João Guimarães Rosa: Fortuna Crítica III – Grande Sertão: veredas


2016 - 60 ANOS DE GRANDE SERTÃO: VEREDAS.

"O senhor tolere, isto é o sertão. Uns querem que não seja: que situado sertão é por os campos-gerais a fora a dentro, eles dizem, fim de rumo, terras altas, demais do Urucuia. Toleima."
- em "Grande Sertão: veredas".

O LIVRO
O Grande Sertão: veredas é considerado uma das mais significativas obras da literatura brasileira e lusófona. Publicada em 1956, inicialmente chama atenção por sua dimensão – mais de 600 páginas – e pela ausência de capítulos. É o único romance escrito por Guimarães Rosa, publicado no mesmo ano que Corpo de Baile.
[...]

"Grande sertão: veredas é desses livros inesgotáveis, que podem ser lidos como se fossem uma porção de coisas: romance de aventuras, análise da paixão amorosa, retrato original do sertão brasileiro, invenção de um espaço quase mítico, chamada à realidade, fuga da realidade, reflexão sobre o destino do homem, expressão de angústia metafísica, movimento imponderável de carretilha entre real e fantástico e assim por diante."
- Antônio Cândido


“O que houve que se deu. Que vi. Com a sede sofrida, um incha, padece nas vistas, chega fica cego. Mas vi. Foi num átimo. Como que por distraído: num dividido de minuto, a gente perde o tino por dez anos. Vi: ele – o chapéu que não quebrava bem, o punhal que sobressaia muito na cintura, o monho, o mudar das caras... Ele era o demo, de mim diante... O Demo!... Fez uma careta, que sei que brilhava. Era o Demo, por escarnir, próprio pessoa!...”
- João Guimarães Rosa, em "Grande Sertão: veredas".


“Às vezes, quase acredito que eu mesmo, João,
seja um conto contado por mim.”
- João Guimarães Rosa


BIBLIOGRAFIA SOBRE A OBRA GRANDE SERTÃO: VEREDAS
1º edição de Grande Sertão: veredas

