Carlos Drummond de Andrade - poesia erótica

Le bonheur de vivre, by Matisse
O amor natural
Guardados durante anos, os poemas eróticos de Carlos Drummond de Andrade estão reunidos nesta excepcional coletânea. O Amor Natural é uma obra inquietante, pois revela uma face nova, mais despojada, porém extremamente fascinante, do poeta. São textos repletos de vida e sensualidade, onde o autor se introjeta ao mesmo tempo em que se expõe, desbravando o corpo enquanto busca, na fluidez e sensualidade da linguagem, a própria nudez da alma.
Carlos Drummond de Andrade - foto: (...)
Quase todos os poemas encontrados aqui são inéditos, à exceção de uns poucos publicados em revistas eróticas durante a década de setenta. Apesar de muitos deles terem servido de base para uma tese sobre o erotismo drummondiano, o autor optou por guardá-los em segredo, confiando a seus herdeiros a tarefa de publicá-los após sua morte.
Embora o senso de humor e a leveza — traços marcantes do estilo do autor — estejam presentes em toda a obra, o elemento mais forte é, sem dúvida, a paixão, a sensualidade à flor da palavra. Como define Affonso Romano de Sant’Anna, as palavras às vezes copulam semanticamente, e o que encontramos nestas páginas é o êxtase poético de um autor que, ao mergulhar fundo em suas próprias sensações, desnuda também o leitor, que se vê frente a frente com suas próprias contradições ao pensar nos limites entre o erótico e o pornográfico, o sexo e o amor.
- trecho da orelha do livro "O amor natural". Rio de Janeiro: Record, 1992.


POEMAS SELECIONADOS DO LIVRO "O AMOR NATURAL"


A bunda, que engraçada
A bunda, que engraçada.
Está sempre sorrindo, nunca é trágica.
Não lhe importa o que vai
Ilustração do livro "Amor
Natural", de Drummond
pela frente do corpo. A bunda basta-se.
Existe algo mais? Talvez os seios.
Ora - murmura a bunda - esses garotos
ainda lhes falta muito que estudar.

A bunda são duas luas gêmeas
em rotundo meneio. Anda por si
na cadência mimosa, no milagre
de ser duas em uma, plenamente.

A bunda se diverte
por conta própria. E ama.
Na cama agita-se. Montanhas
avolumam-se, descem. Ondas batendo
numa praia infinita.

Lá vai sorrindo a bunda. Vai feliz
na carícia de ser e balançar
Esferas harmoniosas sobre o caos.

A bunda é a bunda
redunda.
- Carlos Drummond de Andrade, em "O amor natural". Rio de Janeiro: Record, 1992.


A carne é triste depois da felação
A carne é triste depois da felação
Depois do sessenta-e-nove a carne é triste.
É areia, o prazer? Não há mais nada
Após esse tremor? Só esperar
Outra convulsão, outro prazer
tão fundo na aparência mas tão raso
na eletricidade do minuto?
Já dilui o orgasmo na lembrança
E gosma
escorre lentamente de tua vida
- Carlos Drummond de Andrade, em "O amor natural". Rio de Janeiro: Record, 1992.


A castidade com que abria as coxas
A castidade com que abria as coxas
e reluzia a sua flora brava.
Na mansuetude das ovelhas mochas
e tão estreita, como se alargava.
Ah, coito, coito, morte de tão vida,
sepultura na grama, sem dizeres.
Em minha ardente substância esvaída,
eu não era ninguém e era mil seres
em mim ressuscitados. Era Adão,
primeiro gesto nu ante a primeira
negritude de corpo feminino.
Roupa e tempo jaziam pelo chão.
E nem restava mais o mundo, à beira
dessa moita orvalhada, nem destino.
- Carlos Drummond de Andrade, em "O amor natural". Rio de Janeiro: Record, 1992.


A língua lambe
A língua lambe as pétalas vermelhas
da rosa pluriaberta; a língua lavra
certo oculto botão, e vai tecendo
lépidas variações de leves ritmos.
E lambe, lambilonga, lambilenta,
a licorina gruta cabeluda,
e, quanto mais lambente, mais ativa,
atinge o céu do céu, entre gemidos,
entre gritos, balidos e rugidos
de leões na floresta, enfurecidos.
- Carlos Drummond de Andrade, em "O amor natural". Rio de Janeiro: Record, 1992.


A outra porta do prazer
A outra porta do prazer,
porta a que se bate suavemente,
seu convite é um prazer ferido a fogo
e, com isso, muito mais prazer.

Amor não é completo se não sabe
coisas que só amor pode inventar.
Procura o estreito átrio do cubículo
aonde não chega a luz, e chega o ardor
de insofrida, mordente

fome de conhecimento pelo gozo.
- Carlos Drummond de Andrade, em "O amor natural". Rio de Janeiro: Record, 1992.


