, misturada com o metafísico, passando, no caso de Primeiras Estórias, a funcionar como o seu sentido primordial, que era o metafísico."
- SPERBER, 1976, p. 76.

BIBLIOGRAFIA DE CADA CONTO DO LIVRO "PRIMEIRAS ESTÓRIAS".

AS MARGENS DA ALEGRIA


"Esta é a estória. Ia um menino, com os Tios, passar dias no lugar onde se construía a grande cidade.”
- João Guimarães Rosa, no conto "As Margens da Alegria".

COSTA, Raimundo Dalvo. Guimarães Rosa: As Margens da Alegria. Disponível no link. (acessado 23.12.2011).
FLORO E SILVA, Fabrício. A construção do ator “menino”, em “As margens da alegria”. São Paulo: Estudos Semióticos, vol. 7, nº 1, semestral, junho de 2011, p. 126 –132. Disponível no link. (acessado 28.12.2011).
OLIVEIRA, Eliana Kefalás. Corpo presente: interfaces entre literatura e dança. XII Congresso Internacional da ABRALIC, Centro, Centros – Ética, Estética, UFPR, Curitiba, 18 a 22 jun. 2011. Disponível no link. (acessado 28.12.2011).
MAUÉS, Brenda de Sena; HOLANDA, Sílvio Augusto de Oliveira. O menino enigmático de As margens da alegria. In: Maria do Socorro Galvão Simões. (Org.). Belém insular: percursos, roteiros e propostas. Belém: NUMA/UFPA, 2010, v., p. 391-399.
OLIVEIRA, Cássia Jacqueline Fernandes. A Hipertextualidade em “As Margens da Alegria e os Cimos” – Dois Contos de Primeiras Estórias, de João Guimarães Rosa. Letra Magma, Revista Eletrônica de Divulgação Científica em Língua Portuguesa, Lingüística e Literatura - Ano 4 n. 9 - 2º Semestre de 2008. Disponível no link. (acessado 19.12.2011).
UMBACH, Rosani U. Ketzer. Os neologismos de Guimarães Rosa Em "As margens da Alegria" e suas traduções para o alemão e o inglês. Letras 8, Santa Maria, Jan/jun. 1994, p. 103-111. Disponível no link. (acessado 26.12.2011).
UMBACH, Rosani U. Ketzer. A teoria funcionalista de tradução e alguns neologismos de Guimarães Rosa em As margens da alegria. Coleção Ensaios (Santa Maria), Santa Maria, RS, v. 3, p. 115-121, 2000.


FAMIGERADO
BIAGGI, Enio Luiz de Carvalho. Cinema e vídeo na obra de Guimarães Rosa: uma analise itersemiótica de "cara-de-bronze" e "famigerado". (Dissertação Mestrado Estudos Literários). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2007. Disponível no link. (acessado 21.12.2011).
MORAIS, Márcia Marques de. Do Famigerado Nome-Da-Mãe ao Legítimo Nome-Do-Pai: Incursões Etimológicas e Psicanalíticas Pelo Texto Rosiano. Revista da ANPOLL (Impresso), v. 24, p. 335-350, 2008. Disponível no link. (acessado 15.12.2011).
PACHECO, Ana Paula. Astúcia de classe: 'Famigerado', de Guimarães Rosa, e o lugar do escritor. Terceira Margem, v. 21, p. 131-139, 2009.
SANTOS, Herbert Nunes de Almeida. De Angel Rama a João Guimarães Rosa, a transculturação narrativa na literatura brasileira: uma análise do conto famigerado. (Dissertação Mestrado Letras) Maceió/AL: Universidade Federal da Alagoas (UFAL), 2007. Disponível no link. (acessado 15.12.2011).
WISNIK, José Miguel. O famigerado. In: Literatura Scripta. Revista do Programa de Pós-graduação em Letras e do Centro de Estudos Luso-afro-brasileiros da PUC Minas. Edição Especial, 2º Seminário Internacional Guimarães Rosa – Rotas e Roteiros. V. 5, nº 10, 1º semestre de 2002. Belo Horizonte: PUC Minas, 2002.