(Teses, dissertações, livros, capítulos de livros, artigos, ensaios acadêmicos e jornalísticos)
50 ANOS - Grande Sertão: Veredas & Corpo De Baile. Anais, Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande Sertão: Veredas e Corpo de Baile. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ, 25-27 set./2006. Disponível no link. (acessado 9.12.2011)
A travessia de "Riobaldo Rosa", no Grande sertão-veredas, como um processo de individuação. Aletheia (ULBRA), v. 24, p. 69-80, 2006.
ABRANCHES, Sérgio. A Ecologia de Grande Sertão: Veredas. Jan.2006. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
ABREU, Alexandre Veloso de. Do sertão ao ílion: uma comparação entre grande sertão: veredas e ilíada. (Tese Doutorado Literatura) Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte – 2005. Disponível no link. (acessado 9.12.2011).
ABREU, Alexandre Veloso de. O caso Maria Mutema e do Padre Ponte: exploratórias intertextuais. In: III Seminário Internacional Guimarães Rosa, 2004, Belo Horizonte. III Seminário Internacional Guimarães Rosa, 2004.
ADONIAS FILHO. Renovação no regionalismo. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, 7 jun. 1964.
AGUIAR, Flávio Wolf de. Grande Sertão em linha reta. In. Outras Margens: estudos da obra de Guimarães Rosa. (org.) DUARTE, Lélia Parreira; ALVES, Maria Theresa Abelha. Belo Horizonte: Autêntica - PUC Minas, 2001.
AGUIAR, Márcia Valéria Martinez de. As duas traduções francesas de Grande Sertão: Veredas, a partir do conceito de oralidade de Henri Meschonnic. (Tese Doutorado Língua e Literatura Francesa) São Paulo: Universidade de São Paulo, USP – 2011.
ALBERGARIA, Consuelo. Bruxo da Linguagem no Grande Sertão: leitura dos elementos esotéricos presentes na obra de Guimarães Rosa. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1977.
ALBERNAZ, Amle. Diálogos e travessias por veredas de um grande mundo: sertão. (Dossiê Guimarães Rosa) Diadorim: Revista de Estudos Lingüísticos e Literários. – Nº 1, 2006 –. Rio de Janeiro: UFRJ, Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas, 2006.v.: il., p. 13-28. Disponível no link.(acessado 10.12.2011)
ALBERNAZ, Ana Maria. A memória demudante em Grande Sertão: Veredas. Anais, Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande Sertão: Veredas e Corpo de Baile. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ, 25-27 set./2006. Disponível no link. (acessado 9.12.2011)
ALBUQUERQUE, Renata de. Diadorim e Hermógenes: jogo de duplos e espelhamento em Grande Sertão: Veredas. Revista Gatilho, Ano II, V. 4, Set. 2006.
ALEIXO, Adriana Cristina Venturoso. A Imagem Literária de Um Sertão Chamado Brasil. Revista da UFG, Vol. 7, No. 01, junho 2004. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
ALMEIDA, Ivana Ferrante Rebello e.. Poética de atrito. Pedra, jogo e movimento no Grande Sertão. (Tese Doutorado em Letras). Belo Horizonte: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC Minas, 2011.
ALMEIDA, Ivana Ferrante Rebello e.. O jogo do passa-anel: estratégias do narrar em Grande sertão: veredas. In: XI Congresso Internacional da ABRALIC, USP, São Paulo, Jul. 2008. Disponível no link. (acessado 17.12.2011).
ALMEIDA, Ivana Ferrante Rebello e.. Poética de atrito: movimento e poesia no sertão de Guimarães Rosa. In: Petar Pretov; Pedro Quintino de Sousa; Roberto López- Iglésias Samartim; Elias J. Torres Feijó. (Org.). Avanços em Literatura e Cultura Brasileiras. Séc. XX.. 1ª ed., Santiago de Compostela, Faro: Através editora, 2012, v. 1, p. 157-174.
ALMEIDA, José Maurício Gomes de. Da visão realista à visão mitopoética: o sertão como microcosmo. Anais, Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande Sertão: Veredas e Corpo de Baile. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ, 25-27 set./2006. Disponível no link. (acessado 9.12.2011).
ALMEIDA, Lenivaldo Gomes de. A terceira margem da palavra: um ensaio sobre Grande Sertão: Veredas. In: Seminário Internacional Guimarães Rosa, 2001, Belo Horizonte. Seminário Internacional Guimarães Rosa (2001: Belo Horizonte. Belo Horizonte: CESPUC, 2001.
ALMEIDA, Leonardo Vieira de. Diadorim O Pacto Como Emblema Trágico do Corpo. Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos (UERJ). Disponível no link. (acessado 9.12.2011).
ALMEIDA, Leonardo Vieira de. Diadorim: o pacto como emblema trágico do corpo. Cadernos do CNLF (CiFEFil), Rio de Janeiro, v. IX, p. 9-19, 2005.
ALMEIDA, Leonardo Vieira de. O pacto nas Veredas-Mortas: realidade poética e esforço de interpretação. Graphos (João Pessoa), v. 1, p. 11-25, 2006. Disponível no link. (acessado 11.12.2011).
ALMEIDA, Leonardo Vieira de. O pacto social em "Grande Sertão: Veredas": a ética do provisório. Itinerários (UNESP), v. 25, p. 97-116, 2008.
ALMEIDA, Leonardo Vieira de. O prólogo no Grande Sertão. Revista Letra (Rio de Janeiro), Rio de Janeiro, v. 02, p. 129-140, 2006.
ALMEIDA, Leonardo Vieira de. Riobaldo: Cavaleiro da dúvida?. Dubito Ergo Sum: Sítio Cético de Literatura e Espanto, 2004.
ALMEIDA, Leonardo Vieira de. Veredas do grande conto: a descoberta do sertão em Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: Editora da PUC-Rio em co-edição com a Uapê, 2011. v. 500. 132 p.
ALMEIDA, Lucia de Oliveira. Das memórias as veredas: Revista USP - letras, cenas e sons. (Tese Doutorado Literatura). Universidade Federal de Santa Catarina, 2008.
ALMEIDA, Lucia de Oliveira. Grande Sertão: Veredas: pacto e promessa.(Tese Doutorado Letras). Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC), 2010
ALMEIDA, Lucia de Oliveira. Memórias, sertões, veredas: Revista USP - letras, cenas e sons. (Dissertação Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, 2008.
ALMEIDA, Lucia de Oliveira. O pacto fáustico em "Grande Sertão: Veredas". (Dissertação Mestrado Letras). Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, Brasil, 2005.
ALMEIDA, Lucia de Oliveira. Revista USP em Foco: Percorrendo o Sertão. Disponível no link. (acessado 16.12.2011)
ALMEIDA, Lucia de Oliveira. Revista USP em foco: percorrendo o sertão. Boletim de Pesquisa – NELIC V. 8, Nº 12 / 13 (2008).
ALVES, Cristiane da Silva. . A comunhão do feminino na construção do masculino em Grande Sertão: Veredas. REEL. Revista Eletrônica de Estudos Literários, v. 6, p. 1-18, 2010.
ALVES, Cristiane da Silva. A comunhão do feminino na construção do masculino em Grande Sertão: Veredas. In: Seminário de Pós-Graduação - 2009, 2009, Novo Hamburgo. Seminário de pós-Graduação Anais, 2009. v. 2.
ALVES, Cristiane da Silva. Diadorim – anjo ou demônio?. Revista eletrônica de crítica e teoria de literaturas - Dossiê: oralidade, memória e escrita, PPG-LET-UFRGS – Porto Alegre – Vol. 04 N. 02 – jul/dez 2008. Disponível no link. (acessado em 9.12.2012)
ALVES, Cristiane da Silva. Do sertão às artimanhas do narrador ou investigando o Grande Sertão e as suas Veredas. (Dissertação Mestrado Letras). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, 2011.
ALVES, Cristiane da Silva. Os amores de Riobaldo: uma análise do feminino em Grande Sertão: Veredas. In: Regina Zilberman. (Org.). Machado de Assis & Guimarães Rosa Da criação artística à interpretação literária. Porto Alegre: Edelbra, 2008, v. , p. 393-399.
ALVES, Maria da Penha Casado.
ALVES, Maria da Penha Casado. Andanças da donzela guerreira: Bradamante e Diadorim entre o oral e o escrito. (Tese Doutorado Comunicação e Semiótica) São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC), 2005.
ALVES, Maria da Penha Casado. Do amor como impossibilidade ou do corpo negado de Diadorim. Letra Viva (UFPB), João Pessoa, v. 6, p. 9-23, 2004.
ALVES, Maria da Penha Casado. Maria Mutema: uma vereda obscura no Grande sertão. Revist a Vivência, Natal, v. 9, p. 27-46, 1995.
ALVES, Maria da Penha Casado. Multiloquium e Performance: Palavra e Paixão em Grande Sertão: Veredas. Graphos Edição Especial 2006 - Cinqüentenário de publicação do Grande Sertão: Veredas.
ALVES, Maria da Penha Casado. Mythos da Procura - Uma travessia n A demanda do santo Graal e em Grande sertão: veredas. (Dissertação Mestrado Estudos da Linguagem). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, Natal, 1996.
ALVES, Maria da Penha Casado. Mythos da procura: uma travessia n'A Demanda do Santo graal e em Grande sertão: veredas. Veredas de Rosa, Belo Horizonte, v. 1, p. 424-427, 2000.
AMARAL, Ricardo Ferreira do Amaral. A miragem ao alcance da vista: a identidade nacional em Grande sertão: veredas. (Dossiê Guimarães Rosa) Diadorim: Revista de Estudos Lingüísticos e Literários. – Nº 1, 2006 –. Rio de Janeiro: UFRJ, Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas, 2006.v.: il., p. 47-62. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
AMARAL, Roberto Antônio Pênedo do. "Viver é muito perigoso" ou o "mal" em Grande Sertão: Veredas. Breves anotações tomistas. Cadernos de Pesquisa do CDHIS, v. 34, p. 36-44, 2006.
AMARAL, Roberto Antônio Pênedo do. A teofania em Grande Sertão: Veredas - por uma pedagogia dos símbolos. (Tese Doutorado Educação). Universidade Federal de Goiás, UFG, 2007.
AMARAL, Roberto Antônio Pênedo do. As aparências de Cronos em Grande Sertão: Veredas. Kuruatuba - Revista de Estudos Multidisciplianares da Faculdade Vale do Gorotuba - FAVAG, v. 1, p. 06-15, 2011.
AMARAL, Roberto Antônio Pênedo do. O Imaginário em Grande Sertão: Veredas – A Travessia do Liso do Sussuarão. Labirinto, Revista eletrônica do Centro de Estudos do Imaginário da Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, v. 9, p. 6, 2006. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
AMARAL, Roberto Antônio Pênedo do. Uma continuação inventada de GSV da narrativa aos símbolos, dos símbolos à transcendência. julho, 2008. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
AMORIM, Liana Depieri. A presença indígena na obra Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa. Nau Literária, Porto Alegre, vol. 9, 1. janeiro/junho 2013. Disponível no link. (acessado 15.2.2016).
ANAIS. Congresso Guimarães Rosa - 50 Anos Grande Sertão Veredas, de João Guimarães Rosa. Setembro de 2006. Faculdade de Letras – UFRJ. (Diversos textos de diferentes autores). Disponível no link. (acessado 12.12.2011)
ANDRADE, Álvaro. O Sertão e a Cidade - O sertão de Guimarães Rosa 50 anos depois. (livro) Editora Farhat Borges, 2007. Disponível no link. (acessado 12.12.2011).
ANDRADE, Cláudia Braga de. Desejo: um grande sertão. In: DUARTE, Lélia Parreira et al. (Orgs.). Veredas de Rosa II. Belo Horizonte: PUC Minas, 2003. p. 123-128.
ANDRADE, Émile Cardoso. O mito de Fausto em Grande Sertão: Veredas. Veredas de Rosa II, Belo Horizonte, v. 1, p. 962-972, 2003.
ANDRADE, Fernanda de. Assassinas de maridos no tribunal de Guimarães Rosa: Maria Mutema, Mula-Marmela e Flausina. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Estadual de Maringá, UEM, 2012.
ANDRADE, Luiz Francisco G. de. Riobaldo e Diadorim: a báscula do desejo. Julho-agosto de 1987. Disponível no link. (acessado em 9.12.2011)
ANDRADE, Sônia Maria Viegas. A vereda trágica do grande sertão: veredas. São Paulo: Edições Loyola, 1985.
ANDRADE, Vera Lúcia. Conceituação de jagunço e jagunçagem em Grande sertão: veredas. Belo Horizonte, 1977 (Supl .Lit.)
ANDRIOLLI, Carmen Silvia. Sob as vestes de Sertão Veredas, o Gerais. 'Mexer com criação' no Sertão do IBAMA. (Tese Doutorado Ciências Sociais). Campinas: Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2011.
ANDRIOLLI, Carmen Silvia. Sob as vestes de Sertão Veredas, o Gerais. 'Mexer com criação' no Sertão do IBAMA. In: Anais do I Seminario Internacional Ruralidades, Trabalho e Meio Ambiente, 2011.
ÂNGELO, Ivan. Deus e o diabo no Grande Sertão. O Diário, Belo Horizonte, 26 jun. 1963.
ANTONIO, Luciano. Do Julgamento de Orestes para o tribunal do sertão: relações entre Eumênides, de Ésquilo e o Grande Sertão: veredas, de Guimarães Rosa. In: Miscelânea. Revista de Pós-graduação em Letras - Unesp - Campus de Assis. V. 5, dez./2008/mai./2009. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
ARAGÓN H., Gustavo Adolfo. Diadorim o el tiempo de la niebla amor, deseo y espejismo en Grande Sertão Veredas. Poligramas 27, Junio 2007. Disponível no link. (acessado 9.12.2011).
ARAÚJO, Cristiano Santos. Nem Deus, nem demo: Diadorim - O homem humano no palco polifônico do ‘Grande Sertão: Veredas’. Belo Horizonte/MG: Editora Todas as Musas, 2014.
ARAÚJO, Fernando Antônio de. Os quatro elementos do Grande Sertão: veredas de sua gênese narrativa. (Dissertação Mestrado Literatura). Belo Horizonte: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC Minas, 2010.
ARAÚJO, Heloísa Vilhena de. O roteiro de Deus, dois estudos sobre Guimarães Rosa. São Paulo: Mandarim, 1996.
ARAÚJO, Inácio. Uma difícil adaptação para a TV. São Paulo: Folha de São Paulo, Ilustrada, p. 41, 31.05.1985.
ARRIGUCCI JR., Davi. O mundo misturado. Romance e experiência em Guimarães Rosa. In: PIZARRO, Ana. (Org.). América Latina: palavra, literatura e cultura. São Paulo: Fund. Memorial de America Latina/Ed. UNICAMP, 1995, v. 3, pp. 447-77.
ARROJO, Rosemary. Ler “Grande Sertão” enquanto a Globo não vem. Folhetim nº 436, p. 10-11, São Paulo: Folha de São Paulo, 2.5.1985.
ARROJO, Rosemary.. J. L. Borges's Labyrinths and J. Guimarães Rosa's Sertão: Images of Reality as Text. (Tese Doutorado em Humanidades). Johns Hopkins University, JHU, Estados Unidos, 1984.
ARROJO, Rosemary. O Literário e o Desejo do Intraduzível: Algumas Reflexões sobre Grande Sertão: Veredas. In: IV Encontro Nacional de Tradutores, 1994, São Paulo. Anais do IV Encontro Nacional de Tradutores, 1992. v. único. p. 225-228.
ARROJO, Rosemary. Literariness And The Desire For Untranslatability: Some Reflections On Grande Sertão:Veredas. TEXTCONTEXT, v. 2, n.2, p. 75-83, 1990.
ARROYO, Leonardo. A cultura popular em Grande Sertão: veredas. Rio de Janeiro: José Olympio, 1984.
ARROYO, Leonardo. De Quelemém a Riobaldo. Folha da Tarde, São Paulo, 21 abr. 1963.
ARROYO, Leonardo. Riobaldo e Fausto. Folha da Tarde, São Paulo, 27 dez. 1964.
ASSIRATI, Catarina Meloni. As mulheres e o mundo do sertão em Grande Sertão: Veredas. (Tese Doutorado Letras). São Paulo: Universidade de São Paulo, USP, 2001.
ASSIS, Maria Aurinívea Sousa de. Riobaldo e Aschenbach: audazes navegantes - experiências de travessia em Grande sertão: veredas e em A Morte em Veneza. (Dissertação Mestrado Letras e Lingüística). Salvador: Universidade Federal da Bahia, UFBA, 2009. Disponível no link. (acessado 21.12.2011).
ASSIS, Maria Aurinívea Sousa de. Literatura, ética e valorea: aprendizagem em João Guimarães Rosa. In: kelma Socorro Alves Lopes de Matos; Raimundo Nonato Júnior. (Org.). Cultura de Paz, Ética e Espiritualidade. 1ª ed. Fortaleza: Edições UFC, 2010, v. , p. 314-324.
ASSIS, Maria Aurinívea Sousa de; HOISEL, E. C. S. Grande sertão: veredas e A Morte em Veneza: cenas de travessia. In: XI Congresso Internacional da ABRALIC, 2008, São Paulo. XI ABRALIC. São Paulo, 2008.
ASSUMPÇÃO, Deise A.M.; PIRES, Marisa C.; QUEIROZ, Vagner C., O amor em Grande Sertão: Veredas. In. Seminário Internacional Guimarães Rosa. (1998: Belo Horizonte). Veredas do Rosa. (org.) DUARTE, Lélia Parreira. et al. - Belo Horizonte: PUC Minas, CESPUC, 2000.
ASSUNCAO, M. D.; HOLANDA, Sílvio Augusto de Oliveira.O sertão está em toda parte ... A transculturação narrativa em Grande sertão: veredas: uma abordagem estético-cultural. In: III Congresso Internacional de Estudos Linguísticos e Literários na Amazônia, 2011, Belém. Anais do III Congresso Internacional de Estudos Linguísticos e Literários na Amazônia. Curitiba: CRV, 2011. v. 1. p. 794-798.
AUBIN, Simone Pires Barbosa. O percurso iniciático em Grande Sertão: Veredas de Guimarães Rosa e Vendredi ou les limbes du Pacifique de Michel Tournier. (Tese Doutorado Literatura Geral e Comparada), Université d'Angers, França, 2010.
AUBIN, Simone Pires Barbosa. O simbolismo do mal em Grande Sertão: Veredas de Guimarães Rosa. (Dissertação Mestrado Literatura Geral e Comparada), Université d'Angers, França, 2000.
AUBIN, Simone Pires Barbosa. Comprendre l´univers des mythes avec Guimarães Rosa et Michel Tournier. In: Maria José de Matos Luna ; Vera Moura. (Org.). Língua e Literatura: perspectivas teórico práticas. 1ª ed., Recife: Editora Universitária / UFPE, 2012, v. 1, p. 13-.
AUGUSTO, Sérgio. O fluxo desconcertante de Guimarães Rosa. Ilustrada, p. 45. São Paulo: Folha de São Paulo, 13.11.1985.
AVELAR, Gustavo Sapori. As Águas: Mitos e Rosa. Disponível no link. (acessado 12.12.2011).
AZEVEDO, Cristiane Sampaio de. O Sertão e sua desmedida: finitude e existência em Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa. (Tese Doutorado Ciência da Literatura) UFRJ, Rio de Janeiro, Fev. 2010. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
AZEVEDO, Cristiane Sampaio de. O Sertão Intuitivo de Riobaldo. Rio de Janeiro, UFRJ. Revista Garrafa, nº 11, vol. II out./Dez. 2006. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
AZEVEDO, Cristiane Sampaio de. O sertão sem fim: linguagem e existência em Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa. Anais do V Congresso de Letras da UERJ-São Gonçalo. Disponível no link.(acessado 10.12.2011)
AZEVEDO, Cristiane Sampaio de. Alegria – a descoberta do mundo em Guimarães Rosa. (Dissertação de mestrado), Rio de Janeiro UFRJ, 2003.
AZEVEDO, Cristiane Sampaio de. Em torno do silêncio em “Grande Sertão: Veredas”, de Guimarães Rosa. Anais, III CLUERJ-SG, 16-20 out. 2006. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
AZEVEDO, Cristiane Sampaio de. O tempo da poesia e do pensamento em Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa. In: Revista Línguas & Letras. Cascavel, Paraná, EDUNIOESTE, 2008.
BANDEIRA, Manuel. "O romance de Riobaldo". In: Poesia completa e prosa. 2 ed. Rio de Janeiro: Aguilar, 1967. p. 590-92. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
BARBIERI, Márcio José Pivotto. A construção do discurso duplo na personagem dúplice: estudo da duplicidade em "Grande Sertão: Veredas". In: VI Encontro de Língua e Literaturas Portuguesa, 2006, São Paulo.
BARBIERI, Márcio José Pivotto. A palavra em Grande Sertão: Veredas. In: SIMELP - I Simpósio Mundial de Estudos de Língua Portuguesa, 2008, São Paulo. Simpósio Mundial de Estudos de Língua Portuguesa. São Paulo: FFLCH-USP, 2008. v. 1.
BARBIERI, Márcio José Pivotto. A Palavra em Grande Sertão: Veredas. In: Maria Célia Lima-Hernandes; Maria João Marçalo; Guaraciaba Micheletti; Vima Lia de Rossi Martin. (Org.). A língua portuguesa no mundo. São Paulo: FFLCH-USP, 2008, v. , p. -. Disponível no link. (acessado em 9.12.2011).
BARBIERI, Márcio José Pivotto. O tempo fictício em Grande Sertão: Veredas: estudo do efeito estético da mímese temporal e do ato de leitura. (Dissertação Mestrado). São Paulo, Universidade de São Paulo (USP), 2007.
BARROS, Âmbar. Em Minas Gerais, a Globo revive o ‘Grande Sertão’. São Paulo: Folha de São Paulo, p. 41, 31.05.1985.
BARROS, Âmbar. Globo que Guimarães só para ela. Folha da Tarde, p. 18, 21.1.1985.
BARROS, Liliane Batista. A perspectiva da modalização épica nos romances "Grande sertão: veredas" de Guimarães Rosa e "Nós os do Makulusu" de José Luandino Vieira. In: Agnaldo Rodrigues da Silva. (Org.). Diálogos literários: literatura, comparativismo e ensino. 1 ed. São Paulo: Atelie Editorial, 2008, v. 1, p. 453-462.
BARROS, Liliane Batista. Um estudo do romance na perspectiva espacial em 'Grande sertão: veredas' de João Guimarães Rosa, e 'Nós, os do Makuluso' de José Luandino Vieira. MOARA, Belém-PA, v. 23, p. 119-129, 2005.
BARTABURU, Xavier. "O senhor tolere, isto é o sertão". Rio de Janeiro: UNIGRAN, Os caminhos da terra, ano/vol. 13, nº 161, set./2005. p. 28-43.
BESSA, Pedro Pires. Momentos visuais de Grande Sertão: Veredas. In: Seminário Internacional Guimarães Rosa. (1998: Belo Horizonte). Veredas do Rosa. (Org.) DUARTE, Lélia Parreira. et al. Belo Horizonte: PUC - Minas, CESPUC, 2000.
BICKEL, Claudiane Gurgel. A condição migrante e a ressignificação da subjetividade em Grande Sertão. In: VI Semana de Eventos da Faculdade de Letras (SEVFALE), 2006, Belo Horizonte, 2006.
BIZARRI, Eduardo. Guimarães Rosa e Vico: notas sobre uma poética rosiana. O Estado de São Paulo, 19 nov. 1972. (suplemento Literário).
BOLLE, Willi. Diadorim a paixão como médium-de-reflexão. In: Outras Margens: estudos da obra de Guimarães Rosa. (Org.) DUARTE, Lélia Parreira; ALVES, Maria Theresa Abelha. Belo Horizonte: Autêntica/PUC Minas, 2001.
BOLLE, Willi. Diadorim: a paixão como médium-de-reflexão. Revista USP. São Paulo, n. 50, p.80-99, junho/agosto, 2001.
BOLLE, Willi. grandesertão.br . São Paulo: Editora 34, Livraria Duas Cidades, Coleção Espírito Crítico, 2004.
BOLLE, Willi. O pacto em Grande Sertão: Veredas- esoterismo ou lei fundadora. Revista USP. São Paulo, n. 36, p.26-45, Dezembro-Fevereiro, 1997-1998.
BOLLE, Willi. Representação do povo e invenção de linguagem em grande Sertão: Veredas. SCRIPTA. Belo Horizonte, v. 5 n. 10, p. 352-366, 1º sem. 2002.
BOLLE, Willi. Sertão, é dentro da gente. O Estado de São Paulo, São Paulo, 1 jan. 2006. Aliás, p.J18.
BONOMO, Daniel Reizinger. Organização, exploração e divulgação do arquivo de João Guimarães Rosa do Instituto de Estudos Brasileiros. (Monografia Graduação Letras), São Paulo: Universidade de São Paulo, USP, 2003.
BONOMO, Daniel Reizinger. “Ventos de não deixar se formar orvalho” os romances Berlin Alexander Platz e Grande Sertão: veredas. Pandaemonium Germanicum, v. 11, p. 77-98, 2008. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
BONOMO, Daniel Reizinger. Colocutores em trânsito - Os tontos movimentos dos romances Grande sertão: veredas e Berlin. (Dissertação Mestrado Letras). Universidade de São Paulo, USP, 2007.
BONOMO, Daniel Reizinger. No caminho a encruzilhada: Riobaldo entre a formação e o pacto (resenha). Estudos Avançados (USP. Impresso), v. 25, p. 323-326, 2011.
BORGES, Telma. Mulheres que desenredam a tradição: uma leitura de “A vela ao Diabo” e de Desenredo”, de Guimarães Rosa. Disponível no link. (acessado 13.12.2011).
BORGES, Telma. Riobaldo e Nael: Identidades Bastardas. In: Osmar Pereira Oliva. (Org.). Os nortes e os sertões literários do Brasil. 1ª ed., Montes Claros: Unimontes, 2009, v. 1, p. 245-256.
BORSTEL, Clarice Nadir Von. Os empréstimos linguísticos em Grande Sertão: Veredas. Espéculo. Revista de estudios literarios. Universidad Complutense de Madrid, 2009. Disponível no link. (acessado 12.12.2011).
BRAGA, Rubem. Grande sertão: veredas. Diário de Notícias. Rio de Janeiro, 12 ago. 1956.
BRAIT, Elisabeth. Grande Sertão: veredas. Um avanço nas adaptações para TV. City News. São Paulo, p. 77. 22.12.1985.
BRANCO, Ana Lúcia. "Uma travessia letrada: a tranculturação em Grande sertão: veredas". Outra Travessia (UFSC), v. 2, p. 55-65, 2007.
BRANCO, Flávia Maria Ferreira. As Águas de Rosa. (Dissertação Mestrado). CESJF/MG, 2006. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
BRANCO, Joaquim. Plurilingüismo do Grande Sertão. Disponível no link. (acessado 12.12.2011)
BRASIL, Francisco Assis. Guimarães Rosa e a literatura Brasileira. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 30 dez. 1956 e 05/13 jan. 1957. (Suplemento Literário).
BUENO, Alexei. Grande sertão: veredas. Anais, Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande Sertão: Veredas e Corpo de Baile. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ, 25-27 set./2006. Disponível no link. (acessado 9.12.2011)
BUENO, Raquel Illescas. Seu corpo, sua culpa: a lepra à espreita em uma vereda do Grande Sertão. In: DUARTE, Lélia Parreira et al. (org.). Veredas de Rosa. Belo Horizonte: Editora PUC Minas, 2000.
BUENO, Raquel Illescas. Urutu-branco e o leproso: corpo e culpa em uma vereda do Grande Sertão. Letras, Curitiba, nº 49, p. 35-51, 1998. Editora UFPR.
BUSATTO, L. O amor alado em Grande Sertão: Veredas. In: ____. Amor de asas e outros ensaios. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1985. p. 43-58.
CALDAS, Tatiana Alves Soares. O cego e a criança no meio do redemoinho. Anais, Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande Sertão: Veredas e Corpo de Baile. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ, 25-27 set./2006. Disponível no link. (acessado 9.12.2011).
CALOR, Viviane Cristine. Vagar e navegar: pelo mar de Melville e o sertão de Rosa. Estudo comparativo entre Moby-Dick e Grande sertão: veredas. (Tese Doutorado Literatura). Universidade de São Paulo, USP, 2011.
CAMPOS, Augusto de. Um lance de “dês” do Grande Sertão. Revista do Livro, Rio de Janeiro, 4 (16): 9-27, dez. 1959.
CAMPOS, Jorge. Gran sertón: veredas. Ínsula, Madri, 22 (252): 11. Nov. 1967.
CAMPOS, Maria do Carmo. A Festa da nomeação em Grande Sertão: Veredas. In: NONADA - Letras em revista. Porto Alegre: Faculdade Ritter dos Reis. Ano 1, n. 1, ago/dez 1997.
CAMPOS, Vera Mascarenhas de. Borges & Guimarães na esquina rosada do grande sertão. (Dissertação Mestrado em Comunicação e Semiótica). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 1985.
CAMPOS, Vera Mascarenhas de. Borges & Guimarães na esquina rosada do grande sertão. São Paulo: Perspectiva, 1988. v. 1500. 177p. 
CANABRAVA, Euryalo. Compreensão de Guimarães Rosa. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 27 mai. 1956.
CANABRAVA, Euryalo. Guimarães Rosa e a linguagem literária. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 8 abr. 1956.
CANABRAVA, Euryalo. Técnica literária e técnica lingüística. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 2 dez. 1956.
CÂNDIDO, Antônio. O super-realismo de Guimarães Rosa. Disponível no link. (acessado 12.12.2011)
CÂNDIDO, Antônio. Jagunços e mineiros de Cláudio a Guimarães Rosa. In Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1977.
CÂNDIDO, Antônio. O homem dos avessos. In: Tese e antítese. São Paulo: Nacional, 1978.
CÂNDIDO, Antonio. O sertão e o mundo. Diálogo, São Paulo, n. 8, p. 5-18, nov. 1957.
CARDOSO, Afonso Ligório. As formas do medo em Grande sertão: veredas. (Tese Doutorado Estudos Literários). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, 2006.
CARDOSO, Afonso Ligório. O herói no tempo e no espaço de Grande sertão: veredas. Acta Científica. Ciências Humanas, v. 1, p. 64-79, 2003.
CARDOSO, Wilson. A estrutura da composição em Guimarães Rosa. In: LISBOA, Henriqueta et alii. Guimarães Rosa. Belo Horizonte, Centro de Estudos Mineiros. 1966, p. 31-50.
CARMELLO, Patrícia da Silva. Do contador de estórias à ficção de um país: notas sobre a memória no Grande Sertão: veredas. Anais, Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande Sertão: Veredas e Corpo de Baile. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ, 25-27 set./2006. Disponível no link. (acessado 9.12.2011).
CARMELLO, Patrícia da Silva. Memória e esquecimento no Grande Sertão: Veredas de João Guimarães Rosa - travessia e melancolia. (Tese Doutorado em Teoria Literária). Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 2011.
CARMELLO, Patrícia da Silva. No Devagar-Depresa dos Tempos: Memória e Esquecimento no Grande Sertão: Veredas. In: II Seminário Arte & Cidade, 2008, Salvador. II Seminário Arte e Cidade: Cultura, Memória e Contemporaneidade. Salvador: EDUFBA, 2008. v. 2. p. 1-16.
CARMELLO, Patrícia da Silva.Memória, montagem, construções.Anais do V Enletrarte, IFF Campos, 2012.
CARMELLO, Patrícia da Silva. Todos os Nomes e Nenhum: uma leitura da paisagem no Grande Sertão: veredas. Revista Litteris, v. 6, p. 164-178, 2010.
CARVALHO, Juliana Barros Prata. Sincretismo religioso brasileiro um estudo através das Veredas de Grande Sertão. (Dissertação Mestrado Ciências da Religião). São Paulo: PUC SP, 2007. Disponível no link. (acessado 10.12.2011). 
CARVALHO, Leomir Silva de. Tradução e criação literária em Gran Sertón: veredas: análise de processos neológicos da versão espanhola. (Dissertação Mestrado em Letras: Lingüística e Teoria Literária). Universidade Federal do Pará, UFPA, Brasil, 2013.
CARVALHO, Leomir Silva de. O ofício de traduzir Guimarães Rosa: estudo de processos neológicos em Gran sertón: veredas. Ave Palavra (UNEMAT), v. 7, p. 1-8, 2012.
CARVALHO, Leomir Silva de. Tradução e criação literária em Grande sertão: veredas: análise de processos neológicos da versão espanhola. In: VIII Seminário de Pesquisa em Andamento, 2011, Belém. Anais do VII SEPA Seminário de Pesquisas em Andamento. Belém: Editora da UFPA, 2011. v. 2. p. 92-100.
CARVALHO, Leomir Silva de; HOLANDA, Sílvio Augusto de Oliveira. O oficio de traduzir Guimarães Rosa: estudo de processos neológicos em Gran sertón: veredas. In: Ana maria de Moura Schäffer; Rosa Maria Olher. (Org.). Tradução, cultura e contemporaneidade. 1ª ed., Maringá: Edição da Autora, 2013, v. 1, p. 265-279.
CARVALHO, Leomir Silva de; HOLANDA, Sílvio Augusto de Oliveira. A narrativa transculturadora em Vicente Franz Cecim e João Guimarães Rosa. Revista Trama (UNIOESTE. Online), v. 10, p. 65-79, 2014.
CASTILHO, Levínio. No rastro de um personagem de Guimarães Rosa. In: Revista da Academia Mineira de Letras, vol. 33. Belo Horizonte, 2004.
CASTILHO, Levínio. Pesquisa sobre Grande Sertão: Veredas. Quem é Zé Bebelo. texto datilografado, Belo Horizonte, s/d.
CASTILHO, Priscila de Cássia Pinheiro. A travessia transcultural no sertão- mundo de Guimarães Rosa. In: Edgar Cézar Nolasco. (Org.). O objeto do desejo em tempos de pesquisa: projetos críticos na pós- graduação. 1ª ed., Rio de Janeiro: Corifeu, 2008, v. 1.
CASTILHO, Priscila de Cássia Pinheiro. O sertão além das fronteiras: a revitalização do regionalismo na formação da identidade nacional na obra Grande sertão: veredas de Guimarães Rosa. In: XI Congresso Internacional da ABRALIC- Associação Brasileira de Literatura Comparada, 2008, São Paulo. XI Congresso Internacional da ABRALIC- Associação Brasileira de Literatura Comparada, 2008.
CASTILHO, Priscila de Cássia Pinheiro. Veredas de transculturação: a travessia identirária nacional em Grande sertão: veredas, de João Guimarães Rosa. (Dissertação Mestrado Letras). Universidade Federal do Mato Grosso do Sul - Três Lagoas, 2009.
CASTILHO, Priscila de Cássia Pinheiro; NOLASCO, E. C. Sou só um sertanejo: a identidade da margem em Grande sertão: veredas de Guimarães Rosa. In: Edgar Cézar Nolasco; Vânia Maria Lescano Guerra. (Org.). (Org.). Culturas do contemporâneo: projetos locais/ leituras globais. Campo Grande: UFMS, 2010, v. 1, p. 101-115.
CASTRO, Manuel Antonio de. Grande Ser-tão: a travessia. Anais, Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande Sertão: Veredas e Corpo de Baile. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ, 25-27 set./2006. Disponível no link. (acessado 9.12.2011)
CASTRO, Manuel Antonio de. O homem provisório no Grande sertão: um estudo de Grande Sertão: Veredas. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1976.
CASTRO, Manuel Antônio de. Os três ser-tões de Grande sertão: veredas. Maio, 2007. Disponível no link. (acessado 13.12.2011)
CASTRO, Nei Leandro de. Universo e vocabulário do Grande Sertão. Rio de Janeiro: José Olympio, 1970.
CÉZAR, Adelaide Caramuru. A encruzilhada da decisão: o pacto com o diabo em Grande Sertão: veredas. Anais do Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande Sertão: Veredas & Corpo de Baile. Faculdade de Letras/UFRJ, 25-27 set./2006. Disponível no link. (acessado 9.12.2011)
CÉZAR, Adelaide Caramuru; PIRES, Iris Cristina Nischitani de Oliveira. O Liso do Sussuarão: espaço da dissolução. In: XVI Seminário do Centro de Estudos Lingüísticos e Literários do Paraná (XVI CELLIP), 2004, Londrina - PR. Anais do XVI Seminário do CELLIP. Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 2004.
CHAVES, Flávio Loureiro. Perfil de Riobaldo. In: Coleção Fortuna Crítica 6 - Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.
CHIAPPINI, Lígia. (Org.); VEJMELKA, Marcel. (Org.). Welt des Sertão / Sertão der Welt. Erkundungen im Werk João Guimarães Rosas. 1. ed. Berlin: edition tranvía, 2007. v. 1. 176 p.
CHIAPPINI, Lígia. Grande Sertão: Veredas. a metanarrativa como necessidade diferenciada. In. Scripta (edição especial do Seminário Internacional Guimarães Rosa). Belo Horizonte: PUC Minas, CESPUC, 1997.
COELHO, Marco Antônio Tavares. As diversas vidas de Zé Bebelo. In: Revista Estudos Avançados. São Paulo: Instituto de Estudos Avançados da USP, 2003. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
COELHO, Marco Antônio. A magia dos sertões desperta o Brasil. IEA/USP - Revista Estudos Avançados v. 20 nº 58, 2006. Disponível no link. (acessado 13.12.2011)
CORDEIRO, Robson Costa. O Sertão de Riobaldo: uma leitura a partir de Nietzsche. Revista Trágica: Estudos sobre Nietzsche – 1º semestre 2008 – Vol.1 – nº1 – pp. 98-106. Disponível no link. (acessado 13.12.2011)
CORGOSINHO, Rosângela Ramos. O sujeito e o objeto no sertão de Riobaldo. In: II Seminário Internacional Guimarães Rosa, 2001, Belo Horizonte. Veredas de Rosa II. Belo Horizonte: Editora PUCMINAS, 2001. p. 707-712.