Amor - pois que é palavra essencial
Amor – pois que é palavra essencial
Katsukawa School Shunga Emaki Erotic Painting Edo
comece esta canção e toda a envolva.
Amor guie o meu verso, e enquanto o guia,
reúna alma e desejo, membro e vulva.
Quem ousará dizer que ele é só alma?
Quem não sente no corpo a alma expandir-se
até desabrochar em puro grito
de orgasmo, num instante de infinito?
O corpo noutro corpo entrelaçado,
fundido, dissolvido, volta à origem
dos seres, que Platão viu completados:
é um, perfeito em dois; são dois em um.
Integração na cama ou já no cosmo?
Onde termina o quarto e chega aos astros?
Que força em nossos flancos nos transporta
a essa extrema região, etérea, eterna?
Ao delicioso toque do clitóris,
já tudo se transforma, num relâmpago.
Em pequenino ponto desse corpo,
a fonte, o fogo, o mel se concentraram.
Vai a penetração rompendo nuvens
e devassando sóis tão fulgurantes
que nunca a vista humana os suportara,
mas, varado de luz, o coito segue.
E prossegue e se espraia de tal sorte
que, além de nós, além da própria vida,
como ativa abstração que se faz carne,
a idéia de gozar está gozando.
E num sofrer de gozo entre palavras,
menos que isto, sons, arquejos, ais,
um só espasmo em nós atinge o climax:
é quando o amor morre de amor, divino.
Quantas vezes morremos um no outro,
no úmido subterrâneo da vagina,
nessa morte mais suave do que o sono:
a pausa dos sentidos, satisfeita.
Então a paz se instaura. A paz dos deuses,
estendidos na cama, qual estátuas
vestidas de suor, agradecendo
o que a um deus acrescenta o amor terrestre.
- Carlos Drummond de Andrade, em "O amor natural". Rio de Janeiro: Record, 1992.



Bundamel bundalis 
                bundacor bundamor
Danae, Gustav Klimt (1907-1908)
Bundamel bundalis bundacor bundamor
bundalei bundalor bundanil bundapão
bunda de mil versões, pluribunda unibunda
                      bunda em flor, bunda em al
                      bunda lunar e sol
                      bundarrabil

Bunda maga e plural, bunda além do irreal
arquibunda selada em pauta de hermetismo
                        opalescente bun
                        incandescente bun
meigo favo escondido em tufos tenebrosos
a que não chega o enxofre da lascívia
e onde
a global palidez de zonas hiperbóreas
concentra a música incessante
do girabundo cósmico.

Bundaril bundilim bunda mais do que bunda
bunda mutante/renovante
que ao número acrescenta uma nova harmonia.
Vai seguindo e cantando e envolvendo de espasmo
o arco de triunfo, a ponte de suspiros
a torre de suicídio, a morte do Arpoador
                  bunditálix, bundífoda

bundamor bundamor bundamor bundamor.
- Carlos Drummond de Andrade, em "O amor natural". Rio de Janeiro: Record, 1992.



Mimosa boca errante
à superfície até achar o ponto
em que te apraz colher o fruto em fogo
que não será comido mas fruído
até se lhe esgotar o sumo cálido
e ele deixar-te, ou o deixares, flácido,
mas rorejando a baba de delícias
que fruto e boca se permitem, dádiva.
Boca mimosa e sábia,
impaciente de sugar e clausurar
inteiro, em ti, o talo rígido
mas varado de gozo ao confinar-se
no limitado espaço que ofereces
a seu volume e jato apaixonados
como podes tornar-te, assim aberta,
recurvo céu infindo e sepultura?
Mimosa boca e santa,
que devagar vais desfolhando a líquida
espuma do prazer em rito mudo,
lenta-lambente-lambilusamente
ligada à forma ereta qual se fossem
a boca o próprio fruto, e o fruto a boca,
oh chega, chega, chega de beber-me,
de matar-me, e, na morte, de viver-me.
Já sei a eternidade: é puro orgasmo.
- Carlos Drummond de Andrade, em "O amor natural". Rio de Janeiro: Record, 1992.


No pequeno museu sentimental
No pequeno museu sentimental
os fios de cabelos religados
por laços mínimos de fita
são tudo que dos montes hoje resta,
visitados por mim, montes de Vênus.

Apalpo, acaricio a flora negra,
e negra continua, nesse branco
total do tempo extinto
em que eu, pastor felante, apascentava
caracóis perfumados, anéis negros,
cobrinhas passionais, junto do espelho
que com elas rimava, num clarão.

