Olinda Beja - saberes e vivenciais

 
Olinda Beja - foto: © Luís Guita / RFI


© Pesquisa, seleção, edição e organização: Elfi Kürten Fenske
Por gentileza citar conforme consta no final desse trabalho.


ESBOÇO BIOBIBLIOGRÁFICO DE OLINDA BEJA

Maria Olinda Beja Martins Assunção, conhecida como Olinda Beja, nasceu em 8 de dezembro de 1948, na cidade Guadalupe, São Tomé e Príncipe. Com quase 3 anos de idade é enviada para Portugal (Mangualde – Beira Alta). Poeta, romancista, contadora de histórias.

Em Portugal estudou e obteve o  Diploma Superior dos Altos Estudos Franceses da Alliance Française e, mais tarde, a Licenciatura em Línguas e Literaturas Modernas (Português/Francês), pela Universidade do Porto. Fez ainda o Curso de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa (LALP) pela Universidade Aberta, tendo concluído, na Suíça, vários outros cursos inerentes à sua atividade profissional e literária. Foi professora do Ensino secundário desde 1976. A partir de 2005 e até 2014 lecionou Língua e Cultura Portuguesas na Suíça.

Aos 37 anos redescobre a sua ilha natal e dedica-lhe as suas obras, e, a partir de então, tem assumido o papel de Embaixadora da Cultura Santomense. Divide o seu tempo entre os dois países e corre o mundo para falar das Ilhas.  Escreve livros, conta e canta histórias sempre que o seu coração lhe pede. Olinda Beja tem 22 livros publicados, entre poemas, contos, romances e infanto-juvenis.  

As suas obras são objeto de estudo em várias universidades no Brasil, Inglaterra, Alemanha, França, África do Sul e nas escolas portuguesas da Suíça e de Luxemburgo onde, como leitura integral, foram adotadas as seguintes obras "15 Dias de Regresso"(Romance)  e "Pé de Perfume" (Contos).  O livro de contos "Histórias da Gravana" foi nomeado, entre os finalistas, para o grande Prémio Literário PT 2012.

Em 2013 venceu o Prémio Literário Francisco José Tenreiro (o maior prémio literário de S. Tomé e Príncipe) pela sua obra poética À Sombra do Oká. Em 2015 o seu livro Um Grão de Café entrou para o Plano Nacional de Leitura de Portugal.

Como contadora de histórias e dinamizadora cultural, tem desenvolvido o projeto pedagógico-cultural “A Arte do Dizer e do Contar” em vários palcos do mundo – Brasil, França, Austrália, Timor, Espanha, Luxemburgo, Portugal, Suíça, Alemanha, fazendo com que haja um maior conhecimento da poesia e dos poetas de São Tomé e Príncipe.

Tem ainda poemas e contos traduzidos para espanhol, francês, inglês, chinês (mandarim), árabe e esperanto, publicados em antologias e revistas. 

É membro da UNEAS (União dos Escritores e Artistas de S. Tomé e Príncipe) desde 1992. 

****

Olinda Beja - foto: © RTP

OBRA DE OLINDA BEJA


Poesia
:: Bô Tendê?. Olinda Beja. [ilustrações José Alfredo Ramirão Costa]. Aveiro: Câmara Municipal de Aveiro, 1992; D.L. 1994.
:: Leve, Leve. Olinda Beja. Aveiro: Câmara Municipal de Aveiro, 1993.
:: No País do Tchiloli. Olinda Beja. Aveiro: Câmara Municipal de Aveiro, 1996.
:: Quebra-marOlinda Beja. [ilustrações Artur Fino]. Aveiro: Câmara Municipal de Aveiro, 2001.
:: Água CrioulaOlinda Beja. 1ª ed., Coleção Acácia rubra, n. 5. São Tomé e Príncipe: Centro Cultural Português/Instituto Camões, 2002;  2ª ed., [nota de apresentação Armindo Vaz de Almeida]. Coimbra: Pé de Página Editores, 2007.
:: O Cruzeiro do SulOlinda Beja. Edição bilingue Port./Esp. – Pontevedra: EditEl Taller del Poeta, 2011.
:: À Sombra do OkáOlinda Beja. Coleção Mamana poesia. Viseu: Edições Esgotadas, 2015. {Prémio Francisco José Tenreiro}.
:: Kilêlê - A Dança Sagrada do Falcão. Olinda Beja. Lisboa: Rosa de Porcelana Editora, 2021. 