SORÔCO, SUA MÃE, SUA FILHA
ABRIATA, Vera Lúcia Rodella. Estratégias enunciativas em Soroco, sua mãe sua filha. In: Seminário Internacional Guimarães Rosa, 2003, Belo Horizonte. Veredas de Rosa II. Belo Horizonte: PUCMINAS, 2003. p. 818-822.
BELO, Fábio Roberto Rodrigues. Loucura e morte em “Sorôco, sua mãe, sua filha” de João Guimarães Rosa. Boletim do Centro de Estudos Portugueses, vol. 19 nº 25. Jul/Dic 1999, VFMG, p. 109-120.
BORTOLANZA, João. Leitura semiótica do conto “Sorôco, sua mãe, sua filha” de Guimarães Rosa. Sexto Congresso da Associação Internacional de Lusitanistas.
CÉZAR, Adelaide Caramuru; SANTOS, Volnei Edson dos. O dionisismo em “Sorôco, sua mãe, sua filha” de João Guimarães Rosa. In: Terra roxa e outras terras, Vol. 3, 2003, p. 23-39.
FARIA, Maria Lucia Guimarães de. Canção é existência: Uma interpretação de “Sorôco, sua mãe, sua filha”, de Guimarães Rosa. Revista Garrafa, nº 6. Disponível no link. (acessado 14.12.2011).
GALVÃO, Walnice Nogueira. O humor de Guimarães Rosa - O Autor de Sagarana e Primeiras Estórias tinha uma maneira muito própria de brincar com o universo das palavras. Disponível no link. (acessado 17.12.2011).
MORAIS, Márcia Marques de. A ironia da loucura: uma leitura Sorôco, sua mãe, sua filha, de João Guimarães Rosa. Extensão (PUCMG), Belo Horizonte, v. 8, n. 27, p. 39-44, 1998.
MORAIS, Márcia Marques de. La ironía de la locura: una lectura de "Sorôco, su madre, su hija". In: DANGELO, Biagio. (Org.). Verdades y veredas de Rosa. Ensayos sobre la narrativa de João Guimarães Rosa. Lima -Peru e Belo Horizonte/MG: Fondo Editorial da la Universidad Católica Sedes Sapientiae/ Editora PUC MINAS, 2004, v. 1, p. 53-61.
OTÍN, Blanca Cebollero. Sorôco, sua linguagem, sua poesia. Disponível no link. (acessado 14.12.2011).
PACHECO, Ana Paula. Sorôco, sua mãe, sua filha: um canto catártico. Ângulo (Lorena), Lorena, v. 76, p. 26-33, 1998.
PELINSER, André T.; ARENDT, João Claudio. No oco sem beiras: notas sobre a loucura e a angústia de Sorôco. Travessias (UNIOESTE. Online), v. 4, p. 268-279, 2010. Disponível no link. (acessado 13.12.2011).
SANTIAGO SOBRINHO, João Batista. Alegria trágica no conto, Sorôco, sua mãe, sua filha, de João Guimarães Rosa. In: XI Congresso Internacional da ABRALIC Tessituras, Interações, Convergências, 2008, São Paulo. Anais do XI Congresso Internacional da Abralic. São Paulo: e-book, 2008. Disponível no link. (acessado 16.12.2011).


A MENINA DE LÁ
"Todos os vivos atos se passam longe demais."

ABRIATA, Vera Lúcia Rodella. A configuração do universo mitopoético em A menina de lá. (Dissertação Mestrado Estudos Literários). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, 1993.
MOREIRA, Smally Galvão. A Menina de Lá: O Lúdico Enquanto Linguagem. In: V Seminário Nacional sobre Ensino de Língua Materna e Estrangeira e de Literatura e do IV Colóquio de Professores de Metodologia do Ensino de Metodologia do Ensino de Língua Portuguesa e Literatura, 2007, Campina Grande - PB. Campina Grande - PB: Editora Bagagem, 2007. p. 82-89.
TEIXEIRA, João Batista; BEZERRA, Rosilda Alves. A infância e o fantástico nos contos: A menina, as aves e o sangue, de Mia Couto, e, A menina de lá, de João Guimarães Rosa: Um estudo Comparativo. Anais Abralic Internacional, v. 1, p. 1, 2013.
VILARINO, Matosalém. “A Menina De Lá” De Guimarães Rosa: As Margens do Dito e do Mito. Gláuks v. 7 n. 2, 2007, 137-156. Disponível no link(acessado 15.12.2011).


OS IRMÃO DAGOBÉ
LOPES, Denise. O focinho humano em minha orelha. "Os Irmãos Dagobé", de Guimarães Rosa, em "A Terceira Margem do Rio", de Nelson Pereira dos Santos, e "Outras Estórias", de Pedro Bial. Trama, Universidade Estácio de Sá, v. 3, p. 68-83, 2002.
SANTOS, Adilson dos. Equívocos de um narrador: uma leitura de "Os irmãos Dagobé", de João Guimarães Rosa. In: Anais do XVII Seminário do CELLIP - Centro de Estudos Lingüísticos e Literários do Paraná. Guarapuava: UNICENTRO, 2006. p. 1-6.
TICHÁ, Barbora. Os irmãos Dagobé e Fatalidade – Comparação dos contos com a sua adaptação cinematográfica e a problemática da violência. (Univ. Carolina em Praga Portugal). Disponível no link. (acessado 15.12.2011).


A TERCEIRA MARGEM DO RIO
"Sou homem de tristes palavras."

