Federico García Lorca - o poeta andaluz

Retrato de Lorca, por Amparo Climent
Federico García Lorca, nasceu Fuente Vaqueros, em Granada, no dia 5 de junho de 1898. Ali passou a infância. A Andaluzia, portanto, exerceu forte influência sobre a sua obra. A beleza do cenário natural, os olivais, a arquitetura, os acidentes geográficos, os ci­ganos, a música, o modo típico da fala, o ambiente fa­miliar, o espírito andaluz – tudo está refletido em seus livros. Como disse Ian Gibson, o maior biógrafo de Lorca: “Os anos de infância de García Lorca em Fuente Vaqueros permaneceriam sempre dentro dele como um presente constante, ao abrigo da ação do tempo”. O seu livro de juventude escrito em 1916 – Mi pueblo – relata uma série de acontecimentos com personagens do local. Uma das ex­periências mais emocionantes, narradas com muita emoção, foi a morte de Salvador Cabos Rueda, “o com­padre pastor”. A presença da morte desempenhará um papel importante na obra lorquiana.
Seu pai – Federico García Rodriguez – era um dos homens de negócios mais prósperos da região. Sua mãe – Vicenta Lorca Romero –, natural de Granada, era professora de uma escola para meninas de Fuente Vaqueros.
Desde criança, Lorca mostrou pendor para a música – uma característica de família. Da mãe herdara a in­teli­gência – dizia. E deixou consignado em carta o muito que lhe devia no período de sua formação: “Ella me ha formado a mi poéticamente, y yo le debo todo lo que soy y lo que seré”. Victor Hugo era leitura obrigatória em sua casa. Dona Vicenta lia em voz alta, regularmente, as obras do autor francês, um dos escritores prediletos da família. Por parte de mãe, tal­vez levasse nas veias sangue cigano, embora de origem longínqua – o que também teria influenciado, pelo menos de certa forma, a sua poesia.
Em 1906, ou 1907, a família mudou-se para o po­voado vizinho de Asquerosa. Desta maneira, o pai, que se dedicava ao comércio açucareiro, ficaria mais perto da propriedade rural que possuía – Vega de Zujaira. Aí Lorca freqüentou a escola primária cerca de um ano para, em seguida, matricular-se no Instituto de Almeria, onde passou a viver na casa do professor Antonio Rodrigues y Espi­nosa, íntimo amigo da família. Ficou em Almeria apenas alguns meses. Teve de regressar a Asquerosa, por motivo de doen­ça. E foi nessa época – 1909 – que seus pais transferi­ram o domicílio para Granada. Ingressou no Colégio do Sa­grado Cora­ção Jesus, que, apesar do nome, não tinha for­mação religiosa. Terminado o curso secundário, ma­tri­cu­­lou-se nas Faculdades de Direito e de Filosofia e Letras.
Federico nunca se salientou nos estudos. Ao con­trário, foi um aluno que deixava muito a desejar. Em compensação, estudou música com afinco e teria se convertido em talentoso pianista – se não fosse pela literatura.
Os anos de Granada exerceram grande in­fluência em sua carreira literária. Ali travou conhecimento com escritores, artistas e intelectuais que se reuniam no “Rin­concillo” do Café Alameda.
Em companhia de outros estudantes, realizou viagens de estudo, organizadas pelo professor Martíns Domín­gues Berrueta, titular de Teoria da Literatura e das Artes. Em Baenza, conheceu o famoso poeta Antônio Machado, pelo qual nutria profunda admiração.
Depois de passar uma temporada em Burgos, voltou a Granada. Foi nessa época que a vocação definitiva para a literatura se fez notar. Escreveu um livro sobre Castela – Impressões e paisagens, em 1918 –, publicado a expensas de seu pai, que obteve boa receptividade por parte da crítica. Multiplicam-se os poemas, ensaios e as obras de teatro.
Não restam dúvidas de que, na poe­sia, o seu grande mestre foi Rubén Darío. Nos escritos de Lorca daquela época nota-se um ferrenho sentimento anticlerical. Não que fosse um es­pírito iconoclasta. Ao contrário. Acreditava em Deus e em Jesus Cristo. Mas repudiava o clero e o papa, traido­res de Cristo, que usavam o nome do Salvador para obter vantagens pessoais e en­grandecer o império da Igreja.
E é nessa época também que aparecem – ou recrudescem – os conflitos sexuais.
Depois da publicação de Impressões e paisagens, e do êxito obtido, a solução mais sensata para crescer era deixar a vida provinciana de Granada e mudar-se para Madri.
Federico García Lorca, por Carmen Luna
Na capi­tal morou na Residência dos Estudantes, onde se reencontrou com diversos “rinconcillistas”, entre os quais Melchior Fernández Almagro, José Fernan­dez-Montesinos, Ramón Pérez Roda e José Mora Guarnido. Ali seu talento de músico e poeta foi reconhecido.
Em Madri conheceu vários artistas e in­telectuais renomados, entre eles Amado Alonso, Gerardo Diego, José de Ciria y Escalante, Guilhermo de Torre, representante maior do movimento ultraísta, e o poeta Juan Ramón Jiménez. Conhecedor de seus pendores para teatro, Jiménez o apresentou a Gregório Martínez Sierra, diretor do Teatro Eslavo e famoso dra­maturgo. Este encontro teve grande importância na carreira teatral de Lorca.
Impressionado com o talento de Lorca, Martínez Sierra convidou-o a escrever uma peça para ser apresen­tada no então famoso teatro vanguardista. O malefício da mariposa estreou no dia 22 de março de 1920 e contou com a participação da atriz Catalina Barcena, no papel de Curianito, e da bailarina Encarnación López Júlvez, a Argentinita. A peça, dirigida pelo próprio Martínez Sierra, não foi bem recebida tanto por parte do público como por parte dos críticos.
No ano seguinte publicou outro livro – Livro de poemas –, que não teve maiores repercussões.
Entre 1920 e 1923, escreveu as Suítes, que foram publicadas somente em 1983, graças ao paciente e mi­nu­cioso trabalho de recompilação do pesquisador francês André Belamich. Em 1921, em Granada, estreitou as rela­ções de amizade com o célebre músico Manuel de Falla, que fixaria residência naquela cidade andaluza. Falla nutri­a o maior interesse pelo cante jondo, o que teria influenciado Federico a aprofundar seus conhecimentos sobre o tema. Em 1922, no centro artístico de Granada, pronunciou uma conferência intitulada Importância histórica e artística do primitivo canto andaluz chamado cante jondo. De volta a Madri, conheceu o pintor catalão Sal­va­dor Dalí. Lorca, Dalí, Buñuel e Pepín Bello torna­ram-se amigos inseparáveis. Em 1923, termina o curso de Direito, mas nunca chegaria a exercer a profissão, pois não tinha pendor para ela. A sua vocação definitiva era a literatura.
Foram tecidos muitos comentários no que tange ao relacionamento entre o poeta andaluz e o pintor catalão. O próprio Dalí declarou publicamente, em 1966, que Lorca “era pederasta, como se sabe, y esta­ba locamente ena­morado de mi. Trató dos veces de... lo que me perturbó muchísimo, porque yo no era pederasta y no estaba dispuesto a ceder. O sea que no passó nada”.
Muitos críticos colocam em dúvida a ve­racidade de tal assertiva e citam vários trechos insinuantes que fazem parte da extensa correspondência mantida por ambos ao longo dos anos.
A carreira de dramaturgo de Lorca come­çou bem, com a estréia de Mariana Pineda, em Barcelona, no dia 24 de junho de 1927, tendo Margarita Xirgu co­mo estrela principal. A decoração esteve a cargo de Dalí.
Lorca também enveredou pela pintura e chegou a fazer uma exposição de seus desenhos em Barcelona. Claro está que a influência daliniana se fazia presente. Aliás, influência nos dois sentidos.
Com a ida de Dalí para Paris, Lorca conheceu Emí­lio Aladrém, com quem teria mantido um re­laciona­mento homossexual.
Pouco antes de Mariana Pineda, publicou seu segundo livro de poemas, Canções, calorosamente recebi­do pela crítica. Em 1928, saiu a lume o tão esperado Primeiro romanceiro gitano, recebido com grande entusiasmo por parte da crítica e do público. E no dizer de seu biógrafo Ian Gibson “o livro de poemas mais lido, mais recitado, mais analisado e mais célebre da língua espanhola”.
A maior característica da obra de García Lorca é a genialidade. Exceto Cervantes, nenhum outro autor espanhol conta com uma bibliografia tão vasta e volumosa. Basta este fato para dar uma idéia da dimensão de sua obra, que aproxima o regional do universal. Tão regional que justificaria a metáfora: Lorca escreve em espanhol, mas com acento andaluz. Arbolé arbolé, seco y verdé...
Lorca, por Gregoria Prieto
No dia 25 de junho de 1929, Lorca chegou a Nova York a bordo do Olympic. Permaneceu nove meses nos Estados Unidos – uma experiência marcante na vida e obra do poeta. Chegou a estudar inglês, mas os testemunhos dos amigos indicam que não con­seguiu fazer progressos nesse particular. Freqüen­tou assiduamente o Insti­tuto das Espanhas nos Estados Uni­dos, na Universidade de Colúmbia, e a Aliança His­pano-Americana. Depois esteve em Cuba, onde passou três meses e pronunciou as seguintes conferências: La mecánica de la poesia; Paraíso cerrado para muchos, jardines abiertos para poços; Un poeta gongorino del siglo XVII; Canciones de cuna españolas; La imagem poética en don Luis de Góngora; La arquitectura del cante jondo. No dia 1° de julho de 1930, Lorca regressou a Granada para passar as férias de verão. Em outubro, voltou a Madri a tempo de assistir à peça de sua au­to­ria A sapateira prodigiosa, um êxito de bilheteria e de crítica.
No primeiro semestre de 1932, pronunciou uma série de conferências em várias localidades do país. Na Galícia ficara impressionado com a beleza da região e de modo particular com Santiago de Compos­tela. Embora não falasse o galego, escreveu Seis poemas galegos, com a colaboração de Ernesto Da Cal. Em julho de 1932, La Barraca, integrada por estudantes do teatro universitário, fez uma tournée, visitando diversas cidades do país.
No dia 8 de março, estréia de Bodas de sangue, Lorca ficou definitivamente consagrado como um dos maiores dramaturgos espanhóis. Em determinado mo­mento, o nome de Lorca chegou a ser cogitado para substituir Cipriano Rivas Cherif como diretor do Teatro Lírico Espanho­l.
No dia 29 de setembro de 1933, Lorca embarcou, em Barcelona, no navio italiano Conte Grande, com destino a Buenos Aires, onde passou quase seis meses.
Bodas de sangue e A sapateira prodigiosa obtêm um êxito extraordinário. Mas Mariana Pineda não foi bem recebida pelos críticos. Em Buenos Aires mante­ve um frutífero contato com intelectuais, artistas e jor­nalistas. Pablo Neruda e Amado Villar contavam-se entre os seus melhores amigos.
De regresso à Espanha, no dia 11 de abril, chegou a Barcelona a bordo do navio Conte Bian­camano.
Em Madri freqüentou o conhecido bar A Baleia Alegre, uma versão madrilenha do “Rinconcillo”. Pablo Neruda, que passou a viver na capital espanhola, além de outros integrantes do La Barraca, são os amigos mais íntimos de Lorca. Neruda chegou a escrever uma ode a Federico García Lorca.
No dia 29 de dezembro, deu-se a estréia de Yerma, com a participação de Margarita Xirgu. Ao contrário da crítica isenta, a imprensa ultradireitista e fascista recebeu mal a obra. O dia 28 de setembro de 1935 representou uma data importante na vida de García Lorca e Dalí: o reencontro depois de sete anos. O acontecimento foi saudado com euforia por ambos. Naquela altura, a Espanha marchava inexoravel­mente para a guerra civil. Quanto à posição política de Lorca, a facção ultradireitista considerava-o comunista.
A vitória da Frente Popular nas urnas teve como conseqüência o fortalecimento da Falange Espa­nhola, cujos partidários por temor à instalação de um re­­gi­me comu­nista no poder cerravam fileiras contra os inimi­gos que professavam a doutrina marxista.
Federico Garcia Lorca, por Fabrizio Cassetta
Lorca continuou trabalhando intensamente. Ter­­­mi­nou A casa de Bernarda Alba em junho de 1936. Poucos meses antes foram publicados Seis poemas galegos.
A fama literária de Lorca espalhava-se cada dia mais.
No front político, o fascismo alargava suas bases. A guerra civil era inevitável. Em meados de julho, d­urante um jantar na casa de Pablo Neruda, o deputado do Par­tido Socialista, Fulgencio Díez Pastor, aconselhou Lorca a desistir do seu intento de ir para Granada. Melhor seria permanecer em Madri, onde estaria mais seguro. Outros amigos aconselharam-no a sair do país.
No dia 14 de julho, che­gou a Granada. E no dia 23 a cidade rendeu-se aos rebeldes. Os republicanos mais notórios foram presos. Lorca, temendo o pior, decidiu buscar refúgio entre amigos, instalando-se na casa de Luis Rosales, cujos irmãos, José e Antonio, eram membros da Falange.
No dia 15 de agosto, um grupo anti-republi­cano, com a incumbência de deter o poeta, dirigiu-se à Huerta de San Vicente munido de uma ordem de prisão. No dia 16, Manuel Fernández-Montesinos, cunhado de Lorca, foi fuzilado sumariamente junto com outros prisioneiros. No mesmo dia, outro grupo, liderado por Ramón Ruiz Alonso, conseguiu localizar Lorca na mansão dos Rosales. José Rosales fez de tudo para salvar o poeta. Obteve uma ordem de soltura do governador militar, coronel Antonio González Espinoza, e aprestou-se a levá-la ao governador civil, Valdés Guzmán, que a rechaçou, sob a alegação de que Lorca não mais se encontrava aí – o que não era verdade. Na madrugada de 17 ou 18 de agosto, o poeta foi execu­tado, juntamente com Dióscoro Galindo Gonzáles, Joaquín Arcollas Cabezas e Francisco Galadi Melgar. 
:: Fonte: L&PM Editores (acessado em 13.6.2016).