Romance
:: 15 dias de regressoOlinda Beja. [capa de Jeremias Bandarra]. Aveiro: Câmara Municipal de Aveiro, 1993; 3ª ed., rev. e aumentada. Coimbra: Pé de página Editores, 2007.
:: A Pedra de Villa NovaOlinda Beja.  Coleção Imagens de Hoje. Viseu: Palimage Editores, 1999.

Conto e crônica
:: Pingos de ChuvaOlinda Beja.  Coleção Tempo de África, 1. Viseu: Palimage Editores, 1999.
:: A Ilha de IzunariOlinda Beja. [prefácio Jorge Paiva; ilustrações José Belo; capa Ilídio Jordão; foto Ângelo Salvadinha]. Coleção Canto do ossobó, vol. 2. S. Tomé e Príncipe: UNEAS - União Nacional dos Escritores e Artistas de S. Tomé e Príncipe, 2003.
:: Pé-de-PerfumeOlinda Beja.[ilustrações Sara Bandarra; fotografia Alfredo Assunção].  Lisboa: Escritor, 2004; 2ª ed., 2005; Viseu: Eden Gráfico, 2015; 4ª ed.,  Odivelas: Nimba Edições, 2021. {Bolsa de Criação Literária, 2004}.
:: A casa do pastorOlinda Beja. Colecção Viagens na Ficção. Lisboa: Chiado Editora, 2011. {livro traduzido para inglês por Ann Morgan}.
:: Chá do Príncipe (Fyá Xalela)Olinda Beja. Lisboa: Rosa de Porcelana Editora, 2017.

Infanto-juvenil
:: Simão BalalãoOlinda Beja. [ilustrações Elsa Ribeiro].  Vila Nova de Famalicão: Editorial Novembro, 2000.
:: Um grão de café: uma simples homenagem ao menino chinês do pote vazio. Olinda Beja. [ilustrações Teresa Bondoso; rev. Ana Maria Oliveira]. Moimenta da Beira: Edições Esgotadas, 1ª ed., 2013; 2ª ed., 2014; 3ª ed., 2015; 6ª ed., 2019. {integra o Plano Nacional de Leitura de Portugal}.
:: Tomé Bombom. Olinda Beja. [ilustrações Teresa Bondoso]. Viseu: Edições Esgotadas, 2016. 
:: Bom Dia Mamã-Flor!. Olinda Beja. [ilustrações Celsa Sanchez]. Vila Nova de Famalicão: Editorial Novembro, 2021.

Obra publicada no Brasil
Poesia
:: Aromas de CajamangaOlinda Beja. [organização e prólogo de Floriano Martins]. Coleção Ponte Velha. São Paulo: Escrituras Editora, 2009.
:: À Sombra do OkáOlinda Beja. [prefácio Zuleide Duarte]. São Paulo: Universo dos Livros, 2015.
Conto
:: Histórias da GravanaOlinda Beja. [prefácio Zuleide Duarte e Salvato Trigo]. São Paulo: Escrituras Editora, 2011. {Bolsa de Criação Literária, 2008}.
:: Chá do príncipe. Olinda Beja. Rio de Janeiro: Imã Editorial, 2021.