ABRIATA, Vera Lúcia Rodella. Os estados de alma do eu em A terceira margem do rio. In: VILALVA, Walnice; MIYAZAKI, Tieko Yamaguchi; MELLO, Franceli. (Org.). Encontros e Travessia. Machado de Assis e Guimarães Rosa. Cáceres: UNEMAT, 2011, v. , p. 94-102.
ARAÚJO, Flávio B. Fontenelle et 1. A 3ª margem: alimite na transferência. IV Jornada do Simpósio do Campo Freudiano. Belo Horizonte, Moia, 1988.
AZENHA, Ricardo Barbosa; SOARES, Claudia Campos. A terceira margem do rio e o momento da decisão. Glauks (UFV), v. 5, p. 111-119, 2005.
AZEVEDO, Ana Vicentini de. A Partir De “A Terceira Margem Do Rio”: Algumas Considerações Sobre Transmissão Em Psicanálise. Ágora v. IV n. 2 jul/dez 2001, p. 61-72. Disponível no link. (acessado 12.12.2011).
BARBOSA, Maria Aparecida. Ecos da terceira margem. Anuário de Literatura 10, 2002, p. 153-161. Disponível no link(acessado 12.12.2011).
BARRETO, Carolina de Oliveira. De lá e de cá – O real e o irreal em “A Terceira Margem do Rio”. DARANDINA Revista Eletrônica – Programa de Pós-Graduação em Letras / UFJF – v. 1, nº 2. Disponível no link. (acessado 13.12.2011).
BRANDÃO, Carlos Rodrigues; OLIVEIRA, Haydée Torres de. A terceira margem do rio - A experiência de traduzir textos científicos sobre Biodiversidade como material de educação ambiental de Vocação biodiversa. Biota Neotropica, v.2 , nº 2, 2002. Disponível no link. (acessado 13.12.2011).
BRANDÃO, Márcia de Oliveira Reis. A escritura do silêncio. Anais, Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande Sertão: Veredas e Corpo de Baile. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ, 25-27 set./2006. Disponível no link. (acessado 9.12.2011).
CARNEIRO, Davi Pessoa. A Tradução Como Percurso em a Terceira Margem do Rio, de Guimarães Rosa. Disponível no link. (acessado 13.12.2011)
CAVALCANTI, Camillo Baptista Oliveira. Posições e transições em “A terceira margem do rio”. Anais, Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande Sertão: Veredas e Corpo de Baile. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ, 25-27 set./2006. Disponível no link. (acessado 9.12.2011).
CHAVES, Teresinha Gema Lins Brandão. De canoa ou jangada: Guimarães Rosa e José Saramago na terceira margem. Revista Crioula, nº 4, Nov./2008. Disponível no link. (acessado 13.12.2011).
CINTRA, Elisa Maria de Ulhôa. A terceira margem do rio. Pulsional Revista de Psicanálise, anos XIV/XV, nos 152/153, 70-81. Disponível no link. (acessado 13.12.2011).
COELHO, Eduardo Prado*. Figuras da Lusofonia: Cleonice Berardinelli Tríades. (*Universidade Nova de Lisboa). Estudos Camonianos. Disponível no link. (acessado 13.12.2011).
COSTA JÚNIOR, Josias. A terceira margem do rio: Algumas aproximações. Multi Textos CTCH, v. 3, p. 93-103, 2009.
CRUZ, Artur Ribeiro. Primeiras estórias e o filme A Terceira Margem do Rio: estruturas artísticas e consciência possível. (Dissertação Mestrado Letras) Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista, Campus de São José do Rio Preto, 2006, Disponível no link. (acessado 15.12.2011).
DE ROSA, Gian Luigi. Em busca de uma terceira margem cinematográfica. Plural Pluriel - revue des cultures de langue portugaise, [En ligne] n° 4-5, automne-hiver 2009. Disponível no link. (acessado 13.12.2011).
DRUMOND, Josina Nunes. A terceira margem do rio. In: Academia Ffeminina Espírito-santense de Letras. (Org.). Tempo das águas. Linhares - ES: AFESL, 2008, v. 1, p. 118-122.
FAGUNDES, Igor Teixeira Silva. O que existe é rio humano: João Cabral na terceira margem de Rosa. Anais, Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande Sertão: Veredas e Corpo de Baile. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ, 25-27 set./2006. Disponível no link. (acessado 9.12.2011).
HOLT, Isabell von. As terceiras margens – Outros espaços na obra de João Guimarães Rosa. Disponível no link. (acessado 15.12.2011).
NOGUEIRA, Roberto Círio. A terceira margem entre Guimarães Rosa e Rubem Fonseca. In: XI Encontro Regional da ABRALIC -, 2007, São Paulo. Anais do XI Encontro Regional da ABRALIC -. São Paulo - SP: ABRALIC, 2007.
LINO, Joselita Bezerra da Silva. A terceira margem do rio: reencontro. In: Márcia Tavares Silva, Derivaldo dos Santos, Valdenides Cabral de Araújo Dias. (Org.). ANAIS I- 1º Seminário de Estudos de Teoria Literária, Linguagem e Educação. 1ª ed. Rio de Janeiro: People, 2004, v. 1, p. 362-368.
OLIVEIRA, Silvana. Entre margens – uma leitura para o conto “A terceira margem do rio”, de João Guimarães Rosa. Revista de História Regional 14(2): 82-103, Inverno, 2009. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
ORIONE, Eduino José de Macedo. O drama barroco em “A terceira margem do rio”. Revista Ângulo. Disponível no link. (acessado 16.12.2011).
PARAIZO, Mariângela de Andrade. Com quantos paus se faz uma canoa?. Revista de Estudos de Literatura, Belo Horizonte, v. 4, p. 147-158, out. 1996. Disponível no link. (acessado 27.12.2011).
SILVA, Alexandre Vilas Boas da. A rememoração no conto ``A terceira margem do rio´´. Jornal do Curso de Letras da UEL - LITTERA, Londrina - PR, v. 1, p. 8 - 9, 01 maio 2003.
SILVA, Daniela Silva da. Romance contemporâneo brasileiro: a terceira margem do rio. (Dissertação Mestrado Lingüística e Letras). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, 2006.
TELES, Adriana da Costa; BRITO, Manacés Marcelo de.Algumas Considerações Sobre Relações Homológicas Entre “A Terceira Margem Do Rio” E “De Onde Viemos? O Que Somos? Para Onde Vamos?”. Travessias Edição nº 3. Disponível no link. (acessado 17.12.2011).