"Só o mistério nos faz viver. Só o mistério”
“Solo el misterio nos hace vivir. Solo el misterio" 
- García Lorca, no "Romancero Gitano", em 'Obra poética completa. Federico García Lorca'. [tradução, seleção e apresentação de William Agel de Melo]. Edição bilíngue. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo | Brasília: Editora UnB, 2004


OBRA DE FEDERICO GARCÍA LORCA EM PORTUGUÊS
García Lorca at piano
:: DE García Lorca. Federico García Lorca. [traduções Leônidas Sobrino Pôrto e Vicente Sobrino Pôrto]. Rio de Janeiro: 1954.
:: Dona Rosita, A solteira ou A linguagem das flores: poema granadino do novecentos, dividido em vários jardins, com cenas de canto e dança. (Doña Rosita la soltera o el lenguaje de las flores)Federico García Lorca. [tradução Carlos Drummond de Andrade]. Coleção Teatro Moderno. Rio de Janeiro: Agir, 1959. 
:: Bodas de sangueFederico García Lorca. [tradução Cecília Meireles]. Rio de Janeiro: Editora Agir, 1960; 2ª ed., 1968; Bodas de Sangue. Assim que passem cinco anos. Teatro 3. Rio de Janeiro: Aguilar Editora, 1975.
:: Yerma: poema trágico em três atos e seis quadros. Federico García Lorca. [tradução de Cecília Meireles]. Teatro 4. Rio de Janeiro: Aguilar, 1963.
:: Romanceiro Gitano. Federico García Lorca. [tradução Afonso Félix de Sousa]. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1957.
:: Antologia poética. Federico García Lorca. [tradução e seleção de Afonso Felix de Sousa]. Rio de Janeiro: Editora Leitura S. A., 1966.
:: Livro de poemas, canções e outras poesias. Federico García Lorca. [tradução Oscar Mendes]. Biblioteca Manancial, 11. Rio de Janeiro, José Aguilar, 1974.
:: Prosa viva/Ideário coligido. Federico García Lorca. [tradução Oscar Mendes]. Biblioteca Manancial. Rio de Janeiro: Editora José Aguilar, 1975.
:: Bodas de sangue: tragédia em três atos. Federico García Lorca. [tradução Antonio Mercado]. Série Teatro Vivo. São Paulo: Victor Civita/Abril, 1977. 
:: Romanceiro gitano e outros poemas. Federico García Lorca. [tradução Oscar Mendes].  Edição bilíngue. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.
:: Poemas e canções. Federico García Lorca. [tradução Luiz Alberto Benati]. Edição Bilíngue. São Paulo: Global, 1987.
:: Sonetos do amor obscuro e Divã do TamaritFederico García Lorca[tradução Afonso Félix de Sousa]. Edição bilíngue. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1988; 2ª ed., 2000.
:: Obra poética completa. Federico García Lorca[tradução, seleção e apresentação de William Agel de Melo]. Edição bilíngue. Brasília: Editora Universidade de Brasília | São Paulo: Martins Fontes, 1989; 5ª ed., São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo | Brasília: Editora UnB, 2004.
:: Sonetos. Federico García Lorca. [tradução William Agel de Mello]. Caxias do Sul: Maneco Edições, 1996.
:: García Lorca poemas de amor. [tradução Floriano Martins]. Rio de Janeiro: Ediouro, 1998.
:: Yerma. Federico García Lorca.[tradução de Marcus Mota]. Brasília: Editora da UnB, 2000.
:: A Casa de Bernarda Alba: drama de mulheres em vilarejos da EspanhaFederico García Lorca[tradução de Marcus Mota]. Série Mneumósis - edições humanidades. Brasília - São Paulo: Universidade de Brasília - Imprensa Oficial, 2000. 
:: Conferências. Federico García Lorca. [tradução de Marcus Mota]. Série Mneumósis/ Edições Humanidades. Brasília: Universidade de Brasília; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2000.
:: Assim que passarem cinco anos - Lenda do tempo. Federico García Lorca. [tradução Marcus Mota]. Série Mneumósis. São Paulo: Imprensa Oficial; Brasília: Editora UnB, 2000.
Federico García Lorca
:: Os encontros de um caracol aventureiro e outros poemas. Federico García Lorca. [tradução José Paulo Paes; ilustrações Odilson Moraes]. Rio de Janeiro: Editora Ática, 2002.
:: Bodas de sangue: tragédia em 3 atos e 7 quadrosFederico García Lorca. [tradução de Rubia Prates Goldoni]. São Paulo: Peixoto Neto, 2004. 
:: Antologia poética - García Lorca. [tradução, seleção e apresentação de William Agel de Mello]. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2005.
:: Meu coração é tua casa. Federico García Lorca. [seleção e tradução Pádua Fernandes; ilustrações Jaime Prades]. Coleção Comboio de corda poesia. Rio de Janeiro: Edições SM, 2007.
:: Pranto por Ignacio Sanchez Mejias. Federico García Lorca. [tradução  João José de Melo Franco]. Edição Bilíngue. Rio de Janeiro: Ibis Libris, 2009. 

Antologia (participação)
:: A melhor poesia do mundo (poetas estrangeiros).. [vários tradutores; poemas de Federico García Lorca em tradução Floriano Martins]. Rio de Janeiro: Editora Caras/Ediouro Publicações, 2001.
:: Fogo alto: Catulo, Villon, Blake, Rimbaud, Huidobro, Lorca, Ginsberg. [organização e tradução Afonso Henriques Neto]. Rio de Janeiro: Azougue, 2009. 

Biografia
:: Federico García Lorca: A biografia, de Ian Gibson. [tradução Augusto Klein]. Rio de Janeiro: Biblioteca Azul, 1989; 2ª ed., 2014.

ESPANHA
:: Obras completas. Federico García Lorca9ª edición. Madrid: Editorial Aguilar, 1965.


Face of Garcia Lorca in the Form of a Fruit Dish with Three Figs, 1938, by Salvador Daly
POEMAS ESCOLHIDOS DE FEDERICO GARCÍA LORCA

Cantos novos
      Agosto de 1920
      (Vega de Zujaira)

Diz a tarde: "Tenho sede de sombra!"
Diz a lua: "Eu, sede de luzeiros."
A fonte cristalina pede lábios
e suspira o vento.

Eu tenho sede de aromas e de sorrisos,
sede de cantares novos
sem luas e sem lírios,
e sem amores mortos.

Um cantar de manhã que estremeça
os remansos quietos
do porvir. E encha de esperança
suas ondas e seus lodaçais.

Um cantar luminoso e repousado
cheio de pensamento,
virginal de tristezas e de angústias
e virginal de sonhos.

Cantar sem carne lírica que encha
de risos o silêncio
(um bando de pombas cegas
lançadas ao mistério).

Cantar que vá à alma das coisas
e à alma dos ventos
e que descanse por fim na alegria
do coração eterno.
.