Em Antologias, coletâneas e seletas (participação)
:: Poesia africana de língua portuguesa - Antologia. [organização Livia Apa, Arlindo Barbeitos e Maria Alexandre Dáskalos]. Rio de Janeiro: Lacerda Editores; Academia Brasileira de Letras, 2003.
:: Literaturas insulares: leituras e escritas de Cabo Verde e São Tomé e Príncipe [organização Margarida Calafate Ribeiro, Silvio Renato Jorge]. Porto: Edições Afrontamento, 2011.
:: Ligarás tu corazón con el mío: antología de poesía africana de expresión portuguesa. [org. e traducion Rodrigo Arreyes, colaboración de Damián Lamanna Guiñazú; ilustración Ana Belén Barbieri]. Edición bilingüe. Editorial Simulcoop, 2012. {poetas presentes: Jaime Munguambe/Mozambique, Olinda Beja/ Santo - Tomé y Príncipe, José Craveirinha/Mozambique), Abraão Vicente/Cabo Verde y Nuno Rebocho/Cabo Verde}
:: Portugal-África: mitos e realidades vivenciais e artísticas [coord. Cristina Costa Vieira... [et al.]; design da ca. Madalena Sena. - Covilhã: Serviços Gráficos da Universidade da Beira Interior, 2012.
:: Roça Língua. coletânea de contos. [organização Marta Lança e Ana Monteiro; prefácio Isaura Carvalho; ilustração René Tavares]. Vila Nova de Famalicão: Editorial Novembro, 2014. {autores: Paulo Ramalho, Olinda Beja, Marta Lança, Ricardo Alves, Tatiana Salem Levy, Waldir Araújo, Ungulani Ba Ka Khosa, José Fialho Gouveia, José Eduardo Agualusa, Celina Pereira, Alberto S. Santos, Claudia Clemente, Daniel Galera, João Ferreira Oliveira, Filinto Elísio, Albertino Bragança}.
:: Literatura-mundo comparada, perspectivas em português, parte I. [coordenação Inocência Mata; Helena Carvalho Buescu]. Vol. II. Lisboa: Centro de Estudo Comparatistas; Letras Lisboa, Tinta da China, 2017. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).
:: À margem da Literatura / Literatura e Lusofonia: Anais do VII Encontro de Escritores de Língua Portuguesa 2017. [coord. Rui D'Ávila Lourido]. Cidade Praia/ Cabo Verde: UCCLA-União das Cidades, 2017. {autores presentes: Ana Mafalda Leite, Antonio Carlos Secchin, António-Pedro Vasconcelos, Bruno Vieira Amaral, Daniel Medina, Deusa D'África, Diana Andrinca, Emílio Tavares Lima, Inocência Mata, Jéssica Faleiro, João Nuno Azambuja, Jorge Gonçalves, José Carlos Vasconcelos, José Manuel Simões, Nuno Pinto, Nuno Rebocho, Olinda Beja, Raquela Ochoa, Rui Simões, Sérgio Godinho, Thiago Braga e Vera Duarte}. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).
----------
* imagemOlinda Beja - arte © Francisco Conrado.

Participação / textos poéticos 
:: Págá dêvê. José A. Chambel. [textos poéticos de Olinda Beja; prefácio analítico de José Afonso Furtado]. Coleção Fotografia. Coimbra: Palimage Editores, 2000. {S. Tomé e Príncipe em fotografia.Um álbum que marca o regresso de um fotógrafo de arte à sua terra de origem após longos anos de ausência}.

Colaboração
:: Cadernos de Não-Ficção, n. 5. ano 5,  [editores Bruno Mattos, Samir Machado de Machado, Antônio Xerxenesky; editor convidado Reginaldo Pujol Filho]. Porto Alegre: Não Editora, dez. 2013. {colaboradores da edição: André Araujo, Caetano Sordi, Caroline Valada Becker, Danilo Augusto de Athayde Fraga, Guilherme Smee, Jeferson Tenório, Leonardo Peterson Lamba, Márcio-André, Olinda Beja e Priscila Kichler Pacheco}. Contém de Olinda Beja/ ensaio: "A Literatura nas Ilhas do Cacau". Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).

Depoimento
:: A Literatura Infanto-Juvenil na Obra da Escritora Santomense Olinda Beja. [depoimento]. In: Mulemba - Revista Cientifica, v. 13, n. 24, 2021. Disponível no link. (acessado em 3.12.2021).