"...e me depositem também numa canoinha de nada, nessa água, que não pára, de longas beiras: e, eu, rio abaixo, rio acima, rio adentro-o rio."
- João Guimarães Rosa, em "A terceira margem do rio".


PIRLIMPSIQUICE
“Sem fazer conta de companhia ou conversas, varava os recreios reproduzindo fitas de cinema: corria e pulava, à celerada, cá e lá, fingia galopes, tiros disparava, assaltava a mala-posta, intimando e pondo mãos ao alto, e beijava afinal – figurado a um tempo de mocinho, moça, bandidos e xerife."
- João Guimarães Rosa, em "Pirlimpsiquice".

ABRIATA, Vera Lúcia Rodella; SILVA, F. F . A performance da criação em Pirlimpsiquice de Guimarães Rosa. In: 5º Encontro de Iniciação Científica e de Professores Pesquisadores, 2008, Franca. Anais Eletrônico do 5º Encontro de Iniciação Científica e de Professores Pesquisadores. Franca: UNIFRAN, 2008. p. 411-415.
GOULART, Audemaro Taranto.“Pirlimpsiquice”: o pó mágico da psique infantil. Ângulo 115, out./dez., 2008, p. 24-37. Disponível no link. (acessado 20.12.2011).
SANT’ANNA, Aldira Siqueira de. O entretecer de estórias em “Pirlimpsiquice”, de João Guimarães Rosa. Revista Semear, Rio de Janeiro, n.7, 2002. Disponível no link. (acessado 28.12.2011).
SILVA, Maria Luiza de Castro da. Pirlimpsiquice ou a arte de representar sem fim. In: Mostra Caixa Cultural/Imagem-Tempo Produções., 2008, Rio de Janeiro. Cinema: Veredas os filmes a partir de João Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: Caixa Cultural/Imagemtempo-Produções, 2008.
SILVA, Maria Luiza de Castro da. Pirlimpsiquice ou a arte do representar sem fim. Linguagem em (Re)vista, v. 9, p. 147-153, 2008.

"Cada um de nós se esquecera de seu mesmo, e está-vamos transvivendo, sobrecrentes, disto: que era o verdadeiro viver? E era bom demais, bonito – o mil maravilhoso – a gente voava, num amor, nas palavras: no que se ouvia dos outros e no nosso próprio falar."
- João Guimarães Rosa, em "Pirlimpsiquice".


NENHUM, NENHUMA
"Tudo não demorou calado, tão fundamente, não existindo, enquanto viviam
as pessoas capazes, quem sabe, de esclarecer onde estava e por onde andou o Menino, naqueles remotos, já peremptos anos? Só agora que assoma, muito lento, o difícil clarão reminiscente, ao termo talvez de longuíssima viagem, vindo ferir-lhe a consciência. Só não chegam até nos, de outro modo, as estrelas."
- João Guimarães Rosa, em "Nenhum, nenhuma".


BASSO, Ana Paula; CARDOSO, Sebastião Marques. O narrador do universo literário de Guimarães Rosa no conto “Nenhum, nenhuma”. UNICENTRO - Revista Eletrônica Lato Sensu, Ed.4, 2008. Disponível no link.(acessado 26.12.2011).
FERNANDES, Andrea Helena Parolari. O caminhar das sombras imemoriais: encenação do universo rosiano a partir da exegese do conto “Nenhum, nenhuma”, de Guimarães Rosa. (Dissertação Mestrado). São Paulo: Universidade de São Paulo, USP, 2008. Disponível no link. (acessado 27.12.2011).


FATALIDADE
[...]

SEQÜÊNCIA
[...]

O ESPELHO
“O senhor, por exemplo, que sabe e estuda, suponho que nem tenha ideia do que seja na verdade – um espe­lho? Demais, decerto, das noções de física, com que se familiarizou, as leis da óptica. Reporto-me ao transcen­dente. Tudo, aliás, é a ponta de um mistério.”
- João Guimarães Rosa, em "O espelho".