Cantos nuevos
          Agosto de 1920
        (Vega de Zujaira)

Dice la tarde: "¡Tengo sed de sombra!"
Dice la luna: "¡Yo, sed de luceros!"
La fuente cristalina pide labios
y suspira el viento.

Yo tengo sed de aromas y de risas,
sed de cantares nuevos
sin lunas y sin lirios,
y sin amores muertos.

Un cantar de mañana que estremezca
a los remansos quietos
del porvenir. Y llene de esperanza
sus ondas y sus cienos.

Un cantar luminoso y reposado
pleno de pensamiento,
virginal de tristezas y de angustias
y virginal de ensueños.

Cantar sin carne lírica que llene
de risas el silencio
(una bandada de palomas ciegas
lanzadas al misterio).

Cantar que vaya al alma de las cosas
y al alma de los vientos
y que descanse al fin en la alegría
del corazón eterno.
- Federico García Lorca, em "Livro de poemas" (1921). no livro 'Obra poética completa'. [tradução de William Agel de Melo]. Brasília: Editora Universidade de Brasília | São Paulo: Martins Fontes, 1989.

§

Chagas de amor
Esta luz, este fogo que devora.
Esta paisagem gris que me rodeia.
Esta dor por uma só ideia
Esta angústia de céu, mundo e hora.

Este pranto de sangue que decora
lira já sem pulso, lúbrica teia.
Este peso do mar que me golpeia
Esta lacraia que em meu peito mora.

São grinaldas de amor, cama de ferido,
onde sem sono, sonho tua presença
entre as ruínas de meu peito oprimido.

E ainda que busque o cume da prudência,
me dá teu coração vale estendido
com cicuta e paixão de amarga ciência.
.

Llagas de amor
Esta luz, este fuego que devora.
Este paisaje gris que me rodea.
Este dolor por una sola idea.
Esta angustia de cielo, mundo y hora.

Este llanto de sangre que decora
lira sin pulso ya, lúbrica tea.
Este peso del mar que me golpea.
Este alacrán que por mi pecho mora.

Son guirnalda de amor, cama de herido,
donde sin sueño, sueño tu presencia
entre las ruinas de mi pecho hundido.

Y aunque busco la cumbre de prudencia,
me da tu corazón valle tendido
con cicuta y pasión de amarga ciencia.
- Federico García Lorca, em "Federico García Lorca: Antologia poética"'. [tradução, seleção e apresentação de William Agel de Melo]. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2011.

§

Federico García Lorca
E depois
Os labirintos
que cria o tempo
se desvanecem.

  (Só fica
o deserto.)

  O coração,
fonte do desejo,
se desvanece.

  (Só fica
o deserto)

  A ilusão da aurora
e os beijos
se desvanecem.

  Só fica 
o deserto.
Um ondulado
deserto.
.

Y despues
Los laberintos
que crea el tiempo
se desvanecen.

  (Solo queda
el desierto.)

  El corazón,
fuente del deseo,
se desvanece.

  (Solo queda
el desierto.)

  La ilusión de la aurora
y los besos
se desvanecen.

  Solo queda
el desierto.
Un ondulado
desierto.
- Federico García Lorca, no livro 'Obra poética completa'. [tradução de William Agel de Melo]. Brasília: Editora Universidade de Brasília | São Paulo: Martins Fontes, 1989.


§

Este é o prólogo
Deixaria neste livro
toda a minha alma.
este livro que viu
as paisagens comigo
e viveu horas santas.

Que pena dos livros
que nos enchem as mãos
de rosas e de estrelas
e lentamente passam!

Que tristeza tão funda
é olhar os retábulos
de dores e de penas
que um coração levanta!

Ver passar os espectros
de vida que se apagam,
ver o homem desnudo
em Pégaso sem asas,

ver a vida e a morte,
a síntese do mundo,
que em espaços profundos
se olham e se abraçam.

Um livro de poesias
é o outono morto:
os versos são as folhas
negras em terras brancas,

e a voz que os lê
é o sopro do vento
que lhes incute nos peitos
- entranháveis distâncias.

O poeta é uma árvore
com frutos de tristeza
e com folhas murchas
de chorar o que ama.

O poeta é o médium
da Natureza
que explica sua grandeza
por meio de palavras.

O poeta compreende
todo o incompreensível
e as coisas que se odeiam,
ele, amigas as chama.

Sabe que as veredas
são todas impossíveis,
e por isso de noite
vai por elas com calma.

Nos livros de versos,
entre rosas de sangue,
vão passando as tristes
e eternas caravanas

que fizeram ao poeta
quando chora nas tardes,
rodeado e cingido
por seus próprios fantasmas.

Poesia é amargura,
mel celeste que mana
de um favo invisível
que as almas fabricam.

Poesia é o impossível
feito possível. Harpa
que tem em vez de cordas
corações e chamas.

Poesia é a vida
que cruzamos com ânsia,
esperando o que leva
sem rumo a nossa barca.

Livros doces de versos
sãos os astros que passam
pelo silêncio mudo
para o reino do Nada,
escrevendo no céu
suas estrofes de prata.

Oh! que penas tão fundas
e nunca remediadas,
as vozes dolorosas
que os poetas cantam!

Deixaria neste livro
toda a minha alma...
.

Este es el prólogo
Dejaría en este libro
toda mi alma.
Este libro que ha visto
conmigo los paisajes
y vivido horas santas.

¡Qué pena de los libros
que nos llenan las manos
de rosas y de estrellas
y lentamente pasan!

¡Qué tristeza tan honda
es mirar los retablos
de dolores y penas
que un corazón levanta!

Ver pasar los espectros
de vidas que se borran,
ver al hombre desnudo
en Pegaso sin alas,

ver la vida y la muerte,
la síntesis del mundo,
que en espacios profundos
se miran y se abrazan.

Un libro de poesías
es el otoño muerto:
los versos son las hojas
negras en tierras blancas,

y la voz que los lee
es el soplo del viento
que les hunde en los pechos,
– entrañables distancias –.

El poeta es un árbol
con frutos de tristeza
y con hojas marchitas
de llorar lo que ama.

El poeta es el médium
de la Naturaleza
que explica su grandeza
por medio de palabras.

El poeta comprende
todo lo incomprensible,
y a cosas que se odian,
él, amigas las llama.

Sabe que los senderos
son todos imposibles,
y por eso de noche
va por ellos en calma.

En los libros de versos,
entre rosas de sangre,
van pasando las tristes
y eternas caravanas

que hicieron al poeta
cuando llora en las tardes,
rodeado y ceñido
por sus propios fantasmas.

Poesía es amargura,
miel celeste que mana
de un panal invisible
que fabrican las almas.

Poesía es lo imposible
hecho posible. Arpa
que tiene en vez de cuerdas
corazones y llamas.

Poesía es la vida
que cruzamos con ansia
esperando al que lleva
sin rumbo nuestra barca.

Libros dulces de versos
son los astros que pasan
por el silencio mudo
al reino de la Nada,
escribiendo en el cielo
sus estrofas de plata.

¡Oh, qué penas tan hondas
y nunca remediadas,
las voces dolorosas
que los poetas cantan!

Dejaría en el libro
este toda mi alma...
- Federico García Lorca, em "Poemas sueltos". no livro 'Obra poética completa'. [tradução de William Agel de Melo]. Brasília: Editora Universidade de Brasília | São Paulo: Martins Fontes, 1989.

§

Gazel do amor desesperado
A noite não quer vir
para que tu não venhas,
nem eu possa ir.

Mas eu irei,
inda que um sol de lacraias me coma a fronte.

Mas tu virás
com a língua queimada pela chuva de sal.

O dia não quer vir
para que tu não venhas,
nem eu possa ir.

Mas eu irei
entregando aos sapos meu mordido cravo.

Mas tu virás
pelas turvas cloacas da escuridão.

Nem a noite nem o dia querem vir
para que por ti morra
e tu morras por mim.
.

Gacela del amor desesperado
La noche no quiere venir
para que tú no vengas
ni yo pueda ir.

Pero yo iré
aunque un sol de alacranes me coma la sien.

Pero tú vendrás
con la lengua quemada por la lluvia de sal.

El día no quiere venir
para que tú no vengas
ni yo pueda ir.

Pero yo iré
entregando a los sapos mi mordido clavel.

Pero tú vendrás
por las turbias cloacas de la oscuridad.

Ni la noche ni el día quieren venir
para que por ti muera
y tú mueras por mí.
- Federico García Lorca, no livro 'Obra poética completa'. [tradução de William Agel de Melo]. Brasília: Editora Universidade de Brasília | São Paulo: Martins Fontes, 1989.

§

O poeta pede a seu amor que lhe escreva
Amor de minhas entranhas, morte viva,
em vão espero tua palavra escrita
e penso, com a flor que se murcha,
que se vivo sem mim quero perder-te.

O ar é imortal. A pedra inerte
nem conhece a sombra nem a evita.
Coração interior não necessita
o mel gelado que a lua verte.

Porém eu te sofri. Rasguei-me as veias,
tigre e pomba, sobre tua cintura
em duelo de mordiscos e açucenas.

Enche, pois, de palavras minha loucura
ou deixa-me viver em minha serena
noite da alma para sempre escura.
.

El poeta pide a su amor que le escriba
Amor de mis entrañas, viva muerte,
en vano espero tu palabra escrita
y pienso, con la flor que se marchita,
que si vivo sin mí quiero perderte.

El aire es inmortal. La piedra inerte
ni conoce la sombra ni la evita.
Corazón interior no necesita
la miel helada que la luna vierte.

Pero yo te sufrí. Rasgué mis venas,
tigre y paloma, sobre tu cintura
en duelo de mordiscos y azucenas.

Llena pues de palabras mi locura
o déjame vivir en mi serena
noche del alma para siempre oscura.
- Federico García Lorca, em "Poemas esparsos". no livro 'Obra poética completa'. [tradução de William Agel de Melo]. Brasília: Editora Universidade de Brasília | São Paulo: Martins Fontes, 1989.

§

Federico García Lorca
Malaguenha
A morte
entra e sai
da taberna.
Passam cavalos negros
e gente sinistra
pelos fundos caminhos
da guitarra.
E há um cheiro de sal
e de sangue de fêmea
nos nardos febris
da beira-mar.
A morte
entra e sai,
e sai e entra
a morte
da taberna.
.

Malagueña 
La muerte 
entra y sale 
de la taberna. 
Pasan caballos negros 
y gente siniestra 
por los hondos caminos 
de la guitarra. 
Y hay un olor a sal
y a sangre de hembra, 
en los nardos febriles 
de la marina. 
La muerte 
entra y sale
y sale y entra 
la muerte 
de la taberna.
- Federico García Lorca, no livro 'Obra poética completa'. [tradução de William Agel de Melo]. Brasília: Editora Universidade de Brasília | São Paulo: Martins Fontes, 1989.