CORGOSINHO, Rosângela Ramos. As figuras do feminino em Grande sertão: veredas, de João Guimarães Rosa. In: IX Seminário Nacional Mulher & Literatura, 2001, Belo Horizonte. IX Seminário Nacional Mulher & Literatura, 2001.
CORGOSINHO, Rosângela Ramos. O narrador Riobaldo-passar pelo escrito: a transmissão de experiência em Grande Sertão: Veredas. (Dissertação Mestrado Letras) Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2004.
CORPAS, Danielle dos Santos. "Tudo tinha de semelhar um social": perspectiva crítica e retórica justificadora no narrador de Grande sertão: veredas. Terceira Margem, Rio de Janeiro, v. 12, n. 12, p. 91-103, 2005. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
CORPAS, Danielle dos Santos. A "reprise" de Kierkegaard no Grande sertão: veredas. In: Seminário Internacional Guimarães Rosa, 2000, Belo Horizonte. Veredas de Rosa. Belo Horizonte: Editora PUC Minas, 2000. p. 168-172.
CORPAS, Danielle dos Santos. A crítica literária brasileira e o Grande sertão: veredas. Revista Garrafa (PPGL/UFRJ. Online), v. 3, p. 2, 2004.
CORPAS, Danielle dos Santos. A tragédia da modernidade nas veredas do Grande Sertão. (Graduação Letras) Rio de Janeiro: UFRJ, 1994.
CORPAS, Danielle dos Santos. Forma Literária e experiência brasileira no Grande sertão: veredas. In: IX Congresso Internacional ABRALIC, 2004, Porto Alegre. IX Congresso Internacional da Abralic - Travessias 2004, 2004. p. 1-5.
CORPAS, Danielle dos Santos. Grande sertão e universo urbano. Revista Garrafa (PPGL/UFRJ. Online), v. 10, p. 5, 2006.
CORPAS, Danielle dos Santos. Grande sertão: veredas - um grande romance e alguns impasses para a crítica. In: BUENO, André (Org.). Literatura e sociedade: narrativa, poesia, cinema, teatro e canção popular. 1 ed. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2006, v. , p. 129-143.
CORPAS, Danielle dos Santos. Grande Sertão: Veredas e formação brasileira. Revista da ANPOLL, v. 24, p. 261-288, 2008. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
CORPAS, Danielle dos Santos. O jagunço arrivista e o leitor de Grande sertão: veredas - notas sobre um ensaio de José Hildebrando Dacanal. In: Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande sertão: veredas e Corpo de Baile, 2006, Rio de Janeiro. Anais do Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande Sertão: veredas e Corpo de Baile. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras da UFRJ, 2006. p. 185-198. Disponível no link. (acessado 9.12.2011).
CORPAS, Danielle dos Santos. O jagunço somos nós: visões do Brasil na crítica de Grande Sertão: veredas. (Tese de doutorado Letras), Rio de Janeiro: UFRJ, 2006.
CORPAS, Danielle dos Santos. Riscos das veredas: o pensamento trágico no Grande Sertão. (Dissertação Mestrado Literatura) Rio de Janeiro: UFRJ, 1999.
CORPAS, Danielle dos Santos. Transcendência do regional e modo de ser jagunço: observações de Antonio Candido sobre Grande sertão: veredas. Itinerarios (UNESP. Araraquara), v. 25, p. 65-85, 2007.
CORPAS, Danielle dos Santos. Veredas de Diadorim: o pensamento trágico no Grande sertão: veredas. Range Rede - revista de literatura, Rio de Janeiro, v. 3, p. 33-41, 1996.
CORRÊA, Maria Clara Queiroz. O Liso do Sussuarão - convergências entre a filosofia de Deleuze e a ficção de Rosa. Revista Ipotesi, Juiz de Fora, v. 8, n. 1 e n. 2, p. 119-130, jan/jun e jul/dez 2004.
CORREIA FILHO, João. Grande Sertão: imagens - ensaio fotográfico. Disponível no link. (acessado 12.12.2011)
COSTA JÚNIOR, Josias. O problema do mal a partir da obra Grande sertão: veredas. Um diálogo entre literatura e religião. Anais, Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande Sertão: Veredas e Corpo de Baile. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ, 25-27 set./2006. Disponível no link. (acessado 9.12.2011).
COSTA JÚNIOR, Josias. Teologia e literatura: o problema do mal a partir de Grande sertão: veredas. In: Eliana Yunes e Maria Clara Lucchetti Bingemer. (Org.). O bem e o mal em Guimarães Rosa. 1 ed. Rio de Janeiro: PUC-Rio/Uapê, 2008, v. , p. 65-79.
COSTA, Aline de Mattos da. Memória Poética - A Constituição do Mundo Memorável em Grande Sertão Veredas, João Guimarães Rosa. (Dissertação de Mestrado Literatura). Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, 2006. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
COSTA, Walter Carlos. Un roman brésilien en français. Questions de traduction à propos de Grande Sertão: Veredas de J. Guimarães Rosa. (Dissertação Mestrado em Romaanse Filologie). Katholieke Universiteit Leuven, K.U.L., Bélgic, 1980.
COSTA, Walter Carlos. O Guimarães Rosa holandês de August Willemsen. Nonada (Porto Alegre), v. 10, p. 179-189, 2007.
COUTINHO, Afrânio. (dir) Guimarães Rosa: Seleção de textos. COUTINHO, Eduardo de Faria. (coord.) Coleção Fortuna Crítica. Civilização Brasileira, 1991.
COUTINHO, Eduardo de Faria. Grande Sertão: Veredas - travessias. São Paulo: Editora É Realizações, 2013, 136p.
COUTINHO, Eduardo de Faria. Diadorim e a desconstrução do olhar dicotômico em Grande Sertão: Veredas. In. Outras Margens: estudos da obra de Guimarães Rosa. (org.) DUARTE, Lélia Parreira; ALVES, Maria Theresa Abelha. Belo Horizonte: Autêntica/PUC Minas, 2001.
COUTINHO, Eduardo de Faria. Diadorim e a desconstrução do olhar dicotômico em Grande sertão: veredas. In: Duarte, L.P. & ALVES, M.T.A.. (Org.). Outras margens. Estudos da obra de Guimarães Rosa. Belo Horizonte: Autêntica, 2001, v. , p. 37-48.
COUTINHO, Eduardo de Faria. Em busca da terceira margem: ensaios sobre o Grande Sertão: Veredas. Salvador: Casa de Jorge Amado, 1993, p. 110.
COUTINHO, Eduardo de Faria. Grande sertão: veredas y el lenguaje literario. In: D'ANGELO, Biagio. (Org.). Verdades y veredas de Rosa. Ensayos sobre la narrativa de João Guimarães Rosa. 1 ed. Lima, Peru/Belo Horizonte: Fondo Editorial de la Universidad Catolica Sedes Sapientiae/Ed. PUC-Minas, 2004, v. 00, p. 75-90.
COUTINHO, Eduardo de Faria. La desconstrucción de la mirada dicotómica en Grande sertão: veredas. Poligramas, Universidad del Valle, v. 18, p. 29-40, 2002.
COUTINHO, Eduardo de Faria. La desconstrucción de la mirada dicotómica en Grande sertão: veredas de Guimarães Rosa. Taller de Letras (Santiago), v. 44, p. 35-44, 2009.
COUTINHO, Eduardo de Faria. O deus e o diabo de Guimarães Rosa. Jornal da UFRJ, Rio de Janeiro, p. 24 - 24, 14 mar. 2006.
COUTINHO, Eduardo de Faria. O Logos e o Mythos no universo narrativo de Grande sertão: veredas. Publicado em: SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 5, n. 10, p. 112-121, 1º sem. 2002. Disponível no link. (acessado 10.12.2011);/ São Paulo: Ângulo 115, out./dez., 2008, p. 58-65. Disponível no link. (acessado 10.12.2011);/também publicado em: Contexto. Revista Anual de Estudios Literarios, v. 12, p. 00-00, 2008.
COUTINHO, Eduardo de Faria. The "Synthesis" Novel. In Latin America: A Study On João Guimarães Rosa'S Grande Sertão: Veredas. Chapel Hill, NC, EUA: North Carolina Studies in Romance Languages & Lits., 1991. 170 p.
COUTINHO, Eduardo de Faria. The Synthesis Novel in Latin America, with Special Reference to J.G.Rosa's Grande Sertão: Vereda. (Tese Doutorado Literatura Comparada), University of California, U.C., Estados Unidos. 1983.
COUTINHO, Eduardo de Faria. Tradição e ruptura na obra de Guimarães Rosa. In: Seminário Nacional Guimarães Rosa: 50 Anos de Grande sertão: veredas, 2006, São Leopoldo. ., 2006.
COVIZZI, Lenira. Grande Sertão: Veredas, no Brasil, em dias de época. In: Seminário Internacional Guimarães Rosa. (2001: Belo Horizonte). Veredas do Rosa II. (org.) DUARTE, Lélia Parreira. et al. - Belo Horizonte: PUC Minas, CESPUC, 2003.
DACANAL, José Hildebrando. A epopéia riobaldiana. In: ______. Nova narrativa épica no Brasil. Porto Alegre: Sulina, 1973. p. 7-108.
DACANAL, José Hildebrando. Grande sertão: veredas – guia de leitura. Porto Alegre, Mercado Aberto, 1985.
DACANAL, José Hildebrando. Grande sertão: veredas ou a apologia do imanente. Correio do Povo, Porto Alegre, 06 dez. 1969.
DAIBERT, Arlindo. Imagens do Grande sertão. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 1998. 147 p.
DAMASSENO, Darci. A audaz bandeirante e o grande sertão. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 20 out. 1968.
DANIEL, Mary Lou. João Guimarães Rosa: travessia literária. Rio de Janeiro, José Olímpio, 1968.
DANTAS, Paulo. A obra de Guimarães Rosa. Revista Brasiliense. São Paulo, mar./abr. 1957.
DANTAS, Paulo. Os sertões como tema literário. Revista Brasiliense. São Paulo, maio/jun. 1956.
DANTAS, Paulo. Variações sobre o tema: Guimarães Rosa. Diálogo, São Paulo (8): 65-70, Nov. 1957.
DEMETRIO, Everton. História política e ficção: Veredas de tradição e modernidade no sertão rosiano. Revista eletrônica história em reflexão (UFGD), v. vol. 5, p. 1-28, 2011.
DEMETRIO, Everton. Diálogos de Ficção e História: tradição e modernidade no Grande Sertão de Guimarães Rosa. Mneme (Caicó. Online), v. 12, p. 295-323, 2011.
DIAS, Fernando Correia. Aspectos sociológicos de Grande sertão: veredas. In: COUTINHO, Eduardo F. (Org.). Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983. p. 390-407.
DIAS, Renata Codeço. Enveredando: Experiência e Memória no Grande Sertão de Guimarães Rosa. (Dissertação Mestrado Psicologia). Niterói: Universidade Federal Fluminense, UFF, 2005.
DIONÍSIO, Dejair. O fado de Riobaldo em Grande Sertão: veredas. Disponível no link. (acessado 13.12.2011).
DIXON, Paul. Forms and Functions of Ambiguity in Dom Casmurro, Grande sertão veredas, Pedro Páramo and Cien años de soledad. (Tese Doutorado em Romance Languages). University of North Carolina at Chapel Hill, UNC-CH, Estados Unidos, 1981. 
DOMINGOS, Javier. João Guimarães Rosa y La alegria. Revista do Livro, Rio de Janeiro, 5 (17): mar. 1960.
O original Grande Sertão: Veredas
DOSSE, Mathieu. De la traduction comme choc: Guimarães Rosa traduit. Quadrant (Montpellier), v. 25-26, p. 151-166, 2009.
DOSSE, Mathieu. Ler Guimarães Rosa em traduções. Vínculo (Unimontes), v. 9, p. 125-134, 2008.
DRUMOND, Josina Nunes. As dobras do Sertão: palavra e imagem. (Tese Doutorado Comunicação e Semiótica). São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 2004.
DRUMOND, Josina Nunes. As dobras do sertão: palavra e imagem. 1ª  ed., São Paulo: Annablume, 2008. v. 1. 319 p.
DRUMOND, Josina Nunes. As dobras do sertão: a tensão barroca em Guimarães Rosa. In: Congresso Modernidades e Pós-modernidades 2, 2003, Vitória. Modernidades e Pós-modernidades 2: perspectivas contemporâneas da Teoria Literária. Vitória: Flor&cultura, 2003. v. 1. p. 172-182.
DRUMOND, Josina Nunes. As neblinas da narrativa em Grande sertão: veredas. Kalíope (PUCSP), v. 1, p. 122-141, 2005.
DRUMOND, Josina Nunes. As neblinas da travessia: uma tradução intersemiótica. Revista Alpha (Patos de Minas), v. 1, p. 210-217, 2005.
DRUMOND, Josina Nunes. Fronteiras movediças: O hibridismo em Grande Sertão: Veredas. Hispanista (Ed. Portuguesa), v. 1, p. Disponível no link. (acessado 13.12.2011).
DRUMOND, Josina Nunes. Obras e dobras: as fronteira de Grande sertão: veredas. Revista da APG (PUCSP), v. 1, p. 163-176, 2004.
DRUMOND, Josina Nunes. Obras e dobras: as fronteiras de Lotman e as dobras de Deleuze em GSV. Ângulo (FATEA. Impresso), v. 1, p. 37-46, 2004.
DRUMOND, Josina Nunes. Travessia sem fronteiras: as fronteiras movediças em Grande Sertão: veredas. Signum (Vitória), v. 1, p. 111-122, 2000.
DURÃES, Fani Schiffer. O mito de Fausto em Grande Sertão: Veredas. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 1999.
DURÃES, Fani Schiffer. O Mito de Fausto em Grande sertão: Veredas. (Tese Doutorado Filosofia). Albert-Ludwigs-Universität-Freiburg. Alemanha, 1996.
DURÃES, Fani Schiffer. Riobaldo und Faust - Untersuchung zum Faust Mythos bei João Guimarães Rosa. 1. ed. Bonn - Alemanha: Romanistischer Verlag, 1996. v. 1000. 237p.
ESCALLÓN, Bairon Oswaldo Vélez. Grande Sertão: cordilheiras. Revista Landa, v. 1, p. 1-25, 2012.
ESCALLÓN, Bairon Oswaldo Vélez. Grande Sertão: Cordilleras. Literatura: teoría, historia, crítica, v. 13, p. 121-156, 2011.
ESCALLÓN, Bairon Oswaldo Vélez. El lenguaje y la muerte en Gran Sertón: Veredas. Conjecturas, v. 14, p. 35-50, 2009.
ESCALLÓN, Bairon Oswaldo Vélez. A linguagem e a morte em Grande Sertão: Veredas. Revista Alpha, v. 10, p. 133-146, 2009.
FACÓ, Rui. O romance do Sr. Guimarães Rosa e o problema da terra no Brasil. Estudos Sociais. Rio de Janeiro: UFRJ. n 2, 1958, p. 185-189.
FANTINATTI, Tatiana Arze. Mitotradução em Grande Sertão: Veredas - enfoque descritivo e receptivo da interculturalidade ítalo-brasileira. (Tese Doutorado Letras Neolatinas). Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 2009.
FANTINATTI, Tatiana Arze. Grande Sertão italiano: a questão da co-autoria do tradutor. In: XI Encontro Regional da ABRALIC, 2007, São Paulo. Ainda em edição, 2007.
FANTINATTI, Tatiana Arze. A tarefa do tradutor segundo Guimarães Rosa e Edoardo Bizzarri. In: Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande sertão: veredas & Corpo de Baile- UFRJ, 2006, Rio de Janeiro. CD, 2006.
FERES, Anaximandro Lourenço Azevedo; SANTOS, Anderson A. dos. A literatura desafia o direito. Grande Sertão Veredas, – uma antecipação do problema sócio-político de segurança pública no Brasil. In: XVI Congresso Nacional do CONPEDI - Conselho Nacional de Pesquisa e Pós Graduação em Direito, 2008, Belo Horizonte - MG. Anais do XVI Congresso Nacional do CONPEDI - Conselho Nacional de Pesquisa e Pós Graduação em Direito. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2008. v. único. p. 4860-4872. Disponível no link. (acessado 13.12.2011)
FERES, Anaximandro Lourenço Azevedo; SANTOS, Anderson A. dos. Política de Justiça Privada no Brasil retratada na obra Grande Sertão: veredas. Revista da Faculdade Mineira de Direito ( PUCMG), v. 1, p. 7-12, 2007.
FERREIRA, Cláudia Andréa Prata. Riobaldo, narrador-personagem, realiza a procura do sentido da sua existência emaranhando-se pelas veredas narrativas. Anais, Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande Sertão: Veredas e Corpo de Baile. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ, 25-27 set./2006. Disponível no link. (acessado 9.12.2011)
FERREIRA, Raul Azevedo de Andrade. Entre o balde e o rio: da força da verdade à verdade da força. In: XI Encontro Regional da Associação Brasileira de Literatura Comparada, 2007, São Paulo. Literatura, Artes, Saberes. São Paulo: ABRALIC, 2007. p. 1-10.
FERREIRA, Raul Azevedo de Andrade. Urutu: Riobaldo (mais do que)-ele-mesmo. Recife: Revista Investigações, vol. 19, n 1, 2006 p. 131-163. (artigo 06). Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
FERREIRA, S. T. L. Travessia geográfica pelo “Grande Sertão: Veredas”. Caderno de Geografia, Belo Horizonte, PUC/MG, vol.4, n.5, p.31-39, dez/1993.
FERRI, Debora. Lélio e Riobaldo: seus amores de prata, seus amores de ouro. (Tese Doutorado Estudos Literários). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, 2007.
FERRI, Debora. Lélio e Riobaldo: seus amores de prata, seus amores de ouro. In: IV Seminário de pesquisa, 2003, Araraquara. Anais do IV Seminário de Pesquisa. Araraquara : Editora UNESP, 2003.
FIGUEIREDO, Ana Maria Camargo. O sertão e o jagunço na TV brasileira: um reencontro com a identidade nacional. Communicare (São Paulo), SÃO PAULO, v. 1, n. 1, p. 57-74, 2001.
FIGUEIREDO, Ana Maria Camargo. Regionalismo na TV: o Sertão e o Jagunço - Uma travessia da literatura para a TV. (Tese Doutorado Ciências da Comunicação) São Paulo: Universidade de São Paulo, USP, 2000.
FLUSSER, Vilém. Guimarães Rosa e a geografia. Kriterion: Revista de Filosofia. Belo Horizonte: UFMG, v.10, n.3, p. 275-278, 1969.
FORTES, Rita Félix. Representação da imagem feminina e do mito da cordialidade em Guimarães Rosa: uma leitura comparativa com Borges, Flaubert, Musil, D’aurevilly e Poe. Anais do Seta, Nº 1, 2007. Disponível no link. (acessado em 9.12.2011).
FRANCA, Denise Carrascosa. Confessando a carne em Grande Sertão: veredas. (Dissertação Mestrado em Estudos Lingüísticos e Literários). Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia, 2005.
FRANCA, Denise Carrascosa. Confessando a carne em Grande sertão: veredas. Quinto Império (Salvador), SAlvador/BA, v. 1, p. 99-122, 2005.
FRANCA, Denise Carrascosa. Confessando a carne em Grande Sertão: veredas. In: Revista Inventário. 4. ed., jul/2005. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
FRANCO, Afonso Arinos de Melo. A travessia de João Guimarães Rosa. Tribuna da Imprensa, Rio de Janeiro, 27 fev. 1957.
FREIRE, Marcio. A lei e a morte no Grande Sertão. (Dissertação Mestrado Letras). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2002.
FREIRE, Marcio. A lei e a morte no Grande sertão. Investigações (UFPE. Impresso), v. 21, p. 123-141, 2008.
FREIRE, Marcio. Exílio e morte social em Grande sertão: veredas. Vértices (Campos dos Goitacazes), v. 6, p. 131-143, 2004.
FREIRE, Marcio. O mundo à revelia. Grande sertão: veredas. Vértices (Campos dos Goitacazes), v. 7, p. 115-127, 2005.
GALVÃO, Walnice Nogueira. O Mago do Verbo. SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 5, n. 10, p. 343-351, 1º sem. 2002. Disponível no link. (acessado 13.12.2011)
GALVÃO, Walnice Nogueira. A donzela-guerreira – Um estudo de gênero. São Paulo: SENAC-SP, 1998.
GALVÃO, Walnice Nogueira. As formas do falso: um estudo sobre a ambigüidade no Grande Sertão: veredas. 1ª edição, São Paulo: Perspectiva, 1972.
GALVÃO, Walnice Nogueira. Chinesices no sertão: Um conto de Guimarães Rosa « Poussières d’Asie » na literatura brasileira. Lusotopie 2000, p. 283-293. Disponível no link. (acessado 15.12.2011)
GALVÃO, Walnice Nogueira. Metamorfoses do sertão. São Paulo: Estudos Avançados, Vol. 18, nº 52, p. 375-394. Dez. 2004. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
GALVÃO, Walnice Nogueira. Mitológica rosiana. São Paulo: Ática 1978.
GALVÃO, Walnice Nogueira. O certo no incerto: o pactário. In: COUTINHO, Eduardo F. (Org.), Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1983.
GAMA, Mônica. A ficção de leitor em Grande Sertão: Veredas. Anais, Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande Sertão: Veredas e Corpo de Baile. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ, 25-27 set./2006, p. 470-478. Disponível no link. (acessado 9.12.2011)
GERSEN, Bernardo. Veredas no Grande Sertão. In: Coleção Fortuna Crítica 6- Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.
GINZBURG, Jaime. A narração fragmentária em Grande Sertão: Veredas. In: Nonada: Letras em revista. Nº 1, Ano 1, Porto Alegre: Faculdades Integradas do Instituto Ritter dos Reis, 1997, pp.61-71.
GODINHO, Josué Borges de Araújo. Diálogos possíveis: linguagem e existência em Grande Sertão: Veredas. In: XI Congresso Internacional da ABRALIC: Tessituras, Interações, Convergências, 2008, São Paulo. Anais digitais do XI Congresso Internacional da ABRALIC, 2008.
GODINHO, Josué Borges de Araújo. O Caminho Enviesado: A Vida Re-Apresentada Em Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa. (Dissertação Mestrado Estudos Literários) Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2007. Disponível no link. (acessado 16.12.2011)
GODINHO, Josué Borges de Araújo. O caminho enviesado: a vida re-apresentada em Grande sertão: veredas, de João Guimarães Rosa. Em Tese (Belo Horizonte), v. 12, p. 84-90, 2008. Disponível no link. (acessado 16.12.2011)
GONÇALVES, Adelto Rodrigues. Grande Sertão: Brasil. Disponível no link. (acessado 15.12.2011).
GONTIJO, Sebastião Rafael. O Xamanismo em Grande Sertão Veredas. (Dissertação Mestrado em Letras e Linguística). Universidade Federal de Goiás, UFG, 2000.
GROKE, Henrique de Toledo. Despactários no Diverso: Grande Sertão: Veredas e a poética da Relação. (Dissertação Mestrado Letras). São Paulo: Universidade de São Paulo, USP, 2011.
GRUNEWALD, José Lino. Mais vale meio Diadorim que um Roque inteiro. Folhetim, p. 3, São Paulo: Folha de São Paulo, 1.12.1985.
GUIMARÃES, Maria da Conceição Oliveira. Riobaldo - Misto de cavaleiro andante e de herói moderno. PREÁ – Revista de Cultura – Natal, RN – nº 12, Maio/ junho 2005, p. 44–47. Disponível no link. (acessado 16.12.2011)
GUIMARÃES, Mayara Ribeiro. O homem hierofânico em Grande sertão: veredas. Anais, Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande Sertão: Veredas e Corpo de Baile. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ, 25-27 set./2006. Disponível no link. (acessado 9.12.2011)
GUIMARÃES, Solange T. de Lima. Espaço e lugar no Grande Sertão: Veredas. In: Seminário Internacional Guimarães Rosa. (2001: Belo Horizonte). Veredas do Rosa II. (org.) DUARTE, Lélia Parreira. et al. . Belo Horizonte: PUC Minas, CESPUC, 2003.
GUIMARÃES, Solange T. de Lima. Nas trilhas do “Grande sertão: veredas” –interpretando seus espaços e lugares. OLAM Ciência & Tecnologia Rio Claro/SP, Brasil Ano VI Vol. 6 No 1 Pag. 121-143, Maio/2006. Disponível no link. (acessado 9.12.2011)
HAAS, Vera. Um romance para Riobaldo ou os romances do Brasil. Nau Literária (UFRGS), v. 04, p. 1-15, 2008. Disponível no link. (acessado 16.12.2011)
HANSEN, João Adolfo. Grande Sertão: Veredas e o ponto de vista avaliativo do autor. Asas da Palavra (UNAMA), v. 10, p. 125-135, 2008.
HANSEN, João Adolfo. Grande Sertão: Veredas e o ponto de vista avaliativo do autor. Nonada (Porto Alegre), v. 10, p. 57-75, 2007.
HANSEN, João Adolfo. O sertão de Rosa: uma ficção da linguagem. In: Seminário Internacional Guimarães Rosa, 2006, Belo Horizonte. Seminário Guimarães Rosa. Belo Horizonte: Secretaria de Estado de Cultura/Suplemento Literário de Minas Gerais, 2006. v. 1. p. 55-57.
HANSEN, João Adolfo. OO: a ficção da literatura em Grande sertão: veredas. São Paulo: Hedra, 2000.
HANSEN, João Adolfo. OO: a ficção da literatura em Grande sertão: veredas. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade de São Paulo, USP, 1983.
HAZIN, Elizabeth de Andrade Lima. De Aquiles a Rio0baldo: ação lendária no espaço mágico. In: Elga Laborde; João Vianney. (Org.). Em torno à integração (ensaios). Brasília: UnB/Instituto de Letras, 2008, v., p. 105-110.
HAZIN, Elizabeth de Andrade Lima. De Aquiles A Riobaldo - Ação Lendária no Espaço Mágico. Revista da ANPOLL, v. 24, p. 291-303, 2008. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
HAZIN, Elizabeth de Andrade Lima. No nada, o infinito (da gênese do Grande sertão: veredas). (Tese Doutorado em Letras) Brasília: Universidade de Brasília, UnB, 1991.
HAZIN, Elizabeth de Andrade Lima. No nada, o infinito (da gênese do Grande sertão: veredas). In: LANCIANI, Giulia (org.) João Guimarães Rosa - Il che delle cose. Roma: Bulzoni Editore, 2000, v.3, p. 135-175.
HAZIN, Elizabeth de Andrade Lima. O aproveitamento de resíduos literários no Grande Sertão. Brasília: Cerrados (UnB), v. 25, p. 137-146, 2008.
HAZIN, Elizabeth de Andrade Lima. O arquivo como espelho: reflexos no Grande Sertão de artigos de revistas encontrados no arquivo Guimarães Rosa. In: OLIVEIRA, Luiz Claudio Vieira de; MENDES, Lauro Belchior. (org.) A astucia das palavras. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998, v., p. 23-34.
HAZIN, Elizabeth de Andrade Lima. Os nomes ocultos de Riobaldo e Diadorim. In Anais do III Encontro de Ecdótica e Crítica Genética, João Pessoa: UFPB, 1993, p. 329-336.
HAZIN, Elizabeth de Andrade Lima. Uma leitura do Grande sertão: veredas. In: Deane Fonseca; Ana Laura Correa; Germana H. Pereira. (Org.). Questões dialéticas da produção literária em nação periférica. Brasília: CEELL, 2009, v. 1, p. 194-207.
HEMILEWSKI, Ada Maria. Grande Sertão: Veredas - Uma travessia no tempo e no espaço. Expressão (Santa Maria), Campus Universitário de Santa, v. 1, p. 71-76, 2005.
HEMILEWSKI, Ada Maria. O Mito Fáustico em Grande Sertão: Veredas. Anais do Seminário Nacional de Estudos Literários, Seminário de Estudos Literários da Região Sul; Seminário Internacional de Estudos Literários, v. II, p. 39-44, 2009.
HEMILEWSKI, Ada Maria. O mito fáustico em Grande sertão: veredas. Revista Língua & Literatura, v. 8, p. 133-141, 2006.
HENRIQUES, Irineide Santarém André. A travessia pelo sertão como percurso analítico em Grande Sertão: veredas. Psicanálise & Barroco em Revista, v. 15, p. 1-23, 2010.
HENRIQUES, Irineide Santarém André. Literatura e Psicanálise; Barroco e Feminino em Grande Sertão: Veredas. (Dissertação Mestrado Letras-Literatura). Juiz de Fora: Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora, 2008. Disponível no link. (acessado 12.12.2011)
HOISEL, Evelina. Grande sertão: veredas - uma escritura biográfica. Salvador: Assembléia Legislativa do Estado da Bahia; Academia de Letras da Bahia, 2006.
HOLANDA, Lourival. O Rosa dos ventos. Disponível no link. (acessado 15.12.2011)
HOLANDA, Sílvio Augusto de Oliveira. Cinqüenta anos de Grande Sertão: Veredas. In: Congresso da ASLIPA, 2008, Belém. Anais do Congresso da ASLIPA. Belém: Gráfica da UFPA, 2008. v. 1. p. 119-122.
HOLANDA, Sílvio Augusto de Oliveira. Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa: estudo da recepção crítica. In: X Fórum Paraense de Letras, 2005, Belém. X Fórum Paraense de Letras. Belém: Editora da UNAMA, 2004. p. 1-20.
HOLANDA, Sílvio Augusto de Oliveira. O sertão é dentro da gente. Asas da Palavra, Belém, v. 6, n. 13, p. 75-77, 2002.
HOLANDA, Sílvio Augusto de Oliveira. O trágico em Guimarães Rosa: Grande Sertão: Veredas. MOARA, Belém, v. 21, n. 21, p. 167-180, 2004.
JAHARA, Joana. O Deus e o Diabo de Guimarães Rosa. Jornal UFRJ, mar./2006, p. 24. Disponível no link(acessado 12.12.2011)
JOHNSON, Maria Amália. A paixão de Diadorim segundo Riobaldo. In: Colóquio Letras. Nº 76, Nov. Lisboa: Fundação Gulbenkian, 1983.
KIRCHNER, Cássia Aparecida Sales Magalhães; KIRCHNER, Renato. Representações discentes e docentes em Grande Sertão: veredas. V Congresso de ensino e pesquisa de história da educação em Minas Gerais. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
KOEHLER, Jaqueline. Grande Sertão: Veredas e as Figurações do Brasil. Revista das Faculdades Santa Cruz, v. 6, n. 1, janeiro/junho 2007.
KOEHLER, Jaqueline. Lugar Sertão se divulga: É onde a cidade carece de fechos. (Dissertação Mestrado). Curitiba: Universidade Federal do Paraná, UFPR, 2007.
KOEHLER, Jaqueline. Memória, história nacional e espacialidade em Grande sertão: veredas. In: XII Congresso Internacional da ABRALIC, UFPR - Curitiba, jul. 2011. Disponível no link. (acessado 15.12.2011).
KOSSOSKI, Dalton Paulo. O julgamento de Zé Bebelo. (Dissertação Mestrado em Linguagem, Identidade e Subjetividade). Universidade Estadual de Ponta Grossa, UEPG, Brasil, 2011.
KOVALSKI, Josoel. Motivos Míticos e Daemonização em Guimarães Rosa. União da Vitória/PR: Revista Luminaria, vol. 1, nº 9, 2008. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
KUTZENBERGER, S. Europa in Grande Sertao: Veredas. Grande Sertao: Veredas in Europa. Amsterdam: Rodopi, 2005.
LACERDA, Aurélio Gonçalves de. D’Os Sertões ao Grande Sertão: veredas discursivas. In: 11º Congresso Internacional da Abralic, 2008, São Paulo. Tessituras, Interações, Convergências, 2008. Disponível no link. (acessado 15.12.2011)
LARA, Cecília de. Grande Sertão Veredas - processos de criação. In: Scripta (edição especial do Seminário Internacional Guimarães Rosa). Belo Horizonte: PUC Minas, CESPUC, 1997.
LEITE, Dante Moreira. Grande sertão: veredas: a ficção de Guimarães Rosa. In: ______. O amor romântico e outros te­mas. São Paulo: Nacional/Edusp, 1979.
LEONEL, Maria Célia de Moraes. Faca e armas brancas: um campo lexical em Grande sertão: veredas. Alfa (ILCSE/UNESP), v. 44, p. 285-297, 2000.
LEONEL, Maria Célia de Moraes. Glossário de Grande sertão: veredas: campos lexicais. In: XI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Lingüística, 1996, Lisboa. Actas do XI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Lingüística. Lisboa: Associação Portuguesa de Lingüística, 1996. p. 130-136.
LEONEL, Maria Célia de Moraes. Grande Sertão: Veredas: Alguns neologismos semânticos. Série encontros: Estudos sobre Lexicografia, São Paulo, UNESP, v. 41, p. 79-89, 1997.
LEONEL, Maria Célia de Moraes. O frescor da antiguidade em Grande Sertão: Veredas. Quadrant (Montpellier), Montpellier, v. 11, n. 11, p. 115-120, 1994.
LEONEL, Maria Célia de Moraes. O nome do protagonista de Grande sertão: veredas na primeira versão da narrativa. In: XVIII Seminário do GEL, 1989, Lorena. Anais do XVIII Seminário do GEL. Lorena: Prefeitura Municipal/GEL, 1989. p. 401-407.
LEONEL, Maria Célia de Moraes. O primeiro rascunho de Grande sertão - veredas. In: II Encontro de Edição Crítica e Crítica Genética, 1990, São Paulo. Anais do II Encontro de Edição Crítica e Crítica Genética - eclosão do manuscrito. São Paulo: FFLCH-USP, 1990. p. 123-127.
LEONEL, Maria Célia de Moraes. Procedimentos adotados para a edição genética-crítica de Grande sertão: veredas. In: Anais do IV Encontro Internacional de Pesquisadores do Manuscrito e de Edições. São Paulo: ANNABLUME/Associação de Pesquisadores do Manuscrito Literário, 1995. p. 167-173.
LEONEL, Maria Célia de Moraes; CARDOSO, Afonso Ligório. As formas do medo em Grande sertão: veredas. In: V Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários, 2004, Araraquara. Anais do V Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários. Araraquara-SP : FCL/UNESP, 2004. p. 11-18.
LEONEL, Maria Célia de Moraes; CARDOSO, Afonso Ligório. Narração do medo em Grande sertão: veredas. In: VI Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários, 2005, Araraquara. Anais do VI Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários. Araraquara-SP: FCL UNESP, 2005. p. 20-26.
LEONEL, Maria Célia de Moraes; NASCIMENTO, Edna Maria F S. Glossário do Grande Sertão: Veredas: seleção e descrição. Série encontros: Estudos sobre Lexicografia, Araraquara, FCL/UNESP, v. 7, n. 1, p. 73-82, 1993.
LEONEL, Maria Célia de Moraes; SEGATTO, José Antonio. Política e violência no Grande Sertão de Guimarães Rosa. Estudos Sociedade e Agricultura (UFRJ), UFRRJ - Rio de Janeiro, v.13, n.1, p.75-93, abr. 2005.
LEONEL, Maria Célia de Moraes; SEGATTO, José Antonio. A crítica alegórica de Grande Sertão. Itinerários, Araraquara, n. 25, 141-157, 2007. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
LEONEL, Maria Célia de Moraes; SEGATTO, José Antonio. Alegoria e política em Grande sertão: veredas. In: Anais do VII Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-graduação em Estudos Literários - Grande sertão: veredas e Corpo de baile: 50 anos. Araraquara-SP: FCL/UNESP, 2006. p. 89-99.
LEONEL, Maria Célia de Moraes; SEGATTO, José Antonio. Crítica e alegoria em Grande sertão: veredas. In: Anais do X Congresso Internacional ABRALIC (CD ROM). Rio de Janeiro: ABRALIC, 2006. p. 1-12.
LEONEL, Maria Célia de Moraes; SEGATTO, José Antonio. Os sertões e Grande sertão veredas: concepções da crítica. In: XI Encontro Regional ABRALIC, 2007, São Paulo. Anais do XI Encontro Regional ABRALIC: Literatura, Artes, Saberes. São Paulo: ABRALIC, 2007. v. 1. p. 1-11.
LESSA, Bia. Exposição Grande sertão: veredas. Homenagem aos 50 anos de lançamento do livro. Estação da Luz, São Paulo, 2006.
LIMA, D. D. Encenações do Brasil rural em Guimarães Rosa. Niterói: EDUFF, 2001. (Ensaios, 22).
LIMA, Solange T. A percepção geográfica da paisagem dos Gerais no 'Grande Sertão: Veredas'. (Dissertação Mestrado). Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Rio Claro/SP, 1990.
LIMA, Solange T. Espaço e lugar no Grande sertão: veredas. Veredas de Rosa II. DUARTE, Lélia Parreira. et.al (org.). Belo Horizonte: PUC Minas. CESPUC. 2003. p.765-769.
LIMA, Solange T. Percepção Ambiental e Literatura: espaço e Lugar no Grande Sertão: Veredas. In. OLIVEIRA, Livia (org.). Percepção Ambiental: a experiência brasileira. São Paulo: Studio Nobel, 1999.
LIMA, Solange T. Travessia geográfica pelo Grande Sertão: Veredas. Caderno de Geografia. Belo Horizonte, v. 4, n. 5, p. 31-39, dez. 1993.
LIMA, Susana Moreira de. Dupla Face, Velhice e Espiritualidade no Avesso da Criação em Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa. Brasília: Programa de pós-graduação em Literatura da UnB, Revista Cerrados, v. 17, n. 25, 2008.
LINO, Joselita Bezerra da Silva. Dialegoria - a alegoria em Grande sertão: veredas e Paradiso. 1ª. ed. João Pessoa: Idéia Editora Ltda, 2004. v. 1. 231 p.
LINO, Joselita Bezerra da Silva. Dialegoria: a alegoria em Paradiso e em Grande sertão: veredas. ANEP, Uruguay, p. 1-2, 2004.
LINO, Joselita Bezerra da Silva. Lumina - a luz em Grande sertão: veredas e em Paradiso. In: Lélia Parreira Duarte et al. (Org.). Veredas de Rosa. 1 ed. Belo horizonte: Gráfica e editora O Lutador, 2007, v. III, p. 397-4
LINO, Joselita Bezerra da Silva. Neblinuvens (estudo sobre a melancolia no Grande Sertão: Veredas). In: Francisco José Gomes Correia. (Org.). Lendo com Freud. João Pessoa: Idéia, 1999, v. , p. -.