ABRIATA, Vera Lúcia Rodella. As formas de heterogeneidade em O espelho de João Guimarães Rosa. In: II Congresso Nacional da ABRALIN, 2000, Florianópolis. Suplemento dos Anais do II Congresso Nacional da ABRALIN. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 1999. p. 7-11.
ABRIATA, Vera Lúcia Rodella. Estratégias Enunciativas em "O Espelho" de João Guimarães Rosa. Caderno de Discussão do Centro de Pesquisas Sócios semióticas, São Paulo, v. VII, p. 75-89, 2001.
ABRIATA, Vera Lúcia Rodella. O Eu e o Outro em O Espelho de João Guimarães Rosa. CASA (Araraquara), v. 8, p. 1-11, 2010.
ANDRADE, Á. M. “O espelho” de Guimarães Rosa. Revista de Letras, Assis, Faculdade
de Filosofia, Ciências e Letras de Assis. N. 14, p.49-71, 1972.
ARAÚJO, Heloísa Vilhena de. O espelho: contribuição ao estudo de Guimarães Rosa. São Paulo: Mandarim, 1998.
FLOCH, Luísa Trias. Machado de Assis e Guimarães Rosa: “O Espelho”. Rio Total Coojornal, nº 443, 24 set./2005. Disponível no link. (acessado 16.12.2011).
GUIMARÃES, J. R.; HENRIQUE, Rosalina Albuquerque. O "espelho": o meio entre meios. In: TEIXEIRA, E. L. F.; HOLANDA, S. A. O.. (Org.). Guimarães Rosa: novas perspectivas. 1 ed. Curitiba: Editora CRV, 2010, v. 1, p. 61-76.
HAAS-MENOUAR, Annete Ursula. A questão da identidade em ‘O espelho’ e ‘A terceira margem do rio’: identificação e individuação. In: DUARTE, Lélia Parreira et al. (org.). Veredas de Rosa. Belo Horizonte, Editora PUC Minas, 2000.
HOMEM, Maria Lucia. Reflexos de espelhos Machado de Assis e Guimarães Rosa: um estudo comparativo de dois contos. In: Estados Gerais da Psicanálise. Disponível no link. (acessado 15.12.2011)
LEONEL, Maria Célia de Moraes; NASCIMENTO, E. M. F. S. Frente a O Espelho de Machado e de Guimarães Rosa. Revista da ANPOLL, v. 24, p. 276-292, 2008.
MORAES, Marcelo Jacques de. O outro que se lê: “O espelho” de Guimarães Rosa. Disponível no link. (acessado 13.12.2011).
SANTOS; SILVA, Antonia Marly Moura da. A representação do duplo no conto em O espelho de João Guimarães Rosa. In: III Seminário Nacional Literatura e Cultura, 2011, São Cristovão-SE. Anais Eletrônicos do III Seminário Nacional Literatura e Cultura, 2011. p. 1567-1584.
PRECIOSO, Adriana Lins. Diante dos Espelhos: Identidade Poética de Machado de Assis e Guimarães Rosa. In: Marieta Prata de Lima Dias; Helenice Joviano Roque-Faria. (Org.). Cultura e IIdentidade: Discursos. 1 ed. Cáceres: Editora Unemat, 2007, v. 1, p. 256-275.


"Quando nada acontece, há um milagre que não estamos vendo."
- João Guimarães Rosa, em "O espelho".

NADA E A NOSSA CONDIÇÃO
[...]

O CAVALO QUE BEBIA CERVEJA
ROLIM, Anderson Teixeira. A amizade sob os encobrimentos: análise de O cavalo que bebia cerveja , de João Guimarães Rosa. In: XII Congresso Internacional da ABRALIC, 2011, Curitiba. Anais do XII Congresso Internacional da ABRALIC. Curitiba: ABRALIC, 2011. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)


UM MOÇO MUITO BRANCO
ABRIATA, Vera Lúcia Rodella. O Caráter meta discursivo de Um moço muito branco de João Guimarães Rosa. Revista Serie encontros, Araraquara, p. 91-103, 1997.

LUAS-DE-MEL
[...]

PARTIDA DO AUDAZ NAVEGANTE
JORDANA, Maria Virginia Maciel. O mito da linguagem literária em Partida do Audaz Navegante. In: Simpósio Internacional Guimarães Rosa, 2003, Belo Horizonte. Veredas de Rosa, 2003. v. 3.
RODRIGUES, Marta. Viajando com o “Audaz navegante”. Anais, Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande Sertão: Veredas e Corpo de Baile. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ, 25-27 set./2006. Disponível no link. (acessado 9.12.2011).
SOUZA, Gislei Martins de. Partida do audaz navegante: a dimensão da escritura paradoxal. Disponível no link(acessado 9.12.2011).

DARANDINA
[...]

SUBSTÂNCIA
"Acontecia o não-fato, o não-tempo."
- João Guimarães Rosa, em "Substância".