Prêmios
2004 - Prémio 'Bolsa de Criação Literária - 2004', para a obra 'Pé-de-Perfume' (contos)
2008 - Prémio – Bolsa de Criação Literária- 2008, para a obra 'Estórias da Gravana' (contos). 
2013 - Prémio Francisco José Tenreiro (Tomé e Príncipe), pela obra 'A Sombra de Oká' (poesia).
2020 - Prémio do "FFIL -Freixo – Festival Internacional de Literatura", atribuído pelos organizadores do FFIL, o município de Freixo de Espada à Cinta e a Editorial Novembro
2020 - Prêmio Lusofonia 2020, na Área da Literatura, da Administração da Gala Prémio da Lusofonia. 
2021 - Prêmio "Destaque Especial 2021 – Maria Clara Machado", atribuído pela Diretoria Executiva da Prémio da Academia Internacional da União Cultural – Brasil.

****

Olinda Beja - foto: © Arquivo pessoal

UMA SELETA DE POEMAS DA POETA OLINDA BEJA


ÂNCORAS
Âncoras de esperança. Prelúdio de árias inacabadas
cantilena de mãe nos braços das úluas
tambor no terreiro de San Kánina
 
meu avô lusitano. Caravelas de mãos sangrando
nos quatro cantos do mundo
meu avô africano. Meu sangue mestiço
angariando esmola
 
meu batuque... minha viola
- Olinda Beja, no livro "Ligarás tu corazón con el mío: antología de poesía africana de expresión portuguesa". Editorial Simulcoop, 2012. 

§§

DÁDIVA
Trago-te aromas de água
frutos gentes pele escura
gotículas de seiva vidas capinadas
oquês barrentos emprenhados
de pau-canela e cajamanga
trago-te aromas de corpo-alma
rituais de puíta e Danço-Congo
insónias tropicais
melodias de portos inéditos
palavras de gengibre repartido
por bocas onde escorre
abacaxi selvagem
 
trago-te trilhos de matos ainda
não descobertos
especiarias ondas de poemas
 
trago-te o que a minha ilha oferece
- Olinda Beja, no livro "Água Crioula". Pé de Página Editores, 2007.

§§

ÉBANO
Noite sem lua no deserto que comprime
a exatidão das coisas
paradoxo ambíguo de solidão estática do astro
inigualável

noite de breu no areal sem fim
do eterno além-fronteira
onde o nada vive acorrentado à esfinge
da nossa escuridão

flutuam estrelas mas a lua
não vem na mesma rota
das quimeras
escondeu o rosto na lagoa
onde perpétuo repousa
o despertar inviolável
da nossa cor de ébano
- Olinda Beja, no livro "Aromas de Cajamanga". Editora Escrituras, 2009.

§§

FERTILIDADE
A nossa casa mãe é quali de goiabas
a projectar-se na floresta azul onde
o teu ventre se multiplica e se debate
em palavras molhadas de imensidão

tempos houve em que o teu rosto ausente
se embrenhou no plasma vigoroso que deteve
a morte inglória de teus frutos. Volto
à nossa casa mãe e o quali de goiabas

é o rosto de outras mães que saúdam as úluas
sozinhas e distantes na savana inquieta das ilhas
- Olinda Beja, no livro "Água Crioula". Pé de Página Editores, 2007.

§§

FRAGILIDADE
frágil o mar o sonho a utopia
A nossa emergência transparente de viver
Frágil a sombra do ôká
A fiá gleza
As plantações
Café cacau
Frágil o caminho que leva à verde casa
Frágil a mãe que ergue o dumo da coragem
E ergue o rio em sua voz magoada
E ergue a encosta crivada de matabala
E desce a foz de seus passos
E enlaça o corpo todo
No sangue rubro das acácias
Frágil o som da nossa voz
O ténue abraço que nos separa do amanhã
A hibridez de nossa pele nossos costumes
Frágil a enseada onde aportam
As jangadas de todas as raças
- Olinda Beja, no livro "O Cruzeiro do Sul". Editora El Taller del Poeta, 2011.