LINO, Joselita Bezerra da Silva. O alegorês no Grande Sertão. In: LINO, J. B. S.; SILVA, F. I.. (Org.). Múltipla palavra: ensaios de literatura. 1ª ed. João Pessoa: Idéia Editora Ltda, 2004, v. 1, p. 121-130.
LINO, Joselita Bezerra da Silva. Pérola Barroca (a imagem circular em Grande sertão: veredas e em Paradiso. In: Francisco Ivan da Silva. (Org.). Colóquio Barroco. 1 ed. Natal - RN: EDUFRN, 2008, v. , p. 227-239.
LINS, Eduardo Leitão Navarro. Do evanescente a Evanirai: um confronto desoluções narrativas. Anuário de Literatura, 1996, pp.47-63. Disponível no link. (acessado 13.12.2011)
LIPPOLIS, Enrico. Grande sertão: veredas - o sertão como símbolo do inconsciente. Ângulo 115, out./dez., 2008, p. 73-81. Disponível no link. (acessado 13.12.2011)
LLOSA, Mario Vargas. Epopéia do Sertão, Torre de Babel ou Manual de Satanismo?. São Paulo: Folha de São Paulo, Ilustrada, 30 mar./1991. Disponível no link. (acessado em 16.12.2012).
LOBO, Ana Paula Morse. O "misturado" sertão-mundo e as facetas femininas em Grande sertão: veredas, de Guimarães Rosa. (Dissertação Mestrado Literatura) Instituto de Letras da Universidade do Estado do Rio de Janeiro; Rio de Janeiro, 2008.
LOBO, Dalva de Souza. Diadorim como índice de carnavalização. Universidade Presbiteriana Mackenzie em São Paulo. REVISTA MAFUÁ. nº 4, Dez./2005. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
LOPES, João Marques. Zé Bebelo ou a modernidade na periferia. Disponível no link. (acessado em 16.12.2012).
LOPES, Kerison. Riobaldo, Zé Bebelo, Antonio Dó... na formação da bravura do povo brasileiro. CDM – Centro de Documentação e Memória Fundação Mauricio Grabois. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
LOURENÇO, Wander. Diadorim – a inversão do Outro. (UFF/UNESA). Disponível no link. (acessado em 9.12.2012).
LOURENÇO, Wander; OLIVEIRA, Wander Lourenço de. O enigma Diadorim. 1. ed. Niterói: Nitprees, 2007. v. 500. 216 p.
LOURENÇO, Wander; ou OLIVEIRA, Wander Lourenço de. Um réquiem para Diadorim (Nonada: dois dedos de prosa-poética sobre o amor e outras bossas no Grande sertão: veredas). (Tese Doutorado em Literatura comparada). Niterói: UFF, 2006. Disponível no link. (acessado 9.12.2011).
LOURENÇO, Wander; OLIVEIRA, Wander Lourenço de. Um réquiem para Diadorim (Nonada: dois dedos de prosa-poética sobre o amor e outras bossas no Grande sertão: veredas). (Tese Doutorado em Literatura comparada). Niterói: UFF, 2006. Disponível no link. (acessado 9.12.2011).
LOYOLLA, Dirlenvalder do Nascimento. Aprender O Mundo – A Poética da Reflexão no Grande Sertão: Veredas. Belo Horizonte: Revista Em Tese, v. 9, p. 75-82, dez. 2005. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
LOYOLLA, Dirlenvalder do Nascimento. Diadorim, Pássaro, Ente da Natureza. Disponível no link. (acessado 15.12.2011).
MACHADO, Adriana Rodrigues. O mito do pacto em Grande Sertão: Veredas. Revista eletrônica de crítica e teoria de literaturas. Dossiê: oralidade, memória e escrita PPG-LET-UFRGS – Porto Alegre – Vol. 04 N. 02 – jul/dez 2008 - Adriana Rodrigues Machado é mestranda do Programa de Pós-Graduação em Letras da UFRGS. Disponível no link. (acessado 15.12.2011).
MADEIRA FILHO, W. O discurso do demônio. Leitura comparada dos romances Doktor Faustus (1947), de Thomas Mann, e Grande sertão: veredas (1956), de João Guimarães Rosa. (Tese Doutorado). Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica (PUC), 1998.
MAGALHÃES, Erasmo D´Almeida. O sertão de Riobaldo: a flora em Grande sertão: veredas. Scripta: revista do programa de pós-graduação em Letras e do Centro de Estudos Luso-afro-brasileiro, Belo Horizonte, p. 476-486, 2002.
MAGNABOSCO, Maria Madalena. O testemunho narrativo em Grande Sertão: Veredas. In: Seminário Internacional Guimarães Rosa. (1998: Belo Horizonte). Veredas do Rosa. (org.) DUARTE, Lélia Parreira. et al. - Belo Horizonte: PUC Minas, CESPUC, 2000.
MANGABEIRA, Silvana Costa. Um olhar sobre as veredas rosianas. (Dissertação de mestrado Literatura Comparada). Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal/RN: 2008, p. 97. Disponível no link. (acessado 9.12.2011).
MARÇOLLA, Bernardo Andrade. A inocência daquela maldade: a desconstrução do mal em Grande Sertão: Veredas. In: II Simpósio Internacional de Teologia e Ciências da Religião A banalização do mal: significado e representações, 2007, Belo Horizonte. Anais... Textos completos versão digital. II Simpósio Internacional de Teologia e Ciências da Religião A banalização do mal: significado e representações, 2007.
MARÇOLLA, Bernardo Andrade. A porosidade poética de Riobaldo, o cerzidor: ritmo, transcendência e experiência estética em Grande sertão: veredas. (Tese Doutorado Literatura) Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2006. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
MARÇOLLA, Bernardo Andrade. As conexões entre natural e sobrenatural no Grande Sertão: Veredas - diálogos possíveis no contexto da pós-modernidade. In: Lélia Parreira Duarte et. al.. (Org.). Veredas de Rosa III. 1ª ed., Belo Horizonte: PUC Minas, 2007, v. , p. 140-148.
MARÇOLLA, Bernardo Andrade. Cavalos, cavaleiros, centauros: uma perspectiva transpessoal em Grande sertão: veredas. Disponível no link. (acessado 15.12.2011).
MARÇOLLA, Bernardo Andrade. Cavalos, cavaleiros, centauros: uma perspectiva transpessoal em Grande sertão: veredas. Ângulo (Lorena), v. 1, p. 32-39, 2008.
MARÇOLLA, Bernardo Andrade. Da raiz que agarra e cresce em veredas de Rosa (brota). In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL GUIMARÃES ROSA. (Org.). Veredas de Rosa. Belo Horizonte: Editora PUC Minas, 1998, v. , p. 104-108.
MARÇOLLA, Bernardo Andrade. Entre Guimarães Rosa e Riobaldo, a porosidade poética. Cerrados (UnB), v. 17, p. 107-123, 2008.
MARÇOLLA, Bernardo Andrade. O ritmo em Grande sertão: veredas. Revista da ANPOLL, v. 1, p. 227-259, 2008.
MARÇOLLA, Bernardo Andrade. Realidade e ficção, fronteiras porosas: o sertão está em toda a parte?. Scripta (PUCMG), v. 11, p. 51-64, 2007.
MARINHO, Marcelo. A crítica e os aspectos regionalistas de Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa: uma leitura contrastiva. O Guardador de Inutensílios, Campo Grande, v. 3, n. 1, p. 33-59, 2000.
MARINHO, Marcelo. A literatura especular e o arbitrário do signo em Grande Sertão: Veredas. O Guardador de Inutensílios, Campo Grande, v. 2, n. 1, p. 25-30, 1999.
MARINHO, Marcelo. Aspectos místicos e filosóficos de Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa: uma leitura panorâmica contrastiva da recepção crítica. O Guardador de Inutensílios, Campo Grande, v. 4, n. 1, p. 44-67, 2001.
MARINHO, Marcelo. Cultura, mito e identidade em Guimarães Rosa: o entrelugar dos jagunços na prosa de ficção. In: Marcelo Marinho, Lícia Soares de Souza, Josemar de Campos Maciel. (Org.). Américas imaginadas - entrelugares mestiços, identidades híbridas. 1 ed. Campo Grande: UCDB, 2007, v. 1, p. 75-86.
MARINHO, Marcelo. Grande Sertão: Veredas: Lectures Critiques et Approche Stylistique. Contribution à l'étude de la poétique de l'Enigme. (Tese Doutorado). Paris: Universite de Paris III (Sorbonne-Nouvelle), U.P. III, França, 1999.
MARINHO, Marcelo. Grnd Srt~ vertigens de um enigma. Campo Grande: Letra Livre, 2001.
MARINHO, Marcelo. Heterônimos, autoficção e modernidade em Grande Sertão: Veredas: outrar-se em enigmas. In: Seminário Internacional Guimarães Rosa, 2007, Belo Horizonte. Veredas de Rosa III. PUC Minas: Belo Horizonte, 2004. v. 1. p. 503-509.
MARINHO, Marcelo. O Crótalo, Hermógenes e o Crátilo: a literatura especular em Grande Sertão: Veredas. In. Seminário Internacional Guimarães Rosa. (1998: Belo Horizonte). Veredas do Rosa. (org.) DUARTE, Lélia Parreira. et al. - Belo Horizonte: PUC - Minas, CESPUC, 2000, v. 1. p. 394-398.
MARINHO, Marcelo. O paratexto-pretexto de Grande Sertão: Veredas: pseudo-regionalismo e metalinguagem. In: 6º Congresso da Associação Internacional de Lusitanistas, 1999, Rio de Janeiro. Home page do 6º Congresso da Associação Internacional de Lusitanistas. Rio de Janeiro: UFRJ - Associação Internacional de Lusitanistas, 1999. v. 1.
MARINHO, Marcelo. Os enigmas metalingüísticos de Grande Sertão:Veredas e suas ilustrações: o Tamanduá-tão.In: Simpósio Internacional Brasil: 500 Anos de Descobertas Literárias, 2000, Brasília. Anais do Simpósio Internacional Brasil: 500 Anos de Descobertas Literárias. Brasília : UNB, 2000.
MARINHO, Marcelo. Panorama crítico-constrativo de Grande Sertão: Veredas: a vertente lingüística. O Guardador de Inutensílios, Campo Grande, v. 5, n. 1, p. 59-68, 2002.
MARINHO, Marcelo. Panorama crítico-constrativo: fontes e modelos intertextuais de Grande Sertão: Veredas. O Guardador de Inutensílios, Campo Grande, v. 6, n. 1, p. 49-69, 2003.
MARINHO, Marcelo. Platão, Rosa, o Tecelão e seu texto: Analogias discursivas entre Crátilo e o Bardo Riobaldo. SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 5, n. 10, p. 257-263, 1º sem. 2002. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
MARINHO, Marcelo. Traduttore, Traditore: A Supressão das 65 Ocorrências da Palavra “Arte” Nas Traduções de Grande Sertão: Veredas. Revista do GELNE (UFC), v. 4, p. 1-9, 2002. Disponível no link. (acessado 16.12.2011).
MARQUES, Ana Martins. Travessia de linguagem: imagem e escrita em Grande Sertão: veredas, de Arlindo Daibert. In: Seminário Internacional Guimarães Rosa, 2001, Belo Horizonte, MG. Veredas de Rosa II. (Org.) DUARTE, Lélia Parreira. et al. Belo Horizonte: PUC Minas:CESPUC-MG, 2003. p. 42-47.
MARQUEZINI, Fabiana Buitor Carelli. O buriti e a rosa- aspectos da linguagem em Grande Sertão Veredas. Belo Horizonte, O eixo e a roda: v. 12, 2006, p. 225-249. Disponível no link. (acessado em 10.12.2011).
MARQUEZINI, Fabiana Buitor Carelli. Ruínas de mitos, sementes de sonhos: Ditos e provérbios em Guimarães Rosa e Luandino Vieira. Via Atlântica nº 9, Jun./2006, p. 45-61. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
MARTINS COSTA, Ana Luiza. Diadorim belo feroz. In: SÜSSEKIND, Flora; DIAS, Tânia; AZEVEDO, Carlito (orgs.). Vozes Femininas: gênero, mediações e práticas de escrita. Rio de Janeiro: Sette Letras, 2003.
MARTINS COSTA, Ana Luiza. Diadorim, delicado e terrível. SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 5, n. 10, p. 38-52, 1º sem. 2002. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
MARTINS, Maria Lúcia. Linguagem, poesia e Psicanálise Homenagem aos 50 anos de Grande Sertão Veredas. Cogito v.8, Salvador, 2007. Disponívelno link. (acessado 15.12.2011).
MARTINS, Saul. Antônio Dó. Belo Horizonte: SESC/MG, 1997.
MATTER, Michele Dull Sampaio Beraldo. As vertentes do narrar em Grande Sertão: Veredas. In: Seminário Internacional Guimarães Rosa. (2001: Belo Horizonte). Veredas do Rosa II. (org.) DUARTE, Lélia Parreira. et al. - Belo Horizonte: PUC MINAS, CESPUC, 2003.
MAZZARI, Marcus V. Figurações do “mal” e do “maligno” no Grande sertão: veredas. Estudos Avançados 22 (64), 2008, p. 273-290. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
MEDEIROS, Paulo Tarso Cabral de. Gilles Deleuze e os fluxos desejantes em Riobaldo. Política & Trabalho, João Pessoa, v. 14, p. 49-60, 1998.
MEDEIROS, Paulo Tarso Cabral de. Travessuras do desejo em 'Grande Sertão: Veredas'. In: Daniel Lins; Sylvio Gadelha. (Org.). Nietzsche e Deleuze: que pode o corpo. 1 ed. Rio de Janeiro; Fortaleza: Relume Dumará; Secretaria da Cultura e Desporto do Ceará, 2002, v. único, p. 231-249.
MEDEIROS, Paulo Tarso Cabral de. Travessuras do desejo: signo, rizoma e devir em 'Grande Sertão: Veredas. (Tese Doutorado Filosofia), Campinas: Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 1997. Disponível no link. (acessado 10.12.2011); e no link. (acessado 15.12.2011).
MEDEIROS, Paulo Tarso Cabral de. Vibrações deleuzeanas em 'Grande Sertão: Veredas'. In: Luiz Benedicto Lacerda Orlandi. (Org.). A Diferença. 1 ed. Campinas - SP: Editora da UNICAMP, 2005, v. 1, p. 171-202.
MELLO FILHO, Hélio. Caso e romance: gêneros e sociedade em Grande sertão: veredas. (Dissertação Mestrado Literatura). Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2005. Disponível no link. (acessado 16.12.2011).
MELLO, Renato; MELO, Teresa Cristina Alves de. Da ficção rosiana: leis discursivas e suas transgressões. Análise do discurso e Literatura, Belo Horizonte, v. I, p. 207-225, 2005.
MELLO, Renato; MELO, Teresa Cristina Alves de. Os efeitos de real e de ficção em Grande Sertão: Veredas. O Eixo e a Roda, v. 12, p. 275-287, 2006.
MELLO, Renato; MELO, Teresa Cristina Alves de. Transgressões Discursivas Em Grande Sertão: Veredas. Graphos Edição Especial 2006 - Cinqüentenário de publicação do Grande Sertão: Veredas.
MELO, Adriana Ferreira de. O Lugar-Sertão - grafias e rasuras. (Dissertação Mestrado Geografia) Belo Horizonte: Instituto de Geociências da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), 2006. Disponível no link. (acessado 13.12.2011).
MELO, Dirce Ribeiro. As veredas nos planaltos do noroeste mineiro: caracterizações pedológicas e os aspectos morfológicos e evolutivos. 1992. 217 f. (Dissertação Mestrado em Geografia) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro, 1992.
MELO Márcio Araújo de. As faces e facetas do Diabo na obra de João Guimarães Rosa. (Tese Doutorado Letras – Literatura Comparada). Belo Horizonte: Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), jun./2006. Disponível no link. (acessado 13.12.2011).
MELO, Márcio Araújo de. Um pacto de medo com o Demo. In: Unaminas. Belo Horizonte: Artes Gráficas Siracusa, nº 02, novembro, 1997.
MELO, Teresa Cristina Alves de. Da ficção rosiana: leis discursivas e suas transgressões. (Dissertação Mestrado Estudos Lingüísticos). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2005.
MENDES, Lauro Belchior. Imagens visuais em Grande sertão: veredas. In: Lauro Belchior Mendes; Luis Claudio Vieira de Oliveira. (Org.). A astúcia da palavra. Ensaios sobre Guimarães Rosa. Belo Horizonte: Editora UFMG/Pós-lit, 1998, v. , p. 51-80.
MENDES, Magaly Ferreira. Os Nomes-do-Pai no Grande Sertão: veredas para a feminilidade? (Dissertação Mestrado Psicologia). Fortaleza: Centro de Humanidades - Universidade Federal do Ceará (UFC), mar./2007. Disponível no link. (acessado 13.12.2011).
MENESES, Adélia Toledo Bezerra de. Grande Sertão: Veredas e a Psicanálise. Scripta. Belo Horizonte, v. 5, n. 10, 2002. Disponível no link. (acessado em 9.12.2011).
MENESES, Adélia Toledo Bezerra de. Matéria vertente: Grande Sertão: Veredas de Guimarães Rosa e o Rio São Francisco. Remate de Males, Campinas, v. 22, n. 22, p. 9-23, 2002.
MENESES, Adélia Toledo Bezerra de. Grande Sertão Veredas ou a psicanálise de Riobaldo. In: Amaralis Tupiassu. (Org.). Escrita Literária e Outras Estéticas. Belém: Unama, 2008, v. 1, p. 21-38.
MENESES, Adélia Toledo Bezerra de. O "quem" dos lugares. O pathos de natureza em "Grande sertão : Veredas". Asas da Palavra (UNAMA), v. 10(22), p. 26-35, 2008.
MENESES, Adélia Toledo Bezerra de. O 'Quem' dos lugares: a passionalização da natureza em 'Grande sertão: veredas'. Scripta (PUCMG), Belo Horizonte, v. 9, n. 17, p. 29-39, 2005.
MEYER, Mônica. Educação Ambiental Guimarães Rosa. Presença Pedagógica, v.12, n.70, jul./ago. 2006. Disponível no link. (acessado 15.12.2011).
MIKETEN, Antonio R. Travessia de Grande Sertão: veredas. Brasília: Ed. Thesaurus, 1982.
MONTEIRO, Adolfo Cassais. O erudito e o popular em Grande Sertão: veredas. E Estado de São Paulo, 1 mar. 1958, (Suplemento Literário).
MONTI, Estevão Ribeiro. As veredas do Grande Sertão-Brasílai: ocupação, urbanização e resistência cultural. (Tese Doutorado Política e Gestão Ambiental). Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília, 2007.
MORAES, Anita Martins Rodrigues de. Águas a lume de lua: uma reflexão sobre os alternativos modos de ver e dizer o mundo na ficção rosiana. Disponível no link. (acessado 15.12.2011).
MORAES, Anita Martins Rodrigues de. Às voltas com a aporia do mal: o redemunho. Cerrados (UnB. Impresso), v. 25, p. 93-106, 2008.
MORAES, Anita Martins Rodrigues de. Os limites da civilização na escrita do sertão. (Dissertação Mestrado Teoria e História Literária). Campinas: Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2002.
MORAES, Anita Martins Rodrigues de. Os limites da civilização na escrita do sertão; um estudo das categorias civilização e barbárie em alguns romances brasileiros. Sínteses, Campinas, v. 8, p. 261-271, 2003.
MORAIS, Márcia Marques de. A travessia dos fantasmas: literatura e psicanálise em Grande Sertão: Veredas. 1. ed. Belo Horizonte/MG: Autêntica, 2001. v. 1. 172 p.
MORAIS, Márcia Marques de. Ali meus destinos foram fechados: uma leitura em perspectiva de Grande sertão: veredas. In: GOBBi, M. V. Z; LEONEL, M. C.; TELAROLLI, S. (Org.). Narrativa e Representação. 7 ed. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2007, v. 1, p. 33-44.
MORAIS, Márcia Marques de. Amizade dada é amor - "Coração mistura amores": o desejo deslocado nas veredas do Grande sertão. In: Marli de Oliveira Fantini Scaperlli. (Org.). A poética migrante de Guimarães Rosa. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2008, v. 1, p. 91-112.
MORAIS, Márcia Marques de. Do nome-da- mãe ao nome-do-pai: figuração de identidade no Grande Sertão. Scripta, Belo Horizonte, v. 5, n. 10, p. 264-273, 2002.
MORAIS, Márcia Marques de. Encontros de Riobaldo: travessias do sujeito. In: Scripta (edição especial do seminário Internacional Guimarães Rosa). Belo Horizonte: PUC Minas, CESPUC, 1997.
MORAIS, Márcia Marques de. Figurações do sujeito no discurso do narrador de 'Grande Sertão: Veredas'. Análise do Discurso Em Perspectivas, Belo Horizonte, v. 1, p. 51-63, 2003.
MORAIS, Márcia Marques de. Grande sertão: Brasis. Asas da Palavra (UNAMA), v. 10, p. 144-155, 2008.
MORAIS, Márcia Marques de. Grande Sertão: Veredas - O diálogo com o outro em busca de si mesmo. Cultura em Diálogo com a Saúde, Belo Horizonte/MG, v. 2, p. 20-22, 1999.
MORAIS, Márcia Marques de. Grande sertão: veredas - uma leitura em perspectiva do romance. In: Hugo Mari; Ivete Walty; Maria Nazareth Soares Fonseca. (Org.). Ensaios sobre Leitura 2. Belo Horizonte: PUC Minas, 2007, v. , p. 257-268.
MORAIS, Márcia Marques de. O romance se fez letra – a metaliteratura em Grande Sertão: Veredas. Belo Horizonte: O Eixo e a Roda: v. 12, 2006, p. 203-214. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
MORAIS, Márcia Marques de. Riobaldo e o contar em desalinho. In: ABDALA JR, Benjamin; SCARPELLI, Marli Fantini. (Org.). Portos flutuantes. Trânsitos ibero-americanos.. São Paulo: Ateliê Editorial & CAPES, 2004, v. , p. 157-173.
MORAIS, Márcia Marques de. Riobaldo e suas más devassas no contar. In: Outras Margens: estudos da obra de Guimarães Rosa. (org.) DUARTE, Lélia Parreira; ALVES, Maria Theresa Abelha. Belo Horizonte: Autêntica/PUC Minas, 2001, p. 151-172.
MORAIS, Márcia Marques de. Traições e Traição: reticências no Grande Sertão: Veredas. In: Suplemento Literário de Minas Gerais. Guimarães Rosa 50, Grande Sertão: Veredas (edição especial. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, maio/2006. p. 26-28.
MORAIS, Márcia Marques de. Travessia pela História. Publicado no caderno “Pensar” do Jornal Estado de Minas, em 6/3/2004.
MORAIS, Márcia Marques de. Travessias do sujeito: as representações da subjetividade em Grande Sertão: Veredas. (Tese Doutorado Letras). São Paulo: Universidade de São Paulo, USP, 1999.
MORAIS, Osvando José de. Grande Sertão: veredas – o romance transformado: abordagens do processo e técnica de Walter George Durst na construção do roteiro televisivo. (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas da USP, Dez. 1997. (4 v.)
MORAIS, Osvando José de. Grande Sertão: veredas – o romance transformado: o processo e técnica de Walter George Durst na construção do roteiro televisivo. São Paulo: Edusp, 2000.
MORAIS, Rosane. A lei do pai: leitura de Grande Sertão: Veredas a partir da Função Paterna em Psicanálise. (Dissertação Mestrado). Universidade Federal do Espírito Santo, UFES, 2004.
MOSCHEM, Marcela de Almeida. Riobaldo e Diadorim - Um estudo dos esquemas de imagem dentro do cenário criado pela metáfora da travessia. (Tese Doutorado Lingüística e Língua Portuguesa) Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, 2011.
Moura. (Tese de Doutorado). Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (USP), 2000.
MOURÃO, Cleonice Paes Barreto. Diadorim: corpo nu da narração. In: Seminário Internacional Guimarães Rosa. (1998: Belo Horizonte). Veredas do Rosa. (Org.) DUARTE, Lélia Parreira. et al. Belo Horizonte: PUC - Minas, CESPUC, 2000.
MUNGIOLI, Maria Cristina Palma. Minissérie Grande Sertão: Veredas: Gêneros e Temas Construindo um Sentido Identitário de Nação. (Tese Doutorado Ciências da Comunicação) Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo – USP, São Paulo, 2006. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
MURY, Viviane de Guanabara. Riobaldo: Um Herói Problemático no Grande Sertão. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
NASCIMENTO, Neuber Fernandes. Memória do fluxo: voz e escuta em Grande sertão: veredas. (Dissertação Mestrado Letras). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2005.
NASCIMENTO, Zaeth Aguiar do. Diadorim Uma Estranha Revelação - O Feminino no Grande Sertão: Veredas. João Pessoa: Idéia, 2000.
NASCIMENTO, Zaeth Aguiar do. O feminino e suas representações em Grande Sertão: Veredas. In: Mulher e Literatura- vol II. In. DUARTE, Constância Lima. DUARTE, Eduardo de Assis. BEZERRA, Kátia da Costa(orgs). Belo Horizonte, 2002.
NEITZEL, Adair de Aguiar. Bruxas, lâmias, feiticeiras, videntes e rezadeiras no universo rosiano. In: VII Seminário Nacional Mulher e Literatura, 1999, Rio de Janeiro. VII Seminário Nacional Mulher e Literatura. Niterói: EdUFF, 1997. v. II. p. 337-341.
NEITZEL, Adair de Aguiar. Diadorim: estrela da manhã, estrela da tarde. In: Primeras Jornadas de Literaturas en Lenguas Extranjeras, 1997, Buenos Aires. Perspectivas Literarias desde fin de siglo. Buenos Aires: Me Graw Ediciones s.r.l., 1997.
NEITZEL, Adair de Aguiar. Grande Sertão Veredas e seu universo feminino. In: I Congresso de Comunicação Social e II Congresso de Língua e Literatura, 2000, Joaçaba. Semelhanças e Interfaces I Congresso de Comunicação Social e II Congresso de Língua e Literatura. Joaçaba: UNOESC, 1998. p. 239-248.
NEITZEL, Adair de Aguiar. Grande Sertão: Veredas — "imenso mar de territórios". Anuário de Literatura 7, 1999, p. 133-146. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
NEITZEL, Adair de Aguiar. Mulheres roseanas: percursos pelo Grande sertão: veredas. Florianópolis: EDUFSC; Itajaí: Ed. da Univali, 2004, p. 125.
NEITZEL, Adair de Aguiar. Mulheres Rosianas. (Dissertação de Mestrado Literatura). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 1998.
NEITZEL, Adair de Aguiar. Mulheres Rosianas: percurso pelo Grande Sertão: veredas. 1ª. ed. Florianópolis UFSC: Ed. da UFSC e UNIVALI Editora, 2004. v. 01. 125 p.
NEITZEL, Adair de Aguiar. Nhorinha: a presença pela ausência - uma eterna paixão. Anuário de Literatura (UFSC), Florianópolis, v. 4, p. 25-42, 1996.
NEITZEL, Adair de Aguiar. Sertão Feminino. In: XII CELLIP, 1998, Foz do Iguaçu. XII CELLIP. Foz do Iguaçu, PR: Publicação em meio eletrônico - CD ROM, 1997.
NOGUEIRA, Roberto Círio. Riobaldo e os Sádicos do Cachambi, figuras de alteridade. In: XI Congresso Internacional da ABRALIC - 2008, 2008, São Paulo - SP. Anais do XI Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura. São Paulo: ABRALIC, 2008. Disponível no link. (Acessado 16.12.2011)
NUNES, Ariadne. A pretexto da revelação póstuma: narrativa e leitura em Grande Sertão: Veredas. Disponível no link. (acessado 16.12.2011)
NUNES, Benedito. O mito em Grande Sertão: Veredas. In. Scripta (edição especial do seminário Internacional Guimarães Rosa). Belo Horizonte: PUC-MINAS, CESPUC, 1997.
NUNES, Tiago Ribeiro. Riobaldo Pactário: liberdade e predestinação. Revista UFG, agosto 2007. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
NUTO, João Vianney Cavalcanti. Diadorim e o diabo nas veredas do sertão. In: Seminário Internacional Guimarães Rosa. (2001: Belo Horizonte). Veredas do Rosa II. (Org.) DUARTE, Lélia Parreira. et al. - Belo Horizonte: PUC Minas, CESPUC, 2003.
OLEA, Hector. O professor Riobaldo: um novo místico da poetagem. Cotia: Ateliê Editorial; São Paulo: Oficina do Livro Rubens Borba de Moraes, 2006.
OLIVEIRA, Cleide Maria de. Fora do Éden, viver é perigoso. Anais, Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande Sertão: Veredas e Corpo de Baile. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ, 25-27 set./2006. Disponível no link.(acessado 9.12.2011).
OLIVEIRA, Éris Antônio. Realidade e criação artística em Grande Sertão: Veredas. (Tese Doutorado Teoria da Literatura) Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, 2003.
OLIVEIRA, Éris Antônio. Realidade e Criação Artística em Grande Sertão: Veredas. 1. ed. Goiânia: Editora da UCG, 2007. v. 1. 256 p.
OLIVEIRA, Franklin de. A degradação de Riobaldo. Correio da Manhã. Rio de Janeiro, 04 abr. 1968.
OLIVEIRA, Hercules Alberto de. A epifania da verdade: morte, (homo)erotismo e espiritualidade em "Crônica da casa assassinada" e "Grande sertão: veredas". (Tese Doutorado Letras). Niterói: Universidade Federal Fluminense, UFF, 2005.
OLIVEIRA, Hercules Alberto de. A epifania da verdade: morte, (homo)erotismo e espiritualidade em "Crônica da casa assassinada" e "Grande sertão: veredas". O Marrare, v. 5, p. 31-49, 2005.
OLIVEIRA, Hercules Alberto de. Homoerotismo, espiritualidade e morte em Crônica da casa assassinada e Grande sertão: veredas. In: VIII Congresso Internacional ABRALIC 2002, 2002, Belo Horizonte. Mediações, 2002.
OLIVEIRA, José Roberto Guedes de. As mulheres em 'Grande Sertão: Veredas'. Kplus, Edição Número 83, publicada em 01/07/2006. Disponível no link. (acessado em 09.12.2011)
OLIVEIRA, Livia de. Sertão Rosiano: Percepção, Cognição e Afetividade Geográfica. SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 5, n. 10, p. 234-242, 1º sem. 2002. Disponível no link. (acessado 16.12.2011).
OLIVEIRA, Luiz Claudio Vieira de. Ideologia e Poder em Grande Sertão: Veredas. 1. ed. Belo Horizonte: Editora do Autor, 2008. v. 1. 166 p.
OLIVEIRA, Luiz Claudio Vieira de. O sentido e a máscara em Grande Sertão: Veredas. (Dissertação Mestrado Letras). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 1979.
OLIVEIRA, Maria Rosa Duarte de. A viagem em Guimarães Rosa: espaços nômades entre identidade e alteridade. Cerrados (UnB), v. 1, p. 29-40, 2008.
OLIVEIRA, Paulo Sampaio Xavier de. A televisão como "tradutora": veredas do grande sertão na Rede Globo. (Tese Doutorado Lingüística Aplicada). Campinas: Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 1999. Disponível no link. (acessado 16.12.2011).
OLIVEIRA, Paulo Sampaio Xavier de. A televisão como 'tradutora': veredas do Grande Sertão na Rede Globo. Sínteses (UNICAMP), Campinas, v. 5, p. 353-368, 2000.
OLIVEIRA, Paulo Sampaio Xavier de. A Televisão como tradutora: Grande Sertão Veredas na Rede Globo. In: Vilson J. Leffa. (Org.). TELA: Textos em Lingüística Aplicada.. Pelotas: Editora da Universidade Católica de Pelotas, 2000, v. , p. -.
OLIVEIRA, Paulo Sampaio Xavier de. Estudos da tradução sem tertium comparationis? Considerações sobre o besouro de Wittgenstein e o diabo no Grande Sertão - de Rosa e da Globo. Tradterm, v. 13, p. 225-260, 2007.
OLIVEIRA, Paulo Sampaio Xavier de. Maria Mutema e a mutabilidade da origem. In: II Seminário Internacional Guimarães Rosa, 2003, Belo Horizonte. Veredas de Rosa. Belo Horizonte: Editora PUCMinas, 2001. v. II. p. 642-647.
OLIVEIRA, Solange Ribeiro de. Satanás e Lúcifer - a ambigüidade do mito em Imagens do Grande Sertão, de Arlindo Daibert. In: Seminário Internacional Guimarães Rosa. (2001: Belo Horizonte). Veredas do Rosa II. (org.) DUARTE, Lélia Parreira. et al. - Belo Horizonte: PUC Minas, CESPUC, 2003.
PACHECO, Ana Paula. Jagunços e homens livre pobres: O lugar do mito no Grande sertão. Novos Estudos: CEBRAP, 81 – jul. 2008, p. 179-188. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
PACHECO, Ana Paula. O lugar do mito no Grande sertão. Novos Estudos CEBRAP (Impresso), v. 81, p. 179-188, 2008.
PAIVA, Jair Miranda de. Kairós, o tempo do pacto. In: DUARTE, Lélia Parreira et al. (Org.). Veredas de Rosa II. Belo Horizonte: PUC Minas, Cespuc, 2003, p. 327-332.
PASTA JR., José Antonio. O Romance de Rosa: temas do Grande Sertão e do Brasil. Cahier. Centre de Recherche sur les Pays Lusophones, Paris, v. 4, n. 4, p. 159-170, 1997. Disponível no link. (acessado 16.12.2011)
PASTA JR., José Antonio. Temas do Grande sertão e do Brasil. Novos Estudos Cebrap, nº 55, p. 61-70, nov. 1999.
PATRICIO, Rosana Ribeiro. Mulher, pecadora e santa: a personagem Maria Mutema, de Guimarães Rosa. Plural Pluriel - revue des cultures de langue portugaise, [En ligne] n° 4-5, automne-hiver 2009. Disponível no link. (acessado 12.12.2011).
PAULA, Julio Cesar Machado de. Grande sertão: veredas: o tempo entre a metáfora viva e o paradoxo (no prelo). In: Congresso Internacional Centenário de Dois Imortais, 2008, Belo Horizonte. Congresso Internacional Centenário de Dois Imortais, 2008.
PAULA, Julio Cesar Machado de. O olhar e o redemoinho: paradoxos do tempo em Grande sertão: veredas. In: XI Congresso Internacional da ABRALIC, 2008, São Paulo. XI Congresso Internacional da Abralic, 2008.
PAULA, Julio Cesar Machado de. O que ajunta espalha: Tempo e paradoxo em Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa, e Nós, os do Makulusu, de José Luandino Vieira. (Tese Doutorado Estudos Literários). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2010.
PAULA, Julio Cesar Machado de. O que ajunta espalha: tempo e paradoxo em Grande sertão: veredas, de Guimarães Rosa, e Nós, os do Makulusu, de Luandino Vieira. Em Tese, v. 17, p. 1-21, 2011.
PELINSER, André T.; ARENDT, João Claudio. Liso do Sussuarão: a região relatada e praticada. Nonada (Porto Alegre), v. 14, p. 147-162, 2010.
PEREIRA, Edgard. Guimarães Rosa: O sertão transgressor. Belo Horizonte: O eixo e a roda: v. 12, 2006. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
PEREIRA, I. L.; HOLANDA, Sílvio Augusto de Oliveira. A crítica estilística de Grande sertão: veredas. In: I Congresso Internacional de Estudos Lingüísticos e Literários na Amazônia, 2009, Belém. Anais do I CIELLA. Belém: Paka Tatu, 2009. v. 1. p. 1-7.
PEREIRA, Luciene. Heteroglossia dialogizada em Grande Sertão: Veredas. In: OLIVA, O.P.. (Org.). Escritores mineiros e contemplações de Minas. 1 ed. Montes Claros: Editora Unimontes, 2007, v. , p. 89-100.
PEREIRA, Luciene. Mímica, suplemento, carnavalização: uma leitura de Grande Sertão: Veredas. (Dissertação Mestrado Estudos Literários) Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2010.
PEREIRA, Luciene. Mímica, suplemento, carnavalização: uma leitura de Grande sertão: veredas, de Guimarães Rosa. Em Tese (Belo Horizonte. Impresso), v. 17, p. 1-10, 2011. Disponível no link. (acessado 12.12.2011)
PIMENTEL, Deise de Souza. Riobaldo: no rio do destino, nome é destino? In: Seminário Internacional Guimarães Rosa. (2001: Belo Horizonte). Veredas do Rosa II. (Org.) DUARTE, Lélia Parreira. et al. - Belo Horizonte: PUC Minas, CESPUC, 2003.
PINNA, Massimo. Veredas infinitas, Recepção italiana de Grandes sertões: veredas. (Tese de Doutorado em Linguística Aplicada; Literatura Comparada). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2012. disponível no link. (acessado em 15.9.2015)
PINTO, Maria Márcia Matos. Grande Sertão: Veredas e “Rappaccini’s Daughter”: Encontros Inusitados. XI Congresso Internacional da ABRALIC Tessituras, Interações, Convergências - 13 a 17 de julho de 2008, USP – São Paulo, Brasil. Disponível no link. (acessado 13.12.2011)
POLZONOFF JR., Paulo. Grande Sertão: Veredas (uma aventura). Digestivo Cultural - Especial Guimarães Rosa, 13 abr./2006. Disponível no link. (acessado 13.12.2011)
POLZONOFF JR., Paulo. Riobaldo. Digestivo Cultural - Especial Festas 2001, 02 Jan./2002. Disponível no link. (acessado 13.12.2011).
PORTELA, Daniela Soares. O livro por trás dos livros: incorporação do objeto livro em Grande Sertão: Veredas, Macunaíma e Memórias Póstumas de Brás Cubas. (Tese Doutorado Letras). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, 2009.
PORTELA, Daniela Soares. A nostalgia do sentido na fala de Riobaldo. In: XI Congresso Internacional da ABRALC: Tessituras, interações e Convergências, 2008, São Paulo. anais do XI congresso Internacional da ABRALIC: Tessituras, interações e Convergências. São Paulo, 2008.
PORTELLA, Eduardo. Um romance e sua dialética. Jornal do Comércio. Rio de Janeiro, 4 ago. 1957. (Repr. em Dimensões I, Rio de Janeiro. Agir, 1958, 79-86.)