AGUSTÍN, Carmen Lúcia H.; RODRIGUES, Eduardo Alves. A Relação Entre O Verbal e o Não-Verbal em Guimarães Rosa: Um Gesto de Leitura Sobre “Substância”. Revista Anpoll, Vol. 2, No 24, 2008. Disponível no link. (acessado 12.12.2011).
PRECIOSO, Adriana Lins. A gata borralheira do sertão: Uma leitura do conto "Substância" de João Guimarães Rosa. In: I Colóquio "Vertentes do Fantástico na Literatura", 2009, Araraquara. Anais do I Colóquio Vertentes do fantástico na Literatura. Araraquara: Laboratório Editorial, 2009.

TARANTÃO, MEU PATRÃO
[...]

OS CISMOS
"Outra era a vez. De sorte que de novo o Menino viajava para o lugar onde as muitas mil pessoas faziam a grande cidade."
- João Guimarães Rosa, em "Os cismos".

HENRIQUE, Rosalina Albuquerque; HOLANDA, Sílvio Augusto de Oliveira. Considerações sobre o tempo em As margens da alegria e Os cimos. In: III Seminário Rosiano: Guimarães Rosa, da letra ao byte, 2010, Belém. Anais do II Seminários Rosiano: Guimarães Rosa, da letra ao byte (ISSN 2236-126X). Belém : Mestrado em letras UFPA, 2010. p. 86-93.
HENRIQUE, Rosalina Albuquerque; HOLANDA, Sílvio Augusto de Oliveira. O menino enigmático de As margens da alegria e Os cimos. In: HOLANDA, Sílvio Augusto de Oliveira. (Org.). Imagens, arquivo e ficção em Guimarães Rosa. 1ª ed., Curitiba: CRV, 2011, v. 1, p. 47-57.
HENRIQUE, Rosalina Albuquerque; HOLANDA, Sílvio Augusto de Oliveira. A recepção crítica em Darandina e Os cimos, de Primeiras estórias. In: II Congresso Internacional de Estudos Lingüísticos e Literários da Amazônia (II CIELLA), 2009, Belém. Anais do II Congresso Internacional de Estudos Lingüísticos e Literários na Amazônica (II CIELLA). Belém: EDUFPA, 2009. p. 1155-1161.
HENRIQUE, Rosalina Albuquerque; HOLANDA, Sílvio Augusto de Oliveira. O conto rosiano em Primeiras estórias: uma leitura de As margens da alegria, Os cimos e Darandina. In: VII SEPA: Seminário de Pesquisa em Andamento, 2010, Belém. Anais do VII SEPA: Seminário de Pesquisa em Andamento (ISSN 2236-1251). Belém: Mestrado em letras, UFPA, 2010. p. 316-328.
MORAIS, Márcia Marques de; PASSOS, C. R. P.; ROEFERO, E.L.; , Olga de. Cismas do Sertão: etimologia, metonímias e metáforas na inscrição identitária do jagunço rosiano. Ângulo (FATEA), v. 115, p. 104-112, 2009.


A BENFAZEJA
MAUÉS, Brenda de Sena. A benfazeja: espaço de alteridade, paradoxo e mito. In: I Seminário Rosiano, 2008, Belém. Anais do I seminário Rosiano. Belém: EDUFPA, 2008. p. 4-17.
ROLIM, Marina Ambrozio Galindo. Sob o sórdido desarrumo: a feiúra em A benfazeja. (Dissertação Mestrado Letras). Londrina: Universidade Estadual de Londrina, UEL, 2010.
SANTOS, Adilson dos. A benfazeja, de João Guimarães Rosa, como retomada do mito das Erínias/Eumênides. In: Encontro Regional da Abralic 2005 - Sentidos dos Lugares, 2005, Rio de Janeiro. Sentidos dos Lugares, 2005. p. 1-10.
SANTOS, Adilson dos. A atualização de Eumênides, de Ésquilo, em A benfazeja , de Guimarães Rosa. Todas as Musas: Revista de Literatura e das Múltiplas Linguagens da Arte (Online), v. 3, p. 14-30, 2011.

“Tudo, aliás, é a ponta de um mistério
Há razões e rasões
Viver é impossível...”
- João Guimarães Rosa, em "A benfazeja".