§§

FRAGRÂNCIA
na cidade fragmentada entre mar e mato
faltavam os teus olhos. Guardiões
de secretas falas neles se aninharam os meus dedos
carícias de longínquas ramagens em tardes oblíquas
tardes de perfumes de rosas de porcelana
primitivas rosas com folhas de andala. E sempre
borboletava a lembrança de teus olhos
teus negros olhos de antigas raízes

entre eles e o horizonte espraiava-se a existência
de um adeus. No limiar da fragrância reacendia-se
o gesto que delimitou as nossas vidas

tento desenhar novamente os cílios das rosas de porcelana
enquanto na citânia de teus negros olhos
alguém cinzela o altar de memórias onde se hão-de
ofertar papoilas sanguíneas e passifloras.
- Olinda Beja, no livro "Aromas de Cajamanga". Editora Escrituras, 2009.

§§

GERMINAL
Ó minha ilha queimada pelo sol
pelas lágrimas do vento que escorreram
das escarpas e das vidas de teus filhos

Em ti repousam as cinzas das esperanças
que outrora viveram no leito de teus rios
Malanza, Manuel Jorge, Contador, Cauê...

Em ti germinam vidas repassadas
de lua e sol no cais do sofrimento
que as âncoras da vida vão soltando!

Ó minha ilha adocicada pela chuva
lacrimejante e pura batendo na sanzala
de todos os ilhéus sequiosos de amanhãs.
- Olinda Beja, no livro "Aromas de Cajamanga". Editora Escrituras, 2009.

§§

MÃOS
Límpidas mãos que na noite se erguem
pedintes de óbolos que outras mãos espargem

na rota do sândalo buscam essas mãos
a essência pura de África milenar

mãos esguias rudes mãos pretas de cor
lívidas de pensamento
doridas mãos que embalaram sóis
e luas e estrelas
e vidas sem porvir
mãos que desenharam rostos e palavras
e todas as cores das aves solitárias
mãos que colheram café e gengibre e fruta-pão
mãos doces como mel de abelhas em cresta de junho
profundas e místicas como amêndoas do Shara
mãos que acenderam lamparinas
para varrer da noite a escuridão
mãos que adormeceram como borboleta
em cima de uma flor
mãos de avó, de mãe, de irmã
mãos de todas as mulheres que carregam nas costas
a imortalidade do universo
para vós este poema
perfumado de cajamanga
- Olinda Beja, no livro "Aromas de Cajamanga". Editora Escrituras, 2009.

§§

NEGBA
Passas dengosa
perfumosa
exibindo olhares lascivos

às multidões do sexo.
Balouças
a flor de lótus
que escondes no teu corpo
por entre a garridez
de tecidos virginais
e vais
deixando pólen
gostoso
africanoso
em detalhes colíricos
de afectuosas manhãs
- Olinda Beja, no livro "Aromas de Cajamanga". Editora Escrituras, 2009.

§§

POR TI
Por ti espero naquela roça grande
no perfume do izaquente
no sopro do vento irrequieto
no riso da montanha misteriosa.

Por ti espero junto ao secador
que meu avô ajudou a construir
e o cheiro do cacau
invade o corpo
que acalenta a esperança
de rever-te.

Espero sentada
no caminho que vai até à Grota
e serpenteio
a estrada de Belém onde as fruteiras
espreitam o sol
e o vianteiro.

Por ti espero
na calma do poente
entre a ânsia
e o amor que me consome.

A tarde vai caindo e nostalgicamente
arrastando o meu dilúvio de ternura.

Por ti espero ainda
no breu da noite imensa
na raiva que a paixão derrama e sangra
e é o tam-tam da madrugada que me obriga
a apagar da memória
a tua imagem
- Olinda Beja, no livro "Aromas de Cajamanga". Editora Escrituras, 2009.