PORTELLA, Eduardo. Um romance síntese. Correio da Manhã. Rio de Janeiro. 1 dez. 1956.
PRIMO, Ana Paula Miranda. Grande Sertão: Veredas, nas Brumas da Paixão Interdita. Disponível no link. (acessado 13.12.2011)
PROENÇA, Manuel Cavalcanti. Don Riobaldo do Urucuia, cavaleiro dos campos gerais. In: COUTINHO, Eduardo (org.). Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1984.
PROENÇA, Manuel Cavalcanti. Trilhas no Grande sertão. Rio de Janeiro. Serv. Documentação MEC, 1958.
RADUY, Ygor. Análise, genealogia, desconstrução: a emergência de um pensamento trágico em "Grande sertão: veredas. Plural Pluriel - revue des cultures de langue portugaise, [En ligne] n° 4-5, automne-hiver 2009. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
RADUY, Ygor. O pensamento trágico em Grande sertão: veredas: uma perspectiva nietzscheana. (Dissertação Mestrado Letras). Universidade Estadual de Londrina, UEL, Brasil, 2008.
RAMOS, Maria Luiza. O elemento poético em Grande Sertão: veredas. In: LISBOA, Henriqueta et al. Ciclo de conferências sobre Guimarães Rosa. Belo Horizonte, UFMG/Centro de Estudos Mineiros, 1966.
REDAÇÃO. Os dez mais! Mais! Grande Sertão é o melhor romance brasileiro. Livro de Guimarães Rosa é eleito o principal no gênero de todos os tempos no país. Mais!,. p. 5/8/9, Os dez mais!. brasileiros. São Paulo: Folha de São Paulo, 3.12.1998.
REDAÇÃO. Viagem ao mágico sertão. Afinal, n. 64, p. 36-37, 19.11.1985.
REDAÇÃO. Vozes e energia do sertão. Teatro/Crítica, p. 48. São Paulo: Folha de São Paulo, 06.08.1985.
REINALDO, Gabriela Frota. A mitopoiesis na canção de Siruiz de “Grande Sertão: Veredas”. (Dissertação Mestrado). São Paulo: PUC/SP, 1998.
REVISTA IHUON-LINE UNISINOS. Sertão é do tamanho do mundo. 50 anos da obra de João Guimarães Rosa. (a edição traz diversos artigos, de diferentes estudiosos da obra rosiana). São Leopoldo/RS: Revista do Instituto Humânitas Unisinos, Edição Nº 178, 2 mai./2006.
REY, Marcos. Tudo é melhor em pequenas doses. São Paulo: Folha de São Paulo, Ilustrada, p. 21. 30.12.1985.
RIBEIRO, Glória Maria Ferreira; RESENDE, Débora Cristina. Sobre a existência em Grande Sertão: Veredas. “Existência e Arte”- Revista Eletrônica do Grupo PET - Ciências Humanas, Estética e Artes da Universidade Federal de São João Del-Rei /MG, Ano V, Nº V, Jan./Dez. 2010. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
RIBEIRO, Sebastiana Lima. O diálogo em Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa. (Dissertação Mestrado Literatura) Brasília: Universidade de Brasília, UNB, 2010.
RIOS, André. Narrativa e Ironia no Grande Sertão de Guimarães Rosa. Disponível no link. (acessado 15.12.2011).
ROCHA, Gibson Monteiro da. O homo viator na divina commedia e no Grande Sertão: veredas. (Tese Doutorado em Literatura). Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 2012.
ROCHA, Karina Bersan. Imagens sobre imagens: rio de-janeiro: minas e Grande sertão: veredas. In: III Seminário Internacional Guimarães Rosa, 2007, Belo Horizonte - MG. Veredas de Rosa III. Belo Horizonte: PUC Minas, 2007. p. 414-423.
ROCHA, Karina Bersan. Veredas do amor no grande sertão. Editora Imagem Virtual, 2001.
ROCHA, Karina Bersan. Veredas do amor no grande sertão. In. Seminário Internacional Guimarães Rosa. (2001: Belo Horizonte). Veredas do Rosa II. (Org.) DUARTE, Lélia Parreira. et al. - Belo Horizonte: PUC Minas, CESPUC, 2003.
ROCHA, Karina Bersan. Veredas do amor no grande sertão. In. Seminário Internacional Guimarães Rosa. (2001: Belo Horizonte). Veredas do Rosa II. (Org.) DUARTE, Lélia Parreira. et al. - Belo Horizonte: PUC Minas, CESPUC, 2003.
ROCHA, Karina Bersan. Veredas do amor no Grande sertão. In: II Seminário Internacional Guimarães Rosa, 2003, Belo Horizonte. Veredas de Rosa II/ II Seminário Internacional Guimarães Rosa. Belo Horizonte : PUC Minas, 2003. p. 383-388.
ROCHA, Karina Bersan. Veredas do amor no Grande sertão: a relação de Riobaldo e Diadorim. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal do Espírito Santo, UFES, 1999.
ROCHA, Marília Librandi. As espantosas palavras: uma análise de Grande sertão: veredas. (Dissertação mestrado em Letras). São Paulo: FFLCH/USP, 1997.
ROCHA, Marília Librandi. Imagens do erotismo em Grande Sertão:Veredas (com corpo editorial). Floema (UESB), v. 3, p. 109-136, 2007.
RODRIGUES, Francesco Jordani. Pelas Veredas do Grande Sertão – Perguntas e Olhares de Riobaldo. Rio de Janeiro, UFRJ, Revista Garrafa nº 6. Mai./agos. 2005. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
ROLIM, Anderson Teixeira. O mundo à revelia: tradição e modernidade no julgamento de Zé Bebelo. Luminária (União da Vitória), v. 12, p. 61-66, 2011.
RONCARI, Luiz Dagobert de Aguirra. A tríade do amor perfeito no Grande Sertão. In: III Seminário Internacional Guimarães Rosa, 2005, Belo Horizonte. Literatura Scripta. Belo Horizonte : Editora PUCMINAS, 2004. v. 9. p. 194-200.
RONCARI, Luiz Dagobert de Aguirra. A tríade do amor perfeito no Grande Sertão. SCRIPTA (PUCMG), Belo Horizonte, v. 9, n. 17, p. 194-200, 2005.
RONCARI, Luiz Dagobert de Aguirra. A tríade do amor perfeito no Grande Sertão. In: Benjamin Abdala Jr.; Salete de Almeida Cara. (Org.). Moderno de Nascença: figurações críticas do Brasil. 1ª ed., São Paulo: Boitempo Editorial, 2006, v. , p. 181-191.
RONCARI, Luiz Dagobert de Aguirra. Antônio Conselheiro e Getúlio Vargas no Grande Sertão: Veredas? As Fontes do Autor e os Caprichos da Representação. O Eixo e a Roda, v. 12, p. 121-147, 2006.
RONCARI, Luiz Dagobert de Aguirra. Antônio Conselheiro e Getúlio Vargas no Grande Sertão: Veredas? As fontes do autor e os caprichos da representação. In: Seminário Guimarães Rosa – 50º. Grande Sertão: Veredas, 2006, Belo Horizonte. Seminário Guimarães Rosa. Belo Horizonte, 2006. v. 1. p. 67-84.
RONCARI, Luiz Dagobert de Aguirra. Lugar do Sertão. Extensão e Cultura (UFG), v. 2, p. 46-53, 2006.
RONCARI, Luiz Dagobert de Aguirra. O Tribunal do Sertão. Teresa (USP), São Paulo, v. 02, p. 216-248, 2001.
RONCARI, Luiz Dagobert de Aguirra. Buriti do Brasil e da Grécia: patriarcalismo e dionisismo no sertão de Guimarães Rosa. 1ª ed., São Paulo: Editora 34, 2013. v. 1. 240p.
ROSA, Daniele dos Santos. São Bernardo e Grande Sertão: Veredas: a construção estética no processo modernizador e a representação do outro como fundamentação narrativa. Brasília: Revista Cerrados (UnB. Impresso), v.18, nº 28, 2009.
ROSENFIELD, Kathrin Holzermayr. Guimarães Rosa: arte e pensamento Brasileiro. REDES, Santa Cruz do Sul, v. 12, n.1, p. 10 - 27, jan./abr. 2007. Disponível no link. (acessado 16.12.2011)
ROSENFIELD, Kathrin Holzermayr. A dimensão trágica em Grande Sertão: Veredas. In: –––. Descaminhos do demo: tradição e ruptura em Grande Sertão: Veredas. Rio de Janeiro: Imago; São Paulo: EDUSP, 1993.
ROSENFIELD, Kathrin Holzermayr. Grande sertão: veredas – Roteiro de leitura. São Paulo: Ática, 1992.
ROSENFIELD, Kathrin Holzermayr. O pacto fáustico em Grande Sertão: veredas. Ciênc. let., Porto Alegre, n. 42, p. 241-250, jul./dez. 2007.
ROSENFIELD, Kathrin Holzermayr. Os descaminhos do demo. Tradição e ruptura em Grande Sertão: veredas. Rio de Janeiro: Imago/Edusp, 1993.
SAMPAIO, Cristiane. O tempo da poesia e do pensamento em Grande sertão: veredas, de Guimarães Rosa. Anais, Congresso Nacional do Cinqüentenário de Grande Sertão: Veredas e Corpo de Baile. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ, 25-27 set./2006. Disponível no link. (acessado 9.12.2011)
SANTIAGO SOBRINHO, João Batista. As imagens de água no romance Grande Sertão Veredas. Terceiro Tempo, Rio de Janeiro, p. 10-10, 15 jun. 2003.
SANTIAGO SOBRINHO, João Batista. As imagens de água no romance Grande Sertão Veredas. (Dissertação Mestrado Teoria da Literatura) Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG. 2003. Disponível no link. (acessado 15.12.2011).
SANTIAGO SOBRINHO, João Batista. As imagens de água no romance Grande Sertão: Veredas de João Guimarães Rosa. Águaonline, p. 1-2, 2004.
SANTIAGO SOBRINHO, João Batista. O narrável da guerra e o inimigo objetivo, sob o céu de Hamburgo. In. Investigações (UFPE), v. 22, p. 133-150, 2009.
SANTOS, Acacio Luiz. Grande sertão: veredas e Paradiso como representação de um processo tenso e complexo de transcendência. (Tese Doutorado Letras). Niterói: Universidade Federal Fluminense, UFF, 2005.
SANTOS, Albaniza Alves dos. Grande Sertão: veredas e Don Quijote de la Mancha: melancolia em trânsito. (Dissertação Mestrado) Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, 2009. Disponível no link. (acessado 16.12.2011)
SANTOS, Alckmar Luiz dos. Uma leitura alquímica de Grande Sertão Veredas. (Dissertação Mestrado Teoria e História Literária). Campinas: Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 1989. Disponível no link. (acessado 15.12.2011)
SANTOS, Ana Paula Bandeira. Imagens do Grande Sertão: Da Literatura Às Artes Plásticas, Um Estudo Interdisciplinar Da Obra De Arlindo Daibert. Anais do III CELLMS, IV EPGL e I EPPGL – UEMS-Dourados/MS. 08 a 10 de outubro de 2007. Disponível no link. (acessado 13.12.2011)
SANTOS, Beny Ribeiro dos. Os rastros da narrativofilia na Mancha e no Sertão. Anais. 2. Congresso Brasileiro Hispanistas Oct. 2002. Disponível no link. (acessado 16.12.2011)
SANTOS, Edna Maria dos. Grande Sertão: Veredas - do régio-nacional à mundialização (invenção da história). In. Seminário Internacional Guimarães Rosa. (1998: Belo Horizonte). Veredas do Rosa. (Org.) DUARTE, Lélia Parreira. et al. - Belo Horizonte: PUC Minas, CESPUC, 2000.
SANTOS, Luciano Costa. “O existir da alma é a reza”: existência e religião em Grande Sertão: Veredas. SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 5, n. 10, p. 234-242, 1º sem. 2002.
SANTOS, Robson Caetano dos. Estratégias do contar: um estudo das micronarrativas em Os Sertões, de Euclides da Cunha, e Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa. (Dissertação Mestrado em Letras). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC Minas, Brasil, 2012.
SANTOS, Wagner Dias dos. Aproximações das funções de Vladimir Propp ao Enredo de Grande Sertão. Disponível no link. (acessado em 16.12.2011)
SCARPELLI, Marli de Oliveira Fantini. (Org.). Suplemento Literário Especial Guimarães Rosa: 50º Grande sertão: veredas. 1ª ed. Belo Horizonte: Imprensa Oficial do Estado de Minas Gerais, 2006. v. 1. 40 p.
SCARPELLI, Marli de Oliveira Fantini. A modernidade de Grande sertão: veredas. Via Atlântica (USP), v. 9, p. 21-44, 2006. Disponível no link. (acessado 16.12.2011).
SCARPELLI, Marli de Oliveira Fantini. Editorial do Suplemento Especial Guimarães Rosa: 50º Grande sertão: veredas. Minas Gerais. Suplemento Literário, v. 1, p. 1-40, 2006.
SCARPELLI, Marli de Oliveira Fantini. Fronteiras em falso: a poética migrante de Guimarães Rosa. (Tese Doutorado em Estudos Literários). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2000.
SCARPELLI, Marli de Oliveira Fantini. Fronteiras móveis: o grande sertão de Guimarães Rosa. Revista Cultura Em Diálogo Com a Saúde, Belo Horizonte, v. II, 1999.
SCARPELLI, Marli de Oliveira Fantini. Grande Sertão: veredas, em seu cinqüentenário. O Eixo e a Roda, v. Vol.12, p. 33-54, 2006.
SCARPELLI, Marli de Oliveira Fantini. Literatura e meio ambiente: Vidas secas e Grande sertão: veredas. In: Marli Fantini. (Org.). A poética migrante de Guimarães Rosa. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008. Coletânea com vários autores (no prelo). 1 ed. Belo Horizonte: Ed.UFMG, 2008, v. 1, p. 242-262.
SCARPELLI, Marli de Oliveira Fantini. Nos 50 anos de Grande sertão: Veredas: O mapa da aventura. Política democrática: Revista de Política e Cultura, Brasília, v. 1, n. 14, p. 147-149, 2006.
SCARPELLI, Marli Fantini. A fronteira transnacional do grande sertão rosiano. Disponível no link. (acessado 16.12.2011)
SCHIAVO, Sylvia França. Do território da lenda à lenda do território na travessia do Grande Sertão. (Tese Doutorado em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade). Rio de Janeiro: Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, UFRRJ, 2002.
SCHIAVO, Sylvia França. O sertão no verde dos olhos de Diadorim. In: Lélia Pereira Duarte et al.. (Org.). Veredas de Rosa III. 1ª ed. Belo Horizonte: PUC Minas, Cespuc, 2007, v. 1, p. 13-797.
SCHIAVO, Sylvia França. Sertão uno e múltiplo - ou “lua pálida no firmamento da razão”. Sociedade E Cultura, V. 10, N. 1, JAN./JUN. 2007, P. 41-44. Disponível no link. (acessado 16.12.2011).
SCHNEIDER, Castilho Francisco; SCHNEIDER, Maria Lizete da Silva. O Estatuto de Misérias no Grande Sertão. Disponível no link. (acessado em: 16.12.2011).
SCHÜLER, Donaldo. O épico em Grande Sertão: veredas. In: CESAR, Guilhermino et al. João Guimarães Rosa. Porto Alegre, Edições da Faculdade de Filosofia da UFRS, 1969.
SCHÜLLER, Donaldo. Grande sertão: veredas – Estudos. In COUTINHO, E. (org.) Guimarães Rosa. (Coleção Fortuna Crítica nº 6). Rio/Brasília: Civilização Brasileira/INL, 1983, p.360-377.
SCHWARTZ, Roberto. Grande Sertão e Dr. Faustus de Thomas Mann. In: A sereia e o desconfiado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965, p 28-36.
SCHWARTZ, Roberto. Grande sertão: a fala e Grande-sertão e Dr. Faustus. In: A sereia e o desconfiado. Ensaios críticos, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965, p. 37-51.
SCHWARZ, Roberto. Grande Sertão: Estudos. In COUTINHO, E. (org.) Guimarães Rosa. (Coleção Fortuna Crítica nº 6). Rio/Brasília: Civilização Brasileira/INL, 1983
SEGURA, Luz Adriana Sánchez. O Sertão em Grande Sertão Veredas. (Dissertação Mestrado em Literatura). Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 2010.
SELIGMANN-SILVA, Márcio. Grande Sertão: Veredas como gesto testemunhal e confessional. Estudos Neolatinos, Alea vol.11 no.1 Rio de Janeiro Jan./June 2009. Disponível no link. (acessado 16.12.2011)
SELLERS, María Rosa Álvarez. “Entre galas de mujer /armas de varón me adornan”: de Rosaura a Diadorim. Cerrados, Brasília: Universidade de Brasília, Faculdade de Educação v.17, n.25, (jan. 2008), p.177-189.
SENA FILHO, Nelson de. O deserto de Deus e o Sertão dos Homens: Guimarães Rosa e o Deserto do Sinai. In: Salma Ferraz. (Org.). No principio era Deus e Ele se fez poesia. Acre: EDUFAC, 2008, v. , p. 3-352.
SENA FILHO, Nelson de. Pluralidade paradigmática e o sertão de Guimarães Rosa: Novas abordagens geográficas. Universidade de São Paulo, Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina - 20 a 26 de março de 2005.
SENA FILHO, Nelson de. Sertão: o “espaço percebido” segundo Guimarães Rosa. SLT 62 – Geografias poéticas: figurações do espaço na literatura lusófona. Universidade de Évora, Portugal - 2010. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
SERRA, Tânia Rebelo Costa. A travessia de "Riobaldo Rosa", no Grande sertão: veredas, como um processo de individuação. Aletheia (ULBRA), v. 24, p. 69-80, 2006. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
SERRA, Tânia Rebelo Costa. Riobaldo Rosa: a vereda junguiana do Grande Sertão. 1. ed. Brasília: Thesaurus, 1990. v. 1. 143 p.. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
SERRA, Tânia Rebelo Costa. A viagem de Riobaldo Tatarana. Revista Lusorama, Frankfurf, v. 29, n. 1, p. 48-53, 1996.
SERRA, Tânia Rebelo Costa. O mito do andrógino e o da donzela guerreira na literatura épica. Universa, 5, 2, 1997, p. 211-219.
SERRA, Tânia Rebelo Costa. Riobaldo junguiano; ainda.... Cerrados (UnB), v. N. 25, p. 219-231, 2008.
SERRA, Tânia Rebelo Costa. Riobaldo Rosa - ou o homem moderno à procura da alma. (Dissertação Mestrado). Brasília: Universidade de Brasília, UNB, 1989.
SERVA, Leão. Em minissérie, perigos do grande sertão. São Paulo: Folha de São Paulo, 18.11.1985.
SERVA, Leão. Intelectuais julgam “Sertão”. São Paulo: Folha de São Paulo, 20.11.1985.
SERVA, Leão. O demo e os gerais. Folhetim, São Paulo: Folha de São Paulo, 30.12.1985.
SERVA, Leão. O sertão está em toda parte. Folhetim, São Paulo: Folha de São Paulo, 7.12.1985.
SILVA, Antonio de Pádua Dias da. Desejo homoerótico em Grande Sertão: Veredas. Revista da ANPOLL, v. 1, p. 201-226, 2008. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
SILVA, Carla. Diadorim como Diabo Feminino em Grande Sertão: Veredas. Linguagens - Revista de Letras, Artes e Comunicação ISSN 1981 - 9943 Blumenau, v. 1, n. 1, p. 43 - 52, jan./abr. 2007. Disponível no link. (acessado 09.12.2011).
SILVA, Clademilson Fernandes Paulino da. A Alquimia Religiosa como forma de Construção Literária no Romance Grande Sertão: Veredas de João Guimarães Rosa. Theós: Revista de Reflexão Teológica da Faculdade Teológica Batista de Campinas, v. 3, p. 1, 2007. Disponível no link. (acessado 9.12.2011)
SILVA, Clademilson Fernandes Paulino da. Inoperância e inexistência: Deus e o diabo lidos no Grande Sertão: Veredas de João Guimarães Rosa. In: XI Congresso Internacional da ABRALIC - Tessituras, Interações, Convergências, 2008, São Paulo. Anais do XI Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada, 2008. Disponível no link. (acessado 9.12.2011)
SILVA, Clademilson Fernandes Paulino da. O Sertão e o SerTao: o Imaginário sobre Deus e o Diabo no Grande Sertão: Veredas de João Guimarães Rosa. Theós: Revista de Reflexão Teológica da Faculdade Teológica Batista de Campinas, v. 1, p. 4, 2006. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
SILVA, Clademilson Fernandes Paulino da. Religião e Sertão: a palavra, a vida e o sagrado como veredas de leitura para a obra de João Guimarães Rosa. (Tese Doutorado Ciências da Religião). São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, UMESP, Brasil, 2009.
SILVA, Clademilson Fernandes Paulino da. Riobaldo e sua meia teologia: liberdade e sofrimento como temas de correspondência entre teologia e literatura. Correlatio (São Bernardo do Campo), v. 14, p. 5, 2008.
SILVA, Clademilson Fernandes Paulino da. Sobre o mistério cósmico: Deus e o Diabo lidos no Grande Sertão: Veredas de João Guimarães Rosa.. In: Salma Ferraz; Antonio Magalhães; Douglas Conceição; Eli Brandão; Waldecy Tenório. (Org.). Deuses em Poéticas: estudos de literatura e teologia. 1 ed. Belém: UEPA / UEPB, 2008, v. , p. 263-279.
SILVA, Clademilson Fernandes Paulino da. Liberdade e Sofrimento: o Grande Sertão: Veredas de João Guimarães Rosa em diálogo com a teologia de Juan Luis Segundo. (Dissertação Mestrado). São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, UMESP, Brasil, 2005, p. 133.
SILVA, Francisco Ivan da. Construção & Desconstrução do Épico: Ulysses na Travessia do Grande Sertão. (Tese Doutorado em Comunicação e Semiótica). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 1988.
SILVA, Francisco Ivan da. Ulysses na Travessia do Grande Sertão. São Paulo: Olavobrás, 1998.
SILVA, Francisco Ivan da. Grande Sertão: Barroco. Revista do Conselho Estadual de Cultura do RN, Natal RN, p. 43-60, 12 mar. 2006.
SILVA, Francisco Ivan da. Grande Sertão: Barroco. Limite, v. 1, p. 123-136, 2007.
SILVA, Marcelo José da. O Julgamento de Zé Bebelo: Uma Representação Clássica no Sertão. In: Anais ABRALIC, 2007.
SILVA, Mercia Roseli Pessôa e. Veredas Fáusticas da Narrativa: Almas Mortas e Grande Sertão. (Tese Doutorado em Estudos Literários). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, 2005.
SILVA, Vanilton Pereira da. A referenciação em Grande Sertão Veredas. Disponível no link. (acessado 16.12.2011)
SOARES, Claúdia Campos. A constituição da voz narrativa em Grande Sertão Veredas. In. Seminário Internacional Guimarães Rosa. (1998: Belo Horizonte). Veredas do Rosa. (oRG.) DUARTE, Lélia Parreira. et al. - Belo Horizonte: PUC Minas, CESPUC, 2000.
SOARES, Claudia Campos. A crítica de Grande sertão: veredas - ontem, hoje e amanhã. In: XXVII Seminário Brasileiro de Crítica Literária, 2011, Porto Alegre. Anais do XXVII Seminário Brasileiro de Crítica Literária, 2011.
SOARES, Claudia Campos. Crise de representação em Grande sertão: veredas. Revista Com Textos, Mariana - MG, v. 5, p. 60-67, 1994.
SOARES, Claudia Campos. Grande sertão: veredas e a tradição ficcional brasileira. In: V Congresso da Associção Internacional de Lusitanistas, 1998, Oxford. Actas do Quinto Congresso da Associação Internacional de Lusitanistas, 1996. p. 1523-1530.
SOETHE, P. A. Ethos, corpo e entorno: sentido ético da conformação do espaço em Der Zauberberg e Grande sertão: veredas. (Tese Doutorado Letras) São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 1999.
SOUSA, Patrus Ananias de. Sertão – a forte palavra. Disponível no link. (acessado 15.12.2011)
SOUZA FILHO, Aleixo. Fogo Morto: Violência e Opressão No Sertão Coronelista. Disponível no link. (acessado 14.12.2011).
SOUZA, Raquel F. Percorrendo as Várias Veredas do Sertão Humano. Disponível no link. (acessado 14.12.2011).
SOUZA, Ronaldes de Melo e. Ficção e Verdade: diálogo e catarse em Grande Sertão: Veredas. 1ª ed., Brasília: Clube de Poesia de Brasília, 1978. v. 1. 129p.
(Org.); SOUZA, Ronaldes de Melo e (Org.); SECCHIN, A. C. (Org.); ALMEIDA, J. M. G. (Org.); FARIA, Maria Lucia Guimarães de. Veredas no sertão rosiano. 1ª ed., Rio de Janeiro: 7 Letras, 2007. v. 1. 245p.
SOUZA, Ronaldes de Melo e. Ficção e Verdade: diálogo e catarse em Grande Sertão: Veredas". (Dissertação Mestrado em Literatura). Universidade de Brasília, UnB, 1977.
SOUZA, Ronaldes de Melo e. Ficção e realidade: diálogo e catarse em Grande Sertão: Veredas. Brasília: Thesaurus, 1990.
SPERA, Jeane Mari Sant’Ana. A função argumentativa dos "causos" em Grande Sertão: Veredas. In: XVIII Seminário do CELLIP - Centro de Estudos Linguísticos e Literários do Paraná, 2009, Ponta Grossa - PR. Anais do XVIII Seminário do CELLIP - Centro de Estudos Linguísticos e Literários do Paraná, 2007.
SPERA, Jeane Mari Sant’Ana. Argumentação e poética: um estudo da função argumentativa das estruturas comparativas em Grande Sertão: Veredas. In: Stessuk, Sílvio; Leal, Luciana. (Org.). Da última flor do Lácio. Petrópolis: Portal literário editora, 2009, v. , p. 11-27.
SPERA, Jeane Mari Sant’Ana. Estratégias argumentativas em Grande Sertão: Veredas. In: Jeane Mari Sant'Ana Spera, Eunice Lopes de Souza Toledo. (Org.). Lingüística Textual. Literatura, Relações textuais e Ensino. 1ª ed. Sáo Paulo: Arte & Ciência, 2007, v. 500, p. 10-21.
SPERA, Jeane Mari Sant’Ana. Grande Sertão: veredas. As artimanhas da Enunciação. Scripta (PUCMG), Belo Horizonte, v. 9, p. 178-184, 2005.
SPERBER, Suzi Frankl. A busca da liberdade e as regras de direito em Grande Sertão: veredas. SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 5, n. 10, p. 334-342, 1º sem. 2002. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
STARLING, Heloísa Maria Gurgel. Imagens do Brasil: Diadorim. Semear. Rio de Janeiro, nº 5, Departamento de Letras/Cátedra Padre António Vieira de Estudos Portugueses/Pontifícia Universidade Católica, 2001. Revista Semear nº 5, v. 1, p. 135-149, 2001. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
STARLING, Heloísa Maria Gurgel. Lembranças do Brasil: teoria política, história e ficção em Grande Sertão; Veredas. (Tese Doutorado Ciência Política e Sociologia). Rio de Janeiro: Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, IUPERJ-Tec, 1997.
STARLING, Heloisa Maria Murgel. Lembranças do Brasil; teoria política, história e ficção em Grande Sertão: veredas. 1. ed. Rio de Janeiro: Revan, 1999. v. 1. 190 p.
STARLING, Heloisa Maria Murgel. Nas Asas do Instante - sobre o uso de imagens em Grande Sertão: Veredas. In: Arlindo Daibert. (Org.). Imagens do Grande Serão. 1 ed. Belo Horizonte: Wolkswagen do Brasil, 1998, v. 1, p. 34-48.
STARLING, Heloisa Maria Murgel. O conceito de República em Grande Sertão Vereda. In: Newton Bignotto. (Org.). Pensar a República. Belo Horizonte: UFMG, 2000, v. 1, p. 122-143.
STARLING, Heloisa Maria Murgel. A Fronteira como forma de experiência em Grande Sertão Veredas. In: XX Simpósio Nacional de História, 1999, Florianópolis. Caderno de Resumo do evento. Florianópolis: ANPUH, 1999. v. 1. p. 80-90.
SUPLEMENTO LITERÁRIO. Especial Guimarães Rosa – 50º Grande Sertão: veredas. Secretaria de Estado da Cultura do Estado de Minas Gerais, Mai./ 2006. Disponível no link. (acessado 21.12.2011).
TELES, Daniele Cristina Agostinho. "Mire Veja": Travessias Epifânicas nas Veredas do Grande Sertão. (Dissertação Mestrado em Literatura e Crítica Literária). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil, 2012.
TENÓRIO, Carlene Maria Dias. Relação terapêutica e mudança de personalidade. Universitas Ciências da Saúde - vol. 1 n.1 - pp. 45-52. Disponível no link. (acessado 13.12.2011)
TENÓRIO, Waldecy. A confissão geral de Riobaldo. In: II Simpósio Internacional sobre religiões, religiosidade e culturas. Dourados/MS: UFGD e UFMS, 2006.
THEOBALDO, Carlos Eduardo Pereira. Pequenas Veredas em Grande Sertão. In: Duas visões: Guimarães Rosa e Clarice Lispector. THEOBALDO, Carlos Eduardo Pereira; BITTENCOURT, Ercília. Editora Ágora da Ilha, 2000. Disponível no link. (acessado 13.12.2011).
TORRES, Milton Luiz. O processo neológico em Grande Sertão Veredas. 1995. (Dissertação Mestrado Letras). Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1995.
TROGO, Sebastiao. A concepção de personagem no Grande Sertão Veredas. In: Cinqüentenário da Publicação do Grande Sertão Veredas, 2006, Belo Horizonte. PUC MInas Virtual, 2006.
TROGO, Sebastiao. A Poética de Guimarães Rosa: o olhar no Grande Sertão: Veredas. Xerografia do Centro de Educação Permanente da Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1983.
TROGO, Sebastiao. A trama do Olhar no Grande Sertão: Veredas. Kriterion, Belo Horizonte, p. 51-82, 1986.
TROGO, Sebastiao. Autrui: Promesse de me Fonder (Un Regard Sartrien Sur Le Grande Sertão: Veredas). Editora: Université catholique de Louvain, 1979. 882 p.
TROGO, Sebastiao. Travessia da Dor No Grande Sertão: Veredas. REVISTA TRAVESSIA, v. 7, n. 15, p. 11-40, 1989.
ULIANO, Bárbara Poli. A Trajetória Trágica e a “Hybris” de Riobaldo. Disponível no link. (acessado 10.12.2011)
UTÉZA, Francis. João Guimarães Rosa: Metafísica do Grande Sertão. (Trad.) GARBUGLIO, José Carlos. São Paulo: EDUSP - Editora Universidade de São Paulo, 1994.
VALADARES, Napoleão. Os personagens de Grande Sertão: Veredas. Brasília: André Quicé, 1982.
VALENTE, Luiz Fernando. Mediacão e afetividade: o leitor em Grande Sertão: Veredas. Travessia, Florianopolis, v. 15, p. 107-124, 1987.
VALENTE, Luiz Fernando. Affective Response in Grande Sertão: Veredas. Luso-Brazilian Review, Madison, WI, v. 23, n. 1, p. 77-88, 1986.
VALLADARES, Nelly. A visão erotizada do amor em Grande Sertão: Veredas. In: Seminário Internacional Guimarães Rosa. (1998: Belo Horizonte). Veredas do Rosa. (Org.) DUARTE, Lélia Parreira. et al. - Belo Horizonte: PUC Minas, CESPUC, 2000.
VASCONCELLOS, Lisa Carvalho. Figurações da leitura um estudo do papel do narratário: em Grande Sertão: Veredas. Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2006. Disponível no link. (acessado 16.12.2011).
VASCONCELLOS, Lisa Carvalho. Figurações da leitura: um estudo do papel do narratário em Grande: sertão veredas. Em tese, v. 10, p. 115-121, 2006.
VASCONCELLOS, Lisa Carvalho. Grande sertão: a escrita de uma leitura. SCRIPTA (PUCMG), Belo Horizonte, v. 9, n. 17, p. 371-386, 2005.
VASCONCELLOS, Lisa Carvalho. O narrador Riobaldo. O Escritor. In: Revista da União Brasileira de Escritores, v. 120, p. 56-57, 2008.
VASCONCELLOS, Lisa Carvalho. Tradução e legência no sertão rosiano. In: Lélia Parreira Duarte. (Org.). Veredas de Rosa III. 1 ed. Belo Horizonte: PUC Minas - Cespuc, 2007, v. 3, p. 447-452.
VASCONCELLOS, Lisa Carvalho. Um outro leitor de Grande sertão: veredas. O Guardador de Inutensílios, v. 8, p. 23-29, 2005. Figurações da leitura: um estudo do papel do narratário em Grande sertão: veredas. 1. ed. São Paulo: Scortecci, 2008. v. 1. 124 p.
VASCONCELLOS, Paulo. Walter Avancini, o mestre das minisséries. São Paulo: Folha de São Paulo, Ilustrada, p. 21. 30.12.1985.
VASCONCELOS, Sandra Guardini T. Homens provisórios. Coronelismo e jagunçagem em Grande Sertão: Veredas. In: Literatura Scripta. Revista do Programa de Pós-graduação em Letras e do Centro de Estudos Luso-afro-brasileiros da PUC-Minas. Edição Especial, 2º Seminário Internacional Guimarães Rosa – Rotas e Roteiros. V. 5, nº 10, 1º semestre de 2002. Belo Horizonte: PUC Minas, 2002. Disponível no link. (acessado 11.12.2011).
VASCONCELOS, Sandra Guardini Teixeira. Homens Provisórios: coronelismo e jagunçagem em Grande Sertão: Veredas. Scripta (PUCMG), v. 5, n. 10, p. 321-331, 2002.
VASCONCELOS, Sandra Guardini Teixeira. Migrantes dos espaços (sertão, memória e nação). Revista do Centro de Estudos Portugueses (UFMG), Belo Horizonte, v. 22, n. 30, p. 67-82, 2002. Disponível no link. (acessado em 16.12.2011).
VASCONCELOS, Sandra Guardini Teixeira. Migrantes dos Espaços (sertão, memória e nação). Letterature d'America, Roma, v. XXI, n. 87, p. 161-176, 2001.
VEJMELKA, Marcel. A travessia perigosa: Grande sertão: veredas e Doutor Fausto em leitura dialógica. Estudos Avançados, São Paulo, v.23, nº. 65, 2009, p. 299-315. Disponível no link. (acessado 9.12.2011).
VEJMELKA, Marcel. Grande sertão: veredas (João Guimarães Rosa) Doktor Faustus (Thomas Mann): Kritik interkultureller Vermittlung und dialogische Lektüre. In: SEVILLA, Rafael; COSTA, Sérgio; COY, Martin. (Org.). Brasilien in der postnationalen Konstellation. 1 ed. Tübingen: Zentrum für wissenschaftliche Kommunikation mit Ibero-Amerika (CCC), 2003, v. , p. 66-75.
VEJMELKA, Marcel. Kreuzwege: Querungen. João Guimarães Rosas Grande sertão: veredas und Thomas Manns Doktor Faustus im interkulturellen Vergleich. Berlim: Edition Tranvía, 2005. v. 1. 484 p.
VEJMELKA, Marcel. Kreuzwege: Querungen. João Guimarães Rosas Grande sertão: veredas und Thomas Manns Doktor Faustus im interkulturellen Vergleich. (Tese Doutorado Estudos Latino-americanos/brasileiros.). Freie Universität Berlin, FU-Berlin, Alemanha, 2004.
VEJMELKA, Marcel. O sertão também existe na Alemanha. IHU online, São Leopoldo, p. 25-29, 2 mai./2006.
VEJMELKA, Marcel. Sertão, savana e musseques. Espaço e linguagem de João Guimarães Rosa em diálogo com realidades africanas. In: CHIAPPINI, Ligia; VEJMELKA , Marcel. (Org.). Espaços e caminhos de João Guimarães Rosa. Dimensões regionais e universalidade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009, v. , p. 125-144.
VEJMELKA, Marcel. Und Berlin wurde zum Sertão. [über das internationale Symposium João Guimarães Rosa: Räume und Wege in Berlin]. Tópicos, Bonn, p. 38 - 39, 15 dez. 2008.
VIANA, Abel da Silveira. A confissão de Riobaldo na ficção de Grande sertão: veredas. Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder - Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
VIANA, Abel S. Campo e Cidade: Grande Sertão e Tristes Trópicos. Anuário de Literatura 13, vol. I, 2008, p. 7-15. Disponível no link. (acessado 10.12.2011).
VIANA, Irma. A escrita da nação no Grande Sertão de Guimarães Rosa. Baleia na rede (UNESP. Marília), v. v.1, p. 236-249, 2009. Disponível no link. (acessado 13.12.2011).
VIGGIANO, Alan. Diadorim-Deodorina: Hermes versus Afrodite em Grande Sertão: Veredas. Brasília: André Quicé Editor: 1987.
VIGGIANO, Alan. Itinerário de Riobaldo Tatarana. Belo Horizonte: Ed. Comunicação, 1974.
VILALVA, Walnice Aparecida Matos. Grande sertão: veredas: amor e homoerotismo. In: VILALVA, W. A. M., Miyazaki, Tieko Y., MELO, F.. (Org.). Encontros e Travessia. CÁCERES: Editora UNEMAT, 2011, v. 1, p. -.
VILALVA, Walnice Aparecida Matos. Imagem e memória em Grande Sertão: veredas. Revista Ecos (Cáceres), v. 6, p. 31-39, 2008.
VILALVA, Walnice Aparecida Matos. O narrador Riobaldo e a construção do encantamento. Sínteses (UNICAMP), v. I, p. 91-98, 2004.
VILALVA, Walnice Aparecida Matos. O pacto narrativo em. Glauks (UFV), Viçosa, v. 4, p. 296-305, 2000.
VILALVA, Walnice Aparecida Matos. Reinaldo/Diadorim/Maria Deadorina: identidade e ruptura. In: XIV Congresso de Leitura do Brasil, 2003, Campinas. XIV Congresso de Leitura do Brasil. Campinas: Associação de Leitura do Brasil, 2003. p. 63-69.
VILALVA, Walnice Aparecida Matos. Riobaldo e Diadorim e o tema da homossexualidade. Cerrados (UnB. Impresso), v. 17, nº 25 p. 233-243, 2008.
VINAUD, Naiara Cristina Azevedo; MARTINS, Alécio Perini; AMARO, Fernanda Ribeiro. O Sertão em Prosa e Verso: Transformações Ocorridas no Cerrado Mineiro Descritas pela Literatura dos Poetas e dos Cancioneiros Populares. Uberlândia: Caminhos de Geografia – revista on line, Instituto de Geografia UFU, v. 8, n. 23 Edição Especial p. 105 – 110. Disponível no link. (acessado 11.12.2011).
WARD, Teresinha Souto. O discurso oral em Grande Sertão: veredas. São Paulo: Duas Cidade; INL, Fundação Nacional Pró-Memória, 1984.
ZILBERMAN, Regina. Grande Sertão: Veredas do Mito. In: NONADA - Letras em revista. Porto Alegre: Faculdade Ritter dos Reis. Ano 1, n. 1, ago/dez 1997.