§

Partiu-se o sol
          Partiu-se o sol
          entre nuvens de cobre.
Dos montes azuis chega um ar sonoro.
          No prado do céu,
          entre flores de estrelas,
          a lua vai em crescente
          como um garfo de ouro.

Pelo campo (que espera os tropéis de almas),
          vou carregado de pena,
          pelo caminho só;
          porém o meu coração
          um raro sonho canta
         de uma paixão oculta
         a distância sem fundo.

         Ecos de mãos brancas
         sobre a minha fronte fria,
         paixão que se madurou
         com pranto de meus olhos!  
.

  Se ha quebrado el sol 
          Se ha quebrado el sol   
          entre nubes de cobre.
De los montes azules llega un aire suave.

          En el prado del cielo,
          entre flores de estrellas,
          va la luna en creciente
          como un garfio de oro.

Por el campo (que espera los tropeles de almas),
          voy cargado de pena,
          Por el camino solo;
          Pero el corazón mío
          un raro sueño canta
          de una pasión oculta
          a distancia sin fondo.

          Ecos de manos blancas
          sobre mi frente fría
          ¡pasión que maduróse
          con llanto de mis ojos!
- Federico García Lorca, em "Poemas esparsos". no livro 'Obra poética completa'. [tradução de William Agel de Melo]. Brasília: Editora Universidade de Brasília | São Paulo: Martins Fontes, 1989.

§
Garcia Lorca - Flamenco Dancer

Soneto da doce queixa
Assusta-me perder a maravilha
de teus olhos de estátua e o acento
que pela noite a face me polvilha
a erma rosa que há no teu alento.

Tenho pena de ser sobre esta orilha
tronco sem ramos, e a dor que sustento
é não ter eu a flor, polpa ou argila
pró verme de meu próprio sofrimento

se és meu tesouro oculto, que sitio,
se és minha cruz e meu sofrer molhado
e eu o cão preso de teu senhorio,

não me deixes perder o que me é dado:
vem decorar as águas do teu rio
com folhas de meu outono perturbado.
.

Soneto de la dulce queja
Tengo miedo a perder la maravilla
de tus ojos de estatua y el acento
que de noche me pone en la mejilla
la solitaria rosa de tu aliento.

Tengo pena de ser en esta orilla
tronco sin ramas; y lo que más siento
es no tener la flor, pulpa o arcilla,
para el gusano de mi sufrimiento.

Si tú eres el tesoro oculto mío,
si eres mi cruz y mi dolor mojado,
si soy el perro de tu señorío,

no me dejes perder lo que he ganado
y decora las aguas de tu río
con hojas de mi otoño enajenado.
- Federico García Lorca, em "Antologia poética". [tradução José Bento]. Lisboa: Relógio d'Água, 1993.

§

Elegia a Dona Joana, a louca
                    Dezembro de 1918
                         (Granada)
                   A Melchor Fernández Almagro

Princesa enamorada sem ser correspondida.
Cravo vermelho num vale profundo e desolado.
A tumba que te guarda ressuma tua tristeza
através dos olhos que abriu sobre o mármore.

Eras uma pomba com alma gigantesca
cujo ninho foi sangue de solo castelhano,
derramaste teu fogo sobre um cálice de neve
e ao querer alentá-lo tuas asas se partiram.

Sonhavas que teu amor fosse como o infante
que te segue submisso recolhendo teu manto.
E em vez de flores, versos e colares de pérolas,
te deu a Morte rosas murchas em um ramo.

Tinhas no peito a formidável aurora
de Isabel de Segura. Melibéia. Teu canto,
como calhandra que olha quebrar-se o horizonte,
se torna de repente monótono e amargo.

E teu grito estremece os alicerces de Burgos.
E oprime a salmodia do coro cartusiano.
E choca com os ecos dos lentos sinos,
perdendo-se na sombra tremente e lacerado.

Tinhas a paixão que dá o céu da Espanha.
A paixão do punhal, da olheira e do pranto.
Oh! princesa divina de crepúsculo vermelho,
com a roca de ferro, e de aço o fiado!

Nunca tiveste o ninho, nem o madrigal dolente,
nem o alaúde jogralesco que soluça distante.
Teu jogral foi um mancebo com escamas de prata,
e um eco de trombeta sua voz enamorada.

E, sem embargo, estavas para o amor formada,
feita para o suspiro, o mimo e o desmaio,
para chorar tristeza sobre o peito querido,
desfolhando uma rosa de olor entre os lábios.

Para olhar a lua bordada sobre o rio
e sentir a nostalgia que em si leva o rebanho
e olhar os eternos jardins da sombra,
oh! princesa morena que dormes sob o mármore!

Tens os olhos negros abertos à luz?
Ou se enroscam serpentes em teus seios exaustos...
Para onde foram teus beijos lançados aos ventos?
Para onde foi a tristeza de teu amor desgraçado?

No cofre de chumbo, dentro de teu esqueleto,
terás o coração partido em mil pedaços.
E Granada te guarda como santa relíquia,
oh! princesa morena que dormes sob o mármore!

Heloisa e Julieta foram duas margaridas,
mas tu foste um vermelho cravo ensangüentado
que veio da terra dourada de Castela
para dormir entre neve e ciprestais castos.

Granada era teu leito de morte, Dona Joana,
os ciprestes, teus círios; a serra, teu retábulo.
Um retábulo de neve que mitigue tuas ânsias,
com a água que passa junto a ti! A do Douro!

Granada era teu leito de morte, Dona Joana,
a das torres velhas e do jardim calado,
a da hera morta sobre os muros vermelhos,
a da névoa azul e da murta romântica.

Princesa enamorada e mal correspondida.
Cravo vermelho num vale profundo e desolado.
A tumba que te guarda ressuma tua tristeza
através dos olhos que abriu sobre o mármore.
.

Elegía a Doña Juana la Loca
       A Melchor Fernández Almagro

Princesa enamorada sin ser correspondida.
Clavel rojo en un valle profundo y desolado.
La tumba que te guarda rezuma tu tristeza
a través de los ojos que ha abierto sobre el mármol. 

Eras una paloma con alma gigantesca
cuyo nido fue sangre del suelo castellano,
derramaste tu fuego sobre un cáliz de nieve
y al querer alentarlo tus alas se troncharon. 

Soñabas que tu amor fuera como el infante
que te sigue sumiso recogiendo tu manto.
Y en vez de flores, versos y collares de perlas,
te dio la Muerte rosas marchitas en un ramo. 

Tenías en el pecho la formidable aurora
de Isabel de Segura. Melibea. Tu canto,
como alondra que mira quebrarse el horizonte,
se torna de repente monótono y amargo. 

Y tu grito estremece los cimientos de Burgos.
Y oprime la salmodia del coro cartujano.
Y choca con los ecos de las lentas campanas
perdiéndose en la sombra tembloroso y rasgado. 

Tenías la pasión que da el cielo de España.
La pasión del puñal, de la ojera y el llanto.
¡Oh princesa divina de crepúsculo rojo,
con la rueca de hierro y de acero lo hilado! 

Nunca tuviste el nido, ni el madrigal doliente,
ni el laúd juglaresco que solloza lejano.
Tu juglar fue un mancebo con escamas de plata
y un eco de trompeta su acento enamorado. 

Y, sin embargo, estabas para el amor formada,
hecha para el suspiro, el mimo y el desmayo,
para llorar tristeza sobre el pecho querido
deshojando una rosa de olor entre los labios. 

Para mirar la luna bordada sobre el río
y sentir la nostalgia que en sí lleva el rebaño
y mirar los eternos jardines de la sombra,
¡oh princesa morena que duermes bajo el mármol! 

¿Tienes los ojos negros abiertos a la luz?
O se enredan serpientes a tus senos exhaustos...
¿Dónde fueron tus besos lanzados a los vientos?
¿Dónde fue la tristeza de tu amor desgraciado? 

En el cofre de plomo, dentro de tu esqueleto,
tendrás el corazón partido en mil pedazos.
Y Granada te guarda como santa reliquia,
¡oh princesa morena que duermes bajo el mármol! 

Eloisa y Julieta fueron dos margaritas,
pero tú fuiste un rojo clavel ensangrentado
que vino de la tierra dorada de Castilla
a dormir entre nieve y ciprerales castos. 

Granada era tu lecho de muerte, Doña Juana,
los cipreses, tus cirios; la sierra, tu retablo.
Un retablo de nieve que mitigue tus ansias,
¡con el agua que pasa junto a ti! ¡La del Dauro! 

Granada era tu lecho de muerte, Doña Juana,
la de las torres viejas y del jardín callado,
la de la yedra muerta sobre los muros rojos,
la de la niebla azul y el arrayán romántico. 

Princesa enamorada y mal correspondida.
Clavel rojo en un valle profundo y desolado.
La tumba que te guarda rezuma tu tristeza

a través de los ojos que ha abierto sobre el mármol.
García Lorca, "Antologia poética". [tradução, seleção e apresentação de William Agel de Mello]. Porto Alegre: L& PM Pocket, 2005.

§

Canção outonal
        Novembro de 1918
          (Granada)

Hoje sinto no coração
um vago tremor de estrelas,
mas minha senda se perde
na alma da névoa.
A luz me quebra as asas
e a dor de minha tristeza
vai molhando as recordações
na fonte da idéia.

Todas as rosas são brancas,
tão brancas como minha pena,
e não são as rosas brancas
porque nevou sobre elas.
Antes tiveram o íris.
Também sobre a alma neva.
A neve da alma tem
copos de beijos e cenas
que se fundiram na sombra
ou na luz de quem as pensa.

A neve cai das rosas,
mas a da alma fica,
e a garra dos anos
faz um sudário com elas.

Desfazer-se-á a neve
quando a morte nos levar?
Ou depois haverá outra neve
e outras rosas mais perfeitas?
Haverá paz entre nós
como Cristo nos ensina?
Ou nunca será possível
a solução do problema?

E se o amor nos engana?
Quem a vida nos alenta
se o crepúsculo nos funde
na verdadeira ciência
do Bem que quiçá não exista,
e do mal que palpita perto?

Se a esperança se apaga
e a Babel começa,
que tocha iluminará
os caminhos na Terra?
Se o azul é um sonho,
que será da inocência?
Que será do coração
se o Amor não tem flechas?

Se a morte é a morte,
que será dos poetas
e das coisas adormecidas
que já ninguém delas se recorda?
Oh! sol das esperanças!
Água clara! Lua nova!
Corações dos meninos!
Almas rudes das pedras!
Hoje sinto no coração
um vago tremor de estrelas
e todas as coisas são
tão brancas como minha pena.
.