§§

QUEM SOMOS?
O mar chama por nós, somos ilhéus!
Trazemos nas mãos sal e espuma
cantamos nas canoas
dançamos na bruma

somos pescadores-marinheiros
de marés vivas onde se escondeu
a nossa alma ignota
o nosso povo ilhéu

a nossa ilha balouça ao sabor das vagas
e traz a espraiar-se no areal da História
a voz do gandu
na nossa memória...

Somos a mestiçagem de um deus que quis mostrar
ao universo a nossa cor tisnada
resistimos à voragem do tempo
aos apelos do nada

continuaremos a plantar café cacau
e a comer por gosto fruta-pão
filhos do sol e do mato
arrancados à dor da escravidão
- Olinda Beja, no livro "Aromas de Cajamanga". Editora Escrituras, 2009.

§§

RAÍZES
Há rumores de mil cores enfeitando o espaço
de gorjeios infantis
transportando aquele abraço de anãs juvenis
árias que perduram na mensagem
da nossa voz e da nossa imagem.

São rumores de tambores
repercutindo a esperança de olhares inquietos
toada de lembranças
liturgia de afectos.

São rumores maternais
presos à terra que nos diz
que só o maior dos vendavais
arranca da árvore a raiz.
- Olinda Beja, no livro "Aromas de Cajamanga". Editora Escrituras, 2009.