"Tenho medo de tentar comparações. Não direi, por isso, que a obra de Guimarães Rosa é a maior da literatura brasileira de todos os tempos. Direi porém que nenhuma outra, de nenhum escritor, me deu até hoje, entre brasileiros, a mesma idéia de tratar-se de criação absolutamente genial."
- Sérgio Buarque de Hollanda




Ilustração,de Poty - 1.ª orelha, pictograma, capa e folha de
rosto da primeira edição de Grande Sertão, mapa e dedicatórias.


"A raridade com que se entremostra nas seiscentas páginas de Grande Sertão: Veredas valoriza a presença do mar como símbolo cujo sentido não se revela claramente, mas que roça com um largo sopro de poesia trechos de grande intensidade emocional.Romance de rios, romance de afluentes espraiados no sertão, sem saída para o oceano, o mar nele aparece como o grande desconhecido, mistério que se associa à morte, à eternidade, ao fim de tudo, quando a vida deságua no infinito."
- Manoel Cavalcante Proença


ADAPTAÇÕES DA OBRA DE GUIMARÃES ROSA PARA O CINEMA E A TELEVISÃO
Filme: Grande Sertão Veredas
Sinopse: Após escrever com alta intensidade criativa durante dois anos, Guimarães Rosa chega ao terceiro livro em 1956. ''Grande Sertão: Veredas'' traz uma narrativa épica que se desenrola por 600 páginas e mostra de maneira inovadora para sua época, e com uma impressionante técnica literária, o jeito rude do homem do sertão mineiro. Guimarães nos brinda com a história de um ''amor proibido'' e imensa profundidade psicológica entre seus dois personagens principais: Riobaldo sente-se atraído pelo companheiro Diadorim, sem saber que este é na verdade uma garota vestida de homem. Ela fez isso para poder se vingar daqueles que mataram seu pai. A mesma história foi adaptada numa minissérie feita para a TV, em 1985.
Ano: 1965, Brasil.
Duração: 92 min.
Gênero: Documentário
Tipo: Longa-metragem / P&B
Produtora: Companhia Cinematográfica Vera Cruz, Vila Rica Produções Cinematográficas
Distribuidora: Fantasy Music
Direção e roteiro: Geraldo Santos Pereira e Renato Santos Pereira
Música: Radamés Gnatalli
Elenco: João Barros, Zózimo Bulbul, Sônia Clara, Paulo Copacabana, Ivan De Souza, Maurício do Valle, Milton Gonçalves, Glória Goulart, David José, Generino Luiz, Nilda Maria, Gilberto Marques, Graça Mello, Olegário Mundin, Luigi Picchi
Prêmios: [...]