Os movimentos vivos no pretérito
enroscavam-se nos fios que me falam
de perdidos arquejos renascentes
em beijos que da boca deslizavam
para o abismo de flores e resinas.


Vou beijando a memória desses beijos.
- Carlos Drummond de Andrade, em "O amor natural". Rio de Janeiro: Record, 1992.


Oh minha senhora ó minha senhora
Oh minha senhora ó minha senhora oh não se incomode senhora 
minha não faça isso eu lhe peço eu lhe suplico por Deus nosso
redentor minha senhora não dê importância a um simples mortal
vagabundo como eu que nem mereço a glória de quanto mais
de...não não não minha senhora não me desabotoe a braguilha
não precisa também de despir o que é isso é verdadeiramente fora
de normas e eu não estou absolutamente preparado para semelhante
emoção ou comoção sei lá minha senhora nem sei mais o
que digo eu disse alguma coisa? sinto-me sem palavras sem fôlegos
sem saliva para molhar a língua e ensaiar um discurso coerente
na linha do desejo sinto-me desamparado do Divino Espírito
Santo minha senhora eu eu eu ó minha senh...esses seios são
seus ou é uma aparição e esses pêlos essas nád...tanta nudez me
deixa naufragado me mata me pulveriza louvado bendito seja

Deus é o fim do mundo desabando no meu fim eu eu...
- Carlos Drummond de Andrade, em "O amor natural". Rio de Janeiro: Record, 1992.


O que se passa na cama
Ilustração do livro "Amor Natural", de Drummond
(O que se passa na cama
é segredo de quem ama.)

É segredo de quem ama

não conhecer pela rama
gozo que seja profundo,
elaborado na terra
e tão fora deste mundo
que o corpo, encontrando o corpo
e por ele navegando,
atinge a paz de outro horto,
noutro mundo: paz de morto,
nirvana, sono de pênis.

Ai, cama, canção de cuna,

dorme, menina, nanana,
dorme a onça suçuarana,
dorme a cândida vagina,
dorme a última sirena
ou a penúltima... O pênis
dorme, puma, americana
fera exausta. Dorme, fulva
grinalda de tua vulva.
E silenciam os que amam,
entre lençol e cortina
ainda úmidos de sêmen,
estes segredos de cama.
- Carlos Drummond de Andrade, em "O amor natural". Rio de Janeiro: Record, 1992.


Para o sexo a expirar...
Para o sexo a expirar, eu me volto, expirante.
Raiz de minha vida, em ti me enredo e afundo.
Amor, amor, amor — o braseiro radiante
que me dá, pelo orgasmo, a explicação do mundo.

Pobre carne senil, vibrando insatisfeita,
a minha se rebela ante a morte anunciada.
Quero sempre invadir essa vereda estreita
onde o gozo maior me propicia a amada.

Amanhã, nunca mais. Hoje mesmo, quem sabe?
enregela-se o nervo, eisvai-se-me o prazer
antes que, deliciosa, a exploração acabe.

Pois que o espasmo coroe o instante do meu termo,
e assim possa eu partir, em plenitude o ser,
de sêmen aljofrando o irreparável ermo. 
- Carlos Drummond de Andrade, em "O amor natural". Rio de Janeiro: Record, 1992.


São flores ou são nalgas
São flores ou são nalgas
estas flores
de lascivo arabesco?
São nalgas ou são flores
estas nalgas
de vegetal doçura e macieza?
- Carlos Drummond de Andrade, em "O amor natural". Rio de Janeiro: Record, 1992.


Sem que eu pedisse, fizeste-me a graça
Sem que eu pedisse, fizeste-me a graça
de magnificar meu membro.
Sem que eu esperasse, ficaste de joelhos
em posição devota.
O que passou não é passado morto.
Para sempre e um dia
o pênis recolhe a piedade osculante de tua boca.
Hoje não estás nem sei onde estarás,
na total impossibilidade de gesto ou comunicação.
Não te vejo não te escuto não te aperto
mas tua boca está presente, adorando.
Adorando.
Nunca pensei ter entre as coxas um deus.
- Carlos Drummond de Andrade, em "O amor natural". Rio de Janeiro: Record, 1992.


Sob o chuveiro amar
Sob o chuveiro amar, sabão e beijos,
ou na banheira amar, de água vestidos,
amor escorregante, foge, prende-se,
torna a fugir, água nos olhos bocas,
dança, navegação, mergulho, chuva,
essa espuma nos ventres, a brancura
triangular do sexo - é água, esperma,
é amor se esvaindo, ou nos tornamos fonte?
- Carlos Drummond de Andrade, em "O amor natural". Rio de Janeiro: Record, 1992.