****

 
Olinda Beja - foto: © Arquivo pessoal

FORTUNA CRÍTICA DE OLINDA BEJA

ALENCAR, Rosana Nunes (mediação). Conversa com a escritora - Olinda Beja. In: SELL 2021, 7 de outubro 2021. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).
ANTUNES, Susana Maria Loureiro da Silva Matos. Mistério e resistência n´A Ilha de Izunari, de Olinda Beja. In: Susana L. M. Antunes. (Org.). Ilhas de vozes em reencontros compartilhados. 1ª ed., Massachusetts: Quod Manet, 2021, v. 1, p. 261-282. 
BATALHA, Marcelo (mediação). Sidney Rocha sobre Olinda Beja. In: Conversa com Escritor, edição 046, 24.5.2021. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021). 
BAYER, Adriana Elisabete. Poesia são-tomense: geografias em dispersão. 1ª ed., Alemanha: NEA Novas Edições Acadêmicas, 2013. 
BAYER, Adriana Elisabete. Poesia são-tomense: geografias em dispersão. (Tese Doutorado em Letras). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, 2012. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).
BAYER, Adriana Elisabete. Dispersões e resistências: a (re)invenção do espaço na literatura são-tomense. In: Inocência Mata. (Org.). Francisco José Tenreiro: as múltiplas faces de um intelectual. Lisboa: Colibri, 2010, v. 00, p. 277-288.
BAYER, Adriana Elisabete. A poesia são-tomense: o gesto dos saberes vivenciais e a evidência de identidades singulares entre múltiplas vozes. In: D'AJELLO, Luís Fernando Telles; TETTAMANZY, Ana Lúcia Liberato; ZALLA, Jocelito. (Org.). Sobre as poéticas do dizer: pesquisas e reflexões em oralidade. 1ª ed., São Paulo: Letra e Voz, 2010, v. , p. 17-27.
BAYER, Adriana Elisabete. Ao Pé-de-perfume: pássaros viajeiros. In: Revista Crioula (USP), v. 4, p. 1-18, 2008. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).
DUARTE, Zuleide. A impossível ubiqüidade: uma representação melancólica da diáspora portuguesa. (Tese Doutorado em Letras). Universidade Federal da Paraíba, UFPB, 1999.
DUARTE, Zuleide; PEREIRA, Kleyton Ricardo Wanderley. Olinda Beja e a diáspora crioula.In: MATA, Inocência; SILVA, Agnaldo Rodrigues da. (Org.). Trajectórias culturais e literárias das Ilhas do Equador: estudos sobre São Tomé e Príncipe. 1ª ed., Campinas: Pontes Editores, v., p. 351-361, 2018.
EREM. Conversa com Escritor(a) recebe Olinda Beja. In: Biblioteca EREM Dom Vital, 24 de maio de 2021. Disponível no link. (acessado em 3.12.2021).
FARIAS, Tom (mediação). Elisa Lucinda, Olinda Beja e Abdulai Sila - "Literatura, identidade e pertencimento" / IX Fliaraxá. In: Fliaraxá, 29.10.2020. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).
MACHADO, Micheliny Verunschk Pinto. O Untuê Mestiço da poesia de Olinda Beja. In: Revista Letras Com Vida - Literatura, Cultura e Arte, v. 2012-13, p. 250-254, 2014.
MACEDO, Lurdes; MARQUES, Jorge Adolfo. “A lusofonia é uma ave migratória” — Entrevista a Olinda Beja, escritora e poetisa são-tomense. In: M. L. Martins, R. Cabecinhas & L. Macedo (Org.), Anuário Internacional de Comunicação Lusófona: Lusofonia e Sociedade em Rede, p. 283-294, 2010. Disponível no link e link. (acessado em 3.12.2021).
MARQUEZI, Rosangela Aparecida. Escritoras em foco: um olhar para literatura africana de autoria feminina. In: Revista África e Africanidades, ano XIII, n. 34, maio de 2020. Disponível no link. (acessado em 3.12.2021).
MARTINS, Izabel Cristina Oliveira. Pelas sendas do feminino [manuscrito]: diáspora e exílio nas literaturas africanas de língua portuguesa. (Tese Doutorado em Literatura e Interculturalidade). Universidade Estadual da Paraíba, UEPB, 2019. Disponível no link. (acessado em 3.12.2021).
MARTINS, Izabel Cristina Oliveira. Tomé Bombom: Um Livro para Crianças e Outros Curiosos. In: Mulemba, v. 13, n. 24, 2021. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).
MARTINS, Izabel Cristina Oliveira. Olinda Beja: estórias e história das mulheres das ilhas do meio do mundo. In: Literatura e estudos feministas: Anais eletrônicos da XXVI Jornada do Grupo de Estudos Linguísticos do Nordeste (GELNE), p.191-202, 2016.
MATA, Inocência; SILVA, Agnaldo Rodrigues da.. Trajetórias culturais e literárias das ilhas do Equador: estudos sobre São Tomé e Príncipe. São Paulo: Pontes Editores, 2018.
MORGAN, Ann. Em um ano, escritora lê um livro de cada país do mundo. In: BBC Cultura, 28 novembro 2014. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).
MOTA, Helena. Resgatar a poesia numa sociedade sem afetos. É urgente “encher corações”, defende escritora Olinda Beja. In: Funchal Notícias, 12 de outubro de 2017. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).
OLINDA BEJA - Recital poético de Terras, de Mares e de Saudades. In: Peregrino da Luz. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).
OLIVEIRA, Irlani Ramos de.. Uma busca pela identidade em à sombra do Oká de Olinda Beja (Monografia Graduação em Letras). Universidade Federal Rural de Pernambuco, UFRPE, 2019. Disponível no link. (acessado em 3.12.2021).