ADAPTAÇÕES DA OBRA DE GUIMARÃES ROSA PARA O CINEMA E A TELEVISÃO
Filme: Cabaret Mineiro
Sinopse: Uma viagem de trem pelo interior de Minas Gerais na qual aventureiro encontra novos amores e relembra antigas paixões. Aqui a tríade de personagens sem nome – o “condutor” da narrativa (Nelson Dantas), o “americano” de cabelos descoloridos (Helber Rangel) e o “capiau” – tem a mística de João Guimarães Rosa para lhes dar suporte.
Inspirados no conto “Soroco, sua mãe, sua filha”, de Guimarães Rosa, o argumento e o roteiro de “Cabaret Mineiro" trafegam pela linha de imagens e recortes que revelam os modos, os causos e o lirismo da gente interiorana. Os vagões de trem que cortam a geografia, as prostitutas interditadas e que tentam os homens (vide a personagem de Tamara Taxman), o bordel, a viola, o carteado, o carnaval, o lança-perfume aspirado nos lenços, o fogão a lenha, as fotos velhas de família, as viúvas (Maria Sílvia, em atuação propositadamente clownesca), as cantigas de roda, a lezeira, a curiosidade, o assanhamento dos sentidos.
Ano: 1980
Duração: 75 min.
Gênero: Drama Musical - Ficção
Produtora: Cinematográfica Montesclarense; Corisco Filmes; Embrafilme; e Zoom Cinematográfica
Direção e Roteiro: Carlos Alberto Prates Correia
Produção: Carlos Alberto Prates Correia, Nilson Barbosa
Música Original: Tavinho Moura
Fotografia: Murilo Salles
Edição: Idê Lacreta
Design de Produção: Carlos Wilson
Figurino: Carlos Wilson
Maquiagem: Waldir Monteiro
Efeitos Sonoros: Walter Goulart, Aloísio Viana
Efeitos Visuais: Pedro Louzada
Elenco/ Personagens: Nelson Dantas (Paixão); Tânia Alves (Avana); Tamara Taxman (Salinas); Eliane Narducci (Maruja); Louise Cardoso; Helber Rangel; Zaíra Zambelli; Maria Sílvia; Thelma Reston; Nildo Parente; Tavinho Moura; e Sônia Santos.
Prêmios:
- Festival de Gramado 1981 - Kikito de Ouro de Melhor Filme; Melhor Direção; Melhor Fotografia; Melhor Edição; Melhor Trilha Sonora; Melhor Ator (Nelson Dantas); Melhor Atriz Coadjuvaante (Tânia Alves)
- Festival de Brasília 1980 - Troféu Candango de Melhor Fotografia.



Filme: Outras Estórias
Sinopse: Reunião de cinco contos de Guimarães Rosa, todos passados em uma pequena vila no sertão de Minas. Onde ocorrem histórias de amor, entre um fazendeiro e a mais humilde de suas trabalhadoras; de morte, onde um rapaz de boa índole comete o desatino de matar o chefe de um grupo de bandidos perigosos; de desconfiança e ódio, quando empregados de um grande proprietário de terras decide fazer uma reforma agrária em seus domínios; além de histórias de coragem, medo e até de maldição.
Soroco, o mais antigo matador de bois da região, vive agora de perseguir duas mulheres loucas, sua mãe, sua filha ...
Enquanto isso, o lugarejo é invadido por bandidos perigosos - os irmãos Dagobé. Premido pelas circunstâncias, um bom moço comete o desatino de matar o chefe do bando, o famigerado Dagobé. Apreensivos, os moradores aguardam a vingança anunciada dos irmãos e relembram num episódio marcante da vida de Damastor: O dia em que ele foi procurar um sábio doutor para descobrir o significado da palavra "famigerado". No velório, o rapaz jurado de morte aparece para ajudar a carregar o caixão ...
Um proprietário de terras perde a mulher e resolve fazer uma reforma agrária em seus domínios. Os empregados reagem com desconfiança e ódio ...
Um jovem fazendeiro se apaixona pela mais humilde de suas trabalhadoras. Mas ela guarda, escondidos, segredos e ameaças terríveis...
Ano: 1999
Formato: 35mm
Duração: 114 minutos
Gênero: Drama
Tipo: Drama rural
Diretor: Pedro Bial
Roteiro: Pedro Bial e Alcione Araújo
Produtora: RCS Produções Artísticas e Culturais Ltda.
Produção: Pedro Bial e Vania Catani
Produção executiva: Tereza Gonzalez
Direção de produção: Fernando Zagallo
Fotografia: José Guerra
Direção de arte: Toni Vanzolini
Figurino: Kika Lopes
Som direto: Jorge Saldanha
Montagem: Tuco
Direção musical: Marco Antônio Guimarães e Grupo UaktiI
Música: Heitor Villa-Lobos
Direção de atores: Cacá Carvalho e Giulia Gam
Apoio: Telemig, Sesiminas, Fiemg, Telebrás, Financeira Bemge e Ministério da Cultura
Distribuição: Rio Filme
Elenco: Anna Cotrim; Antônio Calloni; Cacá Carvalho; Chico Neto; Cláudia Lima; Giulia Gam; Guido Correa; Jonas Torres Juca de Oliveira; Enrique Diaz; Marcelo Escorel; Márcia Bechara; Marieta Severo; Nilza Maria; Paulo José; Rodolfo Vaz; Sílvia Buarque; Sivaldo dos Santos; Walderez de Barros
Prêmios: [...]

Filme: A Terceira Margem do Rio
Sinopse: "Um homem abandona a casa, a mulher, os filhos, os amigos, tudo, para viver isolado numa canoa, no meio de um rio na região central do Brasil. Sem explicar seu gesto, rema sem destino. Jamais volta a pisar em terra firme, nunca mais aparece para ninguém. Seu único contato com as pessoas se faz de modo indireto, através do filho que lhe deixa comida debaixo de uma pedra na beira do rio."
Ano: 1993, Brasil.
Gênero: Longa metragem – Cor - 35mm
Tipo: Drama/ literatura
Produtora: Regina Filmes Ltda.
Diretor: Nelson Pereira dos Santos
Roteiro: Nelson Pereira dos Santos, baseado nos
contos "A terceira margem do rio", "A menina
de lá", "Os irmãos Dagoberto", "Fatalidade e
seqüência" do livro Primeiras estórias, de João
Guimarães Rosa.
Trilha Musical: Milton Nascimento
Elenco: Lavoiser Albernaz, Denise Alvarez, Barbara Brandt, Affonso Brazza, Chico Díaz, Zé do Badau, Efigênia do Carmo, Andrade Júnior, Néio Lúcio, Laura Lustosa.