Cancion otoñal
Hoy siento en el corazón
un vago temblor de estrellas,
pero mi senda se pierde
en el alma de la niebla.
La luz me troncha las alas
y el dolor de mi tristeza
va mojando los recuerdos
en la fuente de la idea. 

Todas las rosas son blancas,
tan blancas como mi pena,
y no son las rosas blancas,
que ha nevado sobre ellas.
Antes tuvieron el iris.
También sobre el alma nieva.
La nieve del alma tiene
copos de besos y escenas
que se hundieron en la sombra
o en la luz del que las piensa. 

La nieve cae de las rosas,
pero la del alma queda,
y la garra de los años
hace un sudario con ellas. 

¿Se deshelará la nieve
cuando la muerte nos lleva?
¿O después habrá otra nieve
y otras rosas más perfectas?
¿Será la paz con nosotros
como Cristo nos enseña?
¿O nunca será posible
la solución del problema? 

¿Y si el amor nos engaña?
¿Quién la vida nos alienta
si el crepúsculo nos hunde
en la verdadera ciencia
del Bien que quizá no exista,
y del Mal que late cerca? 

¿Si la esperanza se apaga
y la Babel se comienza,
qué antorcha iluminará
los caminos en la Tierra? 

¿Si el azul es un ensueño,
qué será de la inocencia?
¿Qué será del corazón
si el Amor no tiene flechas? 

¿Y si la muerte es la muerte,
qué será de los poetas
y de las cosas dormidas
que ya nadie las recuerda?
¡Oh sol de las esperanzas!
¡Agua clara! ¡Luna nueva!
¡Corazones de los niños!
¡Almas rudas de las piedras!
Hoy siento en el corazón
un vago temblor de estrellas
y todas las rosas son
tan blancas como mi pena.
García Lorca, "Antologia poética". [tradução, seleção e apresentação de William Agel de Mello]. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2005.

§

Toada de negros em Cuba 
Quando chegar a lua cheia,
irei a Santiago de Cuba, 
Irei a Santiago. 
Num carro de água negra 
Irei a Santiago. 
Cantarão os tetos de palmeira. 
Irei a Santiago. 
Quando a palma quer ser cegonha, 
Irei a Santiago. 
Quando quer ser medusa a bananeira, 
Irei a Santiago, 
Irei a Santiago. 
Com a ruiva cabeça do Fonseca, 
Irei a Santiago. 
E com a rosa de Romeu e Julieta, 
Irei a Santiago. 
Oh Cuba! Oh ritmo de sementes secas! 
Irei a Santiago. 
Oh cintura quente e gota de madeira! 
Irei a Santiago. 
Harpa de troncos vivos. Caimão. Flor de tabaco. 
Irei a Santiago. 
Sempre tenho dito que irei a Santiago. 
Num carro de água negra. 
Irei a Santiago. 
Meu coral na treva, 
Irei a Santiago. 
O mar afogado na areia, 
Irei a Santiago. 
Calor branco, fruta morta, 
Irei a Santiago. 
Oh bovino odor de canavieiras! 
Oh Cuba! Oh curva de suspiro e barro! 
Irei a Santiago.
.

Son de negros en Cuba
Cuando llegue la luna llena 
iré a Santiago de Cuba, 
iré a Santiago, 
en un coche de agua negra. 
Iré a Santiago. 
Cantarán los techos de palmera. 
Iré a Santiago. 
Cuando la palma quiere ser cigüefla, 
iré a Santiago. 
Y cuando quiere ser medusa el plátano, 
iré a Santiago. 
Iré a Santiago 
con la rubia cabeza de Fonseca. 
Iré a Santiago. 
Y con la rosa de Romeo y Julieta 
iré a Santiago. 
¡Oh Cuba! ¡Oh ritmo de semillas secas! 
Iré a Santiago. 
¡Oh cintura caliente y gota de madera! 
Iré a Santiago. 
¡Arpa de troncos vivos, caimán, flor de tabaco! 
Iré a Santiago. 
Siempre he dicho que yo iría a Santiago 
en un coche de agua negra. 
Iré a Santiago. 
Brisa y alcohol en las ruedas, 
iré a Santiago. 
Mi coral en la tiniebla, 
iré a Santiago. 
El mar ahogado en la arena, 
iré a Santiago, 
calor blanco, fruta muerta, 
iré a Santiago. 
¡Oh bovino frescor de calaveras! 
¡Oh Cuba! ¡Oh curva de suspiro y barro! 
Iré a Santiago.
-  Federico García Lorca. [tradução de Manuel Bandeira]. in: revista 'Poesia Sempre', nº 7, Rio de Janeiro - Fundação Biblioteca Nacional, 1996.