PAMPLONA, Marcos. Lusofonia e Política - Entrevista com a autora Olinda Beja. In: Kotter TV, 18.9.2020 . Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).
PEREIRA, Kleyton Ricardo Wanderley. O Espaço Diaspórico nas Literaturas Africanas de Língua Portuguesa (Tese Doutorado em Letras). Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, 2015. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).
PEREIRA, Kleyton Ricardo Wanderley; SILVA, Jean Paul d'Antony Costa. Diáspora, exílio e memória em Inácio Rebelo de Andrade e Olinda Beja. In: Anais do V Encontro de Professores de Literaturas Africanas/ I Encontro AFROLIC. Porto Alegre: Instituto de Letras da UFRGS, 2014. v. 1. p. 1-21.
PINTO, Solange Salvaterra. Programa: Perguntas Incómodas - Ode à Olinda Beja. In: RSTP, 7 de novembro 2020. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).
QUEIROZ, Amarino Oliveira de.. As inscrituras do verbo: dizibilidades performáticas da palavra poética africana. ( Tese Doutorado em Teoria da Literatura). Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, 2007. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).
QUEIROZ, Amarino Oliveira de.. Onde canta o ossobó: vozes literárias femininas do arquipélago de São Tomé e Príncipe. In: Revista da União dos Escritores de Angola, v. 6, n. 1, Luanda, ago, 2012, p. 1-11. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).
ROUCHDI, Faysal. Entrevista à poetisa Olinda Beja. In: Téla Nón, 20.9.2017. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).
RODRIGUES, Inara de Oliveira. Oralidade e questões identitárias em Pé-de-Perfume, de Olinda Beja. In: Desenredo (PPGL/UPF), v. 7, p. 19-31, 2011. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).
SANTO, Carlos Espírito. Mulheres Históricas de São Tomé e Príncipe. Lisboa: Edições Colibri, 2014.
SANTOS, Nágila Oliveira dos (mediação). Palestra Olinda Beja em Poesia e Prosa. In: I Simpósio Internacional Lendo, Pesquisando e Ensinando Literaturas Africanas - Revista África e Africanidades, 3 a 7 de maio de 2021. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).
SANTOS, Thaíse de Santana. Contos que recontam histórias: figurações identitárias na literatura de Olinda Beja. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal de Viçosa, UFV, 2019. Disponível no link. (acessado em 3.12.2021).
SANTOS, Thaíse de Santana; RODRIGUES, Inara de Oliveira. Um canto de santomensidade em Histórias da Gravana, de Olinda Beja. In: Revista Ciroula, n. 20, 2017. Disponível no link. (acessado em 3.12.2021).
SCARTON, Mithiele da Silva. Mulheres e cultura: uma análise sobre a condição feminina em Histórias da Gravana, de Olinda Beja. (Monografia Graduação em Letras). Universidade Federal da Fronteira Sul, UFFS, 2019. Disponível no link. (acessado em 3.12.2021).
SILVA, Assunção de Maria Sousa e.. Canto poético no Oká Aspectos culturais do passado e do presente em São Tomé e Príncipe. In: Cadernos CESPUC de Pesquisa. Série Ensaios,  n. 32, p. 67-77. 2018. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).
SILVA, Grasiele Pereira da.. Memórias em "15 dias de regresso, de Olinda Beja. (TCC/ Monografia Graduação em Letras). Universidade Estadual da Paraíba, UEPB, 2018. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).
STP PRESS. Governo felicita escritora são-tomense Olinda Beja pelo prémio literário Lusofonia 2020. In: Agência STP.Press, 19 de outubro de 2020. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).
VERUNSCHK, Micheliny. O untuê mestiço da poesia de Olinda Beja. In: Musa rara, 1.7.2016. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).
VITAL, Amanda. deslizarão em nossos pés as canoas do mar | a poesia de Olinda Beja. [colaboração de Amosse Mucavele]. In: Mallarmargens - revista de poesia e arte contemporânea, 22 de fevereiro de 2020. Disponível no link. (acessado em 6.12.2021).

****

ESCRITORES AFRICANOS DE LINGUA PORTUGUESA NESTE SITE

:: Acesse AQUI!

NA NOSSA REDE 

:: Vozes femininas
:: África-Brasil - Raízes Culturais 

© Direitos reservados a autora

© Pesquisa, seleção, edição e organização: Elfi Kürten Fenske


=== === ===
Trabalhos sobre o autor:
Caso, você tenha algum trabalho não citado e queira que ele seja incluído - exemplo: livro, tese, dissertação, ensaio, artigo - envie os dados para o nosso "e-mail de contato", para que possamos incluir as referências do seu trabalho nesta pagina. 


COMO CITAR:
FENSKE, Elfi Kürten (pesquisa, seleção, edição e organização). Olinda Beja - saberes e vivenciais. In: Templo Cultural Delfos, dezembro/2021. Disponível no link. (acessado em .../.../...).
____
Página atualizada em 6.12.2021.





Direitos Reservados © 2021 Templo Cultural Delfos



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!