Minissérie: Grande Sertão Veredas
Sinopse: A história de um ''amor proibido'' e imensa profundidade psicológica entre seus dois personagens principais: Riobaldo sente-se atraído pelo companheiro Diadorim, sem saber que este é na verdade uma garota vestida de homem. Ela fez isso para poder se vingar daqueles que mataram seu pai. Grande sucesso na TV Globo, essa minissérie adapta o terceiro romance de Guimarães Rosa, ''Grande Sertão: Veredas''. Um clássico que traz uma narrativa épica que se desenrola por 600 páginas e mostra de maneira inovadora para sua época, e com uma impressionante técnica literária, o jeito rude do homem do sertão mineiro.
Ano: 1985, Brasil.
Gênero: Drama
Tipo: Série de TV / Colorido
Produtora: Rede Globo de Televisão
Diretor: Walter Avancini
Roteirista: Walter Avancini, José Antônio de Souza, Walter George Durst, João Guimarães Rosa
Música: Julio Medaglia
Elenco: Tony Ramos, Bruna Lombardi, Tarcísio Meira, Eduardo Abbas, Paulo Alencar, Mario Alimari, José Alves, José Maria Amorim, Regina Andrade, Walter Babalu, Manfredo Bahia, Vera Barbosa, Ricardo Ferreira Batista, Bentinho.