Federico García Lorca
FORTUNA CRÍTICA DE FEDERICO GARCÍA LORCAACCIOLY, Lenora. Reflexões sobre a peça Teatral "El Malefício de La Mariposa" de Federico Garcia Lorca. (Dissertação Mestrado em Artes). Universidade Federal de Uberlândia, UFU, 2012.
ANDRADE, Silvia. Lorca clandestino: a voz do amor obscuro. in: homoliteratus, 24 de outubro de 2015. Disponível no link. (acessado em 12.8.2016).
ALMEMANY BAY, Carmen. Federico García Lorca en Cuba: Vivencias personales y literarias. Su huella. in: Centro Virtual Cervantes. Disponível no link. (acessado em 13.6.2016).
ALVES, Syntia Pereira. Teatro de Garcia Lorca : a arte que se levanta da vida. (Tese Doutorado em Ciências Sociais). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, 2011.
ALVES, Syntia Pereira. Las Letras en Brasil y García Lorca. in: XV Encuentro de Latinoamericanistas españoles. Trama Editorial/CEEIB, 2012. Disponível no link. (acessado em 12.8.2016).
Federico García Lorca
ALVES, Syntia Pereira. Uma leitura social de 'Yerma' de Federico García Lorca. Sociopoética (Online), v. 1, p. 5, 2013.
ALVES, Syntia Pereira. Ficção e morte em 'O desaparecimento de García Lorca'. Letras em Revista, v. 6, p. 301-313, 2015.
ALVES, Syntia Pereira. García Lorca anunciando a Guerra Civil Espanhola. Revista Contemporânea, v. 2, p. 1, 2013.
ALVES, Syntia Pereira. As Bodas de Sangue de García Lorca e Carlos Saura. Revista Ecos, v. 15, p. 237, 2013.
ARAÚJO, Valéria Gianechini de; MACHADO, Irlei Margarete Cruz (org).. Buscaba el amanecer...Estudos sobre dramturgia e poesia em Federico García Lorca. 1ª ed., Uberlândia: Editora de Universidade Federal de Uberlândia, 2011. v. 1. 184p.
ARTAUD, Antonin. O teatro e o seu duplo. Lisboa: Fenda, 1996.
AZAMBUJA, Kristianny Brandão Barbosa de.. Imagens do feminino: um estudo comparativo em A casa de Bernarda Alba, de Federico Garcia Lorca e O escravo, de Lúcio Cardoso. (Dissertação Mestrado em Letras e Lingüística). Universidade Federal de Alagoas, UFAL, 2005.
AZAMBUJA, Kristianny Brandão Barbosa de.. Autoridade e Liberdade: um conflito permanente em A casa de Bernarda Alba, de Federico Garcia Lorca. In: XX Jornada Nacional de Estudos Lingüísticos - GELNE, João Pessoa: ideia, 2004. p. 1319-1332.
BARBOSA, Alda Maria Inácio. Horror, amor e morte em Dorotéia, de Nelson Rodrigues e La casa de Bernarda Alba, de Federico García Lorca. (Dissertação Mestrado em Estudos de Linguagens). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, UFMS, 2010.
BISOFFI, Rafael Augusto Bonin. Dois romanceiros modernistas: alguns aspectos da recepção crítica do Romancero Gitano (1928), de Federico García Lorca, e do Romanceiro da Inconfidência (1953), de Cecília Meireles. (Monografia Graduação em Estudos Literários). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2010.
BRAGA, Hamilton Dias. Tragédias e Comédias de Federico Garcia Lorca. (Monografia Graduação em Direção Teatral). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, 1972.
BRITO, Marcello Lucas de Araújo.. A tragédia na Trilogia Rural de Federico García Lorca: Bodas de Sangue, Yerma e A casa de Bernarda Alba. (Monografia Graduação em Licenciatura Plena em Educação Artística). Faculdade de Artes Dulcina de Moraes, FADM, 2008.
CAETANO, Patrícia Ramos. Catástrofe, medo e horror em A casa de Bernarda Alba, de Federíco García Lorca e A asa esquerda do Anjo, de Lya Luft. (Dissertação Mestrado em Estudos de Linguagens). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, UFMS, 2014.
CAMARGO, Mariana. Entre l'idée et la pratique du corps en scène dans Doña Rosita la célibataire de Federico García Lorca. (Dissertação Mestrado em Arts de la Scène). École Normale Supérieure de Lyon, ENS/Lyon, França, 2014.
CANOVAS, Suzana Yolanda L Machado.. Bodas de sangre: uma tragédia andaluza. In: Irley Machado. (Org.). Mi corazón es una mariposa... Estudos sobre dramaturgia e poesia em Federico García Lorca. 1ªed.Uberlândia: EDUFU, 2014, v. 2, p. 129-137.
CARISOMO, Arturo Berenguer. As faces de Federico García Lorca. [tradução de Roberto Mara]. São Paulo: Ícone, 1997.
CARVALHO, Mayra Moreyra.. Com um microscópio nas pupilas: uma leitura de 'La imagen poética de Don Luis de Góngora', de Federico García Lorca. Recorte (UninCor), v. 12, p. 1-22, 2015.
CARVALHO, Mayra Moreyra.. A Dança da Morte em Wall Street: em torno a um poema de Federico García Lorca. Cadernos de Pós Graduação em Letras (Online), v. 15, p. 1-18, 2015.
CARVALHO, Mayra Moreyra.. Revolta e Modernidade em Poeta en Nueva York, de Federico García Lorca. NOME- Revista de Letras, v. 2, p. 71-93, 2013.
CASER, Maria Mirtis; OLIVEIRA, Ana Catarina de Pinho Simas. A morte do outro em Bodas de sangre, de Federico García Lorca. Hispanista (Edição em Português), v. XV, p. 1-22, 2014.
CASER, Maria Mirtis. Personagem e personificação em poemas de Federico García Lorca. In: MACHADO, Lino, SODRÉ, Paulo, SALGUEIRO, Wilbert. (Org.). Pessoa, persona, personagem. 00ed.Vitoria: PPGL, 2009, v. 1, p. 307-314.
CASTRO FILHO, Claudio de Souza. Eu mesma matei meu filho: do filicídio materno como poética trágica em Eurípides, Goethe e García Lorca. (Tese Doutorado em Letras). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, 2012.
CASTRO FILHO, Claudio de Souza. O trágico no teatro de Federico García Lorca. (Dissertação Mestrado em Artes). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2007.
CASTRO FILHO, Claudio de Souza. Aspectos nietzschianos no teatro de García Lorca. (Monografia Graduação em História da Arte). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, 2004.
Federico García Lorca
CASTRO FILHO, Claudio de Souza. O trágico no teatro de Federico García Lorca. 1ª ed., Porto Alegre: Editora Zouk, 2009. v. 1. 192p.
CASTRO FILHO, Claudio de Souza. Ecos nietzschianos nas tragédias de Federico García Lorca. In: Irley Machado. (Org.). Buscaba el amanecer: estudos sobre dramaturgia e poesia em Federico García Lorca. 1ª ed., Uberlândia: EDUFU, 2011, v. , p. 39-48.
CASTRO FILHO, Claudio de Souza. Medéia na Modernidade (2): representações do filicídio em Graça Aranha e García Lorca. Boletim de Estudos Clássicos, v. 48, p. 169-174, 2007.
CASTRO FILHO, Claudio de Souza. Ambiguidade trágica e condição materna em García Lorca. In: I Congresso Internacional da Associação Brasileira de Hispanistas, 2008, Belo Horizonte. Anais do I Congresso Internacional de Hispanistas. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2008. p. 487-492.
CASTRO FILHO, Claudio de Souza. Metáforas nietzschianas na obra teatral de Federico García Lorca. In: Transmissão-Recepção II Encontro de Pesquisa em Filosofia da UFMG. Belo Horizonte: UFMG, 2004.
CASTRO FILHO, Claudio de Souza. García Lorca e as metáforas do corpo em conflito. In: Anais do XI Encontro Regional de História. Rio de Janeiro: ANPUH RJ, 2004.
COIMBRA, Rachel Coelho. Visões poéticas de uma ética por vir: Federico García Lorxa, Antonio Machado, Miguel Hernández e Manuel Rivas. (Dissertação Mestrado em Estudos Literários). Universidade Federal Fluminense, UFF, 2012.
COSTA, Gustavo. La homosexualidad reprimida en la vida y en la obra 'Sonetos del amor oscuro' de Federico García Lorca. Desenredos, v. VII, p. 1-8, 2015.
COSTA, Soraya Borges. Eros e tânatos na poética de Federico García Lorca e Cecília Meireles. (Tese Doutorado em  em Letras: Teoria da Literatura e Literatura Comparada). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2015. Disponível no link. (acessado em 12.8.2016).
COSTA, Soraya Borges. O embate de Eros e Tânatos na poética de Federico García Lorca e Cecília Meireles. In: II Colóquio Internacional Vicente e Dora Ferreira da Silva, 2015, Uberlândia. Programação e caderno de resumos. Uberlândia: UFU, 2015. v. 1. p. 175-176.
COSTA, Soraya Borges. Cecília Meireles e García Lorca entre os espelhos de Narciso. Revista Crioula (USP), v. 8, p. 1-15, 2010.
COSTA, Soraya Borges. O imaginário na poesia de García Lorca. In: Irley Machado. (Org.). Buscaba el amanecer... Estudos sobre dramaturgia e poesia em Federico García Lorca. 1ª ed., Uberlândia: Edufu, 2011, v. , p. 61-80.
EDWARDS, G.. El teatro de Federico García Lorca. [versión española de Carlos Martín Baró]. Madrid: Editorial Gredos 1983.
FEDERICO García Lorca: uma voz centenária. Número monográfico. Homenagem a García Lorca.. Revista APEERJ, ano 4, n. 4. Rio de Janeiro: Embajada de España en Brasil/ Consejería de Educación y Ciência, 1990.
FERNÁNDEZ CIFUENTES, L.. García Lorca en el Teatro: la norma y la diferencia. Zaragoza: Universidad de Zaragoza 1986.
FERREIRA, Lidiane Maria. A presença da água e do elemento erótico na poesia de Federico García Lorca. (Dissertação Mestrado em Letras com concentração em Teoria Literária). Universidade Federal de Uberlândia, UFU, 2008.
FERREIRA, Lidiane Maria. A presença da água e do elemento erótico na poesia de Federico García Lorca. In: 21 Festival Universitário de Teatro de Blumenau, 2007, Blumenau. Caderno de comunicações, 2007. p. 56-58.
FIDÊNCIO, Luana Marques. A problemática autobiográfica em El Público de Federico Garcia Lorca. In: MACHADO, Irley (Org.). Buscaba el amanecer... Estudos sobre dramaturgia e poesia em Federico García Lorca.. 1ª ed., Uberlândia: EDUFU, 2011, v. , p. 9-184.
FLYS, Jaroslaw M.. El lenguaje poético de Federico García Lorca. Madrid: Gredos, 1955.
FOLCH, Luisa Trias. Presença de Federico García Lorca no Brasil: primeiras homenagens. in: Coojornal, opinião acadêmica, Rio Total, n. 382, 20.8.2004. Disponível no link. (acessado em 12.8.2016).
GIBSON, Ian. A morte de Lorca. [tradução de Castro Ferro]. Rio de janeiro: Editora Civilização, 1976.
GÓES, Fred. A música em García Lorca. Lumina - Facom/UFJF - v.2, n.1, p.75-88, jan./jun. 1999. Disponível no link. (acessado em 14.8.2016).
García Lorca, por C. Maurer
GOMES, Daniela Rosante. Do Idíliio ao Porrete: o teatro de bonecos de Federico García Lorca. (Dissertação Mestrado em Artes). Universidade Federal de Uberlândia, UFU, 2010.
GOMES, Daniela Rosante; MACHADO, Irlei Margarete Cruz. La Barraca: retrato de García Lorca na direção de um teatro popular e inovador. Buscaba el amanecer... Estudos sobre dramaturgia e poesia em Federico García Lorca. 1ed.Uberlândia: EDUFU, 2011, v. , p. 111-122.
GONÇALVES, Eliane. Federico García Lorca-Morte e Liberdade. Cultura Crítica - Revista Cultural da Apropuc, São Paulo, PUC/SP, n.1, p. 108-116, 2005.
GONÇALVES, Eliane. Federico García Lorca. In: Federico García Lorca, 1998, São Paulo. Publicado em video. São Paulo: TV PUC, 1998.
GONZÁLEZ, Mario Miguel. El conflicto dramático en Bodas de sangre de Federico García Lorca. (Tese Doutorado em Letras - Língua Espanhola e Lit. Espanhola e Hispano-Americ). Universidade de São Paulo, USP, 1973.
GONZÁLEZ, Mario Miguel. Federico García Lorca: tragédia na vida e na obra. Teoria e Debate, São Paulo, v. 11, n.38, p. 55-59, 1998.
GONZÁLEZ, Mario Miguel. O teatro de García Lorca. Revista de Teatro - SBAT, São Paulo, v. 73, n.503, p. 23-26, 1998.
GONZÁLEZ, Mario Miguel. Agosto de 1936: Federico García Lorca, a tragedia antecipada. Vozes, São Paulo, v. 89, n.4, p. 69-79, 1995.
GONZÁLEZ, Mario Miguel. García Lorca: oitenta anos. O Estado de São Paulo (Suplemento Cultural), São Paulo, p. 8, 4 jun. 1978.
GRAGNANI, Juliana. A vida e as mortes de García Lorca. in: Folha S. Paulo, ilustríssima, 10.8.2014. Disponível no link. (acessado em 12.8.2016).
HERNANDES, Luciana Carneiro. Federico García Lorca no Brasil. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, 2002.
HERNANDES, Luciana Carneiro. Lorca - a recepção do poeta andaluz no Brasil. In: TROUCHE, A L G; REIS, L F. (Org.). Hispanismo 2000. Brasília: Ministerio de Educación, Cultura y Deporte (España), 2001, v. I, p. 1-624.
HERNANDES, Luciana Carneiro. Federico García Lorca em "sites" brasileiros. In: FANJUL, A P; OLMOS, A C; GONZÁLEZ, M M;. (Org.). Hispanismo 2002. São Paulo: Humanitas, 2004, v. II, p. 1-318.
HERNANDES, Luciana Carneiro. Federico García Lorca em ''sites'' brasileiros. Ano 2. Congresso Brasileiro Hispanistas Out. 2002. Disponível no link. (acessado em 12.8.2016).
JOSEF, Bella. García Lorca en América. Rio de Janeiro: Revista Apeerj, 1999.
LARA, Idalmo Mendes. A concepção literária e simbólica encontrada nas Canciones de Federico García Lorca: estudo de casos. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal de Uberlândia, UFU, 2009. Disponível no link. (acessado em 13.8.2016).
LEITE, Elga Ivone Pérez Laborde. Além do bem e do mal: Federico Garcia Lorca. Universa (UCB), v. 6, n.3, p. 337-347, 1998.
LORCA: Viajero por América. Actas del Encuentro Internacional. (revista). in: Centro Virtual Cervantes. Disponível no link. (acessado em 13.6.2016).
LUZ, Ana Cláudia Pimenta. Projeto de figurinos para a peça Bodas de Sangue de Federico Garcia Lorca. (Monografia Graduação em Bacharelado Em Artes Cênicas). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 1992.
MACIEL, Márcio Antonio de Souza.. O diálogo intertextual entre Reinaldo Arenas e Federico García Lorca às voltas com La casa de Bernarda Alba. In: Anais do V Congresso Brasileiro de Hispanistas e I Congresso Internacional da Associação Brasileira de Hispanistas. Belo horizonte/MG: Editora da UFMG, 2008. p. 1511-1519.
Federico García Lorca, por Gregório Prieto
MACIEL, Márcio Antonio de Souza.. García Lorca e Arenas: vida, literatura e o diálogo na cauda d'El cometa Halley. In: XI Congresso Internacional da ABRALIC (Tessituras, Interações, Convergências), 2008, São Paulo. Anais do XI Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada. São Paulo: ABRALIC, 2008. e-book, 2008. p. 1-6.
MACIEL, Márcio Antonio de Souza.. Anunciaram e garantiram que o mundo ia se acabar ou quando Reinaldo Arenas releu Federico García Lorca. In: Congresso Internacional de Estudos Literários e Lingüísticos - CIELL - Identidades: considerações sobre a experiência, 2008, Três Lagoas/MS. Identidades: considerações sobre a experiência. Três Lagoas/MS: UFMS, 2008. v. Único. p. 115-123.
MACHADO, Irlei Margarete Cruz. A inquietude trágica: o espaço, o tempo e a morte na trilogia rural de García Lorca. 1ª ed., Uberlândia: EDUFU, 2016. v. 1. 280p.
MACHADO, Irlei Margarete Cruz. Mi corazón es una mariposa Estudos sobre dramaturgia e poesia em Federico García Lorca. volume II. 1ª ed., Uberlandia: EDUFU, 2014. v. 1. 292p.
MACHADO, Irlei Margarete Cruz. Le "néo-popularisme" dans le Romancero Gitano de Federico García Lorca. In: Martin-Cardini, Karine; Aubé-Bourligueux, JOcelyne. (Org.). Le Néo, Sources, Héritages et Réécritures dans les cultures européennes. 1ª ed., Rennes - France: Presses Universitaires de Rennes, 2016, v. 1, p. 317-334.
MACHADO, Irlei Margarete Cruz. Federico García Lorca: Um heterodoxo. In: Irley Machado. (org.). Mi corazón es una mariposa: estudos sobre dramaturgia e poesia em Fedrico García Lorca - Vol. II. 1ª ed., Uberlândia: EDUFU, 2014, v. II, p. 83-101.