The Kiss, by Auguste Rodin 1886
[Rodin Museum, Paris França]
Sugar e ser sugado pelo amor
Sugar e ser sugado pelo amor
no mesmo instante     boca milvalente
o corpo dois em um    o gozo pleno
que não pertence a mim nem te pertence
um gozo de fusão difusa transfusão
o lamber o chupar o ser chupado
         no mesmo espasmo
é tudo boca boca boca boca

sessenta e nove vezes boquilíngua.
- Carlos Drummond de Andrade, em "O amor natural". Rio de Janeiro: Record, 1992.


Quando desejos outros é que falam
Quando desejos outros é que falam
e o rigor do apetite mais se aguça,
despetalam-se as pétalas do ânus
à lenta introdução do membro longo.
Ele avança, recua, e a via estreita
vai transformando em dúlcida paragem.

Mulher, dupla mulher, há no teu âmago

ocultas melodias ovidianas.
- Carlos Drummond de Andrade, em "O amor natural". Rio de Janeiro: Record, 1992.


Você meu mundo meu relógio de não marcar horas 
Você meu mundo meu relógio de não marcar horas; de esquecê-las.
Você meu andar meu ar meu comer meu descomer. 
Minha paz de espadas acesas. 
meu sono festival meu acordar entre girândolas. 
Meu banho quente morno frio quente pelando. Minha pele total. 
Minhas unhas afiadas aceradas aciduladas. 
Meu sabor veneno.
Minhas cartas marcadas que se desmarcam e voam. 
Meu suplício. Minha mansa onça pintada pulando. 
Minha saliva minha língua passeadeira possessiva meu esfregar de barriga em barriga. 
meu perder-se entre pêlos algas águas ardências. 
Meu pênis submerso. 
Túnel cova cova cova cada vez mais funda estreita mais mais. 
Meus gemidos gritos uivos guais guinchos miados ofegos ah oh ai ui nehm ahah 

minha evaporação meu suicídio gozoso glorioso.
- Carlos Drummond de Andrade, em "O amor natural". Rio de Janeiro: Record, 1992.



Amor - pois que é palavra essencial, de Drummond
por Sérgio Viotti (trecho do documentário "Amor natural")


Filme: O amor natural
Documentário que traz poemas eróticos escritos por Carlos Drummond de Andrade, publicados após a morte do escritor.
Ficha técnica
Ano/país: 1996, Holanda
Duração: 76 min.
Direção e roteiro: Heddy Honigmann
Elenco: Joana Fomm, Sérgio Viotti



Capa do livro 'O Amor natural,' de Drummond
ilustrações Milton Dacosta
PUBLICAÇÕES DO LIVRO "O AMOR NATURAL"
:: O amor natural. [ilustração Milton Dacosta]. Rio de Janeiro: Record, 1992; 1994.
:: O amor natural. In: Poesia completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2003. 
:: O amor natural. São Paulo: Companhia das Letras, 2014. 


ALGUMA BIBLIOGRAFIA SOBRE O LIVRO "O AMOR NATURAL"
BARBOSA, Rita de Cássia. Poemas eróticos de Carlos Drummond de Andrade. (Série Princípios, 110). São Paulo: Ática, 1987, 62p.
LIMA, Francesco Jordani Rodrigues de.. Amor – a palavra essencial da poesia erótica de Drummond. Revista Diadorim, vol. 1, 2006. Disponível no link. (acessado em 26.5.2015).
PRADO, Priscila Finger do; RODRIGUES, Inara.  A representação de eros em O amor natural. Disc. Scientia. Série: Artes, Letras e Comunicação, S. Maria, v. 10, n. 1, p. 1-14, 2009. Disponível no link. (acessado em 26.5.2015).
PRADO, Priscila Finger do. O amor natural: o espetáculo póstumo de Drummond. Miscelânea, Unesp-Assis, vol. 6, jun./nov.2009, p. 139-155. Disponível no link. (acessado em 26.5.2015).


Drummond,  por Kleber Sales

© Direitos reservados ao autor/e ou ao seus herdeiros

© Pesquisa, seleção e organização: Elfi Kürten Fenske

Como citar:
FENSKE, Elfi Kürten (pesquisa, seleção e organização). Carlos Drummond de Andrade - poesia erótica. Templo Cultural Delfos, maio/2015. Disponível no link. (acessado em .../.../...).
____
** Post atualizado em 29.5.2015.



Licença de uso: O conteúdo deste site, vedado ao seu uso comercial, poderá ser reproduzido desde que citada a fonte, excetuando os casos especificados em contrário. 
Direitos Reservados © 2016 Templo Cultural Delfos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos a visita. Deixe seu comentário!