Filme: Rio de Janeiro, Minas
Sinopse: O encontro de Riobaldo e Diadorim no porto do Rio de Janeiro e a posterior travessia pelo rio São Francisco.
Ano: 1993
Gênero: Curta-metragem – formato 35 mm, colorido
Tipo: Ficção
Duração: 8 min. Minutos
Diretora: Marily da Cunha Bezerra
Fotografia: Kátia Coelho
Montagem: Sarah Yakhni
Prêmios:[...]
Contato: Museu da Imagem e do Som - a/c Setor Cinema São Paulo – SP.



Filme: Os Nomes de Rosa
Os Nomes do Rosa: Veredas do Sertão Mineiro
Sinopse: Um documentário, cinco episódios, cada um com 45 minutos. Somando quase cinco horas de duração.
Ano: 1997
Gênero: Documentário, dividido em cinco episódios, cada um com 45 minutos. Somando quase cinco horas de duração. "Os nomes do Rosa" foi exibido no canal de TV por assinatura GNT, e foi recebido com entusiasmo pelos amantes e estudiosos da obra de Guimarães Rosa.
Tipo: Documentário
Direção Geral: Pedro Bial
Direção: Claufe Rodrigues e Pedro Bial
Produtora: GNT
Produção Executiva: Tereza Gonzalez e Vânia Catani
Roteiro: Ana Luiza Martins Costa, Claufe Rodrigues e Pedro Bial
Coordenação de Pesquisa: Ana Luiza Martins Costa
Direção de Produção: Fernando Zagallo
Direção de Fotografia: José Guerra
Still – fotografo: Cafi
Primeiro Episódio:

"Os Nomes do Rosa" começa pelo fim. O escritor morreu três dias depois de tomar posse na Academia Brasileira de Letras. Antes de vestir o fardão, porém, teria adiado a cerimônia várias vezes. Surge então o lado mais supersticioso de Guimarães Rosa - que, dizem, teria tido sonhos premonitórios e por isso protelado a posse. O fato é bom pretexto para investigar uma velha lenda: Rosa teria feito um pacto com o demo? Alguns confirmam ou desfazem esse aspecto místico, enquanto vaqueiros que conviveram com ele de perto falam sobre o demo. O mesmo episódio volta a dar voz aos sertanejos para que eles contem histórias fantásticas do sertão, provando que elas são tão ou mais fabulosas que as narrativas do próprio Rosa.
Segundo Episódio:

O tema do capítulo é a reconstituição da famosa viagem das cadernetas. Apenas um dos caderninhos de anotação de Rosa está intacto, preservado no Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo (foi filmada pela equipe e é mostrada neste episódio). Mas o autor datilografou o conteúdo de várias outras, deixando bastante completa a documentação de sua viagem. Serão mostradas várias imagens de fazendas sertanejas e testemunhos que confirmam que ele estava sempre anotando tudo. O encerramento é dedicado ao universo dos vaqueiros, seus causos,seu trabalho e sua prosa.
Terceiro Episódio:
A equipe de "Os Nomes do Rosa" rastreou vários cenários de Grande sertão: veredas no mapa e foi visitá-los pessoalmente, reconstituindo o caminho de Riobaldo. Puderam constatar, porém, que nesse livro Rosa não foi tão preciso na sua descrição geográfica. Segundo os roteiristas, chega um momento em que surgem rotas imaginárias, aparece outra dimensão além da geográfica. Entra em pauta um aspecto importante: o universalismo do sertão de Rosa, defendido por vários críticos. O documentário mostra o encontro do Rio das Velhas com o Rio São Francisco, onde Riobaldo, no Romance, se dá conta de que está apaixonado por Diadorim. No último bloco, comprova-se que Guimarães Rosa se ancorou na história do sertão para escrever seus livros, tomando como modelo personagens reais. O jagunço, como figura simbólica do sertão, é então analisado.
Quarto Episódio:
Manuelzão, em seu depoimento, foi categórico: "O sertão acabou". O que significa isso? A chegada dos eucaliptos, das carvoarias, dos caminhões que transportam as boiadas, dos postos de gasolina e antenas parabólicas: foi esse o sertão que se transformou, incorporando a modernidade. Mas a cultura, como prova este capítulo de "Os Nomes do Rosa", nunca esteve tão viva. Abre-se espaço para uma discussão mais teórica e política, discutindo também a relação entre o sertão de Rosa e o de Euclydes da Cunha, autor de Os sertões. A câmera chega até o parque Grande Sertão, reserva ecológica mais importante da área. O bloco final é dedicado às sertanejas, também fortes, e chega a localizar alguns personagens femininos de Rosa que também existiram. Principalmente as prostitutas de Montes Claros, cidade que já foi fim de linha de estradas de ferro e já teve 10 mil habitantes e quatro mil prostitutas, e que foram retratadas pelo autor.
Quinto Episódio:
No desfecho do documentário o princípio de tudo: o último capítulo aborda a infância de Rosa, e vai buscar amigos seus que ainda moram em Cordisburgo, sua terra natal. Fala de sua paixão pelo xadrez, seu desenvolvimento como um menino prodígio, e sua primeira atividade profissional, como médico.



Filme/ Especial: Grande Sertão: Veredas
Adaptação: adaptação para a televisão de um dos maiores clássicos da literatura do século XX, em homenagem ao centenário de nascimento de João Guimarães Rosa. Com elementos de ficção sobre a obra clássica de Guimarães Rosa "Grande Sertão: Veredas", combinando depoimentos, entrevistas, trechos encenados, referências gráficas e músicas inspiradas em sua obra.
Gênero: Docu-drama
Produtora: Bossa Nova Films e Record
Ano: 2008
Duração: 30/40 minutos
Roteiro: Sérgio Augusto Andrade (o Arapinha)
Adaptação do Texto: Willy Biondani
Direção: Sérgio Augusto Andrade e Willy Biondani
Direção de fotografia: Walter Carvalho Corrêa
Direção de arte: Sidney Biondani.
Produção Executiva: Denise Gomes
Elenco: Silvia Lourenço e Odilon Esteves
SiteBossa Nova Filmes



Filme: A João Guimarães Rosa
Sinopse: Imagens do sertão mineiro (tipos humanos, aspectos geográficos, afazeres domésticos) e trechos narrados do romance 'Grande Sertão: Veredas'.
Ano: 1968
Gênero: Curta-metragem – 35 mm, P&B, 12 minutos
Tipo: Documentário
Produtora: ECA/USP - Departamento de Cinema da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo; Roberto Santos Produções Cinematográficas Ltda.
Diretor: Roberto Santos
Fotografia: Maureen Bisiliat
Narração: Humberto Marçal
Música: Chico de Moraes
Prêmios:
- Melhor Filme Experimental no Festival de São Carlos, 1, 1969, SP.
- Primeiro Prêmio de Curta Metragem no Festival Norte do Cinema Brasileiro, 1, 1969, Manaus - AM.
- Melhor Curta Metragem no Festival de Brasília, 5, 1969, Brasília - DF.


Filme: Veredas Mortas
Sinopse: "Um registro da realidade geográfica humana e mitológica do sertão de Minas Gerais, cuja magia inspirou o escritor Guimarães Rosa, notadamente em 'Grandes Sertões: Veredas', refletindo também sobre as perspectivas de transformação radical dessa região a médio prazo, a partir da implantação de grandes projetos rodoviários, agrícolas e industriais." (FBHCM/5
Ano: 1975
Gênero: Curta-metragem
Tipo: Documentário
Produtora: Filmes D'el Rei Ltda.; Embrafilme
Diretor/ roteirista: Victor de Almeida
Música: Tavinho Moura; Grupo Corte Palavra e Renato Andrade
Narração: José Aurélio Vieira
Prêmios:
- Melhor Roteiro de Curta-metragem no Festival de Brasília, 9/1976, Brasília/DF.
- Prêmio Secretaria de Estado de Governo no Concurso Anual de Filmes Mineiros de Curta-metragem, 1, 1977, MG.



Filme: Do Sertão ao Beco da Lapa
Adaptação: Uma homenagem a Guimarães Rosa, com a participação dos personagens reais de Guimarães Rosa: Manuelzão e Juca Bananeiro. Aos poucos é Rosa quem vai se tornando mito diante dos causos de seus personagens, agora presentificados em realidade.
Ano: 1972
Cor: Colorido
Duração: 20 minutos
Formato: 35 mm/ ou 16 mm?
Gênero: Documentário
Direção: Maurice Capovilla,
Produtora: Globo Shell Especial, TV Globo
Direção de fotografia: Walter Carvalho e Hermano Penna
Narração: Lima Duarte; Paulo Sesar Pareio; Mario Lago
Produção executiva: Quindó
Montagem: Laércio Silva
Música: Adauto Santos e Leo Karan
Sonorização: Odil Fono Brasil
Coordenação geral: Carlos Augusto Oliveira



"A experiência documentária de Guimarães Rosa, a observação da vida sertaneja, a paixão pela coisa e o nome da coisa, a capacidade de entrar na psicologia do rústico - tudo se transformou em significado universal graças à invenção, que subtrai o livro da matriz regional, para fazê-lo exprimir os grandes lugares-comuns, sem os quais a arte não sobrevive: dor, júbilo, ódio, amor, morte, para cuja órbita nos arrasta a cada instante, mostrando que o pitoresco é acessório, e na verdade, o Sertão é o Mundo.”
- Antônio Cândido



CD ÁUDIO
Título: João Guimarães Rosa: 7 Episódios De Grande Sertão: veredas.
Autor: ROSA, João Guimarães
Local: São Paulo
Data: 1997
Resumo: Contém 7 episódios recortados e selecionados que correspondem a momentos fundamentais do romance "Grande Sertão: Veredas”, nas vozes de Antônio Cândido, Davi Arrigucci Jr. e José Mindlin.
Série: Ler e ouvir.


"Guimarães Rosa é épico, em tom maior, caudaloso rio como o São Francisco, amplo painel que trata de temas míticos, místicos e metafísicos que atravessam a literatura desde sempre."
- Affonso Romano de Sant’Anna em entrevista ao IHU On-Line/Unisinos.



ADAPTAÇÕES DA OBRA DE GUIMARÃES ROSA PARA O TEATRO
Nome do Espetáculo: O Homem Provisório (livremente inspirado em Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa)
Obra Adaptada: O espetáculo O Homem Provisório, do poeta popular cearense Geraldo Alencar, interpretado pelo grupo Casa Laboratório para as Artes do Teatro é inspirado na obra de João Guimarães Rosa, Grande Sertão: Veredas. A peça foi dirigida pelo ator e diretor Cacá Carvalho, em parceria com o diretor italiano Roberto Bacci.
O Homem Provisório narra a história de um jagunço que, ao tentar atravessar o sertão, se depara com situações inusitadas, inclusive com a presença de outros jagunços, que já "partiram" e se materializam para ajudá-lo na sua travessia. A peça é fruto de um intenso trabalho de pesquisa e estudo sobre a obra de Guimarães Rosa. Cangaceiros, sertanejos, jagunços, literatura de cordel e sonoridades norteiam este trabalho, que é ao mesmo tempo um percurso de formação e aprendizado.
Grupo de Teatro: Casa Laboratório de São Paulo
Texto: Geraldo Alencar (poeta popular cearense)
Diretor: Cacá Carvalho (Carlos Augusto Carvalho Pereira), em parceria e colaboração artística do diretor italiano Roberto Bacci
Cenário/Figurino: Márcio Medina
Iluminação: Fábio Retti
Vocal: Francesca Della Monica
Rabequeiro e artesão: Di Freitas (Juazeiro do Norte)
Elenco: Dinho Lima Flor, Fabiana Barbosa, Joana Levi, Laila Garin, Leonardo Ventura, Majó Sesan, Marcelo valente e Raquel Tamoio.
Ano: 2006
Localidade: São Paulo/SP
Contato: oficina@casalaboratorio.com.br

Nome do Espetáculo: Grande Sertão
Obra Adaptada: adaptação do romance Grande Sertão veredas
Grupo de Teatro: Escola Livre de Teatro de Santo André
Adaptação: Luís Alberto de Abreu
Direção: Cacá Carvalho
Ano: 1992
Localidade: Santo André/SP.



"A aliteração é um dos recursos poéticos mais importantes empregados por Guimarães Rosa [...] Ela se estende desde a simples reduplicação de um fonema ou uma sílaba até a repetição de vocábulos ou expressões inteiros (qual e qual) e serve geralmente ao propósito de reforçar o conteúdo expressional através da criação de uma atmosfera sugestiva."
- Eduardo Faria Coutinho, 1968.


TEM MAIS JOÃO GUIMARÃES ROSA POR AQUI


REFERÊNCIAS E OUTRAS FONTES DE PESQUISA


"A aliteração é “Conhecê-lo assim como ler e reler suas obras, foi um dos grandes privilégios de minha vida. Quem tem hábito de leitura e ainda não leu Guimarães Rosa não sabe o que está perdendo.”
- José Mindlin – Bibliófilo, in: Revista da Cultura nº 12 - julho 2008.


© Direitos reservados aos seus herdeiros

© Pesquisa, seleção e organização: Elfi Kürten Fenske


=== === ===
Trabalhos sobre o autor:
Caso, você tenha algum trabalho não citado e queira que ele seja incluído - exemplo: livro, tese, dissertação, ensaio, artigo - envie os dados para o nosso "e-mail de contato", para que possamos incluir as referências do seu trabalho nesta pagina. 

____
Página atualizada em 8.3.2015.


Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2016 Templo Cultural Delfos

5 comentários:

  1. Olá Elfi e Gabriela!
    Vocês não sabem que grande valia foi encontrar o blog com todos os estudos feito sobre Grande Sertão: Veredas do nosso querido Guimarães Rosa. Agradeço o trabalho e desejo Sucesso e Boa Sorte.
    Um abraço
    Sula Santana

    ResponderExcluir
  2. Olá Sula, que bom que lhe foi útil o que encontrou aqui. Ficamos contentes em pode contribuir de algum modo.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. O blog é realmente um tesouro na internet! Parabéns!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,
      obrigada!
      fico feliz que tenha gostado, espero que volte mais vezes.
      Abraços.

      Excluir
  4. Não li todo o blog, pois estou em horário de almoço, por isso posso não ter visto e está aí. Mas assim mesmo envio: CD Rosas para João, merece ser citado no blog: http://www.renatomothaepatricialobato.com/products/posas%20para%20jo%C3%A3o/

    ResponderExcluir

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!