MACHADO, Irlei Margarete Cruz. As janelas do confinamento em A casa de Bernarda Alba de Federico García Lorca. In: Kenia Maria Pereira de Almeida; Maria Ivonete Santos Silva. (Org.). Releituras do texto literário. 1ª ed., Uberlandia: EDUFU, 2014, v. 5, p. 119-132.
MACHADO, Irlei Margarete Cruz. Poesía e erotismo na dramaturgia de García Lorca. In: Machado, Irley. (org.). Buscaba el amanecer... Estudos sobre dramaturgia e poesia em federico García Lorca. 1ª ed., Uberlândia: EDUFU, 2011, v. 1, p. 15-25.
MACHADO, Irlei Margarete Cruz. Poesia e erotismo na dramaturgia de García Lorca. In: Irley Machado. (Org.). Buscaba el amanecer... Estudos sobre dramaturgia e poesia em Fedrico García Lorca. 1ª ed., UIberlândia: EDUFU Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2011, v. 1, p. 15-24.
MACHADO, Irlei Margarete Cruz. A metafísica do corpo: o corpo em sofrimento no teatro de García Lorca. OuvirOUver (Uberlândia. Impresso), v. 1, p. 50-61, 2014.
MACHADO, Irley. A dramaturgia de Títeres de Federico García Lorca. Móin-Móin (UDESC), v. 8, p. 177-192, 2011.
MACHADO, Irlei Margarete Cruz. O erotismo na dramaturgia poética de Federico García Lorca. Revista do SELL, v. 1, p. 1-16, 2008.
MACHADO, Irlei Margarete Cruz. A metafisica do corpo - o corpo em sofrimento no teatro de Garcia Lorca. Ouvirouver, Uberlândia, p. 51 - 60, 20 out. 2015.
MALAQUIAS, Leandro de Jesus. Confinamento, Amor e Loucura em La Casa de Bernarda Alba de Federico García Lorca. (Dissertação Mestrado em Artes). Universidade Federal de Uberlândia, UFU, 2012.
MALAQUIAS, Leandro de Jesus. A Presença Surreal em Bodas de Sangre de Federico Garcia Lorca. (Monografia Graduação em Artes cênicas). Universidade Federal de Uberlândia, UFU, 2008.
MALAQUIAS, Leandro de Jesus; MACHADO, Irlei Margarete Cruz. Lua e Morte: surrealismo e fatalidade em Bodas de Sangre. In: Irley Machado. (org.). Buscaba el amanecer... Estudos sobre a dramaturgia e poesia em Federico García Lorca. 1ª ed., Uberlandia: EDUFU, 2010, v. I, p. 123-132.
MALAQUIAS, Leandro de Jesus. Loucura, Desejo e Morte: elementos simbólicos que participam da construção da tragicidade na obra La Casa de Bernarda Alba de García Lorca.. In: III Jornada Latino-Americana de Estudos Teatrais., 2010, Blumenau - SC. III Jornada Latino-Americana de Estudos Teatrais., 2010. p. 120-128.
MALAQUIAS, Leandro de Jesus. A Presença do Surreal em Bodas de Sangre de Federico Garcia Lorca. In: 21º Festval Universitario de Teatroem Blumenau, 2007, Blumenau. 21º Festval Universitario de Teatroem Blumenau, 2007. p. 53-56.
MANZIERI, Mariana Calvo Mozer. Touradas, toureiros e morte. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Presbiteriana Mackenzie, MACKENZIE, 2011.
Federico García Lorca
MANZIERI, Mariana Calvo Mozer. A Simbologia do Touro em La Cogida y la Muerte de Federico García Lorca. (Monogragia de Graduação em Letras). Universidade Presbiteriana Mackenzie, MACKENZIE, 2008.
MARCONDES, Christiane. García Lorca: na praça, na política e na alma do brasileiro. in: Portal Vermelho, 11 de janeiro de 2012. Disponível no link. (acessado em 12.8.2016). 
MARQUES, Natália Parreira. As crianças na dramaturgia de Federico García Lorca: cúmplices silenciosas ou testemunhas angustiadas?. (Dissertação Mestrado em Artes). Universidade Federal de Uberlândia, UFU, 2014. Disponível no link. (acessado em 14.8.2016).
MARTINS, Maria Elia Gonçalves. A Simbologia existente na construção da figura feminina na obra teatral de Federico García Lorca: Doña Rosita la soltera o el lenguaje de las flores. In: X INLETRAS Linguagem: interfaces e deslocamentos, 2010, Santa Maria. Seminário Internacional em Letras, 2010.
MELCHIOR, Reto. Viaje a la luna: uma biografia em projeção (análise de um roteiro de Federico García Lorca).. (Tese Doutorado em CTR - Ciências da Comunicação). Universidade de São Paulo Escola de Comunicaçôes e Artes, 2004.
MENDES, Marise Pimentel. Ai, Lorca de todas as dores: o trágico em Bodas de sangre, Yerma e La casa de Bernarda Alba. (Tese Doutorado em Letras - Ciência da Literatura). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 2002.
MONTEMEZZO, Luciana Ferrari. Trilogia Dramática da Terra Espanhola, de Federico García Lorca: a tradução como processo e resultado. (Tese Doutorado em Teoria e História Literária). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2008.
MONTEMEZZO, Luciana Ferrari. O assassinato de García Lorca e suas repercussões no Brasil. Aletria (UFMG), v. Especi, p. 271-281, 2009.
MONTEMEZZO, Luciana Ferrari. García Lorca, de autor e diretor a alvo dos fascistas espanhóis. Letras (UFSM), v. 19, p. 117-130, 2009.
MONTEMEZZO, Luciana Ferrari. A Trilogia Dramática da Terra Espanhola, de Federico García Lorca: Plano Natural e Vertente do Poeta. In: André Soares VIEIRA; Luciana Ferrari MONTEMEZZO; Ver Lúcia Lenz VIANNA. (Org.). Mediações do fazer literário: texto, cultura & sociedade. Santa Maria: Editora PPGL, 2009, v. , p. 127-148.
MONTEMEZZO, Luciana Ferrari. Federico García Lorca, 70 anos depois do assassinato. A Razão, Santa Maria, 28 ago. 2006.
MONTEMEZZO, Luciana Ferrari. Federico García Lorca; liberdade na Espanha fascista. Diário de Santa Maria, Santa Maria, RS, p. 14 - 15, 19 ago. 2006.
NÚÑEZ DE ARCA, P.. Presença de García Lorca. São Paulo: Continental, 1944.
OLIVEIRA, Ana Maria Domingues de; ESTEVES, Antonio Roberto. Cecilia Meireles traductora de Federico García Lorca: un acto político. In: I Congreso Internacional de da Asociación Ibérica de Estudios de Traducción y Interpretación, 2003, Granada. I AIETI. Actas del I Congreso internacional de la Asociación Iberoamericana de Estudios de Traducción e Interpretación. Granada: AIETI, 2003. v. 1. p. 507-515. Disponível no link. (acessado em 16.8.2016).
OLIVEIRA, Ana Maria Domingues de.. Cecília Meireles Tradutora de García Lorca (Co-Autoria). In: IV Encontro de Professores de Línguas e Literaturas Estrangeiras e III Encontro Paulista de Pesquisadores em Tradução, 1996, Assis. Anais do IV EPLLE. São Paulo: Arte e Ciência, 1996. v. 2. p. 25-28.
OLIVEIRA, Ester Abreu Vieira de.. O antigo e o novo no teatro de Federico García Lorca. Revista Mosaicum (Impresso), v. 6, p. 62-82, 2010.
OLIVEIRA, Ester Abreu Vieira de.. As farsas de boneco, exemplificadas no teatro de Federido García Lorca e Ariano Suassuna. Revista do Instituto Histórico do E. S., Vitória, v. 1, p. 33-40, 2000.
OLIVEIRA, Ester Abreu Vieira de.. As farsas de boneco exemplificadas no teatro de Federico García Lorca e Ariano Suassuna. V Encontro de professores de Línguas e Literaturas Estrangeiras Internacional Anais...5 a 8 de maio, Assis - SP, v. 1, p. 256-261, 1998.
OLIVEIRA, Ester Abreu Vieira de.. As farsas de boneco, exemplificadas no teatro de Garcia Lorca. In: Miguel Deps Talon. (Org.). lorca que te quiero Lorca. Vitoria: IHGES, 1997, v. , p. 35-58.
OLIVEIRA, Ester Abreu Vieira de.. A metáfora - ponto de união entre Luis de Góngora e Federico García Lorca - uma reflexão. In: Pessoa, Persona, Persoangem, 2010, Vitória. Pessoa, persona, personagem. Vitória: PPGL, 2009. v. 1. p. 281-296.
OLIVEIRA, Ester Abreu Vieira de..Acercamiento a Asi que pasen cinco años de Federico Garcia Lorca. In: Anais do IV Congresso Brasileiro de Professores de Espanhol. Curitiba: APEEP, 1991. p. 31-36.
Federico García Lorca, por Emily Tarleton
OLIVEIRA, Ester Abreu Vieira de.. Diván de Tamarit: Federico García Lorca e a poesia árabe. A Tribuna, Vitória, p. 28, 28 nov. 1996.
OLIVEIRA, Maria Candelaria Volponi Moraes de; CAMPOS NETO, J. V.. Monumento a Federico Garcia Lorca: uma história parada no ar!. Anuario Brasileño de Estudios Hispánicos, v. VI, p. 225-234, 1996.
OLIVEIRA, Marina de.. Espacialidade e erotismo: um estudo das personagens femininas de Federico García Lorca, Nelson Rodrigues e Ivo Bender. (Dissertação Mestrado em Letras). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, 2006.
OLIVEIRA, Marina de.. Clausura e libido: um estudo das personagens femininas de Federico García Lorca, Nelson Rodrigues e Ivo Bender. In: X Congresso Internacional da ABRALIC, 2006, Rio de Janeiro. Anais do X Congresso Internacional da ABRALIC. Rio de Janeiro: ABRALIC, 2006. p. 1-8.
OLIVEIRA, Rociele de Lócio. Tragédia no palco: o casamento em Bodas de sangre, de García Lorca, e Vestido de noiva, de Nelson Rodrigues. (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal do Espírito Santo, UFES, 2015.
OLIVEIRA, Rociele de Lócio. Até que a morte os separe: o casamento em Bodas de Sangre, de Federico García Lorca, e Vestido de Noiva, de Nelson Rodrigues. (Monografia Graduação em Letras - Português). Universidade Federal do Espírito Santo, UFES, 2012.
OLMO, Francisco Javier Calvo del.. Os seis poemas galegos de Federico García Lorca: uma ponte entre a lusofonia e a hispanidad. Digilenguas, v. 14, p. 305-323, 2013.
PARREIRA, Natália Marques. As criadas na dramaturgia de Garcia Lorca: integrantes ou condutoras do destino trágico do enredo. (Dissertação Mestrado em Artes Cênicas). Universidade Federal de Uberlândia, UFU, 2014. 
PASSOS, Simone Aparecida dos.. Companhia de Teatro Universitário La Barraca: Direção e Encenação ao Ar Livre no Contexto que Precede a Guerra Civil Espanhola ( O Teatro Experimental de García Lorca).. (Tese Doutorado em História). Universidade Federal de Uberlândia, UFU, 2015.
PASSOS, Simone Aparecida dos.. Mulher, desejo e morte: um triângulo inseparável na dramaturgia de Garcia Lorca. (Dissertação Mestrado em Letras - Teoria Literária). Universidade Federal de Uberlândia, UFU, 2009. 
PASSOS, Simone Aparecida dos.. Poética em cena: sobre a representação teatral de Federico García Lorca em La Barraca. In: Anais do VI Simpósio Nacional de História Cultural Escritas da História: ver- sentir - narrar. Uberlândia: GT Nacional de História Cultural, Teresina. 2012. p. 1-10.
PASSOS, Simone Aparecida dos.. Por Federico García Lorca: Literatura em La Barraca. In: II Simpósio Internacional de Letras e Linguistica, Catalão, 2013.
POLETO, Luciana Crestana dos Santos. Honra e honor nas tragédias rurais de Federico García Lorca. (Dissertação Mestrado em Letras, Cultura e Regionalidade). Universidade de Caxias do Sul, UCS, 2009.
POLETO, Luciana Crestana dos Santos. Os motivos de honra e honor presentes em Bodas de Sangre de Federico García Lorca. Signos (Lajeado), v. 1, p. 49-62, 2008.
QUINTELA, Antón Corbacho. As traduções goianas de Federico García Lorca. in: Revista de Cultura - jornal da poesia, nº 55, Fortaleza/São Paulo - janeiro - fevereiro de 2007. Disponível no link. (acessado em 12.8.2016).
REGINO, Sueli Maria de Oliveira. Verde Luna: o drama agro lunar na obra dramática de García Lorca. (Tese Doutorado em Letras e Linguística). Universidade Federal de Goiás, UFG, 2007.
REGINO, Sueli Maria de Oliveira. As areias do espelho:percursos do imaginário no teatro impossível" de García Lorca. (Dissertação Mestrado em Letras e Linguística). Universidade Federal de Goiás, UFG, 2001.
REGINO, Sueli Maria de Oliveira. A atualização mítica em Doña Rosita la soltera, de Federico García Lorca. In: Irley Machado. (Org.). Mi corazón es una mariposa... estudos sobre a dramaturgia e poesia de Federico García Lorca vol. II. 1ª ed., Uberlândia: EDUFU, 2014, v. 2, p. 117-127.
REGINO, Sueli Maria de Oliveira. Imagens simbólicas, mitemas e mitos nos primeiros fragmentos da dramaturgia lorquiana. In: Irley Machado. (Org.). Buscaba el amanecer... Estudos sobre a dramaturgia e poesia em Federico García Lorca. 1ª ed., Uberlândia: Edufu, 2011, v. 1, p. 25-37.
REGINO, Sueli Maria de Oliveira. Ironia dramática e estruturas místicas do imaginário em El Maleficio de la mariposa de García Lorca. Glauks (UFV), v. 10, p. 57-64, 2011.
REGINO, Sueli Maria de Oliveira. Representações simbólicas da homossexualidade em El público de García Lorca. Terra Roxa e Outras Terras, v. 18, p. 58-66, 2010.
RETAMAR, Hugo Jesus Correa. Federico García Lorca: De la Teoría a la Práctica del "Duende". (Dissertação Mestrado em Letras). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, 2009.
RETAMAR, Hugo Jesus Correa. Federico García Lorca, um poeta universal. Correio do Povo - Caderno de Sábado, Porto Alegre, p. 1 - 1, 20 ago. 2016.
RUIZ RAMÓN, Friancisco. Historia del teatro español. Siglo XX. 5ª ed., Madrid: Cátedra, 1981.
SANTOS, Angela dos.. Tradução Anotada e Comentada de El público, de Federico García Lorca. (Dissertação Mestrado em Literatura Espanhola). Universidade de São Paulo, USP, 2001. 
SANTOS, Gisele Cristina Rosa dos.. A Geopoética do Espaço no Teatro: Relação entre espaço e paisagem na dramaturgia de Federico García Lorca. (Tese Doutorado em Arte). Universidade de Brasília, UnB, 2014.
SANTOS, Gisele Cristina Rosa dos.. As palavras não morrem jamais: análise e comentário de textos não literários de Federico Garcia Lorca. (Dissertação Mestrado em Arte). Universidade de Brasília, UnB, 2006.
Federico García Lorca, por Emily Tarleton
SANTOS, Gisele Cristina Rosa dos.. Mariana(s) Pineda por Federico García Lorca. in: CoMA - Coletivo do Mestrado em Arte da Universidade de Brasília, 2004, Brasília - DF. CoMA - Coletivo do Mestrado em Arte. Brasília - DF: Universidade de Brasília, 2004. p. 76-82.
SARABIA, Nydia. Días cubanos de Lorca. Editorial Cultura Popular. La Habana, 2007.
SILVA, André Perez da.. O mito de Eros em Amor de Dom Perlimplim com Belisa em seu jardim, de Federico García Lorca. In: Irley Machado. (Org.). Mi corazón es una mariposa: estudos sobre dramaturgia e poesia em Federico García Lorca. 1ª ed., Uberlândia - MG: EDUFU, 2014, v. II, p. 225-238.
SILVA, André Perez da.. O mito de Eros em Amor de Dom Perlimplim com Belisa em seu jardim, de Federico García Lorca. Anais do Colóquio Internacional de Poesia e Dramaturgia em Homenagem a Federico García Lorca, v. 1, p. 1-11, 2011.
SILVA, Ester Cristiane da.. Um olhar Sobre Federico García Lorca. Amor de Dom Perlimplim com Belisa em seu Jardim e Outros Poemas Adaptado para Ramo Ardente e Representado pelo Teatro Universitário de Maringá. In: V Congresso Internacional de História, 2011, Maringá - PR. Ed. Clichetec, 2011.
SILVA FILHO, José Francisco da.. Un análisis mitopoético e imaginal de La casa de Bernarda Alba y Dorotéia. (Tese Doutorado em Teoria de la literatura y literatura comparada). Universitat Autónoma de Barcelona, UAB, Espanha, 2014.
SILVA FILHO, José Francisco da.. La familia en el teatro de Nelson Rodrigues y Federico García Lorca. (Dissertação Mestrado em teoria de la literatura y literatura comparada). Universitat Autónoma de Barcelona, UAB, Espanha, 2006.
SILVA, Nielson Batista da.. O romaneceiro da Inconfidência, de Cecília Meireles, e O romanceiro de Gitano, de Federico García Lorca: um esboço. (Dissertação Mestrado em Letras e Lingüística). Universidade Federal de Alagoas, UFAL, 2013.
TELES, Gilberto Mendonça. Para o estudo de Lorca no Brasil. in: Jornal da Poesia, Disponível no link. (acessado em 13.8.2016).
WILLER, Claudio. García Lorca, poeta e personagem. in: Musa rara, 31.7.2014. Disponível no link. (acessado em 13.8.2016).