"Desde que li Primeiras Estórias, em 1962, fiquei particularmente impressionado por esse conto. Para melhor adaptá-lo misturei outras quatro estórias (...) Por que o homem abandona a família e vai viver no meio do rio? São indagações que não procurei responder. Talvez a terceira margem do rio seja o que todo mundo procura e não sabe o que é. Quis mostrar que talvez exista uma terceira margem para o Brasil, entre o velho e o novo."
- Nelson Pereira do Santos, In: Sinopse do Filme Terceira Margem do Rio.


Filme: Sorôco, Sua Mãe, Sua Filha
Adaptação: Conto “Sorôco, Sua Mãe, Sua Filha" do livro "Primeiras Estórias".
Ano: 1975
Cor: P&B
Adaptação do Texto: Kiko Jaess e Ênio Gonçalves
Direção: Kiko Jaess
Produção: TV Cultura - São Paulo/SP - Série Grande Teatro.
Elenco: Laura Cardoso; Ênio Gonçalves(Sorôco); Beth Goulart; Eudósia Acuña; Clodomiro Bacelar; Lino Braga; Marcos Câmara; Ricardo Dias; Mário Guimarães; Nieta Junqueira; David Neto; Luís Alberto Pereira; Sílvio Rocha; e Clemente Viscaíno.


ADAPTAÇÕES DA OBRA DE GUIMARÃES ROSA PARA O TEATRO
Nome do Espetáculo: Sorôco, Sua Mãe, Sua Filha, de João Guimarães Rosa
Obra Adaptada: Soroco é uma adaptação baseada na obra, de mesmo nome, do do escritor brasileiro João Guimarães Rosa. A obra trata de um determinado momento na vida de uma cidade provinciana, com seus aspectos comuns e não-comuns. As duas mulheres não correspondem às regras de comportamento dominantes.
Grupo de Teatro: Teatro Munganga – Amesterdam Hollanda
Diretor: Aderbal Freire Filho
Roteiro: Carlos Lagoeiro
Elenco:
Na Amsterdã Holanda: Cris Castro, Cláudia Maoli, Carlos Lagoeiro, Fleur Sakol, Jeroen Klassen, Jan Van Mierlo.
No Brasil: Cris Castro, Cláudia Maoli, Carlos Lagoeiro, Cristina Velloso e Antônio Gazalez.
Música: Joep Franssens
Requisitos/ figurino: Márcia Normande
Cenário: Jaap de Groote/ Aderbal Freire Filho
Cartaz: Monique Schenkels
Fotografia: Marc Blom
Ano: 1989
Localidade: Holanda e Brasil
Contato: Teatro Munganga * Schinkelhavenstraat 27 hs 1075 VP Amsterdam - Hollanda * e-mail
SiteTeatro Munganga



Nome do Espetáculo: A Terceira Margem do Rio, de João Guimarães Rosa
Obra Adaptada: Carlos Lagoeiro, ator e diretor do Teatro Munganga, faz um diálogo com o conto A terceira margem do rio, de Guimarães Rosa. Derde oever (tradução de Terceira margem em holandês) fala sobre um lugar inacessível. O espetáculo trata da linha, invisível e frágil que existe entre o normal e a loucura. Esta terceira margem separou o pai e o filho para sempre. E, ao mesmo tempo, faz com que sejam inseparáveis. Derde oever é uma poesia teatral com um ator, dezessete bonecos e cem canoas, que mistura a força expressiva de Munganga com um estilo poético e delicado de atuação.
Grupo de Teatro: Teatro Munganga
Direção: Beto Lima e Carlos Lagoeiro
Ator: Carlos Lagoeiro
Ano: 2004
Contato: Teatro Munganga * Schinkelhavenstraat 27 hs 1075 VP Amsterdam – Hollanda - e-mail
SiteTeatro Munganga 



TEM MAIS JOÃO GUIMARÃES ROSA POR AQUI

REFERÊNCIAS E OUTRAS FONTES DE PESQUISA
UNESP – Banco de Teses e Dissertações

© Direitos reservados ao autor/e ou ao seus herdeiros

© Pesquisa, seleção e organização: Elfi Kürten Fenske


=== === ===
Trabalhos sobre o autor:
Caso, você tenha algum trabalho não citado e queira que ele seja incluído - exemplo: livro, tese, dissertação, ensaio, artigo - envie os dados para o nosso "e-mail de contato", para que possamos incluir as referências do seu trabalho nesta pagina. 

____
Página atualizada em 22.5.2013.



Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2016 Templo Cultural Delfos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!