FAMÍLIA DE LORCA
Lorca, os pais Federico e Vicenta e os irmãos Concha e Paco

AMIZADES LITERÁRIAS
Emilio Prados  e Federico García Lorca, Madrid, 1936.


Salvador Dalí e Federico García Lorca

Emilio Aladrén e Federico García Lorca

Federico García Lorca y Margarita Xirgu vestida de Yerma, Madrid, 1934

Salvador Dalí, José Moreno Villa, Luis Buñuel, Federico García Lorca e José Antonio

Federico Garcia Lorca's Poet in Columbia 1929

Federico García Lorca e Miguel Pizarro - 1934.

Lorca and Ángel del Río in New York park,
probably in Central Park, 1929.


Federico García Lorca
OUTRAS FONTES E REFERÊNCIAS DE PESQUISA
:: Fundación Federico García Lorca
:: Biblioteca - Fundación Federico García Lorca
:: Loff. it - Federico García Lorca


VEJA AINDA

 © Direitos reservados aos herdeiros

© Pesquisa, seleção e organização: Elfi Kürten Fenske 

=== === ===
Trabalhos sobre o autor:
Caso, você tenha algum trabalho não citado e queira que ele seja incluído - exemplo: livro, tese, dissertação, ensaio, artigo - envie os dados para o nosso "e-mail de contato", para que possamos incluir as referências do seu trabalho nesta pagina. 

Como citar:
FENSKE, Elfi Kürten (pesquisa, seleção e organização). Federico García Lorca - o poeta andaluz. Templo Cultural Delfos, setembro/2016. Disponível no link. (acessado em .../.../...).
____
** Página atualizada em 21.9.2016.




Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2016 Templo Cultural Delfos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!